You are on page 1of 2

Absorto na Respiração

Por

Ajaan Lee Dhammadharo

Jhana significa estar absorto ou focado num único objeto, como


quando nos ocupamos com a respiração.
O PRIMEIRO JHANA tem cinco fatores:
(a) Pensamento aplicado: Pense na respiração até que você possa
reconhecê-la com clareza sem se distrair.
(b) Unicidade da mente: Mantenha a mente com a respiração. Não
permita que ela se distraia com outros objetos. Vigie seus
pensamentos de modo que eles se ocupem apenas com a respiração
até que a respiração fique confortável. (A mente se torna una, em
paz com a respiração)
(c) Pensamento sustentado: Permita que essa sensação
confortável da respiração se espalhe e se coordene com as outras
sensações no corpo. Deixe que essas sensações da respiração se
espalhem até que todas fluam juntas. Uma vez que o corpo tenha
sido tranqüilizado pela respiração, sensações de dor irão se acalmar.
O corpo estará repleto de energia positiva da respiração. Essas três
qualidades têm de estar aplicadas no mesmo fluxo da respiração para
que o primeiro jhana surja. Esse fluxo da respiração poderá então
conduzí-lo por todo o caminho até o quarto jhana. O pensamento
aplicado, a unicidade da mente e o pensamento sustentado agem
como as causas. Quando as causas estão maduras, os resultados
aparecem.
(d) Êxtase: uma sensação convincente de satisfação e refrescamento
para o corpo e a mente, que vai direto ao coração, independente de
todo o resto.
(e) Felicidade: conforto corporal proveniente da tranqüilidade e
imperturbabilidade do corpo; satisfação mental proveniente do fato
da mente estar tranqüila por si mesma, sem perturbações, serena e
exultante. O êxtase e a felicidade são os resultados. Os fatores do
primeiro jhana então se resumem em dois tipos: causas e resultados.
À medida que o êxtase e a felicidade se fortalecem, a respiração fica
mais sutil. Quanto mais tempo você permanecer focado, mais
poderosos se tornam os resultados. Isso permite que você deixe de
lado o pensamento aplicado e o pensamento sustentado e
dependendo exclusivamente de um único fator, unicidade da mente,
você entra no segundo jhana.
O SEGUNDO JHANA tem três fatores: êxtase, felicidade e
unicidade da mente. O êxtase e a felicidade se fortalecem no
segundo jhana porque eles dependem de uma única causa, unicidade
da mente, que assume a tarefa a partir deste ponto: focando na
respiração para que esta se torne cada vez mais refinada,
mantendo-a estável e tranqüila com uma sensação refrescante e
confortável para ambos, corpo e mente. A mente estará ainda mais
estável e resoluta do que antes. Enquanto você continua focando, o
êxtase e a felicidade se incrementam e começam a pulsar. Continue
focando na respiração, movendo a mente para um nível sutil mais
profundo para escapar dos movimentos do êxtase e da felicidade, e
você entrará no terceiro jhana.
O TERCEIRO JHANA tem dois fatores: felicidade e unicidade da
mente. O corpo estará quieto, imóvel e solitário. Nenhuma sensação
de dor surge para perturbá-lo. A mente estará solitária e tranqüila. A
respiração refinada, fluindo livremente e ampla. Uma luminosidade –
branca, como algodão – permeia todo o corpo, acalmando todas as
sensações de desconforto físico e mental. A respiração preenche o
corpo. A atenção plena preenche o corpo.
Foque em: A mente está luminosa e poderosa, o corpo está leve. A
sensação de felicidade se acalmou. A sua noção do corpo está estável
e equilibrada, sem lapsos ou intervalos na sua atenção, assim você
pode abandonar a sua sensação de felicidade. A unicidade da mente,
a causa, tem força suficiente para focar com mais intensidade,
conduzindo-o ao quarto jhana.
O QUARTO JHANA tem dois fatores: equanimidade e unicidade da
mente, ou atenção plena – sólida, estável e segura. A
propriedade da respiração está absolutamente quieta e tranqüila,
livre de ondulações e intervalos, tal qual um oceano livre de correntes
ou ondas. A mente, neutra e tranqüila, abandona todas as
preocupações com o passado e o futuro. O presente é neutro e
tranqüilo. Essa é a verdadeira unicidade da mente, focada na
imperturbável tranqüilidade da respiração. Todos os aspectos da
energia da respiração no corpo se conectam de modo que você pode
respirar por todos os poros. Você não precisa respirar pelas narinas
porque a inspiração e a expiração e os outros aspectos da respiração
no corpo formam um todo único, unificado – equilibrado e pleno. A
atenção plena e a plena consciência convergem dando origem a uma
grande energia capaz de dissipar toda a obscuridade interior.