You are on page 1of 4

c   ou metalóide (termos considerados equivalentes, com predileção por

semimetal) é designação clássica e genérica de elementos químicos que exibem tanto


características de metais quanto de ametais, quer nas propriedades físicas, quer nas
químicas.

São diversas as aplicações industriais dos semimetais, sobretudo na fabricação de chips,


transistores, baterias solares e certos polímeros.

Os semimetais, são elementos com propriedades intermediárias entre os metais e os


não-metais e também são chamados de ametais ou metalóides (palavra que significa
³como um metal´). Em geral, o metalóide ou semimetal, é sólido, quebradiço e
brilhante. Funciona como isolante elétrico à temperatura ambiente, mas torna-se igual
aos metais como condutor elétrico, se aquecido, ou quando se inserem certos elementos
nos interstícios de sua estrutura cristalina.

Nos semimetais os elétrons de valência ± elétrons das camadas eletrônicas mais externas
± não estão livres como nos metais e suas ligações apresentam um razoável caráter
covalente, ou seja, os elétrons não estão localizados num átomo específico. À medida
que se aumenta a temperatura, os elétrons fracamente ligados tornam-se livres e se
movem através da rede cristalina do metalóide, ou seja, conduzem corrente elétrica.
Devido a essa característica, são chamados semicondutores. Suas propriedades são
intermediárias entre os átomos eletropositivos e as dos átomos eletronegativos. Seus
hidroxocompostos são fracametne ácidos ou antóferos.

São considerados semimetais os elementos químicos boro, silício, germânio, arsênio,


antimônio, telúrio e polônio. Às vezes um elemento raro como o astato, também é
classificado como semimetal. Modernamente existe uma tendência a considerar como
não metais o boro, silício, arsênio e telúrio; e como metais o germânio, antimônio,
polônio e astato.

Entre as propridades físicas e químicas comumente presentes nos assim chamados


semimetais, tem-se:

1.? ropriedades físicas: são semicondutores elétricos, bem como semicondutores


térmicos;
2.? Em propriedades químicas: formam óxidos anfóteros;
3.? Em propriedades subatômicas: apresentam discreta interseção ou sobreposição
da banda de condução com a camada de valência.

Na tabela periódica, os semimetais ocorrem | || 


|
 
 |
|

| | do boro ao polônio, ambos semimetais. Os elementos à esquerda dessa


diagonal são metais; os elementos à sua direita são ametais:
±  ±  ±  ±  ± 

 C N O F
 Carbono Nitrogênio Oxigênio Flúor

Al c  S Cl
Alumínio c Fósforo Enxofre Cloro

Ga
Se Br
Gálio  
  Selênio Bromo

In Sn c
I
Índio Estanho
    Iodo

Tl b Bi  At
Tálio Chumbo Bismuto   Astato

Atualmente essa classe deixou de existir, porém ainda é muito usada nas escolas para
estudos.

Os semi-metais se situam em uma faixa diagonal, que percorre a tabela periódica do


boro ao telúrio. As energias de ionização destes elementos são ligeiramente mais
elevadas do que a dos metais. As estruturas cristalinas dos semi-metais são, em muitos
casos, cadeias complexas e infinitas, estruturas em camadas e redes infinitas
tridimensionais de átomos. Muitos dos semi-metias apresentam tanto estados de
oxidação positivos como negativos.

Os semimetais representam papel importante na produção de transistores por sua


característica marcante. Os semimetais, dependendo da temperatura em que se
encontram e se estão associados à outro material, eles podem se comportar como metais
ou não.

Os transistores convencionais são feitos de Silício ou Germânio.São materiais que não


podem ser classificados nem como condutores nem como isolantes, situando-se pois
num grupo intermediário. Trabalhando com esses materiais, alguns cientistas
descobriram que a adição de quantidades muito pequenas de certas sustância (chamadas
impurezas) a um semicondutor pode alterar consideravelmente suas propriedades
elétricas. Assim, adicionando-se uma pequena quantidade de fósforo a uma amostra de
silício, obtém-se um condutor elétrico semelhante a um metal, isto é, a condução
elétrica nesta substância é feita por meio de elétrons livres. Dizemos que um
semicondutor como este é do tipo n (condução feita por cargas negativas). or outro
lado, se uma pequena quantidade de boro é adicionada ao silício puro, verifica-se que
ele também conduz eletricidade, mas tudo se passa como se a corrente elétrica fosse
constituída pelo movimento de cargas positivas. or este motivo, dizemos que o silício
dopado com boro é um semicondutor do tipo p (condução por cargas positivas).
E isso ilustra a versatilidade desta classe de materiais.
r   a  a    a 
 
  
 *     

        

  



    
    

 
   
  
  ! "   
 #


$

 
 %  
 

      
     

 
 

#
 #  &
   


Constituiam o grupo dos semimetais os seguintes elementos: Boro, Silício, Germânio,


Arsênio, Antimônio, Telúrio e olônio. Alguns autores ainda encaixam o Astato como
um  , enquanto outros o permanecem na classe não-metal.

O ponto-chave da dualidade metal-ametal destes elementos provinha de diversos


fatores: O Boro possui baixa condutividade elétrica, entretanto estabelece ligações com
ametais; o Silício (famoso por ser um semicondutor) possui boa condutividade térmica e
brilho, mas também apresenta baixa condutividade elétrica em relação aos demais
metais. Ou seja, o grande problema dos semimetais é a presença de características que
lhes conferem a classificação de metal e também de ametal.

orém, como a classificação metálica é bem restrita à maleabilidade, ductilidade,


condutividade elétrica e térmica, além do brilho característico, da elasticidade e da
tenacidade, os elementos que não atendem a todas essas características não são
verdadeiros metais.

c   
O grupo dos metalóides ainda apresenta outra grande disfunção físico-química quando
comparado ao grupo metálico: as      e     . ara o
entendimento desses dois conceitos, observe os exemplos:

Ë? r' (     



Ë? c  ' ) *
  
  &  #
  r 
 
 
Ë? 
&' 
 % 

As Bandas de Condução e Valência estão presentes em qualquer átomo. Inicialmente,


na Banda de Valência concentram-se os elétrons, e na de Condução há um espaço vazio.
orém, nos condutores (metais) a distância entre essas Bandas é nula e as duas se
entrecruzam, permitindo então que os elétrons dêem saltos quânticos da Banda de
Valência para a de Condução (onde corrente elétrica é gerada), ou seja, nos metais as
duas Bandas possuem elétrons, sendo a de Valência totalmente cheia e a de Condução
parcialmente cheia.

Nos isolantes esse fato não ocorre, uma vez que a distância entre as duas Bandas é
muito grande, logo a de Condução é vazia. Sendo que, para um elétron saltar de uma
Banda para a outra é necessária certa quantidade de energia (elétron-Volt, eV).

Circuito integrado

erceba no gráfico que, o requerimento de energia cresce com a distância entre a Banda
de Condução e a Banda de Valência (BC e BV). Esse requerimento de energia pode ser
dado submetendo o material a algum campo elétrico: nos condutores, a quantidade de
energia necessária para que haja passagem de eletricidade é pequena, nos
semicondutores é media e nos isolantes é alta. Ou seja, para que um filete de Carbono
transmita a mesma corrente elétrica que passa em um filete de Ouro, é necessário
aplicar uma tensão elétrica (ou ddp ± diferença de potencial elétrico -, medido em Volts)
maior entre seus terminais.

O diagrama do meio pode ser utilizado para representar o Silício. Repare que as Bandas
de Condução e de Valência não estão tão próximas como no condutor, mas também não
estão tão separadas como no isolante. Daí a classificação de semicondutor. Uma vez que
o silício necessita de mais energia que o Ouro (condutor) e menos que o Carbono
(Isolante) para que no material circule uma corrente de mesma intensidade.

Os semicondutores são bastante utilizados em circuitos integrados de computadores


(Chips). Além do Silício, são utilizados em escala bem menor o Germânio e o Arsênio
(sob forma de arseniato de gálio).