Resenha Critica A VISÃO MISSIONÁRIA NA BÍBLIA

SEMINÁRIO PRESBITERIANO DE BRASÍLIA Pós graduação em TEOLOGIA BÍBLICA Teologia de Missões I Profª: Paulo Oliveira Nome: Daniel Deusdete

Araújo Barreto

Resenha

CARRIKER, Timóteo. A VISÃO MISSIONÁRIA NA BÍBLIA - uma história de amor. Minas Gerais: ed. Ultimato, 2005.

Reflexões sobre o livro A Visão Missionária na Bíblia

O livro foi escrito por Charles Timothy Carriker, Bacharelado de Artes (B.A.) em Ciências da Religião na Universidade de Carolina do Norte em Charlotte, M.Div., Th.M., Ph.D.1 Carriker tem atuado como obreiro da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América com a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil além de ensinar nos cursos de graduação e pós-graduação. Ele também administra e sustenta um sítio na internet muito edificante e que disponibiliza muitos materiais sobre missões e outros temas pertinentes.2 A edição usada nesta resenha foi a primeira edição de outubro de 2005, com a revisão de Heloisa Wey Neves Lima. O livro de T. Carriker apresenta uma excelente guia para missões por apresentar a sua visão missionária na Bíblia que ele escreveu ao longo de mais de 20 anos. Na verdade, seu projeto começou como uma série de estudos sobre a missão da Igreja publicados na revista Ultimato entre 1983 e 1986. Em 1992, diz o autor, tomou forma de um pequeno livro, publicado pela Editora Vida Nova, com o título Missões na Bíblia: Princípios Gerais. Seu principal objetivo era o de nutrir o movimento missionário brasileiro contemporâneo, que ainda era muito novo.

1

                                                            
  São referências aos graus alcançados em universidades no exterior.   http://escriturasagrada.com/autor/  

2

Ele escreve com paixão e com vontade de demonstrar a sua ideía, principalmente, para líderes evangélicos que já estão acostumados a lerem e a relerem a Bíblia apresentando assim um enfoque diferente, uma visão que crê estar sendo direcionada por Deus e que quer compartilhar para a edificação do corpo de Cristo. Sua visão abrangente possibilita ir além do trivial para uma realidade não percebida pela maioria que está acostumada a um padrão de pensamento não global, mas relativizado ou particularizado. Sua visão de reino de Deus não envolve apenas a igreja ou assuntos espirituais, mas perpassa indo mais além. Ele explica com detalhes o pensamento de Deus e seu enfoque missionário desde a origem de tudo e de todas as coisas. A sua narrativa possibilita uma visão abrangente, a história resumida e precisa do texto do Antigo e do Novo Testamento e os principais e os mais importantes caminhos de Deus para alcançar o coração dos homens. O livro é dividido em 8 capítulos (1. A Perspectiva Universal da Bíblia: missão desde o início; 2. A Promessa para Abraão: povo escolhido, povos benditos; 3. A Promessa para Moisés: povo peculiar, povo entre os povos; 4. A Promessa para Davi: reino eterno, luz para as nações; 5. A Realização em Jesus: cruz e ressurreição; 6. A Realização na Igreja: capacitação e estratégia; 7. A Realização em Paulo: vocação, teologia e missão; 8. A Perspectiva Universal da Bíblia: missão até o fim.), além de conter um prefácio, uma apresentação e depois conclusão, notas, bibliografia e agradecimentos. Essa divisão e estruturação bem arranjada, precisa e lógica dão ao leitor uma boa impressão além de o estimular à leitura e ao aprendizado. À medida que ele, o leitor, vai se aprofundando na leitura e entendendo os assuntos, vai percebendo coerência, exatidão histórica e cronológica na transmissão dos conhecimentos. O livro é agradável de se ler, como já salientado, bem estruturado e organizado de forma lógica e didática não se tornando uma leitura cansativa, antes estimula a curiosidade e desafia o leitor, caso haja interesses, no aprofundamento das pesquisas para melhor compreensão. O livro se apresenta de forma analítica em relação ao assunto de missões. O autor até se sentiu um pouco chateado por estar trantando de um assunto há tanto tempo, mas reconhece que está mexendo com o cerne da questão tanto da igreja quanto do cristão. São deveras interessantes as idéias que ele desenvolve como a do Deus Missionário que por amor aos homens enviou o seu único filho para percorrer aldeias e cidades, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino de Deus e curando todos os enfermos (Mt 9:35).

É dele também a idéia de que a Bíblia, de Gênesis 1.1 a Apocalipse 22.21, é um livro essencialmente missionário. Bíblia missionária de Gênesis a Apocalípse, escrita por um Deus missionário, que envia, primeiramente o seu próprio filho, depois, a igreja e todo o corpo de Cristo para ganhar e converter almas. O desafio que ele nos passa é de que devemos crer em mudanças em transformações de vidas e de almas humanas. O autor, em sua conclusão, reforça alguns conceitos e ideáis apresentadas como a dos dois movimentos em relação ao mundo, um interno (a eleição, a salvação) e outro externo (a propagação, o testemunho, a evangelização). Isto é o povo de Israel foi

escolhido por Deus para testemunhar as outras nações. Reparem que na idéia do autor a escolha não é algo cobiçado de per se, antes é uma “escolha para”. A idéia presente da salvação com um objetivo em si mesma não é o que Deus pretendia, mas antes que o povo escolhido e os salvos assim sejam para comunicar aos outros povos a escolha e a salvação de Deus. Comenta ainda que alguns autores falam de dois movimentos como enfoques históricos da narrativa bíblica sendo um particular e outro geral, por exemplo o início de Gênesis e o livro de Apocalípse teriam um enfoque geral, isto é, destinado a todos os povos e outros livros teriam um enfoque particular como uma mensagem mais direcionada para israel e outro para Igreja. Carriker, ao contrário, considera como enfoque geral ou universal de Gênesis à Apocalípse. Há ainda o caráter centrípeto (por exemplo do AT que se preocupava mais com a história do povo judeu) e centrífugo (por exemplo do NT cuja mensagem saiu do povo judeu para o povo judeu e depois para os gentios) que mais se aproximam da ideáia universal do autor. T. Carriker entende, muito sabiamente, que “através de toda a revelação bíblica, Deus sempre manifestou sua preocupação por toda a criação. Seu alvo maior é o mundo. Por trás do conceito de povo escolhido está o propósito de alcançar todos os povos da terra.” Esse livro trouxe edificação e possibilitou convencimento de que a Bíblia, em especial, o Novo Testamento, não é qualquer livro produzido por qualquer mente ou por um conjunto de pessoas que resolveram montar uma teologia centrada numa personagem: Cristo! Mas é o livro de um Deus Missionário que envia pessoas para cumprirem uma missão: a sua missão, ou Missio Dei. A missão de Deus é aquela atribuída à igreja cujo âmago é a evangelização do mundo! Em função disso, percebe-se que se deve pregarr por causam da crença na pregação! Jesus cria na pregação, pregou e ensinou a pregar:

“E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo.” Mateus 9:35 . Os verbos presentes nesta frase que indicam ação são: • Percorrer (indica a ação de ir, de andar, de se locomover, de caminhar. Ele

não ficou parado, estagnado, inerte ou dentro do Templo, mas foi para todas as cidades e aldeias. Repare que a Palavra de Deus destaca que eram TODAS). • Ensinar (o Senhor ia a todas as cidades e aldeias e nas sinagogas deles

ensinava a Palavra de Deus, a interpretação correta, a justiça, a misericórdia, o amor, o reino de Deus e, principalmente a sua visão missionária de que Deus o estava enviando e que ele, em breve, deixaria a sua igreja como enviada a cumprir a sua missão). • Pregar (a palavra da pregação de Jesus era o Reino de Deus que ele viera

inaugurar e que fora predito pelas Escrituras). • Curar (ele curava todas as enfermidades e moléstias entre o povo! Mas,

reparem que ele não curou a lepra, mas o leproso; ele não curou todos os leprosos, mas aqueles que o Pai trouxe até ele).3 Este livro trouxe para cada um dos crentes do Século XXI que se deve sair por aí percorrendo as cidades de aldeias da circunvizinhança, incluindo o mundo digital, virtual; ensinando a genuína palavra de Deus nas igrejas e onde for possível; pregando o evangelho do Reino de Deus que Jesus implantou e que consumará com a sua vinda esperada; e, curando todos os enfermos que tiverem contato. O mundo está doente. As pessoas confusas. O pecado está a mil por hora. O freio de tudo isso não virá de outro planeta, mas da luz e do sal dos discípulos enviados por Jesus Cristo. Está na hora da igreja tirar a sua luz de debaixo da cama e colocá-la no topo para que todos a vejam. O mundo está indo de mal a pior porque a luz da igreja que devia brilhar está escondida debaixo do alqueire, debaixo das camas. Ela está oculta porque também o povo de Deus está amando as obras das trevas e praticando o que condena. O juízo de Deus virá e não tardará. O livro referido é altamente recomendável e de aplicação imediata, principalmente para leitores de visão evangelística, missionária. O estudioso da Bíblia deve se esforçar por adquiri-lo e fazer dele um livro indispensável em sua biblioteca particular.

3

                                                            
 http://www.jamaisdesista.com.br  

Aos que querem e pretendem se aprofundar nas questões relacionadas à missão, este livro, em sua bibliografia, aponta 14 obras relacionadas ao assunto que foram sendo citadas e usadas para reforçar os conceitos e idéias apresentadas e defendidas pelo autor. O recado final fica por conta do próprio autor ao qual aqui se parafraseia: O cerne e o âmago da revelação bíblica, de Gênesis à Apocalípse é 1) a cruz e a ressurreição de Jesus, como demonstrações do amor de Deus pelo mundo inteiro, sendo o mundo o seu enfoque; 2) o amor de Deus pelo mundo, isto é, o seu desejo, repleto de amor, é que o mundo volte-se para Ele e que viva pela fé e 3) a resposta humana apropriada de fé. Ou seja, Cristo, missão e fé.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful