FENG/PUC-RS - Disciplina de Administracao de Sistemas de Producao (Novembro de 2004) ¸˜ ¸˜

Integracao ERP/WMS e vantagens com a adocao de software livre ¸˜ ¸˜
Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@em.pucrs.br

Resumo
Este trabalho visa mostrar a importˆ ncia da integracao entre sistemas de ERP1 e sistemas de gerenciamento de ara ¸˜ maz´ ns (WMS2 ) para o funcionamento da cadeia produtiva, mostrando tamb´ m as vantagens estrat´ gicas e econˆ micas e e e o da adocao de software livre para esta integracao. Para isto e explicado o funcionamento dos software WMS dos quais ¸˜ ¸˜ ´ s˜ o citados alguns exemplos. Al´ m disso, s˜ o feitos alguns esclarecimentos sobre software livre, para ent˜ o demonstrar a e a a as vantagens estrat´ gicas na adocao dos mesmos e na pol´tica de desenvolvimento de solucoes abertas. e ¸˜ ı ¸˜

1.

Introducao ¸˜

Atualmente a maioria das grandes e m´ dias empresas est˜ o utilizando algum sistema de ERP, softwares que integram e e a descentralizam o fluxo de informacao de uma empresa. Tais softwares s˜ o utilizados para gerenciar desde os estoques, ¸˜ a at´ a folha de pagamento das empresas. Com a implantacao de sistemas de ERP, a cada dia se faz necess´ ria uma maior e ¸˜ a integracao entre os sistemas de informacao e a sua disponibilidade em uma empresa. ¸˜ ¸˜ Diante deste panorama, uma aplicacao que recebe destaque diz respeito a gest˜ o de estoque e de expedicao, i. e., ¸˜ a ¸˜ ´ informacoes sobre os armaz´ ns da empresa. Dada a vasta gama de sistemas de ERP dispon´veis no mercado, e natural ¸˜ e ı a dificuldade da adequacao dos mesmos a realidade de uma empresa. A Queen City Software[4] cita a importˆ ncia da ¸˜ a integracao entre fornecedores e clientes para o sincronismo da cadeia produtiva, mostrando a otimizacao na entrega de ¸˜ ¸˜ bens como a pr´ xima oportunidade para aumento dos lucros. o

Enterprise Resource Planing (ERP)

Warehouse Management System (WMS)

Sistemas de transporte

AS/RS

Outros

Figura 1: Esquema de camadas de software.
1 ERP: abreviacao para Enterprise Resource Planing que pode ser traduzido para o portuguˆ s para Planejamento dos Recursos da Empresa e, ao ¸˜ e longo deste texto, ser´ sempre referido apenas como ERP. a 2 WMS: abreviacao para Warehouse Management System que pode ser traduzido para o portuguˆ s para Sistema de Gerenciamento de Armaz´ ns e, ¸˜ e e ao longo deste texto, ser´ sempre referido apenas como WMS. a

Corrige inconsistências. ou qual o melhor local para ser estocar um determinado produto. Emissão de etiquetas de Código de Barras. entre outras funcoes. operar um vasto universo de interfaces. ASRS4 . o Embora exista uma esforco para a padronizacao destas interfaces. como o tempo que est´ estocado. minimizar rotas e tempos de transporte. ainda n˜ o existe um padr˜ o amplamente aceito para ¸ ¸˜ a a estes protocolos de comunicacao e de controle. Figura 2: Processos de chegada de material. Como conseq¨ encia da vasta gama de interfaces necess´ rias para o funcionamento do WMS e de sua integracao com uˆ a ¸˜ o ERP. 2 Localiza volumes inconsistentes. obtida do software WMS Mindelo[3]. o ¸˜ e Para isso o WMS deve operar uma s´ rie de interfaces. Integracao ERP/WMS ¸˜ Atualmente.Disciplina de Administracao de Sistemas de Producao (Novembro de 2004) ¸˜ ¸˜ 2. ficando a encargo dos fornecedores de equipamentos a especificacao de ¸˜ ¸˜ seu protocolo. ser´ sempre referido apenas como ASRS. Na figura 4 vemos um exemplo de tela de visualizacao de um dep´ sito. O WMS tamb´ m atua sugerindo para os opere ¸˜ o e adores qual volume deve ser fornecido a um cliente. interface com CLP’s para a uˆ controle de esteiras transportadoras. marca registrada da empresa Datasul de Joinville-SC abreviacao para Automatic Storage and Retreaval System que pode ser traduzido para o portuguˆ s para Sistema Autom´ tico de Armazena¸˜ e a mento e Recuperacao e. pela integracao entre o ERP e as informacoes de um dep´ sito (ou armaz´ m). os grandes sistemas ERP j´ possuem um gerenciamento b´ sico dos armaz´ ns (estoques). mesmo que limitadas. por a a e exemplo. considerar a u restricoes estrat´ gicas de armazenamento. e como a informacao o e o e ´ ¸˜ ´ chega no ERP e e neste ponto que o WMS e outros softwares especializados como softwares de automatizacao de ch˜ o ¸˜ a de f´ brica atuam. Digitação das Notas Fiscais ou transferência via EDI ou XML. etc.FENG/PUC-RS . e as informacoes entradas pelos operadores atrav´ s dos equipamentos adequados. fornecedores de WMS devem contar com suas pr´ prias. Um detalhe. trabalha com o conceito de dep´ sito e transferˆ ncia entre dep´ sitos. capacidades de desenvolvimento. terminais de Ligth Picking e Voice Picking. deve. como ¸˜ a seu pr´ prio modelo de dados. neste caso. Basicamente. O MagnusTM 3 . segundo B¨ chter[1]. um WMS deve realizar um m´nimo de 4 procedimentos que est˜ o descritos nos fluxogramas das figuras ı a 2 e 3. sendo a ¸˜ ¸˜ o e que estas informacoes podem ser tanto a localizacao f´sica do material estocado. O WMS. como coletores de dados remotos atrav´ s de comunicacao sem e e ¸˜ fio por r´ dio freq¨ encia (terminais RF). Todas estas ¸˜ informacoes s˜ o obtidas a partir de interfaces gerenciadas pelo WMS. Nesta ¸˜ o tela verificamos a exibicao de palets com caixas e sem caixas e cores identificando o status dos palets. 2 Armazenamento 1 Coleta Leitura das etiquetas. Houveram Inconsistências? Não 3 Sim Colagem das Etiquetas. Realiza Consistência. utilizando tanto o modelo de dados do ERP. ¸˜ e ¸˜ ´ O WMS e o sistema respons´ vel. por´ m. ¸˜ a 4 ASRS: 3 MagnusTM e ´ . ao longo deste texto. como ¸˜ ¸˜ ı a tamb´ m a localizacao dos operadores do dep´ sito ou das empilhadeiras.

¸˜ o 3. Emissão de manifesto. 4 Manifesto/Roteiro Realiza Consistência. Carga completa Figura 3: Processos de sa´da de material.FENG/PUC-RS . ¸ fazendo uma comparacao do modelo de desenvolvimento de software propriet´ rio com uma catedral.Disciplina de Administracao de Sistemas de Producao (Novembro de 2004) ¸˜ ¸˜ 3 Distribuição Embarque e leitura das etiquetas. r´gida e hier´ rquica ¸˜ a ı a . no livro “A Catedral e o Bazar” traca um paralelo entre dois modelos de desenvolvimento de software. Geração de arquivo para transmissão para filiais. ı Figura 4: Exemplo de tela de visualizacao de dep´ sito. Corrige inconsistências. Princ´pios de desenvolvimento de software livre ı Eric Raymond[5]. Houveram Inconsistências? Não 4 Destino final ou filial? Destino final Geração de roteiro de entrega Sim filial Localiza volumes inconsistentes.

Existem diversos modelos diferentes de licencas a ¸ ¸ para software livre. c´ digo fonte.FENG/PUC-RS . Computador Cliente Computador Cliente Terminal burro Computador Cliente Ponto de acesso para terminais de RF Figura 5: Topologia do sistema. O modelo do bazar. por exemplo. de implantacao e consultoria. mas outras devido as vantagens competitiva associadas ao software livre. o que paraleliza com os modelos fechados e com a falta de padr˜ es amplamente aceitos e o na ind´ stria de modo geral. assim como a constante comunicacao entre todos os membros da equipe de desenvolvimento do ¸˜ projeto. Apesar ˆ de muitos modelos de licencas de software livre permitirem o fornecimento sem onus do software. O termo “Software Livre” prega a abertura total dos documentos. manuais. bom como os pr´ prios usu´ rios destes o a o a softwares se mant´ m em constante comunicacao fazendo com que os tempos entre atualizacoes e correcoes de problemas e ¸˜ ¸˜ ¸˜ sejam realmente curtos resultando em uma alta qualidade do software produzido. tem mostrado um grande n´ mero de casos de sucesso e a u tem estabelecido padr˜ es fortes e coerentes. o O modelo descrito por Raymond tem sido utilizado com muito sucesso em muitos projetos baseados na abertura e na transparˆ ncia no desenvolvimento. “No futuro o dinheiro n˜ o ser´ ganho com a venda de licencas de software mas sim com a consultoria de a a ¸ engenheiros criativos”[1]. Vantagens estrat´ gicas e Hoje em dia muitas empresas est˜ o adotando solucoes baseadas em software livre. Muitas ind´ strias hoje a ¸˜ u u j´ utilizam solucoes livres mesmo sem saber. entre outros. que continuam gerando empregos ¸ ¸˜ ¸˜ ¸˜ e lucros.. ainda s˜ o necess´ rios os ¸ a a ` servicos de adequacao do software a situacao do cliente. algumas por motivos econˆ micos. como por exemplo em sistemas de compartilhamento de arquivos em suas a ¸˜ . N˜ o devemos por´ m confundir “software livre” com software gr´ tis. como r´ pidas atualizacoes e grande n´ mero de desenvolvedores. e o modelo de software livre como um bazar onde todos se conversam e trocam id´ ias e onde tais id´ ias s˜ o aceitas e e e a implementadas. bem como a ind´ stria de um modo geral. 4. que normalmente se encontram separados por grandes distˆ ncias geogr´ ficas se comunicando atrav´ s de “mailing a a e lists” ou f´ runs de discuss˜ o pela internet. alguns definidos pela Free Software Foundation[6] ou pela Creative Commons[2]. ele n˜ o precisa ser necessariamente “de graca”. Embora muitas vezes o software livre seja a e a fornecido gratuitamente. u o modelos de dados. Os desenvolvedores de software livre.Disciplina de Administracao de Sistemas de Producao (Novembro de 2004) ¸˜ ¸˜ HOST computer (ERP/DBMS server) WMS Server CLP para controle de esteiras. podem tirar vantagens u deste modelo de desenvolvimento de software. a ¸˜ o ` enxergando apenas o baixo custo de licenciamento dos softwares. etc. O desenvolvimento de WMS. aparentemente an´ rquico..

Sendo um ´ndice ainda controverso.org. internet. A ind´ stria. Uma outra grande vantagem e que a solucao n˜ o estar´ amarrada a um unico fornecedor.the open source warehouse management system. Gnu licenses. ¸˜ ¸˜ ¸˜ ¸˜ ¸˜ ´ sendo que quanto menores forem estes valores maior ser´ o ROI. com seguranca. muitos destes modelos podem ser elaborados para atender as u ¸ ´ necessidades especificas de cada neg´ cio.net. enviando suas atualizacoes. costumam ser pequenos e.fsf. tempo de implantacao. [5] Eric Steven Raymond. A Catedral e o Bazaar. correcoes e customizacoes. visto que todos os padr˜ es estar˜ o dispon´veis ¸˜ o a ı ` a comunidade6 . Retorno do Investimento e 8 solucoes propriet´ rias: s˜ o os softwares n˜ o livres. pertencentes a empresas e que n˜ o possuem seu desenvolvimento restrito a empresa propriet´ ria ¸˜ a a a a a do mesmo 6 comunidade. ¸˜ a 5. a ind´ stria pode proteger seu modelo estrat´ gico e seu modelo de neg´ cios. por exemplo. ou em portuguˆ s. como at´ mesmo na a ¸˜ ¸˜ ¸ e ´ ´ descricao de regras de neg´ cios. J´ os tempos ¸˜ a ¸˜ a de implantacao. O custo de licenciamento do software livre e nulo. com padr˜ es s´ lidos. a o ¸ diferentes estrat´ gias e modelos de neg´ cio. como os projetos de WMS. entende-se pela comunidade de desenvolvedores e usu´ rios de uma determinado software a a 7 ROI: Return of Investment.FENG/PUC-RS . ¸˜ ¸˜ ¸˜ ´ Portanto e evidente a demanda por solucoes mais integradas. Dentre os u e o in´ meros modelos de licencas livres vistas em [6] e [2]. o Um fator muito importante na avaliacao de qualquer solucao em tecnologia da informacao e o ROI7 . ´ e abreviacao para o termo Extensible Markup Language.de. 5 XML . Hoje n˜ o existe ¸˜ ¸˜ ¸˜ ´ a ` ´ referˆ ncia de ROI medido para aplicacoes livres destinadas a ind´ stria. u e ¸˜ customizacoes e correcoes para os desenvolvedores dos projetos. http://www. ¸˜ a [4] Inc.Disciplina de Administracao de Sistemas de Producao (Novembro de 2004) ¸˜ ¸˜ redes corporativas.definicoes b´ sicas. pode tamb´ m fazer parte da comunidade do software livre. maior e a necessidade de integrar todas estas solucoes. ¸˜ ¸˜ ¸˜ ¸˜ na maioria dos casos. menores que de “solucoes propriet´ rias”8 . a a Vem crescendo o n´ mero de fabricantes que tˆ m compatibilizado seus produtos com protocolos abertos como o XML5 . u [2] Lawrence Lessig. Creative commons. internet. 1995. mas alguns dos dados considerados para a sua avaliacao s˜ o os custos de licenciamento ¸˜ a de software. [6] Richard Stalmann. http://mindelo. http://creativecommons. 2004. ou em portuguˆ s linguagem de marcacao estendida ¸˜ e ¸˜ no jarg˜ o do software livre. tanto em hardware como em software e ¸˜ o ¸˜ e ´ com a demanda cada vez maior de informacoes pelas corporacoes. protegendo o que deve ser protegido e liberando o que e de interesse coletivo. amplamente aceitos e homologados ¸˜ o o por instituicoes que os certifiquem como padr˜ es de fato. com o alto grau de comunicacao da comunidade. http://www.sf. Conclus˜ o a Com o surgimento de novas solucoes tecnol´ gicas para a automacao de armaz´ ns. tempo de implementacao de customizacoes e tempo de implementacao de correcoes. E. e natural a demanda por respostas cada vez mais r´ pidas e ¸˜ o a dinˆ micas por parte de integradores e desenvolvedores para gerir um neg´ cio de forma a se implementar. processos. que est´ sendo utilizado na especificacao tanto de descricao de pecas. ¸˜ o ¸˜ a a ` dando a empresa a liberdade de escolher qual o seu provedor de solucoes. 2001. Mindelo wms .mywms. New trends in warehouse control systems.org. mesmo ¸˜ ¸˜ contribuindo com os projetos. mywms . 1998. u e por exemplo. Queen City Software. 2003. A principal vantagem encontrada no modelo aberto de desenvolvimento de software est´ na quest˜ o dos protocolos. o ROI e um e ¸˜ u ı indicador complexo de ser medido. por sua vez. e o Referˆ ncias e [1] Hubert Bu¨ chter. 2002. pois a os custos envolvidos na implantacao de software livre s˜ o os custos de consultoria pagos para a implantacao. [3] Daniel Peccini and Filipi Damasceno Vianna.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful