You are on page 1of 7

Definição de narrativa transmidiática ou transmidia story telling Para os estudos de caso e de perfil de público das séries analisadas neste

trabalho (Lost, 24 Horas e Grey´s Anatomy), é importante ressaltar que foram escolhidos apenas as estratégias transmidiáticas que julgamos contribuir de forma significativa para as narrativas em questão, segundo o conceito de transmidia story telling proposto por Henry Jenkins em seu livro Cultura da Convergência de 2009.
Uma nova forma de contar histórias na qual um universo ficcional se desenvolve por meio de diversos suportes midiáticos, com cada novo texto contribuindo de forma única e valiosa para o todo. P138

Segundo ele, no formato ideal, cada mídia contribui com o que faz de melhor, de modo que uma história pode ser introduzida em um filme, expandida em uma série de TV, transformada em um romance ou uma história em quadrinhos, adaptada para uma série de curtas-metragens e remodelada para uma aventura de videogame. Nem todas as séries aqui relatadas fazem uso de todos esses recursos simultaneamente pois o universo de sua narrativa não abre espaço para tal expansão como é o caso de Grey´s Anatomy. Cabe ainda ressaltar que por se tratar de uma forma relativamente nova de se contar histórias, ainda poucas produções lançam mão de um grande número de recursos transmidiáticos, uma vez que primeiramente, é necessário que exista uma demanda para esse tipo de conteúdo e uma narrativa complexa o suficiente para agregar diversas mídias, além do fato equipes especificas para cuidar do conteúdo de cada plataforma. Para uma melhor compreensão, elencamos as principais características de uma narrativa transmidiática completa segundo Jenkins. - Possui um universo ficcional complexo o suficiente para abrigar múltiplos personagens, múltiplas histórias e múltiplas plataformas. de tais desdobramentos gerarem maiores custos de produção e necessitarem de

também em seu livro Cultura da Convergência. deste modo. os espectadores recorrem às mídias sociais para compartilhar informações e opiniões sobre aquilo que está acontecendo nas séries. Narrativas transmídias como LOST instigam a curiosidade do público e investem na capacidade de envolvimento emocional da audiência. Assistem a menos horas de TV. . fazendo que o espectador procure por ele.Cada acesso à franquia deve ser independente e construir sentido sem que seja necessário recorrer às outras plataformas. P111 . O conteúdo não está sendo imposto ao espectador ao ligar a TV.. caso tenha interesse. ele está espalhado. A complexidade do universo narrativo faz com que o consumo dessas obras de ficção passe a ser um processo coletivo. mas escolhem a dedo a programação conforme seu interesse. como sustentado por Pierre Lévy ao dizer que a inteligência coletiva é “é uma inteligência distribuída por toda parte”.A compreensão obtida por meio de diversas mídias sustenta uma profundidade de experiência que motiva mais consumo. Tal fato acaba direcionando essas séries para o que Jenkis denomina de público fiel. Passam mais tempo livre falando sobre o que assistem e têm mais possibilidades de buscar conteúdos em outras mídias.

de Frank Thompson –. cujo site promocional também é hospedado na página da emissora ABC. entre outros.Lost University Em julho de 2009. . lançado em novembro de 2009. que não ganham destaque na narrativa central. diversas cenas de bastidores e making-of. A Universidade fictícia tem como objetivo recrutar fãs/alunos que queiram estudar os principais aspectos da narrativa do seriado. a universidade fictícia realizou um teste de seleção para os alunos interessados.Os recursos transmídia de LOST . . em 2006. e o documentário Mysteries of the Universe: The Dharma Initiative foi incluído no DVD da quinta temporada. foram produzidas três obras – Lost: Identidade Secreta e Lost: Risco de Extinção. e Lost: Sinais de Vida.Conteúdos extras de dvd As coleções das temporadas de Lost em DVD oferecem conteúdo criado exclusivamente para o formato. todas lançadas no Brasil pela Editora Prestígio Editorial. em extras que abrangem comentários em áudio da equipe e do elenco. de Cathy Hapka36. cenas deletadas e erros de gravação. No dia 22 de setembro de 2009. Ao todo. as questões também testaram o envolvimento dos fãs com o conteúdo publicado e discutido online. exatamente cinco anos após a estréia de Lost. Além de tratar de conhecimentos gerais sobre Lost. . durante a Comic-Con. entrevistas. foi lançada a Lost University. Parte do que é produzido para o site também é lançado em DVD – a série Lost: Missing Pieces faz parte da lista de extras da coleção da quarta temporada. no qual os participantes deveriam responder 23 perguntas sobre o universo da série.Livros Os livros baseados no roteiro original de Lost têm como objetivo ampliar a história dos sobreviventes e aproximar a audiência dos personagens secundários.

Alternate Reality Games (ARGs) Como uma tentativa de envolver os fãs ainda mais com o universo de Lost. anúncios em jornais impressos. Carlton and a Polar Bear (2009). os produtores-executivos do programa desenvolveram quatro Alternate Reality Games (ARGs. Tanto The Lost Experience quanto Dharma Initiative Recruiting Project tinham como ponto central a Iniciativa Dharma e suas pesquisas. O jogo foi desenvolvido pela empresa Ubisoft Montreal . livros e interações ao vivo – como a criação e comercialização das barras de chocolate Apollo. A estratégia era manter os fãs em contato com o universo narrativo de Lost enquanto episódios inéditos não eram transmitidos pela televisão. e de julho a dezembro de 2009. de dezembro a janeiro de 2007. respectivamente). em cidades dos Estados Unidos. de maio a novembro de 2008. até então. único jogo de Lost disponível para videogames e PC. .O formato da narrativa nos livros é semelhante ao da televisão: os capítulos intercalam passagens em flashback e na ilha e revelam o passado das personagens ao mesmo tempo em que elas enfrentam algum dilema interior no presente. sem que isso interfira na trama principal. A expansão do universo de Lost satisfaz a curiosidade dos fãs de conhecer algumas daquelas pessoas que aparecem como figurantes nos episódios.Jogo para videogame e computador Lost: Via Domus é o primeiro e. Os quatro jogos foram lançados de forma que a maior parte de seu conteúdo fosse revelada no intervalo entre as temporadas do programa (de maio a setembro de 2006. da Inglaterra e da Austrália. e estendeu-se até setembro daquele ano. ou Jogos de Realidade Alternativa) sobre a série: The Lost Experience (2006). na véspera do episódio de estreia da terceira temporada e revelou informações cruciais sobre a série em uma brincadeira que envolvia sites. três semanas antes do final da segunda temporada. . The Dharma Initiative Recruiting Project (2008) e Damon. citadas na série. O primeiro foi lançado em maio de 2006. podcasts em áudio. FIND 815 (2007). propagandas televisivas.

e lançado para os consoles Xbox360 e PlayStation 3 e para PC Windows em fevereiro de 2008.Mobisódios Lost: Missing Pieces foi uma série de 13 mobisodes (ou mobisódios. Nela apareciam diversos personagens da sexta temporada da série. as cavernas. foram produzidos 12 episódios com duração de 3 a 5 minutos. a Escotilha. Elliott é um fotojornalista e tem sua história contada por meio de flashbacks que podem ser jogados e que ajudam a montar o quebra-cabeça que é a jornada da personagem. Via Domus – do latim. um mês após a estreia da quarta temporada.Websódios The Rookie: Criada em 2007. mais tarde. . o jogo permite ao jogador interagir com as personagens. A Chama e A Hidra e o navio Black Rock. em um primeiro momento. as estações O Cajado. Cada episódio tinha duração entre dois e três minutos e eram feitos pela mesma equipe de produção e elenco de Lost. o qual posteriormente apareceu em alguns episódios da série. como são chamados no Brasil) distribuídos. no site da série. entre outros. mostrou outra perspectiva para acontecimentos que já haviam sido exibidos e introduziu o personagem Neil “Frogurt” (Sean Whalen). Apesar de não apresentar muitas revelações significativas para a série. testemunhar acontecimentos vistos nos episódios e explorar locais como o acampamento na praia. “a caminho de casa” – conta a história de Elliott Maslow. para os celulares da empresa de telecomunicações norte-americana Verizon e. sobrevivente que perde a memória logo após o acidente. Os recursos transmídia de 24 Horas . também conhecida como Estação O Cisne. . A série de micro episódios apresentou novos aspectos das personagens já conhecidos do público.

24: Day Zero: Também de 2007 a série animada foi patrocinada pelo desodorante Axe e funciona como um prelúdio da série. após ter que enfrentar seu próprio pai na sexta temporada está abrigado na casa do amigo de longa data Carl Benton. relatando os 18 primeiros meses de Jack Bauer na CTU. .Mobisódios 24: Conspirancy: Foi uma série para dispositivos móveis lançada em 2005. 24: Day 6 Debrief: Websódios de 2 minutos de duração exibidos antes do inicio da sexta temporada. composta por 24 episódios de um minuto de duração a série é ambientada em Washington DC e faz referências à trama televisiva. que tem uma escola para reabilitação de crianças africanas atingidas pelas guerras civis. fugido. O enredo traz um Jack sensível. . .Filme 24 Horas: A redenção: Foi lançado em 2008 e dá início a historia que será abordada na sétima temporada. que.Revistas em quadrinhos 24: One shot (2004) 24: Stories (2005) 24: Midnight Sun (2005) 24: Nightfall (2005-06) 24: Cold Warriors (2008) .

2005) . que são dublados pelos seus respectivos atores. .Livros 24: The House Special Subcomittee´s Findings at CTU (Marc Cerasini. que são divididas em 58 missões. 2003) Operation Hell Gate (Marc Cerasini. o jogo narra a aventura de Jack Bauer em um dia no qual uma série de atentados terroristas acontecem.Jogos 24: The Game: Jogo para Playstation 2. 24: Countdown: Jogo online onde o jogador deve pilotar o carro de Jack Bauer e ajudá-lo a resgatar um agente. O título conta com os personagens originais da série.. Assim como a série. o jogo acontece durante um período de 24 horas. lançado em 2006. 2005) Veto Power (John Whitman. lançado em 2006. 24: Agent Down: Jogo para celulares em que o jogador deve realizar missões de estratégia e conta com o auxilio de outros personagens da série. Passado seis meses após os eventos da primeira temporada e três meses antes dos acontecimentos da terceira. 24: DVD Board Game: Jogo interativo para DVD.