You are on page 1of 11

GESTÃO DO SISTEMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues – UFG cleideacr@gmail

.com
Resumo: A Universidade Federal de Goiás (UFG) está participando da implantação dos cursos a distância no Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). No processo desta implantação foi criado o Centro Integrado e Aprendizagem em Rede (CIAR), que visa apoiar, articular, acompanhar e implantar atividades acadêmicas – graduação, pós-graduação, extensão e pesquisa, integradas pelas tecnologias da informação e comunicação desenvolvidas na UFG. A gestão do CIAR tem como princípio a autonomia e a articulação entre ensino-pesquisa em processos de aprendizagens formais e não formais, tanto no ensino presencial, quanto a distância. Palavras-chave: gestão; educação a distância; ensino superior

SITUANDO A utilização das tecnologias de informação e comunicação nos processos comunicacionais e educativos na configuração de rede implica mudança de valores e atitudes na sociedade do mundo do trabalho. No setor educativo essas mudanças são acentuadas pelo comportamento dos docentes, discentes e de gestores frente a novas formas de ensinar e aprender mediadas pelas tecnologias. Os docentes têm de aprender a articularse simultaneamente em diferentes níveis de ensino por meio de ferramentas de comunicação antes usadas apenas para o convívio social, além de elaborar materiais didáticos com linguagens específicas, construídos em redes de saberes significativos. Quanto aos estudantes, ora habituados a utilizar as tecnologias apenas em relações informais, passam a perceber que, num processo de aprendizagem em rede, cabem-lhes tomar decisões sobre o andamento de seus estudos, ter iniciativa em construir suas estratégias de aprender, utilizando os diferentes meios midiáticos que contribuem para a interatividade e aprendizagem colaborativa. Já os gestores, acostumados a organizar tempos e espaços lineares num processo produtivo quantitativo, passam a sentir a exigência de estabelecer novas formas de gestão, com perspectivas mais coletivas e com relações de tempo e espaço descentralizadas. Para todos esses sujeitos, a especificidade da dimensão espaço-temporal da organização do trabalho docente num projeto de Educação em Rede que utiliza as TIC não pode estar pautado na mesma forma de gestão de uma educação fragmentada definida pelo tempo linear e pelo espaço físico.

aprendizes. isto é. que construirá propostas e ações para a implementação das políticas educacionais de integração das tecnologias em processos de formação acadêmica do ensino superior público e gratuito. e tampouco criar cursos densamente teóricos e longos para suprir os cursos aligeirados. o ensino envolve a utilização de um conjunto de ferramentas de comunicação. Assim. nem substituir o ensino presencial por sedutoras tecnologias utilizadas no ensino a distância. as quais passam por um processo de construção de propostas alternativas voltadas para melhoria do ensino. de estudos. participando das políticas de implementação da EAD no Brasil. democratização. tendo como centro o diálogo. de práticas criativas e contextualizadas que valorizam os sujeitos e seus diferentes ritmos e olhares focados e desfocados do mundo dito científico. O conhecimento produzido por este processo é democrático. com apropriação das tecnologias possíveis e dos referenciais que consideram a diversidade de saberes como objeto. ao mesmo tempo. a fim de alavancar a construção de outros saberes. pois é elaborado em rede. num processo eminentemente dialógico. que facilita o deslocamento virtual ou geográfico. não é apenas o acesso às tecnologias. de concepções e de incertezas torna-se aqui um grande desafio. através das contribuições dos sujeitos participantes. seus direitos de educar-se.Para uma comunidade acadêmica que prima pela construção de conhecimentos. mas. Na verdade. O propósito de um espaço como um centro de integração de redes de pessoas. no qual todos os participantes são. Tratar a educação em rede e a distância no ensino superior requer em primeiro lugar conceber a educação em um sistema conectivo de relações em que a distância física entre as pessoas não seja impedimento para o acesso da população excluída das oportunidades de vivenciar plenamente sua cidadania. que conseguirá inovar a educação. a instituição de ensino é construída por uma dinâmica coletiva. No atual momento. ampliação do acesso e inovação técnico- . a UFG. O grande desafio não é abandonar a forma de organização do conhecimento em áreas e disciplinas. Para vencer esse desafio entende-se que os maiores avanços serão pautados no trabalho coletivo de compartilhamento de idéias. a clareza da concepção de educação cidadã que cada projeto educativo se apropria. de práticas. O desafio é conseguir estabelecer relações de aprendizagens a partir dos processos de formação. sim.

pedagógica. que merece ser estudado e apreendido na complexidade e especificidade de um processo de implantação de EAD. sejam integradas. A proposta de gestão do CIAR tem como princípio a autonomia e a articulação entre ensino-pesquisa em processos de aprendizagens formais e não formais em projetos de ensino e extensão. CAMINHOS E DESCAMINHOS A proposta do sistema de gestão do CIAR tem como princípio a autonomia dos projetos de ensino e extensão e articulação entre ensino-pesquisa por meio de projetos integrados intrainstitucionais ou inter-institucionais. que consideram a especificidade da modalidade a distância. . Este é o propósito principal dessa gestão de sistema de EAD. Do ponto de vista macro. não se pode conceber que a gestão de um sistema de Educação a Distância( EAD) seja a mesma da educação presencial. nas práticas cotidianas na organização de um sistema integrado das dimensões: administrativa. Da mesma forma que do ponto de vista pedagógico não é recomendada a reprodução de metodologias da modalidade presencial para o ensino a distância e viceversa. pois as relações de trabalho construídas nesse sistema são pautadas na construção colaborativa de linguagens tecnológicas e midiáticas e práticas pedagógicas. no ensino superior. Entende-se que sendo uma modalidade de ensino com caracterizações educativas diferenciadas. tecnológica e produção de materiais didáticos e de publicação. junto a sociedade local e nacional. também por meio da EAD. financeira. a EAD inclui novas formas de gestão que utilizam instrumentos de comunicação e informação. têm como propósito desenvolver políticas que favoreçam a ampliação e expansão do ensino superior.pedagógica. Diretoria e Coordenadorias o CIAR tem como objetivos norteadores: a) Acompanhar projetos interinstitucionais e intrainstitucionais que envolvem aprendizagem em redes com apropriação de tecnologias da informação e comunicação. Constituído por um Conselho Gestor. um sistema de gestão de EAD demanda tempos e espaços institucionais não lineares.

tecnologias. Da mesma forma. sistema de gestão e ambientes virtuais de aprendizagem e outros temas específicos aos projetos realizados na UFG. Com este entendimento. h) Realizar atividades que contribuam para a inclusão digital e o desenvolvimento de competências e habilidades para o avanço da comunidade do Estado de Goiás. f) Constituir grupos de pesquisa com integrantes das equipes do CIAR e outros pesquisadores com interesse em avaliar e validar os instrumentos didáticos. . a Direção do CIAR tem buscado atuar junto com os demais órgãos e unidades da UFG. concepções. com base na concepção de rede de aprendizagem e ao mesmo tempo em articulação com o Sistema da Universidade Aberta do Brasil. g) Incentivar o investimento de pesquisas e investigações científicas e técnicas nas diversas áreas do conhecimento científico. considera-se essencial que as equipes que integram as coordenações do CIAR atuem de forma colegiada e colaborativa na realização de suas ações. c) Promover articulação pedagógica entre os projetos de EAD realizados pela UFG. metodologias. no encaminhamento de seus projetos de gestão. Para isso. e) Contribuir e incentivar a criação da cultura de (EAD) Educação a Distância junto à comunidade da UFG. d) Orientar e coordenar a produção de material didático apropriado aos projetos de EAD. Com esses propósitos a Gestão do CIAR prima pelo estabelecimento de dinâmicas favoráveis a construção de tempos e espaços para realização de projetos que buscam o estabelecimento de redes de aprendizagem. o que corresponde a uma das metas da política nacional promovida pelo MEC.b) Promover atividades de formação continuada para profissionais envolvidos nos projetos de aprendizagem em rede desenvolvidos pela UFG. a atual Gestão do CIAR tem empenhado esforços no sentido de implantar e consolidar uma política de EAD da UFG.

125-126) Trabalhos cooperativos desenvolvidos nas redes incluem mecanismos de comunicação que permitam às pessoas ver. Para isso. A transposição da concepção de educação em rede para as formas de gestão do CIAR. O compartilhamento da área de trabalho garante que essas pessoas usem o mesmo ambiente virtual para trabalharem ao mesmo tempo ou em momentos diferentes e que utilizem as mesmas bases de informações. em rede. em que os integrantes . em que a circulação de informações é aberta e intencional e envolva as equipes para o crescimento da Universidade e do próprio CIAR no que se refere às atividades acadêmicas – graduação. Ao adotar a concepção de aprendizagem em rede na organização e estruturação de seus projetos de ensino. ouvir e enviar mensagens umas às outras. Essa configuração se confirma nas palavras de KENSKI(2004. se dá no processo de formação acadêmica como um ambiente de aprendizagem coletivo. extensão e pesquisa. considera que a dimensão articuladora dos sujeitos. integradas pelas tecnologias da informação e comunicação. pós-graduação. o CIAR apóia o desenvolvimento de diferentes projetos da UFG que visam a utilização e articulação com as tecnologias de informação e comunicação. extensão e pesquisa. em que os sujeitos participantes dessa rede são protagonistas dos processos e não meros receptores.CONCEPÇÃO EM CONSTRUÇÃO Da mesma forma que a concepção do projeto pedagógico do CIAR de aprendizagem em rede tem como metodologia a problematização e compartilhamento de saberes e dúvidas por meio do processo comunicativo. A estrutura organizacional dessa rede compreende que a atuação integrada com diferentes unidades da UFG e com diferentes Equipes deva se estruturar nesta perspectiva de aprendizagem em rede. p. o CIAR instala a configuração de uma forma de gestão singular em que a autonomia e os processos comunicacionais são elementos essenciais para construir formas de relações de horizontalidade nos processos educativos presenciais e não presenciais.

A partir de registros dos movimentos dessa gestão do CIAR. não há um modelo de EAD que pode ser considerado de referência par a ser adotado. que merecem destaques referem-se as ações que mesmo realizadas em alguns momentos de forma individual elas apresentam ressonância imediata no coletivo. em que todos são responsáveis por contribuir com a transformação do mesmo. visando o trabalho em equipe. em que todos partem da possibilidade do trabalho colaborativo e não competitivo. com base em estudos de Rumble (2003) e pesquisas de Medeiros (2003) e Rodrigues (2006). É sob o foco da autonomia relativa que a política nacional de implantação do Sistema UAB tem argumentado e é sob este mesmo foco que a gestão do CIAR faz valer o . 1999. ou membro de uma não realizou suas atividades de acordo com o cronograma estabelecido coletivamente a qualidade de uma ação institucional pode ficar prejudicada e o resultado aparece como sendo do grupo. e estudantes sejam “uma lâmpada a iluminar” (KENSKI. especialmente no espaço do CIAR. Em um primeiro momento de estruturação do CIAR. Essa concepção de trabalho colaborativo e de compartilhamento dos desafios e dos êxitos ainda provoca inquietações no âmbito institucional. o princípio do pensamento divergente. como: a interdependência do grupo. caracterizando a análise de Nóvoa (1999) sobre as instituições escolares. administrativa. Tornando-se um NÒ a ser desatado pelos sujeitos envolvidos nas formas de gestão que a UFG tem defendido. curriculares e pedagógicas” (NÓVOA. “as instituições escolares adquirem uma dimensão própria.das equipes pedagógica. enquanto espaço organizacional onde também se tomam importantes decisões educativas. Segundo este autor. a interação intensa. 2004). houve a indicação por parte de alguns participantes de buscar algum modelo já estruturado para este trabalho no Brasil. alguns elementos devem ser considerados. Entretanto. 2006. pelo contrário mesmo quando há uma definição de diretrizes para projetos de EAD em cada localidade as formas de gestão administrativa e pedagógica ocorrem de formas diferenciadas. Isto é se um coordenador de equipe. 15). p. e a avaliação como processo de formação e crescimento (KENSKI. tecnológica e de produção de materiais ativas e que neste processo visa-se a transformação do grupo envolvido. p. 127) com ações pró- Para isso.

o tempo de elaboração do projeto e de produção de materiais didáticos. meso e micro do sistema. é na dinâmica da organização escolar que ocorre a articulação entre a dimensão meso como variável entre o discurso macro e as ações pedagógicas da dimensão micro do processo ensino-aprendizagem. Com base neste referencial focalizo a dimensão micro da gestão do CIAR como um processo que instala uma “autonomia relativa” das políticas implantadas pelo MEC e pela UFG relativas a EAD. pois as situações geradas na dimensão meso e macro referentes a não disponibilização de recursos financeiros e humanos. algumas precipitações. se dá nos níveis macro. capacitação de tutores. Por outro. E este tem sido um grande desafio na implantação desse sistema na UFG. De acordo com o autor citado. etc podem não ser suficientes e adequados para sua realização.entendimento de que as decisões políticas a nível nacional não são meramente executadas na UFG nem nos pólos de EAD. seleção de cursistas. e é nesse movimento que as decisões são tomadas na dimensão meso. Por um lado é fato que existe um descompasso entre a dimensão macro e micro. bem como a forma de distribuição dos materiais e o processo de inscrição não podem dispensar um planejamento de médio e de longo prazo. por exemplo. Os objetivos de um projeto a distância. a mediação espaço-temporal. Nóvoa (1999). a organização dos tempos de planejamentos. as variáveis do processo surgem como possibilidades e. que ora intensifica as mediações institucionais. em favor do cumprimento burocrático de prazos definidos por gestores da dimensão macro. das formas de gestão. bem como o atraso na aquisição de equipamentos necessários para essas ações podem comprometer o cumprimento de metas definidas inicialmente na dimensão micro. algumas ações transbordam o planejamento inicial em que os movimentos ora integrados ora ainda individualizados provocam o repensar constante e a redefinição das práticas realizadas. até mesmo. na dinâmica de uma gestão pautada na colaboração e nas decisões colegiadas. Na dimensão macro. ora as individuais. No caminhar dessa construção é importante estar atento para as cristalizações existentes de uma cultura organizacional voltada para processos acadêmicos de cunho . produção de material. O que torna muitas vezes as precipitações o ponto de partida das formas de gestão. ora as pedagógicas em um processo em que a dinâmica é construída pelos sujeitos. Neste caso. já que o conjunto de variáveis existentes nesses espaços. Isto é. ora as tecnológicas.

ideologias. Mas. No caso da prática pedagógica de cursos a distância.individualista e fragmentado. conceituais. faz valer novamente o entendimento de Nóvoa (1999). visuais. Ao retomar o entendimento de Nóvoa (1999). é essencial o exercício do planejamento coletivo e a articulação dos elementos da prática pedagógica. articulam-se de diferentes maneiras na dimensão administrativa. um importante caminho a ser trilhado por . uma de invisibilidade constituída de bases conceituais e pressupostos. Formular diretrizes. Entende-se que a gestão do CIAR tem buscado romper na dimensão meso com as cristalizações e entendimentos de senso comum relativos a EAD. A fotografia da própria prática dessa gestão. pedagógica e tecnológica. como anunciam Braga & Calazans (2001). romper com uma estrutura de sistema de gestão cristalizado implica mudança de concepções e de cultura da organização escolar. essas zonas estão agregadas às mediações comunicacionais que. é importante um planejamento adequado e exeqüível. que garanta a autonomia das instituições de ensino superior. legislação clara em todos os níveis e formas de financiamento compatíveis com as exigências técnicas. pois. valores e a zona de visibilidade constituída pelas manifestações verbais. fica cada vez mais evidente a necessidade de o Brasil definir uma política nacional de EAD. No decorrer da presente reflexão. segundo o qual os elementos dessa cultura estão sistematizados em duas zonas. regidas pela mediação espaço-temporal. as ferramentas de comunicação e a relação estabelecida entre formadores e estudantes precisam ter um suporte tecnológico capaz de garantir um processo comunicativo interativo permanente. Na presente reflexão. definição de políticas públicas e de condições de funcionamento e organização voltada para integração nas dimensões micro e meso no cotidiano de cada instituição A fim de que essas necessidades e aspirações humanas sejam resguardadas nas atividades de aprendizagem em rede e em cursos presenciais e não presenciais. segundo para o qual as instituições escolares constituem uma territorialidade espacial e cultural peculiar na qual há um jogo dos atores educativos internos e externos. crenças. O planejamento deve estar pautado no rigor pedagógico e aprofundamento teórico-prático. simbólicas e comportamentais. tão comuns nas instituições de nível superior. administrativas e pedagógicas de um sistema de educação a distância é com efeito. tanto no ensino presencial como a distância.

com uma consultoria editorial da Editora da UFG. • • otimizar recursos humanos e financeiros em ações coletivas. Uma das ações que o CIAR propôs como forma de agregar diferentes áreas de conhecimento no interior da UFG é o projeto de pesquisa “A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS: PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO. Sem cair em utopia alienante. pesquisa e extensão. No sentido de configurar a integração de redes de aprendizagens também nas formas de gestão do CIAR foram traçados alguns princípios metodológicos. proporcionar formas e ferramentas de comunicação síncrona e assíncrona. • • proporcionar ações que integrem ensino. adequadas e satisfatórias para a realização dos projetos. . Outra ação conjunta iniciada no segundo semestre de 2007 é com os estagiários do curso de Biblioteconomia na estruturação e normatização da Biblioteca digital do ambiente virtual de aprendizagem utilizado nos projetos do CIAR e a elaboração de diretrizes e critérios de formatação e linguagem do material didático de EAD. Instituto de Matemática). que não se efetiva sem a participação das redes de ensino das diferentes esferas do sistema educativo. tais como: • apropriar-se de metodologias de ensino e pesquisa que primem pela articulação entre teoria e prática. primar pela qualidade da educação pública de ensino superior. Faculdade de Comunicação Social e Biblioteconomia. Neste projeto participam professores da UFG ( Faculdade de Educação. professores de outras instituições (CEFET e UEG).todos envolvidos com uma EAD de qualidade. estabelecer formas diversificadas de avaliação discente. no sentido de redimensionar ações favoráveis ao êxito dos projetos a serem realizados. pode-se dizer que os processo que estão sendo gerados em cada instituição envolvida no Sistema da UAB precisam ter ressonância e os sujeitos vozes que traduzem e compartilham a complexidade da formação a distância. Faculdade de Artes Visuais. do curso e institucional. estudantes de graduação e pós graduação da UFG. • • constituir equipes de trabalho necessárias à execução dos projetos.

imagética e sonora nas atividades presencias e a distância.• priorizar projetos de ensino. pedagógico e democrático. o que requer. a definição de uma política de EAD e a criação de situações que instalem uma cultura tecnológica nas instituições acadêmicas. OS CAMINHOS CONTINUAM Pensar. no âmbito cultural. implica no envolvimento interinstitucional do sistema de ensino. planejar e realizar projetos que envolvam aprendizagens em rede virtuais e presenciais. . a princípio inovadora. analisar com cautela. as dúvidas de como encaminhar os processos decisórios emergem a cada momento e a incerteza do fazer gera o pensar sobre a própria prática de gestão de um sistema em que a distância aproxima cada vez mais as pessoas. propor. seja de graduação. escrita. pesquisa e extensão. hipertextual. Neste contexto. como enfatiza Medeiros (2003). em detrimento a parcerias de cunho não acadêmico. ressalta-se a necessidade de mantermos atentos. sua caracterização de atender objetivos quantitativos sem perder de vista os referenciais de qualidade de formação acadêmica Da mesma forma que defendo uma prática pedagógica de EAD numa abordagem conectiva que se configura na apropriação das potencialidades das tecnologias sem cair na massificação. Entendo que a gestão de um sistema de EAD não pode perder de vista o compartilhamento e a colaboração nos processos de decisão e operacionalização dos projetos. seriedade administrativa e pedagógica na organização de um sistema educativo para a educação em rede. Diante da atual política de expansão das redes de EAD. propostos pela UFG. Todo esse esforço exige rigor acadêmico. extensão ou pós-graduação. • articular linguagens que possibilitem potencializar e integrar as tecnologias de informação e comunicação nas formas de aprendizagens na construção de objetos de aprendizagens que envolvam comunicação oral. dentre outros aspectos.

In: NÓVOA. Acesso em: 14/4/2005.usp. C. por meio da educação a distância: limites e possibilidades. 2006 RUMBLE. UnB/Unesco. Capes-Unesco. Maria Susana A. 1999. 2002. Para uma análise das instituições escolares. A educação superior no Brasil. Páginas: 251274. António. Tradução Marília Fonseca. Disponível em: http://www. Brasília.htm. Tv/vídeo na formação continuada de professores. Greville. As organizações escolares em análise. Tese . António (Coord. A gestão dos sistemas de ensino a distância. Brasília: Ed. Simone. NÓVOA. MORAN. 2003. (Org. jun. In: SOARES. . UnB.eca. José M. Dissertação. Lisboa: Dom Quixote.). A educação superior a distância no Brasil. UFBA. Cleide A.br/prof/moran/tec.REFERÊNCIAS MEDEIROS./2003. Mediações na formação a distância de professores: autonomia. RODRIGUES. comunicação e prática pedagógica.).