You are on page 1of 7

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ___ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE...............

(Qualificação da parte autora e do advogado) vem através de seus advogados constituídos, propor a presente AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE

em face de qualificação do réu que deverá seguir o procedimento especial, assim sendo pelas razões de fato e de direito a seguir expostas e ao final requer: IDOS FATOS

As Rés são filhas legítimas de nome do pai, falecido em .... de ....... de ..... O falecido manteve relacionamento amoroso com a mãe da Autora, e apesar de não tê-la reconhecido no registro de nascimento, nunca escondeu a paternidade. Mantinha contato com o pai e todos sabiam que era filha do falecido, tanto que na certidão de óbito do mesmo consta que este deixou 3 (três) filhas maiores. II DO DIREITO

III -

DO PEDIDO

Vistos os argumentos aduzidos, requer a Vossa Excelência:

Sejam citadas as Rés para que. reais) para os efeitos legais. juntada de novos documentos.. sob pena de não o fazendo. querendo. À presente ação dá-se o valor de R$ .INSURGÊNCIA OBJETIVANDO A EXCLUSÃO DO SOBRENOME PATERNO . sob penas de confissão. resultantes desta ação. Que desde já seja autorizado por esse MM Juízo a realização de prova pericial laboratorial por meio de exame de DNA.1. tempestivamente apresente sua defesa em forma de contestação. oitiva de testemunhas que serão arroladas no momento oportuno e demais provas que se fizerem necessárias. A produção de provas por todos os meios em direito admitidas. Nome do Advogado OAB n.AUSÊNCIA DE MOTIVO JUSTIFICÁVEL E .. pede-se que a presente seja julgada PROCEDENTE com a condenação do Requerido ao pagamento de uma pensão alimentícia em caráter definitivo. EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL . 4. pede deferimento. seja o Requerido condenado nas custas e demais exames necessários para a elucidação da verdadeira relação de parentesco sangüíneo.. . Por fim.AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE CUMULADA COM PETIÇÃO DE HERANÇA FILIAÇÃO RECONHECIDA POR MEIO DE EXAME DE DNA SENTENÇA QUE DECLARA A PATERNIDADE E DETERMINA A INCLUSÃO DO PATRONÍMICO PATERNO AO NOME DO MENOR/INVESTIGANTE .... junto ao órgão público competente ou em caso de produção por entidade particular.. 3.IMPOSSIBILIDADE DIREITO INDISPONÍVEL . custas processuais e honorários advocatícios e demais cominações de praxe. serem-lhe aplicados os efeitos da revelia e confissão. Nestes termos. bem como a conseqüente expedição de mandado de retificação ao cartório de registro civil para fazer constar todas as qualificações pertinentes à filiação da menor. especialmente o depoimento pessoal do Requerido. (. Recife-PE. 10 de junho de 2005.

As partes se manifestaram sobre o laudo pericial (fls. os requeridos pleitearam a realização do exame de DNA.. Aportou aos autos o laudo pericial de DNA confirmando a paternidade invocada (fls. Custas na forma da lei.. os quais foram parcialmente acolhidos. R. 45 a 54). só podendo ser excluído se presente algum motivo justificável ou após a maioridade do investigante quando poderá fazer a opção pela permanência ou não do patronímico do genitor. S. ação de investigação de paternidade c/c petição de herança contra V. F. que então passará a chamar-se R. F. F. condenou os requeridos ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios..MAIORIDADE DO POSTULANTE .RECURSO DESPROVIDO. assistido por sua mãe. R. a MMa. tendo ainda o direito à sucessão de bens de seu progenitor.. O representante do Parquet opinou pela procedência do pedido. F. I. G. G. D.DECISÃO MANTIDA . S. D.. Vistos.. F.. Sentenciando. F. Perante o juízo da comarca de Palmitos.. A inclusão do patronímico do investigado é consectário lógico da procedência da ação de investigação de paternidade. L. 10 a 13. Na oportunidade. F.. À inicial foram acostados os documentos de fls. com o qual concordou a genitora do autor.. da comarca de Palmitos. A. F.: ACORDAM. por votação unânime. 57 e 58). em Segunda Câmara de Direito Civil. Por fim. que o de cujus manteve um relacionamento amoroso extraconjugal por vários anos com sua geratriz. e M. I. promoveu. F. S.029369-8. e apelados V. a proposta conciliatória restou inexitosa (fl. para manter o sobrenome paterno e alterar apenas o erro de grafia do nome intermediário e incluir o sobrenome da mãe . Foram interpostos embargos declaratórios pelo autor (fls. C.. F. herdeiros do espólio de A. C.. em síntese. F. 36). I. Os demandados não apresentaram contestação.. negar provimento ao recurso. A. relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível n. I. em que é apelante R. R. Em audiência. F. 2003. L. aduzindo. e M. assistido por sua mãe. Requereu o reconhecimento da paternidade e a participação equivalente aos demais herdeiros na partilha dos bens deixados pelo falecido. A. período durante o qual mantiveram relações sexuais. F. F.. 71 e 72). que resultaram na sua concepção. em 19-12-02. Juíza de Direito julgou procedente o pedido para declarar que o autor é realmente filho do de cujus. S.

O recurso é conhecido porque próprio e tempestivo. A pretensão do apelante em ver excluído o nome do pai biológico não merece ser acolhida. sendo conseqüência legal e lógica do reconhecimento. que até então lhe fora negado e que com a sentença lhe é deferido" ("Direito Civil". Jobél Braga de Araújo pelo desprovimento do apelo. O Ministério Público opinou pelo desprovimento do recurso. mantendo-se apenas o materno. não há obrigar o seu detentor a receber nome indesejado. É sabido que a inclusão do nome de família do pai biológico ao nome do filho reconhecido pode ser feito tanto de forma voluntária quanto de forma judicial. Dr. Prova erga omnes e filiação. nele compreendido o prenome e o nome patronímico [. pela douta Procuradoria-Geral de Justiça.(fl. 74). SP. 503: "O primeiro e principal efeito do reconhecimento é de palmar evidência consistente em definir a situação do filho natural reconhecido. posto que nenhum pedido houve para que o nome fosse alterado. Para o festejado Carvalho Santos. O professor Sílvio Rodrigues é de igual forma peremptório: "Toda pessoa tem direito ao nome. p. sob o argumento de que tal decisão fere seus interesses e foge do que fora pleiteado. RJ. porém não merece ser provido.] A hipótese mais nítida se manifesta na ação de investigação de paternidade em que um dos efeitos da vitória é o de atribuir ao investigante o nome do investigado. haja vista que um dos efeitos da procedência da ação de investigação de paternidade é o de atribuir ao nome do investigante o patronímico do investigado. não podendo ser afastada.. Os autos ascenderam a esta Corte de Justiça e. É o relatório. 97 e 98). ao final. Saraiva. Sustentou ainda que. que até então lhe fora negado e que com a procedência da ação lhe é deferido. Inconformado. Sr. manifestou-se o Exmo. insurgindo-se contra a parte da sentença que determinou a inclusão em seu nome do patronímico paterno. I. in "Código Civil Brasileiro Interpretado". Os outros efeitos são os seguintes: a) tem o direito de usar o nome do pai". O recurso foi contra-arrazoado. Freitas Bastos. p. o provimento do recurso para que seja excluído o sobrenome paterno. se o direito ao nome é personalíssimo. Requereu.. o autor apelou tempestivamente. .

001088-0 [. Por oportuno: INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE . o pleito do apelante chega a ser incoerente. o direito ao nome é uma prerrogativa individual." “Assim. por expressa determinação legal. haja vista que em nenhum momento trouxe justificativa plausível a ensejar o acolhimento de sua pretensão. Sendo assim. Já o direito indisponível é aquele do qual o titular dele não pode abdicar. Ora.]" (grifei).Com exceção dos casos previstos em lei. pela procedência do pedido inicial. E O RÉU. uma vez estabelecido este. 191 e 192)." Portanto. pois. estabelecido pela filiação. sem razão o apelante em não aceitar o patronímico do pai biológico. portanto. Equivocase ainda o apelante ao afirmar que o direito ao nome é personalíssimo. não podendo assim ser afastado nem retirado dela. nem poderia o apelante alegar que não pediu a inclusão do patronímico paterno ao seu nome.ACORDO FIRMADO ENTRE A AUTORA. ONDE É POR ESTE .O renomado civilista Caio Mário da Silva Pereira a respeito leciona: "A adoção do nome paterno constitui para o filho um direito fundado no vínculo de parentesco. não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária. 1977. 046. e. p. 96 a 101: "Personalíssimo é o direito privativo ou exclusivo à pessoa. e incluindo o Demandante no rol de herdeiros nos autos do Inventário n. REPRESENTADA PELA MÃE. pois constata-se em sua petição de fl. ao mesmo tempo em que pede a exclusão do nome de família do pai. Forense. nele compreendido o prenome e o sobrenome (art.. intimamente ligada ao estado. nem voluntariamente os direitos da personalidade podem sofrer limitações. uma vez incorporado o filho à família do genitor que o reconheceu. e é um efeito do reconhecimento. "Basta a leitura do Código Civil em vigor para se verificar que o direito ao nome. como bem consignou o digno representante do Parquet em seu parecer lavrado às fls. e. ordenando ao Cartório competente a averbação da paternidade revelada na certidão de nascimento do Autor. estão incluídos entre os "direitos da personalidade" (Capítulo II). os direitos da personalidade são intransmissíveis e irrenunciáveis. são direitos indisponíveis. Ademais. ou seja.02. poderá usar o respectivo no patronímico ainda contra a vontade de todos os membros da família" (in "Reconhecimento da Paternidade e seus efeitos". 11 . na forma especificada pela legislação atinente. não se pode obrigar o seu detentor a receber nome indesejado. Aliás. 57 que requereu expressamente "seja proferido julgamento no presente feito.. ao nome se aplica o seguinte dispositivo legal: “Art. 16). requer a sua parte na herança por ele deixada.

23-12-99). SE A AÇÃO INVESTIGATÓRIA DE PATERNIDADE FOI PROPOSTA. O direito ao nome paterno é um efeito do reconhecimento da filiação.019. PARA TANTO. APELAÇÃO DESPROVIDA. por acordo nos autos. ARTS. Em situações análogas. rel. ACORDO ENTRE AS PARTES. que. IMPOSSIBILIDADE. rel. (TJSC . j.Ap. MOTIVO JUSTIFICÁVEL E MAIORIDADE DO POSTULANTE (LEI N. Oitava Câmara Cível. j. (TJRS . reconhecendo. INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE. APELAÇÃO. a paternidade. APELO PROVIDO. Jorge Luis Dall'agnol. Alcides Aguiar. 50.SENTENÇA QUE DEIXA DE HOMOLOGAR O ACORDO EM FACE À CLÁUSULA SUPRACITADA E JULGA PROCEDENTE A AÇÃO. 6015/73.Apelação Cível n. 15-6-99). IMPOSSIBILIDADE. 70000089680. CUJO ACRÉSCIMO FOI DETERMINADO PELA SENTENÇA QUE RECONHECEU A PATERNIDADE. j. O QUE SE CONSAGRA PELA IDENTIDADE DO NOME DE FAMÍLIA. 16-5-96). rel. pois. NÃO É CABÍVEL PRETENSÃO DE VER EXCLUÍDO O PATRONÍMICO PATERNO DO NOME DO INVESTIGANTE.RECONHECIDA A PATERNIDADE E FIXADA A PENSÃO ALIMENTÍCIA. ATÉ COMO EXPRESSÃO DE DIREITO BUSCADO COM O RECONHECIMENTO VISADO. de Timbó.Apelação Cível n. (TJRS . o réu pretenda obstar o acréscimo do seu patronímico ao prenome da filha. Civ. APELAÇÃO DESPROVIDA. Segunda Câmara de Férias Cível. EXCLUSÃO. NÃO INCLUSÃO DO NOME DE FAMÍLIA PATERNO AO NOME DA MENOR/INVESTIGANTE. COMO AÇÃO ATINENTE AO ESTADO DA PESSOA QUE EM ALGUNS DE SEUS EFEITOS NÃO PODEM SER AFASTADOS PELA VONTADE DAS PARTES ENVOLVIDAS: O ACRÉSCIMO DO NOME DE FAMÍLIA DO INVESTIGADO É UM DELES. JUSTAMENTE A PROVA DE PARENTESCO PERSEGUIDA. POR TRATAR-SE DE DIREITO . REFORMADA A DECISÃO. CONSEQÜÊNCIA SOCIAL E LEGAL DO RECONHECIMENTO PATERNO. Quarta Câmara Civil. HOMOLOGAR O ACORDO SEM A RESTRIÇÃO DO USO PELA AUTORA DO NOME DO PAI. MAS CONVENCIONA-SE A VEDAÇÃO DE ACRESCER AO PRENOME DA MENOR O PATRONÍMICO PATERNO . INCLUSÃO DO PATRONÍMICO PATERNO NO NOME DA INVESTIGANTE. 599034345. José Ataídes Siqueira Trindade. 56 E 57). É inadmissível. A FIM DE. já decidiu o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE. n. A LEI EXIGE. INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE. PATRONÍMICO PATERNO. DESCABE ACORDO ENTRE OS PAIS PARA A NÃO INCLUSÃO DO PATRONÍMICO AO NOME DA MENOR. Des.

os Exmos. REGISTRO CIVIL. NO SENTIDO DE QUE O FILHO RECONHECIDO PERMANECERIA COM O NOME ATUAL. Jobél Braga de Araújo. Srs. a partir daí. o Exmo. j. 15-2-01).Apelação Cível n. com votos vencedores. OU SEJA. fazer a opção. rel. PORTANTO. (TJRS . Participaram do julgamento. Oitava Câmara Cível. 598209880. INDISPONÍVEL. POR SER MENOR IMPÚBERE. Monteiro Rocha e Luiz Carlos Freyesleben. O NOME DA FAMÍLIA DA MÃE E DO PAI INTEGRAM O NOME DO FILHO. Isso posto. Sr. EM AUDIÊNCIA. INVESTIGATÓRIA DE PATERNIDADE. pela douta Procuradoria-Geral de Justiça. Antônio Carlos Stangler Pereira. RECONHECIDO EM INVESTIGATÓRIA DE PATERNIDADE.Apelação Cível n. 14 de outubro Ferreira de 2004. rel. nega-se provimento ao recurso. SOMENTE COM O PATRONÍMICO DA MÃE. ESTANDO REPRESENTADO NO ATO PELA MÃE. 255-2000). Oitava Câmara Cível. lavrando parecer. Salienta-se. Florianópolis. COM A EXCLUSÃO DO PATRONÍMICO DO PAI. Alfredo Guilherme Englert. QUE.DE PERSONALIDADE E. NÃO SE SUSTENTA. Mazoni PRESIDENTE e RELATOR . ainda. j. deverá primeiro atingir a maioridade para. A MANIFESTAÇÃO. PREJUDICA OS INTERESSES DESTE. que o direito de permanecer ou não com o sobrenome paterno somente poderá ser exercido diretamente pelo filho. AO OBSTACULIZAR O USO DO NOME DA FAMÍLIA DO PAI PELO FILHO. (TJRS . INCAPAZ DE MANIFESTAR A SUA VONTADE. Des. APELO DESPROVIDO. 70001935964. no entanto. Dr.