You are on page 1of 2

Quando a terceira maior economia mundial sofre um desastre natural da magnitude do terremoto e tsunami no Japão, é inevitável que os seus

impactos econômicos permeiem as economias mundiais. Apesar de toda a extensão dos danos e os prejuízos ainda não foram conhecidos, os analistas estão começando a avaliar os impactos prováveis da catástrofe na economia japonesa, e resto da economia mundial, por sua vez. Seria de esperar que os efeitos sobre as Filipinas fossem significativos. O Japão, depois de tudo, ocupa uma posição dominante em toda a gama de nossas relações econômicas externas, abrangendo comércio, investimentos, imigração laboral e a ajuda externa e etc. O Japão foi o maior comprador individual de exportações, maior fonte de importações e também está consistentemente entre as três principais fontes de investimento direto estrangeiro (IDE), um dos maiores países doadores de ajuda ao desenvolvimento (APD), em vários países pelo mundo. Com ligações diretas de sua economia com outros países, sua tsunami teria que ter algum impacto sobre o ponto de vista mundial. Então, como o desastre afetou a economia japonesa, isso fez com que economias intimamente dependente s dele sentirem com o impacto do tsunami. Não há discordância sobre o desastre de graves impactos de curto prazo, nomeadamente a perda de possivelmente dezenas de milhares de vidas humanas, danos materiais incalculáveis e uma paralisação na produção. Nouriel Roubini, economista dos EUA diz ter previsto a crise financeira mundial 2008, acredita que o terremoto e tsunami são "a pior coisa que pode acontecer no Japão, no pior momento." Com um défice orçamental já em execução em cerca de 10 por cento do produto interno bruto (PIB), o governo japonês serão forçados a gastar enormes para reparar os danos, tanto físicos como econômicos. Isso também põe em causa sérios problemas de estabilidade a longo prazo da economia japonesa, devido ao enorme desequilíbrio nas finanças públicas, que seria o resultado. Mas esse s gastos imensos iriam realmente animar suas economias após superar uma desaceleração inicial, devido ao prejuízo imediato às instalações de produção. Quando um terremoto de magnitude 6,8 atingiu a cidade de Kobe em 1995, o crescimento econômico em seu resultado superior a 3 por cento numa base anual, uma bênção seguida. Os economistas japoneses também citam que a maioria da sua produção industrial ocorre em áreas não afetadas do sul, e a produção será simplesmente transferido para as plantas do sul para ag ora. Quais são as implicações de curto prazo para a economia de alguns paises? O abrandamento de curto prazo em atividade industrial e uma parada em alguns casos, pode-se esperar que traduz diretamente em uma desaceleração a curto prazo das op ortunidades de trabalho, demissões e

Por outro lado. Mas. que está sendo atribuído à entrada em larga escala dos fundos enviados do exterior para ajudar a reparar fundo e reconstrução. parece haver pouco espaço para o pessimismo além do curto prazo para a economia mundial. os preços das commodities agrícolas. aumentos do preço do petróleo devido à instabilidade política no Oriente Médio. Isto colocaria uma pressão ascendente sobre os preços do gás natural. o iene japonês começou a apreciar. Analistas vêem um impacto sobre os preços dos combustíveis para estar entre os efeitos mais imediatos. Mas a perda do Japão poderia ser ganho e m outros países industrializados. também é lógico esperar um impacto negativo sobre a APD japonesa em geral. como o Japão também é o terceiro maior país do petróleo consomem no mundo inteiro. As exportações para o Japão de matérias-primas e componentes intermediários que alimentam suas indústrias também poderão ver uma desaceleração no curto prazo. Este último seria um neutralizador de boas vindas para os movimentos de subida recente dos preços do petróleo devido à agitação se espalhando em países do Oriente Médio. . Quanto às nossas próprias perspectivas em 2011. levando a uma desaceleração visível em empregos par a trabalhadores de serviços. enquanto se aguarda mais evidências. a China e a Índia seriam facilmente preencher eventuais lacunas de produção no Japão ocasionadas pela catástrofe. especialmente para eliminar qualquer folga possível na produção industrial. Quanto ao tsunami do Japão. e o peso de apreciar. Junto com a desaceleração global imediata na economia japonesa virá um abrandamento do investimento direto estrangeiro proveniente da sua direção. como já foi referido. na esteira do tsunami japonês. o Japão é esperada a caminhada as suas compras de gás natural par a suas usinas de energia movidas a gás para compensar a folga. as maiores ameaças continuam a ser uma dupla recessão possível no Ocidente (especialmente na Europa). inclusive no entretenimento. estas são susceptíveis de ser momentâneo de qualquer maneira. Já. Coréia do Sul. para trabalhadores.definitivas em alguns casos. Os efeitos globais são susceptíveis de ser misturado. provavelmente veremos algumas ondulações na economia (como literalmente fez o tsunami). Assim. uma menor procura de petróleo devido ao abrandamento de curto prazo na produção industrial teria o efeito oposto sobre os preços do petróleo. Alguns casos de desaceleração ou de contração no setor de serviços também é provável. E com pressões aumentadas de finanças do governo do Japão. Com um número de suas usinas nucleares colocado fora da comissão pelo desastre.