You are on page 1of 9

HISTOLOGIA PERIODONTAL PERIODONTO  ORIGEM:  ECTOMESÊNQUIMA  Exceção ►epitélio juncional ► ectoderma  FUNÇÕES GERAIS:  Inserção e sustentação do dente no alvéolo

 Atenuação e distribuição das forças mastigatórias  Adaptação funcional e patológica  Proteção das estruturas nobres e de suporte dos dentes  CARACTERÍSTICAS GERAIS Tecidos de suporte e proteção dos dentes PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO  PERIODONTO DE PROTEÇÃO  Estruturas responsáveis por manter o dente nos ossos maxilar e mandibular  Tecidos Componentes:  Gengiva Marginal e Inserida  Ligamento Periodontal  Cemento  Osso Alveolar

PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO

      

LIGAMENTO PERIODONTAL CEMENTO OSSO ALVEOLAR

ESPESSURA: Varia de 0,15 a 0,38mm tendo a sua porção mais delgada em torno do 1/3 médio da raiz 11 a 16 anos: 0,21mm 32 a 52 anos: 0,18 mm 51 a 67 anos: 0,15 mm  CARACTERÍSTICAS:

Tecido conjuntivo denso altamente especializado Situado entre o dente e o osso alveolar entre o cemento que cobre a raiz e o osso que forma o osso alveolar (gonfose).  Fibras de colágeno tipo I ► fibras de Sharpey  Arranjo: feixes espessos em padrões pré-determinados
 

dirige-se para baixo e para fora. Células epiteliais    São as células remanescentes da bainha epitelial radicular de Hertwig.   Penetram no cemento e osso alveolar Fibroblastos células mais abundantes Elevado índice de renovação do colágeno no LP Outros tipos celulares:        Células indiferenciadas Restos Epiteliais de Malassez Odontoclastos Osteoclastos Células do sistema imune típicas do tecido conjuntivo propriamente dito Células do osso e do cemento Células mesênquimais indiferenciadas: Estão presentes nas paredes dos vasos (células perivasculares) e se prestam a substituir e renovar as células do LP que são eliminadas seletivamente através de um processo fisiológico de apoptose. RESTOS EPITELIAIS DE MALLASSEZ Matriz extracelular  QUANTIDADE DIMINUTA DE SFA  COMPLEXO SISTEMAS DE FIBRAS: Crista alveolar Horizontais Obliquas Apicais Inter-radiculares Trans-septal Colágenas dos tipos I e III. Fibras Horizontais . inserindo-se na crista alveolar. VI e XII Fibras oxitalânicas Grupo de fibras da crista alveolar:  Unido ao cemento logo abaixo da junção amelocementária. Ocorrem como cordões entrelaçados junto a superfície do cemento Possuem a capacidade de manter afastado as células ósseas evitando anquilose. V.

do cemento para o osso logo abaixo da crista alveolar. dirige-se em ângulo reto. Suprimento Nervoso  As fibras nervosas seguem de apical para a margem gengival. Fibras inter-radiculares Encontrada apenas entre as raízes de dentes multirradiculares. em torno do ápice da raiz.  São fibras nociceptoras e mecanorreceptoras . Situado apicalmente ao grupo da crista alveolar. em relação ao longo eixo do dente. as quais se associam com fibras que penetram lateralmente através de forames da parede alveolar. o qual se dirige do cemento para o osso formando a crista do septo inter-radicular. Fibras Oblíquas  É o grupo mais numeroso do LP que parte obliquamente do cemento para a inserção dentro do osso em direção coronária. O sulfato de dermatana é a sua principal glicosaminoglicana 70% água Suprimento Sangüíneo Provém das artérias alveolares superior e inferior.  É constituido por fibras amielinizadas e por fibras cobertas pelas células de Schwann. Suas ramificações penetram no osso alveolar recebendo o nome de artérias perfurantes As anastomoses arteriovenosas formam uma complexa rede que conta ainda com vasos linfáticos que drenam o tecido. Fibras oxitalânicas e elaulinas          São feixes de microfibrilas São dispostas verticalmente formando uma rede tridimensional de malhas ramificadas que cercam a raiz Estão presentes junto aos vasos e conferem elasticidade ao LP Substância fundamental Semelhante a de outros TC em relação a seus componentes. formando a base do alvéolo. Fibras Apicais   Irradia-se do cemento para o osso.

 FUNÇÕES:  Articular o dente ao osso  Absorve e contrabalança as forças mastigatórias  Evita transmissão direta da pressão para o osso  poderia ocasionar reabsorção óssea localizada  Função sensorial  receptores sensoriais  Nervos  fibras de dor e proprioceptivas (percepção de orientação espacial) RESUMO DAS FUNÇÕES:     SUPORTE SENSORIAL NUTRITIVA MANUTENÇÃO CEMENTO  CARACTERÍSTICAS  Tecido conjuntivo mineralizado  Duro  Avascular  Recobre a dentina radicular  Composição  55% material inorgânico  cristais de hidroxiapatita  45% matriz orgânica  colágeno e SF  Lábil  reage às forças as quais é submetido com reabsorção e síntese. inclusive se comunicando através de um sistema canalicular Classificação do Cemento São considerados 4 fatores:   Presença de células na matriz Época de formação .  Região apical da raiz  Cemento é mais espesso  Produção contínua de cemento no ápice compensa desgaste fisiológico dos dentes Tipos celulares:   cementócitos Cementoblastos Obs: São células com comportamento parecido com os osteócitos e osteoblastos.

  Origem das fibras de colágeno da matriz Localização e padrão Presença de células na matriz Pode ser: Acelular ou Celular Presença de células na matriz Cemento acelular:  1/3 cervical dos dentes  Matriz fibrosa com presença de fibras de Sharpey (feixes colágenos que se inserem no osso alveolar)  Responsável pela ancoragem do dente Presença de células na matriz Cemento celular:  1/3 apical de dentes uniradiculares e região entre raízes de dentes com mais de uma raiz  É mais espesso que o cemento acelular  Nota-se uma maciça presença de cementócitos. cementoblastos e fibroblastos inclusive  Tem função adaptativa e compensatória Cemento celular Época de formação Pode ser: Primário ou Secundário Época de Formação São utilizados os mesmos critérios de classificação de cemento celular e cemento acelular Origem das fibras colágenas da matriz Pode ser: Com fibras Intrínsecas ou fibras Extrínsecas Origem das fibras colágenas da matriz Fibras Intrínsecas:  Possui fibras de colágeno mineralizadas provenientes dos cementoblastos depositadas organizadamente na matriz .

classificação      Cemento primário acelular de fibras intrínsecas Cemento primário acelular de fibras extrínsecas Cemento secundário celular de fibras intrínsecas Cemento secundário de fibras mistas Cemento acelular afibrilar Cemento primário acelular de fibras intrínsecas  Matriz de colágeno formada como resultado da atividade cementoblástica   Ocorre antes da formação do ligamento periodontal As fibras do LP somente são conectadas após a deposição de 10 a 20 µm de cemento de fibras intrínsecas Cemento primário acelular de fibras extrínsecas       É o cemento produzido logo após a mineralização das fibras colágenas do CPAFI e sua junção com as fibras do LP É encontrado em caninos e incisivos Recobre 2/3 ou mais da raiz Cemento acelular de fibra extrínsecas Cemento secundário celular de fibras intrínsecas Possui células na matriz parecidas com as do tecido ósseo.Origem das fibras colágenas da matriz Fibras Extrínsecas:  Possui fibras de colágeno não totalmente mineralizadas e desalinhadas provenientes do ligamento periodontal. está presente entre as raízes de dentes multirradiculares e na região apical Está AUSENTE em caninos e incisivos Não tem responsabilidade de fixar os dentes. depositas na matriz primária em sobreposição a primeira camada de fibras intrínsecas Localização e padrão Pode ser: Intermediário ou Estratificado Misto Localização e padrão São utilizados os mesmos critérios de classificação de cemento celular e cemento acelular Cemento . sendo essa sua função secundária .

pois as intrínsecas encontran-se bem dispostas e mineralizadas e as extrínsecas vindas do LP estão desorganizadas e não totalmente mineralizadas Fase inicial de formação Cemento secundário celular de fibras mistas Cemento celular de fibras mistas Cemento acelular afibrilar   É limitada pela superfície do esmalte e está envolvido com a fixação do dente Ocorre devido a rupturas locais no epitélio dentário reduzido.Cemento secundário celular de fibras mistas  Constitui o maior volume de cemento secundário por incorporar fibras do LP  Possui cementócitos com processos em canalículos voltados para o LP que na medida que produzem a matriz vão se afastando do LP entrando em apoptose  Presença de cementóide em sua superfície dando um aspecto laminado ao tecido refletindo a sua função de tecido adaptável  As fibras são facilmente distinguidas . permitindo que as células do folículo entrem em contato com o esmalte Reabsorção X Reposição Reabsorção Limite esmalte X cemento    60% cemento recobrindo o esmalte 30% cemento borda a borda com o esmalte 10% cemento não toca o esmalte JCE Tipos de cemento:   Cemento acelular Cemento celular OSSO ALVEOLAR  Constitui o osso que sustenta as raízes dos dentes na mandíbula ou na maxila  Quando o dente é extraído o osso alveolar é reabsorvido rapidamente  É formado por osso secundário e possui todas as características do osso compacto  Possui feixes de fibras inseridas vindas do tecido conjuntivo do ligamento periodontal .

porém sabe-se que essa lâmina é toda perfurada para que o feixe vasculo-nervoso penetre na raiz dentária. Devido a essas perfurações a lâmina dura também é conhecida como Lâmina Cribiforme PERIODONTO DE PROTEÇÃO GENGIVA  CARACTERÍSTICAS  Membrana mucosa aderida ao periósteo dos ossos maxilar e mandibular  Epitélio juncional  gengiva unida ao esmalte  Sulco gengival  circundando a coroa entre esmalte e epitélio localizado acima do epitélio juncional Junção Dento-gengival Componentes Epitelial    Gengival Sucular juncional Junção Dento-gengival Epitelial Gengival:   Epitélio estratificado pavimentoso queratinizado Presença de acantose epitelial Epitelial Sucular:    Epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado O sulco gengival possui entre 0 e 3mm em condições fisiológicas O Fluido sucular é uma secreção produzida pelas célula epiteliais da região e contém uma mistura de restos celulares e Neutrófilos  Seus limites vão da margem gengival cervical até o início do epitélio juncional SULCO GENGIVAL E EPITÉLIO DO SULCO EPITÉLIO JUNCIONAL . O limite do osso alveolar com o ligamento periodontal é chamado de lâmina dura e é um importante referencial radiográfico O osso alveolar possui uma lâmina óssea dura e radiopaca que é chamada de lâmina dura.

 Grupo alveologengival: osso da crista alveolar .  Grupo de fibras transeptais: dirige-se interdentalmente a partir do cemento coronário até o cemento coronário do dente visinho. passando por cima da crista alveolar. FIBRAS TRANS-SEPTAIS CUTICULA PRIMÁRIA  Fina membrana que desaparece no momento da erupção dentária. Suas células são aderidas ao esmalte por hemidesmossoma. sendo chamado de epitélio de fixação  Forma o assoalho do sulco gengival  É constituído por um epitélio estratificado que varia entre 30 a 4 camadas de células  Sua presença indica saúde periodontal  Suas células são grandes e possuem um grande espaço intercelular. tornando-o muito permeável Formação do epitélio juncional Epitélio Juncional EPITÉLIO JUNCIONAL COL Fibras encontradas na lâmina própria da gengiva  Grupo dentogengival: cemento cervical – lâmina própria. ESTUDE!  FIM FIM FIM    FIM .lâmina própria.  Grupo circular: forma uma faixa ao redor do dente  Grupo dentoperiostal: cemento – em direção descendente seguindo o periósteo da tábua cortical externa e do processo alveolar.