You are on page 1of 2

12 . VITÓRIA . 16 ABRIL .

2011

Percurso de sucesso
Ao cabo de tês anos na primeira divisão, a Secção de Pólo Aquático do Vitória SC alcançou, no passado fim-de-semana, a melhor classificação de sempre. O quinto lugar conquistado pela equipa sénior permite-nos acreditar num futuro de sucesso. Um futuro projectado com os pés no chão. Pedro Coelho Lima dirige uma modalidade que tem dado provas de sobrevivência e, mais importante que tudo, caminha a passos largos para um percurso ao mais alto nível. Nos seniores e na formação, os frutos do bom trabalho desenvolvido estão à vista de todos. Mas, nestas páginas dedicadas à modalidade, vamos refrescar-lhe a memória.

D

esde 2003, o Pólo Aquático do Vitória tem vincado a sua aposta na formação. Os mais pequenos ocupam o principal foco de atenção dos responsáveis vitorianos, como nos explica Pedro Coelho Lima. “A nossa aposta é formar miúdos e a aposta na equipa sénior funciona como um chamariz para os atletas. É impensável queremos captar jovens para o Pólo se não tivermos uma equipa sénior de referência. E é por isso que é importante que a equipa sénior alcance bons resultados porque quanto melhor forem esses resultados, mais atletas estarão interessados em praticar a modalidade”, comentou o dirigente. Os bons resultados obtidos têm funcionado na perfeição para captar o interesse de cada vez mais jovens, mas há uma lacuna existente desde o início

da modalidade: o espaço. Corrija-se, a falta dele. “É impensável crescer tacticamente enquanto os jovens e os seniores continuarem a treinar em campos reduzidos e é isso que afecta o nosso rendimento. Os outros têm espaço para poderem treinar e nós não. A questão económica não é fundamental, apesar de ser importante. E não podemos sonhar em sermos campeões enquanto não tivermos o espaço suficiente para nos prepararmos da melhor maneira”, atestou.

Sérvia como melhor exemplo
Os atletas provenientes da formação são, assim, o “mercado” da equipa principal de Pólo Aquático. Com poucos atletas profissionais, a aposta vitoriana re-

side no pólo sérvio. Para Pedro Coelho Lima, este é o “melhor exemplo” para qualquer equipa nacional. “Com a chegada do Elin e do Nabo conseguimos incutir alguns métodos da escola sérvia, que é o melhor exemplo. Reparámos que desde a chegada deles a prática da modalidade tem evoluído e isso já se nota também na formação. Os atletas da geração de 93, que se apuraram agora para a fase intermédia, têm já a aprendizagem da escola sérvia, que é aquela que conseguimos criar aqui”, vincou. A opinião do director da Secção é partilhada por Pedro Magalhães, também ele responsável pela modalidade. “O primeiro passo desta Secção foi divulgar a modalidade. Depois, surgiu o material humano para trabalhar e tivemos sempre pessoas qualificadas para tra-

16 ABRIL . 2011 . VITÓRIA . 13

balhar com os miúdos. Há cerca de três anos, a formação e os seniores foram contemplados com a vinda dos treinadores sérvios e não há ninguém melhor que eles para transmitir as experiências e as vivências de um país com tanto valor nesta modalidade. Por isso, criámos todas as condições para que os atletas obtivessem estes resultados”, afirmou.

Quinto lugar valida melhor época de sempre
Fruto do melhor que a Sérvia possui, Elin Berbic assume funções de jogador e treinador. No comando técnico há dois anos, o sérvio alcançou já alguns feitos e reconhece que este grupo pode jogar “de igual para igual” com quase todos os adversários. Quase porque o Portinado aparece num lugar de destaque. “Desde que cá estou noto alguns progressos ao nível táctico. No ano passado, tínhamos dificuldades em jogar com cinco ou seis equipas mas este ano posso dizer que só temos limitações perante uma, o Portinado. Se continuarmos com este

trabalho, penso que podemos chegar muito longe”, elogiou o treinador. No curriculum em Portugal, o treinador poderá apresentar, este ano, o quinto lugar na Primeira Divisão. Depois de ter treinado com os melhores da Europa, Elin pretende transmitir aos jovens portugueses todos os conhecimentos que adquiriu na melhor escola. “Esta foi a melhor época desde que comecei o meu trabalho. Na Sérvia, contactei com os melhores treinadores que tínhamos no país. Tento passar a minha experiência aos jogadores. Alguns atletas não têm muitos problemas em perceberem mas no início não foi fácil porque era tudo novidade para eles. Precisamos ainda de algum tempo para automatizar movimentos”, concluiu.

em terceiro lugar, com os mesmos pontos que o primeiro classificado, para a Fase Intermédia e apresenta-se como uma séria candidata ao pódio da Fase Final. Quem o diz é Pedro Magalhães, coordenador desportivo. “As equipas do campeonato regional Norte são sempre as melhores ao nível nacional e posso afirmar que podemos atacar os três lugares do pódio na Fase Final. Esse é, claramente, o nosso objectivo”, atestou o dirigente. Aposta principal da modalidade, a Formação de Pólo Aquático é a menina dos olhos de todos os seccionistas. E é com os olhos postos num futuro risonho que Pedro Magalhães admite o orgulho no trabalho desenvolvido pelos mais jovens. “Temos de realçar também o trabalho dos Cadetes. As captações que temos feito têm sido boas e, hoje, “Juvenis podem temos cerca de 25 atletas nesse esatacar o pódio” calão. Dividimos esse número em dois grupos e isso só é possível nos grandes Depois de a equipa sénior ter garan- clubes. São miúdos que marcam, constido a melhor classificação de sempre, tantemente, presença nas Selecções”, foi a vez dos Juvenis brilharem tam- concluiu. bém. A formação vitoriana apurou-se