FÍSICA GERAL I MAGNETISMO As crianças são fascinadas por ímãs, principalmente porque os ímãs atuam a distância.

Pode-se mover um prego com um ímã localizado próximo a ele, mesmo quando um pedaço de madeira é colocado entre os dois.Analogamente, um neurocirurgião pode dirigir uma pequena esfera através do tecido cerebral até alcançar um tumor que não é operável, colocar um catéter em posição, ou implantar eletrodos, sem produzir grandes danos ao tecido cerebral. A utilidade dos ímãs cresce a cada dia. O termo magnetismo provém da região da Magnésia, uma província da Grécia onde certas rochas, chamadas de magnetitas, possuem a propriedade surpreendente de atrair pedaços de ferro. Os ímãs foram primeiro empregados em bússolas e usados para navegação pelos chineses no século doze. No século dezesseis, William Gilbert, médico da rainha Elizabeth I, confeccionou ímãs artificiais esfregando pedaços de ferro comum em pedaços de magnetita. Ele também sugeriu que uma bússola sempre se alinha com a direção norte-sul porque a Terra possui propriedades de um ímã. Mais tarde, na Inglaterra, em 1750, John Michel descobriu que a força exercida pelos pólos magnéticos obedecem à lei do inverso do quadrado da distância, e seus resultados foram confirmados por Charles Coulomb. Os campos da eletricidade e do magnetismo desenvolveram-se quase que independentemente um do outro até 1820, quando um professor de ciências dinamarquês chamado Christian Oersted descobriu, durante uma demonstração em sala de aula, que uma corrente elétrica afeta uma bússola magnética. E viu a evidência que confirmava a existência de uma relação entre o magnetismo e a eletricidade. Logo depois, o físico francês Andre-Marie Ampère propôs que as correntes elétricas fossem as fontes de todos os fenômenos magnéticos. Forças Magnéticas Conhecemos as forças que as partículas eletricamente carregadas exercem entre si. A força entre duas partículas carregadas quaisquer depende do valor da carga de cada uma e de sua distância de separação mútua, como determinado pela lei de Coulomb. Mas essa lei não diz tudo quando as partículas carregadas estão em movimento relativo mútuo. A força entre partículas eletricamente carregadas depende também, de uma maneira complicada, de seus movimentos. Descobriu-se que, além da força que chamamos de elétrica, existe uma força devido ao movimento das partículas carregadas que chamamos de força magnética. A fonte de força magnética é o movimento das partículas carregadas, normalmente elétrons. Tanto as forças elétricas como as magnéticas são realmente manifestações diferentes do mesmo fenômeno: o eletromagnetismo. Pólos Magnéticos As forças que os ímãs exercem entre si são parecidas com as elétricas, pois elas também podem atrair ou repelir, sem tocar, dependendo de quais extremidades dos ímãs estão mais próximas. Também como as forças elétricas, as intensidades de suas interações dependem da distância entre os dois ímãs. Enquanto as cargas elétricas são fundamentais para as forças elétricas, são as regiões dos ímãs chamadas de pólos magnéticos que dão origem às forças magnéticas. Se você suspender um ímã em barra por um barbante amarrado no centro da barra, obterá uma bússola. Uma das extremidades aponta para o norte e por isso é chamada de pólo norte magnético, enquanto a outra aponta para o sul e é chamada correspondentemente de pólo sul magnético, que chamaremos, mais simplesmente, de pólos norte e sul, respectivamente. Qualquer ímã possui tanto um pólo norte como um pólo sul. Os ímãs de refrigerador, muito populares nos últimos anos, possuem atrás tiras estreitas com pólos sul e norte que se alternam ao longo do comprimento. Esses ímãs são suficientemente fortes para segurar folhas de papel contra a porta do refrigerador, mas têm um alcance

Campos Magnéticos Se você espalhar um pouco de limalha de ferro sobre uma folha de papel colocada por cima de um ímã. As linhas foram obtidas espalhando-se limalha de ferro sobre a folha de papel onde o ímã foi colocado. O mesmo é verdadeiro para um pólo sul próximo a outro pólo do mesmo tipo. Mas existe uma diferença muito importante entre os pólos magnéticos e as cargas elétricas. Os elétrons carregados negativamente e os prótons carregados positivamente são entidades em si mesmas. Se quebrar esses dois pedaços novamente. pólos opostos se atraem. Seus pólos também estão nas duas extremidades. . Se você partir em dois um ímã em barra. 2). Um aglomerado de elétrons não precisa estar sempre acompanhado de um aglomerado de prótons. os pólos magnéticos não o podem. Mas se dois pólos magnéticos opostos forem colocados próximos. e vice-versa. enquanto as de sinais contrários se atraem. Um ímã comum do tipo ferradura é simplesmente uma barra que foi dobrada até adquirir a forma da letra ''U".muito curto em virtude do cancelamento promovido entre os pólos norte e sul. ainda assim haverá nele dois pólos. Mas um pólo magnético norte jamais existe sem a presença de um pólo sul. Onde as linhas se encontram mais próximas umas das outras. aparecerá uma força atrativa entre eles. Em um ímã em barra simples. traçando o padrão das linhas de campo ao redor do ímã. Figura 2: Linhas de campo magnético em um ímã em forma de barra. Quando o pólo norte de um ímã é colocado próximo ao pólo norte de outro ímã. e vice-versa. O sentido do campo no exterior do ímã é do pólo norte para o pólo sul. A concentração dos pedacinhos de limalha nos pólos do ímã da figura mostra que aí é maior a intensidade do campo. cada metade ainda se comportará como um ímã completo. um único pólo norte e um único pólo sul situam-se nas extremidades da barra. Essa lei é semelhante à lei das forças entre cargas elétricas. Mesmo quando o pedaço que você obtiver for do tamanho de um único átomo. E você pode seguir quebrando esses pedaços pela metade que jamais obterá um único pólo magnético que esteja isolado. seus pólos se alinharão com o campo magnético. o campo é mais intenso (veja a Fig. Verifica-se experimentalmente que: pólos iguais se repelem. onde cargas de mesmo sinal se repelem. obterá quatro ímãs completos. cujos pequenos pedaços de ferro se alinham com as linhas do campo magnético. A forma do campo é revelada pela limalha. Figura 1: Linhas de campo magnético em um ímã em forma de barra. O espaço que circunda o ímã contém um campo magnético. eles se repelem. Se colocarmos outro ímã ou uma pequena bússola em qualquer lugar dentro daquele campo. Enquanto estas podem ser encontradas isoladamente. que se espalham a partir de um dos pólos e retornam pelo outro. verá que os pedaços de limalha se ordenam.

Para a maioria dos átomos. O spin de cada elétron comporta-se como um pequeno ímã. descrevendo uma rotação em torno do núcleo atômico. os diversos campos se anulam porque os spins encontram-se orientados em sentidos opostos. É por isso que a grande maioria das substâncias não são ímãs. Um campo magnético é produzido pela movimentação de uma carga elétrica. para os átomos de níquel e cobalto. Esses aglomerados de átomos são chamados de domínios magnéticos (Fig. Na maior parte dos ímãs. alinhados uns com os outros. não se anula. além do movimento orbital do elétron em torno do núcleo. onde os spins possuem orientação oposta. Esse campo magnético se deve às "distorções" causadas no campo elétrico pelo movimento. portanto. portanto. no entanto. e foi explicado por Albert Einstein em 1905 na sua teoria especial da relatividade. Os domínios são microscópicos e existem muitos deles num cristal de ferro. o níquel e o cobalto.3 :Domínios em um pedaço de ferro. Cada átomo de ferro possui quatro elétrons desemparelhados. é o spin eletrônico que gera a principal contribuição para o magnetismo. níquel e cobalto em diversas proporções. esses campos não se anulam inteiramente. os próprios domínios podem se alinhar uns com os outros. feitos de ligas que contém ferro. O mesmo é verdadeiro. A maior parte dos ímãs comuns são. 3).O magnetismo esta intimamente relacionado à eletricidade. Um par de elétrons cujos spins estejam orientados no mesmo sentido geram um campo mais intenso. Da mesma forma como ocorre com o alinhamento dos átomos dentro de um mesmo domínio. Se o movimento de cargas elétricas produz magnetismo. onde existe tal movimento em um ímã em barra? A resposta está nos elétrons dos átomos que constituem o ímã em barra. . gerado por seus spins. mas. Já em um par. Figura. os campos magnéticos gerados se anulam. para efeito de compreensão. a mesma carga estará rodeada por um campo magnético se estiver em movimento. O spin é de origem quântica. de spins de mesma orientação. podemos imaginá-lo como resultante da rotação do elétron em torno de seu próprio eixo. Em materiais como o ferro. Cada domínio é formado por bilhões de átomos alinhados. é um minúsculo ímã. As partículas carregadas em movimento têm associadas consigo tanto um campo elétrico como um magnético. no entanto. em menor extensão. Da mesma forma que uma carga elétrica é rodeada por um campo elétrico. Cada átomo. Domínios Magnéticos O campo magnético gerado por um átomo de ferro individual é tão intenso que as interações entre átomos vizinhos podem dar origem a grandes aglomerados desses átomos. Existe. cujo campo total. Esses elétrons estão em constante movimento. uma outra propriedade dos elétrons que é fundamental para o magnetismo: o chamado spin.

Isso se deve ao fato de que. conforme indicadona figura ao lado. no ferro ordinário. Outra maneira. (É interessante escutar os estalidos produzidos pelos domínios quando estão sendo alinhados pelo campo de um ímã forte localizado próximo.Nem todo pedaço de ferro. Considere um prego comum de ferro: os domínios que existem nele estão orientados aleatoriamente. segue que uma corrente de cargas também produz um campo desse tipo. usa—se a regra da mão direita. o ímã enfraquece. No entanto. Se o campo do ímã permanente usado for muito intenso. as bússolas alinham-se com o campo magnético gerado e revelam um padrão de círculos concêntricos ao redor do fio (veja a Fig. Fig. os domínios não estão alinhados entre si. alguns desses domínios serão chacoalhados. o ferro-doce é mais fácil de magnetizar do que o aço. Quando uma corrente atravessa o condutor.de fabricar um ímã permanente é esfregando um pedaço dc ferro em um ímã permanente. as agulhas das bússolas giram até se inverterem. As ligas do ferro diferem. entretanto. Se um ímã permanente cair no chão ou for aquecido. Quando se afasta o prego do ímã. podendo sair do alinhamento com os demais. na presença de um bastão eletrizado próximo. o prego pode manter alguma magnetização permanente depois de ser separado do ímã. é um ímã. O campo magnético que circunda o condutor por onde flui uma corrente pode ser visualizado com um arranjo de bússolas ao redor de um fio condutor. Isso é facilitado dando-se pancadas leves no objeto. O movimento de esfregar acaba alinhando os domínios existentes no pedaço de ferro. o que mostra que o sentido do campo magnético também se inverteu. a agitação térmica ordinária faz com que cada vez mais domínios do prego retomem ao arranjo aleatório original. Para se determinar o sentido do campo magnético gerado por um fio retilíneo percorrido por corrente elétrica. Quando se troca o sentido da corrente. Correntes Elétricas e Campos magnéticos Uma vez que o movimento de uma carga produz um campo magnético.4: Linhas de campo magnético geradas pela corrente que percorre um fio retilíneo . e com isso. O vetor campo magnético (B ) é tangente às linhas de campo magnético. muitos deles podem ser induzidos ao alinhamento quando um ímã é colocado próximo. entretanto. para "cutucar" aqueles domínios mais refratários e os forçar a se alinharem com o campo aplicado. 4). Os ímãs permanentes podem ser fabricados simplesmente colocando-se pedaços de ferro ou de determinadas ligas de ferro em um campo magnético intenso. Esse é o efeito que Oersted demonstrou pela primeira vez em uma sala de aula.) Os domínios se alinham da forma análoga ao alinhamento das cargas elétricas de um pedaço de papel.

Analisando-se a equação acima. formando uma espira. A intensidade do campo magnético é considerável para uma bobina (ou solenóide) condutora formada por muitas espiras. todos os seus domínios estão alinhados e nenhum reforço do campo se consegue daí em diante. A intensidade de um eletroímã pode ser aumentada simplesmente aumentando-se a corrente que flui pelo dispositivo. cujo valor é 4π x 10-7 Tm/A. L interior de uma bobina formada por N espiras é dada pela expressão: onde L é o comprimento da bobina e n = N/L é o número de espiras por unidade de comprimento. 1 −5 0 4π x 10 -7100 Solução: B = o 0. Se o fio for encurvado. além de um determinado ponto. Segue que a intensidade do campo magnético nesta região aumenta com o crescimento do número de espiras. as linhas do campo magnético se agruparão formando um feixe na região interior da espira (veja a figura abaixo). . Neste caso. medido em Teslas (T).5 x 10-42πr = 4π . I é a intensidade da corrente. não se usa o ferro como núcleo porque. Eletroímãs industriais têm suas intensidades reforçadas pela introdução de um núcleo de ferro no interior da bobina. é fácil perceber que o valor de B é tanto maior quanto maior for a corrente que o gera. Os domínios magnéticos do ferro do núcleo são forçados a se alinharem com o campo magnético da bobina.10-5 r= = 0. Eletroímãs Uma bobina conduzindo uma corrente elétrica constitui um eletroímã. bem como quanto mais próximo estivermos do fio que sustenta a corrente.O valor do campo magnético gerado por um fio retilíneo conduzindo corrente elétrica é dado µ I pela expressão: B = o . Para qual distância a partir do eixo do condutor o módulo do campo magnético produzido pela corrente é igual ao módulo aproximado do campo magnético médio na superfície da Terra? Dado: B(Terra) ≈ 0. µ I 2. uma vez que o campo magnético em questão é originado pela presença da corrente. a concentração das linhas de campo magnético no interior das espiras é duplicada.5 x10 −4 2πr 2πr 4x10-1m ou 40 cm. na qual: B é o valor do campo magnético. Isso é bastante razoável.5 x 10-4 T. como os que são usados para controlar feixes de partículas carregadas em aceleradores de alta energia. medida em Amperes (A) r é a distância entre o ponto no qual se quer conhecer o valor de B e o fio. Um condutor retilíneo longo conduz uma corrente de 100 A. Se o fio for curvado formando outra espira. Em eletroímãs extremamente fortes. superposta a primeira.5 x 10-4 = 0. reforçando a intensidade do campo. Exemplos: 1. 2πr μ0 é o valor de uma constante (permeabilidade do vácuo). a intensidade do campo magnético no N  B = µ0  I = µ0 nI .

Para responder a essas questões. 6. um campo magnético de 6. Por que a presença de um pedaço de ferro dentro de uma espira que conduz uma corrente aumenta a intensidade do campo magnético? 9.00 m e 0. neste local. qual é o módulo do campo magnético a uma distância de 0.080 m do fio? E a 0. qual(is) o(s) campo(s) gerado(s) por ela? 7. a) Qual é a corrente necessária para gerar esse campo? b) Usando a corrente calculada no item anterior. 3. no sentindo de Norte para Sul. existe um outro campo magnético B0 = 1. A intensidade desses eletroímãs é limitada pelo aquecimento da bobina com a passagem da corrente. qual será: a) o valor desse campo magnético no mesmo ponto medido anteriormente? Justifique.160 m? 4.25 m. Quem. descobriu a relação entre a eletricidade e o magnetismo? Qual é a origem do magnetismo nos materiais? Por que nem todos os materiais são magnéticos? O que são materiais ferromagnéticos? Quais as semelhanças e diferenças entre os fenômenos elétricos e magnéticos? Uma carga elétrica em movimento gera dois campos de “natureza” diferentes. b) o valor desse campo magnético a uma distância 3x maior do que o ponto no qual o campo foi medido na situação original? Justifique. num certo ponto. Trata-se de questões conceituais básicas e introdutórias a respeito de magnetismo. respectivamente: 1. sendo a distância de cada um deles ao fio. Um fio retilíneo encontra-se na vertical conforme mostrado na figura deste problema e conduz uma corrente de 8.0 x 10-4 T. a) Calcule o módulo do campo magnético gerado pelo fio nos pontos a. Deseja-se produzir um campo magnético com módulo igual a 5. Qual a diferença entre um material magnetizado e outro não magnetizado? 8.Eletroímãs suficientemente fortes para erguer automóveis são comuns em depósitos de ferrovelho. Por que as “caixas” que contêm agulhas magnéticas das bússolas não podem ser de material ferromagnético? 2ª PARTE: QUESTÕES DE APLICAÇÃO 1. c) Indique na figura o sentido do campo magnético gerado pelo fio em cada um dos pontos citados. 1. b e c. 5. com a orientação mostrada. Um certo fio condutor percorrido por corrente elétrica gera. 4. 3.50 x 10-4 T em um ponto situado a uma distância de 0. Porém. você deverá ler o texto acima e pesquisar em livros de Física de 2º grau ou de graduação. b) Calcule o módulo do campo magnético total nos pontos a. 1. e em que cenário. .5 x 10-6 T. 2. EXERCÍCIOS 1ª PARTE: QUESTÕES DE COMPREENSÃO.50 m acima do solo e conduz corrente de 800 A. 2.040 m de um fio longo retilíneo. b e c indicados. Quais são eles? E uma carga elétrica em repouso. Efeito de uma linha de transmissão.00 A de cima para baixo. Duplicando-se a intensidade da corrente. Dois excursionistas estão fazendo a leitura de uma bússola situada embaixo de um fio de alta tensão que está a uma altura de 5.00 m.

B = 2. B = 1.9 x 10-6 T 4) a) de Oeste para Leste.375 x 10-4 T.0 x 10-4 T.0 x 10-4 T. Qual será o sentido desse campo magnético? b) Um dos rapazes sugere que se faça a leitura da bússola a 50 m do ponto onde eles se encontram para evitar possíveis interferências do campo magnético gerado pela corrente na linha de transmissão na indicação da bússola.50 m questão 04 Nível do chão questão 01 RESPOSTAS DAS QUESTÕES DE APLICAÇÃO (2. b) 4. mas não eliminado.a) Calcule o módulo o campo magnético gerado por esta linha num ponto sobre o solo abaixo do condutor. EXERCÍCIOS: ÍMÃS E CAMPO MAGNÉTICO . Bc = 64 x 10-7 T BTb = 2. b) Se for 50 m à esquerda ou à direita da linha. o problema será reduzido. b) BTa = 1 x 10-7 T 2) a) 12.9 x 10-5 T . 3) a) I = 110 A b) B = 2.ª PARTE ) 1) a) Ba = Bb = 16 x 10-7 T. Figuras para os problemas N linha de transmissão I S 5.19 x 10-7 T BTc = 7. Esta solução resolve o problema da interferência? Justifique.75 x 10-4 T.

cada um deles conduzindo uma corrente de intensidades I1 = 10 A e I2 = 20 A. P3. vertical para cima. vertical para baixo. BP2 = 6. Como ela pode verificar este fato utilizando uma bússola? 3) Dois fios longos paralelos estão separados por uma distância de 8. Que correntes iguais devem existir nos fios para que o campo magnético a meio caminho entre os fios tenha uma intensidade de 300 µ T? Responda a essa questão para correntes (a) paralelas e (b) antiparalelas. 1) Letra d). vertical para baixo. cuja direção e sentido estão  indicados na figura.1) Fazendo uma experiência com dois ímãs em forma de barra. c) norte e sul na figura 1 e sul e norte na figura 2.0 x 10-4 T.30 A.0 cm. P2. b) I = 30 A. Ele colocou os ímãs em duas diferentes orientações o obteve os resultados mostrados nas figuras 1 e 2. 5) B = 3. 2) Um fio condutor de corrente está embutido em uma parede. d) norte e sul na figura 1 e sul e sul na figura 2. 4) BP1 = 1.33 x 10-5 T. . Com base nessas informações é correto afirmar que as extremidades dos ímãs voltadas para a região entre eles correspondem aos pólos: a) norte e norte na figura 1 e sul e norte na figura 2. transporta uma corrente de 0. • 3 cm • 1 cm Fio 1 P1 • 1 cm X Fio 2 1 cm P2 • P3 5) Um solenóide de 200 voltas. direção e sentido do campo magnético B nos pontos P1. 2) Basta verificar se ocorre algum desvio na orientação da agulha. Calcule a intensidade do campo magnético B no interior do solenóide. Determine o módulo.02 x 10-4 T. BP3 = 33. Respostas. tendo 25 cm de comprimento e 10 cm de diâmetro.33 x 10-5 T. 4) A figura abaixo mostra um plano xy que corta perpendicularmente dois fios longos paralelos. os ímãs estão representados pelos retângulos. b) norte e norte na figura 1 e sul e sul na figura 2. Nessas figuras. é impossível obter um campo diferente de zero a meio caminho entre os fios. 3) a) Se as correntes são iguais. Uma pessoa deseja saber se existe uma corrente continua passando por este fio por este fio. um aluno colocou-os sob uma folha de papel e espalhou limalhas de ferro sobre essa folha.