You are on page 1of 26

c cc


cc 

cc


c 
ccc 
c
c

A Era Pós-Industrial, a Sociedade do


Conhecimento e a Educação para o
Pensarc
(notas de conferência para alunos e professores
de ensino médio em diversos estados do Brasil) c

cc

cc c
ñ c

cc

cccccccccc cc
 cc cc c c c ccc cc
 c c c cc c c    c  cc c
 c ccccc  c„ c c
„c

cccccccccccc! cc c c ccc   cc"#$%&


#'%&(cc c ccc  ccc  cc   „„
 c c cc c c c )c c c c c
*+ ccc c c c,  c cc- c c
 c .c ccc.cc/c c c c c0&&cc
c- cc   cc c c

A origem da era Pós-industrial

cc c  *1c c  c c c 1c  c


. c cc   cc c  cc2 -c3 c4cc
cc cc   *1c  cc c  cc1c c c
 -c c  cc *cc c 5  c6 cc c   c7c1c
 cc*1c- c cc/c cc*1c c
 *1c  *c c"  (c c   c

ccccccccccccc   cc  c c c 7c c*+ c


  c c cc/cc  cc cc c cc
*1cc     c - cc1cc  .*1c c
1cc  c

ccccccccccccc   cc c   c cc c cc c


   c   cc„  „ „c c c7 c  c c8&9cc
1 cc c cc/c cc- c7cccc
  cc c c :  c cc c cc   c c
  c cc  c ) *1c c c c cc.*1cc
 cc  .*1ccc-cc c ccc cc
cc  .*1c cc  .*1cc c cc *cc 7c
. c c  c c c c c- c   c"   ( c

ccccccccccccc ccc  c  c  cc cc; *1c c


c<  c4cc c c c-c *1c c
  cc c c c c c  c c c)c
)cc cY      c

6 c 7c c  cc*1c c c ccc cc c


1c *+ cc cc.c c  c cc cc
 *1c c cccc cc   cc  c cc c
1cc=  =cc c 7cccc c>c  ?c
   c *1c c   cc c  c c c
 *1c c c  c c   c c7 c c  c
 c cc c  c c  c cc   ccc
 cc  c c"(c2  cc  c c1c . c c
 c c cc *1c c c c  cc ccc
1cc *1c c/c cc   cc c cc
 c   c6 c c c1ccc1c c c c
- c"( c

cccccccccccc c  c c.c cc- c -cc ) c c


 *1cc c cc  c c<c@c
3.cc-cAc=  =c cc2   cc; *1 c

Ac c c c c  c- -cc  c=  c c
 =c=c  =c c cc c c7 cc c
4cc c  cc/ c c *+ c  c cc cc
c cc  -cc cc  „„   „„ 
„        ! „  c„   c
   "  #
c! c c  c c c  c c c c
@  cc  c c   c cc c  c.c
c cc - c cc cc"(cAc  c c c
 c 7c cc *1c c c  c c7c   c
ccc)cc c-c c -c$„c „„„„  %! 
„ „„  c  c  c  c  c c  c
 c cc c c c  c c - cc c c  c
  c c  c   c
Os países na era Pós-industrial

< cc c c c c  c  cc c-c


 c c    c1c. ccc c
c- c cc< cc cc- c
c cc< c   c7c c  c
  *cc c c-c  c7c1c c  cc
*1cAccc   c

cc

A cultura e os hábitos e costumes num mundo globalizado

c-.*1c cc cc cBc c cccc   cCc c


c)c cc c   c4cc c c.c c )1c
c  c cc  cDc  c4 c3c ) c
1c :   cc  *c  c c=1c c cc c c
 c  c c c c cc c7 c c c> c c
c c ccc c c cc c c1c   cc
 c4c  cc c cc c c =cE7 cc
)c cc  c c  c c *1ccc
 c ccc cAcc cCc  c  c  /c c
  c cc c  /c  cCc   c c-c
c  c c,  cc  c c *cc cc
c/c )cc c6cc  c1cccc
 + ccc  cccc    c Ccc c cEFGc
 c c cH&c+ c c c ccc c c#''$cc
)1cc  c-.c c c cc -c c   *1c
c c1c- cc c c c c c c  c c c
  c  cEFGcc  c cCcc/ c c   cc
#&&&c c c c  c#'I&c c#''%c c#0#cc0H%c cc1c
c  c cCcJ c2FcCc   c c+ c c c
 c! cc
 c ccKc cL c  ccc c - c
 c  c c cc  c c c cBc cc cc
 ccc  c cMc ccc c c c
 cCcc c * cccc  cc c -  c

ß  cc"- cc*+ c6ccc!     (c


   „   c#'''cc8c c$ c

cccccccccccc < cc c  cc! 1c;  ccDc c


 & ' „cc1c„„(„ „„) „„  *  c
 „cAc c - 5 c  c c  c-c"3$Nc3INc3#0c
 (c!c c c. c cc cc- cc c c c
 cD .cc cc c c"L1c c c 6(c

cccccccccccc2-  c  c ccc-c=6 c c cc4cc6 c


 c c1cc -c cc -c cc
 . =c cL  Fc2 ccU  „c

< cc cc3 cOc .   cc-c + c - c

  ccc c   c 1cc  c-c4c c


c c 1c c c c .c c .c - c
6 c  c cc c  cc  c c#%9c cc
*1c c ccc *+ c - c )  c6 c
 -c c c -c .c  cc*1c c ccc
c c -cc  cc*1c cc  cc c
  c c  cc c c c *cc*1c c  c
 -   c -.c Cc1c cc, c  c c
c -c )  c

O capital humano

cccccccccccc c  c  c c c c     cc c


 cc  *c cc   c1cc cc c c c cc
   cc    c 5  c  c-c7 ccc 
 c   c c   ! „c cc c c
 cc *c c&„    c ccc %  c
c    c cc  c   ? c c  c c
„   +„  „ccc c ccc
 cc<cE cc    cc c c8&ccc
 c c c c   cc? c c"D  c2 .c c
3FcP J (c2 -c c c  c. c c c  c cc
- c c ccc  c c  c c  c

A educação e a escola Ȅ o pensar

c c   c c c c c c c cc cc c
cccccccccccc
 cc  cc  c c©      c c
   c cccc cc c- c , c 1c
-c c c cc cc U ,U ,„c cc c1cc
 c-cc c c  ccc 1c cc  c c
? cc7  cc *1c c c c c c   c c c
cc c c 5  c c c cc c c c c
 c c c c

cccccccccccccD  c
c c  c c  c c .cc
 c - cc-.*1c ccc c c cc
*1c c cDJcDJc-?c- c c -cFc3 c
Ac „cccc&      „ „„„ „„  „c
ccc    *c  c ccc c  „ „c
 „ c4cc ccc „Qc

 cc  cc c  c  c cc cc *c c


   cc  cc c c  cc -c  c cc
 c c  c1c c c cc *c 1cc  7cc
 c   c cc cc c c c.? c c1cc  cc
 .c cc cc c c ccc c c c c c
  c c ccc c c!   c1cc cc  c1c cc
 c= c-c )=c c c-c  c
 cc  c cc
 c c c     cc *1cc cAc cc1c  c

)c c
 „ „ „ „ccRc c
cES cFc
4c#''Icc' c

cc  c c c cc cDJcDJcAc c


  c  c6 c- c c c c

As profissões

cccccccccccc ! c  ccc c cc+ c  c cc c


 c c *1c c   c!cc c ccc
  cBc cBc c cBc  c   c  c+ c c
cc -cc cc-cc cc cc - c
 cc  c  c cc c   c

ccccccccccccc cccccc    c c .c


1 c

O *1cc-c cc

<  c )cc  *1c c c c- c

 ? cc *+ c cc c c  c

<c cc c c *+ c c c -  c

<  c c *1cc *1cc * c

.*1cc  - c c cc  c

<  c ccc  c  *1c cc


  ccc   c
; *1cc *1c c.1c -c 1cc    c

cccccccccccc cc  c c 1c c  c

ñ
   cc<cc c c c ccc
cc  *1c c*+ c c  c-ccc ccc
  c c .c  c7 c$&9cc  c c c  c c c
-  c   c

     ccc   .*1cc cc  c cc
cc c  cc c c*1ccc
 c c

      ccD ? c cBc-.*1c c


  .*1c c c c  cc *+ c  cc
 c

    c"  c1  (cc2 *1c c c c


 c cc -c cc)ccc/ c
c c )-c  cc  c

  
ccc  cc )*1c c cc  c c
cc  cc  cc  .cc cc
  cc c cc  Tccc c   *1cc
c ccTc cc     c c  c c

ñ
  ccc*1c c- c  c c c
.c  c)c cc cc )-? c c  c c
cc c c c *1c c  c c c cc
  ccc c  cc

cccccccccccc< ccc - c=


 ?c  c  ccc c  c c
 c   Q=cccc c  c  c cc
   cc  *1cccD c   c

#cc  *1c1c  c  cc/ c  c c  ?c  - c T c

0c cc ccc c  c c   c cc
  T c

Hcc  *1ccc=- c7-=c c c c7-c" c  (cc  c


- c
ºevagar com o andor que o santo é de barro

ccccccccccc c4c cc   c c c *cc ? c


 cc cc c c ccc  c cc
 c .cc c c c c c1c c  c6 c
 c c c c c c  c cc cUcù„(
U- ©  ./„/ „,c

cccccAcc  , cc   .cc c )- c *1Tc


 c  cc  ? c  c cc  7c c
   c c c )  cc *+ c c? c c c c
--  c c cBc c c . cc *1cc cc c
ccEc c c1ccc *1c c ccc
 c  c c:c cc   cc  cc- c
! -*  cc c c cc*cc *1c c
 c   cccc*c   . cBc  c c
c!  7c *cc c c *c c c cc c c
c ccc   c cc  c   c c c c

< c c c c c  cc1c c c cc c


 c. cc . cc cc  c c7-c c
  .c  cc *1cc/ c  c  cc - c
=>Q=c c  cc=< Q=c c*1ccc- cc
 *1c  c c1c.c c c- cc  c
 cc c cc c cc )*1c c cc c c
  c c   ccc- *+ ccc c  c c c
7  ccc -c==c c 7ccc=  =cc
 7ccc  c  cc?)c  ,  c

cccccccccccccc c.c  cBc cc 7cBc c c cc


c ccc c   c-.c  c
   c c c.cc cc  c ) c
  cc cccc c c  c c cc
 c cc  *1c  cc=A= c



      
      
   
A+

A-

Tamanho do texto:

Por Caio Mascarello Teixeira

Compartilhar

Denunciar Spam

Imprimir

Atualmente vivemos a transição para a Sociedade do Conhecimento. Esta expressão, criada


por Alvin Toffler, é utilizada para denominar um novo cenário que se configura visivelmente
por, principalmente, modificações no campo econômico. A sociedade industrial, período
anterior ao atual (1750-1950), caracterizou-se pela busca da eficiência, fazer o maior número
de coisas no menor espaço de tempo; tornando o ritmo da vida mais dinâmico. Nessa
sociedade o ativo tangível está no centro das organizações, são valorizados os commodities,
bens móveis e produtos que criam valor. Na sociedade do conhecimento os ativos intangíveis
ganham importância - o capital intelectual. A característica preponderante das organizações da
era do conhecimento são seus ativos intangíveis, formando o conjunto de conhecimentos que
consegue agrupar-se em função do seu quadro de colaboradores capacitados e bem
relacionados, interna e externamente à instituição. Nesta sociedade, cabe ao homem uma
tarefa que é insubstituível: ser criativo, ou seja, ter novas idéias. Assim, numa empresa, a rede
de relacionamentos (networks), a carteira de clientes, o nome da organização, a sua marca e
principalmente, o conhecimento existente na mente dos funcionários são reconhecidos e
gerenciados com o objetivo de responder às mudanças enfrentadas pelas organizações, nesta
nova era (Maurício Lima, 2005). É importante configurar que na sociedade do conhecimento,
ele (o conhecimento) é caracterizado pela capacidade de agir. Dessa forma, difere-se da
informação, porque o conhecimento é dinâmico e está em constante mutação. É inerente ao
ser humano e está sempre presente nas experiências adquiridas, valores, crenças e know how
os quais ajudam a discernir e julgar o uso apropriado da informação. Quando uma pessoa dá
sentido àquela informação, ela a transforma em conhecimento. Já que fluxos de informações
imperfeitos bem como ambientes pobres em informações são limitativos da inovação e do
desenvolvimento das organizações o valor do conhecimento está diretamente relacionado à
capacidade das pessoas, para aplicarem essas experiências e competências na realização dos
negócios e estratégia empresarial, trazendo benefícios diretos à capacitação dos profissionais.
Dessa forma, o conhecimento torna-se o novo motor da economia, fazendo com que pessoas,
empresas e países, tendo acesso a esse ativo, adquiram condições de redefinir seus papéis a
fim de se adaptarem às novas regras do jogo. Surge, assim, a oportunidade de um novo
direcionamento, como a de transformar o Brasil num país desenvolvido e menos desigual. Para
lograrmos esse objetivo, não podemos dar exclusividade a setores claramente intensivos de
conhecimento, como a indústria da informática, setor aeroespacial, a cultura ou o turismo,
mas sim crescer com mais conhecimento e menos desigualdade, ou seja, dar formação,
informação e crédito adequado e condições de sobrevivência aos nossos micro e pequenos
empresários. O crescimento só acontecerá com a democratização do conhecimento e da
informação, capacitando melhor nossa juventude, sendo compartilhado por todos e ao alcance
dos funcionários pertencentes às empresas. É visível que alguns países largaram na frente
nessa democratização do conhecimento. As nações desenvolvidas já estavam de certo modo
preparadas para essa transição, porém muitos países em desenvolvimento conseguiram criar
políticas desde a década de 80 visualizando essas transformações, como a Coréia do Sul, por
exemplo. A educação é indiscutivelmente um dos maiores problemas em nosso país, e é
essencial atacá-lo para redefinirmos nosso papel no mundo. Melhorar a educação pública do
ensino fundamental e médio, dar maior acesso a educação superior, tornar mais efetivo a
utilização dos recursos públicos, são alguns fatores que devem ser tratados para atingirmos
esta meta, através das políticas públicas mais adequadas para a nossa realidade. Sendo assim,
na sociedade do conhecimento, cabe a nós administradores identificar e gerir
inteligentemente o conhecimento das pessoas nas organizações, criando as adaptações
necessárias para se gerir o conhecimento possibilitando manter e incrementar os negócios.
Para nós esta sociedade cria uma imensa oportunidade de disseminar, democraticamente, as
informações, utilizá-las para gerar conhecimento que nos leve a uma sociedade mais justa e
desenvolvida. REFERÊNCIAS: Artigos: A Inteligência Competitiva aplicada nas Organizações do
Conhecimento Rebeca Neves Alves
http://www.administradores.com.br/membros.jsp?pagina=membros_espaco_aberto_corpo&i
dColuna=1366&idColunista=2955 O conhecimento dentro da nova sociedade O cenário
brasileiro para a sociedade do conhecimento Ativos Intangíveis Maurício Lima
http://www.administradores.com.br/membros.jsp?pagina=membros_site&idColunista=898 A
situação do ensino superior e sua relação com o desenvolvimento econômico do Brasil Luís
Valério de Paula Trindade
http://www.administradores.com.br/membros.jsp?pagina=membros_espaco_aberto_corpo&i
dColuna=516&idColunista=1171 Informação e o Conhecimento como fator diferenciador Silvio
Soledade
http://www.administradores.com.br/membros.jsp?pagina=membros_espaco_aberto_corpo&i
dColuna=1192&idColunista=3335

Siga os posts do Administradores no Twitter: @admnews.



       
      
×  
 por:KERLEY Autor : Kerley Soares de Souza Grosso

l Summary rating: 4 stars (20 Avaliações)


l Visitas : 2234
l Palavras:600
l

Mais Sobre : sociedade do conhecimento

Ads by Google

Sollik Mudanças/3351.8601 (21)33817471-Guarda Móveis Mudanças Locais e Interestaduais


Rj
www.sollikmudancas.com.br

Iza empresa de mudanças Mudanças residências e comerciais (41)3081-2040 Curitiba -


Paraná
www.izamudancas.com.br

Mudanças SO BRASIL RJ Desconto para militares e cristãos 2590-1630 2280-8948 p/ todo


Brasil
www.sobrasilmudancas.com.br

             cc

c cc<  c cc   .cc  c *c c c


c  c cc   cc c     c c .c c c
 ccV *1Wc ccV  Wcc cc c *1cc

Ac c c cc c   cccc cXXc 7c  cc


, c  ccc *+ c  c cc  c c c c *1c
 - c7  c.cc  c cc c  :   c
  cBc *1c c cc  *c c  c c- 1c c 7 cc

cK *1c!-c c  c cc *1c c7c  ccc


cc c c c ? cc cDc ? c c c c c
 c c   cc    c cc   *1c ccc c
ccc cc c  c c c c )- c c *1c c
 cc
c c 1c c  c  c  cc *+ cc *c c
c cAc cc   *1c cc *cc  *1c cc
    *+ c cc *1c c c c c c   cVc2   c c
K  Wcc"<2D 2c#'''cc$I(cc cc *+ cc

! c c  c2c"#''8(c

c  cc-.*1c.c  c   cc   cAc cc .c


c - cc   cc :? cc   c cc cc   c
cc+ cc- c cc c c  cc  cc c cc
c  c c  .c    c  c c c c c c c
  c"2DA2c#''8cc0#0(c

c-.*1c -cc   c cc  c c c cc


c c  cc     c - c  cc     c
 ccc  cc c c *1c1c *cc  c   c
 cc -cc c  c  c ccc .- c c c  c
 ccc cc   cc

c 1ccc cccc  c c 1cV  Wc c  c


 *1Qc2 c cc c c c  cc  c .c c
*c c c Qc>cc c c c   c c  c c
  Qc

2 c/ cc c + c c *+ cc cc   c  c c


c  )1c  c- c c  c c c c c 5  cc
 7cc  c c c c  cc 1c-c    cc ) 1c
 c6 c ) c  c   c c *c1cc c  c c? c
c ccc  c  cc0)1cV;  WcV)  1
0. -Wc cc c ccV cc *+ Wcc;  c ccc
 cc  c 5  c c c c c) c c
-.c - c cc c  cc c c c- c
c
K  ?  c

#<2D 2c4 c©    2©*3 U 45552 c

0c2DA2c4c$    „3  c c cUc.1c c *12c21c


 cE  c#''8c
c
 c cR  Fc2 c c2.c3c
4 c c3 -c c6 2c cKc<N2c

Fonte: http://pt.shvoong.com/internet-and-technologies/1813704-sociedade-conhecimento-
uma-sociedade-sem/#ixzz1NEgRt8Bc
Espaço RH

O Perfil do Profissional do Novo Século

por, Paulo Roberto Vieira (*)

No início da década dos anos 90, com o advento da Globalização e a conseqüente abertura do
mercado brasileiro para os produtos estrangeiros, oriundos das mais diversas partes do
mundo, assim como o ingresso do Brasil no Mercosul e os processos de downsizing, rightsizing,
reengenharia, que na realidade representaram reduções dos tamanhos das empresas,
reestruturações e em cortes de funcionários por parte das empresas, a Área de Recursos
Humanos vem passando de lá para cá, principalmente, transformações significativas e
históricas, de modo especial dentro do contexto de assumir novos desafios importante e
focados em atrair, reter e, principalmente desenvolver seus talentos humanos, tendo ainda
como seu principal objetivo, preservar a auto-estima, a motivação e o estímulo dos
colaboradores, mantendo-se um clima organizacional positivo e favorável tanto para as
empresas, quanto para os empregados.

Hoje, os profissionais, independentemente das áreas onde eles atuam: médicos, dentistas,
vendedores, jardineiros, borracheiros, professores, jogadores de futebol, administradores de
empresas, mecânicos, cozinheiros, advogados etc, devem a todo o momento, desenvolverem
suas competências, visando a plena capacitação profissional, num mundo altamente
competitivo e qualificado. onde todos nós devemos estar preparados para prestarmos serviços
em nossas empresas, com qualidade, eficiência e produtividade.

Há poucos anos atrás, para se ingressar no mercado de trabalho, a escolaridade exigida era
oitava. Hoje, já se exige o segundo grau para alguns cargos nível superior com especialização
na área de atuação, conhecimentos de informática e, em alguns casos, a escrita e fluência de
uma segunda ou terceira língua (inglês, espanhol, italiano etc). Com o rápido avanço da
tecnologia, muitas máquinas e equipamentos utilizados para a produção, existentes nas
empresas, possuem sofisticados sistemas de computadores e da robótica, motivo pelo qual os
operadores destas máquinas deverão necessariamente conhecer informática e, em alguns
casos, até o inglês básico.
Perdoem-me os prezados leitores e não vai aí nenhuma crítica, muito menos qualquer
comentário que envolva a qualidade de vida das pessoas, mas, muitas vezes em nossa vida,
não aproveitamos adequadamente nosso tempo disponível para aplica-lo em nosso
desenvolvimento e crescimento profissional. Muitas vezes saímos de nossos trabalhos e, ao
invés de freqüentarmos escolas, cursos profissionalizantes, treinamentos etc, encostamos
"nossos umbigos" nos balcões de bares, muitas vezes jogando tempo, conversa e dinheiro
fora. Poderíamos perfeitamente estar aproveitando este tempo para investir em nós mesmos,
permitindo aumentar a cada dia nosso conhecimento e, o mais importante, estar aplicando
este conhecimento em nosso próprio trabalho ou a favor da comunidade onde atuamos. Hoje
se falam muito em trabalhos voluntários junto às escolas e entidades filantrópicas. Talvez seja
uma oportunidade de estarmos transferindo nossos conhecimentos para outras pessoas
carentes e interessadas em aprender algo de novo.

Por outro lado, cabe também às empresas investir em treinamentos e na educação para seus
funcionários. Temos o caso da Telemar, a maior empresa de telecomunicações da América do
Sul. Os estados que hoje integram a área de atuação são: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito
Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Ceará,
Maranhão, Pará, amazonas, Amapá e Roraima ʹ correspondem a 64% do território nacional,
gerando mais de U$ 300 bilhões do Produto Interno Bruto (PIB) e atendendo a 87 milhões de
pessoas, mais da metade da população brasileira. A Telemar possui o programa da
Universidade Corporativa, que foi criado em dezembro de 1999, quando o Projeto
Universidade Telemar tornou-se realidade. Idealizado através de Colleges Crenças & Valores,
Formação, Desenvolvimento Gerencial e Liderança, Negócios e Atendimento e Programas
Especiais, atua com um portfólio bastante amplo e focado na estratégia da Empresa. A
Universidade Telemar UNITE foi criada pra diferenciar o desempenho de seus colaboradores,
atuando efetivamente na gestão do conhecimento, na identificação das competências, dos
valores da organização, na formação de sua massa crítica e de um time de classe mundial. Na
Universidade Telemar UNITE a educação corporativa é tida como um processo contínuo de
aprendizagem, como condição fundamental na construção e consolidação da cultura Telemar
e no desenvolvimento da capacidade de seus colaboradores em pensar e repensar a empresa
diante da competitividade e da busca permanente de melhores resultados.

Hoje o profissional deverá possuir algumas características básicas: ser pró-ativo, ser
generalista, ser flexível, estar propenso a mudanças, entre outras coisas. O que era bom
ontem, hoje já não é tão bom e amanhã, com toda certeza, tornará ultrapassado. Vale a pena
lembrar aquela estória, que diz o seguinte: "todos os passageiros de um avião, em chamas,
foram obrigados a saltar de pára-quedas. Caíram em um determinado lugar da selva africana,
um japonês e um norte-americano que, foram abordados por um leão faminto e disposto a
devorar a primeira presa que encontrasse. O japonês, mais que depressa, tirou as calças, a
camisa, o paletó e a gravata e colocou um shorts, uma camiseta e um tênis, pronto para iniciar
um grande corrida. O americano, inconformado, perguntou ao japonês: você acha que pode
correr mais que este leão faminto. O japonês respondeu: mais que o leão não, mas mais que
você, com certeza".

Concluindo, gostaria de apresentar o quadro abaixo, que reflete o Perfil do Profissional do


Século:

Antes da década de 70 Entre as décadas de 70 e 90 Hoje em dia De hoje em diante

A experiência é a sua principal ferramenta O grau de escolaridade é a sua principal


ferramenta Sua performance é a sua principal ferramenta Suas realizações e as
realizações de suas equipes de trabalho são as ferramentas de seu sucesso

É acomodado É confiante É curioso É estudioso

(*) Paulo Roberto Vieira

Atua há mais de 12 anos como profissional da área de Recursos Humanos

Atualmente é Coordenador de Recursos Humanos da Siac do Brasil S/A

Especializando em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Cândido Mendes, do Rio


de Janeiro

Professor, desde o ano de 1998, do Instituto de Ensino Superior de Mococa, atualmente


Faculdades da Fundação de Mococa ʹ FaFEM

Email: pauloovieira@ig.com.br

Nota: O artigo publicado nesta seção, é de propriedade intelectual do respectivo autor, cujo o
conteúdo poderão ser utilizados para diversos fins, mediante a expressa autorização dos
mesmos. A Sato Consultoria não se responsabiliza pelo seu conteúdo. Caso encontre algum
material não autorizado, protegido pela lei de direitos autorais, favor entrar em contato,
através do e-mail abaixo, para que possamos remover imediatamente e citar o referido
problema.
O Perfil do Profissional do Futuro

A+

A-

Tamanho do texto:

Por Paulo Roberto Vieira

Compartilhar

Denunciar Spam

Imprimir

O Perfil do Profissional do Novo Século

Na década de 90, com o advento da Globalização e com os processos de downsizing,


rightsizing, reengenharia, que na realidade representaram reduções dos tamanhos das
empresas, reestruturações e em cortes de funcionários por parte das empresas, a Área de
Recursos Humanos vem sofrendo transformações significativas, passando a assumir novos e
importantes desafios focados em atrair, reter e, principalmente desenvolver seus talentos
humanos preservando a auto-estima e a motivação das pessoas que trabalham nas
organizações.
Todos os profissionais de hoje: médicos, dentistas, vendedores, jardineiros, borracheiros,
professores, jogadores de futebol, administradores de empresas, mecânicos, cozinheiros,
advogados etc, devem, a todo o momento, desenvolver suas competências e habilidades,
visando a plena capacitação profissional, num mundo altamente competitivo e qualificado,
onde todos deverão estar preparados para prestar serviços em suas empresas, com qualidade,
eficiência e produtividade.

Hoje, para se ingressar no mercado de trabalho, já se exige o segundo grau completo para
alguns cargos e nível superior, com especialização, em outros cargos. Conhecimentos de
informática, escrita e fluência de uma segunda língua, como o inglês ou o espanhol, são
requisitos indispensáveis para os profissionais da atualidade.

Devemos aproveitar adequadamente nosso tempo disponível, freqüentando escolas, cursos


profissionalizantes, treinamentos etc. Devemos investir em nós mesmos, permitindo aumentar
a cada dia nosso conhecimento e aplicar este conhecimento em nosso próprio trabalho ou a
favor da comunidade onde atuamos.

A Telemar, a maior empresa de telecomunicações da América do Sul, possui o programa da


Universidade Corporativa, que foi criado em dezembro de 1999, quando o Projeto
Universidade Telemar tornou-se realidade. A UNITE foi criada pra diferenciar o desempenho
de seus colaboradores, atuando efetivamente na gestão do conhecimento, na identificação
das competências, dos valores da organização, na formação de sua massa crítica e de um time
de classe mundial. Na Universidade Telemar UNITE a educação corporativa é tida como um
processo contínuo de aprendizagem, como condição fundamental na construção e
consolidação da cultura Telemar e no desenvolvimento da capacidade de seus colaboradores
em pensar e repensar a empresa diante da competitividade e da busca permanente de
melhores resultados.

Hoje o profissional deverá possuir algumas características básicas: ser pró-ativo, ser
generalista, ser flexível, estar propenso a mudanças, entre outras coisas. O que era bom
ontem, hoje já não é tão bom e amanhã, com toda certeza, tornará ultrapassado. Concluindo,
gostaria de apresentar o quadro abaixo, que reflete o Perfil do Profissional do Século:

Antes da década de 70 Entre as décadas de 70 e 90 Hoje em dia De hoje em diante


A experiência é a sua principal ferramenta O grau de escolaridade é a sua principal ferramenta
Sua performance é a sua principal ferramenta Suas realizações e as realizações de suas equipes
de trabalho são as ferramentas de seu sucesso

É acomodado É confiante É curioso É estudioso

Paulo Roberto Vieira, administrador de empresas, profissional que atua há mais de 16 anos na
Área de Recursos Humanos e professor universitário.

E-mail: vieirapr@terra.com.br..

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

O que é mercado de trabalho? Como ele funciona?


Um olhar superficial sobre o tema poderia indicar que o termo mercado de trabalho se refere
ao número de vagas de empregos formais disponíveis para os trabalhadores de uma
determinada área. Essa forma de perceber o mercado é a citada nos noticiários e é com base
nela que muitos jovens fazem sua escolha profissional.
Uma boa parte desses jovens busca uma profissão que tenha um bom mercado de trabalho,
por acreditarem que isso lhes trará mais dinheiro e segurança. Há estudantes que nem pensam
em prestar vestibular para uma área com mercado de trabalho restrito.
A crise econômica e o alto custo de vida das famílias de classe média colocaram esse quesito
financeiro como elemento central na escolha da carreira de alguns, o que pode ser um grande
erro.
Uma reflexão mais profunda sobre o tema nos leva a uma importante observação: o mercado
de trabalho real pode ser considerado a soma das oportunidades atuais e das que serão
criadas pelas pessoas empreendedoras e criativas de uma certa área. Por exemplo,
datilógrafos ͞perderam͟ espaço para diagramadores. Profissionais da Odontologia vêm se
especializando em novos campos de trabalho, tais como atendimento domiciliar e
odontopediatria.
Na área de saúde mental já é comum encontrar clubes com assessoria psicológica para atletas,
um nicho novo no mercado de trabalho dos psicólogos que, por sua vez, competem com os
filósofos, que têm oferecido consultas para atender pessoas em conflito existencial. Só para
citar mais um exemplo: hoje em dia, certas empresas preferem contratar engenheiros de
produção para atuar na área administrativa e há administradores especializando-se em gestão
legal (fusão dos cursos de Administração e Direito).
Como você pode notar, o mercado de trabalho é incrivelmente dinâmico e pode sofrer
modificações por motivos conjunturais. Em tempos de prosperidade, certas áreas como a
pesquisa científica e a Engenharia Civil se desenvolvem mais do que outras. Em tempos de
guerras, os profissionais da área de saúde e os engenheiros são mais requisitados. Como
prever o que vai acontecer no mundo nos próximos cinco, dez ou vinte anos?
O mercado está sempre mudando. Ao receber informações ou palpites de uma determinada
profissão, por exemplo, se ela está em alta ou em baixa, investigue se a fonte de informação é
confiável.
Melhor do que perguntar aos outros se uma carreira tem mercado é verificar quais as
perspectivas dessa área para os próximos anos. Isso requer uma boa dose de pesquisa, com
fontes de informação diversas ʹtais como conversar com um tio seu e também com dois
coordenadores de faculdades diferentes sobre o mesmo assunto. Nada de ilusões, nem de
pessimismo antecipado.
Talvez seja você quem vai desbravar um novo nicho no mercado de trabalho, criando novas
atividades profissionais em uma área que estava estagnada anteriormente. A informação é
fundamental para sua escolha profissional.

Postado por Mauricio Schonenberger às 13:57

O Mercado ºe Trabalho Para O Administrador


O Mercado de Trabalho para o Administrador.

O campo de trabalho para ao administrador é bem amplo: Cerca de metade dos cargos de uma
empresa é para funções administrativas. Mas o mercado é muito competitivo.
Aproximadamente 2 milhões de estudantes formam-se por ano, e não há vagas formais para
absorvê-los. Ainda existe a concorrência de graduados de outras áreas que fazem
especialização ou MBA e conseguem emprego em Administração.

Apesar disso, o mercado de trabalho para administradores no Brasil está crescendo junto com
a economia. Grandes companhias estão ampliando seus quadros de funcionários, e as
empresas familiares se profissionalizando e buscando candidatos com boa formação para fazer
parte de seus quadros. "Empresas que tradicionalmente contratavam apenas profissionais de
áreas técnicas, como Engenharia e Química, por exemplo, começam a perceber a necessidade
de preencher cargos administrativos e de negócios, como compras, logística e marketing, com
os formados na área e dotados de visão estratégica", afirma Marcos Amatucci, diretor nacional
dos cursos de graduação em Administração da Escola Superior de Propaganda e Marketing
(ESPM), de São Paulo.

Como a atuação do administrador é bastante ampla, esse profissional se faz necessário em


todo tipo de empresa (fabril, comercial, serviços, agronegócio) e em praticamente todas as
áreas, desde a comercial, passando por logística, financeira e compras, até recursos humanos.
A região Centro-Oeste apresenta o mercado que mais se expande. Os principais empregadores
estão no setor de agronegócio, em cidades como Cuiabá (MT), Campo Grande (MS) e Goiânia
(GO). As regiões Sul e Sudeste concentram o maior número de empresas que oferecem
programas de trainee, enquanto o setor público tem vagas em todo o país.

Uma resolução do MEC, datada de 2005 e que passou a vigorar em 2007, estabeleceu que as
linhas de formação específicas nas diversas áreas da Administração não podem constituir uma
extensão ao nome do...
» Excelência no atendimento

Módulo IV - Postura ética e profissional

Aula 1 > Atitudes comportamentais adequadas

 !       "# $%&c

Ac cc c c c. c- c  *c


c c c   ? c  c c   ? c
  c! c c  c  ccc c
c   ? c c    cc-.*1c-c
c c c .c cc  c cc  cc
c c c ) cc

4ccc c c c  c  c   ? c


  c c   ? c   c ccc*1c c
  ? c  c /c- Qcc

c   ? c  c c  c cc   c


cc *1cc cc cc
  ? c  ccc  c 7c  c
" *1c(cc cBc*1c c )  c c
 c c c- c1cc c  cc
  *1c c c   c.c

c   ? c   cccc ) ? cO.c


 cc c c c )- c c cc
 ccc  c*+ ccc! c c- cc
     c c   ? cc  c c
 c)1c*1c.1c  c cc
c

2-  c c  ?c- c ccc cV6 c


 c Wcc cc c   cc c  c
c   ? c  c c   c
c
2 c c1cc c *cc c  c  cc
c c   ? cMc   c   c c
 c .c   c  c  c  c
 c  c  c c   c   c
  c c cD c c c- ccc
c c  cc ) c cc ccc
  c  * c1c   c- cO ccc
   cO- c c1c ? cc cc

c-.*+ cc cc  c c .c c c


c cc   c  cc *1c  c c
. c c  c  c c  c7*c  c
 , c c  c  c c c c
 cc  c c cc  c  c
 ccc c c c .c c
 - *1c c c + c  c   c
 c    cc ccc c c
) c
c

  c#Hcc  cc c cc;  c  c


c )  c
GGG--   c
GGG    c
GGGF  c
O*c c c cc  c c   ? c  c c
 c   ? c   c c -c  cc
c *1c c cc  c

 ! #  '


  
Postado em 15 de abril de 2010 ·por Profª. Rita Alonso (Entrevista por Competência)

c<A4 DY<;2cDM<;<2c 1c  cc;D ;3Y<;c


;D  <D6c">;(cc 7cc c c   c c c ?  c cc
 c  -cc" c c c *1c ?  c c c
-c cc  (c

Lcc<A4 DY<;2c<A4AKD4 D;2c. c  cc;D ;3Y<;c


4A<;Ac"> (cc 7cc c c c c *1c  cc c
 - c  cc c c c c c21c ) c c   ? c
  c c  ccUc  c ) c   c
-.*1c   *1c c c cc 7 c *1c
c c  c

c<A4 DY<;2c<A4AKD4 D;2c cc  *1c  cc


 c cc cc1c c cc   cc cc c
  ccc c7 c  cc c c c c
 c ) c    c 1c c -ccc-.*+ c c
*1ccc c<A4 DY<;2c<A4AKD4 D;2c

c<A4 DY4<;2c<A4AKD4 D;2c  c --  c c


-  cc -c  -  c c c-c cc c  c
c )    c c c  cc ) ? cc *1c
 ?  c c c )   cc  cc c cc  c c
  *1c  c  c c c )    c c  c" ) ? cc
*1c *1c c  (Tc c , c ccc -*1cc
  ? c   c cc c    cc c c cc
Tcc;D ;3Y<;c;D  <D6c">;(c cc cc *+ c ccc
c  c   c  c c .c. c  c cc c cc
 cc -c-. c  c cBc *1c c*1c  c  c

 cc c *c cc  cc/ cc"-.*1c


 cc     c  cc.*1c c  c *c c
 - *1(c)  c  c cc  ccc c  c c
    cc .*1cc<A4 DY<;2c<A4AKD4 D;2c"> (c

K cc3c!  c

ü  ()    ! 


Ac  c c  c  c c c   ? c c c c  c
 cc  c cKEc - c c  c c c  )c c
    c    c  c c c c c -  c c  cBc c
 cc   c-. c
c
! c cc  c   c cc c c  ! c  c
cc *1c c   c. c´      „
-  „ „  ! „  „„---   
- * „ „„  % *     „  „2´c
cc
c-cc c *c cc  c   c  *+ c c
 c, c c c ccc c-. c cc c c
/ c c c c  c c ccc *1c c ccc
c- cc  c c 1cAcc c cc c c  c
c *1c c c  c + c c )- c< * ccc c
  c  cc c c-c- c c  c
c c.  c-c c  c cc c c cKEc
1c  - c  c c  c  c ) ? c c c    c
 c cc- 1cc   ? c c c c c  c c
 c cc7c c c  c
c
6 c .c  c c   ? cc cc *1cc  *+ c c
c*1c c  c*+ c c  *1c   c *1c
     c c  *1ccc c cc c -ccc c
 ccc  cc c c   ? c cc  c c- 1c c c
   c    c c c c c cc
c
c c    cc- 1c c c   ? cc c c   cBc
 c- c c c c c c  cc-c c  *1c *c
 c c  c cc   ? c cc c -c! c
 c c c cc*+ cc-.*1c  cc.ccc
 c c  c c c c c     c cc c c c  c
c *c c  c c   ? c cc -c  c c *c
   cc cc c
c
) c c  c  c c   c-c c c c   ? c
c c  c. c c c c  cc c-. c c  c c
-c c  c c c  c cc  c cc c  cc
  c c cc  cc   ? c-. cc 7c  cc  c
 c c c  cc
c
< c ) cc)c c  c  c c*cc 1c  cE c
c<  ? cD  c c<  c cc  c cc  + c

cc

 ! #  


 c  c<  ? cD  cc c c1cc c c
 *1c c  c c ) ? cc1c  cc
c
ñ* ñ+c c c   c c )-ccc c
     cc*+ cc -cc
# ñ,üñ,#+cD  c c   c*+ cc
 .*+ c  c cc c  c cc   cc
-cc
,(ñüñ,##-,cUc<  c   ccc c
     cc*+ cc -cc cc   c c
  c .c c c c c c ) ? cc c
 c  c   c

l ×        - Pressupõe o conhecimento de um vocabulário


que permita compreender as orientações de trabalho e comunicar com titulares de
empregos semelhantes. O conhecimento técnico é limitado ao nível da tomada de
conhecimento da existência de princípios técnicos subjacentes à realização de tarefas
relativamente simples e repetitivas. Este nível de conhecimentos é adquirido através
do ensino básico e de uma prática profissional de curta duração ou de adaptação ao
posto de trabalho.

l ×    Conhecimento preciso de um determinado


vocabulário técnico que lhe permite tratar informações variadas. Este nível de
conhecimento permite a recolha de informações, o seu registro, assim como a
compreensão de princípios técnicos. Este nível está associado a tarefas com algum
grau de repetitividade ou a uma polivalência horizontal (realização de tarefas de
outros postos ou empregos próximos).

l ×      - Pressupõe um nível de conhecimento que se


traduz em capacidades para compreender as repercussões de determinado fenômeno
ou fator nas ações. Trata-se de um nível em que se exige a elaboração de relações
analógicas entre os conhecimentos e as práticas, apelando para o domínio de alguns
fundamentos gerais de ordem científica e técnica. Pressupõe também que o indivíduo
consiga discutir, colocar questões, compreender as respostas e negociar diferentes
formas de abordar um problema. Este nível de conhecimento é adquirido através do
ensino técnico-profissional e/ou de uma experiência profissional construída através de
um percurso profissional por vários empregos idênticos ou próximos (2-5 anos). As
atividades associadas a este nível podem ser de transformação e manutenção com
autonomia; de coordenação e controlo relativos a tomada de decisões de rotina.

l ×    Pressupõe um nível de conhecimento que permita


avaliar e analisar resultados e conhecer os limites e os constrangimentos dos
conceitos, métodos e instrumentos e, em função dos mesmos, prever situações,
propor alterações aos procedimentos. Trata-se de possuir um domínio de
conhecimentos científicos e técnicos específicos que pressupõe que o indivíduo
disponha de uma real autonomia nos conceitos, métodos e instrumentos, adquiridos
ao nível do ensino superior politécnico ou equivalente que lhe permitam desenvolver
atividades de concepção e de gestão com autonomia e encontrar soluções para
situações imprevistas e disfuncionamentos.

l ×      - Trata-se de um nível de conhecimentos que


permite a evolução dos conceitos, métodos e instrumentos e corresponde à
capacidade de conceber e renovar o sistema de gestão, o sistema técnico, ou outro.
Este nível exige o domínio total e aprofundado dos fundamentos científicos e técnicos,
que são adquiridos através do ensino de nível superior. Permite pesquisar, intervir e
tomar decisões inovadoras relativas a situações não experimentadas.

cc

 !   


 c  c<  ? c<  cc c c c c
 c c *1c c cc ) *1c c   c  c c
 c   cBc    c c  c c c cccc
  c c c  c c cc c c c c  c c
     c2 c c   ? c c  c- c;  c
<   c2 c<  c cA-. c  c  cc  c

cc

%,#ñ*ñ#.+c21cc   ? c cc  c c c


 c  c*+ c c  -   c.c  *+ cc
 c ccc    c c c-  .c   c

l     ʹ Saber aplicar seus conhecimentos técnicos para a resolução
das situações expostas em seu contexto de atuação.

l U      ʹ Saber multiplicar seus conhecimentos técnicos para seu
superior, pares, subordinado, clientes, fornecedores, ensinando, instruindo e
aperfeiçoando a resolução das situações expostas em seu contexto de atuação. Estar
apto para adquirir novos conhecimentos.

l å     ʹ Traduzir os conhecimentos do nível institucional à


realidade da organização, transferindo ao próximo nível, o operacional, a
responsabilidade direta pela implementação das idéias. De um lado, faz contato com
situação de extrema instabilidade - quando interage com o nível institucional - e, de
outro, com protocolos sobretudo rígidos e previsíveis ʹ quando faz interface com o
nível operacional.

l ›                - Visualizar,


analisar e situar os negócios da empresa dentro do contexto nacional e mundial, de
modo solidificar e perpetuar a imagem e atuação da empresa dentro desse cenário,
independente do produto ou serviço prestado.

cc

·ñü.,cUc21cc   ? c.cc c c ) 1c c


  *1c  c c-c  c  ccc   c c
c ) c c  *1c cc c  c c-c c )   cc - *1c
c c   *1c

l ×  - Comunicar-se com os acionistas, clientes, fornecedores, parceiros,


superiores e subordinados de forma eficaz - Entender os tipos de feedback, como
avaliar a adeqüabilidade e as condições do feedback. Feedback eficaz. Feedback
individual versus feedback coletivo; prós e contras; como e quando pedir feedback; as
diversas direções possíveis de se dar feedback.

l ›  å  ʹ Comunicar-se por escrito de maneira mais clara e mais eficaz.
Inclui diretrizes específicas de como preparar memorandos, cartas, e-mails, propostas
e outros tipos de comunicação. Escrever centrado no leitor e formatar suas
comunicações de tal forma que sejam fáceis de ser lidas, que causem o impacto
desejado e que o ajudem a alcançar seus objetivos.

l Y
ʹ Capacidade de demonstrar atitudes flexíveis e de adaptá-las a terceiros
e a situações diversas. Desenvolver habilidades de relacionamento, incluindo as
capacidades de flexibilização e adaptação, com enfoque na postura pessoal.

cc

ƒüñ#/,+c21cc   ? c cc c c


  c cc c   cc c ccc
   c cc c   c

l ›       - Cultuar uma boa relação com seus colaboradores,
tanto nas questões voltadas ao dia-a-dia de trabalho, através de orientações em
relação aos trabalhos, quanto naquelas horas onde a emoção faz-se presente. É
preciso que o líder esteja atento às atitudes de sua equipe, para melhor direcionar sua
atuação frente aos acontecimentos.

l U      
       ʹ Capacidade e
discernimento para trabalhar com e por meio de pessoas, incluindo o conhecimento
do processo da Motivação e a aplicação eficaz da liderança, com capacidade de
influenciar o comportamento do grupo com empatia e equidade, visando os
interesses interpessoais e institucionais.

l ×    ! Dimensionar a importância do meio-ambiente e o impacto


de suas ações na preservação do mesmo.
cc

Õüñ#/,ü #üñ,#+c21cc   ? c c


c c c   c c   ccc *1c  c
  c  c c  c cBc *c  ? cc c c
  *+ c cc cc

l  "- Identificar e atuar pro ativamente sobre problemas e oportunidades.


Oferecer-se para Tarefas e identificar o que precisa ser feito e começa a agir. Começar
a agir sem que lhe peçam ou exijam. Aproveitar oportunidades e começa a agir para
tomar vantagem delas. Começar projetos individuais ou em grupo e assume
responsabilidade total por seu sucesso. Identificar logo o que precisa ser feito frente a
obstáculo e age até que sejam superados. Assumir responsabilidade de criar todos os
passos de um projeto cujas circunstâncias e resultados não estejam bem definidos.

l × " - Produzir mais e melhores idéias para o desenvolvimento de produtos e


de novos processos de trabalho.

l  ʹ Adaptar-se às condições favoráveis e desfavoráveis sejam elas de


qualquer ordem (ambientais, econômicas, tecnológicas...).

l ×   - Buscar pela excelência de produtos e serviços e uma


preocupação maior com as crescentes exigências dos clientes internos e externos.

l È! Sustentar-se em valores éticos e morais, gerando credibilidade e confiança na


sua gestão por aqueles que fazem parte do seu convívio diário: Colaboradores,
Clientes Internos e Externos, Parceiros e Fornecedores.

l ×  - O discurso não deve ser diferente da prática e isso é um ponto de


relevância que deve ser sempre observado na gestão. É preciso que o líder seja
coerente em suas atitudes, com sua Missão e com sua equipe, pois quando a equipe
observa contradição, certamente se comportará da mesma maneira, o que caracteriza
a cultura do não comprometimento, ameaçando os resultados produzidos.

cc

ÿüñ#/, ,0,Uc21cc   ? c cc


  1cc - c c7  c *+ c  cc  c   c c
 c"   c c - c 7 c *1ccc   (c

l × › ! Liderar/atuar com foco em objetivos quantitativos e


qualitativos. Quando observado e praticado pelo líder, trará credibilidade por parte de
seus liderados. Uma vez que o líder influencia diretamente o comportamento de seus
liderados, quando de sua aceitação, a prática de tal competência servirá como modelo
a ser seguido e poderá gerar estímulos positivos na equipe, tornando-a cada vez mais
compromissada com as metas a serem atingidas.

l å  U  - Estabelecer metas, priorizar tarefas, lidar com os desperdiçadores


de tempo, fazer análise do tempo e criar e maximizar sua programação de uso do
tempo.
l å  ›   ʹ Zelar pelo controle da previsão orçamentária do departamento
ou Unidade de Negócio e como analisar e justificar um investimento. Equacionar a
mão-de-obra disponível com os recursos técnicos disponíveis.

l  #  $


 ʹ Coordenar suas tarefas e/ou da equipe, incluindo o
planejamento (plano de ação/cronograma), a organização (distribuição de trabalhos),
e as tarefas seqüenciais (ações), bem como a seleção e a alocação de recursos
necessários.

l ÷  ! Administrar equipes com eficácia: delegar eficazmente, ampliar


oportunidades e demonstrar justiça ante seus feitos. Criar um clima propício ao
desenvolvimento: ampliar os desafios e as oportunidades para criar um clima que
favoreça o desenvolvimento de sua equipe. Saber lidar com colaboradores quando
apresentam problemas : agir com decisão e equidade quando tratar colaboradores
com problemas. Formar uma equipe de talentos: investir no desenvolvimento do
potencial de seus colaboradores, identificando e oferecendo novos desafios e
responsabilidade compartilhada.

l    
  ʹ Estabelecer conexão com dois tipos de ambientes que
influenciam diretamente nos resultados da equipe: os internos e os externos. Atuar de
forma a antever oportunidades e ameaças, tendências e inovações possibilitando o
agir, ou seja, empreender esforços para a excelência na performance de sua equipe...

cc

 c  c c2cc<cA c

cc

 cBc*1cc   c c/ c ccccc


  cGGG   Nc c c c *+ c cK  *1c

 ?c  c c c c c  c c  c Z   cc