You are on page 1of 26

UNEB ± UNIÃO EDUCACIONAL DE BRRASÍLIA GESTÃO DE FINANÇAS ± MÓDULO ESPECÍFICO EM CONTROLADORIA

MATEMÁTICA FINANCEIRA

Walber Medrado do Amaral

BRASÍLIA ± DF 2010

SUMÁRIO
1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO................................ ................................ ............................ 3 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 SISTEMA DE AMORTIÇÃO CONTANTE SAC ................................ .............................. 4 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS (PRICE) SAF ................................ ................. 6 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO SAA ................................ ....................... 9 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO ALEMÃO ................................ ................................ ..... 10 SITEMA DE AMORTIZÇÃO MISTO SAM................................ ................................ .. 11 OUTROS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO EXISTENTES ................................ ................. 14 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CRESCENTE SACRE ................................ ............ 14 SISTEMA DO MONTANTE................................ ................................ ................. 15

1.6.1 1.6.2 2. 3.

TAXA INTERNA DE RETORNO TIR ................................ ................................ .................. 16 FLUXO DE CAIXA ................................ ................................ ................................ ............. 18 3.1 EQUIVALÊNCIA DE FLUXOS DE CAIXA ................................ ................................ ...... 24

4.

BIBLIOGRAFIA ................................ ................................ ................................ ................. 26

2

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A indisponibilidade de recursos para fazer um investimento leva o indivíduo a contrair um empréstimo ou financiamento. de modo que cada prestação corresponde à soma do reembolso do capital ou do pagamento dos juros do saldo devedor. é importante que sejam definidos os principais termos empregados nas operações de empréstimos e financiam entos que são eles: 3 . que são realizados em função de um planejamento. sendo que juros são sempre calculados sobre o saldo devedor. Para honrar este compromisso ele pode recorrer a diversas formas de pagamento. podendo ser o reembolso de ambos. um processo de extinção de uma dívida através de pagamentos periódicos.1. A amortização pode ser entendida como. que recebem o nome de Sistema de Amortização. Segundo Antes do estudo destes sistemas. Os principais sistemas de amortização são: y y y y y Sistema de Amortização Constante ± SAC Sistema de Amortização Francês (PRICE) ± SAF Sistema de Amortização Americano ± SAA Sistema de Amortização Alemão Sistema de Amortização Misto ± SAM Logo após a explicação dos principais sistemas de amortização será demonstrado um resumo breve dos demais sistemas de amortização.

y Amortização: Pagamento do capital emprestado. após a dedução das amortizações já efetuadas pelo mutuário. y Saldo Devedor: Representa o valor do principal da dívida. em um determinado momento. sucessivas e decrescentes em progressões aritméticas. etc. dependendo do estabelecido contratualmente. realizado através de prestações periódicas. 1.y Encargos (Despesa) Financeiros: Representam os juros da operação caracterizando-se como custo para o devedor e retorno para o credor. juntamente com o principal. em que o valor da prestação é composto de uma parcela de juros uniformemente decrescente e a outra é de amortização que permanece constante. Registre-se que.1 SISTEMA DE AMORTIÇÃO CONTANTE ± SAC Pode ser definido como um sistema de amortização de uma dívida em prestações periódicas.. podem ocorrer após o prazo do deferimento. y Carência: Deferimento eventualmente acordado no início dos pagamentos do empréstimo ou financiamento. geralmente. Os encargos financeiros podem ser prefixados (desmembramento em juros e correção monetária) ou pós-fixados (taxa de juros contratada é a taxa definida como real). para empréstimos de longo prazo. O sistema bancário utiliza esse sistema. 4 . bimestrais. y Prestação: Amortização mais encargos financeiros devidos em determinado período de tempo. mensais. trimestrais. os encargos financeiros.

00 v (10.000.00) v 0.00 e assim por diante até o 10.000.00 10. Construa uma tabela com o valor das amortizações anuais.SAC no valor de R$ 100.25 ! 25.00 Amortizaçã o ! J1 ! 100.000.00  1. 5 .000.00 nas seguintes condições: Prazo: 10 anos sem carência. 100.Expressões de cálculo: PV n Amortizaçã o ! Jt ! PV v ( n  t  1) v i n PV v [1  ( n  t  1) v i] n PMTt ! Onde: PV = principal (valor do empréstimo/financiamento) n = número de prestações t = período Jt = juros do período PMT = prestação do período Exemplo: Uma instituição financeira realizou uma operação de empréstimo no sistema de amortização constante . dos juros anuais e d prestações anuais até a as quitação do empréstimo.00 período 10.000.00 ! 10.00  1. Taxa de juros efetiva anual: 25%.

000.00 o período 10. no século XIX.00  1.25] ! 35.500.000.000.00 27.00 10.000. recebeu esse nome em homenagem ao economista inglês Richard Price.00 12.00 15.2 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS (PRICE) ± SAF Também conhecido como ³Sistema de Prestações Constantes´ ou ³Tabela Price³.00 10. as quotas de amortização aumentam.00 10.00 10.00 1.000.00 237.00 20.00 15.00 e assim por diante até 10.00 17.000.500. Como as prestações são constantes à medida que a dívida diminui os juros também diminuem e.000.500.00 2.000.000.00 22.000.PMT1 ! 100.00 20.000.00 25.00 22.00 30.000.00 137.000.00 5.500. 6 .00  1.00 12. conseqüentemente.500.500.00 Juros 25.000.500.000.500. As prestações pagas são compostas por uma parcela de juros e outra de amortização.500.00 30.000.000.000.000.00 10.500.00 10.000. periódicas e sucessivas.00 10.000. que incorporou a teoria de juro composto às amortizações de empréstimo.00 100. Tabela SAC Período 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Total Saldo Devedor 100.00 80.000. É utilizado pelas instituições financeiras e pelo comércio em geral.000.000.00 50.00 10. O nome de Sistema de Amortização Francês dá-se pelo fato de que foi utilizado pela primeira vez na França.500.00 10.00 10. Esse sistema caracteriza-se pelo pagamento do empréstimo com prestações iguais.00 40.00 10.00 7.500.00 90.00 Amortização 10.00 70.00 v [1  (10.000.000.00 60.000.00 20.00 32.00 Prestação 35.000.000.00 17.000.000.000.000.00) v 0.

993.308.82 54.665.50 Prestação 28.25 = 4.75 3.00 28.00 x 1.248.007.25 23.758.007.007. n) @ PMT = 100.535.00 x 0.00 Amortização = PMT ± J Amortização1 = PMT ± J1 @ Amortização1 = PMT ± (PV0 x i) Que nada mais é que a fórmula da P.25 88.00 com um prazo de 10 anos sem carência utilizando uma Taxa: 25% a.42 8.083.403.00 28.28007 = R$ 28.88 5.54 22.30 9.000.49 17.00 93.a.00 28.75 x 1.698.873.50 10.05 7.20 13.00 28.007.133.007.335.007.44 5.698.007.56 22.25 = 3.007.674.00 24.00 28.758.070.44 7 .03 40.00 28.536.47 Juros 25.007.00 28. onde: an = a1 .662.007.37 16.00 28.81 82.89 99.76 75.007.603.000.00 96.64 11.00 28.991.Para um melhor entendimento explicaremos a expressões de cálculo utilizando o exemplo abaixo: Um indivíduo pegou um empréstimo no valor de R$ 100.79 14.00 280.007. q n ± 1 Pois: 3.10 180.46 66.470.95 20.758.144.12 22.G.341.007.338.668.000.176.69 18. Usando a fórmula séries de pagamentos iguais com termos postecipados: PMT = PV x FRC (i.830.000.078.412.923.00 Períodos 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Total Saldo Devedor 100.75 4.00 3.321.234.52 Amortização 3.

6 e 10. 00 x (1. o valor da amortização em um determinado momento t é calculado: Amortt = Amort1 x (1 + i)t ± 1 Logo: Amort6 = 3.007.007.007.952 = 54. 10 ± 7) = 28. Solução: SD3 = PMT x FVA (25%. Calcular os juros nos períodos 4. n ± t ) SD7 = 28.669.Como o crescimento da amortização é exponencial. 7) 8 . baseados nos saldos devedores encontrados no item anterior.007.00 x FVA (25%. 2.64 Saldo Devedor (SD): Calculado pela diferença entre o valor devido no início do intervalo de tempo e a amortização do período.05176 = 9. SD3.00 x 1.00 x 3. Por conseguinte: SDt = PMT x FVA (i.25)5 = 3. SD5 e SD9 .176. 10 ± 3) = PMT x FVA (25%. 64 Juros ( J): Incide sobre o saldo devedor apurado no final de cada período imediatamente anterior: J1 = SD0 x i = PV x i J2 = SD1 x i = (PV ± amort1) x i J3 = SD2 x i = (PV ± amort1 ± amort2 ) x i J4 = SD3 x i = (PV ± amort1 ± amort2 ± amort3) x i Jt = SDt ±1 x i Calcular: 1.

28.3 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO ± SAA No Sistema de Amortização Americano ± SAA o valor do empréstimo ou financiamento é quitado de uma só vez. Para um melhor entendimento explicaremos a expressões de cálculo utilizando o exemplo abaixo: Um indivíduo pegou um empréstimo no sistema de amortização americano no valor de R$ 100.000.000.000.534.a.00 x 2.000.40 1.60 x 0.16114 = 88.133.000.00 25.25 = 18.318.534.00 com um período de 10 anos sem carência a uma taxa de 25% a.000.000.00 x 0.601. 5) 28.00 25.60 J4 = 88. sendo os juros pagos periodicamente.66 x 0.405. 1) 28.007.000. Períodos 0 1 2 3 Saldo Devedor 100.007.000.00 x 3.25 = 22.00 Amortização Juros 25.829.00 25.66 SD9 = PMT x FVA (25%.51 J6 =75.00 100.00 9 .000.405.00 Prestações 25.00 25.05 x 0.00 100.318.25 = 5.000. 10 ± 5) = PMT x FVA (25%.68928 = 75.05 SD5 = PMT x FVA (25%. 10 ± 9) = PMT x FVA (25%.80 = 22.00 100. no final do período.66 J10 = 22.007.

00 100.000.n...000.00 25.00 100.. supondo o fundo de liquidez em 10 anos a mesma taxa de 25% aa.000.00 250.00 25.000.00 1.000.00 25.000.000.00 25.00 25.03007 = 3.00 25..000.000.. exceto o primeiro pagamento que corresponde aos juros cobrados no momento da operação financeira.000.00 100.000.00 100.4 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO ALEMÃO O sistema Alemão consiste em liquidar uma dívida onde os juros são pagos antecipadamente com prestações iguais.00 25. É necessário conhecer o valor de cada pagamento P e os valores das amortizações Ak.00 25.000.00 125. no final do período.00 100.000.2.00 x 0.000.000.2.n.000. 10) = 100.00 25.000. capaz de liquidar o valor da amortização única.000. Uso comum: Alguns financiamentos.00 350..000.00 25.00 25.000.000.: PMT = FV x FFC (25%.000.000..00 25. Fórmulas necessárias: Para k=1.00 - 100.00 25.007.00 Fundo de amortização: O devedor.000..3. k=1. pode constituir um fundo de liquidez ou amortização.000.00 100.00 100.000. 10 .4 5 6 7 8 9 10 Total 100. A título ilustrativo. paralelamente ao PAA.

995.395.504.504.97 64.04)÷[1-(1-0.5 SITE A DE AMORTIZ O MISTO ± SAM O Sistema de Amorti ação misto ± SAM foi desenvolvido ori inalmente para as operações de financiamento do Sistema Financeiro de Habitação.00 Pagamento 12.84 7.02 o do saldo devedor 0 55.78 64.02 Saldo devedor 300.80 × (1-0.203.000.A prest mensal do financiamento pode ser calculada com as fórmulas acima.599.796.995.80 64.995.96 57.83 36.80 64.995.80 300.80 336.04) = 57.000.96 ÷ (1-0.04) = 64.900.995.80 0 1.13 ÷ (1-0.791.13 ÷ (1-0.67 2.995.04)5]=64.00 64. P = (300.995.97 A5 = 62.995.395.80 A1= 64.91 127.68 5.979.095.395.000. onde cada prestação (pagamento) é a média aritmética das prestações respectivas no Sistema Price e no Sistema de Amorti ação Constante (SAC).13 A3 = 57.04 187.13 A4 = 59.13 62.491.80 64.97 ÷ (1-0.96 A2 = 55.900.000.00 9.04)4 = 55.80 SISTEMA ALEM Perí 0 1 2 3 4 5 Totais ros Amorti 12.979. PSAM = (PPrice + PSAC) ÷ 2 11 .900.04) = 62.80 64.291.00 244.504.203.391.995.04) = 59.000×0.995.13 59.203.

801. Então: a) Determine o valor da parcela a ser paga mensalmente.800.14 64.494.83 68.388.00 67. o Banco deveria receber a quantia de R$ 20.953.13 69.200.000.20 4 4.692.000.000.000.13 68.494.00 67.00. b) Determine o valor de cada parcela de juros a ser paga e o valor a ser amortizado mensalmente.504.152.50% a.294.07 123. e o prazo para liquidação total do débito era de 08 meses.305.07 183.388.07 5 62. podemos afirmar que nesse período.388.894.93 62.550.34 300.398.94 Exemplo: Uma instituição financeira concedeu a um indivíduo um crédito no valor de R$ 18.07 0 Totais 36.13 64.00 67.340.600.00 336.398.m.942.276.06 242.694.24 58. A taxa cobrada pela instituição era de 1. para ser pago em 08 parcelas iguais.000.01 61.000. com vencimento da 1a parcela em 30 dias e periodicidade mensal de amortização e juros de 1.86 ( R$ 18.00 67.00 1 12.13 66.400.00 57.276.06 69.00.94 2 9.294.495.000.. A priori.m.06 66.16 59.388.14 5 2.094.07 3 67.00 67.86 pelos juros).07 Período Juros Amortização do saldo devedor Pagamento Saldo devedor 0 0 0 0 300.Período PSAC PPrice PSAM 1 72.094.470.07 4 64.06 2 69.11 3 7.13 67.17 62.470.00 pelo principal e R$ 2.50% a.91 67.694. Uma das formas existentes de 12 .694.388. ‡ Prestações Mistas A questão principal envolvida nesse problema é a do pagamento de um crédito concedido pelo Banco no valor de R$ 18.894.

26. no sistema de Amortização Mista. de tal maneira. cada uma sendo subdividida em duas parcelas: a) juros do período (calculados sobre o saldo da divida no início do período ) e. A partir do valor 1 encontrado para a parcela. de tal modo que a soma dessas duas parcelas se mantenha sempre igual ao valor da prestação. Sendo assim. o próximo passo é determinar qual o valor da parcela a ser pago mensalmente. O financiamento nesse sistema é pago em prestações decrescentes. que é de R$ 2. encontramos o valor para P . podemos construir uma tabela denominada tabela SAM utilizando as definições impostas ao sistema e descritas nos itens (a) e (b) acima: 13 .efetuar tal pagamento é utilizar uma modalidade de financiamento denominada Sistema de Amortização Mista.462. Resumindo. Logo podemos obter a fórmula matemática para o cálculo do valor da parcela P SAM : PSAM = (PPrice + PSAC) ÷ 2 Logo. que efetuando esses 08 pagamentos mensais isso seja equivalente ao pagamento integral do montante da divida daqui a 08 meses. para qualquer prestação é valida a relação abaixo: PRESTAÇÂO = JUROS + AMORTIZAÇÂO Dessa maneira ao longo do tempo. os juros vão decrescendo ao passo que as amortizações vão crescendo. b) amortização do principal (correspondente ao pagamento parcial ou integral do principal e obtida a partir da diferença do valor da prestação e o valor dos juros no período). que é uma composição dos sistemas Price e Amortizações Constantes.

.22 4.291.257.00 2.807....000..394..26 15.48 11.344.02 34.76 137.01 2. nos sistemas Price e SAC.241.015) + .75 2..192.26 (1+0. + 2.133.411.01 2.=B = V/n.26 (1+0. 1.51 203.276..TABELA SAM Parcela Valor da parcela Juros Amortização Saldo devedor a 2..13= 20.876.97 9. 1.377.50 - A soma das capitalizações de cada parcela é dada pela expressão: S = 2.599.224...49 13.6 OUTROS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO EXISTENTES A seguir serão demonstrados de forma resumida outros dois sistemas de amortização utilizados no mercado brasileiro.462. ‡ Sobre o valor de Amortização A partir da relação principal parcela = juros + amortização.99 2.428.88 103.26 2.62 2.208.. Esse tipo de plano de 14 .601.64 2.344.14 2.462.6..75 1 2 3 4 5 6 7 8 a a a a a a a 2.445.98 2.445.00 capitalizados mensalmente por um período de 08 meses.1 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CRESCENTE ± SACRE Atualmente utilizado pela Caixa Econômica Federal na concessão de financiamentos para a aquisição de terrenos e da casa própria.374.12 2..26 270..63 170..015) + 2.274.74 2.96 6. onde C e B correspondem k 1 k 1 2 n k k k 7 6 respectivamente aos valores amortizados na k-ésima parcela.38 237. podemos escrever que: C = C ( 1+ i) e B = B = B =.309..86 que corresponde ao montante do valor emprestado de R$ 18.13 69.48 2.01 2.309.51 2.361.

A dinâmica desse sistema é que o saldo devedor deverá ser refinanciado periodicamente conforme a seguinte regra: a) A prestação P é mantida constante durante no primeiro ano (dois anos em geral). c) Valores pós-fixados (simulação com a TR de 0.6.m. Os cálculos resumem-se à aplicação das fórmulas de juros compostos.n ) 15 . b) A prestação é recalculada anualmente de acordo com o SAC. FV ! SDi1 v (1  i ) n ! SDi1  J   FV ! SDi1 v FVF(i .). com base no Saldo devedor existente. 1.5 % a.2 SISTEMA DO MONTANTE Conforme você pode ver na figura 47 no sistema do montante há um único pagamento (FV) ao final da operação que é a soma do principal e dos juros acumulados.amortização tende a evitar o aparecimento do resíduo final.

representa uma taxa de juro tal. e por isso precisa ser bem entendido. O conceito de taxa interna de retorno é muito importante em análise de investimentos. o critério de decisão sobre o investimento consiste simplesmente em aceitar os que apresentam uma TIR superior ao custo de financiamento acrescido de uma determinada taxa de risco que lhes esteja associada. a TIR representa uma taxa que se utilizada como taxa de desconto. ou seja. Essa definição nos leva a seguinte expressão algébrica: § (1  i) k !1 n PMTn n  S0 ! 0 Colocando essa expressão em fórmulas de juros compostos. adota-se a data de início da operação como a data focal de comparação dos fluxos de caixa. em determinado momento do tempo. o valor presente das entradas com as saídas previstas de caixa. Geralmente. obteríamos exatamente a mesma taxa de rentabilidade final. tem-se: 16 . TAXA INTERNA DE RETORNO ± TIR A taxa interna de retorno é a taxa de juros que iguala.2. A taxa interna de retorno (TIR ou IRR) representa a rentabilidade gerada por determinado investimento (muito utilizada com um dos indicadores chave em estudos de análise de viabilidade). torna o Valor Atual Líquido igual a zero. que se o capital investido tivesse sido colocada a essa taxa. A partir do momento em que a rentabilidade dos projetos de investimento seja conhecida. Por outras palavras. A TIR é definida como sendo a taxa de juros que torna nulo o valor presente de um fluxo de caixa.

00.00. 400 400 400   . feito com o auxílio de calculadoras financeiras ou planilhas eletrônicas.00.  ! S0 2 (1  i) (1  i) (1  i ) 3 Substituindo os valores dados no enunciado vem. na ausência destas. O uso da taxa interna de retorno é dificultado quando o fluxo de caixa apresenta mais de uma mudança de sinal (fluxos de caixa não convencionais) porque nesses casos pode não haver solução para a equação ou mesmo pode haver várias soluções. Exemplo: Calcule a taxa interna de retorno para o seguinte fluxo de caixa: S0=1...  ! 1..000. Sumário de dados: S0=1.000. PMT3 PMT1 PMT2   ..00. Períodos em meses.00. pode-se utilizar o método de tentativa e erro que consiste em experimentar diversas taxas de juros até que se identifique aquela que produza a condição de igualdade mencionada.. PMT1=400. PMT3=400. PMT1=400.000 2 (1  i ) (1  i ) (1  i ) 3 17 . PMT2=400. IRR=? Solução: aplicar a definição de TIR.00.PMTn PMT1 PMT2   .00. usualmente. PMT2=400.00.   S0 ! 0 2 (1  i) (1  i ) (1  i ) n A taxa interna de retorno é a raiz dessa equação e seu cálculo é.. PMT3=400.

70% a. podendo ser apresentado em forma de tabela ou gráfico como uma previsão de entradas e saídas de uma empresa. Por convenção. Essa representação ao longo do tempo pode ser feita através do seguinte diagrama: No âmbito empresarial. ou de um empréstimo isolado. Para analise de um fluxo de caixa é fundamental uma taxa de juros e os períodos bem definidos. família.m. em representações gráficas de um fluxo de caixa. O Fluxo de Caixa é um instrumento de controle que tem por objetivo auxiliar o empresário a tomar decisões sobre a situação financeira da empresa. setas para cima representam entrada e setas para baixo representam saída de recursos.A solução dessa equação nos dá como resposta 9. O principal objetivo do fluxo de caixa é fornecer informações para a tomada de decisões a partir de uma visão futura dos recursos financeiros que integram suas contas. FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é um registro ou projeção de uma seqüência de movimentações financeiras ao longo do tempo. que é a TIR (IRR) desse fluxo de caixa. Consiste em um relatório gerencial que informa toda a movimentação de 18 . 3.

y Avaliar se o recebimento das vendas é suficiente para cobrir os gastos assumidos e previstos no período considerado. y Verificar se os recursos financeiros são suficientes para tocar o negócio em determinado período ou se há necessida de de obtenção de capital de giro. y y y Planejar melhores políticas de prazos de pagamentos e recebimentos. 19 . y Auxiliar o empresário a tomar decisões antecipadas sobre a falta ou sobra de dinheiro na empresa. y Avaliar o momento mais favorável para realizar promoções de vendas visando melhorar o caixa do negócio. y Avaliar o melhor momento para efetuar as reposições de estoque em função dos prazos de pagamento e da disponibilidade de caixa. que pode ser uma semana. sempre considerando um período determinado. O relatório de fluxo pode ser utilizado para: y Planejar e controlar as entradas e saídas de caixa num período de tempo determinado. Conhecer previamente (planejamento estratégico) os grandes números do negócio e sua real importância no período considerado. y Verificar se a empresa está trabalhando com aperto ou folga financeira no período avaliado. Os Fluxos de Caixa podem ser representados sob dirferentes formas e tipos.dinheiro (entradas e saídas). um mês etc. Avaliar a capacidade de pagamentos antes de assumir compromissos. exigindo cada um deles um tratamento específico em termos de formulações.

PV ! PMT v 1  (1  i )  n i Valor Futuro de um Fluxo de Caixa: É a soma dos montantes de cada um de seus termos anteriores relativos a uma determinada data. FV ! PMT v (1  i ) n  1 i 20 . os fluxos de caixa são identificados com base na seguinte classificação: Valor Presente de um Fluxo de Caixa: É a soma dos valores atuais de cada termo que compõe o fluxo analisado na data zero.Esquematicamente.

Exercício 01: Numa loja de veículos usados. Neste caso.. concluímos que o valor presente . 1. 0.Como forma de exemplo observe o diagrama de fluxo de caixa a seguir: O diagrama da figura acima.... vamos trazer todos os capitais para a data zero. C2. n para o qual desejamos determinar o valor presente (PV).PV . conforme podemos ver nos exercícios a seguir.. C3. 200 no segundo.. pagamento de 200 no terceiro ano. Cn são capitais referidos às datas. 700 no quarto e 200 no quinto ano. . C1. por exemplo. onde C0. e que produz receitas de 500 no primeiro ano.do fluxo de caixa será: Esta fórmula pode ser utilizada como critério de escolha de alternativas. são apresentados ao cliente dois planos para pagamento de um carro: 21 . dinheiro recebido flecha para cima valor positivo dinheiro pago flecha para baixo valor negativo Convenção: Vamos agora considerar o seguinte fluxo de caixa. 2. Do diagrama de fluxo de caixa visto acima. O problema consiste em trazer todos os capitais futuros para uma mesma data de referencia. . 3. representa um projeto que envolve investimento inicial de 800.

00 no final do sexto mês e outro de $ 2.Plano A: dois pagamentos.500.00 de dois em dois meses. um de $ 1. Sabendo-se que a taxa de juros do mercado é de 4% a. Plano B: três pagamentos iguais de $ 1.m.106. com início no final do segundo mês.000.. PLANO A: devemos desenhar os fluxos de caixa correspondentes: PLANO B: Teremos para o plano A: Para o plano B. teremos: 22 .00 no final do décimo segundo mês. qual o melhor plano de pagamento? SOLUÇÃO: Inicialmente.

se a taxa mínima de atratividade é de 5% a.000.? SOLUÇÃO: Vamos desenhar os fluxos de caixa: À vista: À prazo: Vamos calcular o valor atual (ou valor presente PV) para esta alternativa: Como o valor atual da alternativa a prazo é menor. vencendo a primeira um mês após a entrada. a prazo conforme o seguinte plano: 23 .00 cada uma.000. do ponto de vista do consumidor. Exercício 03: Um equipamento pode ser adquirido pelo preço de R$ 50. a compra a prazo neste caso.00 ou a prazo. Qual a melhor alternativa para o comprador.m.000. é a melhor alternativa.000. concluímos que este plano A é mais atraente do ponto de vista do consumidor.Como o plano A nos levou a um menor valor atual (ou valor presente).00 mais três prestações mensais iguais a R$ 12. Exercício 02: Um equipamento é vendido à vista por R$ 50. com entrada de $ 17.00 à vista ou.

o valor da prestação é R$19013.m. Sendo 3% a. respectivamente. 3. SOLUÇÃO: Teremos: Resolvendo a equação acima.Entrada de 30% do valor à vista.1 EQUIVALÊNCIA DE FLUXOS DE CAIXA Dois ou mais fluxos de caixa são equivalentes se. mais duas parcelas.00 Portanto. exemplificaremos abaixo essa comparação: 24 . obtemos x = 19013. vencíveis em quatro e oito meses. seus valores atuais forem iguais. a uma determinada taxa de juros. As expressões que traduzem a equivalência de fluxo de caixa são: PV ! FV (1  i) n ¨ (1  i ) n  1 ¸ PV ! PMT v © © i v (1  i) n ¹ ¹ ª º A metodologia de equivalência de fluxos de caixa é utilizada para a comparação de fluxos de caixa e a determinação de planos de pagamentos alternativos. a taxa de juros do mercado. calcule o valor da última parcela. Para um melhor entendimento.00. sendo a segunda 50% superior à primeira.

76 + 3628.18 PV1 = 10.000 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 F2 1.76 SOLUÇÃO: i = 5% a.715.76 v © © 0.05) (1  0.05) 8 PV1 = 1904. 25 . ou seja.387.05 v (1  0.Exemplo 01: Os fluxos de caixa F1 e F2 são equivalentes? 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 F1 2.715.91 ¨ (1  0.91 ¹ ª º Resposta: Os fluxos de caixa F1 e F2 possuem o mesmo principal. Para F1 = F2 é necessário que PV1 = PV2 PV1 ! 2000 4000 6000   2 5 (1  0.05)10 ¹ ! 10.000 4.12 + 5442.000 4.05)10  1 ¸ PV2 ! 1387. são equivalentes.m.05) (1  0.

Makron Books ± 2000. Faria. . Atlas 1995.Matemática Financeira . José M. ± Ed. Atlas ± 1997. José Dutra ± Matemática Financeira ± Ed. Carlos P. ± Matemática Financeira: Aplicações à Análise de Investimentos ± 2ª ed. Rogério Gomes de ± Matemática Comercial e Financeira ± 5ª ed. Alexandre ± Matemática Financeira e suas aplicações ± 4ª ed. ± Ed. BIBLIOGRAFIA Vieira Sobrinho.Washington F. Samanez. Assaf Neto. Atlas ± 1998. Mathias. ± Ed. Makron Books ± 1999 26 .Ed. & Gomes.4.