You are on page 1of 57

ORDEM DE INFUSÃO DOS AGENTES

ANTINEOPLÁSICOS

FARM. SANDRA MARIA ASFORA HAZIN


Serv. de Quimioterapia de PE - SEQUIPE

Recife
2010
Polifarmácia
Esta estratégia merece atenção especial, pois
medicamentos são substâncias químicas que podem
interagir::
interagir

Com outros agentes


Com químicos
nutrientes
Entre si

Podendo desencadear respostas prejudiciais ao


tratamento medicamentoso oncológico.
Interações medicamentosas

O emprego de mais de um fármaco, em um


mesmo paciente, implica diversas reações que
chamamos de interações
interações..

Podem ser desejáveis (benéficas) ou indesejáveis


indesejáveis..
As interações farmacológicas mais
importante no tratamento oncológico
Ocorrem entre:

• Os diversos • Os quimioterápicos:
quimioterápicos usados;
– e os não quimioterápicos;

• Os medicamentos não – e os produtos fitoterápicos;


quimioterápicos usados
antes, durante e após a – e os alimentos;
quimioterapia;
– e o álcool;

– e o tabaco.
As respostas decorrentes da interação
podem acarretar

• Redução da eficácia; • Colocar em risco a vida


do paciente;
• Falta completa de
atividade terapêutica; • Potencialização do
efeito terapêutico;
• Aparecimento de
reações adversas; • Não causar nenhum
um tipo de interação.
Fases das interações
As que devem ser consideradas em todas as
interações são a farmacocinética e a
farmacodinâmica.
Nem sempre são visíveis mas podem causar muito
prejuízo à resposta terapêutica.

efeitos
Interações farmacocinéticas
São vistas quando:

• um fármaco;
• um alimento específico;
• o álcool;
• o cigarro.

Agem de modo a aumentar ou a diminuir a concentração


sanguínea de outro fármaco.

Podendo propiciar o aumento ou a ausência, respectivamente, do


efeito terapêutico.
Avaliação farmacocinética

4 etapas:

• Absorção;

• Distribuição;

• Biotransformação;

• Excreção do fármaco.
Absorção

É a passagem do fármaco do meio externo para a


corrente sanguínea.

Esta etapa é alterada de acordo com a via de


administração e a forma farmacêutica escolhida.
Avaliação das interações na etapa de
absorção
• Formação de
substâncias insolúveis;

• Modificação do pH
gástrico e intestinal;

• Alteração da
motilidade
gastrointestinal.
Exemplo

Diminui: Prejudica:

• Motilidade • Absorção de fármacos


gastrointestinal . administrados por via oral.

Anticolinérgicos: atropina, N-butil escopolamina


escopolamina,, opióides
opióides,, vários antidepressivos
e antipisicóticos clássicos.

Aumenta: Facilita:

• Motilidade • Absorção de outros


gastrointestinal. fármacos pela via
oral.
oral
Metoclopramida e eritromicina
Distribuição
• É a passagem do fármaco do sangue para os
órgãos.

Forma livre: Forma ligada:


• Atinge o sítio de ação; • Associada a uma
proteína plasmática;
• Desempenha o efeito
terapêutico. • Forma de
armazenamento ou
estoque.
Aspectos importantes
Tempo de meia-vida: tempo necessário para que a
concentração de um fármaco se reduza a 50%:
Tempo de meia-vida α Tempo de meia-vidaβ
• A concentração • Quando a concentração
sanguínea atinge a sanguínea atinge a
metade porque o metade porque o
fármaco esta sendo fármaco estar sendo
distribuído para os eliminado do corpo.
diversos órgãos.
Aspectos importantes

• Glicoproteína P: proteína
conhecida como bomba de
extrusão.

– Seu papel consiste


fundamentalmente em
expelir o fármaco que entra
na célula;

– Alguns antineoplásicos são


afetados por esta bomba;

– Alguns fármacos inibem o


seu trabalho.
Biotransformação
Essa fase é definida com a alteração da estrutura
química do fármaco por alterações enzimáticas.

Reações de fase 1 - Compõe principalmente o citocromo P450


não sintéticas ou (podem ser induzidas ou inibidas por vários
analíticas: fármacos, alimentos álcool e pelo tabaco).

Diazepam Nordazepam Oxazepam (+50 hs)

Reações de fase 2 - Destacam-se as reações com as


sintéticas ou de glicuroniltransferase, sulfotransferases, glutationa
conjugação: S-transferases e N-acetiltransferases.

Fármaco Facilita sua


Mais hidrossolúvel
original excreção
Tarceva + Tabaco

• O cigarro é um indutor do CYP1A1 e CYP1A2


(enzimas do citocromo P450) e mostrou reduzir a
exposição ao erlotinibe em 50 a 60%.

• CPNPC: dose diária


150 mg
mg..

• Em fumantes a dose
máxima tolerada é
de 300 mg
mg..
Excreção e eliminação

• Excreção:

– É a saída do fármaco em sua


forma original.

• Eliminação:

– é a saída do fármaco
quimicamente modificado sob a
forma de metabólitos.

– Condições necessárias:
hidrossolubilidade,, estar na
hidrossolubilidade
forma livre e a cinética do
paciente.
Interações farmacodinâmicas

• Estuda os mecanismo de ação do fármaco, é vista quando um


fármaco, um alimento específico, o álcool, o cigarro alteram a
ação farmacológica de outro fármaco sem alterar a sua
concentração.

• O receptor é o local onde


os fármacos atuam.

• O fármaco pode ser


classificado como agonista
ou antagonista.
Tipos de interações farmacodinâmicas

Sinergismo por Sinergismo por


Potencialização::
Potencialização
adição: somação:
• Quando o • Quando os • Quando a
fármaco mecanismos soma dos
apresenta o são diferentes efeitos do dois
mesmo mais os efeitos fármacos é
mecanismo do são os maior do que
outro com mesmos. quando são
efeito usados
semelhante. isoladamente.
O que fazer quando não há registro de
interação?

• Indica-
Indica-se que sejam
analisadas as
características físico-
físico-
químicas das soluções
para a sequência da
ordem de infusão.
Potencial hidrogeniônico

pH

Índice que indica a acidez, a neutralidade


ou alcalinidade de um meio qualquer
FLEBITES
Fatores envolvidos:
IMPORTÂNCIA - pH baixo
- alta velocidade de
fluxo
Contribuem para o desenvolvimento
de flebite química
• Medicações ou soluções irritantes;

• Medicações diluídas ou misturadas inapropriadamente;

• Infusão muito rápida;

• Presença de pequenas partículas na solução


solução..

Quanto mais ácida a solução

Maior risco de flebite química


Controle de concentração

A concentração do medicamento pode ser controlada:

ou com a
pela velocidade pelo volume de associação
de infusão diluição desses dois
procedimentos
Alguns fármacos antineoplásicos

Originam soluções

De características Hiper ou
ácidas hipo-osmolares

Causando grande desconforto durante o processo de


infusão endovenosa.
Navelbine (pH 3,5) x Gemzar (pH 2,7 – 3,3)

1 Navelbine 2 Gemzar

Vinorelbina caracterizada por dor no trajeto venoso e flebite


química em aproximadamente 1/3 dos pacientes.

1 Gemzar 2 Navelbine

Gencitabina por suas características de pH tem


capacidade de irritação do leito venoso.
Há estudos que falam...

Fármacos que São rapidamente


Causam dano
não se unem ao inativados ou
tecidual imediato
DNA metabolizados

O que permite um processo de cicatrização normal

Fármacos que Produzindo Permanecendo


se fixam ao lesão celular ativos nos
DNA imediata tecidos

Ocasionando danos a longo prazo, dificultando o


processo de cicatrização normal
Fármacos que se fixam ao DNA

• Dactinomicina
Dactinomicina;;

• Daunorrubicina
Daunorrubicina;;

• Doxorrubicina
Doxorrubicina;;

• Idarrubicina
Idarrubicina;;

• Mitomicina
Mitomicina;;

• Epirrubicina
Epirrubicina..
Cinética do ciclo celular

• Muitos agentes citotóxicos mais


efetivos atuam ao lesar o DNA
DNA..

• Esses agentes mostram


mostram--se ativos contra
as células que se encontram na fase
mais vulnerável do ciclo celular
celular..

• As neoplasias humanas que atualmente


são mais sensíveis ao tratamento
quimioterápico são aquelas que exibem
uma elevada porcentagem de células em
processo de divisão
divisão..
Por isso...

• É necessário quimioterápicos
que atuem em diferentes fases
do ciclo celular.

• Por outro lado, os tumores de


crescimento lento,
frequentemente apresentam
respostas menores aos
agentes específicos do ciclo.
PROTOCOLOS
Ácido folínico + 5-
5-fluorouracil

• Células malignas do cólon apresentam menor


quantidade de 5-
5-10 metilenotetraidrofolato.
1. • Ácido folínico (EV)
• Reposição de folato por infusão EV de 5-
5-
formiltetraidrofolato
• Aumento da formação do complexo TS TS--FdUMP e também
das respostas ao 5-
5-FU.

2. • 5-fluorouracil (EV)

• Melhor perfil de redução tumoral e menor índice de


resistência celular às ações citotóxicas do 5-
5-FU.
Metotrexato (MTX) + 5-
5-fluorouracil

1 MTX 2 5-fluorouracil

Aumentando o
MTX inibe a síntese reservatório celular de 5-
de purinas fosforribosil-1-pirofosfato
(PRPP)

Aumentando a ativação do 5-FU e sua


atividade antitumoral.
MTX e Folinato de cálcio (resgate)

MTX (doses altas e


1 intermediárias) 2 Folinato de cálcio

Síntese de
Ácido fólico Ácido folínico ácidos
nucléicos

Antagonismo dos efeitos tóxicos do MTX sobre as células


normais, especialmente de medula óssea e mucosas.
FOLFOX = Leucovorin + 5-
5-FU + Oxaliplatina

A oxaliplatina é comumente utilizada com 5-FU e


leucovorina no tratamento do câncer de cólon e reto
metastático..
metastático
• Leucovorina
1.
• 5-FU - bolus
2.
• Oxaliplatina
3.
• 5-FU de infusão contínua
4.
Isso pode ser por...

Efeito sinérgico:

- Por inibição da DPD


Oxaliplatina pode inibir
o catabolismo do 5-FU - Também por inibir a
expressão de TS
Folfiri = Irinotecano + Leucovorin + 5-
5-FU

1. • Irinotecano

2. • Leucovorin

3. • 5-FU (bolus)

4. • 5-FU de infusão contínua


Metabólito superativo

Irinotecano
(pró-fármaco) Inibidor

Precursor
hidrossolúvel Topoisomerase I

Inibidor pelo
Metabólito menos mil vezes
lipofílico SN-38 mais potente
Estudos para este protocolo indicam...
• AUC do SNSN--38
38,, é cerca de 40
40%% menor e também a toxicidade
atribuída ao protocolo apresenta
apresenta--se reduzida
reduzida..

• A farmacocinética do irinotecano em relação a associação com 5-


FU ainda não está clara
clara::

– o ponto
ponto--chave para a explicação de modificações na área sob a curva
parece ser a infusão em bolus do antimetabólito
antimetabólito..

Obs: A combinação dos dois farmácos está clinicamente bem


Obs:
estabelecida;;
estabelecida
A recomendação da infusão de irinotecano antes do 5-
FU/Leucovorin
FU/ Leucovorin é bem documentada e farmacológicamente mais
vantajosa para o paciente
paciente..
Irox = Irinotecano + Oxaliplatina

1 Irinotecano 2 Oxaliplatina

Interação farmacodinâmica
Irinotecano
Potencializado pela
oxaliplatina
Inibição da acetilcolinesterase

Hipersalivação e dor abdominal


(síndrome colinérgica sinérgica)
Vepesid + Carboplatina

1 Vepesid 2 Carboplatina

• A dose e a sequência de administração podem ser


fatores determinantes quando se usa o protocolo
acima..
acima

• Em estudo a AUC do etoposídeo aumenta em 8%


quando a carboplatina é administrada antes
antes..
Vepesid + Cisplatina

1 Vepesid 2 Cisplatina

• Cisplatina bem mais nefrotóxica


nefrotóxica..

• Em estudo a AUC do etoposídeo mostrou


mostrou--se
28%
28 % maior em pacientes que infundiram
primeiro a cisplatina
cisplatina..
TIP = Paclitaxel + Ifosfamida + Cisplatina

1 Paclitaxel 2 Ifosfamida 3 Cisplatina

• Citoxicidade aditivada ou sinérgica quando o paclitaxel foi


administrado primeiro
primeiro..

• Antagonismo quando a ifosfamida ativa foi administrada primeiro


primeiro..

• Essa ordem pode ser importante por afetar a eficácia terapêutica do


protocolo..
protocolo

• Utiliza-
Utiliza-se com pouca freqüência a excreção retardada dos metabólitos
do paclitaxel e ifosfamida evitando toxicidade hospedeira aumentada .
ACT = Adriblastina + Ciclofosfamida + Paclitaxel

1 Adriblastina 2 Ciclofosfamida 3 Paclitaxel

• Estudos demonstram que a trombocitopenia é mais grave


quando o paclitaxel precede a infusão da ciclofosfamida
ciclofosfamida..

• Mucosite e neutropenia maior quando o paclitaxel é


administrado antes da doxorrubicina
doxorrubicina..

• Estudos em animais evidenciaram ainda que tanto o


paclitaxel quanto o seu veículo o cremophor pode modificar
a distribuição e o metabolismo da Doxorrubicina
potencializando a cardiotoxicidade
cardiotoxicidade..
Docetaxel + Gencitabina

1 Docetaxel 2 Gencitabina

• A toxicidade farmacológica e farmacocinética não se


alteram..
alteram

• Perfis farmacocinéticos do docetaxel permanecem


inalterados independente da ordem de infusão
infusão..

• Por precaução segue


segue--se essa ordem
ordem..
Paclitaxel + Gencitabina

1 Paclitaxel 2 Gencitabina

• Em estudos
estudos::

– O paclitaxel incrementou as concentrações de


trifosfato de Gencitabina e melhorou
significativamente sua eficácia
eficácia..

– Não foram observadas alterações importantes no


perfil farmacocinético dos dois fármacos
fármacos..
Anticorpos Monoclonais

Antes de Quimioterápicos
Convencionais
Rituximabe - CHOP

2 4
• Rituximabe • Ciclofosfamida
•Doxorrubicina •Vincristina
1 3

D1 ao D5 • Predinisona VO - 100 mg/dia


O que sugere

Os efeitos sinérgicos do Rituximabe e da


Quimioterapia convencional tornaram
tornaram--se cada vez
mais evidentes
evidentes..

Rituximabe:

Atua diretamente sobre as células tumorais;

Sensibiliza as células de linfomas;

Maior indução à apoptose por ação citotóxica


dos quimioterápicos antineoplásicos
convencionais.
CHOP

Ciclofosfamida Ocorre
•É um pró-fármaco
• Sobrecarga quando a
•Tem necessidade do ciclofosfamida é
sistema microssomal administrada antes da
hepático para ser doxorrubicina
metabolizado e ativado

Consequências: aumentando as possibilidades


Consequências:
de cardiotoxicidade
cardiotoxicidade,, leucopenia e mucosite para os
pacientes..
pacientes
• Ideal para esquema em dias
Prednisona alternados já que a vida média é
mais curta que a dexametasona
dexametasona..

• Fármaco de escolha por apresentar


boa absorção e não apresentar
alguns efeitos adversos como o
aumento do apetite ou quadros
semelhantes a dermatomiosite
dermatomiosite..

• Tomada de D1 a D5 deve-
deve-se ter
cuidado especial com o paciente em
relação a toxicidade aumentada da
ciclofosfamida.
Trastuzumabe + Paclitaxel

1 Trastuzumabe 2 Paclitaxel

• A adição do Trastuzumabe à quimioterapia para o câncer metastático


aumentou a taxa de resposta, a sobrevida geral, o tempo para a progressão
da doença e a qualidade de vida em pacientes com HER 2 – positivo
positivo..

• Essa taxa de resposta pode ser melhorada caso o anticorpo monoclonal seja
administrado antes do quimioterápico convencional
convencional..

• O Trastuzumabe também tem ação sinérgica com outros agentes citotóxicos


sempre com hiperexpressão de HER 2.

• Em qualquer esquema, o anticorpo monoclonal deve ser infundido primeiro


primeiro..
Avastin - Bevacizumabe

• Na primeira infusão sempre


após os antineoplásicos
convencionais..
convencionais

• A partir da segunda infusão


pode ser antes ou depois dos
antineoplásicos..
antineoplásicos
Erbitux - Cetuximab

• Em qualquer esquema
o anticorpo
monoclonal deve ser
infundido primeiro.
Concluindo...

As interações e a ordem de infusão são


de extrema importância no sucesso do
tratamento oncológico
oncológico..

Portanto é um tema relevante para a


equipe multidisciplinar principalmente
farmacêuticos, médicos, enfermeiros e
nutricionistas..
nutricionistas
Bibliografia
• BONASSA, Edva Moreno Aguilar
Aguilar;; SANTANA, Tatiana Rocha
Rocha.. Enfermagem em terapêutica oncológica
oncológica.. 3. ed
ed..
São Paulo
Paulo:: Atheneu
Atheneu,, 2005
2005..

• CASCIATO, Denis A. Manual de oncologia clínica


clínica.. São Paulo
Paulo:: Tecmedd
Tecmedd,, 2008
2008..

• FONSECA, Almir L. Interações medicamentosas


medicamentosas.. 4. ed
ed.. São Paulo
Paulo:: Epub
Epub,, 2008
2008..

• LÜLLMANN, Heinz
Heinz;; HEIN, Klaus Mohr Lutz
Lutz;; BIEGER, Detlef
Detlef.. Farmacologia
Farmacologia:: Texto e atlas
atlas.. 5. ed
ed.. Porto Alegre
Alegre::
Artmed,, 2008
Artmed 2008..

• MATHEUS, Eline
Eline.. Interações medicamentosas
medicamentosas:: Agentes antineoplásicos
antineoplásicos.. São Paulo Segmento Farma
Farma,, 2010

• MOTA, Maria Lurdemilar Sabóia


Sabóia.. Dados farmacocinéticos e farmacodinámicos
farmacodinámicos:: Para planejamento e
otimização de resposta terapêutica em quimioterapia antineoplásica
antineoplásica.. São Paulo
Paulo:: Segmento Farma
Farma,, 2009
2009..

• Tarceva (Bula de medicamento)


medicamento).. Farm
Farm.. Resp
Resp.. Guilherme N. Ferreira
Ferreira.. Rio de Janeiro
Janeiro:: Roche Químicos e
Farmacêuticos..
Farmacêuticos

• TRISSEL, Lawrence A. Fármacos injetáveis


injetáveis:: Guia de bolso
bolso.. 14
14.. ed
ed.. Porto Alegre
Alegre:: Artmed
Artmed,, 2008
2008..

• BUZAID, Antonio Carlos


Carlos;; MALUF, Fernando Cotait
Cotait;; LIMA, Caio M. Rocha (Ed
(Ed..). Manual de Oncologia Clínica
do Brasil
Brasil.. 8. ed
ed.. São Paulo
Paulo:: Dendrix
Dendrix,, 2010
2010..
HAJA INTERAÇÃO ! ! !
Obrigada!