You are on page 1of 13

Introdução à Inspeção de Equipamentos

Disciplina: Inspeção de Equipamentos Professora: Cléa Albuquerque

Condução de corrente elétrica por meio de um campo elétrico aplicado Ex: Condutividade elétrica 2 .Resistência à Deformação elástica por meio de uma carga aplicada Ex: Módulo de elasticidade Ex2: Propriedade Elétrica . • O que é propriedade? É a resposta de uma material a um estímulo externo Ex1: Propriedade Mecânica .Ensaios e Propriedades • É por meio de Ensaios que se verifica se os materiais apresentam as propriedades que os tornarão adequados ao seu uso.

Falha nos Materiais • Uma constatação imprópria das propriedades dos materiais pode conduzir a um processamento inadequado ou a um projeto indevido do componente tornado-o sujeito a eventos indesejáveis como falhas • Conseqüências: vidas humanas colocadas em perigo. no caso de ocorrência. interferência na disponibilidade de produtos e serviços A prevenção de falhas é uma condição difícil de ser garantida • Responsabilidade do projetista: Antecipar e planejar a ocorrência de falhas para. avaliar sua causa e tomar medidas preventivas contra futuros incidentes 3 . perdas econômicas.

Este é um dos fatores que mais impulsionam a crescente difusão dos conceitos de avaliação de integridade e de técnicas de inspeção cada vez mais modernas e eficazes 4 6% Falhas Mecânicas Figura 1 . em decorrência de falhas mecânicas eram passíveis de detecção através de uma inspeção adequada.Estatísticas dos 170 maiores acidentes industriais do mundo (M&M Consultants) .Estatísticas das Falhas nos Materiais 3% 18% 8% 41% 4% 20% Eventos Naturais Erro Operacional Erro de Projeto Desconhecido Sabotagem Distúrbio de Processo O maior índice de acidentes.

Avaliação da Integridade de um Equipamento Depende dos seguintes fatores: Importância operacional do equipamento Risco de explosão ou incêndio Histórico de inspeção do equipamento Probabilidade de falha a partir de mecanismos ativos conhecidos • Histórico de falhas de equipamentos similares em outras unidades operacionais • Regulamentações e/ou legislações em vigor 5 • • • • .

o que conduziu a muitas falhas catastróficas. 6 . • Até os anos 60. em datas planejadas através da realização de ensaios destrutivos e/ou ensaios não-destrutivos. • Atualmente. entende-se que o controle de qualidade precisa começar pela matéria-prima e deve ocorrer durante todo o processo de produção. era prática comum continuar utilizando os equipamentos até os mesmos apresentarem sérios problemas de performance ou até mesmo quebrarem. A qualidade era avaliada pelo uso. como a construção dos equipamentos era essencialmente artesanal. não havia um controle de qualidade regular do que era fabricado.Avaliação dos Materiais • Nos séculos passados.

cisalhamento.: tração. flexão. (Figuras 1 e 2) 7 . torção. ou ainda. alguma impressão definitiva no corpo de prova submetido ao ensaio.etc. promovendo a ruptura ou a inutilização da peça. compressão. dureza. Ex.Ensaios Destrutivos • Determinam as propriedades mecânicas dos materiais.

Figura 1 – Ilustração esquemática dos esforços que os materiais podem ser submetidos 8 .

Figura 2 – Equipamento para ensaio destrutivo dos materiais 9 .

redução dos custos e aumentos da produção. 10 .: visual. por conseqüência. sem deixar nenhuma marca ou sinal e. partículas magnéticas.Ensaios Não-Destrutivos • Determinam a existência de falhas superficiais e internas em produtos acabados e semi-acabados. nunca inutilizam a peça ou corpo de prova. A adoção destes tipos de ensaios pelas indústrias vem tendo um grande aumento pois significa a obtenção de melhores produtos. ultra-som e radiografia industrial. Ex. líquido penetrante.

• Permite a localização de regiões sob tensão e de falhas por fadiga. • Evitam-se acidentes e aumenta-se a vida útil dos equipamentos.Aspectos Benéficos dos END • Evita-se desperdício de material (melhor uso da matéria-prima) e diferença nos padrões de qualidade dos produtos. aumentando a eficiência no uso dos equipamentos. evitando-se o mal funcionamento do equipamento. 11 . • Redução dos custos operacionais.

Comparação entre os métodos END 12 .

Escolha dos métodos END 13 .