You are on page 1of 3

Anais do XIV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 29 e 30 de setembro de 2009

ISSN 1982-0178

A TENSÃO ENTRE FACTICIDADE E VALIDADE DO DIREITO


SEGUNDO HABERMAS
Nathalya Maria Santos de Camargo Prof. Dr. Luiz Paulo Rouanet
PUC-Campinas Grupo de Pesquisa Ética e Justiça
CCHSA CCHSA
nathalyacamargo@puccamp.edu.br lrouanet@puc-campinas.edu.br

Resumo: Habermas elabora sua teoria do agir co- da teoria da ação comunicativa, o papel desempe-
municativo, contida na obra Direito e democracia: nhado pelo sistema jurídico.
entre facticidade e validade, para analisar as institui- A partir dai o direito passa a ser responsável
ções jurídicas e propor um modelo onde se interpe- pela integração social entre o mundo da vida e os
netram justiça, razão comunicativa e modernidade. sistemas sociais na medida em que permite aos ci-
Ao se referir à facticidade e à validade, Habermas dadãos tanto o uso da racionalidade estratégica (a-
intenta compreender a dualidade do Direito moderno. ção orientada para o êxito), quando o agente obede-
Assim, de um lado, o Direito é facticidade quando se ce à lei por temor da coerção segundo um cálculo
realiza sob os desígnios de um legislador político e é custo/benefício em que avalia se o benefício auferido
cumprido e executado socialmente sob a ameaça de pela transgressão da lei compensa o custo que pode
sanções fundadas no monopólio estatal da força. De advir das sanções previstas na lei, por um lado,
outro lado, o Direito é validade quando suas normas quanto pela racionalidade comunicativa (ação é ori-
se fundam em argumentos racionais ou aceitáveis entada para o entendimento recíproco), quando o
por seus destinatários. Habermas diz que o direito só agente age motivado pelo respeito à lei, convencido
pode ser compreendido a partir da noção de uma de sua legitimidade.
"tensão entre facticidade e validade1". "Facticidade"
Habermas explica que, para realizar a função
seria o plano dos fatos, das coisas como elas são e
de integração social na sociedade complexa, o direito
funcionam, a dimensão do êxito real, cega para ques-
moderno desenvolveu uma tensão entre faticidade e
tões de certo/errado. "Validade" seria o plano dos
validade, porque permite aos sujeitos, usando a ra-
ideais, das normas que se reconhecem como corre-
cionalidade estratégica, considerarem o direito como
tas e que justificam as ações, dos valores que se
um fato social dotado de vigência quando agem ori-
reconhecem como importantes e que justificam as
entados pelo êxito na medida em que comparam os
escolhas, das utopias que se reconhecem como ins- custos e benefícios da ação a partir da coação das
piradoras e justificam as instituições existentes. sanções previstas na lei, bem como possibilita àque-
les que agem orientados para o entendimento recí-
proco segundo a racionalidade comunicativa, busca-
Palavras-chave: Facticidade, Validade, Direito
rem um consenso racionalmente motivado através
Área do Conhecimento: Ciências Humanas – Filo- do reconhecimento da validade da lei.
sofia Política Contemporânea – CNPq.

1. INTRODUÇÃO

O direito aparece como um sistema social 2. DUALISMO


que utiliza a racionalidade estratégica para estabilizar
as expectativas de comportamento mediante uma
A relação entre facticidade e validade, as-
racionalidade processual formal que serve para gerar
sume uma forma de tensão pelo fato de o Direito re-
confiança nos cidadãos quanto à dominação legal, o
unir em si elementos sancionadores e elementos
que também invade o mundo da vida, aumentando a
juridificação das relações sociais. provenientes de uma autolegislação. Dito em outros
termos, a tensão entra facticidade e validade, no Di-
Com o propósito de explicar a possibilidade reito moderno, retorna pela circunstância de que com
da integração social e não apenas funcional, na soci- a sanção se restringe o nível de dissenso, mas esse
edade moderna, Habermas altera, em Direito e De- dissenso é superado no momento em que se intro-
mocracia: entre a Facticidade e Validade, pelo lado
Anais do XIV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 29 e 30 de setembro de 2009
ISSN 1982-0178

duz em seu bojo a idéia de que as normas jurídicas ração social desfrutem de consensos não problemá-
são emanações do povo. ticos.
Dessa forma, o verdadeiro lugar do direito é
entre os planos da facticidade e da validade, como
uma ponte entre os dois, tornando a facticidade váli- 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
da o bastante para ser obrigatória e aceitável, e a
validade factual para ser viável e concretizável ao Dessa forma, infere-se que, em primeiro lu-
longo do tempo. gar, que a "tensão entre facticidade e validade" deve
Além disso, para que se convença alguém de ser entendida, em primeiro lugar, como uma teoria
seu próprio ponto de vista, é necessário que se este- sobre o modo como o direito é percebido pelos sujei-
ja bem informado sobre o assunto a ser deliberado e tos: o direito é percebido ao mesmo tempo como fato
que se tenha argumentos suficientes para que se (algo que está posto como ato de poder e que deve
prove porque aquela é a melhor escolha. Isso faz ser obedecido sob ameaça de sanção) e como nor-
com que os concidadãos de uma sociedade civil ma (algo que pode ser reconhecido e obedecido vo-
queiram conhecer o mundo ao seu redor e questio- luntariamente por um agente racional). Essa concep-
nar o que antes aceitavam como verdade absoluta. ção se baseia na idéia de que o direito moderno é
Fazendo, assim, com que as diferenças entre uns e produzido democraticamente, motivo por que as
outros tornem-se irrisórias ante a discussão. normas que se tornam obrigatórias ao fim do proce-
dimento legislativo carregam consigo a presunção de
serem esclarecidas e corretas. Essa idéia depende
3. NÍVEIS DE TENSÃO diretamente da concepção habermasiana sobre a
democracia deliberativa.
Neste tópico discorro acerca da proposta da Em segundo lugar, como uma teoria sobre
Habermas de situar a legitimidade do Direito não no as características de normas jurídicas bem sucedi-
plano metafísico, mas no plano discursivo e procedi- das: as normas devem poder ser obedecidas tanto
mental, lançando mão da sua teoria do agir comuni- em vista os interesses do agente, quanto em vista de
cativo, na qual a linguagem supera a dimensão sintá- seu conteúdo.
tica e semântica, constituindo o medium de integra-
ção social, isto é, o mecanismo pelo qual os agentes E deve ser entendida, em terceiro lugar, co-
sociais interagem e fundamentam racionalmente pre- mo uma teoria sobre as razões do êxito do direito
tensões de validade discursivas aceitas por todos. enquanto estrutura de integração entre os indivíduos
e grupos na sociedade: mesmo estes indivíduos e
Para Habermas, o Direito legítimo, nas soci- grupos tendo interesses conflitantes e orientações
edades atuais pós-metafísicas, depende do exercício éticas diversas, são integrados pelo direito na medida
constante do poder comunicativo. Para que não se em que este oferece iguais oportunidades de êxito
esgote a fonte da justiça, é mister que um poder co- para os interesses de um lado e do outro segundo
municativo jurígeno esteja na base do poder adminis- regras imparciais e corretas e não estende sua força
trativo do Estado. Mesmo assumindo a perspectiva obrigatória para além do plano moral, quer dizer, do
de que o ordenamento jurídico emana das diretrizes plano daquelas regras e deveres que podem ser uni-
dos discursos públicos e da vontade democrática dos versalmente reconhecidos como corretos e necessá-
cidadãos, institucionalizadas juridicamente, obser- rios, não exigindo, portanto, renúncias injustificadas
vando a correição parcial, há sempre a possibilidade nem fazendo ingerências indevidas nos ideais éticos
de que a normatividade seja injusta, abrindo-se as- de cada qual.
sim para dois caminhos: o primeiro, a permanecer
injusta, passa a constituir-se arbítrio; o segundo, a
tornar-se arbítrio, surge a falibilidade e, com isso, a
presunção de que seja revogada ou revista.
AGRADECIMENTOS
Ainda, para Habermas, a resolução dos con-
flitos será tanto mais facilmente alcançada quanto
maior for a capacidade dos membros da comunidade Agradeço à Pontifícia Universidade Católica de Cam-
em restringir os esforços comunicativos e pretensões pinas pela disponibilização dos recursos para o de-
de validade discursivas consideradas problemáticas, senvolvimento das atividades de iniciação científica.
deixando como pano de fundo o conjunto de verda-
des compartilhadas e estabilizadoras do conjunto da
sociedade, possibilitando que grandes áreas da inte-
Anais do XIV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 29 e 30 de setembro de 2009
ISSN 1982-0178

Florianópolis: NEL/ UFSC: 2002, pp. 283-


296.
REFERÊNCIAS
1. ASCENSÃO, José de Oliveira. O Direito: Intro- 15. ________. A complementaridade entre Ra-
dução e Teoria Geral. 2. ed. Rio de Janeiro: wls e Habermas na etapa da deliberação, in
Renovar, 2001. Pinzani, A.; Dutra, D. V. (org.), Habermas
em discussão, Florianópolis: NEFIPO/
2. BOBBIO, N. O futuro da democracia – Uma UFSC, 2006.
defesa das regras do jogo. 2ª. ed. Trad. Mar-
co Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1986.
3. FREITAG, B. Dialogando com Habermas.
Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2005.
4. GODOI, Marciano Seabra de. Justiça, igual-
dade e direito tributário. São Paulo: Dialé-
tica, 1999.
5. HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia:
entre facticidade e validade. Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro, 1997.
6. MENDONÇA, Samuel. Projeto e monografia
jurídica: orientações para a elaboração do
projeto de pesquisa e monografia jurídica. 3.
ed. Campinas: Millennium Editora, 2006, pp.
25 a 75.
7. MOREIRA, Luiz. Fundamentação do Direito
em Jürgen Habermas. Belo Horizonte:
UFMG/FAFICH, 1999.
8. PERELMAN, Chaim. Ética e Direito. Trad. Ma-
ria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo:
Martins Fontes,1996.

9. RAWLS,J.. Uma teoria da justiça. Trad. Almi-


ro Pisetta e Lenita M. R. Esteves. São Paulo:
Martins Fontes, 1997.
10. ________. Justiça e democracia. Trad. Ire-
ne A. Paternot. São Paulo: Martins Fontes,
2002.
11. ________. Justiça como eqüidade − Uma
reformulação. Trad. Cláudia Berliner. São
Paulo: Martins Fontes, 2003.
12. ROUANET, Luiz Paulo. Justiça como eqüida-
de: uma proposta brasileira. Revista Social
Democracia Brasileira. Maio/junho 2003.
Número 7, Ano 2, p. 17-23.
13. ________. O debate Habermas-Rawls de
1995: uma apresentação, Reflexão, Ano
XXV, no. 78, 2000, pp. 111-117.
14. ________. A idéia de razão pública em Ra-
wls, in Alberto O. CUPANI; César A.
MORTARI (org.), Linguagem e Filosofia –
Anais do II Simpósio Internacional Principia.