You are on page 1of 2

Expansão da agricultura prejudica meio ambiente

Rio de Janeiro/RJ A expansão da agricultura brasileira tem deixado reflexos negativos no meio ambiente. Estudo sobre o desenvolvimento sustentável do País, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a quantidade de fertilizantes utilizada em terras brasileiras cresceu duas vezes e meia de 1992 a 2002. Mostra também o crescimento das queimadas e incêndios florestais promovidos para transformar a mata nativa em áreas agropastoris. Somente em 2003, foram detectados por satélite em todas as regiões do país quase 213 mil focos. Segundo o presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes, o crescimento do setor agropecuário faz uso constante e crescente de recursos naturais não-renováveis, como os da floresta amazônica e da região do cerrado. ""A expansão da agricultura tem uma repercussão ambiental para a qual precisamos estar atentos"", disse Nunes, lembrando que ""as regiões sul e leste da Amazônia compreendem hoje o que se chama de arco de desmatamento e que, se não houver preocupação com a preservação do território da Amazônia no Estado do Amazonas, que hoje é praticamente intacto, esta será a próxima fronteira a ser destruída"". O desenvolvimento sustentável passa ao largo das duas mais extensas florestas do País. Por causa do desmatamento, a maior reserva tropical úmida do mundo, na Amazônia, acumula 631 mil quilômetros quadrados de área bruta desflorestada, segundo dados de 2002 do IBGE. A Mata Atlântica foi quase totalmente destruída ao longo dos anos, restando menos de 10% da floresta nativa, originalmente formada por mais de 1 milhão de quilômetros quadrados. ""Anualmente, na floresta amazônica, desaparece a vegetação primária de cerca de 20 a 25 mil quilômetros quadrados, área equivalente à do Estado de Sergipe, seja por causa de incêndios ou queimadas"", diz o coordenador de Indicadores Ambientais do IBGE, Judicael Clevelário, chamando atenção para o preço que vamos pagar em nome do desenvolvimento econômico, pois as queimadas estão geralmente relacionadas à expansão da atividade agropastoril registrada no País. ""Qual o tipo de ganho que vamos ter com esse tipo de aumento da produtividade na pecuária e na agricultura? Com a velocidade com que se desmata, a floresta vai ser destruída"", alerta.

O prejuízo é tão grande que há formações vegetais já sob risco de desaparecimento. área chamada de Arco do Desflorestamento. seja por causa da extração predatória da madeira ou para renovar ou abrir pastos e áreas agrícolas. onde a destruição de mata nativa é indiscriminada. ameaçando a maior biodiversidade do planeta. Fonte: Folha de Londrina .Segundo o IBGE. o processo foi acelerado nas últimas quatro décadas e é mais acentuado nas bordas sul e leste da Amazônia Legal.