You are on page 1of 11

PROJETO ALIMENTAÇÃO INTELIGENTE = DESPERDÍCIO ZERO

Ms. Márcia Eliana Migotto Araujoi Ms. Andreia Maria Piovesan Rochaii Rosemar da Silva Wesziii RESUMO O presente artigo é o relato de uma experiência de um Projeto de Extensão com os alunos do Curso em Alimentos5iv e colaboradoresv do IFF_SVSvi na APAEvii da cidade de Jaguari, RS. A aproximação com a APAE viii proporcionou a releitura de alguns conceitos como: preconceito, cidadania, ética e valores. A alimentação está relacionada com a cultura, os valores, os hábitos. O Brasil produz uma variedade de frutas, vegetais, hortaliças e legumes, parte desses perde-se na colheita, no seu transporte e devido à falta de informação no preparo correto dos mesmos. Nossos objetivos foram proporcionar aos alunos da APAE atividades de integração, ensinar novos hábitos alimentares, desenvolver hábitos de higiene pessoal e higiene do ambiente, oportunizar aos alunos do Curso Técnico em Alimentos Turma 5 o contato com pessoas com Necessidades Educacionais Especiais entre outros. A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica e uma pesquisa empírica. PALAVRAS-CHAVE: Alimentos, APAE, Aproveitamento.

1INTRODUÇÃO
Este artigo apresenta o relato de experiência de um Projeto de Extensão desenvolvido pelos alunos do Curso Técnico em Alimentos Turma 5 , do Instituto Federal Farroupilha – Campus São Vicente do Sul, tendo seu inicio na disciplina de Ética e Relações Humanas, onde uma das propostas desta disciplina é desenvolver a sensibilidade para a percepção do outro (alteridade) em diferentes espaços de convivência. Neste contexto, a aproximação com a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) além de sensibilizar para uma realidade diferente, proporcionou a leitura de alguns conceitos como: preconceito, cidadania, ética, valores, fazendo com que o aluno que freqüenta a APAE perceba, participe e descubra por si só a importância incorporar esses conceitos na sua vida e no meio-ambiente.

2 APROVEITAMENTO DE ALIMENTOS
O Projeto Alimentação Inteligente = Desperdício Zero desenvolveu atividades teóricas e práticas com o intuito de reconhecer os alimentos e suas funções no organismo, conhecer os grupos dos alimentos, assim como os cuidados no preparo e na manipulação dos mesmos, observando a higiene pessoal e higiene do ambiente.

3 OBJETIVOS O Projeto de Extensão com o título Alimentação Inteligente = Desperdício zero teve por objetivo geral

Proporcionar aos alunos e participantes um conhecimento onde possam de alguma forma gerar

hábitos de higiene pessoal e higiene do ambiente. Foram apresentadas técnicas de higienização dos utensílios utilizados no preparo dos alimentos. construção de painéis com os alunos do Curso Técnico em Alimentos Turma 5 e da APAE. uma sanitização. estimular a necessidade virtual da preservação do meio ambiente. odores. contos. 4 METODOLOGIA Com o intuito de estimular a utilização correta e total dos alimentos os alunos do projeto juntamente com professores das duas instituições utilizaram pesquisas bibliográficas e posteriormente uma pesquisa empírica onde foram proporcionadas várias atividades: apresentação de teatrox. seguida de enxágüe em água corrente de boa procedência tendo em vista obter um alimento livre de contaminações microbianas. Importante ressaltar que na finalização do Projeto de Extensão também tivemos a participação de um aluno com Deficiência Visual que elaborou uma cópia do livro de receitas em braile. lazer e também oportunizar aos alunos do Curso Técnico em Alimentos Turma 5 o contato com pessoas que apresentam Necessidades Educacionais Especiais e também a elaboração de um livro de receitasix. Também foi proposto junto aos alunos técnicas de higienização pessoal: uso de vestimentas adequadas bem como jaleco. texturas e cores. Foram realizadas diálogos para a conscientização sobre os resíduos que seriam descartados mostrando-lhes que poderiam ser aproveitados para seu próprio consumo. . também disponibilizado em Braille. Nossos objetivos específicos foram proporcionar aos alunos da APAE atividades de integração. a higienização correta dos alimentos. criar hábitos alimentares com diversidade de sabores. incentivar a independência dos alunos da APAE ensinando-os a fazerem pequenos lanches na sua rotina familiar. unhas aparadas etc. estimular a utilização racional e total dos alimentos. além de proporcionar momentos de reflexão. touca e luva. Foram propostos momentos de reflexão onde os alunos expõem suas idéias interagindo com as atividades teóricas e práticas dentro das atividades desenvolvidas aulas práticas com os alunos da APAE que ajudavam na manipulação e na elaboração do seu próprio alimento utilizando o que seria descartado. do local onde é feita a manipulação dos mesmos e higiene correta dos alimentos antes de serem preparados. utilizando-se de uma pré-lavagem.mudanças em seus hábitos alimentares na manipulação e preparação correta dos alimentos para o aproveitamento pleno de suas vitaminas e para evitar desperdício. desenvolver noções de quantidade.

(CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Atualmente temos uma produção excessiva de lixo. vegetais e legumes. pensando nas potencialidades dos mesmos considera-se importante que estes adquiram conhecimentos teóricos e empíricos. A deficiência mental é um comprometimento cognitivo relacionado à capacidade para usar as formas lógicas do pensamento conceitual. (DENTZ. O Brasil produz uma variedade de frutas. pois em geral desconhece-se o valor nutritivo. 2006). o desperdício de alimentos. Além dessa questão tem-se outra. A conscientização e conhecimento são fundamentais para evitar o desperdício de alimentos gerando assim mais economia e alcançando uma alimentação de qualidade para o individuo. reaproveitar. estas características podem ocorrer no período de desenvolvimento até os dezoito anos de idade. A aquisição do conhecimento adquirido através das disciplinas proporcionou-nos novas alternativas para a utilização saudável dos alimentos.5 DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento do projeto Alimentação Inteligente = Desperdício Zero visando a colaboração. consumir. que são aquelas que possuem restrições física. hortaliças. respeitar a natureza e alimentar-se bem cm prazer e dignidade. além de conhecerem sobre os problemas ambientais existentes no Brasil. que limita o desempenho de uma ou mais atividades da vida diária. Desse modo torna-se fundamental a realização de projetos de educação nutricional. no sentido de minimizá-los. além de trabalharmos com conceitos como: reciclar. Significa usar os recursos disponíveis sem desperdício reciclar. mental ou sensorial de natureza permanente ou transitória. incluindo aspectos teóricos e práticos. socialização e convivência entre alunos e professores junto à comunidade dando sua contribuição para minimizar o desperdício cumprindo o dever como aluno. que visem esclarecer a população sobre a importância do aproveitamento integral dos . mas uma boa parte do que se produz perde-se desde a colheita até o consumo. Convém salientar que a educação especial é voltada às pessoas com deficiências. assim como o seu não aproveitamento total. Utilizar os alimentos em sua totalidade significa mais do que economia. também podendo se manifestar na capacidade de resolver os problemas prática de modo racional. 2008) Acreditamos em uma educação que se preocupe com a formação integral do sujeito. além dessas perdas temos outra que ocorre devido á falta de informação no preparo correto dos alimentos. causando problemas e consequentemente prejudicando o meio-ambiente.

(VENTURINE FILHO. hortaliças. As frutas e vegetais por possuírem grande quantidade de água livre ao serem mal transportadas. por exemplo. 30% nas centrais de abastecimento. livre de microorganismos patogênicos causadores de doença e com uma ampla vida de prateleira. o total anual de desperdício é de 37 quilos por habitante. e os últimos 10% ficam diluídos entre supermercados e consumidores.J argumentou: Para aumentar o período durante o qual o alimento permanece adequado para o consumo (vida de prateleira) alcançamos bons resultados por meio de técnicas de preservação que inibam mudanças microbiológicas e bioquímicas. tendo em vista alcançar um alimento próprio para o consumo. p. Em hortaliças. bem como apresentar alternativas de utilização desses alimentos. grãos. avalia o químico industrial e responsável pela pesquisa. ‘‘Num país com tantos famintos como é o Brasil. Porém pesquisas demonstram que o desperdício começa na lavoura. verduras. nas dez maiores capitais do Brasil. 2006. Prejuízo para o produtor. depois no transporte. a higienização pré-processamento assim como os cuidados com a armazenagem. 2004. com efeitos específicos. que pagará mais caro pelas frutas ou ficará sem elas. permitindo o tempo necessário par distribuição venda e armazenagem caseira. muitas vezes pela falta de conhecimento de como aproveitar esses alimentos que são descartados na natureza. 19) Nossa terra é rica em variedades de frutas. tubérculos etc. 10% ocorrem durante a colheita. provocados também.alimentos para melhoria do estado nutricional. o cidadão consome 35 quilos de alimentos ao ano — dois a menos do que o total que joga no lixo. (BRASIL. 50% no manuseio e transporte dos alimentos. . esse desperdício é inadmissível’’. muitas vezes. Alguns dados afirmam que o desperdício de alimentos no Brasil daria para alimentar 53 milhões de pessoas. que vão desde o cuidado na colheita. P. Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que. Estudo realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no Centro de Agroindústria de Alimentos mostra que o brasileiro joga fora mais do que aquilo que come. p. estragarão e serão jogadas no lixo. na conservação e na comercialização desses alimentos. Antônio Gomes. Do total de desperdício no país. vendedor e consumidor. 2005) É sabido que todo o processamento de alimentos envolve vários procedimentos. (FELLOWS.8) De um modo geral os alimentos são perecíveis e deterioram com facilidade independente de ter origem animal ou vegetal. Fellows.

sementes. A fome é um problema mundial só com ações sociais. talos. folhas. e em algumas regiões mais pobres do Brasil as pessoas passando fome pela falta de informação. De acordo com o Instituto Brasileiro Geografia e Estatística de (IBGE). A forma mais comum do desperdício caseiro é falta do conhecimento em reaproveitar e utilizar todo o alimento confeccionando pratos atrativo visualmente. sementes. talos. Destaca ainda que o lixo domiciliar é composto por comida (cascas. Além . na preparação de alimentos nutritivos ricos em vitaminas. entre 30% e 40% dos alimentos comprados pelas famílias brasileiras vão parar no lixo.. bagaços. projetos que visem o objetivo da sustentabilidade e a união de entidades participativas farão a diferença.) sendo que a cada ano 26. professores e os alunos do Curso Técnico em Alimentos oportunizaram aos alunos da APAE de Jaguari aulas práticas utilizando as cascas. nutritivos e muito saborosos com o que seria jogado no lixo. (MESA BRASIL SESC 2008) Sem dúvida devemos pensar a questão da saúde e nutrição que deve ser associada a outras iniciativas na solução do problema da desnutrição e da má alimentação..3 milhões de toneladas de restos de alimento são desperdiçados. No decorrer do projeto.O que se desperdiça Frutas e Frutos Banana 40% Morango 40% Melancia 30% Abacate 26% Manga 25% Laranja 22% Mamão 21% Abacaxi 20% Hortaliças Couve-flor 50% Alface 45% Repolho 35% Fonte: Centro de Agroindústria de Alimentos da Embrapa É fato que enquanto houver o desconhecimento da população em relação ao aproveitamento de alimentos haverá indivíduos desperdiçando alimentos. bagaços e folhas.

Tendo dúvidas com relação aos aditivos químicos. panquecas. sopas e bolinhos. A primeira destacando o valor nutritivo das cascas. Utilizada em recheios de tortas. Pode-se utilizá-la cozida ou ate frita como aperitivo. pois foi feito com o que seria descartado no lixo. a casca serve para fazer receitas de bolinhos. o seu baixo custo. Os legumes usados em sopas. contem vitamina C. com exceção para os que têm a casca muito grossa como mandioca. Os resultados das receitas preparadas pelos alunos foram de ótima aceitação. esfihas. purês. Folhas e talos de couve flor Sua folha possui vitamina C. e Cozinhe os legumes com as casca outras receitas devem ser lavados em água corrente. que auxilia na absorção de ferro e auxilia na imunidade. Tabela: dicas para manutenção e conservação Para preparar suco o primeiro deve-se Frutas limpas e sem agrotóxicos lavar em água corrente a fruta. Valor Nutritivo das Cascas. Casca de maracujá Casca de Batata A casca é rica em fibras que auxiliam no controle do colesterol elevado. lave as frutas ainda com um pano de prato limpo. talos e folhas. Pensamos neste momento ser importante apresentar duas tabelas construídas pelos alunos para ressaltar os conhecimentos básicos e necessários para desenvolvidos no projeto.do valor nutritivo desse alimento. Rica em minerais e fibras. Talos e Folhas Talos de salsinha aproveitados como temperos. Ainda pode-se cozinhá-los com casca. elevando a resistência a doenças. . e a segunda sobre dicas de manutenção e conservação dos alimentos.

comprometendo suas qualidades físicas e químicas além capacidade nutritiva. ou seja. quando injuriados. Porém estes ingredientes só servem para dar um toque diferente no prato e na devem ser consumidos. em alguns momentos. Para a carne ter um sabor especial. revista a panela com pedaços de cenoura. Depois cubra o peixe com esse molho e cozinhe por um minuto. machucados ou batidos durante o transporte passam por diversas modificações. de um modo geral. têm elevado a demanda de produtos que apresentam diferenciação de características nutricionais importantes para prevenção e controle de doenças. feijão e macarrão. para auxiliar os indivíduos a conhecerem mais sobre uma alimentação saudável e arte ecologicamente correta. As verduras devem se possível ser cozidas no vapor ou cozinhe em pouca Panelas especiais para verduras água e panela sempre fechada. . essas muitas vezes destroem parcial ou totalmente suas características essenciais podendo até destruir parte de seus nutrientes. lentilha. Os alimentos. Mais sabor para os alimentos salsinha e cebola. Atualmente os meios de comunicação de massa também estão sendo utilizados.A água das vitaminas e proteínas dos Reaproveitando a água do cozimento vegetais recém-cozidos pode ser usada para preparar arroz. A melhoria do acesso as informações nutricionais e como a alimentação correta pode fazer bem à saúde.Para manter a cor adicione uma colher de chá de suco de limão ou vinagre. gerando incremento da demanda por produtos orgânicos. Os segredos do peixe ensopado Deve-se preparar uma porção de molho com legumes e um pouco de suco de limão.

e também auxiliar na diminuição do lixo que é produzido. pêssego etc. Os alimentos constituem matéria prima sem vida. proporcionando uma melhor utilização dos alimentos e consequentemente um acréscimo na qualidade de vida e também respeito ao meio ambiente. podemos aceitar as alterações nos alimentos. Dentre os principais alimentos que sofrem alterações são. tomate. quando poderiam ser utilizados em diversas receitas. pelo esclarecimento dos alunos e da comunidade sobre a utilização dos alimentos. quanto professores e funcionários das Instituições envolvidas no Projeto. O conhecimento da maneira correta do aproveitamento dos alimentos deve ser incorporada aos hábitos alimentares da comunidade em geral. logicamente. carne bovina. sem capacidade de reação própria e essa condição. que da abóbora normalmente é utilizada apenas a polpa.De um modo geral. Sabemos. . legumes e hortaliças. ou não aproveita totalmente o que é oferecido pela natureza. como matéria.prima em forma de preparação ou de produto alimentício) estão sujeitos a processos de alterações. Como vimos neste grupo estão os alimentos de maior consumo diário. frutos do mar. Também foi muito importante e produtiva a interação Instituição de Ensino/Comunidade onde foi possível a concretização de alguns saberes na prática. Atualmente o mercado de alimentos ainda não conta com uma divulgação eficiente de como utilizar de modo geral os vegetais. leite. principalmente com a saúde do consumidor que deixa de aproveitar. aspargo fresco. sendo que a casca. milho verde. incluímos aqui a melhoria dos hábitos alimentares tanto por parte dos alunos. e as sementes geralmente são desprezadas indo para o lixo. qualquer que seja sua origem e estado (inerte. o torna vulnerável as alterações. peixe. além de que uma alimentação alternativa pode servir de auxílio para a economia dos individuos. devido ao seu valor. por exemplo. 6 CONCLUSÃO Concluímos que o desperdício dos alimentos pode ser prevenido através da educação. seu desperdício causa preocupações.

Gustavo de La Pace da Silveira. F. vi i Instituto Federal de Educação. Franciane Vieira Muller – Higiene. viii Foto na APAE com alunos. Tecnologia. Grupo de Trabalho 06. Nº 20. Carmem Lamana. Campus São Vicente do Sul/RS. VENTURINI.Edição. Ms. Sociedade e Ambiente. Rosana Martins. ii Ms. APAE: Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais. Campus São Vicente do Sul/RS. EMBRAPA. Sociedade e Ambiente. P.Ciência. Legislação e Mercado. Cozinha Brasil Serviço da Indústria Conselho Nacional – São Paulo. Marcelo Marcos Muller. DENTZ. março de 2006.Ciência. Bruna Marques. Bruna Manganéli. Priscila da Conceição.Os direitos dessa edição estão reservados ao Serviço Social da Indústria Departamento Regional de São Paulo – Julho 2004. PPCC.Coordenador do Curso de Alimentos. Neiva Maria Frizon Auler. Leandro Wesz Parise – Letras e Marcio ( Deficiente Visual)-aluno do Curso de Informática. Panificação como alternativa de inclusão para portadores de necessidades especiais. Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFET). Docente pelo Instituto Federal de Educação. v Colaboradores: Professores: Marcia Eliana Migotto Araujo.REFERÊNCIAS BRASIL. Lívia Cogo Maia.Filosofia. Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFET). iv Alunos IFF-SVS do Curso Técnico em Alimentos: Rosemar Wesz-. Grupo de Trabalho 06. Docente pelo Instituto Federal de Educação. Revista Cadernos Temáticos. São Paulo Edgard Blusher 2005. Paulo Ricardo.net/2003/09/06/comida. Tecnologia. vii .Biologia. Aluna do Curso de Técnico em Alimentos do Instituto Federal de Educação.Ciência. Ciência e Tecnologia Farroupilha (IFET).consciencia. Ciência e Tecnologia Farroupilha . Marcio Fernandes Cortes.Campus São Vicente do Sul. iii Rose. 2006. Tecnologia de Bebidas: Matéria Prima Processamento BPF. et all. Vera Lucia Fernandes. Jaíne Salbego Marquez.html acesso em 13 de maio de 2010 FELLOWS. Sociedade e Ambiente. Grupo de Trabalho 06. Campus São Vicente do Sul/RS. professores e funcionários que participaram do projeto. Tecnologia. em Educação. http://www. Tecnologia do Processamento de Alimentos: Princípios e Praticas Porto Alegre: Artmed. Marizane Lied Simon.

ix Capa do Livro de receitas x Foto da apresentação do teatro na APAE .