You are on page 1of 3

Quais as transformações de energia presentes nas pilhas e baterias?

As pilhas que utilizamos hoje têm o mesmo princípio de funcionamento da pilha construída por Volta. A parte mais externa (capa) da pilha consiste de zinco, e é freqüentemente recoberta com papelão ou plástico para evitar vazamento. No interior da pilha, em vez de outro metal como Volta utilizava, há um bastão de carbono (grafite). O recipiente é cheio de uma pasta úmida, constituída por alguns sais e óxido de manganês (no lugar da solução de ácido diluído). A placa de zinco e o óxido de manganês presente na pasta úmida interagem, na presença dos sais e do carbono, gerando corrente elétrica. À medida em que a pilha vai sendo utilizada, as quantidades das substâncias que reagem vão diminuindo, a produção de energia elétrica vai ficando menor, ocorrendo, então o desgaste da pilha. À medida em que a pilha vai sendo utilizada, as quantidades das substâncias que reagem vão diminuindo, a produção de energia elétrica vai ficando menor, ocorrendo, então o desgaste da pilha. As baterias são sistemas compostos por associação de pilhas, fornecendo, portanto, mais energia. Uma bateria que talvez você conheça bem é a de automóveis. Embora hoje em dia existam vários tipos, a mais comum é a de "ácido-chumbo", formada por seis pilhas elétricas, gerando no total, 12 V (2 V por pilha). Durante o funcionamento da bateria acumulam-se depósitos de um composto chamado sulfato de chumbo, formando uma película entre as placas. A produção de energia elétrica decresce (a bateria descarrega) e a solução de ácido sulfúrico fica mais diluída. Existe um aparelho chamado "densímetro" que indica quando a bateria está descarregada, através da medida da densidade da solução de ácido sulfúrico. A bateria de ácido-chumbo pode ser recarregada passando por ela uma corrente elétrica contínua em direção oposta a da corrente que a bateria fornece. Isso força o processo inverso, ou seja, a decomposição do sulfato de chumbo depositado nas placas. Após o carregamento, a bateria volta a produzir corrente. Problemas ambientais relacionados ao descarte de pilhas e baterias As pilhas são compostas por metais pesados, tais como mercúrio, chumbo, cobre, níquel, zinco, cádmio e lítio. Esses metais são perigosos para o ambiente e a saúde humana. Depois de descartadas, as pilhas vão se decompondo, podendo seus componentes infiltrar-se no solo e atingir os lençóis de água subterrânea, entrando assim, no ecossistema dos rios e dos mares, sendo incorporados na cadeia alimentar, aumentando a sua concentração nos seres vivos. Outra forma de contaminação é a inalação ou o simples contato com as substâncias tóxicas. Como exemplos, são citados o chumbo, que causa disfunção renal e anemia; o mercúrio, que gera estomatites e problemas renais, além de lesões cerebrais e neurológicas; o zinco, que provoca doenças pulmonares; e o manganês, que afeta o sistema imunológico. No Brasil, não há nenhum método desenvolvido para a reciclagem das pilhas, somente sistemas de coletas e armazenamento em blocos de concreto fechados.

professor de anatomia da Universidade de Bolonha.portalsaofrancisco. Pela primeira vez. Foi Alessandro Volta (1745-1827) quem inventou a bateria elétrica. Itália. ao estudar os experimentos de Volta. dê uma olhada neste site! Fonte(s): http://www. Galvani pendurou uma rã pelas pernas utilizando ganchos de cobre. presos a um suporte de ferro. sugeriu que a eletricidade poderia resultar de uma transformação química. Ele atribuiu as contrações a uma corrente elétrica produzida pela própria rã. Por exemplo. Sua idéia era a de que a corrente elétrica poderia estar sendo produzida pelo contato entre os líquidos biológicos da rã e dois metais diferentes. estão ocorrendo transformações químicas que produzem energia elétrica. elas se contraíam.com. quando tocavam o suporte de ferro. Com uma pilha de 60 discos. Foi Hamphry Davy (1778-1829) que. a pilha seca foi desenvolvida. Numa de suas experiências.br/alf« . seu aproveitamento e o conhecimento de sua natureza só começou a surgir a partir do fim do século XVIII. Durante o século XIX. porém. muitos aprimoramentos na pilha de Volta foram feitos. baseado em estudos feitos por Luigi Galvani (1737-1798).Fonte(s): http://www. as pernas da rã balançavam e Galvani notou que.com. se constatava a produção espontânea de eletricidade (sem fricção). Embora o homem conhecesse a eletricidade desde a Grécia antiga. em quantidade muito inferior à produzida nas usinas de geração de eletricidade. não associou a produção de corrente elétrica com a ocorrência de transformação química. Para saber mais. Assim começou a investigar essa possibilidade. Nessa época. A produção comercial de baterias e pilhas se iniciou no século seguinte. Volta. a eletricidade era produzida por fricção (eletricidade estática). uma pessoa poderia sentir um choque elétrico quando tocava as duas extremidades da pilha. O dispositivo criado por Volta consistia em um pilha de discos de zinco intercalados com discos de prata e separados por papel umedecido com solução de ácido. Devido à brisa.colegiosaofrancisco.br/al« Quais as transformações de energia presentes nas pilhas e baterias? Você já pensou em como uma pilha produz energia suficiente para acender uma lanterna ou fazer funcionar um rádio? E por que uma pilha "acaba" (deixa de funcionar)? Nas pilhas e baterias. tal como chamamos hoje. Volta tinha dúvidas quanto a essa explicação. não se conhecia ainda a corrente elétrica.

2e. A pilha pode conter um parede permeável ou uma ponte salina ( com cloreto de potássio. à semelhança do que ocorre com os íons de cobre. As barras de zinco e de cobre são denominadas eletrodos e fornecem a superfície na qual ocorrem as reações de oxidação e de redução. O zinco é imerso numa solução de sulfato de cobre. os íons de zinco migram afastandose do ânodo de zinco. que separemos fisicamente a barra de zinco de uma solução de sulfato de cobre . em cuja superfície serão recebidos pelos íons **+2. (lembra-se da fila de reatividade !!!) E esses íons serão reduzidos e os átomos de cobre se depositaram na superfície do eletrodo de cobre (eletrodeposição).(reação anódica) O eletrodo de cobre é o cátodo. em direção do eletrodo de cobre. haverá um escoamento de elétrons através desse circuito.+ **+2 **(s) (reação catódica) ânodo = local onde ocorre oxidação cátodo = local onde ocorre redução À medida que se vai realizando a reação da célula.migram em direção ao ânodo e os íons K+ migram em direção ao cátodo ) que fazem o contato entre as duas células.+ ** 2++ ** (s) Célula: Zn(s) + ** 2+Zn 2+ + **(s) Essa descrição corresponde a pilha de Daniel . O ânodo é um eletrodo no qual ocorre a oxidação. Este dispositivo forma uma pilha. por exemplo. Nesta célula o eletrodo de zinco é denominado ânodo. os íons Cl. Zn(s) Zn+2 + 2e. do eletrodo de zinco para o de cobre.De onde vem os eletrons recebidos pelos ions de cobre na pilha de Daniell? Suponhamos. assim como uma barra de cobre. As reações de eletrodo e a reação da célula são : Ânodo : Zn (s) Zn 2+ + 2 eCátodo : 2 e. por meio de um circuito externo. Se os eletrodos de zinco e cobre forem ligados entre si. um eletrodo no qual se realiza a redução. As duas barras encontram-se interligadas eletricamente mediante um fio.