You are on page 1of 26

Disciplina 2

Universidade Estácio de Sá

Ética e Comportamento
Profissional

Programa Rio + Hospitaleiro


Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

Conteúdo:

1. Introdução: Ética e Comportamento.

2. Hospitalidade e ética profissional.


2.1. Hospitalidade.
2.2. Ética profissional.

3. Qualidade no atendimento.
3.1. Apresentação física.
3.2. Postura profissional e abordagem pessoal.
3.3. Prestação de informações.

4. Desempenho eficiente.

5. Responsabilidade civil e criminal em relação ao meio ambiente.


5.1. Ética e cultura.
5.2. Ética e meio ambiente.

6. Combate à exploração sexual infanto-juvenil no Turismo.

7. Bibliografia.

8. Slides da disciplina.

51
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

1. Introdução: Ética e comportamento

Por que agimos assim? O que nos faz estar aqui e agora?
Essas são questões relevantes? Ou elas não fazem sentido algum? A noção
de que há razões para se agir assim ou de outro modo, de que podemos apresentar
motivos que nos levaram a tomar alguma decisão, não é necessária pois, a princípio,
podemos viver sem nos preocuparmos com isso, fazendo por fazer, por indiferença
ou para cumprir ordens. O ser humano é capaz de viver assim.
O que significa isso? É agir e trabalhar sem ser a causa da sua ação,
como uma máquina. Nos perguntamos: queremos ser máquinas? Agir de modo
irresponsável e inconsequente?
As respostas a essas perguntas também não são imediatas. Pode haver
quem prefira ser máquina, mas aí vem o problema: por que alguém prefere algo?
Mesmo para preferirmos isso, fizemos uma opção, algo nos levou a isso. Pense
bem: mesmo se optarmos por não tomarmos decisão, estaremos tomando uma
decisão.
Aonde isso nos levará? Seria apenas uma decisão de tomar decisão de
tomar decisão? Não, o problema do porquê das ações, ao final, nos levará a
nós mesmos. Decidimos algo porque isso parece que vai nos levar a ser feliz.
O conjunto de nossas decisões manifesta a maneira como reagimos a certos
problemas e constitui o que chamamos de comportamento.
Dizíamos, então, que não há razões para fazermos o que fazemos. Isso não
é, de fato, necessário, mas, à medida que escolhemos algo porque isso nos parece
ser bom para nós, aquilo que não é necessário se entrelaça com a nossa felicidade.
A felicidade não é necessária: há muita gente que vive sem ela, que sobrevive,
mas a pergunta é: alguém consegue viver sem buscar aquilo que considera como
melhor para si mesmo?
Se buscamos a felicidade, temos um projeto de vida. Ter projeto é ver
no futuro o que não temos. E aí tentamos fazer hoje algo para conseguirmos
o que queremos. Talvez isso signifique – e em boa parte das vezes ocorre
– que teremos de abrir mão de um prazer mais imediato em nome do nosso
projeto, como um gordinho deixa de comer um brigadeiro para ficar em paz
com a balança. O que ele está fazendo? Calculando: abro mão de algo aqui
para ganhar algo mais ali, algo que representa para mim uma felicidade
maior.
Assim, não pensamos só no presente, também no futuro e em como o
presente é a semente do futuro, é a causa do que virá. Com isso, voltamos a

52
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

refletir em por que estamos aqui agora e vemos que estamos aqui por causa de
uma decisão do passado que projetava no futuro a nossa presença.
Enfim, se a resposta à nossa primeira pergunta – por que você faz o que faz?
– era porque eu busco o que é melhor para mim, então, mesmo que a questão não
seja necessária, ela é da maior importância, dela depende a felicidade. E assim,
ao entendermos que faz sentido perguntar por que estamos aqui, nós entramos
no âmbito da ética e passamos a refletir sobre nosso comportamento e postura
profissional e cidadã.
A ética é a preocupação com o porquê das ações. É a investigação dos
motivos que temos para tomar nossas decisões: se esses são bons motivos, que
podem de fato nos levar à felicidade, ou se são maus, que vão acabar em um
grande transtorno para nós mesmos.

2. Ética profissional e Hospitalidade.

2.1. Hospitalidade

Em 2008, a cidade do Rio de Janeiro foi eleita o melhor destino turístico


da América Latina, informação repassada por vários veículos de comunicação.
Na cerimônia do South America Awards, uma espécie de “Oscar do Turismo”,
os destaques ficaram com a Praia de Ipanema, com o Cristo Redentor e com a
percepção de que o carioca é um povo hospitaleiro.
Essa visão do brasileiro, em particular do carioca, só faz aumentar o potencial
de atratividade de nossa cidade, o que contribui para o aumento do fluxo turístico.
Por outro lado, o fato aponta a grande complexidade dessa indústria, por depender
de fatores totalmente incontrolados, como a simpatia e receptividade do morador
de nossa cidade. Nesse aspecto, o profissional que atua nesse ramo, como o
motorista de táxi, o recepcionista, o garçom, etc., que é diretamente beneficiado
pelo fenômeno do deslocamento, tem o desafio de contribuir para a manutenção
dessa característica. De fato, a percepção do turista é diretamente influenciada
pelo contato com esses profissionais. Pequenos gestos e atitudes podem ter um
amplo significado.

53
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

2.2. Ética Profissional

Vimos, na introdução desse material didático, que a questão ética sempre


nos impõe uma decisão ou escolha. Mesmo quando não fazemos nada e ficamos
de braços cruzados, isso pode significar uma escolha e, como toda escolha,
pode trazer consequências positivas ou negativas para a nossa vida futura.
Agora, é só imaginar que estamos dentro de uma empresa, executando nosso
trabalho. Será que as decisões que tomamos fora se refletem dentro dela? Ou
será que o mesmo indivíduo pode ser totalmente diferente no trabalho e fora
dele?
Foi pensando nas questões acima, que se produziram, nos últimos anos,
no Brasil e no mundo, códigos de ética profissional com a intenção de orientar
as ações dos profissionais que integram o setor de turismo. Esses documentos
são públicos e podem ser encontrados em vários sites na internet, dentre eles na
página da própria ABBTUR Nacional.
O Código Global de Ética para o Turismo foi elaborado pela World Tourism
Organization (WTO) e sua adoção ocorreu a partir de outubro de 1999, quando da
realização da assembléia anual dessa organização, no Chile. O código se organiza
em torno dos seguintes temas:
1. O turismo aporta uma contribuição para o entendimento e o respeito mútuo
entre povos e sociedades;
2. É um instrumento para a satisfação pessoal e coletiva;
3. É fator de desenvolvimento sustentável;
4. Utiliza-se do patrimônio cultural da humanidade, contribuindo para o seu
aprimoramento;
5. Gera benefícios para as comunidades e países receptores de visitantes;
6. Implica obrigações para todos os atores que interagem no setor;
7. É direito de todos;
8. Significa liberdade de movimentos;
9. É direito fundamental de trabalhadores e empreendedores;
10. Todos, agentes públicos e privados, devem se comprometer a implementar
o Código Global de Ética para o Turismo.

No Brasil, no mesmo ano de 1999, o Conselho Nacional da ABBTUR
(Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo) procurou delinear alguns
princípios gerais que deveriam nortear a ação do Turismólogo no Brasil, na sua
relação com seus pares, com o mercado, com o meio ambiente e com o cliente e

54
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

redigiu o Código de Ética do Bacharel em Turismo. A seguir, destacamos alguns


princípios do código brasileiro que podem auxiliar o profissional da área em vários
aspectos.

Capítulo I: Da compreensão do fenômeno


Artigo 1º - o Bacharel em Turismo tem um amplo espectro de atuação profissional.
Sua formação acadêmica multidisciplinar possibilita-lhe ter uma visão adequada
do fenômeno contemporâneo caracterizado pelo conjunto de fatos e relações
produzidas pelo deslocamento de indivíduos motivados por razões diversas,
excetuando-se as de cunho econômico permanente.

Capítulo II: Dos princípios fundamentais


Artigo 2º - O direito ao deslocamento dos indivíduos (ir e vir) sem discriminações,
respeito às relações sociais, à cidadania e à paz social devem ser os fatos geradores
da atividade profissional do Bacharel em Turismo.
Artigo 3º - A atuação profissional do Bacharel em Turismo deve ser pautada pela
verdade, dignidade, independência e probidade.
Artigo 6º - Cabe ao profissional denunciar às autoridades e às instâncias dos
órgãos da categoria quaisquer atos e práticas que coloquem em risco a integridade
do turista, adotando-se o mesmo procedimento no caso de produtos ou serviços
turísticos comercializados através de propaganda enganosa.
Artigo 7º - Cabe também denunciar atos ou práticas que depredem ou comprometam
os bens naturais e / ou culturais das comunidades receptoras.

3. Qualidade no atendimento

Com a implementação e divulgação dos códigos, o que se espera do


profissional da área é o total comprometimento com os valores e conceitos contidos
em cada artigo. Quando isso ocorrer teremos encontrado uma base de comparação
para avaliarmos a “qualidade no atendimento” ao turista, em nossa cidade. Com
o termo “qualidade” deparamo-nos com mais um conceito abstrato e de difícil
percepção. Mais uma vez, é fácil entender o que significa um carro ou televisor de
qualidade, ao passo que é difícil mensurar isso nos serviços turísticos.
Em diversas áreas, a qualidade é aferida por especialistas que conferem selos
a determinados produtos e serviços. A empresa que o recebe pode transformar
esse prêmio simbólico, que, na maioria das vezes, envolveu custos, em ótimas

55
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

oportunidades de negócios futuros. O selo confere qualidade a uma marca que,


por sua vez, ganha espaço na mídia e passa a ser identificada positivamente,
por clientes e fornecedores. O alcance de padrão de qualidade pode nascer de
exigências governamentais ou sociais. A União Européia foi pioneira ao condicionar
a liberação de vendas de produtos em seu território à obtenção de Selos e padrões
de Qualidade pré-estabelecidos. Desde então, a busca pela qualidade passou a
ser um tema de crescente relevância dentro das empresas.
No setor de Turismo há vários parâmetros para avaliarmos se um hotel tem
três ou cinco estrelas ou se um restaurante foi citado por esse ou aquele guia
gastronômico. A maior dificuldade encontrada nesse setor, porém, refere-se à
ausência de mão de obra qualificada. Por envolver diferentes atores: motoristas,
auxiliares de limpeza, garçons, etc., o setor sofre com, muitas das vezes, com a
ausência de profissionalismo. Será que saber dirigir faz de você um motorista de
taxi? Será que saber segurar uma bandeja faz de você um garçom? Como todas
essas profissões podem contribuir muito para o desenvolvimento do turismo no
Brasil, o grande desafio é a qualificação maciça de desses agentes que, como já
dizemos, são os responsáveis pelo contato direto com o turista.
Apresentamos na seqüência, alguns dos elementos que contribuem para
essa qualificação do profissional de turismo:

3.1. Apresentação física.

A imagem do profissional é a primeira impressão na prestação dos serviços,


sendo quesito fundamental para a qualidade. São elementos relevantes na
apresentação física profissional:
1. Asseio: normas de higiene pessoal, como manter as unhas aparadas e os
dentes escovados não são apenas prioritárias, como constituintes de um escopo
mais amplo de manutenção da saúde. Profissionais que lidam diretamente com
alimentos devem usar luvas, manter as mãos sempre limpas e os cabelos presos,
de preferência com toucas. O uniforme ou roupa profissional deve estar sempre
limpo e bem passado.
2. Ordenamento: além da higiene, o profissional deve tornar a sua aparência uma
evidência do seu modo de trabalho: manter os cabelos penteados, a roupa alinhada,
nem apertada, nem frouxa, sem ornamentos chamativos ou demonstrações de
irreverência. Um profissional precisa chamar a atenção pela sua prestatividade,
não por seu exotismo.

56
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

3. Vestuário: as vestimentas mais adequadas ao exercício profissional são de estilo


formal e social, discretas, em tons neutros. As mulheres, principalmente, devem
optar por roupas compridas, que não sejam aderentes ao corpo, nem decotadas.

3.2. Postura profissional e abordagem pessoal

Um profissional em Turismo deve sempre manter o foco na prestação de


serviços ao cliente. São elementos relevantes na conduta de um profissional
qualificados:
1. Cordialidade: mantenha sempre um sorriso no rosto e nunca se esqueça de
cumprimentar, agradecer e se despedir.
2. Atenção: esteja sempre disponível para realizar tarefas, mesmo que elas
não sejam propriamente da sua área de atuação. Lembre-se que o seu tempo é
dedicado ao cliente.
3. Correção na linguagem: evite coloquialismos, gírias e linguagem pessoal
demais ao tratar o turista.
4. Aprendizado constante: a cada dia, novas informações estão ao seu dispor,
capazes de qualificar a sua atuação profissional, não as desperdice.

3.3. Prestação de informações.

Os profissionais de Turismo são a fonte mais importante de informações ao


turista, dependendo deles o êxito ou o fracasso do projeto do cliente. O atendimento
deve ser bem feito, amável, simpático, sem intimidade, claro e eficiente. Procure
responder sempre exatamente o que o cliente quer saber, complementando sua
informação com adicionais necessárias, como condições, acesso, horário, regras
de conduta, etc.
Expressões como “não sei”, “não posso” devem ser eliminadas do cotidiano,
sendo substituídas por “vou verificar”, “um momento, por favor”.
Atendimento telefônico: os responsáveis devem ser capazes de transmitir
o maior número possível de informações, como localização de pontos e serviços
turísticos, horário de funcionamento, serviços de emergência, órgãos internacionais
e diplomáticos, etc.
Atendimento turístico: todo turista pretende ter uma experiência prazerosa
singular e inesquecível. O profissional pode contribuir em muito para isso, ao

57
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

prestar não um serviço automático e mecânico, mas humanizado e personalizado,


sem nunca deixar de lado o seu profissionalismo.

4. Desempenho eficiente.

Toda empresa vende ou comercializa um produto ou um serviço. Quem


contrata esse serviço ou compra esse produto, o faz com determinada expectativa.
Na maioria das transações entre empresas e clientes vemos surgir divergências
relativas à mensurabilidade dessas expectativas: de um lado, o cliente quer o
máximo de satisfação pagando pouco, do outro, o empresário quer o máximo de
lucro. A relação só encontra bom termo quando se encontra algum equilíbrio entre
a expectativa e sua realização.
Ao perceber que as pessoas agregam valores éticos e culturais às
organizações e que, ao contrário, também difundem na sociedade os aprendidos
no mundo do trabalho, algumas empresas e entidades de classes começaram
a procurar organizar melhor os valores e conteúdos éticos de uma determinada
profissão, com várias finalidades.
Em uma sociedade de comunicação, onde a televisão, a internet e os jornais
são capazes de fazer a informação circular com grande velocidade, a atenção
com certos padrões de comportamento profissional passou a ser considerada
como uma estratégia capaz de representar um diferencial em relação à qualidade
e à responsabilidade. Esse cenário só é uma realidade, no entanto, dentro de um
mercado em que haja competição. Aí, a confiança em uma marca, nos valores que
seus produtos e profissionais representam, pode servir como meio de fidelização e
de conquista de novos clientes.
Será que voltaríamos a um hotel em que não nos sentimos seguros? Será
que pagaríamos um pouco mais ao saber que um produto agride menos ao meio
ambiente que o seu similar? Será que a qualidade pode representar um diferencial
para marcas e profissionais? Em relação ao Brasil, algumas pesquisas mostraram
que a maioria dos consumidores está de olho nesses “diferenciais” embutidos nos
serviços e produtos e que 68% dos entrevistados estavam dispostos a pagar um
pouco mais por eles.
No setor de turismo, é muito comum se dizer que o produto ou serviço
comercializado é o próprio sonho de felicidade. Exageros à parte, esta indústria
relaciona-se com clientes cujas expectativas são sempre altas, em um terreno em
que a objetividade cede lugar, facilmente, à fantasia.

58
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

Espera-se destes profissionais a real compreensão de suas funções e de


seus produtos. As promessas vãs, os discursos que exageram a atratividade de
um destino turístico e a omissão de problemas facilmente detectáveis pelos turistas
podem simplesmente minar a relação com o cliente, por vários motivos. O primeiro
deles é que, ao contribuir para aumentar desproporcionalmente as expectativas
do turista, o turismólogo está colocando em risco a viabilidade do destino, pois,
uma vez frustrado, o cliente não terá olhos para a real beleza e atratividade do
destino. Em segundo lugar, uma vez gerada a frustração, não será fácil produzir
uma compensação. Se compramos uma TV com problemas, a troca do aparelho,
pelo fabricante, restitui a confiança ao consumidor, mas o mesmo não ocorre com
o turista. A viagem longamente planejada pode não ocorrer novamente. As férias
são curtas e o dinheiro, às vezes, contado.
Uma boa prática, portanto, é não confundir hospitalidade com promessas
exageradas de felicidade. Nesse caso, basta lembrar que devemos sempre
resguardar a coerência entre o discurso e a prática, isto é, assumir responsabilidades
geradas a partir daquilo que falamos ou prometemos.

5. Responsabilidade civil e criminal em relação ao meio ambiente.

5.1. Ética e cultura

Os valores éticos têm origem nos costumes e por isso podem variar de
país para país, de cultura para cultura. O costume opera através da repetição e
perpetua-se pela transmissão de pai para filho. Quando se torna hábito, alguns
valores se impõem como se fossem os únicos possíveis, isto é, como uma
espécie de modelo ou padrão para o certo e para o errado, não só na existência
moral, mas em vários âmbitos da vida prática, como, por exemplo, na culinária
e no modo de nos vestirmos. Ao pertencermos a um grupo, com determinados
costumes, temos dificuldades de compreendermos opções e costumes que
se diferenciam dos nossos. Como convencer a um brasileiro que a carne de
cachorro pode ser uma iguaria, ou que há povos que evitam a carne bovina?
A dificuldade de aceitarmos os costumes alheios mostra como são fortes os
costumes que herdamos e como eles guiam nossas ações, mesmo quando não
nos damos conta disso.
Quando nos deparamos com avaliações e entendimentos diferentes sobre
um mesmo problema moral, devemos agir automaticamente guiados por nossos

59
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

costumes ou suspeitar que o problema pode ser encarado de modo diferente, por
causa do relativismo ético-cultural?
Nos dias de hoje, quando o fluxo de pessoas ao redor do mundo é cada
vez mais intenso, e quando o nosso próprio país é visitado por grupos culturais
diversificados, devemos ter em mente que, apesar de nossa dificuldade de
entender e aceitar costumes diferentes, também os nossos se mostram diferentes
para o estrangeiro. Como não é simples nem imediato a mudança de valores,
devemos respeitar diferenças, ou aproveitar para compará-los aos nossos
próprios costumes. Quando fazemos isso, percebemos que há muitos modos de
organização moral e social ao redor do planeta e que todo e qualquer julgamento
e condenação da cultura alheia é parcial e, portanto, dispensável, na maioria dos
casos.
Além de variar de cultura para cultura, os valores éticos sofrem alteração
ao longo do tempo. Isso acontece toda vez que o sistema de transmissão de
hábitos e costumes falhar. Sua falha, no entanto, nunca é total. Para nossa
sorte, a maioria foi capaz de assimilar boa parte dos valores éticos e morais de
nosso país, e somente por isso é que a vida em comunidade, apesar de todos os
problemas, continua possível e preferível. A assimilação de valores, portanto, é
similar ao aprendizado da língua materna. Assim como falar Português é natural
para nós, brasileiros, é fácil distinguir o certo do errado relativo a essa mesma
sociedade.
A variação ou relativização dos valores éticos não é, necessariamente, ruim,
mas a sensação que se tem dentro de um panorama de valores variados é de perda
da segurança. A ausência de certezas, por sua vez, não significa, na maioria dos
casos, que a moral deixou de existir, mas, ao contrário, que ela deixou de ser como
era. Há várias gerações a sociedade vem encontrando meios de se organizar, por
que seria diferente agora?
O Código de Ética do Bacharel em Turismo diz o seguinte:

Capítulo V: Do relacionamento com o cliente


Artigo 11º - Nas relações profissionais que mantiver com seu cliente, o Bacharel
em Turismo deve:
§ 1º. observar a legislação vigente, especialmente no que tange aos direitos do
consumidor;
§ 2º. atender o cliente de acordo com o real interesse e exigência deste, de forma
técnica apropriada e exeqüível, orientando sua escolha e salientando as respectivas
características do serviço prestado.

60
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

Como não podia deixar de ser, a “qualidade no atendimento” implica


diretamente valores éticos e respeito às diversidades. O tratamento profissional não
discrimina grupos raciais ou religiosos, nem ridiculariza opções sexuais ou hábitos e
costumes incomuns. Os maiores deslocamentos percebidos na atualidade envolve
o turismo de negócio e o grupo de terceira idade e o grupo de gays e lésbicas. O
turismo religioso também pode representar grande fonte de receita, mas ele se
concentra em destinos específicos e não chega a ser muito relevante em nossa
cidade. Por tudo isso, a qualidade no atendimento é um desafio e, ao mesmo
tempo, deve ser fruto de uma busca constante por parte de todos os profissionais
da área.

5.2. Ética e Meio ambiente

Vivemos em uma sociedade massificada, na qual a questão da quantidade


supera as da qualidade e da sustentabilidade. Com o contínuo crescimento da
indústria do Turismo, em parte sustentado pelo aumento de renda da população
e com a obtenção de alguns direitos trabalhistas, como aposentadoria e férias
remuneradas, por exemplo, a preocupação com a sustentabilidade de alguns sítios
turísticos ganhou força.
A percepção de que os recursos naturais são esgotáveis e que a ação
humana contribui em alto grau para que isso aconteça abriu a discussão
sobre como equacionar desenvolvimento e preservação. Todos parecem
perceber claramente que patrimônios naturais, históricos e culturais
deixam de ser atrativos quando não são devidamente preservados. Por
outro lado, parece ser consenso que o turismo, quando não planejado,
desencadeia uma série de ações hostis a “paraísos” naturais que, depois
de excessiva visitação, tornaram-se degradados. O dilema é o seguinte:
Como associar exploração comercial com preservação? Como calcular o
impacto gerado pelo setor e a capacidade de renovação e resistência do
destino turístico?
A complexidade do tema torna-se ainda maior quando imaginamos que,
a exemplo de Fernando de Noronha, que controla o número de seus visitantes,
ações de preservação representam, em parte, restrição de lucros. Então, a lógica
de quanto maior o número de clientes maior o lucro precisa dar lugar a lógica
de lucros compatíveis com a preservação. É preciso se convencer de que lucros
menores, mas de médio e longo prazo, são melhores que lucros maiores de curto

61
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

prazo, quando se trata do setor de turismo. Mas como colocar isso em prática? Se
eu assumir a bandeira da sustentabilidade e meu concorrente não o fizer, será que
eu não estou perdendo dinheiro?
Na outra ponta, o problema não é menor: na maioria das vezes os turistas
não são conscientes sobre a importância histórica de um monumento ou de
determinado bioma; nesse caso, de quem é a responsabilidade? Toneladas de lixo
são deixadas nas praias e nas ruas todo ano e ninguém parece disposto a assumir
responsabilidade sobre isso. Como se tratam de várias ações praticadas por muitos
grupos, com interesses diversos, é preciso evitar que temas como preservação e
sustentabilidade fiquem apenas no discurso, isto é, as dificuldades não devem
impedir ações práticas, pois do contrário estaremos desperdiçando os grandes
potenciais (natural e cultural) de nossa cidade e, por outro lado, o associado à
industria do turismo, no que tange à criação de empregos e à distribuição de
renda.
Quando ouvimos falar no rápido esgotamento dos recursos naturais e,
consequentemente, no risco de colapso de grandes indústrias, como no caso do
setor de petróleo, percebemos o quanto o turismo – se planejado e sustentável –
pode ser importante para nosso país por dois motivos principais: primeiro porque
se trata de uma indústria renovável e, segundo, por gerar uma grande quantidade
de empregos para diferentes níveis de qualificação.
É preciso, no entanto, atentar que nem todos os modelos de turismo praticados
no Brasil são sustentáveis ou capazes de maximizar vantagens. Os grandes resorts,
segundo ARAUJO (2003; 99), ao oferecerem alimentação completa, translado,
lojas de souvenirs, etc., acabam concentrando benefícios, além de causar grandes
impactos sociais e ambientais. Do ponto de vista social, a especulação imobiliária,
o crescimento abrupto de consumo de água, luz e de certas iguarias por parte
desses grandes empreendimentos, podem produzir diminuição da qualidade de vida
da população local. Ainda que a legislação vigente proíba praias particulares, por
exemplo, em muitos casos até mesmo a circulação da população sofreu restrição.
Em relação ao meio ambiente, os impactos também são notáveis. Valendo-
se da fragilidade da infra-estrutura de algumas cidades, grandes empreendimentos
são aprovados pelo poder público sem análise de impacto ambiental e sem
exigências mínimas, no que diz respeito ao tratamento de esgoto e reciclagem
de lixo. A população local percebe tais impactos, mas nem sempre consegue se
organizar para denunciá-los e exigir a reparação.
Enfim, como a preservação ambiental é ação de responsabilidade com as
gerações futuras, nos cabe executá-las e exigir que outros façam o mesmo. Vale

62
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

lembrar ainda que o artigo 225, parágrafo 3º, da Constituição Federal prevê que: “As
condutas e atividades lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas
físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da
obrigação de reparar os danos causados”.
Para o profissional de turismo, no entanto, as preservações ambiental e
cultural é uma questão de manutenção da própria atividade profissional, razão pela
qual ela ocupa tanto espaço no código de ética da categoria. Vejamos:

Capítulo III: Pressupostos do modelo de turismo sustentável


Artigo 9º - Entendendo turismo sustentável como modelo de desenvolvimento da
atividade turística, caracterizando-se pelo aproveitamento racional de recursos
naturais e culturais, o Bacharel em Turismo deverá:
§ 1º. planejar o uso adequado das áreas naturais, no desenvolvimento da atividade
turística;
§ 2º. criar roteiros e produtos adequados à legislação ambiental em vigor;
§ 3º. respeitar a comunidade receptora, contribuindo diretamente para a melhor
absorção social dos benefícios proporcionados pela atividade turística;
§ 4º. No planejamento e organização dos produtos e roteiros, estabelecer, como
premissa básica, o respeito e a defesa da integridade dos bens naturais e culturais
da comunidade receptora.
No caso do Brasil, o eco-turismo vem crescendo nos últimos anos com
um planejamento, na maioria das vezes, adequado e comprometido com causas
ambientais. Através da conscientização de todos os agentes que integram a cadeia
do setor, é possível e economicamente viável, colocar em práticas boa parte das
recomendações que se encontram no código de ética.

6. Combate à exploração sexual infanto-juvenil no Turismo.

Dentre as práticas antiéticas que geram um enorme impacto negativo para


todo o setor de turismo, encontra-se o pornoturismo ou a exploração sexual de
adultos e crianças. O tema é altamente polêmico e só recentemente ganhou maior
atenção por parte das autoridades brasileiras.
Em 1996, em um Congresso Mundial sobre Exploração Sexual Infanto-Juvenil,
realizado em Estocolmo, o Brasil foi incluído entre os países que associavam o
turismo com a exploração sexual. As críticas tinham endereço certo e não era
uma organização criminal ou contraventora e sim uma agência oficial: a Embratur,

63
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

mais especificamente, as campanhas publicitárias veiculadas no exterior de teor


altamente sensual.
Ao associar o turismo com mulheres de biquíni, por exemplo, o estrangeiro
era estimulado a reconhecer o Brasil como destino exótico e tolerante, com práticas
libertinas. Além disso, a articulação dessa imagem sensual com notícias de jornal
que retratam o país em sua impunidade e corrupção policial, faz com que identifique
a nação como local privilegiado para práticas ilícitas.
Segundo ARAUJO (2003; 180), as principais condições sócio-econômico-
políticas que contribuem para esse tipo de turismo são:
1. Fácil acesso ao país ou localidade;
2. Tolerância da polícia ou das autoridades responsáveis pela manutenção
da ordem;
3. Chance reduzida de o turista ter sua reputação maculada (garantia de
certo anonimato e confidencialidade);
4. Preço acessível do “serviço” disponibilizado;
5. Padrão aceitável de higiene e saúde (baixo risco de contrair doenças).

O turismo sexual não é uma ocorrência casual. Ele requer toda uma rede que
não é simples de ser estabelecida. Em primeiro lugar, para que o turista busque
um certo destino para realizar práticas antiéticas, ele precisa reconhecer este lugar
como apresentando segurança para tais atos. Isso envolve, como já dissemos, as
agências governamentais, em suas ações de divulgação, mas também as privadas,
como companhias aéreas e hotéis, que divulgam seus serviços assegurando
cortesia e privacidade ao cliente. Em seguida, a promessa dos anúncios precisa
contar com a participação dos profissionais envolvidos no setor de prestação de
serviços ao turista, como taxistas, garçons, atendentes, comerciantes, etc. São
eles que possibilitam que desejos ilícitos se concretizem em ações, não apenas
agenciando encontros, mas também garantindo o seu anonimato e impunidade.
Assim, podemos ver que a prostituição se configura apenas como o último ponto de
uma cadeia de serviços prestados, uma seqüência que confunde a hospitalidade
e a recepção profissionais com favores ilícitos paralelos, sempre intermediada por
gorjetas e comissões.
Medidas para o combate deste tipo de prática:
1. A conscientização: O turismo sexual é crime e precisa ser combatido, antes
de tudo, por ferir o princípio de respeito ao ser humano. Ademais, o profissional
que entende os princípios éticos de sua atividade sabe que o agenciamento sexual
acaba por construir uma organização criminosa que se instaura nos destinos

64
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

turísticos e que, a longo prazo, mina toda a estrutura legal, diminuindo o próprio
potencial de atração da região.
2. A reelaboração da divulgação turística dos destinos: Associá-los a
estereótipos sexuais é a principal causa do turismo sexual, afinal é isso o que
gera o primeiro movimento do interessado em tais práticas. É preciso desfazer a
associação entre símbolos sensuais e turismo, para que, já de início, o propósito
da viagem não seja ele mesmo antiético. Nesse nível, as ações não apenas
governamentais, mas também da iniciativa privada e da sociedade civil, devem ser
meticulosamente pensadas.
Por fim, a atenção deve ser redobrada com a exposição do Brasil no exterior
por causa da estreita relação, abordada acima, entre cultura e ética. Como vimos,
o costume nos faz tolerantes ou intolerantes a certas práticas. Desse modo, apesar
do brasileiro, de modo geral, considerar como “natural” e normal o uso de trajes
sumários em nossas praias e no Carnaval do Rio de Janeiro, é preciso levar em
conta que uma vez fora do contexto, ou seja, fora da cultura brasileira, esses
costumes podem ser mal interpretados. Não se trata, porém, de alterar nossos
costumes em nome do “puritanismo” desse ou daquele país, mas nos cabe mostrar
que o Carnaval é uma festa popular, que faz parte da cultura brasileira, e que o seu
foco é a música, o desfile, não a “comercialização” de serviços sexuais. Se bem
contextualizado, o Carnaval ou nossa cultura de praia, será modelo e não algo
reprovável.

7. Bibliografia:

ABBTUR. Código de Ética do Bacharel em Turismo. Disponível em


www.abbtursp.com.br
ARAÚJO, Cíntia. Ética e qualidade no turismo do Brasil. São Paulo: Atlas, 2003.
WTO. Código de Ética Mundial do Turismo. Disponível em www.projetur.com.br

65
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

8. Slides da disciplina:

66
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

67
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

68
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

69
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

70
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

71
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

72
Rio + Hospitaleiro Ética e Comportamento Profissional

ANOTAÇÕES

73
Ética e Comportamento Profissional Rio + Hospitaleiro

ANOTAÇÕES

74