You are on page 1of 15

01)(ABIN-2004)

“Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) ganha uma sede oficial para


funcionamento do Tribunal Permanente de Revisão do bloco, que vai
funcionar como última instância no julgamento das pendências comerciais
entre os países-membros. Melhorar o mecanismo de solução de controvérsias
é um dos requisitos para o fortalecimento do MERCOSUL, vide as últimas
divergências entre Brasil e Argentina. As decisões do tribunal terão
força de lei. Sua sede será Assunção, no Paraguai. Até agora, quando os
países-membros divergiam sobre assuntos comerciais, era acionado o
Tribunal Arbitral. Quem estivesse insatisfeito com o resultado do
julgamento, no entanto, tinha de apelar a outras instâncias
internacionais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC).”
Gisele Teixeira. MERCOSUL ganha tribunal permanente.
In: Jornal do Brasil, ago./2004 (com adaptações).

A propósito do texto acima e considerando a abrangência do tema nele


tratado, julgue os itens que se seguem.
1_ A existência do MERCOSUL insere-se no quadro mais geral da economia
contemporânea, que, crescentemente globalizada e com notável grau de
competição entre empresas e países, estimula a formação de blocos
econômicos como forma de melhor inserção de seus participantes nesse
mercado mundial.
2_ O ponto de partida para a constituição do MERCOSUL foi a aproximação
entre Brasil e Argentina, ainda nos anos 80 do século passado. O passo
seguinte foi a incorporação do Paraguai e do Uruguai a esse esforço de
integração, sendo esses os quatro países integrantes do bloco.
3_ Infere-se das informações do texto que um dos pontos frágeis do
funcionamento do MERCOSUL está no mecanismo de solução de controvérsias
entre os países que o compõem.
4_ Ao mencionar as “últimas divergências entre Brasil e Argentina”, o
texto se reporta à decisão do país platino de impor obstáculos à
importação de eletrodomésticos brasileiros, como ocorreu com as
geladeiras.
5_ Ao escolherem Assunção para sede do Tribunal Permanente de Revisão, é
provável que os países integrantes do MERCOSUL tenham considerado o
grande potencial paraguaio na produção de manufaturados e sua reconhecida
vocação para a formação de juristas.
6_ Com a criação do tribunal a que o texto se refere, o MERCOSUL iguala-
se à União Européia quanto ao número, à diversidade e à abrangência de
instituições criadas para dar suporte ao processo integracionista.

01-vvvvff
Comentário: Na questão acima percebe-se a necessidade de relacionar a
formação dos blocos econômicos com a nova tendência econômica mundial, a
globalização. No item 2 é cobrado o contexto histórico da formação do
Mercosul. Já no Item 4 é importante conhecer em que setores do comércio
estão ocorrendo os principais problemas entre os membros do Mercosul. Nos
itens 5 e 6, o candidato deve conhecer o real potencial produtivo de cada
país do Mercosul, assim como poder comparar as características do
Mercosul com a União Européia..

02) (Polícia Federal-2001) “O fim da Guerra Fria revolucionou a agenda do


debate acerca das relações internacionais. No começo, ainda não se falava
a respeito do império americano, mas, logo depois da euforia inicial —
sintetizada pela idéia do “fim da História” —, estabeleceu-se uma
polêmica com relação ao futuro do sistema político e econômico mundial,
que percorreu toda a década de 90 do século passado.”
José Luís Fiori-60 lições dos 90 – uma década de neoliberalismo. Rio
de Janeiro: Record, 2001, p. 118 (com adaptações).

A partir do texto acima, julgue os itens que se seguem, referentes ao


cenário internacional contemporâneo.
1 A Guerra Fria a que se refere o autor corresponde ao sistema bipolar de
poder mundial que, logo após a Segunda Guerra, contrapôs os interesses
soviéticos e norte-americanos, identificados nos sistemas socialista e
capitalista, respectivamente.
2 O citado “fim da Guerra Fria” decorreu da falência da União das
Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e, em uma espécie de efeito
dominó, da desintegração das chamadas Repúblicas Socialistas do Leste
europeu.
3 A expressão “fim da História” sintetiza a idéia de ter acabado a
disputa entre as principais ideologias.
4 O incontrastável poderio militar norte-americano, após a Guerra do
Golfo contra Saddam Hussein, reflete a posição ocupada pelos Estados
Unidos da América (EUA) no cenário mundial posterior à Guerra Fria.
5 O fracasso da URSS fez-se acompanhar pelo declínio da República Popular
da China, cuja tentativa de modernizar a sua economia sucumbiu ante a
intransigência dos militares comunistas, o reduzido mercado interno e a
incapacidade de ampliar a produção.

02-vvvvf
Comentário: Nessa questão é trabalhado o contexto político-econômico
vivido entre o período do pós guerra e a década de 90, ou seja, o sistema
bipolar e a guerra fria. Em outro ponto é exigido do candidato a correta
análise do fim do bloco comunista e das características do novo cenário
político-mundial, ressaltando-se o novo papel exercido pelos Estados
Unidos como única super-potencial mundial.

03)(Polícia Federal-2001) A expressão Consenso de Washington, cunhada em


1990, traduz, em linhas gerais, um conjunto de teses e idéias neoliberais
defendidas por altos funcionários da área econômica dos Estados Unidos da
América (EUA) e pelos organismos multinacionais lá sediados. Esse
ideário, espécie de esteio da economia dita globalizada, estabeleceu o
tom da evolução econômica e financeira mundial desde então, angariando
adeptos e opositores pelo mundo afora. Relativamente a esse tema, julgue
os itens que se seguem.
1 O Consenso de Washington defendia a austeridade fiscal como condição
essencial ao sucesso dos programas de estabilização monetária, de que
decorria a adoção de um programa de corte dos gastos públicos e reformas
administrativas, previdenciárias e fiscais.
2 Tendo em vista a abertura e a desregulação do mercado cada vez mais
internacionalizado, o Consenso de Washington propunha — e praticou — que
o capital fosse pesadamente taxado para não colocar em risco as economias
mais frágeis.
3 O modelo de industrialização adotado pelos países periféricos após a
Segunda Guerra Mundial, que envolvia sensível presença estatal, segundo a
perspectiva de Washington, estava ultrapassado e, como tal, deveria ser
desmontado.
4 Paradoxalmente, ao mesmo tempo que propunha a desregulação do mercado
financeiro, o Consenso de Washington estimulava a presença mais ativa do
Estado na defesa do trabalho,ampliando a legislação trabalhista como
forma de impedir conflitos sociais.
5 Ampla abertura comercial e privatização das empresas e dos serviços
públicos foram alguns dos aspectos mais marcantes do receituário
elaborado pelo Consenso de Washington.

03-vfvfv
Comentário: Nessa questão é interessante observar como é trabalhado
grande parte do conjunto de idéias do sistema capitalista neoliberal. Em
todos os itens são exigidos uma avaliação correta do que é a tendência
econômico-mundial vivida nos dias de hoje, abordando diversos temas como:
reformas administrativas e fiscais, abertura de mercado, desestatização
industrial, privatizações e as novas relações de trabalho no contexto
globalizado.

04)(Banco do Brasil-2001-adaptado)
O capitalismo, ao contrário do comunismo e do socialismo, não é, de
forma alguma, um “ismo”. Não é um sistema sonhado por filósofos,
políticos ou economistas e depois posto em prática por decisão de
governos. Trata-se de um evento natural, uma peça orgânica no progresso
humano. A História mostra que o capitalismo ocorre nas sociedades humanas
quando elas atingem certo nível de progresso tecnológico e as pessoas com
dinheiro percebem que podem lucrar ao se organizarem para investir.
Acontecendo naturalmente, o capitalismo não tem necessidade de ajuda
dos governos. Pode-se dizer que ele é inevitável, a não ser que o governo
tome determinadas medidas para impedi-lo. Ocorreu em larga escala, pela
primeira vez, na Inglaterra, na segunda metade do século XVIII, e foi
possível porque a sociedade britânica era relativamente livre, com poucas
leis que impedissem as mudanças econômicas e técnicas. O governo não teve
praticamente nada a ver com ele. O fenômeno foi chamado de Revolução
Industrial, mas esse nome supõe mudança dramática e violência. Não houve
nada disso. Nem houve grandes planos, regras ou decisões grandiosas.
Assim, o capitalismo nasceu de decisões não-coordenadas e meramente
coincidentes de muitos milhares de pequenos fabricantes, comerciantes,
artesãos, poupadores, investidores e instituições financeiras. Os grandes
bancos não desempenharam papel algum, pois simplesmente não existiam.
Veja, 27/12/2000, p. 163 (com adaptações).

Com relação ao texto e à conjuntura político-econômica atual do


continente americano, julgue os itens abaixo.

1 Infere-se do texto que o capitalismo confunde-se e identifica-se com a


economia de mercado, dela sendo sinônimo, existindo em qualquer ambiente
econômico de trocas, independentemente de seu estágio de desenvolvimento.
2 Segundo o texto, o pioneirismo britânico no processo de
industrialização moderna deveu-se à inexistência de um Estado formal
naquele país, condição essencial para que o capitalismo tivesse liberdade
para impor-se e expandir-se.
3 As recentes transformações econômicas verificadas na República Popular
da China, estimuladas a partir do governo de Deng Xiao Ping, contestam a
tese presente no texto: foi graças à ação do Estado que a China tornou-se
capitalista, realidade hoje visível em todos os setores de sua economia e
nas suas diversas regiões.
4 Os grandes bancos, tal como se apresentam na atualidade, são fruto do
processo de expansão da economia capitalista.
5 O neoliberalismo atual é um retorno ao nascedouro do capitalismo: hoje,
como antes, as decisões econômicas são espontâneas e naturais, livres das
amarras que tão bem caracterizam as ações governamentais.
6 A decisão recente do governo dos Estados Unidos da América (EUA) de
implantar, ainda nesta década, a Área de Livre Comércio das Américas
(ALCA) reflete a força do capitalismo nos dias atuais, pois, ao serem
eliminadas as barreiras alfandegárias entre todos os países das três
Américas, Cuba migrará imediatamente do socialismo para o capitalismo.

04-fffvff
Comentário: Na questão acima, trabalha-se com o contexto histórico do
capitalismo, abordando principalmente o desenvolvimento capitalista no
período da revolução industrial. Nos itens 5 e 6, podemos perceber, mais
uma vez, a relação que se faz das características dos dias atuais com
elementos históricos. Nesses itens o candidato deve estabelecer uma
ligação entre o contexto neoliberalista atual e suas vinculações
históricas.

05)(Senado Federal/Consultor Legislativo-2002)


“A criação da OMC, ao término da Rodada Uruguai do antigo GATT, em
1995, constituiu um notável avanço para o incremento do comércio mundial
a partir da fixação de normas para a resolução de pendências e correção
de desequilíbrios no intercâmbio entre as nações.
Nem sempre as decisões da OMC agradam às partes, mas são acatadas em
razão do respeito que ela granjeou. Infelizmente, os EUA, a maior
economia mundial, não se têm comportado como se fossem parte do sistema
da OMC. Pelas atitudes tomadas, tem-se a impressão de que os EUA crêem
ser o próprio sistema.”
Gazeta Mercantil, 15/1/2002, p. 2 (com adaptações).

Tendo por referência o texto acima, julgue os itens que se seguem,


concernentes ao panorama mundial do comércio contemporâneo.
1- A OMC caracteriza-se por ser uma espécie de instância reguladora do
comércio mundial, elaborando normas a serem seguidas pelos países que a
integram e julgando os casos de litígio entre eles; o Brasil foi
protagonista de algumas dessas ações, inclusive em relação a divergências
com os EUA.
2- No passado recente, adquiriu repercussão o contencioso entre o Brasil
e o Canadá em torno da acirrada disputa pelo mercado aeronáutico, com os
dois países acusando-se de oferecerem subsídios ilegais às suas grandes
empresas no setor, a EMBRAER e a Bombardier; a decisão da OMC foi
integralmente favorável aos canadenses.
3- Uma das maiores críticas que se fazem atualmente aos EUA, em relação
ao comércio internacional, diz respeito à insistência de Washington de
manter em vigor uma legislação antidumping, de 1916, que permite a
tribunais estaduais impor restrições unilaterais à importação sempre que
um setor da economia norte-americana se sinta prejudicado pela
concorrência externa.
4- Apesar das cobranças da OMC, os EUA relutam em abandonar seu
protecionismo; em represália, Japão e União Européia acabam de solicitar
oficialmente ao Órgão de Solução de Controvérsias da OMC permissão para
adotar uma legislação antidumping semelhante à norte-americana, o que
agregaria maiores dificuldades à penetração nos mercados mais
desenvolvidos
de produtos oriundos dos países em desenvolvimento.
5- Estudos técnicos recentes demonstram que, em que pese algumas vitórias
significativas de economias emergentes, na maioria das vezes os litígios
julgados no âmbito da OMC resultam em decisões favoráveis aos países
economicamente mais fortes.

05-vfvvv
Comentários: Na questão 5, a banca explora o papel exercido pela
Organização Mundial do Comercio (OMC) como tribunal nas questões
comerciais internacionais. É interessante observar que nessa questão a
banca trabalha as disputas comerciais entre os países pobres e ricos e o
constante uso de barreiras alfandegárias por parte dos países ricos,
contradizendo a cartilha neoliberalista defendida por eles mesmos e
impostas aos países pobres.

06)(CEFET-2003-adaptado)
Sob o ponto de vista econômico, o período da política brasileira
conhecido como República Velha foi caracterizado pela exportação de
produtos primários, encabeçada pelo café, mas também envolvendo, entre
outros, o algodão, o couro, a borracha, o açúcar, o cacau e o fumo. Essa
economia essencialmente agroexportadora era acompanhada do controle
político do Estado, por parte, sobretudo, da elite cafeeira, bem mais
moderna que aquela que dominara o Império, a elite açucareira nordestina.
Conscientes de seus interesses, os cafeicultores souberam se organizar
politicamente e, assim, garantiram que a ação do Estado estivesse a seu
serviço.
Julgue os itens seguintes, referentes ao panorama econômico brasileiro
na República Velha.
I_ A exploração da borracha na região amazônica, na transição do século
XIX ao XX, foi razoavelmente duradoura; enriqueceu os seringueiros, mas
deixou pobres os proprietários dos seringais.
II_ Fugindo do encarecimento da borracha brasileira no mercado externo,
potências européias — como a Inglaterra e a Holanda — introduziram
seringais na Ásia (Malásia e Indonésia), com mudas levadas do Brasil.
III_ O fato de a exploração da borracha estar concentrada nos seringais,
em plena floresta e distante dos centros urbanos, explica o fato de
cidades como Manaus e Belém não terem refletido a riqueza gerada por essa
atividade econômica.
IV_ Exemplo notável da força política da “burguesia do café” foi a
assinatura do Convênio de Taubaté, em 1906, pelo qual se assegurava a
política de valorização do café, com o governo garantindo preço mínimo
para o produto e comprando o excedente de produção.
V_ A base agroexportadora do Brasil, na República Velha, foi benéfica
para o país: quando explodiu a Crise de 1929, a partir da queda da Bolsa
de Valores de Nova Iorque, o Brasil foi um dos poucos países que não
sofreram seus efeitos.

06-fvfvf
Comentário: Nessa questão, percebe-se o desenvolvimento de um contexto
puramente histórico, onde trabalha-se o início do período republicano
brasileiro. Nos itens, o candidato deve avaliar a política de exportação
dos principais produtos produzidos da época e o poder político dos
grandes plantadores de café, relacionando-o aos efeitos da crise
capitalista de 1929.

07)(IBAMA-2002)
O custo ecológico das cidades
A avaliação do custo ecológico de uma grande cidade moderna nos
oferece uma abordagem indispensável. A questão é importante como
avaliação de casos consumados.
E, mais relevante ainda, para oferecer opções no sentido de frear o
crescimento incontido das cidades de porte médio.
Nos países como o Brasil, onde não tem havido qualquer preocupação
mais séria com a invasão incontrolável dos espaços rurais pelos tecidos
urbanos, a situação é particularmente crítica. Mesmo porque, para
reverter o processo, ou pelo menos contê-lo em níveis razoáveis, seria
necessária uma reforma de mentalidade administrativa, mediante a
incorporação de outras dimensões da percepção dos fatos espaciais.
As cidades em processo rápido de crescimento no Brasil indicam pelo
menos três modalidades de crescimento dos organismos urbanos: um
crescimento horizontal por partilha de espaços de antigas chácaras ou
glebas congeladas para especulação, de dinâmica similar a uma mancha de
óleo em expansão; um crescimento vertical, à custa de edifícios de muitos
andares, aproveitando as facilidades aparentes dos espaços centrais e
subcentrais das cidades de porte médio, acumulando funções residenciais
em uma área de permanência duvidosa para tais funções; e, por fim, o
mecanismo de maior gravidade, a partilha de glebas situadas em posições
descontínuas, a quilômetros de distância da área central, inicialmente
semi-isoladas no meio de sítios e fazendas, os quais, por sua vez, são
espaços potenciais para loteamentos ulteriores e instalações de unidades
industriais, com eliminação quase total das funções agrárias que
responderam pelo crescimento e a riqueza iniciais da própria cidade.
No Brasil do Sudeste, até a década dos 50, as cidades herdeiras do
ciclo do café eram relativamente contidas e funcionais, terminando
bruscamente onde começava o mundo rural. Os derradeiros quarteirões
urbanos faziam contato brusco com os primeiros e intermináveis cafezais e
campos de culturas em processo de diferenciação. Muitas vezes elas
ficavam confinadas entre a linha dos trilhos e o eixo das rodovias:
alguns quarteirões de além-linha; uns tantos quarteirões de além-estrada.
Pouco ímpeto na conquista dos espaços rurais adjacentes.
Em 40 anos, sob o impacto de uma urbanização agressiva, estimulada
pela industrialização e pela descoberta do valor não-agrário dos espaços
rurais, tudo se modificou, em uma dinâmica pontilhada de negatividades e
de alto custo social, propiciadora de imensas desigualdades.
Para conciliar desenvolvimento com justiça social, manter um
equilíbrio razoável e flexível entre os espaços rurais e urbanos,
compatibilizar os espaços industriais com os espaços de moradia dos
homens-habitantes, garantir a eficiência produtiva dos espaços agrários,
ou seja, para novos planos, novas ações e novas leis: há que se fazer um
novo chamamento à consciência crítica técnico-científica dos brasileiros
que não aderiram às oligarquias gananciosas.
Aziz N. Ab’Sáber. Humanidades, n.º 10, 1986, p. 105-6 (com adaptações).
Com o auxílio das informações do texto, julgue os itens que se seguem.
1- O processo de modernização do Brasil, de que a urbanização é um dos
aspectos mais evidentes, teve na Revolução de 30 seu marco inicial,
aprofundando-se após a Segunda Guerra Mundial.
2- Pelo que informa o texto, uma das mais singulares características do
processo brasileiro de urbanização é que ele se dá sem que os “tecidos
urbanos” avancem sobre os espaços tradicionalmente rurais.
3- O último censo geral divulgado pelo IBGE atesta o elevado grau de
urbanização atingido pelo Brasil, um dos maiores do mundo, hoje em torno
de 82% da população.
4- Diferentemente do que ocorre em diversas regiões do mundo, a moderna
urbanização brasileira não se relaciona diretamente com a
industrialização; em verdade, ela deriva das más condições no campo, que
acabam por expulsar seus habitantes para as cidades.
5- Pelo que se sabe da realidade brasileira, como afirma o texto, o
impacto da urbanização brasileira não foi decisivo para a ampliação das
desigualdades; estas se explicam pelas condições históricas da
colonização do Brasil.

07-vfvff
Comentário: Na questão 7, trabalha-se o conceito de urbanização no
Brasil. Para avaliá-la, o candidato precisa relacionar o processo de
urbanização brasileiro com o desenvolvimento industrial vivido a partir
de 1930 e intensificado durante a 2ª Guerra Mundial. Mais uma vez, a
banca direciona-se na relação entre contexto atual e o histórico.

08)(Polícia Federal/Delegado-2002)
O Estado brasileiro dos anos 90 hesitou em tornar-se um Estado
normal, como fizeram a Argentina, o Chile, o México e outros. Normal,
isto é, receptivo, submisso e subserviente aos comandos das estruturas
hegemônicas do mundo globalizado. O passado nacional de sessenta anos
somente foi avaliado de forma negativa por um grupo de economistas que
aprenderam nos programas de pós-graduação dos Estados Unidos da América
(EUA) o credo neoliberal e estavam dispostos a aplicá-lo quando se
tornavam autoridades da República.
Esses economistas e algumas outras autoridades, cujo pensamento com
eles se conformava, esforçaram-se por difundir a noção de globalização
benéfica. Apesar de deter a maior soma de poder em matéria de relações
internacionais do país, a esfera das relações econômicas, o grupo não se
tornou hegemônico sobre a inteligência nacional do Brasil, como ocorreu
em boa medida com o grupo epistêmico da Argentina. A maior parte do meio
político, talvez possamos dizer o mesmo do meio diplomático, mas
sobretudo do meio acadêmico, avaliou positivamente a estratégia de
desenvolvimento brasileiro das últimas décadas e avançou o conceito de
globalização assimétrica, que expressa uma interpretação mais nociva que
benéfica para a periferia do capitalismo. O próprio presidente da
República, embora ideologicamente simpático à expansão do neoliberalismo,
usou o termo em conferências públicas, com o fim de denunciar efeitos
contraproducentes da nova ordem internacional.
Amado Luiz Cervo. Brasília: IBRI, 2001, p. 293-4 (com adaptações).
48(67®2__
Com o auxílio do texto acima, julgue os itens abaixo, relativos às
diferentes acepções do conceito de globalização.
1-Intelectualidade, opinião pública e formuladores de políticas públicas
convergiram suas visões, nos últimos dez anos, acerca dos elementos
definidores do conceito de globalização.
2-Sob o manto da idéia de globalização benéfica, empresas e grupos
econômicos bem equipados intelectual e materialmente conseguiram avançar
seus interesses no jogo das relações internacionais.
3-A dimensão assimétrica da globalização citada no texto é apenas uma
construção política das esquerdas internacionais, saudosistas que são do
velho modelo da economia política da planificação soviética.
4-No início do século XXI, a vida internacional, moldada pela expansão da
economia política liberal, assiste ao fim da era de deflagrações bélicas
que caracterizava a economia autárquica internacional do período da
Guerra Fria.
5-Inglaterra, França e Alemanha são exemplos de “Estado normal”, de
acordo com a definição apresentada nos dois primeiros períodos do texto.

08-fvfff
Comentário: Na questão acima, o conceito de globalização e seu
direcionamento são trabalhados de modo que o candidato possa perceber e
avaliar a abordagem diferencial executada pelo Brasil em relação a outros
países semelhantes. O conceito de “globalização assimétrica” deve ser
avaliado como um diferencial do governo brasileiro na avaliação do
sistema em relação aos pós e contra da globalização mundial.

09)(Polícia Federal/Escrivão-2002)
Como o exemplo abaixo, matéria de capa de um jornal brasileiro, as
manchetes de grande parte da imprensa mundial publicadas em 20 de
dezembro de 2001 destacavam a dramaticidade da crise argentina.
“O presidente Fernando de la Rúa decretou estado de sítio com toque
de recolher em todo o território argentino por trinta dias. O país entrou
em convulsão social. Em Buenos Aires, supermercados e lojas comerciais
são saqueados com regularidade. Nas ruas, protestos populares contra o
governo ocorrem a todo instante. Seis pessoas já morreram em confrontos
com policiais e comerciantes. Fernando de la Rúa foi apedrejado ao sair
de uma solenidade. Analistas internacionais esperam a renúncia do
presidente. Até o papa João Paulo II pediu calma à população.”
Correio Braziliense, 20/12/2001, capa.

Com relação ao assunto do texto acima, julgue os itens seguintes.


1 Uma prolongada recessão, aliada à rigidez do atrelamento do peso ao
dólar, decisão defendida por Domingo Cavallo quando de sua primeira
passagem pelo Ministério da Economia, estão entre as causas da atual
crise vivida pelo país.
2 A decisão argentina de afastar-se temporariamente do Mercado Comum do
Sul (MERCOSUL), logo no início do governo de Fernando de la Rúa, mostrou-
se inócua, não tendo solucionado os principais problemas da economia do
país.
3 Para os analistas, a austera posição assumida pelo governo brasileiro,
em nada cedendo nas relações comerciais com a Argentina, foi um dos
fatores decisivos para o aprofundamento da crise de seu antigo parceiro
na integração regional.
4 A renúncia do presidente Fernando de la Rúa, em meio a intensas e
violentas manifestações populares, remete ao ocorrido com o presidente
Alfonsín, que, premido pelas circunstâncias adversas, entregou o poder ao
sucessor eleito, Carlos Menem, antes da data prevista.

09-vffv
Comentário: Nessa questão a banca procura explorar o contexto do
Mercosul, relacionando-o as dificuldades econômicas vividas recentemente
na Argentina, principal parceiro econômico do Brasil dentro do Mercosul.
Nessa questão é importante conhecer todo o processo da crise econômica
Argentina e seus efeitos no Mercosul.

10) (Inmetro–Contador-2001-adaptado)
Desenvolvimento sustentável, meio ambiente, biodiversidade, ciência e
tecnologia são expressões que se vão tornando cada vez mais comuns no
mundo contemporâneo. Esses temas refletem o grau de desenvolvimento a que
se chegou e, simultaneamente, preocupações com o futuro da vida no
planeta, suscitadas pelos efeitos que a exploração desordenada e
irracional dos recursos disponíveis na natureza podem ocasionar. Em
relação a esse quadro complexo, julgue os itens que se seguem.

I- A emissão desenfreada de gases causadores do efeito estufa na


atmosfera pode acarretar mudanças climáticas globais de grande magnitude,
como o aumento da temperatura, além de alterações nos padrões de chuva e
na distribuição de extremos climáticos, como secas e inundações.
II- Pelo nível de conhecimento hoje existente, pode-se supor ser provável
que a intensificação da variação do clima, associada a fenômenos como El
Niño e La Nina no Oceano Pacífico, decorra do aumento do efeito estufa.
III- Os movimentos ecológicos tidos como radicais, que defendem a
intocabilidade da Amazônia, sentem-se com fôlego redobrado com a recente
confirmação científica de que a Floresta Amazônica é o “pulmão do mundo”,
responsável por mais da metade do oxigênio na Terra.
IV- No Brasil, a pesquisa científica, geradora de novos processos
tecnológicos, é majoritariamente feita por instituições públicas;
exemplos significativos de vitória do país nesse setor são encontrados na
agricultura tropical (EMBRAPA) e na exploração de petróleo em águas
profundas (PETROBRAS).
V- Entendendo o termo biodiversidade como a existência, em dada região,
de uma grande variedade de espécies, ou de outras categorias taxonômicas,
de plantas ou de animais, conclui-se que a Floresta Amazônica é a região
de maior diversidade biológica do planeta.

10)vvfvf
Comentário: Na questão 10, meio ambiente é o tema principal. Nos itens
são abordados pontos relacionados aos efeitos ambientais causados pelo
atual sistema de produção capitalista. Nos itens I e II são trabalhados
assuntos como: mudanças climáticas, efeito estufa e emissão de gases. É
importante perceber como a interferência humana causa um efeito dominó no
meio ambiente que acaba influenciando todo o planeta. Nos itens III e V
são abordados temas referentes a característica da floresta amazônica e
da sua biodiversidade.
01)(Polícia Rodoviária Federal-2002)
“O desenvolvimento do transporte ferroviário no Brasil está
diretamente ligado à expansão da cafeicultura, primeiro no estado do Rio
de Janeiro (Vale do Paraíba) e a seguir no estado de São Paulo. No Rio de
Janeiro, as ferrovias escoavam a produção cafeeira do Vale do Paraíba até
o Porto do Rio. Em São Paulo, elas escoavam a produção cafeeira do
interior até o Porto de Santos. O desenvolvimento do transporte
rodoviário no Brasil teve início no final da década de 20, no governo de
Washington Luís (“Governar é abrir estradas”), quando se construiu a
rodovia Rio–São Paulo, única pavimentada até 1940. A partir da década de
50, o transporte rodoviário se transformou no principal meio de locomoção
do país.”
Marcos de Amorim Coelho. Geografia do Brasil.
São Paulo: Moderna, 1999, p. 252-4 (com adaptações).

A partir das informações do texto acima, julgue os itens que se seguem.


1- A expansão e a decadência do transporte ferroviário no Brasil
relacionam-se com o processo de desenvolvimento e de declínio da
atividade cafeeira no contexto global da economia brasileira.
2- Orientadas no sentido do litoral para o interior, as ferrovias
desempenharam papel proeminente na integração das diversas regiões
brasileiras, papel proporcionalmente maior do que o que viria a ser
representado pelas rodovias.
3- No governo de Juscelino Kubitschek, o Plano de Metas, priorizando os
setores de energia e de transportes, permitiu grandes investimentos na
construção e na pavimentação de rodovias.
4- A construção de Brasília deu impulso significativo à integração
nacional por meio de grandes rodovias, o que atendia a um dos objetivos
da nova capital, ou seja, promover a interiorização do desenvolvimento.
5- Os governos militares, a partir do golpe de 1964 — que derrubou o
governo João Goulart —, optaram por novos meios de integração do
território brasileiro, como as telecomunicações, abandonando os grandes
projetos rodoviários.

01-vfvvf
Comentário: Na questão acima são abordados pontos relativos ao
desenvolvimento do transporte no Brasil relacionando-os ao contexto
histórico. Nos itens I e II, deve-se analisar o processo de
desenvolvimento da malha ferroviária brasileira relacionada ao período do
apogeu da produção cafeeira no Brasil. Já a partir do item III trabalha-
se uma outra fase da História, onde a industrialização direcionou o
predomínio do sistema rodoviário no Brasil.

02)(Polícia Rodoviária Federal-2002)


A década de 30 assinala o início da modernização brasileira. As
circunstâncias que envolveram a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) também
contribuíram para que a fisionomia do país fosse sendo alterada. Na
segunda metade da década de 50, correspondendo aos “Anos JK”, aprofundou-
se esse processo modernizador, além de se ter estimulado a sociedade
brasileira a acreditar em sua capacidade de criar e de produzir. Ao
aprofundamento das contradições e da crise política do início dos anos 60
correspondeu o golpe militar de 1964, inaugurando uma era que conheceu
momentos de grande êxito econômico, em meio a um quadro geral de
autoritarismo político, experiência que se esgotaria em cerca de vinte
anos.
Relativamente a esse quadro da evolução brasileira contemporânea, julgue
os itens a seguir.
1- Ao se constituir em centro dinâmico da economia brasileira, a partir
da década de 30, a indústria criou um novo espaço geográfico, que
rapidamente passou a concentrar a maior parte da população e da produção
do país; daí ser possível associar industrialização com urbanização na
moderna configuração do Brasil.
2- Ao mesmo tempo em que iniciou o processo de integração econômica,
lançando as bases da construção do Brasil moderno, a Era Vargas (1930-
1945) também correspondeu à gradativa redução da participação do Estado
na economia e ao avanço das concepções descentralizadas de administração
e de política.
3- Sob o ponto de vista econômico, o regime militar implantado em 1964
procurou proceder à modernização capitalista do país, ainda que à custa
do autoritarismo, com a conseqüente supressão ou redução das liberdades e
da participação política.
4- A eleição direta de Fernando Collor à presidência da República e o seu
governo, ainda que marcado pelos graves problemas que o abreviaram,
significaram o fim do regime militar, possibilitando a elaboração de uma
nova Constituição definidora dos novos rumos democráticos que o país
começava a trilhar.
5- Ao concluir seu segundo mandato, Fernando Henrique Cardoso inscrever-
se-á como um dos presidentes que mais se envolveu com a política externa:
além de ter feito inúmeras viagens ao exterior, tomou medidas de grande
impacto para o Brasil, tais como o afastamento do MERCOSUL, a negativa
formal de integrar-se à ALCA e o rompimento de relações diplomáticas com
Israel.

02-vfvff
Comentário: Na questão acima, a banca trabalha o processo de modernização
brasileira no período republicano a partir de 1930, abordando
principalmente o desenvolvimento industrial. Nos itens I e II trabalha-se
a era Vargas e suas políticas industrialistas, exigindo do candidato a
correta análise do papel do governo no processo de modernização. Já a
partir do item III percebe-se uma evolução gradativa onde são abordados
diferentes momentos históricos chegando até a política externa de
integração econômica do governo Fernando Henrique Cardoso.

03) (UNB)As afirmativas a seguir referem-se a alguns aspectos econômicos


do Brasil.

0-Durante o governo Fernando Henrique Cardoso, eleito duas vezes


consecutivas, houve um controle da inflação,uma abertura da economia e
reformas que implicaram no aumento da presença do Estado na economia.
1-A elevada carga tributária que incide nas transações ocorridas na bolsa
de valores atua como atrativo aos investimentos estrangeiros no Brasil,
mas esses acabam provocando o aumento do desemprego.
2-Na década de 90, do século passado, o Governo Federal lançou um plano
de estabilização econômica, denominado “Plano Real”; houve uma mudança na
moeda e a inflação caiu consideravelmente.
3-A inflação verificada no País até meados da década de 90, do século 20,
ocasionou uma certa distorção no funcionamento do sistema financeiro
nacional.
4-A retomada do crescimento da economia brasileira foi prejudicada,
dentre outros fatores, pela crise energética e pela crise da Argentina,
em 2001.
03-ffvvv
Comentário: Nessa questão procura-se desenvolver os principais pontos da
política econômica da última década do Séc XX no Brasil, que se
caracterizou principalmente pela estabilização econômica e pelo avanço de
medidas neoliberalistas. Nos Itens I e II deve-se analisar o processo
desenvolvido observando os corretos conceitos do neoliberalismo como, por
exemplo, a diminuição do papel do governo na economia.

04) (UNB) A desagregação da URSS representou o fim de uma das


superpotências político-militares e da bipolarização do poder em nível
mundial. Levou ao término a “guerra fria” e ao que se convencionou chamar
de “Nova Ordem Mundial”.
0- Os Estados Unidos figuram como a única superpotência com poder de
intervenção mundial.
1- A partir do fim do bloco soviético e da guerra fria, iniciou-se o
processo de decadência do neoliberalismo econômico.
2- a nova ordem mundial e a ascensão dos EUA como única potencial mundial
implicou diretamente no fortalecimento político da ONU.
3- Após o fim da guerra fria, processo de unificação européia significou
uma nova corrida armamentista entre os EUA e os países membros da União
Européia.
4- A nova configuração mundial possibilitou um natural fortalecimento do
G8, grupo dos 08 países mais ricos do mundo.

04-vfffv
Comentário: Nessa questão a banca trabalhou o contexto do fim da guerra
fria e do direcionamento da nova ordem mundial. Deve-se analisar
corretamente os itens observando as novas forças políticas, o papel da
ONU e a posição adquirida pelos Estados Unidos e pelo G8 no contexto
internacional.

05)(UNB) Sobre a trajetória do direito de voto segundo as Constituições


brasileiras, julgue os itens abaixo.
00) De acordo com a Constituição de 1824, o voto era censitário, isto é,
exigia determinada condição econômica para o eleitor e para o eleito.
11) A primeira Constituição republicana proclamou o voto universal, mas
limitado aos cidadãos maiores de 18 anos e vedado apenas aos mendigos e
analfabetos.
22) Na Constituição de 1934 surgiu o Código Eleitoral, determinando o
voto aberto e com direito de voto para as mulheres expresso na Lei.
33) Na Constituição atualmente em vigor está assegurado o direito
facultativo do voto a todas as pessoas maiores de 18 anos, inclusive aos
analfabetos.

05-vfff
Comentário: Abordando o contexto puramente histórico, a questão acima
trabalha os conceitos de cidadania inseridas no contexto evolutivo das
constituições brasileiras relativo ao processo eleitoral.
06) (UNICAP-2004)Analise as afirmativas a seguir, que tratam da
agricultura no Brasil.
0-0 A expansão da agricultura, no País, deveu-se ao avanço contínuo da
fronteira agrícola e à introdução de técnicas de produção mais intensivas
de capital.
1-1 O processo de modernização da agricultura foi marcado pela
desigualdade em sua distribuição, refletindo seu caráter parcial e sua
articulação ao processo de internacionalização da economia.
2-2 A modernização da agricultura favoreceu a concentração fundiária e a
incorporação de pequenas propriedades a estabelecimentos de médio e
grande porte.
3-3 O desenvolvimento de áreas de agricultura intensiva em capital
mostrou-se capaz de gerar os empregos necessários para absorver a oferta
de trabalho rural.
4-4 A estratégia de modernização da agricultura significou a afirmação do
modelo dos complexos agroindustriais, que resultou na supressão do
distanciamento antes existente entre agricultura e indústria.

06-vvvfv
Comentário: Na questão 6, são explorados itens relativos à agroindústria
no Brasil que exigem o conhecimento do processo de desenvolvimento da
modernização da agricultura no país, da aproximação dos setores primário
e secundário, da expansão da fronteira agrícola e da conseqüente
concentração fundiária do país.

07)(UNB) A industrialização brasileira é o resultado de um longo processo


em que se conjugaram vários fatores. Quais as várias etapas deste
processo? Assinale as afirmativas verdadeiras e as falsas.
00) A substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalariado.
11) O processo de substituição de importações que se estende da Primeira
Guerra Mundial até 1930.
22) A partir de 1950, a industrialização se caracterizará pela produção
de bens perecíveis e semi-duráveis e pela hegemonia das empresas
nacionais.
33) A partir do Segundo Governo Vargas a industrialização se vincula,
totalmente, ao capital internacional americano.
44) A industrialização, durante o governo Juscelino Kubitschek, fez-se
dentro de um processo ambíguo em relação à burguesia brasileira, com a
penetração do capital estrangeiro.

07-vvvfv
Comentário: Na presente questão, pode-se observar uma gradativa análise
em cima do processo de industrialização brasileiro abordando diversos
momentos da história do Brasil compreendidos no período entre o final do
Império e o Governo JK.

08)(UNB) O programa econômico do governo atual, Presidente Fernando


Henrique Cardoso, valoriza alguns itens da pauta econômica de dois
governantes anteriores: Getúlio Vargas e Juscelino Kubitscheck.
Considera(m)-se característica(s) da política econômica dos governos de
Getúlio e de JK. Assinale as afirmativas verdadeiras e as afirmativas
falsas.
00) ambos estabeleceram políticas econômicas desenvolvimentistas;
11) o primeiro governo de Getúlio Vargas (1930-1945) realizou uma
política econômica intervencionista, fortalecendo a infra-estrutura para
a industrialização;
22) o governo de Juscelino Kubitscheck optou por uma política
desenvolvimentista unicamente com capital nacional;
33) o estado forte-bismarkiano e a intervenção na economia foram marcos
característicos do governo JK;
44) tanto Getúlio, quanto Juscelino orientaram-se em suas políticas
econômicas pelos estudos da Escola Superior de Guerra (ESG).

08-vvfff
Comentário: Mais uma vez pode-se perceber uma relação entre o contexto
atual vinculado a um momento histórico. Para a correta resolução, deve-se
traçar uma linha de comparação entre o direcionamento adotado no governo
FHC e nos Governos de Vargas e JK de modo que se possa perceber as
semelhanças nos programas de governo.

09)(FESP-2003) As últimas eleições diretas para Presidente da República


no Brasil têm mostrado que o país mudou em muitos aspectos. Sobre essas
eleições. Assinale as afirmativas verdadeiras e as afirmativas falsas.
00) a participação marcante do Partido dos Trabalhadores significa que
novos atores sociais ganharam espaço na política.
11) a influência da "mídia" tem sido expressiva, contribuindo para
divulgação das campanhas políticas e da formação da opinião pública.
22) persiste ainda, em muitas regiões, o clientelismo político que impede
o avanço da cidadania.
33) houve uma renovação radical das lideranças políticas, uma ruptura com
o passado político.
44) os partidos políticos conseguiram finalmente uma grande aceitação
popular, independente dos candidatos apresentados.

09-vvvff
Comentário: Na questão acima são desenvolvidos itens relacionados ao
desenvolvimento do processo político brasileiro dos últimos anos. Com
isso, é necessário conhecimento das principais características do
processo político atual, analisando o papel da imprensa como fator
fundamental na formação de opinião e da ascensão das novas forças
políticas no Brasil.

10) (UNB)Sobre do processo de globalização em curso no mundo, levado a


efeito pelo desenvolvimento tecnológico, julgue os itens seguintes.

I Esse processo tem interesses econômicos e políticos, pois determinadas


condições de comércio e fluxo de capitais são impostas por grandes
potências econômicas ao resto do mundo.
II As nações mais desenvolvidas têm adotado políticas de livre importação
em relação aos países menos desenvolvidos, o que intensifica fluxos
econômicos.
III A política de abertura total de fronteiras econômicas foi fundamental
nesse processo, para que se incentive a troca generalizada de
mercadorias.
IV Nesse processo, alegações com respeito à necessidade de preservação de
postos de trabalho feitas por certos países podem ser consideradas formas
de protecionismo.
V Verifica-se a facilitação da distribuição e do consumo de bens
fabricados ao redor do mundo, contrariando as iniciativas de
regionalização.

10-vfvvf
Comentário: Nessa questão fica clara a análise dos principais ideais
neoliberalistas inseridas no contexto de desenvolvimento da globalização
no mundo. Deve-se observar o direcionamento atual do mercado externo e as
principais regras adotadas pelos países na política de abertura de
mercado. Deve-se observar que a globalização é um instrumento desigual e
o que é exigido para os países pobres em relação a barreiras
alfandegárias não é cumprida, de fato, pelos países ricos.