You are on page 1of 22

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GEOTECNIA
Disciplina: Análise de Sistemas de Transporte (ETG 011) Professores : Leandro Cardoso & Heloisa Maria Barbosa

Arthur Frederico de A. Santos Marcos Vinícius R. Amaral Rodrigo Fernandes Fonseca Romero Gabyano Rufino Vinicius Dornas Rodrigues

Belo Horizonte 2010

Índice

2

................... pág 19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..............1 3................3......2 2.................... pág 14 PRAZOS DE EXECUÇÃO .....................3 Matriz Modal Infraestrutura Viária Urbana Transporte Público 2.......................................3.................... pág 8 3....................................... pág 3 DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE TRANSPORTES .............................................................3 Cenário Local Programas de Integração dos Modos de Transportes Uso de Tecnologias Novas 4 5 6 7 FONTES DE RECURSOS ...............2 3.........1 2.............................. pág 17 RESULTADOS ESPERADOS ................................................................1 2 INTRODUÇÃO A CIDADE DE BELO HORIZONTE ............................. pág 4 2...4 Proposta de Trabalho 3 PLANEJAMENTO ...2 Metrô Ônibus 2...1 2... pág 20 3 ..............................................................

com grandes avenidas.1 INTRODUÇÃO A CIDADE DE BELO HORIZONTE Com os ideais positivistas republicanos do final do século XIX. 4 . no final do século XIX. inaugurada em 17 de dezembro de 1987 e foi a primeira cidade planejada do país. Passado o centenário de sua fundação. a estimativa dos engenheiros responsáveis pelo projeto da cidade previam que. Washington. autopeças. que projetou enfatizando a modernidade e prevendo separar os setores urbano e suburbano. A realidade foi maior que o sonho e muitas previsões estavam erradas. e colocasse Belo Horizonte entre as grandes cidades do mundo. Belo Horizonte possui mais de dois milhões. ao completar 100 anos. reconhecido potencial econômico (5ª maior parque produtivo da América do Sul) com destaque para a indústria automobilística. siderurgia. Construída a partir de uma concepção urbanística elaborada pelo engenheiro paraense Aarão Reis. ruas largas. colonial e imperial Vila Rica (Ouro Preto). Belo Horizonte. Figura 1: Belo Horizonte. quarteirões simétricos e um parque central. Tudo que lembrasse Paris. Inicialmente chamada de “Cidade de Minas”. abrindo mão da anacrônica. eletrônica e construção civil. “Ordem e Progresso”. final do século XIX Fonte: Arquivo Público de BH/ José Góes A cidade cresceu além do esperado. Belo Horizonte teria uma população de 200 mil habitantes. conduziram o Congresso Mineiro a pensar em uma nova sede para a capital do Estado. delimitados pela avenida do Contorno. Atualmente a capital mineira é o sexto município mais populoso do Brasil.

folclore e tradições mineiras à parte. Somando-se a isso Belo Horizonte também é considerada como “porta” para o turismo cultural na tradição de Minas Gerais. por falta de ligações adequadas (de uma maneira geral. Mariana. em cidades como Ouro Preto. O grande número de festivais de dança. ainda que a maioria das pessoas sejam cativas do transporte coletivo. baixa intermodalidade e por questões de capacidade nas ligações existentes (com destaque para a baixa capacidade do metrô). Sabará. enquanto que a frota cresceu 43%. Na última década. Belo Horizonte criou também uma identidade própria. cosmopolita e rica em alternativas de lazer. transformam-a em um polo cultural dos mais importantes do país. além das freqüentes exposições. O uso do espaço viário desenvolveu-se de forma cada vez mais voltada para o transporte individual. 5 . circo. teatro. 2.1 DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE TRANSPORTES Matriz Modal O modal de transporte rodoviário é o predominante em Belo Horizonte. Congonhas e Caeté. dignas de uma metrópole. a população da RMBH cresceu 9%.2 Infraestrutura Viária Urbana No que se refere à infraestrutura viária urbana.Figura 2: Imagens de Belo Horizonte atualmente Fonte: Portal 2014 História. há passagem obrigatória pelo hipercentro em muitas ligações). 2 2. a rede apresenta muitos pontos de estrangulamento.

pelos quais a cidade foi se organizando. da área planejada (atual Área Central).Principais Corredores de Belo Horizonte Fonte: TECTRAN. Mapa 1 . Essas vias. Av. Av.Soma-se a isso o fato de que o contorno rodoviário atual encontra-se saturado. como percebido hoje. maiores os espaços ofertados para circulação. Cristiano Machado).Os principais vetores em Belo Horizonte. O sistema de vias urbanas. Amazonas. são mostrados nos Mapas 1 e 2. de antigas (e acanhadas) rodovias e de vias locais e coletoras em grande parte colocadas em loteamentos. é resultante dos núcleos preexistentes à fundação de Belo Horizonte. Elaboração a partir de dados de arquivo próprio 6 . Antônio Carlos. compartilhando tráfego intra e intermunicipal. historicamente. com a implantação de avenidas que substituíssem as antigas artérias (Av. exceto pelo núcleo central planejado. pela pouca oferta de área para circulação (pedestres e veículos). a seguir. Av. com suas características e um indicativo de sua saturação. Pres. Pedro II. com seus corredores integrantes e as vias que os compõem. tendem a se caracterizar. Quanto mais recentes essas intervenções. A evolução da cidade requereu que alguns vetores recebessem melhor tratamento.

é ainda pouco significativo em termos de passageiros transportados.3.3 Transporte Público O transporte público em Belo Horizonte se faz com base.3. apesar de já ter iniciado sua implantação há muito tempo. onde se localizam os principais pólos geradores Centro e Cidade Industrial. O metrô. Observe-se que as vias que 7 . Elaboração a partir de dados de arquivo próprio 2. A demanda dessa linha representa uma participação na ordem de 6.Mapa 2 .2 Ônibus O Sistema Metropolitano de Ônibus atende às ligações intermunicipais e às internas de alguns municípios que não têm gestão própria.08 % no atendimento da demanda do sistema de transportes da RMBH. nos ônibus.1 Metrô O Metrô BH opera uma única linha (Linha 1 – Eldorado-Vilarinho) com uma frota total de 25 trens unidade elétrica – TUE.Relação Volume/Capacidade nos Corredores Fonte: TECTRAN. principalmente. 2. Observa-se que 74% das viagens referem-se aos municípios de Belo Horizonte e Contagem. A maior parte das viagens são motivadas para execução de serviços e atividades escolares (82%). 2.

(BRT. onde as linhas estruturais são alimentadas pelas linhas alimentadoras (que circulam nos bairros a partir dos terminais) e interbairros (que passam pelos terminais. a obrigatoriedade de se racionalizar o sistema. Em Belo Horizonte o sistema de transporte conta com terminais de integração. leva a uma redução da qualidade do serviço prestado à população. estão previstos outros terminais de integração ônibus-ônibus. 8 . micro ônibus e Padron) com o modal bicicleta nas áreas que ligam o hiper centro de Belo Horizonte à região da Pampulha nas áreas próximas ao Mineirão para atender a demanda para a Copa 2014.demandam o Hipercentro de Belo Horizonte são as mais carregadas de linhas. com grande penetrabilidade.4 Proposta de Trabalho Associar o modal ônibus. É importante destacar que os novos contratos consideram a dinâmica da mobilidade na Cidade de Belo Horizonte. Atualmente as empresas operam em linhas sobrepostas. Além das integrações com o metrô. inclusive com a adoção de tarifa única. e objetivo é circular pelos bairros sem passar pelo centro). com implantação de terminais de integração ônibus-ônibus e utilização do metrô como principal eixo do sistema (ver Mapa 35). A área de atuação foi determinada para cada concessionária. A rede integrada de linhas de transporte coletivo possibilita. conseqüentemente. Pedro II. 2. e econômico do sistema. Amazonas. o que. já que se estabeleceu. garantindo cobertura de 100% do município. permitindo maior flexibilidade no planejamento e operação do sistema. comprometendo o desempenho operacional. Propõe também usar o metrô como principal eixo troncal do sistema de transportes da cidade. A configuração do sistema tende a se modificar.Já o Sistema Municipal tem uma malha densa. que geram ineficiências. maior articulação entre diferentes sistemas. Cidade Industrial e Venda Nova também apresentam corredores bastante carregados. na última licitação. Av. o que permitirá o aumento da eficiência do sistema e a possibilidade de economia de escala. Antônio Carlos e Av. com destaque para a Av.

2 Programas de Integração dos Modos de Transportes Tendo como dificuldade a instalação de um metrô até a Copa do Mundo. Carlos Luz. uma vez que a passagem é paga através da bilhetagem eletrônica ou dinheiro na própria estação. sendo que a Av. os meios de transporte utilizados são principalmente automóveis e ônibus.1 PLANEJAMENTO Cenário Local Em vista do grande evento da Copa do Mundo em 2014. ele possui menor custo instalação e um maior fluxo de passageiros em relação aos ônibus convencionais. 9 . Para viabilizar esta integração através dos bairros. Abrahão Caram integra estas duas malhas. Apesar de ser menos eficiente que o metrô. Atualmente em jogos nacionais. portanto as principais rotas utilizadas pelos torcedores. serão instaladas as estações tubo seguindo exemplos de Curitiba. as pessoas que embarcarem através dessas estações embarcará pela porta de trás do ônibus sem precisar passar por elas.3 3. 3. Elas serão dispostas em todos os pontos estratégicos das vias arteriais. Está planejada a implementação do mesmo na Avenida Antônio Carlos para atender a população que está na área de influência do aeroporto da Pampulha. impactando menos no tráfego como: • serem elevadas em relação ao nível da rua. Belo Horizonte necessitará estar preparada com uma sólida malha de transporte integrada. sendo que os congestionamentos em jogos decisivos é um fato bastante frequente. UFMG. Lagoa da Pampulha. Antônio Carlos e Av. O estádio Mineirão está situado nas Av. Mineirão e Mineirinho. Estas estações possuem varias vantagens que facilitam o acesso aos ônibus e diminuem o tempo de embarque. facilitando o acesso de cadeirantes • passagem cobrada antes do embarque à estação Como os ônibus da cidade de Belo Horizonte são dotados de catracas. estas são. Assim Belo Horizonte precisa intervir em melhorias no transporte coletivo e desestimular as pessoas a utilizarem carros particulares. outra opção viável seria o BRT (Bus Rapid Transport). do qual ainda é preciso investir em novos modos de transporte para que engarrafamentos a porta do estádio não sejam um incomodo e motivo de atrasos dos jogos da Copa do Mundo.

Observa-se o mapa na sequência da região beneficiada pela integração dos modais ônibus e bicicleta: 10 . No seu interior há uma catraca para cobrança de passagens.Abaixo estão exemplos de estações tubo instaladas em Curitiba/Paraná: Figura 3: Fotos de uma estação tubo. À esquerda indicando a estrutura de acesso que pode ser feito por escadas e rampas. além de todos as vias locais e coletoras da Pampulha.Leandro Cardoso Outro modo interessante seria o uso de ciclovias em áreas estratégicas de Belo Horizonte de modo a integrar todos outros modos existentes. e Carlos Luz. À direita. destacando seu piso nivelado com o do ônibus Fonte: Slides Prof. Esta infra estrutura será instalada nas Avenidas Antônio Carlos.

Hamburgo e Munique. também são bons exemplos de mobilidade por ciclovias.3 quilômetros. Isso fez com que 37% das pessoas utilizem bicicleta como principal meio de transporte. na Alemanha. as autoridades esperam que 50% da população prefira as bicicletas. Até 2015. A maior avenida da cidade. 11 . Elas têm preferência nos cruzamentos e semáforos. o que é motivo de orgulho para seus habitantes. passou a ser exclusiva para bicicletas e para o transporte público. na Holanda.Figura 4: Mapa da área beneficiada pelo projeto Fonte: Google Maps Um dos exemplos é Copenhague que tem 350 quilômetros de ciclovias. de 14. e Roterdã e Amsterdã.

Seção transversal das vias arteriais. Mineirinho na orla da lagoa da Pampulha e em outros pontos estratégicos da região. Seção transversal das vias coletoras. além de desestimular o transporte motorizado individual. no Mineirão. Figura 5: Seções transversais Fonte: Trabalho Integralizador Multidisciplinar Será implantando o sistema de aluguel de bicicletas que terá pontos locativos na Estação rodoviária. Este sistema será favorecido em virtude da infra-estrutura planejada e viabilizará a circulação de pessoas que antes tinham como única opção o ônibus ou a caminhada. no interior da UFMG. as pessoas poderão alugar uma bicicleta em uma estação e devolvê-la após certo período de tempo em qualquer outro ponto locativo. 12 . O aluguel será cobrado através de tarifação por bilhetagem eletrônica.Abaixo seguem as seções transversais com suas respectivas dimensões de cada tipo de via com ciclovias instaladas: Seção transversal das vias locais.

que fazem parte do trajeto usando a bicicleta e para maiores deslocamentos de ônibus. que são indicadas para o uso em locais com uma topografia igual à de Belo Horizonte. 13 .Também aproveitar experiências de outros países. 3. já está em teste o uso do suporte nos ônibus para o transporte de bicicletas. EUA Fonte: Blog “Um Pouco de Tudo” Em São Paulo.3 Uso de Tecnologias Novas As bicicletas elétricas. EUA San Francisco. para o transporte de bicicletas dos usuários.Também serão instalados estacionamentos de bicicletas em diversos pontos da área da região de planejamento e em todas as unidades acadêmicas da UFMG. Figura 6: Ônibus que utilizam este anteparo para o transporte de bicicletas nos EUA Portland.onde os ônibus contam com um suporte na frente. assim o transporte bicicletário particular também será favorecido.mas ainda é muito pequena a representatividade e o interesse dos responsáveis pelas empresas.

BRASIL Fonte: Blog “Um Pouco de Tudo” Figura 8: Bicicletas Elétricas Fonte: Google Imagens “Bicicleta Elétrica” 14 .Figura 7: Ônibus que utilizam este anteparo para o transporte de bicicletas no Brasil São Paulo.

CIDADE São Paulo Rio/ São Paulo Rio de Janeiro Niterói Belo Horizonte Porto Alegre Fortaleza Recife/ Olinda Natal Maceió Brasília Total VALOR R$ 15. Apesar do investimento ser bem menor se comparado com o previsto para São Paulo.3 milhões R$ 710 milhões R$ 38.3 bilhões R$ 15.7 milhões R$ 1. Rio de Janeiro. prevê investimentos da ordem de R$ 38. a capital mineira já vem passando por intervenções em suas vias de acesso ao Mineirão.208 bilhão R$ 189 milhões R$ 198 milhões R$ 167 milhões R$ 141.05 bilhões R$ 40 milhões R$ 211. Investimentos na duplicação da Av.3 bilhões R$ 5.51 bilhões Tabela 1 : Investimentos em mobilidade urbana por cidade sede Fonte: Ministério do Turismo A idéia é utilizar esse montante que será investido em Belo Horizonte para implantação do sistema viário BRT e em melhorias estruturais nos corredores de ônibus.5 bilhões de reais e Belo Horizonte está inserida como uma das cidades beneficiadas com o mesmo. Antônio Carlos financiados com recursos do Governo de Minas Gerais (R$ 190 milhões) e da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (R$ 60 milhões) e com a recém concluída Linha Verde (por volta de R$ 400 milhões) oriundos do Tesouro Estadual 15 . Porto Alegre e Brasília.4 FONTES DE RECURSOS O investimento do governo previsto no Plano de Mobilidade Urbana para a Copa do Mundo de 2014 (Tabela 1).

Figura 9: Vista do Viaduto Araribá – Belo Horizonte Fonte: Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais Figura 10: Trecho da Linha Verde – Belo Horizonte Fonte: Google Imagens “Linha Verde” Afim de viabilizar a implantação do sistema de aluguel de bicicletas. 16 . o projeto tem em vista contar com o investimentos da iniciativa privada. A parceria seria uma forma de transmissão do nome e da imagem do investidor. aumentando assim sua notoriedade e construindo uma imagem positiva fundamentada no desenvolvimento social da região.

as PPP’s. estaduais e federais que lucram muito com eventos como a Copa do Mundo. com a redução de impostos e a implantação de suportes nos ônibus coletivos e estacionamentos seguros para os usuários.que esquematicamente funcionam assim (exemplo do estado de São Paulo): Organograma 1: Esquema de Parcerias Público Privadas O incentivo para a aquisição de bicicletas elétricas.A partir de Parcerias Público Privadas. 17 .A responsabilidade da implantação das iniciativas é totalmente dos gestores municipais.

Tudo isto gera um dispêndio contabilizado. Pois um projeto bem construído terá menos problemas na execução. em vista de prazos de execução quanto a utilização destes fatores favorecem em menor tempo gasto. assim como uma vasta mão-de-obra qualificada. equipamentos. uma mão-deobra mais qualificada resultará num rendimento diário melhor.Figura 11: Protótipo de bicicleta uma invenção que continua moderna desde 1790 Fonte: Google Imagens “Bicicleta Protótipo” 5 PRAZOS DE EXECUÇÃO Obras desde nível necessitam de grandes projetos para sua implementação e execução. disponibilidade de matéria prima. e a utilização de equipamentos adequados melhora o transporte e a rapidez com que as obras são realizadas. 18 .

dependendo da magnitude do projeto e é feito por etapas podendo váriar conforme a complexidade. na maioria das obras feitas pelo governo.Esquema de Engrenagens: Quanto maior o capital investido. favorecendo o aumento dos giros de mão-de-obra e equipamentos. há um processo como o demonstrado abaixo: 19 . para que a máquina em conjunto resulte em menor tempo de construção das obras. O tempo durante a obra vária. mais rápido esta engrenagem girará.

para que o futuro da execução seja programado em fases para que a obra seja entregue na data certa ao custo visto na licitação. pois isso dependerá das necessidades apresentadas no local como: necessidade de compra de imóveis. cura do concreto dentre outras. caso fosse feita uma ciclovia nos dois sentido sendo que feitas ao mesmo tempo demoraria quase um ano.Fluxo: Processo utilizado para realização de obras governamentais e públicoprivado As licitações são uma espécie de concorrêcia feita para sondar as empresas interessadas em fazer as obras. é vital que seja bem padronizado. compactação. 20 . sem contar com os efeitos climáticos podem que causar atrasos. O Projeto é onde se inicia o modo em que a obra será executada. podem durar variávelmente. mas geralmente chegam a demorar 2 meses para decidir qual empresa atuará com menor preço ou idéia mais atrativa da concorrência. O trecho da Lagoinha até UFMG possui mais de 9 Kilometros. Em termos de construção de vias há casos de prazo de execução de 1 km de ciclovia a cada 20 dias. Após a aprovação do projeto inicia-se a fase de execução. ou até mais e tudo depende da qualidade do serviço. Melhorias como as cabines nos pontos de ônibus demorariam para construir e montar além de adaptar o sistema atual de õnibus. drenagem.

não prejudicando a harmonia do conjunto arquitetônico da área. como jogos. 21 . contando com a execução das obras em tempo hábil e com a conscientização da população. para manter o patrimônio e utilização consciente dos meios de transporte. além de trazer mais eventos para a cidade. É esperada uma melhora significativa no deslocamento dentro da cidade. sem causar ônus aos mesmos. O retorno do investimento será em longo prazo. e o sistema será compatibilizado com o projeto de reforma da área da Pampulha. Figura 12: Trecho Projeto do estádio do Mineirão e do Mineirinho Fonte: Google Imagens “Copa 2014” Com a conclusão do projeto da reforma da área da Pampulha e com implementação do sistema de transporte proposto. exposições e grandes shows. é procurar soluções para a melhorar o transporte público e o acesso para a área onde ocorrerão os jogos da copa. espera-se também uma grande valorização das áreas atendidas pela melhoria da estrutura viária.6 RESULTADOS ESPERADOS O objetivo principal do trabalho.

com/2010/04/porta-bicicletas-nos-onibus-de-sao.br/site/content/parcerias/projetos.transportes.transportes.html http://www.br/idasbrasil/cidades/belohorizonte/port/apresent.gov.com.php/banco-de-noticias/693governo-de-minas-conclui-obras-da-linha-verde.php/component/content/article/796duplicacao-da-antonio-carlos-segunda-etapa.html http://www.copa2014.pdf 22 .mg.br/index.br/downloads/bogota.org.org.pedestre.com.br/index.idasbrasil.mg. asp http://www.comig.br/cidades-sedes/BELO+HORIZONTE/ http://www.blogspot.asp?id=15 http://umpoucodepm.7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS http://www.gov.html http://www.