You are on page 1of 27

98

3.8. Verificação do fenômeno de cavitação

3.8.1.Entendendo o fenômeno de supercavitação
Inicia-se com uma reflexão da influência da temperatura na viscosidade
dos fluidos e a influência desta na perda de carga ao longo do
escoamento.
Sabe-se que ao aquecer um líquido, o mesmo se expande, o que
equivale a dizer que ocorrerá uma diminuição da força de atração das
moléculas e como a viscosidade para líquidos é diretamente
proporcional à força de atração das moléculas, conclui-se que haverá
uma diminuição da viscosidade do líquido e em consequência uma
diminuição da perda de carga, já que a viscosidade está diretamente
ligada com a perda de carga.
Para os gases, como a viscosidade é diretamente proporcional à energia
cinética das moléculas, tanto o comportamento como as consequências
seriam justamente opostas às observadas nos líquidos.
Diante das considerações anteriores surge a proposta de uma nova
reflexão: será sempre conveniente aquecer e resfriar, respectivamente
os líquidos e os gases, em instalações hidráulicas? Ou existem limites
para isto?
Evocando que a engenheira e o engenheiro são pessoas aptas a
solucionar problemas, é fundamental que tanto saibam responder aos
questionamentos anteriores, como a outros, como, por exemplo:
- o que as questões anteriores tem a ver com o fenômeno de
supercavitação?
- o que vem a ser o fenômeno de supercavitação?

99
- por que ele é indesejável?
- quando ocorre?
- quais os cuidados preliminares a serem adotados na
execução de um projeto para evitá-lo?
Será objetivo deste item, desenvolver conhecimentos que permitam
responder as questões anteriores.
Deve-se lembrar que é sempre interessante se ter menor perda de
carga ao longo do escoamento, portanto pensando em relação à perda
de carga é interessante aquecer os líquidos e resfriar os gases, porém
dentro de certos limites, isto para não se ter o fenômeno de
supercavitação.
Para se entender o fenômeno de supercavitação deve-se calcular a
pressão na entrada da bomba.
Considerando a tubulação de sucção (tubulação antes da bomba em
uma instalação de recalque, ou seja, aquela onde o fluido é
transportado de um nível inferior para um nível superior com o auxílio
de uma bomba hidráulica) esquematizada na figura 17, objetiva-se
determinar a pressão de entrada da bomba (p
e
).

100









Figura 15

Figura 17

(o) – nível do reservatório de captação
(1) – válvula de pé com crivo ou válvula de poço
(2) - joelho de 90º
(e) – seção de entrada da bomba
PHR – plano horizontal de referência
B – bomba
Z
e
– cota da seção de entrada da bomba em relação ao PHR
adotado

Aplicando-se a equação da energia entre o nível de captação e a seção
de entrada da bomba resulta:

(e)
(2)
PHR
B
Z
e
(0)
(1)

101
( )
( )
( )

×
×
+
× +
×
+ × ¸ ÷ =

×
+
× + + × ¸ ÷ =
×
+
× + +
¸
+ = +
¸
+
+ =
¯
¯
¯
2
aB
A g 2
2
Q
H
D
aB
Leq L
aB
f
2
aB
A g 2
2
Q
e
z
e
p
ou
g 2
2
e
v
H
D
aB
Leq L
aB
f
g 2
2
e
v
e
z
e
p
g 2
2
e
v
H
D
aB
Leq L
aB
f
g 2
2
e
v
e
p
e
z
g 2
2
0
v
0
p
0
z
p
H
e
H
0
H
aB
aB
aB
bomba
da
antes


A expressão para o cálculo da pressão de entrada da bomba (p
e
)
demonstra que ela é menor que a pressão atmosférica local e isto
implica que é mais fácil vaporizar o fluido nesta pressão do que na
pressão atmosférica, já que a mesma ocorreria a uma temperatura
menor.
Determinando para a temperatura de escoamento (um dos dados
iniciais de projeto) a pressão de vapor (pressão onde coexistem a fase
líquida e a fase vapor), pode-se compará-la com a pressão na entrada
da bomba na escala absoluta (
a barométric
p
e
p
atm
p
e
p
e
p
local abs
+ = + = ).
Define-se o fenômeno de supercavitação
21
como o fenômeno que surge
quando a pressão de entrada (p
eabs
) é menor ou igual à pressão de
vapor (p
vapor
) do fluido que está sendo bombeado, ou seja, é o
fenômeno onde ocorre a vaporização (parcial ou total) do fluido na
seção de entrada da bomba.
Para aprimorar a compreensão do fenômeno de supercavitação
considera-se que a p
eabs
< p
vapor
como mostra a figura 18 a seguir:

21
Que é fundamental para a compreensão do fenômeno de cavitação, já que a supercavitação é
o fenômeno de cavitação na seção de entrada da bomba.

102








Figura 18
A figura 18 também nos auxilia a compreender que este fenômeno é
indesejável, já que na seção de saída da bomba sempre se tem a
pressão maior que a pressão atmosférica e isto implica na condensação
do vapor o que causa: um aumento da energia dissipada, uma
diminuição do rendimento da bomba, ruídos indesejáveis, diminuição do
tempo vida da bomba, etc.


3.8.2.Cuidados preliminares para se evitar o fenômeno de
cavitação

No caso da supercavitação para evitá-la, deve-se ter a pressão na
entrada da bomba na escala absoluta (p
eabs
) maior que a p
vapor
, porém é
importante saber que esta condição não é suficiente para garantir que
não ocorra o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica.
Apesar de não ser uma condição suficiente ela é fundamental para a
compreensão dos cuidados a serem adotados no desenvolvimento de
pressão atmosférica ao nível do mar
pressão de vapor
abs
e
p
t(ºC)
vapor superaquecido na
temperatura de
escoamento devido a
pressão ser menor que a
pressão de vapor
abs
saída
p
escoamento
t
100ºC

103
um projeto básico de uma instalação de bombeamento na tentativa de
se evitar o fenômeno de cavitação. Para compreendê-los se supõe que
esteja ocorrendo o fenômeno de supercavitação e que você foi
contratado para eliminá-lo, afinal uma de suas principais funções como
engenheira ou engenheiro será a de solucionar problemas.
Certamente você tomará medidas para aumentar a pressão na entrada
da bomba (p
e
)

e poderá propor para isto os seguintes procedimentos:
- dimensionar o diâmetro de recalque (após a bomba) e adotar para
a tubulação antes da bomba (aB) um diâmetro comercial
imediatamente superior, isto acarretará uma menor perda de
carga antes da bomba (este procedimento deve ser revisto no
final do projeto);
- o comprimento da tubulação antes da bomba deve ser o menor
possível;
- na tubulação antes da bomba utiliza-se as singularidades
estritamente necessárias o que garantirá que a somatória dos
comprimentos equivalentes seja a menor possível
¯ aB
Leq ;
- trabalhar com a cota da entrada (Z
e
) menor possível, inclusive
procurando trabalhar com a bomba afogada, que além de originar
uma cota negativa, acaba evitando o uso da válvula de pé com
crivo, ou válvula de poço, que é responsável por grande parte da
perda antes da bomba.

3.8.3.Testando o aprendizado

Como se deve ter a consciência que a transformação do estudante em
engenheiro não ocorre em um passe de mágica é fundamental que se
acompanhe e consolide o aprendizado, já que é ele o responsável pela

104
construção de novos caminhos, neste intuito pede-se para refletir sobre
as perguntas abaixo e posteriormente se realizar o teste proposto no
sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado1_2_2007.htm


P
1
– Comparando a pressão na seção de entrada da bomba com a
pressão de vapor, qual a condição para se ocorrer o fenômeno de
supercavitação?
P
2
- Se ocorre cavitação na entrada de uma bomba hidráulica, pode-se
afirmar que está ocorrendo vaporização em uma temperatura
inferior a temperatura do escoamento?
P
3
- Em um local onde a pressão barométrica é igual a 700 mm Hg
(peso específico do mercúrio igual a 13600kgf/m
3
) e a pressão de
entrada da bomba é -2720 kgf/m
2
. Qual a pressão absoluta da
entrada da bomba?
P
4
- Na determinação da pressão na entrada de uma bomba em uma
instalação de bombeamento chegou-se a expressão representada
abaixo. Pode-se afirmar que a pressão obtida por ela está na escala
absoluta?

( )

×
×
+
× +
×
+ × ¸ ÷ =
¯
2
aB
A g 2
2
Q
H
D
aB
Leq L
aB
f
2
aB
A g 2
2
Q
e
z
e
p
aB



P
5
- A expressão acima, para a determinação da pressão na entrada da
bomba em uma instalação de bombeamento, foi obtida pela
equação manométrica?
P
6
- Considerando a expressão para determinação da pressão de
entrada, ao aumentar o diâmetro da tubulação antes da bomba à
pressão de entrada diminui?

105
P
7
- Ao se trabalhar com a bomba afogada (Z
e
< 0 com PHR adotado no
nível de captação), pode-se afirmar que a pressão de entrada
aumenta?
P
8
- Se o seu objetivo fosse aumentar a pressão de entrada da bomba, o
que você adotaria?
P
9
- O fenômeno de supercavitação propicia o que para a bomba?
P
10
- O que é o fenômeno denominado de supercavitação?
P
11
- Se a pressão na entrada da bomba na escala absoluta for maior
que a pressão de vapor, pode-se certamente garantir que está
ocorrendo o fenômeno de cavitação?

Novas reflexões motivadas por novas perguntas, depois de respondê-las
realize o teste proposto no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado2_2007.htm


P
12
– Com o fenômeno da cavitação em uma bomba hidráulica pode-se
afirmar que haverá um aumento do seu rendimento?
P
13
– Pode-se afirmar que o rendimento de uma máquina é estabelecido
pela relação entre a potência dissipada e a potência total posta em
jogo?
P
14
- Ocorrendo o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica
ocorre erosão e vibração?
P
15
- Pode-se afirmar que o fenômeno de cavitação em uma bomba
hidráulica é caracterizado por um processo devido à pressão ser
menor ou igual à pressão de vapor do fluido que está sendo
transportado?

106

3.8.4.Cavitação

Em instalações hidráulicas é o fenômeno de vaporização parcial ou total
do fluido na própria temperatura de escoamento devido a se ter uma
pressão na escala absoluta menor ou igual à pressão de vapor do fluido.

Neste estudo, objetiva-se refletir sobre o fenômeno de cavitação em
bombas hidráulicas, ou seja, em seu interior.

Como se trata de um fenômeno indesejável procura-se estabelecer a
condição necessária e suficiente para que o mesmo não ocorra em
bombas hidráulicas e esta condição pode ser assim representada:

NPSH
disponível
> NPSH
requerido
.

O NPSH (net positive suction head) é também denominado de ALPS
(altura líquida positiva de sucção) e é definido como sendo
¸
÷
abs
abs
vapor
p
e
H .
Existem dois tipos de NPSH: o requerido que é fornecido pelo fabricante
de bomba e o disponível que é o calculado pelo projetista da instalação
de bombeamento.
O requerido é fornecido nas curvas características da bomba (CCB), vide
figura 19.

107

Figura 19

Já o disponível deve ser calculado pelo projetista pela expressão:

( )
trabalho de ponto do vazão a é Q
bomba da eixo no PHR o com obtido é
inicial
z
: onde
2
aB
A g 2
2
Q
H
D
aB
Leq L
aB
f
vapor
p
inicial
p
inicial
z
disponível
NPSH
vapor
p
p
H
inicial
H
disponível
NPSH
aB
abs
aB abs
÷
÷
×
×
+
× ÷
¸
÷
+ =
¸
÷ ÷ =
¯


Como a tubulação e/ou a bomba envelhecem é fundamental que se
tenha reserva (NPSH
disponível
- NPSH
requerido
>0) contra o fenômeno de

108
cavitação e é esta novamente a condição necessária e suficiente para
não se ter o fenômeno de cavitação em bombas hidráulicas.

Reflita sobre as novas perguntas e faça o teste proposto no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado2_2007.htm


P
16
- Pode-se afirmar que o NPSH
requerido
é fornecido pelo fabricante da
bomba em função da vazão de escoamento e adotando o PHR
(plano horizontal de referência) no eixo da bomba?

P
17
- O projetista, ao calcular o NPSH
disponível
, adotará o mesmo PHR do
fabricante?

P
18
- A condição necessária e suficiente para que não ocorra o fenômeno
de cavitação em uma bomba hidráulica pode ser assim
representada: NPSH
disponível
> NPSH
requerido
?

P
19
- Ao trabalhar-se com uma bomba afogada, pode-se afirmar que
haverá uma diminuição do NPSH
disponível
?

P
20
- Com o passar do tempo, pode-se afirmar que haverá um aumento
do NPSH
disponível
?

P
21
- Por que é fundamental se ter reserva (NPSH
disponível
- NPSH
requerido
)
para evitar o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica?

P
22
- Diminuindo-se o diâmetro interno da tubulação antes de uma
bomba haverá um aumento do NPSH
disponível
?

109

Para ampliar o estudo de cavitação recomenda-se a leitura do texto que
está publicado no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/Cavitação.pdf


“A vontade de se preparar precisa ser maior que a vontade de vencer”
Bob Knight na página 125 do livro: Bernardinho - TRANSFORMANDO
SUOR EM OURO - Editora Sextante – 2006
3.8.5.Exercícios

Primeiro
Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da
página 71, pede-se: obter o ponto de trabalho operando com
a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 128 mm
(página 75) e verificar o fenômeno de cavitação.

Importante: a determinação do coeficiente de perda de carga
distribuída (f) deve ser feita pela fórmula de Haaland.

Considerando a bancada 8 do laboratório de mecânica dos
fluidos do Centro Universitário da FEI, operando com a vazão
máxima, pede-se determinar o NPSH
disponível
,verificar o
fenômeno de supercavitação.
Segundo
Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da
página 71, pede-se obter, se possível, a vazão de queda livre
através da construção da CCI e obtendo os coeficientes de
perda de carga distribuída pela planilha Excel publicada no
sítio:
http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2008/quadro_noticias.htm

Importante: Considere a variação da vazão de 0 a 6 m³/h

Considerando a bancada 2 do laboratório de mecânica dos
fluidos do Centro Universitário da FEI, operando com a vazão
máxima, pede-se determinar o NPSH
disponível
,verificar o
fenômeno de supercavitação e o fenômeno de cavitação.

110

Terceiro
Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da
página 71, pede-se: obter o ponto de trabalho operando com
a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 133 mm
(página 75) e verificar o fenômeno de cavitação.

Importante: a determinação do coeficiente de perda de carga
distribuída (f) deve ser feita pela fórmula de Swamee e Jain

Considerando a bancada 7 do laboratório de mecânica dos
fluidos do Centro Universitário da FEI, operando com a vazão
máxima, pede-se determinar o NPSH
disponível
,verificar o
fenômeno de supercavitação.
Quarto
Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da
página 71, pede-se obter, se possível, a vazão de queda livre
através da construção da CCI e obtendo os coeficientes de
perda de carga distribuída pela fórmula de Churchill.
Importante: Considere a variação da vazão de 0 a 6 m³/h

Considerando a bancada 1 do laboratório de mecânica dos
fluidos do Centro Universitário da FEI, operando com a vazão
máxima, pede-se determinar o NPSH
disponível
,verificar o
fenômeno de supercavitação e o fenômeno de cavitação.
Quinto
Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da
página 71, pede-se: obter o ponto de trabalho operando com
a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 139 mm
(página 75) e verificar o fenômeno de cavitação.

Considerando a bancada 6 do laboratório de mecânica dos
fluidos do Centro Universitário da FEI, operando com a vazão
máxima, pede-se determinar o NPSH
disponível
,verificar o
fenômeno de supercavitação.

"Nós somos aquilo que fazemos repetidas vezes, repetidamente. A
excelência, portanto não é um feito, mas um hábito". Aristóteles citado
na página 149 do livro: Bernardinho - TRANSFORMANDO SUOR EM
OURO - Editora Sextante – 2006

111

Notas:

1. Os cálculos dos coeficientes de perda de carga distribuída pelas
fórmulas de Haaland, Swamee – Jain e Churchill, ou pela planilha
Excel, pode ser obtida no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/metamefluquimica.htm


2. Para as bancadas 1, 3, 4 e 5 considere os seguintes dados para a
CCB da bomba INAPI


Q(m³/h) HB (m) nB(%) NPSHr(m)
0 26
2.8 25.95 45
4 25.9 47 0.8
4.8 25.5 52 0.9
5.8 25 54 1
6.8 24 55 1.1
7.2 23 56 1.15
9 20.5 55 1.3
9.5 18.7 54 1.4
10.3 16.5 52 1.45
10.8 14 47 1.5

n = 3500
rpm


112

3. Bancada 2 bomba RUDC RH-5 com as características:




113


4. Bancada 6 bombas RUDC RF-6 com as seguintes características:


114

3.8.6.Exemplos de aplicação

1º A instalação de bombeamento, representada pela figura 20, opera
com uma bomba análoga a da bancada 6 com uma vazão máxima de
4 L/s. Sabendo que o fluido bombeado é a água a 28ºC e que a
tubulação de sucção é de 2” de aço 40, pede-se:

a. verificar a supercavitação (cavitação na entrada da bomba);
b. verificar a cavitação através do NPSH.
c. se estiver cavitando proponha alguma solução e comprove que
a mesma resolveu o problema.

Dados: leitura barométrica igual a 702 mmHg; comprimento da
tubulação de 2” antes da bomba igual a 1,7m;
m 38 , 0
aB
Leq ; m 05 , 15
aB
Leq
" 5 , 1 " 2
= =
¯ ¯
.





Figura 20

115


“O questionamento constante é uma grande fonte de crescimento. E o
crescimento, por sua vez, é uma fonte de satisfação". Bernardinho na
página 105 do livro: Bernardinho - TRANSFORMANDO SUOR EM OURO -
Editora Sextante - 2006


116

3.9. Cálculo do custo de operação

Para este cálculo a especificação do motor elétrico adequado para o
funcionamento do conjunto motobomba é fundamental.

As potências nominais comumente utilizadas em uma rede elétrica de
220 V, que é recomendada para motores de até 200 CV, são:

motores em CV - 1; 2 ; 3; 4 ; 1 ; 1 1/2 ; 2; 3; 5; 7.5; 10; 15; 20;
25; 30; 40; 50; 75; 100; 125; 150 e 200.

Considerando a rede elétrica de 380 V, que é recomendada para
motores até 1000 CV, tem-se:

motores em CV - 1; 2 . . . 200; 250; 300; 350; 425; 475; 530;
600; 675; 750; 850; 950; 1000.

Considerando que Nm = potência nominal do motor, resulta:

m
B
N
m
N
e
;
B
B
H Q
B
N
n
=
n
×
t
× ¸
=
t
t


O rendimento do motor elétrico (
m
n ) é adotado inicialmente igual a
90%, posteriormente com a potência nominal real, extraída de tabelas
anteriores, especifica-se o rendimento real do motor.

117

Tendo-se o motor elétrico, calcula-se o custo de operação, já que:

b a
m
N
kwh
R$
preço operação de Custo × × × =

onde:

Nm - potência nominal do motor real;
a - horas de funcionamento por dia;
b - dias de funcionamento por mês.

3.9.1.Exemplo de aplicação

Uma dada instalação hidráulica apresenta a seguinte equação da curva
característica da instalação (CCI): H
S
= 10 + 16200Q² + 129600Q²,
onde as parcelas 16200Q² e 129600Q² representam respectivamente a
tubulação antes e depois da bomba, onde a carga H
S
é dada em m e a
vazão Q dada em m³/s.

Sabendo-se que a vazão desejada é 72 m³/h e que se utilizou um
coeficiente de segurança de 10%, pede-se:

a. especificar a bomba adequada a partir do diagrama de blocos
dado a seguir;


118

b. após escolher a bomba e especificar o ponto de trabalho, sabendo
que a bomba está a 2 m acima do nível de captação e que o fluido
a ser bombeado é a água a 22ºC, verifique o fenômeno de
cavitação.
c. especifique o consumo mensal em kWh, sabendo que a instalação
opera diariamente em dois turnos de 8 horas.

Nota

O gabarito do exemplo anterior pode ser obtido no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2007/sexta_aula_complemento.htm


119

4. Correção da curva ) Q ( f
B
H = em função da rotação real de
funcionamento

Em eletrotécnica aprende-se que o número de rotações dos motores
alternativos depende:
- da frequência “f” do sistema que fornece a energia elétrica;
- do número de pólos “p” do motor.

Define-se a rotação síncrona de um motor em rpm, como o
número de rotações com que ele é susceptível a girar. Como são
dados valores de número de pólos e da frequência, pode-se
calcular a sua rotação síncrona:
p
f 120
n
×
=
Os motores assíncronos ou de indução são aqueles que
apresentam certo “deslizamento” em relação à rotação síncrona. A
rotação real, não tendo um tacômetro, pode ser estimada como
sendo igual a 97% da rotação síncrona, portanto: n 97 , 0
a
n × =

Importante notar que é possível se determinar à rotação real
através de tacômetro e aí se corrigir tanto a vazão como a carga
manométrica.

As correções são obtidas através dos adimensionais:

vazão de e coeficient
3
rotor
D n
Q
o manométric e coeficient
2
rotor
D
2
n
B
H g
÷
×
= o
÷
×
×
= v


120

4.1. Atividades relacionadas à experiência para obtenção da CCB

1ª parte - o grupo deve obter a CCB experimental e a corrigir em função
da rotação lida pelo tacômetro.


121


2ª parte - Considerando a bancada utilizada para obtenção da CCB e a
própria CCB obtida, o grupo deve calcular, para a vazão
máxima de escoamento, a perda de carga através da fórmula
universal, onde o coeficiente de perda de carga distribuída
deve ser calculado, tanto pela planilha do Excel, como pela
formula de Haaland e onde os comprimentos equivalentes
devem ser obtidos através das tabelas da Mipel, Tupy e se
necessário outras.

122


5. Estudando para a primeira prova oficial (P1)
1. Cada aluno deve criar três perguntas relacionadas aos estudos
realizados e respondê-las. (15 minutos)
2. Cada grupo se reúne para conhecer as perguntas criadas e respostas
obtidas por cada participante do mesmo e se houver necessidade
deve fazer as devidas correções.
3. A folha anterior com as perguntas e respostas devem circular entre
os grupos (ver quadro abaixo), para que no prazo de dez minutos
sejam conhecidas pelos demais, os quais devem fazer comentários,

123
tanto em relação às perguntas, como as respostas. Este
procedimento deve ser repetido até cada grupo receber a sua folha
original.
1º momento
Grupo Recebe do Passa
G1 G6 G1 para G2
G2 G1 G2 para G3
G3 G2 G3 para G4
G4 G3 G4 para G5
G5 G4 G5 para G6
G6 G5 G6 para G1
2º momento
Grupo Recebe do Passa
G1 G6 G6 para G2
G2 G1 G1 para G3
G3 G2 G2 para G4
G4 G3 G3 para G5
G5 G4 G4 para G6
G6 G5 G5 para G1
3º momento
Grupo Recebe do Passa para
G1 G6 G5 para G2
G2 G1 G6 para G3
G3 G2 G1 para G4
G4 G3 G2 para G5
G5 G4 G3 para G6
G6 G5 G4 para G1

124

4º momento
Grupo Recebe do Passa
G1 G6 G4 para G2
G2 G1 G5 para G3
G3 G2 G6 para G4
G4 G3 G1 para G5
G5 G4 G2 para G6
G6 G5 G3 para G1
5º momento
Grupo Recebe do Passa
G1 G6 G3 para G2
G2 G1 G4 para G3
G3 G2 G5 para G4
G4 G3 G6 para G5
G5 G4 G1 para G6
G6 G5 G2 para G1
6º momento
Grupo Recebe
Procurem também resolver exercícios propostos no sítio:

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/primeiro2007/recuperação_da_P1.pdf

http://www.escoladavida.eng.br/mecflubasica/apostila_unidade%207.htm

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/planejamentoaula7.htm

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/quarta_aula.htm

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/primeiraavaliacao.htm

http://www.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/exerciciosp1.htm

G1
G1 do
G6
G2
G2 do
G1
G3
G3 do
G2
G4
G4 do
G3
G5
G5 do
G4
G6
G6 do
G5

"Estar continuamente se preparando, manter-se atualizado e observar o
que há de novo são o preço a pagar pela excelência. Ela se constrói
muito a partir do inconformismo, da eterna insatisfação, da seção eterna
de achar que o trabalho pode levá-lo mais adiante. Acredito piamente
que é preciso criar situações de desconforto para tirar o melhor das
pessoas." - página 199 do livro - Bernardinho - Transformando Suor em
Ouro - editado pela Sextante - 2006

  

por que ele é indesejável? quando ocorre? quais os cuidados preliminares a serem adotados na execução de um projeto para evitá-lo?

Será objetivo deste item, desenvolver conhecimentos que permitam responder as questões anteriores. Deve-se lembrar que é sempre interessante se ter menor perda de carga ao longo do escoamento, portanto pensando em relação à perda de carga é interessante aquecer os líquidos e resfriar os gases, porém dentro de certos limites, isto para não se ter o fenômeno de supercavitação. Para se entender o fenômeno de supercavitação deve-se calcular a pressão na entrada da bomba. Considerando a tubulação de sucção (tubulação antes da bomba em uma instalação de recalque, ou seja, aquela onde o fluido é transportado de um nível inferior para um nível superior com o auxílio de uma bomba hidráulica) esquematizada na figura 17, objetiva-se determinar a pressão de entrada da bomba (pe).

99

joelho de 90º (e) – seção de entrada da bomba PHR – plano horizontal de referência B – bomba Ze – cota da seção de entrada da bomba em relação ao PHR adotado Aplicando-se a equação da energia entre o nível de captação e a seção de entrada da bomba resulta: 100 .(2) (e) Ze B PHR (0) (1) Figura 15 Figura 17 (o) – nível do reservatório de captação (1) – válvula de pé com crivo ou válvula de poço (2) .

é o fenômeno onde ocorre a vaporização (parcial ou total) do fluido na seção de entrada da bomba. já que a supercavitação é o fenômeno de cavitação na seção de entrada da bomba. ou seja. 101 . Para aprimorar a compreensão do fenômeno de supercavitação considera-se que a peabs < pvapor como mostra a figura 18 a seguir: 21 Que é fundamental para a compreensão do fenômeno de cavitação.H0  He  Hp antes bomba da 2 L Le q v2 v2 p0 p aB  v e z0   0  z e  e  e  faB   2g  2g DHaB 2g 2  L Le q v2 aB  v e  z  e  f pe    e aB   2g DHaB 2g            ou   L Le q Q2 Q2 z   aB  pe     e  faB  2 2  DHaB 2g  A 2g  A  aB aB       A expressão para o cálculo da pressão de entrada da bomba (pe) demonstra que ela é menor que a pressão atmosférica local e isto implica que é mais fácil vaporizar o fluido nesta pressão do que na pressão atmosférica. Determinando para a temperatura de escoamento (um dos dados iniciais de projeto) a pressão de vapor (pressão onde coexistem a fase líquida e a fase vapor). pode-se compará-la com a pressão na entrada da bomba na escala absoluta ( peabs  pe  patmloc al  pe  pbarométric ). já que a mesma ocorreria a uma temperatura menor. a Define-se o fenômeno de supercavitação21 como o fenômeno que surge quando a pressão de entrada (peabs) é menor ou igual à pressão de vapor (pvapor) do fluido que está sendo bombeado.

3. ruídos indesejáveis. já que na seção de saída da bomba sempre se tem a pressão maior que a pressão atmosférica e isto implica na condensação do vapor o que causa: um aumento da energia dissipada. etc. deve-se ter a pressão na entrada da bomba na escala absoluta (peabs) maior que a pvapor. diminuição do tempo vida da bomba.Cuidados preliminares para se evitar o fenômeno de cavitação No caso da supercavitação para evitá-la. Apesar de não ser uma condição suficiente ela é fundamental para a compreensão dos cuidados a serem adotados no desenvolvimento de 102 .8.2. porém é importante saber que esta condição não é suficiente para garantir que não ocorra o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica.t(ºC) pressão atmosférica ao nível do mar p saída abs 100ºC pressão de vapor p e abs vapor superaquecido na temperatura de escoamento devido a pressão ser menor que a pressão de vapor t escoamento Figura 18 A figura 18 também nos auxilia a compreender que este fenômeno é indesejável. uma diminuição do rendimento da bomba.

Testando o aprendizado Como se deve ter a consciência que a transformação do estudante em engenheiro não ocorre em um passe de mágica é fundamental que se acompanhe e consolide o aprendizado. na tubulação antes da bomba utiliza-se as singularidades   estritamente necessárias o que garantirá que a somatória dos comprimentos equivalentes seja a menor possível   LeqaB . Para compreendê-los se supõe que esteja ocorrendo o fenômeno de supercavitação e que você foi contratado para eliminá-lo. trabalhar com a cota da entrada (Ze) menor possível. o comprimento da tubulação antes da bomba deve ser o menor possível. 3.8. ou válvula de poço. acaba evitando o uso da válvula de pé com crivo.3. afinal uma de suas principais funções como engenheira ou engenheiro será a de solucionar problemas. inclusive procurando trabalhar com a bomba afogada. isto acarretará uma menor perda de carga antes da bomba (este procedimento deve ser revisto no final do projeto). que é responsável por grande parte da perda antes da bomba. que além de originar uma cota negativa. Certamente você tomará medidas para aumentar a pressão na entrada da bomba (pe) e poderá propor para isto os seguintes procedimentos:  dimensionar o diâmetro de recalque (após a bomba) e adotar para a tubulação antes da bomba (aB) um diâmetro comercial imediatamente superior.um projeto básico de uma instalação de bombeamento na tentativa de se evitar o fenômeno de cavitação. já que é ele o responsável pela 103 .

escoladavida.eng. para a determinação da pressão na entrada da bomba em uma instalação de bombeamento.Se ocorre cavitação na entrada de uma bomba hidráulica.Na determinação da pressão na entrada de uma bomba em uma instalação de bombeamento chegou-se a expressão representada abaixo. foi obtida pela equação manométrica? P6 .A expressão acima. qual a condição para se ocorrer o fenômeno de supercavitação? P2 .Considerando a expressão para determinação da pressão de entrada.htm P1 – Comparando a pressão na seção de entrada da bomba com a pressão de vapor. pode-se afirmar que está ocorrendo vaporização em uma temperatura inferior a temperatura do escoamento? P3 . neste intuito pede-se para refletir sobre as perguntas abaixo e posteriormente se realizar o teste proposto no sítio: http://www. Qual a pressão absoluta da entrada da bomba? P4 . ao aumentar o diâmetro da tubulação antes da bomba à pressão de entrada diminui? 104 .Em um local onde a pressão barométrica é igual a 700 mm Hg (peso específico do mercúrio igual a 13600kgf/m3) e a pressão de entrada da bomba é -2720 kgf/m2.construção de novos caminhos. Pode-se afirmar que a pressão obtida por ela está na escala absoluta?   L Leq Q2 Q2 z   aB  pe     e  faB  2 2  DH 2g  A 2g  A aB  aB aB       P5 .br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado1_2_2007.

Pode-se afirmar que o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica é caracterizado por um processo devido à pressão ser menor ou igual à pressão de vapor do fluido que está sendo transportado? 105 .escoladavida. depois de respondê-las realize o teste proposto no sítio: http://www. pode-se certamente garantir que está ocorrendo o fenômeno de cavitação? Novas reflexões motivadas por novas perguntas.O fenômeno de supercavitação propicia o que para a bomba? P10 .Ocorrendo o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica ocorre erosão e vibração? P15 .P7 .Se a pressão na entrada da bomba na escala absoluta for maior que a pressão de vapor.eng.O que é o fenômeno denominado de supercavitação? P11 .htm P12 – Com o fenômeno da cavitação em uma bomba hidráulica pode-se afirmar que haverá um aumento do seu rendimento? P13 – Pode-se afirmar que o rendimento de uma máquina é estabelecido pela relação entre a potência dissipada e a potência total posta em jogo? P14 . pode-se afirmar que a pressão de entrada aumenta? P8 .Se o seu objetivo fosse aumentar a pressão de entrada da bomba.Ao se trabalhar com a bomba afogada (Ze < 0 com PHR adotado no nível de captação).br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado2_2007. o que você adotaria? P9 .

8. em seu interior. O NPSH (net positive suction head) é também denominado de ALPS (altura He  abs líquida pvapor abs  positiva .3. O requerido é fornecido nas curvas características da bomba (CCB). vide figura 19. 106 . ou seja.Cavitação Em instalações hidráulicas é o fenômeno de vaporização parcial ou total do fluido na própria temperatura de escoamento devido a se ter uma pressão na escala absoluta menor ou igual à pressão de vapor do fluido. Como se trata de um fenômeno indesejável procura-se estabelecer a condição necessária e suficiente para que o mesmo não ocorra em bombas hidráulicas e esta condição pode ser assim representada: NPSHdisponível > NPSHrequerido. de sucção) e é definido como sendo Existem dois tipos de NPSH: o requerido que é fornecido pelo fabricante de bomba e o disponível que é o calculado pelo projetista da instalação de bombeamento.4. objetiva-se refletir sobre o fenômeno de cavitação em bombas hidráulicas. Neste estudo.

NPSHrequerido >0) contra o fenômeno de 107 .Figura 19 Já o disponível deve ser calculado pelo projetista pela expressão: NPSHdisponíve l Hinicial  HpaB  abs NPSHdisponíve l zinicial  onde: zinicial  é obtidocom o PHR no e ix o da bom ba Q  é a vazãodo ponto de trabalho pvapor  L Le q pinicial  pvapor Q2 aB  abs  faB   DHaB 2g  A2 aB    Como a tubulação e/ou a bomba envelhecem é fundamental que se tenha reserva (NPSHdisponível .

pode-se afirmar que haverá uma diminuição do NPSHdisponível? P20 . ao calcular o NPSHdisponível .A condição necessária e suficiente para que não ocorra o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica pode ser assim representada: NPSHdisponível > NPSHrequerido? P19 . Reflita sobre as novas perguntas e faça o teste proposto no sítio: http://www.O projetista.escoladavida.Diminuindo-se o diâmetro interno da tubulação antes de uma bomba haverá um aumento do NPSHdisponível? 108 . adotará o mesmo PHR do fabricante? P18 .eng.Por que é fundamental se ter reserva (NPSHdisponível .htm P16 .cavitação e é esta novamente a condição necessária e suficiente para não se ter o fenômeno de cavitação em bombas hidráulicas.NPSHrequerido) para evitar o fenômeno de cavitação em uma bomba hidráulica? P22 . pode-se afirmar que haverá um aumento do NPSHdisponível? P21 .br/mecfluquimica/segundo2007/teste_seu_aprendizado2_2007.Com o passar do tempo.Ao trabalhar-se com uma bomba afogada.Pode-se afirmar que o NPSHrequerido é fornecido pelo fabricante da bomba em função da vazão de escoamento e adotando o PHR (plano horizontal de referência) no eixo da bomba? P17 .

htm Segundo Importante: Considere a variação da vazão de 0 a 6 m³/h Considerando a bancada 2 do laboratório de mecânica dos fluidos do Centro Universitário da FEI. Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da página 71.verificar o fenômeno de supercavitação.verificar o fenômeno de supercavitação e o fenômeno de cavitação.TRANSFORMANDO SUOR EM OURO . pede-se obter. 109 .escoladavida.eng. pede-se: obter o ponto de trabalho operando com a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 128 mm (página 75) e verificar o fenômeno de cavitação. Considerando a bancada 8 do laboratório de mecânica dos fluidos do Centro Universitário da FEI.eng.8. a vazão de queda livre através da construção da CCI e obtendo os coeficientes de perda de carga distribuída pela planilha Excel publicada no sítio: http://www.escoladavida.br/mecfluquimica/segundo2008/quadro_noticias.Para ampliar o estudo de cavitação recomenda-se a leitura do texto que está publicado no sítio: http://www.pdf “A vontade de se preparar precisa ser maior que a vontade de vencer” Bob Knight na página 125 do livro: Bernardinho . operando com a vazão máxima. pede-se determinar o NPSHdisponível .Exercícios Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da página 71.Editora Sextante – 2006 3.5. operando com a vazão máxima. se possível.br/mecfluquimica/Cavitação. Primeiro Importante: a determinação do coeficiente de perda de carga distribuída (f) deve ser feita pela fórmula de Haaland. pede-se determinar o NPSHdisponível .

Importante: Considere a variação da vazão de 0 a 6 m³/h Considerando a bancada 1 do laboratório de mecânica dos fluidos do Centro Universitário da FEI. Aristóteles citado na página 149 do livro: Bernardinho . A excelência. Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da página 71.verificar o fenômeno de supercavitação e o fenômeno de cavitação. Quinto Considerando a bancada 6 do laboratório de mecânica dos fluidos do Centro Universitário da FEI. Terceiro Importante: a determinação do coeficiente de perda de carga distribuída (f) deve ser feita pela fórmula de Swamee e Jain Considerando a bancada 7 do laboratório de mecânica dos fluidos do Centro Universitário da FEI. pede-se: obter o ponto de trabalho operando com a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 139 mm (página 75) e verificar o fenômeno de cavitação. pede-se determinar o NPSHdisponível .verificar o fenômeno de supercavitação. Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da página 71. operando com a vazão máxima. a vazão de queda livre através da construção da CCI e obtendo os coeficientes de perda de carga distribuída pela fórmula de Churchill. operando com a vazão máxima. pede-se: obter o ponto de trabalho operando com a bomba INI 32 – 125 com diâmetro do rotor igual a 133 mm (página 75) e verificar o fenômeno de cavitação. portanto não é um feito. mas um hábito".Editora Sextante – 2006 Quarto 110 .verificar o fenômeno de supercavitação. pede-se obter. pede-se determinar o NPSHdisponível . se possível. repetidamente.TRANSFORMANDO SUOR EM OURO .Considerando a instalação de bombeamento do exercício 4 da página 71. "Nós somos aquilo que fazemos repetidas vezes. pede-se determinar o NPSHdisponível . operando com a vazão máxima.

1 1.5 14 B(%) 45 47 52 54 55 56 55 54 52 47 NPSHr(m) 0.8 7.5 111 . Para as bancadas 1. ou pela planilha Excel.15 1.45 1.7 16.Notas: 1.eng.3 10.4 1.br/mecfluquimica/metamefluquimica.8 6.5 10.5 18.8 n = 3500 rpm HB (m) 26 25.95 25.9 25. Swamee – Jain e Churchill. 4 e 5 considere os seguintes dados para a CCB da bomba INAPI Q(m³/h) 0 2.escoladavida.8 4 4.9 1 1. pode ser obtida no sítio: http://www.2 9 9.5 25 24 23 20.8 5. Os cálculos dos coeficientes de perda de carga distribuída pelas fórmulas de Haaland. 3.htm 2.8 0.3 1.

Bancada 2 bomba RUDC RH-5 com as características: 112 .3.

Bancada 6 bombas RUDC RF-6 com as seguintes características: 113 .4.

representada pela figura 20. c.38m.6. Sabendo que o fluido bombeado é a água a 28ºC e que a tubulação de sucção é de 2” de aço 40.3. opera com uma bomba análoga a da bancada 6 com uma vazão máxima de 4 L/s. Figura 20 114 .Exemplos de aplicação 1º A instalação de bombeamento. verificar a supercavitação (cavitação na entrada da bomba).5"  0. Dados: leitura barométrica igual a 702 mmHg. se estiver cavitando proponha alguma solução e comprove que a mesma resolveu o problema.7m.8. pede-se: a. verificar a cavitação através do NPSH.LeqaB1. b. LeqaB2"  15. comprimento da tubulação de 2” antes da bomba igual a 1.05m.

E o crescimento. Bernardinho na página 105 do livro: Bernardinho . por sua vez.TRANSFORMANDO SUOR EM OURO Editora Sextante .2006 115 . é uma fonte de satisfação".2º “O questionamento constante é uma grande fonte de crescimento.

50. 750. 150 e 200. que é recomendada para motores de até 200 CV. 20. 950.5. 7. . 25. são: motores em CV .1. 300. 2 . Considerando a rede elétrica de 380 V.9. 30. especifica-se o rendimento real do motor.1. 850. que é recomendada para motores até 1000 CV. 675. 75. 1000. 2. 3. Cálculo do custo de operação Para este cálculo a especificação do motor elétrico adequado para o funcionamento do conjunto motobomba é fundamental. extraída de tabelas anteriores. 600. 116 . resulta:   Q   HB  . 530. 425. 3. 350. 100. tem-se: motores em CV . 40. 5. 1 1/2 . As potências nominais comumente utilizadas em uma rede elétrica de 220 V. posteriormente com a potência nominal real. 200. 125. B  NB m NB  e Nm  O rendimento do motor elétrico ( m ) é adotado inicialmente igual a 90%. Considerando que Nm = potência nominal do motor. . 4 . 250. 10. 475. 2 . 1 . 15.3.

Tendo-se o motor elétrico.dias de funcionamento por mês. já que: Custode operação preço R$  Nm  a  b kwh onde: Nm .1. especificar a bomba adequada a partir do diagrama de blocos dado a seguir. pede-se: a. 117 . onde a carga HS é dada em m e a vazão Q dada em m³/s.9. onde as parcelas 16200Q² e 129600Q² representam respectivamente a tubulação antes e depois da bomba. a .Exemplo de aplicação Uma dada instalação hidráulica apresenta a seguinte equação da curva característica da instalação (CCI): HS = 10 + 16200Q² + 129600Q².potência nominal do motor real. b . Sabendo-se que a vazão desejada é 72 m³/h e que se utilizou um coeficiente de segurança de 10%. 3. calcula-se o custo de operação.horas de funcionamento por dia.

sabendo que a instalação opera diariamente em dois turnos de 8 horas. especifique o consumo mensal em kWh. c.b. Nota O gabarito do exemplo anterior pode ser obtido no sítio: http://www. após escolher a bomba e especificar o ponto de trabalho. sabendo que a bomba está a 2 m acima do nível de captação e que o fluido a ser bombeado é a água a 22ºC.htm 118 . verifique o fenômeno de cavitação.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/segundo2007/sexta_aula_complemento.

como o número de rotações com que ele é susceptível a girar. pode-se calcular a sua rotação síncrona: n  Os motores assíncronos ou 120  f p de indução são aqueles que apresentam certo “deslizamento” em relação à rotação síncrona. pode ser estimada como sendo igual a 97% da rotação síncrona. Define-se a rotação síncrona de um motor em rpm. do número de pólos “p” do motor.4. portanto: na  0. não tendo um tacômetro. Como são dados valores de número de pólos e da frequência. Correção da curva HB  f(Q) em função da rotação real de funcionamento Em eletrotécnica aprende-se que o número de rotações dos motores alternativos depende:   da frequência “f” do sistema que fornece a energia elétrica. A rotação real.97  n Importante notar que é possível se determinar à rotação real através de tacômetro e aí se corrigir tanto a vazão como a carga manométrica. As correções são obtidas através dos adimensionais: g  HB  coeficient m anom étric e o n2  D2 rotor Q   coeficient de vazão e n  D3 rotor  119 .

4.1. Atividades relacionadas à experiência para obtenção da CCB 1ª parte .o grupo deve obter a CCB experimental e a corrigir em função da rotação lida pelo tacômetro. 120 .

Considerando a bancada utilizada para obtenção da CCB e a própria CCB obtida. tanto pela planilha do Excel. como pela formula de Haaland e onde os comprimentos equivalentes devem ser obtidos através das tabelas da Mipel. Tupy e se necessário outras. 121 .2ª parte . a perda de carga através da fórmula universal. onde o coeficiente de perda de carga distribuída deve ser calculado. para a vazão máxima de escoamento. o grupo deve calcular.

(15 minutos) 2. 3. os quais devem fazer comentários. 122 . Cada grupo se reúne para conhecer as perguntas criadas e respostas obtidas por cada participante do mesmo e se houver necessidade deve fazer as devidas correções. Estudando para a primeira prova oficial (P1) 1. Cada aluno deve criar três perguntas relacionadas aos estudos realizados e respondê-las. para que no prazo de dez minutos sejam conhecidas pelos demais.5. A folha anterior com as perguntas e respostas devem circular entre os grupos (ver quadro abaixo).

Este procedimento deve ser repetido até cada grupo receber a sua folha original. 1º momento Recebe do G6 G1 G2 G3 G4 G5 2º momento Recebe do G6 G1 G2 G3 G4 G5 3º momento Recebe do G6 G1 G2 G3 G4 G5 Grupo G1 G2 G3 G4 G5 G6 Grupo G1 G2 G3 G4 G5 G6 Grupo G1 G2 G3 G4 G5 G6 Passa G1 para G2 G2 para G3 G3 para G4 G4 para G5 G5 para G6 G6 para G1 Passa G6 para G2 G1 para G3 G2 para G4 G3 para G5 G4 para G6 G5 para G1 Passa para G5 para G2 G6 para G3 G1 para G4 G2 para G5 G3 para G6 G4 para G1 123 .tanto em relação às perguntas. como as respostas.

escoladavida.escoladavida.editado pela Sextante . Acredito piamente que é preciso criar situações de desconforto para tirar o melhor das pessoas. Ela se constrói muito a partir do inconformismo.br/mecfluquimica/planejamentoaula7.htm G2 G4 do http://www.2006 124 .br/mecfluquimica/primeiraavaliacao.htm G4 G3 http://www. da eterna insatisfação.htm G4 G6 do G6 G5 "Estar continuamente se preparando." .br/mecflubasica/apostila_unidade%207.escoladavida.Grupo G1 G2 G3 G4 G5 G6 Grupo G1 G2 G3 G4 G5 G6 4º momento Recebe do G6 G1 G2 G3 G4 G5 5º momento Recebe do G6 G1 G2 G3 G4 G5 6º momento Passa G4 para G2 G5 para G3 G6 para G4 G1 para G5 G2 para G6 G3 para G1 Passa para G2 para G3 para G4 para G5 para G6 para G1 G3 G4 G5 G6 G1 G2 Grupo Recebe G1 do Procurem também resolver exercícios propostos no sítio: G1 G6 G2 do http://www.eng.htm G3 do G3 http://www.eng.htm G5 do G5 http://www.escoladavida.Bernardinho .pdf G2 G1 http://www.eng.eng.página 199 do livro . manter-se atualizado e observar o que há de novo são o preço a pagar pela excelência. da seção eterna de achar que o trabalho pode levá-lo mais adiante.escoladavida.eng.br/mecfluquimica/exerciciosp1.eng.escoladavida.br/mecfluquimica/primeiro2007/recuperação_da_P1.Transformando Suor em Ouro .br/mecfluquimica/quarta_aula.