Imagine

Especial: Planeta:

Edição digital

Estamos seguros no Mundo em que vivemos?

Noticias:
As fuel cells de Hidrogéneo conquistam mercados

Destaque:
Microalgas podem ser o futuro dos

COMBUSTIVEIS

1

Editorial
Imagine. Segundo o Dicionário é representar ou conceber na imaginação, idear, supor, crer, inventar e aquando se reflecte adquire um novo significado: julgar-se. Ora, neste contexto, criamos esta revista, com o sentido de fazer o leitor reflectir, reflectir sobre o Mundo que o rodeia, o que acontece à sua volta. Julgar, para então ele conseguir separar o que é correcto e o que é incorrecto. Crer, porque esta revista segue os seus ideais, porque acredita neles, o da liberdade de expressão e expansão da informação. Aqui o leitor irá encontrar uma fonte segura e imparcial. Assim, o leitor crê no que ele vê e não no que uma outra pessoa lhe diz. Imagine, porque não há limites no campo do Saber.

Esperemos que gostem da Revista,

Os maiores cumprimentos de:

Diogo Mestre Gonçalo Santos João Fortunato Pedro Gonçalves

2

Comemora-se esta semana de 1 a 8 de Junho a Semana Mundial do Meio Ambiente

Indice
1. Demografia 4 2. Crescimento Demográfico 7 3. Natalidade 9 4. Mortalidade 12 5. Explosão Demográfica 16 6. População Mundial 22 7. Portugal 24 8. Poluição 26 9. Na Rota do: Hidrogenio 35 10. Culturas 38 11. Noticias 47 12. Destaque 50

3

O que é ?

Demografia
A demografia é a ciência que estuda a dinâmica populacional humana. O seu objecto de estudo engloba as dimensões, estatísticas, estrutura e distribuição das diversas populações humanas. Estas não são estáticas, variando devido à natalidade, mortalidade, migrações e envelhecimento. A análise demográfica centra-se também nas características de toda uma sociedade ou um grupo específico, definido por critérios como a Educação, a nacionalidade, religião e pertença étnica. As informações básicas para os estudos demográficos provêm, sobretudo, dos recenseamentos periódicos da população e de outros censos, levantamentos e registos de migrações. Estes estudos têm como base fundamental para o seu trabalho os dados estatísticos que são recolhidos, à escala de cada país, pelos respectivos serviços de estatística.

4

O que é ?

Demografia
Os serviços de estatística procedem a contagens regulares e periódicas da população e, através da análise do comportamento dessa mesma população, fazem previsões e extrapolações que permitem a actualização dos dados recolhidos. As operações de contagem da população são os recenseamentos (ou censos), que se realizam geralmente de 10 em 10 anos. Os inquéritos estatísticos elaborados por demógrafos e geógrafos podem fornecer dados valiosos acerca das populações do passado, do presente e do futuro, revestindo-se, pois, de máxima importância. Senão, vejamos: à escala individual, permitem compilar as tabelas de duração de vida que vão servir, por exemplo, de referência às companhias seguradoras para atribuição de seguros aos diversos segurados; a uma escala mais genérica, permitem aos governos a planificação das novas situações nacionais, sociais e outras, susceptíveis de determinarem as mudanças de população; finalmente, à escala global, as estatísticas permitem, entre muitas outras finalidades, aos organismos das Nações Unidas vaticinarem alterações na procura mundial de recursos essenciais. No entanto, a demografia é muitas vezes reduzida à "estatística", no sentido original do termo, ao levantamento quantitativo da dimensão, composição e movimento da população. Ora, os demógrafos que pretendem passar da descrição à explicação (à ciência, portanto) referem que só analisando os princípios e as teorias das ciências sociais como a sociologia e a economia é possível indicar os aspectos demográficos das condutas – sugerindo-se, por vezes, ser preferível falar em sociologia da população.

5

Evolução

Demografia
1º) Regime demográfico primitivo, até 1750:
Caracterizou-se por um crescimento lento da população, mortalidade assumiram valores elevados, assim como os índices de natalidade, verificando-se um crescimento natural fraco.

2º) Revolução Demográfica, até 1950:
Até á segunda Guerra mundial, verificou-se um rápido crescimento da população. A taxa de mortalidade sofreu uma significativa redução, principalmente nos países industrializados, enquanto a taxa de natalidade se manteve bastante elevada.

3º)Explosão Demográfica:
Caracteriza-se por uma forte descidas das taxas de natalidade e mortalidade que atingem valores algo próximos, verificando-se um grande crescimento demográfico

4º) Regime Moderno:
A taxa de natalidade experimenta uma redução significativa até se situar abaixo da taxa de natalidade, pelo que o crescimento demográfico poderá ser mesmo negativo (perdem-se habitantes).

Estes valores de diferentes evoluções demográficas na população mundial dependem do grau de desenvolvimento dos países em questão. Actualmente, a maioria deles, sobretudo os países africanos, mantêm a natalidade muito alta mas, em geral, estão a reduzir consideravelmente a mortalidade. Outros países, especialmente na América Latina, na Ásia e também alguns de África, já reduziram muitíssimo a mortalidade e, ao mesmo tempo, estão a diminuir a natalidade. Segundo cálculos da ONU, se os países pobres acelerarem o ritmo de transição para países desenvolvidos, no ano 2050 haverá no planeta aproximadamente 7,5 biliões de habitantes. Se, pelo contrário, o processo se moderar a população mundial poder-se-ia situar naquele ano em cerca de 11 biliões de habitantes.

6

Padrões

Crescimento Demográfico
Paises em desenvolvimento
Os comportamentos demográficos influenciam a estrutura etária da população, a proporção de jovens relaciona-se com a taxa de natalidade e o índice de fecundidade, enquanto a proporção de idosos s e relaciona com a esperança média de vida. A taxa de natalidade tenda a ter valores mais elevados nos países em desenvolvimento, embora tenha vindo a diminuir. Nos países em desenvolvimento, a quantidade de jovens, permanece em relação aos idosos. Estes países tem fraca capacidade económica para responder as necessidades da população como a alimentação, saúde, educação e emprego. Uma população jovem acarreta alguns problemas como: subnutrição, mortalidade infantil alta, baixa alfabetização, desemprego, falta de habitação ou mesmo o aparecimento de actividades ilícitas como o tráfico de drogas.

7

Padrões

Crescimento Demográfico
Paises desenvolvidos
Nos países desenvolvidos a estrutura etária revela um envelhecimento da população devido à diminuição dos jovens e aumento dos idosos. Enquanto nos países em desenvolvimento, a estrutura etária é caracterizada por uma população jovem. Nos Paises Desenvolvidos há mais Idosos que jovens. O aumento da população idosa é um fenómeno positivo na medida em que é uma consequência do aumento da esperança media de vida. No entanto, consiste no aumento das despesas do estado uma vez que, haverá cada vez mais pensões e reformas. Também se verifica uma discrepância entre a percentagem da população activa e não activa. A renovação das gerações é também mais difícil.

8

Factores que condicionam a Demografia

Natalidade
Desenvolvimento de métodos contraceptivos cada vez mais eficazes, que permitem decidir o número de filhos que se quer ter; Aumento da participação da mulher no mundo de trabalho, que lhe deixa menos disponibilidade para cuidar dos filhos e obriga a despesas com amas e infantários; Grande parte da população vive no espaço urbano, onde a habitação é mais cara e menos espaçosa; Cada vez há maiores exigências com a educação dos filhos, que aumentam a despesas da família; Há tendência para o aumento da idade média do casamento, devido à maior duração da vida escolar; Adia-se o nascimento do primeiro filho, motivado pela maior valorização da carreira profissional da mulher; Há a convicção de que cada casal deve decidir, de forma livre e responsável, o número de filhos que deseja ter. Evolução na percentagem de mulheres na população activa nalguns países desenvolvidos.

9

Nos Países Em Desenvolvimento

Natalidade
A taxa de natalidade continua a aumentar. O que pode ser explicado pelos seguintes factores: A população ainda não considera o controlo da natalidade importante, pois as despesas com os filhos não são elevadas e estes ajudam no trabalho, sendo uma possível fonte de rendimento; O elevado número de crianças que morrem antes dos cinco anos de idade conduz à necessidade de ter mais filhos; Inexistência de sistemas de segurança social que faz com que sejam os filhos a assegurar a velhice dos pais; Reduzido grau de instrução, sobretudo da mulher o que dificulta a aceitação e a utilização correcta de meios contraceptivos; Oposição da religião ao controlo da natalidade leva a população a rejeitar o planeamento familiar; A idade do casamento muito precoce contribui para que os casais tenham mais filhos.

10

A Fertilidade

Natalidade
A taxa de natalidade depende do número de filhos que cada mulher tem, ou seja, do índice de fertilidade. Nos países desenvolvidos, registam-se baixas taxas de natalidade e o índice de fertilidade não garante a renovação de gerações, principalmente na Europa, enquanto na maioria dos países em desenvolvimento, a taxa de natalidade é elevada e o índice de fertilidade garante a renovação de gerações, sendo África onde se verificam os valores mais elevados. A população europeia entrou numa fase de contracção duradoura porque as mulheres esperam mais tempo antes de ter o primeiro filho, tendência que se junta a um número de filhos, em média, inferior a dois

11

Países desenvolvidos

Mortalidade
Os principais factores que conduziram à diminuição das taxas de mortalidade nos países desenvolvidos foram os seguintes: Melhoria da alimentação devido à modernização da agricultura (mecanização, meios para combater as doenças e as pragas); Os progressos da medicina no tratamento e na prevenção de doenças (novos medicamentos, vacinas, etc.); Construção de sistemas de saneamento básico (água canalizada, esgotos, etc.); A melhoria das condições de habitação (higiene, conforto, privacidade, etc.); O aumento da protecção social sistemas de financiamento da saúde, leis de protecção e segurança no trabalho, etc.); O melhoramento da alimentação e consequente melhoria das defesas do organismo que conduziram à imunização relativamente a algumas doenças.

12

Países em Desenvolvimento

Mortalidade
Nos países em vias de desenvolvimento, a redução da taxa de mortalidade, a partir do séc. XX deve-se aos factos seguintes: A vacinação contra inúmeras doenças, como a cólera e a malária, responsáveis por graves epidemias; A abertura de poços e furos para abastecimento da água potável às populações; A prestação de cuidados médicos por voluntários da área de saúde; A formação profissional em diferentes áreas, o que permite ás próprias pessoas melhoras as suas condições de vida; A introdução de algumas práticas agrícolas que permitem aumentar as produções e melhorar a alimentação.

13

Mortalidade Infantil

Mortalidade
A nível mundial, verificou-se também a redução da taxa de mortalidade infantil, embora esta apresente ainda valores muito elevado em muito países. É mais difícil fazer descer a taxa de mortalidade infantil, pois as crianças são mais vulneráveis e, actualmente, nos países em desenvolvimento continuam a persistir: Subnutrição Fome Escassez de água; Falta de condições de habitação e higiene; Assistência materno-infantil deficiente ou mesmo inexistente; Impossibilidade de vacinar atempadamente todas as crianças; Insuficiente assistência médica e hospitalar; Pobreza e falta de informação.

14

15

Explosão Demográfica
A explosão demográfica é o grande aumento da população dos seres humanos, ocorrido principalmente no século XX. Até ao século XIX, a mortalidade era extremamente elevada, pois a humanidade não tinha recursos suficientes para combater grande parte das doenças. As grandes descobertas do século XX, como a , as vacinas e os antibióticos diminuíram bruscamente o índice de mortalidade.

16

As Consequências

Explosão Demográfica
O contínuo aumento populacional pode ter várias consequências negativas. A mais falada é a questão da escassez de alimentos, mas a verdade é que os alimentos estão mal distribuídos mundialmente, caso contrário como justificaríamos o facto de morrerem mais pessoas por excesso de alimentação (obesidade e problemas cardiovasculares) do que pessoas a morrer à fome? Com o aumento da população e desenvolvimento dos países aumenta também a poluição produzida, e se já com a população actual os problemas ambientais relacionados com a poluição são bastantes, então deduz-se que serão muito piores com uma população ainda maior e a produzir cada vez mais desperdícios; este aumento da poluição poderá implicar também a degradação de muitos ecossistemas naturais.

17

As consequências

Explosão Demográfica
Na sociedade globalizada em que vivemos outro grave problema é a propagação de epidemias, que agora o fazem com muito mais facilidade devido ao contacto entre indivíduos de todos os pontos do mundo uns com os outros devido aos avanços dos meios de transporte. O facto de haver cada vez mais gente, para menos área habitável faz também com que comecem a surgir populações que habitam áreas perigosas do planeta, facilmente susceptíveis a catástrofes (ex: áreas de grande actividade vulcânica). Têm também preocupado as autoridades governamentais os problemas associados à criação de empregos, meios de habitação, transportes, educação e saúde.

18

Como atenuar?

Explosão Demográfica
É necessário implementar medidas que levem os casais a ter menos filhos, principalmente nos países em desenvolvimento onde a taxa de natalidade é maior. Dentro destas medidas destacam-se as seguintes: Dinamização de campanhas publicitarias que promovam a ideia de que uma família com um ou dois filhos pode ter melhor qualidade de vida e ser mais feliz; A divulgação do uso de métodos contraceptivos, muitas vezes com distribuição gratuita; A legalização da interrupção voluntária da gravidez; O alargamento dos serviços de informação no âmbito do planeamento familiar: O recurso em incentivos para o casamento em idades mais tardios; A promoção social da mulher, através da sua instrução e formação profissional.

As medidas acima referidas foram implementadas nalguns países procurando sensibilizar a população, enquanto noutros com carácter repressivo definindo número de limite de filhos por casal.

19

Como atenuar?

Explosão Demográfica

Na China, foi implementada em 1979 a politica de “filho único”. Os casais que tivessem mais que um filho perderiam regalias sociais, salário diminuído e poderiam mesmo perder o emprego. Importa também aumentar a escolaridade, especialmente entre as raparigas. Melhorias na situação económica, social e jurídica das jovens e das mulheres poderão contribuir para aumentar o seu poder de negociação, conferindo-lhes uma voz mais forte nas decisões relacionadas com os aspectos reprodutivos e produtivos da família.

20

21

População Mundial
Durante o século XX houve um aumento da esperança média de vida principalmente nos países desenvolvidos, graças ao progresso da medicina e á melhoria das condições de vida. O desenvolvimento de técnicas de fertilização artificial contribui para o aumento da esperança média de vida, assim como os estudos genéticos permitem combater doenças. Os hábitos de higiene pessoais, a ingestão de águas potáveis, as redes de saneamento básico, assim como outros factores acima referidos muito contribuíram para o aumento da esperança média de vida.

22

População Mundial
Em resultado da quebra da fertilidade e da mortalidade, tem-se assistido a um crescimento da população idosa: em 1991 representava 13,6% da população total, situando-se no final da década em 17,5 %

23

Estudo da População

Portugal
Actualmente a população portuguesa tem vindo a aumentar, mas com um crescimento natural cada vez menor, levando a que o país se encontre envelhecido e não exista renovação de gerações. Por outro lado, a esperança média de vida tem vindo a aumentar, tanto nos homens como nas mulheres. O maior crescimento da população tem-se verificado nos distritos costeiros principalmente Setúbal, Porto, Aveiro e Braga, mas continua a diminuir nos distritos do interior. Nos últimos tempos a imigração tem vindo a aumentar em consequência da entrada de africanos provenientes dos PALOP e europeus de Leste, estabelecendo-se principalmente nas grandes cidades portuguesas. A emigração permanente tem-se mantido a níveis baixos, desde a revolução do 25 de Abril de 1974 e com a entrada na União Europeia. Internamente, a migração é dominada pela atracção exercida pelas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto em relação ao resto do País.

24

Estudo da População

Portugal
Portugal é um país onde se encontra uma população bastante envelhecida, o que se deve em parte à diminuição da taxa de natalidade, como também ao melhoramento da medicina e ainda ao facto de Portugal se um país de partida da população jovem, que migra em busca de melhores condições de vida.

25

Atmosfera

Poluição
Há dez mil anos, a Terra tinha menos de seis milhões de habitantes no total e a sua população levava uma vida simples, fazendo parte da Natureza. Hoje, há mais de seis mil milhões de pessoas que, estão a destruir a Terra. O consumo dos recursos naturais é superior, em muito, à sua reposição, o que perturba o equilíbrio natural do planeta.

A contaminação da atmosfera já vem do passado desde que o Homem começou a utilizar os combustíveis fosseis. Nos últimos 200 anos, porém estas actividades têm prejudicado muito rapidamente a atmosfera e a biosfera.

A poluição atmosférica é um problema de proporções mundiais, afectando todo o planeta e os seus habitantes. A poluição atmosférica leva ao aquecimento global e as suas consequências afectam os seres vivos de todas as regiões nas próximas gerações.

26

No século XX, a temperatura da Terra aumentou cerca de 0,6ºC a 2ºC.

As Nações Unidas prevêem até 2100 um aumento entre 1,4ºC a 5,8ºC.

As consequências serão nefastas: irão aumentar as precipitações em certas regiões, enquanto noutras a precipitação será escassa, proporcionando o aumento das áreas desertificadas.

27

Água

Poluição
Desde os tempos mais remotos o Homem costuma lançar seus detritos nos cursos de água. Até a Revolução Industrial, porém, esse procedimento não causava problemas, já que os rios, lagos e oceanos têm considerável poder de auto-limpeza, de purificação.

Com a industrialização, a situação começou a sofrer profundas alterações. O volume de detritos despejados nas águas tornou-se cada vez maior, superando a capacidade de purificação dos rios e oceanos, que é limitada.

Além disso, passou a ser despejada na água uma grande quantidade de elementos que não são biodegradáveis, ou seja, não são decompostos pela natureza. Tais elementos - por exemplo, os plásticos, a maioria dos detergentes e os pesticidas - vão se acumulando nos rios, lagos e oceanos, diminuindo a capacidade de retenção de oxigénio das águas e, consequentemente, prejudicando a vida aquática.

28

Água

Poluição
A água usada para arrefecer os equipamentos nas centrais termoeléctricas e em alguns tipos de indústrias também causa sérios problemas de poluição. Essa água, que é lançada nos rios ainda quente, faz aumentar a temperatura da água do rio e acaba provocando a eliminação de algumas espécies de peixes, a proliferação excessiva de outras e, em alguns casos, a destruição de todas.

29

Até 2100 a Terra aquecerá entre 1,8ºC e 6ºC, em consequência das emissões de gases lançados na atmosfera pelo Homem. Este aquecimento climático afecta já os glaciares e as chuvas e deixa prever um aumento dos fenómenos, tais como as inundações.

A destruição dos ecossistemas levará a catástrofes que afectarão principalmente os países pobres. O nível médio das águas do mar aumentou entre 0,1 a 0,2 metros nos últimos cem anos. A previsão para 2100 é que o nível das águas subirá entre 9 a 88 centímetros.

.

30

Petróleo

Poluição
Um dos maiores poluentes dos oceanos é o petróleo. Com o intenso tráfego de navios petroleiros, este tipo de poluição alcança níveis elevadíssimos Além dos vazamentos com causas acidentais, em que milhares de toneladas de óleo são despejados na água, os navios libertam petróleo no mar frequentemente, durante a lavagem dos tanques.

Esses resíduos de petróleo lançados ao mar com a água da lavagem representam cerca de 0,4 a 0,5% da carga total.

31

Conclusão

Poluição
Com o crescimento urbano tem-se agravado a poluição atmosférica. Ruas ladeadas por edifícios altos que impedem a circulação do ar, intensa circulação automóvel que liberta gases poluentes, que ficam “presos” em pequenas áreas devido à deficiente circulação de ar, betão e asfalto que absorvem o calor, compõem o clima próprio e único das cidades. Com o crescimento urbanístico que se verifica nas cidades, a tendência do futuro será o agravamento destes problemas, com aglomerados populacionais habitados por muitos milhões de habitantes.

32

33

As florestas europeias estão a absorver entre 10 a 30% do dióxido de carbono, emitido anualmente pela indústria, impedindo este poluente de agravar o efeito de estufa, revela um documento da Comissão Europeia. Esta conclusão surge de um estudo europeu, que mostra também que 40% do total das emissões de CO2 (não apenas da indústria) são retidas pela vegetação. A Comissão Europeia está a promover um projecto denominado Carbo Europe, que pretende promover a utilização das florestas para o combate à poluição atmosférica, reduzindo o efeito de estufa que é responsável pelo sobreaquecimento global. Ambiente 21, nº7

Absorção do Co2

CarboEurope
Projecto europeu criado em 2000 para melhor perceber, avaliar e prever os cenários actuais e futuros do carbono lançado pela Europa. Este projecto deu origem ainda a CarboSchools, um subprojecto em que foram criadas parcerias com as escolas e os respectivos professores e alguns cientistas especialistas no estudo das emissões de carbono, no sentido de convidar os alunos a aprenderem quais os impactos globais e locais da mudança climática, com palestras, actividades laboratoriais, visitas a laboratórios e visitas de estudo. Os Projectos vieram de Espanha, Holanda, França, Alemanha, Itália, Noruega, Roménia http://www.carboeurope.org/education/ http://www.carboschools.cat/ http://www.tsn.org.uk/UK-CarboSchools.htm http://folk.uib.no/nsmis/carboschools/

34

Na rota do

Hidrogénio
As fuel cells conquistam mercados sucessivos, por serem uma forma segura, portátil e não poluente de gerar energia. As aplicações já vão desde os autocarros aos telemóveis, passando pelas infraestruturas críticas. Para saber mais: http://www.fuelcells.org e http://www.fuelcelltoday.com CHIC, Clean Hydrogen in European Cities, http://chic-project.eu, um projecto iniciado em Novembro, que introduziu 26 autocarros alimentados a células de combustível no dia-a-dia das cidades de Aargau (Suíça), Bolzano e Milão (Itália), Londres (Reino Unido) e Oslo (Noruega).

O Mercedes-Benz Citaro é um dos modelos.

35

Na rota do

Hidrogénio
Alimentada a células de combustível de 30kW, a primeira versão do Hydrogenics Hyster foi lançada em 2004.

A Aprilia alimentada por células de combustível de 3 kW fez sensação. Silenciosa e não poluente, tinha 75km de autonomia e alcançava s 56Km/h.

36

Na rota do

Hidrogénio
Com a combinação de um sistema eléctrico e de células de combustível, o Tyrano Vision tornou-se o primeiro camião verde do mundo: zero emissões, zero combustíveis fósseis, zero poluição sonora. Após a demonstração do sucesso no porto de Los Angeles (California), aguarda-se agora a sua produção em série. O depósito de 20 a 40 quilos de hidrogénio dá-lhe uma autonomia de 320 a 640km.

Bungalows e autocaravanas são algumas aplicações para as células de combustível EFOY, lançadas em 2006 e disponíveis a preços que vão dos 1900 aos 5400 euros.

37

Sem Comentários

Culturas
Sem Comentários
38

Culturas
Breve Introdução
Nesta secção irá presenciar algumas fotografias tiradas nos cinco continentes, que irão em breve concorrer ao Concurso World Press Photo, consurso destinado ao Fotojornalismo. O nosso objectivo com esta secção será a de criar uma emoção diferente ao leitor com cada foto. Um nosso muito obrigado ao canal Euronews por nos inspirar a fazer esta secção, assim como o seu apoio.

Nota: As seguites páginas devem ser visualisadas com a Revista de lado.

39

40

41

42

43

44

45

46

Notícias
Um cientista japonês relata no mais recente número da revista Entomological Science uma observação fora do vulgar em que um insecto, em vez de ser presa de um réptil, é seu predador. Com efeito, Shin-ya Ohba assistiu a episódio em que um percevejo aquático gigante denominado Kirkaldyia deyrolli se alimentava de uma tartaruga-de-charco de Reeve numa vala anexa a um arrozal, no Centro do Japão. O insecto, com 5,8cm de comprimento pertence à subfamília Lethocerinae da Ordem Heteroptera, que pode ser encontrada em lagos e ribeiros de águas lentas na América e na Ásia Oriental, onde se alimenta de pequenos vertebrados como peixes e rãs. Trata-se de um animal predador que ataca as presas em movimento e que também já foi observado pelo mesmo investigador a ingerir cobras. Apesar de raros o cientistas defende que estes casos fazem questionar a tradicional dinâmica predador-presa de répteis e insectos aquáticos.

47

Notícias
Um dos problemas dos displays duplos que todos conhecemos, como por exemplo a DS é o facto de termos de ter uma moldura em torno dos ecrãs. Isto devido à dobradiça de fecho da consola que criaria problemas num ecrã. Mas esses problemas acabaram devido a uma nova tecnologia da Samsung, onde os seus cientistas do Samsung Advanced Institute of Technology, na Coreia do Sul criaram um ecrã capaz de ser dobrado num ângulo de 180º e que em testes, mesmo após vários milhares de dobras não apresentou qualquer tipo de vincos.

Efectivamente os técnicos da Samsung dobraram e desdobraram o ecrã mais de 100 mil vezes, sem que tivesse sido visível qualquer tipo de vinco no ecrã. As únicas consequências destas dobragens/desdobragens constantes foram uma perda de brilho na zona da junta de cerca de 6%, um valor quase imperceptível para o olho humano.

48

Notícias
Os dias de por umas moedas na máquina e esperar que uma lata de refrigerante caia poderão estar contados. Na semana passada a PepsiCo revelou um protótipo de um “sistema social de venda”, apontada para uma próxima geração de máquinas de venda interactivas. Esta máquina apresenta um ecrã táctil que permite ao consumidor comprar uma bebida, assim como oferecê-la a alguém. Basta introduzir o nome do produto, o número do telemóvel do destinatário e uma mensagem de texto personalizável e a máquina assim irá gerar um código e instruções de como levantar a bebida numa outra máquina social.

Existe também a opção de personalizar o presente com um curto vídeo filmado na própria máquina. A PepsiCo declara também que é possível comprar uma bebida a um estranho, chamando-lhe “Acções Aleatórias Refrescantes”.

Segundo o site Beveragepulse.com, 94% dos consumidores estão preocupados com os efeitos ecológicos das embalagens das bebidas. A divisão de Serviço de Alimentação da PepsiCo, que leva os produtos da Pepsi aos restaurantes, universidades, estádios, ouvi os consumidores e anunciou que irá substituir as embalagens actuais por umas novas, amigas do ambiente, feitas de material reciclado. Prometeram ainda que as embalagens iriam ter a qualidade a que os consumidores Pepsi estão habituados e iriam tornar estas embalagens competitivas, no que toca ao preço, em relação às embalagens.

49

Microalgas marcam futuro dos

Combustíveis
A alternativa das microalgas está a ser vista com cada vez mais interesse no sector dos biocombustíveis. Especialmente depois da chamada “crise de alimentos” de 2007, durante a qual o uso de grandes extensões de terreno para culturas energéticas esteve na mira das críticas, tornouse premente encontrar outras formas de produção de biocombustíveis mais sustentáveis. Em Portugal, o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) e a Associação Portuguesa de Transporte e Trabalho Aéreo (APTTA) iniciaram um projecto de investigação para um aproveitamento total de microalgas na produção de biocombustível destinado à aviação comercial.

50

A nível internacional, é a gigante Boeing que lidera a investigação nesta área. Há mais de três anos que o grupo de aeronáutica investe no desenvolvimento tecnológico destes combustíveis de segunda geração a partir de microalgas. A maior preocupação da Boeing é garantir uma produção suficiente de culturas energéticas de microalgas para abastecer o mercado, depois de os projectos terem sido desenvolvidos à escala-piloto.

Como vantagens, as microalgas apresentam uma maior taxa de sequestro de CO2 por hectare, quando comparadas com as oleaginosas tradicionais na produção de biocombustíveis. Além disso, a eficiência fotossintética e a taxa de crescimento superiores à das oleaginosas levam a maiores produtividades em óleo. Em média, a produção de biodiesel a partir de microalgas é entre 10 a 20 vezes superior à obtida com sementes de oleaginosas.

Por outro lado, a grande vantagem em termos de sustentabilidade encontra-se na diversidade de locais produção, não havendo necessidade de competição pelos terrenos agrícolas.

As microalgas desenvolvem-se em qualquer terreno. O resíduo da biomassa das microalgas pode também ser aproveitado, seja como fertilizante ou para obtenção de produtos naturais. O aproveitamento de microalgas para biocombustíveis é recente e a tecnologia necessita de ser consolidada.

Para já, a própria Boeing admite que o processo de extracção energética de algas é muito mais demoroso e complexo do que a produção de biocombustíveis a partir de outras culturas.

51

52

53