CENÁRIOS ECONÔMICOS

Aluno: Danilo Croffi. Curso: MBA em Avicultura - Maringá

O Brasil teve uma queda de 56. ajudou para minimizar os efeitos da crise global.é a acumulação do capital. O manejo dessas políticas de forma inadequada tende a prejudicar o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB). Caso existe disponibilidade de mão -de-obra. como redução de impostos de diversos produtos e do custo de financiamentos para o setor produtivo. o Brasil já saiu da crise por causa destas medidas. quando a crise da . após criticar "apostas e especulações" do mercado financeiro sobre a situação fiscal do governo. De acordo com o ministro Bernardo isso se deve aos agentes do mercado.8% no superávit primário do primeiro semestre do ano ante igual período de 2008. Por sua vez. O sucesso de uma política econômica depende. afirmou o ministro Paulo Bernardo. queda na renda per capita e o aumento do desemprego.POLÍTICA FISCAL BRASILEIRA A piora nas contas públicas é uma das "seqüelas" da política anticrise adotada pelo governo para minimizar a desaceleração econômica. Devido a isso. E não só isso. saiu fortalecido. exigiram adaptação do regime fiscal às alterações da estratégia de desenvolvimento e das formas de integração à economia mundial. As medidas anticrise adotadas. A revisão mostrou-se ainda mais urgente em função da crise fiscal que se arrastava desde os anos 80. ³O Brasil conseguiu sair da crise. mas. pois reflete a velocidade com que o estoque de construções e de máquinas e equipamentos de um país se expandem. ela mede a velocidade com que a capacidade de produzir riquezas está crescendo. associada à abertura comercial e financeira e à retirada do Estado como agente condutor do crescimento. sem botar dinheiro em empresa quebrada´. Com isso diminuiu um pouco o superávit. entre outras ações. A política fiscal ganhou e na lugar destacado de na condução A da política macroeconômica estratégia desenvolvimento. que os responsáveis por sua implementação levem em consideração a estreita relação que existe entre a política fiscal e a política monetária. reduziu impostos e perdeu um pouco de receita. Esta é a medida adequada de crescimento econômico. as seqüelas e prejuízos foram mínimos. integração subordinada aos mercados. o principal determinante do cre scimento a médio e longo prazo além de uma conjuntura internacional favorável .

A lógica de concepção da política fiscal manteve-se a mesma definida no início do Plano Real. embora iniciada na década de 80. a reforma da previdência e as privatizações. incutindo no mercado a certeza de que os movimentos inesperados de juros e câmbio seriam compensados com o aumento do superávit primário capaz de garantir o ajuste intertemporal das contas públicas. O superávit primário ganhou caráter de despesa obrigatória e as despesas discricionárias assumiram o papel de resíduo. Além disso. marcado. no primeiro momento. delineando a especificidade desta nova fase.dívida externa colocou a nu os problemas de financiamento público e pôs em xeque a institucionalidade então vigente. sempre passível de ser ajustado em nome do cumprimento da meta fiscal. A explicitação do compromisso com a trajetória da dívida pública entronizou na execução orçamentária a prática do contingenciamento dos gastos públicos no montante exigido para que a meta de superávit primário fosse alcançada. ganhou outro caráter no Plano Real. As outras agendas subordinaram -se a esse objetivo maior e o uso de instrumentos fiscais em defesa de políticas de . normas de contratação de operações de crédito e critérios de eliminação de eventual excesso de endividamento. O enrijecimento da política fiscal teve como meta resgatar as contas públicas e demonstrar o comprometimento com a sustentabilidade da dívida pública. quando foi preciso alterar o regime de política econômica com o objetivo de recuperar a confiança arranhada pelo colapso do regime cambial. pela renegociação das dívidas estaduais. A condução da política fiscal atrelou -se a regras e normas rígidas de cumprimento das metas programadas. Tornou-se obrigatório definir na L ei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) a meta de superávit primário do próximo ano e a indicação para os dois anos seguintes. definindo limites legais de dívida consolidada e de despesas específicas. A r eforma na área fiscal. A concepção do novo regime fiscal deu atenção à defesa da estabilidade e à minimização dos riscos de aplicação em moeda nacional. a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em 2001 reforçou o controle das contas de estados e municípios. O processo avançou em decorrência da crise de 1999. A estabilização e a integração ao mercado internacional colocaram questões de natureza diversa e levaram à construção de um novo regime fiscal. mas os sinais de descontinuidade são inequívocos.

ou CVM. que trata da área securitária. CMN. A explicitação das múltiplas agendas escancara as barreiras existentes. POLÍTICA MONETÁRIA A política monetária no Brasil tem dois protagonistas conhecidos do público pelas suas siglas: SELIC e COPOM. e a Secretaria de Previdência Privada. os bancos múltiplos com carteiras comerciais e as cooperativas de crédito. órgão pertencente ao Banco Central do Brasil. Por sua vez. Trata-se de uma taxa administrada pelas Autoridades Monetárias através do Conselho de Política Monetária.crescimento foi praticamente abandonado. os caminhos a serem percorridos e as possíveis brechas capazes de levar à ação mais efetiva da política fiscal. devido a sua característica regulatória e fiscalizadora das atividades das denominadas instituições financeiras captadoras de depósitos a vista. constitui o que se denomina de taxa referencial de juros d a economia. O desafio a ser enfrentado é aproveitar a situação relativamente estável e ampliar o debate da agenda fiscal. devem ser levados ao centro do debate e as dificuldades de realizar reformas fiscais de vulto não podem paralisar as ações. cuja atuação. é conhecido como o banco dos bancos. que cuida da área de Mercado de Capitais. . a Superintendência de Seguros Privados. as caixas econômicas. ou simplesmente COPOM. Essa prática seguiu a ordem teórica dominante depois da derrocada da visão keynesiana de defesa do pleno emprego e das alterações da dinâmica capitalista na fase da globalização e ganhou corpo a partir da crise da Ásia. Os entraves ao crescimento. colocados no plano federal e estadual. incorporando temas que foram deixados de lado durante a fase em que a defesa da estabilidade prevaleceu absoluta. ou taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia. A taxa SELIC. BACEN. órgão máximo da administração das questões monetárias. ou SPC. ou SUSEP. dentre as quais fazem parte os bancos comerciais. O Banco Central. não dando margem às propostas de apoio a áreas ou setores específicos. quando o programa de ajuste acompanhou as diretrizes impostas pelo FMI. As outras são a Comissão de Valores Mobiliários. o Banco Central é uma das quatro instituições do denominado Conselho Monetário Nacional.

o COPOM pode ser considerado como um organismo recente. a começar pelos oito membros da Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil. mas a criação de um organismo específico para tratar do rito da definição da taxa de juros teve como final idade básica esclarecer melhor diante do mercado financeiro os critérios das decisões na área monetária. Entretanto. quando é efetuada uma análise é dinâmica. Entre os demai s membros. SFN. de Operações do Mercado Aberto (DEMAB) e de Estudos e Pesquisas (DEPEP). Uma análise da composição do mesmo permite verificar que o COPOM funciona como uma célula do BACEN. O COPOM tem como objetivos explícitos estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros. vive-se atualmente um paradoxo. a função Secretário-Executivo do COPOM é exercida pelo Consultor da Diretoria de Política Monetária do BACEN e. existe um Assessor de Imprensa. sendo suas decisões quase que uma extensão do pensa mento deste. o que se observa são duas economias com trajetórias diferentes e em busca do seu próprio . Todos os membros com direito a voto do COPOM são membros do BACEN. uma vez que sua criação data de 20 de junho de 1996. enquanto a maior taxa de juros do mundo ocorre onde a economia se mostra com maiores condições de crescimento e expansão.como o nome sugere. para emitir os comunicados ao mercado. onde uma taxa d e juros baixa e declinante está associada a uma economia em franca desaceleração. Assim. de Operações Bancárias (DEBAN). esta função já fazia parte das atribuições do Banco Central. Este conjunto como um todo é denominado de Sistema Financeiro Nacional. Na realidade. que tem o voto de qualidade. não se deve pensar que se trata de uma medida tardia das Autoridades Monetárias brasileiras. é presidido pelo Presidente do Banco Central. uma análise estática da situação faria pensar que a economia real funciona ao contrário da teoria. principalmente quando se compara a sua idade com a de outros organismos similares instituídos pelos bancos centrais de outros países. Ainda. todos do BACEN. Assim. sem direito a voto. encontram-se os chefes dos Departamentos: Econômico (DEPEC). Por último. Em termos de história econômica. se relaciona com as denominadas entidades fechadas de previdência privada. de Operações das Reservas Internacionais (DEPIN). Na realidade.

POLÍTICA CAMBIAL BRASILEIRA O Real é uma das moedas que mais se valorizou ante ao dólar. a longo prazo. Até onde irá o esforço dos Bancos Centrais dos dois paises na busca da correção de rota das suas economias será a tônica dos próximos capítulos desta novela. E os setores que mais sofrem são os de maior complexidade no processo produtivo. E a perda de empregos e renda pode ser considerável para os setores industriais que adicionam mais valor à produção. No entanto. indicativo este de que as taxas de juro estão acima do necessário.etc. enquanto nos Estados Unidos trata-se de impedir que a vontade de investir seja prejudicada pela remuneração sem risco dos títulos do Tesouro Americano. Para o consumidor. Ela possui fábricas e m diversos países ± México. Com isso os preços dos importados servem como um parâmetro a ser seguido pelos bens domésticos. Então. a Marcopolo que é uma empresa gaúcha produtora de ônibus muito competitiva no mercado internacional está mudando sua estratégia. Um cenário possível é o da taxa de câmbio favorável à importação dessas peças antes fabricadas aqui. ou seja. Antes ela enviava kits produzidos aqui e montados nessas fábricas no exterior. ou seja também é um canal para segurar a inflação. com aumento da fabricação de peças e acessórios nesses países. este é um momento decisivo pois. os preços tornam-se mais baixos. atraindo dólares para os papéis brasileiros. No Brasil busca -se impedir que pressões devid as a preços internos e riscos externos venham a afetar os fundamentos da economia. os produtores nacionais têm seus rendimentos corroídos pois.equilíbrio. este ano cerca de 40% dos ônibus produzidos serão nas unidades do exterior. com um produto importado mais barato. Para a indústria. a preferência do consum idor será para estes produtos em detrimento ao produto nacional. o que força o preço do produto brasileiro para baixo. o perigo de danos à cadeia produtiva interna existe. Exatamente os que geram mais renda para a economia. Por exemplo. o dólar em baixa tem um efeito positivo pois. a curto prazo. a etapa que mais adicionava valor estava dentro das fronteiras. É importante ressaltar que. África do Sul. com o dólar .

POLÍTICA DE CRÉDITO BRASILEIRA A política de crédito é primordial para nortear e embasar os procedimentos e operacionalidade dos departamentos de crédito e cobrança. etc. estando baixo o dólar. é vital para a consolidação do país no mercado mundial como uma nação forte mas. Como os produtos importados estão mais baratos. como as condições comerciais de prazo. Este circulo virtuoso que no qual esta inserido o Brasil. que perde competitividade no mercado internacional. Para a indústria. procedimentos e normas de cobrança. motivos para comemorar. Ao definirmos a política de crédito a ser seguida.baixo é possível automatizar toda a linha de produção desembolsando menos. o lucro e o â nimo da industria em produzir. encargos. O consumidor tem sim. seja corroída. critérios para a concessão. devemos nos basear nas seguintes variantes: uso da concessão de crédito para aumentar as vendas. é preciso tomar muito cuidado para que o pais não entre num círculo vicios o ou em uma grande bola de neve. fazendo com que o produtor pague menos. o dólar estando em baixa torna os produtos brasileiros menos competitivos no mercado internacional forçando o comércio interno dos produtos brasileiros. A indústria. a indústria brasileira se vê obrigada a diminuir o preço reduzindo assim. chora. até certo ponto. Para o produtor rural. e demais departamentos administrativo -financeiros e também vendas. taxas de desconto. com certeza. diretrizes e delegação das responsabilida des na obtenção das informações necessárias entre os departamentos de crédito e de vendas para a concessão de crédito e processo de cobrança. suspensão ou extinção do crédito de clientes . O produtor rural. que na sua maioria são cotados em dólar. O ponto negativo para o produtor é que. os produtos agrícol as. que gera emprego às pessoas menos especializadas. que é paga em dólar. sejam depreciados de forma substancial. ainda não decidiu se comemora ou chora. o dólar em baixa também é favorável. pois faz com que a divida do produtor rural. Com automação é possível se atingir um grau maior de produção e de qualidade dos produtos aquecendo o mercado interno e externo.

Estas variáveis devem nortear o encontro do ponto de equilíbrio entre as vendas e a qualidade da carteira a receber. entre outras. Além de atuar tática e estrategicamente com as metas e planos da empresa.inadimplentes. definir padrões e critérios para se medir o desempenho da atuação operacional. administração da carteira das contas a receber. através de uma excelente qualidade da carteira a receber. e as necessidades dos clientes. através do gerenciamento do risco. . Objetivo da política de crédito deve ser equilibrar o lucro da empr esa. autoridade e autonomia do departamento de crédito em relação a vendas.