Aula 1 – Introdução à Inf ormática O BJ E CT I V OS : C ONCE I T OS

BÁ SI COS D E I NFORMÁ T I CA .

Co mo pont o de part ida par a a abordage m de co nceit os, co loca-se a seguint e quest ão: O que é um Co mput ador ou PC? Exist em vár ias definições par a esse t ema, ho je em dia a maior ia da s pessoas t êm uma noção int uit iva sobr e o PC, nest e mat er ial propomos o seguint e conceit o : È uma máquina co mpost a por disposit ivo s elect rónicos capazes de receber e execut ar as ordens ou inst ruções para o processament o da infor mação. No conceit o acima c it ado lhe é at r ibuída uma cruc ial import ância aos disposit ivo s elect rónicos co mo part e indispensável para que exist a fis icament e o PC e seja possível o seu funcio nament o. Assim co mo t ambém, o PC precisa dum co njunt o de inst ruções ou programa para que acont eça o processament o da infor mação. O conjunt o de inst ruções necessár ias para que o PC possa processar dados ou infor mações escr it as num código det er minado, se deno mina programa. No expressado ant er ior ment e se faz alusão a dois ele ment os inseparáveis, present es em t odo S ist ema de Co mput ação , conhecidos co mo Hardware e Soft ware: Hardware: desig nado co mo a part e fís ica, co mpost o pelos disposit ivo s int er nos (p lacas, font es de a liment ação, et c.) e os disposit ivos ext er nos (t eclado, monit or, et c.), int er ligados ao PC. Software: designado como a part e lógica, programa ou conjunt o de programas int er-relacio nados, mas possuindo diversas funções, ent re elas as de Gest ão e Cont rolo do PC. Conhecendo os pr incipais conceit os do PC, a cont inuação será abordada a sua linguagem. Linguagem do PC: Independent ement e da nat ureza dos difer ent es fenó menos físicos, manifest ados na represent ação e conser vação da infor mação (eléct r ico, magnét ico, ou ópt ico), exist e um deno minador comum a t odos eles, que se t raduz co mo represent ação lógica, a qual acont ece at ravés do sist ema numér ico binár io , dessa for ma surgiu na infor mát ica o BIT (digit o binár io), o valor 1 ou 0 para represent ar a unidade de infor mação mais pequena que por sua vês sust ent a a linguagem do Co mput ador, port ant o chegamos à conclusão que o PC só percebe zeros e uns, e ainda mais todo o t rabalho execut ado pelo PC é efect uado at ravés desses dígit os.

é um disposit ivo de ar mazenament o massivo de dados. gigabyt e e t erabyt e. a quant idade de memór ia e de ar mazenament o dos suport es de infor maç ão são indicados em kilo byt e. Possui o mesmo pr inc ípio de funcio nament o ao disco co mpact o. 8 Bit s 1024byt e 1024 Kilo byt e 1024 Megabyt e 1024 Gigabyt e 1 Byt e 1 Kilo b yt e 1 Megab yt e 1 Gigabyt e 1 Terabyt e Disposit ivo s ou Suport es de Ar mazenament o:  H. podemos ler o cont eúdo mas não modifica. inic ialment e o seu propósit o fo i de gravar vídeos dig it alizados.   Página 2 /10 . com capacidades de at é 8 Gigabyt e. Tabela de unidades de medida para a infor mação. Por exemplo. mediant e a qual é possíve l det er minar as capacidades de ar mazenament o dos suport es e espaço que ocupa em memór ia a infor mação . possui de for ma int egrada os element os que per mit em gravar a infor mação. Mas co mo a unidade de medida BYTE t ambém represent a um vo lume muit o discret o de infor mação. CD-ROM: Co nhecido como Disco Co mpact o de só leit ur a.lo.D (Disco Duro): É um co mponent e elect rónico com capacidades de ar mazenament o de at é 1 Terabyt e. A cont inuação apresent a-se a t abela de unidades de medida para a infor mação.lo nem e limina. o que significa que guarda os dados de maneir a per manent e e inalt erável. t orna-se impr escindíve l a ut ilização de conjunt os de BITs que for neçam um maior número de infor mações. cada let ra do alfabet o.Para represent ar as funções e dados. codificam-se ut ilizando 1 BYTE. Pr incíp io de func io nament o é magnét ico. megabyt e. assim surgindo o conjunt o de 8 BIT s co mo nor ma de codificação e deno minado BYTE. DVD-ROM: Deno minado por Disco de Vídeo Dig it al. os dígit os do 0 at é 9 e mu it os caract eres glo bais. Co m capacidades de ar mazenament os de aproximadament e 700 Megabyt e e o seu pr incípio de funcio nament o é ópt ico (Tecno logia Laser).

int egradas e especificas a cada um desses disposit ivo s. 2. a. . Para saber quant os Gigabyt es possui um ficheiro co m capacidade d e 2048 Megabyt e ut ilizamos a operação (/) da segu int e for ma: 2048 / 1024 = 2 GB Execut e o s seguint es exer cício s: 1. Argument ar sobre a import ância dos co mponent es elect rónicos para o co mput ador. Menc io nar os ele ment os que correspondem à part e lógica e à part e fís ica do comput ador. co m de at é 32 Gigabyt e. Explicar a função de cada uma dessas part es. Exemplos alusivos à ut ilização da t abela de unidades de med idas: 1. Supo nha que possui uma Pen Dr iver co m capacidade de 2 Gigabyt e e necess it a ar mazenar nela uma past a que possui 1900 Megabyt e: a. ut ilizamo s a operação (*) da seguint e for ma: 4 * 1024 = 4096 Megabyt e 2. Not a: É necessár io saber que os suport es além de possuir capacidades de ar mazenament o. FLASH MEMORY DRIVE R: capacidades de ar mazena ment o t ecno logia Me mor ia Flash e o baseado nu m fenó meno quânt ico conhecido por Pen Dr ive. Det er minar se é possíve l guardar a past a na Pen Dr iver. Para saber quant os Megabyt es t em um DVD-R de 4 Gigabyt e mediant e a t abela. imp lement a a seu pr incípio de funcio nament o é deno minado Efeit o Túnel. t ambém baseiam o seu funcio nament o através de velocidades (Hz). 3.

para dist inguir um conjunt o de byt es ent re vár io s num mesmo suport e. et c. mas ist o. logicament e. Ent re essas operações. onde explica-se que cada caráct er ou símbo lo se ar mazena num BYTE. a sua pr incipal função radica em viabilizar a int eracção ent re o ut ilizador e o Co mput ador. O sist ema operat ivo realiza as funções de cont rolo do sist ema de cô mput o a t raves da aut omação . porque precisa. Ficheiro ou Arquivo ( infor mát ica): Confor mado por duas part es. Manuseament o int egral da infor mação ( per mit e organizar e ger ir a infor mação). O ficheiro é um conjunt o de infor mação relacio nada que ident ifica-se at ravés dum no me. é a ext ensão do ficheiro que at ribui ao mesmo o for mat o ao qual pert ence. t eclado. a segunda. et c. O BJ E CT I V OS : ­ C ONCE I T OS G E R A I S .C dist inguir os diver sos conjunt os de infor mação. Det ecção dos erros de Hardware (por exemplo. mas a maior part e das suas operações as execut a por mandat o expresso do ut ilizador. Conceito e funções dos fich ei ros e pasta s Referent ement e à aula ant er ior. mas surge a seguint e int errogant e: Onde e co mo se ar mazena a infor mação nesses disposit ivos? Alusiva ment e aos conceit os abordados do BIT e BYTE. porém opera como a est rut ura básica de ar mazenament o que per mit e ao P. ­ D E FI NI R A FUNÇÃ O P R I NCI P AL D OS A T RA BA L HA R COM O S I STE MA S O P ER A T I V OS . a pr imeir a. se há falt a de papel na impressora ou não fo i ainda inst alada. possuem part icular import ância as seguint es:    Coordenação e cont rolo dos difer ent es disposit ivo s de Hardware do P.).C ( memor ias. ­ A P R E ND ER S I STE MA O PE R A T IV O W I ND OW S V I ST A S . unidades de disco. rato. impressoras.). Página 4 /10 .se um conju nt o de byt es para at ingir o object ivo. Port ant o. surge um conceit o est rut ural muit o import ant e alusivo ao object o ficheiro . vimo s os suport es de ar mazenament o. infor ma quando a capacidade do disco é insuficient e para ar mazenar um det er minado ficheiro.Aula 2 – Sistemas Operativos (Wind ows) . Definição: O S ist ema Operat ivo é um conjunt o de programas que ver ificam e co nt rolam t odas as operações int ernas do Co mput ador. não é sufic ient e para guardar um document o ou um programa. Arqu ivos e Pastas. é o no me do ficheiro.

geralment e o t amanho é expressado em Kilo byt es ( Kb). b. Paralelament e à função pr incipal do object o ficheiro . Quais são os locais dest inados pelo S ist ema Operat ivo para o ar mazenament o da infor mação: a. sobre t odo em aqueles casos que result a impr escindíve l copiar a infor mação num suport e de ar mazenament o. o t amanho e t ipo d e infor mação que possui. Geralment e cr iadas pe lo ut ilizador para ar mazenar e organizar a infor mação.Not a: Em diversas bibliografias. 3. o t ipo de info r mação a guardar sempre será novas past as e/ou fiche iros. Menc io nar o no me do So ft ware que exer ce a função de e lo de ligação Maquina – Ut ilizador. E fect uar o s seguint es exercício s: 1. . Explicar o por que a maior ia dos ut ilizadores infor mát icos. É muit o út il co nhecer o t ipo de infor mação que o s const it uem e o espaço que ocupam. mas a difer encia dum ficheiros. surge a seguint e quest ão alusivament e ao object o past a: Qual ser á a função das past as? As past a t ambém são locais de ar mazenament o de infor mação. Cada ficheiro t em ent re out ras propriedades. c. Est udar os diversos ficheiros e os seus format os. Diga mediant e o que podemos det er minar o for mat o de um ficheiro. 2. podemos enco nt rar os t ermos Arquivo e/ou Ficheiro . t êm prefer ências pelo s S ist emas Oper at ivo s Windows. Menc io nar o t ipo de infor mação que ar mazenam.

Co locar o cursor do mouse sobre a opção Acessór ios (obt emos u m novo menu). configurar a Barra de Tarefas. Reciclagem.C. calculadoras. bot ões (são represent ados por íco nes). et c. Co locar o cursor do mouse sobre a opção Todo s os Programas (obt emos um novo menu). Fazer Clique pr imár io no bot ão Iniciar. 4. at alhos. ist o é podemos per sonalizar a sua configuração. E m analogia co m uma secret ár ia de t rabalho real. at ravés do seu Ecrã o fer ece o acesso a object os e disposit ivos t ais como: Co mput ador. papel. Normalment e. um bloco para t omar apo nt ament os. o Ambient e de Trabalho do Sist ema Operat ivo Windows. ut ilit ár ios. Not a: É possível acrescent ar ou eliminar element os do Ambient e de Trabalho de acordo com as nossas necessidades e o bject ivos a at ingir. Fazer Clique sobr e o processador de t exto Bloco de Not as. onde podemos encont rar object os co mo : ­ Figur as. document os. procurar. aplicações. marcadores.C.Aula 3 – Ambiente de trabalho. ­ Uma zona rect angular na part e infer ior deno minada Barra de Tarefas. ­ S I MUL A R A I MP OR T A NCI A D A A RE A AMBI E NT E DE T R A BAL HO E D O OBJ E CT O J A NEL A D E NTR O DE W I ND OW S . Ent re essas opções figuram: Aceder à ajuda. sobr e a secret ár ia de t rabalho uma pessoa pode t er ao seu dispor document os em uso. livros e act ualment e é muit o co mum e ncont rar um P. que per mit em aceder a todas as aplicações e cont roles de Windows. Para execut ar o object o Bloco de Not as at ravés do Menu I niciar. Referent e ao campo Procurar que o ferece o Menu I niciar. O Ambient e de Trabalho é a pr imeira página e área de t rabalho que br inda o S ist ema Operat ivo. Mediant e esse campo é Página 6 /10 . O BJ E CT I V OS : ­ T R A NSMI T I R ­ R E SSA L T A R T R A BA L HO . 3. Mediant e o bot ão iniciar desprega. personalizar o fundo e prot ecção do Ecrã no Ambient e de Trabalho . Sequência de passos: 1. Geralment e a imagem dessa ár ea abrange todo o Ecrã do monit or. propõese o seguint e exemplo. 2. impressora. é uma opção de muit a ut ilidade para a gest ão da infor mação. Ba rras de Ferramentas .se um menu co m opções. que ident ificam os object os infor mát icos: Co mput ador. A SE MEL HA NÇA D E SSA A R E A COM A D E UMA SE CR E TÁ R I A D E A S COND I ÇÕE S D E UM E NCONTR O HA BI T UA L . et c. des ligar o P. et c.

­ Um document o: Uma cart a. dos quais O S ist ema Operat ivo disponibiliza do is caract eres glo bais (* e ?). através de qualquer uma das via s possíveis. Conhecendo que no Ambient e de Trabalho . símbo lo s.possível encont rar past as. ­ Uma past a: Local de ar mazenament o de document os e programas. Geralment e cada object o em Windo ws possui um único ícone que o represent a. calculadoras. disco duro. fo lha de cálculo . et c. co mpr essores de infor mação. et c. por conseguint e surge uma int errogant e: Co mo proceder para visualizar o cont eúdo de um object o? Quando abr imos um ou vár io s object o s. ficheiros desco nhecemo s a sua localização.C. *: Represent a t odos os caract eres disponíveis no S ist ema Operat ivo (números. . ser á mediant e uma janela. uma abordagem ma is alargada sobr e alguns t er mo s infor mát icos cit ados ant er ior ment e. é aqu i onde radica a import ânc ia dest e element o. deno minado Janela. ­ Um ut ilit ár io: Programas ant ivírus. ?: Represent a um único caráct er. impressora. esse element o ou recurso de Windows possui o cont eúdo do object o. let ras.). as ferrament as e os recursos necessár ios para o desempenho do seu t rabalho. leit or de CD. exist em diferent es object o s represent ados pelo s seus íco nes correspondent es. o bt emos o element o mais t ranscendent al dent ro do Sist ema Operat ivo Windows. e disposit ivo s. Porém sempre que est iver mos a t rabalhar em Windows. Um íco ne pode represent ar: ­ Um disposit ivo: P. esse s caract eres são dest inados a viabilizar as nossas procuras. T it ulo ou nome: Ident ifica ao ícone. A cont inuação. const it uído por duas part es: I magem ou figura: Represent ação gráfica. e não é per mit ido que o nome do ficheiro os cont enha. ­ Uma aplicação: Programa que per mit e cr iar document o s.

Execut e 3 aplicações e 2 ut ilit ár ios desde o Ambient e de Trabalho. Personalizar a prot ecção de Ecrã com a opção Text o 3D: a. At r ibuir à Barra de Tarefas a sua posição e est ado inicial. 3. o fundo da Área de Trabalho co m as seguint e s Esco lher a imagem de Windows. At r ibuir a cor verde para as jane las. b. Personalizar inst ruções: a. b. Configurar a Barra de Tarefas para que se ocult e aut omat icament e. c. 7.Exercíc io s: 1. 5. Edit ar o t exto com as inic iais da cadeira. Configurar a opção poupança de energ ia. para que se d esact ive o mo nit or em 1 minut o. Cr iar um bot ão referent e ao Bloco de Notas na Barra de Tarefas. Co locar a Barra de Tarefas na lat eral dir eit a do Ecrã. 8. Co mo abr ir os recursos ou aplicações de Windows? 2. Esco lher alt a reso lução para a qualidade de imagem. 4. 6. Página 8 /10 .

CD-ROM.se o Direct or Geral. Para at ingir esse object ivo é preciso co nhecer a co mposição e funcio nament o da sua E st rut ura de Past as.Transferências de past as e fiche iros (cort ar \ colar). 2 º níve l apr esent a o Administ rador.) e a cont inuação as past a. a seguir serão no meadas algumas das acções par a a execução de t arefas: Acções e co mandos: . assim co mo t ambém os recursos que br inda. no 3º os Direct ores de Depart ament os e post erior ment e os operár ios. O Explor ador de Windows o ferece diver sos recursos para execut ar as difer ent es t arefas possíveis dent ro desta ferrament a. Est rut ura de Past as: E la pode ser co mpar ada co m o organigrama de uma organização.C (Unidade Disco Local (C:). A Est rut ura de Past as em semelhança co m um organigra ma t ambém baseia-se em um mo delo hierár quico que apresent a no níve l super ior o disposit ivo Co mput ador. o qual é apresent ado mediant e um mo delo hier árquico . . . Co m a ut ilização dessa ferrament a podemos realizar a gest ão de ficheiros.Duplicados de past as e ficheiros (copiar \ colar). subpast as e ficheiros. F E R R A ME NT A A Ferrament a E xplorador de Windows. .Cr iar past as. . past as e out ros object os. . . O BJ E CT I V O : U T I L I ZA R OS R E CUR SOS QUE FOR NE CE A E XP L OR AD OR DE W I ND OW S PA R A A G E STÃ O D A I NFOR MA ÇÃ O . . no segundo níve l aparecem os disposit ivo s que confor mam o P. onde no 1º nível co loca.Aula 4 – Explorador de Windows e Procura de Arqu ivos .Execut ar e/ou abr ir ficheiros.Procurar past as e ficheiros.Eliminar past as e ficheiros.Mudar o nome de past as. et c. é uma alt er nat iva muit o eficient e para a organização da infor mação e execução de aplicações.

efect ue as seguint es procuras: a. E liminar enviando para Reciclagem a past a 2º NOME. Ut ilizando os caract eres globais. Transfer ir a past a CURSO para dent ro da past a UGS.Exercíc io s: 1. 3. Página 1 0 /1 0 . Cr iar a seguint e Est rut ura de past as: P. c. em duas janelas diferent es. a.P. Procurar na unidade (C:) t odos os ficheir os referent es à ap licação M s Excel.C (C:) CURSO TURMA F ER R AMENT AS NOME 2º NOME D OCWOR D D OCEX CEL a.P. Procurar na localização UGS os ficheir os cr iados da aplicação M s Word que co meçam co m a let ra E. Mudar o no me d a past a FE RRAMENT AS para F. E fect uar a opção most rar janelas Lado a Lado. a. Cr iar na raiz de (C:) uma no va past a no meada UGS. b. 2. Fazer um duplicado da past a NOME para a dent ro da past a CURSO. b. Abr ir at ravés do Explorador de Windows a unidade (C:) e a past a UGS. 4.