PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADOR SOB N°

ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo da de Instrumento de n° 0053215-08.2011.8.26.0000, em que é agravante SIMÁ

Comarca DE

Campinas,

FREITAS

MEDEIROS

sendo

agravado

ALESSANDRA

CRISTINA DE CAMPOS E OUTRO. em 2 a Câmara de Direito Privado do

ACORDAM,

Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO. V. U.", de conformidade com o voto do(a) Relator(a), que integra este acórdão.

O

julgamento BORIS

teve

a

participação (Presidente E LUÍS

dos sem

Desembargadores voto), JOSÉ

KAUFFMANN DOS SANTOS

JOAQUIM

FRANCISCO

AGUILAR CORTEZ.

São Paulo, 10 de maio de 2011.

NEVES AMORIM RELATOR

RECURSO IMPROVIDO. Ordem n° 923/1998 Voton° 12584 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA .FORTES INDÍCIOS DE ENCERRAMENTO IRREGULAR DA EMPRESA ATINGIMENTO DO PATRIMÓNIO DE EXSÓCIO . (por curador especial) Comarca: Campinas _ 8a Vara Cível Rescisão de Compra e Venda de Imóvel Processo n° 114.POSSIBILIDADE . 290 dos autos originais./aqui copiada a fls.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DE SÃO PAULO 2a CÂMARA . em Ação de Rescisão de Compra e Vejfrqy de Imóvel.SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO Agravo de Instrumento n° 0053215-08.DECISÃO MANTIDA.0000 Agravante: Simá Freitas de Medeiros Agravado: Alessandra Cristina de Campos e Ariovaldo José Basso Filho Parte: Blocoplan Construtora e Incorporadora Ltda.PESSOA QUE COMPUNHA A SOCIEDADE QUANDO DOS FATOS QUE DERAM ORIGEM AO DEVER DE INDENIZAR .8.26.01. manteve o agravante no pólo passivo da demande í .016814-8/000001-000.1998.2011. Trata-se de Agravo de Instrumento interposto contra a decisão proferida a fls. que.

Aduz que a decisão de fls. acrescentou elementos novos àquela decisão de fls.003. do Código Civil. A sentença considerou o contrato rescindido e determinou que a Blocoplan devolvesse valores aos agravados. não podendo. não há qualquer indício de qup o agravante tenha concorrido para o encerramento irregula/ qa 2 / . Argumenta que a desconsideração da personalidade jurídica não pode atingi-lo. considerando-se o teor do art. 219 dos autos originais. parágrafo único. ainda não transitada em julgado. a fls. cinco anos após a sua retirada do quadro societário. a desconsideração da personalidade jurídica. por sua vez. A requerida foi defendida por curador especial. decretando-se. julgada pela sentença proferida a fls 144/149. 1. momento em que o agravante passou a fazer parte do processo. Além disso.26.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DE SÃO PAULO 2a CÂMARA . prevalecer. não se interpondo apelação. entretanto. interpuseram apelação pendente de julgamento. o que afasta a possibilidade de suá* responsabilização. 290. ora agravada.SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO Agravo de Instrumento n° 0053215-08.2011. Os autores. O artigo de lei mencionado determina que o sócio responda por dois anos apenas. Quando cientificado da decisão. 219.0000 Insurge-se o agravante esclarecendo tratar-se de autos suplementares decorrentes de demanda de Rescisão de Contrato proposta contra a empresa Blocoplan. alteração contratual registrada em 28/04/1998. pois a constituição da obrigação (pela sentença) só ocorreu em 27/03/2003. Deu-se início à execução provisória.8. o agravante apresentou Embargos de Declaração uma vez que já não participava do quadro societário desde 02/01/1998.

A decisão agravada aponta que o registro dessa alteração contratual só se deu oito dias após a propositura da demanda. O recurso não merece provimento.0000 sociedade ou que tenha havido abuso da personalidade jurídica. Não se pleiteou efeito suspensivo ou liminar. A comunicação se deu por edital e a empresa requerida foi representada em todo o processo por curador especial.2011.8. Sua inclusão no pólo passivo da demanda seria. O agravante argumenta que saíra da empresa antes da propositura da demanda.26.SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO Agravo de Instrumento n° 0053215-08. em fase de cumprimento de sentença. portanto. Entendo que o momento em que foi averbada < L alteração do quadro societário é de somenos importância. de fato. mesmo agora. E o relatório. é a empresa requerida representada por tal curador. fortes indícios de encerramento irregular da empresa. Isso. Não teria havido desvio de finalidade ou confusão patrimonial. 3 ' .PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DE SÃO PAULO T CÂMARA . Há. Esta sequer foi localizada para citação. Na verdade. inadmissível.

Destarte. nego provimento ao recurso. parágrafo único.0000 porque os fatos que ensejam a obrigação de indenizar ocorreram quando o agravante era sócio da empresa.8. A prolação de sentença não constitui a obrigação.2011.SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO Agravo de Instrumento n° 0053215-08. ^ ^ $ m & AMORIM /^ /^Desembargador Relator 4 . O dispositivo se refere a obrigações constituídas naquele período. como já apontado acima.26. ela apenas a reconhece e condena a empresa requerida a indenizar a parte autora. E. considerando que o encerramento irregular da empresa é causa suficiente para a desconsideração da personalidade jurídica e que o agravante é parte legítima para responder pelos débitos da empresa. pelo meu voto. Assim.003.PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DE SÃO PAULO 2a CÂMARA . A interpretação dada pelo agravante ao art. os fatos que originam a obrigação ocorreram quando o agravante era ainda sócio da empresa. do Código Civil não pode prevalecer. mantenho a decisão agravada. 1. não exigidas naquele período.