89

InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com
informação
The qualifying territories hypotheses in the work with information

Leonora Corsini
Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
Pesquisadora associada do Laboratório Território e Comunicação da UFRJ
E-mail: corsinileonora@gmail.com

Resumo

O artigo trata das novas dinâmicas produtivas e configurações do trabalho que caracterizam o que vem sendo
designado como trabalho cognitivo, um tipo de trabalho que tem como principal suporte as redes e relações
tecidas no território metropolitano. Examinamos essas novas configurações em articulação com a hipótese dos
“territórios qualificantes”, lugar onde novas competências são modeladas a partir das ações e das experiências do
trabalho cognitivo em rede, competências estas que retornam para o território na forma de serviços que têm
como elementos centrais a inteligência colaborativa, a criatividade e a inovação. Com base nessas premissas,
iniciamos um estudo de caso que teve como objeto o trabalho dos técnicos prestadores de serviço em
informática, os quais, com seus diferentes níveis de formação e especialização, são fundamentais para o
desenvolvimento do trabalho cognitivo no âmbito das metrópoles. Os resultados preliminares indicaram que
entre os técnicos de informática predomina a combinação de dois modelos de trabalho: autônomo e assalariado,
modelos que se alimentam reciprocamente e estabelecem uma relação de mão dupla. Pudemos igualmente
confirmar a conexão entre as novas tecnologias e linguagens, o trabalho em rede, as novas dinâmicas produtivas,
e a possibilidade de aprender a partir da instabilidade e das constantes mutações que caracterizam o meio
informático, podendo fazer isto coletivamente, nos marcos da cooperação e da comunicação.

Palavras chave: trabalho cognitivo – metrópole – territórios qualificantes – cooperação e criação

Abstract

The paper addresses the new productive dynamics and labor configurations characteristic of the so called
cognitive labor, which has the networks and relations built in the metropolitan territory among its main support.
We examined these new configurations in articulation with the thesis of the “qualifying territories”, the place
where new competences are modeled and return to the territory in the form of services that hold among their
central elements the collaborative intelligence, creativity and innovation. Departing from these assumptions, we
initiated a case study focusing the self employed digital workers who bear varied levels of education and
specialization, regarded as fundamental agents for the development of the cognitive labor in contemporary
metropolises. Preliminary results indicate predominance among these workers of a mix of two regimes of labor:
autonomous and salaried, coextensively establishing a bilateral relationship. We could equally confirm the
connection between new technologies and languages, collaborative networks, new productive dynamics and the
possibility of learning from instability and constant mutations that characterize the informatics environment,
rendered possible through the collective action, in the marks of cooperation and communication.
Keywords: cognitive labor – metropolis – qualifying territories – cooperation and creation

A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
90
Introdução

As transformações do trabalho e seus efeitos na organização e nas dinâmicas
produtivas do mundo contemporâneo vêm colocando em foco os trabalhadores autônomos e
os trabalhadores que estão inseridos em um regime de acumulação característico de um novo
momento do capitalismo, aquilo que atualmente vem sendo designado como Capitalismo
Cognitivo.
Essas transformações têm a ver com a passagem a um novo regime de acumulação e
criação de valor que, por sua vez, remete à passagem do modelo fabril – o fordismo – para o
modelo pós-industrial – ou pós-fordismo. Este deslocamento de um modelo fordista (baseado
no paradigma da grande indústria) ao modelo pós-fordista (baseado no conhecimento),
implica também uma profunda transformação do trabalho. Com efeito, podemos definir essa
transformação como o deslocamento da centralidade do trabalho material para o que o próprio
Marx definia como “trabalho imaterial”, um regime de acumulação globalizado e organizado
em redes integradas de produção e circulação que oferece um caminho consistente diante da
multiplicação das análises que apostavam na emergência de um modelo neo-industrial: o
toyotismo (PIORE; SABEL, 1984; CORIAT, 1994, entre outros). Hoje em dia ninguém
coloca a trajetória japonesa como paradigma do pós-fordismo. Além disto, a abordagem em
termos de trabalho imaterial permitiu ir além do impasse determinado pelas teorias do “adeus
ao proletariado” (GORZ, 1982), do “fim do trabalho” (RIFKIN, 2004), do “deslocamento do
trabalho para o consumo” (CANCLINI, 1995 e, bem antes dele, Albert O. HIRSCHMAN,
1973). Christian Marazzi (2009, p. 26) observa que com o pós-fordismo a comunicação entra
na produção, tornando-se fator diretamente produtivo. Neste processo, ganha destaque a
linguagem, que se encontra na base do ato de comunicar, reforçando a coincidência entre os
atos de produzir e comunicar. A partir daí, abre-se um leque de possibilidades de análise dos
nexos entre “o modo de produção por meio da comunicação” e seus possíveis aspectos
políticos. Hoje temos produção de conhecimento por meio do conhecimento, produção da
vida por meio da vida (MOULIER-BOUTANG, 2007). Ou, nos termos de Franco Berardi
(2005), um trabalho que é “trabalho da comunicação, ou comunicação empenhada em
trabalhar”.
Além disto, no marco do trabalho imaterial, é a força de invenção, muito mais do que
a força de trabalho, que se encontra mobilizada, fazendo com que a produção da população
ativa resulte na produção de conhecimento e da própria vida, além de bens e serviços. E, na
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
91
medida em que este novo tipo de produção tende a se disseminar como trabalho cognitivo, a
cooperação social encontra na rede digital seu âmbito mais apropriado. Na proposição de
Berardi (2005), o trabalho cognitivo se expressa como infotrabalho, ou seja, uma infinita
recombinação de milhares de informações que circulam num suporte de tipo digital. Segundo
este autor, todo infotrabalhador é portador da capacidade de elaboração de um segmento
semiótico que deve se encontrar e se integrar com inúmeros outros fragmentos semióticos
para compor o quadro de uma combinatória, a “infomercadoria”, o “semiocapital”. Esse
trabalhador move-se continuamente para encontrar sinais, elaborar experiências ou seguir os
percursos naturais de sua existência. Em cada momento e lugar ele é alcançável e pode ser
chamado de novo a exercer sua função produtiva e se reinserir no ciclo global da
infoprodução – através de ferramentas como celular, messenger, orkut, e outros sites e redes
sociais. Assim, trabalhar hoje significa “mover-se, deslocar-se, mudar de perspectiva, de
relações” [...]. E o trabalho cognitivo é, sobretudo, “trabalho da comunicação, ou
comunicação empenhada em trabalhar” (idem).
Desta maneira, dizer que o trabalho hoje se tornou imaterial e cognitivo significa
afirmar que, no pós-fordismo, são as dimensões intersubjetivas do trabalho que determinam as
dimensões objetivas (aquelas da relação sujeito/objeto) típicas do processo de trabalho
industrial. Isso não significa que o trabalho material tenha desaparecido por completo, menos
ainda equivale a identificar o trabalho imaterial ou cognitivo com meras funções
“intelectuais”. Pelo contrário, trata-se de dar conta do fato de que, como o próprio Marx
antecipava, “o produto deixa de ser criado pelo trabalhador individual imediato para ser o
resultado mais de uma combinação de atividade social que da simples atividade do produtor”.
A transformação da matéria pelo trabalhador individual (inclusive quando ele continua no
chão de fábrica) depende de dinâmicas imateriais, quais sejam: dinâmicas comunicativas,
linguísticas, afetivas, em suma, atividades que englobam a mente e a mão de um trabalhador
de carne e osso.
O trabalho passa a ser, como diz Maurizio Lazzarato (2006), um modo de captura da
cooperação entre cérebros que resulta na produção ou “efetuação de mundos”. Invertendo a
definição de Marx, Lazzarato afirma que o capitalismo não diz apenas respeito aos modos de
produção (modes de production), mas é, sobretudo, produção de mundos (production de
mondes). O capitalismo é uma efetuação dos mundos e das subjetividades nele inseridas, bem
como criação e realização de desejos, crenças e inteligências que antecedem, que são
primeiras em relação à produção econômica.
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
92
Do ponto de vista da qualificação para o trabalho, verificamos igualmente um
deslocamento bastante visível: se antes as empresas dependiam da qualidade da mão-de-obra
disponível e tinham que se adaptar a ela, agora o sistema produtivo procura pautar seu
mercado de trabalho ideal, mobilizando e modulando competências que, uma vez ativadas,
dão forma e “renormatizam” as organizações e agentes que compõem esse mercado. Ou seja,
verifica-se um deslocamento da perspectiva da qualificação para o trabalho (ou emprego) para
a perspectiva de um trabalho que qualifica, um trabalho “qualificante”. E esta nova
característica do trabalho contemporâneo, na visão de analistas como Philippe Zarifian (2003;
1995), por exemplo, faz com que hoje as organizações e empresas se também constituam em
lugares de construção de conhecimento e de aquisição de competências. Daí Zarifian
denominá-las “organizações qualificantes”
1
.

O trabalho como acontecimento e invenção

Em À quoi sert le travail? (2003) Philippe Zarifian redireciona o foco sobre a questão
do trabalho que, segundo ele, teria ficado ofuscada pela problemática do emprego, fazendo
com que todos se esquecessem que o problema do emprego ou mesmo do desemprego é, antes
de tudo, uma questão do trabalho. Sua proposta é pensar o trabalho como atividade, como
ação, como devir e como acontecimento.
Duas possíveis linhas de análise poderiam, de acordo com Zarifian, dar uma resposta à
questão que ele levanta, “para quê serve o trabalho?”: uma visão estrutural, ou puramente
funcional – trabalhar é ocupar uma função – cuja lógica é norteada pela divisão do trabalho,
da coordenação das diferentes tarefas, do controle da execução, sob a marca da prescrição, da
reprodução e do desempenho; e uma visão estratégica, que analisa o trabalho como pura
relação de forças – trabalhar é resistir a um poder hierárquico. Nesta perspectiva, raciocina-se
em termos de dominação, exploração, submissão; aos trabalhadores assalariados não resta

1
Organização qualificante é o nome dado na França à “organização aprendente” ou “learning organization”,
lugar de aprendizado de competências mais adequadas à complexidade do mercado de trabalho. Trata-se de um
aprendizado sempre atrelado à experiência e ao acontecimento (seja ele provocado ou aleatório), convergindo
assim para a definição de André Gorz (2005) dos saberes vivos. A resposta do trabalhador ao surgimento do
imprevisível, do incerto, dos acontecimentos, é dada pela mobilização da atenção individual e coletiva ao que
está se passando, ao que já passou e ao que vai passar. Isto significa invenção, capacidade de agenciamento, de
combinações, de fazer acontecer. “A organização qualificante, na medida em que favorece, simultaneamente, a
aquisição de competências no seio da organização e sobre a organização situa-se numa dialética verdadeiramente
singular e, neste caso, inédita. A organização deve permitir, no seu seio, as aprendizagens a ela relativas!”
(ZARIFIAN, 1995).
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
93
outra saída senão resistir, ou utilizar as margens e as brechas que o poder patronal deixa
abertas.
Zarifian também opta por uma perspectiva de análise que ressalta o poder da ação,
mas aqui buscando resgatar a potência das individualidades que trabalham, numa leitura que
atualiza o conceito de mônadas de Leibniz, via Gabriel Tarde, para pensar de maneira bastante
inovadora a subjetividade dos trabalhadores
2
. As individualidades que trabalham, ou
singularidades em ação, exercitam e materializam, através do trabalho, a potência do
pensamento e a capacidade de dar sentido e engendrar subjetividades, uma ação que se efetua
através da interdependência e da cooperação das subjetividades, passando da operação à ação,
e do trabalho em equipe à atividade em rede. E o exercício desta potência é primeiro e
irremediável, mesmo no caso dos trabalhos mais, digamos, “taylorizados”. O trabalho passa a
ser muito mais invenção do que imitação e reprodução; trata-se de uma multidão de invenções
e sua constante difusão e entrecruzamentos na base e na origem de tudo o que os indivíduos
produzem, no cotidiano de sua atividade laboral.
Contudo, a importância da invenção não pode ser plenamente compreendida se não se
lança mão do conceito de acontecimento – central na proposição de Zarifian e também na de
Maurizio Lazzarato: trabalhar é se confrontar permanentemente com situações imprevistas,
interditas, imprevisíveis, e contra-efetuar essas situações e acontecimentos conferindo a eles
um sentido humano, e agir em resposta a eles. O trabalho é atravessado por acontecimentos
singulares, que obrigam a inventar, a inventar um pensamento, uma linha de ação, a despeito e
na contramão de todas as tentativas de racionalização e padronização. Ou seja, o trabalho é
visto como produção de possíveis, em que o possível (um produto, um serviço) expressa um
mundo que precisa o tempo todo ser criado, um mundo que não é dado a priori. “O mundo, os
trabalhadores, os consumidores, não preexistem aos acontecimentos. São, ao contrário,
engendrados pelo acontecimento” (LAZZARATO, 2006, p. 108). Seguindo esta nova
perspectiva do trabalho, a invenção e a efetuação dos possíveis é a verdadeira produção, e esta
atividade de criação e produção de mundos e subjetividades é apropriada também pela
empresa contemporânea. E capturar a criação, conclui Lazzarato, é capturar o próprio
acontecimento:
Mesmo nas fábricas, um dos berços das técnicas disciplinares, a organização do
trabalho passa a ser investida da lógica do acontecimento, pelo agenciamento da
diferença e repetição” (idem). O trabalho torna-se assim um conjunto de
acontecimentos, “de coisas que chegam de maneira não previsível, constituindo

2
Ver também, a este respeito, As revoluções do capitalismo de Maurizio Lazzarato (2006, p. 111).
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
94
exceções com relação à situação considerada normal (ZARIFIAN, 2003, p. 95
3
apud
LAZZARATO, 2006, p. 108-109).

Prosseguindo com a proposição de trabalho como acontecimento, Zarifian diz que a
resposta (do trabalhador) ao surgimento do imprevisível, do incerto, dos acontecimentos, é
dada pela mobilização da atenção individual e coletiva ao que está se passando, ao que já
passou e ao que vai passar, e isso significa invenção, capacidade de agenciamento, de
combinações, de fazer acontecer. Acontecimentos e invenções se distribuem ao longo do ciclo
de produção e se articulam às rotinas, aos hábitos e às operações codificadas. Marx já havia
dito que o trabalho passaria a ser uma atividade de controle da produção, ao invés de uma
atividade direta de transformação da matéria e é exatamente isto que estamos vendo acontecer
no capitalismo contemporâneo: controlar significa prestar atenção aos acontecimentos, e
trabalhar é estar atento aos acontecimentos, quer se produzam no mercado, quer sejam
produzidos pela clientela ou no escritório: é colocar em marcha uma capacidade de agir, de
antecipar, de estar à altura dos acontecimentos, o que implica poder aprender não só com a
experiência, mas com a incerteza e as mudanças, poder tornar-se ativo diante das
instabilidades e produzir em conjunto, a partir dos “marcos comunicacionais” e, poderíamos
acrescentar, “marcos linguísticos e informacionais”.
Franco Berardi, (2005) refaz a indagação de Zarifian lançando a pergunta: “O que
significa trabalhar hoje? De acordo com Berardi, o trabalho se tornou, por um lado, muito
mais uniforme, do ponto de vista físico, ergonômico; e, por outro lado, o trabalho é hoje
muito mais diferenciado no que se refere aos conteúdos que elabora (BERARDI, 2005, p. 38).
O trabalho se tornou parte de um processo mental, elaboração de sinais densos de
saber. Tornou-se muito mais específico, muito mais especializado: o advogado, o
arquiteto, o técnico de informática e o caixa do supermercado estão diante da tela do
mesmo monitor e batem nas mesmas teclas, mas um não poderia nunca assumir o
posto do outro, porque o conteúdo de sua atividade de elaboração é irredutivelmente
diverso e intransferível (ibidem, p. 39).

Consequentemente, os trabalhadores contemporâneos tendem a considerar o trabalho a
parte mais essencial de sua vida, a parte mais singular e mais personalizada. Exatamente o
contrário do que acontecia com o operário industrial, para o qual a jornada de oito horas de
trabalho era uma espécie de morte temporária da qual as pessoas se livravam quando soava a
sirene de fim de horário.
Assim, o novo trabalhador, o infotrabalhador ou trabalhador high-tech, nas definições

3
ZARIFIAN, P. À quoi sert le travail? Paris: La Dispute, 2003
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
95
propostas por Berardi, empenha na produção, na sua atividade, sua competência singular, suas
energias comunicativas, inovadoras, criativas, em suma, o melhor de suas capacidades
intelectuais.
Por outro lado, este tipo de trabalhador cada vez mais se considera empresário de si
mesmo (e acaba sendo, de fato). Essa “introjeção” de formas de comando produz também o
duplo efeito de desestruturar e precarizar ainda mais aqueles que são assalariados e fazer com
que os autônomos tenham que se ocupar das coberturas e garantias para suas férias,
aposentadoria, pensão etc. Do ponto de vista cultural, o trabalhador autônomo é levado a se
identificar psicologicamente com a sua função (como os artesãos pré-industriais), porém
tendo que arcar com eventuais êxitos ou fracassos, o que acaba tendo um significado não
apenas econômico (BERARDI, 2005, p. 51).

Metrópole: lugar da produção biopolítica e da constituição de outros mundos possíveis

Em seu mais recente trabalho (Commonwealth, 2009) Antonio Negri e Michael Hardt
definem o espaço metropolitano, como o lugar da produção biopolítica, espaço da produção
do comum, lugar onde as pessoas vivem e trabalham juntas, compartilhando recursos,
comunicando, trocando bens e ideias. A metrópole é vista neste caso como o ambiente
construído que dá suporte às atividades da multidão, o ambiente social que constitui um
repositório de competências, afetos, relações, hábitos, desejos, saberes e circuitos culturais. E
o que distingue a metrópole daquela concepção tradicional de cidade é, precisamente, a esfera
do comum, que abrange tanto os elementos comuns naturais que constituem o espaço urbano
– terra, recursos minerais, água, etc. – quanto os elementos comuns artificiais, que têm a ver
com as linguagens, imagens, conhecimentos, afetos, códigos, hábitos e práticas. “Este comum
artificial atravessa o território e constitui a metrópole” (op. cit., p. 250).
Para desenvolver esta nova concepção da metrópole, Negri e Hardt fazem uma
releitura dos conceitos de biopoder e biopolítica em Foucault, extraindo especificamente deste
último um duplo sentido: biopolítica é simultaneamente criação de novas subjetividades
(resistência) e força de dessubjetivação. Em outras palavras, a produção biopolítica da riqueza
está sendo pensada como acontecimento – o desejo intransigente por liberdade subverte o
sistema normativo do poder – e é tanto uma força de ruptura quanto uma força de inovação,
que emerge de dentro, que é imanente.
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
96
Esta operação de extrair dos conceitos foucaultianos um outro sentido pode ser
aproximada à ideia de devir-menor formulada por Deleuze e Guattari (1997), a criação de
linhas de abertura nas proposições teóricas e conceitos de modo a fazer aparecer aquilo que
eles têm de mais criativo, de mais instigante e inovador. Neste mesmo sentido de devir-menor,
seria útil, para efeitos de nossos propósitos nesta discussão, fazer uma releitura da perspectiva
de Milton Santos da metrópole que, de acordo com sua definição, é “o lugar onde é possível
viver com sofisticação” (SANTOS
4
apud SILVA, 2008); um lugar que apresenta um aspecto
dinâmico e potente percebido como sofisticação, idéia que não apenas nos convida a pensar a
metrópole em um sentido qualitativo e quantitativo, como também afirmativo, isto é, como
território de constituição de (outros) mundos possíveis, como meio técnico científico
informacional
5
.
Milton Santos (1996) caracteriza o meio natural (também chamado pré-técnico) como
aquele da valorização das condições naturais (natureza, cultura, linguagem) que constituem a
base material da existência. Segundo o autor, a bem da verdade a técnica sempre existiu, mas
os sistemas técnicos não tinham existência autônoma, viviam em simbiose total com a
natureza. Só passaram a ter esta autonomia no período da técnica, com a emergência do
espaço mecanizado, configurando assim o meio técnico – composto de objetos e artefatos ao
mesmo tempo culturais e técnicos, característica que fez com que o espaço fosse cada vez
mais constituído de elementos “naturais” e “artificiais”. Esses objetos técnicos e
“maquínicos” aportaram aos sistemas de produção uma lógica instrumental que acabou
colocando em xeque as lógicas naturais, fazendo ganhar força em seu lugar uma lógica
instrumental e maquinizada, processo que teve início a partir da segunda guerra mundial e se
consolidou nos anos 1970.
Com a emergência da lógica instrumental dos sistemas técnicos, fica evidente que os
objetos que compõem este meio tendem a ser principalmente híbridos – ao mesmo tempo
técnicos e informacionais. Graças à extrema intencionalidade de sua produção e localização
(em rede), os objetos técnicos já surgem como informação (SANTOS, 1996, p. 190). Assim, a
ciência, a tecnologia e a informação estão na própria base da produção, da utilização e do
funcionamento do espaço vital, constituindo um verdadeiro “tecnocosmo” como diz Milton

4
Entrevista de Milton Santos em 2004, reproduzida em: LEITE, Maria Ângela F. P. (Org.). Encontros: Milton
Santos. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007.

5
O meio técnico científico informacional é o que incita, na metrópole contemporânea, um comportamento
diferente e “sofisticado”, que se traduz em um grau maior e mais avançado de inteligência produtiva: “Aquilo
que no mundo atual é feito com maior rentabilidade, com maior produtividade, com maior eficácia, é feito nesse
meio” (SANTOS, 1996, p. 91).
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
97
Santos, que abarca tanto as grandes cidades e metrópoles quanto o meio rural. Nas suas
palavras: “A informação é vetor fundamental do processo social, e os territórios são, desse
modo, equipados para facilitar a sua circulação” (ibidem, p. 191).
No meio técnico-científico-informacional que caracteriza a vida e a produção nas
metrópoles, as possibilidades de mobilização produtiva do território devem-se mais às
condições técnicas e sociais do que propriamente aos recursos naturais ou a uma “vocação”
produtiva, e o que possibilita esta transformação é a forma-rede.

A hipótese do território qualificante e a problemática da informação

A partir das noções de organizações qualificantes e de metrópole como lugar
privilegiado da produção biopolítica derivamos a hipótese do território qualificante. Seguindo
esta pista, pensamos o território como o lugar onde novas competências são modeladas a
partir das ações e das experiências do trabalho cognitivo em rede, competências estas que
retornam para o mesmo território na forma de serviços em que a inteligência colaborativa, a
criatividade e a inovação são elementos centrais. Com base na ideia de que no capitalismo
cognitivo se produz conhecimento por meio de conhecimento e a vida por meio de vida,
propomos também que o próprio espaço do território, a partir da atividade e da experiência
vivida do trabalho, produz novas qualificações e competências.
Uma outra possível deriva seria articular a problematização feita por Milton Santos a
respeito da expansão da dimensão informacional e tecnológica em detrimento da dimensão
humana da vida e da produção na globalização com algumas discussões que vêm sendo feitas,
no âmbito da ciência da informação, em termos da problemática da própria informação. Tefko
Saracevic (1996), por exemplo, constata que os problemas da informação não estão
diminuindo mas estão sendo transformados, e que na relação homem-tecnologia, a dimensão
tecnológica está em constante expansão e tem se tornado a face mais visível da sociedade da
informação. Ao ‘linkar’ esta problematização aos desafios do trabalho, visto como vetor de
impulsão no trabalho autônomo, formulamos algumas perguntas: “A expansão tecnológica
resulta em maior eficácia da comunicação e da transmissão e produção de informação?”; “O
acesso à tecnologia e aos meios informacionais possibilitam maior liberdade e mobilização
produtiva?”; “Qualificam o trabalho e o território onde este trabalho acontece?”. A partir
dessas indagações, demos início a um estudo empírico, focalizando o trabalho dos técnicos
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
98
em informática no Rio de Janeiro, que será descrito a seguir.

Os técnicos em informática no Rio de Janeiro

Uma de nossas premissas iniciais foi a de que o computador é componente
fundamental da sociedade da informação e da comunicação, bem como do próprio trabalho no
capitalismo cognitivo; os trabalhadores de informática, ou ‘infotrabalhadores’ como denomina
Berardi (2005), em seus diferentes níveis de formação e especialização, são fundamentais
para o desenvolvimento do trabalho cognitivo no âmbito das metrópoles. A demanda por esses
serviços tem aumentado em virtude da democratização da informática, do barateamento de
equipamentos e hardware e da difusão de ambientes operacionais e softwares em sistema de
código aberto. Em paralelo à grande difusão da informática nas residências e empresas
domésticas, podemos constatar uma grande e constante demanda por serviços de reparos e
manutenção (hardware e software). Além disto, é digno de nota o fato de que as redes de
prestadores de serviços de informática vão sendo construídas sobretudo a partir de indicações
de clientes – o tradicional “boca a boca”.
Nosso principal objetivo neste estudo foi, primeiramente, mapear os serviços técnicos
e de suporte em informática em relação ao território compreendido pela Região Metropolitana
do Rio de Janeiro para em seguida articular às práticas e processos identificados com os
conceitos de território qualificante e trabalho cognitivo em rede, no âmbito de uma metrópole
como o Rio de Janeiro. Para tanto, distribuímos por e-mail 25 questionários, procurando
direciona-los, num primeiro momento, aos técnicos propriamente autônomos, aqueles que não
possuem nenhum tipo de vínculo formal de trabalho. Posteriormente, entrevistamos
profissionais que trabalham em empresas e também realizam serviços por conta própria para
clientes externos, além da jornada regular nas empresas que os contratam. Desses
questionários, obtivemos 19 entrevistas, que foram classificadas segundo dois tipos de
situação laboral: os que trabalham unicamente como autônomos, alguns com firma
estabelecida (6 técnicos); e os que estão formalmente empregados e também exercem
atividades por conta própria, ‘por fora’ do emprego (13 técnicos).
Nos dois grupos entrevistados predominam técnicos do sexo masculino (apenas duas
mulheres foram encontradas), jovens (predominância das faixas etárias de 25 a 29 anos e 30 a
35 anos), mais escolarizados no grupo de técnicos contratados por empresas do que os
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
99
profissionais exclusivamente autônomos, entre os quais predomina nível médio (apenas um
dos entrevistados possui nível superior). Este último dado, quando cruzado com o tempo de
experiência, dá margem a inferir que a menor escolaridade é compensada pelo maior tempo
de experiência prática, já que todos os participantes com vínculo empregatício possuem
graduação, alguns com especialização, e a maioria iniciou suas atividades profissionais
mesmo antes de se formar, sendo contratados como estagiários para adquirir “vivência na
empresa”.
Por outro lado, um dos autônomos entrevistados declara que há neste meio
profissional poucos técnicos com formação especializada e experiência (os que são
competentes começam a ser mais requisitados e percebem como mais vantajoso trabalhar por
conta própria, apesar dos riscos e a instabilidade inerentes ao fato de terem de construir e
administrar suas próprias redes e espaços de atuação), o que parece ser compensado com o
atrativo da maior liberdade e flexibilidade para administrar o tempo dedicado ao trabalho
aliado à possibilidade de obter rendimentos maiores do que se estivessem trabalhando
exclusivamente para uma empresa.
Chamou nossa atenção o fato de os serviços de assistência e manutenção de
computadores, softwares e sistemas poderem ser contratados abertamente dentro das empresas
onde os técnicos são empregados. Possivelmente, esta maior liberdade para negociar os
contratos de serviços ‘por fora’ no próprio ambiente da empresa esteja relacionada a uma
particularidade do próprio meio da informática. Em todo caso, a combinação do modelo do
emprego assalariado com o do profissional autônomo parece fazer com que os dois modelos
se alimentem reciprocamente, estabelecendo uma relação de mão dupla.
Os técnicos em informática que conjugam os dois modelos de trabalho, ao mesmo
tempo em que se qualificam e se aperfeiçoam ‘afinando’ a percepção do que acontece a sua
volta no território, também fazem um deslocamento de perspectiva, no sentido de sair de uma
posição de “assujeitamento forçado” (ZARIFIAN, 2003) para uma posição de liberdade,
sobretudo na potência do pensamento, da ação, da cooperação dos indivíduos-sujeitos que se
constituem como sujeitos justamente nesta relação. Também ajudam a confirmar a conexão
entre as novas tecnologias e linguagens, o trabalho em rede, as novas dinâmicas produtivas, e
a possibilidade de aprender a partir da instabilidade e das constantes mutações que
caracterizam o meio informático, podendo fazer isto coletivamente, nos marcos da cooperação
e da comunicação.
A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
100
Algumas considerações finais

Pudemos concluir com nosso estudo que o trabalho dos técnicos em informática é
paradigmático de um novo regime do trabalho em que os processos produtivos assumem a
forma de um “sistema sociotécnico” caracterizado pelas novas tecnologias da informação e
comunicação (MOULIER-BOUTANG, 2007). Essas novas tecnologias impactam tanto os
trabalhadores e agentes das dinâmicas produtivas quanto as próprias organizações e empresas
localizadas no território desta produção. As organizações que empregam alguns dos
profissionais de informática do nosso estudo também são afetadas por esta crescente demanda
por digitalização, e neste ambiente, novas demandas, que ultrapassam as fronteiras da
atividade fim de cada uma dessas organizações, também emergem. Além disso, o aprendizado
do trabalho se dá através da comunicação, o que implica a mobilização de diferentes recursos
de linguagem
6
, para aprender a partir da instabilidade e da mudança, para tornar-se ativo
diante desta incerteza, no marco da cooperação e da comunicação. Tal ideia está congruente
tanto com a nossa hipótese do território qualificante quanto com a definição da cidade
biopolítica – um outro nome para a metrópole – defendida por Hardt e Negri:
Hoje, finalmente, a cidade biopolítica emerge. Com a passagem à hegemonia da
produção biopolítica, o espaço da produção econômica e o espaço da metrópole
tendem a se superpor. Não existe mais o muro da fábrica para dividir um espaço do
outro, e as “externalidades” não são mais externas ao local da produção que as
valoriza. Os trabalhadores produzem através da metrópole, em cada fenda, em cada
brecha (2009, p. 251-252).

A partir deste primeiro estudo, pretendemos explorar outras formas de trabalho
autônomo que se desenvolvem no âmbito da metrópole, e uma possibilidade seria o trabalho
dos motoboys. Mas, a hipótese do território qualificante, em conexão com as problemáticas
do trabalho e da informação, poderia ser a base para outros estudos e aplicações em contextos
mais institucionalizados. O próprio Zarifian se dedica a estudar o trabalho no âmbito de
empresas do setor terciário, particularmente o dos trabalhadores de telemarketing. Mas
poderíamos também pensar em outros contextos e ambientes de produção e atividade
cognitiva, como escolas, universidades, empresas, etc., ou ainda em trabalhos que se realizam
em âmbitos mais diretamente ligados aos campos da ciência da informação e da
biblioteconomia, como o trabalho dos bibliotecários, por exemplo. Para concluir, deixamos
como proposta mais esta questão, que possa talvez nortear futuras conversas e reflexões: em

Que seriam, segundo Zarifian (2003), linguagem enunciativa, exploratória, inter-compreensiva, de ação
performativa.
Leonora Corsini
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
101
que medida a hipótese do território qualificante poderia ser estendida para outros contextos e
ambientes?

Referências

BERARDI, F. A fábrica da infelicidade: trabalho cognitivo e crise da new economy. Rio de
Janeiro: DP&A, 2005. (Coleção Espaços do Desenvolvimento)

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1995.

CORIAT, B. Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e organização. Rio de Janeiro:
Revan: UFRJ, 1994.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. 1730: Devir-intenso, Devir-animal, Devir-imperceptível. In:
______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: 34, 1997. v. 4.

GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

______. Adeus ao proletariado: para além do socialismo. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 1982.

HARDT, M.; NEGRI, A. Commonwealth. Cambridge: Harvard University Press, 2009.

HIRSCHMANN, A. O. Saída, voz e lealdade: respostas para o declínio em empresas,
organizações e o estado. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

LAZZARATO, M. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2006. (Coleção A Política no Império)

MARAZZI, C. O lugar das meias. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. Coleção A
Política no Império)

MOULIER-BOUTANG, Y. A bioprodução: o capitalismo cognitivo produz conhecimentos por
meio de conhecimento e vida por meio de vida. Revista IHU On-Line, n. 250, 23 abr., p. 5-
13, 2007. Disponível em:
<http://www.ihuonline.unisinos.br/uploads/edicoes/1177359728.74pdf.>.

PIORE, M. J.; SABEL, C. F. The second industrial divide. Nova York: Basic Books, 1984.

RIFKIN, J. O fim dos empregos. São Paulo: Makron Books, 2004.

SANTOS, M. Técnica espaço tempo: globalização e meio técnico-científico informacional.
São Paulo: HUCITEC, 1996.

SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em
Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, jan./jun., p. 41-62, 1996.

A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação
InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 89-102, jul./dez. 2010.
102
SILVA, G. O meio técnico-científico informacional e os novos territórios metropolitanos.
Revista Periferia, v. 1, n. 2, 2008.

ZARIFIAN, P. À quoi sert le travail? Paris: La Dispute, 2003.

______. Organização qualificante e modelos de competência: que razões?: que
aprendizagens? CEDEFOP – Revista Europeia-Formação Profissional, III, n. 5, mai./ago.,
p. 5-10, 1995. Disponível em:
<http://www.cedefop.europa.eu/etv/Upload/Information_resources/Bookshop/133/5_pt_zarifian.pdf.>



Artigo submetido em 29 out. 2010
Artigo aceito em 29 nov. 2010

ou comunicação empenhada em trabalhar”. Este deslocamento de um modelo fordista (baseado no paradigma da grande indústria) ao modelo pós-fordista (baseado no conhecimento). aquilo que atualmente vem sendo designado como Capitalismo Cognitivo. na InCID: R. 2010. SABEL. p./dez. Christian Marazzi (2009. Ci. muito mais do que a força de trabalho. e Doc. por sua vez. Neste processo. Além disto. 2004). HIRSCHMAN. é a força de invenção. CORIAT. Hoje em dia ninguém coloca a trajetória japonesa como paradigma do pós-fordismo. v. 1994. Essas transformações têm a ver com a passagem a um novo regime de acumulação e criação de valor que. que se encontra mobilizada. fazendo com que a produção da população ativa resulte na produção de conhecimento e da própria vida. p. bem antes dele. Albert O. jul. que se encontra na base do ato de comunicar. podemos definir essa transformação como o deslocamento da centralidade do trabalho material para o que o próprio Marx definia como “trabalho imaterial”. 1973). Inf. 1984. E. Ribeirão Preto. Ou. nos termos de Franco Berardi (2005). reforçando a coincidência entre os atos de produzir e comunicar. tornando-se fator diretamente produtivo. no marco do trabalho imaterial. Hoje temos produção de conhecimento por meio do conhecimento. n. 26) observa que com o pós-fordismo a comunicação entra na produção.. produção da vida por meio da vida (MOULIER-BOUTANG. um regime de acumulação globalizado e organizado em redes integradas de produção e circulação que oferece um caminho consistente diante da multiplicação das análises que apostavam na emergência de um modelo neo-industrial: o toyotismo (PIORE. 1995 e. além de bens e serviços. 1982). do “deslocamento do trabalho para o consumo” (CANCLINI. 2007). 2. 1. abre-se um leque de possibilidades de análise dos nexos entre “o modo de produção por meio da comunicação” e seus possíveis aspectos políticos. Com efeito. . A partir daí. a abordagem em termos de trabalho imaterial permitiu ir além do impasse determinado pelas teorias do “adeus ao proletariado” (GORZ. remete à passagem do modelo fabril – o fordismo – para o modelo pós-industrial – ou pós-fordismo. do “fim do trabalho” (RIFKIN. Além disto.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 90 Introdução As transformações do trabalho e seus efeitos na organização e nas dinâmicas produtivas do mundo contemporâneo vêm colocando em foco os trabalhadores autônomos e os trabalhadores que estão inseridos em um regime de acumulação característico de um novo momento do capitalismo. entre outros). implica também uma profunda transformação do trabalho. 89-102. ganha destaque a linguagem. um trabalho que é “trabalho da comunicação.

1. orkut. Ci. v. elaborar experiências ou seguir os percursos naturais de sua existência. jul. produção de mundos (production de mondes). 89-102. Esse trabalhador move-se continuamente para encontrar sinais. A transformação da matéria pelo trabalhador individual (inclusive quando ele continua no chão de fábrica) depende de dinâmicas imateriais. ou seja. e Doc. 2. afetivas. Inf. sobretudo. a cooperação social encontra na rede digital seu âmbito mais apropriado. “trabalho da comunicação. Segundo este autor. a “infomercadoria”. crenças e inteligências que antecedem. dizer que o trabalho hoje se tornou imaterial e cognitivo significa afirmar que. Desta maneira. Ribeirão Preto. O trabalho passa a ser. de relações” [. Pelo contrário. são as dimensões intersubjetivas do trabalho que determinam as dimensões objetivas (aquelas da relação sujeito/objeto) típicas do processo de trabalho industrial. Lazzarato afirma que o capitalismo não diz apenas respeito aos modos de produção (modes de production). uma infinita recombinação de milhares de informações que circulam num suporte de tipo digital.. Isso não significa que o trabalho material tenha desaparecido por completo. o “semiocapital”. n. quais sejam: dinâmicas comunicativas. ou comunicação empenhada em trabalhar” (idem). O capitalismo é uma efetuação dos mundos e das subjetividades nele inseridas. messenger. o trabalho cognitivo se expressa como infotrabalho. e outros sites e redes sociais. Em cada momento e lugar ele é alcançável e pode ser chamado de novo a exercer sua função produtiva e se reinserir no ciclo global da infoprodução – através de ferramentas como celular./dez. Invertendo a definição de Marx. um modo de captura da cooperação entre cérebros que resulta na produção ou “efetuação de mundos”. . menos ainda equivale a identificar o trabalho imaterial ou cognitivo com meras funções “intelectuais”. como diz Maurizio Lazzarato (2006). bem como criação e realização de desejos. 2010. atividades que englobam a mente e a mão de um trabalhador de carne e osso. InCID: R.. sobretudo. mudar de perspectiva.Leonora Corsini 91 medida em que este novo tipo de produção tende a se disseminar como trabalho cognitivo. linguísticas. Assim. como o próprio Marx antecipava. deslocar-se. todo infotrabalhador é portador da capacidade de elaboração de um segmento semiótico que deve se encontrar e se integrar com inúmeros outros fragmentos semióticos para compor o quadro de uma combinatória. mas é. trata-se de dar conta do fato de que. no pós-fordismo. que são primeiras em relação à produção econômica. em suma. Na proposição de Berardi (2005).].. “o produto deixa de ser criado pelo trabalhador individual imediato para ser o resultado mais de uma combinação de atividade social que da simples atividade do produtor”. p. E o trabalho cognitivo é. trabalhar hoje significa “mover-se.

1. que analisa o trabalho como pura relação de forças – trabalhar é resistir a um poder hierárquico. antes de tudo. no seu seio. raciocina-se em termos de dominação. neste caso. uma questão do trabalho. A organização deve permitir. Trata-se de um aprendizado sempre atrelado à experiência e ao acontecimento (seja ele provocado ou aleatório). e Doc. 89-102. Nesta perspectiva. da coordenação das diferentes tarefas. fazendo com que todos se esquecessem que o problema do emprego ou mesmo do desemprego é. de fazer acontecer. e uma visão estratégica. v. dão forma e “renormatizam” as organizações e agentes que compõem esse mercado. simultaneamente. “A organização qualificante. Ci. Daí Zarifian denominá-las “organizações qualificantes”1. 1995). verificamos igualmente um deslocamento bastante visível: se antes as empresas dependiam da qualidade da mão-de-obra disponível e tinham que se adaptar a ela. verifica-se um deslocamento da perspectiva da qualificação para o trabalho (ou emprego) para a perspectiva de um trabalho que qualifica./dez. como ação. convergindo assim para a definição de André Gorz (2005) dos saberes vivos. 2010. um trabalho “qualificante”. dos acontecimentos. Isto significa invenção. sob a marca da prescrição. 2. E esta nova característica do trabalho contemporâneo. de combinações. Inf. dar uma resposta à questão que ele levanta. faz com que hoje as organizações e empresas se também constituam em lugares de construção de conhecimento e de aquisição de competências. é dada pela mobilização da atenção individual e coletiva ao que está se passando. 1995). agora o sistema produtivo procura pautar seu mercado de trabalho ideal. O trabalho como acontecimento e invenção Em À quoi sert le travail? (2003) Philippe Zarifian redireciona o foco sobre a questão do trabalho que. p. na visão de analistas como Philippe Zarifian (2003.. Duas possíveis linhas de análise poderiam. lugar de aprendizado de competências mais adequadas à complexidade do mercado de trabalho. capacidade de agenciamento. teria ficado ofuscada pela problemática do emprego. as aprendizagens a ela relativas!” (ZARIFIAN. da reprodução e do desempenho. a aquisição de competências no seio da organização e sobre a organização situa-se numa dialética verdadeiramente singular e.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 92 Do ponto de vista da qualificação para o trabalho. ao que já passou e ao que vai passar. do incerto. inédita. Ribeirão Preto. n. 1 . InCID: R. na medida em que favorece. segundo ele. “para quê serve o trabalho?”: uma visão estrutural. uma vez ativadas. aos trabalhadores assalariados não resta Organização qualificante é o nome dado na França à “organização aprendente” ou “learning organization”. A resposta do trabalhador ao surgimento do imprevisível. mobilizando e modulando competências que. ou puramente funcional – trabalhar é ocupar uma função – cuja lógica é norteada pela divisão do trabalho. de acordo com Zarifian. por exemplo. do controle da execução. jul. como devir e como acontecimento. Sua proposta é pensar o trabalho como atividade. exploração. Ou seja. submissão.

Ribeirão Preto. os consumidores. uma linha de ação. no cotidiano de sua atividade laboral. Ci. O trabalho passa a ser muito mais invenção do que imitação e reprodução. numa leitura que atualiza o conceito de mônadas de Leibniz. a inventar um pensamento. exercitam e materializam. O trabalho é atravessado por acontecimentos singulares. imprevisíveis. em que o possível (um produto. a importância da invenção não pode ser plenamente compreendida se não se lança mão do conceito de acontecimento – central na proposição de Zarifian e também na de Maurizio Lazzarato: trabalhar é se confrontar permanentemente com situações imprevistas. E o exercício desta potência é primeiro e irremediável. interditas. 111). As individualidades que trabalham. que obrigam a inventar. constituindo 2 Ver também. os trabalhadores. para pensar de maneira bastante inovadora a subjetividade dos trabalhadores2. Contudo. Ou seja. jul. p. e esta atividade de criação e produção de mundos e subjetividades é apropriada também pela empresa contemporânea. InCID: R. um dos berços das técnicas disciplinares. a potência do pensamento e a capacidade de dar sentido e engendrar subjetividades. e agir em resposta a eles. mas aqui buscando resgatar a potência das individualidades que trabalham. São. e contra-efetuar essas situações e acontecimentos conferindo a eles um sentido humano. e Doc. ao contrário. p. pelo agenciamento da diferença e repetição” (idem). trata-se de uma multidão de invenções e sua constante difusão e entrecruzamentos na base e na origem de tudo o que os indivíduos produzem. E capturar a criação. 2010. é capturar o próprio acontecimento: Mesmo nas fábricas./dez. ou singularidades em ação. a invenção e a efetuação dos possíveis é a verdadeira produção. O trabalho torna-se assim um conjunto de acontecimentos. 2. digamos. Zarifian também opta por uma perspectiva de análise que ressalta o poder da ação. um mundo que não é dado a priori. 2006. 89-102. p. um serviço) expressa um mundo que precisa o tempo todo ser criado. a despeito e na contramão de todas as tentativas de racionalização e padronização. via Gabriel Tarde. a este respeito. 108). n. engendrados pelo acontecimento” (LAZZARATO. “taylorizados”. através do trabalho. 1. v. “de coisas que chegam de maneira não previsível. ou utilizar as margens e as brechas que o poder patronal deixa abertas. . mesmo no caso dos trabalhos mais. Inf.Leonora Corsini 93 outra saída senão resistir. não preexistem aos acontecimentos. “O mundo. a organização do trabalho passa a ser investida da lógica do acontecimento. Seguindo esta nova perspectiva do trabalho. uma ação que se efetua através da interdependência e da cooperação das subjetividades. As revoluções do capitalismo de Maurizio Lazzarato (2006. passando da operação à ação. e do trabalho em equipe à atividade em rede. o trabalho é visto como produção de possíveis. conclui Lazzarato..

o trabalho se tornou. de fazer acontecer. mas com a incerteza e as mudanças. 2010. p. Ribeirão Preto. muito mais uniforme. 2. o técnico de informática e o caixa do supermercado estão diante da tela do mesmo monitor e batem nas mesmas teclas. Tornou-se muito mais específico. 108-109). 2006. v. 2003. e Doc. é dada pela mobilização da atenção individual e coletiva ao que está se passando. aos hábitos e às operações codificadas. o trabalho é hoje muito mais diferenciado no que se refere aos conteúdos que elabora (BERARDI. p. o arquiteto. o infotrabalhador ou trabalhador high-tech. porque o conteúdo de sua atividade de elaboração é irredutivelmente diverso e intransferível (ibidem. 39). ergonômico. Inf. de estar à altura dos acontecimentos. quer se produzam no mercado. 2005. . Zarifian diz que a resposta (do trabalhador) ao surgimento do imprevisível. quer sejam produzidos pela clientela ou no escritório: é colocar em marcha uma capacidade de agir. 89-102. a parte mais singular e mais personalizada. de antecipar. Franco Berardi. Prosseguindo com a proposição de trabalho como acontecimento. Exatamente o contrário do que acontecia com o operário industrial. os trabalhadores contemporâneos tendem a considerar o trabalho a parte mais essencial de sua vida. poder tornar-se ativo diante das instabilidades e produzir em conjunto. P. ao que já passou e ao que vai passar. Acontecimentos e invenções se distribuem ao longo do ciclo de produção e se articulam às rotinas. Marx já havia dito que o trabalho passaria a ser uma atividade de controle da produção. do incerto. 2003 InCID: R. o novo trabalhador. jul. nas definições 3 ZARIFIAN. Consequentemente. poderíamos acrescentar. mas um não poderia nunca assumir o posto do outro. p. por outro lado. À quoi sert le travail? Paris: La Dispute. Ci. muito mais especializado: o advogado. o que implica poder aprender não só com a experiência. “marcos linguísticos e informacionais”. p. capacidade de agenciamento. Assim. 38). elaboração de sinais densos de saber./dez. (2005) refaz a indagação de Zarifian lançando a pergunta: “O que significa trabalhar hoje? De acordo com Berardi.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 94 exceções com relação à situação considerada normal (ZARIFIAN. e trabalhar é estar atento aos acontecimentos. ao invés de uma atividade direta de transformação da matéria e é exatamente isto que estamos vendo acontecer no capitalismo contemporâneo: controlar significa prestar atenção aos acontecimentos. por um lado. p. O trabalho se tornou parte de um processo mental. 953 apud LAZZARATO. e.. para o qual a jornada de oito horas de trabalho era uma espécie de morte temporária da qual as pessoas se livravam quando soava a sirene de fim de horário. do ponto de vista físico. a partir dos “marcos comunicacionais” e. de combinações. n. dos acontecimentos. 1. e isso significa invenção.

jul. este tipo de trabalhador cada vez mais se considera empresário de si mesmo (e acaba sendo. códigos. p. extraindo especificamente deste último um duplo sentido: biopolítica é simultaneamente criação de novas subjetividades (resistência) e força de dessubjetivação. precisamente. criativas. 89-102. etc. v. n. o que acaba tendo um significado não apenas econômico (BERARDI. e Doc. que abrange tanto os elementos comuns naturais que constituem o espaço urbano – terra. “Este comum artificial atravessa o território e constitui a metrópole” (op. suas energias comunicativas. de fato). 2.. E o que distingue a metrópole daquela concepção tradicional de cidade é. compartilhando recursos.. recursos minerais. hábitos e práticas. 1. Essa “introjeção” de formas de comando produz também o duplo efeito de desestruturar e precarizar ainda mais aqueles que são assalariados e fazer com que os autônomos tenham que se ocupar das coberturas e garantias para suas férias. Ribeirão Preto. p. afetos. Negri e Hardt fazem uma releitura dos conceitos de biopoder e biopolítica em Foucault. Ci. conhecimentos. aposentadoria. Inf. 250). imagens. porém tendo que arcar com eventuais êxitos ou fracassos. pensão etc. que é imanente. 2010. relações. p. Metrópole: lugar da produção biopolítica e da constituição de outros mundos possíveis Em seu mais recente trabalho (Commonwealth. o trabalhador autônomo é levado a se identificar psicologicamente com a sua função (como os artesãos pré-industriais). trocando bens e ideias. a produção biopolítica da riqueza está sendo pensada como acontecimento – o desejo intransigente por liberdade subverte o sistema normativo do poder – e é tanto uma força de ruptura quanto uma força de inovação. sua competência singular. 51). saberes e circuitos culturais. InCID: R. que emerge de dentro. cit. em suma. Para desenvolver esta nova concepção da metrópole. a esfera do comum./dez. – quanto os elementos comuns artificiais. Por outro lado. A metrópole é vista neste caso como o ambiente construído que dá suporte às atividades da multidão.Leonora Corsini 95 propostas por Berardi. inovadoras. que têm a ver com as linguagens. empenha na produção. Em outras palavras. água. espaço da produção do comum. 2005. o melhor de suas capacidades intelectuais. o ambiente social que constitui um repositório de competências. desejos. lugar onde as pessoas vivem e trabalham juntas. afetos. Do ponto de vista cultural. . como o lugar da produção biopolítica. 2009) Antonio Negri e Michael Hardt definem o espaço metropolitano. na sua atividade. hábitos. comunicando.

v. idéia que não apenas nos convida a pensar a metrópole em um sentido qualitativo e quantitativo. O meio técnico científico informacional é o que incita. fazendo ganhar força em seu lugar uma lógica instrumental e maquinizada. n. cultura. p. a criação de linhas de abertura nas proposições teóricas e conceitos de modo a fazer aparecer aquilo que eles têm de mais criativo. com maior eficácia. de mais instigante e inovador. Ribeirão Preto. InCID: R. 5 4 . reproduzida em: LEITE. um comportamento diferente e “sofisticado”. configurando assim o meio técnico – composto de objetos e artefatos ao mesmo tempo culturais e técnicos. a bem da verdade a técnica sempre existiu. Segundo o autor. da utilização e do funcionamento do espaço vital. P. Neste mesmo sentido de devir-menor. de acordo com sua definição. Só passaram a ter esta autonomia no período da técnica. isto é. com a emergência do espaço mecanizado. 1996. p. Maria Ângela F. jul. 2007. para efeitos de nossos propósitos nesta discussão. Rio de Janeiro: Azougue Editorial. 1. 2. p. como meio técnico científico informacional5. 91)..). a tecnologia e a informação estão na própria base da produção. Milton Santos (1996) caracteriza o meio natural (também chamado pré-técnico) como aquele da valorização das condições naturais (natureza. e Doc. que se traduz em um grau maior e mais avançado de inteligência produtiva: “Aquilo que no mundo atual é feito com maior rentabilidade.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 96 Esta operação de extrair dos conceitos foucaultianos um outro sentido pode ser aproximada à ideia de devir-menor formulada por Deleuze e Guattari (1997). os objetos técnicos já surgem como informação (SANTOS. Encontros: Milton Santos. 2008). constituindo um verdadeiro “tecnocosmo” como diz Milton Entrevista de Milton Santos em 2004. 190). é “o lugar onde é possível viver com sofisticação” (SANTOS4 apud SILVA. 2010. fica evidente que os objetos que compõem este meio tendem a ser principalmente híbridos – ao mesmo tempo técnicos e informacionais. Com a emergência da lógica instrumental dos sistemas técnicos. com maior produtividade. um lugar que apresenta um aspecto dinâmico e potente percebido como sofisticação. 89-102. mas os sistemas técnicos não tinham existência autônoma. na metrópole contemporânea. como também afirmativo. Ci. Assim. 1996. é feito nesse meio” (SANTOS. processo que teve início a partir da segunda guerra mundial e se consolidou nos anos 1970./dez. linguagem) que constituem a base material da existência. Inf. seria útil. Graças à extrema intencionalidade de sua produção e localização (em rede). como território de constituição de (outros) mundos possíveis. (Org. Esses objetos técnicos e “maquínicos” aportaram aos sistemas de produção uma lógica instrumental que acabou colocando em xeque as lógicas naturais. viviam em simbiose total com a natureza. fazer uma releitura da perspectiva de Milton Santos da metrópole que. característica que fez com que o espaço fosse cada vez mais constituído de elementos “naturais” e “artificiais”. a ciência.

equipados para facilitar a sua circulação” (ibidem. 1. jul. No meio técnico-científico-informacional que caracteriza a vida e a produção nas metrópoles. por exemplo. a dimensão tecnológica está em constante expansão e tem se tornado a face mais visível da sociedade da informação. n. que abarca tanto as grandes cidades e metrópoles quanto o meio rural. Nas suas palavras: “A informação é vetor fundamental do processo social. e os territórios são. A partir dessas indagações.Leonora Corsini 97 Santos. 2010. desse modo. em termos da problemática da própria informação. Seguindo esta pista. a criatividade e a inovação são elementos centrais. as possibilidades de mobilização produtiva do território devem-se mais às condições técnicas e sociais do que propriamente aos recursos naturais ou a uma “vocação” produtiva. Ao ‘linkar’ esta problematização aos desafios do trabalho. pensamos o território como o lugar onde novas competências são modeladas a partir das ações e das experiências do trabalho cognitivo em rede./dez. p.. 2. constata que os problemas da informação não estão diminuindo mas estão sendo transformados. v. a partir da atividade e da experiência vivida do trabalho. e Doc. A hipótese do território qualificante e a problemática da informação A partir das noções de organizações qualificantes e de metrópole como lugar privilegiado da produção biopolítica derivamos a hipótese do território qualificante. Ribeirão Preto. e que na relação homem-tecnologia. Tefko Saracevic (1996). . Com base na ideia de que no capitalismo cognitivo se produz conhecimento por meio de conhecimento e a vida por meio de vida. “O acesso à tecnologia e aos meios informacionais possibilitam maior liberdade e mobilização produtiva?”. focalizando o trabalho dos técnicos InCID: R. demos início a um estudo empírico. 89-102. produz novas qualificações e competências. p. Inf. “Qualificam o trabalho e o território onde este trabalho acontece?”. 191). propomos também que o próprio espaço do território. competências estas que retornam para o mesmo território na forma de serviços em que a inteligência colaborativa. e o que possibilita esta transformação é a forma-rede. formulamos algumas perguntas: “A expansão tecnológica resulta em maior eficácia da comunicação e da transmissão e produção de informação?”. visto como vetor de impulsão no trabalho autônomo. Uma outra possível deriva seria articular a problematização feita por Milton Santos a respeito da expansão da dimensão informacional e tecnológica em detrimento da dimensão humana da vida e da produção na globalização com algumas discussões que vêm sendo feitas. Ci. no âmbito da ciência da informação.

/dez. mais escolarizados no grupo de técnicos contratados por empresas do que os InCID: R. do barateamento de equipamentos e hardware e da difusão de ambientes operacionais e softwares em sistema de código aberto. são fundamentais para o desenvolvimento do trabalho cognitivo no âmbito das metrópoles. Além disto. distribuímos por e-mail 25 questionários. Inf. 89-102. A demanda por esses serviços tem aumentado em virtude da democratização da informática. procurando direciona-los. 1. podemos constatar uma grande e constante demanda por serviços de reparos e manutenção (hardware e software). os trabalhadores de informática. Ci. bem como do próprio trabalho no capitalismo cognitivo. jul. além da jornada regular nas empresas que os contratam. mapear os serviços técnicos e de suporte em informática em relação ao território compreendido pela Região Metropolitana do Rio de Janeiro para em seguida articular às práticas e processos identificados com os conceitos de território qualificante e trabalho cognitivo em rede. que será descrito a seguir. é digno de nota o fato de que as redes de prestadores de serviços de informática vão sendo construídas sobretudo a partir de indicações de clientes – o tradicional “boca a boca”. aos técnicos propriamente autônomos. ‘por fora’ do emprego (13 técnicos). no âmbito de uma metrópole como o Rio de Janeiro.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 98 em informática no Rio de Janeiro. entrevistamos profissionais que trabalham em empresas e também realizam serviços por conta própria para clientes externos. 2010.. em seus diferentes níveis de formação e especialização. jovens (predominância das faixas etárias de 25 a 29 anos e 30 a 35 anos). obtivemos 19 entrevistas. Para tanto. e Doc. . num primeiro momento. Desses questionários. primeiramente. Posteriormente. ou ‘infotrabalhadores’ como denomina Berardi (2005). alguns com firma estabelecida (6 técnicos). Em paralelo à grande difusão da informática nas residências e empresas domésticas. 2. p. que foram classificadas segundo dois tipos de situação laboral: os que trabalham unicamente como autônomos. Ribeirão Preto. aqueles que não possuem nenhum tipo de vínculo formal de trabalho. Nos dois grupos entrevistados predominam técnicos do sexo masculino (apenas duas mulheres foram encontradas). n. e os que estão formalmente empregados e também exercem atividades por conta própria. Nosso principal objetivo neste estudo foi. Os técnicos em informática no Rio de Janeiro Uma de nossas premissas iniciais foi a de que o computador é componente fundamental da sociedade da informação e da comunicação. v.

estabelecendo uma relação de mão dupla. Por outro lado. podendo fazer isto coletivamente. 2. e a possibilidade de aprender a partir da instabilidade e das constantes mutações que caracterizam o meio informático. um dos autônomos entrevistados declara que há neste meio profissional poucos técnicos com formação especializada e experiência (os que são competentes começam a ser mais requisitados e percebem como mais vantajoso trabalhar por conta própria./dez. Em todo caso. softwares e sistemas poderem ser contratados abertamente dentro das empresas onde os técnicos são empregados. 2010. v. 1. a combinação do modelo do emprego assalariado com o do profissional autônomo parece fazer com que os dois modelos se alimentem reciprocamente. quando cruzado com o tempo de experiência. o trabalho em rede. da ação. já que todos os participantes com vínculo empregatício possuem graduação. p. da cooperação dos indivíduos-sujeitos que se constituem como sujeitos justamente nesta relação. o que parece ser compensado com o atrativo da maior liberdade e flexibilidade para administrar o tempo dedicado ao trabalho aliado à possibilidade de obter rendimentos maiores do que se estivessem trabalhando exclusivamente para uma empresa. também fazem um deslocamento de perspectiva. Ribeirão Preto.. no sentido de sair de uma posição de “assujeitamento forçado” (ZARIFIAN. . e Doc. as novas dinâmicas produtivas. InCID: R.Leonora Corsini 99 profissionais exclusivamente autônomos. Este último dado. alguns com especialização. Os técnicos em informática que conjugam os dois modelos de trabalho. Ci. e a maioria iniciou suas atividades profissionais mesmo antes de se formar. Possivelmente. jul. esta maior liberdade para negociar os contratos de serviços ‘por fora’ no próprio ambiente da empresa esteja relacionada a uma particularidade do próprio meio da informática. dá margem a inferir que a menor escolaridade é compensada pelo maior tempo de experiência prática. apesar dos riscos e a instabilidade inerentes ao fato de terem de construir e administrar suas próprias redes e espaços de atuação). Também ajudam a confirmar a conexão entre as novas tecnologias e linguagens. Inf. sobretudo na potência do pensamento. n. sendo contratados como estagiários para adquirir “vivência na empresa”. ao mesmo tempo em que se qualificam e se aperfeiçoam ‘afinando’ a percepção do que acontece a sua volta no território. nos marcos da cooperação e da comunicação. Chamou nossa atenção o fato de os serviços de assistência e manutenção de computadores. 2003) para uma posição de liberdade. entre os quais predomina nível médio (apenas um dos entrevistados possui nível superior). 89-102.

jul. Tal ideia está congruente tanto com a nossa hipótese do território qualificante quanto com a definição da cidade biopolítica – um outro nome para a metrópole – defendida por Hardt e Negri: Hoje. Para concluir. . pretendemos explorar outras formas de trabalho autônomo que se desenvolvem no âmbito da metrópole. o que implica a mobilização de diferentes recursos de linguagem6. para tornar-se ativo diante desta incerteza. exploratória. Essas novas tecnologias impactam tanto os trabalhadores e agentes das dinâmicas produtivas quanto as próprias organizações e empresas localizadas no território desta produção. por exemplo. em cada brecha (2009. como o trabalho dos bibliotecários. o aprendizado do trabalho se dá através da comunicação. n. Ribeirão Preto. 2. ou ainda em trabalhos que se realizam em âmbitos mais diretamente ligados aos campos da ciência da informação e da biblioteconomia. Os trabalhadores produzem através da metrópole. inter-compreensiva. e uma possibilidade seria o trabalho dos motoboys. Ci. Além disso. segundo Zarifian (2003). que ultrapassam as fronteiras da atividade fim de cada uma dessas organizações. 89-102. A partir deste primeiro estudo. Não existe mais o muro da fábrica para dividir um espaço do outro. e as “externalidades” não são mais externas ao local da produção que as valoriza. p. v. linguagem enunciativa./dez. 1. em conexão com as problemáticas do trabalho e da informação. particularmente o dos trabalhadores de telemarketing. poderia ser a base para outros estudos e aplicações em contextos mais institucionalizados. universidades.. Com a passagem à hegemonia da produção biopolítica. p. Mas poderíamos também pensar em outros contextos e ambientes de produção e atividade cognitiva. a cidade biopolítica emerge. etc. As organizações que empregam alguns dos profissionais de informática do nosso estudo também são afetadas por esta crescente demanda por digitalização. a hipótese do território qualificante. Mas. InCID: R. de ação performativa. no marco da cooperação e da comunicação. O próprio Zarifian se dedica a estudar o trabalho no âmbito de empresas do setor terciário. novas demandas. o espaço da produção econômica e o espaço da metrópole tendem a se superpor. 2010. 251-252). deixamos como proposta mais esta questão. Inf. para aprender a partir da instabilidade e da mudança. como escolas. finalmente. que possa talvez nortear futuras conversas e reflexões: em Que seriam.. e neste ambiente. em cada fenda. também emergem. 2007). empresas.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 100 Algumas considerações finais Pudemos concluir com nosso estudo que o trabalho dos técnicos em informática é paradigmático de um novo regime do trabalho em que os processos produtivos assumem a forma de um “sistema sociotécnico” caracterizado pelas novas tecnologias da informação e comunicação (MOULIER-BOUTANG. e Doc.

v. 1997. F. Devir-imperceptível. C. Saída. Consumidores e cidadãos. M. São Paulo: 34. Disponível em: <http://www. G. 1994.ihuonline.unisinos. B. F.br/uploads/edicoes/1177359728. SARACEVIC. GORZ. A fábrica da infelicidade: trabalho cognitivo e crise da new economy. PIORE. O fim dos empregos. T. GUATTARI. evolução e relações. 2010. . 41-62. Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e organização. A. p.Leonora Corsini 101 que medida a hipótese do território qualificante poderia ser estendida para outros contextos e ambientes? Referências BERARDI. (Coleção A Política no Império) MARAZZI. Rio de Janeiro: Revan: UFRJ. RIFKIN. 2005. Ci. n. 1. Ciência da informação: origem. 1996. DELEUZE. A bioprodução: o capitalismo cognitivo produz conhecimentos por meio de conhecimento e vida por meio de vida. C. Perspectivas em Ciência da Informação. In: ______. F. Cambridge: Harvard University Press. 1982. 2009. Ribeirão Preto. e Doc. N. 513. O imaterial: conhecimento. 2004. Técnica espaço tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. v. Rio de Janeiro: Forense Universitária./dez. Rio de Janeiro: Ed. HIRSCHMANN. LAZZARATO. organizações e o estado. São Paulo: Editora Perspectiva. p.. 1. n. 2006. voz e lealdade: respostas para o declínio em empresas. As revoluções do capitalismo. M.. G.>. p. Inf. 89-102. 250. Coleção A Política no Império) MOULIER-BOUTANG. São Paulo: Makron Books. jul. v. 1995. J. M. Belo Horizonte. InCID: R. SABEL. J. ______. Rio de Janeiro: DP&A. HARDT. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. CORIAT. Adeus ao proletariado: para além do socialismo. Revista IHU On-Line. UFRJ. O lugar das meias. 1996. 1730: Devir-intenso. São Paulo: Annablume. A. 2.. Nova York: Basic Books. (Coleção Espaços do Desenvolvimento) CANCLINI. 1984.. 1. 1973. valor e capital. jan. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 23 abr. O.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. The second industrial divide. São Paulo: HUCITEC. M. SANTOS. 2005.74pdf./jun. Y. n. A. NEGRI. 2007. 2009.. Devir-animal. 4. Commonwealth.

. p. 5. 2010. . jul. ______./dez. p.cedefop. III. G. Revista Periferia. n.> Artigo submetido em 29 out. Inf. v. mai. 2.eu/etv/Upload/Information_resources/Bookshop/133/5_pt_zarifian. 1995. Ci.. 2003. 1.europa. 2008. 89-102./ago. 2. n. v. n. Disponível em: <http://www. O meio técnico-científico informacional e os novos territórios metropolitanos.A hipótese dos territórios qualificantes no trabalho com informação 102 SILVA. Organização qualificante e modelos de competência: que razões?: que aprendizagens? CEDEFOP – Revista Europeia-Formação Profissional. e Doc. 2010 Artigo aceito em 29 nov. Ribeirão Preto. 2010 InCID: R. À quoi sert le travail? Paris: La Dispute. 1.pdf. 5-10. ZARIFIAN. P.