CAPITALISMO: MARX; MATURANA; FOUCAULT; BAUMAN

PROFESSORA ELEUSA SPAGNUOLO SOUZA

ARQUÉTIPOS
Podemos delinear quatro arquétipos

básicos responsáveis pelo movimento histórico, sendo eles: arquétipo teológico; arquétipo social, arquétipo materialista e arquétipo autoreferencial.

. Existem as leis que estão expressas nos livros sagrados. O objetivo é viver tendo por meta atingir um lugar sagrado metafísico e o universo objetivo ou material como sendo um espaço a ser transcendido.ARQUÉTIPO TEOLÓGICO Define um viver fundamentado na existência de um deus externo ao homem que o governa e o julga depois de sua morte.

desejos e comportamentos. . raciocínios. Predominância do senso comum.ARQUÉTIPO SOCIAL Elabora um viver em harmonia plena com a sociedade. A sociedade é considerada o elemento fundador dos nossos pensamentos. ausência da propriedade privada e a cultura é o elemento determinante de todas as nossas ações. O valor supremo é o bem comum.

neurônios e junções de substâncias químicas.ARQUETIPO MATERIALISTA Impulsiona um viver com preponderância nos fatos objetivos inseridos no espaço e tempo. A consciência do ser humano resulta de fatores eminentemente materiais decorrente do cérebro. Vida em busca da posse e acumulação de bens materiais. A sociedade é organizada pelas elites que possuem em suas mãos o controle dos meios de produção. .

Define um viver tendo por supremacia a consciência ética. o sujeito de sua própria existência e de sua própria capacidade de resistir a tudo aquilo que dela nos priva e torna nossa vida incoerente. . O valor cultivado é a liberdade de consciência fundamentada no convívio de cooperação.ARQUETIPO AUTOREFERENCIAL Busca do direito de ser o autor.

sociedade panótica e sociedade líquida. . agrupamento humano.ARQUÉTIPO PREDOMINANTE NO OCIDENTE Predomina no Ocidente o arquétipo materialista gerador do capitalismo que possui quatro aspectos: exploração brutal do homem pelo homem.

PRIMEIRO VIÉS DO CAPITALISMO KARL MARX .

Estado representante da burguesia. Cresce dia a dia as deslealdades e a destruição dos fracos pelos monopólios. . O antagonismo entre pobres e ricos. tende aumentar.EXPLORAÇÃO O sistema capitalista gera uma concentração de lucro em poucas mãos e uma massa de explorados. longe de desaparecer. A criminalidade cresce de ano para ano. O comércio se degenerou transformando em roubo.

O casamento passou a ser o manto oficial com que se cobre a prostituição seguida de uma abundância complementar de adultério.EXPLORAÇÃO A prostituição desenvolve em proporções alarmantes. Recursos financeiros são canalizados para a indústria bélica visando a imposição do poder econômico e político. . As instituições políticas e sociais estão desacreditadas e comprometidas com a exploração do povo.

SEGUNDO VIÉS DO CAPITALISMO HUMBERTO MATURANA .

Predominância de uma individualidade sem cooperação e fundamentada na concorrência. Na competição não existe a convivência porque a vitória de um surge da derrota do outro. Na vida mercantil não existe diferença entre ser amigo e não ser amigo e não se conhecerem. .AGRUPAMENTO HUMANO Negação mútua surge hierarquia e obediência.

Predomina em ser o melhor em todos os aspectos. Único conhecimento é aquele que leva ao maior lucro.AGRUPAMENTO HUMANO Predomina o lucro. . a capacidade de vencer o outro utilizando qualquer método. Toda a preparação é para vencer no mercado de trabalho.

TERCEIRO VIÉS DO CAPITALISMO MICHEL FOUCAULT .

Qualquer comportamento desviante é prontamente identificado.SOCIEDADE PANÓTICA Vigilância integral. Cumprimento de regras impostas pelos gerentes aos gerenciados. . Disciplina é o método que permite o controle minucioso do corpo realizando sujeição. punido ou isolado.

Coloca a pessoa na rotina de vida. fabrica corpos submissos e obedientes. . Controla o corpo: horário. utilização exaustiva. tipos de roupa. articulação corpo/objeto.SOCIEDADE PANÓTICA Relação de docilidade-utilidade. Adestra. ritmo obrigatório.

QUARTO VIÉS DO CAPITALISMO ZYGMUNT BAUMAN .

Predomina a futilidade. . A vida é presidida por um mercado de consumo calcado na rápida substituição. A beleza da pessoa é medida pelo que ela veste e por aquilo que possui. perda da autoconfiança e com ela a coragem de imaginar e esboçar modelos de perfeição.SOCIEDADE LÍQUIDA Os lares são apenas hospedarias no meio do caminho.

Busca pela satisfação rápida.SOCIEDADE LÍQUIDA A vida se resumo em ganhar dinheiro para divertir e manter o luxo. . A classe burguesa que desfruta sem limites dos prazeres do consumo e do lucro fácil e uma classe popular (gerenciados) sendo movimentada para atingir os mesmos objetivos da classe burguesa empregando também qualquer meio.

camiseta e boné.EXEMPLO Eis que o sujeito desce na estação do metrô. encosta-se próximo à entrada. um Stradivarius de 1713. um dos maiores violinistas do mundo. . Ninguém sabia. Vestindo jeans. mas o músico era Joshua Bell. Durante os 45 minutos que tocou. foi praticamente ignorado pelos passantes. tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali. estimado em mais de 3 milhões de dólares. executando peças musicais consagradas num instrumento raríssimo.

roupas sofisticadas e indiferentes ao som do violino. celular no ouvido. mostra homens e mulheres de andar ligeiro. crachá balançando no pescoço. copo de café na mão. . onde a entrada custava 1000 dólares.EXEMPLO Alguns dias antes Bell havia tocado no Symphony Hall de Boston. gravada em vídeo. A experiência.

MUDANÇA DE PARADIGMA .

A mudança de paradigma é algo profundamente abalador. o próprio destino do planeta é colocado em questão. . Ela envolve uma profunda crise para os indivíduos e uma grande reviravolta para a sociedade.MUDANÇA DE PARADIGMA A partir do final do século XX iniciou a mudança do arquétipo mecanicista para o arquétipo autoreferencial o que está provocando mudanças profundas na racionalidades das pessoas.

MUDANÇA DE PARADIGMA Nós vemos à realidade através do paradigma.2003. do controle panótico e da guerra. XII) Touraine (2006) sujeito é aquele que elabora resistência ao mundo impessoal do consumo.. que são lentes coloridas e pensamos que vemos a realidade como ela é. da violência. p. Sujeito é aquele que reflete sobre si mesmo e se coloca em posição de criador de si mesmo. da posse. . (MALIN.

O sujeito ultrapassa a vida ordinária .MUDANÇA DE PARADIGMA O sujeito retorna a si mesmo e descobre aquilo que confere sentido à sua vida. aquilo que cria a sua liberdade.

.CONCLUSÃO Temos que desvelar em primeiro lugar o arquétipo que estamos associados e através da abertura ou ampliação de consciência para possibilitar o salto da nossa estrutura para dimensões mais complexas. O novo paradigma é o sujeito se conhecer para formar uma sociedade humana.

do consumo e principalmente da burguesia. o que busca o novo não aceita o cotidiano. .CONCLUSÃO Heller: o homem criativo. Desenvolver uma criatividade cooperativa. O ser humano possui uma estrutura de consciência autônoma e deve se oferecer a oportunidade de elaborar sua própria individualidade expondo o seu interior e deixando de ser o veículo da mídia. sentindo necessidade de transcendê-lo e se preparar para o não cotidiano.