Tratando adultos com o aparelho de protração mandibular

pelo Dr. Carlos Martins Coelho Filho e pelo Dr. Larry White

Dr. Larry White

Dr. Carlos Martins Coelho Filho

Introdução O interesse em dispositivos funcionais para a correção de discrepâncias sagitais entre a maxila e a mandíbula surgiu entre as duas décadas passadas. Não obstante, a maioria dos artigos publicados destes mecanismos trataram do tratamento de adolescentes. Esta preocupação com crianças em crescimento é compreensível na luz do efeito que os dispositivos ortopédicos funcionais exercem supostamente. Não obstante, alguns dos artigos publicados em aparelhos funcionais indicam que muitas das correções vistas com elas se derivam das adaptações dentoalveolares que das mudanças esqueletais por si mesmo. Aquelas descobertas alertaram alguns clínicos usá-los com pacientes sem crescimento. O APM O aparelho de protração mandibular (APM) evoluiu nos meados de 1990 em um esforço em imitar aparelhos funcionais unidos para a correção dos maloclusões de classe II que os pacientes não poderiam facilmente remover, e que os clínicos poderiam fazer sem despesa do laboratório ou inventário adicional. O APM submeteu-se a diversas mudanças sobre os anos e está agora em sua quarta variação. Funciona bem como um aparelho de Herbst , mas os tubos e as hastes

1

2 . Maloclusões da classe III.2 milímetros (tubo secundário) transversalmente a uma vara do tubo do aço inoxidável de . Correção de desvios de linha mediana. Indicações para o APM A seguinte lista das circunstâncias ilustra a versatilidade do APM.9 milímetro (tubo principal). Isto oferece. Maloclusões da subdivisão da classe II. Overbites profundos. de maneira nenhuma. Os leitores anotarão o simplicidade dos instrumentos e das habilidades ortodônticas necessários para sua fabricação. Preservação da ancoragem mandibular do incisivo. A distância entre cada parte soldada depende do quanto APM´s você quer prefabricar. uma lista exclusiva.menores dos aparelhos unem-se ao tubo de AEB do primeiro molar superior ao arco mandibular. mas fornece um inventário detalhado dos dilemas que os clínicos puderam resolver com o APM. Soldar diversas partes de tubo do aço inoxidável de 1. Preservação da ancoragem do molar superior. e como prova útil em resolver alguns problemas ortodônticos comuns. Construção do APM As seguintes informações fornecem um esquema passo a passo construindo e executando um APM de classe II . • • • • • • • • • • Maloclusões da classe II. Diminuição de sintomas de DTM. Deslocamento de mesial dos caninos superiores a agir como os incisivos laterais. Overjets grandes.

) 3 . Marcar o resplendor projetando-se da ponta ao tubo (.10 milímetros de fio de aço inoxidável e dobrá-la 90° que divide o fio em dois segmentos. As partes eliminadas de excesso podem ser reutilizadas 2 3 Começar por uma parte de 1. Introduzir o segmento mais curto da trava molar no tubo secundário até que sua ponta se projete do lado oposto do tubo. Esta parte será chamada trava molar(4). 2 & 3).1 Eliminar o excesso dos tubos secundários soldados em nível à vareta principal do tubo (Figs.

Cortar o excesso fora e terminá-lo com uma pedra montada. 6 7 O componente maxilar do APM 4 está agora pronto.6). Isto ficará mais fácil de dobrar o fio nesse ponto mais curto.7).9 milímetro de fio de aço inoxidável dobrado em um ângulo 90° dividido em dois segmentos. Para fazer a descrição mais fácil. que é formado por uma parte de . em aproximadamente 37 milímetros mais longo no comprimento e em aproximadamente 2 milímetros mais curto. Na ponta do 4 . Introduzir a trava molar no tubo secundário e dobrá-lo para baixo na ponta projetando-se exatamente no ponto onde o pino foi cortado parcialmente com o disco. O componente inferior de APM 4 é chamado haste mandibular. somente uma parte foi mostrada aqui. mas você pode fabricar o dispositivo em série como é mostrado em 8. assim que permanece lisa e não fere a boca dos pacientes (Fig.4 5 Fazer exame da trava molar fora do tubo secundário e cortar parcialmente o fio com um disco sobre a metade do seu diâmetro (Fig.

5 . 8 9 Instalação antes da instalação de APM 4.019 " X . os dentes inferiores devem estar com fio de aço inoxidável . (Figs 10 & 11).025 " com um loop na distal dos caninos.braço mais curto há um batente que possa ser feito com uma parte pequena de tubo soldado ou de uma gota pequena da solda (9).

A haste mandibular está agora pronta para ser introduzida no tubo principal do APM.12 & 13)… 12 13 … e girá-lo ascendente (Figs. 6 . 14 & 15).10 11 Introduzir a haste mandibular no loop do lado lingual para vestibular (Figs.

Marcar o ponto da coincidência entre o tubo principal do APM e loop no arco inferior (16). Fazer exame do conjunto fora dos tubos de AEB e usar um disco para cortar nas marcas feitas previamente (18). 16 Marcar também a trava molar na mesial do tubo para dar-lhe uma idéia de quanto excesso você deve deixar para se dobrar (17). quando o paciente estiver em uma posição de topo-a-topo de incisivos. Isto define o comprimento do tubo principal como o comprimento necessário manter a mandíbula na posição protruída mesmo quando em repouso.14 15 Introduzir a trava molar nos tubos de AEB do primeiro molar superior de distal para mesial. 7 .

introduzir a haste mandibular nele (20) 19 20 Prender a trava molar com um alicate e introduzi-lo no tubo de AEB que parte de distal para mesial (21). Terminar a inserção empurrando com seu dedo (22). Ao prender o tubo principal do APM com um alicate ou sua mão.19).17 18 Agora o componente maxilar do APM 4 está pronto para ser reinstalado (Fig. 8 .

você tem que queimá-lo usando um miniflan até que a ponta esteja vermelha e então imediatamente mergulha-o na água fria.10 milímetros). APM 4 montado em typodont em uma posição de boca fechada 23 24 APM 4 montado em uma posição de boca aberta APM 4 em uma boca de paciente.21 22 Usar-se do alicate How para dobrar firmemente a trava molar na mesial do tubo de AEB (23). Posição fechada 9 . Desde que a trava molar é feito de um fio espessura grossa (1.

25 26 Ao contrário do dispositivo de Herbst o APM pode inverter seu curso e dirigir uma força mesial de encontro ao arco maxilar agindo através das bombas compressoras. Isto permite uma força eficaz da classe III para deslocar caninos superiores mesialmente para agir como os incisivos laterais. Figura 27 e 28: Força da classe III que age através das bombas compressoras Os clínicos podem empregar muitos projetos para o desempenho do APM e devem incentivar sua própria criatividade para melhorar seu desempenho. Figura 29: Projeto alternado para a 10 .

Pode proteger o ancoragem molar superior. nenhum dispositivo oferece benefícios completos sem acompanhar limitações. e uma vantagem com uma maloclusão prova frequentemente desvantajoso com outro. Pode dar forma às forças. Fabricação barata. Discussão Este relatório clínico fornece a evidência empírica forte de que os aparelhos funcionais têm bastante potencial para seu uso em pacientes sem crescimento. Pode proteger o ancoragem incisivo inferior. 11 . Vantagens e limitações à terapia de APM Vantagens o o o o o o o Diversos projetos disponíveis. As seguintes listas fornecem clínicos com bastante informação para guiar sua seleção ou rejeição do APM como uma modalidade do tratamento para maloclusões. Nenhuma técnica de laboratório requer.força da classe III. Ajustes fáceis e precisos. Não obstante.

mas aquela que não afeta sua eficácia. Movimento mandibular restrito (mas menos do que um dispositivo de Herbst). Fornece um molde para o desenvolvimento da maxila que corrige simultaneamente a linha média. o overjet e o overbite. 12 . Atos primeiramente por mudanças dentoalveolares. Força dirigida para cima e para trás ao longo da linha central de Y ( eixo de crescimento ). Muda o convexidade maxilar mínima. promovendo mudanças dentoalveolares o APM ampliou a população que pode se beneficiar desta terapia. As bocas pequenas não podem acomodá-los. Não pode crescer o mandíbula ou o maxila além de seu potencial genético.o o o o o o o o o o Tempo mínimo da cadeira do tratamento. Pode corrigir maloclusões em pacientes sem crescimento. Estas melhorias parecem ocorrer com as adaptações dentoalveolares. Mudanças dentoalveolares rápidas. AEB. Raramente útil com crianças crescentes. Desvantagens o o o o o o o o o o o o Não pode mudar o convexidade maxilar substancialmente. Os pacientes podem destruí-los. Dependente da oclusão posterior para a retenção. Requer um arco mandibular do diâmetro grande. Curva de aprendizagem para pacientes e doutores. cirurgia ou acessórios caros. Limita a retração maxilar. Os clínicos têm agora um instrumento barato. simples e eficaz para corrigir as maloclusões do adulto que requereriam previamente extrações. Requer a cooperação paciente mínima. Não pode corrigir saliências bimaxilares. Avança os incisivos inferiores. Sumário O APM oferece à clínicos ortodônticos um aparelho corretivo de confiança em pacientes que crescem tão bem quanto adultos. Ao contrário. Pode aliviar sintomas de DTM. Os pacientes devem utilizar por diversos meses ( média 4 -12 ).

Fishman. 55: p.P.. e P.. Orthod. J.. Orthod Dentofacial Orthop. 13. W.. Valant. 12. P.M. E P. 85: p. Coelho Filho. Efeitos do tratamento do aparelho de Herbst. 1995. 2000. Gianelly. 11. 120 (dezembro): p. Mudanças dentoalveolares relacionadas ao crescimento para avanço mandibular em pessoas não tratadas de classe II. Aparelho de protração mandibular para a classe II. Efeitos do tratamento do aparelho de Herbst. 29: p. Gerência clínica do aparelho acrílico de Herbst ( splint ).M. Ângulo Orthod. 6. maloclusão da divisão 1 com corredores funcionais. Am. Jr. 49-60. 138-147. Orthod. 113. 1981.R. J. J. Z.Bibliografia 1. McNamara. 3.R. H. J. 401-410.. J. Clin. e R. J. 7. 89-108.. 53: p. 3: p. J. posição do côndilo e aparelho mandibular de Frankel.. Frankel. Sinclair. 18-24.P. O efeito da mordida construtiva que muda no complexo dentofacial: Um estudo de continuação após o tratamento do dispositivo de Herbst de maloclusões da classe II. J.. Orthod.. Am.M. R. 1983. 319-336. 265-275... Tratamento intensivo de maloclusões severas da classe II com um aparelho de Herbst na dentadura mista tardia.H. Valant. 1984. T.. Lua. 1988. 131-142. Pancherz. Orthod. e L. 2001. 10.. Terapia do aparelho de Frankel: Ortopédico ou Ortodôntico? Am. 142-149. 1969.. Sinclair. Howe. Vocci.S. Coelho Filho. Nielsen. Terapia crescimento. 98: p.M.D.. Mudanças mandibulares da forma com terapia funcional do aparelhos avaliada por cursores de Fourier. Aparelho de Protração Mandibular tipo V. Orthod... Am.. 83: p. A. 1989. Orthod. J. O tratamento da classe II.L. Am J. 13 ... Lestrel.J. 1989. Radney. 2. J. Am. 1983. e outros. L.A. Am. Orthod.E. 8. 5. 95: p. C. J Clin Orthod. Uma comunicação pessoal. J. Crescimento facial durante o tratamento com o dispositivo do regulador da função. 35 (1): p. 138-147. I. Wieslander. Orthod.. L. 2001. Orthod. 9. 86: p. Am. Creekmore. e DeVincenzp. 598-607.. J. 1984. J.. C. e outros. Eur. 4. 94: p..

32: p. C. Em: Grupo Brasileiro de Professores de Ortodontia e Odontopediatria. Emprego clínico de aparelhos de projeção mandibular. 16. 14 .. Coelho Filho. C. ed. Aplicações clínicas do Aparelho de Protração Mandibular. Orthod. 293-298.M. 1. 1997. Emprego do Aparelho de Protração Mandibular.. Clin. 122-129. C.M. C. 92-102. O Aparelho de Protração Mandibular nº. 31: p. C. Coelho Filho. Coelho Filho. 1.1 ed. 18. J.em Odontologia do software do multimídia e. Em Ortodontia Nova Visão . Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial. Coelho Filho. O Aparelho de Protração Mandibular. São Paulo: Santos.e. 2000. Coelho Filho. p. 69-130. Coelho Filho. C.M. 15. 1998. Eduardo Sakai. ed. São Paulo: IMC . J.a. Professores de Ortodontia e Odontopediatria. 9º Livro Anual fazem Grupo Brasileiro de.M.. Curitiba: Editek ... Orthod.14.M.. ed. 1997.. 17. 1998.. J. 3. Livro de Ortopedia Facial e Ortodontia.M.M. Clin.Facial de Ortopedia. 2001...Fabricante Comunicações da imagem. 379-384. 19. Baptista. Emprego faz Aparelho de Protração Mandibular.