Resenha Crítica - “A articulação do texto”

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

GUIMARÃES, E. A articulação do texto. 10. ed. São Paulo: Ática.

No livro “A articulação do texto”, de Elisa Guimarães, a autora busca discutir sobre questões referentes à compreensão e construção do texto, bem como, do contexto no qual ele se insere.

Para a autora, todo texto constitui um evento real de comunicação que pressupõe a existência de um contexto de produção no qual o valor de cada elemento está associado as suas relações com o conjunto, ao diálogo entre interlocutores e a produção de sentidos. Cientes disso, as reflexões que apresentam o enfoque do processo de articulação do texto configuram-se numa abordagem de fatores fundamentais para a organização da estrutura global do texto, por meio de dois eixos o da estrutura sintática e o da organização semântica, as partes que compõem um texto se integram de forma coesa fazendo com que as informações não se dispersem.

Nesse sentido, os lingüistas insistem na dependência do texto com a situcionalidade comunicativa, já que ele é uma atividade altamente complexa de produção de sentidos que se realiza, evidentemente, com base na materialidade lingüística em que é produzido e na sua forma de organização, o que significa considerar a mobilização de um vasto conjunto de saberes. Contudo, há várias situações em que, ao produzirmos um texto, se faz necessário que levemos em consideração a sintonia da linguagem com o referente. Entre os referentes pode-se distinguir os chamados referentes textuais que são os que remetem ao próprio texto e os situacionais que se referem à multiplicidade de situações em que se pode realizar a mensagem.

Sendo assim, um dos conceitos centrais nos estudos em Linguistica é o de contexto, ele reúne todos os tipos de conhecimentos arquivados na memória dos atores sociais. Vê-se, pois, o contexto como constituinte da própria ocorrência lingüística. É importante salientar que o texto ou discurso é sinônimo de processo que engloba as relações sintagmáticas de qualquer sistema de signos, sendo concebido como uma “totalização em funcionamento”. No entanto, embora haja uma estrutura dominante, este não se caracteriza por uma única forma, já que os textos apresentam variantes textuais que representam as diversas possibilidades tipológicas. Segundo E. Werlich, citado pela autora, os tipos textuais abrangem o tipo narrativo, o expositivo, o argumentativo e o instrutivo estando presentes nos diferentes gêneros textuais de circulação social.

Quanto à questão da coerência e coesão, a autora supõe que a dificuldade em se distinguir

focalizando o processo de articulação dos elementos estruturais. 2007. o que confunde muito ao que ele mencionou com os exemplos mostrados. – ( Princípios . isto é. – São Paulo : Ática. A autora traz no final do primeiro capítulo do livro uma citação que nos diz muito a respeito de dois pontos importantes para a compreensão do texto. Quando um texto vem a ser incoerente. a microestrutura está articulada na macroestrutura. – 10. serem as coordenadas mais importantes no processo de articulação do texto. mas também deverá levar em conta o ambiente ao qual o texto está exposto e suas várias relações com o conjunto. A autora ainda relata algumas formas de organização do texto na qual existe coerência. os esquimós não se utilizam desses animais para caçada. estrutura global do texto. é devido ao antagonismo presente entre os fatos descritos e os fatos que se sucedem na realidade. conforme o exemplo citado pela autora: “os leões não habitam territórios gelados. porém são notáveis as lacunas que ficaram com relação ao modo de uso desses recursos nos outros tipos textuais (narrativa). como estrutura semântica global. 88p. se tais argumentos fossem utilizados em um contexto ficcional. o texto haveria de exibir a coerência própria desse tipo de contexto. que vai desde o título até o fim. “Contexto e situação – ou referentes textuais e referentes situacionais articulados – compõem a . É possível notar que o autor ao se expressar utilizou de vários fatores necessários na composição da coerência. Entretanto. estando estas reunidas em dois níveis. ou seja. um que diz respeito a estrutura sintática e o outro que é o da relação semântica. Resenha Crítica O obra de Guimarães (1933) traz a nós leitores a concepção de que o texto. a mesma lacuna também está presente no modo como ele coloca as relações hierárquicas. uma vez que a complexidade presente em determinados pontos do livro confundem e dificultam a compreensão total do texto. 23 de dezembro de 2010 A articulação do texto / Elisa Guimarães. incluindo as macroestruturas. por ser a principal unidade de análise a qual dispomos. quinta-feira. deve-se constituir como um todo. 182). e nem as focas voam”.ed. e também as superestruturas. não pode depender apenas da natureza ou da forma que é própria de cada um. fatores esses que auxiliam na configuração do texto. Relacionado a essas duas vertentes são trabalhados procedimentos lingüísticos e discursivos. Apesar da grande quantidade de informações presentes recomenda-se a leitura do livro de Guimarães àqueles que já possuam determinado nível de conhecimento nos assuntos abordados. muitos deles bem conhecidos por nós como a coerência e a coesão.coesão de coerência deve-se ao fato da coesão estar inserida dentro da coerência. Tenta no decorrer da obra reunir o que julga a autora. onde o valor dos elementos utilizados. todos os detalhes que formam a estrutura do texto.

independente de sua forma e a coordenação se faz presente nas frases a partir da sua homogeneidade das palavras que formam a frase seguindo uma linearidade das idéias e dos pensamentos em sua construção. o texto dá-se a partir de um processo articulatório de idéias e suas particularidades que para se ter consistência é necessário elementos capazes de . podendo ser caracterizada como uma estrutura compacta devido a seqüência linear na ordenação dos elementos estruturais que facilitam na compreensão do texto. A organização do texto tem como principio básico a articulação de elementos estruturais. iterativo.unidade lingüística semântica e pragmática. de forma que tanto o inicio quanto o fim do texto venham a seguir uma sequêncialização. No ponto seguinte trata-se da organização do texto e a articulação dos elementos temáticos. dentre eles podemos destacar o titulo. p. tal como R. já a segunda (a relação de redundância) garante ao texto a sua fixação tornando o tema. O parágrafo é outro elemento de fundamental importância na constituição textual. mostrando os diferentes tipos de discurso propostos pela retórica antiga. a descrição e a argumentação. mas estende-se por outros eixos como: as práticas intertextuais. havendo-se a coesão e a coerência. uma vez que a estrutura a partir das noções de forma e função ligam suas partes formando um todo bem estruturado. sejam eles fonológicos ou morfológico. a primeira relação (a relação lógica) é condicionante do processo de expansão do texto. Portanto. resumindo as linhas fundamentais do mesmo. podendo ser dividido em níveis. tanto na perspectiva de significado global do texto (macroestrutura) ou nas relações de frases ou seqüência isoladas (microestruturas). visto que. Cabe ressaltar que. onde ela (a autora) faz a relação entre texto e discurso. indispensáveis para conferir ao texto significado pleno” (GUIMARÃES. já na estrutura difusa se apresenta de forma distinta da compacta uma vez que as idéias apresentadas nos textos são de forma desordenada. Barthes. essa estrutura não está restrita apenas à interação entre as unidades significativas. não apresenta uma linearidade dos fatos. se não todos. isto é. que por sua vez o morfológico consiste na construção da frase escrita. tendo como principio as articulações das idéias fundamentais. alcançando o nível sintático que se fixam em estruturas de coordenação e de subordinação. mas os principais elementos lingüísticos e discursivos responsáveis pela articulação do texto dando ênfase a cada um de modo particular. Dentre os pontos expostos está o texto e suas modalidades. Esta obra tem por objetivo fazer com que o leitor reflita sobre. parte bastante importante na construção do texto.1933. ou seja. O texto na íntegra pode ser organizado em sua articulação por elementos temáticos e elementos estruturais. As superestruturas caracterizam os diferentes tipos de textos sejam eles narrativos descritivos ou dissertativos. as operações metalingüísticas. Nesta seqüência a autora relata sobre a variação da estrutura temática. pois é através dele que podemos obter uma prévia sobre o assunto que o texto vai abordar.13). ou das relações lógicas que sustentam a linha temática do texto. onde ela enfatiza as duas principais espécies de relações que mantém interligados os elementos temáticos que são: as relações lógicas e as relações de redundância. e traz tipologias textuais diversas além das três principais que comumente nós conhecemos: a narração. e os procedimentos que asseguram coesão e coerência do texto. onde a coordenação se manifesta tanto de forma explicita como implícita. pois é através dele que podemos organizar melhor o texto. dificultando a compreensão por parte do leitor. pois a compreensão de determinadas palavras ou frases depende em muito do contexto ao qual elas estão situadas. Com isso podemos entender que. repetido no decorrer do texto. não considerar tais aspectos dificultaria e muito a construção de sentido para o texto.

como a coesão que deve ser fruto da coerência. bem como a estrutura textual. .interligar suas partes.