1. BACIA DO RIO CACHOEIRA A bacia hidrográfica do rio Cachoeira, Sul da Bahia, (fig.

b2), pertence às Bacias do Leste, de acordo com a classificação da Superintendência Estadual de Recursos Hídricos (BAHIA, 1997). Localiza-se entre as coordenadas 14o 42¶/15o 20¶ S e 39o 01¶/40o 09¶ W, apresentando como limites: as bacias dos rios de Contas e Almada, ao norte; as bacias dos rios Pardo e Una, ao sul; a bacia do rio Pardo, a oeste e; o Oceano Atlântico, a leste. O rio principal, o Cachoeira, tem 50 km de extensão e apresenta como principais afluentes os rios Colônia, Salgado e Piabanhas. A área de drenagem da bacia corresponde a 4.600 km2 onde vivem aproximadamente 600.000 habitantes distribuídos em 12 municípios: Firmino Alves, Floresta Azul, Jussari, Itajú do Colônia, Ibicaraí, Ilhéus, Itabuna, Itapé, Itapetinga, Itororó, Lomanto Júnior e Santa Cruz da Vitória (BAHIA, 2001).

Figura ± 2 Localização da bacia do Rio Cachoeira Fonte - IBGE

sendo que a precipitação anual ultrapassa 1. a qualidade das águas em algumas partes da bacia do rio Cachoeira é crítica.A bacia do rio Cachoeira encontra-se inserida nas faixas climáticas do tipo Af e Am. atividades urbanas e industriais contribuem para a degradação dos recursos hídricos. . Cabe destacar as carências dos serviços de saneamento. como Itapetinga. Conforme referido anteriormente. basicamente. na porção inferior da bacia (Itabuna e Ilhéus) (Pinho. efluentes domésticos são lançados nos cursos d¶água e/ou na rede pluvial (CAR. O tipo Af predomina na porção da bacia próxima ao litoral. 1997). à ocupação e usos da terra na bacia.64 mg/l. Itajú do Colônia. 1995. Oxigênio dissolvido (OD). relacionada. com destaque para o cultivo do cacau nos municípios próximos ao litoral. com estação seca compensada pelos totais pluviométricos elevados (BAHIA. Além das práticas agropecuárias inadequadas. comprometendo os recursos hídricos. A concentração de fósforo é alta na bacia do rio Cachoeira. chuvoso. 1972). Freqüentemente. SEI. O principal uso do solo corresponde à agropecuária. 2001). entre outros (BAHIA. 1997). 25 vezes maior que o estabelecido pela Resolução CONAMA 020/86 para rios de classe 2. níveis de OD. principalmente. segundo a classificação de Köppen. quente e úmido. Santa Cruz da Vitória. à ocupação e aos usos da terra de sua bacia. O clima é quente e úmido. principalmente no que diz respeito a concentração de nutrientes.300 mm (Frota. A pecuária concentra-se nos municípios localizados nas áreas mais interiores. A qualidade das águas do rio Cachoeira está diretamente relacionada às características naturais. características dos municípios da bacia do rio Cachoeira. Fossas e valas são as formas mais comuns de esgotamento sanitário na região. A precipitação para o mês mais seco é superior a 60 mm. DBO e coliformes (Pinho. desmatamentos. além da disposição inadequada de resíduos sólidos. em particular a falta de sistema de coleta e tratamento de esgotos. sem estação seca definida. Já a porção oeste é caracterizada pelo tipo Am. 2001). 2001). sendo observado valores superiores a 0. demanda bioquímica de oxigênio (DBO) e coliformes (totais e fecais) também apresentam valores fora dos padrões estabelecidos pela referida Resolução CONAMA.

como Itabuna. no que diz respeito à poluição orgânica. criando condições favoráveis ao desenvolvimento de E. Figura 3. Figura 2 . por exemplo. 2000) Uma das principais fontes de nutrientes na bacia do rio Cachoeira. tais como as práticas agropecuárias inadequadas. particularmente. (Batcher. ou fontes difusas.principalmente nas proximidades de áreas urbanizadas. sendo que 97 % de seus habitantes residem na zona urbana.Despejo de efluentes domesticos Cabe destacar ainda as fontes não-pontuais de poluição. como visto anteriormente.Poluição Rio Cachoeira Esse quadro contribui sobremaneira para a redução da qualidade da água. estaria associada às condições precárias de saneamento nos municípios que integram a bacia. crassipes. que abriga quase 1/3 da população da bacia. A agricultura se constitui de .

níveis máximos de 1000 coliformes fecais por 100 mL. para Classe 2. além dos níveis de sólidos em suspensão e coliformes fecais (Brenner & Brenner. tem-se: Art. recreação de contato primário.fonte importante de nutrientes.. f) Enquanto não forem feitos os enquadramentos. os seus usos atuais e propostos e de acordo com a resolução CONAMA nº 020/86. após tratamento convencional. CONCEITOS DE ÁREAS DEGRADADAS Para Noffis (1996). proteção das comunidades aquáticas.. pela utilização de insumos (fertilizantes) e lixiviação dos solos. 1998). fica então estabelecidos os seguintes usos preponderantes: y y y y y abastecimento doméstico. Como a bacia do Cachoeira não possui o enquadramento de suas águas. e tendo em vista a qualidade natural das águas.. área degradada é um ambiente modificado por uma obra de engenharia ou submetido a processos erosivos intensos que alteram suas características originais além do limite de recuperação natural dos solos. A pecuária apresenta impactos sobre a qualidade da água influenciando os níveis de fósforo.. O CONAMA determina.´. Enquadramento do Rio Cachoeira ( Classe II) O rio Cachoeira e seus afluentes. 20: . irrigação de hortaliças e plantas frutíferas e criação natural e/ou intensiva (aquicultura) de espécies destinadas à alimentação humana. a intervenção do homem para sua recuperação . contribuindo para contaminação de ecossistemas aquáticos. . exigindo assim. 2. quando enquadrado na Classe 2. e 5000 coliformes totais por 100 mL. as águas serão consideradas Classe II e Classe VII para as água salobras.

1 TÉCNICAS DE MANEJO PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA Há diversas formas de se recuperar uma área degradada. dessa forma. vários autores trazem métodos práticos e já experimentados em diversos trabalhos de restauração. e isso não é exclusividade da nossa espécie. . Da mesma forma Martins (2009). modificando as condições ecológicas locais até chegar a uma comunidade bem estruturada e ecologicamente mais estável (MARTINS. caracterizados por grupos de plantas que vão se substituindo ao longo do tempo. a qualidade de vida dos seres humanos. comprometendo assim. 2. somente existe pelo fato de existirem atividades humanas que geram degradação ambiental.ressalta que a recuperação de áreas degradadas. químicas e biológicas.2 REGENERAÇÃO NATURAL Através do processo de regeneração. 2009). os diferentes ecossistemas.Quando uma determinada área de floresta ciliar sofre um distúrbio. as florestas apresentam capacidade de se recuperarem de distúrbios naturais ou antrópicos. todas as espécies interagem com meio físico e biótico. compondo. A seguir mostraremos vários manejos para recuperar uma área degradada ou perturbada. como um desmatamento ou um incêndio. É obvio que a simples presença do homem na natureza gera alterações no meio ambiente. 2. como ciência e como necessidade do ser humano. a sucessão secundária se encarrega de promover a localização da área aberta e conduzir a vegetação através de uma série de estádios sucessionais.Genericamente degradação ambiental refere-se às modificações impostas pela sociedade aos ecossistemas naturais alterando as suas características físicas. sen do essas técnicas propicias para a recuperação das áreas degradadas nas margens e nascentes de efluentes do Rio cachoeira.

cloaca. o rio Piabanha. como nos ensina os índios brasileiros. Mas é com ele que estamos aprendendo o que é impacto ambiental de alto custo social. Ele está morrendo por descaso das autoridades e falta de participação e atitude da população. recebe um terceiro braço forte. de Itororó e Itajú do Colônia. . mesmo estando às margens de um rio que tem uma grande bacia de captação. carrega consigo todos os problemas relacionados com a falta de planejamento. e só depois passa a chamar-se rio Cachoeira. Mas apesar de termos os rios como referência do espaço saudável e produtivo. não tem mais água.O futuro de Itabuna está intimamente relacionado com a recuperação do rio Cachoeira. lá de Floresta Azul e Ibicaraí e o rio chamado Colônia. Quando ele passa em Itapé. e antes de chegar em Itabuna. motivadas pela falta de Educação Ambiental da população e a ineficiência na Gestão Pública. Ele é um dos mais importantes rios do Sudeste da Bahia e o mais significativo para o ambiente e a cultura GRAPIÚNA. Está apodrecendo com os nossos dejetos. pois Itabuna está sem água. agimos com ignorância e ingratidão e pagamos caro com os custos da degradação ambiental. o rio chamado Salgado. Ele vem de longe com dois grandes braços. Nesse percurso de nosso sagrado rio. As Bacias Hidrográficas são um excelente referencial para o planejamento do uso e a ocupação do solo. Para a sobrevivência da Mata Atlântica é parceiro indispensável. lixeira e motivo de vergonha. . pois fazemos dele. Não tem mais pitú. que vem beijar o atlântico na linda Ilhéus.

Não tenham dúvidas. e que a pecuarização avança sem limites e sem planejamento ambiental. Um rio marcado pela presença de muitas pedras e fortes corredeiras. Hoje. o solo não absorve a água das chuvas. e mais doente. E ainda. passivos. onde o Brasil é mais pobre. Também é fundamental que o Ministério Público tome para si essa luta pela . Este quadro sinaliza que o processo de erradicação da cultura cacaueira está em pleno curso. que estamos ausentes. Sinaliza também. onde o pitú era pescado em grandes quantidades está agonizante. o Cachoeira está dizendo para todos nós que a região cacaueira da Bahia ainda não conseguiu parar a destruição da Mata Atlântica. uma ação que está diretamente relacionada com a melhoria da qualidade de vida dos Territórios da Cidadania. que é chegada da hora do Ministério Público atuar com rigor para defender o interesse público e evitar a degradação sócioambiental. Apesar disto sua revitalização é um projeto viável. nos perguntamos. O rio agonizante denuncia que a Mata Atlântica continua sendo desmatada no Sul da Bahia. O que vemos são pastagens e gados em seu leito completamente assoreado. inertes. É uma questão de dignidade que iniciemos uma grande luta para que o Governo do Estado e o Governo Federal promovam o saneamento de todos os municípios desta bacia hidrográfica. cadê o rio?. e que os órgãos ambientais abandonaram a fiscalização florestal.Quando as terras de uma bacia hidrográfica são desflorestadas. provocando secas prolongadas na estiagem e grandes inundações nos períodos de chuvas . quando olhamos para ele.

exigindo a demarcação de Reservas Legais e o reflorestamento das áreas de nascentes e das matas ciliares. . .coisa pública.