CENTRO SOCIAL SANTA JOANA PRINCESA

Ano lectivo 2009/2010

Nome do Projecto Pedagógico

Sala 3 Anos Educadora de Infância: Joana Fernandes

A. Contextualização do Projecto Pedagógico:
Este projecto pedagógico destina à sala dos 3 anos do Centro Social Santa Joana Princesa, sito na freguesia de Santa Joana na cidade de Aveiro. O CSSJP rege-se pela Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar, da qual decorrem os objectivos gerais pedagógicos definidos para esta faixa etária:  “Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa perspectiva de educação para a cidadania;”  Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no “ respeito pela pluralidade de culturas, favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade”;  “Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da aprendizagem”;  “Estimular o desenvolvimento global da criança no respeito pelas suas características individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diferenciadas”;  “Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas como meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo”;  “Despertar a curiosidade e o pensamento crítico”;  “Proporcionar à criança ocasiões de bem estar e de segurança, nomeadamente no âmbito da saúde individual e colectiva”;  “Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidades e promover a melhor orientação e encaminhamento da criança”;  “Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade”;

B. Período a que se reporta o Projecto Pedagógico:
O período de vigência deste projecto pedagógico é de 1 de Outubro de 2009 a 30 de Junho de 2010, na medida em que o mês de Setembro será destinado à adaptação do grupo aos novos espaços, aos adultos, à observação do grupo. Os meses de Julho e Agosto têm como principais finalidades, o período de praia e encerramento do ano lectivo, respectivamente.

C. Caracterização do grupo de crianças a que se destina o Projecto Pedagógico:
Este projecto pedagógico destina-se às crianças da sala dos 3 anos do Centro Social Santa Joana Princesa.

1. Grupo dos 3 anos Total de 22 crianças, 10 crianças do sexo feminino e 12 do sexo masculino.  2 Crianças com 2 anos (à data de elaboração do projecto e que
completam os 3 até Dezembro /09)  20 Crianças com 3 anos (à data de elaboração do projecto e que completam os 4 no decorrer do próximo ano 2010)

2. Datas de Nascimento: O grupo de crianças é constituído por crianças nascidas segundo o mesmo ano civil (2006): 1. Martinho Jorge Marques Amado (10/01/06); 2. Leonardo Rafael Nunes Marques (22/02/06); 3. Tomás de Ataíde Valente Jardim (01/01/06); 4. João Carvalho Rodrigues (02/02/06); 5. Selma Teles D’Almeida Santos (30/04/06); 6. Tomás Miguel Pinto Vidal (25/04/06); 7. Emília Lopes Silva (13/07/06); 8. Daniel da Silva Laranjeiro (29/03/06); 9. Maria Inês Almeida Santos (26/06/06); 10. Leonardo Martins Pata (23/07/06); 11. Miguel Alexandre Gomes Vidal (24/10/06); 12. Laura Henriette Borries Serra (28/07/06); 13. Joana Tavares Miranda (08/08/06); 14. Ana Afonso Pereira Almeida (10/06/06); 15. Sérgio Almeida Silva (29/04/06); 16. Leonora Impame Silva Lopes (17/03/06); 17. Daniel Fonseca Gomes (17/01/06); 18. Ana Miguel Martins Marques (05/10/06); 19. Daniel Arredondo Marques (11/03/06); 20. Héctor Fernandes Quiroga (02/07/06); 21. Carolina Homem Esteves (07/05/06) 22. Sofia Galante Rodrigues (13/07/06)

3. Características específicas do grupo:  grupo mantém 19 crianças do grupo do ano lectivo anterior, tendo O havido a entrada de 3 crianças novas.  Neste grupo existe alguma diversidade cultural, pois 4 crianças têm ascendência directa de outros países (Alemanha, Guiné Bissau, Venezuela, Espanha e Brasil).  Todas as crianças têm o controlo dos esfíncteres diurno adquirido, até mesmo as 3 crianças novas, tendo apenas 4 delas que se levantar da sesta para ir à casa de banho neste período inicial.

4. Características Gerais da Idade: 4.1. Características dos 3 anos:

Desenvolvimento Pessoal e Social A criança com três anos atinge uma etapa do desenvolvimento infantil em que o egocentrismo deixa de ser tão acentuado. Este factor verifica-se pela partilha de brinquedos que se torna mais frequente e, pelo facto de esta já permitir a intromissão de pares na sua brincadeira. Estas crianças tornam-se menos dependentes dos pais, e aventuram-se na descoberta do que as rodeia, quer objectos quer de novas formas de brincar. Estas tendem a imitar o adulto em todas as suas acções, principalmente os adultos que tomam por modelos de referência para si. Nesta idade as crianças gostam de agradar, isso dá-lhes satisfação e aumenta a sua auto-estima, no entanto quando não o conseguem podem sentir-se frustradas ou mesmas injustiçadas perante a repreensão do adulto. Estas crianças integram-se melhor nos jogos de equipa, o que é uma consequência do desenvolvimento da sua compreensão, já que têm maior facilidade em perceber as regras e aceita-las, trabalhando com os colegas para um objectivo comum. A criança de 3 anos demonstra um maior domínio de si mesma e das suas capacidades, conhece-se melhor e portanto percebe com maior clareza as suas vontades e desejos e, o que gosta ou não de fazer. É, portanto, muito comum ouvir expressões como: ‘não quero’, ‘não faço’, ‘não gosto’. Assim como se torna natural ouvir perguntas repetitivas cujo início se caracteriza pelo termo “Porquê?”, o que reflecte o aumento da sua curiosidade e do desejo de saber e perceber o que a rodeia.

Desenvolvimento Motor O seu equilíbrio está muito mais desenvolvido (salta num só pé, de olhos fechados é capaz de andar em linha recta durante alguns segundos, percorre maiores distância a pé…); Há uma maior precisão de movimentos, devido ao desenvolvimento da sua maturidade motora. A criança possui algum autodomínio de si mesma e dos seus movimentos, o que se reflecte em todas as suas acções que se tornam mais ordenadas e coordenadas. Ao nível da motricidade fina, a criança já utiliza a pega de pinça, sendo capaz de efectuar um desenho com significado evidente a quem o analise. A criança tende a evoluir no sentido de realizar figuras mais parecidas com o real embora ainda tenha alguma dificuldade na coordenação óculo manual. Nesta idade a criança desempenha tarefas com maior desenvoltura como comer de faca e garfo, ir a casa de banho sozinha, manusear correctamente uma tesoura, entre outras. Desenvolvimento da linguagem É por volta dos 3 anos que surge pela primeira vez a forma gramatical da 3ª pessoa, o que significa que a criança toma consciência de si própria e do outro. A dicção das palavras melhora significativamente, tem ainda alguma dificuldade na reprodução de sílabas complexas como:’cri’, bru’, ‘pra’, ‘lhe’ entre outras. No entanto a criança nesta idade adora aprender palavras e expressões novas, esta é uma fase propícia para a estimulação verbal da criança. Nesta idade a criança já constrói frases simples e começa a utilizar mais os artigos pessoais e a diferenciar os géneros das palavras, bem como a dizer os plurais. Como já foi referido, a sua curiosidade aumenta e com ela surgem as interrogações simples ou mesmo mais complexas, já que o seu instinto pela descoberta a obriga a fazer-se entender pelos outros. Desenvolvimento cognitivo/raciocínio A criança já é capaz de agrupar por semelhança, tamanho, forma e cor. Ainda não é capaz de se concentrar muito tempo num jogo, mas já compreende as suas regras básicas. As capacidades linguísticas, da criança neste nível de desenvolvimento, aliadas à sua curiosidade natural, fazem com que sejam capazes de inventar as suas próprias explicações para as coisas. Muitas vezes acontece que elas são capazes de encontrar soluções rápidas e eficazes para problemas cuja resolução, para nós adultos, não é tão evidente. Utiliza as cores que gosta e não por sentido estético, é capaz de realizar padrões simples e utiliza com mais frequência um raciocínio pragmático.

D. Constituição da equipa:
A equipa envolvida na dinamização do projecto será a seguinte:  Educadora de Infância: Joana Fernandes 1  Ajudante de Acção Educativa: Fátima Dinis 1  Ajudante de Acção Educativa Polivalente: Cláudia Granjo (apoia a 1 colocação de camas, a hora do repouso e o lanche)  Restante comunidade educativa (funcionárias, utentes, direcção)  Pais  Professores de Expressão Musical  Professores de Natação  Professores de Dança  Comunidade envolvente

E. Definição do Projecto Pedagógico
“O projecto do educador é um projecto educativo/pedagógico que diz respeito ao grupo e contempla as opções e intenções educativas do educador e as formas como prevê orientar as oportunidades de desenvolvimento e aprendizagem de um grupo. Este projecto adapta-se às características de cada grupo, enquadra as iniciativas das crianças, os seus projectos individuais, de pequeno grupo ou de todo o grupo” (Ministério da Educação, 1997:p.44). O Projecto Curricular de Sala representa o conjunto de objectivos a atingir, ao longo do ano lectivo. A forma de alcançar estes objectivos será através das rotinas diárias (refeições, higiene, …), dos momentos de brincadeiras livres e ainda das actividades orientadas pela educadora. Estes objectivos estão organizados em três grandes áreas de desenvolvimento, definidas pelas orientações curriculares para a educação no pré-escolar, e que ajudam o educador a orientar o seu trabalho. São elas: a Área do Conhecimento do Mundo, a Área da Formação Social e Pessoal e a Área da Expressão e Comunicação. “As Orientações curriculares para a educação no pré-escolar (…) constituem um conjunto de princípios destinados a apoiar os educadores nas decisões sobre a sua prática, ou seja, a conduzir o processo educativo a desenvolver com as crianças. Os referidos princípios constituem uma referência comum para todos os educadores da Rede Nacional de Educação Pré-Escolar, destinando-se à organização da componente educativa… O desenvolvimento curricular é da responsabilidade do educador. É ele o principal gestor do currículo… Estamos conscientes de que a metodologia na Educação Pré-Escolar não deve adoptar os princípios rígidos do ensino formal, mas também não pode sujeitar-se ao mero improviso, nem à atitude de deixar que as coisas simplesmente aconteçam. Na planificação não deverão ser ignorados os seguintes aspectos:

- Continuidade educativa, processo que parte do que as crianças já sabem e aprenderam, criando condições para o sucesso nas aprendizagens seguintes; - Intencionalidade educativa, processo reflexivo de observação, planeamento, acção e avaliação desenvolvido pelo educador, de formar a adequar a sua prática às necessidades da criança… O presente ano lectivo, será um ano de grandes mudanças para os nossos Traquinas. Representa a passagem da Creche para o Jardim-de-infância. Segundo eles, significa deixar de ser bebé e passar a ser “grande”! Será um ano de mudanças: nova sala, novos colegas, novas rotinas, uma ajudante de acção educativa nova, passeios, mais actividades extracurriculares. O elo de transição é a educadora, pois já os acompanha desde a sala dos 12/24 meses, algumas crianças desde a sala do 9/15 meses. Ao longo do mês de Setembro a principal preocupação foi a integração das novas crianças (um menino e duas meninas) e a readaptação das restantes. Este primeiro mês ajudou também para fazer uma breve observação do grupo e então traçar as linhas deste projecto. Nesta faixa etária as crianças já adquiriram diversas competências, desenvolveram mais a linguagem, são mais autónomos, todas as crianças adquiriram o controlo dos esfíncteres, sendo que apenas quatro, necessitam fazer as suas necessidades fisiológicas a meio do repouso. No entanto, devemos aprofundar e consolidar todas capacidades adquiridas, na medida em que esta se compara a uma flor que começou agora mesmo a desabrochar, necessitando de ser orientada e estimulada para crescer em segurança, capaz de lidar com as adversidades futuras. Verifiquei também que o grupo necessita de interiorizar /adquirir algumas regras importantes não só para o seu bem-estar na sala, mas também saudáveis para a sua vida futura. Este é um grupo com grande apetência para a realização de actividades de expressão plástica (manuseamento de diferentes materiais, recorte, pintura, colagem, desenho, modelagem…), jogos de mesa, jogos de chão e expressão musical (adoram cantar, ouvir música). Os rapazes adoram brincar com os carrinhos, fazer construções de lego, fazer puzzles e brincar na casinha. As meninas deliram com a casinha, o brincar ao faz-de-conta; adoram ouvir música, cantar, dançar, ver histórias e fazer modelagem. Na escolha de uma das temáticas foi tida em conta umas das principais características do grupo, a multiculturalidade nele existente. Assim, as temáticas escolhidas e que considero importantes e pressuponho ir de encontro aos interesses e necessidades das crianças são: Alimentação, Corpo humano/Hábitos de higiene, Identificação Pessoal, a Família, as Cores, As Formas Geométricas, a Multiculturalidade, as Profissões, a Minha Cidade, os Cinco Sentidos.

Para além destas temáticas, serão realizadas as actividades / festividades comuns a todas as valências da instituição e que fazem parte do “Plano Anual de Actividades” e todas as que emergirem e forem do interesse do grupo. No trabalho directo com crianças não podemos negligenciar o papel da afectividade. É imprescindível o desenvolvimento da relação afectiva entre o grupo e da criança - adulto, pois só assim a criança se sentirá bem e segura. E são este bem-estar e segurança que lhe permitirão tirar um maior partido de todas as experiências e vivências. Este projecto é o guia da minha acção educativa, para este ano lectivo, estando sujeito a uma avaliação constante e alterado sempre que as necessidades das crianças assim o exijam.

1. Definição dos Objectivos Operacionais No que respeita aos objectivos gerais deste projecto pedagógico, considero que os mesmos se mantêm constantes ao longo de todo o processo educativo, apesar de as estratégias serem adaptadas à faixa etária a que se destinam. Assim, proponho como objectivos gerais de grupo: Promover a socialização; Desenvolver a autonomia; Favorecer a auto-estima e o bem-estar; Proporcionar a descoberta de novos locais de interesse, no meio circundante exterior; Promover o desenvolvimento global da criança (motor, cognitivo, social); Proporcionar vivências do maravilhoso, do fantástico e do imaginário; Estimular a imaginação e a criatividade; Favorecer a expressividade; Tornar a criança desinibida; Desenvolver o sentido de responsabilidade; Estimular a expressão plástica, dramática e musical; Favorecer a interiorização de regras, hábitos de higiene e de arrumação; Promover o sentido de civismo e a interiorização de regras básicas de convivência social necessárias à inserção na sociedade;

Como objectivos específicos, segundo as três áreas de desenvolvimento definidas pelas orientações curriculares para a educação no pré-escolar, proponho:

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL

Ser autónomo em termos de auto-cuidados (lavar mãos e rosto, limpar-se quando vai à sanita); Ser autónomo ao nível da alimentação (comer sozinho, utilizando todos os talheres); Reconhecer as necessidades dos colegas; Partilhar experiências, angústias, receios e alegrias; Identificar um colega como um amigo; Partilhar materiais, objectos; Respeitar as regras dos jogos, aceites por todos; Responsabilizar-se pelas suas tarefas e levá-las até ao fim; Resolver sozinho os seus problemas, recorrendo cada vez menos ao adulto; Incentivar as interacções entre todos; Fomentar a auto estima e o sentido de pertença a um grupo; Ser capaz de pensar / agir de uma forma critica e segura sobre as coisas; Ser cada vez mais responsável (capacidade de negociação e de escolha); Educar para a cidadania; Fomentar a consciência de diferentes valores; Educar para a aceitação sexual, social e étnica;

ÁREA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO

 Expressão Motora Fomentar a motricidade fina (maior precisão, pega de pinça, recorte com tesoura, manuseamento correcto dos lápis e pincéis…) Fomentar actividades motoras de grande grupo (jogos motores, maior destreza, lateralidade, localização espacial…) Incentivar actividades que promovam a autonomia pessoal (higiene, bons hábitos à mesa, correcto uso de talheres); Adquirir maior noção de ritmo e velocidade;

 Expressão motora fina: Desenvolver a coordenação óculo-manual;

Recortar com pormenor; Fazer encaixes complexos; Pintar dentro de limites; Pegar correctamente nos lápis, marcadores;  Expressão Plástica Manusear diferentes materiais; Ajudar a criança a manter limpa a sua área de trabalho; Dar a conhecer à criança diferentes formas de utilizar os materiais/reciclagem; Ajudar a criança a ultrapassar dificuldades; Incentivar o gosto artístico e o sentido estético; Promover a auto estima; Desenvolver o gosto pelo desenho como expressão dos seus desejos/receios; Dar a noção de limite/representação gráfica do desenho (o céu em cima na folha, o chão fica em baixo); Deixar a fase da “garatuja” e passagem para a fase do desenho “com formas concretas”; Representar a figura humana com as 3 partes principais (cabeça, tronco e membros); Utilizar o pincel de cola sem ajuda;  Expressão Dramática Assumir o papel de alguém ou de alguma coisa; Perceber e utilizar linguagem mimada; Utilizar uma linguagem apropriada ao papel representado; Envolver-se espontaneamente com outra (s) criança (s) no jogo de faz-de-conta e dar-lhe continuidade; Improvisar situações de faz-de-conta; Brincar com fantoches;  Domínio da Linguagem Oral e Abordagem à Escrita Mostrar interesse em comunicar e gostar de ouvir os outros; Fazer perguntas para obter informação; Transmitir mensagens e recados; Utilizar frases nas formas afirmativa, interrogativa, exclamativa, imperativa; Memorizar canções, trava línguas e lengalengas; Descrever imagens com pormenor; Narrar acontecimentos e contar histórias com sequência; Organizar sequências de imagens; Ajudar a criança a adquirir maior vocabulário e mais preciso; Fomentar o gosto pela leitura/visualização de livros; Levar a criança a verbalizar frases cada vez mais completas; Incentivar a memória linguística;

 Domínio da Matemática Ajudar a criança a perceber noções de relações entre objectos (tamanho/forma/textura/; Fomentar a representação gráfica do número; Relacionar o número com o que ele representa no abstracto; Identificar as cores; Perceber noções de referência (em cima/em baixo/ ao lado/;esquerda/direita); Perceber conceitos de quantificação (pouco, muito, bastante, nenhum, algum); Identificar e desenhar algumas formas geométricas (quadrado, triângulo, rectângulo, círculo…); Estabelecer sequências temporais (ontem, hoje, amanhã…); Utilizar tabelas de dupla entrada (mapa de presenças/tabela de comportamentos);  Expressão Musical: Promover situações musicais na sala de actividades; Criar os próprios instrumentos com diferentes materiais; Ajudar a memorizar mais canções/lengalengas e trava línguas (com ritmo, melodia); Levar a criança a gestualizar as canções (mímica); Adquirir primeiras noções de tempos musicais/silêncio;

ÁREA DO CONHECIMENTO DO MUNDO Saber o nome completo; Saber o nome dos pais e irmãos; Conhecer as características principais das estações ano/relacionar com o clima/vestuário; Identificar o nome do sítio onde mora; Perceber diferenças entre habitações; Dar a conhecer os diferentes estados do tempo; Desenvolver características e conhecer algumas profissões; Dar a conhecer algumas tradições;

do

Os indicadores de avaliação dos objectivos propostos são, essencialmente, os níveis de bem-estar e implicação do grupo e de cada criança.

2. Conjunto de Estratégias e Métodos O conjunto de estratégias e métodos para a operacionalização dos objectivos anteriormente descritos são:  Actividades dirigidas planificadas;  Actividades dirigidas não planificadas;  Actividades espontâneas;  Saídas ao exterior;  Plano Anual de Actividades, onde constam actividades comuns a toda a instituição;  Actividades/ Rotinas que promovam e assegurem o bem-estar e os cuidados básicos de cada criança; Em todas as actividades é facilitado o envolvimento das famílias no desenvolvimento do processo educativo.

3. Plano de Actividades Sociopedagógicas Mês Temáticas a explorar Objectivos específicos Algumas estratégias a adoptar Brincar Social Espontâneo Actividades de Expressão plástica: desenho, pintura, recorte, colagem, modelagem Diálogo de grande grupo ou individual Jogos Música Canções Histórias

SETEMBRO

Integração dos novos elementos no grupo; Adaptação das crianças aos novos espaços e rotina; Identificação dos espaços / áreas; Introdução de instrumentos de registo (mapa de presenças, mapa de comportamentos, calendário, regras dos espaços); Elaboração do painel dos aniversários;

Estabelecer laços afectivos: criança/criança; criança/adulto Estabelecer regras permitindo à criança saber orientar-se no espaço Respeitar e valorizar as normas de convivência em grupo aceitando as diferenças entre as pessoas

Cartazes 1ª Observações / registos do grupo O Outono/ Festa da Vivência do Outono; 1ª Reunião de Pais; Desenvolver o espírito de pertença ao grupo e aos espaços Estimular a Inserção no grupo Identificar a estação do ano e conhecer as suas principais características Distinguir o vestuário adequado à estação do ano

Semana dos afectos Identificação Pessoal Dia das Bruxas Dia do Animal OUTUBRO Horta

Permitir às crianças expressarem os seus sentimentos Sensibilizar a criança para os diferentes estados de espírito Fomentar o respeito pelos outros Fomentar o respeito pela individualidade de cada um Desenvolver o espírito de partilha Proporcionar

Quinta dos Afectos – Eixo Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica Histórias Diálogo Imagens Canções

vivências do maravilhoso, do fantástico e do imaginário Sensibilizar para os direitos dos animais Permitir à criança o contacto directo com a terra e a natureza Desenvolver o gosto pelo cuidar da terra

Magusto Alimentação Corpo Humano/Hábitos de higiene Horta NOVEMBRO

Promover a vivência de uma data de calendário Reacender a tradição do Magusto tradicional Incentivar a coesão e partilha de experiências entre os diferentes grupos Incutir o espírito de comunidade Fomentar a socialização Adquirir bons hábitos de alimentação

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções Imagens Diálogo Visita aos C.T.T. Stª Joana (levar carta ao Pai Natal)

Adquirir hábitos básicos de higiene, saúde, cuidados com o vestuário e mostrar autonomia na sua aplicação Identificar a imagem corporal global Reconhecer e respeitar as diferenças entre menino e menina

Natal/Festa de Natal Horta DEZEMBRO

Desenvolver o espírito de partilha

Brincar Social Espontâneo

Actividades de Proporcionar expressão plástica e vivências do dramática maravilhoso, do fantástico e do Histórias imaginário Canções Promover a vivência de Imagens uma data de calendário Diálogo Passeio ao Fórum Aveiro -visita ao Pai Natal/cinema/almoço Ida ao Teatro Incentivar a coesão e partilha de experiências entre os

Fomentar o espírito de comunidade

diferentes grupos

Janeiras Inverno/Festa da vivência do Inverno As Cores

Promover a vivência de uma data de calendário

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções Imagens Diálogo

JANEIRO

Incentivar a coesão e As Formas partilha de Geométricas experiências entre os Observação/Avaliação diferentes Qualitativa das grupos Crianças 2ª Reunião de Pais; Horta Identificar a estação do ano e conhecer as suas principais características Distinguir o vestuário adequado à estação do ano Identificar as diferentes cores primárias e secundárias Identificar as diferentes formas geométricas

Carnaval Desfile de Carnaval – Tema: o Circo FEVEREIRO Feira do Artesanato Horta

Promover a vivência de uma data de calendário Fomentar a participação dos pais nas actividades da instituição

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções

Imagens Desenvolver a criatividade e imaginação Fomentar o espírito de comunidade Transmissão de valores e cultura Fomentar a socialização Permitir o intercâmbio entre salas e diferentes idades Promover novas experiências e sensações Diálogo

Prenda do Dia do Pai/Festa Dia do Pai Primavera/ Festa da vivência da Primavera

MARÇO

Actividades de expressão plástica e Transmissão de dramática Dia Mundial da Árvore valores e costumes Histórias A Páscoa Fomentar a Canções Os 5 Sentidos participação dos pais nas Imagens Horta actividades da instituição Diálogo Passeio ao Jardim Botânico de Coimbra

Promover a vivência de uma data de calendário

Brincar Social Espontâneo

Desenvolver nas crianças o lado emocional e afectivo Incentivar a

troca de experiências entre as famílias e a instituição Permitir o intercâmbio entre salas e diferentes idades Identificar a estação do ano e conhecer as suas principais características Distinguir o vestuário adequado à estação do ano Explorar os cinco sentidos

Prenda do Dia da Mãe/Festa do Dia da Mãe ABRIL As Profissões A Multiculturalidade Horta

Promover a vivência de uma data de calendário Fomentar a participação dos pais nas actividades da instituição

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções Imagens

Desenvolver nas crianças o lado emocional e afectivo Incentivar a troca de experiências entre as famílias e a

Diálogo Visita à Fábrica da Ciência

instituição Permitir o intercâmbio entre salas e diferentes idades Identificar algumas profissões e associá-las com um determinado tipo de vestuário e utensílios Conhecer os diferentes tipos de cultura e raças e respeitar as diferenças entre elas

A Nossa cidade

MAIO

Conhecer o meio onde A Minha Família/Festa vivem do Dia da Família Fomentar o Semana Aberta (tema gosto pela zona a definir) geográfica onde vivem Horta

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções

Incentivar a troca de experiências entre as famílias e a instituição Fomentar a participação dos pais nas actividades da

Imagens Diálogo Visita ao Parque Oudinot Passeio de comboio do Pré-escolar

instituição Identificar os principais membros da sua família e respectivo grau de parentesco Desenvolver nas crianças o lado emocional e afectivo Incentivar a coesão e partilha de experiências entre os diferentes grupos

Dia Mundial da Criança

JUNHO

Promover a vivência de uma data de Observação/Avaliação calendário Qualitativa das Crianças Desenvolver o respeito pelo outro 3ª Reunião de Pais; Proporcionar Santos Populares um dia alegre e divertido a Verão/Festa da todas as vivência do Verão crianças Horta Fomentar a participação dos pais nas actividades da instituição Incentivar a

Brincar Social Espontâneo Actividades de expressão plástica e dramática Histórias Canções Imagens Diálogo

coesão e partilha de experiências entre os diferentes grupos Identificar a estação do ano e conhecer as suas principais características Distinguir o vestuário adequado à estação do ano

Período de Praia JULHO Actividades ao ar livre Passeio final de ano (em conjunto com a sala mista)

Proporcionar o contacto com a natureza Proporcionar novas experiências

Frequência do período balnear Actividades no parque exterior Passeio grande Registos e exposição de fotografias Brincar Social Espontâneo Histórias Canções Diálogo

Exposição Fotográfica Relembrar e partilhar momentos passados ao longo do ano lectivo

AGOSTO

Encerramento do ano lectivo Arrumações finais

Proceder ao encerramento das actividades

Brincar Social Espontâneo Actividades no parque exterior

Arrumações e limpezas

4. Outros Aspectos Relevantes Existe no CSSJP um Plano Anual de Actividades (PAA) que constitui, em conjunto com o Projecto Educativo da instituição e os Regulamentos Internos das valências, um dos principais instrumentos de trabalho e de práticas pedagógicas a desenvolver ao longo do ano. O principal objectivo deste Plano (respeitando os objectivos definidos nas Orientações Curriculares para a Educação de Infância), é o de sistematizar todas as vivências comuns às valências, integrando assim as crianças na comunidade educativa e na comunidade em geral. (ver PAA em anexo)

F. Metodologia de Divulgação do Projecto Pedagógico
As estratégias de divulgação do Projecto Pedagógico adoptadas pelo CSSJP são:  Reuniões de pais - à semelhança dos anos anteriores existirão três momentos chave de avaliação: Setembro, Janeiro e Junho. Este períodos são coincidentes com as Reuniões de Pais cujo objectivo é, em conjunto, reflectir sobre o trabalho pedagógico que tem vindo a ser realizado;  Site do CSSJP (http://www.cssjp.pt/ )  Blogs das salas;  O Projecto Pedagógico poderá ser solicitado, em suporte de papel, na secretaria do CSSJP.

G. Observações finais
Seguem-se algumas informações de carácter geral que poderão ser úteis aos pais e a todos os agentes educativos envolvidos neste projecto.

* A Componente lectiva e a Componente de Apoio à Família A Lei Quadro (Lei nº5/97 de 10 de Fevereiro) consigna os objectivos da educação pré-escolar e prevê que, para além dos períodos específicos para o desenvolvimento de actividades pedagógicas, curriculares ou lectivas (25 horas semanais), existam actividades de animação e apoio às famílias. A grande diferença entre a componente lectiva e a componente de apoio à família reside na intencionalidade de cada período. Assim, durante o tempo de actividades lectivas pretende-se proporcionar à criança a estimulação e desafio para que possa progredir, atingindo níveis de desenvolvimento e

aprendizagem a que não chegaria por si só. Isto é, são planificadas e estruturadas actividades cujo objectivo é o desenvolvimento integral e harmonioso de cada criança. No que respeita à componente de apoio à família, esta será marcada por um processo educativo informal, onde o principal objectivo é o fruir, ou seja trata-se de um tempo onde a criança deve ter liberdade para escolher o que deseja fazer. Desta forma, no CSSJP estão distintos estes dois períodos de acordo com o seguinte horário:

7h45 – 9h 9h – 12h 12h – 14h 14h – 16h 16h 18h30/19h

Componente de apoio à família Componente lectiva Componente de apoio à família (inclui o almoço e descanso para as crianças de 3 anos) Componente lectiva Componente de apoio à família (inclui o lanche)

Notas:  Entre as 16h e as 17h, as Educadoras realizam trabalho não directo, como registos, planificações, reuniões com os encarregados de educação...  As actividades extra-curriculares, decorrerão no horário da componente de apoio à família.

* Rotinas da Sala 7:45 – 9h00 – Componente de apoio à família 9:00 – 9:30 – Acolhimento /Higiene 9:30 – 11:45 – Actividades na sala 11:45 – 12:00 – Arrumar a sala /Higiene 12:00 – 12:45 – Almoço 12:45 – 13:00 – Higiene 13:00 – 14:00 – Período de descanso 14:00 – 16:00 – Actividades na sala 16:00 – 18:30 – Componente de apoio à família  Lanche  Higiene  Animação dos salões

* Horário de Entrada: O horário de entrada para o Jardim de Infância é até às 9h30m, salvo aviso prévio por parte do Encarregado de Educação. É importante o seu cumprimento dado que as actividades na sala começam a essa hora e como devem compreender, a chegada constante de crianças prejudica o funcionamento das mesmas. * Actividades Extra Curriculares  crianças terão, mediante inscrição, acesso: As  Natação (duas vezes por semana, na Piscina dos Galitos);  Dança (uma vez por semana, nas instalações do CSSJP);  Expressão Musical (uma vez por semana, nas instalações do CSSJP); Todas as actividades extra curriculares serão leccionadas por técnicos especializados para o efeito e serão dinamizadas no horário de componente não lectiva do educador de infância.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful