DIREITO AMBIENTAL_AULA UM

NOÇÕES PRELIMINARES SENTIDO DA EXPRESSÃO MEIO AMBIENTE Prefacialmente, não há consenso entre os especialistas sobre o que seja meio ambiente, e ainda, se o termo é correto ou não, pois pode parecer redundante. Para o professor Édis Milaré a expressão meio ambiente pertence a uma categoria cujo conteúdo é mais facilmente intuído (compreendido) que definível, pois trata de uma noção ³camaleão´. (Direito do Ambiente ± 5ª Edição) Mas em uma linguagem técnica, meio amb iente é ³a combinação de todas as coisas e fatores externos ao individuo ou população de indivíduos em questão.´ (Bernard J. Nebel ± Environmental science. The way the world works, 1990) Meio ambiente, então, é constituído por seres bióticos (factores bióticos são todos os efeitos causados pelos organismos em um ecossistema que condicionam as populações que o formam) e abióticos (fatores abióticos são todas as influências que os seres vivos possam receber em um ecossistema , derivadas de aspectos físicos, químicos ou físico-químicos do meio ambiente , tais como a luz, a temperatura , o vento e outros) e suas relações e interações, não compreendendo em mero especo físico, ou seja, trata -se de uma realidade complexa e marcada por múltiplas variáveis. Em resumo, o meio ambiente, comumente chamado apenas de ambiente, envolve toda s as coisas vivas e não-vivas na Terra, ou em alguma região dela, que afetam os ecossistemas (unidade natural consistindo de todas as plantas, animais e micro -organismos (fatores bióticos) em uma área funcionando em conjunto com todos os fatores físicos não -vivos (abióticos) do ambiente) e a vida dos humanos. Na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente celebrada em Estocolmo, em 1972, definiu-se o meio ambiente como ³o conjunto de componentes físicos, químicos, biológicos e sociais capazes de causar efeitos diretos ou indiretos, em um prazo curto ou longo, sobre os seres vivos e as atividades humanas.´ Quanto ao conceito jurídico, a doutrina conceitua meio ambiente em consonância com duas perspectivas, quais sejam: uma estrita e outra ampla. y A estrita trata o meio ambiente como patrimonio natural e as relações com e entre os seres vivos, desprezando tudo aquilo que não diga respeito aos recursos naturais. Quanto ao sentido amplo, o meio ambiente abrange toda a natureza original (natural) e artificial (humano), assim como os bens culturais.

y

Neste sentido, cumpre destacar que o nosso ecossistema (jurídico) não é constituído apenas por elementos naturais.

pela energia. quais sejam: natural. para fins didáticos. a sociedade científica já detec tava graves problemas futuros por razão da poluição atmosférica provocada pelas indústrias. influencias e interações de ordem física. envolvendo saúde. paleontológicos. Outrossim. Na oportunidade. objetos. criações artísticas. dignidade da pessoa humana. pode ser divido em quatro pontos de abordagem. visando à sua sustentabilidade para as presentes e futuras gerações´. O meio ambiente artificial diz respeito ao espaço urbano que foi construído pelo homem. O meio ambiente cultural é formado por grupos nacionais de expressão. abriga e rege a vida em todas as suas formas´. realizada em 1972. documentos. ou seja. Percebe-se que a definição de meio ambiente adotada por nosso ordenamento é similar aquele adotado pela Conferencia de Estocolmo. direta ou indiretamente. antes de tratar de alguns dos princípios que regem este disciplina. destaca o professor José Afonso da Silva que a ³interação do conjunto de elementos naturais. pela água. equipamentos e alterações produzidas pelo homem. formado pelas edificações. ecológicos e científicos. PRINCIPIOS_AULA DOIS Inicialmente. (Direito Ambiental Constitucional) Por derradeiro. O jurista Édis Milaré considera como sendo o ³complexo de princípios e normas coercitivas reguladoras das atividades humanas que. edificações em sentido amplo. A aludida conferencia foi a primeira atitude mundial em tentar organizar as relações entre o Homem e Meio Ambiente. pelo ar. arqueológicos. artificiais e culturais que propiciem o desenvolvimento equilibrado da vida em todas as suas formas´. química e biológica que permite. os assentamentos de natureza urbana e demais construções.Para o professor Terence Dorneles Trennepohl o conceito de meio ambiente. pela fauna e pela flora. artificial e do trabalho.938/1981 (Política Nacional do Meio Ambiente) que o considera ³o conjunto de condições. paisagísticos. conjuntos urbanos. cumpre mencionar o conceito legal adotado pro nosso ordenamento jurídico. leis. salubridade e condições de exercício saudável do trabalho. cultural. . O meio ambiente do trabalho é aquele cujo enfoque está contido na segurança da pessoa humana no local de seu tr abalho. possam afetar a sanidade do ambiente em sua dimensão global. tecnológicas. obras. é necessário conceituar Direito do Ambiente. através da lei 6. prevenção de acidentes. O meio ambiente natural é constituído pelo solo.

por conseguinte. y Principio da Democracia Alguns doutrinadores denominam Principio da Participação Comunitária. Podemos exemplificar a aplicação desta norma de conduta nas audiências públicas realizadas no curso de processos de licenciamento ambiental. evitar riscos ambientais que possam trazer conseqüências à vida. que assegura a participação dos diferentes g rupos sociais na formulação e na execução da política ambiental.para a contribuição na aplicação das políticas ambientai s. y Principio do Direito Fundamental O direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado é reconhecido como um direito fundamental ± uma extensão ao direito de vida. é imperi oso a construção de uma sociedade sustentável. da Constituição Federal ± ´Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. y Principio do Desenvolvimento Sustentável Este principio almeja harmonizar a vida das pessoas com a natureza. não será esgotado neste capitulo tudo acerca do tema. por conseguinte.. ou seja. bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida (. no contexto do direito natural e do direito positivo. assegurando a existência de um meio ambiente eq uilibrado. . assim. mas sim verdadeiras normas de conduta. É fundamental o envolvimento de todas as categorias da população e todas as forças sociais ± consciente de suas responsabilidades . que permite que as pessoas realizem o seu potencial e vivam com dignidade. A seguir serão enumerados alguns dos princípios que regulam as normas de direito ambiental. conforme preceitua o artigo 225. caput. incube ao Poder Público o dever de dar efetividade a diretrizes destinas a assegurar o acesso aos meios de sobrevivência a todos os indivíduos e.)´. e necessário neste cenário que as ações impliquem em um equilíbrio entre a produção de riquezas e o meio ambiente. y Principio do Equilíbrio Em consonância aos princípios da vida sustentável e ao direito fundamental.. o simples crescimento econômico e aumento de riquezas não traduz desenvolvimento harmonizado. Neste sentido. uma vida sustentável significa assegurar a possibilidade de conciliação entre o desenvolvimento econômico e proteção ao meio ambiente e.Cumpre ressaltar que os princípios que regulam este direito não são utilizados apenas como forma de interpretação do nosso ordenamento jurídico (hermenêutica). Neste sentido.

pois como regra a degradação ambiental é trata como irreparável. dep endem do numero de pessoas. Neste sentido. alimentos. y Principio da Responsabilidade mecanismos de o artigo 225. y Principio do Poluidor -Pagador ( polluter pays principle ) Inspirada na teoria econômica de que os custos sociais externos que acompanham o processo produtivo precisam ser internalizados. da Para utilização dos administrativa e civil. Neste sentido. A declaração do Rio. O jurista Édis Milaré trata do principio da prevenção quando ³o perigo é certo e quando se tem elementos seguros para afirmar que uma determinada atividade é efetivamente perigosa´. Seja qual for à posição doutrinária em desmembrar este principio. Alguns doutrinadores tratam este principio como sinônimo do principio da responsabilidade. ou seja. podemos concluir que em ambos os casos sempre que houver dúvida acerca das conseqüências de uma determinada atividade em relação à saudável qualidade de vida e ao meio ambiente. ou seja. Esses limites variam de acordo com as características de cada região. deverá ser negada a viabilidade daquela atividade ou empreendimento.y Principio do Limite A capacidade de suporte dos ecossistemas do Planeta possui limites. há aqueles que tratam como duas modalidades de norma de conduta. na qual preceitua que o polu idor deve arcar com o custo da poluição. repressão parágrafo penal. sem provocar distorções no comercio e nos investimentos internacionais. embora discorde este que sub -escreve o presente trabalho de ajuda ao estudo. ³sua atenção está vo ltada para momento anterior à da consumação do dano´. 3º. (Édis Milaré) O principio da precaução trata do fundamento de uma decisão a ser tomada quando a informação cientifica é insuficiente. podemos afirmar que o Direito Ambiental é fundamentalmente preventivo. y Principio da Precaução e Pr evenção Inicialmente. tratou da matéria (principio 16). ou seja. energia que produz e etc. quantidade de água. as políticas adotadas devem buscar o equilíbrio destes números com o modo de vida e a capacidade de suporte daquele ecossistema. e ainda. havendo indícios de que poderá causar ef eitos negativos sobre o meio ambiente e a saúde das pessoas. cumpre informar que há jurista que reconhecem apenas o principio da Precaução e outros apenas o da Prevenção. inconclusiva ou incerta. dispõe . quando mensurado os custos de produção devem ser assumidos o custo resultante da degradação ambiental. de 1992.

atividades nucleares de qualquer natureza. artístico e cultural. trata da competência comum da União. XII . outros recursos minerais XIV .jazidas. . os monumentos. IV . a sanções penais e administrativas. do Distrito Federal e dos Municípios. COMPETENCIA_AULA TRES A ambientais ecologicamente fim é de alcançar a as para o objetivo existência gerações precípuo de um presentes das meio e políticas ambiente é que assegurar saudável futuras. do mesmo diploma legal. Ressaltando que tratando de danos contra o meio ambiente será observado à responsabilidade objetiva. do Código Civil. informática. A lei dos Crimes Ambientais. pessoas físicas ou jurídicas. Em matéria ambiental. parágrafo 1º.proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas. dos Estados. dispõe acer ca da competência exclusiva da União para legislar. disciplinada pela lei nº 9.águas.938/1981. na qual destacamos os seguintes incisos referentes a meio ambiente: II ± desapropriação . pois trata tanto de infrações administrativas quanto criminal. artístico ou cultural. Com efeito. da lei 6. cuja competencia é repartida. independentemente da obrigação de reparar os danos causados´. minas. Quanto à responsabilidade civil aplica -se as mesmas regras contidas no artigo 186 e 927. O artigo 22. IV .impedir a evasão.Constituição Federal. energia. conforme artigo 14. da CF. que as ³condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores. telecomunicações e radiodifusão.605/1998.populações indígenas.proteger os documentos. e metalurgia . VI . a destruição e a descar acterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico. é um instrumento de natureza híbrida. O artigo 23. necessário criar os seus mecanismos e regularizá -los. será disciplina a conduta humana atraves de leis votadas pelo poder competente . contudo. as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos. esta competência é para ex ecutar. destacamos: III . as obras e outros bens de valor histórico. XXVI .

o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado é reconhecido uma extensão ao direito à vida. estético. Cumpre ressaltar que o Município foi reconhecido pela Constituição Federal de 1988.registrar. alcançando o status de direito fundamental. conservação da natureza. fauna. ao consumidor. no que couber. a fauna e a flora. observada a legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual (inciso IX)´ . mediante planejamento e controle do uso. o artigo 24. essencial à sadia qualidade de vida. de forma suplementar. . Em razão das normas federais serem de caráter geral. coletividade o dever de defendê -lo e futuras gerações´. conforme preceitua o artigo ambiente ecologicamente equilibrado. prevalecendo às normas de interesse nacional sobre as normas de interesse regional e local. da Carta ambiente. defesa do solo e dos recursos naturais. como ente federativo. hist órico. Magna trata da p roteção ao meio 225 ± ³Todos têm direito ao meio bem de uso comum do povo e impondo -se ao Poder Público e à preservá. cultural. Com efeito. d o parcelamento e da ocupação do solo urbano´ (inciso VIII) . Por derradeiro. turístico e paisagístico. proteção do meio ambiente e controle da poluição. em especial. e ainda. acompanhar e fiscaliza r as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios.responsabilidad e por dano ao meio ambiente.preservar as florestas. XI . turístico e paisagístico. mesmo não estando inserido no a rtigo 5º. atribui ao mesmo competência para legislar sobre assuntos de interesse local e de forma suplementar a legislação federal e estadual no que couber. cabe aos Estados e aos Municípios aperfeiçoá -las.proteção ao patrimônio histórico. VII .VII .florestas. Assim. LEGISLAÇÃO E MEIO AMBIENTE_AULA QUATRO O capitulo VI. VIII . da CF. legislar sobre aquilo que for permitido. Neste sentido. ³promover a proteção do patrimônio histórico -cultural local. Em matéria ambiental destacamos: VI . para ³promover. cumpre ressaltar que havendo conflito entre as normas prevalecerão às normas de acordo com a sua hierarquia. pesca.lo para as presentes e Conforme já mencionado. da Constituição Federal traz a competência concorrente entre a União e os Estados para legislar. artístico. adequado ordenamento territorial. a bens e direitos de valor artístico. caça. a Constituição Federal autori za aos seus entes federativos.

trata dos mecanismos de repressão. a comercialização e o emprego de técnicas. o direito ambiental é denominado como Direito de Terceira Geração . métodos e substâncias que comportem risco para a vida.preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar a s entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético. em todas as unidades da Federação. provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade ´. espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos. cuja ³ condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores. o Pantanal Mato Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional. II . o § 1º do aludido artigo. independentemente da obrigação de reparar os danos causados´. vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção.Ao lado do direito do consumidor. Para dar efetividade as diretrizes governamentais para proteção ao meio ambiente. V .preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas. de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público competente. trata do que já vimos no principio do poluidor pagador. cujo seu exercício é realizado por um e por todos.proteger a fauna e a flora.exigir. estudo pr évio de impacto ambiental. liberdade e participação . ou seja.definir. trata do dever do dever do Poder Público de dar tratando especial para algumas unidades ± ³A Floresta Amazônica brasileira. sendo suas principais características a indeterminação e a indivisibilidade. dentro de condições que assegurem a . III . a Mata Atlântica. onde ³a quele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado. vedadas. a Serra do Mar. as práticas que coloquem em risco sua função ecológica. O § 2º. na forma da lei. indistintamente. O direito ambiental é um direito difuso.promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente. para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente. VII . a sanções penais e administrativas. a qualidade de vida e o meio ambiente. pessoas físicas ou jurídicas. igualdade. O § 3º. e sua utilização far-se-á. a que se dará publicidade. na forma da lei. é direito de fraternidade que pressupõe máxima solidariedade.controlar a produção. na forma da lei. IV . sendo a alteração e a supressão permitidas somente através d e lei. VI . incumbe ao Poder Público: ³I . O § 4º. na forma da lei ´.

da Lei 6.órgão executor: o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.órgão central: a Secretaria do Meio Ambiente da Presidência da República. trata da possibilidade da desapropriação em favor da proteção ao meio ambiente ± ³São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados. dos Estados.preservação do meio ambiente. IV . visando assegurar. aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana ´. com a finalidade de assessorar. no âmbito de sua competência. conforme preceitua o artigo 6º. V . Por derradeiro. O § 5º. a política e diretrizes governamentais fixadas para o meio ambiente. como órgão federal. com a finalidade de planejar. sobre normas e padrões compatíveis com o meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial à sadia qua lidade de vida. dos Territórios e dos Municípios. instituída pela Lei 6. diretrizes de políticas governamentais para o meio ambiente e os recursos naturais e deliberar. O SISNAMA é estruturado da seguinte forma: ³I .938/1981. II . melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida. formado pelos órgãos e entidades da União. do Distrito Federal. por ações discriminatórias. caput) Outrossim. . condições ao desenvolvimento sócio -econômico. responsáveis pela proteção e melhoria da qualidade ambiental.Órgãos Seccionais: os órgãos ou entidades estaduais responsáveis pela execução de programas. III . tem por objetivo ³a preservação. coordenar.938/1981 A Política Nacional do Meio Ambiente. com a finalidade de executar e fazer executar. projetos e pelo controle e fiscalização de atividades capazes de provocar a degradação ambiental. necessárias à proteção dos ecossistemas naturais ´. sem o que não poderão ser instaladas ´. bem como as fundações instituídas pelo Poder Pú blico. POLITICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE_LEI 6. no País. (artig o 2º.938/1981. o § 6º trata das ³usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localiz ação definida em lei federal. com a função de assessorar o Presidente da Rep ública na formulação da política nacional e nas diretrizes governamentais para o meio ambiente e os recursos ambientais. supervisionar e controlar. recepcionada pela Constituição Federal de 1988. inclusive quanto ao uso dos recursos naturais´.órgão consultivo e deliberativo: o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). como órgão federal. estudar e propor ao Conselho de Governo. a política nacional e as diretrizes governamentais fixadas para o meio ambiente.órgão superior: o Conselho de Governo. a referida lei institui o Sistema Nacional do Meio Ambiente ± SISNAMA.

605/1998. reconh ecido como extensão à vida. que prevê a legitimidade da pessoa jurídica para responder pelos crimes . mesmo sendo um sujeito abstrato. ou seja. O primeiro instrumento que veremos trata da Responsabilidade do Poluidor. em se tratando de Direito Penal. as penalidades disciplinares ou compensatórias pelo não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção da degradação ambiental. sem qualquer prejuízo de cumulação das aludidas responsabilidades. do artigo 225. a fim de dar efetividade à proteção a esse direito. sendo tratada como um instrumento de natureza híbrida.´ Outrossim. da Constituição Federal. ainda é um tema de bastante discussão. são aplicadas separadamente. Quanto à responsabilidade administrativa e penal.lo para as presentes e futuras gerações.938/1981. em cumprimento ao § 3º. impondo -se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê lo e preservá . Na verdade. disciplinada pela lei nº 9. ³todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. da Constituição Federal. prevê o inciso IX. independentemente da obrigação de reparar os danos causados. Verifica-se pela redação do § 3º. que responsabilidade do infrator será penal. ma s uma não exclui a outra. que prevê ³as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores. da lei 9. Assim. cuida a lei dos Crimes Ambientais.065/1998.Órgãos Locais: os órgãos ou entidades municipais. no artigo 9º. outros obstáculos são en contrados em relação aos princípios e regras processuais. nas suas respectivas jurisdições ´.´ Neste sentido. é necessária a criação de instrumentos que possam dar cumprimento as diretrizes governamentais. responsáveis pelo controle e fiscalização dessas atividades. do artigo 225. pessoas físicas ou jurídicas. existem aqueles que defendem a inconstitucionalidade do artigo 3º. Outra novidade que a lei dos crimes contra o meio ambiente traz. em razão das dificuldades de se alcançar o resultado prático. RESPONSABILIDADE DO POLUIDOR_AULA CINCO Conforme preceitua o artigo 225. embora haja previsão legal. ou seja. bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida. e ainda. da Constituição Federal. a sanções penais e administrativas. que trata dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente.VI . administrativa e civil. é a possibilidade de a pessoa jurídica responder pelos atos ilícitos cometidos contra o meio ambiente. a lei 6. pois trata de duas responsabilidades em um mes mo diploma legal. tais como: conceitos penalísticos de conduta e culpabilidade. a conduta está sempre vinculada a um comportamento humano e a culpabilidade a uma reprovação ético -moral.

do Código Civil. basta comprovar o nexo de causalidade entre o ato ilícito e o dano causado ao meio ambiente. ou seja. do Código Civil. da lei 6. se comprometendo . Este executivo termo de condut a o agente é considerado do um dano título estará extrajudicial. TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA ± TAC O Termo de ajustamento de conduta ambiental instrumento administrativo. Para que venha a ensejar a responsabilidade civil do poluidor. Com efeito. a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a terceiros. a responsabilidade aparece somente se descumprida a obrigação.ambientais. Neste caso. causador admitindo a ofensa que está praticando contra o meio ambiente e . A responsabilidade precipuamente busca a restauração do equilíbrio nas relações jurídicas. por conseguinte. Contudo. por danos causados ao meio ambiente´. c/c com o parágrafo único. O Ministério Público da União e dos Estados terá legitimidade para propor ação de responsabilidade civil e criminal. Lembrando que obrigação é um dever jurídico o riginário. a responsabilidade almeja restaurar o prejuízo causado. Quanto à responsabilidade civil se aplica as mesmas regras contidas no artigo 186 e 927. apenas é irrelevante para fixação da responsabilidade a comprovação da culpa do poluidor. e quando se tratar de dano ao meio ambiente. estadual e municipal. conforme artigo 14. Não significa que é afastada a culpa do poluidor. o não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção dos inconvenientes e danos causados pela degradação da qualidade ambiental sujeitará os transgressores: § 1º . Ressaltando que tratando de danos contra o meio ambiente será observado à responsabilidade objetiva. utilizado pelos órgãos públicos é um para realizar acordos entre este e aquele que está causando algum prejuízo ou na iminência de causar dano ao meio ambiente.Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo. já há condenação de pessoas jurídicas por crimes contra o meio ambiente. independentemente da existência de culpa. assim. do artigo 927. a responsabilidade civil é configurada independente da comprovação de culpa. é o poluidor obrigado. afetados por sua atividade. da Política Nacional do Meio Ambiente ± ³Sem prejuízo das penalidades definidas pela legislação federal. independente da natureza da condenação. parágrafo 1º. por isso é tratada como um dever jurídico secundário. não podemos confundir responsabilidade com obrigação. cuja responsabilidade surge apenas quando há o rompimento do equilíbrio desse dever originário. num espaço de tempo pré -estabelecido no .938/1981. Artigo 14.

conforme aludida decisão: AMBIENTAL.0001. NO CASO. não havendo necessidade de passar pela fase de cognição para. CERCEAMENTO DE DEFESA. não podemos esquecer que o Termo de Ajuste de Conduta possui natureza exe cutiva. (Processo No: 013305763. AGRAVO INOMINADO A QU E SE NEGA PROVIMENTO . EXTINÇÃO DO FEITO ORIGINÁRIO POR HOMOLOGAÇÃO DE TERMO COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA. quais sejam: a existência do titulo executivo (documento escrito). conforme exemplifica o julgamento a seguir: AGRAVO INOMINADO. para execução do Termo de Ajuste de Conduta. PREJUÍZO DE PESCADOR. VERIFICANDO -SE A POSSÍVEL PERTINÊNCIA DA PROVA PARA A CARACTERIZAÇÃO DO DIREITO DO AUTOR.19.próprio termo. APELACAO . DANO AMBIENTAL. após se fazer prova dos fatos constitutivos do direito. deixar de causar dano ou recuperar o seu estado originário. RESTARÁ CARACTERIZADO O DANO E O NEXO DE CAUSALIDADE. contudo. (Processo N o: 0059202-54. o titulo deve preencher os mesmos requisitos de qualquer outro titulo executivo.2010. ENSEJADORES DA RESPONSABILIDADE CIVIL.8. afasta as responsabilidades que responde pelos prejuízos causados. AO VIOLAR GARANTIAS CONSTITUCIONAIS CONCERNENTES AO REGULAR DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO. A RECUSA À SUA COLHEITA CONFIGURA CERCEAMENTO DE DEFESA. RESPONSABILIDADE CIVIL. ao final. ou seja. ATRAVÉS DAS PROVAS REQUERIDAS. ter esse direito reconhecido. uma obrigação .8. já há o reconhecimento de um direito ou obrigação a ser cumprida.2ª Ementa) Outrossim.2010. SE O AUTOR PODE. PERDA DE OBJETO DO AGRAVO . CARACTERIZAR O LUCR O DE SUA ATIVIDADE PESQUEIRA NAQUELE LOCAL E O DANO AO MEIO AMBIENTE CAUSADO PELA RÉ. PRODUÇÃO DE PROVAS. seja judicial ou extrajudicial. INTERDIÇÃO DE ESTABELECIMENTO POR NÃO ATENDIMENTO A MEDIDAS DESTINADAS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE. podemos entender que este termo beneficia o poluidor por afastar as penalidades referentes à sua responsabilidade. trazendo uma ma ior segurança ao Órgão Público.0000 ) Inicialmente. em consonância com a obrigação estampada no título. RAZÃO PELA QUAL SE JUSTIFICA A PRODUÇÃO DE TAIS PROVAS.19. O poluidor quando se compromete a meio ambiente ao ajustar a sua a conduta.

Monumento Natural. Conservação da natureza significa o manejo do uso humano da natureza.Parque Nacional. mantendo seu potencial de satisfazer as necessidades dos seres vivos em geral. implantação e gestão das unidades de conservação . compreendendo na manutenção. V . e III . liquida e exigível. enquanto o uso direto envolve coleta e uso. A proteção integral trata da manutenção dos ecossistemas livres de alterações causadas por interferência humana. para que possa produzir o maior benefício. O grupo das Unidades de Proteção Integral é composto pelas seguintes categorias de unidade de conservação: I .Área de Proteção Ambiental. quais sejam: y integrantes do SNUC y Unidades de Proteção Integral ± tem por objetivo preservar a natureza.Órgão central. que estabelece critérios e normas para a criação. dos recursos naturais . a utilização sustentável. que será gerido pelos seguintes órgãos: I ± Órgão consultivo e deliberativo . titulo. E o Grupo das Unidades de seguintes categorias de unidade de conservação: I .Refúgio de Vida Silvestre . a restauração e a recuperação do ambiente natural. sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza . estaduais e municipais . As unidades de conservação dividem-se em dois grupos. O uso indireto é aquele que não envolve consumo. III .SNUC é constituído pelo conjunto das unidades de conservação federais. IV . dano o u destruição dos recursos naturais . II . sendo certa. coleta. Unidades de Uso Sustentável ± tem por objetivo compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais. e a SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA_AULA SEIS A lei 9985/2000 institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza ± SNUC.Estação Ecológica. II . comercial ou não.Reserva Biológica.órgãos executores . admitido apenas o uso indireto dos seus atributos naturais .estampada no inadimplência. Uso Sustentável as .

III .Floresta Nacional. e VII .II . . V . IV .Reserva Extrativista. VI ± Reserva de Desenvolvimento Sustentável.Reserva Particular do Patrimônio Natural.Reserva de Fauna.Área de Relevante Interesse Ecológico.