MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Organizado por: Beatriz Gabellini Alves Bibliotecária CRB6

/664 Rachel Inês da Silva Bibliotecária CRB6/2381 Maira Silveira de Almeida Bibliotecária CRB/2078

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS BASEADO NAS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

Uberaba 2011

1

Organizado por: Beatriz Gabellini Alves Bibliotecária CRB6/664 Rachel Inês da Silva Bibliotecária CRB6/2381 Maira Silveira de Almeida Bibliotecária CRB/2078

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS BASEADO NAS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

Uberaba 2011

2

Universidade Federal do Triângulo Mineiro Biblioteca Universitária Reitor - Prof. Dr. Virmondes Rodrigues Junior Vice Reitora – Profª. Drª. Ana Lúcia de Assis Simões Pró-Reitor de Ensino – Prof. Dr. Acir Mário Karwoski Biblioteca Universitária – Bibliotecária Beatriz Gabellini Alves

Catalogação na fonte: Biblioteca da Universidade Federal do Triângulo Mineiro

U51m

Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Biblioteca Universitária Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos baseado nas normas de documentação da ABNT / Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Biblioteca Universitária; organizado por Beatriz Gabellini Alves, Rachel Inês da Silva, Maira Silveira de Almeida. - - 2011. 103 f. : tab. ; fig.

1. Normalização – Documentos. 2. Redação técnica. 3. Trabalhos acadêmicos – Elaboração. I. Alves, Beatriz Gabellini. II. Silva, Rachel Inês da. III. Almeida, Maira Silveira. IV. Título CDU 001.81

.8 3..................................... REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO................................................................1................................................................................................2......................2...2 2....................................................................................................1...............................2.1 3..........4 Objetivos gerais e específicos......1............................2.................................................... ELEMENTOS QUE COMPÕEM O PROJETO DE PESQUISA..............................................................1........3 3.................................2.........................2.................... TABELAS.........5 Justificativa...... Títulos numerados e numeração progressiva...... Recursos financeiros. APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA.............. Elementos pré-textuais.............................................5 3.....................................................................10 3............................................................1..........2 Problema a ser abordado.....................................................4................11 3..................................................................... 8 9 9 9 10 10 10 10 10 11 11 11 11 11 12 12 13 13 13 14 14 15 15 15 17 18 19 20 20 21 22 23 26 2................... ILUSTRAÇÕES..............9 3...7 3.... INDICATIVOS DE SEÇÃO...........................2 Referencial teórico........................ Cronograma............. MARGEM...............................11.................................................. NOTAS DE RODAPÉ....4 2......... FORMATO.2 3.......................1....................................... EQUAÇÕES E FÓRMULAS...........................11............................................................... ESPACEJAMENTO..........2..6 3.1 Tema do projeto................................1. 2........4 3..........................2.........1 2....1.........................1.................................... Metodologia................1........3 Hipóteses.....4.................................1...........................1....................3 3...............................3 3 3...........................1 2............3 SUMÁRIO 1 2 2.................. PAGINAÇÃO............................. Elementos sem título e sem indicativo numérico.. Títulos sem indicativos numéricos........................1.1........... 2........................................................................ 2.1................... SIGLAS.. Notas explicativas........... 2................................1 3....2 2.......................................................1............................................2........................................................3 2..................5 2..........2.................................1 INTRODUÇÃO...........2 3...........1............4....................1.. Introdução....... 2.............................................. ......1 3.................................................... Elementos textuais........................................................................................................................................................... ALÍNEAS............. Notas de referência... Elementos pós-textuais................

......................................................................................1..........6 4...............................................1....................... ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS................ ELEMENTOS TEXTUAIS. REDAÇÃO DE REFERÊNCIAS..............................3 4...................2 5.............1...................2 4................................. Desenvolvimento............................................................1.........................................................4 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS........................2 4............ Obra sem autoria ou com autoria desconhecida..1 4................... Índice....................................... Agradecimentos..............2.............14 4................................................................4 4 4.. Apêndice(s).........................4.......2 4....................2........................1 4.............................................................................8 4....3 4...........................2 4......................................... Lista de símbolos................................... Autor pessoal.........................................................................................................................................................1 5...........4 4.................2..............................................................................1 4................5 5 5.....1 4................................ Lista de ilustrações................................................3 4......... Epígrafe....................................................1.....3......................................1.....3 4.....................2............. PARTE INTERNA.............................................................2...........4 4.................................3....................... Sumário.2...............................1........ Conclusão. Verso da folha de rosto............................................................1................4............................................... Glossário......... Autoria...........................7 4...........................................................................2.... PARTE EXTERNA.11 4......... Introdução.................................1 4........................3...................... Errata.........................2.....2.................................. Dedicatória...................................................2....................................4 4..2.....1 5...............12 4......................................................2...................................................................................... Anverso da folha de rosto.................. ELEMENTOS CONSTITUINTES DA REFERÊNCIA.......................................................................1 5.4..................... 28 28 29 30 30 31 32 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 41 42 44 44 44 44 44 45 46 46 47 48 50 50 51 51 54 55 ........10 4.........1............................. Resumo em língua estrangeira....... Lombada........................... Autor entidade...................................................................2 4...... Lista de abreviaturas e siglas...........9 4..........4....................2....... Anexo(s)................5 4....... Lista de tabelas............................................................................ Capa.......................................... Resumo em língua vernácula......................................................................2............... Referências......................... Folha de aprovação................................4.13 4..

...........6 5..........................2.2...1...........2 5................................................................................. etc.................................................................4 5..... Formato convencional.......1..... Formato eletrônico....................4.....2....................................................3....... 5. Trabalho apresentado em evento.................1 5......1 Formato convencional.....2.................3 5............................2......2..1.........3.........................2 5..............................1 5..........5....................2.............. Formato eletrônico............ Formato convencional..............................3...... Formato convencional................................ Formato convencional..........2 5......2................. 5........................2.................2 Formato eletrônico...................................................................................5 5.................................................1 5...3...2.2.2..2........ Parte de monografia ou capítulo de livros................................................. etc........... boletim.........1 5........................2 5......................2.................1 Formato convencional...........................2..................1 5..........3... Monografia considerada no todo (livros e folhetos)...........1 5............................3........2...............2.......................2.......7 5..............7...................2.........................6. Formato convencional.... Data........2..2 5..1....... boletim............................. 5..................................... Publicações periódicas...............2 Formato eletrônico........3..........................................................4 Artigo e/ou matéria de jornal......2..........................................5........................................................2.................3..........3................................ Trabalhos acadêmicos.........2 5..............................................................1 5...............................2...........3...................................... Normas técnicas..2 5........................................4....... .............................2 5.........................3 5.........................2... Local de publicação......... Formato eletrônico........ 5.......................... Formato eletrônico.......4.......................... REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DAS REFERÊNCIAS...2 Formato eletrônico. Edição.....2........1 Formato convencional................................. Formato eletrônico................6 5............................3 Partes de revista.........................................3.................................................7............................................6..........................1............................................5 5.........2.....................1..................... Publicação periódica no todo.......... Formato eletrônico.................2 5...........4...................5 5............................................ Editora....1...............................2.2..............................1 Título e subtítulo................. Formato convencional.4 5.............. 5........................1...................2........ 55 56 57 58 59 60 61 61 61 62 62 63 63 64 64 64 65 65 65 66 66 66 67 67 68 68 68 69 69 70 70 70 71 71 71 5.3........ 5...........................1.................. 5.....2...2....2 Evento como um todo............... 5... Artigo e/ou matéria de revista.... dissertações e teses...........

...... Formato convencional..................................................................................................13...................25 5.. Formato eletrônico................... Apostilas.........1 5............................2...............................23 5.................................................2 5....................................2................................................................11.......2...................22 5.......................8.......2 5...........................17 5.............. Formato convencional................................................................2 5.... Slides de Power-Point...........1 5.............. Formato eletrônico.............. Jurisprudência..................12 5.......9.............................................................................2..............................................2...................................................................2...............................................2.. Formato convencional............. Constituição............... Documento sonoro............................. Doutrina..........................................................2........2.....2..........................)........................... Formato eletrônico.......1 5.......... Documentos tridimensionais.....2.............................................24 5.................................................................................................... Documentos sonoros em parte..13 5................ Formato eletrônico............2.............................16..6 5..........2...............................2.......13.8........... Videocassete..19 5........10 5....................................................2......2.................. Formato eletrônico..........................2.................................2 5......2.......2................................. Formato convencional........15. Vídeo on-line........2......................2..1 5..................9 5...2 5......15..................................21 5........................ Formato convencional.........9......... Formato convencional............................................ Imagens em movimento (DVD..................... Bula de remédio............... Patente............................... Partitura........1 5..........8 5.........................1 5...............................................1 5..2 5......................................11 5.................16........................ Documento cartográfico........................................................................................ Formato convencional.....2................. Formato eletrônico..............1 5.......... 71 72 72 72 73 73 73 74 74 74 75 75 76 76 76 77 77 79 79 80 80 80 81 81 81 82 82 83 83 83 84 84 84 84 85 ...2........2.2 5...................26 Lei e Decreto........2.........2............................ Entrevista.........................2...........................19...15 5....2 5..............................................2........................... Carta...........18 5....16 5.................2................................................................2.. Programa de televisão e rádio...11......................2........2.................. Documento iconográfico.....................................................................2...............2.............25.....14 5........................25...........................2........20 5.................................................................... Formato eletrônico........................................ Formato eletrônico......... Apontamentos ou notas de aula.......19..................... Formato convencional........

............ Sistema autor-data......2.................1.......................... Citação de obras com um autor.................................................... Sistema numérico.............................................. ................................................................1................................ Sites..................................... CITAÇÕES........................1.........................10 6............................................. ANEXO A – Abreviatura dos meses.......................................................1.......................4 6.................1.1......1................................................................1 5.......1.... Base de dados..2..........7 5.........................2............9 6..........27...... Citações diretas..........7 6..............................1.......... Documentos de acesso exclusivo por meio eletrônico........27....................2 5.1.......... Citação de informações verbais...............2 6..........26....... Citação de obras com dois ou três autores.... supressões e grifos..... Citação documentos elaborados por instituições..................................11 6.....26.......5 6.............. Citação de obras com quatro ou mais autores. Mensagens eletrônicas ou e-mail......................................................6 6................................... Formato eletrônico..................................................... Citação de traduções.27 5....................... REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO.....1................. Lista de discussão...............2.....................................1........14 Formato convencional..............1 6.......27.....13 6. Citação documentos elaborados por instituições.......1......4 6 6...................................8 6......2.............1....2...1 6...................................27..... Adição de interpolações....................... Citação de citação.. Citações indiretas................................................. 85 85 86 86 87 87 87 89 89 89 90 90 92 93 94 94 95 95 96 97 97 98 98 100 102 REFERÊNCIAS.3 6.............1 5........................................................................................................2 5..3 5................ Citação de informações extraídas da internet................................................................ comentários.............................................12 6.................................2.......

Citações em Documentos . Este manual é organizado com base nas normas brasileiras sobre documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). 2011 e NBR15287 – Informação e Documentação – Projeto de Pesquisa .Trabalhos de Conclusão de Curso” para os cursos de graduação.8 1 INTRODUÇÃO O presente manual é uma iniciativa da Biblioteca Universitária. Em 1997. Dessa forma. ainda Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro.Apresentação.Redação.Apresentação. a disciplina foi reestruturada passando a enfocar as normas e a utilização dos bancos de dados em formato digital. frente às necessidades dos alunos e a aprovação dos coordenadores dos cursos existentes na Universidade. tornando-se imprescindível a normalização integral dos trabalhos e a extensão deste atendimento aos alunos da graduação. Seu objetivo é dar ao acadêmico orientações sobre a normalização do projeto de pesquisa e do trabalho científico. 2002 e NBR14724 – Informação e Documentação – Trabalhos Acadêmicos . As normas mais usadas são: NBR6023 – Informação e Documentação – Referências . bem como normalizar a produção científica da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. NBR 10520 – Informação e Documentação.Apresentação. 2011. a ABNT apresenta em suas normas algumas regras que são opcionais ou permite ao próprio autor defini-las. sob a forma de disciplina intitulada “Bibliografia Médica”. Até então esse trabalho era feito somente para os cursos de pós-graduação. A biblioteca vem fazendo o trabalho de normalização de referências bibliográficas desde 1987. 2002. Em determinados casos. sugerimos a utilização de alguns critérios que consideramos facilitar a compreensão dos acadêmicos e demais leitores. de acordo com a NBR6023 vigente e a utilização dos índices para pesquisa bibliográfica na área da saúde. onde se abordava a redação de referências bibliográficas. . A demanda teve aumento significativo com a inclusão do “TCC .

. ambos elementos opcionais.2.2. último elemento pré-textual. é obrigatório e deverá ser elaborado de acordo com as normas apresentadas no item 4. textuais e póstextuais.12 e 4. 2. a lista de ilustrações.11.1. A parte externa é formada pela capa e lombada. respectivamente.13 deste manual. a lista de símbolos e o sumário. a lista de tabelas. As listas são elementos opcionais e os moldes para sua confecção se encontram nos itens 4.2. apenas com a ressalva de que no lugar da natureza do trabalho. que é um elemento obrigatório no projeto de pesquisa. Para a elaboração da folha de rosto. 2.1 Elementos pré-textuais Os elementos pré-textuais são: folha de rosto. a especificação relacionadas à forma de apresentação destes elementos constam nos itens 4. apresentar os dados curriculares do autor em folha ou página distinta após a folha de rosto.1 ELEMENTOS QUE COMPÕEM O PROJETO DE PESQUISA A estrutura de um projeto de pesquisa compreende em: parte externa e parte interna.14.1.2. O sumário. deverão ser observadas as regras apresentadas no item 3 deste manual. O projeto de pesquisa define e mostra o caminho a ser seguido na construção de um trabalho impondo ordem e disciplina em sua execução. 4. é a descrição da estrutura do trabalho a ser realizado.1.9 2 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa compreende uma das fases da pesquisa. Para a formatação do projeto de pesquisa.1.2. deverão ser observadas as premissas constantes no item 4. Se exigido pela entidade a qual o projeto for entregue.2. deverá ser colocado o tipo de projeto de pesquisa e o nome da entidade a que deve ser submetido. A parte interna é composta pelos elementos pré-textuais. 4.10. a lista de abreviaturas e siglas.2.1 e 4.

2 Problema a ser abordado O problema a ser discutido é o ponto de partida da pesquisa científica. Como a resolução do problema proposto somente será apresentada ao final da pesquisa. 2.1 Tema do projeto O tema do projeto é a apresentação do assunto a ser pesquisado.1. 2. o problema a ser abordado. a metodologia a ser utilizada. as hipóteses oferecem algumas opções de respostas possíveis para o esclarecimento das questões levantadas.2.1. os objetivos a serem atingidos e as justificativas.1.2. É preciso que sejam indicados o referencial teórico que o embasa. .2. 2.2.1. Deve ser feito de maneira clara e objetiva.1. as hipóteses.1 Introdução A introdução será a primeira parte textual do projeto e tem como objetivo fazer uma delimitação do tema a ser abordado mostrando o problema da pesquisa.10 2. É a indagação inicial acerca de algo que irá promover o desenvolvimento da pesquisa.1. assim como os recursos e o cronograma necessários à sua consecução. 2.2 Elementos textuais Os elementos textuais devem ser constituídos de uma parte introdutória. a área do conhecimento que está inserido e a contextualização do assunto escolhido.1.3 Hipóteses A hipótese é uma resposta provisória para o problema mencionado anteriormente. na qual devem ser expostos o tema do projeto. quando couberem. é o motor do processo investigatório que irá se criar no momento da realização dos estudos para elaborar o trabalho.1.

Deverá ser elaborado um orçamento com todos os gastos enumerados de acordo com cada fase da pesquisa. 2.1. Os objetivos específicos são os itens particulares que se pretende abordar. .2 Referencial teórico É a indicação das fontes bibliográficas que funcionarão como embasamento teórico sob o qual a pesquisa será realizada. além de definir se será um processo descritivo ou experimental.11 2.1.4 Objetivos gerais e específicos Os objetivos gerais mostram o que se almeja com o desenrolar da pesquisa e indicam alguns dos resultados que se pretende alcançar.1.2. bem como a contribuição para o desenvolvimento científico.2.1. As pesquisas descritivas podem ser: pesquisa de opinião. procurando demonstrar sua importância para área do conhecimento em questão. etc.3 Metodologia Neste item o autor irá explanar sobre os procedimentos adotados para a realização da pesquisa. 2.2.1. pesquisa ou revisão bibliográfica.1.1. As pesquisas experimentais podem ser: de campo. etc. descrevendo a natureza e o tipo de trabalho que será desenvolvido.5 Justificativa Neste item o pesquisador indica os motivos que o levarão a realizar o trabalho. pesquisa documental. estudo de caso.2. 2.4 Recursos financeiros É a relação de todas as despesas previstas para a realização do trabalho.2. 2. de laboratório. No referencial teórico serão apresentados autores e textos em que se fundamentará o trabalho a ser realizado mostrando o nível de desenvolvimento do tema junto à comunidade científica.

o apêndice. Para a apresentação dos elementos pós-textuais deverão ser observadas as normas descritas nos itens 4. Etapas X X X X X X X X X X 2. Revisão da Literatura Coleta de dados Análise e interpretação dos dados Capítulo 1 Capítulo 2 Conclusão e Introdução Revisão Entrega do trabalho Defesa Fonte: Os organizadores Mar. materiais.4.1. Quadro 1 . destes itens apenas o elemento referências é obrigatório. o anexo e o índice. etc. o glossário.1 a 4.5 Cronograma O cronograma tem por objetivo estabelecer o tempo necessário para o desenvolvimento de cada uma das etapas da pesquisa científica. Abr.3 Elementos pós-textuais Os elementos pós-textuais são as referências. deste manual.Cronograma Meses / 2011 Fev.12 Estes gastos poderão ser agrupados de acordo com o tipo como gastos com pessoal. .1. 2.4. Maio Jun.5. Jul.2.

formato A4 (21 cm x 29. esquerda e superior de 3 cm e direita e inferior de 2 cm. dados internacionais de catalogação-na-publicação. O parágrafo recomendado é de 1. . 3. para o verso. É o modo de organização física e visual. notas de rodapé. a estrutura. legendas e fontes das ilustrações e tabelas. Os elementos pré-textuais devem iniciar no anverso da folha.13 3 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO As regras gerais de apresentação se referem ao formato dos trabalhos acadêmicos. tamanho 12 para o texto e tamanho 10 para as citações de mais de três linhas. Recomenda-se que os elementos textuais e pós-textuais sejam digitados ou datilografados no anverso e verso das folhas. 3. com exceção dos dados internacionais de catalogação-na-publicação que devem vir no verso da folha de rosto. contendo entre outros aspectos.1 FORMATO Os textos devem ser apresentados em papel branco ou reciclado. paginação. Recomenda-se para digitação utilizar a fonte Times New Roman ou Arial. com exceção das ilustrações.25 cm a partir da margem esquerda.2 MARGEM As margens devem ser: para o anverso. apresentação gráfica e a diagramação dos textos.7 cm) digitados na cor preta. direita e superior de 3 cm e esquerda e inferior de 2 cm.

devem ser separadas entre si por um espaço simples. referências. 3. nome da instituição a que é submetida e área de concentração).14 Figura 1 . ficha catalográfica. a natureza do trabalho.3 ESPACEJAMENTO Todo texto deve ser digitado com utilizando-se o espaçamento 1. Na folha de rosto e na folha de aprovação. natureza do trabalho (objetivo.4 INDICATIVOS DE SEÇÃO Conceitua-se como número ou grupo numérico que antecede cada seção do documento. excetuando-se as citações de mais de três linhas. legendas das ilustrações e das tabelas. que devem ser digitados em espaço simples. o objetivo. Tem como objetivo possibilitar a exposição numa sequência lógica o inter-relacionamento da matéria e permitir sua localização. As referências ao final do trabalho. notas de rodapé.5 entrelinhas. .Margens Fonte: Os organizadores 3. o nome da instituição a que é submetido e a área de concentração devem ser alinhados do meio da página para a margem direita.

4. a numeração progressiva ou as subdivisões de seções ou capítulos do trabalho acadêmico deve atingir no máximo até a seção quinária. lista de abreviaturas e siglas. 3. abstract. anexo(s) e índice(s)) devem ser centralizados sem numeração.15 3. agradecimentos. Na leitura oral do trabalho. glossário. lista de símbolos e de tabelas. ou seja. Na digitação dos títulos dos capítulos e subseções. resumos.4. não se deve utilizar um título e em seguida outro. referência. os pontos não devem ser pronunciados. utilizando-se os recursos de negrito. no sumário e de forma idêntica no texto. Não se deve utilizar ponto.4.5 cm. 3. lê-se três dois quatro. sumário.2 Elementos sem título e sem indicativo numérico Fazem parte desses elementos a folha de aprovação. itálico ou caixa alta. na subseção 3.1 Títulos sem indicativos numéricos Os títulos sem indicativo numérico (errata. ou seja. deve-se adotar a numeração progressiva para os capítulos ou seções do texto. Destacam-se gradativamente os títulos das seções. lista de ilustrações.2. em letras maiúsculas e devem ser separados do texto que os sucede por um espaço entre as linhas de 1. alinhando-se à margem esquerda da página. digitados em negrito. Assim. Todas as seções devem conter um texto relacionado a elas.3 Títulos numerados e numeração progressiva Para evidenciar a sequencia do trabalho e as subordinações a que um título está relacionado a outro. De acordo com a NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito: apresentação (2003).4. deve-se utilizar a numeração em arábico separada por um espaço apenas da frase do título. travessão ou qualquer sinal após o indicativo de seção (número) e seu título. deve ter até cinco subseções. apêndice(s). . a dedicatória e a epígrafe. hífen.

terciária. os títulos das subseções devem ser separados do texto que está antecedendo e que os sucede por um espaço de 1.16 Figura 2 – Títulos numerados 4 3 QUÍMICA ORGÂNICA A Química Orgânica é uma divisão da Química que é uma divisão da Química que proposta em em 1777 pelo químico sueco TorbernOlof foi foi proposta 1777 pelo químico sueco Torbern Olof Bergman. Força Vital por Jöns Jacob Berzelius. massa atómica 12 u. O indicativo ou número de uma seção secundária. Repete-se o mesmo processo em relação às demais seções.sendo sólido à temperatura elétrons). Os capítulos ou seções primárias devem começar na parte superior da página e devem ser separados do texto que vem em seguida por um espaço de 1. cerca de 10 milhões de compostos de compostos de O carbono. carbono C . A química orgânica era definida como Bergman.5 entre as linhas. carvão) é um elemento O símbolo (do latim atômico 6 (6 é um químico. carbono (do latim carbo. Em 1807. Da mesma forma.1 O CARBONO É oopilar básico da química orgânica. A química orgânica era definida como um ramo um ramo químico que estuda compostos extraídos dos químico que estuda os os compostos extraídos dos organismos vivos. . sendo ambiente. abaixo da primeira letra da primeira palavra do título. 3. Para uma uniformização dos trabalhos.5. sólido à temperatura ambiente. foi formulada a Teoria da Força Vital por Jöns Jacob Berzelius. carvão)prótons e 6 elemento massa atómica 12 C . símbolo u. foi formulada a Teoria da organismos vivos. no quadro abaixo sugerimos os seguintes destaques. Títulos que ocupem mais de uma linha devem ser alinhados a partir da segunda linha. seguido do número que lhe for atribuído na seqüência do assunto e separado por ponto. se conhecem pilar básico da química orgânica. quaternária ou quinária é constituído pelo indicativo da seção anterior ou maior a que pertence. número carbo. Fonte: Os organizadores As seções primárias devem ser iniciadas em página ímpar (anverso). se conhecem cerca de 10 milhõesde carbono. químico. Em 1807. número atômico 6 (6 prótons e 6 elétrons).

1 1.1 1.1. Não se deve utilizar outros marcadores como círculos. c) o texto da alínea começa por letra minúscula e termina em ponto e vírgula (. b) as letras indicativas das alíneas são reentradas em relação à margem esquerda. Utiliza-se fonte em negrito e apenas a letra inicial maiúscula. exceto a última alínea que termina em ponto (. Utiliza-se fonte sem negrito e apenas a letra inicial maiúscula em itálico. termina em dois pontos (:).1. Utiliza-se fonte sem negrito e apenas a letra inicial maiúscula sem nenhuma forma de destaque. dele separadas por um espaço.). É indicada por uma letra minúscula e seguida de parênteses. utilizando o recuo de 1.1 Indicativo numérico Título QUÍMICA ORGÀNICA O CARBONO Hidrocarbonetos Hidrocarbonetos saturados Apresentação Utiliza-se fonte em negrito e maiúsculo. . Quanto à disposição gráfica. etc. a alínea pode ser subdividida em subalíneas. anterior às alíneas.1.1. quadrados. colocado sob a primeira letra do texto da alínea correspondente.1. as alíneas devem figurar da seguinte maneira: a) o trecho final do texto correspondente. d) as alíneas são organizadas alfabeticamente: a).). Utiliza-se fonte sem negrito e maiúsculo. etc.5 ALÍNEAS As alíneas são utilizadas quando é necessário enumerar diversos assuntos de uma seção que não possuem um título. Quinária 1.25 cm..1 Alcano Fonte: Os organizadores 3. c). de acordo com as seguintes regras: .1. f) quando a exposição da idéia assim o exigir. e) a segunda e as próximas linhas do texto da alínea começam sob a primeira linha do texto da própria alínea.as subalíneas devem começar por um hífen.17 Quadro 2 – Apresentação das seções Seção Primária Secundária Terciária Quaternária 1 1. b).

devem ser contadas sequencialmente. 3. no canto . todas as folhas. fonte tamanho 10 e deve ser colocada a partir da primeira folha da parte textual (Introdução). exceto a última subalínea que termina em ponto (. . considerando somente o anverso.) ao final. .6 PAGINAÇÃO As folhas ou páginas pré-textuais devem ser contadas.as linhas seguintes do texto da subalínea começam sob a primeira letra do próprio texto da subalínea.). Para trabalhos digitados somente no anverso.18 . Figura 3 – Elementos paginados e não-paginados Fonte: Bukoski ([2011]) A numeração deve figurar. em algarismos arábicos.o texto que antecede as subalíneas é terminado por dois pontos (:).as frases das subalíneas devem ser pontuadas com vírgula (. a partir da folha de rosto. mas não numeradas.

símbolo C . número atômico 6 (6 prótons e 6 elétrons). a numeração das páginas deve ser colocada no anverso da folha. colocada entre parênteses. Quando o trabalho for digitado em anverso e verso. as suas folhas ou páginas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve ser seguimento à do texto principal. . sendo sólido à temperatura ambiente. o pilar básico da química orgânica. no canto superior direito. No caso de o trabalho ser constituído de mais de um volume. foi formulada a Teoria da Força Vital por Jöns Jacob Berzelius. Exemplo: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).19 superior direito da folha. O carbono (do latim carbo.1 O CARBONO É carbono. Figura 4 – Paginação 4 3 QUÍMICA ORGÂNICA A Química Orgânica é uma divisão da Química que foi proposta em 1777 pelo químico sueco Torbern Olof Bergman. Havendo apêndice e anexo. no canto superior esquerdo. Em 1807. carvão) é um elemento químico. a forma completa do nome deve preceder a sigla. massa atómica 12 u. ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha.7 SIGLAS Quando aparece pela primeira vez no texto. 3. do primeiro ao último volume. deve ser mantida uma única sequencia de numeração das folhas ou páginas. A química orgânica era definida como um ramo químico que estuda os compostos extraídos dos organismos vivos. e no verso. a 2 cm da borda superior. se conhecem cerca de 10 milhões de compostos de Fonte: Os organizadores 3.

Exemplo: A figura 5 mostra imagens da Biblioteca Universitária Ou Imagens da Biblioteca Universitária (figura 5). seja ela um artigo. indicar a fonte consultada (elemento obrigatório. Sua citação pode fazer parte do texto. gráficos.20 3. é permitido o uso de uma entrelinha maior para comportar seus elementos (expoente.9 ILUSTRAÇÕES As ilustrações são designações de imagem. e se necessário. Exemplo: x2 + y2 = z2 (x2 + y2)5 = n 3. imagens e outros. podem vir sob a forma de desenhos. Após a ilustração. Quando a ilustração provém de uma publicação. legenda.8 EQUAÇÕES E FÓRMULAS As equações e as fórmulas devem ser destacadas no texto para facilitar a leitura. mesmo que seja produção do próprio autor). esquemas. é precedida da palavra designativa. travessão e do respectivo título da ilustração. caso necessário. figuras. seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto. fluxogramas. Estas informações serão digitadas utilizando fonte tamanho 10 e em espaçamento simples entre as linhas. A identificação de uma ilustração aparece na sua parte superior. na parte inferior. mapas. (1) (2) . quadros. notas e outras informações necessárias à sua compreensão (se houver). fotografias. um livro ou outros. índices e outros). retratos. As ilustrações devem ser inseridas o mais próximo possível do texto a que se referem. podem ser numeradas com algarismos arábicos entre parênteses. ou localizar-se entre parêntese no final da frase. os dados sobre a fonte devem ser citados e devem constar na listagem das referências ao final do trabalho. Na sequência normal do texto. plantas. alinhados à direita. que ilustram ou elucidam um texto. organogramas. em algarismos arábicos.

precedidos da palavra Tabela seguido de travessão e do respectivo título. sempre que um documento apresentar duas ou mais tabelas. de modo crescente. Uma tabela deve ter número. devem ser apresentadas conforme as normas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).21 Figura 5 – Ilustrações Figura 5 – Biblioteca Universitária a)) a b) c) Fonte: Fotografia – DISER a) Salas de estudo em grupo b) Acervo de periódicos c) Acervo de livros Fonte: Os organizadores 3. A figura 6 mostra como ela dever ser configurada. para identificá-la permitindo assim sua localização.10 TABELAS As tabelas possuem normas próprias para a sua construção. A identificação da tabela deve ser feita em algarismos arábicos. . inscrito no seu topo.

a partir da margem esquerda. sem parênteses. Estas informações devem ser digitadas em espaçamento simples entre as linhas e utilizando fonte tamanho 10.11 NOTAS DE RODAPÉ Em geral figuram sob a forma de notas de referência e notas explicativas.22 O título de uma tabela deve indicar a natureza de seus dados. Para fazer a chamada das notas de rodapé. estruturando os dados numéricos e os temos necessários à sua compreensão. . Devem ser digitadas utilizando espaçamento simples e fonte tamanho 10. No rodapé. precedida da palavra Fonte. ficando separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas e por filete de 5 cm. a identificação da fonte indique a referência do documento. deve separar. 3. não devendo assim começar a numeração a cada página. no mínimo o topo. deve conter a identificação do responsável pelos dados numéricos. com numeração consecutiva para todo o texto ou cada capítulo. As notas em geral devem ser digitadas na mesma página onde foi feita sua chamada numérica. abaixo da primeira letra da primeira palavra do título. Recomenda-se que em tabelas com dados numéricos extraídos de um documento. A tabela não pode ser fechada lateralmente. A moldura da tabela deve se restringir ao centro. dentro das margens. Devem ser alinhadas a partir da segunda linha. o centro e o rodapé. usam-se algarismos arábicos. na entrelinha superior. bem como a sua abrangência geográfica e temporal.

Estas atividades são oferecidas semanalmente pela equipe médica e de enfermagem de plantão aos pacientes que não recebem alta -licença . As referências em nota de rodapé são alinhadas somente à margem esquerda do texto. Não se inicia a numeração a cada página. .1 Notas de referência São notas que indicam as fontes consultadas para elaboração do trabalho. Figura 6 – Notas de rodapé 14 2 A reconstrução do processo de atendimento No núcleo funciona o sistema de Atividades Programadas para o Fim de Semana onde são desenvolvidas atividades de lazer coletivas e recreativas supervisionadas pela Terapia Ocupacional. A primeira citação de uma obra. em espaço simples. A numeração das notas de referência é feita por algarismos arábicos. de forma a destacar o expoente numérico e sem espaço entre elas. em nota de rodapé.11.23 O sistema numérico não pode ser usado concomitantemente para notas de referência e notas explicativas. deve ter sua referência completa. A segunda linha da mesma referência deverá figurar abaixo da primeira letra da primeira palavra. 1 _______________ 1 Alta-licença é uma alta temporária negociada entre equipe e família para que o paciente possa passar o fim de semana em casa. Fonte: Os organizadores 3. devendo ter numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte.

29. Rio de Janeiro: Lumen Juris. quando se tratar de citação de diferentes obras do mesmo. 2010. utilizando as seguintes expressões: a) Idem (id. Curitiba: Champagnat. Engenharia de software e sistemas de informação.mesmo autor – Expressão latina que substitui o nome do autor. Ibid. Rio de Janeiro: Brasport. Curitiba: Champagnat. ed. 2006. 36. op. 2007. 48. Discutindo a educação na dimensão da práxis. opere citato (op. quando houver uma intercalação de outras notas. 2005.. . 3. Engenharia de software e sistemas de informação.24 No rodapé da página: ____________________________ 8 WEIGERT. ____________________________ 1 2 3 BEHRENS. 2 Id.). Rio de Janeiro: Brasport. Mariana de Assis Brasil e. 29. 95. 33. p. 2005. Marilda Aparecida.) – na mesma obra – Expressão latina que pode ser usada quando se fizerem várias citações de um mesmo documento. p. referindo-se à obra citada anteriormente na mesma página onde ocorre a chamada. c) Opus citatum. 191 p As subsequentes citações da mesma obra podem ser referenciadas de forma abreviada. b) Ibidem (ibid. p. 2007. ____________________________ 1 REZENDE. 3. Denis Alcides. Ibid. 3 REZENDE. p. Discutindo a educação na dimensão da práxis.) – obra citada – Expressão latina usada em seguida ao nome do autor. p... ed. Denis Alcides. cit. 48. p. p.. 63. ____________________________ 1 REZENDE. cit. p. Uso de drogas e sistema penal: entre o proibicionismo e a redução de danos. 2 BEHRENS. Marilda Aparecida. variando somente a página.

p. 2 FORT.) – no lugar citado – Expressão latina utilizada quando há uma citação de uma mesma obra. 2000. Curitiba: Moinho do Verbo. ____________________________ 1 GEDIEL. Televisão educativa: a responsabilidade pública e as preferências do espectador. 2006. seguida da expressão “et seq. Indica-se a primeira página. 2 GEDIEL. Bens culturais e sua proteção jurídica.) – seguinte ou que segue – Expressão latina usada quando não se quer mencionar todas as páginas da obra referenciada. Os transplantes de órgão e a invenção moderna do corpo.”. 2006. ____________________________ 1 FORT. Curitiba: Juruá. loc. de uma citação anterior. p. 2 Cf. ____________________________ 1 GEDIEL. José Antonio Peres. Carlos Frederico Marés de. p. em diversas passagens – Expressão latina que pode ser usada no caso do autor ter retirado informações de diversas páginas do documento referenciado. cit. 2000. 83. Os transplantes de órgão e a invenção moderna do corpo. e) loco citato (loc. p. São Paulo: Annablume. g) sequentia (et seq. . 99. 2000. 2006. GEDIEL. confronte (cf) – Expressão latina usada para recomendar consulta a um trabalho ou notas. ____________________________ 1 SOUZA FILHO. 2 SOUZA FILHO. José Antônio Peres. passim. f) confira. 184 et seq. Curitiba: Moinho do Verbo. 99.25 d) Passim (passim) – aqui e ali. 2000. Mônica Cristine. p. na mesma página. cit. 153.

usam-se algarismos arábicos.. não devendo assim começar a numeração a cada página. p. As expressões constantes nas alíneas a). Para fazer a chamada das notas. p. . 3. segundo – Única expressão latina que pode também ser usada no texto. conforme.26 h) apud – citado por. p. apud SILVA. sem parênteses.] sistema jurídico-tributário como o feixe de normas define as competências tributárias e impõe as limitações ao poder de tributar. 2009.” (CASSONE. 2007 apud SILVA. c) e f) mostradas anteriormente só podem ser usadas na mesma página ou na folha da citação a que se referem. esclarecimentos ou explanações que não são incluídas no decorrer do texto. “[. 2009. com numeração consecutiva para cada capítulo. b). No texto: Segundo Ramos (2008 apud SILVA. 2009. 18). No rodapé da página: ____________________________ 1 LOPES.2 Notas explicativas São notas usadas para que o autor possa tecer comentários. 138) “era necessário que a priminha lesse comigo o romance e me auxiliasse na decifração dele”. na entrelinha superior. 2008..11. 68.

27 No texto: Foi imprescindível verificar. No rodapé da página: ____________________________ 2 Tal perspectiva de análise das práticas de mediação se aproxima de estudo relativos à mediação política e à mediação cultural. . No texto: Dez entrevistas em profundidade foram realizadas com agentes de perfis sociais e itinerários profissionais e políticos considerados representativos do universo empírico até então explorado6. as cadeias de interdependências constituídas entre os lugares e os agentes que se posicionam. No rodapé da página: ____________________________ 6 As entrevistas foram realizadas pelas estagiárias de graduação Clícia Gomes e Seane Melo. por outro lado. descrevem e prescrevem a “realidade” das “expressões” e políticas culturais no Maranhão e. a multidimensionalidade de princípios acionada nas estratégias de afirmação e nos repertórios de mobilização2. por um lado.

TCC (trabalho de conclusão de curso). A parte externa é composta pela capa e lombada e a parte interna pelos elementos prétextuais. é dividido entre parte externa e parte interna. Figura 7 – Estrutura do trabalho acadêmico Fonte: Bukoski ([2011]) 4. trabalho de conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento. . é composto pela capa e lombada. A estrutura de um trabalho acadêmico deve proporcionar facilidade de compreensão e leitura.28 4 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS Os trabalhos acadêmicos podem ser: tese (doutorado). neste sentido.1 PARTE EXTERNA Item que oferece proteção ao trabalho. dissertação (mestrado). elementos textuais e elementos pós-textuais. assim todo o documento deve apresentar uma sequência coerente. O quadro abaixo mostra a disposição dos elementos de cada parte que podem ser opcionais ou obrigatórios.

onde as informações são transcritas na seguinte ordem: a) nome da instituição (opcional).Capa Universidade Federal do Triângulo Mineiro Maria Oliveira Andrade Informação em saúde: a história da hanseníase no estado de Minas Gerais Uberaba 2010 Fonte: Os organizadores . com espaço de entrelinhas em 1. para todos os itens da capa também deve ser utilizada fonte em tamanho 12. c) título: deve ser claro e preciso. Conforme já mencionado.1. d) subtítulo: se houver. evidenciando a sua subordinação ao título. deve constar em cada capa a especificação do respectivo volume. e) número de volumes: se houver mais de um.1 Capa Elemento obrigatório. Figura 8 .29 4. b) nome do autor. f) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado.5. g) ano de depósito (da entrega). deve ser precedido de dois pontos. identificando o seu conteúdo e possibilitando a indexação e recuperação da informação.

2 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS São os elementos anteriores ao texto do trabalho a ser apresentado.1. .2 Lombada Elemento opcional. b) título do trabalho impresso da mesma forma que o nome do autor. com a face voltada para cima. a lombada é a lateral da capa. se houver. c) elementos alfanuméricos de identificação de volume e data. na seguinte ordem: a) nome do autor impresso longitudinalmente e legível do alto para o pé da lombada. As informações devem ser impressas conforme as regras estabelecidas na NBR 12225: informação e documentação: lombada: apresentação (2004). ou descendente (de cima para baixo). Figura 9 – Lombada Fonte: Os organizadores 4. possibilitando a leitura quando o trabalho está no sentido horizontal.30 4. também chamada de dorso.

se houver mais de um. trabalho de conclusão de curso e outros).1 Anverso da folha de rosto Elemento obrigatório. deve ser elaborado conforme se observa abaixo. Dr. deve conter os seguintes elementos. ordenados. João Silva Uberaba 2010 Fonte: Os organizadores Segundo a norma. c) número de volumes.2. objetivo (aprovação em disciplina. nome da instituição a que é submetido e área de concentração. dissertação. para que identifique a obra. área de concentração “Patologia clínica”. da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Figura 10 – Anverso da folha de rosto Maria de Oliveira Andrade Informação em saúde: a história da hanseníase no estado de Minas Gerais Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Patologia. como requisito parcial para obtenção do título de mestre. e) natureza: tipo do trabalho (tese. . b) título e subtítulo (se houver) separados um do outro por dois pontos (:). grau pretendido e outros). a) nome do autor. Orientador: Prof. deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume.31 4.

h) ano da entrega do trabalho. ter o texto justificado e devem ser alinhadas do meio da página para a margem direita.2 Verso da folha de rosto É um elemento obrigatório. f) nome completo do orientador e.2. conforme as regras estabelecidas no Código de Catalogação Anglo-Americano.32 Estas informações devem estar em espaço simples.3 Errata Definido como um elemento opcional. do co-orientador. é uma lista de erros que foram observados só após a impressão do trabalho e sua encadernação.2. Figura 11 – Verso da folha de rosto Ficha catalográfica Fonte: Os organizadores 4. se houver. 4. . g) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado. No verso da folha de rosto deve constar a ficha catalográfica que deverá ser elaborada por um bibliotecário.

. grau pretendido e outros). disposto da seguinte maneira: Figura 12 – Errata ERRATA MORGADO. L. b) título do trabalho e subtítulo (se houver). trabalho de conclusão de curso e outros). Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Implantodontia)–Faculdade de Odontologia. Reimplante dentário. nome da instituição a que é submetido e área de concentração. em folha avulsa ou encartada onde deve figurar a referência do trabalho e o texto da errata. São Paulo. Universidade Camilo Castelo Branco.2. 51 f. É constituída pelos seguintes elementos: a) nome do autor do trabalho. 1990. a folha de aprovação contém o julgamento recebido na avaliação do trabalho pela banca examinadora. objetivo (aprovação em disciplina.4 Folha de aprovação Considerada um elemento obrigatório. Folha 24 48 Linha 7 13 Onde se lê implate suturra Leia-se implante sutura Fonte: Os organizadores 4. 1990. ter o texto justificado e devem ser alinhadas do meio da página para a margem direita. dissertação. M. d) data de aprovação.33 Deve ser inserida logo após a folha de rosto. c) natureza do trabalho (tese. Estas informações devem estar em espaço simples.

instituição a que pertencem e assinatura dos membros da banca examinadora. da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. área de concentração “Patologia clínica”. Dr. Dr.5 entre linhas.2.5 Dedicatória Elemento opcional é uma homenagem que o autor faz a alguém.Orientador Universidade Federal do Triângulo Mineiro __________________________________________ Prof. Saulo Marins Universidade Federal de Minas Gerais __________________________________________ Prof. deve-se utilizar fonte tamanho 12 e espaço de 1.34 g) nome. Deve ser colocada após a folha de aprovação. A dedicatória não possui título e para a sua configuração. Dr. . Figura 13 – Folha de aprovação MARIA OLIVEIRA ANDRADE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: a história da hanseníase no estado de Minas Gerais Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Patologia. Mauro José Cardoso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Fonte: Os organizadores 4. titulação. como requisito parcial para obtenção do título de mestre. ___ de ____________ de _____. João Silva . Banca Examinadora: __________________________________________ Prof.

. deve figurar com a palavra AGRADECIMENTO centralizada no alto da folha. é a folha onde o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. Fonte: Os organizadores 4. fonte de incentivo e a meus pais pelo apoio nesta caminhada.6 Agradecimentos Considerado um elemento opcional.5 entre linhas. Colocado após a dedicatória.35 Figura 14 – Dedicatória Dedico a minha esposa.2. utilizando fonte tamanho 12 e espaço de 1.

5 entre linhas. cuja referência deve constar na lista de referências no final do trabalho.2. é o local onde o autor apresenta uma citação.7 Epígrafe É um elemento opcional colocado após os agradecimentos. relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho.36 Figura 15 – Agradecimento AGRADECIMENTOS Agradeço a minha orientadora. Na epígrafe não há título na parte superior. Podem também constar epígrafes nas folhas ou páginas de abertura das seções primárias. o texto é colocado à direita na parte inferior da folha. Fonte: Os organizadores 4. seguida de indicação de autoria. Aos funcionários do laboratório pelo apoio na realização dos testes. A frase é colocada entre aspas e seguida da indicação de autoria. utilizando fonte tamanho 12 e espaço de 1. .

2. só se consegue a simplicidade através de muito trabalho. Abaixo do resumo devem constar as palavras-chave. análise da situação etc. deve-se indicar a informação sobre a categoria do tratamento (memória. A primeira frase deve ser significativa. que são os termos mais significativos do conteúdo do trabalho. estudo de caso.).” Clarice Lispector Fonte: Os organizadores 4.Epígrafe “Que ninguém se engane.5 entrelinhas.37 Figura 16 . A palavra RESUMO centralizada e ao alto intitula o item e para a sua redação deve-se utilizar no mínimo 150 e no máximo 500 palavras reunidas em um único parágrafo e com espaçamento 1.8 Resumo em língua vernácula Elemento obrigatório e conceitua-se como a apresentação concisa dos pontos relevantes do trabalho. As palavras-chave devem figurar logo abaixo . explicando o tema principal do documento. Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular. A seguir. Segundo a NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação (2003) é constituído de uma sequência de frases objetivas que pretendem mostrar ao leitor o conteúdo do trabalho de maneira geral.

estudo de caso. Figura 17 – Resumo na língua vernácula RESUMO Elemento obrigatório e conceitua-se como a apresentação concisa dos pontos relevantes do trabalho. possui as mesmas características do resumo em língua vernácula. antecedidas da expressão Palavras-chave: separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto. A seguir. Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular. isto é. em francês mots-clés. Fonte: Os organizadores 4. etc. Deve ser seguido das palavras representativas do conteúdo do trabalho.9 Resumo em língua estrangeira Elemento obrigatório.2. palavras-chave no idioma do resumo: em inglês key-words. em espanhol RESUMEN.38 do resumo. Palavras-chave: Resumo. A primeira frase deve ser significativa. pode se apresentar em inglês ABSTRACT. explicando o tema principal do documento.). Normalização. em francês RESUME. Segundo a NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação (2003) é constituída de uma sequência de frases objetivas que pretendem mostrar ao leitor o conteúdo do trabalho de maneira geral. digitado em folha separada. análise da situação etc. deve-se indicar a informação sobre a categoria do tratamento (memória. . em espanhol palabras clave.

deve ser elaborado de acordo com a ordem em que as ilustrações aparecem no texto. You should use the verb in the active voice and third person singular.). explaining the theme of document. travessão. situation analysis etc. gráficos. Fonte: Os organizadores 4. you should indicate the information about the category of treatment (memory. fotografias. quadros. fluxogramas. esquemas. retratos e outros). According to NBR 6028: information and documentation: overview: presentation (2003) consists of a sequence the paper in general. com cada item designado por seu nome específico.39 Figura 18 – Resumo em língua estrangeira ABSTRACT Mandatory element and conceptualizes itself as the concise presentation of relevant items of work. mapas. Quando necessário. case studies. título e respectivo número da folha ou página. recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos. Next. . Standardization.10 Lista de ilustrações Elemento opcional. plantas. The first sentence main of objective should be the sentences that purport to show the reader the contents of significant. Keywords: Summary.2. organogramas.

............. 14 Figura 3 – Campo de futebol .... 26 Mapa 2 .......... 28 Figura 2 ... 61 Quadro 1 – Relação dos bairros de Uberaba........Estrutura química do tolueno....... ...11 Lista de tabelas Elemento opcional.2..... 73 Fonte: Os organizadores 4...... 22 Mapa 1 – Cidade de Uberaba ......... com cada item designado por seu nome específico......... Jorge Frange ....................Estado de Minas Gerais . 34 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Praça Dr............ acompanhado do respectivo número de página........................................40 Figura 19 – Listas de ilustrações LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Estrutura química do benzeno.................... elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto... 12 Figura 2 – Praça da Abadia .................

13 Tabela 2 – Tipos de erros mais frequentes..41 Figura 20 – Lista de tabelas LISTA DE TABELAS Tabela 1 – Índice de acerto dos alunos.... 32 Fonte: Os organizadores 4...........Editor Org..Organizador LISTA DE SIGLAS IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH – Índice de Desenvolvimento Humano ONG – Organização Não Governamental Fonte: Os organizadores ... seguida das palavras correspondentes grafadas por extenso. consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto.Coordenador Ed.... ...2. .....12 Lista de abreviaturas e siglas Elemento opcional....... Figura 21 – Lista de abreviatura e Lista de siglas LISTA DE ABREVIATURAS Coord. 24 Tabela 3 – Faixa etária dos alunos... ..

13 Lista de símbolos Elemento opcional que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto com o devido significado.14 Sumário Elemento obrigatório.Copyright ™ .2. uma lista para abreviaturas e outra lista para siglas. . 4. Nele as seções são enumeradas juntamente com a paginação e se organizam na mesma ordem em que aparecem no texto. em cada um deve constar o sumário completo do trabalho.Arroba © .42 Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo. o sumário deve estar de acordo com as regras da NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação (2003).2. Havendo mais de um volume. ou seja. Figura 22 – Lista de símbolos LISTA DE SÍMBOLOS @ .Marca comercial Fonte: Os organizadores 4.

......1 QUÍMICA INORGÂNICA..................... Os indicativos das seções que compõem o sumário devem ser alinhados à esquerda................ 23 4..............................1 Hidrocarbonetos ............................................................... 50 ÍNDICE .......1........................................................................................................... O sumário é um espelho da subordinação dos itens dentro do texto........... 16 4 SUBDIVISÕES DA QUÍMICA.....43 Os elementos constituintes do sumário serão os que figuram em seguida a ele...............................1.......................................1................................................................................................................. 39 4.............................................................1........................................................ 32 4............... 46 REFERÊNCIAS . 47 GLOSSÁRIO.......................................................... 18 4....................... .......1.....1 Ácidos ........... A CIÊNCIA .......14 3 ASPECTOS HISTÓRICOS ..............................................2 QUÍMICA ORGÂNICA......2 Reações químicas ................................. Figura 23 – Sumário SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.....2.2.............. 26 4.................. 28 4................ assim a introdução é o primeiro elemento do sumário............. 33 4.................................................. 51 Fonte: Os organizadores ................................... 21 4................................ 12 2 QUÍMICA............................................ assim......................................... 48 APÊNDICE ........... todos os recursos de destaque utilizados nas seções e subseções no texto devem ser repetidos na construção do sumário................................................................................................................................. 37 4.....2............... 49 ANEXOS ...... 42 6 CONCLUSÃO ...................................2 Bases ......3 Sais ................ A palavra SUMÁRIO deve estar centralizada e deve ser escrita em letras maiúsculas e em negrito......................4 Óxidos .........................1 Nomenclaturas .............................

2 Desenvolvimento Parte principal do texto.3.3. onde devem constar a delimitação do assunto tratado. 4. é a parte onde será apresentado o conteúdo propriamente dito de todo o trabalho. 4. É opcional apresentar os desdobramentos relativos à importância. Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método. na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses. 4. 4. desenvolvimento e conclusão. A nomenclatura dos títulos dos elementos fica a critério do autor. anexos e índice e como o próprio nome diz devem estar após o texto.3. projeção. .4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS São as referências. objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema escolhido.44 4.3 ELEMENTOS TEXTUAIS Consiste em três partes: introdução. são os elementos que constituem o núcleo do trabalho.3 Conclusão Parte final do texto. glossário. apêndices. que contém exposição ordenada e pormenorizada do assunto. repercussão. encaminhamento e outros. síntese.1 Introdução Parte inicial do texto.

devem ser alinhadas à esquerda em espaçamento simples e separadas entre si por um espaço simples. Paulo. São Paulo: Saraiva. 192 p. 6.1 Referências Elemento obrigatório e segundo a NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração (2002) é o conjunto padronizado de elementos descritivos. Rio de Janeiro: Record. 2010. Carlos Roberto. Teorias da administração. Fisiologia do intestino delgado. 447 p. cap. p. 2006. As referencias devem ser arranjadas em ordem alfabética. No capítulo 4 são apresentadas de maneira detalhada as referências de diferentes tipos de materiais. 93140. R. RIBEIRO. 2. Brendan Coleman. 2004.4. São Paulo: Malheiros. Fortaleza: Ed. 228 p. da UFC. O rosário de D.. Cem anos de solidão. 2005. McMURRY. Carmesina Ribeiro. reunidas em uma única lista independente do tipo de documento. MacCORD. Recife: FAPESP. GURGEL. GARCÍA MÁRQUEZ. 69. e atual. Wagner Bandeira. 2009. 2009. Direito constitucional. CISTERNAS. São Paulo: Thomson. Figura 24 – Referências 98 REFERÊNCIAS ANDRIOLA. 294 p. alianças e conflitos na história social do Recife. In: DOUGLAS. p. 2 v. Marcelo. Antônio de Lima. 3. Tratado de fisiologia aplicado às ciências médicas. Gabriel. ed. BONAVIDES. In: ______. 24. rev. retirados de um documento.45 4. Química orgânica. 922-937. que permite sua identificação individual. ed. John. Antônio: irmandades negras. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2006. Fonte: Os organizadores . Avaliação educacional: navegar é preciso. cap. J. ed. McDONALD. 18481872. O sistema constitucional.

acompanhadas de seu significado. complementar um raciocínio ou comprovar sua argumentação. Homologação: Ato que certifica a justeza dos atos praticados anteriormente. Deve ser impresso em folha distinta com o título GLOSSÁRIO centralizado ao alto. Patrimônio: Conjunto de bens direitos e obrigações de uma entidade. Gestor: Quem gere ou administra negócios.4. Juros Contratuais: São os juros expressos nas cláusulas do contrato. com as palavras apresentadas em ordem alfabética. bens ou serviços. Material elaborado pelo autor para esclarecer. ao recolhimento de devolução de despesas ou ao acolhimento de depósitos de diversas origens. etc. roteiro de entrevista. .3 Apêndice(s) Elemento opcional. Fonte: Os organizadores 4. Figura 25 – Glossário 101 GLOSSÁRIO Abatimento: O mesmo que dedução.2 Glossário Elemento opcional. Medição: Verificação das quantidades das obras ou serviços executados em cada etapa contratual. Ex: questionário aplicado. É a relação de palavras menos conhecidas ou expressões técnicas utilizadas no texto.4. para a realização de pagamentos.46 4. Guia de Recebimento (GR): Destina-se à arrecadação de receitas próprias. Limite de Saque: Disponibilidade financeira da unidade gestora.

Deve ser precedido da palavra ANEXO. ) todo em escola privada (particular). ou seja o autor retira a informação de outro documento. seguida de travessão e pelo respectivo título. quando esgotadas as 26 letras do alfabeto. utilizam-se as letras maiúsculas dobradas. ao alto. São materiais complementares ou comprobatórios que são elaborados por outrem. ) a maior parte do tempo em escola privada (particular). utilizam-se letras maiúsculas dobradas.4. ) metade em escola pública e metade em escola privada (particular). identificado por letras maiúsculas consecutivas. ) a maior parte do tempo em escola pública. quando esgotadas as 26 letras do alfabeto. Excepcionalmente. travessão e pelos respectivos títulos. Figura 26 – Apêndices 106 APÊNDICE A – QUESTIONÁRIO 107 APÊNDICE B – AVALIAÇÃO DE ATIVIDADE DIÁRIA 1) 2) 3) 4) ( ( ( ( ( Estado civil: _________ Número de pessoas na família: ____ Renda total da família: _________ Tipo de escola que você cursou o ensino médio: ) todo em escola pública. Fonte: Os organizadores 4. . Excepcionalmente. Possui as mesmas características e forma de apresentação do apêndice.4 Anexo(s) Elemento opcional. na identificação dos anexos. na identificação dos apêndices.47 Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas. Deve ser apresentado com a palavra APÊNDICE centralizado.

etc.5 Índice Elemento opcional. nomes geográficos. o índice é uma lista com os elementos ordenados de acordo com algum critério pré-determinado. esta lista pode ser de assuntos.48 Figura 27 .Anexos Fonte: Os organizadores 4. .4. Localiza-se ao final do trabalho.

49 Figura 29 – Índice 113 ÍNDICE ALFABÉTICO A-C A Abordagem dinâmica. 191 Aprendizagem. 305 Cinemática. 28 Fonte: Os organizadores . 160 Atenção. 117 B Busca visual. 125 C Capacidade motora.

título da obra. edição. . coleção. em ordem alfabética. A pontuação segue padrões internacionais e deve ser uniforme para todas as referências. 5. notas de conteúdo. abaixo da primeira letra da primeira palavra. Essa lista pode obedecer a uma ordem alfabética única de sobrenome de autor ou título. de forma a destacar o expoente e sem espaço entre elas. sempre que possível da folha de rosto do documento. As abreviaturas devem ser conforme NBR 10522: abreviação na descrição bibliográfica (1988). editora e ano da publicação. a partir da segunda linha da mesma referência. série. local. serão alinhadas. Quando as referências aparecem em notas de rodapé. Os elementos essenciais são: autor. dimensões de volume e paginação. As referências podem ser constituídas por elementos essenciais e complementares. tradutor. utilizamos o recurso negrito para destaque. em espaço simples e separas entre si por um espaço simples em branco.1 ELEMENTOS CONSTITUINTES DA REFERÊNCIA Para a elaboração das referências. deve-se retirar as informações. Sugere-se colocá-las em uma lista no final do trabalho. quando se utiliza na citação o sistema numérico.50 5 REDAÇÃO DE REFERÊNCIAS As referências podem aparecer em notas de rodapé. Na lista das referências devem ser incluídas todas as fontes utilizadas para a elaboração do trabalho. No presente manual. as referências são alinhadas à margem esquerda do texto. A letra deve ser em tamanho 12 e o tipo da fonte deve ser o mesmo utilizado no texto. número de ISBN. A norma especifica e fixa a ordem dos elementos a serem incluídos nas referências bibliográficas. Quanto ao seu formato. no fim de um texto ou de um capítulo e em listagem própria ao final do trabalho. quando se utiliza na citação o sistema autor-data ou pode ser apresentada em ordem numérica crescente. Os elementos complementares são: subtítulo da obra. mas poderá ser utilizado itálico ou sublinhado desde que este seja uniforme em todas as referências.

deve-se realizar a entrada da referência da seguinte maneira: a) Flávio Fava-de-Moraes b) João Cabral de Melo Neto c) Antônio Delfim Netto e) Camilo Castelo Branco f) Gabriel García Márquez d) Osmar Pires Martins Júnior FAVA-DE-MORAES. João Cabral de MARTINS JÚNIOR. Recomenda-se. Filho. devendo obedecer aos mesmos princípios. em letras maiúsculas. pelo último sobrenome. o mesmo padrão para abreviação de nomes e sobrenomes usados na mesma lista de referências.51 Os elementos essenciais e complementares da referência devem ser apresentados em sequência padronizada. No caso de sobrenomes compostos como: sobrenomes que são ligados por hífen. deve ser utilizado o Código de Catalogação Anglo-Americano vigente. 5. Camilo Netto com dois “tt” deverá ser considerado sobrenome. Antônio Delfim CASTELO BRANCO. as expressões que indicam parentesco (Júnior. estes devem ser incluídos em todas as referências daquela lista. Flávio MELO NETO. Ao optar pela utilização de elementos complementares. sobrenome espanhol e também os sobrenomes que contenham um substantivo + adjetivo.1 Autoria Para indicação da forma correta de entrada de nomes pessoais e ou entidades. Neto.1.1 Autor pessoal Indicam-se os autores. Nas subseções seguintes serão discutidos. de modo geral. tanto quanto possível.1. Sobrinho). Osmar Pires GARCÍA MÁRQUEZ. seguido dos prenomes e outros sobrenomes.1. abreviados ou não. 5. Gabriel NETTO. cada um dos elementos constituintes das referências. de forma pormenorizada. .

Cidade: Editora. rev. e atual. Interação. 447 p RIBEIRO.. 5 v. GARCÍA MÁRQUEZ. ano. SIQUEIRA. Wagner Bandeira. Avaliação educacional: navegar é preciso. McDONALD. apenas o primeiro será citado na referência. VEYNE. GONÇALVES. Antônio: irmandades negras. os nomes devem ser digitados separados um do outro por ponto-e-vírgula (. alianças e conflitos na história social do Recife.52 As partículas Mac ou Mc são escritas juntas ao sobrenome do autor sem espaço. História da vida privada. 2009. 228 p. ed. Título: subtítulo. Fortaleza: Ed. Em caso de obra elaborada por dois ou três autores. 204 p. Recife: FAPESP. GURGEL. Rio de Janeiro: Record. O rosário de D. ANDRIOLA. quando em casos específicos (projetos de pesquisa científica. Nesta mesma regra. Teorias da administração. 2010. Paul. 2006. 192 p. Amor vampiro. Nome. 2005. José Carlos. DUBY. contexto e identidade em práticas sociais. Brendan Coleman. Química orgânica. Antônio de Lima. São Paulo: Saraiva. São Paulo: Thomson. Edição. acrescentando-se a expressão “et al. SOBRENOME. Nome. Philippe. Marcelo. McMURRY. Carmesina Ribeiro. Quando existirem mais de três autores. 2. ALMEIDA. Cem anos de solidão. 294 p. ARIÈS. São Paulo: Companhia das Letras. Georges.” que significa e outros. indicação de produção científica em relatórios para órgãos de . 176 p. SOBRENOME. Niterói: EdUFF. 2004. Gabriel. MacCORD. Fernando Afonso de. São Paulo: Giz. Adriano et al. 2009. 1848-1872. John. da UFC. 2010.) e a ordem que eles devem figurar na referência deverá ser a mesma da publicação. 2008. 2 v.

Ed. Rosa Maria. Mariana Ribeiro Jansen (Org. 2008. mas a abreviatura ficará no MARQUES. é facultado indicar todos os nomes.. Malba Tahan é um pseudônimo utilizado por Júlio César de Melo e Sousa na publicação de suas obras. 75. em coletâneas de vários autores a entrada deve ser feita pelo nome do responsável. seguida da abreviação. 166 p. Quando houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto da obra. aplicase o recomendado em mais de três autores.). No exemplo abaixo. 2010.53 financiamento etc. O homem que calculava. . Malba.). No caso de obra publicada sob pseudônimo. Comp. TAHAN. diretores ou coordenadores de uma obra devem ser citados os dois. 2009. no singular. ed. ilustrador entre outros) podem ser acrescentados após o título.). Se singular. conforme aparecem no documento. revisor. nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria.. 373 p. Rio de Janeiro: Record.). dois nomes são indicados como organizadores. a referência deverá constar a forma definida pelo autor. Elizabeth (Org. entre parênteses. São Paulo: Martinari. Quando existirem mais de três nomes exercendo o mesmo tipo de responsabilidade.. Abordagens qualitativas: trilhas para pesquisadores em saúde e enfermagem. O Brasil sob a nova ordem: a economia brasileira contemporânea: uma análise dos governos Collor a Lula. Coord. TEIXEIRA. do tipo de participação (Org. FERREIRA. São Paulo: Saraiva. 300 p Outros tipos de responsabilidade (tradutor.

Prefácio de José Carlos Pellegrino. deve-se acrescentar no final a unidade geográfica que identifica a jurisdição. empresas. Montevidéu. Arte e sociedade latinoamericana. Avaliação de imóveis: manual de redação de laudos. Brasília: Escola Superior do Ministério Público da União. 2009. Quando a entidade tem uma denominação genérica. Rio de Janeiro. . 5 p. Ministério Público.54 CARPENITO. 5. pelo seu próprio nome por extenso. Lisboa: Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro. associações. São Paulo: Pini. O papel da comunidade na aplicação e execução da justiça penal. 9. seu nome deve ser precedido pelo nome do órgão superior. de modo geral. Manual de diagnóstico de enfermagem. 116 p. congressos seminários etc. FIKER. ed. 536 p. Lynda Juall. 2009. BIBLIOTECA NACIONAL (Portugal). NBR 12821: preparação de concreto em laboratório: procedimento. 2003. José. 2009. 127 p.1. BRASIL.2 Autor entidade As obras de responsabilidade de entidade (órgãos governamentais. BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). entre parênteses. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional. 1996. a entrada é feita diretamente pelo seu nome. Guia da Biblioteca Nacional.1. ou pelo nome da jurisdição geográfica à qual pertence. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (Argentina).) têm entrada. Catálogo de obras raras. Porto Alegre: Artmed. Tradução de Ana Thorell. 83 p. 2004. 2. Quando a entidade é vinculada a um órgão maior e tem uma denominação específica que a identifica. Euclides da Cunha: uma poética do espaço brasileiro. MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (Brasil). 109 p. 2009. Em caso de duplicidade de nomes. Rio de Janeiro: ABNT. 2006. ed.

5.3 Obra sem autoria ou com autoria desconhecida Em caso de obra sem autoria ou com autoria desconhecida. inclusive o artigo se houver. MACHADO.55 5. Aprendizagem em matemática: registros de representação semiótica. DIAGNÓSTICO do setor exportador catarinense: 2006. desde que o sentido não seja alterado.. colocando-se a primeira palavra do título em letras maiúsculas. é possível suprimir as últimas palavras adicionando reticências. Viviane Veras de Paula. No caso de títulos e subtítulos demasiadamente longos. Silvia Dias Alcântara. 160 p. 115 p. Implementação do código florestal na Amazônia: análise dos instrumentos. 2006. O termo anônimo não deve ser usado em substituição ao nome do autor desconhecido. 2003.1. 114 p.2 Título e subtítulo O título e o subtítulo devem ser reproduzidos da mesma forma como figuram no documento. Rio de Janeiro: IBGE. AS ENTIDADES de assistência social privadas sem fins lucrativos no Brasil. Para a digitação do título deve-se utilizar o destaque negrito. separados por dois pontos. entre colchete. 5. 39 p. São Paulo: Papirus. Quando não existir título. Belém: Paka-Tatu.1. .1. a entrada é feita pelo título. deve-se atribuir uma palavra ou frase que identifique o conteúdo do documento. OLIVEIRA.. 2006. Florianópolis: FIESC. ed. 2009.

registra-se o segundo ou o que estiver em destaque.. 2005-. Quando o título aparece em mais de uma língua. esta deve ser transcrita utilizandose abreviaturas dos numerais ordinais e da palavra edição. [Trabalhos apresentados]. incorpora-se o nome da entidade autora ou editora. que se vincula ao título por uma preposição entre colchetes. Teresinha. registra-se o primeiro. São Paulo: Universidade de São Paulo. 1999. 5. Psicanálise com crianças. Porto Alegre.56 ÁLVARES. Rio de Janeiro: Zahar. 86 p.n. 6th ed. No caso de periódico com título genérico. C.. REVISTA DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS BÁSICA E APLICADA= Journal of basic and applied pharmaceutical sciences. Opcionalmente. 2. JORNAL INFORMATIVO [do] Conselho Nacional de Biblioteconomia. ambas na forma da língua do documento. Philadelphia: Saunders Elsevier. Escola de Educação Física e Esporte.3 Edição Quando houver uma indicação de edição. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE= Brazilian Journal of Physical Education and Sport. Araraquara: UNESP. Mensal. [Comentários à norma de apresentação tabular do IBGE]. Mark H.]. ISSN 18075509. 2010. COSTA. 902 p. separando-o do primeiro por um sinal de igualdade (=). ed. 2004-. . 2008. 2. SWARTZ. ISSN 1808-4532. Rio de Janeiro. Belo Horizonte: [s. 2000. Textbook of physical diagnosis: history and examination. Trimestral. 1999. CONGRESSO NACIONAL DE LITERATURA. Rio de Janeiro: Conselho Estadual de Literatura. 2000. M.1.

Em caso de homônimos de cidades acrescenta-se o nome do estado. Direitos humanos fundamentais. Quando a cidade não aparece no documento. São Paulo: Saraiva. c) Viçosa. [São Paulo]: SDF Editores. entre colchetes [S. FERREIRA FILHO. 2009. São Paulo: Pearson Makron Books. 1994. Argentina. indica-se entre colchetes. 583 p. essa informação deve ser acrescentada de forma abreviada. Paulo. ed. rev. RJ. AL. Álgebra linear. b) Viçosa. como é o caso de: a) Viçosa.]. utiliza-se a expressão sine loco.. abreviada.4 Local de publicação O nome do local (cidade) de publicação deve ser indicado tal como figura no documento. 5. Quando a edição for revista e aumentada. 11. mas pode ser identificada.1. WINTERLE. etc. Não sendo possível determinar o local. Na referência: STEINBRUCH. . LAZZARINI NETO. Manoel Gonçalves. indica-se o primeiro ou o mais destacado. Colômbia etc. Cria e recria. do país.57 Ressalta-se que a primeira edição não é indicada.l. Quando houver mais de um local para apenas uma editora. ed. MG. Brasil. Alfredo. 2009. Na publicação: São Paulo. Sylvio. 2 v. 219 p. 2. e aum.

W. Rio de Janeiro: J. Rio de Janeiro: J. Alberto Luiz. São Paulo: Atlas. Na publicação: Livraria José Olympio Editora Na referência: ROSA. Na publicação: Jorge Zahar Na referência: BECKER. ed.58 SCHNEIDER. São Paulo: EDUSP. 306 p.1. 2008. com seus respectivos locais (cidades). aspectos e contribuições de sua aplicação. André Koch Torres. Howard Saul. Falando da sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. MOURA. 2010. 310 p. Olympio. 5. . 2009. Quando houver duas editoras. 2009. se as editoras forem 3 ou mais. Rosa Maria de. 460 p. Grande sertão: veredas. A força elétrica de uma corrente: Weber e as cargas superficiais de condutores resistivos com correntes constantes. Na publicação: Editora Atlas Na referência: ALBERTIN. [19--].5 Editora O nome da editora deve ser indicado tal como figura no documento. 248 p. indica-se a primeira ou a que estiver em destaque. João Guimarães. desde que sejam dispensáveis para identificação.]: Hemus. Comércio eletrônico: modelo. Maceió: EDUFAL. Zahar. abreviando-se os prenomes e suprimindo palavras que designam a natureza jurídica ou comercial. ed. indicam-se ambas. 330 p. Júlio Akashi. 9.l. HERNANDES. Na publicação: Rio de Janeiro / Expressão e Cultura São Paulo / Edusp Na referência: ASSIS. [S. Desenho técnico industrial: introdução dos fundamentos de desenho técnico industrial. 6.

utilizam-se ambas as expressões abreviadas e entre colchetes [S. Rio de Janeiro. Livro de estudos: museu itinerante Rabobank. Quando o local e o editor não puderem ser identificados na publicação. Quando a editora é a mesma instituição ou pessoa responsável pela autoria e já tiver sido mencionada. c) [2005] data certa. distribuição.1. [S.]. utiliza-se a expressão sine nomine.n.n. b) [2008?] data provável. 75 p.l. esta não deverá ser indicada.]. 1934-2009. conforme indicado: a) [2009 ou 2010] um ano ou outro. entre colchetes [s.n.].: s. impressão etc. h) [19--] século certo.: s.6 Data A data da publicação de uma obra deve ser indicada em algarismos arábicos. 9 p. 2009. g) [199-?] década provável. 2009. ACE: Associação Catarinense de Engenheiros. Por se tratar de elemento essencial para a referência. 5. d) [entre 2005 e 2009] use intervalos menores de 20 anos.n. Katia. abreviada. 2009. Florianópolis: [s. f) [199-] década certa. NBR 10719: informação e documentação: relatório técnico e/ou científico: apresentação.l. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. e) ca. Se nenhuma data de publicação. copirraite. 204 p. sempre deve ser indicada. CANTON. não indicada no item. 75 anos de história. puder ser determinada. .59 Quando a editora não puder ser identificada. 2005 data aproximada.]. registra-se uma data aproximada entre colchetes. ARANTES. Marco Antonio.

10. Em caso de publicação periódica. ALCARDE. La controversia entre universalismo y particularismo en la filosofía de la cultura.. Volnei Ribeiro. abr. 1996. Revista Administração & Marketing. estes podem ser convencionais (impressos). 2/3. A. 5. Buenos Aires. n. 2004. Sistemas operacionais. n. C. 3. Se a publicação indicar. em lugar dos meses. semestres etc. materiais especiais e documentos eletrônicos. 104 –110. porém não estava indicada na obra. FLORENZANO.2 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DAS REFERÊNCIAS O formato de apresentação das referências ocorre de acordo com os tipos de materiais a serem descritos.60 i) [19--?] século provável No exemplo abaixo. Rio de Janeiro. H. Scientia Agricola. FREIRE. Emerson Costa. p. 1. O equivalente em carbonato de cálcio dos corretivos da acidez dos solos. os meses devem ser indicados de forma abreviada. Dicionário de idéias semelhantes. Revista Digital. v. Rio de Janeiro: Ediouro. v. n. Piracicaba. p. C. as estações do ano ou as divisões do ano em trimestres. 53. A. v. [1993]. J. 24. MANSILLA. maio/dez. 2004. n. v. Revista Latinoamericana de Filosofía. Everton. 204-210. primavera 1998. transcrevem-se os primeiros tais como figuram no documento e abreviam-se os últimos. Marketing pessoal nas empresas brasileiras. . sem. 2. 2. São Paulo. 2. RODELLA. MARIANO. 383 p. F.. no idioma original da publicação. a data é correta. Ver Anexo A deste manual.

Descrição física do meio eletrônico (DVD. precedido da expressão: “Disponível em:” e a data de acesso ao documento precedida da expressão “Acesso em:”. Local (cidade) de publicação: Editora. J. 2006. 13. data. Título: subtítulo.. Serviço social: identidade e alienação. ed. Edição.). Edição.. Bioestatística: teórica e computacional. AUTOR. São Paulo: Cortez. ELMORE. Não se recomenda referenciar material eletrônico de curta duração nas redes. MARTINELLI.2. . Título: subtítulo. 2009. guia. 1 CD-ROM. Opcionalmente podem ser acrescidos dados referentes a hora. bioestatística e medicina preventiva. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico. enciclopédia. 2.2. L. 2005.1 Monografia considerada no todo (livros e folhetos) Inclui livro e/ou folheto (manual. 5. F. Maria Lúcia.1 Formato convencional AUTOR.1. J. D. G. catálogo. Quando se tratar de obras consultadas on-line. ed. minutos e segundos. 432 p.1.2 Formato eletrônico As referências devem obedecer aos padrões indicados para os documentos monográficos no todo. KATZ. 165 p. data.61 5. também são essenciais as informações sobre o endereço eletrônico entre os sinais <>. Local (cidade) de publicação: Editora. Porto Alegre: Artmed. dicionário etc. CD-ROM etc. 5. Héctor Gustavo. 2. Epidemiologia.2.) ARANGO. ed. JEKEL.

As condições histórico-sociais da emergência do serviço social. 1. CISTERNAS. traço equivalente a seis espaços. deve-se informar a paginação ou outra forma de individualizar a parte referenciada. Edição. Edição.com. 922-937. Tratado de fisiologia aplicado às ciências médicas.2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. ed. ed. 3-71. J. Machado de. ASSIS. In: ______. 2000. p. 2009. p.2. Thelma Larocca. Título: subtítulo. SKARE. In: AUTOR DO LIVRO. cap. Volume ou capítulo ou páginas inicial-final da parte. Capitalismo monopolista e serviço social. 7. 2010. São Paulo: Cengage Learning. James. 69.l]: Virtual Books. São Paulo: Cortez.1 Formato convencional AUTOR DO CAPÍTULO. José. No final da referência. 15-81. Reumatologia: princípios e prática. cap. Local (cidade) de publicação: Editora. Disponível em: <endereço eletrônico>. data. Funções e modelos. 97-109. com ou sem autores e/ou títulos próprios. O sistema constitucional. Local (cidade) de publicação: Editora. . p.2 Parte de monografia ou capítulo de livros Inclui capítulos.virtualbooks. PAULO NETTO. cap. R. Disponível em: <http://www. ed. p. In: ______. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Artrite reumatóide. data. 2006. BONAVIDES. STEWART. pode-se substituí-los. 24. 2010.br/v2/ebooks/?idioma=Português&id=00152> . 5. Fisiologia do intestino delgado. Caso o autor e/ou o título da obra citada for o mesmo do capítulo referenciado. In: ______. [S. 2009. Acesso em: 19 mar. p. cap. volumes. Título: subtítulo. Título do capítulo. Memorial de Aires.62 AUTOR. 2. In: DOUGLAS. 5. 3. Direito constitucional.2. 11. 93-140. fragmentos e outras partes de uma obra. Cálculo: volume 1. 1. 2007. 6. Carlos Roberto. Paulo. São Paulo: Malheiros. Acesso em: dia mês e ano (para documentos on-line). In: ______. cap.

php? option=content&task=view&id=715&Itemid=303>. In: AUTOR DA OBRA. Guia do desenvolvedor de Delphi for . Título da parte. No caso da coleção ou artigo de periódico se encontrar sob formato eletrônico. 2010. etc. etc. jornais. 2005. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: <http://portal. São Paulo: Pearson Makron Books. acrescentam-se as informações: Descrição física do meio eletrônico (CDROM. Descrição física do meio eletrônico (DVD. em CDs ou sítios da internet). 5. DVD. Ministério da Educação. 2010. Edição. Políticas e programas na educação superior. (para os documentos on-line). Acesso em: dia mês e ano (para documentos on-line) BRASIL. Acesso em: dia mês e ano. CD-ROM. São editadas em unidades físicas sucessivas.2. Lisboa: Priberam Informática. Acesso em: 8 mar. Delphi 6 developer´s guide. Local (cidade) de publicação: Editora.2 Formato eletrônico AUTOR DA PARTE.aspx?pal=politica >.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa.gov.br/sesu/index. Acesso em: 10 mar. In: ________.3 Publicações periódicas As publicações periódicas ou as revistas. 2010. 1 CD-ROM.2. POLÍTICA. são publicações que figuram em diferentes tipos de suporte (revistas. In: ________. Título: subtítulo. Na elaboração das referências.2. data.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Xavier.NET. os títulos dos periódicos podem ser abreviados conforme a NBR 6032. Disponível em:< http://www. . 2004. PACHECO.priberam.63 5. Portal mundo acadêmico.pt/DLPO/ Pesquisa. com designações numéricas e/ou cronológicas destinadas a serem continuadas. volume ou páginas.mec. boletins ou mesmo em meio eletrônico.

CLÍNICA VETERINÁRIA. 1996-.1. Rio de Janeiro: ABEM. data de inicio – fim da coleção.2.3. devendo figurar em letras maiúsculas.3. (para os documentos online). 1 CD-ROM. São Paulo: Guará. Bimestral.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. 5. DVD. Local (cidade) de publicação: Editor. consideradas no todo. REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA.3. etc. o título deve ser sempre o primeiro elemento da referência. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA. 5.2.1 Publicação periódica no todo Inclui a coleção do periódico como um todo. REVISTA BRASILEIRA DE HERBICIDAS. 2000-2001. data de inicio – fim da coleção. 1939-1995.64 5. Acesso em: dia mês e ano.1 Formato convencional TÍTULO DA PUBLICAÇÃO. ou quando se referencia integralmente um número ou fascículo. Quando se referenciam periódicos no todo (toda a coleção). Rio de Janeiro: IBGE.2 Formato eletrônico TÍTULO DA PUBLICAÇÃO. Local (cidade) de publicação: Editor. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM. indica-se a data inicial seguida de hífen para a coleção ainda em curso. . Brasília: Grupo de Especialistas em Plantas Daninhas. 2000-.2.1. Quando a referência for de obras em vários volumes.

Suplemento.2. 1983.1 Formato convencional AUTOR (ES). data ou intervalo de publicação. Barueri. n. 5. TÍTULO DO PERIÓDICO. resenhas e outros. 142. reportagens. v.2 Partes de revista. artigo ou matéria. 148.3. . n.3. mar. informações de períodos e data de publicação. fascículos. local de publicação (cidade). sem título próprio.3 Artigo e/ou matéria de revista. 42./abr. p. p.3. fascículo ou número. Título do periódico. Três.2. 2. DINHEIRO. mar. 42. 28 jun. REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL. boletim. v. 2009. CALIL. 2010. com título próprio). fascículo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. fascículo ou número. entrevistas. Ana Maria. 7. numeração correspondente ao volume e/ou ano. numeração correspondente ao volume e/ou ano. n. recensões. números especiais e suplementos. v. v. São Paulo: Ed. 2000. Inclui partes de publicações periódicas (volumes. A disciplina de emergência na formação do enfermeiro.65 5. Particularidades que identificam a parte (se houver). Local de publicação (cidade). editorial. páginas inicial-final (quando se tratar de artigo). 2009. 5. Uberaba: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. BORGES. Renata Bibiano et al. boletim. Uberaba. números especiais e suplementos. 2. Título da parte. etc. editora. MÃO-DE-OBRA e previdência.3. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. etc. comunicações. Inclui volume. Rio de Janeiro. Papel do óxido nítrico no desenvolvimento de lesões cardíacas na fase aguda da infecção experimental pelo Trypanosoma cruzi. entre outros. 21-23.2. 170-174. Nursing.

datavenia. Col. Título do jornal.scielo. Robert. São Paulo.3. Bras. 1 CD-ROM. Particularidades que identificam a parte (se houver). Donna ZH. seção ou suplemento.php?script=sci_arttext&pid=S0100-9912008000600017&lng=pt&nrm=iso> . 2010.4 Artigo e/ou matéria de jornal Inclui comunicações. WALSER. Disponível em: <http://www. 6. Folha de São Paulo.net /artigos/zunno. 228. resenhas e outros. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM.2 Formato eletrônico AUTOR(ES). entrevistas. 2010. artigo ou matéria. Rio de Janeiro. 20 abr.2. O princípio do não confisco tributário. 5. 2008. etc. editorial. Zero Hora. numeração correspondente ao volume e/ou ano. v.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. n.3. n.br/MostraEdicao.. v. v. Leiomiossarcoma de veia cava inferior. Acesso em: 20 mar. Peixes. CORDEIRO. Dataveni@. local.1 Formato convencional AUTOR(ES).4. dez. 19.3. 11. CREMA. Título do periódico.rbcdh.3. mês. Rev. São Paulo.html>. dia. 2010.2. data ou intervalo de publicação. Rodrigo Aiache. fev. Título da parte. Disponível em: <http://www. v.do?edicao=45>.br /scielo. 12. Eduardo et al . Disponível em: < http://www. HOFFMANN. Carta de um poeta a um senhor. Rodrigo Pereira da et al. páginas inicial-final. 2007. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Choose your Brazil: Rio de Janeiro. SILVA. 2006. 13–15. Acesso em: 10 mar. ano. (para os documentos on-line). n. p.ufsc. 2007. Speak Up. reportagens. recensões. AMACKER. Nome e número do caderno.2. Respostas cardiovasculares agudas de três protocolos de exercício resistido em idosas. São Paulo. DVD. John. 7 jan. n. local de publicação (cidade). 2. 2008.66 5. 2010. 35. p. 5. Melissa. Acesso em: 20 mar. Caderno Mais. Acesso em: dia mês e ano. . páginas inicial-final (quando se tratar de artigo). Porto Alegre. 94. fascículo ou número. Cir. 8-11. Título do artigo. Tempo quente.

Zero Hora. AUTOR(ES). 2010.2. entre outras denominações. SARDENBERG. Título do jornal. Acesso em: 5 abr. dia. Título do artigo. 2010. página. C. Fortaleza. Estes documentos finais podem ser atas. Carlos Alberto. VERISSIMO. n. ADES.asp?codigo= 762806 >. 5 abr. ano 42. seção ou suplemento.estadao. (para os documentos on-line). Acesso em: dia mês e ano. 14853.com/materia. a indicação da paginação do artigo ou matéria precede a data. DVD. 15 abr.2 Formato eletrônico AUTOR. Diário do Nordeste Online. Paulo. 3. F. Disponível em: < http://diariodonordeste. Título do artigo. CATEDRAL ficou lotada de fiéis. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM.67 Quando não houver seção.php>. Nome e número do caderno. Disponível em: < http://www. São Paulo. etc.0. 27 abr. proceedings. 2010. De véus e liberdades. mês. p. dia. São Paulo.shtml>. local. L. Porto Alegre. 4D. O Estado de S. 2010. ano.br/estadaodehoje /20100405/not_imp533702.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>.3.4 Evento como um todo Inclui o conjunto dos documentos reunidos num produto final de um evento. 5 abr.4.com. caderno ou parte. Clóvis. 5. Os animais também pensam: e têm consciência. 2010. São Paulo. 5.uol. Disponível em: < http://www1. anais. Bolsas para todos. Folha de São Paulo.globo. resultados. 2006. ROSSI. Acesso em: 5 abr. local. Acesso em: 5 abr.com. p. 1 abr. Título do jornal. 2010. Jornal da Tarde.2. mês. ano. A posteridade. 2001. .br/folha/pensata/clovisrossi/ ult10116u715267. páginas inicial-final.folha.

68

5.2.4.1 Formato convencional NOME DO EVENTO, número, ano, local de realização (cidade). Título: subtítulo da publicação. Local de publicação (cidade): Editora, data de publicação. CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS, 2., 2008, Rio de Janeiro, RJ. Anais... Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2008. 416 p. IUFOST INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON CHEMICAL CHANGES DURING FOOD PROCESSING, 1984, Valencia. Proceedings... Valencia: Instituto de Agroquímica y Tecnología de Alimentos, 1984. REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA, 20., 1997, Poços de Caldas. Química: academia, indústria, sociedade: livro de resumos. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química, 1997. 3 v.

5.2.4.2 Formato eletrônico NOME DO EVENTO, número, ano, local de realização (cidade). Título: subtítulo da publicação. Local de publicação (cidade): Editora, data de publicação. Descrição física do meio eletrônico (DVD, CD-ROM, etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line).

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/ anais/anais.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997. ENCONTRO DE PESQUISA DAS IES, 3., 2006, Caratinga. Anais... Caratinga: FUNEC, 2006. Disponível em: < http://bibliotecadigital.unec.edu.br/ojs/index. php/unec01/issue/view/1>. Acesso: 28 mar. 2010. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL, 6., 2008, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ABES, 2008. 1 CD-ROM.

5.2.5 Trabalho apresentado em evento Inclui trabalhos individualmente apresentados em evento (parte do evento).

69

5.2.5.1 Formato convencional AUTOR. Título do trabalho apresentado: subtítulo do trabalho apresentado. In: NOME DO EVENTO, número do evento, ano, local de realização do evento. Título da publicação. Local: Editora, data de publicação. Páginas inicial-final (do trabalho).

ALICE, Edison Zanckin. Restauro, revitalização e intervenção arquitetônica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSERVADORES E RESTAURADORES DE BENS CULTURAIS, 13., 2009, Porto Alegre. Preservação do patrimônio: ética e responsabilidade social. Porto Alegre: Abracor, 2009. p. 83-87. AMARAL, L. A. Atividade física e diferença significativa/deficiência: algumas questões psicossociais remetidas à inclusão/convívio pelo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA, 4., 2001, Curitiba. Anais... Curitiba: SOBAMA, 2001. p. 30-31.

5.2.5.2 Formato eletrônico AUTOR. Título do trabalho apresentado: subtítulo do trabalho apresentado. In: NOME DO EVENTO, número do evento, ano, local de realização do evento. Título da publicação. Local: Editora, data de publicação. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, disquete etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line). CALIL JUNIOR, A.; RIBEIRO, M. F. A biblioteca universitária, a monografia e seus personagens. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 15., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: CRUESP, 2009. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/snbu2008/anais/site/pdfs/3503.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2010. RIBEIRO, R. Psicologia social e desenvolvimento do terceiro setor: participação da Universidade. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PSICOLOGIA, 2., 2001, Salvador. Anais... Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2001. 1 CDROM.

70

5.2.6 Trabalhos acadêmicos, dissertações e teses Na elaboração das referências dos trabalhos acadêmicos, das dissertações e das teses, devem ser indicados em nota o tipo de documento (tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso etc.), o grau, a vinculação acadêmica, o local e a data da defesa, mencionada na folha de aprovação (se houver). 5.2.6.1 Formato convencional AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas. Categoria (se é monografia, dissertação ou tese) (Área de concentração) – Nome da Faculdade, Nome da Universidade, Cidade, ano da defesa. ARAUJO, Juliano Bezerra de. Desenvolvimento de método de avaliação de desempenho de processos de manufatura considerando parâmetros de sustentabilidade. 2010. 176 f. Tese (Doutorado em Engenharia) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2010. DIETRICH, Peter. Araçá Azul: uma análise semiótica. 2004. 197 f. (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. EUCLIDES, M. L. Prospecção de informação em sistemas informacionais: a capacitação do usuário em estratégias de busca. 2000. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Uso Estratégico das Tecnologias em Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2000. GUTEMBERG, Helena. Escolas municipais no Rio Grande do Sul. 2004. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação) – Faculdade de Educação Hilarion Antunes, Porto Alegre, 2004.

5.2.6.2 Formato eletrônico AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas. Categoria (se é monografia, dissertação ou tese) (Área de concentração) – Nome da Faculdade, Nome da Universidade, Cidade, ano da defesa. Descrição física do meio eletrônico (DVD, CD-ROM, etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line).

5. São Paulo. Acesso em: 20 mar.usp.2. 5. 141 f.2 Formato eletrônico ÓRGÃO NORMALIZADOR. etc. Local de publicação: Editora. 2009.br/fidetail. data. DVD. Número da norma: título da norma: subtítulo. 5.abntnet.aspx?FonteID=14136>.7. Disponível em: <http://www. data. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Acesso em: 12 jan. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 2010. 2009. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Tese (Doutorado em Cardiologia) – Faculdade de Medicina.71 BARAUNA. .7.1 Formato convencional ÓRGÃO NORMALIZADOR.7 Normas técnicas As normas técnicas agrupam o conjunto de regras gerais para apresentação de trabalhos. 24 p.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-10032010115936/publico/ValerioBarauna. Valério Garrone.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>.2. Disponível em: <http://www. ECA e receptor AT1 participam da mecanotransdução de sinais hemodinâmicos independentemente da angiotensina II.2. Número da norma: título da norma: subtítulo. Universidade de São Paulo. Rio de Janeiro.pdf>. 2002. 2002. 2009. Acesso em: dia mês e ano. 5. Local de publicação: Editora. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM.2.teses. NBR 15287: informação e documentação: projeto de pesquisa: apresentação.com.8 Lei e Decreto Determinação ou preceito emanado de autoridade legislativa. Rio de Janeiro. (para os documentos on-line).

72

5.2.8.1 Formato convencional JURISDIÇÃO (nome do país, estado ou município) ou NOME DA ENTIDADE. Título, numeração e data (dia, mês por extenso e ano). Elementos complementares para melhor identificação do documento (se necessário). Título da publicação: subtítulo, Cidade de publicação, v., p., ano. (Série ou Coleção). Notas BRASIL. Decreto-lei no 5.452, de 1 de maio de 1943. Lex: coletânea de legislação: edição federal, São Paulo, v. 7, 1943. Suplemento. BRASIL. Lei n. 9.273, de 3 de maio de 1996. Torna obrigatória a inclusão de dispositivo de segurança que impeça a reutilização das seringas descartáveis. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 60, p. 1260, maio/jun. 1996. SÃO PAULO. (Estado). Decreto n. 46.324, de 30 de novembro de 2001. Declara de utilidade pública a entidade que específica. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, v. 111, n. 227, p. 89, 1 dez. 2001. Seção 1.

5.2.8.2 Formato eletrônico JURISDIÇÃO (nome do país, estado ou município) ou NOME DA ENTIDADE. Título, numeração e data (dia, mês por extenso e ano). Elementos complementares para melhor identificação do documento (se necessário). Título da publicação: subtítulo, Cidade de publicação, v., p., ano. (Série ou Coleção). Notas. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, DVD, etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line). BRASIL. Lei no 9.887, de 7 de dezembro de 1999. Altera a legislação tributária federal. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 dez. 1999. Disponível em:<http://www.in.gov.br/p_leis/leis_texto.asp?ld=LEI%209887>. Acesso em: 22 dez. 1999.

5.2.9 Constituição É a lei fundamental que regula a organização política de uma nação soberana.

73

5.2.9.1 Formato convencional NOME DO PAÍS. Constituição (ano de promulgação). Título: subtítulo. Cidade de publicação: Editora, ano. Paginação. (Série ou Coleção). BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Série Legislação Brasileira).

5.2.9.2 Formato eletrônico NOME DO PAÍS. Constituição (ano de promulgação). Título: subtítulo. Cidade de publicação: Editora, ano. Paginação. (Série ou Coleção). Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, DVD, etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line). BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. 1 CD-ROM. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: texto consolidado até a Emenda Constitucional nº 64 de 04 de fevereiro de 2010. Brasília: Senado Federal, 2010. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/>. Acesso em: 11 maio 2010. 5.2.10 Doutrina Inclui toda e qualquer discussão técnica sobre questões legais (monografias, artigos de periódicos, papers etc.), referenciada conforme o tipo de publicação. ROCHA, José de Albuquerque. Hermenêutica constitucional e judiciário. Genesis: revista de direito processual civil, Curitiba, v. 5, n. 17, p. 521530, jul./set. 2000. DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009. 8 v.

74

5.2.11 Jurisprudência São as decisões judiciais de maneira geral. Compreendem as súmulas, enunciados, acórdãos e sentenças. JURISDIÇÃO (nome do país, estado ou município). Órgão judiciário competente. Título (natureza da decisão ou ementa) e número. Partes envolvidas (quando houver). Relator, local, data. Dados da publicação que contém a jurisprudência. 5.2.11.1 Formato convencional

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas-corpus nº 181.636-1, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Brasília, DF, 6 de dezembro de 1994. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v. 10, n. 103, p. 236-240, mar. 1998. BRASIL. Tribunal Regional Federal (5. Região). Apelação cível nº 42.441PE (94.05.01629-6). Apelante: Edilemos Mamede dos Santos e outros. Apelada: Escola Técnica Federal de Pernambuco. Relator: Juiz Nereu Santos. Recife, 4 de março de 1997. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v. 10, n. 103, p. 558-562, mar. 1998. PORTO ALEGRE. Câmara Cível, 1. Ação Pública e matéria tributária. Legitimidade do Ministério Público. Reajuste do IPTU. Índice inflacionário de 1994 pelo IGP-M. Taxas de iluminação pública, de coleta de lixo, de limpeza e de conservação de vias e logradouros públicos. Apelação Cível nº 165122517. Apelante: Município de Porto Alegre. Apelado: Ministério Público. Relator: Júlio Gonçalves. Porto Alegre, 23 de setembro de 1998. Revista dos Tribunais do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 52, n. 659, p. 127-157, ago. 2002.

5.2.11.2 Formato eletrônico JURISDIÇÃO (nome do país, estado ou município). Órgão judiciário competente. Título (natureza da decisão ou ementa) e número. Partes envolvidas (quando houver). Relator, local, data. Dados da publicação que contém a jurisprudência. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, DVD, etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. (para os documentos on-line).

0023562-8). [carta]. 27 set.511 – MG (2003. Recorrido: Salvino de Oliveira Libório. [tipo de correspondência. Petrópolis. 2003. 2000. Súmula nº 194. Lúcio. Assunto em forma de nota. Os elementos que devem figurar na referência são: AUTOR DA CARTA.com.12 Carta As especificações definidas neste capítulo devem ser empregadas para elaboração de referências de correspondências. 16. do construtor. 3 p.html>. Local onde foi emitida. 101 PG00305./dez. . São Paulo. é aconselhável que se observe as regras para redação de monografias. para Nome do Destinatário. bilhetes ou telegramas não publicados. Recurso especial n. n. subtítulo. 2009 para José Matias. Total de folhas. carta. Campinas. Recorrente: Ministério Público do Estado de Minas Gerais.75 BRASIL. Disponível em: <http://www. 5. 2004. data. No caso de documentos publicados. ou seja. Julgamento: 24 de setembro de 1997. 5. 506. apresentam-se todos os termos essenciais disponíveis: autor(es). bilhete ou telegrama]. Acesso em: 28 nov. local de destino. título em negrito.jurinforma . 1 CD-ROM. Solicita informações sobre a rede de hotéis da cidade de Campinas.br/sumulas. local. Superior Tribunal de Justiça.2. v. MARCEL. Relator: Ministro Luiz Fux. indenização por defeitos da obra. Jurinforma: jurisprudência on-line.2. Ação civil pública – dano ao patrimônio público. 25 nov. Prescreve em vinte anos a ação para obter. Supremo Tribunal de Justiça. BRASIL. LEX: jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça e Tribunais Regionais Federais. cartas. Processual civil e administrativo. RSTJ v.13 Apostilas Para a apresentação de apostilas. editora e ano. estes devem ser referenciados conforme o tipo de publicação que os contém. 173/184. jan. Brasília.

14 Apontamentos ou notas de aula AUTOR DA NOTA. M. 5. Disponível em: <http://www. DVD.13. 2008.76 Após a referência pode-se colocar uma nota contendo informações sobre o tipo de conteúdo do documento. LOPES. Gravataí: Ulbra. Curitiba. Nota sobre o conteúdo da apostila. Redes socio-tecno-econômicas e desenvolvimento regional. ano. Título: subtítulo.2.ulbra. Nota. (para os documentos on-line). 2 v. Adriano. Fundamentos de geotecnia. Manual de ética. etc. Nota sobre o conteúdo da apostila. 5. Apostila elaborada pelo professor Paulo R.Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. ano. Local.].13.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Roland. 2010. ano. 5. MOURA. Paulo R. . Moura Universidade Presbiteriana Mackenzie . São Paulo: [s. M. Acesso em: dia mês e ano. Título: subtítulo.br/~roland/pub/etica-est-port-2003-1.pdf>. estilo e português para a elaboração de trabalhos acadêmicos. 2000.tche.2 Formato eletrônico AUTOR. Programa de Pós-graduação em Tecnologia. 2003. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Local: Editora. TEODOROWITSCH.2.1 Formato convencional AUTOR. Título: subtítulo. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM.2. Acesso em: 17 mar. Notas de aula da disciplina Tópicos Especiais em Desenvolvimento Regional. professor Décio Estevão do Nascimento.n. Local: Editora.

Fotografia: KOBAYASHI. Doença dos xavantes. ilustração. . Foto apresentada no Projeto ABRA/Coca-cola. p. entre colchetes). K. Caderno 2. Fotografia publicada em periódicos: FRAIPONT.15 Documento iconográfico Inclui pintura. 1 fotografia. cartões postais entre outros. v. Que desmatamento que nada. cartaz.. fotografia. Os elementos essenciais são: autor. Especificações do suporte. John. Zero Hora. 45 out. São Paulo. data e especificação do suporte. Ariadne.15. KELLO. Cena de casamento de Leonor de Moraes Barros e Antonio Carlos Coelho Rodrigues. D2. 1 álbum (28 fot. FRANCO. ELOY. gravura. Data. [19--]. 17. título (quando não existir. 2003. 30 maio 2001. 1 fotografia. Foto do Parque Estadual Delta do Jacuí. Queda no consumo de energia em São Paulo: entre 9 de maio e 23 de maio: 12. gelatina 12 cm x 17 cm. Visuais. 1 fotografia. 12 cm x 7. FREITAS.1 Formato convencional AUTOR. 30 nov. FOTO & VÍDEO. 5. ROTH..): color. 1 fotografia. color. 2 fotorafias. p. deve-se atribuir uma denominação ou a indicação Sem título. G. 1997. 1915. 1980. 34. 1998. n. color. transparência. Amilcar II. São Paulo. p&b. E. 58. Paulo. diafilme. Veja. 21. Coleção Carlos Eugênio Marcondes de Moura no acervo iconográfico do Museu Paulista da Universidade de São Paulo.5 cm.2.5 x 13 cm. J. Título.77 5.6%. Escola Técnica Federal de Santa Catarina. desenho técnico. material estereográfico. p&b. Porto Alegre.2. 1 fotografia. 114-115. p. GARRET. Crepúsculo. E. O Estado de S.. diapositivo.

Curitiba: Mundial Postais. color. 1977. color. José. Gravação de Marcos Lourenço.35 horas. mono. 1997. Montréal (Québec): Juste Pour Voir. Desenhista: Pedro.78 Cartão postal: DREGRAY. Serur Yedid. central de água gelada. 11 x 15 cm. Curitiba: Ópera de Arame. Pyramide du Louvre. 1 cartão postal. Plantas diversas. 11 x 15 cm. 40 cm x 50 cm. N. color. Anízio L. Originais em papel vegetal. Planta arquitetônica: LEVI. Slide ou diapositivo: O DESCOBRIMENTO do Brasil. 11 x 15 cm. 1 original de arte. Paris: J.. 1996. 25 cm x 20 cm. color. Transparência: O QUE acreditar em relação à maconha. 1 cartão postal. 22 transparências. Paisagem-Quatro Barras. 108 f. Montreal: le vieux-port = the old port. Vitória. Coleção particular. Fotografia de Carmem Souza.. 1987. São Paulo: CERAVI. 46 cm x 63 cm. óleo sobre tela.. 1 cartão postal. Edifício Columbus de propriedade de Lamberto Ramengoni à Rua da Paz. D. Projeto final. R. 31 diapositivos. Coleção particular. 1930-33. 15 jul. São Paulo: CERAVI. [2002?]. da obra: 1744/96/Folha 10.. 1985. 2006. R. Desenho técnico: DATUM CONSULTORIA E PROJETOS. M. Gravura: SAMÚ. 1985. + 1 cassete sonoro (15 min). color.. [200-]. MIRANDA. de. 18. color. esquina da Avenida Brigadeiro Luiz Antonio: n. serigraf. Michel. 1 gravura. Hotel Porto do Sol São Paulo: ar condicionado e ventilação mecânica: fluxograma hidráulico. Pintura: MATTOS. SERUR YEDID. .

Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM. quando necessário. data de publicação. ADAMS.cotianet. p&b. Acesso em: dia mês e ano. 1 fotografia. Data. 1 Rótulo. Rio Maior: Idimark Publicidade e Marketing. color.2. Guarulhos: Quaker do Brasil. mapa. editora. Araraquara: Prefeitura do Município de Araraquara. Acesso em: 10 de mar. Paulista com locomotiva elétrica e linhas de bitola larga. designação específica e escala. 5. HANNF. (para os documentos on-line).com. globo. . AIDS-SIDA: manual para profissionais de saúde. 2001. p&b.79 SAID. Eduardo Luiz Veiga. 5. título. 1 fotografia. Rosa Valéria Azevedo. Minor White.16 Documento cartográfico Inclui atlas. Ansel. 1988. 1999. 21 diapositivos. Collere. fotografia aérea entre outros. Beatriz B.2. Título. Especificações do suporte.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Os elementos essenciais são: autor(es). Cartaz: FRIMOR: Feira Nacional da Cebola: Rio Maior de 1 a 5 de setembro de 2001. Memória fotográfica de Araraquara.br/photo/great/Minor_White. Rio de Janeiro: ABEPF. Disponível em: <http://www. 2010. 1 CDROM. DVD. As referências devem obedecer aos padrões indicados para outros tipos de documentos. 2001. local.2 Formato eletrônico AUTOR. In: LOPES.htm>. 1958. 1 cartaz. Rótulo: TODDY instantâneo: alimento achocolatado em pó. etc.15. ESTAÇÃO da Cia.

Descrição do material. data. Os elementos essenciais para a referência são: compositor(es) ou intérprete(s). 1 atlas. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM. gravadora (ou equivalente). 1931-2000 Brazil’s confirmed unprovoked shark attacks. SP). Descrição do material. Edição. ATLAS Mirador Internacional. cassete. Regiões de governo do Estado de São Paulo. Acesso em: 15 jan. 5.jpg>. color. 1 mapa. Escala: 1:475. 2. local. entre outros. Acesso em: dia mês e ano. 5.2 Formato eletrônico AUTOR. (para os documentos on-line). Escala 1:40. Rio de Janeiro: Brasil Energia. data e especificação do suporte. Escala indeterminável.htm>. 1 mapa.16. inverno 1994. Gainesville. título. 1994. São Paulo. color. Buenos Aires: Dirección de Salud y Acción Social de la Armada.flmnh. c2001. Escala. 1920. Rio de Janeiro. FLORIDA MUSEUM OF NATURAL HISTORY. . etc.1 Formato convencional AUTOR. MAPA de Ubicación: vista ampliada. Título: subtítulo.ufl.000.000. Título: subtítulo.80 5. Acesso em: 13 jan. 1 mapa. 1981. color. 2002. Rio de Janeiro: Enciclopédia Britânica do Brasil. data. Local: editora. 2008. Edição.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>.2. Neo Interativa. CD (compact disc). PERCENTAGEM de imigrantes em São Paulo. n.2.000. [2000?].diba. DVD. 1 CD-ROM.edu/ fish/Sharks/ statistics/ Gattack/map/Brazil. Escala indeterminável. Disponível em: <http://www. Escalas variam. Disponível em: <http://www.000. Escala.17 Documento sonoro Inclui disco. BACIA de Campos: concessões petrolíferas de exploração e produção 2008.org/turismo/hoteles/ushuaia/bicacion2. 1 atlas.2. rolo. Escala 1:2. 2002. 1 mapa. INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (São Paulo.16. Local: editora.

1 CD. estereo. [S. . título. R. local.18 Documentos sonoros em parte Inclui partes e faixas de documentos sonoros. 1988.]: Sony BMG. Rio de Janeiro: CBS. 1 disco sonoro. Designação específica.2. A.2. In: SIMONE. Ouro e cobre. COSTA. Revelação. Local: Editora.19. intérprete(s) da parte (ou faixa de gravação). data.l. e da referência do documento sonoro no todo. Versão acústica. 1 CD. título. FAGNER. Face a face. Local da gravadora: Nome da gravadora. A. designação específica e instrumento a que se destina. MPB especial. S.19 Partitura Inclui partituras impressas e em suporte ou meio eletrônico. Lado A. editora. p1977. 5.81 NOME DO ARTISTA OU GRUPO. [Rio de Janeiro]: Globo: Movieplay. c1995. [S.2. 5. Os elementos essenciais são: autor(es).1 Formato convencional AUTOR. 1 CD. faixa 1. data.l. [2001]. 1 cassete sonoro (60 min). seguidos da expressão In:. 5. deve-se informar a faixa ou outra forma de individualizar a parte referenciada. SILVA. Título da obra. Os elementos essenciais são: compositor(es). Jura secreta. Toque macio. Intérprete: Alcione. Título da partitura: subtítulo. data.. São Paulo: RCA Victor. In: ALCIONE. Intérprete: Simone.]: Emi-Odeon Brasil. NOGUEIRA. p1988. GINO. Instrumento a que se destina. Especificação do suporte. Faixa 7. No final da referência. 3 ¾ pps. Emmerson.

1952. Piano.2. 1 DVD (101 min).l. produtora. 1 partitura. data. 5. Canções populares brasileiras. [S. Béla. 1851.) Os elementos essenciais são: título. OS PERIGOS do uso de tóxicos. JOBIM. 5. Rio de Janeiro: Carlos Wehns. Produção: Flashstar Home Video. [S.. Intérpretes: Leonardo DiCaprio. 1983. Vídeo on-line. Acesso em: dia mês e ano.l.ethosbrasil. local. Acesso em: 20 mar. São Paulo: CERAVI. DIÁRIO de um adolescente. diretor.: s. 2002.]. data e especificação do suporte em unidades físicas. 1995. 1 partitura. 2005. produtor. Local: Editora. Wien: Universal. Produção de Jorge Ramos de Andrade. Fervilhar: frevo. MORAES.Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM. TÍTULO. Luciano (Org. Lorraine Branco. (para os documentos on-line).20 Imagens em movimento (DVD. color.]: Warner.pdf>. Disponível em: <http://www. Especificação do suporte em unidades físicas.htm>. A felicidade. OLIVA. Acesso em: 5 jan. Tom. Manaus: Videolar.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. DVD.19.2 Formato eletrônico AUTOR. Instrumento a que se destina. Tiago.82 BARTÓK. .net/picolino/partitur.br. 1 Blu-ray.. Bruno Kirby.). Videocassete. Título da partitura: subtítulo. MOCOTÓ.n. son. etc. Orquestra. O mandarim maravilhoso.2. BATMAN begins. Direção: Christopher Nolan.). Vinícius de. Piano. Disponível em: <http://openlink. GALLET. 2010.. Mark Wahlberg.inter. 1 partitura (23 p.com/parts/Brasil/a_felicidade. 1 videocassete. [19--?]. produtor. [19--]. data. Diretor. Marcos. 1 partitura. Local: Editora. Designação específica.

Local. Título. Criança e Adolescente. Suporte ou endereço eletrônico. entre outros). objetos e suas representações (fósseis. 35 slides. NEOSALDINA: drágeas.2. atribuir uma denominação ao objeto). Notas complementares.5 cm de altura.gov. 71 slides. Jaguariúna: Nycomed Pharma. Local: Laboratório. br/web_data/Materno. 1 vaso.2.2. Data. objetos de museu. 1 CD-ROM. Designação. . Descrição das características físicas do objeto.22 Bula de remédio NOME COMERCIAL OU GENÉRICO: apresentação do medicamento.pb. Valderez. 2008. maquetes.21 Slides de Power-Point AUTOR. 1 bula de remédio.83 5. Adriano. 1 taça. 5. Notas. Coordenação de Promoção à Saúde da Mulher. CERÂMICA marajoara. Responsável técnico. Número de slides. Lucia Ferreira. LITTIERE. 71 cm. Responsável técnico: Wagner Moi. [17--?]. 2010. Curitiba. 23 maio 2008.saude. Data. Acesso em: 16 mar. monumentos. LOPES. 5. Nova interface de pesquisa do SIBI/PUCPR. AUTOR. 2003. Disponível em: <http://www. TAÇA de vidro à maneira de Veneza. Data. ARAÚJO. 10.23 Documentos tridimensionais Inclui esculturas.Título do documento tridimensional (quando não existir. esqueletos.ppt>.7 cm de diâmetro x 24. [199-]. animais empalhados. com a imagem de Nossa Senhora e o menino no fuste também decorado com detalhes azuis.

BR n. 22 de maio de 1994. data da concessão do registro. Número da patente. Medidor digital multissensor de temperatura para solos. US 5720791A. Local: nome da TV ou Rádio. Nota especificando o tipo de programa (rádio ou tv). MOREIRA. SP).2 Formato eletrônico ENTIDADE. 23 out. Feferman.2. Programa de TV. Título. (para os documentos on-line). PI0402260-2. Nome do programa.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. 1989. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM.25.. data da apresentação do programa.25 Patente Os elementos obrigatórios para este tipo de referência são: entidade. número da patente e data de registro. Autor. Israel Henrique S. 2004. 26 jun. . 1995. Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária (São Carlos.84 5. 5. Globo Rural. PI 89031059. EMBRAPA. Autor. 5. MINOLTA COMPANY (Japan). Controle de gasto e desgaste de pastilhas de freio. PHILLIP. Título. 24 feb. BR n.2. Paulo Estevão Cruvinel. data da concessão do registro. Method for manufacturing optical lens elements. autor. Acesso em: dia mês e ano.24 Programa de televisão e rádio TEMA. Número da patente. 2007. Unidade de Apoio. BOTICA COMERCIAL FARMACÊUTICA. 7 mar. 30 maio 1995.25. título. ZEBUS.1 Formato convencional ENTIDADE. 2001. 1998. Cesar Antônio Veiga. 29 set. Uso do álcool vínico em produtos de higiene. DVD. 15 jun. 5712145-9T. P.2. 5.2. cosméticos e perfumes. etc. A. Tomoko Miyaura. responsável. Rio de Janeiro: Rede Globo.

p. 2001.435. 5. Disponível em: <http://164. [mês da entrevista. US 5853661. 1996. [maio. 1998. IMPERIAL CHEMICAL INDUSTRIES PLC (London). Entrevistador:.26 Entrevista NOME DO ENTREVISTADO. 25 jan. 29 maio 2001. M.26. Acesso em: 4 dez. Entrevistador:.2. Saúde da mulher: profissionais avaliam o atendimento neste dia de luta das mulheres. N. 2000. Título da entrevista: subtítulo. US 6017430. data da publicação. Título da entrevista: subtítulo.1 Formato convencional NOME DO ENTREVISTADO. Entrevistador: E. Título de onde foi publicada a entrevista.195.100. DVD. data da publicação. [mês da entrevista. ano da entrevista].. Título de onde foi publicada a entrevista. Local da publicação: Editora. David Ronald Hodgson. SOARES. S.2. Cathode for use in electrolyte cell. Seção Saúde. Elias. n. M.11/netacgi/nphParser?Sect1=PTO2&Sect2=HITTOFF&p=1&u=/netahtml/srchnum. Local da publicação: Editora. LINS. [mês da entrevista. etc. Assis. Descrição física do meio eletrônico (CDROM. 9. 24 dec. . C. 1 CD-ROM. Título da entrevista: subtítulo. 29 dec. data da publicação. 2001]. 06 aug. Voz da Terra. Título de onde foi publicada a entrevista.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>.26. M. Acesso em: dia mês e ano.85 CENDRES ET METAUX SA (Biel).2 Formato eletrônico NOME DO ENTREVISTADO. ano da entrevista]. 5. Jens Fischer. v. High gold content biocompatible dental alloy. 37. Francis Rourke.2. 5. NASCIMENTO. Local da publicação: Editora. (para os documentos on-line). Entrevistador:. 1997.. 16.htm&r=1&f=G &l=5O&s1=6017430x>. C. ano da entrevista].

Disponível em: <http://bases.2.bibliotecarias. Acesso em: 1 nov. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM. DVD. em entrevista exclusiva para o Nova-E. 2000]. programas.inf. [2009]. etc.27 Documentos de acesso exclusivo por meio eletrônico São documentos encontrados somente na sua versão eletrônica.exe/iah/on-line/>. site. [maio 2001]. Disponível em: <http://www. 2006. Local (se houver): Editora (se houver). conjuntos de programas e mensagens eletrônicas entre outros. S. B. [27 abr. Inclui bases de dados. Acesso em: 03 jan.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. C. data (se houver). SOARES. e encara com esperança um futuro melhor para a humanidade. Entrevistador: Fabio Fernandes.27. Disponível em: <http://www. Belo Horizonte. 1 CD-ROM.1 Base de dados As bases de dados são registros dispostos em uma estrutura organizada de maneira que se possa recuperar seu conteudo. 5. Título do serviço ou produto: subtítulo (se houver). 2001.2.br/sueli. Open Source e budismo. Entrevista concedida no lançamento do CD-ROM STRAUD2000: manual de serviços aos usuários. P. listas de discussão. Acesso em: 13 jun. FUNDAÇÃO ESTADUAL DA EDUCAÇAO E CULTURA.br /cgibin/ wxislind. 2009.htm>. . Versão 2.br/exclusivas/pierrelevy. Acesso em: dia mês e ano. 2000.novae. 5. 2000. CENTRO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE. (para os documentos on-line).1. Florianópolis: Estande da USP/UNESP/UNICAMP.htm>. Em defesa da inteligência coletiva: o filósofo mais importante do ciberespaço fala de Napster. Lilacs. arquivos em disco rígido.86 LÉVY. AUTOR (ES).com. Versão (se houver). Base de Dados Cultura Ativa.bireme.

Mensagens trocadas por e-mail têm caráter informal.27. desenvolvida por.27.2. quando houver. Local (se houver): Editora (se houver). São José dos Campos: Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Acesso em: dia mês e ano. Acesso em: 27 nov.3 Sites AUTOR (ES).. AUTOR. 1998. 1998. data (se houver).org. Acesso em: 4 jun.4 Mensagens eletrônicas ou e-mail Artifício da internet que permite compor. Apresenta reproduções virtuais de obras de artistas plásticos do Vale do Paraíba.br>. enviar e receber mensagens. Acesso em: dia mês e ano. Informações complementares (Coordenação.2. apresentado por..br >. Título da lista: subtítulo (se houver).). Disponível em: <lisserv@bdt. 2001. Versão (se houver). GALERIA virtual de arte do Vale do Paraíba. List maintained by the Bases de Dados Tropical. As mensagens que circulam por intermédio do correio eletrônico devem ser referenciadas somente quando não se dispuser de nenhuma outra fonte para abordar o assunto em discussão.2 Lista de discussão Lista de discussão é uma ferramenta gerenciável pela internet que permite a um grupo de pessoas a troca de mensagens via e-mail entre todos os membros do grupo.br/oamis/civitas>. interpessoal e efêmero.com. Disponível em: <listserver@ibict. Acesso em: 25 nov. COMUT-on-line.27. 1998.87 5. etc. Disponível em: <endereço eletrônico>. Título: subtítulo (se houver). Disponível em: <endereço eletrônico>. . 5. BDT in Brasil. Disponível em: <http://virtualval e. e desaparecem rapidamente. BIONLINE Discussion List. data (se houver).. 5. não sendo recomendável seu uso como fonte científica ou técnica de pesquisa. Local (se houver): Editora (se houver). Lista de discussão mantida pelo IBICT para a discussão do Programa Comut.2.

Marlene da Silva Modesto. M. P. Mensagem recebida por <mtmendes@uol. Fichas para MARC [mensagem pessoal].com. ALMEIDA. 2002. 2008.lopes@pucpr. Mensagem recebida por <correio eletrônico do receptor> em dia mês ano. Mensagem recebida por <adriano.. DEGUCHI. . Título ou assunto da mensagem [tipo de mensagem]. Curitibanos.brem> em 12 jan.88 AUTOR.br> em 04 dez. S.. [mensagem pessoal].

do capítulo ou da parte. Não se inicia a numeração das citações a cada página. as citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé. Diz Rui Barbosa: "Tudo é viver. O sistema numérico não deve ser utilizado quando há notas de rodapé.1. a indicação da fonte é feita por uma numeração única e consecutiva. Qualquer que seja o método adotado. em algarismos arábicos. ou situada pouco acima da linha do texto em expoente à linha do mesmo. 6.1 Sistema numérico Neste sistema. permitindo sua correlação na lista de referências ou em notas de rodapé. na mesma ordem em que aparecem no texto."15 . após a pontuação que fecha a citação. previvendo. remetendo à lista de referências ao final do trabalho. ele deverá ser seguido consistentemente ao longo de todo o trabalho. previvendo.1 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO As citações devem ser indicadas no texto por um sistema de chamada: numérico ou autor-data. alinhada ao texto. A indicação da numeração pode ser feita entre parênteses. Quanto à sua localização. 6.89 6 CITAÇÕES As citações são informações extraídas e transcritas de outras publicações durante a realização de um trabalho. têm o objetivo de justificar ou ilustrar determinado assunto que está sendo abordado no decorrer do texto.” (15) Diz Rui Barbosa: "Tudo é viver.

1994. 583).. naquele domingo de 1888. ou pela primeira palavra significativa do título do documento consultado (caso a obra não tenha autoria). de A Semana: “Houve sol. pois. ou pelo nome da entidade responsável até o primeiro sinal de pontuação. visando à formação de um profissional de alto nível [. e grande sol. quando estiverem entre parênteses. O ponto final deve ficar após o fechamento dos parênteses. p. 7). frase) ou entre parênteses. as chamadas pelo sobrenome do autor.. a indicação é feita pelo último sobrenome do autor. p. 2004. 6. Neste caso.2 Sistema autor-data No sistema autor/data. devem ser em letras maiúsculas. em que o Senado votou a lei. deve-se observar o tamanho do texto transcrito.1.1. pela instituição responsável ou título incluído na sentença devem ser em letras maiúsculas e minúsculas e. Se a frase transcrita terminar com um ponto. que a regente sancionou [. No caso das citações diretas.. v. este deve ser inserido dentro das aspas.]” (SALOMON. 3.3 Citações diretas A citação direta ocorre quando as palavras são reproduzidas no trabalho exatamente como constam no original.. “A metodologia se coloca como disciplina e prática acadêmica no curso superior. deve-se respeitar a grafia do texto. estando estes itens inclusos no texto (na sentença. Meyer parte de uma passagem da crônica de “14 de maio”. Nas citações.90 6. seguido da data de publicação do documento. a indicação da responsabilidade faz parte da sentença ou frase. Segundo Salomon (2004) a disciplina metodologia é utilizada dentro de um curso de graduação superior com o objetivo de contribuir para a formação de um profissional de excelência. .]” (ASSIS.

devem ser especificados.” (NORTON. 27) “todo novo dispositivo. ambiente e pacote aplicativo que chega ao mercado traz consigo um novo conjunto de problemas e dilema.” As citações longas (com mais de três linhas) devem ser transcritas em bloco separado do texto. primeiramente a data e em seguida. sistema operacional. sendo as aspas simples utilizadas para indicar citação dentro de outra citação. sistema operacional. Ainda nas citações diretas. p. os textos podem ser divididos em obras de leitura e de consulta. seções ou tomos. fundamentos. os segundos fornecem bases. volumes. Neste caso. 2009. as páginas. De forma genérica. . como está sendo feita uma transcrição literal. fundamentos. ambiente e pacote aplicativo que chega ao mercado traz consigo um novo conjunto de problemas e dilema. os segundos fornecem bases. 2009. com recuo esquerdo de 4 cm a partir da margem. p. os primeiros favorecem a aquisição de conhecimentos atuais e específicos. precedidos pelo termo que os caracteriza de forma abreviada. Para Medeiros (2009. 2). ortografia e pontuação. respeitam-se todas as características do documento original como a redação. os primeiros favorecem a aquisição de conhecimentos atuais e específicos. conceitos necessários à exposição de uma teoria (MEDEIROS. com a mesma fonte do texto. “Todo novo dispositivo. com até três linhas são incluídas no texto e devem estar contidas entre aspas duplas. no texto. p. conceitos necessários à exposição de uma teoria. os textos podem ser divididos em obras de leitura e de consulta. p. Para Norton (2009. em tamanho 10 e espaçamento simples. justificado. 2): De forma genérica. 27).91 As citações curtas.

). pois representa uma forma de resolução de problemas e os problemas não são resolvidos somente utilizando ferramentas e tecnologia (ARAÚJO. 1989. têm as suas datas separadas por vírgula. sob a forma de “demanda coletiva”. pois representa uma forma de resolução de problemas e os problemas não são resolvidos somente utilizando ferramentas e tecnologia. 1997. SILVA. Nava (1986. . As citações indiretas de diversos documentos da mesma autoria. mencionados simultaneamente. em ordem alfabética. as necessidades de todos (FONSECA. 1997. 1997). Ela polariza e encaminha. PAIVA. mas escreve-se com outras palavras. Para Araújo (2007) o algoritmo não é exclusivo da informática. 2007). 2006) subdividiu cada uma das espécies de crustáceos existentes na ilha. 1997. Diversos autores salientam a importância do “acontecimento desencadeador” no início de um processo de aprendizagem (CROSS.92 6. neste caso. MEZIROW.4 Citações indiretas Nas citações indiretas. As citações indiretas de diversos documentos de vários autores. 1986. 1991). Na listagem das referências deve-se incluir os dados de cada obra citada. devem ser separadas por ponto-e-vírgula (. O algoritmo não é exclusivo da informática. se utilizam apenas as idéias do autor. 1984. publicados em anos diferentes e mencionados simultaneamente.1. KNOX. a indicação das páginas é opcional.

Cássio.. 2005. acrescentam-se as iniciais de seus prenomes. C. etc. volume.” (MAGALHÃES. 1965) (BARBOSA. publicados num mesmo ano. O.. (BARBOSA. se mesmo assim existir coincidência.1. em caso de citação direta.5 Citação de obras com um autor A citação é feita utilizando o sobrenome do autor seguido do ano de publicação da obra e com a adição da paginação. após a data e sem espacejamento. 1965) As citações de diversos documentos de um mesmo autor.93 6. De acordo com Reeside (1927a) (REESIDE. Segundo Bernardinho (2006) o líder não deve buscar a popularidade e sim ser um facilitador de bons desempenhos. 1958) (BARBOSA. 1927b) .. 1959) (BARBOSA. colocam-se os prenomes por extenso. tomo. 14). “O conhecimento se dá por meio de muitas formas. Celso. pois pode advir do uso direto de órgãos dos sentidos ou de extensões destes. em ordem alfabética. Quando houver coincidência de sobrenomes de autores. conforme a lista de referências. p. são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas.

O ano de publicação da obra ficará junto ao último sobrenome. indica-se apenas o primeiro seguido da expressão “et al. DE DOMENICO. deve ser utilizado ponto-e-vírgula (. WILLIAMS. p. 2006. separa-se os dois primeiros sobrenomes utilizando vírgula ”. 6. sem pesquisas confiáveis publicadas. apresentando-os na ordem em que aparecem na obra. Para Malerbo e Pelá (2003. 9). p.” (BOOH.” (BREVIDELLI . “De fato.1. o pesquisador pode ter interesse em verificar a existência de relações entre variáveis.” em seguida usa-se “e” ligando o segundo sobrenome ao terceiro. . 46) “a definição de pensamento crítico mais citadas nos artigos e usadas na pesquisa educacional de enfermagem é de Watson e Glaser”. quando estiverem entre parênteses. p.6 Citação de obras com dois ou três autores Quando houver dois ou três autores. 2008. Se os sobrenomes dos autores estiverem na sentença ou frase. confinados às opiniões do momento. COLOMB. seríamos prisioneiros apenas do que vemos e ouvimos.1.) para separá-los.7 Citação de obras com quatro ou mais autores Quando o documento possuir quatro ou mais autores. “Além de descrever dados.94 6. 55).” que significa e outros.

1. “Esta Norma fixa a ordem dos elementos das referências e estabelece convenções para transcrição e apresentação da informação originada do documento e/ou outras fontes de informação..). 6. p.1. O regime pluvial anual médio para a batata-doce. da data de publicação do documento e das páginas da citação.9 Citação documentos sem indicação de autoria No caso de obras sem indicação de autoria ou responsabilidade a indicação é feita pela primeira palavra do título seguida de reticências (.. utiliza-se o nome da instituição por extenso. 6. sendo que cerca de 500 mm são necessários durante a fase de crescimento (SILVA et al.95 Segundo Silva et al.55).. 2004). (2004) o regime pluvial anual médio para a batatadoce.. p.. legítimos e transparentes de avaliação sistemática das suas atividades. levando em conta seus objetivos institucionais e seus compromissos para com a sociedade. dever ser em torno de 750 a 1000 mm. dever ser em torno de 750 a 1000 mm. “As IES implementarão mecanismos democráticos.” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.8 Citação documentos elaborados por instituições Para elaborar as citações. transcrevendo até o primeiro sinal de pontuação. sendo que cerca de 500 mm são necessários durante a fase de crescimento. 1). .” (ANTEPROJETO.. 2002. 1987.

“[.. 2009.]” (CANDIDO. de vez que. acrescenta-se após a mesma.. 2).10 Adição de interpolações. entre parênteses.]” (ALMEIDA. se as reticências entre colchetes forem usadas no final da citação quer dizer que a frase original não termina ali. .. usa-se.] desejo de criar uma literatura independente diversa. poderá omitir parte da citação. 12. comentários. grifo do autor). a expressão “grifo do autor”. p. Ao usar uma citação que já contenha qualquer palavra destacada pelo próprio autor do original. v.” (ALBUQUERQUE et al. “Os espécimes responsáveis pelos acidentes analisados nesse trabalho foram provenientes [exclusivamente] dos municípios de Paudalho e São Lourenço da Mata. 1993. A indicação de supressões é feita com a utilização de reticências entre colchetes: [. p. trecho anterior ao transcrito.]. poderá fazê-lo colocando a expressão entre colchetes: [ ]. Caso o autor queira fazer algum comentário na própria citação. poderá fazer supressões. “Em relação ao paciente-fonte observa-se que os acidentes De maneira similar.96 6... 3). 2007. p. entre parênteses. supressões e grifos Quando o autor julgar necessário. após a citação... a expressão “grifo nosso”. ou seja. aparecendo o classicismo como manifestação de passado colonial [.1. BENATTI. 2. Caso o autor que está transcrevendo algum trabalho queira destacar alguma expressão em uma citação.. Aqui podemos perceber que. se houver reticências entre colchetes no início da citação significa que há um aconteceram em situações em que as medidas preventivas nem sempre foram atendidas [..

... deve-se incluir.1..”) no trabalho. A partir da visão estática. 6. etc). a expressão tradução nossa.11 Citação de traduções Quando a citação incluir texto traduzido pelo autor.. 4. 2009. 111) “uma maneira de aumentar a energia de um sistema é realizando trabalho sobre ele. essa citação aparecerá entre aspas simples (‘. o sistema não “contém mais trabalho”.). indicar entre parênteses.) e sujeitos processuais (RUA.” (LINO. grifo nosso).. comunicações. PACHECO-FERREIRA.97 “A abordagem da população atingida pelo acidente com óleo diesel se fez por meio de entrevistas realizadas pela pesquisadora como procedimento principal da realização deste trabalho. a teoria geral do processo compreenderia “ o estudo dos elementos básicos gerais com uma informação introdutória prévia (.. p. o sistema não ‘contém mais trabalho’. p.. p. 7. 1991. após a chamada da citação. No trabalho: Segundo Russel (1994.12 Citação de informações verbais Quando se tratar de dados obtidos por informação verbal (palestras. entre parênteses.1. mas depois. a expressão informação verbal. . Ao usar um trecho que contenha alguma expressão entre aspas duplas (“.” 6. tradução nossa).’). Texto original: Uma maneira de aumentar a energia de um sistema é realizando trabalho sobre ele. jurisdição. debates. processo (.. mencionando-se os dados disponíveis em nota de rodapé. ação. mas depois.

6.98 No texto: O novo medicamento estará disponível até o final deste semestre (informação verbal)¹.1.php>.14 Citação de citação A citação de citação ocorre quando não se tem acesso ao documento original e a menção da obra é feita através de um outro trabalho.uftm. aconselha-se registrar no texto o autor do site (se houver) ou o título como nas citações de obras publicadas e citar a fonte nas referências conforme indica o item 4 deste manual.. Disponível em:< http:// www. Vacinação contra a gripe A atenderá a comunidade UFTM. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO.br/_spi/noticias/noticia.edu. 6.1. Uberaba. Deve-se evitar ao máximo . No rodapé da página: ____________ ¹ Notícia fornecida por John A.13 Citação de informações extraídas da internet Quando a citação se tratar de informações retiradas de sites da internet.. em Outubro de 2001. 2010./. 2010). No texto: A vacinação será dividida em três etapas principais entre os dias 10 de março e 23 de abril e irá abranger aos trabalhadores e alunos da universidade.php?seq=3324&as=sala de imprensa> notícias&pg=_spi/noticia&setor=ASSESSORIA DE IMPRENSA&ti=Vacinação contra a gripe A atenderá a comunidade UFTM&nv=2&origem=. em Londres. Acesso em: 6 mar. 2010./index. Na referência: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. Smith no Congresso Internacional de Engenharia Genética.

172 apud SEGATTO. 172) consta na obra de Segatto. preservado de modo encapuçado na Carta de 1946. p. 1995. 214-215). p. 214-215). Para fazer uma citação de citação utiliza-se o sobrenome do autor da obra original seguido da expressão apud (expressão latina que significa citado por) e sobrenome do autor da obra consultada.. (1995..” (VIANNA.99 este tipo de citação. p. p. .] o viés organicista da burocracia estatal e o antiliberalismo da cultura política de 1937. “[. que foi efetivamente consultada. 1986. Na referência bibliográfica deve aparecer a obra de Segatto. No caso abaixo. procurando sempre que possível consultar o documento original. a idéia de Vianna (1986.

Rio de Janeiro. ______. 1988. NBR 15287: informação e documentação: projeto de pesquisa: apresentação. BREVIDELLI. Rio de Janeiro. Acesso em: 05 maio 2011. ______. NBR 6034: preparação de índice de publicações. DOMENICO. Rio de Janeiro. ______. NBR 12225: informação e documentação: lombada: apresentação. ______. Anderson. São Paulo: Iátria. . 2003. Rio de Janeiro.100 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.com/2011/02/trabalhos-academicos-abnt. 2002. ______.html>. 2003. ______. Trabalhos acadêmicos ABNT. ______. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Disponível em: < http://andersonbukoski. Rio de Janeiro. 2011. NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito: apresentação. 1989. ______. NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação. NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. 2004. ______. 2011. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: ABNT. [2011]. 2002. NBR 10522: abreviação na descrição bibliográfica. ______. Rio de Janeiro. NBR 6029: informação e documentação: livros e folhetos: apresentação. Rio de Janeiro. 2002. 2006. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. ______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro. 2003. Maria Meimei. 2003. BUKOSKI. Edvane Birelo Lopes de. Trabalho de conclusão de curso: guia prático para docentes e alunos da área da saúde. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.blogspot.

Maria Célia Carvalho de (Org.php?titulo=Normas%20de %20apresenta%C3%A7%C3%A3o%20tabular&link=Normas_de_Apresentacao_Tab ulares>.iar. Maira Nani. 5.). RESENDE. Manual de normas para elaboração de trabalhos técnicos científicos: de acordo com as normas da ABNT. 2005.unesp.br/pdf/ 9756. Redação científica: a prática de fichamentos. Teses e dissertações da UNICAMP: diretrizes para normalização do documento impresso e eletrônico. Maria Bernadete. SILVA. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA.pdf> . 2010. gov. Disponível em:< http://www. Acesso em: 27 abr.br/pg/forms/Manual_NormalizacaoTeses_ Dissertacoes_UNICAMP. Manual de normalização: teses e dissertações (de acordo com a NBR-6023/2000). Manual para elaboração de referências: conforme a NBR 6023:2002. Acesso em: 01 mar. 2004.gif>. Normas de apresentação tabular. Ribeirão Preto: Holos. 1996. São Paulo: Atlas. 2007.pdf>. Grupo de Trabalho Normalização Documentária da UNESP. 2010. 11. IBGE. FRANÇA.com. 2006.n. trabalhos acadêmicos. Apresentação escrita de trabalhos científicos. rev. Disponível em: <http://portal. João Bosco. SALOMON. Guia para normalização de trabalhos científicos: projetos de pesquisa. 2010. 2010. FORMATAÇÃO do trabalho.]. 2007.sulsc. 2009. 2006. Belo Horizonte: UFMG. Acesso em: 20 mar. PELÁ. resenhas. Angela Maria. Manual para normalização de publicaçöes técnicocientíficas. São Paulo. PINHEIRO.101 FRANÇA. 2003.br/afolha/monografia/abnt. Curitiba. 3. Porto Alegre. Como fazer uma monografia. ed. atual. [S. SENAC. dissertações e teses. . Disponível em: <http://biblioteca. Maria Salete de Freitas. resumos. Délcio Vieira.l.biblioteca.: s.com. 2010.unicamp. Acesso em: 20 mar. Nilza Tereza Rotter. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.br/pages/normalizacao. Normalização documentária para a produção científica da UNESP: normas para apresentação de referências segundo a NBR 6023:2002 da ABNT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.senacrs. Coordenadoria Geral de Bibliotecas. Disponível em: <www. Júnia Lessa.ibge. 2003. MEDEIROS.br/visualizacao/monografias/visualiza_colecao_digital.pdf>. Campinas.ed. ed. 2010. Disponível em: <http://www. Uberlândia: UFU. Acesso em: 20 mar. São Paulo: Martins Fontes. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. MALERBO.

102 ANEXO A – Abreviatura dos meses .

edu.br Site: http://www.103 Biblioteca Universitária Rua Frei Paulino.edu.br/biblioteca .uftm. 30 – Bairro – Abadia CEP – 38025-180 – Uberaba – MG Tel: (34) 3318 5610 e-mail: biblioteca@cppg.uftm.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful