Exposição Formandos 2º/2010

Jardim Vem
Adriana Lopes

O Jardim Vem é um site specific cujo espaço é tranquilo e agradável. O principal objetivo do Jardim Vem é ser um lugar de meditação e de contemplação, onde o espectador pode desenhar e reconhecer-se através do desenho. Nesse lugar estimula-se a imaginação infinita, tudo é válido para se ter o efeito desejado: desenhar com o rastelinho, um sopro na areia, usar os dedos, batidinhas, o que sua criatividade mandar. O que importa é fazer o que se sente e reproduzir os seus sonhos no Jardim Vem, pois este é o princípio da experienciação presente neste trabalho.

Biu-Adami
Alexandre Azevedo

SOBRE OS DESENHOS: Biu lembranças 2 26042009-1932 FOI UM DESENHO FEITO A PARTIR DE LEMBRANÇAS DE INFANCIA, UMA SÉRIE DE 3 DESENHOS COM TIRAGEM ÚNICA 1/1. 2 Biu e Bia Congada 05042010-0408-1 DESENHO INSPIRADO NA MUSICA CONGADA DE ROMILDO E TONINHO NASCIMENTO, INTERPRETADA NA VOZ DE CLARA NUNES, O NOME DO DESENHO É UMA HOMENAGEM A ESSA MUSICA, AOS COMPOSITORES E A PRÓPRIA CLARA NUNES. Biu-Ambrosio 01072010-1310 (2) ESSE DESENHO DE COMPOSIÇÃO INICIAL BASTANTE SIMPLES, é inspirado no personagem Mestre Ambrósio, do cavalo-marinho , da zona da mata norte pernambucana.

Vida Acolchoada
aline ogliari

tinta de pano acolchoado de cor tingi o branco do isopor retalhos nessa junção dividem o espaço pintura em fração aline ogliari

Vaesmo
Aníbal Alexandre

Vaesmo é uma experiência audiovisual interativa. É proposto ao público que se faça uma vídeoarte, possibilitada pelo uso de uma interface diferenciada. Criamos o programa VijhoDrão que é livre para ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem nenhuma restrição. Batizamos de VijhoDrão, em referência ao termo VJ ou Visual Jóquei, meio de expressão ligado a performance de vídeo ao vivo, que tem se tornado muito popular na atualidade em eventos musicais, principalmente de música eletrônica. A obra tenta relacionar performance visual e sonora, e Teoria do Caos. Os vídeos são registros de

performances nas quais foram executadas músicas com instrumentos ou meios não convencionais. Câmeras presas dentro de roda de bicicleta, percussão ou mesmo captando sons

executados nos vergalhões de um canteiro de obras.

Memorabilia
Luciana Bastos

Memorabilia é um termo em inglês que significa “coisas notáveis e dignas de recordação ou registro, também, o registro delas”. Este nome foi escolhido não somente por significar, de forma resumida, a essência deste livro de memórias, mas também pelo fato de a palavra Memorabilia ter surgido de forma repentina, da forma que ocorre ao recordarmos de algo involuntariamente, de algo que estava oculto. O Memorabilia se encaixa na categoria “livro de artista” e é uma espécie de diário, não é um diário de palavras, nem um diário virtual e nem um diário somente de arquivos, no entanto dentro dele se encaixam palavras e se encaixa a idéia do “arquivar”.

Tensões da Terra
Luiza Mader Paladino A terra (apanhemos simplesmente um punhado de terra) Esta mistura comovente do passado dos três reinos, toda atravessada, infiltrada, percorrida aliás pelos seus germes e raízes, pelas suas presenças vivas: é a terra. O que é perfeitamente espontâneo no homem, no que à terra diz respeito, é a imediata afecção de familiaridade, de simpatia, e mesmo de veneração quase filial... ...Porque ela é a matéria por excelência. Ora, a veneração da matéria... que haverá de mais digno do espírito? Enquanto que o espírito venerando o espírito... está-se a ver isso? - Até se vê demais. Francis Ponge

Pólipo: estéticas digitais entre a favela e os recifes de coral
Roni Ribeiro

A presente instalação trata da construção de um jogo de vida artificial que atua de forma independente da manipulação de um usuário e cujos componentes celulares simulam o comportamento de pólipos de coral (formadores dessas estruturas). Pólipo Digital possui em seu comportamento aspectos da formação de favelas. Buscou-se no contexto da poética simular o comportamento dos pólipos nesses organismos artificiais para que eles construam um recife digital que tenha padrões de construção similares às estruturas formais dos recifes de coral e das favelas, para que dessa forma se obtivesse, ao final do processo, um recife digital cuja estrutura formal procura apresentar, esteticamente, tanto um recife de coral quanto uma favela como estrutura formal.

A Maldade
Silvie Eidam

O trabalho exposto é um video projetado sobre fumaça, que sobe de um cubo de aproximadamente 140cm aberto somente por uma brecha na sua parte superior. O cubo é localizado no ambiente escuro de um quarto vizinho do espaço oficial da galeria, acessado visualmente por uma porta aberta. Uma câmera ligeiramente escondida dos olhos do observador capta a imagem do mesmo na hora que se virar em direção à fumaça em que ele mesmo aparecerá de forma destorcida pelo movimento irregular da fumaça subindo. A irregularidade da fumaça determina a nitidez da imagem e assim influencia na sua identificação. Sem indícios, pela câmera discreta, a pessoa se enxerga na fumaça, sem se reconhecer imediatamente. Ou melhor, sem reconhecer a sua imagem censurada, não controlada. Esse primeiro momento, em que a pessoa projetada entra em contato consigo mesma sem se projetar conscientemente é o momento em que a pessoa entra em contato com o seu lado sombra. O sujeito é objetificado por si mesmo e é alvo das projeções inconscientes dos seus próprios conteúdos reprimidos. A integração do objeto no sujeito, e vice versa, é a ruptura da dicotomia agonizante do sujeito fragmentado pela estrutura binária da cultura ocidentalizada.

Museu Ovo
Susanna Aune

O Projeto de intervenção urbana Museu Ovo consiste em travestir o Museu Nacional em um ovo, utilizando um tecido. As imagens aqui apresentadas são estudos, a partir de manipulação de fotografias. A população de Brasília costuma utilizar a frase “Brasília é um ovo” para referir-se à constante intersecção dos círculos sociais. Não raro, os brasilienses, ao se conhecerem, percebem que possuem relações em comum. As teias se entrelaçam, revelando o caráter provinciano da quarta cidade mais populosa do Brasil. A intervenção urbana “Museu Ovo” pretende, de forma lúdica, remeter visualmente a imagem do Museu Nacional ao sentimento coletivo da comunidade brasiliense quanto às suas relações e interações, tanto no âmbito social, quanto no político e cultural. Reduzir a escala da cidade à de um objeto tão pequeno é uma forma de frisar que os brasilienses estão sempre em meio a conhecidos.

TATUAGEM URBANA, PIXAÇÃO HUMANA
Taiom

O trabalho trata das conexões entre tatuagens e pichações, simbologias e conceitos destas visualidades ligadas à marginalidade e seus desdobramentos, seja no corpo humano ou no corpo urbano. A tatuagem da cidade e a pichação do corpo, são os pontos iniciais da pesquisa poética onde se baseia a produção artística do autor, que se desdobra no campo das Composições Urbanas1 e Tatuagens.

1. Termo utilizado pelo Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos, em contraposição ao termo ‘intervenção urbana’, pois não pretende intervir na cidade, mas sim compor com ela novos contextos.

Artistas expondo: Adriana Lopes Alexandre Azevedo Aline Ogliari Ana Carolina Pinheiro Aníbal Alexandre Carolina Vecchio Débora Passos Engracia da Costa Fernanda Paixão Flávia Mendes Gabriela Starling Helouysa Costa Jackson Marinho Laryssa Gabrielle Laurem Crossetti Luciana Bastos Luiza Mader Paladino Maisa Ferreira Raquel Mendes Roni Ribeiro Silvie Larissa Eidam Susanna Aune TAIOM Tom Gomes

Master your semester with Scribd & The New York Times

Special offer for students: Only $4.99/month.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Cancel anytime.