You are on page 1of 83

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Curso de Pós-Graduação em Física






Produção de Nanomateriais Semicondutores e
Caracterização de suas Propriedades Estruturais,
Térmicas e Ópticas.

Kleber Ersching





Dissertação apresentada ao curso de Pós
Graduação em Física da Universidade
Federal de Santa Catarina como requisito
para obtenção do grau de Mestre em
Física.

Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo
Maduro de Campos












Florianópolis, fevereiro de 2009.





























Dedico este trabalho a quem devoto amor incondicional...
Minha Família











iv

Agradecimentos
Por mais que eu tente detalhar aqui todos os meus agradecimentos, será
impossível mensurar o infindável apoio recebido durante esses dois anos de trabalho e
pesquisa. Não é apenas com o intuito de se fazer juz, mas sim com muita honra e
orgulho que venho a registrar e a declarar nesse pequeno texto um agradecimento a
todos que de uma maneira ou de outra se encontram nas entrelinhas desta dissertação.
Ao eterno Deus, por apresentar-me as pessoas certas, por me fornecer saúde e
todos os apetrechos necessários ao meu aperfeiçoamento intelectual e moral durante
essa caminhada.
Tenho a honra de dedicar um agradecimento especial ao meu orientador
Professor Doutor Carlos Eduardo Maduro de Campos pela dedicação, seriedade,
atenção, confiança depositada em mim, paciência com que compartilhou seus
conhecimentos e experiências durante todas as etapas desse trabalho, convivência,
amizade, pelas risadas, pelo espírito de luta e determinação invejável a serem seguidas.
Ao Professor João Cardoso de Lima pela honrosa oportunidade de convivência
e aprendizado acerca dos complexos assuntos tratados nessa dissertação. Ao Professor
Tarciso Antônio Grandi, que apesar da pouca convivência, também contribuiu nesse
trabalho.
Aos amigos do Laboratório de Síntese e Caracterização de Materiais (LSCM)
Sérgio, Daniela, Cláudio, Fabrício, Rangel e Leandro pelas discussões que direta ou
indiretamente contribuíram para o aperfeiçoamento dessa obra.
Ao Douglas Langie da Silva do Laboratório Central de Microscopia Eletrônica
(LCME) da UFSC pelas medidas de microscopia eletrônica de varredura.
Ao Prof. Dr. Paulo Sérgio Pizani (DF/UFSCar, São Carlos – SP) pelas medidas
de espectroscopia Raman.
À Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior (CAPES) pelo suporte
financeiro.
Ao amor da doce Monique, sempre me amparando com imensurável carinho e
afeto ao longo de toda a minha formação acadêmica.
Enfim, a minha mãe Odaléia, ao meu pai José e a minha irmã Késsia por todo
amor e apoio, sem os quais nada disso seria possível.

v

Índice Remissivo

Agradecimentos ........................................................................................................... iv
Resumo ....................................................................................................................... vii
Abstract ......................................................................................................................viii
Lista de Abreviações .................................................................................................... ix
Lista de Figuras ............................................................................................................ xi
Lista de Tabelas ........................................................................................................... xiii
O Estado da Arte ......................................................................................................... xiv
Motivação Científica ................................................................................................... xvi

Introdução .................................................................................................................... 1

Capítulo 1 ..................................................................................................................... 5
Sistemas Estudados ................................................................................................... 5
1.1 Sistema In-Sb ................................................................................................... 5
1.2 Sistema Zn-Te................................................................................................... 6
1.3 Sistema Cd-Te .................................................................................................. 8

Capítulo 2 ................................................................................................................... 10
Técnicas Experimentais ........................................................................................... 10
2.1 Mecano-Síntese ............................................................................................. 10
2.2 Difração de Raios X......................................................................................... 17
2.2.1 Posição dos picos – Lei de Bragg ............................................................. 18
2.2.2 Intensidade dos picos – fator de estrutura .............................................. 19
2.3 Calorimetria Diferencial de Varredura ............................................................ 23
2.4 Espectroscopia de Absorção Fotoacústica ...................................................... 24
2.5 Fluorescência de Raios X por Dispersão de Energia ........................................ 27
2.6 Espectroscopia Raman ................................................................................... 28



vi

Capítulo 3 ................................................................................................................... 30
Resultados e Discussões .......................................................................................... 30
3.1 Sistema In-Sb ................................................................................................. 30
3.1.1 Síntese .................................................................................................... 30
3.1.2 Análise DRX............................................................................................. 30
3.1.3 Análise DSC ............................................................................................. 34
3.1.4 Análise Raman ........................................................................................ 37
3.1.5 Análise PAS ............................................................................................. 39
3.2 Sistema Zn-Te................................................................................................. 40
3.2.1 Síntese .................................................................................................... 40
3.2.2 Análise DRX............................................................................................. 41
3.2.3 Análise DSC ............................................................................................. 44
3.2.4 Análise Raman ........................................................................................ 45
3.2.5 Análise PAS ............................................................................................. 47
3.3 Sistema Cd-Te ................................................................................................ 50
3.3.1 Síntese .................................................................................................... 50
3.3.2 Análise DRX............................................................................................. 50
3.3.3 Análise DSC ............................................................................................. 52
3.3.4 Análise Raman ........................................................................................ 53

Capítulo 4 ................................................................................................................... 56
Conclusões .............................................................................................................. 56
Sugestões de estudos futuros .................................................................................. 57

Anexo 1 ....................................................................................................................... 58
DRX- Correção de Intensidade ................................................................................. 58
Anexo 2 ....................................................................................................................... 59
A variação de pressão na célula fotoacústica ........................................................... 59

Referências Bibliográficas ........................................................................................... 62


vii

Resumo
Nessa dissertação de mestrado a Mecano-Síntese foi utilizada para produzir
nanomateriais semicondutores (In-Sb, Cd-Te e Zn-Te) na forma de pó. Propriedades
estruturais, térmicas e ópticas das ligas foram estudadas. A fase estrutural majoritária
nucleada em todos os materiais foi cúbica do tipo blenda de zinco. Os modos
vibracionais ópticos típicos dessa estrutura foram estudados e em alguns casos foi
possível averiguar heterogeneidade local nas amostras. A difusividade térmica foi
obtida considerando como mecanismo dominante a flexão termoelástica e apresentou
aumento devido ao tratamento térmico para todas as amostras estudadas.
A difração de raios X foi utilizada para acompanhar a evolução estrutural das
amostras em função do tempo de moagem. As informações cristalográficas das fases
cristalinas identificadas foram obtidas da análise de Rietveld dos difratogramas
experimentais. Para apoiar a identificação de fase, a composição química das ligas
moídas e tratadas termicamente foi analisada por fluorescência de raios X.
A calorimetria diferencial de varredura foi utilizada para testar a estabilidade
térmica desses materiais através da observação de reações endotérmicas e exotérmicas
relacionadas a fusões, cristalizações, relaxações estruturais, crescimentos de grãos e/ou
variação no calor específico, bem como para quantificar variações de calor (variação de
entalpia) associadas a algumas das reações citadas.
A espectroscopia de absorção fotoacústica revelou os mecanismos responsáveis
pela propagação de calor nas amostras e permitiu quantificar a difusividade térmica, o
coeficiente de difusão dos portadores, além da velocidade e o tempo de recombinação
de portadores na superfície. Já com a espectroscopia Raman foram determinadas as
frequências dos modos ópticos longitudinais e transversais das estruturas blenda de
zinco, bem como aquelas associadas a modos do Te, Sb ultra tensionado e/ou de
multifases.
O grande número de técnicas e resultados experimentais presentes nesta
dissertação apontam não só o êxito no cumprimento das metas do projeto de pesquisa
inicial, mas também a formação de um profissional ético, preocupado com segurança no
trabalho e com habilidades de instrumentação/controle de processos, informática,
redação/publicação de artigos em revistas internacionais e eventos, obtenção e
gerenciamento de recursos, incluindo prestação de contas.
viii

Abstract
In this master works the Mechanical Alloying was used to produce powder
semiconductor nanomaterials (In-Sb, Cd-Te and Zn-Te). Structural, thermal and optical
properties of these alloys were studied. The main structural phase nucleated in all
materials was the cubic zinc blend. The optical vibrational modes were studied and, in
some cases, local heterogeneity was observed. The thermal diffusivity was obtained
considering the thermoelastic bending as the dominant heat transfer mechanism and has
decreased due to the thermal annealing for all samples.
X-ray diffraction was used to follow the structural evolution of the samples with
the milling time. Crystallographic information of the identified crystalline phases was
obtained from the Rietveld analysis of the experimental difractograms. To assist the
phase identification the chemical composition of the mechanical alloyed and thermal
annealed samples were analyzed by energy dispersive X-ray spectroscopy.
Differential scanning calorimetry was used to test the thermal stability of the
samples by observating endo and exothermic reactions related to melting,
crystallization, structural relaxation, grain growth and/or changing in the specific heat,
as well as to quantify enthalpy variations associated to some of the reactions cited.
Photoacoustic absorption spectroscopy showed the mechanism responsible for
heat conduction in the samples and this have permitted to obtain the thermal diffusivity
constant, carrier diffusion coefficient, surface recombination velocity and recombination
time. With Raman spectroscopy the frequency of the longitudinal and transversal optic
modes of the zinc blend structures were determined, as well as those associated to Te
and ultra-stressed Sb modes and/or multiphase states.
The large number of techniques and experimental results in this manuscript
show not only the success in achieving the goals of the initial research project, but also
the training of an ethic professional, worried with security and with habilities in
instrumentation/control processes, computer, composition/publication of articles in
international journals and events, obtaining and managing resources, including
rendering of accounts.

ix

Lista de Abreviações

a b c, o | ¸ parâmetros de rede;
o coeficiente de expansão térmica e coeficiente de difusividade térmica;
AH variação de entalpia;
u
ph
fase do sinal fotoacústico;
ì comprimento de onda;
p densidade;
t tempo de recombinação;
%wt fração de fase cristalina (weight percent);

BPR ball-to-powder weight ratio;
CNTP condições normais de temperatura e pressão;
D coeficiente de difusão dos portadores;
DRX difração de raios X;
DSC differential scanning calorimetry;
EDX energy dispersive X-ray microanalysis;
f frequência de modulação do chopper;
f
c
frequência de corte;
FWHM full width at half maximum;
l espessura das amostras preparadas para as medidas PAS;
LEDs light emission diodes;
LO modo óptico longitudinal (longitudinal optical);
LSCM Laboratório de Síntese e Caracterização de Materiais;
MS mecano-síntese;
MR método de Rietveld;
NMs nanomateriais;
p tamanho médio de cristalitos;
PAS photoacoustic absorption spectroscopy;
R
bragg
Rwp parâmetros que indicam a qualidade dos ajustes pelo método de Rietveld
RF rádio frequência;

x

s microdeformação;
S amplitude do sinal fotoacústico;
TO modo óptico transversal (transversal optical);
U
iso
amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado;
v velocidade de recombinação dos portadores na superfície;
x y z posição dos átomos na cela unitária;
Z número atômico;
ZB zinc blend;



xi

Lista de Figuras
Figura 1: Modelo bi-dimensional de um sólido nanoristalino [25]. Os círculos pretos e
brancos representam respectivamente a componente cristalina e interfacial. .. 1

Figura 2: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb. ......................................... 6

Figura 3: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te......................................... 7

Figura 4: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te. ....................................... 8

Figura 5: À esquerda: pote, tampa, esferas e anel de vedação. À direita: moinho SPEX
8000 CertPrep. ............................................................................................ 10

Figura 6: Os cinco estágios da MS descritos por Benjamim e Volin [69]. .................... 11

Figura 7: Visão geométrica da Lei de Bragg. ............................................................... 18

Figura 8: (a) padrão de XRD para um cristal perfeito. (b) padrão de XRD de um cristal
real. ............................................................................................................. 19

Figura 9: Esquema da célula de DSC utilizada. 1) cilindro de prata, 2) amostra, 3)
referência, 4) disco de cromo, 5) tampa, 6) termopares, 7) disco termoelétrico
de Constantan.............................................................................................. 23

Figura 10: Esquema da estação PAS utilizada. ............................................................. 24

Figura 11: Representação esquemática do processo de fluorescência. .......................... 27

Figura 12: Padrões DRX da amostra InSb (R1) com o tempo de moagem. Rigaku-
MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões DRX do In, Sb, In
2
O
3
e InSb extraídos do ICSD
[45]. ............................................................................................................ 31

Figura 13: Padrões DRX da amostra InSb (R2) com o tempo de moagem. Rigaku-
MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões de DRX do In, Sb, In
2
O
3
e InSb extraídos do [45].
................................................................................................................... 32

Figura 14: Padrões DRX das amostras 10h-InSb e tt-InSb. No detalhe aumento da
região 2θ ~ 25 - 55°. Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões de DRX do In, Sb,
In
2
O
3
e InSb extraídos do [45]. .................................................................... 32

Figura 15: Padrões DRX experimentais e ajuste MR (sobrepostos) das amostras 3h-InSb
(R2), 10h-InSb (R3) e tt-InSb (R3). Em cinza as respectivas curvas diferença.
Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Os símbolos ▼, V e | correspondem às posições
das fases ZB-InSb, I
2
O
3
cúbica e Sb trigonal, respectivamente. .................... 33

Figura 16: Curvas DSC da mistura In + Sb (0 h), das amostras 3h-InSb, 10h-InSb e tt-
InSb. O detalhe mostra um aumento da região entre 320 e 488 °C. .............. 35
xii


Figura 17: Evolução com o tempo de moagem das curvas DSC de aquecimento (a) e
esfriamento (b) da amostra InSb (R1). ......................................................... 36

Figura 18: Espectros Raman das amostras 10h-InSb e tt-InSb (regiões #1, #2 e #3) e das
referências Sb e InSb. Lente objetiva = 100x. .............................................. 37

Figura 19: (a) Log de S versus Log f e (b) Φ
ph
versus f das amostras 10h-InSb
(quadrados) e tt-InSb (triângulos). As linhas pretas representam ajustes das
equações (21) e (23). ................................................................................... 39

Figura 20: Padrões DRX dos pós precursores de c-Te e c-Zn e das amostras 15h-ZnTe e
tt-ZnTe. As linhas cinzas representam as diferenças entre os padrões
ajustados pelo MR e os experimentais. Xpert-PanAlitycal (Cu-k
α
). Os
símbolos representam as fases Te trigonal (|), α-TeO
2
tetragonal (+), Zn
hexagonal (●), ZnO hexagonal (○) e ZB-ZnTe cúbica (V). ........................... 41

Figura 21: Padrões DRX experimentais e ajustes MR (sobrepostos) das amostras en-
15h-ZnTe e en-tt-ZnTe. Em cinza as respectivas curvas diferença. Xpert-
PanAlitycal (Cu-k
α
). Os símbolos ▼, +, V e | representam as fases ZB-InSb,
ZnO hexagonal, Te trigonal e β-TeO
2
ortorrômbica, respectivamente. ......... 43

Figura 22: Curvas DSC das amostras c-Te e 15h-ZnTe. ............................................... 45

Figura 23: Espectros Raman das amostras c-Te, 15h-ZnTe e tt-ZnTe. No detalhe
aumento da região de alta frequência. As linhas sobrepostas são ajustes de
funções Lorentzianas. Lente objetiva = 50x. ................................................ 46

Figura 24: (a) Log S x Log f e (b) Φ
ph
x f das amostras 15h-ZnTe (quadrados) e tt-ZnTe
(círculos com cruzes). Linhas sólidas representam os ajustes teóricos usando
as equações (21), (22) e (23). ...................................................................... 48

Figura 25: Padrões DRX das amostras c-Cd, c-Te, 15h-CdTe e tt-CdTe. Os ajustes MR
(15h-CdTe e tt-CdTe) estão sobrepostos aos experimentais e as curvas
diferença são mostradas em cinza. Os símbolos |, +,▼e V representam as
fases Cd hexagonal, CdO cúbica, Te trigonal e α-TeO
2
tetragonal. .............. 51

Figura 26: Curvas DSC dos pós precursores (c-Cd e c-Te) e das amostras 15h-CdTe e tt-
CdTe. A linha pontilhada representa a segunda medida da amostra 15h-CdTe.
................................................................................................................... 53

Figura 27: Espectros Raman dos pós precursores (c-Cd e c-Te) e das amostras 15h-
CdTe e tt-CdTe. As linhas sobrepostas correspondem aos ajustes com
Lorentzianas. As linhas pontilhadas ilustram as contribuições dos modos TO
e LO da fase ZB-CdTe. Lente objetiva = 50x. .............................................. 54

Figura 28: Padrão DRX da liga tt-InSb como coletado e corrigido pela equação (31)
usando δ = 0,5°. .......................................................................................... 58

Figura 29: Seção reta da célula OPC utilizada nas medidas PAS.................................. 59
xiii


Lista de Tabelas

Tabela 1: Relação entre o número total de átomos e o percentual de átomos na
superfície [24]. .............................................................................................. 2

Tabela 2: Parâmetros estruturais da análise Rietveld das amostras 3h-InSb, 10h-InSb, tt-
InSb e 60h-InSb utilizando o pacote de programas GSAS. Largura de linha
instrumental medida com uma amostra padrão de Y
2
O
3
. a, c = parâmetro de
rede; U
iso
= amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado; p =
densidade; p = tamanho médio de cristalitos; s = microdeformação; %wt =
fração de fase cristalina. .............................................................................. 34

Tabela 3: Valores da temperatura de pico e da variação de entalpia (∆H) das reações
vistas nas curvas DSC das amostras 0 h, 3h-InSb, 10h-InSb, 60h-InSb e tt-
InSb. ........................................................................................................... 35

Tabela 4: Frequências das linhas Raman (em cm
-1
) vistas nos espectros das amostras
10h-InSb e tt-InSb e das referências Sb e InSb. ........................................... 38

Tabela 5: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das
amostras de 15h-ZnTe e tt-ZnTe utilizando o GSAS. Amostra padrão de
Y
2
O
3
. .......................................................................................................... 42

Tabela 6: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das
amostras en-15h-ZnTe e en-tt-ZnTe utilizando o GSAS. Amostra padrão de
Y
2
O
3
. .......................................................................................................... 44

Tabela 7: Frequências dos modos Raman ativos (cm
-1
) detectados para as amostras c-
Te, 15h-ZnTe e tt-ZnTe. .............................................................................. 47

Tabela 8: Espessura da amostra (l
s
), difusividade térmica (α), coeficiente de difusão dos
portadores (D), velocidade de recombinação dos portadores na superfície (v) e
tempo de recombinação (τ) obtidos das medidas PAS das amostras 15h-ZnTe
e tt-ZnTe. * Valores de α obtidos de cálculos teóricos de ponderação. ........ 49

Tabela 9: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões DRX das
amostras 15h-CdTe e tt-CdTe utilizando o GSAS. Amostra padrão α-Al
2
O
3

(NBS 674). .................................................................................................. 52

Tabela 10: Frequência dos modos Raman ativos (em cm
-1
) das amostras c-Te, 15h-CdTe
e tt-CdTe. .................................................................................................... 55

xiv

O Estado da Arte
As primeiras ligas semicondutoras II-VI e III-V foram produzidas há quase seis
décadas, nas formas de cristais e monocristais, pelos métodos de esfriamento lento,
vaporização e Bridgman [1-3]. Com a necessidade de novos produtos e tecnologias, a
busca por novos materiais semicondutores (em diferentes formas: pó, filme,
nanométrica, etc.) e o desenvolvimento de novas rotas de produção (deposição química
de fase gasosa, epitaxia por feixe molecular, pulverização catódica por rádio frequência,
etc.) se fizeram necessários.
De maneira semelhante, as técnicas utilizadas para caracterização de materiais,
incluindo modelos teóricos para descrever suas propriedades físicas, também evoluíram.
O desenvolvimento de novos detectores e elementos ópticos específicos para difração
de raios X tornou as experiências mais precisas, rápidas e com menores distorções. As
análises estruturais utilizando modelos teóricos atuais permitem aferir efeitos de
anisotropia sobre o tamanho e microdeformação de cristalitos a partir de padrões de
difração de raios X. Muitas técnicas se desenvolveram a fim de permitir análises de
regiões superficiais cada vez menores (< 10 um de diâmetro), como é o caso da micro-
difração de raios X (uDRX), micro-Raman e microscopia eletrônica.
Segundo a literatura, diferentes métodos de síntese já foram empregados na
produção das ligas semicondutoras estudadas nessa dissertação (InSb, ZnTe e CdTe). A
liga InSb pode ser obtida na forma de monocristal através do método de Czochralszki e
também na forma de filme fino quando produzida por epitaxia por feixe molecular e
deposição de vapor químico [4-6]. Essas técnicas permitem obter um material de fase
cristalina pura e altamente orientada, possibilitando o uso do mesmo na fabricação de
diodos e transistores. Recentemente, Yang e colaboradores [7] produziram nanofios de
InSb utilizando a técnica de deposição eletroquímica pulsada e mostraram que, a
resistência elétrica de aglomerados de nanofios de InSb em função da temperatura é
menor quando os nanofios de InSb possuem diâmetros de ~ 50 nm. Na forma de pó a
liga de InSb pode ser produzida por mecano-síntese (rota sólida) [8], a qual
diferentemente dos métodos citados acima produz materiais com elevado grau de
defeitos, tornando-os interessantes em estudos que avaliam a influência dos defeitos
sobre as propriedades dos materiais.
xv

As ligas de ZnTe e CdTe podem ser produzidas na forma de pó [9 e 10], filmes
finos, nanocristais e nanofios, utilizando as técnicas de síntese de evaporação térmica,
evaporação por paredes quentes (hot-wall evaporation), pulverização catódica por rádio
frequência, epitaxia por feixe molecular, processos solvotérmicos e mecano-síntese [11-
23].
Nos dias atuais o campo de aplicações de ligas semicondutoras II-VI e III-V é
diverso, incluindo células solares (ZnTe, CdTe, CdS, CdZnTe e GaAs), detectores de
radiação infravermelha (InSb, InAs, HgCdTe e Al
x
Ga
1-x
As-GaAs), materiais
piezelétricos (ZnO, CdS e AlN), diodos emissores de luz (LEDs – light-emitting diodes,
ZnTe, GaP, GaN, AlN) e diodos laser (ZnTe, InAs, GaN e GaAs). Não resta dúvida que
o desenvolvimento de novas rotas de síntese e uma caracterização detalhada desses
semicondutores levará ao aumento nas possibilidades de aplicação dos mesmos.

xvi

Motivação Científica
A produção de nanomateriais (NMs) tem experimentado um rápido
desenvolvimento devido à ampla variedade de aplicações em áreas tecnológicas, tais
como eletrônica, catálises, cerâmicas, armazenamento e leitura magnética de dados,
componentes estruturais, entre outras. Do ponto de vista de pesquisa básica, a
importância de estudar NMs está relacionada não só com a descoberta de novas rotas de
produção destes novos materiais, mas também com a verificação experimental e
desenvolvimento de teorias quânticas que permitam explicar as novas propriedades
físicas e químicas dos NMs.
Desde 1992 pesquisadores do Laboratório de Síntese e Caracterização de
Materiais (LSCM) do Departamento de Física da UFSC vêm se dedicando a produção e
caracterização de materiais nanocristalinos e amorfos usando a mecano-síntese (MS).
Como fruto dessas pesquisas diversos trabalhos e artigos foram publicados em
periódicos/congressos especializados nacionais e internacionais. Entre os resultados
mais interessantes destacam-se: o efeito do envelhecimento (instabilidade estrutural), o
modelo teórico que prevê a forma final de ligas intermetálicas, a influência de reagentes
oxidados, etc. Além disso, nove dissertações de mestrado e duas teses de doutorado
foram concluídas, reforçando a vocação dos membros do LSCM em formar recursos
humanos.
Esta dissertação iniciou-se em 2007 enfatizando a produção de ligas
nanocristalinas semicondutoras III-V de In-Sb pelo método de mecano-síntese (MS) e a
caracterização estrutural, térmica e óptica das mesmas. Mais tarde ligas II-VI de CdTe e
ZnTe produzidas por MS em 2004 pelo professor Heinrich Höhn (departamento de
Física – UFSC) passaram a ser estudadas, sendo que foi parte deste estudo a síntese de
uma nova amostra de ZnTe. Escolheu-se estudar as ligas semicondutoras mencionadas
acima devido à grande quantidade de informações disponíveis (para amostras bulk) na
literatura e a reconhecida importância desses materiais na fabricação de dispositivos
óptico-eletrônicos, tais como: detectores infravermelhos, câmeras de imagens térmicas,
sensores magnéticos, transistores, sistema de guia de mísseis por infravermelho, células
solares, moduladores óptico-eletrônicos, LEDs azuis, geração de radiação terahertz
pulsada, entre outras.

1

Introdução
anomateriais são materiais que possuem pelo menos uma de suas
dimensões da ordem de dezenas de nanômetros (10
-9
m). Nesta escala as
dimensões dos blocos que constituem a microestrutura dos materiais são comparáveis as
dimensões dos comprimentos críticos de alguns fenômenos físicos, tais como:
comprimento de coerência, livre caminho médio para fônons e elétrons, etc. Desta
maneira, a interpretação e o entendimento de fenômenos associados às propriedades dos
nanomateriais extrapolam os limites de validade das leis da física clássica. Nanocristais
de ouro menores que 5 nm, por exemplo, podem se fundir a 300 °C, enquanto que na
forma bulk funde-se a 1063 °C [24]. Novos produtos baseados em nanociência vêm
sendo desenvolvidos para aplicações em medicina, odontologia, ciência da computação,
engenharia de materiais, farmacologia, na indústria automobilística e aeroespacial, entre
outras.
De maneira geral, os materiais sólidos podem ser divididos em duas classes:
materiais cristalinos e materiais vítreos ou amorfos. Materiais cristalinos possuem
configuração atômica com ordem de longo alcance e materiais vítreos ou amorfos
possuem configuração atômica com ordem de curto alcance (primeiros vizinhos).
Recentemente [24] os materiais cristalinos vêm sendo divididos em duas subclasses: i)
submicrométrica, com tamanho de cristalito entre 100 e 300 nm e ii) nanocristalina,
com tamanho de cristalito inferior a 100 nm.
Os NMs são formados por duas componentes: uma chamada de cristalina, a qual
possui basicamente a mesma estrutura dos
materiais bulk (ordem de longo alcance), e a
outra de interfacial, composta pelos átomos que
restam nas regiões de interface e de contorno
de grãos. A Figura 1 ilustra esquematicamente
essas duas componentes. Fundamentalmente,
uma estrutura cristalina é formada a partir da
minimização da energia livre existente entre os
átomos que compõem o material. Desta forma,
um cristal perfeito é aquele que minimiza o seu
estado de energia livre. Entretanto, nem mesmo
N
Figura 1: Modelo bi-dimensional de um
sólido nanoristalino [25]. Os círculos pretos e
brancos representam respectivamente a
componente cristalina e interfacial.
2

os materiais do tipo bulk atingem um nível de mínima energia a ponto de serem
considerados perfeitos. Assim, os materiais cristalinos estão sempre sujeitos a defeitos
associados a tensões, deformações, etc. De maneira semelhante, a estrutura atômica da
componente interfacial é minimizada através do campo de potencial gerado pelos
cristais adjacentes. Consequentemente, a estrutura da componente interfacial depende
tanto das forças de ligação interatômica quanto da desorientação relativa dos cristais
adjacentes. Dependendo do método de fabricação utilizado para sintetizar os NMs,
diferentes tipos de defeitos podem ser introduzidos (lacunas, contorno de grão, tensões,
defeitos de encaixe entre diferentes estruturas, deformações, discordâncias, linhas de
defeitos, falhas de empilhamentos, etc.). Desta forma, a estrutura da componente
interfacial dos NMs também depende da técnica de produção utilizada para a síntese dos
mesmos.
NMs com cristalitos inferiores a 20 nm possuem aproximadamente 50% dos
átomos na região de contorno de grão e interfaces (componente interfacial). Uma
característica marcante dos NMs é a
elevada razão entre a área superficial dos
cristalitos e o volume dos mesmos. Com a
diminuição do tamanho de cristalito, o
percentual de átomos na superfície dos
mesmos aumenta (ver Tabela 1). Assim,
altas frações de átomos na superfície dos
cristalitos associado aos seus tamanhos e
formas extremamente pequenas, fazem
com que os NMs apresentem
propriedades diferentes e distintas dos
materiais bulk [24]. Logo, a possibilidade
de manipulação das componentes
cristalina, e principalmente, interfacial,
vem sendo um dos grandes atrativos dos NMs.
Progressos significativos têm sido alcançados nas últimas décadas para
compreender os aspectos fundamentais da síntese de NMs, bem como, várias técnicas
têm sido desenvolvidas para a síntese em escala comercial. As técnicas de síntese de
NMs são fundamentadas em quatro rotas [24]:
Tabela 1: Relação entre o número total de átomos e o
percentual de átomos na superfície [24].

Número total
de átomos
Átomos na
superfície (%)

13 92

55 76

147 63

309 52

561 45

1415 35
3

 vapor (deposição química de fase gasosa, deposição física de fase
gasosa...),
 líquida (sol-gel, eletrodeposição, solidificação rápida ou quenching...),
 sólida (MS) e,
 combinações das anteriores.
As rotas (com exceção da rota sólida) envolvem basicamente o agrupamento de
conglomerados de átomos em fase de vapor ou líquida e a subsequente condensação das
mesmas para formar nanopartículas. Em contraste, a rota sólida é baseada na
decomposição estrutural de grãos espessos através de severas deformações plásticas.
NMs produzidos na forma de pó podem ser consolidados (peças massivas) pelas
técnicas de prensagem a quente [26 e 27], extrusão a quente [28], prensagem isostática a
frio [29 e 30], prensagem isostática a quente [29-32] e ondas de choque (shock waves)
[33]. Entretanto, podem ocorrer recristalizações e crescimento de cristalitos durante o
processo de consolidação, principalmente para NMs feitos por MS [24]. A consolidação
por ondas de choque parece ser mais vantajosa, pois produz elevada tensão compressiva
durante curtos períodos (1-10 μs), provocando elevada deformação das partículas e
produzindo elevado grau de compactação sem o crescimento de cristalitos [24].
As propriedades elétricas, magnéticas, mecânicas, térmicas e ópticas dos NMs
dependem diretamente do tamanho, estrutura e, obviamente, composição química dos
seus cristalitos [25]. As numerosas interfaces existentes nos NMs fornecem uma
elevada densidade de caminhos curtos de difusão e a difusividade pode ser 14 a 20
ordens de grandeza maior do que em policristais de mesma composição química. A
solubilidade de H em Pd nanocristalino é de 10 a 100 vezes maior que em um
monocristal. Um aumento incrível de 10000 vezes já foi observado para a solubilidade
de Bi (soluto) em Cu nanocristalino (solvente) a 100 °C. Além disso, a literatura mostra
que a formação de soluções sólidas de Ag/Fe e Cu/Fe só é possível no estado
nanocristalino. O aumento do calor específico (c
p
) com temperatura é mais intenso para
NMs que para policristais. A literatura reporta aumentos de 29% do c
p
do Pd
policristalino e 53% para Pd nanocristalino entre 150 e 300 K. Para uma amostra de Ru
bulk o c
p
aumenta de 15% entre 150 e 260 K, após 32 h de moagem mecânica o aumento
observado foi de 20%. O coeficiente de expansão térmica (α) de nanocristais de Cu é 31
x 10
-6
K
-1
e para monocristais é 16 x 10
-6
K
-1
. Este aumento significativo no α é
atribuído a expansão térmica dos contornos de grão. Medidas de difração de raios X de
filmes finos de Au revelam um deslocamento quadrático médio <μ
2
> dos átomos nos
4

contornos de grão quase duas vezes maior que para materiais bulk (0,007 Å
2
). Este fato
leva a conclusão de que a curvatura do potencial interatômico efetivo é menor para os
átomos nas regiões de contorno de grão (Ref. n° 296 em [25]).
O conteúdo deste trabalho está organizado em quatro capítulos. No capítulo 1
são apresentadas revisões bibliográficas acerca dos sistemas estudados. No capítulo 2 as
técnicas experimentais utilizadas são descritas. No capítulo 3 são apresentados os
detalhes da síntese, resultados e discussões da caracterização de cada sistema estudado.
As conclusões finais são apresentadas no capítulo 4. Nos anexos são descritos a
influência dos tipos fendas utilizadas em difratômetros de DRX na intensidade dos
picos dos padrões de DRX e detalhes relacionados à espectroscopia de absorção
fotoacústica.

5

Capítulo 1

Sistemas Estudados

Este capítulo apresenta uma pequena revisão bibliográfica dos sistemas In-Sb,
Cd-Te, e Zn-Te estudados nessa dissertação.

1.1 Sistema In-Sb
A liga InSb é um interessante semicondutor do ponto de vista tecnológico por
possuir o menor gap (0,17 eV) [34], maior mobilidade eletrônica e velocidade de
saturação [35] entre os dispositivos semicondutores e é comumente aplicada em
detectores de imagens térmicas, sensores magnéticos e transistores rápidos [36-39].
Recentemente, filmes finos de InSb crescidos em substrato de GaAs permitiram
a produção de sensores milimétricos, de baixo custo, para a detecção de sinais de altas
frequências estacionárias (infravermelho médio) em temperatura ambiente (como por
exemplo, a irradiação do corpo humano quando estático) [40]. Esta característica pode
ser considerada um bom melhoramento quando comparada com o tamanho dos sensores
piroelétricos, os quais exibem dificuldades de miniaturização e de detecção de radiação
infravermelha. Outro estudo recente demonstrou que monocristais de InSb bulk dopados
com Te são candidatos promissores para aparelhos termoelétricos, tendo um valor
máximo na figura de mérito de 0,6 em 673 K [41]. InSb também tem substituído os
fotodetectores de gap variável HgCdTe em aplicações tecnológicas [42].
De acordo com o diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb apresentado
na Figura 2 [43], o único composto (liga) que pode ser obtido a partir dos elementos de
In e Sb é o antimoneto de índio (InSb), cuja temperatura de fusão é de 525,7 °C (± 10
°C [44]). Neste diagrama é possível observar um ponto eutético em 492,5 °C (± 10 °C
[44]) quando em 68,2 at% de Sb (± 4 at% [44]). Do ponto de vista cristalográfico a liga
de InSb tem estrutura cúbica do tipo blenda de zinco (zinc blend - ZB), grupo espacial F
-4 3 m com parâmetro de rede igual a 6,4791 Å quando em temperatura ambiente [43].
Também já foram observadas a temperaturas e/ou pressões elevadas ligas de InSb com
6



Figura 2: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb.

estruturas ortorrômbica, hexagonal e tetragonal [45 e 46].
Cristais de InSb vêm sendo preparados pelo método de esfriamento lento desde
1954 [1]. Também já foram preparados por epitaxia por feixe molecular, método de
Czhochralszki, deposição de vapor químico e MS [4-6 e 8].

1.2 Sistema Zn-Te
Devido ao seu ótimo gap de energia (2,25 eV) e baixa afinidade eletrônica (3,53
eV), a liga de ZnTe é um dos semicondutores mais atraentes para fabricação de vários
dispositivos optoeletrônicos: diodos emissores de luz verdes, detectores de campo
eletro-óptico, células solares foto-eletroquímicas, telas/monitores a base de fósforo
altamente eficientes, detectores de raios X, dispositivo de fonte de luz em projetores de
televisão e em sinais de transmissão [47-54].
O diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te é mostrado na Figura 3
[43]. O único composto (liga) que pode ser obtido a partir dos elementos de Zn e Te é o
telureto de zinco (ZnTe), cuja temperatura de fusão é de 1300 °C. Neste diagrama existe
um ponto eutético em 1215 °C quando em 65,4 at% de Te. A liga de ZnTe tem estrutura
7

cúbica do tipo ZB, com parâmetro de rede igual a 6,1037 Å quando em temperatura
ambiente [43]. Fase de alta pressão ortorrômbica e trigonal já foram observadas [45].


Figura 3: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te.

Ligas de ZnTe já foram obtidas por técnicas de evaporação térmica, evaporação
por paredes quentes (hot-wall evaporation), pulverização catódica por rádio frequência
(RF), epitaxia por feixe molecular, MS e processos solvotérmicos [11-18]. A maioria
delas foi obtida na forma de nanofilmes, monocristais, e mais recentemente, estruturas
nanocristalinas em uma dimensão foram reportadas [52]. Além disso, a liga de ZnTe
tem sido proposta como uma candidata em potencial para aplicações em telas
fosforescentes sensíveis a raios X por possuir propriedades superiores aos materiais
comumente utilizados, tais como o Gd
2
O
2
S
2
e o ZnS [52].
Embora a fotoluminescência do ZnTe dopado com oxigênio, cobre, itérbio,
arsênio, etc. [55], tenha sido amplamente reportada, luminescência com propriedades
espectrais e intensidade apropriada para aplicações em telas fosforescentes sensíveis a
raios X ainda não foram alcançadas. Este fato é atribuído a elevada sensibilidade a
umidade e instabilidade química durante a síntese. Na presença de água ou umidade,
ZnTe decompõe-se facilmente para formar precipitados de ZnO, Te e TeO
2
, os quais
podem eliminar a luminescência por produzirem estados de defeitos eletrônicos na
região proibida (gap de energia).
8

Recentemente, Kang e colaboradores [52] moeram uma amostra de ZnTe
(99,999%) na forma bulk por 48 h em uma atmosfera de oxigênio com elevado grau de
pureza (99,994%) a fim de formar ZnTe:O para aplicações em telas fosforescentes
sensíveis a raios X. Eles atribuíram o sucesso da preparação dos pós fosforescentes de
ZnTe à ausência de umidade durante a síntese da liga pelo método de moagem.

1.3 Sistema Cd-Te
A Figura 4 mostra o diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te [43].
Neste diagrama pode-se observar apenas a existência do composto cristalino telureto de
cádmio (CdTe), cuja temperatura de fusão é de 1098 °C. Em temperatura ambiente


Figura 4: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te.

encontra-se na forma estrutural cúbica do tipo ZB com parâmetro de rede igual a 6,488
Å [43]. Em pressões elevadas o composto CdTe pode ser encontrado nas formas
estruturais ortorrômbica, tetragonal e trigonal [45]. Na forma cúbica a liga
semicondutora de CdTe possui um gap direto igual a 1,44 eV [56].
Assim como o silício, CdTe é um material que também possui aplicações em
células solares fotovoltaicas, mas tem a vantagem de ser mais barato e a desvantagem
de ser menos eficiente e mais tóxico. É comumente intercalado entre sulfeto de cádmio
9

(CdS) para formar junções p-n em células solares fotovoltaicas. Células fotovoltaicas
com eficiência de até 16% baseadas em estruturas de CdTe/CdS já foram obtidas e,
recentemente, novas possibilidades de dispositivos utilizando CdTe foram exploradas
[57].
CdTe é usado como detector de radiação nuclear (ligado com pequenas
quantidades de zinco funciona como um excelente detector de raios X e raios gama)
[58], janelas de lasers (laser windows), moduladores eletro-ópticos, substrato para
dispositivos optoeletrônicos baseados em HgCdTe e seu uso em janelas e lentes ópticas
na região do infravermelho é limitado devido sua toxidade.
Até o presente a liga de CdTe já foi preparada pelas técnicas de evaporação por
paredes quentes, pulverização catódica RF, epitaxia por feixe molecular, processos
solvotérmicos e eletrodeposição [19-22] na forma massiva (bulk) [59], de filme,
monocristalina e nanocristalina. Recentemente, nanocristais de CdTe foram sintetizados
com sucesso pela técnica MS [60] a partir da mistura de pós elementares de altíssima
pureza de (Cd – 99,99%, Te – 99,999%), um moinho de alta energia SPEX 8000D e
uma razão entre a massa das esferas e dos pós (BPR) de 20:1. Depois de 8 h de moagem
o tamanho médio de cristalitos era de 23 nm, chegando a valores entre 2 e 6 nm para 50
horas de moagem. Os autores mostraram ainda que é possível alterar a região de
absorção óptica usando agentes orgânicos.

10

Capítulo 2

Técnicas Experimentais
Esse capítulo traz uma descrição das técnicas experimentais que forneceram os
resultados dessa dissertação. Para as técnicas estudadas por mais tempo (MS, difração
de raios X e espectroscopia de absorção fotoacústica) serão apresentados mais detalhes
e para as outras (fluorescência de raios X por dispersão de energia, calorimetria de
varredura diferencial e Raman) serão descritos apenas os princípios básicos e os
arranjos experimentais utilizados.

2.1 Mecano-Síntese
A Mecano-Síntese (MS), também conhecida por Síntese-Mecânica, do termo em
inglês Mechanical Alloying, destaca-se devido seu poder de produzir materiais
nanocristalinos [61 e 62], amorfos [63 e 64] e soluções sólidas [8]. Outra vantagem
desta técnica é a capacidade de produção de ligas de elementos com temperaturas de
fusão muito diferentes, como por exemplo, metais de transição e selênio [65-67]
( . Além disso, o baixo
custo e simplicidade de operação aliados a possibilidade de produção em larga escala
fazem da MS uma técnica promissora para os setores industriais e de desenvolvimento.

Figura 5: À esquerda: pote, tampa, esferas e anel de vedação. À direita: moinho SPEX 8000 CertPrep.
11

A MS pode ser descrita da seguinte maneira: (i) deposita-se dentro de um pote
cilíndrico (geralmente de aço inoxidável) pós elementares de alta pureza e esferas
maciças (geralmente também de aço inoxidável), (ii) fecha-se o conjunto pós + esferas
dentro do pote cilíndrico em uma atmosfera inerte para em seguida (iii) montá-lo em um
moinho de bolas. No caso da moagem partir de ligas já formadas utiliza-se a
denominação Moagem Mecânica (Mechanical Milling). A Figura 5 mostra o tipo de
pote, esferas e moinho utilizados nessa dissertação.
A síntese via MS se dá através de reações de estado sólido envolvendo repetidas
fraturas e soldas-a-frio das partículas dos pós [8]. Benjamin e Volin [68] descreveram a
MS em cinco estágios, descritos e ilustrados (Figura 6) a seguir:


Figura 6: Os cinco estágios da MS descritos por Benjamim e Volin [69].

 Estágio 1: Diminuição do tamanho de partículas dos pós precursores. As
partículas mais moles (módulo de bulk menor) ganham forma de agulha ou
lamelar, enquanto as partículas mais duras são fragmentadas. Nesse estágio tem-
se o início de uma espécie de soldagem a frio dessas partículas, resultando em
partículas compósitas arranjadas em camadas paralelas.
 Estágio 2: Com o aumento do tempo de moagem o número de partículas
compósitas arranjadas em camadas paralelas aumenta e novas soldagens-a-frio
acontecem, resultando em uma estrutura lamelar espessa e com composição
mais homogênea.
12

 Estágio 3: Com a continuação da moagem ocorre redução na espessura da
estrutura lamelar de tal maneira que provoca o surgimento de “pescoços”,
levando a divisão desta estrutura em partículas com forma equiaxial.
 Estágio 4: Devido às colisões realizadas pelas esferas novas soldagens-a-frio das
partículas ocorrem de maneira aleatória, formando novas partículas compósitas.
 Estágio 5: A distribuição de tamanho de partículas compósitas é estreita e de
composição química uniforme. As partículas compósitas atingem um máximo de
dureza. Os elementos químicos aprisionados nas interfaces das partículas
soldadas podem apresentar uma energia de mistura negativa e elevada,
garantindo condições para que reações químicas no estado sólido ocorram. A
estrutura de defeitos introduzida nas partículas, devido à intensa deformação
mecânica realizada nos estágios anteriores, pode alterar os coeficientes de
difusão dos espécimes que constituem as partículas. Assim, essas condições
possibilitam a nucleação de novas fases, sejam elas amorfas ou cristalinas.

Apesar da simplicidade na execução e da versatilidade da técnica MS, trata-se de
um processo de síntese complexo que envolve pelo menos dez variáveis: tipo de
moinho, tipo de pote, velocidade da moagem, tempo de moagem, meio de moagem,
razão entre a massa de esferas e a massa de pós (ball-to-powder weight ratio - BPR),
grau de preenchimento do pote, atmosfera de moagem, agentes de controle do processo
e a temperatura da moagem. Devido à correlação existente entre essas variáveis a
concepção de modelos teóricos que consigam prever de maneira precisa o produto final
da moagem é uma tarefa árdua e que requer grande habilidade computacional além de
profundos conhecimentos de física e química. Como consequência, a maioria dos
modelos encontrados descreve somente partes dos mecanismos envolvidos durante a
MS [70-73].
A descrição dessas variáveis é fundamental para garantir a reprodutibilidade da
MS, bem como para elucidar influências que estas podem exercer sobre a caracterização
do produto final.
1) Tipos de Moinhos.
Existem basicamente três tipos de moinhos: agitação, planetário e atrito. As
amostras estudadas nessa dissertação foram feitas num moinho de agitação O
movimento de vibração desse moinho é tal que o movimento do pote tem a forma de
“8”. A amplitude de vibração ( 5 cm) e a velocidade de rotação ( 1200 rpm) aferem
13

altas velocidades às esferas de moagem ( 5 m/s) e, consequentemente, as forças de
impacto também são altas. No moinho planetário, as velocidades lineares das esferas
são ainda maiores, porém a frequência de impacto é muito menor. Por isso os moinhos
de agitação são considerados de alta energia e os moinhos planetários de baixa energia.
O moinho de atrito é considerado de baixa energia e é utilizado para produção em larga
escala (entre 0,5 e 100 kg)
2) Tipos de potes.
O tipo de material do qual é feito o pote é um fator importante a ser considerado,
pois algum material pode se desprender do mesmo e incorporar-se ao pó que se deseja
sintetizar durante a moagem. Se o material do pote for diferente do pó, então poderá
haver contaminação com material vindo do pote. Por outro lado, se o pó e o pote forem
do mesmo material, então a composição química poderá ser alterada. Aços duros
dopados com Cr e temperados, aços inoxidáveis e ligas de carbeto de tungstênio (WC-
Co, WC-aço) são os materiais mais usados para fabricação de recipientes para MS.
A forma do pote, especialmente o desenho interno, também é importante. Potes
com fundo plano ou curvo são os mais comuns. Harringa e colaboradores (Ref. nº 101
em [8]) mostraram que a síntese da mistura de Ge-Si é menos eficiente com pote de
fundo curvo.
3) Velocidade da Moagem.
É fácil perceber que quanto maior for a frequência de vibração (velocidade de
rotação), maior será a energia das ferramentas de moagem. Dependendo do tipo de
moinho, altas frequências de vibração podem levar a temperatura do pote a valores
altíssimos. Isso pode ser vantajoso em casos onde a difusão é requerida para promover a
homogeneização e/ou a síntese, mas em outros pode ser uma desvantagem, pois acelera
processos de transformação/decomposição de soluções sólidas supersaturadas e/ou fases
meta-estáveis e pode facilitar a contaminação dos pós. No caso particular de
nanocristais, o aumento de temperatura com altas intensidades de moagem provoca
recristalização (tamanho médio de cristalitos aumenta e a microdeformação diminui)
(Ref. nº 103 em [8]).
A temperatura máxima alcançada depende do tipo de moinho e dos sistemas
(mistura de pós). As temperaturas estimadas para os mais variados sistemas (metálicos,
cerâmicos, semicondutores) são da ordem de 50
o
C (Ref. nº 203 em [8]) usando
moinhos de agitação. Porém, alguns estudos usando moinhos planetários sugerem
temperaturas superiores a 600
o
C (Ref. nº 92 e 217 em [8]) como a única alternativa
14

para justificar a formação de fases polimórficas de altas-temperaturas por MS. Outro
estudo mostra que a fase cúbica (pirita) de alta pressão (≈ 6 GPa) do calcogênio CuSe
2

pode ser obtida utilizando um moinho planetário a 2800 rpm [74]. Esse resultado sugere
que, mesmo que o pote de moagem atinja valores de pressões e temperaturas próximos
as CNTP, a MS envolve condições termodinâmicas extremas.
4) Tempo de Moagem.
O tempo de moagem é um dos parâmetros mais importantes da MS.
Normalmente o tempo é escolhido de modo a alcançar um estado estacionário entre os
mecanismos de fratura e solda-a-frio das partículas de pós. O tempo requerido varia
dependendo do tipo de moinho, da intensidade de moagem, da BPR e da temperatura da
moagem. Escolher o tempo de moagem para cada sistema (mistura de pós) combinando-
se os parâmetros mencionados acima é uma tarefa difícil. Além disso, não é trivial saber
acima de que tempo de moagem o nível de contaminação torna-se preocupante.
Portanto, estudos estruturais sistemáticos em função do tempo de moagem são muito
importantes para a obtenção de um material com percentual de pureza elevado.
5) Meio de Moagem.
A densidade do meio de moagem dever ser alta o suficiente para que as esferas
criem forças de impacto sobre os pós. É desejável, sempre que possível, que o pote e as
esferas sejam do mesmo tipo de material dos pós, a fim de evitar contaminações.
O tamanho do meio de moagem também tem influência na eficiência da
moagem. Normalmente, elementos grandes e de alta densidade transferirão mais energia
de impacto às partículas do pó. A literatura mostra que a constituição final do pó
depende do tamanho das esferas usadas. Por exemplo, moer uma mistura de pós de Ti-
Al com esferas de 15 mm de diâmetro gera solução sólida de alumínio em titânio, já
com esferas de 20 e 25 mm observa-se somente uma mistura das fases de alumínio e
titânio (Ref. nº 8 em [8]). Em outro caso, foi reportado que (sistema Pd-Si), esferas de
diâmetros pequenos favorecem a formação de fase amorfa (Ref. nº 112 em [8]). Isso
sugere que condições suaves de moagem (tamanho de esferas pequenas, baixa energia e
baixa BPR) favorecem a amorfização ou a formação de fases meta-estáveis (Refs. nº 85
e 111-114 em [8]).
Energias de colisões mais altas podem ser alcançadas quando esferas de
diâmetros diferentes são usadas (Ref. nº 116 em [8]). No estágio inicial da moagem, pós
ficam grudados nas superfícies do meio de moagem (pote + esferas) e também se
soldam-a-frio. Isso é vantajoso, uma vez que evita o desgaste excessivo do meio de
15

moagem, evitando também a contaminação proveniente de partículas que se
desprendem do meio de moagem. Entretanto, para evitar a formação de um produto
final heterogêneo, a espessura da camada (devido aos pós grudados) no meio de
moagem deve ser mínima. Uma desvantagem é que esta camada dificulta o
desprendimento do pó do meio de moagem, diminuindo a eficiência do processo. A
combinação de esferas de diâmetros grandes e pequenos durante a moagem minimiza a
quantidade de soldagens-a-frio bem como a quantidade de pós grudados no meio de
moagem (Ref. nº 117 em [8]). Embora nenhuma explicação é dada para o
melhoramento da produtividade nessas condições, é possível que esferas de tamanhos
diferentes produzam forças de ruptura que podem ajudar a soltar os pós das superfícies
do meio de moagem.
Usar esferas de mesmo tamanho em potes com fundo plano ou curvo pode
acarretar na formação de trilhos, trajetórias bem definidas, ao invés de chocarem-se
aleatoriamente com o fundo e paredes do pote.
6) BPR.
A BPR (ball-to-powder weight ratio), também chamada de razão de carga (CR –
charge ratio), é uma importante variável da MS. Valores tão baixos quanto 1:1 e tão
altos quanto 220:1 são utilizados (Ref. nº 119 e 120 em [8]). Em moinhos de produção
em baixa escala, como no caso do SPEX 8000, a BPR mais usada é de 10:1.
A BPR tem efeito significativo no tempo de obtenção de uma determinada fase.
Quanto maior a BPR, menor será o tempo requerido, pois aumenta o número de colisões
por unidade de tempo, e consequentemente, mais energia é transferida para as partículas
do pó.
Condições “suaves” de moagem (baixos valores de BPR, baixas frequências de
vibração, esferas de diâmetro pequeno, etc.) produzem fases meta-estáveis, enquanto
que condições “abruptas” produzem fases em equilíbrio. Este efeito foi claramente
demonstrado para o caso do sistema Zr-Co (Ref. nº 113 em [8]). Resultados similares
também são reportados para o sistema Cu-In-Ga-Se, que apresenta a formação da fase
meta-estável cúbica para baixos valores de BPR e a fase de equilíbrio tetragonal para
valores altos (Ref. nº 171 em [8]).
7) Grau de Preenchimento do Pote.
Como a síntese entre as partículas do pó ocorre devido às forças de impactos
exercidas sobre as mesmas, é necessário que exista espaço suficiente dentro do pote
para que as esferas movam-se livremente. Se o pote estiver pouco preenchido a síntese
16

ocorrerá rapidamente. Caso contrário, a energia do impacto será menor e a síntese, se
ocorrer, será mais lenta. De acordo com [8] pelo menos 50% do espaço do pote deve
estar vazio para que ocorra a MS.
8) Atmosfera de Moagem.
O efeito mais indesejado da atmosfera de moagem é a contaminação. Assim, os
pós são moídos em potes evacuados ou preenchidos com gás inerte. Argônio de alta
pureza é comumente utilizado para prevenir oxidações e/ou contaminações dos pós.
Gases como hélio, oxigênio e nitrogênio também são usados.
O fechamento do pote é feito dentro de uma atmosfera controlada de gás
(argônio, oxigênio, hélio, nitrogênio, etc.) limitada por uma bolsa plástica (glove Box), a
fim de evitar contaminações oriundas do ar. Dependendo do tipo de proposta diferentes
atmosferas de moagem são utilizadas. Para produzir nitretos, usa-se uma atmosfera de
nitrogênio, já para a produção de hidretos, usa-se uma atmosfera de hidrogênio [8]. A
vedação do pote torna-se vital no controle da atmosfera de moagem. A
verificação/substituição dos anéis de vedação é rotina antes de iniciar a MS. Ainda
assim, nem sempre é evidente quando contaminações decorrem de falha na vedação do
pote.
O tipo de atmosfera de moagem também parece influenciar no tipo de estrutura
do produto final. Por exemplo, quando uma mistura de pós de Fe-Cr é moída em
diferentes atmosferas a constituição final do pó é diferente (Ref. nº 126 em [8]). Quando
os pós foram moídos em atmosfera de argônio não foi observada formação de fase
amorfa, mas quando os pós foram moídos em atmosferas de ar contendo argônio ou
nitrogênio o pó tornou-se completamente amorfo. Outro caso interessante mostra que o
oxigênio aumenta a cinética de amorfização no sistema Ni-Nb [75]. Goodwin e
colaboradores (Ref. nº 122 em [8]) reportaram um fato curioso que mostra uma
oxidação maior da liga Ti
48
Al
2
W
50
quando moída em atmosfera de nitrogênio (+4,7
%wt de O) que quando moída em atmosfera de oxigênio (+1,5 %wt de O) depois de 20
h de moagem.
9) Agentes de Controle do Processo.
Os agentes de controle do processo (ACPs), chamados também de lubrificantes,
são adicionados a mistura de pós para diminuir a soldagem-a-frio durante a moagem. Os
lubrificantes são na maioria orgânicos, podendo estar nas formas sólida, líquida ou
gasosa. Eles atuam na superfície das partículas interferindo na soldagem-a-frio
(especialmente se elas forem dúcteis) e diminuindo a tensão superficial do material.
17

Na prática uma ampla variedade de lubrificantes é usada numa escala de até 5%
da carga de pós, entre eles: ácido esteárico, hexano, metanol e etanol. Não existe um
lubrificante universal e o mesmo influencia diretamente na MS. O tipo e a quantidade
de lubrificante usada na MS dependem das características de soldagem-a-frio das
partículas, da estabilidade térmica e química do lubrificante, da natureza e da
quantidade de pó utilizados na moagem, do meio de moagem e da possibilidade de
interação/reação entre os componentes do lubrificante e dos pós [8].
10) Temperatura da Moagem.
Uma vez que processos de difusão regem a formação de soluções sólidas, fases
nanocristalinas e amorfas por MS, é esperado que a temperatura da moagem tenha efeito
significativo em qualquer tipo de sistema. Existem poucas investigações reportadas
onde a temperatura de moagem foi variada intencionalmente e estas foram executadas
para estudar o efeito da temperatura de moagem na variação do nível de solubilidade, ou
para estudar a formação de fases amorfas ou nanocristalinas. A microdeformação (s)
menor e o tamanho médio de cristalitos (p) maior para nanocristais produzidos a
temperaturas superiores que a ambiente pode ser explicado com base no aumento da
difusividade (Ref. nº 171 em [8]).
Em altas temperaturas de moagem a cinética de amorfização pode aumentar. A
moagem da mistura Ni
50
Zr
50
num moinho planetário por 15 h na temperatura do
nitrogênio líquido não apresentou nenhuma fase amorfa, porém quando a moagem foi
feita a 200 °C uma fase completamente amorfa foi obtida no mesmo intervalo tempo
(Ref. nº 177 em [8]).

2.2 Difração de Raios X
A técnica de difração de raios X é utilizada para investigar a estrutura de
materiais cristalinos ou amorfos, permitindo obter informações acerca do grupo
espacial, parâmetros de rede, posição dos átomos dentro da cela unitária, tamanho
médio de cristalitos, microdeformações, orientações preferenciais, quantidade relativa
de fases, densidade, número de coordenação, distribuição angular, distância entre os
primeiros vizinhos, etc.
Nas subseções a seguir são mostrados os fundamentos teóricos relacionados à
difração de raios X em materiais cristalinos e ao método de Rietveld [76].

18

2.2.1 Posição dos picos – Lei de Bragg
O fenômeno de difração ocorre sempre que o comprimento de onda λ de ondas
eletromagnéticas (fótons ou partículas – elétrons, prótons, etc.) é da mesma magnitude
que a distância entre os centros espalhadores. Em geral, medidas de difração de raios X
envolvem λs que variam de 0,5 a 2,5 Å.
A difração de raios X pela matéria resulta de dois fenômenos diferentes:
espalhamento de raios X por cada átomo que compõe a microestrutura do material e
interferência das ondas espalhadas por esses átomos. Outros processos envolvidos na
interação de raios X (fótons) com a matéria e que podem influenciar no padrão de DRX
são o efeito Comptom, o efeito fotoelétrico, o efeito Auger e a fluorescência [77].
A expressão matemática que define a posição dos máximos de difração de raios
X em materiais cristalinos foi idealizada por William Henry Bragg e seu filho William
Lawrence Bragg (prêmio Nobel de 1915), e pode ser entendida no esquema da Figura 7.
Nos materiais cristalinos os
átomos arranjados periodicamente
(ordem de longo alcance) definem
diferentes planos atômicos
distanciados de d
hkl
(onde h, k e l
são os índices de Müller).

Na Figura 7 observa-se que o
caminho ótico percorrido pelo feixe 2, refletido pelo plano cristalográfico B, é maior
que aquele percorrido pelo feixe 1, refletido pelo plano cristalográfico A. Essa diferença
de percurso, dada por ML+LN, gera uma diferença de fase ∆υ entre as ondas refletidas
dada por

onde λ é o comprimento de onda do feixe de raio X incidente. Para um cristal perfeito
haverá interferência construtiva sempre que ∆υ = 2π, 4π, 6π, 2πn (n é um número
inteiro ), ou seja, sempre que ML+LN = nλ, e para os casos onde ∆υ ≠ 2πn haverá
interferência destrutiva.
Através de uma análise geométrica simples da Figura 7, mostra-se que

de maneira que
Figura 7: Visão geométrica da Lei de Bragg.
19


é conhecida como a Lei de Bragg. Isto significa que o padrão de difração de raios X de
um cristal perfeito mostrará picos somente para valores de θ
hkl
que satisfazem a
condição de Bragg.
Diferentemente de um cristal perfeito, o padrão de raios X de cristais reais
apresenta interferência construtiva até mesmo em posições θ ligeiramente diferentes de
θ
hkl
, atribuindo aos picos de difração uma largura de linha a meia altura δ. A Figura 8
mostra um esquema de um padrão de DRX para cristais perfeitos e reais. Além dos
fatores relacionados ao estado físico da amostra (como por exemplo, a amplitude de
vibração dos átomos na rede cristalina), diversos fatores influenciam no alargamento
dos picos e também na intensidade e na posição dos picos de difração em medidas de
DRX. Entre esses fatores destacam-se: o fato dos feixes de raios X não serem

Figura 8: (a) padrão de XRD para um cristal perfeito. (b) padrão de XRD de um cristal real.

totalmente monocromáticos e a radiação incidente não corresponder a feixes
perfeitamente paralelos, fatores geométricos relacionados às condições experimentais de
medida (abertura das fendas de espalhamento e divergente), fatores de Polarização e de
Lorentz, a altura relativa da amostra em relação ao centro da circunferência descrita
pelo goniômetro, etc. De maneira geral, uma análise detalhada de padrões de DRX não
é uma tarefa simples, pois a maioria dos parâmetros que definem a posição e o perfil
dos picos estão correlacionados.
Nessa dissertação todas as medidas de DRX foram feitas em condições de
temperatura e pressão ambiente.

2.2.2 Intensidade dos picos – fator de estrutura
Além das informações sobre distâncias interplanares decorrentes das posições
20

dos picos de difração, descritos pela Lei de Bragg, a intensidade e o perfil dos picos de
difração carregam informações importantes a respeito da posição e da amplitude de
vibração dos átomos e da composição química do material. A intensidade total é dada
por [78]

onde S é um fator de ponderação global, S
ph
é um fator de ponderação associado a ph-
ésima fase cristalina e Y
ph
é a intensidade de Bragg dada por

Na equação (5), K
ph
está relacionado a fatores que são dependentes da amostra
(orientação preferencial, absorção, etc.), fatores geométricos relacionados às condições
experimentais de medida e do tipo de radiação utilizada, H
ph
está relacionado ao perfil
(forma) dos picos de difração e é o fator de estrutura da ph-ésima fase cristalina
descrito como

onde o somatório é feito sobre os j-ésimos átomos da célula unitária situados em (x
j
, y
j
e
z
j
) e f(θ, λ)
j
é o fator de espalhamento atômico do átomo j que descreve a eficiência com
que um tipo de átomo espalha raios X numa dada direção. Em geral F
hkl
é um número
complexo que expressa à amplitude e a fase da onda resultante espalhada, cujo valor
absoluto da amplitude |F
hkl
| é uma relação entre a amplitude da onda espalhada por
todos os átomos da célula unitária e a amplitude da onda espalhada por um único elétron
[79].
O fator de espalhamento atômico pode ser escrito como a soma de três
contribuições [77],

onde o fator f
0
(θ) é calculado através de coeficientes obtidos numericamente usando
funções de onda de Hartree-Fock [80]. f’(λ) e f’’(λ) são os termos que levam em conta
efeito de dispersão anômala, cujos valores podem ser obtidos na referência [81] para
qualquer elemento químico da tabela periódica. O f(θ, λ) também é modificado pela
amplitude de vibração dos átomos causada principalmente pela temperatura.


21

2.2.3 Método de Rietveld
O Método de Rietveld (MR) é um método utilizado para obter informações
cristalográficas de estruturas cristalinas através de refinamentos e/ou ajustes a partir de
modelos teóricos (um para cada fase identificada) e de padrões de DRX (ou nêutrons)
experimentais. Além da caracterização quantitativa de estruturas cristalinas presentes
nas amostras o MR permite determinar orientações preferenciais (textura) e, em alguns
casos, obter o tamanho médio e a microdeformação de cristalitos. Existem diversos
programas computacionais que usam o MR. Nessa dissertação utilizou-se o pacote de
programas GSAS + EXPGUI [78 e 82] pelo fato de ser um software livre com ótima
interface gráfica e grande número de usuários no mundo.
Através da interface gráfica EXPGUI efetua-se um processo de cálculo
computacional iterativo que ajusta o padrão DRX teórico ao experimental pelo método
dos mínimos quadrados, partindo de parâmetros estruturais iniciais (banco de dados
cristalográficos [45]) e de informações sobre o difratômetro de raios X usado
(comprimento de onda, fator de polarização, largura de linha instrumental, etc.). A
função que se deseja minimizar é dada pelo resíduo S´:

onde w
i
=(1/ y
i
), y
i
e y
ci
é a intensidade total experimental e calculada (equação (4)),
respectivamente, para o i-ésimo passo (posição angular). Para verificar se o refinamento
está convergindo observa-se o fator
,
mas o índice a ser considerado ao avaliar a qualidade do modelo refinado da estrutura
cristalina é o fator

onde I
i
é a intensidade atribuída a i-ésima reflexão de Bragg, calculada a partir da
intensidade total, e relacionada com a estrutura cristalina (tipos de átomos, posições e
deslocamentos atômicos).
Um padrão de difração de DRX apropriado para o MR é aquele que possui uma
varredura com passos ∆2θ constantes e pelo menos 10 pontos de medida acima da
largura de linha total a meia altura do pico (Full Width at Half Maximum – FWHM).
Para descrever o formato dos picos de DRX, utilizou-se nessa dissertação a
função perfil (H
ph
) pseudo-Voigt de Thompson-Cox-Hasting Modificada (pV-TCHZ)
22

[83], a qual é descrita pela convolução entre uma função pseudo-Voigt e uma função
que considera assimetrias nos picos de difração devido à divergência axial do feixe de
raios X. A função pseudo-Voigt (pV) é definida pela combinação linear de uma função
lorentziana (L) e uma gaussiana (G) de acordo com a equação

onde

Γ e γ são respectivamente a FWHM do pico e o coeficiente lorentziano definidos como


onde Γ
g
= [(8ln2)o
2
]
1/2
é a contribuição gaussiana para a FWHM e o é a variância do
pico dada por

onde os termos LX, LY, GU, GV, GW e GP são parâmetros de ajuste no MR.
A função pV-TCHZ é adaptada para determinação da microdeformação (s) e
tamanho médio de cristalitos (p). Para isso termos associados às componentes
lorentziana e gaussiana são usados nas relações [78]:


onde K=0,91 é a constante de Scherrer e λ é o comprimento de onda do raio X
incidente. GU
0
é um dos termos que define o alargamento instrumental dos picos de
difração de DRX. O alargamento instrumental é obtido através de um ajuste Rietveld
(ou Le Bail) do difratograma de uma amostra padrão
1
. Os valores obtidos para a
amostra padrão são considerados como iniciais para parâmetros ajustáveis e mantidos
fixos para os demais durante o ajuste de difratogramas de amostras em estudo.
A fim de quantificar a estrutura das amostras estudadas nessa dissertação, alguns

1
Considera-se aqui uma amostra padrão aquela que praticamente não tem defeitos e o tamanho médio de
cristalito é muito grande (>> 2000 Å), ou seja, praticamente não contribui no alargamento dos picos de
difração.
23

de seus padrões de DRX foram submetidos ao MR. Os modelos iniciais utilizados nos
ajustes foram baseados nas informações cristalográficas do banco de dados ICSD [45].
Parâmetros assimétricos da função perfil não foram considerados. Em todos os
ajustes/refinamentos os parâmetros da função background, fatores de escala e o
deslocamento da amostra em relação ao centro da circunferência descrita pelo
goniômetro do difratômetro foram ajustados antes dos parâmetros estruturais.
Parâmetros relacionados à amplitude de vibração atômica foram considerados
isotrópicos.

2.3 Calorimetria Diferencial de Varredura
A essência das técnicas de calorimetria aplicadas aos materiais é a troca de calor
entre uma amostra/referência e um forno. As técnicas mais comuns baseadas em
processos de troca de calor são: calorimetria diferencial de varredura (Differential
Scanning Calorimetry – DSC), análise térmica diferencial (Differential Thermal
Analisys- DTA) e análise termogravimétrica (Thermogravimetric Analysis – TGA).
A técnica DSC de fluxo de calor (tipo disco) foi usada nessa dissertação, pois
permite identificar e quantificar reações exotérmicas e/ou endotérmicas em um
determinado intervalo de temperatura. Essas reações podem ser associadas a processos
de cristalização, fusão, transição vítrea, relaxação térmica, entre outros. A quantificação
dessas reações pode ser obtida através do cálculo da variação de entalpia (associada à
área do pico da reação).
A seção transversal da célula DSC utilizada nessa
dissertação é mostrada na Figura 9. A célula é constituída
por um cilindro de prata (forno) que transfere calor para a
amostra e para a referência através de um disco de
Constantan. Gás inerte e pré-aquecido é inserido dentro do
forno a fim de evitar processos de oxidação no sistema. A
amostra e a referência (alocadas dentro de pequenas panelas
de metal) são mantidas em uma plataforma elevada do disco
de Constantan. Em cada plataforma existe um disco fino de
cromo. Fios de cromo e alumínio conectados ao conjunto
Constantan-cromo formam os termopares que monitoram
Figura 9: Esquema da célula
de DSC utilizada. 1) cilindro
de prata, 2) amostra, 3)
referência, 4) disco de cromo,
5) tampa, 6) termopares, 7)
disco termoelétrico de
Constantan.
24

diretamente a temperatura das amostras.
Nessa dissertação foi utilizado um DSC 2010 da TA-Instruments, panelas de
alumínio para amostras/referências, N
2
como gás inerte e taxas de aquecimento
constantes de 10 °C/min. A calibração de temperatura da célula DSC foi feita utilizando
uma amostra padrão de In. A temperatura máxima alcançada durante as medidas foi de
630 °C, tendo em vista que as panelas feitas de alumínio fundem aproximadamente a
660 °C. Todas as medidas de variação de entalpia (∆H) são dadas em Joules por grama
(J g-
1
).

2.4 Espectroscopia de Absorção Fotoacústica
A espectroscopia de absorção fotoacústica (Photoacoustic Absorption
Spectroscopy – PAS) é usada nos mais diversos campos da física, química, biologia,
medicina e engenharia por permitir a determinação do coeficiente de difusividade
térmica (α) [84-88]. A PAS é baseada na geração de ondas acústicas ou efeitos
termoelásticos através da incidência de qualquer tipo de feixe energético pulsado
(radiações eletromagnéticas, elétrons, ultrasom, etc.) na superfície do material a ser
estudado [89]. As equações matemáticas usadas na interpretação física dos resultados
PAS dependem do regime térmico (fino ou espesso), escolhido em função da frequência
de corte f
c
(que depende da espessura l e α do material), e do mecanismo gerador de
calor envolvido. Mais detalhes no Anexo 2.
O diagrama da estação PAS utilizada nessa dissertação é mostrado na Figura 10.
Ele é composto de lâmpada halógena (Bentham - quartzo-tungstênio de 250 W, fonte


Figura 10: Esquema da estação PAS utilizada.
25


de corrente modelo 605), lentes focalização, modulador mecânico (chopper - Perkin-
Elmer, modelo 197), célula fotoacústica (do tipo aberta) com microfone de eletreto (onde
a amostra é fixada com graxa de vácuo, Anexo 2), amplificador Lock-In (Perkin-Elmer
modelo 5105) e um computador com programa específico para registro da amplitude e
fase do sinal fotoacústico como função da frequência de modulação. Uma barreira de
água foi usada para eliminar a radiação infravermelha do feixe incidente na amostra.
O efeito fotoacústico se expressa na forma de variação de pressão do gás
aprisionado entre a amostra e o microfone pela célula fotoacústica (ver Anexo 2). A
variação de pressão é detectada pelo microfone e transformada em um sinal elétrico
analógico. Assim, a difusividade térmica pode ser obtida fazendo-se um ajuste das
curvas amplitude e fase do sinal fotoacústico em função da frequência de modulação f
do chopper.
O sinal fotoacústico no regime termicamente espesso pode ser interpretado
através de quatro diferentes mecanismos geradores de calor, os quais são descritos da
seguinte maneira:
I) Termalização instantânea intrabanda não-radiativa (difusão térmica): ocorre
quando os elétrons foto-gerados relaxam dentro da banda de condução, criando
fônons. Este processo ocorre em uma escala de tempo de pico-segundos [90],
podendo ser considerado instantâneo na escala típica das frequências de modulação
(10 a 270 Hz). A amplitude (S) e fase (Φ
ph
) do sinal fotoacústico para este processo
mostram dependências com f do tipo
(19)
(20)
onde d = l(π/α)
1/2
.
II) Recombinação não-radiativa no volume: ocorre em materiais semicondutores
quando seus elétrons absorvem fótons com energia (E
f
) maior que a energia de gap
(E
g
), gerando excesso de portadores com energia = E
f
- E
g
na banda de condução.
Colisões do tipo elétron-fônom promovem o relaxamento desses portadores dentro
da banda de condução, liberando o excesso de energia (E
f
- E
g
) na rede numa
escala de tempo de pico-segundos. Nesse ponto o excesso de portadores se difunde
através do material por uma distância (Dτ)
1/2
e em seguida recombinam-se com os
buracos da banda de valência, liberando o excesso de energia E
g
na rede [91]. A
26

amplitude (S) e fase (Φ
ph
) do sinal fotoacústico para este processo mostram
dependências com a frequência de modulação f do tipo [90 – 92]
(21)
(22)
onde c é o parâmetro (expoente) que define o mecanismo (c = -1,5 para o
mecanismo II), D é o coeficiente de difusão dos portadores, τ é o tempo de
recombinação, τ
eff
= τ(D/α – 1), u = l(πf/α)
1/2
, e v é a velocidade de recombinação
dos portadores na superfície.
III) Recombinação não-radiativa na superfície: S e Φ
ph
se comportam de acordo com as
equações (21) e (22), porém c = -1.
IV) Flexão termoelástica: esse mecanismo é devido ao gradiente de temperatura na
direção perpendicular a superfície da amostra (ou seja, paralela a direção do feixe
de luz incidente). A amplitude do sinal fotoacústico (S) se comporta de acordo com
a equação (21) com c = -1, porém a fase do sinal fotoacústico (Φ
ph
) é dada pela
equação [88]
(23)
Na prática a contribuição de cada mecanismo para a variação de pressão na
câmara fotoacústica pode ser encontrada através dos seguintes procedimentos:
i) Fazem-se os gráficos de Ln (S) versus e Φ
ph
versus e em seguida ajustam-se
as equações (18) e (19) aos dados experimentais, respectivamente. Se a inclinação da
reta (d) for a mesma nos dois gráficos, considerando o mesmo intervalo de
frequências, o mecanismo I está presente. Utilizando-se o valor obtido de d é
possível calcular o α através da relação d = l(π/α)
1/2
;
ii) fazendo o gráfico Log (S) versus Log f, verifica-se em que intervalos de frequências
observa-se linearidade. O coeficiente angular obtido (c) indica se o mecanismo é do
tipo II, III ou IV. Para os mecanismos II e III, α, D, v e τ são os parâmetros de ajuste
da equação (22), considerando o mesmo intervalo de frequências onde ocorre
linearidade. Para o mecanismo IV α é obtido através do parâmetro de ajuste d da
equação (23) e da relação d = l(π/α)
1/2
, considerando o mesmo intervalo de
frequências onde ocorre linearidade.
27

Se o procedimento i for satisfeito, deve-se ainda assim efetuar o procedimento ii.
Se o valor de c estiver entre -1 e -1,5 significa que mais de um mecanismo pode estar
presente no intervalo de frequência analisado e nesse caso, não é possível quantificar a
contribuição de cada um deles. Portanto temos duas maneiras (i e ii) de calcular o α.
Havendo mais de um mecanismo dominante, porém em intervalos de frequências
distintos, os valores de α devem coincidir.

2.5 Fluorescência de Raios X por Dispersão de
Energia
A técnica de fluorescência de raios X por dispersão de energia (Energy
Dispersive X-Ray Microanalisys - EDX), também chamada de espectroscopia por
dispersão de energia de raios X (Energy Dispersive X-Ray spectroscopy - EDS) foi
utilizada para quantificar a composição química dos sistemas estudados nessa
dissertação em colaboração com outros laboratórios da UFSC (Laboratório ValoRes –
ENC, Laboratório de Materiais – EMC e Laboratório Central de Microscopia Eletrônica
– LCME). Foram utilizados dois sistemas: i) uma sonda de microanálise (Thermo
Scientific - NORAN X-Ray Six) acoplada a um microscópio eletrônico de varredura
(JEOL – JSM-6390LV) e ii) um espectrômetro dedicado (Shimadzu – EDX-700).
Ambos funcionam baseados no mesmo princípio físico, Lei de Moseley (equação (24)),
mas um usa como sonda elétrons e o outro raios X.
A Figura 11 ilustra (1) o
processo de interação entre um
elétron/fóton incidente e um elétron da
eletrosfera atômica, (2) o
espalhamento do elétron/fóton e a
excitação do elétron do átomo, criando
um buraco na camada interna da
eletrosfera, e (3) o decaimento radiativo de um elétron de uma camada superior
(fluorescência), que preenche o buraco criado e permite identificar espécies químicas
através da energia dos raios X característicos emitidos. A identificação é feita de
acordo com a Lei de Moseley

Figura 11: Representação esquemática do processo de
fluorescência.
28

onde ν, a frequência (energia) dos raios X emitidos, onde ν é medido pelos sistemas
citados acima e Z, o número atômico, é calculado levando em consideração k
1
e k
2
, que
são constantes que dependem da linha espectral.

2.6 Espectroscopia Raman
A espectroscopia Raman se baseia no espalhamento inelástico de luz pela
matéria e permite aferir a estrutura molecular desta última. Do ponto de vista quântico o
espalhamento Raman pode ser explicado como um processo de absorção de um fóton de
luz por um elétron da matéria, o qual é excitado até um nível eletrônico virtual e depois
decai emitindo um fóton com energia ligeiramente diferente da incidente. De acordo
com as leis de conservação do momento e energia a diferença de energia entre o fóton
incidente e o espalhado está associada com a energia de vibração (fônons) da matéria.
O espalhamento Raman também pode ser compreendido do ponto de vista
clássico. Considerando que a polarização molecular (P) induzida quando uma molécula
é incidida por uma onda eletromagnética (entre o visível e o ultravioleta) é dada por:

onde o módulo de E E = E
0
cos(2tv
0
t) é o campo elétrico da onda eletromagnética
incidente de frequência v
0
e ; é a susceptibilidade elétrica molecular (constante para
efeitos de óptica linear). Agora assumindo que a susceptibilidade elétrica varia com a
agitação molecular e é definida como

onde Q
j
são os modos normais de vibração molecular, igual a 3N-6 numa molécula
contendo N átomos (ou 3N-5 para uma molécula linear) e é dado por

onde ν
j
é a frequência característica do j-ésimo modo normal de vibração molecular.
Para pequenas amplitudes de vibração χ pode ser aproximado por uma função linear de
Q
j
, de maneira que

Usando a relação trigonométrica
tem-se que P pode ser escrito como

29




A equação (29) mostra que a onda eletromagnética espalhada é composta por
três termos com freqüências de oscilação diferentes. O primeiro termo da equação,
espalhamento Rayleigh, tem a mesma frequência da onda eletromagnética incidente
(espalhamento elástico) e magnitude proporcional a χ
0
, enquanto que no segundo e
terceiro termos, espalhamento Raman Stokes e Anti-Stokes, a frequência de oscilação
da onda eletromagnética espalhada é diferente da frequência da onda eletromagnética
incidente (espalhamento inelástico). No processo de espalhamento Raman do tipo
Stokes a molécula sai do estado fundamental de vibração para um estado excitado de
vibração, enquanto que no processo de espalhamento do tipo Anti-Stokes o inverso
ocorre. Para que seja possível observar modos Raman ativos é necessário que (δχ/δQ
j
)
seja diferente de zero. Uma regra de seleção mais refinada só pode ser obtida através de
considerações envolvendo mecânica quântica.
Nessa dissertação são apresentados resultados obtidos em colaboração com o
Prof. Dr. Paulo S. Pizani (DF/UFSCar, São Carlos – SP) que dispõe de um
espectrômetro Jobin-Yvon T64000 acoplado a um microscópio ótico, um detector tipo
CCD (charge couple device) refrigerado a nitrogênio líquido (144 K) e um laser de Ar
+

-
linha 5145 Å (2,41 eV). As medidas foram feitas pelo Prof. Dr. Carlos E. M. de Campos
(orientador) na geometria de retroespalhamento com as amostras mantidas a
temperatura ambiente. A potência do laser utilizada nos experimentos foi sempre menor
que 1 mW para evitar/minimizar efeitos de aquecimento, mudanças no estado cristalino,
amorfização ou oxidação das amostras. O diâmetro do feixe sobre as amostras foi menor
que 2 μm utilizando lentes com aumentos maiores que 50x. Os espectros Raman foram
ajustados por funções lorentzianas a fim de obter as posições dos picos principais. A
calibração do equipamento foi feita utilizando-se a linha Raman 521,6 cm
-1
de uma
amostra de silício (1 0 0).

30

Capítulo 3

Resultados e Discussões
Neste capítulo são apresentados os procedimentos experimentais, resultados e
discussões para os sistemas estudados nessa dissertação: In-Sb, Zn-Te e Cd-Te.

3.1 Sistema In-Sb
3.1.1 Síntese
Três remessas (R1, R2 e R3) da mistura equiatômica de pós de In (Alfa Aesar –
99,999%) e Sb (Alfa Aesar – 99,5%) foram preparadas em sequência. Foram usados
potes (com fundo plano) cilíndricos de aço inox equivalentes (≈ 3,5 cm de diâmetro e ≈
7,5 cm de altura) sempre com 6 esferas maciças de aço inox (diâmetro médio ≈ 11 mm)
e atmosfera de argônio. A BPR utilizada nas três remessas foi de 5:1. O moinho de alta
energia usado foi o SPEX (modelo 8000). Um ventilador foi utilizado para manter a
temperatura do pote próxima à ambiente. Interrompeu-se o processo várias vezes e os
pós sintetizados foram analisados por DRX e em alguns casos por EDX, PAS, DSC e
Raman.
Com o intuito de esclarecer os resultados obtidos nas medidas de DRX e DSC,
uma porção da amostra moída por 10 h (da remessa R3) foi selada em um tubo de
quartzo evacuado a aproximadamente 10
-3
Torr e tratada termicamente a 410 °C por 6 h,
seguido por um resfriamento natural até a temperatura ambiente.
Os pós moídos por 3 h (R2) e 10 h (R3) e o pó tratado termicamente foram
analisados por EDX no microscópio eletrônico de varredura (MEV) JEOL JSM-6390LV
equipado com o sistema de microanálise NORAN X-Ray Six. Os resultados mostraram
que a composição química final dos pós moídos (R2 e R3) foram de 47 ± 2 at.% de In e
53 ± 3 at.% de Sb, enquanto que para a porção tratada termicamente a composição final
foi de 48 ± 2 at.% de In e 52 ± 3 at.% de Sb.

3.1.2 Análise DRX
A Figura 12 mostra os padrões DRX da remessa R1. O padrão DRX da
31

mistura de In e Sb (0 h) revela a
coexistência das fases In
tetragonal e Sb trigonal (cartões
ICSD n
o
171679 e 64697,
respectivamente). Com apenas 1 h
de moagem já é possível observar
um padrão DRX bem diferente do
padrão de 0 h, indicando que os
pós precursores reagiram para
nuclear à fase cristalina cúbica de
InSb do tipo ZB (cartão ICSD n
o

41445). Porém, é possível
observar ainda a existência de
picos minoritários associados aos
precursores Sb (2θ = 28,7 e 42,0°)
e In (2θ = 33,0°). No padrão de
DRX para 2 h de moagem os
picos minoritários estão ausentes e
a fase cúbica de InSb do tipo ZB
(ZB-InSb) é única. Com o
aumento do tempo de moagem (3 – 60 h) observa-se que a intensidade (e a largura) dos
picos da fase ZB-InSb decresce (aumentam), indicando a presença de uma estrutura
nanométrica e que outros picos emergem próximos a 2θ ≈ 30, 35, 42, 51 e 60°. Esses
picos emergentes foram atribuídos a fase Sb trigonal (pó precursor) e a fase In
2
O
3

cúbica (cartão ICSD n
o
14387). Do ajuste Rietveld verificou-se que as frações de fases
cristalinas (%wt) aumentaram em 13,3 %wt para In
2
O
3
e 2,1 %wt para Sb com o
aumento do tempo de moagem de 30 para 60 h, enquanto que a fração de fase da ZB-
InSb diminuiu em 15,5 %wt. A exposição do material ao ar atmosférico e problemas
com o anel de vedação do pote são os principais responsáveis pelo surgimento da fase
In
2
O
3
cúbica e diminuição da fase ZB-InSb. Na expectativa de elucidar esses fatos,
optou-se por produzir duas novas remessas (R2 e R3) do sistema In-Sb.
A Figura 13 mostra os padrões de DRX da remessa R2. Para 3 h de moagem foi
identificada apenas a fase ZB-InSb. Em 5 e 10 h de moagem picos pouco intensos (2θ
Figura 12: Padrões DRX da amostra InSb (R1) com o tempo
de moagem. Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões DRX do In,
Sb, In
2
O
3
e InSb extraídos do ICSD [22].
32

30°) associados às fases de In
2
O
3

cúbica e de Sb trigonal podem ser
identificados. As mesmas
observações acerca da intensidade e
da largura dos picos em função do
tempo de moagem feitas para R1
servem para R2. Comparando-se os
padrões de 3 a 10 h de moagem entre
R1 e R2, Figuras 12 e 13, é possível
verificar que os picos associados às
impurezas nos padrões de DRX em
R1 são maiores do que em R2. Até
10 h de moagem o pote da remessa
R1 foi aberto 5 vezes, enquanto que
para R2 o pote foi aberto 3 vezes,
fato este que parece ser determinante
no aparecimento da fase In
2
O
3

cúbica. Assim, para confirmar esta
hipótese uma nova remessa (R3) foi
produzida e moída sem interrupções por
10 h.
Os padrões de DRX da remessa R3
moída por 10 h (10h-InSb) e o da porção
tratada termicamente (tt-InSb) são
mostrados na Figura 14. Somente a fase
ZB- InSb é identificada após 10 h de
moagem, confirmando a hipótese de que a
abertura do pote tem papel determinante
no aparecimento da fase In
2
O
3
cúbica nas
remessas R1 e R2. Para tt-InSb, além da
fase ZB-InSb (com picos bem mais
Figura 13: Padrões DRX da amostra InSb (R2) com o
tempo de moagem. Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões de
DRX do In, Sb, In
2
O
3
e InSb extraídos do [22].
Figura 14: Padrões DRX das amostras 10h-InSb
e tt-InSb. No detalhe aumento da região 2θ ~ 25 -
55°. Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Padrões de DRX do
In, Sb, In
2
O
3
e InSb extraídos do [22].
33

intensos e estreitos, indicando uma melhora na cristalinidade da amostra) observa-se a
presença de picos pouco intensos associados às fases In
2
O
3
cúbica e Sb trigonal. A
nucleação dessas fases após o tratamento térmico pode estar associado a:
1) oxigênio residual não eliminado durante o fechamento do pote e/ou do tubo de
quartzo;
2) segregação de átomos de Sb dispersos na componente interfacial;
3) uma transformação de fase do tipo amorfo-cristalino (ver seta na Figura 14).
Figura 15 mostra os padrões de
DRX experimentais e ajustados pelo MR
das amostras moídas por 3 h (3h-InSb)
(R2), 10h-InSb (R3) e tt-InSb (R3).
Todos os parâmetros estruturais obtidos
das análises Rietveld estão resumidos na
Tabela 2. Dessa tabela obtém-se que o
parâmetro de rede (a) da fase ZB-InSb
para 3 e 10 h de moagem é 0,12% maior
do que o do modelo de partida (ICSD n°
41445, a = 6,479 Å), indicando que a
amostra está sujeita a uma
microdeformação (s) distensiva. Após o
tratamento térmico observa-se que o
parâmetro de rede é praticamente igual
ao do modelo de partida e que o tamanho
médio de cristalitos p (e a
microdeformação s) aumenta de 195 para
750 Å (diminui de 1,40 para 0,29%), fatos que são atribuídos a relaxação estrutural, ao
crescimento de grão e a diminuição dos centros de defeitos promovidos pelo tratamento
térmico. Além disso, o percentual da fase ZB-InSb diminuiu em função do surgimento
das fases In
2
O
3
cúbica e Sb trigonal.
Novas medidas de DRX das amostras 10h-InSb e tt-InSb, num difratômetro
Xpert Pro – PanAlitycal, não mostraram nenhum tipo de evolução estrutural no período
de um ano. Foram observadas pequenas diferenças entre os parâmetros de rede (<
0,01%), aumento de ~ 23% para p e diminuição de 21% para s. Essas diferenças podem
estar associadas com o envelhecimento sutil das amostras e/ou diferenças no
Figura 15: Padrões DRX experimentais e ajuste MR
(sobrepostos) das amostras 3h-InSb (R2), 10h-InSb
(R3) e tt-InSb (R3). Em cinza as respectivas curvas
diferença. Rigaku-MiniFlex (Cu-k
α
). Os símbolos ▼,
V e | correspondem às posições das fases ZB-InSb,
I
2
O
3
cúbica e Sb trigonal, respectivamente.

34

alargamento instrumental de cada equipamento (Rigaku e PanAnalitycal).

3h-InSb 10h-InSb 60h-InSb tt-InSb
Fases
Rwp (%)
R
bragg

12,39
0,10
12,75
0,09
11,13
0,08
11,34
0,10
InSb
(F -4 3 m)
cúbica
a (Å) 6,4866(5) 6,4865(6) 6,489(2) 6,47854(8)
U
iso

2
)
In 0,033(3) 0,039(3) 0,045(6) 0,0166(6)
Sb 0,017(2) 0,018(2) 0,009(4) 0,0136(6)
Volume (Å
3
) 272,93(6) 271,91(8) 273,3(2) 271,915(9)
ρ (g/cm
3
) 5,758 5,758 5,750 5,779
p (Å) 243 195 138 750
s (%) 1,28 1,40 2,21 0,29
%wt 100 100 37,6 93,763(3)
In
2
O
3

(I a -3)
cúbica
a (Å) - - 10,137(3) 10,122(3)
Volume (Å
3
) - - 1041,5(8) 1037,2(8)
ρ (g/cm
3
) - - 7,083 7,112
p (Å) - - 164 464
s (%) - - 1,35 0,80
%wt - - 38,9 3,55(2)
Sb
(R -3 m H)
trigonal
a (Å) - - 4,306(2) 4,3029(8)
c (Å) - - 11,140(8) 11,322(5)
Volume (Å
3
) - - 178,9(2) 181,55(9)
ρ (g/cm
3
) - - 6,782 6,681
p (Å) - - 219 968
s (%) - - 3,00 0,34
%wt - - 23,4 2,68(2)

Tabela 2: Parâmetros estruturais da análise Rietveld das amostras 3h-InSb, 10h-InSb, tt-InSb e 60h-InSb
utilizando o pacote de programas GSAS. Largura de linha instrumental medida com uma amostra padrão
de Y
2
O
3
. a, c = parâmetro de rede; U
iso
= amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado; p =
densidade; p = tamanho médio de cristalitos; s = microdeformação; %wt = fração de fase cristalina.

3.1.3 Análise DSC
A Figura 16 mostra as curvas DSC da mistura de In e Sb (0 h) e das amostras 3h-
InSb, 10h-InSb e tt-InSb. A curva 0 h mostra três picos endotérmicos em 159,0, 499,4 e
528,2 °C. O primeiro pico é atribuído a fusão do In. O segundo e o terceiro picos
endotérmicos são atribuídos ao ponto eutético (ver Figura 2) e a fusão da fase ZB-InSb,
respectivamente. O pico exotérmico alargado centrado em 372 °C pode ser atribuído a
relaxação estrutural da amostra, já que nenhuma evidência de material amorfo (halo) foi
observada por DRX (ver Figura 12). Um pequeno aumento da linha de base também
pode ser visto para temperaturas maiores do que 275 °C, o qual pode ser associado com
o crescimento de grãos e/ou mudanças no calor específico do material.
35

As curvas DSC de 3h-InSb, 10h-
InSb e tt-InSb mostram as mesmas
reações endotérmicas vistas na curva 0 h,
exceto a fusão do In. O ponto eutético
aparece em ~ 491 °C com variação de
entalpia (∆H) menor que para 0 h e a
fusão da fase ZB-InSb é observada em ~
532 °C com ∆H maior que para 0 h. Nas
curvas das amostras moídas observa-se a
existência de uma pequena reação
exotérmica (entre 350 e 400 °C).
Evidências de material amorfo observadas
por DRX (seta na Figura 14) permitem
associar esta reação a uma transformação
do tipo amorfo-cristalino. A temperatura
de cristalização aumenta de 21,9 °C de 3
para 10 h de moagem, indicando que o ambiente químico da fase amorfa mudou
(composição atômica e/ou ordem local). A ausência da reação associada à cristalização
na curva tt-InSb corrobora a interpretação da reação exotérmica como um processo de
cristalização. O surgimento de picos das fases Sb trigonal e In
2
O
3
cúbica nos padrões
DRX tt-InSb reforçam ainda mais essa interpretação. Vale lembrar que o ponto de fusão
do In
2
O
3
cúbico é 1910 °C [43] e não pode ser observado pela célula DSC usada.


T (°C) ; ∆H (J/g)
0h 3h-InSb 10h-InSb 60h-InSb
tt-InSb
fusão do In
159,0 ; 13,3 - - -
-
relaxação estrutural
372,0 ; 39,0 - - -
-
cristalização
- 370,9 ; 1,7 390,4 ; 1,7 332,0 ; 1,8
-
ponto eutético
499,4 ; 45,4 490,4 ; 3,0 490,4 ; 4,0
488,6 ; 93,7
493,6 ; 7,3
fusão da ZB-InSb
528,2 ; 21,0 531,9 ; 164,4 532,1 ; 154,1
532,0 ; 133,1

Tabela 3: Valores da temperatura de pico e da variação de entalpia (∆H) das reações vistas nas curvas
DSC das amostras 0 h, 3h-InSb, 10h-InSb, 60h-InSb e tt-InSb.
Figura 16: Curvas DSC da mistura In + Sb (0 h), das
amostras 3h-InSb, 10h-InSb e tt-InSb. O detalhe
mostra um aumento da região entre 320 e 488 °C.
36

Aumentos da linha de base também são vistos para as amostras 10h-InSb e tt-InSb a
partir de 90 e 75 °C, respectivamente. A Tabela 3 mostra a temperatura de pico das
reações e suas respectivas ∆H.
As medidas DSC da remessa R1 são apresentadas na Figura 17 (a) a fim de
discutir a influência da grande quantidade de óxido observada por DRX. As curvas de
aquecimento para as amostras moídas entre 1 e 30 h mostram os picos associados ao
ponto eutético localizado em ≈ 490 °C (∆H ~ 83 Jg
-1
para 30 h de moagem) e a fusão da
fase ZB-InSb em ≈ 530 °C (∆H ~ 34 Jg
-1
para 30 h de moagem). É possível observar
uma inversão gradual na intensidade e diminuição na temperatura de pico dessas
reações com o aumento do tempo de moagem. As amostras moídas entre 40 e 60 h
apresentam uma única reação endotérmica em ≈ 490 °C (∆H = 93,7 Jg
-1
para 60 h de
moagem). A decomposição da fase ZB-InSb e o crescimento das fases indesejáveis
(In
2
O
3
cúbica e Sb trigonal) com o aumento do tempo de moagem, vistas por DRX,
explicam a inversão da intensidade e o deslocamento dos picos endotérmicos mostrados
na Figura 17 (a), uma vez que o ambiente químico em torno da fase ZB sofreu
mudanças drásticas.


Figura 17: Evolução com o tempo de moagem das curvas DSC de aquecimento (a) e esfriamento (b) da
amostra InSb (R1).
37

A Figura 17 (b) mostra as curvas de esfriamento da amostra R1. Nesta figura é
notória a reversibilidade do processo de fusão (solidificação – reações exotérmicas) e
também se observa histereses nos processos de fusão-solidificação de 13,5, 28,0 e 20,0
°C para 1, 6 e 60 h de moagem, respectivamente. Também se nota apenas uma reação
exotérmica para tempos de moagem entre 30 e 60 h, porém para 50 h ocorre um fato
anômalo, o processo de solidificação da liga ocorre muito mais suavemente do que para
outros tempos de moagem e sua temperatura de pico é ≈ 18 °C menor do que para 40 e
60 h de moagem.

3.1.4 Análise Raman
A Figura 18 mostra espectros Raman obtidos em diferentes regiões superficiais
(#1, #2 e #3) das amostras 10h-InSb e tt-InSb e de amostras de referência: Sb e InSb. Os
resultados dos ajustes dos espectros Raman por funções lorentzianas são resumidos na
Tabela 4.
O espectro Raman da amostra referência de Sb apresenta duas linhas localizadas
em 115,0 e 152,0 cm
-1
associadas aos modos Raman ativos E
g
e A
1g
do Sb trigonal [93],
respectivamente. O espectro Raman da
amostra de referência InSb apresenta duas
linhas localizadas em 189,1 e 178,3 cm
-1

associadas aos modos ópticos longitudinal
(LO) e transversal (TO) da fase ZB-InSb,
respectivamente [94].
Os espectros Raman #1, #2 e #3 da
amostra 10h-InSb mostram basicamente
as mesmas características, porém com
intensidades relativas bem diferentes. As
linhas localizadas próximas a 180 e 189
cm
-1
são atribuídas aos modos TO e LO da
fase ZB-InSb, tornando-se mais intensas
da região #1 para #3. Os modos Raman
entre 100 e 170 cm
-1
também apresentam
um comportamento sistemático da região
#1 para #3, onde se observa uma
Figura 18: Espectros Raman das amostras 10h-
InSb e tt-InSb (regiões #1, #2 e #3) e das
referências Sb e InSb. Lente objetiva = 100x.
38

diminuição na intensidade e um deslocamento dos picos para altas frequências. Não se
chegou a nenhuma interpretação conclusiva a respeito desses modos, podendo
relacioná-los a:
i) modos E
g
e A
1g
do Sb trigonal, porém, de acordo com o comportamento
esperado do modo A
1g
quando sobre pressão [95], significa que existem zonas de
Sb sobre tensão compressiva nas regiões #1 e #2 e que na região #3 zonas de Sb
devem estar sobre tensão distensiva ou associados à fase de alta pressão Sb-II
(tetragonal) [95], porém os padrões DRX não sustentam a última proposta;
ii) um estado multifásico, onde as linhas em 223,5, 253,8, 266,7 e 353,1 cm
-1

podem estar associadas a uma nova fase ou mesmo relacionadas a modos Raman
ativados pela desordem estrutural ligada ao processo da MS.
iii) segregação do Sb foto-induzida durante as medidas Raman, apesar da utilização
de um feixe de laser de potência muita baixa (0,8 mW).

1 2 3 4 5 6 7 8
9
Sb
115,0 152,0

InSb
178,3 189,1

10h-InSb
#1 110,0 146,8 179,8 189,6 253,8 266,7

#2 121,1 150,6 179,5 187,4

#3 165,3 180,8 189,6 223,5
353,1
tt-InSb
#1 117,2 154,4 182,9 192,2

#2 101,8 117,0 140,0

#3 114,9 148,8 180,3 187,9 252,6


Tabela 4: Frequências das linhas Raman (em cm
-1
) vistas nos espectros das amostras 10h-InSb e tt-InSb e
das referências Sb e InSb.

Os espectros Raman #1, #2 e #3 da amostra tt-InSb também são mostrados na
Figura 18. As linhas Raman observadas no espectro #1 são atribuídas aos modos E
g
e
A
1g
do Sb trigonal e aos modos LO e TO da fase ZB-InSb. No espectro #2 observam-se
lihas Raman somente na região entre 100 e 170 cm
-1
, sugerindo que esta é uma região
rica em Sb, porém nesse caso as linhas Raman localizadas em 101,8 e 140,0 cm
-1

deveriam estar associadas a zonas de Sb sobre alta tensão compressiva (≈ 4 GPa) [95].
39

No espectro #3 os modos E
g
e A
1g
do Sb trigonal e os modos LO e TO da fase ZB-InSb
são identificados. Além disso, uma linha intensa localizada em 252,6 cm
-1
é observada,
a qual parece ter a mesma origem da linha localizada em 253,8 cm
-1
da amostra 10h-
InSb. Modos Raman ativos associados à fase de In
2
O
3
cúbica [96] encontrada no padrão
de DRX da amostra tt-InSb não foram observados.
Comparando as posições das linhas Raman dos espectros das amostras 10h-InSb
e tt-InSb com as posições das linhas Raman das amostras referências, não se observam
deslocamentos unicamente positivos ou negativos, impossibilitando concluir se os
nanocristais estão sobre tensão compressiva ou distensiva. Este fato não pode ser
explicado olhando diretamente para os valores de microdeformação s obtidos por DRX
(longo alcance), Tabela 2, mas pode ser entendido lembrando que a MS envolve
pressões não-hidrostáticas e não-uniformes e gera amostras heterogenias do ponto de
vista local, percebida apenas nas medidas Raman (curto alcance).

3.1.5 Análise PAS
Para fazer as medidas PAS as amostras 10h-InSb e tt-InSb foram compactadas
(seis toneladas) na forma de discos com 1 cm de diâmetro e espessuras de 630 e 610
μm, respectivamente. Frequências de corte f
c
de 13 e 14 Hz foram calculadas (equação
(36)) para as amostras 10h-InSb e tt-InSb, respectivamente, considerando o coeficiente
de difusividade térmica para um monocristal de InSb (α=0,16 cm
2
/s) [97]. As medidas
PAS foram feitas em frequências de modulação ≥ 10 Hz a fim de trabalhar no regime
termicamente espesso.
A Figura 19 mostra os gráficos da amplitude (a) e fase (b) do sinal fotoacústico
Figura 19: (a) Log de S versus Log f e (b) Φ
ph
versus f das amostras 10h-InSb (quadrados) e tt-InSb
(triângulos). As linhas pretas representam ajustes das equações (21) e (23).
40

para as amostras 10h-InSb e tt-InSb. O mecanismo de difusão térmica (I) foi descartado
para ambas as amostras de acordo com o procedimento i descrito no final da seção 2.4.
A amplitude S da amostra 10h-InSb (tt-InSb) entre 62 e 110 Hz (62 e 115 Hz) apresenta
um expoente c = -1,01 (-1,02), procedimento ii da seção 2.4, característico dos
mecanismos de transferência de calor por recombinação não-radiativa na superfície (II),
flexão termoelástica (III) ou dilatação térmica [98]. No processo de dilatação térmica a
fase do sinal fotoacústico deve ser constante e igual a -90° [98], logo a Figura 19 (b)
descarta esse mecanismo, pois mostra que Φ
ph
varia com f. A equação (22) não ajustou
a fase do sinal fotoacústico das amostras nas regiões de linearidade citadas acima,
indicando que o mecanismo III também não é o mecanismo dominante. A fase do sinal
fotoacústico foi bem ajustada somente pela equação (23), indicando que o mecanismo
de flexão termoelástica (IV) é o mecanismo de transferência de calor dominante nesses
intervalos de frequências. Desses ajustes obteve-se α = 0,157 cm
2
/s para a amostra 10h-
InSb e α = 0,173 cm
2
/s para a tt-InSb. Esses valores são próximos ao valor para um
monocristal (α ≈ 0,16 cm
2
/s) [97]. O aumento de α após o tratamento térmico está
relacionado à melhora na cristalinidade (eliminação de defeitos) da amostra, observada
pelas medidas de DRX.

3.2 Sistema Zn-Te
3.2.1 Síntese
Uma mistura equiatômica de pós de Zn e Te (Zn: Vetec 99%; Te: Merck > 99%
e < 74 μm) foi sintetizada seguindo o mesmo procedimento experimental utilizado pelo
professor Heinrich Höhn (Departamento de Física – UFSC) na ocasião da primeira
síntese (2004) [17]. Com 15 h de moagem o processo de síntese foi interrompido e o pó
analisado por DRX. Uma porção da amostra moída foi tratada termicamente a 600 °C
por 6 h em um tubo de quartzo evacuado a aproximadamente 10
-3
Torr também foi
estudada.
Os resultados EDX mostraram que a composição química da amostra moída por
15 h (15h-ZnTe) é de 17,5 ± 0,5 at.% de Zn, 54 ± 2 at.% de Te e 23,0 ± 0,8 at.% de O, e
a composição química da amostra tratada termicamente (tt-ZnTe) é de 23,4 ± 0,6 at.%
de Zn, 56 ± 2 at.% de Te e 20,9 ± 0,8 at.% de O. Essa flutuação em relação à razão de
1:1 de Zn:Te inicialmente proposta pode ser associada com a colagem de parte dos pós
de Zn na parede do pote durante a moagem. Vale lembrar que a sonda usada não é
41

precisa/sensível na detecção de elementos leves (Z < Na) e que a quantificação desses é
comumente superestimada em amostras na forma de pó.

3.2.2 Análise DRX
A Figura 20 mostra os padrões DRX dos pós precursores cristalinos de Zn (c-
Zn) e Te (c-Te), bem como das
amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. Os
picos mais intensos no padrão de
DRX da amostra c-Te são atribuídos
a fase de telúrio trigonal (cartão
ICSD n° 76150). Picos minoritários
(ver cruzes na Figura 20) foram
atribuídos a fase de α-TeO
2
tetragonal (cartão ICSD n° 27515).
O ajuste obtido pelo método de
Rietveld revelou um percentual de
fase de 79,33(8) %wt para a fase de
telúrio trigonal e 20,7(2) %wt para a
fase de α-TeO
2
tetragonal.
No padrão de DRX da
amostra precursora de c-Zn os picos
mais intensos são atribuídos a fase
de Zn hexagonal (cartão ICSD n°
52259). Picos minoritários foram
atribuídos a fase de ZnO hexagonal
(cartão ICSD n° 82029). O ajuste
obtido pelo MR revelou um percentual de 83,632(1) %wt para a fase de Zn hexagonal e
de 16,4(3) %wt para a fase de ZnO hexagonal.
Para a amostra 15h-ZnTe os picos mais intensos são atribuídos a fase ZB-ZnTe
(cartão ICSD nº 41984). Picos minoritários associados às fases Te trigonal e ZnO
hexagonal ainda podem ser observados (ver símbolos na Figura 20). Todos os picos
observados no padrão de DRX da amostra 15h-ZnTe são alargados, indicando a
presença de uma estrutura nanométrica. Todos os parâmetros estruturais obtidos das
análises Rietveld estão resumidos na Tabela 5.
Figura 20: Padrões DRX dos pós precursores de c-Te e c-Zn
e das amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. As linhas cinzas
representam as diferenças entre os padrões ajustados pelo
MR e os experimentais. Xpert-PanAlitycal (Cu-k
α
). Os
símbolos representam as fases Te trigonal (|), α-TeO
2

tetragonal (+), Zn hexagonal (●), ZnO hexagonal (○) e ZB-
ZnTe cúbica (V).

42


15h-ZnTe tt-ZnTe

Fases

Rwp (%)
R
Bragg

11,67
0,08
13,44
0,07
ZB-ZnTe
(F -4 3 m)
cubic
Parâmetro de rede (Å) 6,1056(2) 6,10368(3)
U
iso

2
) (x; y; z)
Zn 0,0310(7) (0; 0; 0) 0,0162(5) (0; 0; 0)
Te 0,0201(2) (¼; ¼; ¼) 0,0122(2) (¼; ¼; ¼)
ρ (g/cm
3
) 5,632 5,637
p (Å) 145 1107
s (%) 1,96 0,11
%wt 77,28(4) 69,30(6)
Te
(P 31 2 1)
trigonal
Parâmetro de rede (Å)
a 4,4777(9) 4,4733(2)
c 5,916(2) 5,9100(4)
U
iso

2
) (x; y; z) 0,0148(6) (0,260(2); 0; 1/3) 0,0221(8) (0,2600(6); 0; 1/3)
ρ (g/cm
3
) 6,188 6,206
p (Å) 138 561
s (%) 2,04 0,48
%wt 11,54(9) 16,4(2)
ZnO
(P 63 m c)
hexagonal
Parâmetro de rede (Å)
a 3,2535(5) 3,2507(2)
c 5,217(2) 5,2025(4)
U
iso

2
) (x; y; z)
Zn 0,027(2) (2/3; 1/3; 0) 0,007(2) (2/3; 1/3; 0)
O 0,013(9) (2/3; 1/3; 0,579(5)) 0,033(8) (2/3; 1/3; 0,605(4))
ρ (g/cm
3
) 5,651 5,677
p (Å) 258 587
s (%) 0,42 0,36
%wt 11,2(2) 14,3(2)

Tabela 5: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras de 15h-
ZnTe e tt-ZnTe utilizando o GSAS. Amostra padrão de Y
2
O
3
.

O padrão de DRX da amostra tt-ZnTe tem praticamente as mesmas
características do padrão de DRX da amostra 15h-ZnTe, entretanto a intensidade dos
picos de difração aumentaram e a largura dos picos reduziram substancialmente,
indicando um melhoramento da cristalinidade e o crescimento do tamanho médio de
cristalitos da amostra. Da análise dos padrões de DRX das amostras 15h-ZnTe e tt-
ZnTe, nenhum pico de difração relacionado à fase α-TeO
2
tetragonal (existente na
amostra c-Te)

foi identificado. Com relação à fase ZnO hexagonal, a análise Riteveld
revelou um pequeno aumento no percentual de fase após o tratamento térmico, porém
ainda abaixo do valor obtido para a amostra precursora c-Zn.
Comparando os resultados da Tabela 5 com os resultados da liga ZnTe
produzida por MS pelo nosso grupo no ano de 2004 [17], verificam-se apenas pequenas
discrepâncias nos resultados obtidos da análise Rietveld. Assim, sinalizando que o
43

processo de MS da liga ZnTe é reprodutível.
A fim de verificar se a amostra de ZnTe produzida pelo nosso grupo em 2004
[17] sofreu algum tipo de mudança (envelhecimento) após 4 anos guardada em
condições ambiente, novas medidas de DRX foram feitas em 2008. A Figura 21 mostra
os padrões DRX ajustados pelo
MR (sobrepostos aos
experimentais) das amostras
envelhecidas (en) en-15h-ZnTe e
en-tt-ZnTe. As fases identificadas
em en-15h-ZnTe são as mesmas
identificadas em 15h-ZnTe. No
entanto, enquanto as intensidades
dos picos da fase majoritária ZB-
ZnTe diminuíram, as intensidades
dos picos das fases de Te trigonal e
ZnO hexagonal aumentaram,
indicando mudanças significativas
nos percentuais de fase da amostra
(meta-estabilidade). Outra
observação importante é que os
picos continuam bem alargados,
indicando que os cristais na amostra
ainda são nanométricos. A Tabela 6
resume todos os parâmetros obtidos
pela análise Rietveld.
Na amostra en-tt-ZnTe, além das fases identificadas em en-15h-ZnTe, foi
encontrada a fase β-TeO
2
ortorrômbica (cartão ICSD nº 26844). Os parâmetros
estruturais obtidos da análise Rietveld podem ser vistos na Tabela 6, os quais mostram
que a fase ZB-ZnTe teve o seu percentual reduzido de apenas 5% quando comparada
com a amostra tt-ZnTe, permitindo concluir que a fase ZB-ZnTe é muito mais estável
quando tratada termicamente.


Figura 21: Padrões DRX experimentais e ajustes MR
(sobrepostos) das amostras en-15h-ZnTe e en-tt-ZnTe. Em
cinza as respectivas curvas diferença. Xpert-PanAlitycal
(Cu-k
α
). Os símbolos ▼, +, V e | representam as fases ZB-
InSb, ZnO hexagonal, Te trigonal e β-TeO
2
ortorrômbica,
respectivamente.
44

en-15h-ZnTe en-tt-ZnTe

Fases

Rwp (%)
R
Bragg

10,82
0,06
12,55
0,09
ZB-ZnTe
(F -4 3 m)
cubic
Parâmetro de rede (Å) 6,1035(5) 6,10331(3)
U
iso

2
) (x; y; z)
Zn 0,036(3); (0; 0; 0) 0,0163(6); (0; 0; 0)
Te 0,0131(9); (¼; ¼; ¼) 0,0099(2); (¼; ¼; ¼)
ρ (g/cm
3
) 5,637 5,638
p (Å) 189 1142
s (%) 2,22 0,14
%wt 29,3(2) 64,52(3)
Te
(P 31 2 1)
trigonal
Parâmetro de rede (Å)
a 4,4662(5) 4,4698(4)
c 5,9188(8) 5,9093(8)
U
iso

2
) (x; y; z) 0,0253(8); (0,2633(4); 0; 1/3) 0,034(2); (0,261(2); 0; 1/3)
ρ (g/cm
3
) 6,217 6,217
p (Å) 161 357
s (%) 1,62 0,27
%wt 45,1(2) 10,4(1)
ZnO
(P 63 m c)
hexagonal
Parâmetro de rede (Å)
a 3,2540(4) 3,2508(2)
c 5,2144(9) 5,2042(6)
U
iso

2
) (x; y; z)
Zn 0,00552; (2/3; 1/3; 0) 0,009(9); (2/3; 1/3; 0)
O 0,00611; (2/3; 1/3; 0,602(3)) 0,012(7); (2/3; 1/3; 0,613(4))
ρ (g/cm
3
) 5,652 5,675
p (Å) 164 463
s (%) 0,19 0,41
%wt 25,6(3) 13,9(2)
β-TeO
2

(P b c a)
ortorrômbica
Parâmetro de rede (Å)
a - 12,055(2)
b - 5,458(1)
c - 5,600(1)
U
iso

2
) (x; y; z)
Te - 0,016(2); (0,1185(7); 0,022(2); (0,376(1))
O - 0,009; (0,49(5); 0,67(1); 0,18(1))
O - 0,009; (0,155(5); 0,236(8); 0,13(5))
ρ (g/cm
3
) - 5,755
p (Å) - 375
s (%) - 0,52
%wt - 11,2(2)

Tabela 6: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras en-15h-
ZnTe e en-tt-ZnTe utilizando o GSAS. Amostra padrão de Y
2
O
3
.

3.2.3 Análise DSC
A Figura 22 mostra as curvas DSC das amostras de c-Te e 15h-ZnTe. A curva
DSC da amostra c-Te mostra um único pico endotérmico em 454 °C e uma reação
exotérmica (entre 490 °C e 550 °C) coexistindo com o aumento da linha de base. O pico
endotérmico é atribuído a fusão do Te, cuja ∆H é de 122 Jg
-1
. A reação exotérmica e o
aumento da linha de base são atribuídos respectivamente a relaxação estrutural e ao
45

crescimento de grãos e/ou aumento do calor específico de fases remanescentes.
A curva DSC 15h-ZnTe apresenta uma banda exotérmica larga na região entre
50 e 220 °C cuja ∆H é de 7,2 Jg
-1
. Aparentemente a reação endotérmica na região
próxima a 450 °C contém dois picos, um em 443,9 e outro em 449,8 °C, cuja ∆H é de
22,9 Jg
-1
. O pico endotérmico em 449,8
°C é atribuído a fusão da fase Te trigonal
[43] observada na medida de DRX. Um
aumento da linha de base também pode
ser observado ao longo de toda a curva.
A amostra de ZnTe tratada
termicamente (produzida em 2004) já foi
estudada pelo nosso grupo usando DSC
[17]. Verificou-se que após o tratamento
térmico a banda exotérmica vista para a
amostra como-moída persistiu e o pico
endotérmico localizado em 443,9 °C
desapareceu. A existência da reação
exotérmica na curva DSC da amostra
15h-ZnTe e a sua permanência mesmo
após o tratamento térmico [17],
permanecem inexplicadas.

3.2.4 Análise Raman
A Figura 23 mostra espectros Raman das amostras c-Te, 15-ZnTe e tt-ZnTe
coletados com aceitáveis relações de sinal/ruído fazendo-se 5 medidas com tempos de
acumulação de até 2 minutos. Os resultados dos ajustes dos espectros Raman por
funções lorentzianas estão resumidos na Tabela 7.
O espectro Raman da amostra c-Te mostra três linhas intensas localizadas na
região de baixas frequências (<200 cm
-1
) e outra localizada em ≈ 645 cm
-1
. Linhas
Raman pouco intensas também são observadas em 62, 95 e ≈ 400 cm
-1
. Na Tabela 7
pode-se observar que todos os modos do Te trigonal [99 e 100] foram identificados no
espectro, mas aqueles relacionados ao α-TeO
2
(24 modos ativos) [101] foram
parcialmente satisfeitos pelo ajuste, fato que pode estar relacionado a uma baixa
Figura 22: Curvas DSC das amostras c-Te e 15h-
ZnTe.
46

cristalinidade da fase minoritária α-TeO
2
ou a deformações impostas pela fase Te
trigonal sobre a fase α-TeO
2.

O espectro Raman da amostra 15h-ZnTe mostra uma linha fraca em 96 cm
-1
e
duas linhas intensas entre 100 e 150 cm
-1
. Na região de frequência entre 200 e 400 cm
-1

existe uma linha intensa próxima a 200
cm
-1
e outra muito fraca e larga próxima
de 275 cm
-1
. Para altas frequências (>400
cm
-1
), duas linhas fracas podem ser
associadas com modos de segunda e
terceira ordem do LO (ver detalhe na
Figura 23). O espectro Raman da amostra
tt-ZnTe é parecido com o da amostra 15h-
ZnTe, exceto pelas duas linhas
observadas em ≈ 80 e 235 cm
-1
.
Na Tabela 7 pode-se observar que
foram identificados modos Raman ativos
da fase Te trigonal [99 e 100] (exceto a
linha 174 cm
-1
) e da fase ZB-ZnTe [102-
105] (exceto a linha 182 cm
-1
, modo TO)
no espectro das amostras 15h-ZnTe e tt-
ZnTe. Também pode ser observado que as
linhas ajustadas como 161 e 273 cm
-1
para
a amostra 15h-ZnTe e 151, 236, 276 cm
-1
para a amostra tt-ZnTe não foram atribuídas à
fase Te trigonal nem a fase ZB-ZnTe. Talvez estas linhas estejam relacionadas a algum
tipo de fase minoritária não detectada pelas medidas de DRX. Modos Raman ativos da
fase ZnO hexagonal [106] (observada nas medidas de DRX) não foram identificados.







Figura 23: Espectros Raman das amostras c-Te,
15h-ZnTe e tt-ZnTe. No detalhe aumento da região
de alta frequência. As linhas sobrepostas são ajustes
de funções Lorentzianas. Lente objetiva = 50x.
47

c-Te 15h-ZnTe tt-ZnTe Te [99, 100] ZnTe [102-105] α-TeO
2
[101] ZnO [106]
64,5 62 (B
1
)
82 82 (A
2
)
95 96 96 97 (E) 99
121 121 (E)
124,8 125 127 123 (A
1
)
143,4 143 144 141 (E)
152 151 152 (A
1
)
157 161 157 (B
2
)
171 174 (2E) 174 (E)
180 179 (B
1
)
182* (TO)
206,6 207,2 210 (LO)
230 236 210 (E), 218 & 235 (B
1
)
271 273 259 (A
2
)
280 276 281 (B
2
)
297 297 (E)
394 315 (A
2
), 330 & 379 (E), 392 (A
1
) 382
409,5 411,3 420 (2LO) 414
417 415 (B
2
) 439
592 575 (A
2
), 592 (B
1
) 574
613,7 615,7 630 (3LO) 580
642 642 (E)
649 649 (A
1
)
680
769 (E), 786 (B
2
)

Tabela 7: Frequências dos modos Raman ativos (cm
-1
) detectados para as amostras c-Te, 15h-
ZnTe e tt-ZnTe.

3.2.5 Análise PAS
Para fazer as medidas PAS as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe foram compactadas
(seis toneladas) na forma de pastilhas com 1 cm de diâmetro e espessuras de 500 e 465
μm, respectivamente. Frequências de corte f
c
de 23 e 32 Hz foram calculadas (equação
(36)) para as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe, respectivamente, considerando o coeficiente
de difusividade térmica de uma amostra policristalina de ZnTe (α = 0,18 cm
2
/s para a
amostra como preparada e α = 0,22 cm
2
/s após a mesma ser resfriada de 200 °C até a
temperatura ambiente) [107]. As medidas PAS foram feitas em frequências de
modulação ≥ 10 Hz a fim de trabalhar no regime termicamente espesso.
A Figura 24 mostra a amplitude (a) e fase (b) do sinal fotoacústico para as
amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. Depois do tratamento térmico observa-se que a amplitude
do sinal varia de 35%, enquanto que a fase varia de 28% em 11 Hz. O mecanismo de
difusão térmica (I) foi descartado para ambas as amostras de acordo com o
procedimento i descrito no final da seção 2.4. A amplitude S da amostra 15h-ZnTe entre
55 e 145 Hz apresenta um expoente c = -1,03, procedimento ii da seção 2.4,
48

característico dos mecanismos de transferência de calor por recombinação não-radiativa
na superfície (III), flexão termoelástica (IV) ou dilatação térmica [105], e a amostra tt-
ZnTe apresenta expoentes c = -1,05 entre 48 e 70 Hz e c = -1,06 entre 125 e 165 Hz. O
mesmo argumento citado para 10h-InSb e tt-InSb é aplicado para descartar o
mecanismo de dilatação térmica nas amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe.
Para a amostra 15h-ZnTe observou-se que dentro da região de linearidade citada
acima a equação (23) ajustou-se muito bem entre 95 e 145 Hz, indicando que o
mecanismo de flexão termoelástica (IV) é o mecanismo de transferência de calor
dominante nesse intervalo de frequência. Desse ajuste obteve-se um coeficiente de
difusividade térmica efetivo da amostra igual a α = 0,152 cm
2
/s. Este valor é 16,7 %
menor que o valor obtido para a amostra policristalina de ZnTe como preparada (α =
0,18 cm
2
/s) [107], porém, concorda muito bem com aquele obtido por calculo teórico de
ponderação (α = 0,150 cm
2
/s) quando se considera as frações de fases obtidas do ajuste
Rietveld e os seus respectivos coeficientes de difusividade térmica reportados na
literatura (α
ZnTe
= 0,18 [107], α
Te
= 0,019 cm
2
/s [108] e α
ZnO
= 0,080 cm
2
/s [109]).
Ainda dentro da região de linearidade verificou-se que a equação (22) ajustou-se muito
bem entre 55 e 95 Hz, indicando que o mecanismo recombinação não-radiativa na
superfície (III) é o mecanismo de transferência de calor dominante nesse intervalo de
frequência. Para este ajuste o coeficiente de difusividade térmico previamente obtido
com a equação (23) foi fixado. Os valores de D, v e τ obtidos do ajuste são mostrados na
Tabela 10.
Para a amostra tt-ZnTe as equações (22) e (23) foram muito bem ajustadas nos
intervalos de frequências 48-70 Hz e 125-175 Hz, respectivamente. Para estes ajustes os
Figura 24: (a) Log S x Log f e (b) Φ
ph
x f das amostras 15h-ZnTe (quadrados) e tt-ZnTe (círculos com
cruzes). Linhas sólidas representam os ajustes teóricos usando as equações (21), (22) e (23).
49

valores obtidos previamente foram utilizados como valores iniciais e α, D, v e τ foram
determinados (ver Tabela 8). O valor teórico de α obtido por calculo de ponderação para
a amostra tt-ZnTe foi de 0,167 cm
2
/s, o qual concorda muito bem com o obtido no
ajuste e é 24% menor que para uma amostra policristalina de ZnTe após a mesma ser
resfriada de 200 °C até a temperatura ambiente (α = 0,22 cm
2
/s) [107]. Na referência
[104] foi obtida maior difusividade térmica para a amostra tratada do que para a amostra
como preparada. Este mesmo comportamento foi observado para as amostras 15h-ZnTe
e tt-ZnTe. A diferença entre os valores observados na referência [107] e os obtidos aqui
é

Tabela 8: Espessura da amostra (l
s
),
difusividade térmica (α), coeficiente de
difusão dos portadores (D), velocidade de
recombinação dos portadores na superfície (v)
e tempo de recombinação (τ) obtidos das
medidas PAS das amostras 15h-ZnTe e tt-
ZnTe. * Valores de α obtidos de cálculos
teóricos de ponderação.


atribuída à presença das fases minoritárias de Te trigonal e ZnO hexagonal nas
amostras. Aleksiejunas e colaboradores [53] reportaram um valor de D = 11,1 cm
2
/s
para a liga de ZnTe, o qual concorda muito bem com os valores encontrados para as
amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. Não foram encontrados valores na literatura dos
parâmetros v e τ, impossibilitando comparar os resultados obtidos nesse trabalho.
A Figura 24 também mostra que os intervalos de frequência correspondentes aos
mecanismos de recombinação não-radiativa na superfície (III) e flexão termoelástica
(IV) estão bem separados depois do tratamento térmico. Esta separação pode ser
atribuída à relaxação estrutural (crescimento de grão e eliminação de defeitos presentes
em ambas as componentes cristalina e interfacial) promovido pelo tratamento térmico,
como sugerido pelas medidas de DRX. O aumento da difusividade térmica com o
tratamento térmico também parece estar relacionado à relaxação estrutural. A
coexistência das três fases cristalinas mostradas pelas medidas DRX induzem defeitos
de encaixe entre as estruturas cristalinas, originando espaços vazios (poros) que
favorecem um gradiente de temperatura dentro da amostra. Esse gradiente pode ser o
responsável pelo mecanismo de flexão termoelástico observado em ambas as amostras.

15h-ZnTe tt-ZnTe
l
s
(μm) 500 465
α (cm
2
/s) 0,152 / 0,150* 0,167 / 0,167*
D (cm
2
/s) 10,3 11,6
v (cm/s) 42,5 38,7
τ (μs) 7,3 10,0
50

3.3 Sistema Cd-Te
3.3.1 Síntese
Uma mistura equiatômica de pós de Cd (Riedel-de Raën – com a granulação dos
pós entre 0,3 e 1,5 mm) e Te (Merck > 99% e < 74 μm) foi preparada pelo professor
Heinrich Höhn no ano de 2004 [110]. Um pote de fundo plano e esferas de aço inox
foram usados para selar e sintetizar os pós em atmosfera de argônio. A BPR utilizada foi
de 5:1. Após 15 h de moagem o processo da MS foi parado e o pó analisado por DRX.
Uma porção da amostra moída foi submetida a um tratamento térmico em um
tubo de quartzo a aproximadamente 10
-3
Torr a 550 °C por 6 h, seguido por um
resfriamento natural até a temperatura ambiente.
Os resultados das análises químicas (EDX-700) revelaram uma razão 1:1 de
Cd:Te e, ainda que superestimada, uma elevada contaminação por oxigênio (20 at.%).

3.3.2 Análise DRX
A Figura 25 mostra os padrões de DRX dos pós precursores cristalinos de Cd (c-
Cd) e Te (c-Te), bem como das amostras moída por 15 h (15h-CdTe) e tratada
termicamente (tt-CdTe). Os picos mais intensos nos padrões de DRX das amostras de c-
Cd e c-Te foram atribuídos respectivamente ao Te trigonal e ao Cd hexagonal (cartões
ICSD n° 76150 e 64702). Além disso, picos menos intensos foram associados às fases
cristalinas α-TeO
2
tetragonal e CdO cúbica (cartões ICSD n° 27515 e n° 29292) na
proporção de 6% e 10%, respectivamente. Picos (ainda menos intensos) nas posições 2θ
~ 19°, 29,5°, 49° e 52° no padrão de XRD da amostra c-Cd não foram identificados.
Inúmeros compostos remanescentes do processo de purificação falharam na tentativa de
identificar a natureza desses picos, entre eles: CdO
2
, Cd-Cl, Cd-S e Cd(NO
3
)
2
. Esse fato
sugere que a contaminação de oxigênio detectada pela análise química das amostras
15h-CdTe e tt-CdTe deve estar relacionada também aos pós precursores e não somente
ao processo da MS.
No padrão de DRX da amostra 15h-CdTe todos os picos intensos observados
foram identificados como pertencentes à fase CdTe cúbica do tipo ZB (ZB-CdTe, cartão
ICSD n° 108238).
No padrão de DRX da amostra tt-CdTe os picos da fase ZB-CdTe também foram
identificados. Picos de baixa intensidade emergiram na região de 2θ 29° e foram
51

identificados como pertencentes à fase Cd
2
(Te
2
O
7
) triclínica (cartão ICSD n° 413057).
Além disso, observa-se que a intensidade (largura) dos picos aumentou (diminuiu),
indicando a redução de defeitos e o aumento do tamanho médio de cristalitos (p).
Segundo a análise Rietveld p aumenta de 208 para 617 Å e s diminui de 2,3 para 0,5%.
É interessante notar uma pequena redução da fração de fase da fase ZB-CdTe devido à
nucleação/cristalização da fase triclínica Cd
2
(Te
2
O
7
). O processo de cristalização
também é sugerido pelas reações exotérmicas observadas nas curvas de DSC da amostra
15h-CdTe (ver seção 3.3.3). Todos os parâmetros estruturais obtidos das análises
Rietveld estão resumidos na Tabela 9.
























Figura 25: Padrões DRX das amostras c-Cd, c-Te, 15h-CdTe e tt-CdTe. Os
ajustes MR (15h-CdTe e tt-CdTe) estão sobrepostos aos experimentais e as
curvas diferença são mostradas em cinza. Os símbolos |, +,▼e V
representam as fases Cd hexagonal, CdO cúbica, Te trigonal e α-TeO
2

tetragonal.
52

















3.3.3 Análise DSC
A Figura 26 mostra as curvas DSC das amostras de c-Cd, c-Te, 15h-CdTe e tt-
CdTe. A curva DSC da amostra c-Cd mostra dois picos endotérmicos em 243 e 327 °C,
cujas ∆H são de 19,0 e 45,0 Jg
-1
, respectivamente. Um pequeno aumento da linha de
base também pode ser visto para temperaturas maiores do que 400 °C. O segundo pico
endotérmico é atribuído a fusão do Cd, já o primeiro pico não concorda com nenhuma
reação térmica envolvendo óxidos de Cd e compostos de Cd-Cl ou Cd-S. Até o
momento este pico não foi satisfatoriamente explicado. O aumento da linha de base é
atribuído ao crescimento de grãos e/ou aumento do calor específico de fases
remanescentes. A discussão a respeito da curva DSC da amostra c-Te pode ser vista na
seção 3.2.3.
A curva DSC da amostra 15h-CdTe apresenta dois picos exotérmicos pouco
intensos em 412 °C e 504 °C e um pequeno pico endotérmico também pode ser visto em
596 °C. A ∆H foi de 2 Jg
-1
para cada pico. Além disso, um aumento da linha de base
15h-CdTe tt-CdTe
Fases
Rwp (%)
R
bragg

6,70
0,03
7,43
0,14
CdTe
(F -4 3 m)
cúbica
Parâmetro de
rede (Å)
6,477(2) 6,4779(3)
U
iso

2
)
Cd 0,057(7) 0,036
Te 0,027(5) 0,019
Volume (Å
3
) 271,7(2) 271,82(3)
ρ (g/cm
3
) 5,867 5,865
p (Å) 208 617
s (%) 2,30 0,5
%wt 100 92,8(2)
Cd
2
Te
2
O
7

(P -1)
triclínica
Parâmetro
de rede (Å)
a - 7,358(7)
b - 8,44(1)
c - 10,15(2)
α - 86,46(9)
β - 78,4(2)
γ - 78,08(9)
Volume (Å
3
) - 603,8(9)
ρ (g/cm
3
) - 6,512
p (Å) - 751
s (%) - 0,9
%wt - 7,10(3)
Tabela 9: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld
dos padrões DRX das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe utilizando
o GSAS. Amostra padrão α-Al
2
O
3
(NBS 674).
53

é observado coexistindo com o pico
endotérmico. É interessante notar que os
picos endotérmicos associados aos pós
precursores não são observados,
confirmando que os mesmos nuclearam
para formar a fase ZB-CdTe identificada
por DRX. Uma segunda medida da
mesma amostra foi executada e nenhum
pico exotérmico foi observado, apenas o
pico endotérmico (incompleto) e o
aumento da linha de base permaneceram.
Essa observação sugere que os picos
exotérmicos estão relacionados a algum
tipo de transformação amorfo-cristalino.
Baseado nessa proposta e nos resultados
de DRX da amostra tt-CdTe pode-se
concluir que a amostra como moída possui uma componente amorfa de Cd-Te-O
(minoritária) além da cristalina (ZB-CdTe). Embora os picos endotérmicos que
aparecem na primeira e segunda medida da amostra 15h-CdTe estejam localizados em
posições diferentes, eles parecem ter a mesma origem, porém uma pesquisa
bibliográfica sobre pontos de fusão dos compostos TeO
2
(733 °C), CdO (> 1500 °C) e
CdO
2
(decompõe-se em 697 °C) falharam em explicá-los. Não se encontrou na literatura
o ponto de fusão da fase triclínica Cd
2
(Te
2
O
7
). Vale lembrar que a ZB-CdTe funde em
1098 °C [43] e que por esse motivo não foi observado nas curvas de DSC.
A curva de DSC para a amostra tt-CdTe mostra apenas um aumento da linha de
base à medida que a temperatura aumenta, sugerindo a inexistência de contribuições
amorfas, resultado que concorda com o padrão DRX da mesma.

3.3.4 Análise Raman
A Figura 27 mostra espectros Raman das amostras c-Cd, c-Te, 15-CdTe e tt-
CdTe coletados com aceitáveis relações de sinal/ruído fazendo-se 5 medidas com
tempos de acumulação de até 4 minutos. Os resultados dos ajustes dos espectros Raman
por funções lorentzianas estão resumidos na Tabela 10.
Figura 26: Curvas DSC dos pós precursores (c-Cd e
c-Te) e das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe. A linha
pontilhada representa a segunda medida da amostra
15h-CdTe.
54

O espectro da amostra c-Cd mostra uma banda larga e fraca entre 200 e 500
cm
-1
. Embora a medida de DRX mostre cerca de 10% da fase CdO cúbica, esta banda
Raman e o pico endotérmico em 243 °C observado na medida de DSC não foram
relacionados à mesma, assim podem estar associados a uma fase minoritária não
identificada nas análises da amostra c-Cd. Discussões sobre o espectro Raman da
amostra c-Te podem ser vistas na seção 3.2.4.
O espectro Raman da amostra
15h-CdTe preserva uma similaridade na
região de baixas frequências quando
comparado com o espectro da amostra c-
Te, porém na região de altas frequências
as linhas Raman correspondentes a fase
α-TeO
2
presentes na amostra c-Te estão
ausentes (ver Tabela 10). Outra diferença
importante entre os dois espectros é o
aparecimento de um “ombro” intenso
localizado na região dos picos principais
(≈ 165 cm
-1
) associado à fase ZB-CdTe,
cujos modos Raman ativos [99] são
mostrados na Tabela 10. Nessa tabela os
resultados numéricos mostram que as
linhas Raman pertencentes à fase ZB-
CdTe deslocaram-se para valores de
altas frequências quando comparado
com valores bulk [99], indicando uma
possível presença de tensões residuais compressivas. Linhas intensas observadas na
amostra c-Te (95 e 124,8 cm
-1
) ainda podem ser observadas na região de baixa
frequência da amostra 15h-CdTe (95 e 123 cm
-1
).
Diversos artigos reportam que cristais de CdTe na forma bulk crescidos por
diferentes técnicas apresentam precipitados de telúrio e que quando as mesmas são
irradiadas com lasers de alta potência induz-se a formação de íons de TeO
3
na superfície
da amostra. Além disso, é possível que a fase ZB-CdTe se decomponha e forme
precipitados de Telúrio trigonal sobre a superfície iluminada da amostra durante as
Figura 27: Espectros Raman dos pós precursores (c-
Cd e c-Te) e das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe. As
linhas sobrepostas correspondem aos ajustes com
Lorentzianas. As linhas pontilhadas ilustram as
contribuições dos modos TO e LO da fase ZB-CdTe.
Lente objetiva = 50x.
55

c-Te 15h-CdTe ta-CdTe Te [99, 100] CdTe [99] α-TeO
2
[101]
64,5 62 61 62 (B
1
)
82 82 (A
2
)
95 95 95 97 (E)
121 121 (E)
124,8 123 125 123 (A
1
)
143,4 142 144 141 (E) 141 (TO)
152 152 (A
1
)
157 155 157 (B
2
)
168 167 167 (LO)
171 174 (2E) 174 (E)
180 179 (B
1
)
230 237 210 (E), 218 & 235 (B
1
)
271 274 269 (2TO) 259 (A
2
)
280 281 (B
2
)
297 297 (E)
394 315 (A
2
), 330 e 379 (E), 392 (A
1
)
417 415 (B
2
)
592 575 (A
2
), 592 (B
1
)
642 642 (E)
649 649 (A
1
)
680 769 (E), 786 (B
2
)

Tabela 10: Frequência dos modos Raman ativos (em cm
-1
) das amostras c-Te, 15h-CdTe e tt-CdTe.

medidas Raman, apesar da baixa potência do laser utilizado durante as medidas (0,8
mW). Neste caso as linhas Raman de Te dominarão o espectro Raman, uma vez que a
seção de choque do CdTe é duas ordens de grandeza menor [99] do que a do Te.
O espectro Raman da amostra tt-CdTe é muito similar ao da amostra 15h-CdTe,
porém a intensidade dos picos são menores. Além disso, três linhas extras surgiram (em
82, 237 e 274 cm
-1
). Algumas das linhas Raman foram deslocadas (de forma
inesperada) para valores de altas frequências quando comparadas com os resultados da
amostra 15h-CdTe, porém um ajuste razoável do espectro Raman da amostra tt-CdTe
pode ser obtido considerando um pequeno deslocamento do modo LO em direção ao
valor bulk (167 cm
-1
), o qual pode ser associado ao relaxamento estrutural induzido pelo
tratamento térmico da amostra. Embora os resultados de DRX para a amostra tt-CdTe
apontem para a existência da fase triclínica Cd
2
(Te
2
O
7
), nenhuma linha Raman foi
diretamente associada a esta fase, de maneira que as linhas Raman localizadas em 82,
237 e 274 cm
-1
são as candidatas mais prováveis da mesma.
56

Capítulo 4

Conclusões
Essa dissertação de mestrado visou estudar as propriedades físicas das ligas
nanocristalinas de InSb, ZnTe e CdTe produzidas por mecano-síntese, possibilitando
uma ampla formação acerca das técnicas de caracterização: DRX, DSC, EDX, Raman e
PAS. A combinação dessas técnicas foi de suma importância pelo fato de serem
complementares.
Verificou-se que é possível obter ligas semicondutoras com fase blenda de zinco
(ZB) em tempos de moagem curtos (2 h para InSb, 15 h para CdTe e ZnTe). Para essas
ligas confirmou-se o caráter nanométrico e alta desordem das amostras usando o
Método de Rietveld. Os tamanhos médios de cristalitos (microdeformações) das fases
identificadas nas amostras como-moídas compreenderam valores entre 15 e 25 nm (1,2
e 2,3%). No caso específico da liga de InSb, observou-se que a abertura do pote em
diferentes tempos de moagem influenciou diretamente no surgimento de outras fases.
Verificou-se que após o tratamento térmico das amostras como-moídas as fases
ZB se mantiveram estáveis, os tamanhos médios de seus cristalitos atingiram valores
entre 67 e 115 nm e a fração de impurezas/óxidos cristalinos aumentaram (chegando a
16,4 %wt). As amostras de InSb também permaneceram estáveis após 1 ano de
armazenamento. Já as amostras de ZnTe apresentaram evolução estrutural com o tempo
(menor para a amostra tratada termicamente), restando apenas 29,3 % da fase ZB no
caso da amostra como-moída após 4 anos mantida em condições ambiente.
As medidas DSC das amostras de InSb confirmam a fusão da fase ZB e o ponto
eutético do sistema In-Sb, já para as outras amostras as curvas DSC serviram para
identificar fases amorfas e materiais não reagidos.
Os resultados Raman forneceram as frequências dos modos LO e TO das fases
ZB e sugerem: heterogeneidade local, fases tensionadas e multifases.
As medidas PAS mostraram que o mecanismo de transmissão de calor
dominante para a liga InSb é a flexão termoelástica e que para a liga ZnTe a
recombinação não-radiativa na superfície e a flexão termoelástica coexistem. O valor da
difusividade térmica das ligas de InSb e ZnTe aumentou após tratamento térmico.
57

Sugestões de estudos futuros

÷ Produzir (por MS) outras amostras dos sistemas estudados nessa dissertação,
mas em outras concentrações.
÷ Fazer medidas DSC em temperaturas elevadas a fim de verificar a existência de
pontos eutéticos nas amostras CdTe e ZnTe.
÷ Estudar as ligas semicondutoras produzidas por mecano-síntese em condições
extremas de pressão através das técnicas Raman e XAS (X-ray absorption
spectroscopy) e, eventualmente DRX para verificar transições de fase.
÷ Simulações ab initio de estrutura eletrônica voltadas ao cálculo de frequências e
intensidades Raman.
÷ Montagem de outra estação experimental PAS adaptada para medidas de
absorção óptica.

58

Anexo 1
DRX- Correção de Intensidade
Nessa dissertação os padrões DRX das ligas InSb foram coletados num
difratômetro (Rigaku – MiniFlex). Nesse difratômetro a abertura da fenda divergente
varia com o aumento de θ a fim de fazer com que a porção da amostra irradiada pelo
feixe de raios X seja sempre a mesma. Assim, a intensidade do feixe sobre a amostra
aumenta com o aumento de θ, aumentando consequentemente a intensidade dos feixes
difratados para valores grandes de θ.
No MR este fato tem influência direta nos valores relacionados à amplitude de
vibração dos átomos da rede (U
iso
). Uma vez que U
iso
(iso = isotrópico) influencia nos
padrões DRX conforme a equação (30) [78]

conclui-se que quanto menor o valor de U
iso
maior será a intensidade dos picos de
difração à medida que θ aumenta, ocorrendo o contrário para valores grandes de U
iso
.
Assim o efeito de abertura da fenda pode levar a obtenção de valores de U
iso
negativos
quando ajustados pelo MR, o que é fisicamente inconsistente.
Para que esse tipo de inconsistência não
ocorra durante as análises Rietveld das ligas
InSb os espectros de DRX medidos no Rigaku
foram corrigidos pela equação (31) [111]

onde I
corr
é a intensidade corrigida, I
col
é a
intensidade como coletada, r ≈ 15 cm é a
distância entre a fonte de raios X e a amostra, η ≈
11,5 mm e δ é a abertura da fenda divergente
fixa. A Figura 28 evidencia o efeito do tipo de
fenda divergente (variável ou fixa) nos picos (1 1
1) e (2 2 0) do padrão DRX da liga tt-InSb.


Figura 28: Padrão DRX da liga tt-InSb
como coletado e corrigido pela equação
(31) usando δ = 0,5°.
59

Anexo 2
A variação de pressão na célula fotoacústica
Em todas as medidas PAS dessa dissertação utilizou-se a célula fotoacústica do
tipo aberta (Open Photoacoustic Cell – OPC), cuja seção reta é esquematizada na
Figura 29. Utilizando-se de graxa de vácuo,
fixa-se a amostra diretamente sobre um
microfone de tipo eletreto. O microfone
consiste de um diafragma de eletreto
metalizado feito de uma fina camada de
metal (500 a 1000 Å de espessura)
depositada sobre Teflon (12 μm). O
diafragma e a placa metálica estão
separados por uma camada de ar de 45 μm
de espessura e conectadas através de um resistor R. Sobre o diafragma existe uma
camada de ar de 10 mm de diâmetro e 1 mm de altura que desempenha a função de
câmara fotoacústica. Diretamente acima desta existe uma abertura circular de 3 mm de
diâmetro. Como resultado do aquecimento periódico da amostra devido à absorção de
luz modulada, a pressão na câmara fotoacústica oscila, ocasionando a deflexão do
diafragma e gerando uma diferença de potencial V entre os terminais do resistor R. As
principais vantagens da célula OPC em relação aos outros tipos existentes, como por
exemplo, a célula fotoacústica fechada [89], são i) o fato do volume de gás utilizado na
câmera fotoacústica ser muito pequeno, o que melhora significativamente a razão
sinal/ruído, ii) arranjo experimental simples e de fácil manuseio e iii) baixo custo.
Rosencwaig e Gersho (RG) [89, 112 e 113] desenvolveram um modelo teórico
para explicar o fenômeno fotoacústico. Eles mostraram que o fluxo periódico de calor
devido à absorção de energia modulada entre a amostra e o gás na câmera fotoacústica é
o mecanismo básico responsável pelo sinal acústico. De acordo com o modelo RG a
flutuação da pressão na câmara fotoacústica é determinada exclusivamente pela
distribuição de temperatura na interface da amostra com o gás contido na câmara
fotoacústica. Resolvendo a equação de difusão térmica
(32)
Figura 29: Seção reta da célula OPC utilizada nas
medidas PAS.
60

onde α e κ são respectivamente a difusividade térmica e a condutividade térmica do
material e Q(x,t) é o fluxo de calor gerado na amostra devido à absorção luz, eles
demonstraram que a variação de temperatura do gás na câmara fotoacústica é dada por
(33)
onde T
g
é a temperatura do gás na câmara fotoacústica, ω = 2πf e θ é dado por
(34)
Nas equações (33) e (34) σ
i
= (1+i)a
i
, a
i
é o coeficiente de difusão térmico do meio e é
dado por a
i
= 1/μ
i
, μ
i
é o comprimento de difusão térmico do meio e é dado por μ
i
=
(2α
i
/ω)
1/2
e definido como sendo o ponto no meio onde a magnitude da oscilação
térmica se atenua a 1/e, α
i
= κ
i

i
c
i
, onde ρ
i
e c
i
são respectivamente a densidade e o
calor específico do meio, r = β/σ
s
onde β = 1/l
β
é o coeficiente de absorção ótico da
amostra e l
β
é o comprimento de difusão ótico da amostra e definido como sendo o
ponto no amostra onde a intensidade da luz se atenua a 1/e, b = (κ
b
σ
b

s
σ
s
) e g =

g
σ
g

s
σ
s
), onde o índice i denota respectivamente os meios ao qual está exposta a
superfície externa da amostra em relação à câmara fotoacústica (b), a amostra (s) e o gás
(g) contido na câmara fotoacústica e l
s
é a espessura da amostra. É possível mostrar
[113] que a oscilação térmica é sentida apenas em uma fina camada de gás de espessura
proporcional a μ
g
, além da qual a oscilação térmica é praticamente toda atenuada. Desta
maneira RG assumiram que apenas essa fina camada de gás próxima a superfície da
amostra é capaz de responder termicamente a flutuação de temperatura periódica na
superfície da amostra, a qual atua como um pistão acústico para o resto da coluna de gás
na câmara fotoacústica. Assumindo que esta coluna de gás responde a ação do pistão
adiabaticamente [89], a pressão acústica na câmara fotoacústica é dada por
(35)
onde P
0
e T
0
são respectivamente a pressão e a temperatura ambiente, l
g
é a espessura da
camada de gás que atua como um pistão acústico e γ é a razão entre os calores
específicos do ar a pressão e volume constantes.
Embora a expressão (35) para o sinal fotoacústico não pareça simples, existem
casos em que a sua análise é facilitada. Esses casos são agrupados de acordo com a
opacidade óptica e térmica da amostra. Um regime opticamente fino (espesso)
corresponde ao caso onde βl
s
<< 1 (>> 1), enquanto que um regime termicamente fino
(espesso) corresponde ao caso onde l
s
a
s
<< 1 (>> 1). Da condição l
s
a
s
>> 1 obtém-se
61

(36)
onde f
c
é a frequência de corte que define a frequência de modulação de transição do
regime termicamente fino para o regime termicamente espesso. Sendo que a literatura
reporta valores de difusividade térmica α entre 0,1 e 0,2 cm
2
/s para os sistemas
estudados nessa dissertação e que as medidas foram obtidas com f entre 10 e 270 Hz,
foram preparadas amostras com espessuras l
s
entre 400 e 650 μm a fim de obter o
regime termicamente espesso.

62

Referências Bibliográficas
[1] D.G. Avery, D.W. Goodwin, W.D. Lawson, T. S. Moss, P. Phys. Soc. Lond. B. 67
(1954) 761.
[2] M. Aven, B.Segall, Phys. Rev. 130 (1963) 81.
[3] M. Inoue, I. Teramoto, S. Takayanagi, J. Appl. Phys. 33 (1962) 2578.
[4] T. Ashley, A.B. Dean, C.T. Elliott, C.F. McConville, G.J. Ptyce, C.FL Whitehouse,
Appl. Phys. Lett. 59 (1991) 1761.
[5] N. Kaiwa, J. Yamazaki, T. Matsumoto, M. Saito, Appl. Phys. Lett. 90 (2007)
052107.
[6] H.Yasuda, H. Mori, Z. Phys. D. Atom. Mol. Cl. 40 (1997) 144.
[7] Y.W. Yang, L. Li, X.H. Huang, M. Ye, Y.C. Wu, G.H. Li, Appl. Phys. A. 84 (2006)
7.
[8] C. Suryanarayana, Prog. Mater. Sci. 46 (2001) 1.
[9] Alfa Aesar - A Johnson Matthey Company. Inorganics, Organics, Metals and
Materials for Research, disponível em http://www.alfa.com/.
[10] Aldrich Chemical Company: Catalog Handbook of fine Chemicals (1990).
[11] A.K.S. Aquili, Z. Ali, A. Maqsood, Appl. Surf. Sci. 167 (2000) 1.
[12] A. Mondal, S. Chaudhuri, A.K. Pal, Appl. Phys. A. 43 (1987) 81.
[13] H. Bellakhder, A. Outzourhit, E.L. Ameziane, Thin Solid Films. 265 (2001) 30.
[14] R.L. Gunshor, L.A. Koladziejski, N. Otsuka, S. Dutta, Surf. Sci .174 (1986) 522.
[15] Y.D. Li, D. Yi, Z.Y. Yu, Adv. Mater. 11 (1999) 847.
[16] J. Du, L. Xu, G. Zou, L. Chai, Y. Qian, J. Cryst. Growth. 291 (2006) 183.
[17] C.E.M. Campos, J.C. de Lima, T.A. Grandi, H. Höhn, J. Non-Cryst. Solids. 354
(2008) 3503.
[18] T. Ishizaki, T. Ohtomo, A. Fuwa, J. Phys. D. 37 (2004) 255.
[19] S. Seto, S. Yamada, K. Suzuki, Sol. Energ. Mat. Sol. C. 67 (2001) 167.
[20] H. Arizpe-Chavez, R. Ramirez-Bon, F.J. Espinoza-Beltran, et al., J. Phys. Chem.
Solids. 61 (2000) 511.
[21] Y.Z. Wang, L. Chen, Y. Wu, J. Wu, M.F. Yu, L. He, J. Cryst. Growth. 290 (2006)
436.
[22] S. Ham, B. Choi, N. Myung, N.R. de Tacconi, C.R. Chenthamarakshan, K.
Rajeshwar, Y. Son, J. Electroanal. Chem. 601 (2007) 77.
63

[23] Y. Kang, N-G. Park, D. Kim, Appl. Phys. Lett. 86 (2005) 113101.
[24] S.C. Tjong, Haydn Chen, Mat. Sci. Eng. R. 45 (2004) 1.
[25] H. Gleiter, Prog. Mater. Sci. 33 (1989) 223.
[26] J. Rawers, G. Slavens, R. Krabbe, Nanostruct. Mater. 9 (1997) 197.
[27] K.I. Moon, H.S. Park, K.S. Lee, Mater. Sci. Eng. A. 323 (2002) 293.
[28] J. Rawers, R.A. Krabbe, J.D. Wittenberger, Scr. Mater. 37 (1997) 2053.
[29] M.S. Haji-Mahmood, L.S. Chumbley, Nanostruct. Mater. 7 (1996) 95.
[30] Z. Livne, A. Munitz, J.C. Rawers, R.J. Fields, Nanostruct. Mater. 10 (1998) 503.
[31] V.L. Tellkamp, E.J. Lavernia, Nanostruct. Mater. 12 (1999) 249.
[32] T.M. Lillo, G.E. Korth, Nanostruct. Mater. 10 (1998) 35.
[33] W.H. Gourdin, J. Appl. Phys. 55 (1984) 172.
[34] I. Kanno, S. Hishiki, and Y. Kogetsu, Rev. Sci. Instrum. 78 (2007) 056103.
[35] T. Ashley, A.R. Barnes, L. Buckle, S. Datta, A.B. Dean, M.T. Emeny, M. Fearn,
D.G. Hayes, K.P. Hilton, R. Jefferies, T. Martin, K.J. Nash, T.J. Phillips, W.H.A. Tang,
P.J. Wilding, R. Chau, ‘Novel InSb-based Quantum Well Transistors for Ultra-High
Speed, Low Power Logic Applications’, International Conference on Solid-state and
Integrated Circuit Technology (ICSICT), October 18-21 2004, Beijing, China.
[36] D.G. Avery, D.W. Goodwin, A.E. Rennie, J. Sci. Instrum. 34, (1957) 394.
[37] J. Heremans, J. Phys. D-Appl. Phys. 26 (1993) 1149.
[38] A. Lapicki, H. Sanbonsugi, T. Yamamura, N. Matsushita, M. Abe , H. Narimatsu,
H. Handa, A. Sandhu, IEEE. T. Mag. 41 (2005) 4134.
[39] T. Ashley, A. B. Dean, C. T. Elliott, G. J. Pryce, A. D. Johnson, H. Willis, Appl.
Phys. Lett. 66 (1995) 481.
[40] N. Kuze, E.G. Camargo, K. Ueno, T. Morishita, M. Sato, M. Kurihara, H. Endo, K.
Ishibashi, J. Cryst. Growth 301 (2007) 997.
[41] S. Yamaguchi, T. Matsumoto, J. Yamazaki, N. Kaiwa, Appl. Phys. Lett. 87 (2005)
201902.
[42] A. Rogalski, J. Appl. Phys. 93 (2003) 4355.
[43] TAPP, version 2.2, E. S. Microwave Inc., Wade Court, Hamilton, OH.
[44] M. Hansen, K. Anderko, Editors, “Constitution of Binary Alloys” (2nd ed),
McGraw-Hill, New York (1991), p. 859
[45] Inorganic Crystal Structure Database (ICSD), Fachinformationszentrum Karlsruhe,
Germany, and the U.S. Department of Commerce on the behalf of the United States,
2007.
64

[46] S.C. Yu, I.L. Spain, E.F. Skelton, J. Appl. Phys 49 (1978) 4741.
[47] A. Kaneta, S. Adachi, J. Phys. D. 33 (2000) 901.
[48] A. Pistone, A.S. Arico, P.L. Antonucci, D. Silvestro, V. Antonucci, Sol. Energ.
Mat. Sol. C 53 (1998) 255.
[49] B.L. Crowder, F.F. Morehead, P.R. Wagner, Appl. Phys. Lett. 8 (1966) 148.
[50] I.K. Sou, K.S. Wong, Z.Y. Yang, H. Wang, G.K.L. Wong, Appl. Phys. Lett. 66
(1995) 1915.
[51] Q. Wu, M. Litz, X.-C. Zhang, Appl. Phys. Lett. 68 (1996) 2924.
[52] Z.T. Kang, C.J. Summers, H. Menkara, B.K. Wagner, R. Durst, Y. Diawara, G.
Mednikova, T. Thorson, Appl. Phys. Lett. 88 (2006) 111904.
[53] R. Aleksiejunas, T. Malinauskas, M. Sudzius, K. Jarasiunas, N. Lovergine, M.
Traversa, P. Prete, A.M. Mancini, T.Asahi, 10th European Workshop on MOVPE,
Lecce (Italy) 8−11 June 2003.
[54] W.S. Kuhn, A. Lusson, B. Qu Hen, C. Grattepain, H. Dumont, O. Gorochov, S.
Bauer, K. Wolf, M. Wörz, T. Reisinger, A. Rosenauer, H.P. Wagner, H. Stanzl, W.
Gebhardt, Prog. Cryst. Growth. Ch. 31 (1995) 119.
[55] Z.T. Kang, H. Menkara, B.K. Wagner, C.J. Summers, R. Durst, Y. Diawara, G.
Mednikova, T. Thorson, J. of Electron. Mater. 35 (2006) 1262.
[56] P.J. Selin, Nucl. Instrum. Meth. A. 563 (2006) 1.
[57] I. Mora-Seró, R. Tena-Zaera, J. Gonzalez, V. Muñoz-Sanjosé, J. Cryst. Growth.
262 (2004) 19.
[58] Brajesh K. Rai, H. D. Bist, R. S. Katiyar, K.-T. Chen, A. Burge, J. Appl. Phys. 80
(1996) 477.
[59] H.K. Sanghera, B. Cantwell, N.M. Aitken, A.W. Brinkman, J. Cryst. Growth. 237
(2002) 1771.
[60] G.L. Tan, U. Hommerich, D. Temple, N.Q. Wu, J.G. Zheng, G. Loutts, Scripta
Mater. 48 (2003) 1469.
[61] C.E.M. Campos, J.C. de Lima, T.A. Grandi, K.D. Machado, V. Drago, P.S. Pizani,
J. Magn. Magn. Mater. 270 (2004) 89.
[62] S.M. Souza, C.E.M. Campos, J.C. de Lima, T.A. Grandi, P.S. Pizani, Solid State
Commun. 139 (2006) 70.
[63] J.C. de Lima, T.O. Almeida, A.R. Jerônimo, S.M. Souza, C.E.M. Campos, T.A.
Grandi, J. Non-Cryst. Solids. 352 (2006) 109.
65

[64] T.A. Grandi, J.C. De Lima, C.E.M. Campos, K.D. Machado, G.L.F. Fraga, J. Non-
Cryst. Solids. 347 (2004) 262.
[65] C. E. M. Campos, J. C. de Lima, T. A. Grandi, K. D. Machado, P. S. Pizani. Solid
State Commun, 123:179, 2002.
[66] C. E. M. Campos, J. C. de Lima, T. A. Grandi, K. D. Machado, P. S. Pizani.
Physica B, 324:409, 2002.
[67] C.E.M. Campos, J.C. de Lima, T.A. Grandi, K.D. Machado, P.S. Pizani, R.
Hinrichs, Solid State Ionics 168 (2004) 205.
[68] Benjamin. J. S, Volin. T. E, Metall. Trans. A, 5 (1974) 1929.
[69] Maurice. D. R, Courtney. T. H, Metall. Mater. Trans. A, 26A (1995) 2437.
[70] Maurice. D. R, Courtney. T. H, Metall. Mater. Trans. A, 25A (1994) 147.
[71] Schwarz. R. B, Mater. Sci. Forum. 269 (1998) 272.
[72] Harris. J. R. “Mathematical Modeling of Mechanicall Alloying”, Tese de doutorado
em Filosofia, 2002.
[73] J.C. de Lima, V.H.F. dos Santos, T.A. Grandi, P.C.T. D’Ajello, A. Dmitriev, Phys.
Rev. B. 62 (2000) 8871.
[74] T. Ohtani, M. Motoki, K. Koh, K. Ohshima, Mater. Res. Bull. 30 (1995) 1495.
[75] P.Y. Lee, C.C. Koch, J. Non-Cryst Solids. 94 (1987) 88.
[76] R.A. Young, “The Rietveld Method”, International Union of Crystallography,
Oxford University Press, 1993.
[77] A. Guinier, “X-Ray Diffraction In Crystals, Imperfect Crystals, and Amorphous
Bodies”, Dover publication, Inc. New York, 1994.
[78] A.C. Larson and R.B. Von Dreele, GSAS-General Structure Analysis System, Los
Alamos National Laboratory, Los Alamos, NM (1994).
[79] B.D. Cullity, in: Addison-Wesley (Ed), “Elements of X-Ray diffraction”,
Massachusetts, 1978, p. 285.
[80] D.T. Cromer, J.B. Mann, Acta Cryst. A24, 321,(1968).
[81] R.B. von Dreele, “Program FPrime for Windows 1.0 for calculating real and
anomalous x-ray dispersion coefficients”, 1994.
[82] B.H. Toby, EXPGUI, a graphical user interface for GSAS, J. Appl. Cryst. 34, 210-
21 (2001).
[83] P.W. Stephens, J. Appl. Cryst. 32 (1999) 281.
[84] N. G. C. Astrath, F. Sato, F. Pedrochi, A. N. Medina, A. C. Bento, M. L. Baesso,
C. Persson, A. Ferreira da Silva, Appl. Phys. Lett. 89 (2006) 231926.
66

[85] O. Vigil-Galan, E. Marín, J.S. Hernández, E. Saucedo, C. M. Ruiz, G. Contreras-
Puente, A. Calderón, J. Mater. Sci. 42 (2007) 7176.
[86] M. J. Westphal, J. W. Wood, R. D. Redin, T. Ashworth, J. Appl. Phys. 73 (1993)
7302.
[87] M. T. Yasuda, W. L. B. Melo, Embrapa (2002).
[88] L. F. Perondi, L. C. M. Miranda, J. Appl. Phys. 62 (1987) 2955.
[89] H. Vargas, L.C.M. Miranda, Phys. Rep. 161 (1988) 43.
[90] A. Barbu, Gh. Cristea, I. Bratu, V.P. Mushinskii, I. Bobis, J. Mol. Struct.410-41 I
(1997) 259.
[91] A. Pinto-Neto, H. Vargas, N.F. Leite, L.C.M Miranda, Phys. Rev. B. 41 (1990)
9971.
[92] J.T. Lim, J.G. Choi, Y.H. Bak, S.H. Park, U. Kim, J. Korean Phys. Soc. 31 (1997)
608.
[93] R.L. Farrow, R.K. Chang, S. Mroczkowski, F.H. Pollak, Appl. Phys. Lett. 31,
(1977) 768.
[94] “Fundamentals of Semiconductors”, P.Y. Yu, M. Cardona, Springer-Verlag Berlin,
Heildberg New York: Academic Press, 2nd Edition (1999).
[95] O. Degtyareva, V.V. Struzhkin, R.J. Hemley, Solid State Commun. 141 (2007) 164.
[96] H. Dong, H. Yang, W. Yang, W. Yin, D. Chen, Mater. Chem. Phys. 107 (2008) 122.
[97] P.M. Nikolić, D.M. Todorović, D.G. Vasiljević, P. Mihajlović, K. Radulović, Z.D.
Ristovski, J. Elazar, V. Blagojević, M.D. Dramicánin, Microelectr. J. 27 (1996) 459.
[98] G. Rousset, F. Lepoutre, L. Bertrand, J. Appl. Phys. 54 (1983) 2383.
[99] B.K. Rai, H.D. Bist, R.S. Katiyar, K.T. Chen, A. Burger., J. Appl. Phys. 80 (1996)
477.
[100] J.B. Renucci, Tese de Phd, Université Paul Sabatie, Toulouse, France, 1974.
[101] A.P. Mirgorodsky, T. Merle-Méjean, J.C. Champarnaud, P. Thomas, B. Frit, J.
Phys. Chem. Solids. 61 (2000) 501.
[102] M. Scagliotti, M. Jouanne, and M. Balkanski, Phys. Rev. B. 31 (1981) 5343.
[103] S. Hayashi, H. Sanda, M. Agata, K. Yamamoto, Phys. Rev. B. 40 (1989) 5544.
[104] S. Perkowitz, L.S. Kim, Z.C. Feng, and P. Becla, Phys. Rev. B. 42 (1990) 1455.
[105] R.L. Schmidt, B.D. McCombe, and M. Cardona, Phys. Rev. B. 11 (1975) 746.
[106] F. Decremps, J. Pellicer-Porres, A.M. Saitta, J.C. Chervin, A. Polian, Phys. Rev.
B. 65 (2002) 092101.
67

[107] V. Kishore, R. Sharma, V.K. Saraswat, N.S. Saxena, K. Sharma, T.P. Sharma,
Appl. Therm. Eng. 27 (2007) 1552.
[108] K. Tsigaridis, “Periodic Table of Elements”, disponível em
http://atlas.chemistry.uoc.gr/ptoe.
[109] X.D. Xu, D. Ma, S.Y. Zhang, A.H. Luo, W. Kiyotaka, Chinese Phys. Lett. 25
(2008) 176.
[110] C.E.M. Campos, K. Ersching, J.C. de Lima, T.A. Grandi, H. Höhn, P.S. Pizani, J.
Alloy. Compd. 466 (2008) 80.
[111] M.E. Bowden, M.J. Ryan, Powder Diffraction “Comparison of Intensities form
Fixed and Variable Divergence X-Ray Diffraction Experiments” Vol.6.N°2. June 1991.
[112] A. Rosencwaig, A. Gersho, J. Appl. Phys. 47 (1976) 64.
[113] Antônio Carlos Bento, Tese de mestrado: Aplicações da espestroscopia
fotoacústica em materiais transparentes, Instituto de Física, Campinas, 1987.

Dedico este trabalho a quem devoto amor incondicional... Minha Família

Agradecimentos
Por mais que eu tente detalhar aqui todos os meus agradecimentos, será impossível mensurar o infindável apoio recebido durante esses dois anos de trabalho e pesquisa. Não é apenas com o intuito de se fazer juz, mas sim com muita honra e orgulho que venho a registrar e a declarar nesse pequeno texto um agradecimento a todos que de uma maneira ou de outra se encontram nas entrelinhas desta dissertação. Ao eterno Deus, por apresentar-me as pessoas certas, por me fornecer saúde e todos os apetrechos necessários ao meu aperfeiçoamento intelectual e moral durante essa caminhada. Tenho a honra de dedicar um agradecimento especial ao meu orientador Professor Doutor Carlos Eduardo Maduro de Campos pela dedicação, seriedade, atenção, confiança depositada em mim, paciência com que compartilhou seus conhecimentos e experiências durante todas as etapas desse trabalho, convivência, amizade, pelas risadas, pelo espírito de luta e determinação invejável a serem seguidas. Ao Professor João Cardoso de Lima pela honrosa oportunidade de convivência e aprendizado acerca dos complexos assuntos tratados nessa dissertação. Ao Professor Tarciso Antônio Grandi, que apesar da pouca convivência, também contribuiu nesse trabalho. Aos amigos do Laboratório de Síntese e Caracterização de Materiais (LSCM) Sérgio, Daniela, Cláudio, Fabrício, Rangel e Leandro pelas discussões que direta ou indiretamente contribuíram para o aperfeiçoamento dessa obra. Ao Douglas Langie da Silva do Laboratório Central de Microscopia Eletrônica (LCME) da UFSC pelas medidas de microscopia eletrônica de varredura. Ao Prof. Dr. Paulo Sérgio Pizani (DF/UFSCar, São Carlos – SP) pelas medidas de espectroscopia Raman. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior (CAPES) pelo suporte financeiro. Ao amor da doce Monique, sempre me amparando com imensurável carinho e afeto ao longo de toda a minha formação acadêmica. Enfim, a minha mãe Odaléia, ao meu pai José e a minha irmã Késsia por todo amor e apoio, sem os quais nada disso seria possível.

iv

....................................................................................................................................... vii Abstract ........................................................................................................1 Sistema In-Sb .......................... 10 2........... 24 2................................... 6 1........ 8 Capítulo 2 ................................................................................................ 17 2.................................1 Posição dos picos – Lei de Bragg ................................................................................... ix Lista de Figuras ............ 5 Sistemas Estudados ........................................................................................................................viii Lista de Abreviações ...........................................5 Fluorescência de Raios X por Dispersão de Energia ......... 10 2.................................2 Difração de Raios X................................................ 27 2........2 Sistema Zn-Te....................................................................................................................................................................xvi Introdução .....................................................................................................1 Mecano-Síntese ..........................................................................3 Calorimetria Diferencial de Varredura .......................................................................................................3 Sistema Cd-Te ................... 1 Capítulo 1 ........................... 5 1................................................................... 28 v ...................................................4 Espectroscopia de Absorção Fotoacústica ...2 Intensidade dos picos – fator de estrutura ........................................................................................... 5 1........... xiii O Estado da Arte ................................................................................................................................ 18 2.............................2.................................................................................. xiv Motivação Científica .............................................................................. 10 Técnicas Experimentais ........................................................................................................................... 19 2............. iv Resumo ......................6 Espectroscopia Raman ..........................................................2..........................................Índice Remissivo Agradecimentos ............................................... 23 2....................................... xi Lista de Tabelas .............................................................

...........................................................................5 Análise PAS ............ 37 3................................................................................... 34 3........................................................................................................ 45 3...2............ 53 Capítulo 4 ...............................................................................1..........................................................................4 Análise Raman .. 59 Referências Bibliográficas ...........................3.................................................................................................2............................................................................................... 56 Conclusões ............................................................................................2.............................................................3 Sistema Cd-Te ..............................1...........................................2 Sistema Zn-Te........................................................................................................................................................4 Análise Raman ................................1 Síntese ....................... 44 3.. 62 vi ...... 58 DRX................. 50 3.................................1........................ 50 3.......................................................................................3 Análise DSC ..Capítulo 3 ..............................................................................2......................................................... 30 3.......... 40 3....... 56 Sugestões de estudos futuros ......... 58 Anexo 2 ..............................3.......................................... 57 Anexo 1 ................1 Sistema In-Sb ...............................................................3..................... 30 3.............................. 39 3..............3 Análise DSC .............................3 Análise DSC .................... 59 A variação de pressão na célula fotoacústica .............. 47 3...4 Análise Raman ..................... 30 Resultados e Discussões .................................................................Correção de Intensidade ............................ 50 3.......5 Análise PAS . 30 3.............1 Síntese ....................... 52 3...................................... 40 3.................................................................................... 41 3............................. 30 3........................................................................................................................2 Análise DRX..................................................2 Análise DRX.................1 Síntese ..2..................................3..............................................1...............................................2 Análise DRX.............................................................................................................................1........................................................................................................................................................

incluindo prestação de contas. térmicas e ópticas das ligas foram estudadas. mas também a formação de um profissional ético. além da velocidade e o tempo de recombinação de portadores na superfície. A calorimetria diferencial de varredura foi utilizada para testar a estabilidade térmica desses materiais através da observação de reações endotérmicas e exotérmicas relacionadas a fusões. Já com a espectroscopia Raman foram determinadas as frequências dos modos ópticos longitudinais e transversais das estruturas blenda de zinco. obtenção e gerenciamento de recursos. bem como aquelas associadas a modos do Te. A fase estrutural majoritária nucleada em todos os materiais foi cúbica do tipo blenda de zinco. cristalizações. A difusividade térmica foi obtida considerando como mecanismo dominante a flexão termoelástica e apresentou aumento devido ao tratamento térmico para todas as amostras estudadas. Cd-Te e Zn-Te) na forma de pó.Resumo Nessa dissertação de mestrado a Mecano-Síntese foi utilizada para produzir nanomateriais semicondutores (In-Sb. vii . Para apoiar a identificação de fase. crescimentos de grãos e/ou variação no calor específico. bem como para quantificar variações de calor (variação de entalpia) associadas a algumas das reações citadas. O grande número de técnicas e resultados experimentais presentes nesta dissertação apontam não só o êxito no cumprimento das metas do projeto de pesquisa inicial. Sb ultra tensionado e/ou de multifases. a composição química das ligas moídas e tratadas termicamente foi analisada por fluorescência de raios X. o coeficiente de difusão dos portadores. A espectroscopia de absorção fotoacústica revelou os mecanismos responsáveis pela propagação de calor nas amostras e permitiu quantificar a difusividade térmica. A difração de raios X foi utilizada para acompanhar a evolução estrutural das amostras em função do tempo de moagem. preocupado com segurança no trabalho e com habilidades de instrumentação/controle de processos. informática. Propriedades estruturais. relaxações estruturais. As informações cristalográficas das fases cristalinas identificadas foram obtidas da análise de Rietveld dos difratogramas experimentais. Os modos vibracionais ópticos típicos dessa estrutura foram estudados e em alguns casos foi possível averiguar heterogeneidade local nas amostras. redação/publicação de artigos em revistas internacionais e eventos.

The main structural phase nucleated in all materials was the cubic zinc blend. thermal and optical properties of these alloys were studied. grain growth and/or changing in the specific heat. X-ray diffraction was used to follow the structural evolution of the samples with the milling time. carrier diffusion coefficient. obtaining and managing resources. as well as to quantify enthalpy variations associated to some of the reactions cited. composition/publication of articles in international journals and events. Differential scanning calorimetry was used to test the thermal stability of the samples by observating endo and exothermic reactions related to melting. computer. The thermal diffusivity was obtained considering the thermoelastic bending as the dominant heat transfer mechanism and has decreased due to the thermal annealing for all samples. surface recombination velocity and recombination time. Photoacoustic absorption spectroscopy showed the mechanism responsible for heat conduction in the samples and this have permitted to obtain the thermal diffusivity constant. structural relaxation. Crystallographic information of the identified crystalline phases was obtained from the Rietveld analysis of the experimental difractograms. The optical vibrational modes were studied and. including rendering of accounts. The large number of techniques and experimental results in this manuscript show not only the success in achieving the goals of the initial research project. To assist the phase identification the chemical composition of the mechanical alloyed and thermal annealed samples were analyzed by energy dispersive X-ray spectroscopy. crystallization. Structural. worried with security and with habilities in instrumentation/control processes. in some cases.Abstract In this master works the Mechanical Alloying was used to produce powder semiconductor nanomaterials (In-Sb. viii . local heterogeneity was observed. With Raman spectroscopy the frequency of the longitudinal and transversal optic modes of the zinc blend structures were determined. as well as those associated to Te and ultra-stressed Sb modes and/or multiphase states. but also the training of an ethic professional. Cd-Te and Zn-Te).

 H ph    %wt BPR CNTP D DRX DSC EDX f fc FWHM l LEDs LO LSCM MS MR NMs p PAS Rbragg Rwp RF ball-to-powder weight ratio. espessura das amostras preparadas para as medidas PAS. light emission diodes. modo óptico longitudinal (longitudinal optical). photoacoustic absorption spectroscopy. densidade. Laboratório de Síntese e Caracterização de Materiais. frequência de modulação do chopper. difração de raios X. coeficiente de difusão dos portadores. differential scanning calorimetry. comprimento de onda. tamanho médio de cristalitos. condições normais de temperatura e pressão. fase do sinal fotoacústico.    parâmetros de rede. full width at half maximum. parâmetros que indicam a qualidade dos ajustes pelo método de Rietveld rádio frequência.Lista de Abreviações a b c. energy dispersive X-ray microanalysis. mecano-síntese. ix . frequência de corte. nanomateriais. tempo de recombinação. variação de entalpia. fração de fase cristalina (weight percent). coeficiente de expansão térmica e coeficiente de difusividade térmica. método de Rietveld.

modo óptico transversal (transversal optical). velocidade de recombinação dos portadores na superfície. amplitude do sinal fotoacústico. número atômico. x .s S TO Uiso v x y z Z ZB microdeformação. amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado. zinc blend. posição dos átomos na cela unitária.

..... esferas e anel de vedação........................... À direita: moinho SPEX 8000 CertPrep............................ Padrões de DRX do In...............55°....... Padrões DRX do In.. 32 Figura 15: Padrões DRX experimentais e ajuste MR (sobrepostos) das amostras 3h-InSb (R2).. In2O3 e InSb extraídos do ICSD [45]. 4) disco de cromo........................................ ........... respectivamente.......... tampa.... Padrões de DRX do In.. 19 Figura 9: Esquema da célula de DSC utilizada................. In2O3 e InSb extraídos do [45].................. das amostras 3h-InSb............................ .... I2O3 cúbica e Sb trigonal. ............ 11 Figura 7: Visão geométrica da Lei de Bragg... 32 Figura 14: Padrões DRX das amostras 10h-InSb e tt-InSb.......................................... Sb....... RigakuMiniFlex (Cu-kα)...... 3) referência.... 1) cilindro de prata..................... Sb....... 10h-InSb e ttInSb.............. Os círculos pretos e brancos representam respectivamente a componente cristalina e interfacial.......... ...................  e | correspondem às posições das fases ZB-InSb... Rigaku-MiniFlex (Cu-kα)........ 35 xi ............ 24 Figura 11: Representação esquemática do processo de fluorescência........ 6 Figura 3: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te.................. No detalhe aumento da região 2θ ~ 25 . 31 Figura 13: Padrões DRX da amostra InSb (R2) com o tempo de moagem..... 2) amostra.................................................................. .............. .................................... Sb...................................... 8 Figura 5: À esquerda: pote......... 10 Figura 6: Os cinco estágios da MS descritos por Benjamim e Volin [69].... 1 Figura 2: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb......................... 27 Figura 12: Padrões DRX da amostra InSb (R1) com o tempo de moagem..... 33 Figura 16: Curvas DSC da mistura In + Sb (0 h)............................. ........ 23 Figura 10: Esquema da estação PAS utilizada... Os símbolos ▼..... 5) tampa.... 7 Figura 4: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te............................ Em cinza as respectivas curvas diferença................. .......... 7) disco termoelétrico de Constantan....... ....... 10h-InSb (R3) e tt-InSb (R3).............. Rigaku-MiniFlex (Cu-kα).......... .. .. In2O3 e InSb extraídos do [45]............. ... . (b) padrão de XRD de um cristal real......... 6) termopares.................................. RigakuMiniFlex (Cu-kα).............................. O detalhe mostra um aumento da região entre 320 e 488 °C........Lista de Figuras Figura 1: Modelo bi-dimensional de um sólido nanoristalino [25]............................... .................... 18 Figura 8: (a) padrão de XRD para um cristal perfeito..................................................

..... .... ........ 53 Figura 27: Espectros Raman dos pós precursores (c-Cd e c-Te) e das amostras 15hCdTe e tt-CdTe.. As linhas pretas representam ajustes das equações (21) e (23)............................. Lente objetiva = 50x.................. A linha pontilhada representa a segunda medida da amostra 15h-CdTe....5°. As linhas cinzas representam as diferenças entre os padrões ajustados pelo MR e os experimentais...................................... Os símbolos representam as fases Te trigonal (|)......... 39 Figura 20: Padrões DRX dos pós precursores de c-Te e c-Zn e das amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe............... 46 Figura 24: (a) Log S x Log f e (b) Φph x f das amostras 15h-ZnTe (quadrados) e tt-ZnTe (círculos com cruzes)............................. c-Te................. ..... 51 Figura 26: Curvas DSC dos pós precursores (c-Cd e c-Te) e das amostras 15h-CdTe e ttCdTe........ ZnO hexagonal (○) e ZB-ZnTe cúbica ()................................. As linhas pontilhadas ilustram as contribuições dos modos TO e LO da fase ZB-CdTe.............. XpertPanAlitycal (Cu-kα)....... 15h-ZnTe e tt-ZnTe............ 58 Figura 29: Seção reta da célula OPC utilizada nas medidas PAS.............. ZnO hexagonal.... 59 xii .................... 36 Figura 18: Espectros Raman das amostras 10h-InSb e tt-InSb (regiões #1................................. Zn hexagonal (●).. 43 Figura 22: Curvas DSC das amostras c-Te e 15h-ZnTe. (22) e (23)...... CdO cúbica.. ...................... 45 Figura 23: Espectros Raman das amostras c-Te.....▼e  representam as fases Cd hexagonal................... Os símbolos ▼. ..... .. ........ Lente objetiva = 50x...... Te trigonal e β-TeO2 ortorrômbica. +.. Xpert-PanAlitycal (Cu-kα).. ........... 48 Figura 25: Padrões DRX das amostras c-Cd.......... 15h-CdTe e tt-CdTe.. +........... No detalhe aumento da região de alta frequência. Em cinza as respectivas curvas diferença..... Lente objetiva = 100x.... ....................... As linhas sobrepostas são ajustes de funções Lorentzianas........Figura 17: Evolução com o tempo de moagem das curvas DSC de aquecimento (a) e esfriamento (b) da amostra InSb (R1)..................................................... ........................ 54 Figura 28: Padrão DRX da liga tt-InSb como coletado e corrigido pela equação (31) usando δ = 0......................................... ...... α-TeO2 tetragonal (+).... Linhas sólidas representam os ajustes teóricos usando as equações (21).................... As linhas sobrepostas correspondem aos ajustes com Lorentzianas........... Os símbolos |..... 41 Figura 21: Padrões DRX experimentais e ajustes MR (sobrepostos) das amostras en15h-ZnTe e en-tt-ZnTe........................ #2 e #3) e das referências Sb e InSb..... 37 Figura 19: (a) Log de S versus Log f e (b) Φph versus f das amostras 10h-InSb (quadrados) e tt-InSb (triângulos)....... Os ajustes MR (15h-CdTe e tt-CdTe) estão sobrepostos aos experimentais e as curvas diferença são mostradas em cinza........... ...............  e | representam as fases ZB-InSb...... Te trigonal e α-TeO2 tetragonal...... respectivamente.........

.................. ......... 52 Tabela 10: Frequência dos modos Raman ativos (em cm-1) das amostras c-Te............... 47 Tabela 8: Espessura da amostra (ls).................. a............................... 38 Tabela 5: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras de 15h-ZnTe e tt-ZnTe utilizando o GSAS....... 10h-InSb......... p = tamanho médio de cristalitos.............................................................. ttInSb e 60h-InSb utilizando o pacote de programas GSAS.. c = parâmetro de rede....................... ............................................ 42 Tabela 6: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras en-15h-ZnTe e en-tt-ZnTe utilizando o GSAS........ 49 Tabela 9: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões DRX das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe utilizando o GSAS........................................... %wt = fração de fase cristalina...................... Amostra padrão de Y2O3..... ............ Amostra padrão de Y2O3.......................................................... 10h-InSb...... 15h-CdTe e tt-CdTe........ velocidade de recombinação dos portadores na superfície (v) e tempo de recombinação (τ) obtidos das medidas PAS das amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe...................................... Amostra padrão α-Al2O3 (NBS 674)............................. 34 Tabela 3: Valores da temperatura de pico e da variação de entalpia (∆H) das reações vistas nas curvas DSC das amostras 0 h........................... Uiso= amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado...... 15h-ZnTe e tt-ZnTe.... ........... 55 xiii ........... s = microdeformação.................... .. 44 Tabela 7: Frequências dos modos Raman ativos (cm-1) detectados para as amostras cTe................ difusividade térmica (α)...... 35 Tabela 4: Frequências das linhas Raman (em cm -1) vistas nos espectros das amostras 10h-InSb e tt-InSb e das referências Sb e InSb......... Largura de linha instrumental medida com uma amostra padrão de Y 2O3.............................. ........... coeficiente de difusão dos portadores (D).................................................................................. ............ .................  = densidade............ 2 Tabela 2: Parâmetros estruturais da análise Rietveld das amostras 3h-InSb.......................... 3h-InSb.... * Valores de α obtidos de cálculos teóricos de ponderação........................ 60h-InSb e ttInSb... ..........................Lista de Tabelas Tabela 1: Relação entre o número total de átomos e o percentual de átomos na superfície [24].........................

Com a necessidade de novos produtos e tecnologias. pelos métodos de esfriamento lento. diferentes métodos de síntese já foram empregados na produção das ligas semicondutoras estudadas nessa dissertação (InSb.) e o desenvolvimento de novas rotas de produção (deposição química de fase gasosa. Yang e colaboradores [7] produziram nanofios de InSb utilizando a técnica de deposição eletroquímica pulsada e mostraram que. vaporização e Bridgman [1-3]. As análises estruturais utilizando modelos teóricos atuais permitem aferir efeitos de anisotropia sobre o tamanho e microdeformação de cristalitos a partir de padrões de difração de raios X. as técnicas utilizadas para caracterização de materiais. A liga InSb pode ser obtida na forma de monocristal através do método de Czochralszki e também na forma de filme fino quando produzida por epitaxia por feixe molecular e deposição de vapor químico [4-6]. nanométrica. a busca por novos materiais semicondutores (em diferentes formas: pó. De maneira semelhante. Na forma de pó a liga de InSb pode ser produzida por mecano-síntese (rota sólida) [8]. pulverização catódica por rádio frequência. xiv . micro-Raman e microscopia eletrônica. epitaxia por feixe molecular. ZnTe e CdTe).O Estado da Arte As primeiras ligas semicondutoras II-VI e III-V foram produzidas há quase seis décadas. O desenvolvimento de novos detectores e elementos ópticos específicos para difração de raios X tornou as experiências mais precisas. etc. etc. Muitas técnicas se desenvolveram a fim de permitir análises de regiões superficiais cada vez menores (< 10 m de diâmetro). incluindo modelos teóricos para descrever suas propriedades físicas.) se fizeram necessários. Essas técnicas permitem obter um material de fase cristalina pura e altamente orientada. como é o caso da microdifração de raios X (DRX). nas formas de cristais e monocristais. também evoluíram. rápidas e com menores distorções. tornando-os interessantes em estudos que avaliam a influência dos defeitos sobre as propriedades dos materiais. Segundo a literatura. filme. possibilitando o uso do mesmo na fabricação de diodos e transistores. a resistência elétrica de aglomerados de nanofios de InSb em função da temperatura é menor quando os nanofios de InSb possuem diâmetros de  50 nm. Recentemente. a qual diferentemente dos métodos citados acima produz materiais com elevado grau de defeitos.

GaP. nanocristais e nanofios. materiais piezelétricos (ZnO. AlN) e diodos laser (ZnTe.As ligas de ZnTe e CdTe podem ser produzidas na forma de pó [9 e 10]. InAs. CdTe. incluindo células solares (ZnTe. utilizando as técnicas de síntese de evaporação térmica. CdS e AlN). CdZnTe e GaAs). Não resta dúvida que o desenvolvimento de novas rotas de síntese e uma caracterização detalhada desses semicondutores levará ao aumento nas possibilidades de aplicação dos mesmos. InAs. filmes finos. processos solvotérmicos e mecano-síntese [1123]. GaN. xv . evaporação por paredes quentes (hot-wall evaporation). epitaxia por feixe molecular. HgCdTe e AlxGa1-xAs-GaAs). diodos emissores de luz (LEDs – light-emitting diodes. Nos dias atuais o campo de aplicações de ligas semicondutoras II-VI e III-V é diverso. detectores de radiação infravermelha (InSb. ZnTe. GaN e GaAs). pulverização catódica por rádio frequência. CdS.

sistema de guia de mísseis por infravermelho. Escolheu-se estudar as ligas semicondutoras mencionadas acima devido à grande quantidade de informações disponíveis (para amostras bulk) na literatura e a reconhecida importância desses materiais na fabricação de dispositivos óptico-eletrônicos. transistores. térmica e óptica das mesmas. câmeras de imagens térmicas. catálises. armazenamento e leitura magnética de dados. entre outras. cerâmicas. nove dissertações de mestrado e duas teses de doutorado foram concluídas. reforçando a vocação dos membros do LSCM em formar recursos humanos. Do ponto de vista de pesquisa básica. tais como: detectores infravermelhos. geração de radiação terahertz pulsada. Como fruto dessas pesquisas diversos trabalhos e artigos foram publicados em periódicos/congressos especializados nacionais e internacionais. Esta dissertação iniciou-se em 2007 enfatizando a produção de ligas nanocristalinas semicondutoras III-V de In-Sb pelo método de mecano-síntese (MS) e a caracterização estrutural. o modelo teórico que prevê a forma final de ligas intermetálicas. Além disso. xvi . células solares. Desde 1992 pesquisadores do Laboratório de Síntese e Caracterização de Materiais (LSCM) do Departamento de Física da UFSC vêm se dedicando a produção e caracterização de materiais nanocristalinos e amorfos usando a mecano-síntese (MS). componentes estruturais. Mais tarde ligas II-VI de CdTe e ZnTe produzidas por MS em 2004 pelo professor Heinrich Höhn (departamento de Física – UFSC) passaram a ser estudadas. etc. moduladores óptico-eletrônicos. a influência de reagentes oxidados. mas também com a verificação experimental e desenvolvimento de teorias quânticas que permitam explicar as novas propriedades físicas e químicas dos NMs. sendo que foi parte deste estudo a síntese de uma nova amostra de ZnTe. Entre os resultados mais interessantes destacam-se: o efeito do envelhecimento (instabilidade estrutural). LEDs azuis. a importância de estudar NMs está relacionada não só com a descoberta de novas rotas de produção destes novos materiais. sensores magnéticos.Motivação Científica A produção de nanomateriais (NMs) tem experimentado um rápido desenvolvimento devido à ampla variedade de aplicações em áreas tecnológicas. entre outras. tais como eletrônica.

com tamanho de cristalito entre 100 e 300 nm e ii) nanocristalina. Os círculos pretos e um cristal perfeito é aquele que minimiza o seu brancos representam respectivamente a componente cristalina e interfacial. ciência da computação. e a outra de interfacial. De maneira geral. etc. tais como: comprimento de coerência. composta pelos átomos que restam nas regiões de interface e de contorno de grãos. Os NMs são formados por duas componentes: uma chamada de cristalina. Recentemente [24] os materiais cristalinos vêm sendo divididos em duas subclasses: i) submicrométrica. a interpretação e o entendimento de fenômenos associados às propriedades dos nanomateriais extrapolam os limites de validade das leis da física clássica. estado de energia livre. Novos produtos baseados em nanociência vêm sendo desenvolvidos para aplicações em medicina. 1 . uma estrutura cristalina é formada a partir da minimização da energia livre existente entre os Figura 1: Modelo bi-dimensional de um sólido nanoristalino [25]. a qual possui basicamente a mesma estrutura dos materiais bulk (ordem de longo alcance).Introdução N anomateriais são materiais que possuem pelo menos uma de suas dimensões da ordem de dezenas de nanômetros (10-9 m). por exemplo. Materiais cristalinos possuem configuração atômica com ordem de longo alcance e materiais vítreos ou amorfos possuem configuração atômica com ordem de curto alcance (primeiros vizinhos). A Figura 1 ilustra esquematicamente essas duas componentes. podem se fundir a 300 °C. enquanto que na forma bulk funde-se a 1063 °C [24]. Desta forma. Desta maneira. nem mesmo átomos que compõem o material. Nanocristais de ouro menores que 5 nm. os materiais sólidos podem ser divididos em duas classes: materiais cristalinos e materiais vítreos ou amorfos. livre caminho médio para fônons e elétrons. engenharia de materiais. com tamanho de cristalito inferior a 100 nm. odontologia. na indústria automobilística e aeroespacial. Entretanto. entre outras. farmacologia. Fundamentalmente. Nesta escala as dimensões dos blocos que constituem a microestrutura dos materiais são comparáveis as dimensões dos comprimentos críticos de alguns fenômenos físicos.

diferentes tipos de defeitos podem ser introduzidos (lacunas. a estrutura atômica da componente interfacial é minimizada através do campo de potencial gerado pelos cristais adjacentes. De maneira semelhante. etc. deformações. Consequentemente. contorno de grão.os materiais do tipo bulk atingem um nível de mínima energia a ponto de serem considerados perfeitos. NMs com cristalitos inferiores a 20 nm possuem aproximadamente 50% dos átomos na região de contorno de grão e interfaces (componente interfacial). interfacial. bem como. cristalina. defeitos de encaixe entre diferentes estruturas. etc. tensões. altas frações de átomos na superfície dos cristalitos associado aos seus tamanhos e formas extremamente pequenas. a estrutura da componente interfacial depende tanto das forças de ligação interatômica quanto da desorientação relativa dos cristais adjacentes. Assim. os materiais cristalinos estão sempre sujeitos a defeitos associados a tensões. Assim. Desta forma. Logo.). e principalmente. a possibilidade de manipulação das componentes Tabela 1: Relação entre o número total de átomos e o percentual de átomos na superfície [24]. deformações. discordâncias. fazem com que os NMs apresentem 561 1415 45 35 309 52 55 147 76 63 Número total de átomos 13 Átomos na superfície (%) 92 propriedades diferentes e distintas dos materiais bulk [24]. vem sendo um dos grandes atrativos dos NMs. As técnicas de síntese de NMs são fundamentadas em quatro rotas [24]: 2 . Com a diminuição do tamanho de cristalito. o percentual de átomos na superfície dos mesmos aumenta (ver Tabela 1). a estrutura da componente interfacial dos NMs também depende da técnica de produção utilizada para a síntese dos mesmos. várias técnicas têm sido desenvolvidas para a síntese em escala comercial. Uma característica marcante dos NMs é a elevada razão entre a área superficial dos cristalitos e o volume dos mesmos. Dependendo do método de fabricação utilizado para sintetizar os NMs. linhas de defeitos. falhas de empilhamentos. Progressos significativos têm sido alcançados nas últimas décadas para compreender os aspectos fundamentais da síntese de NMs.

O coeficiente de expansão térmica (α) de nanocristais de Cu é 31 x 10-6 K-1 e para monocristais é 16 x 10-6 K-1. Medidas de difração de raios X de filmes finos de Au revelam um deslocamento quadrático médio <μ2> dos átomos nos 3 . extrusão a quente [28]. vapor (deposição química de fase gasosa. A solubilidade de H em Pd nanocristalino é de 10 a 100 vezes maior que em um monocristal. deposição física de fase gasosa. prensagem isostática a frio [29 e 30].  sólida (MS) e.. Entretanto. As numerosas interfaces existentes nos NMs fornecem uma elevada densidade de caminhos curtos de difusão e a difusividade pode ser 14 a 20 ordens de grandeza maior do que em policristais de mesma composição química. provocando elevada deformação das partículas e produzindo elevado grau de compactação sem o crescimento de cristalitos [24]..  combinações das anteriores. O aumento do calor específico (cp) com temperatura é mais intenso para NMs que para policristais. pois produz elevada tensão compressiva durante curtos períodos (1-10 μs).. As rotas (com exceção da rota sólida) envolvem basicamente o agrupamento de conglomerados de átomos em fase de vapor ou líquida e a subsequente condensação das mesmas para formar nanopartículas. NMs produzidos na forma de pó podem ser consolidados (peças massivas) pelas técnicas de prensagem a quente [26 e 27]. mecânicas. a literatura mostra que a formação de soluções sólidas de Ag/Fe e Cu/Fe só é possível no estado nanocristalino. principalmente para NMs feitos por MS [24].  líquida (sol-gel. solidificação rápida ou quenching. composição química dos seus cristalitos [25]. Um aumento incrível de 10000 vezes já foi observado para a solubilidade de Bi (soluto) em Cu nanocristalino (solvente) a 100 °C. A consolidação por ondas de choque parece ser mais vantajosa. Além disso. a rota sólida é baseada na decomposição estrutural de grãos espessos através de severas deformações plásticas. Este aumento significativo no α é atribuído a expansão térmica dos contornos de grão. após 32 h de moagem mecânica o aumento observado foi de 20%. eletrodeposição.). podem ocorrer recristalizações e crescimento de cristalitos durante o processo de consolidação. Em contraste. Para uma amostra de Ru bulk o cp aumenta de 15% entre 150 e 260 K.. prensagem isostática a quente [29-32] e ondas de choque (shock waves) [33]. magnéticas. As propriedades elétricas. estrutura e. térmicas e ópticas dos NMs dependem diretamente do tamanho.). A literatura reporta aumentos de 29% do cp do Pd policristalino e 53% para Pd nanocristalino entre 150 e 300 K. obviamente.

No capítulo 3 são apresentados os detalhes da síntese. As conclusões finais são apresentadas no capítulo 4.contornos de grão quase duas vezes maior que para materiais bulk (0. No capítulo 1 são apresentadas revisões bibliográficas acerca dos sistemas estudados. O conteúdo deste trabalho está organizado em quatro capítulos. n° 296 em [25]). 4 . resultados e discussões da caracterização de cada sistema estudado. Este fato leva a conclusão de que a curvatura do potencial interatômico efetivo é menor para os átomos nas regiões de contorno de grão (Ref. No capítulo 2 as técnicas experimentais utilizadas são descritas. Nos anexos são descritos a influência dos tipos fendas utilizadas em difratômetros de DRX na intensidade dos picos dos padrões de DRX e detalhes relacionados à espectroscopia de absorção fotoacústica.007 Å2).

o único composto (liga) que pode ser obtido a partir dos elementos de In e Sb é o antimoneto de índio (InSb).6 em 673 K [41]. a irradiação do corpo humano quando estático) [40]. Também já foram observadas a temperaturas e/ou pressões elevadas ligas de InSb com 5 .17 eV) [34]. Esta característica pode ser considerada um bom melhoramento quando comparada com o tamanho dos sensores piroelétricos. De acordo com o diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb apresentado na Figura 2 [43]. filmes finos de InSb crescidos em substrato de GaAs permitiram a produção de sensores milimétricos. 1.1 Sistema In-Sb A liga InSb é um interessante semicondutor do ponto de vista tecnológico por possuir o menor gap (0. InSb também tem substituído os fotodetectores de gap variável HgCdTe em aplicações tecnológicas [42].7 °C (± 10 °C [44]). Outro estudo recente demonstrou que monocristais de InSb bulk dopados com Te são candidatos promissores para aparelhos termoelétricos. os quais exibem dificuldades de miniaturização e de detecção de radiação infravermelha. sensores magnéticos e transistores rápidos [36-39]. maior mobilidade eletrônica e velocidade de saturação [35] entre os dispositivos semicondutores e é comumente aplicada em detectores de imagens térmicas. para a detecção de sinais de altas frequências estacionárias (infravermelho médio) em temperatura ambiente (como por exemplo.ZB). e Zn-Te estudados nessa dissertação. tendo um valor máximo na figura de mérito de 0. cuja temperatura de fusão é de 525.2 at% de Sb (± 4 at% [44]). Do ponto de vista cristalográfico a liga de InSb tem estrutura cúbica do tipo blenda de zinco (zinc blend . grupo espacial F -4 3 m com parâmetro de rede igual a 6. Cd-Te.5 °C (± 10 °C [44]) quando em 68.4791 Å quando em temperatura ambiente [43]. Neste diagrama é possível observar um ponto eutético em 492.Capítulo 1 Sistemas Estudados Este capítulo apresenta uma pequena revisão bibliográfica dos sistemas In-Sb. Recentemente. de baixo custo.

detectores de raios X. deposição de vapor químico e MS [4-6 e 8]. dispositivo de fonte de luz em projetores de televisão e em sinais de transmissão [47-54]. O único composto (liga) que pode ser obtido a partir dos elementos de Zn e Te é o telureto de zinco (ZnTe). 1. hexagonal e tetragonal [45 e 46]. estruturas ortorrômbica. Neste diagrama existe um ponto eutético em 1215 °C quando em 65.4 at% de Te. O diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te é mostrado na Figura 3 [43]. Cristais de InSb vêm sendo preparados pelo método de esfriamento lento desde 1954 [1].Figura 2: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema In-Sb. A liga de ZnTe tem estrutura 6 . a liga de ZnTe é um dos semicondutores mais atraentes para fabricação de vários dispositivos optoeletrônicos: diodos emissores de luz verdes.53 eV).25 eV) e baixa afinidade eletrônica (3. telas/monitores a base de fósforo altamente eficientes. células solares foto-eletroquímicas. cuja temperatura de fusão é de 1300 °C. detectores de campo eletro-óptico. Também já foram preparados por epitaxia por feixe molecular. método de Czhochralszki.2 Sistema Zn-Te Devido ao seu ótimo gap de energia (2.

1037 Å quando em temperatura ambiente [43]. 7 . monocristais. itérbio. Embora a fotoluminescência do ZnTe dopado com oxigênio. os quais podem eliminar a luminescência por produzirem estados de defeitos eletrônicos na região proibida (gap de energia). epitaxia por feixe molecular. cobre. etc. Além disso. Fase de alta pressão ortorrômbica e trigonal já foram observadas [45]. Ligas de ZnTe já foram obtidas por técnicas de evaporação térmica. Na presença de água ou umidade. ZnTe decompõe-se facilmente para formar precipitados de ZnO. arsênio. MS e processos solvotérmicos [11-18]. Figura 3: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Zn-Te. luminescência com propriedades espectrais e intensidade apropriada para aplicações em telas fosforescentes sensíveis a raios X ainda não foram alcançadas. tenha sido amplamente reportada. com parâmetro de rede igual a 6. e mais recentemente.cúbica do tipo ZB. evaporação por paredes quentes (hot-wall evaporation). Este fato é atribuído a elevada sensibilidade a umidade e instabilidade química durante a síntese. [55]. tais como o Gd2O2S2 e o ZnS [52]. estruturas nanocristalinas em uma dimensão foram reportadas [52]. A maioria delas foi obtida na forma de nanofilmes. pulverização catódica por rádio frequência (RF). a liga de ZnTe tem sido proposta como uma candidata em potencial para aplicações em telas fosforescentes sensíveis a raios X por possuir propriedades superiores aos materiais comumente utilizados. Te e TeO 2.

44 eV [56]. Assim como o silício.488 Å [43]. mas tem a vantagem de ser mais barato e a desvantagem de ser menos eficiente e mais tóxico. tetragonal e trigonal [45]. encontra-se na forma estrutural cúbica do tipo ZB com parâmetro de rede igual a 6. É comumente intercalado entre sulfeto de cádmio 8 . Em pressões elevadas o composto CdTe pode ser encontrado nas formas estruturais ortorrômbica. Kang e colaboradores [52] moeram uma amostra de ZnTe (99.994%) a fim de formar ZnTe:O para aplicações em telas fosforescentes sensíveis a raios X. cuja temperatura de fusão é de 1098 °C. Na forma cúbica a liga semicondutora de CdTe possui um gap direto igual a 1. 1. CdTe é um material que também possui aplicações em células solares fotovoltaicas.999%) na forma bulk por 48 h em uma atmosfera de oxigênio com elevado grau de pureza (99. Eles atribuíram o sucesso da preparação dos pós fosforescentes de ZnTe à ausência de umidade durante a síntese da liga pelo método de moagem.Recentemente. Em temperatura ambiente Figura 4: Diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te. Neste diagrama pode-se observar apenas a existência do composto cristalino telureto de cádmio (CdTe).3 Sistema Cd-Te A Figura 4 mostra o diagrama de fases em equilíbrio do sistema Cd-Te [43].

epitaxia por feixe molecular. Células fotovoltaicas com eficiência de até 16% baseadas em estruturas de CdTe/CdS já foram obtidas e. pulverização catódica RF. 9 . CdTe é usado como detector de radiação nuclear (ligado com pequenas quantidades de zinco funciona como um excelente detector de raios X e raios gama) [58]. de filme. Depois de 8 h de moagem o tamanho médio de cristalitos era de 23 nm. um moinho de alta energia SPEX 8000D e uma razão entre a massa das esferas e dos pós (BPR) de 20:1. Até o presente a liga de CdTe já foi preparada pelas técnicas de evaporação por paredes quentes. recentemente.(CdS) para formar junções p-n em células solares fotovoltaicas. processos solvotérmicos e eletrodeposição [19-22] na forma massiva (bulk) [59]. substrato para dispositivos optoeletrônicos baseados em HgCdTe e seu uso em janelas e lentes ópticas na região do infravermelho é limitado devido sua toxidade. monocristalina e nanocristalina. nanocristais de CdTe foram sintetizados com sucesso pela técnica MS [60] a partir da mistura de pós elementares de altíssima pureza de (Cd – 99. novas possibilidades de dispositivos utilizando CdTe foram exploradas [57]. Os autores mostraram ainda que é possível alterar a região de absorção óptica usando agentes orgânicos. Recentemente.999%). moduladores eletro-ópticos. Te – 99. janelas de lasers (laser windows). chegando a valores entre 2 e 6 nm para 50 horas de moagem.99%.

do termo em inglês Mechanical Alloying. difração de raios X e espectroscopia de absorção fotoacústica) serão apresentados mais detalhes e para as outras (fluorescência de raios X por dispersão de energia. tampa. Além disso.1 Mecano-Síntese A Mecano-Síntese (MS). como por exemplo. calorimetria de varredura diferencial e Raman) serão descritos apenas os princípios básicos e os arranjos experimentais utilizados. destaca-se devido seu poder de produzir materiais nanocristalinos [61 e 62]. 10 . Outra vantagem desta técnica é a capacidade de produção de ligas de elementos com temperaturas de fusão muito diferentes. Para as técnicas estudadas por mais tempo (MS. também conhecida por Síntese-Mecânica.Capítulo 2 Técnicas Experimentais Esse capítulo traz uma descrição das técnicas experimentais que forneceram os resultados dessa dissertação. Figura 5: À esquerda: pote. À direita: moinho SPEX 8000 CertPrep. amorfos [63 e 64] e soluções sólidas [8]. 2. o baixo custo e simplicidade de operação aliados a possibilidade de produção em larga escala fazem da MS uma técnica promissora para os setores industriais e de desenvolvimento. metais de transição e selênio [65-67] ( . esferas e anel de vedação.

Nesse estágio temse o início de uma espécie de soldagem a frio dessas partículas. (ii) fecha-se o conjunto pós + esferas dentro do pote cilíndrico em uma atmosfera inerte para em seguida (iii) montá-lo em um moinho de bolas. esferas e moinho utilizados nessa dissertação. 11 .  Estágio 2: Com o aumento do tempo de moagem o número de partículas compósitas arranjadas em camadas paralelas aumenta e novas soldagens-a-frio acontecem. As partículas mais moles (módulo de bulk menor) ganham forma de agulha ou lamelar. enquanto as partículas mais duras são fragmentadas. A síntese via MS se dá através de reações de estado sólido envolvendo repetidas fraturas e soldas-a-frio das partículas dos pós [8]. resultando em partículas compósitas arranjadas em camadas paralelas. A Figura 5 mostra o tipo de pote. Benjamin e Volin [68] descreveram a MS em cinco estágios. No caso da moagem partir de ligas já formadas utiliza-se a denominação Moagem Mecânica (Mechanical Milling).  Estágio 1: Diminuição do tamanho de partículas dos pós precursores. resultando em uma estrutura lamelar espessa e com composição mais homogênea.A MS pode ser descrita da seguinte maneira: (i) deposita-se dentro de um pote cilíndrico (geralmente de aço inoxidável) pós elementares de alta pureza e esferas maciças (geralmente também de aço inoxidável). descritos e ilustrados (Figura 6) a seguir: Figura 6: Os cinco estágios da MS descritos por Benjamim e Volin [69].

 Estágio 3: Com a continuação da moagem ocorre redução na espessura da estrutura lamelar de tal maneira que provoca o surgimento de “pescoços”, levando a divisão desta estrutura em partículas com forma equiaxial.  Estágio 4: Devido às colisões realizadas pelas esferas novas soldagens-a-frio das partículas ocorrem de maneira aleatória, formando novas partículas compósitas.  Estágio 5: A distribuição de tamanho de partículas compósitas é estreita e de composição química uniforme. As partículas compósitas atingem um máximo de dureza. Os elementos químicos aprisionados nas interfaces das partículas soldadas podem apresentar uma energia de mistura negativa e elevada, garantindo condições para que reações químicas no estado sólido ocorram. A estrutura de defeitos introduzida nas partículas, devido à intensa deformação mecânica realizada nos estágios anteriores, pode alterar os coeficientes de difusão dos espécimes que constituem as partículas. Assim, essas condições possibilitam a nucleação de novas fases, sejam elas amorfas ou cristalinas.

Apesar da simplicidade na execução e da versatilidade da técnica MS, trata-se de um processo de síntese complexo que envolve pelo menos dez variáveis: tipo de moinho, tipo de pote, velocidade da moagem, tempo de moagem, meio de moagem, razão entre a massa de esferas e a massa de pós (ball-to-powder weight ratio - BPR), grau de preenchimento do pote, atmosfera de moagem, agentes de controle do processo e a temperatura da moagem. Devido à correlação existente entre essas variáveis a concepção de modelos teóricos que consigam prever de maneira precisa o produto final da moagem é uma tarefa árdua e que requer grande habilidade computacional além de profundos conhecimentos de física e química. Como consequência, a maioria dos modelos encontrados descreve somente partes dos mecanismos envolvidos durante a MS [70-73]. A descrição dessas variáveis é fundamental para garantir a reprodutibilidade da MS, bem como para elucidar influências que estas podem exercer sobre a caracterização do produto final. 1) Tipos de Moinhos. Existem basicamente três tipos de moinhos: agitação, planetário e atrito. As amostras estudadas nessa dissertação foram feitas num moinho de agitação O movimento de vibração desse moinho é tal que o movimento do pote tem a forma de “8”. A amplitude de vibração ( 5 cm) e a velocidade de rotação ( 1200 rpm) aferem 12

altas velocidades às esferas de moagem (

5 m/s) e, consequentemente, as forças de

impacto também são altas. No moinho planetário, as velocidades lineares das esferas são ainda maiores, porém a frequência de impacto é muito menor. Por isso os moinhos de agitação são considerados de alta energia e os moinhos planetários de baixa energia. O moinho de atrito é considerado de baixa energia e é utilizado para produção em larga escala (entre 0,5 e 100 kg) 2) Tipos de potes. O tipo de material do qual é feito o pote é um fator importante a ser considerado, pois algum material pode se desprender do mesmo e incorporar-se ao pó que se deseja sintetizar durante a moagem. Se o material do pote for diferente do pó, então poderá haver contaminação com material vindo do pote. Por outro lado, se o pó e o pote forem do mesmo material, então a composição química poderá ser alterada. Aços duros dopados com Cr e temperados, aços inoxidáveis e ligas de carbeto de tungstênio (WCCo, WC-aço) são os materiais mais usados para fabricação de recipientes para MS. A forma do pote, especialmente o desenho interno, também é importante. Potes com fundo plano ou curvo são os mais comuns. Harringa e colaboradores (Ref. nº 101 em [8]) mostraram que a síntese da mistura de Ge-Si é menos eficiente com pote de fundo curvo. 3) Velocidade da Moagem. É fácil perceber que quanto maior for a frequência de vibração (velocidade de rotação), maior será a energia das ferramentas de moagem. Dependendo do tipo de moinho, altas frequências de vibração podem levar a temperatura do pote a valores altíssimos. Isso pode ser vantajoso em casos onde a difusão é requerida para promover a homogeneização e/ou a síntese, mas em outros pode ser uma desvantagem, pois acelera processos de transformação/decomposição de soluções sólidas supersaturadas e/ou fases meta-estáveis e pode facilitar a contaminação dos pós. No caso particular de nanocristais, o aumento de temperatura com altas intensidades de moagem provoca recristalização (tamanho médio de cristalitos aumenta e a microdeformação diminui) (Ref. nº 103 em [8]). A temperatura máxima alcançada depende do tipo de moinho e dos sistemas (mistura de pós). As temperaturas estimadas para os mais variados sistemas (metálicos, cerâmicos, semicondutores) são da ordem de 50 oC (Ref. nº 203 em [8]) usando moinhos de agitação. Porém, alguns estudos usando moinhos planetários sugerem temperaturas superiores a 600 oC (Ref. nº 92 e 217 em [8]) como a única alternativa 13

para justificar a formação de fases polimórficas de altas-temperaturas por MS. Outro estudo mostra que a fase cúbica (pirita) de alta pressão (≈ 6 GPa) do calcogênio CuSe2 pode ser obtida utilizando um moinho planetário a 2800 rpm [74]. Esse resultado sugere que, mesmo que o pote de moagem atinja valores de pressões e temperaturas próximos as CNTP, a MS envolve condições termodinâmicas extremas. 4) Tempo de Moagem. O tempo de moagem é um dos parâmetros mais importantes da MS. Normalmente o tempo é escolhido de modo a alcançar um estado estacionário entre os mecanismos de fratura e solda-a-frio das partículas de pós. O tempo requerido varia dependendo do tipo de moinho, da intensidade de moagem, da BPR e da temperatura da moagem. Escolher o tempo de moagem para cada sistema (mistura de pós) combinandose os parâmetros mencionados acima é uma tarefa difícil. Além disso, não é trivial saber acima de que tempo de moagem o nível de contaminação torna-se preocupante. Portanto, estudos estruturais sistemáticos em função do tempo de moagem são muito importantes para a obtenção de um material com percentual de pureza elevado. 5) Meio de Moagem. A densidade do meio de moagem dever ser alta o suficiente para que as esferas criem forças de impacto sobre os pós. É desejável, sempre que possível, que o pote e as esferas sejam do mesmo tipo de material dos pós, a fim de evitar contaminações. O tamanho do meio de moagem também tem influência na eficiência da moagem. Normalmente, elementos grandes e de alta densidade transferirão mais energia de impacto às partículas do pó. A literatura mostra que a constituição final do pó depende do tamanho das esferas usadas. Por exemplo, moer uma mistura de pós de TiAl com esferas de 15 mm de diâmetro gera solução sólida de alumínio em titânio, já com esferas de 20 e 25 mm observa-se somente uma mistura das fases de alumínio e titânio (Ref. nº 8 em [8]). Em outro caso, foi reportado que (sistema Pd-Si), esferas de diâmetros pequenos favorecem a formação de fase amorfa (Ref. nº 112 em [8]). Isso sugere que condições suaves de moagem (tamanho de esferas pequenas, baixa energia e baixa BPR) favorecem a amorfização ou a formação de fases meta-estáveis (Refs. nº 85 e 111-114 em [8]). Energias de colisões mais altas podem ser alcançadas quando esferas de diâmetros diferentes são usadas (Ref. nº 116 em [8]). No estágio inicial da moagem, pós ficam grudados nas superfícies do meio de moagem (pote + esferas) e também se soldam-a-frio. Isso é vantajoso, uma vez que evita o desgaste excessivo do meio de 14

moagem, evitando também a contaminação proveniente de partículas que se desprendem do meio de moagem. Entretanto, para evitar a formação de um produto final heterogêneo, a espessura da camada (devido aos pós grudados) no meio de moagem deve ser mínima. Uma desvantagem é que esta camada dificulta o desprendimento do pó do meio de moagem, diminuindo a eficiência do processo. A combinação de esferas de diâmetros grandes e pequenos durante a moagem minimiza a quantidade de soldagens-a-frio bem como a quantidade de pós grudados no meio de moagem (Ref. nº 117 em [8]). Embora nenhuma explicação é dada para o melhoramento da produtividade nessas condições, é possível que esferas de tamanhos diferentes produzam forças de ruptura que podem ajudar a soltar os pós das superfícies do meio de moagem. Usar esferas de mesmo tamanho em potes com fundo plano ou curvo pode acarretar na formação de trilhos, trajetórias bem definidas, ao invés de chocarem-se aleatoriamente com o fundo e paredes do pote. 6) BPR. A BPR (ball-to-powder weight ratio), também chamada de razão de carga (CR – charge ratio), é uma importante variável da MS. Valores tão baixos quanto 1:1 e tão altos quanto 220:1 são utilizados (Ref. nº 119 e 120 em [8]). Em moinhos de produção em baixa escala, como no caso do SPEX 8000, a BPR mais usada é de 10:1. A BPR tem efeito significativo no tempo de obtenção de uma determinada fase. Quanto maior a BPR, menor será o tempo requerido, pois aumenta o número de colisões por unidade de tempo, e consequentemente, mais energia é transferida para as partículas do pó. Condições “suaves” de moagem (baixos valores de BPR, baixas frequências de vibração, esferas de diâmetro pequeno, etc.) produzem fases meta-estáveis, enquanto que condições “abruptas” produzem fases em equilíbrio. Este efeito foi claramente demonstrado para o caso do sistema Zr-Co (Ref. nº 113 em [8]). Resultados similares também são reportados para o sistema Cu-In-Ga-Se, que apresenta a formação da fase meta-estável cúbica para baixos valores de BPR e a fase de equilíbrio tetragonal para valores altos (Ref. nº 171 em [8]). 7) Grau de Preenchimento do Pote. Como a síntese entre as partículas do pó ocorre devido às forças de impactos exercidas sobre as mesmas, é necessário que exista espaço suficiente dentro do pote para que as esferas movam-se livremente. Se o pote estiver pouco preenchido a síntese 15

quando uma mistura de pós de Fe-Cr é moída em diferentes atmosferas a constituição final do pó é diferente (Ref. líquida ou gasosa. Para produzir nitretos. os pós são moídos em potes evacuados ou preenchidos com gás inerte. nº 122 em [8]) reportaram um fato curioso que mostra uma oxidação maior da liga Ti48Al2 W50 quando moída em atmosfera de nitrogênio (+4. a energia do impacto será menor e a síntese. nº 126 em [8]). já para a produção de hidretos. Assim. podendo estar nas formas sólida. usa-se uma atmosfera de nitrogênio.5 %wt de O) depois de 20 h de moagem. Dependendo do tipo de proposta diferentes atmosferas de moagem são utilizadas. mas quando os pós foram moídos em atmosferas de ar contendo argônio ou nitrogênio o pó tornou-se completamente amorfo. nitrogênio. se ocorrer. Ainda assim. usa-se uma atmosfera de hidrogênio [8]. a fim de evitar contaminações oriundas do ar. oxigênio.) limitada por uma bolsa plástica (glove Box). hélio. Caso contrário. são adicionados a mistura de pós para diminuir a soldagem-a-frio durante a moagem. Outro caso interessante mostra que o oxigênio aumenta a cinética de amorfização no sistema Ni-Nb [75]. Goodwin e colaboradores (Ref. oxigênio e nitrogênio também são usados. 9) Agentes de Controle do Processo. De acordo com [8] pelo menos 50% do espaço do pote deve estar vazio para que ocorra a MS.ocorrerá rapidamente. Por exemplo. O tipo de atmosfera de moagem também parece influenciar no tipo de estrutura do produto final. Argônio de alta pureza é comumente utilizado para prevenir oxidações e/ou contaminações dos pós. chamados também de lubrificantes. etc. 16 . Quando os pós foram moídos em atmosfera de argônio não foi observada formação de fase amorfa. Os agentes de controle do processo (ACPs). A vedação do pote torna-se vital no controle da atmosfera de moagem. O efeito mais indesejado da atmosfera de moagem é a contaminação. Os lubrificantes são na maioria orgânicos. será mais lenta. O fechamento do pote é feito dentro de uma atmosfera controlada de gás (argônio. Gases como hélio. 8) Atmosfera de Moagem.7 %wt de O) que quando moída em atmosfera de oxigênio (+1. Eles atuam na superfície das partículas interferindo na soldagem-a-frio (especialmente se elas forem dúcteis) e diminuindo a tensão superficial do material. nem sempre é evidente quando contaminações decorrem de falha na vedação do pote. A verificação/substituição dos anéis de vedação é rotina antes de iniciar a MS.

distribuição angular. microdeformações. A moagem da mistura Ni50Zr50 num moinho planetário por 15 h na temperatura do nitrogênio líquido não apresentou nenhuma fase amorfa. 17 . tamanho médio de cristalitos. porém quando a moagem foi feita a 200 °C uma fase completamente amorfa foi obtida no mesmo intervalo tempo (Ref. Em altas temperaturas de moagem a cinética de amorfização pode aumentar. 2. nº 177 em [8]). A microdeformação (s) menor e o tamanho médio de cristalitos (p) maior para nanocristais produzidos a temperaturas superiores que a ambiente pode ser explicado com base no aumento da difusividade (Ref. posição dos átomos dentro da cela unitária. parâmetros de rede. Uma vez que processos de difusão regem a formação de soluções sólidas. da estabilidade térmica e química do lubrificante. 10) Temperatura da Moagem. metanol e etanol. do meio de moagem e da possibilidade de interação/reação entre os componentes do lubrificante e dos pós [8]. O tipo e a quantidade de lubrificante usada na MS dependem das características de soldagem-a-frio das partículas. número de coordenação. fases nanocristalinas e amorfas por MS. hexano. distância entre os primeiros vizinhos. Existem poucas investigações reportadas onde a temperatura de moagem foi variada intencionalmente e estas foram executadas para estudar o efeito da temperatura de moagem na variação do nível de solubilidade. Não existe um lubrificante universal e o mesmo influencia diretamente na MS. densidade.Na prática uma ampla variedade de lubrificantes é usada numa escala de até 5% da carga de pós. etc. é esperado que a temperatura da moagem tenha efeito significativo em qualquer tipo de sistema. ou para estudar a formação de fases amorfas ou nanocristalinas. nº 171 em [8]). permitindo obter informações acerca do grupo espacial. orientações preferenciais. quantidade relativa de fases.2 Difração de Raios X A técnica de difração de raios X é utilizada para investigar a estrutura de materiais cristalinos ou amorfos. entre eles: ácido esteárico. Nas subseções a seguir são mostrados os fundamentos teóricos relacionados à difração de raios X em materiais cristalinos e ao método de Rietveld [76]. da natureza e da quantidade de pó utilizados na moagem.

Na Figura 7 observa-se que o caminho ótico percorrido pelo feixe 2. A difração de raios X pela matéria resulta de dois fenômenos diferentes: espalhamento de raios X por cada átomo que compõe a microestrutura do material e interferência das ondas espalhadas por esses átomos. dada por ML+LN. k e l são os índices de Müller). A expressão matemática que define a posição dos máximos de difração de raios X em materiais cristalinos foi idealizada por William Henry Bragg e seu filho William Lawrence Bragg (prêmio Nobel de 1915).5 a 2. o efeito fotoelétrico. e para os casos onde ∆υ ≠ 2πn haverá interferência destrutiva. Através de uma análise geométrica simples da Figura 7. é maior que aquele percorrido pelo feixe 1. gera uma diferença de fase ∆υ entre as ondas refletidas dada por onde λ é o comprimento de onda do feixe de raio X incidente. etc.1 Posição dos picos – Lei de Bragg O fenômeno de difração ocorre sempre que o comprimento de onda λ de ondas eletromagnéticas (fótons ou partículas – elétrons.2. Para um cristal perfeito haverá interferência construtiva sempre que ∆υ = 2π. refletido pelo plano cristalográfico B. Figura 7: Visão geométrica da Lei de Bragg. Nos materiais cristalinos os átomos arranjados periodicamente (ordem de longo alcance) definem diferentes planos atômicos distanciados de dhkl (onde h. o efeito Auger e a fluorescência [77].) é da mesma magnitude que a distância entre os centros espalhadores. prótons. refletido pelo plano cristalográfico A. ou seja. Essa diferença de percurso. mostra-se que de maneira que 18 . 2πn (n é um número inteiro ). Em geral.2. medidas de difração de raios X envolvem λs que variam de 0. sempre que ML+LN = nλ. 4π. Outros processos envolvidos na interação de raios X (fótons) com a matéria e que podem influenciar no padrão de DRX são o efeito Comptom. e pode ser entendida no esquema da Figura 7.5 Å. 6π.

A Figura 8 mostra um esquema de um padrão de DRX para cristais perfeitos e reais.2. etc. Nessa dissertação todas as medidas de DRX foram feitas em condições de temperatura e pressão ambiente. a altura relativa da amostra em relação ao centro da circunferência descrita pelo goniômetro. totalmente monocromáticos e a radiação incidente não corresponder a feixes perfeitamente paralelos. fatores de Polarização e de Lorentz. Isto significa que o padrão de difração de raios X de um cristal perfeito mostrará picos somente para valores de θhkl que satisfazem a condição de Bragg.é conhecida como a Lei de Bragg. De maneira geral. uma análise detalhada de padrões de DRX não é uma tarefa simples. 2. o padrão de raios X de cristais reais apresenta interferência construtiva até mesmo em posições θ ligeiramente diferentes de θhkl. diversos fatores influenciam no alargamento dos picos e também na intensidade e na posição dos picos de difração em medidas de DRX. pois a maioria dos parâmetros que definem a posição e o perfil dos picos estão correlacionados. Além dos fatores relacionados ao estado físico da amostra (como por exemplo. a amplitude de vibração dos átomos na rede cristalina). (b) padrão de XRD de um cristal real. Diferentemente de um cristal perfeito. Entre esses fatores destacam-se: o fato dos feixes de raios X não serem Figura 8: (a) padrão de XRD para um cristal perfeito. atribuindo aos picos de difração uma largura de linha a meia altura δ. fatores geométricos relacionados às condições experimentais de medida (abertura das fendas de espalhamento e divergente).2 Intensidade dos picos – fator de estrutura Além das informações sobre distâncias interplanares decorrentes das posições 19 .

O f(θ. Hph está relacionado ao perfil (forma) dos picos de difração e descrito como é o fator de estrutura da ph-ésima fase cristalina onde o somatório é feito sobre os j-ésimos átomos da célula unitária situados em (xj. fatores geométricos relacionados às condições experimentais de medida e do tipo de radiação utilizada. descritos pela Lei de Bragg. 20 . Em geral Fhkl é um número complexo que expressa à amplitude e a fase da onda resultante espalhada. Sph é um fator de ponderação associado a phésima fase cristalina e Yph é a intensidade de Bragg dada por Na equação (5). A intensidade total é dada por [78] onde S é um fator de ponderação global. etc.dos picos de difração. absorção.). f’(λ) e f’’(λ) são os termos que levam em conta efeito de dispersão anômala. a intensidade e o perfil dos picos de difração carregam informações importantes a respeito da posição e da amplitude de vibração dos átomos e da composição química do material. O fator de espalhamento atômico pode ser escrito como a soma de três contribuições [77]. λ) também é modificado pela amplitude de vibração dos átomos causada principalmente pela temperatura. λ)j é o fator de espalhamento atômico do átomo j que descreve a eficiência com que um tipo de átomo espalha raios X numa dada direção. cujo valor absoluto da amplitude |Fhkl| é uma relação entre a amplitude da onda espalhada por todos os átomos da célula unitária e a amplitude da onda espalhada por um único elétron [79]. Kph está relacionado a fatores que são dependentes da amostra (orientação preferencial. cujos valores podem ser obtidos na referência [81] para qualquer elemento químico da tabela periódica. yj e zj) e f(θ. onde o fator f0(θ) é calculado através de coeficientes obtidos numericamente usando funções de onda de Hartree-Fock [80].

fator de polarização. Para verificar se o refinamento está convergindo observa-se o fator . Existem diversos programas computacionais que usam o MR. obter o tamanho médio e a microdeformação de cristalitos.3 Método de Rietveld O Método de Rietveld (MR) é um método utilizado para obter informações cristalográficas de estruturas cristalinas através de refinamentos e/ou ajustes a partir de modelos teóricos (um para cada fase identificada) e de padrões de DRX (ou nêutrons) experimentais. em alguns casos. calculada a partir da intensidade total. posições e deslocamentos atômicos). etc. A função que se deseja minimizar é dada pelo resíduo S´: onde wi =(1/ yi). Nessa dissertação utilizou-se o pacote de programas GSAS + EXPGUI [78 e 82] pelo fato de ser um software livre com ótima interface gráfica e grande número de usuários no mundo.2. Além da caracterização quantitativa de estruturas cristalinas presentes nas amostras o MR permite determinar orientações preferenciais (textura) e. yi e yci é a intensidade total experimental e calculada (equação (4)).). respectivamente. utilizou-se nessa dissertação a função perfil (Hph) pseudo-Voigt de Thompson-Cox-Hasting Modificada (pV-TCHZ) 21 . mas o índice a ser considerado ao avaliar a qualidade do modelo refinado da estrutura cristalina é o fator onde Ii é a intensidade atribuída a i-ésima reflexão de Bragg. Para descrever o formato dos picos de DRX. Um padrão de difração de DRX apropriado para o MR é aquele que possui uma varredura com passos ∆2θ constantes e pelo menos 10 pontos de medida acima da largura de linha total a meia altura do pico (Full Width at Half Maximum – FWHM). Através da interface gráfica EXPGUI efetua-se um processo de cálculo computacional iterativo que ajusta o padrão DRX teórico ao experimental pelo método dos mínimos quadrados. partindo de parâmetros estruturais iniciais (banco de dados cristalográficos [45]) e de informações sobre o difratômetro de raios X usado (comprimento de onda. e relacionada com a estrutura cristalina (tipos de átomos.2. largura de linha instrumental. para o i-ésimo passo (posição angular).

[83]. ou seja. a qual é descrita pela convolução entre uma função pseudo-Voigt e uma função que considera assimetrias nos picos de difração devido à divergência axial do feixe de raios X. A fim de quantificar a estrutura das amostras estudadas nessa dissertação. O alargamento instrumental é obtido através de um ajuste Rietveld (ou Le Bail) do difratograma de uma amostra padrão1. alguns 1 Considera-se aqui uma amostra padrão aquela que praticamente não tem defeitos e o tamanho médio de cristalito é muito grande (>> 2000 Å). A função pseudo-Voigt (pV) é definida pela combinação linear de uma função lorentziana (L) e uma gaussiana (G) de acordo com a equação onde Γ e γ são respectivamente a FWHM do pico e o coeficiente lorentziano definidos como onde Γg = [(8ln2)2]1/2 é a contribuição gaussiana para a FWHM e  é a variância do pico dada por onde os termos LX. GU0 é um dos termos que define o alargamento instrumental dos picos de difração de DRX. Para isso termos associados às componentes lorentziana e gaussiana são usados nas relações [78]: onde K=0. praticamente não contribui no alargamento dos picos de difração. A função pV-TCHZ é adaptada para determinação da microdeformação (s) e tamanho médio de cristalitos (p). GU.91 é a constante de Scherrer e λ é o comprimento de onda do raio X incidente. GW e GP são parâmetros de ajuste no MR. LY. 22 . Os valores obtidos para a amostra padrão são considerados como iniciais para parâmetros ajustáveis e mantidos fixos para os demais durante o ajuste de difratogramas de amostras em estudo. GV.

de seus padrões de DRX foram submetidos ao MR. Em todos os ajustes/refinamentos os parâmetros da função background. 3) referência. 2. 2) amostra. Parâmetros relacionados à amplitude de vibração atômica foram considerados isotrópicos. transição vítrea. 1) cilindro de prata. de metal) são mantidas em uma plataforma elevada do disco de Constantan. A amostra e a referência (alocadas dentro de pequenas panelas Figura 9: Esquema da célula de DSC utilizada.DTA) e análise termogravimétrica (Thermogravimetric Analysis – TGA). A célula é constituída por um cilindro de prata (forno) que transfere calor para a amostra e para a referência através de um disco de Constantan. Em cada plataforma existe um disco fino de cromo. Gás inerte e pré-aquecido é inserido dentro do forno a fim de evitar processos de oxidação no sistema. Parâmetros assimétricos da função perfil não foram considerados. fatores de escala e o deslocamento da amostra em relação ao centro da circunferência descrita pelo goniômetro do difratômetro foram ajustados antes dos parâmetros estruturais. 6) termopares. A seção transversal da célula DSC utilizada nessa dissertação é mostrada na Figura 9. Essas reações podem ser associadas a processos de cristalização. pois permite identificar e quantificar reações exotérmicas e/ou endotérmicas em um determinado intervalo de temperatura. Fios de cromo e alumínio conectados ao conjunto Constantan-cromo formam os termopares que monitoram 23 . 5) tampa. entre outros. As técnicas mais comuns baseadas em processos de troca de calor são: calorimetria diferencial de varredura (Differential Scanning Calorimetry – DSC). Os modelos iniciais utilizados nos ajustes foram baseados nas informações cristalográficas do banco de dados ICSD [45].3 Calorimetria Diferencial de Varredura A essência das técnicas de calorimetria aplicadas aos materiais é a troca de calor entre uma amostra/referência e um forno. relaxação térmica. 7) disco termoelétrico de Constantan. 4) disco de cromo. análise térmica diferencial (Differential Thermal Analisys. A técnica DSC de fluxo de calor (tipo disco) foi usada nessa dissertação. fusão. A quantificação dessas reações pode ser obtida através do cálculo da variação de entalpia (associada à área do pico da reação).

Ele é composto de lâmpada halógena (Bentham . e do mecanismo gerador de calor envolvido. 2. tendo em vista que as panelas feitas de alumínio fundem aproximadamente a 660 °C.diretamente a temperatura das amostras. As equações matemáticas usadas na interpretação física dos resultados PAS dependem do regime térmico (fino ou espesso). Nessa dissertação foi utilizado um DSC 2010 da TA-Instruments.quartzo-tungstênio de 250 W. elétrons. ultrasom. A temperatura máxima alcançada durante as medidas foi de 630 °C. Todas as medidas de variação de entalpia (∆H) são dadas em Joules por grama (J g-1). fonte Figura 10: Esquema da estação PAS utilizada.4 Espectroscopia de Absorção Fotoacústica A espectroscopia de absorção fotoacústica (Photoacoustic Absorption Spectroscopy – PAS) é usada nos mais diversos campos da física. química. biologia. escolhido em função da frequência de corte fc (que depende da espessura l e α do material). medicina e engenharia por permitir a determinação do coeficiente de difusividade térmica (α) [84-88]. etc. N2 como gás inerte e taxas de aquecimento constantes de 10 °C/min. A calibração de temperatura da célula DSC foi feita utilizando uma amostra padrão de In. A PAS é baseada na geração de ondas acústicas ou efeitos termoelásticos através da incidência de qualquer tipo de feixe energético pulsado (radiações eletromagnéticas. panelas de alumínio para amostras/referências. 24 . Mais detalhes no Anexo 2. O diagrama da estação PAS utilizada nessa dissertação é mostrado na Figura 10.) na superfície do material a ser estudado [89].

liberando o excesso de energia (Ef . Nesse ponto o excesso de portadores se difunde através do material por uma distância (Dτ)1/2 e em seguida recombinam-se com os buracos da banda de valência. podendo ser considerado instantâneo na escala típica das frequências de modulação (10 a 270 Hz). gerando excesso de portadores com energia = Ef . os quais são descritos da seguinte maneira: I) Termalização instantânea intrabanda não-radiativa (difusão térmica): ocorre quando os elétrons foto-gerados relaxam dentro da banda de condução.PerkinElmer. lentes focalização.de corrente modelo 605). Este processo ocorre em uma escala de tempo de pico-segundos [90]. O efeito fotoacústico se expressa na forma de variação de pressão do gás aprisionado entre a amostra e o microfone pela célula fotoacústica (ver Anexo 2). liberando o excesso de energia Eg na rede [91]. modelo 197). criando fônons. A 25 . Colisões do tipo elétron-fônom promovem o relaxamento desses portadores dentro da banda de condução. célula fotoacústica (do tipo aberta) com microfone de eletreto (onde a amostra é fixada com graxa de vácuo. II) Recombinação não-radiativa no volume: ocorre em materiais semicondutores quando seus elétrons absorvem fótons com energia (Ef) maior que a energia de gap (Eg). A variação de pressão é detectada pelo microfone e transformada em um sinal elétrico analógico.Eg na banda de condução. O sinal fotoacústico no regime termicamente espesso pode ser interpretado através de quatro diferentes mecanismos geradores de calor. modulador mecânico (chopper . Assim. Anexo 2). amplificador Lock-In (Perkin-Elmer modelo 5105) e um computador com programa específico para registro da amplitude e fase do sinal fotoacústico como função da frequência de modulação. A amplitude (S) e fase (Φph) do sinal fotoacústico para este processo mostram dependências com f do tipo (19) (20) onde d = l(π/α)1/2 . a difusividade térmica pode ser obtida fazendo-se um ajuste das curvas amplitude e fase do sinal fotoacústico em função da frequência de modulação f do chopper. Uma barreira de água foi usada para eliminar a radiação infravermelha do feixe incidente na amostra.Eg) na rede numa escala de tempo de pico-segundos.

Se a inclinação da reta (d) for a mesma nos dois gráficos. Utilizando-se o valor obtido de d é possível calcular o α através da relação d = l(π/α)1/2. considerando o mesmo intervalo de frequências.5 para o mecanismo II). IV) Flexão termoelástica: esse mecanismo é devido ao gradiente de temperatura na direção perpendicular a superfície da amostra (ou seja. τ é o tempo de recombinação. paralela a direção do feixe de luz incidente). III) Recombinação não-radiativa na superfície: S e Φph se comportam de acordo com as equações (21) e (22). A amplitude do sinal fotoacústico (S) se comporta de acordo com a equação (21) com c = -1. ii) fazendo o gráfico Log (S) versus Log f. O coeficiente angular obtido (c) indica se o mecanismo é do tipo II. verifica-se em que intervalos de frequências observa-se linearidade. α. respectivamente. u = l(πf/α)1/2. e v é a velocidade de recombinação dos portadores na superfície. o mecanismo I está presente. v e τ são os parâmetros de ajuste da equação (22). Para o mecanismo IV α é obtido através do parâmetro de ajuste d da equação (23) e da relação d = l(π/α)1/2. considerando o mesmo intervalo de frequências onde ocorre linearidade. Para os mecanismos II e III. 26 .amplitude (S) e fase (Φph) do sinal fotoacústico para este processo mostram dependências com a frequência de modulação f do tipo [90 – 92] (21) (22) onde c é o parâmetro (expoente) que define o mecanismo (c = -1. porém a fase do sinal fotoacústico (Φph) é dada pela equação [88] (23) Na prática a contribuição de cada mecanismo para a variação de pressão na câmara fotoacústica pode ser encontrada através dos seguintes procedimentos: i) Fazem-se os gráficos de Ln (S) versus e Φph versus e em seguida ajustam-se as equações (18) e (19) aos dados experimentais. D. considerando o mesmo intervalo de frequências onde ocorre linearidade. τeff = τ(D/α – 1). D é o coeficiente de difusão dos portadores. III ou IV. porém c = -1.

2. um buraco excitação do elétron do átomo. Ambos funcionam baseados no mesmo princípio físico. também chamada de espectroscopia por dispersão de energia de raios X (Energy Dispersive X-Ray spectroscopy . A Figura 11 ilustra (1) o processo de interação entre um elétron/fóton incidente e um elétron da eletrosfera atômica. criando na camada interna da eletrosfera. (2) o espalhamento do elétron/fóton e a Figura 11: Representação esquemática do processo de fluorescência.5 significa que mais de um mecanismo pode estar presente no intervalo de frequência analisado e nesse caso. Laboratório de Materiais – EMC e Laboratório Central de Microscopia Eletrônica – LCME). e (3) o decaimento radiativo de um elétron de uma camada superior (fluorescência). deve-se ainda assim efetuar o procedimento ii. A identificação é feita de acordo com a Lei de Moseley 27 . Portanto temos duas maneiras (i e ii) de calcular o α. mas um usa como sonda elétrons e o outro raios X. os valores de α devem coincidir.NORAN X-Ray Six) acoplada a um microscópio eletrônico de varredura (JEOL – JSM-6390LV) e ii) um espectrômetro dedicado (Shimadzu – EDX-700).EDX).Se o procedimento i for satisfeito. porém em intervalos de frequências distintos. Se o valor de c estiver entre -1 e -1.5 Fluorescência de Raios X por Dispersão de Energia A técnica de fluorescência de raios X por dispersão de energia (Energy Dispersive X-Ray Microanalisys .EDS) foi utilizada para quantificar a composição química dos sistemas estudados nessa dissertação em colaboração com outros laboratórios da UFSC (Laboratório ValoRes – ENC. que preenche o buraco criado e permite identificar espécies químicas através da energia dos raios X característicos emitidos. Foram utilizados dois sistemas: i) uma sonda de microanálise (Thermo Scientific . não é possível quantificar a contribuição de cada um deles. Havendo mais de um mecanismo dominante. Lei de Moseley (equação (24)).

é calculado levando em consideração k1 e k2.onde ν. Para pequenas amplitudes de vibração χ pode ser aproximado por uma função linear de Qj. Agora assumindo que a susceptibilidade elétrica varia com a agitação molecular e é definida como onde Qj são os modos normais de vibração molecular. que são constantes que dependem da linha espectral. 2.6 Espectroscopia Raman A espectroscopia Raman se baseia no espalhamento inelástico de luz pela matéria e permite aferir a estrutura molecular desta última. o número atômico. O espalhamento Raman também pode ser compreendido do ponto de vista clássico. Do ponto de vista quântico o espalhamento Raman pode ser explicado como um processo de absorção de um fóton de luz por um elétron da matéria. onde ν é medido pelos sistemas citados acima e Z. de maneira que Usando a relação trigonométrica tem-se que P pode ser escrito como 28 . De acordo com as leis de conservação do momento e energia a diferença de energia entre o fóton incidente e o espalhado está associada com a energia de vibração (fônons) da matéria. a frequência (energia) dos raios X emitidos. igual a 3N-6 numa molécula contendo N átomos (ou 3N-5 para uma molécula linear) e é dado por onde νj é a frequência característica do j-ésimo modo normal de vibração molecular. o qual é excitado até um nível eletrônico virtual e depois decai emitindo um fóton com energia ligeiramente diferente da incidente. Considerando que a polarização molecular (P) induzida quando uma molécula é incidida por uma onda eletromagnética (entre o visível e o ultravioleta) é dada por: onde o módulo de E E = E0cos(20t) é o campo elétrico da onda eletromagnética incidente de frequência 0 e  é a susceptibilidade elétrica molecular (constante para efeitos de óptica linear).

Os espectros Raman foram ajustados por funções lorentzianas a fim de obter as posições dos picos principais. enquanto que no segundo e terceiro termos. 29 . um detector tipo CCD (charge couple device) refrigerado a nitrogênio líquido (144 K) e um laser de Ar + linha 5145 Å (2. Carlos E.A equação (29) mostra que a onda eletromagnética espalhada é composta por três termos com freqüências de oscilação diferentes. a frequência de oscilação da onda eletromagnética espalhada é diferente da frequência da onda eletromagnética incidente (espalhamento inelástico). mudanças no estado cristalino. No processo de espalhamento Raman do tipo Stokes a molécula sai do estado fundamental de vibração para um estado excitado de vibração. M. São Carlos – SP) que dispõe de um espectrômetro Jobin-Yvon T64000 acoplado a um microscópio ótico. O diâmetro do feixe sobre as amostras foi menor que 2 μm utilizando lentes com aumentos maiores que 50x.41 eV).6 cm-1 de uma amostra de silício (1 0 0). espalhamento Rayleigh. enquanto que no processo de espalhamento do tipo Anti-Stokes o inverso ocorre. de Campos (orientador) na geometria de retroespalhamento com as amostras mantidas a temperatura ambiente. As medidas foram feitas pelo Prof. A potência do laser utilizada nos experimentos foi sempre menor que 1 mW para evitar/minimizar efeitos de aquecimento. amorfização ou oxidação das amostras. Dr. A calibração do equipamento foi feita utilizando-se a linha Raman 521. tem a mesma frequência da onda eletromagnética incidente (espalhamento elástico) e magnitude proporcional a χ0. O primeiro termo da equação. Dr. Nessa dissertação são apresentados resultados obtidos em colaboração com o Prof. Uma regra de seleção mais refinada só pode ser obtida através de considerações envolvendo mecânica quântica. espalhamento Raman Stokes e Anti-Stokes. Para que seja possível observar modos Raman ativos é necessário que (δχ/δQj) seja diferente de zero. Pizani (DF/UFSCar. Paulo S.

% de In e 52 ± 3 at. enquanto que para a porção tratada termicamente a composição final foi de 48 ± 2 at. seguido por um resfriamento natural até a temperatura ambiente. 3. Zn-Te e Cd-Te.5 cm de altura) sempre com 6 esferas maciças de aço inox (diâmetro médio ≈ 11 mm) e atmosfera de argônio.2 Análise DRX A Figura 12 mostra os padrões DRX da remessa R1. R2 e R3) da mistura equiatômica de pós de In (Alfa Aesar – 99. Os pós moídos por 3 h (R2) e 10 h (R3) e o pó tratado termicamente foram analisados por EDX no microscópio eletrônico de varredura (MEV) JEOL JSM-6390LV equipado com o sistema de microanálise NORAN X-Ray Six.% de In e 53 ± 3 at.5%) foram preparadas em sequência.1.5 cm de diâmetro e ≈ 7.% de Sb. resultados e discussões para os sistemas estudados nessa dissertação: In-Sb. Com o intuito de esclarecer os resultados obtidos nas medidas de DRX e DSC. DSC e Raman.999%) e Sb (Alfa Aesar – 99. Foram usados potes (com fundo plano) cilíndricos de aço inox equivalentes (≈ 3. 3. Um ventilador foi utilizado para manter a temperatura do pote próxima à ambiente. O padrão DRX da 30 . uma porção da amostra moída por 10 h (da remessa R3) foi selada em um tubo de quartzo evacuado a aproximadamente 10-3 Torr e tratada termicamente a 410 °C por 6 h. Interrompeu-se o processo várias vezes e os pós sintetizados foram analisados por DRX e em alguns casos por EDX.1 Sistema In-Sb 3. O moinho de alta energia usado foi o SPEX (modelo 8000).% de Sb.Capítulo 3 Resultados e Discussões Neste capítulo são apresentados os procedimentos experimentais. A BPR utilizada nas três remessas foi de 5:1. PAS. Os resultados mostraram que a composição química final dos pós moídos (R2 e R3) foram de 47 ± 2 at.1 Síntese Três remessas (R1.1.

é possível observar ainda a existência de picos minoritários associados aos precursores Sb (2θ = 28.3 %wt para In2O3 e 2. 42.0°) e In (2θ = 33. a fase cúbica de InSb do tipo ZB Sb. Rigaku-MiniFlex (Cu-kα). Para 3 h de moagem foi identificada apenas a fase ZB-InSb.7 e 42.1 %wt para Sb com o aumento do tempo de moagem de 30 para 60 h. Com apenas 1 h de moagem já é possível observar um padrão DRX bem diferente do padrão de 0 h. Em 5 e 10 h de moagem picos pouco intensos (2θ 31 .0°). Com o aumento do tempo de moagem (3 – 60 h) observa-se que a intensidade (e a largura) dos picos da fase ZB-InSb decresce (aumentam). In2O3 e InSb extraídos do ICSD [22]. A Figura 13 mostra os padrões de DRX da remessa R2. Na expectativa de elucidar esses fatos. indicando que os pós precursores reagiram para nuclear à fase cristalina cúbica de InSb do tipo ZB (cartão ICSD no 41445). enquanto que a fração de fase da ZBInSb diminuiu em 15. 35.mistura de In e Sb (0 h) revela a coexistência no das fases In tetragonal e Sb trigonal (cartões ICSD 171679 e 64697. Porém. optou-se por produzir duas novas remessas (R2 e R3) do sistema In-Sb. No padrão de DRX para 2 h de moagem os Figura 12: Padrões DRX da amostra InSb (R1) com o tempo de moagem. respectivamente). 51 e 60°.5 %wt. indicando a presença de uma estrutura nanométrica e que outros picos emergem próximos a 2θ ≈ 30. Padrões DRX do In. A exposição do material ao ar atmosférico e problemas com o anel de vedação do pote são os principais responsáveis pelo surgimento da fase In2O3 cúbica e diminuição da fase ZB-InSb. Esses picos emergentes foram atribuídos a fase Sb trigonal (pó precursor) e a fase In2O3 cúbica (cartão ICSD no 14387). Do ajuste Rietveld verificou-se que as frações de fases cristalinas (%wt) aumentaram em 13. picos minoritários estão ausentes e (ZB-InSb) é única.

As mesmas observações acerca da intensidade e da largura dos picos em função do tempo de moagem feitas para R1 servem para R2. In2O3 e InSb extraídos do [22]. Somente a fase ZB. confirmando a hipótese de que a abertura do pote tem papel determinante no aparecimento da fase In2O3 cúbica nas remessas R1 e R2. além da fase ZB-InSb (com picos bem mais Figura 14: Padrões DRX das amostras 10h-InSb e tt-InSb. 32 . Sb.InSb é identificada após 10 h de moagem. para confirmar esta hipótese uma nova remessa (R3) foi produzida e moída sem interrupções por 10 h. Padrões de DRX e InSb extraídos 2 3 cúbica. Sb.30°) associados às fases de In2O3 cúbica e de Sb trigonal podem ser identificados. Os padrões de DRX da remessa R3 moída por 10 h (10h-InSb) e o da porção tratada termicamente (tt-InSb) são mostrados na Figura 14. Para tt-InSb. Figuras 12 e 13. Rigaku-MiniFlex (Cu-kα). Até 10 h de moagem o pote da remessa R1 foi aberto 5 vezes. No detalhe aumento da região 2θ ~ 25 55°. fato este que parece ser determinante Figura 13: Padrões DRX da amostra InSb (R2) com o de moagem. é possível verificar que os picos associados às impurezas nos padrões de DRX em R1 são maiores do que em R2. In O Rigaku-MiniFlex do [22]. Padrões de DRX do In. no aparecimento da fase In2O3 tempodo In. (Cu-kα). Comparando-se os padrões de 3 a 10 h de moagem entre R1 e R2. enquanto que para R2 o pote foi aberto 3 vezes. Assim.

respectivamente. Dessa tabela obtém-se que o parâmetro de rede (a) da fase ZB-InSb para 3 e 10 h de moagem é 0. a = 6.  e | correspondem às posições das fases ZB-InSb. parâmetro de rede é praticamente igual ao do modelo de partida e que o tamanho médio de cristalitos p (e a microdeformação s) aumenta de 195 para 750 Å (diminui de 1. Após o tratamento térmico observa-se que o Figura 15: Padrões DRX experimentais e ajuste MR (sobrepostos) das amostras 3h-InSb (R2). indicando uma melhora na cristalinidade da amostra) observa-se a presença de picos pouco intensos associados às fases In2O3 cúbica e Sb trigonal. Figura 15 mostra os padrões de DRX experimentais e ajustados pelo MR das amostras moídas por 3 h (3h-InSb) (R2).40 para 0. fatos que são atribuídos a relaxação estrutural. Rigaku-MiniFlex (Cu-kα). não mostraram nenhum tipo de evolução estrutural no período de um ano.12% maior do que o do modelo de partida (ICSD n° 41445.01%). Além disso. 10h-InSb (R3) e tt-InSb (R3). Essas diferenças podem estar associadas com o envelhecimento sutil das amostras e/ou diferenças no 33 .intensos e estreitos. num difratômetro Xpert Pro – PanAlitycal. o percentual da fase ZB-InSb diminuiu em função do surgimento das fases In2O3 cúbica e Sb trigonal. Todos os parâmetros estruturais obtidos das análises Rietveld estão resumidos na Tabela 2.479 Å). 3) uma transformação de fase do tipo amorfo-cristalino (ver seta na Figura 14). Os símbolos ▼. 10h-InSb (R3) e tt-InSb (R3). I2O3 cúbica e Sb trigonal. aumento de  23% para p e diminuição de 21% para s. ao crescimento de grão e a diminuição dos centros de defeitos promovidos pelo tratamento térmico. Novas medidas de DRX das amostras 10h-InSb e tt-InSb. 2) segregação de átomos de Sb dispersos na componente interfacial. Foram observadas pequenas diferenças entre os parâmetros de rede (< 0. A nucleação dessas fases após o tratamento térmico pode estar associado a: 1) oxigênio residual não eliminado durante o fechamento do pote e/ou do tubo de quartzo. indicando que a amostra está sujeita a uma microdeformação (s) distensiva. Em cinza as respectivas curvas diferença.29%).

10 6. a.033(3) 0. respectivamente. tt-InSb e 60h-InSb utilizando o pacote de programas GSAS.6 10.763(3) 10.10 6. Um pequeno aumento da linha de base também pode ser visto para temperaturas maiores do que 275 °C.4 tt-InSb 11.122(3) 1037.915(9) 5.3(2) 5.140(8) 178.322(5) 181. %wt = fração de fase cristalina.4865(6) 0.779 750 0. O primeiro pico é atribuído a fusão do In. já que nenhuma evidência de material amorfo (halo) foi observada por DRX (ver Figura 12). 499. 10h-InSb e tt-InSb.3029(8) 11.47854(8) 0.489(2) 0.4866(5) 0.9 4. 3.137(3) 1041.009(4) 273.039(3) 0.0.  = densidade. Fases Rwp (%) Rbragg a (Å) In Uiso (Å2) Sb Volume (Å3) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt a (Å) Volume (Å3) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt a (Å) c (Å) Volume (Å3) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt 3h-InSb 12.4 e 528.13 0.018(2) 271.34 2. Uiso= amplitude de vibração atômica isotrópica ao quadrado.017(2) 272.alargamento instrumental de cada equipamento (Rigaku e PanAnalitycal).750 138 2.112 464 0.40 100 - 60h-InSb 11.91(8) 5.045(6) 0.782 219 3.758 243 1. 10h-InSb.0136(6) 271.1.68(2) InSb (F -4 3 m) cúbica In2O3 (I a -3) cúbica Sb (R -3 m H) trigonal Tabela 2: Parâmetros estruturais da análise Rietveld das amostras 3h-InSb.09 6.55(2) 4.29 93.2(8) 7.00 23. s = microdeformação. c = parâmetro de rede.0166(6) 0.758 195 1. p = tamanho médio de cristalitos.93(6) 5.9(2) 6.80 3. O pico exotérmico alargado centrado em 372 °C pode ser atribuído a relaxação estrutural da amostra.2 °C. Largura de linha instrumental medida com uma amostra padrão de Y2O3.35 38. O segundo e o terceiro picos endotérmicos são atribuídos ao ponto eutético (ver Figura 2) e a fusão da fase ZB-InSb.21 37.34 0.75 0. 34 .39 0.3 Análise DSC A Figura 16 mostra as curvas DSC da mistura de In e Sb (0 h) e das amostras 3hInSb.306(2) 11. o qual pode ser associado com o crescimento de grãos e/ou mudanças no calor específico do material. A curva 0 h mostra três picos endotérmicos em 159.5(8) 7.083 164 1.08 6.55(9) 6.681 968 0.28 100 - 10h-InSb 12.

0 488.4 10h-InSb 390. 7. Nas curvas das amostras moídas observa-se a existência exotérmica de uma pequena 350 e 400 reação °C). 1. 10hInSb e tt-InSb mostram as mesmas reações endotérmicas vistas na curva 0 h. (entre Evidências de material amorfo observadas por DRX (seta na Figura 14) permitem associar esta reação a uma transformação Figura 16: Curvas DSC da mistura In + Sb (0 h). 13. 1. 60h-InSb e tt-InSb.1 . indicando que o ambiente químico da fase amorfa mudou (composição atômica e/ou ordem local).7 490.0 . 133.0 . O surgimento de picos das fases Sb trigonal e In2O3 cúbica nos padrões DRX tt-InSb reforçam ainda mais essa interpretação.As curvas DSC de 3h-InSb. 93.6 . 10h-InSb e tt-InSb. Vale lembrar que o ponto de fusão do In2O3 cúbico é 1910 °C [43] e não pode ser observado pela célula DSC usada.6 .8 tt-InSb 493. 45.9 .2 . O detalhe de cristalização aumenta de 21. 1. A temperatura amostras 3h-InSb.9 °C de 3 mostra um aumento da região entre 320 e 488 °C. 3h-InSb.9 . 35 . exceto a fusão do In. A ausência da reação associada à cristalização na curva tt-InSb corrobora a interpretação da reação exotérmica como um processo de cristalização. 3.0 .0 531.3 Tabela 3: Valores da temperatura de pico e da variação de entalpia (∆H) das reações vistas nas curvas DSC das amostras 0 h. 164. para 10 h de moagem.0 3h-InSb 370.0 .4 . ∆H (J/g) 0h fusão do In relaxação estrutural cristalização ponto eutético fusão da ZB-InSb 159. T (°C) .7 532. 4.1 60h-InSb 332. 10h-InSb.4 528. das do tipo amorfo-cristalino.4 . O ponto eutético aparece em  491 °C com variação de entalpia (∆H) menor que para 0 h e a fusão da fase ZB-InSb é observada em  532 °C com ∆H maior que para 0 h.1 532.4 . 39.4 . 21.3 372.7 490.0 499. 154.

As curvas de aquecimento para as amostras moídas entre 1 e 30 h mostram os picos associados ao ponto eutético localizado em ≈ 490 °C (∆H  83 Jg-1 para 30 h de moagem) e a fusão da fase ZB-InSb em ≈ 530 °C (∆H  34 Jg-1 para 30 h de moagem). A Tabela 3 mostra a temperatura de pico das reações e suas respectivas ∆H.7 Jg-1 para 60 h de moagem). vistas por DRX. É possível observar uma inversão gradual na intensidade e diminuição na temperatura de pico dessas reações com o aumento do tempo de moagem. 36 . A decomposição da fase ZB-InSb e o crescimento das fases indesejáveis (In2O3 cúbica e Sb trigonal) com o aumento do tempo de moagem. explicam a inversão da intensidade e o deslocamento dos picos endotérmicos mostrados na Figura 17 (a). As medidas DSC da remessa R1 são apresentadas na Figura 17 (a) a fim de discutir a influência da grande quantidade de óxido observada por DRX. uma vez que o ambiente químico em torno da fase ZB sofreu mudanças drásticas.Aumentos da linha de base também são vistos para as amostras 10h-InSb e tt-InSb a partir de 90 e 75 °C. Figura 17: Evolução com o tempo de moagem das curvas DSC de aquecimento (a) e esfriamento (b) da amostra InSb (R1). As amostras moídas entre 40 e 60 h apresentam uma única reação endotérmica em ≈ 490 °C (∆H = 93. respectivamente.

37 . O espectro Raman da amostra referência de Sb apresenta duas linhas localizadas em 115.1 e 178. porém com intensidades relativas bem diferentes. As linhas localizadas próximas a 180 e 189 cm-1 são atribuídas aos modos TO e LO da fase ZB-InSb. Também se nota apenas uma reação exotérmica para tempos de moagem entre 30 e 60 h.A Figura 17 (b) mostra as curvas de esfriamento da amostra R1. onde se observa uma referências Sb e InSb.0 cm-1 associadas aos modos Raman ativos Eg e A1g do Sb trigonal [93]. porém para 50 h ocorre um fato anômalo. Lente objetiva = 100x.5. Os modos Raman entre 100 e 170 cm-1 também apresentam Figura 18: Espectros Raman das amostras 10h.0 °C para 1.3 cm-1 associadas aos modos ópticos longitudinal (LO) e transversal (TO) da fase ZB-InSb. respectivamente. respectivamente [94]. o processo de solidificação da liga ocorre muito mais suavemente do que para outros tempos de moagem e sua temperatura de pico é ≈ 18 °C menor do que para 40 e 60 h de moagem. 3. 28. #2 e #3 da amostra 10h-InSb mostram basicamente as mesmas características. O espectro Raman da amostra de referência InSb apresenta duas linhas localizadas em 189. #2 e #3) das amostras 10h-InSb e tt-InSb e de amostras de referência: Sb e InSb. Nesta figura é notória a reversibilidade do processo de fusão (solidificação – reações exotérmicas) e também se observa histereses nos processos de fusão-solidificação de 13. tornando-se mais intensas da região #1 para #3.4 Análise Raman A Figura 18 mostra espectros Raman obtidos em diferentes regiões superficiais (#1.0 e 20. Os espectros Raman #1. respectivamente.um comportamento sistemático da região InSb e tt-InSb (regiões #1.0 e 152. 6 e 60 h de moagem. Os resultados dos ajustes dos espectros Raman por funções lorentzianas são resumidos na Tabela 4.1. #2 e #3) e das #1 para #3.

7 #2 101. porém os padrões DRX não sustentam a última proposta.0 cm-1 deveriam estar associadas a zonas de Sb sobre alta tensão compressiva (≈ 4 GPa) [95].8 189.8 266.4 182.0 #3 114.1 cm-1 podem estar associadas a uma nova fase ou mesmo relacionadas a modos Raman ativados pela desordem estrutural ligada ao processo da MS. podendo relacioná-los a: i) modos Eg e A1g do Sb trigonal. 1 Sb InSb #1 10h-InSb #2 #3 #1 tt-InSb 2 3 4 5 6 7 8 9 115.8 189.5. onde as linhas em 223.7 e 353. 253.8 179.0 140.3 187.2 353. significa que existem zonas de Sb sobre tensão compressiva nas regiões #1 e #2 e que na região #3 zonas de Sb devem estar sobre tensão distensiva ou associados à fase de alta pressão Sb-II (tetragonal) [95].1 150. ii) um estado multifásico.diminuição na intensidade e um deslocamento dos picos para altas frequências. No espectro #2 observam-se lihas Raman somente na região entre 100 e 170 cm-1. 38 .6 121.9 192. iii) segregação do Sb foto-induzida durante as medidas Raman.5 187.9 252.2 154.8 117.0 152.4 165. 266. porém nesse caso as linhas Raman localizadas em 101. Os espectros Raman #1. Não se chegou a nenhuma interpretação conclusiva a respeito desses modos. As linhas Raman observadas no espectro #1 são atribuídas aos modos Eg e A1g do Sb trigonal e aos modos LO e TO da fase ZB-InSb.8 mW).9 148.5 117.6 223.6 179.8.1 110.6 Tabela 4: Frequências das linhas Raman (em cm-1) vistas nos espectros das amostras 10h-InSb e tt-InSb e das referências Sb e InSb.8 180.1 253. apesar da utilização de um feixe de laser de potência muita baixa (0. sugerindo que esta é uma região rica em Sb.3 189. #2 e #3 da amostra tt-InSb também são mostrados na Figura 18.8 e 140.0 178. de acordo com o comportamento esperado do modo A1g quando sobre pressão [95]. porém.3 180.0 146.

As medidas PAS foram feitas em frequências de modulação ≥ 10 Hz a fim de trabalhar no regime termicamente espesso. impossibilitando concluir se os nanocristais estão sobre tensão compressiva ou distensiva. respectivamente. uma linha intensa localizada em 252. mas pode ser entendido lembrando que a MS envolve pressões não-hidrostáticas e não-uniformes e gera amostras heterogenias do ponto de vista local. Tabela 2. Modos Raman ativos associados à fase de In2O3 cúbica [96] encontrada no padrão de DRX da amostra tt-InSb não foram observados. considerando o coeficiente de difusividade térmica para um monocristal de InSb (α=0. Comparando as posições das linhas Raman dos espectros das amostras 10h-InSb e tt-InSb com as posições das linhas Raman das amostras referências. As linhas pretas representam ajustes das equações (21) e (23). Este fato não pode ser explicado olhando diretamente para os valores de microdeformação s obtidos por DRX (longo alcance). Além disso. percebida apenas nas medidas Raman (curto alcance).16 cm2/s) [97].8 cm-1 da amostra 10hInSb.No espectro #3 os modos Eg e A1g do Sb trigonal e os modos LO e TO da fase ZB-InSb são identificados. a qual parece ter a mesma origem da linha localizada em 253. 39 .6 cm-1 é observada.1. respectivamente. Frequências de corte fc de 13 e 14 Hz foram calculadas (equação (36)) para as amostras 10h-InSb e tt-InSb. A Figura 19 mostra os gráficos da amplitude (a) e fase (b) do sinal fotoacústico Figura 19: (a) Log de S versus Log f e (b) Φph versus f das amostras 10h-InSb (quadrados) e tt-InSb (triângulos). 3. não se observam deslocamentos unicamente positivos ou negativos.5 Análise PAS Para fazer as medidas PAS as amostras 10h-InSb e tt-InSb foram compactadas (seis toneladas) na forma de discos com 1 cm de diâmetro e espessuras de 630 e 610 μm.

0 ± 0. Vale lembrar que a sonda usada não é 40 .% de O.02). pois mostra que Φph varia com f. e a composição química da amostra tratada termicamente (tt-ZnTe) é de 23. Essa flutuação em relação à razão de 1:1 de Zn:Te inicialmente proposta pode ser associada com a colagem de parte dos pós de Zn na parede do pote durante a moagem. procedimento ii da seção 2. O mecanismo de difusão térmica (I) foi descartado para ambas as amostras de acordo com o procedimento i descrito no final da seção 2.8 at. No processo de dilatação térmica a fase do sinal fotoacústico deve ser constante e igual a -90° [98].% de Te e 23. observada pelas medidas de DRX.2.4.157 cm2/s para a amostra 10hInSb e α = 0. característico dos mecanismos de transferência de calor por recombinação não-radiativa na superfície (II). flexão termoelástica (III) ou dilatação térmica [98].9 ± 0.5 at.1 Síntese Uma mistura equiatômica de pós de Zn e Te (Zn: Vetec 99%.5 ± 0. A equação (22) não ajustou a fase do sinal fotoacústico das amostras nas regiões de linearidade citadas acima. 54 ± 2 at. Uma porção da amostra moída foi tratada termicamente a 600 °C por 6 h em um tubo de quartzo evacuado a aproximadamente 10 -3 Torr também foi estudada. 3. A fase do sinal fotoacústico foi bem ajustada somente pela equação (23).% de Zn. Com 15 h de moagem o processo de síntese foi interrompido e o pó analisado por DRX.01 (-1.% de O.16 cm2/s) [97]. O aumento de α após o tratamento térmico está relacionado à melhora na cristalinidade (eliminação de defeitos) da amostra. Os resultados EDX mostraram que a composição química da amostra moída por 15 h (15h-ZnTe) é de 17.8 at.4. A amplitude S da amostra 10h-InSb (tt-InSb) entre 62 e 110 Hz (62 e 115 Hz) apresenta um expoente c = -1.para as amostras 10h-InSb e tt-InSb.% de Te e 20.173 cm2/s para a tt-InSb. Desses ajustes obteve-se α = 0.2 Sistema Zn-Te 3.4 ± 0. 56 ± 2 at. indicando que o mecanismo de flexão termoelástica (IV) é o mecanismo de transferência de calor dominante nesses intervalos de frequências. logo a Figura 19 (b) descarta esse mecanismo. indicando que o mecanismo III também não é o mecanismo dominante.% de Zn.6 at. Te: Merck > 99% e < 74 μm) foi sintetizada seguindo o mesmo procedimento experimental utilizado pelo professor Heinrich Höhn (Departamento de Física – UFSC) na ocasião da primeira síntese (2004) [17]. Esses valores são próximos ao valor para um monocristal (α ≈ 0.

atribuídos a fase de ZnO hexagonal ZnTe cúbica (). Picos minoritários associados às fases Te trigonal e ZnO hexagonal ainda podem ser observados (ver símbolos na Figura 20).4(3) %wt para a fase de ZnO hexagonal. ZnO hexagonal (○) e ZB. As linhas cinzas de Zn hexagonal (cartão ICSD n° representam as diferenças entre os padrões ajustados pelo MR e os experimentais. Zn hexagonal (●). Picos minoritários foram símbolos representam as fases Te trigonal (|). Picos minoritários (ver cruzes na Figura 20) foram atribuídos a fase de α-TeO2 tetragonal (cartão ICSD n° 27515). Xpert-PanAlitycal (Cu-kα). O ajuste obtido pelo MR revelou um percentual de 83.2 Análise DRX A Figura 20 mostra os padrões DRX dos pós precursores cristalinos de Zn (cZn) e Te (c-Te). Os 52259). indicando a presença de uma estrutura nanométrica. Os picos mais intensos no padrão de DRX da amostra c-Te são atribuídos a fase de telúrio trigonal (cartão ICSD n° 76150).2.7(2) %wt para a fase de α-TeO2 tetragonal.632(1) %wt para a fase de Zn hexagonal e de 16. bem como das amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. α-TeO2 tetragonal (+).33(8) %wt para a fase de telúrio trigonal e 20.precisa/sensível na detecção de elementos leves (Z < Na) e que a quantificação desses é comumente superestimada em amostras na forma de pó. 41 . Todos os parâmetros estruturais obtidos das análises Rietveld estão resumidos na Tabela 5. mais intensos são atribuídos a fase (cartão ICSD n° 82029). Todos os picos observados no padrão de DRX da amostra 15h-ZnTe são alargados. 3. O ajuste obtido pelo método de Rietveld revelou um percentual de fase de 79. No padrão de DRX da amostra precursora de c-Zn os picos Figura 20: Padrões DRX dos pós precursores de c-Te e c-Zn e das amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. Para a amostra 15h-ZnTe os picos mais intensos são atribuídos a fase ZB-ZnTe (cartão ICSD nº 41984).

indicando um melhoramento da cristalinidade e o crescimento do tamanho médio de cristalitos da amostra.36 14. Assim.651 258 0.188 138 2. a análise Riteveld revelou um pequeno aumento no percentual de fase após o tratamento térmico. 0) 0. entretanto a intensidade dos picos de difração aumentaram e a largura dos picos reduziram substancialmente. 0. 0.28(4) 4.9100(4) 0.04 11.260(2).08 6.605(4)) 5. y.67 0. 1/3) 6. 1/3.0162(5) (0.4(2) 3. z) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt Parâmetro de rede (Å) a c 2 Zn Uiso (Å ) (x.0310(7) (0.632 145 1. ¼) 5.2507(2) 5.48 16. 1/3.677 587 0.637 1107 0.217(2) 0. Com relação à fase ZnO hexagonal.2(2) tt-ZnTe 13. 0) 0. Da análise dos padrões de DRX das amostras 15h-ZnTe e ttZnTe.3(2) ZB-ZnTe (F -4 3 m) cubic Te (P 31 2 1) trigonal ZnO (P 63 m c) hexagonal Tabela 5: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras de 15hZnTe e tt-ZnTe utilizando o GSAS. sinalizando que o 42 .0221(8) (0.96 77. 1/3.2600(6).30(6) 4.44 0. verificam-se apenas pequenas discrepâncias nos resultados obtidos da análise Rietveld. 0.0148(6) (0.54(9) 3. z) O ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt 11. O padrão de DRX da amostra tt-ZnTe tem praticamente as mesmas características do padrão de DRX da amostra 15h-ZnTe. Comparando os resultados da Tabela 5 com os resultados da liga ZnTe produzida por MS pelo nosso grupo no ano de 2004 [17]. 0) 0.579(5)) 5.11 69.4777(9) 5. 1/3.027(2) (2/3. porém ainda abaixo do valor obtido para a amostra precursora c-Zn. y.42 11.07 6.2025(4) 0. 1/3) 6. ¼.4733(2) 5. nenhum pico de difração relacionado à fase α-TeO2 tetragonal (existente na amostra c-Te) foi identificado. 0.0122(2) (¼.1056(2) 0.10368(3) 0. z) Te ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt Parâmetro de rede (Å) a c Uiso (Å2) (x.916(2) 0. y.0201(2) (¼. 0) 0.033(8) (2/3. 0.007(2) (2/3.15h-ZnTe Fases Rwp (%) RBragg Parâmetro de rede (Å) Zn Uiso (Å2) (x. ¼) 5. 0.013(9) (2/3. ¼.2535(5) 5.206 561 0. Amostra padrão de Y2O3.

A Tabela 6 cinza as respectivas curvas diferença. No entanto. (sobrepostos) das amostras en-15h-ZnTe e en-tt-ZnTe. respectivamente. permitindo concluir que a fase ZB-ZnTe é muito mais estável quando tratada termicamente. novas medidas de DRX foram feitas em 2008. Os símbolos ▼. foi encontrada a fase β-TeO2 ortorrômbica (cartão ICSD nº 26844).  e | representam as fases ZBpela análise Rietveld. indicando mudanças significativas nos percentuais de fase da amostra (meta-estabilidade). A Figura 21 mostra os padrões DRX ajustados pelo MR (sobrepostos das aos amostras experimentais) envelhecidas (en) en-15h-ZnTe e en-tt-ZnTe. A fim de verificar se a amostra de ZnTe produzida pelo nosso grupo em 2004 [17] sofreu algum tipo de mudança (envelhecimento) após 4 anos guardada em condições ambiente. Os parâmetros estruturais obtidos da análise Rietveld podem ser vistos na Tabela 6. Outra observação importante é que os picos continuam bem alargados. Xpert-PanAlitycal resume todos os parâmetros obtidos (Cu-kα). 43 . enquanto as intensidades dos picos da fase majoritária ZBZnTe diminuíram. as intensidades dos picos das fases de Te trigonal e ZnO hexagonal aumentaram. Te trigonal e β-TeO2 ortorrômbica. os quais mostram que a fase ZB-ZnTe teve o seu percentual reduzido de apenas 5% quando comparada com a amostra tt-ZnTe. ZnO hexagonal. As fases identificadas em en-15h-ZnTe são as mesmas identificadas em 15h-ZnTe. Na amostra en-tt-ZnTe. +. além das fases identificadas em en-15h-ZnTe.processo de MS da liga ZnTe é reprodutível. indicando que os cristais na amostra Figura 21: Padrões DRX experimentais e ajustes MR ainda são nanométricos. Em InSb.

755 375 0.2633(4). 0.022(2). 1/3) 0.2540(4) 3.4(1) 3. y.9188(8) 5. 0. (0.613(4)) 5. 1/3) 6. 1/3.675 164 463 0. A reação exotérmica e o aumento da linha de base são atribuídos respectivamente a relaxação estrutural e ao 44 . (0.en-15h-ZnTe Fases Rwp (%) RBragg 10. (0. (2/3. 0. (0.00552.9(2) 12.22 0. y. (2/3.376(1)) 0.1035(5) 6.261(2). z) O (P b c a) O ortorrômbica ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt 6.3(2) 64.09 Parâmetro de rede (Å) Zn Uiso (Å2) (x. (0.217 6. 0) 0. (¼. 0) 0.06 en-tt-ZnTe 12. 0.602(3)) 0.0163(6). z) ZB-ZnTe Te (F -4 3 m) ρ (g/cm3) cubic p (Å) s (%) %wt a Parâmetro de rede (Å) c Te Uiso (Å2) (x.0099(2).41 25.49(5). (0. ¼) 5. z) ZnO O (P 63 m c) ρ (g/cm3) hexagonal p (Å) s (%) %wt a Parâmetro de rede (Å) b c Te β-TeO2 Uiso (Å2) (x.458(1) 5.009(9).18(1)) 0.600(1) 0.52(3) 4. 1/3.2(2) Tabela 6: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões de DRX das amostras en-15hZnTe e en-tt-ZnTe utilizando o GSAS.0253(8).62 0.1185(7).016(2). 0. 0.55 0.6(3) 13.10331(3) 0. 1/3.055(2) 5. (0. (2/3.52 11.82 0.3 Análise DSC A Figura 22 mostra as curvas DSC das amostras de c-Te e 15h-ZnTe.2042(6) 0.637 5.009.009.2.4662(5) 4. ¼.67(1).652 5.638 189 1142 2.19 0. 0. y.27 45.0131(9).012(7). 1/3. 0) 0. (0. (¼. ¼) 0. (2/3. cuja ∆H é de 122 Jg-1. 0.236(8). 0.034(2). 0.217 161 357 1.2144(9) 5.036(3).2508(2) 5. 0) 0. 0.155(5).1(2) 10. O pico endotérmico é atribuído a fusão do Te. y. Amostra padrão de Y2O3.9093(8) 0. ¼.13(5)) 5.00611.4698(4) 5. A curva DSC da amostra c-Te mostra um único pico endotérmico em 454 °C e uma reação exotérmica (entre 490 °C e 550 °C) coexistindo com o aumento da linha de base. z) (P 31 2 1) ρ (g/cm3) trigonal p (Å) s (%) %wt a Parâmetro de rede (Å) c 2 Zn Uiso (Å ) (x.14 29. 3.

9 Jg-1. mas aqueles relacionados ao α-TeO2 (24 modos ativos) [101] foram parcialmente satisfeitos pelo ajuste.2 Jg-1. 95 e ≈ 400 cm-1. A curva DSC 15h-ZnTe apresenta uma banda exotérmica larga na região entre 50 e 220 °C cuja ∆H é de 7.crescimento de grãos e/ou aumento do calor específico de fases remanescentes. Linhas Raman pouco intensas também são observadas em 62. Um aumento da linha de base também pode ser observado ao longo de toda a curva. fato que pode estar relacionado a uma baixa 45 . Os resultados dos ajustes dos espectros Raman por funções lorentzianas estão resumidos na Tabela 7. O pico endotérmico em 449. permanecem inexplicadas. cuja ∆H é de 22.8 °C.8 °C é atribuído a fusão da fase Te trigonal [43] observada na medida de DRX. 15-ZnTe e tt-ZnTe coletados com aceitáveis relações de sinal/ruído fazendo-se 5 medidas com tempos de acumulação de até 2 minutos.2. A existência da reação exotérmica na curva DSC da amostra 15h-ZnTe e a sua permanência mesmo Figura 22: Curvas DSC das amostras c-Te e 15hapós ZnTe. O espectro Raman da amostra c-Te mostra três linhas intensas localizadas na região de baixas frequências (<200 cm-1) e outra localizada em ≈ 645 cm-1. Na Tabela 7 pode-se observar que todos os modos do Te trigonal [99 e 100] foram identificados no espectro.9 °C desapareceu. A amostra de ZnTe tratada termicamente (produzida em 2004) já foi estudada pelo nosso grupo usando DSC [17]. o tratamento térmico [17]. Verificou-se que após o tratamento térmico a banda exotérmica vista para a amostra como-moída persistiu e o pico endotérmico localizado em 443. 3.4 Análise Raman A Figura 23 mostra espectros Raman das amostras c-Te. um em 443. Aparentemente a reação endotérmica na região próxima a 450 °C contém dois picos.9 e outro em 449.

Para altas frequências (>400 cm-1). no espectro das amostras 15h-ZnTe e tt15h-ZnTe e tt-ZnTe. No detalhe aumento da região de alta frequência. O espectro Raman da amostra tt-ZnTe é parecido com o da amostra 15hZnTe. modo TO) Figura 23: Espectros Raman das amostras c-Te.cristalinidade da fase minoritária α-TeO2 ou a deformações impostas pela fase Te trigonal sobre a fase α-TeO2. As linhas sobrepostas são ajustes ZnTe. Lente objetiva = 50x. Na região de frequência entre 200 e 400 cm-1 existe uma linha intensa próxima a 200 cm-1 e outra muito fraca e larga próxima de 275 cm-1. 276 cm-1 para a amostra tt-ZnTe não foram atribuídas à fase Te trigonal nem a fase ZB-ZnTe. 236. duas linhas fracas podem ser associadas com modos de segunda e terceira ordem do LO (ver detalhe na Figura 23). 46 . Modos Raman ativos da fase ZnO hexagonal [106] (observada nas medidas de DRX) não foram identificados. Na Tabela 7 pode-se observar que foram identificados modos Raman ativos da fase Te trigonal [99 e 100] (exceto a linha 174 cm-1) e da fase ZB-ZnTe [102105] (exceto a linha 182 cm-1. O espectro Raman da amostra 15h-ZnTe mostra uma linha fraca em 96 cm-1 e duas linhas intensas entre 100 e 150 cm-1. Também pode ser observado que as de funções Lorentzianas. exceto pelas duas linhas observadas em ≈ 80 e 235 cm-1. Talvez estas linhas estejam relacionadas a algum tipo de fase minoritária não detectada pelas medidas de DRX. linhas ajustadas como 161 e 273 cm-1 para a amostra 15h-ZnTe e 151.

4. A Figura 24 mostra a amplitude (a) e fase (b) do sinal fotoacústico para as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. 592 (B1) 99 174 (2E) 206.18 cm2/s para a amostra como preparada e α = 0.2. respectivamente. 3.22 cm2/s após a mesma ser resfriada de 200 °C até a temperatura ambiente) [107].c-Te 64. O mecanismo de difusão térmica (I) foi descartado para ambas as amostras de acordo com o procedimento i descrito no final da seção 2. Frequências de corte fc de 23 e 32 Hz foram calculadas (equação (36)) para as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe.2 236 276 409.6 230 271 280 297 394 417 592 613. 15hZnTe e tt-ZnTe. Depois do tratamento térmico observa-se que a amplitude do sinal varia de 35%.5 Análise PAS Para fazer as medidas PAS as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe foram compactadas (seis toneladas) na forma de pastilhas com 1 cm de diâmetro e espessuras de 500 e 465 μm.7 630 (3LO) 642 (E) 649 (A1) 769 (E).4 152 157 171 180 15h-ZnTe tt-ZnTe 82 96 127 144 151 Te [99. 330 & 379 (E). A amplitude S da amostra 15h-ZnTe entre 55 e 145 Hz apresenta um expoente c = -1.03. As medidas PAS foram feitas em frequências de modulação ≥ 10 Hz a fim de trabalhar no regime termicamente espesso. considerando o coeficiente de difusividade térmica de uma amostra policristalina de ZnTe (α = 0.8 143. 786 (B2) 382 414 439 574 580 Tabela 7: Frequências dos modos Raman ativos (cm-1) detectados para as amostras c-Te. 47 .5 411. 218 & 235 (B1) 259 (A2) 281 (B2) 297 (E) 315 (A2).7 642 649 680 273 207.4. enquanto que a fase varia de 28% em 11 Hz. 100] ZnTe [102-105] α-TeO2 [101] 62 (B1) 82 (A2) 121 (E) ZnO [106] 96 125 143 161 97 (E) 123 (A1) 141 (E) 152 (A1) 157 (B2) 174 (E) 179 (B1) 182* (TO) 210 (LO) 210 (E).5 95 121 124.3 615. 392 (A1) 420 (2LO) 415 (B2) 575 (A2). procedimento ii da seção 2. respectivamente.

Para estes ajustes os 48 . αTe = 0. e a amostra ttZnTe apresenta expoentes c = -1.05 entre 48 e 70 Hz e c = -1. porém. característico dos mecanismos de transferência de calor por recombinação não-radiativa na superfície (III).019 cm2/s [108] e αZnO = 0. Para a amostra 15h-ZnTe observou-se que dentro da região de linearidade citada acima a equação (23) ajustou-se muito bem entre 95 e 145 Hz. v e τ obtidos do ajuste são mostrados na Tabela 10. indicando que o mecanismo de flexão termoelástica (IV) é o mecanismo de transferência de calor dominante nesse intervalo de frequência. Linhas sólidas representam os ajustes teóricos usando as equações (21).152 cm2/s. Desse ajuste obteve-se um coeficiente de difusividade térmica efetivo da amostra igual a α = 0. flexão termoelástica (IV) ou dilatação térmica [105]. Este valor é 16.06 entre 125 e 165 Hz. O mesmo argumento citado para 10h-InSb e tt-InSb é aplicado para descartar o mecanismo de dilatação térmica nas amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe.7 % menor que o valor obtido para a amostra policristalina de ZnTe como preparada (α = 0. Para a amostra tt-ZnTe as equações (22) e (23) foram muito bem ajustadas nos intervalos de frequências 48-70 Hz e 125-175 Hz. respectivamente.Figura 24: (a) Log S x Log f e (b) Φph x f das amostras 15h-ZnTe (quadrados) e tt-ZnTe (círculos com cruzes).080 cm2/s [109]).18 [107]. Os valores de D. (22) e (23). indicando que o mecanismo recombinação não-radiativa na superfície (III) é o mecanismo de transferência de calor dominante nesse intervalo de frequência. Ainda dentro da região de linearidade verificou-se que a equação (22) ajustou-se muito bem entre 55 e 95 Hz.150 cm2/s) quando se considera as frações de fases obtidas do ajuste Rietveld e os seus respectivos coeficientes de difusividade térmica reportados na literatura (αZnTe = 0.18 cm2/s) [107]. Para este ajuste o coeficiente de difusividade térmico previamente obtido com a equação (23) foi fixado. concorda muito bem com aquele obtido por calculo teórico de ponderação (α = 0.

* Valores de α obtidos de cálculos teóricos de ponderação. como sugerido pelas medidas de DRX. Aleksiejunas e colaboradores [53] reportaram um valor de D = 11.1 cm2/s para a liga de ZnTe.167 / 0. A coexistência das três fases cristalinas mostradas pelas medidas DRX induzem defeitos de encaixe entre as estruturas cristalinas. v e τ foram determinados (ver Tabela 8). A Figura 24 também mostra que os intervalos de frequência correspondentes aos mecanismos de recombinação não-radiativa na superfície (III) e flexão termoelástica (IV) estão bem separados depois do tratamento térmico. impossibilitando comparar os resultados obtidos nesse trabalho. originando espaços vazios (poros) que favorecem um gradiente de temperatura dentro da amostra. 15h-ZnTe ls (μm) α (cm2/s) D (cm2/s) v (cm/s) τ (μs) 500 0. velocidade de recombinação dos portadores na superfície (v) e tempo de recombinação (τ) obtidos das medidas PAS das amostras 15h-ZnTe e ttZnTe.152 / 0. Não foram encontrados valores na literatura dos parâmetros v e τ.167* 11.valores obtidos previamente foram utilizados como valores iniciais e α. coeficiente de difusão dos portadores (D). Na referência [104] foi obtida maior difusividade térmica para a amostra tratada do que para a amostra como preparada. Esta separação pode ser atribuída à relaxação estrutural (crescimento de grão e eliminação de defeitos presentes em ambas as componentes cristalina e interfacial) promovido pelo tratamento térmico.150* 10. O aumento da difusividade térmica com o tratamento térmico também parece estar relacionado à relaxação estrutural. O valor teórico de α obtido por calculo de ponderação para a amostra tt-ZnTe foi de 0.7 10.3 tt-ZnTe 465 0.5 7.22 cm2/s) [107]. difusividade térmica (α). Esse gradiente pode ser o responsável pelo mecanismo de flexão termoelástico observado em ambas as amostras.0 atribuída à presença das fases minoritárias de Te trigonal e ZnO hexagonal nas amostras.167 cm2/s. o qual concorda muito bem com os valores encontrados para as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe.6 38. D. A diferença entre os valores observados na referência [107] e os obtidos aqui é Tabela 8: Espessura da amostra (ls). Este mesmo comportamento foi observado para as amostras 15h-ZnTe e tt-ZnTe. 49 . o qual concorda muito bem com o obtido no ajuste e é 24% menor que para uma amostra policristalina de ZnTe após a mesma ser resfriada de 200 °C até a temperatura ambiente (α = 0.3 42.

Cd-Cl. Inúmeros compostos remanescentes do processo de purificação falharam na tentativa de identificar a natureza desses picos. 49° e 52° no padrão de XRD da amostra c-Cd não foram identificados. No padrão de DRX da amostra 15h-CdTe todos os picos intensos observados foram identificados como pertencentes à fase CdTe cúbica do tipo ZB (ZB-CdTe.3. Picos (ainda menos intensos) nas posições 2θ ~ 19°. 3. 29. picos menos intensos foram associados às fases cristalinas α-TeO2 tetragonal e CdO cúbica (cartões ICSD n° 27515 e n° 29292) na proporção de 6% e 10%. entre eles: CdO2. Uma porção da amostra moída foi submetida a um tratamento térmico em um tubo de quartzo a aproximadamente 10-3 Torr a 550 °C por 6 h. cartão ICSD n° 108238). ainda que superestimada. respectivamente.%).3 Sistema Cd-Te 3. Cd-S e Cd(NO3)2. uma elevada contaminação por oxigênio (20 at. bem como das amostras moída por 15 h (15h-CdTe) e tratada termicamente (tt-CdTe).1 Síntese Uma mistura equiatômica de pós de Cd (Riedel-de Raën – com a granulação dos pós entre 0.2 Análise DRX A Figura 25 mostra os padrões de DRX dos pós precursores cristalinos de Cd (cCd) e Te (c-Te). A BPR utilizada foi de 5:1.5°. Picos de baixa intensidade emergiram na região de 2θ 29° e foram 50 .3. Além disso. seguido por um resfriamento natural até a temperatura ambiente.3. Os picos mais intensos nos padrões de DRX das amostras de cCd e c-Te foram atribuídos respectivamente ao Te trigonal e ao Cd hexagonal (cartões ICSD n° 76150 e 64702). Após 15 h de moagem o processo da MS foi parado e o pó analisado por DRX. Os resultados das análises químicas (EDX-700) revelaram uma razão 1:1 de Cd:Te e. Esse fato sugere que a contaminação de oxigênio detectada pela análise química das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe deve estar relacionada também aos pós precursores e não somente ao processo da MS. Um pote de fundo plano e esferas de aço inox foram usados para selar e sintetizar os pós em atmosfera de argônio.5 mm) e Te (Merck > 99% e < 74 μm) foi preparada pelo professor Heinrich Höhn no ano de 2004 [110].3 e 1. No padrão de DRX da amostra tt-CdTe os picos da fase ZB-CdTe também foram identificados.

3. Além disso. Os símbolos |. Os ajustes MR (15h-CdTe e tt-CdTe) estão sobrepostos aos experimentais e as curvas diferença são mostradas em cinza. indicando a redução de defeitos e o aumento do tamanho médio de cristalitos (p).5%. +. Todos os parâmetros estruturais obtidos das análises Rietveld estão resumidos na Tabela 9.3). O processo de cristalização também é sugerido pelas reações exotérmicas observadas nas curvas de DSC da amostra 15h-CdTe (ver seção 3. 15h-CdTe e tt-CdTe. CdO cúbica.identificados como pertencentes à fase Cd2(Te2O7) triclínica (cartão ICSD n° 413057). c-Te. Figura 25: Padrões DRX das amostras c-Cd. 51 .▼e  representam as fases Cd hexagonal. É interessante notar uma pequena redução da fração de fase da fase ZB-CdTe devido à nucleação/cristalização da fase triclínica Cd2(Te2O7). observa-se que a intensidade (largura) dos picos aumentou (diminuiu).3 para 0. Te trigonal e α-TeO2 tetragonal. Segundo a análise Rietveld p aumenta de 208 para 617 Å e s diminui de 2.

3.477(2) 0.512 751 0. O segundo pico endotérmico é atribuído a fusão do Cd.3.15h-CdTe Fases Rwp (%) Rbragg Parâmetro de rede (Å) Cd Uiso (Å2) Te Volume (Å3) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt a b Parâmetro c de rede (Å) α β γ Volume (Å3) ρ (g/cm3) p (Å) s (%) %wt 6. já o primeiro pico não concorda com nenhuma reação térmica envolvendo óxidos de Cd e compostos de Cd-Cl ou Cd-S. Um pequeno aumento da linha de base também pode ser visto para temperaturas maiores do que 400 °C.46(9) 78.15(2) 86. A curva DSC da amostra 15h-CdTe apresenta dois picos exotérmicos pouco intensos em 412 °C e 504 °C e um pequeno pico endotérmico também pode ser visto em 596 °C.14 6.08(9) 603.4779(3) 0.358(7) 8.019 271.4(2) 78.30 100 - tt-CdTe 7. Além disso. 3. um aumento da linha de base 52 .10(3) CdTe (F -4 3 m) cúbica Cd2Te2O7 (P -1) triclínica Tabela 9: Parâmetros estruturais extraídos da análise Rietveld dos padrões DRX das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe utilizando o GSAS.027(5) 271. 15h-CdTe e ttCdTe.036 0. A ∆H foi de 2 Jg-1 para cada pico.057(7) 0.44(1) 10.9 7. Amostra padrão α-Al2O3 (NBS 674).3 Análise DSC A Figura 26 mostra as curvas DSC das amostras de c-Cd. A discussão a respeito da curva DSC da amostra c-Te pode ser vista na seção 3. A curva DSC da amostra c-Cd mostra dois picos endotérmicos em 243 e 327 °C. Até o momento este pico não foi satisfatoriamente explicado.03 6.867 208 2.7(2) 5.0 e 45.5 92.82(3) 5.865 617 0. cujas ∆H são de 19. respectivamente.43 0.8(9) 6. O aumento da linha de base é atribuído ao crescimento de grãos e/ou aumento do calor específico de fases remanescentes.0 Jg-1.70 0. c-Te.2.8(2) 7.

Embora os picos endotérmicos que aparecem na primeira e segunda medida da amostra 15h-CdTe estejam localizados em posições diferentes. 53 .4 Análise Raman A Figura 27 mostra espectros Raman das amostras c-Cd. Não se encontrou na literatura o ponto de fusão da fase triclínica Cd2(Te2O7). Uma segunda medida da mesma amostra foi executada e nenhum pico exotérmico foi observado. apenas o pico endotérmico (incompleto) e o aumento da linha de base permaneceram. sugerindo a inexistência de contribuições amorfas. A curva de DSC para a amostra tt-CdTe mostra apenas um aumento da linha de base à medida que a temperatura aumenta. resultado que concorda com o padrão DRX da mesma. Essa observação sugere que os picos exotérmicos estão relacionados a algum Figura 26: Curvas DSC dos pós precursores (c-Cd e tipo de transformação amorfo-cristalino. 3. confirmando que os mesmos nuclearam para formar a fase ZB-CdTe identificada por DRX.é observado coexistindo com o pico endotérmico. A linha Baseado nessa proposta e nos resultados pontilhada representa a segunda medida da amostra 15h-CdTe.3. É interessante notar que os picos endotérmicos associados aos pós precursores não são observados. porém uma pesquisa bibliográfica sobre pontos de fusão dos compostos TeO2 (733 °C). Os resultados dos ajustes dos espectros Raman por funções lorentzianas estão resumidos na Tabela 10. Vale lembrar que a ZB-CdTe funde em 1098 °C [43] e que por esse motivo não foi observado nas curvas de DSC. c-Te) e das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe. 15-CdTe e ttCdTe coletados com aceitáveis relações de sinal/ruído fazendo-se 5 medidas com tempos de acumulação de até 4 minutos. CdO (> 1500 °C) e CdO2 (decompõe-se em 697 °C) falharam em explicá-los. eles parecem ter a mesma origem. de DRX da amostra tt-CdTe pode-se concluir que a amostra como moída possui uma componente amorfa de Cd-Te-O (minoritária) além da cristalina (ZB-CdTe). c-Te.

assim podem estar associados a uma fase minoritária não identificada nas análises da amostra c-Cd. porém na região de altas frequências as linhas Raman correspondentes a fase α-TeO2 presentes na amostra c-Te estão ausentes (ver Tabela 10). cujos modos Raman ativos [99] são mostrados na Tabela 10.8 cm-1) ainda podem ser observadas na região de baixa frequência da amostra 15h-CdTe (95 e 123 cm-1). Linhas intensas observadas na amostra c-Te (95 e 124. Discussões sobre o espectro Raman da amostra c-Te podem ser vistas na seção 3.4.2.O espectro da amostra c-Cd mostra uma banda larga e fraca entre 200 e 500 cm-1. Nessa tabela os resultados numéricos mostram que as Figura 27: Espectros Raman dos pós precursores (c. indicando uma possível presença de tensões residuais compressivas. Embora a medida de DRX mostre cerca de 10% da fase CdO cúbica. altas frequências quando comparado Lente objetiva = 50x. O espectro Raman da amostra 15h-CdTe preserva uma similaridade na região de baixas frequências quando comparado com o espectro da amostra cTe. Outra diferença importante entre os dois espectros é o aparecimento de um “ombro” intenso localizado na região dos picos principais (≈ 165 cm-1) associado à fase ZB-CdTe.linhas Raman pertencentes à fase ZBCd e c-Te) e das amostras 15h-CdTe e tt-CdTe. com valores bulk [99]. As linhas pontilhadas ilustram as contribuições dos modos TO e LO da fase ZB-CdTe. Além disso. Diversos artigos reportam que cristais de CdTe na forma bulk crescidos por diferentes técnicas apresentam precipitados de telúrio e que quando as mesmas são irradiadas com lasers de alta potência induz-se a formação de íons de TeO3 na superfície da amostra. esta banda Raman e o pico endotérmico em 243 °C observado na medida de DSC não foram relacionados à mesma. As linhas sobrepostas correspondem aos ajustes com CdTe deslocaram-se para valores de Lorentzianas. é possível que a fase ZB-CdTe se decomponha e forme precipitados de Telúrio trigonal sobre a superfície iluminada da amostra durante as 54 .

4 152 157 171 180 230 271 280 297 394 417 592 642 649 680 15h-CdTe 62 95 123 142 155 168 ta-CdTe 61 82 95 125 144 Te [99. 392 (A1) 415 (B2) 575 (A2).8 143. apesar da baixa potência do laser utilizado durante as medidas (0. 592 (B1) 642 (E) 649 (A1) 769 (E). 15h-CdTe e tt-CdTe. uma vez que a seção de choque do CdTe é duas ordens de grandeza menor [99] do que a do Te. Embora os resultados de DRX para a amostra tt-CdTe apontem para a existência da fase triclínica Cd2(Te2O7). de maneira que as linhas Raman localizadas em 82. porém um ajuste razoável do espectro Raman da amostra tt-CdTe pode ser obtido considerando um pequeno deslocamento do modo LO em direção ao valor bulk (167 cm-1). 218 & 235 (B1) 259 (A2) 281 (B2) 297 (E) 315 (A2).c-Te 64. 330 e 379 (E). 237 e 274 cm-1). 237 e 274 cm-1 são as candidatas mais prováveis da mesma.8 mW). três linhas extras surgiram (em 82. 55 . 786 (B2) 269 (2TO) Tabela 10: Frequência dos modos Raman ativos (em cm-1) das amostras c-Te. porém a intensidade dos picos são menores. O espectro Raman da amostra tt-CdTe é muito similar ao da amostra 15h-CdTe. medidas Raman. o qual pode ser associado ao relaxamento estrutural induzido pelo tratamento térmico da amostra. Neste caso as linhas Raman de Te dominarão o espectro Raman. nenhuma linha Raman foi diretamente associada a esta fase. Algumas das linhas Raman foram deslocadas (de forma inesperada) para valores de altas frequências quando comparadas com os resultados da amostra 15h-CdTe. 100] CdTe [99] α-TeO2 [101] 62 (B1) 82 (A2) 121 (E) 97 (E) 123 (A1) 141 (E) 141 (TO) 152 (A1) 157 (B2) 167 174 (2E) 237 274 167 (LO) 174 (E) 179 (B1) 210 (E). Além disso.5 95 121 124.

fases tensionadas e multifases. restando apenas 29.3%). possibilitando uma ampla formação acerca das técnicas de caracterização: DRX. observou-se que a abertura do pote em diferentes tempos de moagem influenciou diretamente no surgimento de outras fases. EDX.Capítulo 4 Conclusões Essa dissertação de mestrado visou estudar as propriedades físicas das ligas nanocristalinas de InSb. Os resultados Raman forneceram as frequências dos modos LO e TO das fases ZB e sugerem: heterogeneidade local. Verificou-se que é possível obter ligas semicondutoras com fase blenda de zinco (ZB) em tempos de moagem curtos (2 h para InSb.4 %wt). 15 h para CdTe e ZnTe). Já as amostras de ZnTe apresentaram evolução estrutural com o tempo (menor para a amostra tratada termicamente). já para as outras amostras as curvas DSC serviram para identificar fases amorfas e materiais não reagidos. 56 . O valor da difusividade térmica das ligas de InSb e ZnTe aumentou após tratamento térmico. As medidas DSC das amostras de InSb confirmam a fusão da fase ZB e o ponto eutético do sistema In-Sb. os tamanhos médios de seus cristalitos atingiram valores entre 67 e 115 nm e a fração de impurezas/óxidos cristalinos aumentaram (chegando a 16. A combinação dessas técnicas foi de suma importância pelo fato de serem complementares. As amostras de InSb também permaneceram estáveis após 1 ano de armazenamento. ZnTe e CdTe produzidas por mecano-síntese. Verificou-se que após o tratamento térmico das amostras como-moídas as fases ZB se mantiveram estáveis. As medidas PAS mostraram que o mecanismo de transmissão de calor dominante para a liga InSb é a flexão termoelástica e que para a liga ZnTe a recombinação não-radiativa na superfície e a flexão termoelástica coexistem. No caso específico da liga de InSb.3 % da fase ZB no caso da amostra como-moída após 4 anos mantida em condições ambiente. Os tamanhos médios de cristalitos (microdeformações) das fases identificadas nas amostras como-moídas compreenderam valores entre 15 e 25 nm (1. DSC.2 e 2. Para essas ligas confirmou-se o caráter nanométrico e alta desordem das amostras usando o Método de Rietveld. Raman e PAS.

 Simulações ab initio de estrutura eletrônica voltadas ao cálculo de frequências e intensidades Raman.  Fazer medidas DSC em temperaturas elevadas a fim de verificar a existência de pontos eutéticos nas amostras CdTe e ZnTe. 57 . mas em outras concentrações.Sugestões de estudos futuros  Produzir (por MS) outras amostras dos sistemas estudados nessa dissertação.  Estudar as ligas semicondutoras produzidas por mecano-síntese em condições extremas de pressão através das técnicas Raman e XAS (X-ray absorption spectroscopy) e.  Montagem de outra estação experimental PAS adaptada para medidas de absorção óptica. eventualmente DRX para verificar transições de fase.

ocorrendo o contrário para valores grandes de Uiso. a intensidade do feixe sobre a amostra aumenta com o aumento de θ. r ≈ 15 cm é a distância entre a fonte de raios X e a amostra.5 mm e δ é a abertura da fenda divergente fixa. Assim. No MR este fato tem influência direta nos valores relacionados à amplitude de vibração dos átomos da rede (Uiso). o que é fisicamente inconsistente. η ≈ 11. Icol é a intensidade como coletada. Nesse difratômetro a abertura da fenda divergente varia com o aumento de θ a fim de fazer com que a porção da amostra irradiada pelo feixe de raios X seja sempre a mesma. Para que esse tipo de inconsistência não ocorra durante as análises Rietveld das ligas InSb os espectros de DRX medidos no Rigaku foram corrigidos pela equação (31) [111] onde Icorr é a intensidade corrigida. 58 .Anexo 1 DRX. Assim o efeito de abertura da fenda pode levar a obtenção de valores de Uiso negativos quando ajustados pelo MR.5°. Uma vez que Uiso (iso = isotrópico) influencia nos padrões DRX conforme a equação (30) [78] conclui-se que quanto menor o valor de Uiso maior será a intensidade dos picos de difração à medida que θ aumenta.Correção de Intensidade Nessa dissertação os padrões DRX das ligas InSb foram coletados num difratômetro (Rigaku – MiniFlex). aumentando consequentemente a intensidade dos feixes difratados para valores grandes de θ. Figura 28: Padrão DRX da liga tt-InSb como coletado e corrigido pela equação (31) usando δ = 0. A Figura 28 evidencia o efeito do tipo de fenda divergente (variável ou fixa) nos picos (1 1 1) e (2 2 0) do padrão DRX da liga tt-InSb.

Eles mostraram que o fluxo periódico de calor devido à absorção de energia modulada entre a amostra e o gás na câmera fotoacústica é o mecanismo básico responsável pelo sinal acústico. são i) o fato do volume de gás utilizado na câmera fotoacústica ser muito pequeno. ii) arranjo experimental simples e de fácil manuseio e iii) baixo custo. Rosencwaig e Gersho (RG) [89. Resolvendo a equação de difusão térmica (32) 59 . 112 e 113] desenvolveram um modelo teórico para explicar o fenômeno fotoacústico. Como resultado do aquecimento periódico da amostra devido à absorção de luz modulada. Utilizando-se de graxa de vácuo. como por exemplo. a célula fotoacústica fechada [89].Anexo 2 A variação de pressão na célula fotoacústica Em todas as medidas PAS dessa dissertação utilizou-se a célula fotoacústica do tipo aberta (Open Photoacoustic Cell – OPC). As principais vantagens da célula OPC em relação aos outros tipos existentes. O Figura 29: Seção reta da célula OPC utilizada nas medidas PAS. o que melhora significativamente a razão sinal/ruído. De acordo com o modelo RG a flutuação da pressão na câmara fotoacústica é determinada exclusivamente pela distribuição de temperatura na interface da amostra com o gás contido na câmara fotoacústica. Sobre o diafragma existe uma camada de ar de 10 mm de diâmetro e 1 mm de altura que desempenha a função de câmara fotoacústica. O microfone consiste de um diafragma de eletreto metalizado feito de uma fina camada de metal (500 a 1000 Å de espessura) depositada sobre Teflon (12 μm). diafragma e a placa metálica estão separados por uma camada de ar de 45 μm de espessura e conectadas através de um resistor R. ocasionando a deflexão do diafragma e gerando uma diferença de potencial V entre os terminais do resistor R. Diretamente acima desta existe uma abertura circular de 3 mm de diâmetro. cuja seção reta é esquematizada na Figura 29. a pressão na câmara fotoacústica oscila. fixa-se a amostra diretamente sobre um microfone de tipo eletreto.

Assumindo que esta coluna de gás responde a ação do pistão adiabaticamente [89]. É possível mostrar [113] que a oscilação térmica é sentida apenas em uma fina camada de gás de espessura proporcional a μg. ai é o coeficiente de difusão térmico do meio e é dado por ai = 1/μi. enquanto que um regime termicamente fino (espesso) corresponde ao caso onde lsas << 1 (>> 1). r = β/σs onde β = 1/lβ é o coeficiente de absorção ótico da amostra e lβ é o comprimento de difusão ótico da amostra e definido como sendo o ponto no amostra onde a intensidade da luz se atenua a 1/e. Embora a expressão (35) para o sinal fotoacústico não pareça simples. Desta maneira RG assumiram que apenas essa fina camada de gás próxima a superfície da amostra é capaz de responder termicamente a flutuação de temperatura periódica na superfície da amostra. Esses casos são agrupados de acordo com a opacidade óptica e térmica da amostra. ω = 2πf e θ é dado por (34) Nas equações (33) e (34) σi = (1+i)ai. αi = κi/ρici.t) é o fluxo de calor gerado na amostra devido à absorção luz. b = (κbσb/κsσs) e g = (κgσg/κsσs).onde α e κ são respectivamente a difusividade térmica e a condutividade térmica do material e Q(x. lg é a espessura da camada de gás que atua como um pistão acústico e γ é a razão entre os calores específicos do ar a pressão e volume constantes. Da condição lsas >> 1 obtém-se 60 . μi é o comprimento de difusão térmico do meio e é dado por μi = (2αi/ω)1/2 e definido como sendo o ponto no meio onde a magnitude da oscilação térmica se atenua a 1/e. a pressão acústica na câmara fotoacústica é dada por (35) onde P0 e T0 são respectivamente a pressão e a temperatura ambiente. a qual atua como um pistão acústico para o resto da coluna de gás na câmara fotoacústica. a amostra (s) e o gás (g) contido na câmara fotoacústica e ls é a espessura da amostra. existem casos em que a sua análise é facilitada. onde o índice i denota respectivamente os meios ao qual está exposta a superfície externa da amostra em relação à câmara fotoacústica (b). além da qual a oscilação térmica é praticamente toda atenuada. onde ρi e ci são respectivamente a densidade e o calor específico do meio. eles demonstraram que a variação de temperatura do gás na câmara fotoacústica é dada por (33) onde Tg é a temperatura do gás na câmara fotoacústica. Um regime opticamente fino (espesso) corresponde ao caso onde βls << 1 (>> 1).

1 e 0. foram preparadas amostras com espessuras ls entre 400 e 650 μm a fim de obter o regime termicamente espesso.2 cm2/s para os sistemas estudados nessa dissertação e que as medidas foram obtidas com f entre 10 e 270 Hz. Sendo que a literatura reporta valores de difusividade térmica α entre 0. 61 .(36) onde fc é a frequência de corte que define a frequência de modulação de transição do regime termicamente fino para o regime termicamente espesso.

J. Z. L. Phys. J.D.alfa. 67 (2001) 167. A. Thin Solid Films. Höhn. Avery. [10] Aldrich Chemical Company: Catalog Handbook of fine Chemicals (1990). [7] Y.Referências Bibliográficas [1] D. [8] C. Sci . 33 (1962) 2578. Appl. [5] N. Chen. Cryst. de Lima. S. Grandi.S.com/. X. Ramirez-Bon. Wu. Campos. disponível em http://www. B. Suryanarayana.Yasuda. Lawson.K. Yi. F. Z. D. Xu. Solids. 40 (1997) 144.K. J. Lond. Gunshor. Arizpe-Chavez. J. Yu.F. [20] H. 46 (2001) 1. Phys.. Son. H. [19] S. [14] R. 601 (2007) 77. R. Otsuka. L. 90 (2007) 052107. Ptyce. Ameziane. Phys. Ishizaki.G. [17] C. Metals and Materials for Research. Appl. et al. 67 (1954) 761. T. A. 37 (2004) 255. McConville. S.174 (1986) 522. L. Espinoza-Beltran. 84 (2006) 7. 59 (1991) 1761. 130 (1963) 81. L. C. W.B. Elliott.H. 43 (1987) 81. Sol. J. Z. K. Appl. [3] M. Growth. Atom. Appl. Ham. Soc. Mater. Zou. S. Aven.L. B. C. Sci. M. T. B. Inoue.T. [2] M. N. D. J. Teramoto. Outzourhit. S. Appl. T. Li. Yamazaki. Aquili. Chai.Segall. Wu. Yamada. Phys. Suzuki. G. Appl. Koladziejski. 291 (2006) 183. Myung. M. Pal. Rajeshwar. E. Mori. 11 (1999) 847. Phys. Chenthamarakshan. D. [21] Y.E. [18] T. J. Cryst. [11] A. T. Matsumoto. Phys.R. 290 (2006) 436. He. H. Y. 354 (2008) 3503.A. Takayanagi. Y. D. Sol. [12] A. Organics. Mondal. Huang. J. Goodwin. Mat. N. [6] H. G. P. 61 (2000) 511. Ye. Bellakhder. K. A. Lett. Sci.W. [4] T. Chem. Li. 62 . Growth. Qian. Chem. Chaudhuri. Mater. [9] Alfa Aesar . L.A. de Tacconi.W.C. Dean. Wu.M. Choi. Phys. Moss. Wang. N.FL Whitehouse. Prog. [22] S. [16] J. Inorganics. Yu. Seto. Yang. 265 (2001) 30. Ohtomo. A. Y. C. Mol.H. Phys. Rev.L.R. S.C. Y. Du. Phys.D. Surf.J. Phys. C. Adv. Dutta. A. Solids. J. A. Maqsood. Ashley. C. Surf.A Johnson Matthey Company. Energ. Kaiwa.Z. [15] Y.Y. I. Fuwa. L.F. Electroanal. Cl. [13] H. A. Lett. Saito. 167 (2000) 1. Li. Non-Cryst. M. J. G. Ali. J.

Ishibashi. Hamilton. Hishiki.T. Rawers. T. 10 (1998) 503. M.A. Yamazaki. Mater.P. K.S. Cryst. Sci. A. Slavens. International Conference on Solid-state and Integrated Circuit Technology (ICSICT). Phys. M. [27] K. Willis. G. Kang. Park. Korth. “Constitution of Binary Alloys” (2nd ed). H. Sci. R. Kim. [38] A. Sci. Livne. K. R. Datta. [28] J. Rev. Pryce. China. Chumbley. 12 (1999) 249. 66 (1995) 481. [31] V.W. Chau. Sci. 78 (2007) 056103. S. Narimatsu. Wade Court. Dean. Dean.E. Tjong. J. 26 (1993) 1149. K. Appl. Mater. Rogalski. Phys. Sanbonsugi. Phillips. Mater. Tang. Jefferies. J. 45 (2004) 1. Lett. Rawers. Microwave Inc. M. Mat.S. Phys.G. T. [44] M. [32] T. K.J. Hansen. 9 (1997) 197. Gleiter. K.2. Phys. H. Wittenberger. Growth 301 (2007) 997. E. 87 (2005) 201902. [24] S. and Y. Hayes. T. [36] D. [37] J. Goodwin. 7 (1996) 95. D. Mater. R. Sato. Kurihara. J. Hilton. R.C.B. E. Lillo. Matsumoto.E. D. p. IEEE. Rennie. A. Anderko.G. D. Ashley.G. 93 (2003) 4355. Fearn. A. N. P. Instrum. G. [25] H. H. [40] N.H. 63 . Low Power Logic Applications’. Sandhu. Rawers. C. N. Appl. [33] W. G. Krabbe. [29] M. M. J. E. Lavernia. Lett. OH. A. Moon. Editors.C. Mater.J. [30] Z. Sci. D-Appl. H. L.. Lee. J. Heremans. Eng. Morishita. Emeny. Nanostruct. Fachinformationszentrum Karlsruhe.S. R. Yamaguchi. 10 (1998) 35. Buckle. Nash.A. Ueno. T. version 2. Haydn Chen. Lapicki. Scr. J. T. H. New York (1991). ‘Novel InSb-based Quantum Well Transistors for Ultra-High Speed. [26] J. 55 (1984) 172. Tellkamp. Johnson. W. McGraw-Hill. Mater. Kogetsu. 2007. Abe . 86 (2005) 113101. L. 323 (2002) 293. J. Eng. A. Appl.S. J.D. B.[23] Y. J. and the U. Martin. Department of Commerce on the behalf of the United States. 41 (2005) 4134. Nanostruct. Kaiwa. S. Gourdin. Appl. Mater. Ashley. Fields. Kanno. 34. A.H. Nanostruct. [35] T.M. [41] S. Phys. Phys. Mag. T. Phys. Munitz. Instrum. Barnes. Mater. October 18-21 2004. H. M. Haji-Mahmood.J. Appl. 33 (1989) 223. [42] A. Kuze. Krabbe. S.R. Nanostruct. R. [34] I. Camargo. Prog.I. Avery. Nanostruct. Germany.L. [43] TAPP. D. [39] T. 859 [45] Inorganic Crystal Structure Database (ICSD). Handa.S. Park. 37 (1997) 2053. N-G.J. Wilding. Yamamura. A. K. (1957) 394. Beijing. A. Matsushita. Lett. Endo.J. T. Elliott.

Jerônimo. R. [47] A. Morehead. 8 (1966) 148. A. Campos. T.M. Magn.J. H.M. Cryst. J. Mancini. Mednikova. Selin. T. C 53 (1998) 255. Pizani.R.W. Arico. Hommerich. C. Menkara. Zheng. Kang. F.S. Machado. N. D. T. Thorson. G. J. Phys. Grattepain. J. Appl. J. A. 139 (2006) 70. Phys. B. T.S. Tan. B. Nucl. Appl.M. Sudzius.A. Crowder. Tena-Zaera. Grandi.J. Lett. [51] Q. Wagner. de Lima. Thorson. Rai. K. Mater. Malinauskas.-C. 33 (2000) 901. [48] A.E. [59] H. Meth. Sol. Diawara. Aitken. Sou. P.C. R. Skelton. A. Ch. A. J. Growth. Muñoz-Sanjosé. Souza. Summers. Qu Hen. [55] Z. Wagner.K. B. Phys. [54] W. Katiyar. Phys 49 (1978) 4741. Bauer. Aleksiejunas. Wu.Q.C. Y. M. J. I. Instrum.Y. H. [62] S. 262 (2004) 19. D. H.L. M. J. Wu. [61] C. Drago.P. K. Y. H. N. 48 (2003) 1469. T. Mora-Seró. Loutts.F.M. [50] I. Souza.S. Kuhn.L. 352 (2006) 109. Jarasiunas. Prog.T.K.K. Pizani. de Lima. [56] P. Lovergine. C. A. Wolf. 80 (1996) 477. Scripta Mater. G. P. Adachi. A.L. S. Mater.G. Yang. Mednikova. P.C. R. H. [63] J.K. 563 (2006) 1.A. Temple. Growth. 237 (2002) 1771. W. K. K.L. A. Burge. Non-Cryst. H. H. Cryst. Durst.-T. Sanghera. Zhang. C. [52] Z. P. Appl.D. Phys. Magn. Wagner. V. A. Z. Lett. 270 (2004) 89. Durst. Spain.A. Kang.E.L. Wagner. Mat. D. Summers. E. Reisinger. Campos. Cryst. J. T. 10th European Workshop on MOVPE. [53] R.K. M. Solids. D. Gorochov. 88 (2006) 111904. Sol. 35 (2006) 1262.S. Cantwell.C. Chen. R. S. of Electron. Solid State Commun. M. Grandi. Rosenauer. Lusson. Antonucci. G. Grandi. [60] G. Gebhardt. Appl. Wang. [57] I. Dumont. Wong. G. Diawara. Almeida. Energ.M. J. N. 66 (1995) 1915. Growth. V.F. Phys. P. Menkara. T. Campos. Antonucci. 31 (1995) 119. Appl.R. O. Silvestro. Wong. Yu. Lett. T. de Lima. 64 .M. Kaneta.E. Wörz.J. Bist. Litz. Brinkman. Stanzl. Phys. J. C. B. K. S. J.[46] S. C. [58] Brajesh K.M. Gonzalez.Asahi. [49] B.T. V. Appl. J. X. T.O. Lett. Lecce (Italy) 8−11 June 2003. Pistone. Prete. 68 (1996) 2924. U. S.S. Traversa.

[84] N. Larson and R.A. Grandi. J. H. Lett. J.H. [79] B. T. C.F. Bento. Fraga. International Union of Crystallography. A. p.A.E. dos Santos. Courtney. Oxford University Press.D. T. T. [72] Harris.H. Solids. M. T. T. M. Mater. D. L. Sci. K. D.C. Metall. “Elements of X-Ray diffraction”. G. A. Los Alamos National Laboratory. Acta Cryst. 2002. EXPGUI. R. [80] D. Pizani.M. Bull. Baesso. Dmitriev. Mann. Mater. H.B. [83] P. J. Persson. T. Res. Young. 123:179. J. D. K. P.S. K. Ohshima. [67] C. Lee. A. R. Toby.C. D’Ajello. Cryst. A. Campos. Forum. [66] C. 2002. K. New York.T. E. Phys. J. NM (1994). J.C.T.0 for calculating real and anomalous x-ray dispersion coefficients”. [75] P. GSAS-General Structure Analysis System. Ferreira da Silva. V. Ohtani. in: Addison-Wesley (Ed). Metall. Appl. 26A (1995) 2437. G. Pedrochi. 25A (1994) 147. Sato.M. Machado. 321. 2002. Los Alamos. Trans. Hinrichs. Dover publication. NonCryst. Guinier.C.C. K. Motoki. Cryst. Trans. S. 34. 1994. Campos.A. Campos. [73] J. Volin. Appl. Courtney. T. de Lima. P. F. Machado. Cullity. 1993. C. Rev. “Mathematical Modeling of Mechanicall Alloying”.E. J. A24. R. [74] T. M. Grandi. Appl. Non-Cryst Solids. J.F. J. Solid State Ionics 168 (2004) 205. 269 (1998) 272. [82] B. Stephens. [68] Benjamin.L. de Lima. J. [70] Maurice. R. Koh. von Dreele. B. Machado. A. [69] Maurice. 62 (2000) 8871. E.D. C. Massachusetts. Koch. 32 (1999) 281. Astrath. 347 (2004) 262.Y. S. Grandi. “Program FPrime for Windows 1.C.W. C. de Lima. B. Campos. 30 (1995) 1495. 89 (2006) 231926. M. Grandi. Mater. 324:409. De Lima. [65] C. and Amorphous Bodies”. R. Solid State Commun. [81] R.B. N. Grandi. Von Dreele. [77] A.A. Physica B. 285. A. Tese de doutorado em Filosofia. 94 (1987) 88. Inc. Imperfect Crystals. P.(1968).[64] T. P. C. A. A. Medina. Pizani. de Lima. Phys. J. Machado. A. [71] Schwarz. C. 1978.B. Metall. S. Cromer. “The Rietveld Method”. a graphical user interface for GSAS. K. E.D. 65 . Pizani. C. Mater. “X-Ray Diffraction In Crystals. 5 (1974) 1929. F. [78] A. [76] R. D. 21021 (2001). 1994. Trans.

T. K. Appl. Rev. J. 11 (1975) 746. 54 (1983) 2383. M.K. A. Z. Mroczkowski. Lett. 80 (1996) 477.L. Schmidt. Kim. Rep. D. 27 (1996) 459. Cristea. Cardona. and M.S. Rev. C. Westphal. Phys. [93] R.. [91] A. [96] H. Yang. Rev. J. M. [92] J. J.C. Solid State Commun.S. B. B. H. Bist. Z. Hemley. Perkowitz. U. France. Bak. Struzhkin. Yasuda. L. Sanda. Cardona.G. J. Thomas. [106] F. [102] M. Nikolić. L. Saucedo. Agata. R. Struct. 66 . A. Yu. L. F. 41 (1990) 9971. E. Korean Phys. J. J.C. J. Radulović. Vargas. Chang. J. Phys. (1977) 768. G. Yang. J. Perondi. Hayashi. and M.M. 1974. Wood. Polian. Mol. Mater. Bertrand. Choi. Phys. Rev. P. Phys. P.C. Springer-Verlag Berlin. [101] A. H. Microelectr. J. ContrerasPuente. Heildberg New York: Academic Press. [98] G.D.Y. P. 73 (1993) 7302. A. Leite. [89] H. [99] B. Phys.J. Calderón. Lepoutre.P. Pinto-Neto. E. T. Mushinskii. F. Bratu. D. Katiyar. 161 (1988) 43.M Miranda. B. Embrapa (2002). J. Phys. Dong. Toulouse. S. [103] S. Tese de Phd. A. Frit. 42 (1990) 1455.T. 62 (1987) 2955.C. 65 (2002) 092101. Degtyareva. 42 (2007) 7176.S. 40 (1989) 5544. Balkanski. Bobis.G. [86] M. Becla. McCombe. Phys. Appl. J. Chervin. Solids. Burger. Feng. Rai. Pollak. Miranda. [104] S. [87] M. B. K. [105] R. Merle-Méjean. [94] “Fundamentals of Semiconductors”. S. and P. Phys. Park. Ashworth.D.P. Mater. Ruiz. Farrow. 2nd Edition (1999). D. T. Appl. B. Ristovski. R. Saitta. 61 (2000) 501. Lim. W. K. J. I. H. Phys. W. Rev. Phys. [88] L. T. R. [100] J. Marín.H. Elazar. Todorović. Vasiljević.[85] O. Renucci. Chen. 107 (2008) 122. Mirgorodsky. M.L.M. F.M. V. Appl. L. Miranda.D. R.H.C. Melo. D. Chem. Phys. Phys. B. Pellicer-Porres. Jouanne.M.V. Kim. Dramicánin. Sci. Soc. N. Rousset. Yamamoto. 31. Blagojević. W. Mihajlović. Appl. Champarnaud.K. Y. B. L. L. Phys. 31 (1981) 5343. M. Vigil-Galan. [90] A. J. Chem. J. Phys. Gh. J.B. Yin. Hernández. [97] P. Rev. Scagliotti. Université Paul Sabatie. M. J.410-41 I (1997) 259. Barbu. 141 (2007) 164. B. Chen. Vargas. Redin.H. V. C.D. 31 (1997) 608. Decremps. B. H. W. I.F. [95] O. M. V.

Ma. Grandi. K.uoc.S.K. Luo. Instituto de Física. Gersho. disponível em http://atlas. [113] Antônio Carlos Bento. V. Saxena.J. Zhang. H. Kiyotaka. T. de Lima. Bowden.P. Kishore.Y. A.6. S. Sharma. A.A. 67 . June 1991.E. Sharma. M. [111] M.S. Appl. Powder Diffraction “Comparison of Intensities form Fixed and Variable Divergence X-Ray Diffraction Experiments” Vol. Campos. 25 (2008) 176. Saraswat. [109] X. Ersching. Therm. Xu. P. [110] C. W.gr/ptoe. Appl. J. Phys. Alloy. “Periodic Table of Elements”. Campinas. Chinese Phys. [112] A. Höhn. N. J. Lett.E. K. Sharma. J. 1987. Compd. Ryan. T. 47 (1976) 64. Pizani. Rosencwaig. D.H.C.chemistry.N°2. 466 (2008) 80.M. Tese de mestrado: Aplicações da espestroscopia fotoacústica em materiais transparentes. 27 (2007) 1552. Eng. R.D. Tsigaridis. [108] K.[107] V.