14/8/2009

Definição - Gravidez GRAVIDEZ E ATIVIDADE FÍSICA
Atividade Física e Saúde Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)
A gravidez é a conseqüência da fecundação do óvulo por um espermatozóide gerando um zigoto. Após sua implantação no útero feminino, retirará dele seus nutrientes para poder se desenvolver e se tornar um novo ser (NETTO, 2004).

Fases da Gestação
1°trimestre (0 a 12 semanas): Implantação do óvulo, Náuseas,
vômitos e micção com freqüência, Mamas aumentam, Ganho ponderal, Alterações emocionais.

Períodos da Gestação

2°trimestre (13 a 26 semanas): Afastamento das costelas,
Crescimento significante do feto.

3°trimestre (27 a 40 semanas): Útero mais largo e contrações
regulares, Micção freqüente, dor lombar, edemas de pernas, fadiga, falta de ar e constipação

1

14/8/2009

Fases da Gestação – 1o. Trim.
O primeiro trimestre é o período no qual a gestante apresenta fantasias e sonhos sobre o desconhecido, sobre o organismo que cresce dentro dela e que não é ainda sentido. É uma fase de “fraqueza” emocional e fadiga, na qual depressão e agitação se alternam (COLMAN e COLMAN, 1971; MELEM,1997). Além destas características, são bem marcantes as alterações de humor que a gestante sofre ao longo dos nove meses. Soifer (1984) afirma que as náuseas e os vômitos são decorrentes da ansiedade pela incerteza quanto à existência da gravidez Colman e Colman (1971) atribuem essas mudanças à ampliação da consciência na gravidez.

Fases da Gestação – 2o. Trim.
O segundo trimestre é reconhecido como o mais brando, no qual um certo equilíbrio emocional se estabelece (MELEM, 1997). O alto risco de aborto já passou, os enjôos diminuem e a mulher acredita e aceita melhor a gravidez (COLMAN e COLMAN, 1971). Soifer (1984) afirma que os movimentos fetais são normalmente percebidos a partir do quarto mês gestacional. Nesse momento pode surgir o sentimento de personificação do feto, no qual a grávida identifica e caracteriza os movimentos. Essa é mais uma etapa do desenvolvimento da relação materno-filial, pois o movimento é o primeiro tipo de comunicação entre eles (COLMAN e COLMAN, 1971; MALDONADO, 1984).

Fases da Gestação – 3o. Trim.
O terceiro trimestre é o período de maior ansiedade e temores, pois o parto já está próximo. A partir da segunda metade do sétimo mês, ocorre a versão uterina - a criança se vira e encaixa na pelve materna. Surge uma forte crise de ansiedade, normalmente inconsciente. No entanto, esta não é uma fase só de aflições. Agora, surgem também sentimentos positivos. A maioria das mulheres já resolveu suas atitudes ambivalentes e o desejo de ter a criança nos braços é intensificado (COLMAN e COLMAN, 1971). Estar pronta para acolher seu filho é uma condição, via de regra, buscada pela mulher (SZEJER e STEWART, 2002).

Alterações Hormonais

Alterações durante a gravidez

• Estrógeno: (30x) rápida proliferação da musculatura uterina, aumento muito rápido do sistema vascular do útero, rápido crescimento das mamas. Progesterona: (10x) inibe a contração da musculatura lisa (relaxa o útero), eleva o VO2 e a temperatura corporal, crescimento das mamas Relaxina: relaxa as articulações. Inibe a atividade uterina

2

14/8/2009

Alterações Respiratórias
• O2: Aumento no consumo em aprox. 20% Diafragma no final fica comprimido (elevação dos braços)

Alterações Cardiovasculares

• ↑ do Volume Plasmático: Inicia-se na 10ª semana, provocada pela retenção hidrossalina, causando o ↑ do fluxo cardíaco e do volume de ejeção sistólica. ↑ da F.C.: especialmente a partir do 6º. mês de gravidez, ocorre em torno de 10 a 15 bat/min ocasionado pela queda da resistência periférica.

Alterações Cardiovasculares

Estômago, Rins e Bexigas
• Processo digestivo: mais ao 2º lento final e do no 1º da 3º assoalho trimestre gestação trimestres pélvico

• Aumenta

do

tamanho

do

coração Estômago: Bexiga: compressão pressão dos nos

D.C.: Aumenta em 40% a 50% (↑ líq.plasmático e hemáceas) F.C. Basal: Aumento ao realizar esforço extra

Flexibilidade dos vasos: tem a função de “suportar” o ↑ do D.C., o que pode ocasionar inchaços e varizes.

Fortalecimento

músculos

Alterações Musculares e Articulares
• Hiperlordose lombar, principalmente no 3º trimestre. Desse modo, a hiperlordose lombar aumenta particularmente o risco de hérnia de disco (ROMEN, 1991). Arqueamento da curva das costas à frente: nos últimos meses de gravidez, as mulheres tendem a projetar os ombros para frente para encontrar um equilíbrio postural. Um fator negativo é estar por longo tempo em pé em posição fixa, ou carregar pesos.

Alterações Musculares e Articulares
• Modificação Postural: É um mecanismo compensatório, que tende a minimizar os efeitos ligados ao aumento de massa e distribuição corporal na gestante (HANLON, 1999). A hiperlordose lombar: deve-se à distensão dos músculos da parede abdominal e à projeção do corpo para frente do centro de gravidade. Devido ao acréscimo do volume uterino no abdome. Diminuição do comprimento do passo.

3

14/8/2009

Alterações Musculares e Articulares
• Sistema • Ligamentos: A Relaxina “relaxa” ligamentos em geral, causando uma possível instabilidade (joelhos e tornozelos). Assoalho

Demais Alterações
Termorregulador Durante a gestação o metabolismo basal acelera-se e aumenta a produção de calor. - A temperatura corporal materna não deverá ultrapassar 38,5 C – (comprometimento no desenvolvimento neurológico fetal). Pélvico

Músculos podem ser rompidos ou afrouxados no final da gravidez ou no parto, tendo assim, importância para pós-parto e na retenção da urina

Ganho de Peso durante a gravidez
• Total aproximado: 9 a 13 Kg Feto: 3,5 kg Placenta: 0,45 kg Líquido amniótico: 0,9 kg Aumento do peso uterino: 1,1 kg Aumento do peso das mamas: 1,5 Aumento de gordura da mãe: 1,8 a 3,6

Avaliação do Estado Pré-gestacional

• No caso de gêmeos: ganho 16 – 20,5 kg, sendo 0,75 kg no 2º e 3º trimestre. Ganho < a 0,5 kg/mês em gestantes obesas; Ganho > que 3 kg/mês depois da 20ª sem. Gestante com a estatura inferior a 1,57m (devem ganhar o limite mínimo) Ganho < a 1 kg/mês para gestantes normais

Gestação e Atividade Física História

HISTÓRIA Gestação e Atividade Física

III a.C - Aristóteles associou as dificuldades no parto ao sedentarismo das mulheres. 1781 - Alexandre Hamilton recomendava que a gestante se exercite desde que com moderação, evitando exercícios violentos como cavalgar e dançar. 1913 – Foi publicado um Manual de Atividades com recomendações para a grávida. Entre outras coisas, ele prescrevia que a mulher interrompesse a atividade quando sentisse exaustão, que mulheres que realizassem muitas atividades domésticas não necessitavam outros exercícios, que caminhada seria a atividade mais recomendada e que exercícios bruscos deveriam ser evitados.

4

14/8/2009

Gestação e Atividade Física História
1930 - Surge o exercício pré-natal especializado visando manter a mulher nas suas atividades diárias - domésticas e profissionais - o maior tempo possível. Os exercícios para o assoalho pélvico é utilizado para evitar rupturas do períneo, exercícios posturais e respiratórios.

Gestação e Atividade Física História
1993 - A American Health demonstrou que gestantes que praticavam atividade física por 30 min. durante 5 dias semanais tinham bebês maiores e mais saudáveis. A grande maioria dos estudos focava muito mais o parto e o bebê do que a saúde da mulher e as adaptações de seu corpo frente aos exercícios (HANLON, 1999).

1960 - Começa a ênfase nos esportes. Exercícios como caminhadas, natação e ciclismo são incentivados. A inclusão dos exercícios aeróbicos começa a mostrar seus resultados com partos mais rápidos, melhor recuperação, menos câimbras e melhora do estado emocional das gestantes (ARTAL e WISWELL, 1999).

Gestação e Atividade Física
O objetivo da atividade física na gestação é promover a saúde, bem estar e fortalecimento muscular. Preparação do organismo e suas estruturas, tais como: 1. 2. Controle motor Controle funcional, minimizando os fatores

negativos da gestação 1. Favorecer na recuperação pós - parto.

Benefícios da Atividade Física
• ↑a percepção da mecânica postural correta • Ampliar o equilíbrio muscular • Preparação da musculatura para o aumento de peso • Melhorar a imagem corporal • Redução de inchaços • Diminuição das cãibras nas pernas • Promover ou manter um preparo cardiovascular seguro • Aliviar os desconfortos intestinais • Evitar a ansiedade e depressão • Orientar e facilitar o pós-parto

Benefícios da Atividade Física

5

14/8/2009

Algumas conclusões
• Mulheres que se exercitam antes da gravidez, e que continuam a fazê-lo durante a gravidez. Descobriu-se que o exercício vigoroso e regular durante a gravidez diminui a gordura fetal sem reduzir o crescimento total. • Todas as mulheres, sem levar em conta o nível de atividade física prévio, diminuem sua atividade física com o progredir da gravidez. • Mulheres fisicamente ativas tendem a tolerar melhor a dor do parto.
MITTELMARK et al. (1991)

Recomendações aos exercícios
• Prescrição médica: Para qualquer atividade física com gestantes são necessárias sempre as prescrições médicas. • Não objetivar o condicionamento físico, pois a resistência inicial da gestante tende a diminuir. O ideal é não aumentar a atividade física ou mantê-la desenvolvida como antes de engravidar. • Evitar a prática de exercícios intensos, pois podem causar abortos ou trabalho de parto prematuro, comprometendo a saúde materna e fetal.

• Temperatura Corporal: Evitar o seu aumento. Durante a atividade física, a temperatura do corpo tende a subir; ocorrendo na gestante a Hipertermia, podendo causar a hipóxia fetal. • Hidratação: Hidratar durante a atividade física, evitando a perda hídrica. • Sintomas extras: Parar as atividades assim que a gestante apresentar algum sintoma fora do comum.

• Grávidas sedentárias: iniciar atividade física no 2º. Trim. • Posição Corporal: Evitar decúbito ventral (> 4º mês) e decúbito dorsal (> 5º mês de gravidez). • Exercícios de Alongamento: Adotar posições de quadrupedia. • Não mergulhar na natação. • Evitar bloqueio respiratório. • Recomendam-se exercícios de grandes grupos musculares, rítmicos e aeróbios, com intensidade de no máxi. 70% da F.C. Máx.

• Na bicicleta: adaptar selim mais largo e elevado • Exercícios para MMII : Agachamentos, adutores, exercícios para elasticidade e tonicidade do períneo, beneficiam no trabalho pós-parto • Não iniciar programa de corrida durante a gravidez • Aquecer e desaquecer gradualmente. • Coluna Vertebral: Evitar hiperextensão e sobrecarga. • Exercícios com saltos somente realizados na água.

Exercícios não-recomendáveis
• Exercícios com grandes amplitudes articulares. • Movimentos de insistência (balanço - ação da relaxina). • Cuidado com exercícios 4 apoios que favoreçam a acentuação da lordose, cifose dorsal (ombro e punho - relaxina). • Atenção com exercícios sentados no chão, na cadeira é mais adequado. • Caminhada com tempo de prática acima de 30min

6

14/8/2009

Programa de Exercício Físico para Gestantes
Orienta-se que a Atividade física seja composta de exercícios de flexibilidade, aeróbicos e de fortalecimento muscular de abdômen/ lombar e assoalho pélvico, regiões que sofrem mais com a sobrecarga decorrente do aumento de tamanho e de peso do útero gravídico. Os exercícios de flexibilidade visam o relaxamento muscular, principalmente da região pélvica que, associado aos exercícios de fortalecimento, visam não só a saúde muscular da região, como também promover a consciência da contração e relaxamento para o momento do parto.

Programa de Exercício Físico
• Aprovação médica • Freqüência: de 2 a 3x por semana • Grupo: no máximo 3 gestantes • Estruturação da aula: parte inicial, principal e final. • Intensidade: F.C. não ultrapassar 140 bpm (zona segura) ou estar entre 50 a 70% Vo2 max. Reduzir em 30% a partir do 5º. Mês. • Tempo: duração aproximada de 40min. • Respeitar SEMPRE a individualidade da gestante.

Exercícios Terrestres
Os exercícios de solo devem ser cuidadosos, evitando o impacto. Dentre suas vantagens estão: • ↑ facilidade de observação dos movimentos pelo profissional, oferecendo assim maior segurança. • As conversas e orientações podem ter mais espaço nessas aulas, com temas ligados à gestação. • Alguns exemplos de atividades são caminhada e ginástica aeróbica.

Exercícios Terrestres

Exercícios Aquáticos
Os exercícios aquáticos apresentam vantagens: • Sensação do aumento de peso é diminuída; • Maior amplitude articular segura de movimento; • Diminuição do impacto e do estresse articular; e • Aumento do retorno venoso pela pressão hidrostática. Encontramos algumas possíveis desvantagens: • Temperatura da água, que deverá estar agradável (< 32º.C); • Entrada e saída da piscina, com o ↑ peso é desconfortável.

7

14/8/2009

Exercícios Aquáticos

Exercícios Aquáticos

Natação

Hidroginástica

Contra-indicações

Contra-indicações relativas
• Hipertensão Arterial Sistêmica • Anemias • Diabetes • Doenças da tireóide • Obesidade excessiva • Abortos prévios (3) • Gravidez tardia

Contra-indicações absolutas
• Sangramento uterino • Descolamento da placenta • Gestações múltiplas • Risco de parto prematuro • Ausência de acompanhamento pré-natal • Hipertensão gestacional • Doença infecciosa aguda • Insuficiência Cardíaca

8

14/8/2009

SINAIS E SINTOMAS PARA INTERRUPÇÃO DO EXERCÍCIO
• Contrações uterinas repetidas, • Sangramento vaginal • Perda de líquido amniótico • Tonturas, desmaios e dispnéia • Taquicardias • Distúrbios visuais • Edema generalizado • Diminuição da atividade fetal • Náuseas e vômitos freqüente.

PARTO

Fases do Parto
– Dilatação de até 4 cm

Exercícios no Pós-parto
• Mudanças continuam de 4 a 6 semanas após o parto • Priorizar:

– Ruptura do saco amniótico, dilatação completa (cerca de 10cm) e expulsão

– Fortalecimento do assoalho pélvico – Correção da diástase – Fortalecimento MMSS e MMII

– Da saída do bebê até que o cordão umbilical e a placenta tenham sido expelidos

– Redução ponderal

Restrição com exercícios aneróbios: modificações no gosto do leite

Pós-parto
• Logo após o parto: fortalecimento do períneo • Após 3 a 5 dias: movimentos com MMSS e MMII • Após 15 dias: começam gradualmente os exercícios

Referências Bibliográficas
HANLON, T.W. Ginástica para Gestantes - O Guia Oficial da YMCA para Exercícios pré-natais. Manole, 1999. MITTELMARK, R.A.; DOREY, F.J.; KIRSCHBAUM, T.H.. Effect of maternal exercise on pregnancy outcome. In: Exercise in pregnancy. 2ª ed, Williams & Wilkins, Baltimore, p. 9-29, 1991. CHISTÓFALO, C.; MARTINS, A.J.; TUMELERO,S. A prática de exercício físico durante o período de gestação. In:Ef Desportes Revista Digital. Ano 9, Número 59, 2003. ARTAL, Raul; WISWELL, Robert A. Exercícios na Gravidez. 2ª edição Barueri: Manole, 1999. 332 p. COLMAN, Arthur D.; COLMAN, Libby Lee. Pregnancy: The Psychological Experience. New York: Herder & Herder, 1971. 180 p. HANLON, Thomas W.; YMCA Dos Estados Unidos. Ginástica para Gestante: O Guia YMCA para Exercícios Pré-Natais. São Paulo: Manole, 1999.

abdominais • Após 20 dias: condicionamento aeróbio • Incluir atividades que envolvam o bebê • Em caso de cesária: retardar o início do programa de 7 a 10 dias

MALDONADO, Maria Tereza Pereira. Psicologia da Gravidez: Parto e Puerpério. 6ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1984. MELEM, Cláudia. Natação para Gestantes. São Paulo: Ícone, 1997. NETTO, Hermógenes Chaves. Obstetrícia Básica. São Paulo: Atheneu, 2004. OTTO, Edna Ruth de Castro. Como ter um Bebê mantendo-se em forma: Ginástica para Gestantes. São Paulo: Manole, 1984. SZEJER, Myriam; STEWART, Richard. Nove Meses na Vida da Mulher. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. SOIFER, Raquel. Psicologia da Gravidez, Parto e Puerpério. 3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984. 124 p.

9

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful