O poder da mídia: estímulo e resposta – Nezimar Borges O poder dos grandes meios de comunicação foi sempre objeto de estudo

por especialistas da área da comunicação social, visto que vez por outras suscitam grandes polêmicas, e, dentro desta seara há uma teoria que se chama “Agulha Hipodérmica”, no qual baseia se na comunicação emissor-receptor condicionada por outra de natureza psicológica chamada de behaviorista. Esta teoria lança mão da relação apoiada na simbiose estímulo-resposta. A mídia trabalha fatos tendenciosos de acordo com conveniências promiscuas e como resposta, o receptor inculto (massa idiotizada e manipulável por ela), aceita sua posição diante dos fatos. Porém o sucesso desse processo é satisfatório desde que o estímulo seja aplicado de forma correta, tendo como resposta o comportamento desejado. Os MCM (Meios de Comunicação de Massa) utilizam-se de sua onipresença e onipotência, quase sempre através da “Agulha Hipodérmica” para atingir objetivos obscuros. Como exemplo pode-se citar alguns casos, aqueles de viés político-social: A verdadeira Causa do MST (Movimento dos Sem Terra no Brasil); ou a pecha pejorativa de que a Venezuela é uma ditadura, além do caso do golpe mal sucedido naquele país em 2002; ou ainda o caso Lula versus Collor em 1989; ou do caso do impeachment de Collor; ... O caso do MST, portanto, é emblemático do ponto de vista da conscientização do que representa para os brasileiros. Entretanto o que se pensa sobre este Movimento? Oito ou talvez nove de dez pessoas trariam positivamente respostas à estímulos: o “pensamento” dela através da “lavagem cerebral”; retorno efetivo de uma resposta que passa pela defesa dos interesses dos MCM; emitem opinião de acordo com a cartilha dos interesses econômicos por detrás da mídia. E, finalmente, os incautos e incultos dizem: “esse movimento é uma penca de vagabundo que não têm o que fazer”. Sobre esse Movimento diz o brilhante jornalista Fernando Evangelista: “Comecei a pensar sobre "civilidades e democracias" quando pisei pela primeira vez num acampamento do MST. Só então, naquela visita, percebi o poder de manipulação da grande mídia. Pouco do que via e percebia daquela realidade correspondia à imagem midiática do Movimento....” Outro embuste da mídia é em relação à Venezuela. Causa surpresa e indignação quando vê-se diante de algumas personalidades ditas cultas e bem informadas quando dizem que lá há uma ditadura e que não há liberdade de expressão. De duas uma: ou o individuo é muito ingênuo ou está sob efeito da substância introduzida pela “Agulha Hipodérmica”. Uma excrescência da mídia corporativa, pois lá durante esses últimos anos o seu presidente tentou e por pouco não “mata” a democracia burguesa e a substitui pela Democracia Socialista. O referendo de 02 de dezembro de 2007 foi emblemático para o socialismo e que despertou a ira dos media capitalistas do mundo diante da iminente queda daquela “democracia”. No Brasil o preposto de porta-voz dos MCM foi José Sarney em discursos sempre falseando a informação e obstante do que acontecia no país vizinho foi estimulado e replicado várias vezes nos meios de comunicação. Ele via com preocupação uma Revolução Socialista pelo viés democrático e que, por isso, desse modelo de democracia, oligarcas como ele não tem vez e voz. O que corrobora afirmar que poderia muito bem “contaminar” o Brasil. Infelizmente a Democracia Socialista foi derrotada por 0,04% dos votos da população. Aliás, nunca um acontecimento daquela magnitude acontecera no mundo. E às portas do Brasil e no “quintal” imperialista. Uma afronta aos interesses econômicos monstruosos o qual mobilizou o oligarca juntamente com quase todos os MCM a denegrir segundo seus interesses e a propalar o que acontecia lá era um passo para o despotismo. Isto sem ir ao golpe de estado que prendeu o presidente venezuelano por dois dias em 2002. Mas que, felizmente, foi duramente rechaçado pela massa politizada sendo, então, crucial para o revés do golpe patrocinado pelo imperialismo nortista. Devolvendo o presidente ao seu povo.

respostas da mídia local através de TV’s e rádios. sobretudo contra a “liberdade de expressão”. . difunde que esses políticos são agentes despóticos e “antidemocráticos” e “nocivos a democracia” e. a mídia (poder econômico). no entanto. No Amapá. em decorrência disso ainda subsistem hoje em dia considerações à teoria da “Agulha Hipodérmica” que vez por outra sai do limbo para o debate acalorado nas academias de Comunicação Social país a fora. há de se remeter sobre o Governo Socialista de anos atrás quando foi inexorável com a corrupção e com a elite deste Estado o que ocasionou.Políticos quando questionam ou afetam os interesses da democracia burguesa. as quais sempre maculavam a imagem do então governador à época como sendo a de um ditador. o qual nos MCM’s persiste distorcer e a falsear a informação. A mesma analogia pode ser vinculada a tantos outros socialistas na America Latina. logo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful