CINÉTICA E EQUILÍBRIO QUÍMICO

Universidade Federal do Ceará - UFC Química experimental Eric Sampaio-336436 Turma: CE0888A

........ .......................................12 6...........................OBJETIVOS.......................1....3 2.........4 3..................... 5 3.............................................Equilíbrio................1... Preparo de soluções-padrão de FeSCN ...13 ............................................................ Cinética..................CONCLUSÃO....................................... .............................................................................2 SUMÁRIO 1..............................................DISCUSSÃO...... Análise dos fatores que podem influenciar a velocidade de reação.......................................................... ..................................................................................................................................5 3........ .................... BIBLIOGRAFIA...... ............3...................8 4..................................................... ...........................................................................................................9 5.......................2................................................................................... PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL E RESULTADOS . .....................................................................3 1....5 2+ 3..............2.........................3 1............... Principio de Le Chatelier............ INTRODUÇÃO..................................................

EQUILÍBRIO Um equilíbrio químico é a situação em que a proporção entre as quantidades de reagentes e produtos em uma reação química se mantém constante ao longo do tempo. toda a reação química ocorre nos dois sentidos: de reagentes se transformando em produtos e de produtos se transformando de volta em reagentes. maior será a velocidade da reação. Presença de um catalisador: Os catalisadores aumentam a velocidade de uma reação química. Concentração dos reagentes: Aumentando a concentração dos reagentes. tais como a descoberta de catalisadores para acelerar a síntese de algum novo produto Cada um dos fatores que alteram a velocidade de reação age de uma maneira diferente: Superfície de contato: Quanto maior a superfície de contato. . essas reações possuem o nome de reversíveis.1. mas não participam da formação dos produtos. Pressão: Um aumento de pressão em um sistema em reação implica uma diminuição em seu volume. aumentará a velocidade da reação. virtualmente 100% dos reagentes são convertidos em produtos. tais reações são chamadas de irreversíveis. como a de combustão. em certas reações. por exemplo. e não se observa o contrário ocorrer em escala mensurável. superfície de contato e presença de um catalisador. como temperatura. concentração dos reagentes. o que possibilitará um maior número de colisões efetivas entre as partículas. haverá um numero maior de partículas reagentes por unidade de volume (aumento na concentração). As velocidades das reações químicas geralmente são expressas em molaridade por segundo (M/s).3 1. Contudo. Numa reação química. este(s) torna(m) a dar origem ao(s) reagente(s). Teoricamente. a rapidez com que um medicamento atua no organismo ou com problemas industriais. A velocidade de formação do produto é igual à velocidade de consumo do reagente. O conceito de equilíbrio químico praticamente restringe-se às reações reversíveis. A velocidade média de formação de um produto de uma reação é dada por: Vm = variação da concentração do produto / variação do tempo. Temperatura: Quanto maior a temperatura. INTRODUÇÃO 1. Há também uma série de reações nas quais logo que certa quantidade de produto(s) é formada. Ou matematicamente por Vm=   A velocidade da reação decresce com o tempo. maior será a velocidade da reação. Desse modo. Sua importância é muito ampla. a etapa mais lenta é a que determina sua velocidade 1. sendo completamente regenerados no final e não deslocam o equilíbrio da reação. pressão (age de forma mais visível em gases). CINÉTICA A cinética é a parte da química que estuda as velocidades das reações e os fatores que as influenciam. A velocidade de uma reação é a variação da concentração dos reagentes pela variação de uma unidade de tempo.2. já que se relaciona com temas como.

4 2. 3-Verificar se o principio de Le Chatelier é valido através de experimentos onde se variam concentração e temperatura do sistema. 2-Determinar a constante de equilíbrio Kc para uma reação química variando as concentrações iniciais de cada um dos reagentes. . OBJETIVOS 1-Estudar fatores e observar fatores que influenciam a velocidade de uma reação química.

Por fim. Assim. . foi utilizado um balão volumétrico de 100 mL onde 20 mL foram preenchidos com solução de Fe(NO )3 3 0. Preparo de soluções-padrão de FeSCN 2+ Para se fazer uma comparação entre tonalidade da solução e sua concentração. utilizaram-se dois tubos de ensaio. Um dos tubos de ensaio foi imerso em gelo e o outro permaneceu em temperatura ambiente. foi maior do que a velocidade experimentada pela reação que estava em temperatura mais baixa. Acrescentou-se amostras de zinco.5mol/l. 3. Como nesta solução Fe >> HSCN pode-se afirmar que a reação será fortemente desloca no sentido de formação dos produtos. Na análise da influência da concentração de reagentes na velocidade de reação. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL E RESULTADOS 3. um com 2 mL de HCl 2mol/l e outro tubo contendo 2 mL de HCl 4mol/l. 2+ preparou-se de soluções padrão de FeSCN . Na preparação da solução-padrão A. adicionou-se a cada tubo uma amostra semelhante de Zinco. foi consideravelmente maior do que reagiu com o Zinco.1.5 3.002mol/l e o restante do volume do balão foi preenchido com 3+ HNO3 0. sendo uma amostra em cada tubo. foi mais rápida do que a reação com Alumínio. utilizaram-se três tubos de ensaio contendo 2 mL de HCl 2 mol/l. procedeu-se em bem menos tempo do que a reação com o Mg e HCl 2mol/l. Análise dos fatores que podem influenciar a velocidade de reação: Desejando-se analisar a influência da natureza química dos reagentes. Foi possível observar que a velocidade com que o HCl reagiu com o Magnésio (produzindo bolhas). 4.2mol/l. Passados cinco minutos. magnésio e alumínio em condições semelhantes (a mesma temperatura.2. observou-se a influência da temperatura na velocidade da reação utilizando-se dois tubos de ensaio com 2 mL de HCl 3mol/l em cada. Percebeu-se que a reação entre Mg e HCl 4mol/l. que por sua vez. Assim é possível determinar a 2+ concentração de FeSCN . Percebeu-se que a velocidade com que a reação do tubo que estava a temperatura ambiente. pressão e superfície de contato praticamente idêntica entre si). adicionou-se uma amostra de tamanho semelhante de Magnésio a cada um dos tubos de ensaio.8 mL de HSCN 0.

todo o HSCN na reação será transformado em 2+ FeSCN .10 Litros -6 nHSCN = 9. Cálculo da concentração de FeSCN 2+ na solução B: 2+ Como todo o HSCN adicionado é transformado em FeSCN .4 mL de HSCN 0.6. ou seja.8. Como o volume total da solução também é 100 mL.10 mol. pode-se fazer a seguinte relação matemática: =n 0. tem-se: [FeSCN ] = 4. a solução-padrão B até que ambas completassem metade do volume de cada tubo.6. Tabela 1 ± Cálculo da concentração de FeSCN2+ na solução padrão A. Com isso. pode-se realizar o mesmo procedimento feito para a solução A: = n 0.5 mol/l.8.2mol/l. As considerações feitas para a solução A também podem ser aplicadas para a solução B.002 mol/L = nº de mols de HSCN V 2.002 mol/l e o restante do volume do balão foi preenchido com HNO3 0. tem-se que a concentração de FeSCN . 2.10-5 mol/L.10 mol Logo.8.10 mol. o nº de mols de FeSCN também é 9.6 Cálculo da concentração de FeSCN2+ na solução A: Como todo o HSCN adicionado é transformado em FeSCN . Tabela 2 ± Cálculo da concentração de FeSCN na solução B.10 mol Logo.1 L [FeSCN2+] = 9.10 mol 0.10 -3 Litros -6 nHSCN = 4. tem-se: [FeSCN ] = 9. utilizou-se um balão volumétrico de 100 mL.10-5 mol/L Obtendo-se que a concentração de FeSCN2+ é de 9. Com isso. pode-se calcular a concentração 2+ de FeSCN na solução. é de 4. Como o volume total da solução é 100 mL. na solução B. ao segundo tubo. adicionando-se a solução-padrão A ao primeiro tubo e.10-5 mol/L Assim. . 2+ -6 2+ -6 2+ Para a preparação da solução-padrão B.002 mol/L = nº de mols de HSCN -3 v 4. No balão. o nº de mols de FeSCN também é 4.10 mol 0.6.8. Na tabela a seguir estão os cálculos para a determinação da concentração de 2+ FeSCN na solução B.6.1 L [FeSCN2+] = 4. adicionou-se 20 mL de Fe(NO3)3 0.4.8. pode-se calcular a concentração de 2+ FeSCN na solução B. 2+ 2+ -5 2+ -6 2+ -6 Com intenção de estimar o erro do método visual para descobrir as concentrações de 2+ FeSCN . separou-se dois tubos de ensaio.10 mol/L.6.8.

Como esperado.temos que [FeSCN2+]=1. A fim de se determinar a constante de equilíbrio da solução.0 4.1x10-4. que é um método falho e sem muita precisão.5mol/l 4 3 2 1 0 Para obtermos a concentração de FeSCN usando a expressão: [FeSCN ]Desconhecida x HDesconhecida = [FeSCN ]Padrão A x H 2+ 2+ padrão A Em cada tubo de ensaio.1 6.0 6.2 x10 -5 7.4 x10 -5 8.calculou-se o erro percentual como sendo:  =0. pois a concentração da solução B é a metade da concentração da solução A. encontraram-se o valor 2.8 2.Para tanto. tendo-se o cuidado de homogeneizar bem a solução. repetiu-se o método de comparação de tonalidades em relação à solução-padrão A. que ao se medir a altura de ambas as soluções e calcular a razão entr e elas. que foi armazenada em um béquer e mediu-se a altura de cada coluna de solução.5 4.21.7 Colocaram-se os dois tubos de ensaio lado a lado a fim de fazer comparações entre as colorações de cada solução. diferente do esperado para esse experimento. Tabela 1 SISTEMA 1 2 3 4 5 VOLUME (ml) de Fe -3 (NO3)3 2x10 mol/l 5 5 5 5 5 2+ VOLUME (ml) de -3 HSCN 2x10 mol/l 1 2 3 4 5 VOLUME (ml) HNO 3 0. Observou-se.2 x10 -5 6. .2 [FeSCN ] desconhecida no equilíbrio -4 1. anotando-as na tabela 2.05% Esse erro ocorreu provavelmente por causa da diferença de tonalidade entre as soluções A e B.7 5. Olhou-se de cima a solução-padrão A com a outra solução.3 x10 2+ Fazendo-se uma média das concentrações. 905=9. retirou-se com o auxilio de uma pipeta um pouco de solução-padrão a fim de que ambas as soluções apresentassem a mesma tonalidade.1 7. Mediu-se a altura das soluções nos tubos de ensaio com o auxilio de uma régua. separou-se 5 tubos de ensaio e em cada tubo preparou-se uma solução com diferentes concentrações de reagentes (indicad os na tabela 1). a razão entre a altura da solução B e da solução A deveria ser 2. porém. que é feito por meio de observação. tendo em mente que a solução-padrão A deve ter sempre a cor mais intensa.8 7. Tabela 2 SISTEMA 1 2 3 4 5 Altura da solução padrão A (cm) 7.8 Altura da solução desconhecida (cm) 1.Então.9x10 -4 1.

que ao ser colocada em um béquer com gelo. e sabemos que o NO2 forma N2O4 .o equilíbrio deslocou-se para a direita. Este mesmo N2O4 forma NO2. ou seja. quando resfriamos a ampola. no sentido de formação de N2O4 (incolor). que é um gás incolor. 2NO2 N2 O4 HÛ<0 . Ao terminar os experimentos acima. Tendo conhecimento sobre o Principio de Le Chatelier. enquanto o sistema desloca o equilíbrio para o sentido de formação de NO2(marrom). uma coloração castanha.e esse processo continua até que a taxa de consumo do NO2 seja igual à taxa de formação do N2O4. ou seja. Pelo o Principio de Le Chatelier.3. Principio de Le Chatelier.quando o equilíbrio é atingido. clareou sua tonalidade ate se tornar incolor. sabemos que o sistema tende a restabelecer o equilíbrio. no sentido contrario a que foi deslocado.8 3. observou-se uma ampola de vidro contendo NO2.

segundo. Quanto ao preparo da solução-padrão de FeSCN2+ . Na teoria. 905=9.002.5=C. muitas considerações tiveram que ser feitas:Primeiro. podemos calcular as concentrações de diversas espécies químicas envolvidas na reação.observou -se que os experimentos concordaram com a teoria.10 -3 C=10 g/l 3+ -6 -4 . usar 2+ a lei de dissolução para determinar a concentração final de FeSCN .2x10 g de Fe(NO3)3 -3 -1 m=Mn=63g/mol x 2 x 10 mol=1.também.como por 2+ exemplo a concentração de FeSCN no equilíbrio. se encontra o valor HB/HA= 2.21. O método de comparação da tonalidade entre os fracos e um pouco falho e sem muito embasamento cientifico.3x10 g de HNO3 Temos que: K= K= Sabemos que K é constante e que podemos usá-lo para relacionar concentrações durante o equilíbrio.8x10-3= x10-3 -5 2+ =9.6x10 mo/l de FeSCN Podemos usar a estequiometria para descobrir as concentrações de cada espécie. já que o volume da solução B é o dobro do volume da solução A hipoteticamente. mas ao se medir a altura de cada coluna de liquido. ao a razão entre as alturas das soluções B e A deveria ser 2. Para o Fe C0 Vo=CV -3 2x10 .podemos. Calculando-se esse erro. de que do o HSCN adicionado foi transformado em FeSCN2+. que os volumes de cada tubo contivesse o mesmo volume.por isso foram encontradas certas divergências entre valores. (i) oVo= V 0.05% Utilizando os dados da Tabela 1. Para o Sistema 1: -3 -3 -5 n1=cv= 2x10 mol/l x 5 x 10 l =10 mol de Fe(NO3)3 -3 -3 -6 n2=cv= 2x10 mol/l x 1 x 10 l =2x10 mol de HSCN -1 -3 -3 n3=cv=5x10 mol/l x 4 x 10 l = 2 x 10 mol de HNO3 Tendo a equação balanceada: Fe3+(aq) +HSCN(aq) FeSCN2+ (aq)+ H+(aq) 1 1 1 1 =n V 0.2x10 g de HSCN -5 -2 m=Mn=242g/mol x 5 x10 mol=1. embora melhores resultados pudessem ser obtidos se as amostras de cada metal fossem pulverizadas. m=Mn=59g/mol x 2 x10 mol=1. a fim de torná-las iguais em relação à superfície de contato.4.temos que: =0.9 4. DISCUSSÃO Quando se analisou os fatores que influenciam a velocidade da reação.2= n -3 20X10 n=4x10 mol de HSCN -3  Sabemos que o número de mols em uma solução é constante.

1=C.6.000104) Kc=51.6.81 50.10 x0.mas nesse experimento a pressão e outros fatores .009)(0. Inicio: Reage: Equilíbrio Temos que: Kc= Kc=x. substituímos a concentração inicial para cada espécie e preenchemos a tabela 3.21 51.61 51. -5 -3 -4 Fe (aq)+HSCN(aq) FeSCN (aq)+ H (aq) -3 -4 10 2x10 0 0 -x -x x 0.28 -5 Tirando uma média dos Kc. vemos que x= [FeSCN2+].2).5/(10 -9.10 Para o HSCN C0 Vo=CV -3 2x10 .8.1x10-5 mol/l 9. a pressão age sobre eles e tende a deslocar o equilíbrio para o lado de menor volume.5 10-3-x 2x10-4 -x x 0.1x10-3mol/l [HSCN]eq 2x10-4mol/l 2.6x10-4mol/l [FeSCN2+ ]eq 9.5/(10 -x )(2x10 ±x) Pela tabela.7x10-5 mol/l 9.8. que foi calculada anteriormente (Parte 3. Como ambos são gases a temperatura ambiente. temos que: Kc=50.1x10-4mol/l 2.10 ) -5 Kc=4.0.64 Quando colocamos a ampola de NO2 em um béquer contendo gelo.6x10-5 mol/l Kc 51.8x10 /(0.Essa mudança de cor se deve ao fato de o NO2 se converter em N2O4 continuamente. observamos que a coloração da ampola se torna mais fraca até se tornar incolor. 4.9x10-4mol/l 2.2x10-3mol/l 10-3mol/l 10-3mol/l 1.28 48.10 -4 C=2x10 g/l Assim.28 Tabela 4: Concentrações no equilíbrio SISTEMA 1 2 3 4 5 [Fe3+]eq 10-3mol/l 1. Tabela 3: Concentração inicial dos reagentes.6.10 mol/L .6x10-5 mol/l 9. 3+ SISTEMA [Fe] -3 1 10 mol/l -3 2 10 mol/l -3 3 10 mol/l -3 4 10 mol/l -3 5 10 mol/l [HSCN] inicial -4 2x10 mol/l -4 4x10 mol/l -4 6x10 mol/l -4 8x10 mol/l -3 10 mol/l Podemos colocar esses valores na equação abaixo e descobrir seu Kc.5 3+ 2+ + Substituindo x por 4.10 )( 2x10 -9.10 mol/L. temos que: -5 -3 -5 -4 -5 Kc=9.4x10-5 mol/l 9.3x10-4mol/l 1.

Quando se diminui a temperatura.que é o sentido de formação de N2O4. com exceção da temperatura. como visto na seguinte equação química: 2NO2 N2 O4 HÛ<0 .11 foram considerados constantes.vê-se que o equilíbrio de desloca no sentido exotérmico.

12 5. como a natureza do material (no experimento. a solução mudava de cor de incolor para castanho. o que indica um aumento de velocidade de reação. CONCLUSÃO Verificou-se que a velocidade da reação era influenciada por diferentes fatores. . apareceram bolhas mais rapidamente. Ao termino dos experimentos. os resultados diferiram dos calculados. ou seja. a concentração de reagentes e mesmo a temperatura do sistema. observou-se que ao se mudar a temperatura de uma ampola contendo uma solução de NO2 e N2O4. Magnésio. seja por erro de calculo. Observou-se que quando aumentamos a concentração do ácido de 2 mol/l para 4 mol/l. Na prática. indicando predominância de certa espécie química. observou-se que a formação de bolhas cessou. que como visto no decorrer do trabalho altera o equilíbrio. seja por erro técnico no momento da determinação da intensidade da cor pelo método visual. Zinco e Alumínio). por alterações de temperatura. Ao se resfriar o sistema. indicando diminuição da velocidade da reação.

Apostila Colégio Master. 2004 BIBLIOGRAFIA DA INTERNET Cola da Web <http://www. 2010 Feltre. Fortaleza: Editora Lúmen.com/quimica/fisico-quimica/cinetica-quimica> Acesso em 24/05/11> 21:17 Wikipédia <http://pt.wikipedia.13 6.coladaweb. Egward Salvador 14ª ed. BIBLIOGRAFIA LIVROS Usberco. João Química. Química/Ricardo Feltre. Ricardo. São Paulo: Moderna.org/wiki/Princ%C3%ADpio_de_Le_Ch%C3%A2telier> Acesso em 31/05/11 21:07 .reform. volume 1: Química Geral/João Usberco. São Paulo: Saraiva 2009 Oliveira. Nazareno ET AL. 6ª ed.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful