UNIFOR Curso de Bioconstrução Abril 2009

SUSTENTABILIDADE EM ARQUITETURA Tradição x Contemporaneidade. Desde a antiguidade, o homem tem interagido com seu ambiente de forma a resguardar-se de seus elementos e criar um micro-clima favorável a sua existência. A caverna foi naturalmente a primeira manifestação desta necessidade, assim como o abrigar-se sob a copa de uma arvore ou a pele de um animal; mas logo a engenhosidade do homem permitiu-o reproduzir e aperfeiçoar o que encontrava na natureza. Desta forma, o pastor de ovelhas que dormia sob as peles, quando decidiu ergue-las sobre pilares, construiu seu primeiro abrigo. O sentido primordial da arquitetura encontra-se, assim, intimamente vinculado a sobrevivência do homem e ao lugar onde vive. Se este sentido for mantido, a integridade do fazer arquitetônico esta assegurada. Quando o homem começou a construir, seu ponto de partida foi a necessidade. Talvez hoje, em função do padrão de vida que vivemos não nos demos conta de como reagimos diante de uma extrema necessidade. Diante de uma necessidade, somos inteligentes, econômicos e criativos. E se observarmos as construções da época pré-industrial, ou as construções chamadas vernaculares; podemos perceber esta extrema inteligência, criatividade e economia. Economia aqui não no sentido de avareza, mas economia de gestos, deslocamentos e energia empregada na construção. Esta inteligência ainda existe, apesar das perdas que se seguiram ao advento da revolução industrial, que no intuito de racionalizar a arquitetura, privou-a da herança do conhecimento acumulado e negligenciou a ligação profunda que o homem mantinha com seu lugar e com os materiais disponíveis neste lugar. Hoje, a humanidade tem consciência de que extrapolamos o limite de nossa sustentabilidade e nos encontramos em um ponto de equilíbrio frágil e vulnerável. Os fatores de risco ao equilíbrio do planeta são uma conseqüência direta do modo de agir deste homem. A indústria da construção civil tem contribuído significativamente para este cenário. Algumas estatísticas demonstram que este setor responde por 40% da energia utilizada mundialmente a cada ano. O atual processo construtivo baseia-se no uso de materiais industrializados com elevado insumo energético em sua produção e transporte e grande geração de resíduos nos canteiros de obras. Alem dos impactos ecológicos negativos, este modelo é inacessível a grande parte da população devido a seu alto custo. Hoje em dia a arquitetura chamada contemporânea procura ser uma expressão do espírito da época. Emprega técnicas e materiais de ponta e utiliza-se da liberdade de desenho oferecida pelo computador para criar formas e ambientes que expressem a “contemporaneidade”. Como profissionais responsáveis, é preciso, no entanto, que analisemos o que envolve o conceito de contemporaneidade. A palavra “contemporâneo” tem por definição “existir, viver, ocorrer ao mesmo tempo que”. Implica uma comparação entre pelo menos duas coisas, mas não trás consigo nenhum sentido de aprovação ou desaprovação. Da forma como é utilizada por muitos arquitetos, entretanto, a palavra traz em si um tom de julgamento: ela significa algo como “relevante para o seu tempo” e, portanto, aprovável. (Fathy, 1986).

Arq. Cinira d’Alva

os construtores. calcário e outros minerais.UNIFOR Curso de Bioconstrução Abril 2009 Se adotarmos esta definição. Cinira d’Alva .construção ensina que todos têm ou podem facilmente adquirir as habilidades que precisam para construir a sua própria casa. das características do local onde a obra será construída e das necessidades e personalidade dos construtores e usuários. Funciona melhor se os criadores. que podemos chamar “contemporâneo”. Uma bio. As fábricas que serram a madeira. os proprietários e os habitantes forem as mesmas pessoas. Muitos componentes de edifícios modernos dependem da mineração destrutiva: gesso. Todo o material utilizado em um típico edifício moderno é produto de tratamento intensivo de energia. e não segui-las passivamente. proporcionando simultaneamente um ambiente saudável. alta tecnologia e especialização. de energia e capital intensivo deveria ser encarado como um desvio temporário da presente norma. podemos dizer que para “ser relevante para o seu tempo”. Bioconstrutores enfatizam técnicas simples. materiais universalmente adequados. Estes processos de fabricação também liberam efluentes tóxicos na água e produtos químicos perigosos na atmosfera. as fábricas que fazem aglomerados. geologia e clima locais. Estes sistemas dependem fortemente de trabalho humano e de criatividade e quase nada dependem de capital. um trabalho de arquitetura deve fazer parte do fluxo da vida cotidiana. por exemplo. A bio-construção é necessariamente regional e idiossincrática. Tudo depende da ecologia. é responsável por um número estimado de 4% dos gases responsáveis pelo efeito estufa. A fabricação de cimento Portland. Precisamos determinar o que é de fato constante. ou normas de desenho. porque relevante para o momento atual. fornecidos tanto pela combustão de carvão e petróleo. todos consomem grandes quantidades de energia. Bio-construção é qualquer construção que coloca como valor mais elevado a sustentabilidade social e ambiental. represamento de rios. Não existem respostas “certas”. belo e confortável. geralmente percorrendo centenas de quilômetros de distância. para ser contemporâneo. Nosso edifício moderno com suas praticas de extração de recursos. a construção moderna depende de um interminável fluxo de caminhões poluentes para entregar-los. ou a separação de átomos. fáceis de aprender e baseadas em recursos localmente disponíveis e renováveis. ser consoante com o estado atual das ciências humanas em sua inseparável relação com planejamento e arquitetura e oferecer uma resposta inteligente as exigências do momento atual. é a chamada Bio-construcao. Para julgar o critério de contemporaneidade precisamos perceber as forcas de mudança e direcioná-las para onde achamos que devam seguir. e pode ser descartado. E mesmo depois que os materiais de construção são elaborados. Arq. as plantas que transformam minerais naturais em cimento submetendo-os a enormes temperaturas. Um movimento relativamente recente no campo da arquitetura e construção. As fundições de aço. Assume-se a necessidade de minimizar o impacto ambiental das nossas habitações. Vê-se que a bio-construcao não é uma idéia nova. ferro. já que em muitas partes do mundo ainda se constrói em conformidade com esses critérios. portanto valido e o que é efêmero e transitório.

Cavar um buraco no seu quintal para fazer uma casa de barro pode parecer antiestético a principio. A Natureza tem uma enorme capacidade para curar pequenas feridas. Manter nosso impacto o mais local possível ajuda a garantir que podemos reduzi-lo e proteger a saúde dos nossos ecossistemas locais. é impossível construir uma casa sem nenhum impacto ambiental. Construir com materiais naturais locais também reduz a nossa dependência em relação a poluentes. aquele buraco no quintal daria uma cisterna. mas é nossa responsabilidade minimizar e localizar o dano. Cinira d’Alva . Muitos de nós protegemos religiosamente as árvores em nossa propriedade e não nos importamos em comprar madeira em serrarias desconhecendo sua proveniência. mas é muito menos impactante do que cavar minas. ou uma pequena lagoa de tratamento de águas residuais. a produção intensiva de energia e a necessidade de transporte.UNIFOR Curso de Bioconstrução Abril 2009 Naturalmente. Arq.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful