You are on page 1of 97

0

1

PARTICIPAÇÃO
Equipe de pesquisa Almir de Souza Maia (coordenador) Beatriz Vicentini Elias Irene C. Macêdo Jardim Sérgio Marcos Pinto Lopes Consultores de linguagem Juan Carlos Berchansky (tradução para espanhol) Margaret Ann Griesse (edição em inglês) Sérgio Marcus Pinto Lopes (tradução para inglês) Equipe de apoio Adriana Outeiro Jardim (arte) Sumie Yokota (contadora) Apoio International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities General Board of Higher Education and Ministry of the United Methodist Church (USA) Patrocínio Methodist Global Education Fund for Leadership Development (USA) International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities Ted Brown (presidente) Masayuki Ida (vice-presidente) Gerald Lord (secretário/tesoureiro) World Methodist Council – Education Committee Amós Silva do Nascimento (presidente) Centro de Documentação e Pesquisa Rua XV de Novembro, 944/74 – Piracicaba, SP, Brasil CEP 13400-370 E-mail: cdp.almirmaia@gmail.com

2

AGRADECIMENTOS

Esta pesquisa foi possível graças à contribuição e apoio de entidades, organizações e pessoas. Em nome da coordenação da pesquisa “A EDUCAÇÃO É NOSSO MUNDO – visão retrospectiva da IAMSCU e suas perspectivas”, agradecemos a todos aqueles que participaram e nela se envolveram. Este trabalho exigiu vários meses de intensa dedicação, principalmente dos membros da equipe de pesquisa, em última instância responsável por este trabalho agora publicado. Registramos aqui, portanto, a contribuição e a participação de todos, especialmente a nossa gratidão e reconhecimento para: International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities – IAMSCU, na pessoa de seu presidente, Dr. Ted Brown, pelo seu apoio e confiança; General Board of Higher Education and Ministry – GBHEM, pela sua participação e apoio a este esforço pela recuperação da história da IAMSCU; Methodist Global Education Fund for Leadership Development – MGEFLD, na pessoa do assistente especial do secretário geral do GBHEM para Iniciativas pela Educação Global, Dr. Ken Yamada, pela assessoria, apoio logístico e financiamento da pesquisa; Education Committee of the World Methodist Council – EC-WMC, na pessoa do seu presidente, Dr. Amós Silva do Nascimento, pelo estímulo e contribuições a este trabalho; Asociación Latinoamericana de Instituciones Metodistas de Educación – ALAIME na pessoa de sua presidente, Profª Cláudia Lombardo, e ao Instituto Metodista de Serviços Educacionais – COGEIME na pessoa de seu presidente, Dr. Marcio de Moraes, pelo apoio; líderes, agentes da construção da história da IAMSCU, que aceitaram o convite e participaram, respondendo os questionários e concedendo entrevistas, sem os quais este trabalho não teria sido feito; equipe de pesquisa, jornalista Beatriz Vicentini Elias, Profª Irene de Carvalho Macêdo Jardim e Dr. Sérgio Marcus Pinto Lopes, pela sua dedicação na implementação desta pesquisa; consultores de linguagem, Dr. Juan Carlos Berchansky (tradução para espanhol), Dr. Sérgio Marcus Pinto Lopes (tradução para inglês) e Drª Margaret Ann Griesse (edição em inglês) pelo trabalho realizado;

3
Filipe Fernandes Ribeiro Maia e Juliana Libardi Maia pelo seu apoio logístico na organização de documentos, nas entrevistas e sua tradução durante a fase desenvolvida nos escritórios da GBHEM em Nashville, Pulaski e Franklin, EUA; Adriana Outeiro Jardim pelo trabalho artístico e Sumie Yokota pelos serviços de contabilidade.

4

PALAVRA DO PRESIDENTE

É com muita satisfação que apresentamos a história da International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities. A IAMSCU está comemorando seu 20º aniversário como uma associação que sai da adolescência com enormes possibilidades e ilimitada disposição para o futuro. Somos gratos ao Dr. Almir de Souza Maia pelo seu tratamento atencioso e comovente desta saga de uma incomum associação internacional. Dr. Maia esteve desde o início, como um dos fundadores IAMSCU, e coletou um maravilhoso acervo de documentos e fotografias ao longo dos anos. Ninguém está mais preparado para oferecer uma visão privilegiada da criação e evolução da IAMSCU. Dr. Maia está atento à teologia que sustenta a IAMSCU e esta história é clara acerca de nossas raízes wesleyanas e do papel que elas desempenham no seu desenvolvimento. Talvez o mais importante seja que este trabalho constantemente aponta e identifica a grande expectativa que temos para o futuro da IAMSCU. Em 4 janeiro de 1758, John Wesley fez a seguinte anotação em seu diário: eu viajei para Kingswood e alegrei-me com a Escola, que é, afinal, o que eu por muito tempo queria que fosse uma bênção para todos que lá estão e um benefício para todos os metodistas. Em uma frase, Wesley resumiu a esperança e o potencial da missão da Igreja na educação - alunos abençoados e realmente beneficiando a igreja. Como uma associação de todas as instituições educacionais de tradição Wesleyana, a IAMSCU existe para apoiar nossos membros nesta dupla missão. Agradecemos pelo trabalho maravilhoso do Dr. Almir de Souza Maia, que demonstra claramente a preparação da IAMSCU para os futuros desafios de manter e ampliar os valores Wesleyanos na educação.

Dr. Ted Brown Presidente da IAMSCU

5

APRESENTAÇÃO
A educação modela as almas e recria os corações. Ela é a alavanca das mudanças. Paulo Freire

É com satisfação que apresentamos à comunidade educacional metodista o resultado da pesquisa documental A EDUCAÇÃO É NOSSO MUNDO – visão retrospectiva da IAMSCU e suas perspectivas, a primeira investigação em seus 20 anos de desenvolvimento, e que teve como objetivo estudar e registrar a história da entidade de 1991 a 2011. A IAMSCU constitui-se em uma das mais importantes iniciativas no mundo da educação metodista nas últimas décadas. Cabe-lhe o papel relevante de cooperar para o desenvolvimento das instituições relacionadas ao metodismo ou com tradição metodista. Somos herdeiros de um movimento social e religioso liderado pelos irmãos John Wesley e Charles Wesley no século XVIII. Ao longo de mais de dois séculos e meio os Metodistas vêm se destacando como uma alternativa de educação, construída com base nos valores cristãos e que tem se notabilizado como referência de qualidade e respeitabilidade acadêmicas em todo o mundo. Há um tesouro imaterial ainda a ser buscado e descoberto nesse patrimônio educacional. Iniciadas com a fundação do Kingswood College, em 1748, algumas centenas de instituições educacionais vêm sendo formadas com inserção social e científica em mais de setenta países e com a chancela metodista até nossos dias. Ainda se conhece pouco desse universo educacional. Quantas instituições existem de fato? Quantos alunos são atendidos? Quantos docentes e servidores? Quais os cursos e programas? Qual a produção acadêmica em termos de pesquisa e publicações? Como todo esse enorme potencial pode ser operado ou trabalhado em termos de programas e projetos compartilhados com a utilização dos recursos das novas tecnologias? É tarefa das instituições, dirigentes e educadores cooperarem para que a missão prossiga e essa herança seja garantida às futuras gerações, conscientes das profundas e radicais mudanças em todas as áreas do conhecimento em curso neste novo século. À IAMSCU cabe o papel de protagonista nessa tarefa institucional de articular processos de cooperação e intercâmbios, de auxiliar escolas a refletirem sobre sua identidade metodista. Entretanto, sua atuação ainda é recente e incipiente, mas há

6
expectativa de que ela se desenvolva e possa assumir plenamente a liderança desse papel no futuro. A pesquisa, que agora vem a público, é mais do que um registro da história da IAMSCU, pois abre um processo de reflexão e pretende se constituir em subsídios e alternativas para institucionalizá-la e prepará-la para ainda melhor desenvolver o seu papel no futuro. Seu relatório apresenta a síntese de vários meses de trabalho, envolvendo análise de documentos, realizando entrevistas e registrando a opinião de muitos daqueles que estiveram envolvidos com a IAMSCU, como lideranças, em seus 20 anos de atividades.

Piracicaba, 2 de maio de 2011

Almir de Souza Maia Coordenador da Pesquisa

7
ABSTRACT The focus of this project is the retrieval of IAMSCU’s history during its twenty years of existence (1991-2011), analyzing it in a retrospective view and considering its future challenges. The research was based on documents of the association and interviews with educational leaders who have accompanied it more closely and contributed to its history. The immersion in thousands of documents permitted the establishment of a database and the retrieval of facts and events in the twenty years of IAMSCU’s history. The interviews made it possible to advance beyond the collection of documents and recover a part of the history of the association hitherto unrevealed and unknown to the Methodist educational community. The analysis of the documentation and expressions of the leaders helped to better understand the association and start a process of reflection and evaluation of IAMSCU, one of the objectives of this study. The result was a relevant set of ideas and proposals for the future that may be considered by IAMSCU as it prepares its strategic development plan. Key Words: IAMSCU – history – Methodist education – globalization RESUMEN El eje de este trabajo es el rescate de la historia de IAMSCU en sus veinte años de existencia (1991-2011) por medio de un análisis retrospectivo y prospectivo. La investigación se llevó a cabo basada en la documentación de la Asociación y en entrevistas con los líderes educativos que la acompañan más de cerca y contribuyen en su historia. La inmersión en miles de documentos proporcionó y constituirá un banco de datos para el rescate de hechos y acontecimientos de la historia de los 20 años de IAMSCU. Las entrevistas hicieron posible avanzar más allá del acervo documental y rescatar parte de la historia de la Asociación, que hasta entonces no había sido revelada y era desconocida por la comunidad educativa metodista. El análisis de la documentación y las manifestaciones de los líderes permitieron conocer mejor a la Asociación e iniciar un proceso de reflexión y evaluación de IAMSCU, que es uno de los objetivos de este trabajo. Como resultado tenemos un conjunto relevante de reflexión y propuestas con visión de futuro, que podrán ser consideradas por IAMSCU con vistas a la elaboración de su plan de desarrollo estratégico. Palabras clave: IAMSCU – historia – la educación Metodista – globalización RESUMO O foco deste trabalho é o resgate da história da IAMSCU em seus 20 anos (19912011) de existência, analisando-a retrospectiva e perspectivamente. A pesquisa baseou-se na documentação da Associação e em entrevistas com lideranças educacionais que mais de perto a acompanham e contribuem com a sua história. A imersão em milhares de documentos proporcionou a constituição de um banco de dados e o resgate de fatos e acontecimentos da história de 20 anos da IAMSCU. As entrevistas possibilitaram avançar além do acervo documental e resgatar parte da história da Associação, até então não revelada e desconhecida da comunidade educacional metodista. A análise da documentação e as manifestações das lideranças permitiram conhecer melhor a Associação e iniciar um processo de reflexão e avaliação da IAMSCU, um dos objetivos deste trabalho. Como resultado, tem-se um conjunto relevante de reflexão e propostas de visão de futuro que poderão ser consideradas pela IAMSCU com vistas à elaboração de seu plano de desenvolvimento estratégico. Palavras chave: IAMSCU – história – educação metodista – globalização

8

SUMÁRIO

PALAVRA DO PRESIDENTE APRESENTAÇÃO RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO E METODOLOGIA 3. CRONOGRAMA 4. DESENVOLVIMENTO 5. UMA VISÃO RETROSPECTIVA DA IAMSCU 16º Concílio Mundial Metodista: criação do Comitê Permanente de Educação do WMC e da IAMSCU Uma proposta histórica: documento de fundação da IAMSCU Varna, Bulgária, 1992, 1ª reuniao do Comitê Gestor Tóquio, Japão, 1993, reunião do Comitê Gestor Tallinn, Estônia, 1994, reunião conjunta do Comitê Gestor da IAMSCU e do Comitê de Educação do WMC Rio de Janeiro, Brasil, 1996: 1ª Conferência da IAMSCU Londres, Inglaterra, 1997, reunião do Comitê Gestor Grantham, Inglaterra, 1998: 2ª Conferência da IAMSC Hiroshima, Japão, 1999, reunião do Conselho de Diretores Belfast, Irlanda do Norte, 2001: 3ª Conferência da IAMSCU Oslo, Noruega, 2002, reunião do Conselho de Diretores Boston, EUA, 2003, reunião do Conselho de Diretores Puebla, México, 2004, reunião do Conselho de Diretores Washington, DC, EUA, 2005, reunião do Conselho de Diretores Marion, Austrália, 2005: 4ª Conferência da IAMSCU Seul, Coréia, 2006, reunião do Conselho de Diretores Vancouver, Canadá, 2007, reunião do Conselho de Diretores Honolulu, Havaí, 2008, reunião do Conselho de Diretores Rosário, Argentina, 2008: 5ª Conferência da IAMSCU Honolulu, Havaí, 2009, reunião do Conselho de Diretores Honolulu, Havaí, 2010, reunião do Conselho de Diretores Rio de Janeiro, Brasil, 2011, reunião do Conselho de Diretores Washington, DC, EUA, 2011: 6ª Conferência da IAMSCU .

4 5 7 10 12 14 15 18

21 22 23 24 25 26 28 29 32 33 35 36 37 38 39 41 42 45 47 49 51 53 54

9
O movimento promissor continua 6. AVALIAÇÂO E PERSPECTIVAS 7. CONSTITUIÇÃO JURÍDICA 8. CONCLUSÕES Criação da IAMSCU Análise retrospectiva Apoio da GBHEM Análise avaliativa Potencialidades Fragilidades Análise prospectiva REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SIGLAS ANEXOS ANEXO 1 - Estatuto (Bylaws) ANEXO 2 - Carta de Registro (Charter) ANEXO 3 - Vantagens e benefícios da adesão como membro da IAMSCU ANEXO 4 - Valores compartilhados pela educação metodista ANEXO 5 - Mapa-múndi com identificação dos países onde está presente a educação metodista ANEXO 6 - Folder IAMSCU ANEXO 7 - Folheto - 6ª Conferência Internacional da IAMSCU e Encontro da NASCUMC, Washington, DC, EUA, 2011 95 91 92 58 59 71 73 73 73 73 73 74 74 74 75 77 78 78 87 89 90

10

1
INTRODUÇÃO
Este relatório é o registro da pesquisa A EDUCAÇÃO É NOSSO MUNDO – visão retrospectiva da IAMSCU e suas perspectivas, que tem como objetivo estudar a Associação em duas vertentes: a retrospectiva, ao levantar a sua história, e, numa visão prospectiva, propor novos desafios para a entidade. As primeiras considerações sobre a possibilidade de levantar a história da IAMSCU se deram no final de 2009, quando a memória e os olhares de alguns líderes metodistas alcançaram 2011, ocasião em que a IAMSCU estaria completando 20 anos. Em setembro de 2010, depois da IAMSCU ter aprovado o projeto, o Centro de Documentação e Pesquisa, sediado em Piracicaba, Brasil, recebeu a incumbência de implementá-lo com o apoio da GBHEM/MGEFLD. Algumas indagações presentes no processo de elaboração do projeto e permearam a sua realização: Por que levantar a história de uma de uma Associação ainda tão jovem? Qual o seu significado ou importância para a educação metodista? Tem ela cumprido o papel para o qual foi sonhada e criada? Onde estamos e onde queremos chegar? Como a Associação pode ampliar e aperfeiçoar o seu trabalho? São questões desafiadoras, como desafiadora é a missão de uma associação que integra um universo de centenas de instituições ligadas à tradição metodista e que se propõe a contribuir para o seu desenvolvimento. Este projeto está baseado nos dados e informações pesquisados nos milhares de documentos que compõem o acervo da IAMSCU, constituído ao longo de duas décadas, bem como em depoimentos de lideranças que têm acompanhado e contribuído para a história da Associação. Os pesquisadores tiveram contato com a maioria das correspondências, atas, relatórios, boletins produzidos pela Associação nos últimos 20 anos. Inicialmente, esses documentos receberam uma classificação temática e cronológica para facilitar a consulta e construção da matriz documental que orientou a elaboração do trabalho. As conferências da IAMSCU, por exemplo, foram todas mapeadas e seus principais dados e informações arquivados em um banco de dados. Dessa forma, é possível saber em que data, cidade e

11
país foram realizadas, seu tema, o número de participantes, os conferencistas e painelistas, os principais encaminhamentos, documentos discutidos, etc. Outra fonte de consulta utilizada foram depoimentos escritos daqueles que participaram da pesquisa respondendo a um questionário. Esse instrumento de consulta foi encaminhado a vinte e seis pessoas que aceitaram o convite para participarem da pesquisa e falarem sobre a IAMSCU. Complementarmente, algumas entrevistas foram feitas pelo coordenador da pesquisa e preservadas através de gravação de áudio. As questões foram construídas a partir dos objetivos centrais da pesquisa, a saber, contemplar a IAMSCU nas dimensões retrospectiva e prospectiva. A presente pesquisa trabalhou com o universo de líderes que, de forma mais significativa, estiveram ou estão envolvidos com a IAMSCU, ocupando cargos institucionais, diretoria e conselho de diretores. O retorno das respostas dos questionários possibilitou a elaboração de um banco de dados que contempla um universo amplo de questões, desde os fatos que antecederam à formação da Associação, seu processo de criação na 16ª Conferência Metodista de Singapura, em 1991, e seu desenvolvimento nessas duas décadas.

12

2
OBJETIVO E METODOLOGIA
O objetivo deste trabalho é pesquisar os primeiros 20 anos de existência da IAMSCU a partir de duas dimensões, a retrospectiva e a perspectiva. Na retrospectiva buscou-se resgatar a história e a memória da Associação desde os fatos antecedentes à sua criação e o seu desenvolvimento nessas duas décadas. Nessa linha, os eventos e atividades por ela desenvolvidos - conferências, seminários, reuniões do comitê gestor, do conselho de diretores, publicações, diretórios, etc. - foram tratados e sistematizados em uma linha do tempo. Na dimensão da perspectiva, o trabalho teve como objetivo criar um espaço de discussão sobre o porvir da IAMSCU, com um olhar avaliativo sobre esses 20 anos e a formulação de propostas que possam contribuir para ampliar a sua atuação. Para isso, foi feita uma consulta a um grupo de líderes mundiais que têm acompanhado a vida da IAMSCU, com questões que propiciariam desvendar dados da história e fazer uma avaliação geral da Associação. Outras questões pediam sugestões na linha propositiva: O que se espera da IAMSCU? Onde estamos e onde queremos chegar? O que precisa ser feito para que a Associação possa ampliar e consolidar o seu trabalho? Qual o papel da educação metodista no mundo atual? Para atingir os objetivos deste trabalho foram utilizados procedimentos que envolveram dois universos de coleta de dados e informações. Primeiro, o levantamento bibliográfico e consultas ao acervo da IAMSCU, acumulado no período de 1991 a 2011, e disponível nos escritórios localizados na sede da GBHEM, Nashville, TN (EUA). Esse acervo é constituído de grande número de documentos e de diversas naturezas. Também foram feitas consultas no Centro de Documentação e Pesquisa, em Piracicaba, SP (Brasil). Outras fontes de consultas foram livros, revistas, sites, etc., na linha de reunir o maior número possível de dados e informações sobre a Associação. A Bibliografia é restrita e há reduzida produção acadêmica e de textos sobre a IAMSCU.

Arquivos da IAMSCU – Nashville, TN (EUA)

Arquivos do CDP – Piracicaba, SP (Brasil)

13

Outra fonte utilizada pela pesquisa foram consultas feitas às lideranças envolvidas com a IAMSCU, algumas delas desde os seus primórdios. Um grande número de líderes e colaboradores foi identificado. Vinte e seis foram indicados para participarem da consulta. Estes receberam uma correspondência que informava sobre o projeto da pesquisa e indagava se poderiam dela participar mediante a resposta a um questionário encaminhado. Todos aceitaram o convite, mas dois deles não responderam aos questionários.

14

CRONOGRAMA
A pesquisa foi realizada entre os meses de outubro de 2010 e janeiro de 2011. Este período não inclue a fase de processamento, organização e catalogação do acervo do CDP, bem como de outras tratativas e encaminhamentos feitos anteriormente à aprovação formal do projeto. Em outubro de 2010 foi concluída a etapa de recuperação da documentação a partir de consultas aos arquivos da GBHEM/IAMSCU em Nashville, TN. Ao elaborar o cronograma de trabalho foi usada, como referência para sua conclusão, a reunião do conselho de diretores da IAMSCU prevista para fevereiro de 2011, onde seria apresentado seu relatório. Na ocasião seria feito o planejamento da 6ª Conferência da IAMSCU, a se realizar de 24 a 28 de julho de 2011 em Washington DC, EUA.

CRONOGRAMA
Item Atividade
Jul. Ago.

2010
Set. Out. Nov. Dez. Jan.

2011
Fev. Mar. Abr.

1

Elaboração pelo CDP e aprovação do projeto pela IAMSCU Recuperação e sistematização de documentação, revisão bibliográfica Produção de material promocional sobre a pesquisa Divulgação: IAMSCU/GBHEM/ALAIME Contatos, entrevistas: Nashville, Pulaski, Franklin, TN (EUA) Produção e conclusão do relatório base – edição em inglês Apresentação do relatório base reunião do conselho de diretores da IAMSCU (3 a 5-2-2011) Rio de Janeiro, RJ (Brasil) Produção do relatório final edições em inglês, espanhol e português

x

x

x

2

x

x

x

x

3 4

x

x

x x x x x x

5 6

7

x

8

x

x

x

15

4
DESENVOLVIMENTO
A pesquisa foi desenvolvida a partir das etapas estabelecidas na proposta encaminhada e aprovada pela IAMSCU, uma delas relacionada à divulgação da iniciativa no contexto da programação comemorativa de seus 20 anos de existência - primeira pesquisa realizada pela IAMSCU e que focaliza sua história. Foram elaboradas peças promocionais com vistas à realização da 6ª Conferência em Washington DC, em julho de 2011. Esta etapa se deu no mês de outubro de 2010, quando, em duas oportunidades, a coordenação fez a sua apresentação e entrega do material promocional. A primeira aconteceu por ocasião do VI Congreso Pedagógico de ALAIME, realizado no período de 14 a 16 de outubro em Ciudad de Panama (Rep. do Panamá). Depois, outra apresentação foi feita às autoridades da IAMSCU e GBHEM em Nashville, Pulaski e Franklin, TN (EUA), de 18 a 21 de outubro, oportunidade em que foram gravadas as entrevistas em áudio. A campanha promocional teve como filosofia A educação é nosso mundo, com destaque para a dimensão global da educação, ilustrada por um mapa-múndi com a identificação dos países onde está presente a educação metodista. Como parte fundamental do desenvolvimento desse trabalho, a equipe de pesquisa se dedicou à tarefa de levantar e consultar cerca de quatro mil documentos, cujos dados e informações foram selecionados para comporem um banco de dados e uma linha do tempo usados neste estudo. Esses dados foram confrontados e checados, procurando, com isso, processar informações precisas e extraídas de fontes primárias. Deve-se ressaltar que a documentação levantada, bem como os depoimentos de lideranças, foram suficientes para resgatar a história da IAMSCU e atender os objetivos do estudo. Ao longo das consultas constatou-se que a documentação da entidade não tem um padrão de registro e há lacunas de anotações, mas estas não comprometem o levantamento histórico e os resultados deste trabalho. O acervo consultado é constituído de ampla documentação que pode ser classificada em: (i) documentos formais - registro da constituição oficial da Associação (atas da 16ª Conferência Mundial Metodista - Singapura, estatuto, carta de registro, de acordo com a legislação do Tennessee, EUA); (ii) atas, relatórios – registros de decisões e encaminhamentos de assembléias, conselho de diretores, comitê executivo; (iii) manifestações – documentos encaminhados pela Associação; (iv) correspondências – comunicações formais da presidência e dos órgãos da IAMSCU; (v) publicações e textos –

16
produção impressa ou disponível de forma eletrônica na Internet; (vi) convites, cartazes, programas, folhetos e fotos - eventos organizados pela IAMSCU. As consultas escritas e orais foram outras fontes utilizadas na pesquisa. Delas participaram vinte e seis lideranças que mais de perto contribuíram para a história da criação e desenvolvimento da Associação ao longo desses anos. Elas responderam a um questionário, constituído de questões elaboradas a partir dos objetivos motivadores da pesquisa, isto é, resgatar a história da IAMSCU nas dimensões retrospectiva e prospectiva, composto por algumas questões comuns a todos os líderes e outras específicas. No conjunto do questionário havia perguntas dirigidas, mas foi dada ao participante a possibilidade de fazer considerações além do que estava posto. Assim, foram propostas questões ligadas a temas, como: (i) o significado da criação da IAMSCU; (ii) o papel da IAMSCU para o desenvolvimento da educação metodista; (iii) avaliação de sua caminhada de 20 anos; (iv) a preparação da Associação para o futuro e como ampliar a sua contribuição. Em função dos cargos, os três presidentes da história da IAMSCU receberam, além destas, outras questões ligadas à liderança da Associação. Algumas entrevistas foram gravadas em áudio e conduzidas pelo coordenador da pesquisa. Elas se constituem em um extraordinário mosaico de contribuições sobre a Associação e foram usadas parcialmente neste trabalho, o que possibilita base informativa para outras pesquisas no futuro. Com base nesse amplo conjunto de dados e informações foi possível organizar e registrar os fatos e eventos ocorridos nesses 20 anos. Isso foi realizado cronologicamente, o que facilita ao leitor e estudiosos da educação metodista conhecerem boa parte da história da IAMSCU. Este relatório contém levantamento que traduz uma visão retrospectiva da Associação em seus diversos níveis de atuação, como os temas e questões tratados durante as reuniões do conselho de diretores e os eventos. Nestes há o levantamento das conferências realizadas, a principal atividade da Associação. No período foram realizadas cinco Conferências: 1ª Conferência – Rio de Janeiro, RJ (Brasil, 1996); 2ª Conferência – Grantham (Inglaterra, 1998); 3ª Conferência – Belfast (Irlanda do Norte, 2001); 4ª Conferência – Marion (Austrália, 2005); 5ª Conferência – Rosário (Argentina, 2008). Também é feita menção à 6ª Conferência, a ser realizada em Washington DC (EUA) em julho de 2011. Nesta parte são, ainda, considerados os aspectos jurídicos da IAMSCU, que constituem o seu marco regulatório. Para isso, a coordenação ouviu o relato do Dr. Kent Weeks que, desde o início tem orientado e acompanhado essa dimensão formal da Associação. Há uma síntese sobre a constituição legal da Associação. O texto completo da carta de registro e o estatuto se encontram na parte dos anexos. Com isso tem-se um levantamento retrospectivo da Associação e se atinge um dos objetivos propostos para este trabalho.

17
A dimensão prospectiva da IAMSCU, além de utilizar os dados indicados no levantamento anterior, se baseou nas considerações das entrevistas (escritas e orais). Uma das vertentes das questões propunha um olhar avaliativo sobre a Associação. Assim, esse material foi usado para a reflexão sobre a atuação da IAMSCU, oportunizando uma avaliação crítica de seu trabalho e servindo de base para o levantamento de sugestões concretas para o seu futuro. Nada mais oportuno para atingir esse objetivo do que ouvir seus próprios idealizadores, construtores e os dirigentes que estiveram e estão à frente da Associação. Portanto, são visões e observações dos agentes mesmos da história, que sonharam, a partir das duas últimas décadas do século XX, construir uma entidade que viesse representar e contribuir para o desenvolvimento da educação metodista em todo o mundo. Este trabalho, sem esgotar a dimensão avaliativa e de futuro, apresenta algumas contribuições para serem oportunamente trabalhadas pela Direção da IAMSCU. No final do relatório são apresentadas as conclusões, uma síntese dos principais pontos da pesquisa que merecem atenção da Administração da IAMSCU para encaminhar estudos e propostas para o seu plano de desenvolvimento estratégico. O trabalho foi desenvolvido no Centro de Documentação e Pesquisa (CDP), localizado em Piracicaba, SP (Brasil) por uma equipe de pesquisa constituída por Almir de Souza Maia (Coordenador), Beatriz Vicentini Elias, Irene de Carvalho Macêdo Jardim e Sérgio Marcus Pinto Lopes. Esta pesquisa foi apoiada e patrocinada pela IAMSCU/GBHEM/MGEFLD.

18

5
UMA VISÃO RETROSPECTIVA DA IAMSCU
"O Concílio decidiu acolher esta proposta." Esta única linha nas atas do 16º Concílio Mundial Metodista - reunido em Singapura de 24 a 31 julho de 1991 - registrou o fato de que no dia 27 daquele mês uma nova organização estava sendo fundada, a International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities, mais conhecida por seu acrônimo IAMSCU (XVI WMC meeting. 1991, 256). Uma única linha, mas, na verdade, a coroação de um processo nascido anos e anos antes. Ou era apenas o início de um movimento histórico e promissor que iria alcançar e enriquecer centenas e centenas de instituições educacionais? O Concílio Mundial Metodista foi criado no século XIX, mas até aquele momento não houvera nenhuma iniciativa de congregar diferentes instituições de ensino que haviam sido criadas ou apoiadas pela Igreja Metodista desde o século XVIII. Ken Yamada, assistente especial do secretário-geral para a Educação Global e Novas Iniciativas da GBHEM da Igreja Metodista Unida nos Estados Unidos e associado à GBHEM desde 1970, em uma carta de outubro de 2010 para Almir Maia, coordenador da pesquisa, escreveu que a idéia de uma rede regional e internacional da Igreja Metodista Unida e das instituições metodistas de ensino começou no momento em que F. Thomas Trotter era secretário geral da GBHEM.
Quando a Revolução Cultural na República Popular da China acabou, em 1976, a GBHEM reconheceu e antecipou que as nações da orla do Pacífico poderiam prosperar no século XXI e criou a Iniciativa para a Educação Metodista na Bacia do Pacífico. Até 1984 todo o trabalho [da Igreja] fora da América, incluindo a educação, estava subordinado à General Board of Global Ministries (GBGM) e o trabalho da GBHEM estava limitado aos Estados Unidos (Yamada 2010).

A Conferência Geral da Igreja Metodista Unida decidiu alterar esse cenário e naquele ano autorizou a GBHEM a lidar com instituições de ensino localizadas fora dos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, a Conferência Central da África Ocidental apresentou uma proposta para a criação da Africa University, no Zimbábue, e a GBHEM iniciou um projeto chamado Africa Initiative para estudar e promover a proposta, que se viabilizaria quatro anos depois. Era 1988. Naquele mesmo ano, Roger W. Ireson foi eleito secretário geral da GBHEM.
Comecei a pensar em como poderíamos tornar mais internacional o alcance de nosso programa e construir uma unidade maior. Eu organizei um encontro na Inglaterra com os dirigentes das Escolas Metodistas associadas à Igreja Metodista Britânica, onde o então secretário geral associado da Divisão de Educação da GBHEM, Julius Scott, falou sobre a formação de uma associação de escolas préuniversitárias para os fins de intercâmbios e de programas de desenvolvimento (Ireson 2010a).

19
A idéia foi recebida com entusiasmo pelos líderes das instituições, tanto na Inglaterra como nos EUA. John Barrett, então diretor do Kent College e depois da Leys School, em Cambridge, defendeu o projeto entre seus colegas diretores, como presidente do Grupo de Diretores de Escolas Metodistas Independentes. Nessa qualidade participou de encontros da The National Association of Schools and Colleges of the United Methodist Church (NASCUMC) em várias ocasiões. Poucos meses depois, Julius Scott deixou a diretoria da GBHEM para se tornar novamente um reitor de faculdade e Ken Yamada, indicado por Ireson, foi eleito para substituí-lo como secretário-geral adjunto da divisão. Yamada trazia um profundo conhecimento e experiência das instituições e programas educativos da Ásia, enquanto Ireson possuia uma experiência similar nas instituições na Europa. Yamada diz que
[...] começamos a explorar as conexões globais entre as instituições metodistas de ensino na Europa, Ásia, América Latina e África, juntamente com as instituições metodistas de ensino nos Estados Unidos. Ireson e eu descobrimos que Almir de Souza Maia, no Brasil, e John Barrett, no Reino Unido, tinham a mesma idéia de conectar todas as instituições metodistas de educação em todo o mundo (Yamada, 2010).

É verdade, porém, que muitos dos grandes projetos da história, não nasceram como resultado de um planejamento completo e estruturado. Muitos deles foram iniciados em conversas informais, como uma partilha de ideais entre amigos. Barrett afirma que
é justo dizer que a criação do comitê de educação do WMC e a IAMSCU, em 1991, aconteceu por causa da longa amizade pessoal entre Roger Ireson e eu. Tínhamos estudado juntos na Universidade de Cambridge, nos anos sessenta, e mantivemos uma estreita relação entre nós e nossas esposas ao longo dos anos. Acontece que nós dois estávamos liderando aspectos do programa de educação de nossas igrejas (Barrett 2010).

Ele lembra que, em suas conversas, ambos muitas vezes lamentavam que o WMC não reconhecia formalmente o papel importante da educação que, juntamente com o evangelismo e o testemunho social, tem sido tradicionalmente parte da missão metodista iniciada com Wesley. Ireson lembra que "uma discussão na reunião do Concílio Mundial Metodista no início de 1980, entre John Barrett e eu, focalizava a possibilidade de um comitê permanente de educação no Concílio Mundial Metodista. Essa discussão ocorreu durante a reunião do Concílio (21 a 28 de julho de 1981) em Honolulu" (Ireson 2010a). Ao mesmo tempo, a GBHEM já estava ansiosa para aproveitar a experiência da NASCUMC e criar uma associação mundial metodista de escolas, faculdades e universidades. Depois de uma discussão com os dirigentes do Concílio Mundial Metodista, foi acordado que Barrett levaria uma resolução ao Concílio, em 1991, em Singapura, propondo a criação de um novo comitê permanente para lidar com a educação. Roger Ireson apoiou a proposta. Também durante o Concílio, Ireson e Yamada convidaram os presidentes das instituições de ensino presentes na reunião para um jantar em 26 de junho e um almoço no dia seguinte para o fim especial de se colocar

20
em conjunto uma proposta ao Concílio Mundial Metodista para o estabelecimento de uma associação mundial de escolas, faculdades e universidades metodistas. Através de uma associação desse tipo, relações mais estreitas de cooperação e apoio entre as instituições poderiam ser desenvolvidas para benefícios mútuos.

Encontro dos presidentes de instituições educacionais – Singapura, 1991

Este convite foi incluído em uma carta aos presidentes em 1º de maio de 1991. Depois de uma apresentação do tema e de um projeto concebido por David G. Ruffer então presidente da Albright College, de Read, PA, EUA (1979-1991) - os participantes das reuniões discutiram os objetivos, a organização, a estrutura, a adesão e possíveis programas da associação a ser fundada, elegeram os dirigentes e até mesmo planejaram o próximo encontro para 1996. De acordo com Ken Yamada as seguintes pessoas foram convidadas: Almir de Souza Maia (Brasil), John C. A. Barrett (Reino Unido), John Kurewa (Zimbábue), John W. White, Jr. (EUA), Juanita H.S. Mei (Taiwan), Ken Yamada (EUA), Kirk Treible (EUA), Marcus Frang (EUA), Masanobu Fukamachi (Japão), Norman E. Dewire (EUA), Robert A. Davis (EUA), Roger W. Ireson (EUA), R. Sheldon Duecker, (Bispo, EUA), Stephanie M. Bennett (EUA), Seung-Keun Rhee (Coréia), Toyotsune Murata (Japão), Wan Foo Weng (Singapura) e William Hurdle (EUA) (Yamada 1991). Ely Eser Barreto César (Brasil), Ovídio Torres (Argentina) e Ho Chee-Sin (Bispo, Singapura) foram posteriormente incluídos nas reuniões. Ireson afirma:
foi nessa reunião, em 1991, que um grupo de presidentes e líderes educacionais se reuniu conosco para criar a Associação que se tornou a IAMSCU. Nessa reunião, John Barrett, Almir Maia, Ely Eser Barreto César, Ovidio Torres, Ken Yamada, Bispo [Ho Chee] Sin, [Masanobu] Fukamachi, Robert Davis, eu e outros nos reunimos para analisar as perspectivas. Nós determinamos a forma da IAMSCU em uma estrutura organizacional simplificada, eu fui escolhido como organizador, cargo que ocupei até que fui escolhido como presidente da Associação (Ireson 2010a).

A decisão foi levada para o WMC, com a ênfase de que seria uma associação independente, que iria trabalhar com o Concílio através do comitê de educação.

21
Ao refletir sobre os acontecimentos daqueles dias, Barreto César recorda que "o fator mais decisivo na fundação da IAMSCU foi o esforço da Igreja Metodista Unida, através da ação da Board of Higher Education and Ministry para criar a Universidade da África no Zimbábue, a primeira universidade metodista naquele continente" (César 2010). Ireson, secundado por Barrett, levou a proposta para o Concílio, pedindo aos delegados que observassem a formação da IAMSCU e a aceitassem como uma organização filiada. Ambas as propostas foram aprovadas por unanimidade!

16º Concílio Mundial Metodista: Criação do Comitê Permanente de Educação do WMC e da IAMSCU
A aprovação das propostas para a criação do comitê de educação e da IAMSCU transformaria o 16º Concílio em um evento memorável para a educação metodista. As duas estruturas não seriam oficialmente ligadas uma à outra mas suas histórias seriam unidas desde o início. É por isso que ambas estão comemorando 20 anos de atividades em 2011. A ata do Concílio (XVI WMC Conference. 1991, 255) registra o fato de que em sua sessão de 30 de julho foi aprovada a criação do comitê, embora ele tivesse que operar com um orçamento apertado.
Que o Concílio instituiu um comitê de educação, como mais um comitê permanente do Concílio Mundial Metodista, com os seguintes termos de referência: 1. permitir ao Concílio Mundial Metodista ser mais eficazmente envolvido no debate mundial sobre o papel da educação na sociedade e, em particular, em questões vinculadas à educação centrada no cristianismo; 2. estimular o compartilhamento entre o Concílio Mundial Metodista e a família metodista ao redor do mundo, de experiências e conhecimentos, tanto na filosofia como na prática da educação cristã, como uma atividade de toda a Igreja e através das instituições primárias, secundárias e terciárias; 3. incentivar a formação de uma associação mundial metodista de escolas, faculdades e universidades para o incentivo e apoio mútuos; 4. incentivar a reflexão sobre o que significa ser uma instituição relacionada à Igreja Metodista; 5. patrocinar, organizar ou cooperar com a organização de conferências e consultas; 6. incentivar projetos de pesquisa relevantes e, eventualmente, a criação ou o estabelecimento de relações privilegiadas com instituições específicas para apoiar o seu trabalho; 7. analisar formas de educação não-formal.

22
O item número três já apontava para a próxima proposta que seria levada ao Concílio para a criação da IAMSCU.

Uma proposta histórica: documento de fundação da IAMSCU
Segundo a ata do Concílio, datada de 30 de julho de 1991, a proposta para criar a IAMSCU foi levada por Roger Ireson para apreciação e aprovação. Ele informou sobre o recente encontro de reitores de faculdades e apresentou o projeto aos delegados. A associação, que seria independente e estreitamente ligada ao comitê de educação do WMC, incluiria também aquelas instituições com tradição metodista, mas agora ligadas a denominações resultantes de fusões de metodistas e outras igrejas. Leia-se a proposta.
Proposta: Formar uma associação internacional de instituições vinculadas com o metodismo e com a tradição metodista. Fundamentação: Educação é uma missão importante dos metodistas em todo o mundo. Em alguns países, a educação metodista é bastante madura, envolvendo mais de 200 anos de desenvolvimento e experiência, enquanto em outros países a busca por educação é apenas o começo. Nós compartilhamos muitos objetivos e ideais comuns. Sabemos que é desejável unir a sabedoria e aprender um com o outro. É dentro dessa diversidade de experiências e da herança de raízes comuns que buscamos desenvolver instituições mais cooperativas e solidárias, entre aquelas vinculadas ao metodismo e as que têm uma tradição metodista, para nosso benefício mútuo. Nome: International Association of Methodist-related Schools, Colleges, and Universities (IAMSCU). Membros: Escolas vinculadas ao metodismo, faculdades, universidades e aquelas com tradição metodista através do mundo. Representantes da Associação: Escolas vinculadas ao metodismo, faculdades e universidades e aquelas com tradição metodista através do mundo. Missão: Promover o desenvolvimento da qualidade e valores da educação, proporcionando assim melhores condições de vida para as pessoas. Objetivos: (1) Aumentar a disponibilidade de oportunidades de educação através do mundo, (2) melhorar a qualidade da educação, e (3) permitir às instituições de ensino vinculadas ao metodismo e aquelas com uma tradição metodista cooperarem com o desenvolvimento de entendimentos comuns. Estratégia: Desenvolver uma associação informal, flexível e altamente funcional para cumprir metas importantes para a educação. A Associação vai determinar o seu próprio trabalho, bem como fazer sugestões e recomendações a outros órgãos, incluindo o comitê permanente de educação do Concílio Mundial Metodista. Os representantes podem envolver outras pessoas de suas instituições e podem contribuir com recursos quando o trabalho tiver um alto grau de benefício mútuo. Organização e dirigentes: Em cada Conferência Mundial Metodista a Associação se reunirá para selecionar um organizador e um comitê gestor para orientar os representantes da Associação no seu trabalho, incluindo os projetos de programas para as sessões seguintes, conferências e consultas. A necessidade de estatuto ou orientações de trabalho será abordada pela Associação quando for necessário. Caso o organizador seja convidado, ele deve ser membro do proposto comitê de educação do WMC.

23
Programas: Os programas da Associação serão definidos pelas instituições membros. Atualmente, estão previstos os seguintes tipos de atividades: "institucionais" e "associativas". Programas institucionais: Intercâmbio de pessoal, informação e recursos educacionais. Prestação de assistência gerencial e técnica. Discussão de questões comuns, problemas e oportunidades para melhorar a educação. Programas associativos: Diretório da Associação e boletins. Apoio a conferências e consultas. Formação de grupos de trabalho informais para pesquisa fundamental e desenvolvimento de projetos ou programas. Facilitar a conscientização e uso de métodos avançados de ensino e recursos. Criar o diálogo sobre questões como o desenvolvimento curricular e as normas, desenvolvimento de pessoal, planejamento financeiro e de desenvolvimento, etc.Coordenação e apoio: O comitê gestor assegurará a coordenação e apoio. A Board of Higher Education and Ministry of the United Methodist Church, Division of Higher Education, vai prestar alguma assistência para facilitar o trabalho da Associação (XVI WMC Conference. 1991, 257).

A proposta se tornou o que é conhecido como o documento de fundação da IAMSCU. John Barrett foi eleito como presidente do recém-formado comitê de educação e Roger Ireson foi eleito vice-presidente. Ken Yamada foi posteriormente indicado como secretário. Durante os primeiros anos de organização da IAMSCU, a Board of Higher Education do GBHEM ajudaria no desempenho das suas funções. Os convites foram enviados a todas as instituições vinculadas ao metodismo através das igrejas associadas ao WMC e cem instituições metodistas responderam positivamente. Foi nessa época que um grupo de membros da GBHEM e vários dirigentes de ensino, provenientes de instituições metodistas ao redor do mundo foram eleitos para o comitê gestor, conforme determinado no documento de fundação. Este comitê se manteve como o grupo de orientadores da IAMSCU por 5 anos, até que uma nova estrutura foi definida e ela foi substituída por um conselho de diretores. Mas por que o nome IAMSCU? Em uma entrevista gravada Ireson afirma:
eu escolhi. E o motivo foi: era internacional, era Metodista (não Metodista Unida, e isso significava toda a tradição metodista) e era uma associação de instituições. E essas instituições eram as escolas, faculdades e universidades. Era um pouco pesado, mas descrevia perfeitamente o que estávamos tentando montar e que se manteve (Ireson 2010b).

Varna, Bulgária, 1992, 1ª reunião do Comitê Gestor
Comitê discute significado de ser instituição vinculada à Igreja
O comitê gestor da IAMSCU se reuniu pela primeira vez em Varna, na Bulgária, em setembro de 1992, convocado por Barrett (IAMSCU 1992, 1-7), na qualidade de presidente do comitê de educação do WMC. Ireson foi nomeado presidente do comitê gestor e Barrett, vice-presidente. Após apresentação inicial sobre as origens da formação do comitê, Ireson, a pedido de Barrett, também fez uma breve exposição sobre as discussões que levaram à

24
criação da IAMSCU na Conferência Mundial Metodista em Singapura. Uma das questões discutidas durante algum tempo foi a importância do que foi chamado de "relacionamento de uma instituição com a Igreja". Foi salientado que, embora a propriedade e administração das instituições sejam questões muito importantes, ainda mais importante é a sua relação com a Igreja Metodista em termos de ethos, ambiente, dos padrões acadêmicos e da tradição. Foi reconhecido que uma instituição precisa receber a contribuição da Igreja e é necessário incluir o significado desse relacionamento na definição de seu propósito ou missão. Uma instituição ligada à Igreja deve enfatizar uma educação centrada nos valores, sua contribuição para a sociedade, a garantia de acesso aos pobres e o entendimento de sua missão global.

Tóquio, Japão, 1993, reunião do Comitê Gestor
Líderes metodistas convidados a refletir sobre questões globais da educação

Participantes da reunião do comitê gestor e pessoal da Universidade – Tóquio, Japão, 1993

O comitê gestor reuniu-se novamente no ano seguinte, em Tóquio, no Japão, na Aoyama Gakuin University, com uma densa agenda (IAMSCU 1993, 1-20). Seus membros - muitos dos quais não se conheciam ainda - foram convidados a se apresentarem e descreverem as suas instituições, a forma de educação em seus países e programas em desenvolvimento na época. Depois, examinaram as decisões tomadas nas reuniões anteriores do comitê e discutiram questões da educação no mundo, a fim de considerar como elas deveriam ser apresentadas aos líderes educacionais metodistas na Conferência Mundial Metodista que aconteceria no Rio de Janeiro em 1996. Finalmente, o quarto item, o mais complexo da agenda, foi um planejamento muito detalhado, incluindo a parte logística, do primeiro e grande evento da IAMSCU que ocorreria junto com a Conferência Mundial Metodista.

25

Tallinn, Estônia, 1994, reunião conjunta do Comitê Gestor da IAMSCU e Comitê de Educação do WMC
Proposta organização de diretório das instituições metodistas
Em 1994, em reunião conjunta do comitê de educação do WMC com os líderes do WMC, realizada em Tallinn, na Estônia, foi lido um relatório sobre a reunião de Tóquio e desenvolvidos planos que afetariam a IAMSCU nos anos seguintes (IAMSCU 1994, 1-20). Entre esses planos estavam: a Conferência do Rio; a organização, circulação, publicação e utilização de um diretório de escolas, faculdades e universidades metodistas; a possibilidade e implementação de intercâmbio de docentes e de estudantes entre instituições e a promoção de relacionamento entre os líderes das instituições filiadas à IAMSCU.

Encontro em Tallinn, Estônia, 1994

É importante destacar que as reuniões do comitê gestor, as conferências e outros eventos da IAMSCU nos anos seguintes seriam também ocasiões de celebração e fraternidade, que ofereceriam aos seus participantes a oportunidade de interagir com a cultura e a espiritualidade das igrejas metodistas dos países onde aconteciam. A experiência de compartilhar a fé foi registrada por Maia.
Quando visitei a Estônia em 1994, o país estava passando por mudanças políticas, pois o regime soviético estava em declínio. A liberdade religiosa estava sendo restaurada. Templos ainda permaneciam fechados, repletos de entulhos e velharias, apesar de sua arquitetura majestosa. A Igreja Ortodoxa Russa tinha sido forçada a interromper seus serviços durante 50 anos. Nesse período a fé se manifestava apenas nas casas, de forma silenciosa e clandestina. Pudemos assistir a um culto matutino metodista, onde estavam presentes idosos silenciados por tanto tempo - e também jovens, que manifestavam sua fé publicamente. Foi uma experiência fantástica e inesquecível. O canto, o louvor, tinham sobrevivido apesar das perseguições, da cidade destruída e da pobreza (Elias 2008, 191).

26

Rio de Janeiro, Brasil, 1996: 1ª Conferência da IAMSCU
Tema: Educando para a cidadania mundial

O Concílio Mundial Metodista decidiu realizar sua 17ª Conferência na cidade do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Seguindo as decisões tomadas em Tallinn, a 1ª Conferência da IAMSCU foi realizada de 7 a 9 de agosto de 1996, organizada e promovida pelo Conselho Geral de Instituições Metodistas de Educação (COGEIME), que era presidido na época por Maia (1ª IAMSCU, 1-3). Desde 1991 ele fora um defensor da idéia de uma organização internacional que reunisse instituições metodistas de ensino de todo o mundo. Foi também no Rio de Janeiro, em 7 de agosto, que um grupo de líderes de vários países latinoamericanos se reuniu para continuar as tratativas sobre a organização da aguardada Asociación Latinoamericana de Institutiones Metodistas de Educación (ALAIME). Eles estavam aptos para elaborar seus objetivos e estatuto e agendaram a assembléia constitutiva da organização para Santiago do Chile em 1997. Sua criação seguiu a mesma perspectiva da IAMSCU, visando ter um papel integrador e aglutinador, mas focando nas instituições educacionais que existem na América Latina há 135 anos e são baseadas em princípios bíblicos, teológicos e doutrinários Metodista (2009, 9). e sobre a filosofia educacional da Igreja

1ª Conferência - Rio de Janeiro, Brasil, 1996

A Conferência, que aconteceu quando a IAMSCU estava comemorando seu quinto aniversário, também foi uma ocasião memorável. Ireson se entusiasma ao mencionar que
foi no Rio de Janeiro, na 1ª Conferência, que a organização se tornou uma realidade e começou a assumir sua forma atual. Havíamos nos reunido sob o tema "Cidadãos do Mundo" e falado sobre a preparação de uma nova geração de líderes para o mundo através de nossas instituições educacionais. Esta reunião foi concomitante com a reunião do Concílio Mundial Metodista, na mesma cidade. Foi decidido nessa reunião que a nossa Associação estava agora forte o suficiente

27
para começar a se reunir por si só, em tempo e lugar separados do Concílio Mundial Metodista e sempre em local onde houvesse uma das instituições de ensino filiada (Ireson 2010a).

Como iria acontecer com outras conferências da IAMSCU, o tema era um tanto profético e bem à frente das discussões que começariam mais tarde, com foco na cidadania mundial. De acordo com Barrett – segundo relato de Sharon Hels, diretora de Pesquisas Científicas do gabinete do General Secretary of the Board of Higher Education and Ministry, UMC – o Concílio Mundial Metodista pediu à IAMSCU “para organizar um seminário [que mais tarde seria considerado a 1ª Conferência da IAMSCU] para si e para os participantes da Conferência Mundial Metodista”. O evento, que aconteceu em 8 e 9 de agosto de 1996, foi assistido por mais de 200 pessoas, incluindo educadores que representavam cinco continentes – África, América do Norte, América do Sul, Ásia e Europa – focalizando o tema Educando para a Cidadania Global. Dois palestrantes importantes lideraram os participantes na discussão do tema do seminário: Paul Kennedy, professor da cátedra "J. Richardson Dilworth” de História na Yale University, colaborador dos jornais New York Times e Los Angeles Times, e Yasuo Furuya, ministro sênior da International Christian University, em Osaka, Japão (Hels 1997). Com o objetivo de promover momentos de fraternidade e de maior proximidade, o COGEIME ofereceu um jantar, seguido por um show cultural, em 9 de agosto. Nessa ocasião foram prestadas homenagens a diversas personalidades, em reconhecimento pelo seu apoio e esforços na realização da 1ª Conferência da IAMSCU: Bispo Adriel de Souza Maia, presidente da Igreja Metodista no Brasil; Donald English, presidente do comitê executivo do Concílio Mundial Metodista; John C. A. Barrett, presidente do comitê organizador da Conferência Mundial Metodista; Joe Hale, secretário-geral do Concílio Mundial Metodista e Roger Ireson, presidente da IAMSCU. O COGEIME também ofereceu aos participantes o Catálogo Geral das Instituições Metodistas de Ensino, editado em três línguas. A Conferência foi muito bem avaliada pelos participantes, que a consideraram um evento de extrema importância. Ireson a qualifica como o primeiro grande encontro internacional de educação metodista:
Todo o projeto [da IAMSCU] provavelmente teria falhado ou batido em uma parede de tijolos, se não fosse pelo Brasil – na minha opinião – e isso porque o Brasil foi muito, muito fundamental na organização da Conferência do Rio de Janeiro. Porque foi a Conferência do Rio que deu aos educadores a confiança de que tínhamos uma organização. E todos aqueles reitores das instituições americanas – que haviam dito: por que precisamos disso? Temos muito trabalho institucional [...] – de repente começaram a perceber que realmente havia alguma coisa aqui. Assim, o Rio foi mais fundamental do que as pessoas perceberam. Porque nos deu energia (Ireson 2010b).

28
O comitê de educação do WMC teve a sua reunião durante as sessões do Concílio. Foi também a ocasião para realização da primeira reunião oficial da IAMSCU (IAMSCU 1996, 1-3). Elas foram patrocinadas conjuntamente pela General Board of Higher Education and Ministry of the UMC e pelo COGEIME. Yamada lembra que "nesta primeira Conferência, o estatuto da IAMSCU e a taxa de adesão de US$ 100 foram aprovados. Os novos membros do conselho de diretores e a diretoria foram eleitos". No final da reunião Ireson mencionou que durante os últimos quatro anos a IAMSCU tinha produzido um diretório que incluía, na época, mais de 500 instituições ligadas à Igreja ao redor do mundo. Ele relatou que uma série de intercâmbios de alunos e professores já estava em andamento e deu ênfase especial ao anúncio de que, em 1998, uma conferência seria realizada na Inglaterra para comemorar os 250 anos da Kingswood School, uma das primeiras escolas metodistas e a mais antiga ainda em funcionamento, fundada por John Wesley em 1748. A IAMSCU planejava convidar educadores de todo o mundo para os eventos especiais comemorativos em Kingswood e para um seminário sobre o compromisso histórico da Igreja Metodista com a educação. Planos já estavam em andamento para convocar uma Conferência da IAMSCU, a ser realizada em conjunto com a reunião do comitê de educação durante a Conferência Mundial Metodista agendada para 2001. Houve também planos para convocar um grupo para estudar a utilidade de uma rede de computadores que ligasse as instituições metodistas de educação em todo o mundo, tornando os acervos das biblioteca disponíveis para todas elas.

Londres, Inglaterra, 1997, reunião do Comitê Gestor
IAMSCU relaciona 590 instituições associadas

Reunião do comitê gestor – Londres, Inglaterra, 1997

O comitê gestor teve uma reunião de planejamento em Londres em 25 de junho de 1997 (IAMSCU 1997, 1-7). O principal item da agenda foi a Conferência da IAMSCU a ser realizada na Inglaterra em 1998, mas o encontro também analisou a Conferência do Rio de

29
Janeiro. Os participantes avaliaram a contribuição dos palestrantes como excelente, discutiram algumas das conclusões dos grupos de trabalho, analisaram a logística e ponderaram sobre algumas sugestões resultantes da conferência como um todo. Foi nessa reunião que os planos para os eventos na Inglaterra, no ano seguinte, foram estabelecidos. Eles incluiam um passeio pelos lugares importantes na história do metodismo: Bath (onde a Kingswood School estaria comemorando seu 250º aniversário naquele ano), Bristol, Oxford University, Westminster College e, finalmente, Harlaxton College, em Grantham, instituição ligada à Evansville University (EUA). Esses planos também incluíam as datas, o tema e os nomes dos oradores da conferência de 1998. O comitê gestor discutiu, ainda, questões relacionadas com a Conferência da IAMSCU de 2001, explorando as possibilidades para a próxima reunião do WMC, prevista para Inglaterra, possivelmente em Oxford em julho daquele ano, coincidindo com o 150º aniversário da fundação do Westminster College. Numa carta circular enviada em setembro de 1997, Ireson comentou: “Nós temos agora 590 instituições que aderiram a uma causa comum, através da IAMSCU e têm percorrido um longo caminho a partir da reunião de planejamento realizada pela primeira vez em Singapura em 1991” (Ireson 1997). Este número subiu para 610 em março de 1998 e em julho chegou a 660. Os planos estavam sendo desenvolvidos para estabelecer um sistema interativo de ensino, via satélite, para ligar todas as instituições metodistas em seminários e recursos compartilhados de bibliotecas. Vários locais foram considerados como centros de tecnologia no Brasil, África, Japão e EUA.

Grantham, Inglaterra, 1998: 2ª Conferência da IAMSCU
Tema: Metodismo e Educação – das raízes para a realização 250 anos de Educação Metodista no Mundo

A 2ª Conferência da IAMSCU foi realizada na Inglaterra. Ela foi precedida por um encontro de educadores metodistas que participaram das celebrações do 250º aniversário de fundação da Kingswood School, em Bath, em 17 e 18 de julho de 1998. As festividades incluíram um cerimonial especial, precedido por um processional em adequados trajes acadêmicos, com a participação do reitor da Kingswood, Gary Best, outras personalidades e convidados. Era esperado que o cerimonial, com a presença de centenas de educadores de todo o mundo, chamasse a atenção para o compromisso metodista com a educação. Como Ireson afirma na carta acima mencionada, a Kingswood School foi

30
o início do compromisso do metodismo com a educação, através das instituições de ensino vinculadas à Igreja, um ministério que se espalhou pelo mundo e que envolve cerca de 660 instituições em 70 países. Esta Conferência histórica foi realizada na Inglaterra em 1998 [...] e incluiu uma reunião de mais de 225 educadores de 20 países (Ireson 1997).

Kingswood School – Bath, Inglaterra, 1998

Os educadores deixaram a Kingswood School e visitaram a New Room Chapel, em Bristol, o Westminster College, a Oxford University, em Oxford, e, em seguida, Harlaxton Manor em Grantham, onde a Conferência realmente aconteceu e foi gentilmente recepcionada pelo reitor da Evansville University, James Vinson, que estava muito envolvido com a IAMSCU naquele momento. O tema era Metodismo e Educação - das raízes para a realização. Os palestrantes foram James Laney, ex-embaixador dos EUA na República da Coréia e o Bispo Paulo Ayres Mattos, teólogo e educador brasileiro. Outros oradores participantes nos painéis foram Hoyini Bhila, presidente do departamento de humanidades da Africa University; Elizabeth Charles, diretora do Isabella Thoburn College for Women, da Índia, e Timothy Macquiban, diretor do Wesley and Methodist Studies Centre at Westminster College da Inglaterra. O tema tornou-se o título de um vídeo e um livro publicado pela IAMSCU. O livro, que foi distribuído em todo o mundo, inclui uma série de ensaios produzidos por educadores a partir de reuniões da IAMSCU no Brasil (1996) e no Reino Unido (1998). O vídeo, com o mesmo título, contém destaques da Conferência. Houve um encontro especial para estudantes, que reuniu trinta e um representantes de cinco países – Brasil, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Irlanda do Norte – e foi o que mais atraiu participantes entre todos os encontros promovidos. Foi então que a IAMSCU tornou-se uma organização mundial de pleno direito (IAMSCU 1998, 6). Seu estatuto e sua estrutura foram definidos, o comitê gestor foi oficialmente substituído por um conselho de diretores - composto pelos membros do comitê, com a inclusão de dois novos membros – e o primeiro presidente foi eleito. A Associação decidiu incluir escolas de teologia entre as possíveis instituições-membro e estabelecer um programa para estudantes. Ficou decidido que apenas os administradores, professores,

31
estudantes e membros dos conselhos de diretores ou outras pessoas relacionadas com as instituições poderiam assistir às conferências. As despesas de viagem e hospedagem teriam que ser pagas por suas respectivas instituições educacionais. Para estabelecer a autonomia e independência da Associação, todos os seus programas devem ser pagos pelas instituições membro, embora a disponibilidade de pessoal, oferecida pelas instituições e pelo GBHEM, seja bem-vinda. Segundo Ireson, “estava previsto que no futuro a Associação seria totalmente auto-suficiente, inteiramente financiada pelas instituições participantes e, eventualmente, independente da GBHEM, que ajudaria em seus anos formativos” (Ireson 2010a). Para garantir que este seria um passo decisivo na história da IAMSCU uma taxa anual de US$ 100 foi instituída para as despesas operacionais relacionadas com as futuras conferências. As instituições capazes de contribuir com esta quantia seriam reconhecidas como instituições de apoio, enquanto as que não pudessem fazê-lo seriam conhecidas como instituições participantes. Foi também decidido formalizar a IAMSCU como uma entidade jurídica, cujos objetivos seriam os mesmos definidos quando ela fora criada. A incorporação ocorreu no Estado do Tennessee, EUA, em 10 de outubro de 1998 (Charter 1998, 3). Esta decisão levou à definição de um comitê executivo com três membros. Foram eleitos Roger Ireson como presidente, John Barrett como vice-presidente e Ken Yamada como secretário/tesoureiro. Ireson levantou a preocupação de que a estruturação de uma associação internacional de instituições metodistas de educação poderia criar alguma dificuldade para a GBHEM, devido a três aspectos do cenário institucional. O primeiro era financeiro e administrativo. Algumas pessoas achavam que parte do pessoal e recursos financeiros seriam retirados das responsabilidades da GBHEM nos EUA para serem usados no exterior. Outro aspecto vinculava-se à natureza global do United Methodist Council e seu relacionamento com a Igreja Metodista Unida e as instituições educacionais em todo o mundo. Um terceiro aspecto estava ligado às relações estruturais entre as instituições e as igrejas a que pertenciam. Algumas estavam ligadas às igrejas Sul-Americanas ou Africanas, que não eram membros da Igreja Metodista Unida. Instituições na Europa ou na África estavam ligadas às Conferências Centrais da UMC, enquanto outras eram vinculadas à Igreja Metodista Britânica em vários países. Ao considerar essas questões, Ireson afirma:
a complexidade deste contexto de unidade nas instituições metodistas de ensino, bem como questões de governança, despertaram preocupação em alguns setores da Igreja Metodista. Eventualmente essas preocupações foram dissipadas, mas elas mostram a importância da IAMSCU ser uma associação de instituições de ensino através da adesão voluntária a uma base institucional, com o GBHEM proporcionando apoio denominacional e técnicas de organização para a sua criação e nos anos iniciais, mas, em seguida, permitindo que a IAMSCU continuasse com a sua própria vida, missão e administração (Ireson 2010b).

32

Hiroshima, Japão, 1999, reunião do Conselho de Diretores
Educação comprometida com a paz mundial

Membros do conselho de diretores visitando o Memorial da Paz – Hiroshima, Japão, 1999

Outra reunião do conselho de diretores foi realizada na Hiroshima Jogakuin University de Hiroshima, no Japão, em setembro de 1999 (IAMSCU 1999, 1-5). A universidade estava comemorando 50 anos de fundação e seu reitor, Keizo Nishi, saudou a Associação, salientando a importância do tema proposto para a 3ª Conferência da IAMSCU (2001), Educação para Responsabilidade Humana no Século XXI. A reunião contou com a participação de consultores e funcionários da GBHEM e foi precedida pela reunião do comitê executivo e comitê de educação do WMC, realizada em Hong Kong. Vários assuntos importantes foram colocados perante o conselho. Kent Weeks, assessor jurídico, introduziu as questões relativas à organização da IAMSCU e algumas decisões foram tomadas. As principais decisões incluiam a criação de um comitê de indicação - nomeado pelo conselho de diretores ou pelo comitê executivo - que seria responsável pela escolha dos membros do conselho entre os representantes das instituições ligadas à Associação. Eles seriam nomeados em uma sessão plenária da IAMSCU. A diretoria do conselho seria eleita por decisão de seus membros. Esta e dois outros integrantes – também escolhidos entre os membros do conselho – constituiriam o comitê executivo. Os membros anteriormente participantes do comitê gestor se tornariam membros do conselho de diretores. Além de instituições educacionais, associações vinculadas à educação metodista como a GBHEM (EUA), NASCUMC (EUA), COGEIME (Brasil) e ALAIME (América Latina) seriam elegíveis para participar na IAMSCU. O conselho recebeu um importante relatório sobre a reunião do comitê de educação do WMC apresentado por Barrett. O comitê decidiu realizar uma conferência sobre o tema Fé Cristã e Educação para o Século XXI em Brighton, Inglaterra em julho de 2001, logo após a reunião do WMC na mesma cidade. Essas decisões tiveram um impacto sobre a discussão e decisões relacionadas com a organização da conferência agendada pela

33
IAMSCU para a mesma época do ano na Inglaterra. Depois de muito debate sobre os detalhes da conferência, foi decidido que ela ocorreria pouco antes da Conferência do WMC em Brighton, mas seria realizada em Belfast, Irlanda do Norte. Como resultado de decisões anteriores, o conselho elegeu dois de seus integrantes como membros do comitê executivo: Elizabeth Charles, de Lucknow, Índia, e Almir Maia, de Piracicaba, Brasil. Durante a reunião em Hiroshima, em jantar realizado em um hotel construído no local exato onde a bomba atômica foi lançada em 6 de agosto de 1945, os participantes puderam ouvir o emocionante relato de um ministro metodista, Shozo Muneto, aos 72 anos um sobrevivente da tragédia que marcou o fim da guerra. Ele tinha 18 anos e foi uma das vítimas, salvo por sua mãe, apesar de só ter recebido assistência médica 24 horas depois da explosão em Hiroshima. Ele acompanhou a trágica morte de milhares de pessoas e a destruição de sua comunidade. Ao longo dos anos, precisou de acompanhamento médico para lidar com leucemia. "Eu ainda não sei como não morri. Eu sinto que Deus me salvou da morte para que eu pudesse me transformar em uma testemunha viva da tragédia da bomba atômica e trabalhar para a causa da paz no mundo. Deixei o meu curso de química e decidi cursar um seminário teológico para me tornar pastor", disse. Muneto deu aos educadores uma mensagem clara:
a paz mantida pelo equilíbrio estratégico de armas nucleares deve ser encarada como a paz que vem da ameaça e do medo. É difícil ver nessas iniciativas a paz verdadeira, baseada na amizade mútua e no diálogo entre os países. A fé cristã e as armas nucleares são duas realidades contraditórias. O banimento das armas nucleares é o desejo e a oração fundamental de todos os cristãos e todos os seres humanos (Muneto 1999).

Belfast, Irlanda do Norte, 2001: 3ª Conferência da IAMSCU
Tema: Construindo paz, construindo parcerias

Quando, em 18 de janeiro de 2001, Ireson escreveu para as instituições metodistas de ensino ligadas à IAMSCU convidando-as para essa Conferência, ele achou importante destacar alguns aspectos:
a Conferência será realizada em Belfast, Irlanda do Norte, na Westminster School, de 16 a 20 de julho [...] Este evento marcará o 10º aniversário de fundação da IAMSCU em Singapura em 1991. A nossa Associação agora inclui 705 instituições em 67 países [...] Aqui está uma oportunidade para se reunir com colegas educadores metodistas de todo o mundo, para aprender com suas instituições e programas e para participar das discussões que podem levar a melhores análises, bem como compartilhar programas e possíveis intercâmbios (Ireson 2001).

34
A resposta foi expressiva. Houve 176 participantes, de 20 países, para ouvir e discutir as apresentações feitas por oradores de renome, incluindo Sean Farren, Ministro da Educação Superior e Educação Continuada, Formação e Emprego da Irlanda do Norte, que falou na Conferência sobre o tema Construindo a paz, construindo parcerias. Maia relembra que naquele ano a Irlanda do Norte estava ainda encarando o conflito entre Católicos e Protestantes:
[...] a IAMSCU escolheu o país para a realização da sessão especial para que nós, como educadores, pudéssemos dar um testemunho da busca da paz. Estivemos juntos com os representantes da hierarquia católica em torno da mesma mesa de discussões, dentro de uma cidade sitiada dividida por arame farpado. A passagem de um lado para o outro era permitida somente durante um horário determinado. Mas a celebração conjunta com representantes eclesiásticos de outras igrejas demonstrou a força possível vinda do diálogo e da paz (Elias 2008, 174).

Processional acadêmico de abertura – Belfast, Irlanda do Norte, 2001

Essa experiência pôde ser sentida a partir do início da Conferência. A cerimônia de abertura contou com a presença do presidente da Igreja Metodista da Irlanda do Norte, Rev. Harold Gold; do moderador da Igreja Presbiteriana, Alistair Dunlop; do bispo da Igreja Católica da Irlanda, James E. Moore, e do arcebispo de Armagh, Cardeal Cahal B. Daly, uma das mais importantes autoridades católicas da região. Hisako Kinukawa, da Christian Tokyo Women's University, falou sobre Justiça, Gênero e Direitos Humanos. A terceira palestra foi apresentada por Vivian Bull, reitora e professora de Economia do Linfield College, que falou sobre Justiça Econômica. Ely Eser Barreto César, vice-reitor acadêmico da Universidade Metodista de Piracicaba, Brasil, membro do conselho de diretores da IAMSCU e do comitê de educação do WMC, falou aos participantes sobre o tema Educação com vistas à responsabilidade humana no século XXI. Esta 3ª Conferência destacou o 10º aniversário da IAMSCU, lembrado na abertura do processional acadêmico e nos comentários do presidente Ireson. Aconteceram também momentos de visibilidade pública com elevado significado político, como em 19 de julho, quando os participantes foram recebidos em um banquete no palácio do governo pelo

35
prefeito de Belfast, Conselheiro Jim Rodgers, juntamente com diversas autoridades civis, religiosas e educacionais, incluindo A. Shannon, secretário permanente do Ministério do Ensino Superior e Educação Continuada.

Oslo, Noruega, 2002, reunião do Conselho de Diretores
Aprovado o registro da IAMSCU no Tennessee, EUA
Foi em Oslo, Noruega, em 22 de setembro de 2002, que o conselho ratificou o registro da IAMSCU no Estado do Tennessee, EUA, e reafirmou que os seus dirigentes deveriam permanecer em seus cargos até a próxima reunião, no ano seguinte (IAMSCU 2002, 1-5). O conselho também decidiu elaborar seu estatuto para formalizar os procedimentos operacionais da Associação. Começando por sua carta de registro e seu modo de funcionamento, definiu algumas premissas para o desenvolvimento do estatuto e nomeou um grupo de trabalho para elaborar e apresentar o seu projecto na reunião do conselho em 2004. O conselho decidiu que a proficiência em inglês não seria uma condição para a escolha dos seus dirigentes. Foi eleito Rukudzo Murapa, do Zimbábue, como presidente; Elizabeth Charles, da Índia, como vice-presidente e Ken Yamada, dos Estados Unidos, como secretário/tesoureiro . Em reconhecimento pela liderança e empenho de Roger Ireson pela IAMSCU, o conselho decidiu nomeá-lo presidente fundador emérito e manifestou a sua profunda gratidão a John Barrett pelo papel efetivo que desempenhou como vice-presidente. Também elegeu Almir de Souza Maia e Neil Irons para servirem no comitê executivo juntamente com os dirigentes. Ireson já tinha sido homenageado pelo seu trabalho para o avanço da IAMSCU por algumas universidades metodistas, como a UNIMEP (Brasil), que lhe concedera, em 1998, o título de Doutor Honoris Causa, no encerramento das celebrações da instituição pelo 250º aniversário da educação metodista no mundo. A Universidad del Centro Educativo Latinoamericano, na Argentina, também lhe concedeu o mesmo título acadêmico.

Membros do conselho de diretores – Oslo, Noruega, 2002

36

Depois de algumas discussões sobre as atividades futuras da IAMSCU, a diretoria decidiu que a Conferência de 2005, que seria realizada em um país sub-Saariano, em junho daquele ano, deveria trabalhar sobre o tema Globalização: Implicações Éticas para a Educação Vinculada ao Metodismo, com especial ênfase em religião e cultura , economia e meio ambiente. O conselho também discutiu a possibilidade de realizar a Conferência de 2008 em uma área perto de Seul, na Coréia, onde o comitê executivo do WMC iria promover um evento como parte da Conferência Mundial Metodista. Hong Kong e Japão foram considerados possíveis locais para a Conferência da IAMSCU.

Boston, EUA, 2003, reunião do Conselho de Diretores
Fortalecida a participação de estudantes nas Conferências
O conselho se reuniu novamente em Boston, MA, em julho de 2003 na Omni Parker House, da Boston University, uma universidade metodista de renome, onde Martin Luther King estudou. Segundo a ata da reunião (IAMSCU 2003, 1-5), o conselho aprovou um projeto de estatuto, que incluía as diversas questões debatidas na reunião de Belfast e foi informado sobre um plano estratégico adotado pela GBHEM. Este era muito significativo para a IAMSCU, pois um foco educacional internacional estava intencionalmente incorporado no plano da GBHEM e da IAMSCU se esperava que desempenhasse um papel fundamental na criação de maior acesso dos jovens à educação e na formação de líderes ao redor do mundo. O item mais importante na agenda, no entanto, foi o planejamento para a próxima Conferência da IAMSCU. O conselho decidiu que 10 a 16 julho de 2005 seria uma boa data, tendo em conta os diferentes calendários do ano letivo adotados pelas instituições membros. Houve discussões sobre o local da Conferência, tema e formato, mas as decisões formais foram adiadas. A diretoria destacou que a participação dos estudantes é de vital importância e deve ser enfatizada. A próxima reunião do conselho de diretores foi marcada para 20 a 23 de junho de 2004. Nenhum lugar definitivo foi escolhido, mas houve consenso geral de que o Instituto Mexicano Madero seria um local conveniente. A UCEL, na Argentina, foi considerada como um local alternativo.

37

Puebla, México, 2004, reunião do Conselho de Diretores
Perspectivas futuras: preocupação com planejamento e finanças
Com uma palavra de boas-vindas apresentada por Job Cesar Romero Reyes, reitor da Universidad Madero, o conselho de diretores abriu sua reunião em 21 de junho, na cidade de Puebla, no México. Como o relatório financeiro estava sendo discutido, um longo debate se desenvolveu em torno da adesão à IAMSCU e a necessidade de aumentar o número de instituições que pagassem suas taxas (IAMSCU 2004, 3). Havia, na época, 747 instituições, de 69 países, inscritas como membros e apenas 100 pagando as taxas. Foi consenso que aumentar esse número deveria ser uma prioridade e que era necessário ajudar as instituições a compreenderem que taxas são necessárias para desenvolver a organização e para o oferecimento de novos programas. Feita uma sessão de brainstorming sobre as possibilidades para o futuro, ficou clara a necessidade de desenvolver um plano estratégico para a IAMSCU e uma comissão especial foi criada para prepará-lo. Quatro pessoas foram nomeadas: Wanda Bigham (coordenadora), Ted Brown, Elsa Bauman e Almir Maia. A comissão reuniu-se em Piracicaba, SP, Brasil, em 20 e 21 de setembro de 2004, para elaborar a proposta de um plano estratégico baseado em dois eixos: a cooperação institucional e formação de lideranças para as escolas, igrejas e a sociedade. A comissão apresentou esta proposta como base para o desenvolvimento da IAMSCU para os anos seguintes. O conselho recebeu um relatório sobre a Conferência Geral da Igreja Metodista Unida, que enfatizava a educação, tanto nos EUA como no exterior. O relatório apresentado por Neil L. Irons - descrevia a mudança na adesão à Igreja, que estava crescendo rapidamente fora dos EUA, enquanto declinava naquele país e discutia as implicações para manter o financiamento dos seus ministérios para os pobres de outros países, incluindo instituições educacionais. Uma decisão importante da Conferência foi a aprovação do conceito do Methodist Global Education Fund para prestar assistência técnica às escolas vinculadas ao metodismo. Sua implementação já será iniciada. A ordem do dia dedicou algum tempo para a apresentação de relatórios sobre a situação das instituições vinculadas ao metodismo no Japão, Argentina, América Latina como um todo e EUA. O planejamento para a 4ª Conferência da IAMSCU (2005) tomou uma grande parte da agenda desta reunião do conselho de diretores, ficando decidido que deverá ser realizada na Austrália, na Westminster School, em Marion, de 11 a 14 de julho. O tema da Conferência será Globalização: implicações éticas para a educação relacionada ao metodismo. Alguns pontos relativos ao tema foram sugeridos para discussão, sempre com o foco de que o programa pretende ser de metodistas falando com metodistas. Liderança que transforma, diálogo cultural e ecumênico também foram lembrados como temas de interesse dos participantes. Vários nomes foram citados para seleção do orador principal da Conferência. Kofi Annan, Gracia Machel-Mandela, Enrique Dussel e Caim Felder foram os mais votados.

38

Washington, DC, EUA, 2005, reunião do Conselho de Diretores
Planejamento estratégico começa a ser discutido
O conselho se reuniu novamente em Washington DC no Hyatt Regency Washington Hotel em 29 de janeiro de 2005 (IAMSCU 2005a, 1-2). Ao discutir e aprovar o relatório financeiro, o conselho enfrentou um problema pendente de reuniões anteriores: deveria a anuidade da IAMSCU permanecer em US$ 100 ou deveriam as instituições que têm contribuído pagar mais? A discussão terminou quando foi aprovada a proposta de que deveria permanecer tal como vinha sendo adotado.

Reunião do conselho de diretores – Washington, DC, EUA, 2005

A fim de prosseguir com as discussões sobre o programa para a 4ª Conferência da IAMSCU, Bradley Fenner, diretor da Wesminster School, participou da reunião através do telefone diretamente da Austrália, pois não pôde ir a Washington. Com sua participação, os planos para a Conferência foram discutidos. Ele e Wanda Bigham foram nomeados para continuarem os preparativos necessários. Dois planos estratégicos foram, então, discutidos: um que estava sendo desenvolvido para a IAMSCU e outro que estava sendo organizado para a GBHEM. As discussões não se destinavam à tomada de decisões e, em relação à IAMSCU, os membros do conselho concordaram em analisar as questões a fim de retomar o assunto na reunião seguinte e chegar a um documento final. Em relação ao plano estratégico para a GBHEM, foi apresentado, simplesmente, um relatório sobre os progressos da sua revisão, ainda pendente de decisões.

39

Marion, Austrália, 2005 4ª Conferência da IAMSCU:
Tema: Globalização: implicações éticas para a educação relacionada ao metodismo

A 4ª Conferência da IAMSCU foi realizada na Westminster School em Marion, no Sul da Austrália, de 11 a 14 de julho de 2005. O conselho de diretores se reuniu no primeiro dia da Conferência, presidido por Murapa (IAMSCU 2005b, 1-8). Após o final do programa e a lista de delegados inscritos ter sido distribuída, observou-se que seriam 97 participantes incluindo os palestrantes - além dos membros do conselho, que deveriam registrar-se após a conclusão de sua reunião. Informado de que o palestrante convidado não poderia chegar à conferência, o conselho decidiu aceitar o oferecimento de Masayuki Ida, um especialista em tecnologia da informação, para compartilhar informações sobre esse assunto. De acordo com o que foi decidido anteriormente, a 4ª Conferência se desenvolveu em torno do tema Globalização: implicações éticas para a educação relacionada ao metodismo, dando particular atenção a questões como religião e cultura, economia e meio ambiente. Palestras, painéis e grupos menores, todos ficaram concentrados em torno desses temas, embora tivesse havido também um momento em que a conferência discutiu a cooperação institucional. Os estudantes também tiveram um encontro especial, mas não há informação disponível quanto ao número de participantes, qual país ou instituição representavam. Como em Belfast, e em outras conferências da IAMSCU, o programa contou com eventos públicos, incluindo uma recepção pelo prefeito de Adelaide, Michael Harbison. Durante sua reunião, o conselho de diretores dedicou bastante tempo para discutir o plano estratégico da IAMSCU, que estava sendo elaborado com a ajuda de uma comissão especial nomeada na última reunião. Embora não houvessem decisões a serem tomadas em relação ao plano, algumas observações foram levantadas em torno das questões incluídas em algumas notas distribuídas pela comissão. Aumentar o número de instituições que pagassem a anuidade, a necessidade de definir mais claramente a missão da IAMSCU, o uso da tecnologia para facilitar os contatos e reduzir os custos, liderança e redes regionais, a construção de um centro de arquivos, a ser desenvolvido posteriormente para um centro de pesquisa, a possibilidade de criação de um fundo de doações e de promover uma relação fraterna entre as instituições para que as de maior capacidade financeira possam prestar assistência às mais fracas foram algumas das questões discutidas e sugeridas para serem inseridas no plano estratégico. Foram apresentados relatórios

40
regionais sobre questões vinculadas à educação metodista na América Latina, Europa, Ásia, África e Estados Unidos.

.

Membros do conselho de diretores – Marion, Austrália, 2005

Também foi partilhada informação sobre o novo plano estratégico da GBHEM, a discussão e desenvolvimento do que foi iniciado em janeiro de 2002. Uma dimensão importante desse plano é o seu foco sobre o Methodist Global Education Fund, como um conceito criado pela Conferência Geral de 2004 da UMC, e a ser financiado através do trabalho da GBGM/UMC. Uma apresentação ampla sobre ele foi feita por Ken Yamada para os membros do conselho, mostrando como ele é significativo para a dinâmica da IAMSCU, pois irá certamente beneficiar todas as 747 instituições metodistas, que têm uma matrícula de quase 1 milhão de estudantes em todo o mundo. O Fundo deve tornar-se um veículo para permitir que mais instituições participem da IAMSCU. O objetivo, segundo ele, era fazer com que o Fundo se firmasse em três anos. Um dos pontos mais importantes da agenda foi, certamente, a nomeação e eleição do conselho de diretores e dirigentes para 2005-/2008. Ainda que alguns membros do conselho fossem elegíveis para um novo período, com a nova liderança emergente seria apropriado que alguns dos líderes mais antigos fossem substituídos para que o conselho pudesse ser renovado. Ao rever o seu papel, o conselho reconheceu que, depois do estatuto ser revisto e aprovado, deveria ser reorganizado o quadro e recomendou que este fosse ratificado por todos os membros da IAMSCU, com a possibilidade de candidaturas provenientes das bases. Na Conferência, as seguintes pessoas foram eleitas como membros e funcionários do conselho: Rukudzu Murapa como presidente, Almir de Souza Maia como vice-presidente, Wanda Bigham como secretária/tesoureira, Gary Best, Ted Brown, Elizabeth Charles, Jerome King Del Pino, Bradley Fenner, Neil Irons, Zenaida Lumba, J. Jeremy Packard, Maxine Clarke Beach, Masayuki Ida, Wilfred Mulryne, Job Cesar Romero Reyes e Humberto Santoni. Houve também um momento de reconhecimento pela contribuição de vários membros que deixavam a diretoria e que conduziram a Associação em seus primeiros anos: John C.A. Barrett, Luis Carello, Ely Eser Barreto César, Thomas W. Cole, Jr., Masanobu Fukamachi, Roger W. Ireson, Ovidio Torres e Ken Yamada. Foi

41
sugerido e aprovado que Ken Yamada continuasse a integrar o conselho como assessor especial, sem voto.

Seul, Coréia, 2006, reunião do Conselho de Diretores
Methodist Global Education Fund prioriza o desenvolvimento de novos líderes
O conselho se reuniu em Seul, República da Coreia, em 21 e 22 julho de 2006, quando a IAMSCU estava chegando ao décimo quinto ano de atividades, embora nenhum registro da lembrança deste fato tenha sido encontrado nos documentos pesquisados. Uma das decisões tomadas nessa reunião (IAMSCU 2006, 1-8) foi a substituição de dois dos membros do conselho e a inclusão de outros, novos. Humberto Santoni renunciou ao mandato e Zenaida Lumba não foi encontrada, aparentemente devido a problemas de comunicação. Ken Bedell foi eleito como membro do conselho e também como secretário/tesoureiro. Ele havia sido contratado pela GBHEM para substituir Ken Yamada, aposentado como secretário geral adjunto, mas ainda ativo como assistente especial do secretário geral. Foi decidido que o presidente Murapa deveria designar um comitê de indicações para preencher as demais posições. Após o relatório financeiro ter sido aceito, o conselho dedicou algum tempo para ouvir as informações sobre a situação das regiões do mundo. Vários membros trouxeram informações sobre a Austrália, Índia, Japão e Estados Unidos. Um ponto positivo resultante da Conferência na Austrália foi a de que um número de escolas e faculdades manifestaram interesse em trabalhar cooperativamente e decidiram convocar uma reunião para aproximar as instituições, muitas das quais interessavam-se em se tornar membros da IAMSCU. Relatou-se que as instituições metodistas na Índia carecem de valores centrados na educação e atividades cristãs, mas é cada vez mais difícil manter essas características, pois os alunos não têm interesse em valores e na educação voltada para o trabalho. Foi mencionado que estudantes do Japão são atraídos para as escolas metodistas porque oferecem educação de qualidade e as aulas são ministradas em inglês, enfatizando que a sociedade japonesa está envelhecendo, de modo que as escolas estão competindo pelos melhores alunos. A situação nos EUA é difícil de descrever, pois os estados têm padrões diferentes. Há um grande número de faculdades e universidades - 123 no total - mas variam muito em tamanho, recursos e seletividade e há desenfreada concorrência entre elas. Além disso, o número de faculdades com fins lucrativos está aumentando no país. Instituições no Brasil, Moçambique e Africa University relataram que estão mantendo contatos com vistas a encontrar formas de cooperar umas com as outras. Uma grande parte do encontro foi usada para compartilhar, receber e discutir informações sobre o Global Fund for Education, aprovado pela Assembléia Geral da Conferência da UMC, que visa angariar US$ 4 milhões em 2008 para: assistência técnica,

42
patrocínio do trabalho de educadores metodistas em escolas de todo o mundo e bolsas de estudos. O objetivo final do Fundo é produzir líderes mundiais. É consenso que não há futuro viável para o movimento metodista, a menos que leve a sério o desenvolvimento de líderes para a Igreja e para a sociedade. Como a GBHEM não tinha nenhuma infraestrutura para funcionar a nível mundial, foi sugerido que a IAMSCU poderia ser um desses veículos, de acordo com o que prevêem o estatuto e a carta de registro.O conselho incluiu na agenda uma discussão sobre a próxima Conferência da IAMSCU. Depois de muitas intervenções ficou decidido que 2008 seria o momento ideal para realizar a Conferência em Rosário, Argentina, aceitando-se o convite apresentado pela Universidad del Centro Educativo Latinoamericano, que se beneficiaria do apoio da ALAIME. Uma discussão sobre idéias para o tema da Conferência de 2008 foi iniciada após estas decisões. O conceito de liderança estava em todas as preocupações, uma vez que relacionava-se com a paz mundial. Duas questões foram levantadas: Quais as características de um líder mundial metodista? Como pode a educação metodista contribuir para a paz mundial? Após longa discussão foi considerada, entre outras questões, a necessidade de uma análise sobre a contribuição das conferências da IAMSCU para os seus membros. Foi decidido que uma comissão de programação deveria ser nomeada e várias sugestões foram apresentadas para consideração do presidente. Os nomes e os perfis foram discutidos em relação a quem deve ser convidado para falar na conferência e o presidente foi convidado a criar uma comissão com a responsabilidade de nomear os futuros membros para o conselho. Nenhuma decisão final foi tomada em relação a esses assuntos.

Vancouver, Canadá, 2007, reunião do Conselho de Diretores
IAMSCU discute o uso de tecnologia da informação e a criação de seu próprio web site
Em 18 de abril de 2007, dois dias depois do tiroteio no Virginia Tech Institute, em Blacksburg, VA, EUA, quando um homem armado matou 27 estudantes e 5 membros do corpo docente, o conselho iniciou a sua reunião de dois dias, desta vez em Vancouver, BC, Canadá. A tragédia ainda estava presente na mente das pessoas e as devocionais iniciais começaram com uma mensagem sobre o amor e a lembrança daqueles que morreram dentro de uma escola, um lugar destinado a oferecer educação e vida. Após o momento devocional, o conselho congratulou-se com Maxine Beach e Masayuki Ida, os mais novos membros, e Yamada, agora como consultor permanente sênior, eleito na reunião de Seul (IAMSCU 2007, 1-12). A pedido de uma atualização sobre o intercâmbio internacional e projetos de extensão, mencionados na ata da última reunião,

43
foi informado sobre uma página da GBHEM que estava sendo desenvolvida na web na época e que poderia ser expandida para incluir essas informações.

Reunião do conselho de diretores – Vancouver, Canadá, 2007

O conselho dedicou, então, algum tempo para receber relatórios regionais que alguns membros trouxeram para apreciação. Eles cobriam especialmente África, Ásia, Índia, Estados Unidos, Austrália e América Latina. O relatório sobre o Japão, apresentado por Masayuki Ida, mencionou que havia alguma incerteza sobre o significado e o papel da IAMSCU naquele país e que seria necessário fazer um esforço especial para esclarecer a importância da Associação. Elizabeth Charles informou que o trabalho educativo das igrejas na Índia havia dado às mulheres mais capacidade para se defenderem, embora isso tenha criado uma situação difícil. Elas foram qualificadas para disputar as oportunidades de emprego, o que levou a uma crise de esgotamento do mercado de trabalho e muitas foram, então, deixadas desempregadas. O fato afetou mais aquelas que trabalhavam em call centers. Até aquele momento, os esforços para garantir mais representação de sexos e idade no conselho não haviam sido totalmente bem sucedidos. O relatório sobre os Estados Unidos, feito por Jerry Packard, começou com a afirmação de que a realidade da educação metodista é extremamente complexa naquele país. A violência na sociedade e nos campi, a secularização das instituições, a tensão entre o governo federal e as possíveis novas regras da lei do ensino superior eram alguns dos problemas enfrentados pelas faculdades e universidades. Havia uma tendência crescente para se envolver na educação a distância e workshops de três dias estavam sendo organizados e oferecidos aos educadores metodistas para que eles aprendessem sobre esta opção. Uma das preocupações era que havia pouca participação das instituições metodistas americanas na IAMSCU. Era necessário encontrar formas de torná-las interessadas na Associação para se tornarem membros ativos.

44
O relatório sobre a América Latina foi apresentado por Almir Maia, que enfatizou o trabalho da região na difusão dos objetivos e atividades da IAMSCU, promovendo o desenvolvimento de uma estreita relação entre a Igreja e instituições ligadas a ela. Muitos eventos e atividades foram organizados pela ALAIME, que daria total apoio para a Conferência da IAMSCU em 2008, a ser realizada na Argentina. Em 2003, 9 de fevereiro foi escolhido como a data para celebrar o “Dia da Educação Metodista” na América Latina por ser o aniversário da mais antiga instituição de ensino metodista no continente, o Instituto Mexicano Madero, fundado em Puebla, México, em 1874. O relatório sobre a Austrália, apresentado por Bradley Fenner, foi entregue por escrito. Ele mencionava ter começado planos para um encontro nacional para unir os representantes das instituições da Igreja, a ocorrer em 2008 com o apoio da Secretaria Nacional e do diretor de Educação Cristã. Na linha de intercâmbio, havia uma ligação com o Isabella Thoburn College, em Lucknow, na Índia, visando a organização de um projeto de serviço e da espiritualidade no país, naquele mesmo ano. A Westminster School, na Austrália, sede da 4ª Conferência da IAMSCU em 2005, expressou interesse em compartilhar sua experiência para ajudar na preparação da próxima Conferência. Um dos assuntos que o conselho discutiu foi a idéia de uma revista eletrônica onde os debates sobre as preocupações da IAMSCU poderiam ocorrer. Os membros foram lembrados de que o site da IAMSCU, localizado dentro do site da GBHEM, pode hospedar este espaço, pois a tecnologia e os recursos estão disponíveis. Haveria, no entanto, a necessidade de um editor que seria responsável por convidar as pessoas a participarem e por manter um serviço de tradução de documentos escritos em outros idiomas, além do inglês. Esses documentos também deveriam ser publicados em seu idioma original. O Global Fund for Education também foi levado ao conhecimento da diretoria e diversos avanços foram compartilhados. Foi salientado que os fundos são importantes para a educação de pessoas e que líderes educados fazem uma grande diferença nos países em desenvolvimento. Irons (IAMSCU 2007, 7) disse: "Quando as pessoas têm acesso à educação elas crescem como líderes. Nós já sabemos que funciona. É hora de fazer isso acontecer e fazê-lo de uma forma mais cooperativa e mais ampla". Um dos mais importantes objetivos da IAMSCU é a promoção de intercâmbios internacionais e o conselho teve tempo de partilhar informações sobre o que vem acontecendo nessa área. Houve trocas informais, mas muitas delas foram fomentadas pela GBHEM. As oportunidades para intercâmbios e projetos de extensão foram utilizadas para agrupar os estudantes de diferentes culturas. Uma questão importante é que, através de algumas dessas novas conexões, novos intercâmbios apareceram. As pessoas descobriram que podiam confiar nos outros e se engajar no processo.

45
A maior parte do segundo dia do encontro foi dedicada ao planejamento da 5ª Conferência da IAMSCU na Argentina, com muitas sugestões sobre os temas que deveriam ser incluídos no programa. Foi enfatizado que a caracterização da educação metodista real, as oportunidades educacionais, as necessidades da América Latina e as preocupações com a realidade local deveriam receber uma atenção especial. Houve consenso de que o tema principal da Conferência deveria centrar-se sobre a possibilidade de desenvolvimento de lideranças para alterar o futuro e que os educadores metodistas devem ver-se como agentes de mudança. Potenciais palestrantes também foram sugeridos para abordar esses temas e um comitê foi designado para organizar o programa da conferência com essas idéias em mente. Foi também decidido aumentar a taxa de registro dos delegados de US$ 150 para US$ 250. O conselho decidiu eleger novas pessoas para sua constituição e escolheu, por unanimidade, Ovidio Torres, da Argentina, para completar o mandato de Humberto Santoni, e Amós Silva do Nascimento, do Brasil. Nascimento tinha sido eleito para o WMC em 2006. A IAMSCU sempre quis ter a certeza de contar com seu representante no WMC e sendo o presidente do comitê de educação do WMC membro do conselho de diretores estaria promovida a ligação entre as duas associações. O plano estratégico para a IAMSCU, e seu possível papel como uma agência de credenciamento institucional para as instituições de ensino fora dos EUA, foram duas outras questões discutidas, mas nenhuma decisão foi tomada.

Honolulu, Havaí, 2008, reunião do Conselho de Diretores
Documento define benefícios para as instituições filiadas
A reunião do conselho foi realizada no hotel Hyatt Regency Waikiki, em Honolulu, Havaí (IAMSCU 2008, 1-6), em 12 e 13 de fevereiro de 2008. Foi um encontro inusitado, iniciado com um seminário sobre ciência, tecnologia, ética e negócios na Internet, sob o título de Seminário Internacional sobre Ética nos Negócios da Net, organizado pelo Open Research Center of the Graduate School of International Management da Aoyama Gakuin University, Japão (http://www.gsim.aoyama.ac.jp/ORC/ iBiZ2008/purpose.html). O evento teve o apoio da IAMSCU e da GBHEM e reuniu palestrantes e participantes dos Estados Unidos, Brasil, Japão, Alemanha, Zimbábue, Canadá e Índia. Seu tema principal – Tecnologia global, ética e responsabilidade social: uma agenda de pesquisa interdisciplinar e internacional sobre as empresas sem fronteiras da net – despertou muito entusiasmo e foi proposto que a IAMSCU deveria criar dois grupos de trabalho, um sobre tecnologia e outro sobre ética, para promoverem as discussões desenvolvidas no seminário. Esta moção foi aprovada por unanimidade. Um resultado do

46
seminário foi a publicação bilíngüe, no segundo semestre de 2008, da Revista de Educação do COGEIME (nº 32/33), editada em parceria com a IAMSCU e a GBHEM, que incluiu as apresentações dos dois dias do encontro. Com a aprovação da ata da reunião de 18 de abril de 2007 foi sugerido que o livro An Uneasy Partner: the College and the Church, sobre a questão da interrelação entre instituições de ensino e a Igreja fosse colocado online, para que pudesse fazer parte da biblioteca de cada instituição relacionada ao metodismo. O livro trata da relação, algumas vezes desconfortável, entre a Igreja e suas instituições educacionais e revela malentendidos de ambos os lados. O entendimento de que a educação pode ser parte da missão da Igreja é o destaque. Uma preocupação foi levantada sobre a avaliação dos eventos apoiados pela GBHEM, especialmente as conferências da IAMSCU. O conselho foi informado de que haveria um formulário de avaliação para a Conferência a ser realizada na Argentina. Durante a apresentação do relatório financeiro por Wanda Bigham foi considerada a questão sobre os benefícios de se tornar um membro do IAMSCU. A lista de benefícios foi distribuída entre os conselheiros e dois dos seus membros se ofereceram para finalizá-la. Esta lista está no anexo deste relatório Relatórios regionais foram, então, apresentados ao conselho sobre a situação da educação metodista na Austrália, América Central e do Sul, África, Ásia e Estados Unidos. Os principais pontos nesses relatórios eram as relações raciais, o financiamento para as instituições, as relações inter-institucionais, a educação a distância, as relações com a Igreja Metodista Unida e intercâmbios internacionais. Um dos itens mais importantes da agenda foi a preparação para a 5ª Conferência, agendada para 10 a 13 de julho na cidade de Rosário, Argentina. O debate centrou-se, em primeiro lugar, nos nomes dos palestrantes e sobre a possibilidade de acontecerem eventos paralelos, como: reunião do comitê de educação do WMC e do grupo iBiZ2008 ou de grupos de trabalho da IAMSCU sobre ética e tecnologia. A necessidade de um programa especial e sério para os estudantes foi debatida. Os membros do conselho receberam um relatório sobre os preparativos da GBHEM para a Conferência Geral da UMC. A GBHEM tinha acabado de lançar um site novo e estava planejando realizar A noite da educação superior durante a Conferência. Eles também receberam informações sobre a próxima reunião do Concílio Mundial Metodista, prevista para ser realizada na África do Sul, e sobre a próxima reunião do comitê executivo, agendada para o Chile. Informações chegaram ao conselho sobre o fato de que o Global Fund for Education teve que ser renomeado porque desde abril de 2007 três entidades foram criadas com esse mesmo nome. Seu nome oficial se tornou, então, Methodist Global

47
Education Fund for Leadership Development (MGEFLD). A GBHEM espera levantar cerca de US$ 10 milhões, que renderiam meio milhão por ano. Foi divulgado um relatório do comitê de educação internacional da NASCUMC que focalizava uma iniciativa de intercâmbio internacional e a idéia de ser um programa da IAMSCU, com a participação da NASCUMC e da GBHEM. O conselho aprovou a proposta, com o entendimento de que um projeto do programa seria apresentado na 5ª Conferência da IAMSCU e o conselho dedicou, então, algum tempo para planejá-la. O fato de que alguns conselheiros ali presentes estavam terminando seu mandato, de acordo com o estatuto, levantou a necessidade de indicação de novos membros e de revisão do estatuto. Alguns nomes foram sugeridos e ficou decidido que seriam contatados sobre o interesse em se tornarem membros do conselho. Eles deveriam ser convidados a ir a Rosário e a eleição ocorreria na Conferência. O planejamento estratégico era ainda um projeto muito incipiente e idéias foram colocadas e compartilhadas sobre como deveria ser desenvolvido e o que deveria incluir. Questões sobre comunicação, intercâmbio, liderança, desenvolvimento profissional, e outras, foram discutidas, no entanto, ficou claro que a IAMSCU necessitava de uma melhor estrutura e que a questão dos recursos financeiros deveria ser avaliada de forma realista. A questão da natureza das instituições que deveriam ser membros da IAMSCU foi levada ao conhecimento do conselho, especialmente naqueles casos em que elas são ligadas a Igrejas Unidas em seus respectivos países, que "não permitem que essas instituições funcionem como corporativamente vinculadas ao metodismo ou dentro da tradição Wesleyana de escolas, faculdades, universidades e escolas teológicas" (IAMSCU 2008, 16). O conselho decidiu que seu presidente, em consulta com o pessoal da GBHEM, deve "atribuir a indivíduos específicos, a tarefa de pesquisar a natureza, efeito e aplicação das Igrejas Unidas ou da estrutura organizacional ecumênica das instituições que desejem e mantenham a adesão à IAMSCU" (IAMSCU 2008, 6). Um relatório será preparado para ser entregue ao conselho de diretores em sua reunião em Rosário.

Rosário, Argentina, 2008: 5ª Conferência da IAMSCU
Tema: Educação metodista moldando o futuro

O local escolhido foi a Universidad del Centro Educativo Latinoamericano e o período, 10 a 13 de julho de 2008. Foi lá e nessas datas que a IAMSCU promoveu sua 5ª Conferência, em torno do “desenvolvimento de liderança, tanto para a Igreja como para o

48
mundo”. De acordo com Linda Green (2008, 1) os comentários dos líderes eram

entusiasmados. Ela cita que o presidente Murapa, que estava concluindo seu mandato na IAMSCU, dizia que a boa liderança desempenha um papel fundamental no crescimento da Igreja, bem como em instituições acadêmicas e educacionais, que a Conferência Geral da Igreja Metodista Unida havia criado o MGEFLD e que a IAMSCU "é um importante veículo através do qual pode ser desenvolvida esta nova, empenhada e esclarecida liderança". A Conferência teve a participação de 169 delegados de 17 países (IAMSCU 2009, 2).

Membros do conselho de diretores – Rosario, Argentina, 2008

O conselho de diretores se reuniu duas vezes - em 9 de julho, pela manhã, e em 10 de julho à tarde - antes da Conferência. Relatórios foram apresentados sobre o Brasil, América Central/do Sul, África, Ásia, México, Reino Unido e as regiões dos Estados Unidos, bem como sobre o comitê de educação do WMC, o iBiZ2008 International Workshop e o Institute of Higher Education on Global Ethics. Várias propostas foram também objeto de discussões, incluindo mudanças no estatuto, a definição de benefícios para instituiçõesmembro, o programa de intercâmbio estudantil, a elaboração de um instrumento de autoavaliação institucional e um documento sobre valores compartilhados para a educação metodista. No dia seguinte, o conselho nomeou novos membros e dirigentes, discutiu o local da sua próxima reunião e da Conferência de 2011 e o planejamento estratégico da IAMSCU. Segundo Ken Yamada, nesta reunião Vivian Bull e ele apresentaram um modelo de auto-avaliação a ser aplicado em algumas instituições e os resultados apresentados à IAMSCU em um relatório em 2011. O plano-piloto foi acolhido, com a recomendação de que fosse testado. A 5ª Conferência, sob o tema Educação metodista moldando o futuro, foi iniciada na mesma noite com processional de todas as delegações, vestidas com suas roupas típicas e carregando as bandeiras das respectivas instituições. Foram abordados por palestrantes convidados e debatidos em pequenos grupos (Fifth 2008) temas como: Liderança mundial, o MGEFLD, Liderança individual, Ética global e tecnologia, Iniciativa metodista de ética

49
global, Civilidade e moralidade – uma perspectiva global, Educação para uma nova realidade global, Parcerias para educadores metodistas e Compartilhando as melhores práticas para o desenvolvimento de lideranças. O conselho de diretores apresentou os nomes dos seus novos membros e dirigentes, eleitos para o período 2008-2011. Ted Brown foi eleito como presidente, Bradley Fenner e Ken Bedell como vice-presidente e secretário/tesoureiro, respectivamente (Green 2008). Masayuki Ida e Claudia Lombardo foram eleitos como membros do novo comitê executivo e Leslie Garner, Socorro Brito de Anda, Sergei Nikolaev e Myron McCoy passaram a integrar o conselho.

Honolulu, Havaí, 2009, reunião do Conselho de Diretores
Programas de intercâmbio: conselho quer expandi-los
Em 6 e 7 de fevereiro de 2009, foi realizada mais uma reunião do conselho em Honolulu, Havaí (IAMSCU 2009, 1-13) no mesmo Hyatt Regency Waikiki Hotel, onde havia se reunido em 2008. Foi a primeira reunião para os novos membros do conselho, eleitos em Rosário, e houve um tempo para a sua apresentação no início da sessão. Tendo sido decidido que outro membro seria integrado ao conselho, a Ewha Womans University, de Seul, Coréia, deveria indicar alguém para preencher essa vaga. Era uma tentativa de recrutar mais mulheres para participar do conselho de diretores da IAMSCU e como essa é uma universidade tradicional para mulheres na Coréia do Sul, reconhecida em todo o mundo, a sua participação mais direta na IAMSCU seria um passo importante para maior representação do sexo feminino. Quando o relatório financeiro revelou que muitas instituições não tinham pago as suas taxas, uma questão foi levantada: deveriam constar no diretório das instituições da IAMSCU? Houve consenso de que todas as instituições deveriam permanecer e uma menção especial no diretório deveria ser reservada para aquelas que foram fiéis em pagar suas taxas. Em seguida, o conselho discutiu uma pesquisa de avaliação feita na Conferência de Rosário. Essa discussão levantou muitas idéias para a próxima conferência e para o desenvolvimento de programas da IAMSCU e suas relações. Foi mencionado que os futuros palestrantes e os participantes de painéis devem apresentar, por escrito, seus discursos em tempo não inferior a 30 dias antes do evento. Não foram muitas as instituições dos Estados Unidos que participaram das conferências da IAMSCU, mas aquelas que o fizeram começaram a promover programas de intercâmbio de alunos e professores. Relatórios regionais foram, então, apresentados ao conselho, sobre as atividades das instituições metodistas e aquelas vinculadas ao metodismo na América Central,

50
América do Sul, África, Ásia, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos. O comitê de educação do WMC também apresentou um relatório ao conselho, destacando, entre outras questões, que estava "mantendo um diálogo constante com a IAMSCU a fim de definir e diferenciar o nosso trabalho" (IAMSCU 2009, Anexo 7, 3). O relatório demonstrava que muitas das atividades do comitê de educação do WMC se sobrepunham às da IAMSCU, mas afirmava que a Associação tinha "a sua especificidade de trabalho com instituições de ensino secular, tendo o CE, como foco, a educação em geral a nível de Igreja". O conselho também recebeu um relatório sobre dois seminários sobre ética empresarial no mundo sem fronteiras criado pela internet. Os seminários, conhecidos como iBiZ2008 e iBiZ2009, foram realizados pela Aoyama Gakuin University, e realizados em Honolulu e Tóquio, respectivamente. Dirigentes da IAMSCU participaram como oradores no segundo evento. Um longo período de discussões foi dedicado a uma análise da evolução na área de intercâmbio de estudantes. Os participantes trouxeram informações sobre o que estava acontecendo entre várias instituições e países. O consenso é que houve algum progresso, mas seria necessário abordar outras questões relacionadas com a organização de uma equipe central para promover esses intercâmbios, a necessidade de maior flexibilidade por parte das instituições, a gestão do programa e problemas com os idiomas. Os membros do conselho foram também convidados a se envolverem no programa. A diretoria foi informada sobre uma proposta para a redução das comissões do WMC, o que eliminaria o comitê de educação, como resultado de pressões provenientes de igrejas membros do conselho. Após uma longa discussão, foi decidido enviar uma mensagem para o WMC, resumida na afirmação de que "enquanto nós podemos compreender a necessidade de aperfeiçoamento e consolidação da estrutura organizacional (do WMC), acreditamos que a causa da educação é tão importante para o movimento Wesleyano que deve ser especificamente representada na estrutura organizacional do Concílio Mundial Metodista" (IAMSCU 2009, 7). Afirmava, ainda, que essa seria uma decisão inoportuna para o futuro dos empreendimentos educacionais mundiais metodistas. Um relatório do MGEFLD também foi levado ao conhecimento do conselho. Foram compartilhadas informações sobre como o Fundo tinha ajudado as instituições em diversas regiões, especialmente na América Latina e África. Foi dada ajuda ao programa de intercâmbio, mas era necessário garantir um alto padrão de qualidade. A esperança era de que a ferramenta de auto-avaliação apresentada em Rosário fosse eficaz para identificar os padrões de cada instituição, a serem apresentados à IAMSCU, em um relatório, em 2011. Como Bradley Fenner havia renunciado ao cargo de membro do conselho, devido ao fato de não ser mais o diretor de uma escola relacionada ao metodismo na Austrália, tendo se mudado para a Nova Zelândia onde se tornou o diretor de uma escola anglicana, foi iniciada uma discussão sobre a necessidade de recompor o conselho. Várias

51
recomendações foram feitas e o presidente decidiu nomear um comitê de nomeação. Ao receber o seu relatório, o conselho aprovou a nomeação de Masayuki Ida como vicepresidente e Sergei Nikolaev como membro do comitê executivo. O conselho também decidiu entrar em contato com Lupita Salmon, David Runia, David Puloka e a presidente da Ewha Womans University como potenciais membros do conselho, tendo sido considerados aprovados os seus nomes se eles aceitassem o convite. O planejamento para a próxima Conferência da IAMSCU foi o principal item de discussão da agenda. Depois de muitos debates, o conselho aceitou o convite da Shenandoah University, nas proximidades de Washington DC, nos Estados Unidos, como o local sede da Conferência conjunta com a NASCUMC, que promoveria sua reunião de 24 a 27 de julho de 2011. Estava claro para a diretoria que seria necessário organizar a conferência de tal forma que ela continuaria a ser verdadeiramente internacional e não dirigida para os Estados Unidos. Depois de muita discussão sobre possíveis temas - uma ética global, liderança, financiamento, educação de qualidade, a Igreja e o relacionamento institucional, os desafios atuais e cidadãos responsáveis - o tema principal da Conferência foi escolhido: Educação Metodista: Preparando Líderes com Princípios para os Desafios Globais (IAMSCU 2009, 9). Seguiram-se discussões sobre sub-temas, oradores convidados, programa, metodologia, participação de estudantes e outras questões. Outro item importante da agenda foi a discussão sobre o plano estratégico da IAMSCU. Ele havia sido aprovado em 2004 e revisto em 2008. Os conselheiros estavam muito preocupados com as questões de infraestrutura e com o pagamento das anuidades. Várias idéias foram apresentadas sobre como estruturar uma campanha para promover a IAMSCU e levantar os recursos necessários para cobrir suas necessidades. Os membros foram organizados em duas subcomissões, uma para tratar de assuntos de adesão e outro para aperfeiçoar as propostas que tratavam sobre a Conferência. O encontro seguinte do conselho seria em 5 e 6 de fevereiro de 2010, possivelmente na Alemanha, Panamá, San Juan (Porto Rico) ou Havaí.

Honolulu, Havaí, 2010, reunião do Conselho de Diretores
Projeto piloto testará programa internacional de intercâmbio de estudantes
Novo encontro do conselho de diretores ocorreu em Honolulu nos dias 5 e 6 de fevereiro de 2010 (IAMSCU 2010, 1-10). O relatório financeiro foi aprovado, novamente com a preocupação de que o número de escolas não pagantes da taxa anual de US$ 100 continuava muito alto. Foi discutida a possibilidade de que membros do conselho enviassem mensagens às instituições de suas respectivas regiões sobre o pagamento das taxas.

52

Membros do conselho de diretores - Honolulu, Havaí, 2010

O programa de intercâmbio para estudantes, caracterizado como “a primeira oferta significativa da IAMSCU” pelo presidente Ted Brown, foi amplamente debatido durante o encontro. Sua base seria a utilização de uma rede ampla, onde cada instituição
tivesse um dirigente de Intercâmbio, responsável pelo marketing e que trabalhasse com os alunos que iriam, bem como recebendo estudantes de outras instituições. A base de financiamento de intercâmbio seria mínima. O estudante deveria pagar a matrícula na instituição de origem e o hospedeiro deveria estar disposto a receber aquele aluno sem taxa de intercâmbio.

Foi aprovado que um piloto da proposta seria desenvolvido em algumas instituições e havia a possibilidade de que o programa fosse o grande anúncio a ser feito durante a Conferência de 2011, já com a presença de estudantes selecionados pela rede. O relatório sobre o MGEFLD, apresentado por Yamada, foi distribuído e Bigham destaca que “a coisa maravilhosa é que os fundos disponibilizados foram dobrados quando distribuídos para várias áreas do mundo e trabalhados pelas instituições”. A ênfase dos projetos financiados pelo Fundo, tanto na América do Sul quanto na América Central, vinculam-se à melhoria da qualidade. Relatórios regionais foram apresentados sobre a América Central, África, Japão, Coréia, Reino Unido, Brasil, Estados Unidos e Austrália. O comitê de educação do WMC, através de seu presidente Amós Nascimento, também apresentou o relato de seus trabalhos, indicando que agora atua com três sub-comitês: educação, formação espiritual e levantamento de fundos. Parte do encontro foi destinada ao planejamento da Conferência de 2011. O convite feito pela NASCUMC para que a conferência fosse realizada juntamente com seu encontro anual foi aceito. Ela deverá ocorrer em Washington DC, em julho, embora a decisão sobre o local não tivesse sido concluída. Para Brown, “[...] ter uma Conferência conjunta pode facilitar a inclusão das instituições da NASCUMC na IAMSCU". A previsão é de que o encontro conjunto deverá reunir cerca de 60 dirigentes da NASCUMC e 150 da IAMSCU.

53
O fato da IAMSCU estar comemorando seus 20 anos foi lembrado como oportunidade para melhor divulgá-la, assim como seus benefícios e a amplitude de sua atuação. Várias questões relativas à programação foram debatidas: a inclusão de atividade específica para estudantes pré-universitários e o debate de como jovens metodistas podem agir como lideranças. Foram sugeridos nomes de lideranças mundiais que têm utilizado a educação para alavancar o desenvolvimento para serem convidados como conferencistas, sendo lembrados, entre outros, o bispo africano Desmond Tutu, a presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf, a secretária de Estado Hillary Clinton, os ex-presidentes Bill Clinton e Jimmy Carter e a Diretora da Haiti School, entre outros. Para ocupar a vaga deixada por Bradley Fenner foi eleito para o conselho de diretores Philip Stewart, diretor e coordenador de intercâmbios da Westminter School, Austrália.

Rio de Janeiro, Brasil, 2011, reunião do Conselho de Diretores
Apresentada pesquisa sobre 20 anos da IAMSCU

Rio de Janeiro, Brasil, 2011, encontro do conselho de diretores

O encontro do conselho de diretores realizou-se entre 3 e 5 de fevereiro no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. No ano em que a IAMSCU comemora seus 20 anos, a entidade retornou justamente ao Brasil, país onde realizou sua primeira Conferência, praticamente iniciando as atividades internacionais em 1996. Foi recebido o relatório financeiro do período anterior e, em seguida, em seu primeiro dia (4-2-11), foram apresentados os relatórios regionais sobre a America Central, África, Japão, Índia, Reino Unido, Estados Unidos, América Latina (ALAIME). Ken Yamada, coordenador do MGEFLD, relatou o progresso e recursos destinados aos continentes. Alguns dos exemplos por ele citados: na África, o Fundo permitiu a “conclusão do prédio do Instituto da Paz, Liderança e Governança na Africa University e a conclusão da ligação em fibra ótica da internet no Learning Center Maputo em Moçambique”, entre outros projetos. Na Ásia, viabilizou a “conclusão da avaliação da infraestrutura educacional e tecnológica

54
das necessidades da missão Metodista Unida no Vietnã e Camboja, da Ohio West Annual Conference”. Na Europa, o Fundo “auxiliou o conselho diretor e a administração das questões jurídicas e financeiras do Moscou United Methodist Theological Seminary. Prestou assistência no sentido de criar um novo modelo para viabilidade e sustentabilidade financeira”. Houve também informações sobre projetos desenvolvidos na América Latina e EUA. A seguir o presidente do comitê de educação do WMC, Amós Nascimento, apresentou seu relatório. O conselho recebeu o relatório inicial da pesquisa sobre os 20 anos da IAMSCU – A EDUCAÇÃO É NOSSO MUNDO - visão retrospectiva da IAMSCU e suas perspectivas – desenvolvida pelo Centro de Pesquisa e Documentação de Piracicaba, de acordo com a proposta aprovada pela IAMSCU/MGEFLD, e apresentada por seu coordenador, Almir de Souza Maia. A versão inicial do relatório, em CD, foi distribuída aos presentes e alguns exemplares impressos foram entregues aos presidentes de entidades. O coordenador da pesquisa solicitou aos membros do conselho de diretores que encaminhassem eventuais observações e contribuições para o seu aperfeiçoamento. A versão final do relatório será distribuída em CD aos participantes da 6ª Conferência, em Washington DC. Os presentes aprovaram a iniciativa, registrando a importância da publicação. A reunião do dia 5 de fevereiro foi dedicada ao planejamento da 6ª Conferência da IAMSCU, a realizar-se conjuntamente com o Seminário Anual da NASCUMC, em Washington DC, entre 24 e 28 de julho.

Washington, DC, EUA, 2011: 6ª Conferência da IAMSCU
Tema: Educação Metodista: preparando líderes com princípios para os desafios globais

A 6ª Conferência da IAMSCU será realizada em Washington, DC, EUA, de 24 a 28 de julho de 2011. O encontro terá um significado especial, pois está sendo convocado dentro do contexto da celebração do vigésimo aniversário da IAMSCU e com a participação da NASCUMC. Essa é a primeira vez que as duas organizações se reunirão e permitirá a discussão especialmente eficaz do tema central da Conferência por um número maior de educadores metodistas. A Conferência será oficialmente aberta com um processional acadêmico na Catedral Nacional de Washington no dia 24. Nos dias seguintes, o tema (Educação Metodista: preparando líderes com princípios para desafios globais) será abordado através de subtemas, como sustentabilidade e meio ambiente, pobreza e saúde, justiça social. Várias

55
iniciativas de intercâmbio e o plano estratégico da IAMSCU também serão discutidos. O contexto de Washington será utilizado para eventos especiais e palestrantes de todo o mundo farão desta Conferência de 20º aniversário um evento histórico para os educadores metodistas, conforme programação a seguir.

Methodist Education: Preparing Principled Leaders for Global Challenges
The W Hotel Washington DC
Sunday, July 24, 2011

800 830 900 1200 1430 1500 1630

Breakfast for NASCUMC New CEOs and Spouses NASCUMC New CEO Orientation REGISTRATION NASCUMC New CEO Orientation adjourns Rehearsal of Principles Registration Closes Opening Convocation (NOTE: Full Academic Regalia Requested) Speaker: Dr. James T. Laney, former ambassador of the United States to Republic of Korea and President Emeritus of Emory University, USA Reception

TBD Studio 2 Studio Pre-function

Washington National Cathedral

Washington National Cathedral

1900

Altitude

Monday, July 25, 2011 Preparing Principled Leaders 700 700 815 Breakfast Buffet NASCUMC Board of Directors Breakfast Worship and Plenary Speaker: Dr. Diana Chapman Walsh, President Emerita, Welleley College, USA Break Plenary Resumes Panel Facilitator: Dr. Jan Love, Candler School of Theology, Emory University, USA Panelists: • Dr. Hiromi Nagao, Hiroshima Jyogakuin University, JAPAN Great Room Pre-function Area Studio 1 Great Room

1000 1030

Great Room Pre-function Area Great Room

56 Dr. Marcio de Moraes, Universidade Metodista de Sao Paulo, BRAZIL • Rev. Dr. J. C. Park, Methodist Theological Seminary, KOREA Lunch/Small Groups International Listening Session Educational Opportunities/Tours •

1200 1330

Altitude Great Room Washington, DC, City Highlights Tour (free of charge – must be registered in advance) or Explore Washington on your own

Tuesday, July 26, 2011 Sustainability and the Environment 700 815 Breakfast Buffet Worship and Plenary Speaker: Dr. Tony Cortese, co-founder of the Association for the Advancement of Sustainability in Higher Education (AASHE), USA Break Plenary Resumes Panel Facilitator: Dr. Mark Davies, Oklahoma City University, USA Panelists: • Dr. Paul J. Fonteyn, Green Mountain College, USA • Dr. Jake Schrum, Southwestern University, USA • Dr. Amos Silva do Nascimento, University of Washington, Tacoma, BRAZIL/USA • Dr. Pamela Machakanjap, Africa University, AFRICA Lunch NASCUMC Business Meeting (For NASCUMC CEOs Only) Educational Opportunities/Tours Reception Great Room Pre-function Area Great Room

1000 1030

Great Room Pre-function Area Great Room

1200 1200

Altitude Studio 2 Mount Vernon (Home of President George Washington). TBD

1800

Wednesday, July 27, 2011 Poverty/Health 700 815 Breakfast Buffet Worship and Plenary Speaker: Ambassador Ibrahim Gambari, UN Deputy General Secretary Great Room Pre-function Area Great Room

57 1000 1030 Break Plenary Resumes Panel Facilitator: Bishop Emerito P. Nacpil (retired), MANILLA Panelists: • Dr. Elizabeth Charles, Isabella Thoburn College, INDIA • Dr. Valerie Montgomery-Rice, Meharry Medical College, USA • Dr. Douglas Meeks, Vanderbilt University, USA Lunch IAMSCU Business Meeting Speaker: Dr. Almir de Souza Maia, Centre for Documentation and Research, BRAZIL Educational Opportunities/Tours Great Room Pre-function Area Great Room

1200 1330

Altitude Great Room

1330

Explore Washington, DC, on your own.

1900

Banquet Speaker: Dr. James E. Winkler, General Secretary, United Methodist General Board of Church and Society, USA Thursday, July 28, 2011 Social Justice

Altitude

700 830

Breakfast Buffet Plenary Speaker: Dr. Azar Nafisi, Iranian academic and bestselling author, IRAN/USA Break

Great Room Pre-function area Great Room

930 945

Great Room

Plenary Resumes Great Room Panel Facilitator: Dr. Rukudzo Murapa, Vice Chancellor (retired), Africa University, AFRICA Panelists: • Ms. M. Garlinda Burton, Commission on Status of Women, USA • Dr. Kah-Jin Jeffrey Kuan, The Theological School, Drew University, USA • Rev. Guillermo Yoshikawa, Headmaster of the Methodist Colegio America, Callao High School and Peruvian Methodist Church President, PERU

58 1045 1130 Youth Program Report to Plenary Worship and Parting Communion Preacher: Bishop James E. Swanson, Sr., Holston Annual Conference, USA Adjourn Great Room

1230

O movimento promissor continua
É certamente impossível resumir em poucas páginas 20 anos de desenvolvimento de uma associação internacional como a IAMSCU. Cada uma das reuniões do conselho de diretores ou de suas conferências internacionais foi um acontecimento em si. Horas e horas de discussões e intervenções, mais as mil idéias colocadas em muitos discursos ou trocadas, tanto em grupos de trabalho em ocasiões formais ou nos intervalos das reuniões que muitas vezes são os lugares onde as coisas realmente acontecem! - exigiria um grande número de volumes escritos ou fitas gravadas. As descrições feitas até aqui são uma mera recuperação de muitos momentos e decisões importantes que aconteceram durante esses anos, como uma amostra e um gostinho do que aconteceu. Espera-se que elas sejam um retrato do que a IAMSCU veio a ser desde a sua fundação e que sirvam como uma introdução à sua história nos próximos anos, preparando a Associação para enfrentar os desafios que a aguardam. Duas décadas depois daquele pequeno começo em Singapura, em 1991, a pequena semente plantada já cresceu para se tornar uma árvore imensa. As 100 instituições citadas naquele momento são agora 775. O movimento promissor está acontecendo. Seu futuro depende de uma avaliação cuidadosa do que tem sido feito, com uma visão ousada de seu potencial e sábias decisões que devem ser tomadas em futuro próximo.

59

6
AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS

20 anos depois da criação da International Association of Methodist Schools, Colleges, and Universities (IAMSCU), este é o momento para comemorar, documentar, analisar e ter um olhar retrospectivo crítico que leve em conta a perspectiva daqueles que contribuiram, de alguma forma, para o sonho de criação da Associação ou que tenham contribuído para a IAMSCU em diferentes momentos. Um dos objetivos deste projeto de pesquisa é proporcionar esta reflexão e análise. Para esse fim, ouvimos alguns líderes que são parte dessa história: seus três presidentes, os membros do conselho de diretores e outros colaboradores ligados à Associação. São pessoas que viram o crescimento da IAMSCU e testemunharam os desafios enfrentados para torná-la uma Associação reconhecida, com a qual as escolas metodistas acabariam por se identificar. Quais foram as características da IAMSCU nesses 20 anos? Quais foram suas principais contribuições? Por que não teriam alguns dos seus programas e projetos sido concluídos? Por que alguns programas nunca foram propostos ou implementados? Qual foi o fator fundamental que levou o número de instituições metodistas filiadas à IAMSCU a crescer de forma tão significativa? O que se segue é uma avaliação feita com base em respostas a questionários enviados a muitos dirigentes da educação metodista no mundo, bem como entrevistas conduzidas pelo coordenador deste projeto de pesquisa. Roger Ireson, o primeiro presidente da IAMSCU (1991/2002), lembra que um dos pontos que chamaram a sua atenção, no momento das primeiras conversas com educadores internacionais, antes da criação do comitê de educação do Concílio Mundial Metodista (WMC) e da IAMSCU, foi o fato de que a educação não era muito enfatizada pelo metodismo mundial. Apesar do histórico compromisso wesleyano com com a educação, nenhum intercâmbio tinha sido iniciado, nem mesmo entre as escolas americanas e britânicas, em tempos em que o conceito de globalização estava começando. Pensar, portanto, em um organismo capaz de lidar com a educação metodista em uma dimensão internacional era certamente uma proposta ousada (Ireson 2010). É assim que Ted Brown, o terceiro presidente da IAMSCU (2008/2011) e reitor do Martin Methodist College, em Pulaski, TN (EUA) analisa a decisão:

60
A IAMSCU foi uma experiência corajosa. Imagine colocar junto, em torno de um bem comum, um grupo tão diverso e disperso de instituições - que empreendimento incrível. Penso naqueles que assumiram esse desafio maravilhoso como verdadeiros pioneiros. Claro, eles tinham os valores educacionais Wesleyanos sobre os quais construir e uma conexão com o Concílio Mundial Metodista, a partir do qual ganhavam forças. E eles tinham fé (Brown 2010).

Almir Maia, um dos fundadores da IAMSCU, membro do conselho de diretores (1998/2008), seu vice-presidente (2005/2008) e reitor (1986/2002) da Universidade Metodista de Piracicaba, Brasil, acredita que, ainda que tenha sido tardia,
a criação de IAMSCU também abre novas perspectivas para aumentar e reforçar a presença da educação metodista em tempos de globalização. Seus objetivos são baseados na compreensão da missão metodista e da filosofia que inspirou gerações de educadores de todo o mundo. Este testemunho é dado pela presença significativa e desempenho de uma rede de centenas e centenas de escolas, faculdades e universidades ao redor do mundo. É papel da IAMSCU estimular, propor e organizar programas alternativos, projetos e atividades para esta rede de educação global (Maia 2010).

Rukudzo Murapa, o segundo presidente da IAMSCU (2002/2008), ex-vice-chanceler da Africa University (1998-2007), concorda que, passados os primeiros 20 anos da Associação, quando ela entra em um período de sustentatibilidade e crescimento, é necessário voltar seu esforço para “agregar valor à realização da missão das instituições que a integram”. Entre outros pontos, com a criação de uma rede forte de programas de intercâmbio, oportunidades de publicação e pesquisas conjuntas (Murapa 2010). Mas este foi, paradoxalmente, o maior desafio e a contribuição da IAMSCU em todos esses anos: criar a base de uma rede que envolva as instituições metodistas, para facilitar a sua proximidade e estabelecer canais de diálogo e de identificação. Esta é uma opinião reforçada por Brown: "O que poderia ser mais importante para a IAMSCU do que proporcionar um local [as Conferências] onde os líderes metodistas de ensino podem se reunir em torno de temas importantes para discussão significativa? Essa tem sido a nossa principal missão” (Brown 2010). John Barrett, outro dos fundadores da IAMSCU, seu vicepresidente (1991/2001), membro do seu comitê gestor e do conselho de diretores (1991/2005), primeiro presidente do comitê de educação do WMC (1991/2001) e, atualmente, presidente do comitê executivo do WMC, ressalta o fato de que a entidade tem incentivado as instituições a pensar sobre o que significa ser uma escola ou faculdade

61
relacionada ao metodismo: “Isso é especialmente importante porque, embora as fundações tenham existido por muitos anos, tem havido uma tendência para elas se afastarem de sua missão original e central (em alguns casos, deliberadamente, em outros sem perceber)". Trazendo consigo a ampla perspectiva derivada de seus muitos anos de experiência como educador no Reino Unido e como atual reitor da Anglo-Chinese International School em Singapura, afirma Barrett que a IAMSCU realmente "tem proporcionado orientação para incentivar a igreja, a nível mundial, a pensar sobre como apoiar as escolas e faculdades e também a refletir quando se pretende estabelecer novas escolas" (Barrett 2010). Amós Nascimento, presidente do comitê de educação do Concílio Mundial Metodista (2006/2011) e membro do conselho de diretores da IAMSCU (2007/2011), acredita que,
de modo geral, o papel global da IAMSCU e do EC-WMC é o de aproveitar o contexto atual de processos globais e colocar em prática essa visão histórica. Em certo sentido, essas iniciativas são um tanto tardias, mas ainda assim relevantes, tendo, porém a necessidade de compensar o tempo perdido, refletir sobre as experiências históricas, e promover ações que atualizem a visão Wesleyana (Nascimento 2010).

Em ambos os casos, é possível observar não só o otimismo em relação ao futuro da organização, mas também uma perspectiva crítica, indicando os processos que precisam ser considerados como possíveis obstáculos para o desenvolvimento da IAMSCU e que ainda permanecem como importantes desafios para a organização. Estas são opiniões que agora estão apontando para vários tipos de análises. Depois dos primeiros 10 anos da fundação da IAMSCU foi Ireson quem, pela primeira vez, fez uma avaliação sobre a entidade:
o movimento metodista encontrou um novo e poderoso instrumento com a International Association of Methodist Schools, Colleges, and Universities. Através desta Associação educadores e estudantes de todo o mundo têm sido unidos por um propósito comum. De muitas maneiras, a Associação realiza a esperança de Wesley de que os alunos seriam instruídos na "religião e aprendendo juntos" (Ireson 2003).

O intercâmbio e as relações que se desenvolveram entre as instituições de ensino são, certamente, algumas das questões mais valorizadas entre todos aqueles que recentemente, participaram da vida da IAMSCU de forma mais intensa. Das menores às maiores instituições isso é algo que fala para a comunidade como um todo, incluindo professores, docentes, alunos e funcionários. As respostas às entrevistas e questionários são unânimes: muitas pessoas e instituições se beneficiaram muito com esse intercâmbio e a aproximação entre as escolas, sejam eles decorrentes das relações pessoais ou institucionais.

62
Rui Josgrilberg, reitor da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista no Brasil (1983/1997, 2002/2010), destaca a grande importância da IAMSCU em seu papel de despertar a consciência da identidade Wesleyana nas escolas.

Creio que a IAMSCU foi decisiva na conscientização de nossas instituições no Brasil, na América Latina e no mundo de sua identidade Wesleyana, suas raízes desde Kingswood e da perspectiva teológica e missionária em relação à educação, essa com dimensão soteriológica no pensamento Wesleyano. As temáticas globais foram mais enfaticamente discutidas em perspectiva coerente com nossa filosofia (Josgrilberg 2010).

Este ponto é complementado por Claudia Lombardo, uma educadora argentina, presidente da ALAIME (2007/2011) e com experiência em três instituições vinculadas ao metodismo na Argentina (Juana Manso School e Instituto Universitario ISEDET, em Buenos Aires, e a Universidad del Centro Educativo Latinoamericano em Rosário). Ela concorda com Josgrilberg, embora com uma IAMSCU colabora com ênfase diferente. "A o desenvolvimento do trabalho de nossas instituições, com a

construção permanente de nossa identidade metodista e o perfil que as nossas instituições devem desenvolver para dar permanentemente um testemunho cristão” (Lombardo 2010). Uma posição semelhante é expressa por Job César Romero Reyes, reitor da Universidad Madero, no México, e membro do conselho de diretores (2005/2008). Ele acrescenta que a IAMSCU tornou possível descobrir que cada escola metodista não é um esforço isolado, mas integra um grande projeto educacional, social e espiritual (Romero 2010). Conforme afirmam os depoimentos acima, o impacto das atividades da IAMSCU foi sentido, mais fortemente, em uma dimensão local em várias partes do mundo, destacando a pluralidade de pontos de vista compartilhados. Masayuki Ida, professor de administração da Aoyama Gakuin University, no Japão, e vice-presidente da IAMSCU (2008/2011), destaca que: “dezenas de escolas metodistas no Japão têm agora a oportunidade de pensar no nosso futuro" (Ida 2010). No Zimbábue, Murapa demonstra claramente a esperança de que a entidade irá facilitar a criação de uma organização regional de escolas metodistas para que umas apoiem as outras e sejam capazes de desenvolver melhores líderes.
Os últimos anos testemunharam a proliferação de instituições metodistas de ensino superior em muitas Conferências africanas. A IAMSCU poderia desempenhar o papel de unir essas instituições em uma associação africana,

63
como a NASCUMC, nos Estados Unidos, para que elas possam aprender umas com as outras e partilhar recursos, tais como pessoal, material didático, etc. (Murapa 2010).

Bradley Fenner era muito ativo na IAMSCU, a ponto de se tornar seu vice-presidente (2008/2009) durante seu mandato como diretor da Westminster School, na Austrália. Ele toca em outro ponto-chave sobre o papel da IAMSCU, que identifica como o alcance da Associação para permitir a união de pessoas de diversas origens e culturas:
em meus oito anos de envolvimento com a IAMSCU, nunca deixei de ser inspirado pelos encontros e eventos de que participei. Embora os processos formais, o planejamento, iniciativas e conferências tenham sido muito interessantes, eu também gostava da inspiração de encontrar outras pessoas que trabalham na educação metodista. Simplesmente por ouvir as histórias de algumas pessoas maravilhosas eu voltava para o meu próprio trabalho renovado e revigorado. Também tem sido recompensador e gratificante ver a forma como as pessoas de origens muito diferentes foram reunidas por seu compromisso com a educação dentro da tradição metodista (Fenner 2010).

.

Esta experiência de estar perto de pessoas de países diferentes, unidas por um compromisso metodista com a educação, foi destacada por Ovídio Torres, reitor da Universidad del Centro Educativo Latinoamericano, de Rosário, Argentina, que também foi um dos fundadores da IAMSCU e membro do comitê gestor e do conselho de diretores (1991/2005, 2007/2011): “[...] a internacionalização abriu

novas

fronteiras

e

nós expandimos a nossa missão: novos amigos apareceram e eles

enriqueceram o nosso conhecimento" (Torres 2010). Brown também se baseia na importância de conexões abertas pela IAMSCU para falar sobre o crescimento dos educadores metodistas.
É impossível para mim pensar a IAMSCU sem abordar a importância das suas redes informais. Enquanto as conferências e reuniões do conselho são importantes ocasiões formais, há um nível de interação informal em todo o mundo que é, pelo menos, tão importante quanto. Agora tenho amigos íntimos e colegas educadores, de cujas conexões e conselhos eu dependo. Sem a IAMSCU, meu alcance de compreensão da educação metodista seria muito mais limitado. Ainda mais significativo é que essa rede informal tem resultado em inúmeros programas que têm adicionado vitalidade ao nosso campus e nossos alunos. Por exemplo, o presidente do Seminário Metodista de Moscou, na Rússia, esteve em nosso campus [Martin College] para falar aos alunos. Esta é uma ligação que teria sido difícil, senão impossível, sem a IAMSCU (Brown 2010).

Brown apresenta uma série de exemplos que indicam claramente como as conexões criadas através da IAMSCU tiveram um impacto profundo nos campi em todo o mundo. Ele exemplifica dizendo que acordos e intercâmbios entre diversas instituições confirmam a sua opinião. Por exemplo, durante a década de 1990, a Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Brasil, aproveitou essas conexões para levar membros da IAMSCU ao seu

64
campus e criou programas de estudo no exterior, nos Estados Unidos, em parceria com instituições como Emory & Henry College e Evansville University, bem como visitas e contatos com acadêmicos da Duke University e Emory University. Da mesma forma, a Universidad del Centro Educativo Latinoamericano, de Rosário, Argentina, tornou-se um centro para o estudo de espanhol, atraindo estudantes de instituições vinculadas ao metodismo ao redor do mundo. Essas opiniões são reforçadas por Wanda Bigham - membro do conselho de diretores (1998/2003, 2005/2011) e secretária/tesoureira (2005/2010) da IAMSCU, secretária-geral adjunta da GBHEM (2003/2010) e secretária-geral adjunta interina da Divisão de Educação Superior da GBHEM (out.2005-jan.2006, set.2008-jun.2010) - que avalia os benefícios oferecidos às instituições vinculadas à IAMSCU e suas comunidades:
os benefícios têm sido grandes [...] e incluem amizade e parceria entre metodistas de todo o mundo; o intercâmbio de docentes, administradores e estudantes, aumento da compreensão de nossas diferenças e os pontos em comum; o orgulho de nossas realizações conjuntas, o compartilhar de idéias e projetos comuns (Bigham 2011).

De fato, havia a expectativa de que a IAMSCU atuaria como uma agência de informações, capaz de tornar possíveis os intercâmbios, abrir canais para negociações, facilitar os acordos e, ainda, identificar fontes de financiamento para os seus membros, acompanhando as bolsas que ajudou a criar. Segundo Marcio de Moraes, diretor superintendente do COGEIME (2009/2011) e membro do conselho de diretores da IAMSCU (2009/2011),
a IAMSCU tem procurado, nesses 20 anos, aproximar e promover a cooperação entre as IME espalhadas pelo mundo, mas entendo que não conseguimos ainda tornar esse desafio uma realidade. Falta-nos uma gestão dos talentos nas diferentes IME e, também, estabelecermos ‘metas factíveis, ainda que aparentemente pequenas’ para promover o intercâmbio/mobilidade efetivos de discentes e docentes, além de pessoal técnico-administrativo (Moraes 2010).

De fato, muitos reitores partilham esta mesma expectativa que, certamente, será uma questão importante no futuro. As universidades estão ligadas a muitas outras instituições e precisam, não só definir as suas prioridades, mas também mostrar resultados positivos para os seus dirigentes, estudantes e comunidade, assim a IAMSCU será desafiada a fornecer uma variedade de novos programas no mundo inteiro. Um dos motivos mais apontados para impedir que isso aconteça com alguma eficiência é a falta de conhecimento sobre a IAMSCU que ainda predomina entre as instituições de todo o mundo. Muitos dos líderes consultados nesta pesquisa afirmaram que a entidade não é suficientemente conhecida pela maior parte da comunidade metodista internacional.

65
Gerald Lord, secretário-geral adjunto do GBHEM (2009/2012), diz que não tinha informações detalhadas sobre a IAMSCU. Ele lembra que trabalhou por dezenove anos no registro das instituições da Igreja ao longo de quase todo os Estados Unidos. "Eu tenho que dizer que, ao meu ver, (IAMSCU) não é bem conhecida [...] Eu não tenho certeza de que é comumente conhecida e compreendida, mesmo entre as instituições metodistas" (Lord 2010). Longe dos EUA, Murapa diz que até sua eleição como presidente, "um grande número de instituições vinculadas com o metodismo nunca tinha ouvido falar da IAMSCU" (Murapa 2010). E Luis de Souza Cardoso, secretário-executivo do COGEIME (2008/2009), e vice-presidente de ALAIME, confirma essa preocupação.
Surpreende-me, por exemplo, o fato de que muitas instituições metodistas não sabem ou não prestam atenção à existência da IAMSCU. Primeiro, eu acho que nós precisamos encontrar uma maneira de dar maior visibilidade para a organização. Isso poderia ser feito através de ações que são relativamente simples, baratas e fáceis de gerir, como a criação de um boletim informativo ou jornal online. É também fundamental para a identidade da IAMSCU ter o seu próprio website (Cardoso 2010).

Este é um desafio que fica mais forte quando se pensa sobre os novos temas e agendas de debate em todo o mundo. Segundo Ely Eser Barreto César, ex-vice-reitor acadêmico da Universidade Metodista de Piracicaba, que foi também membro do comitê executivo do World Methodist Council (1981/2002) e membro do conselho de diretores da IAMSCU (1991/2005),
caberia à IAMSCU desenvolver programas, possivelmente em parceria com uma ou mais instituições locais, que operassem como antena para captar parte desta agenda global e os repercutisse, quer em associações regionais de IES quer em instituições específicas que a compõem, visando a induzir o conjunto da rede educacional metodista no mundo contribuir para reforçar a agenda global do desenvolvimento humano. Se a IAMSCU conseguir gerar um ambiente de compromisso global nos processos de pesquisa e de formação de profissionais ou pesquisadores, estaremos, como intituições seculares, respondendo aos desafios seculares presentes no projeto wesleyano do século XVIII (César 2010).

Nascimento, com uma perspectiva internacional, indica projetos que poderiam ser desenvolvidos de uma forma prática: uma política de comunicação que garantisse maior visibilidade à IAMSCU, inclusive junto às Igrejas, em relação aos seus eventos; a ampliação da composição do seu conselho de diretores para assegurar a representação dos estudantes, professores e técnicos das instituições membros, para que se sentissem mais identificados com a entidade; a oferta de serviços específicos para as instituições, da

66
organização de eventos ao apoio para programas acadêmicos e de pesquisa (Nascimento 2010). Maia, que participou de uma comissão especial para elaborar uma proposta de planejamento estratégico para a IAMSCU em 2004, reafirma a importância de refletir sobre o futuro da organização em um planejamento estratégico de longo prazo. Além de destacar as questões que precisam ser enfrentadas para a institucionalização da IAMSCU - como a legitimidade, a sustentabilidade, a operacionalização, capilaridade e autonomia - ele insiste na importância de uma coordenação com as organizações regionais. "A IAMSCU deve pensar globalmente e agir localmente, usando associações locais e regionais de educação metodista, como ALAIME, NASCUMC, COGEIME e outras a serem criadas", como declarou em 2005 na Conferência da Austrália. É no meio dessas avaliações que os ex-presidentes e executivos da GBHEM admitem que a IAMSCU não conseguiu cumprir todas as suas metas nos últimos 20 anos. Estabelecida na sede da GBHEM em Nashville, a organização sempre utilizou a infraestrutura e suporte técnico oferecidos pelo complexo Metodista. Não havia uma separação clara entre as duas organizações, porque, por muitos anos, uma única pessoa ocupava cargos executivos na GBHEM e na IAMSCU e porque as atividades de ambas as organizações foram estreitamente relacionadas. “A GBHEM teve um papel efetivo no desenvolvimento da IAMSCU desde o seu início. Eu acredito - e lamento isso - que seria muito importante se eu tivesse sido mais ousado e tivesse tentado estabelecer [...] uma equipe de pessoas dedicadas apenas à IAMSCU”, diz o ex-secretário geral conselho de diretores da IAMSCU (2005/2008) (Del Pino 2010). Ele acrescenta que a IAMSCU se desenvolveu, ao longo de seus 20 anos de da GBHEM, Jerome King Del Pino (2001/2010), que também foi membro do

existência, sem uma equipe adequada e não teve "os recursos de que precisava para fazer tudo o que a sua missão afirma que ela devevia fazer". Murapa acredita que liderar a IAMSCU da África, onde vive, com sua infraestrutura localizada nos EUA, era uma grande limitação: "O maior desafio que eu enfrentei foi não ser capaz de trabalhar em estreita colaboração com o secretariado da IAMSCU, baseado na GBHEM em Nashville. Eu acredito que isso vai continuar a ser um sério prejuízo para um presidente da IAMSCU que não more nos EUA” (Murapa 2010). Brown volta ao passado para identificar o que ele pensa que é a solução:
por exemplo, citando apenas a idéia do programa de intercâmbio de estudantes [...] Por que não haver uma associação e formar uma rede para convidar os alunos a entrar nela e ir a qualquer lugar? Para organizar a rede você precisaria de um administrador, uma pessoa que controlasse o tráfego, nada mais. Nós dissemos inicialmente que o conselho [GBHEM] em Nashville forneceria uma

67
pessoa em tempo parcial. Talvez isso evolua para uma pessoa em tempo integral. [...] Mas, ter o conselho, em Nashville, continuando a oferecer pessoal acaba por dificultar, por tornar mais difícil para a IAMSCU se tornar o que ela precisa ser, porque nós estamos confiando, na verdade, em apenas um membro, a Igreja Metodista. [...] Nós realmente precisamos pensar em pessoal adequado para a IAMSCU e em uma estrutura que apoie uma equipe permanente. Acho que isso é digno de atenção, pois nós estamos fazendo uma reflexão de longo prazo sobre o que deve ser a IAMSCU [...] (Brown 2010).

Entretanto, por trás desses resultados encontra-se um debate maior sobre a necessária autonomia da IAMSCU, tanto em termos financeiros ou administrativos, como em relação aos recursos humanos. Isso não significa o rompimento das relações com a Igreja. Trata-se de algo que Ireson nunca questionou.
Nunca foi intenção da IAMSCU pertencer ou estar sujeita à Igreja Metodista Unida ou ao Concílio Mundial Metodista, mas trabalhar de forma cooperativa com os dois. Ficou claro desde o início que a IAMSCU seria de responsabilidade das instituições que a integram. Seus líderes e representantes seriam responsáveis por determinar o seu futuro, seus programas e sistemas de apoio. Esta independência é ainda uma meta a ser alcançada (Ireson 2010).

Não é apenas uma questão de sustentabilidade financeira, embora este seja um item que precisa ser tratado, uma vez que o sistema de uma taxa comum e anual a ser paga por todos os membros não tem sido bem sucedido e nem suficiente ao longo dos anos. Bigham é enfática quando diz que nenhuma instituição pode ser dinâmica sem recursos financeiros suficientes.
A IAMSCU não teria existido se não fosse a sua liderança e engajamento (Ireson e Yamada) e sem o pequeno orçamento e pessoal de apoio fornecidos ao longo dos anos pela GBHEM. Além da pequena quantidade de financiamento concedido pela GBHEM, os encargos são avaliados a cada ano. Os recursos adicionais fornecidos pela GBHEM, bem como aqueles conseguidos com taxas não são suficientes para desenvolver uma organização dinâmica e eficaz. [...] Tem sido objetivo da IAMSCU envolver todas as instituições metodistas e indivíduos em todo o mundo. Isso exige dinheiro (Bigham 2011).

Alguns, como Fenner, vêem a necessidade da questão financeira ser diretamente ligada às questões de administração e de pessoal:
Eu acho que a chave para o desenvolvimento do enorme potencial da IAMSCU é expandir o nível de recursos. Isso exigiria um investimento por parte das instituições e indivíduos que são apaixonados por ela e que poderiam apoiar a IAMSCU financeiramente. Mas eu acredito que um dos seus objetivos estratégicos deve ser ampliar a base financeira, para permitir que metas maiores venham a ser alcançadas. Isso deve envolver a nomeação de um diretor executivo dedicado a operar junto com um secretariado. Muitas das instituições da IAMSCU, ou seus membros em potencial, são relativamente limitadas em recursos. Unir essas instituições mais pobres às ricas, iria permitir que todas trabalhassem juntas e também permitiria assistir aquelas com menos recursos para participarem dos programas da IAMSCU (Fenner 2010).

A ênfase sobre a questão de ter recursos humanos exclusivos - especialmente um dirigente executivo em tempo integral - chamou a atenção de Maia:

68
a Associação deve funcionar plenamente e para que isso aconteça ela precisa de espaço físico e infraestrutura de trabalho e instrumental. Mais do que isso, a IAMSCU deve contar, em tempo integral, com recursos humanos de alto nível. Ela precisa, pelo menos, de um diretor executivo e do pessoal de apoio operacional correspondente.

É uma opinião compartilhada por Cardoso:
[…] não aconteceram outros projetos de maior envergadura (embora tenham sido sonhados) [...] porque faltou uma gestão mais estruturada e com tempo de dedicação necessário para isso. Por outro lado, há também que serem levadas em consideração as dificuldades econômicas de manutenção da IAMSCU. A taxa cobrada anualmente é praticamente insignificante para as necessidades que teria ao desenvolver um projeto mais arrojado de gestão da organização (Cardoso 2010).

Outros pensam, no entanto, que existem questões específicas que ainda precisam ser enfrentadas simultaneamente. Por exemplo, o surgimento de novas lideranças em todo o processo de autonomia. De que autonomia estamos falando? Murapa focaliza sua análise em seu continente de origem, mas suas palavras podem ser interpretadas mais amplamente para incluir outros países.
Nos próximos anos, um grande desafio para a educação metodista, especialmente na África, é a sustentabilidade [...] A IAMSCU pode ajudar no desenvolvimento de uma nova safra de líderes com clareza de visão, compromisso com a educação metodista e competências empresariais compatíveis com o metodismo (Murapa 2010).

Tendo em mente a história recente das relações entre as escolas metodistas e a Igreja, Lord declara: "Esta geração não teve esse tipo de compreensão intelectual e teológica sobre o ensino superior no contexto da Igreja". No entanto, esta é uma prioridade que deve ser combatida de forma eficaz, especialmente por causa das exigências que a futura autonomia pode gerar. A maneira como Ireson analisa a questão é algo que deve ser visto como um aviso:
pode estar chegando o dia - espero que não, mas em todo caso, na pior das hipóteses - quando as igrejas vão sair da área educacional e deixar as instituições livres. Naquele momento a posição da IAMSCU será crítica, por ser a única que poderá manter essas duas coisas juntas. Uma das minhas preocupações é incluir os novos dirigentes atuais das universidades na direção de trabalhar para a transição, de modo que nós não estejamos mais sozinhos (Ireson 2010).

Esses são os desafios que acompanharão os espaços a serem definidos pela educação metodista. Ninguém duvida da importância e permanência das escolas metodistas, apesar dos desafios de um mundo em transformação. É sem dúvida aí, nesse mundo em mudança, que a missão metodista de ensino deve oferecer a sua contribuição. Certamente, as escolas têm que responder rapidamente às novas questões levantadas pela sociedade no século XXI.

69
Fenner recorda que caberá às escolas enfrentar os mesmos desafios colocados para as religiões organizadas para garantir a
contínua relevância em um mundo que pode, às vezes, parecer agressivamente secular. Ao mesmo tempo, acredito que a educação metodista está bem posicionada para ter um impacto significativo, tendo em vista a tradição da Igreja Metodista de extensão, a preocupação com justiça social e valorização da educação em si. Eu acredito que há uma história que está aí para ser contada e que pode fornecer uma base válida para os nossos programas educacionais, mesmo quando envolver os alunos e as famílias que vêm de outras tradições de fé ou mesmo formações seculares e anti-religiosas (Fenner 2010).

Barrett pondera que algumas reflexões fundamentais devem ser feitas com antecedência:
o que significa ser uma instituição metodista? São elas, simplesmente, boas escolas fundadas e mantidas por metodistas, nas quais os serviços metodistas são ocasionalmente realizados? Ou há algo reconhecível e distintivo nas instituições metodistas para diferenciá-las das outras? Têm elas um espírito especial e diferenciado? (Barrett 2010).

Barreto César sugere formas para inserir as escolas metodistas nas discussões e expectativas do mundo globalizado, para que elas possam corresponder às oportunidades existentes.
os desafios se originam nos próprios processos de globalização. Tanto o Banco Mundial como a própria ONU estão priorizando, entre muitas ações, o combate à fome, à pobreza e à miséria. À medida que a sociedade mundial se sofistica, torna-se mais e mais inaceitável a indiferença das políticas globais em relação ao tema da fome. As IES de origem metodista poderiam erigir este problema como eixo de sua programação geral, estimulando a presença desta temática na formação dos diferentes profissionais, incluindo-a como elemento de diálogo em seus processos de pesquisa e na formação de seus pesquisadores em suas pósgraduações stricto sensu (César 2010).

Ele menciona também questões como a Agenda 21, adotada pela ONU, que durante mais de 20 anos conduziu a questão do desenvolvimento sustentável no centro dos debates mundiais e também deve ser incorporada aos compromissos das instituições metodistas.
Os diferentes programas das IES de origem metodista deveriam desenvolver uma crítica radical a processos educacionais e investigativos autocentrados ou concentrados em interesses exclusivamente individualistas, próprios do modelo neoliberal, tão questionado nestes tempos pós crise econômica e financeira globais que se arrasta desde 2008 (César 2010).

Estes são compromissos que a educação metodista deve abraçar, especialmente nos países em desenvolvimento, onde a educação tem muito a crescer, analisa Bigham.
A educação é a resposta para muitos dos males do mundo - pobreza, saúde precária e falta de líderes eficazes, para citar apenas alguns. Estes são, de fato, os focos identificados pela Igreja Metodista Unida para resolver problemas e atender às necessidades. Nós, educadores, temos um presente para o mundo (Bigham 2011).

70
A síntese - otimista - vem de Ken Yamada, com seus anos de experiência no trabalho com a educação metodista em todo o mundo.
[...] a comunidade educacional metodista está única e estrategicamente posicionada para fazer uma diferença notável e uma contribuição para a paz no mundo. Hoje, a educação tornou-se uma mercadoria, algo que você pode comprar. E a finalidade da educação é aumentar a capacidade de ganho. A educação deve ser civilizatória e dar a razão de ser. O novo liberalismo e a economia de mercado criaram um enorme fosso entre ricos e pobres. A educação metodista deve gerar líderes com princípios que podem servir para tornar este mundo um lugar melhor para todos viverem (Yamada 2010).

71

7
CONSTITUIÇÃO JURÍDICA
O sonho de criar uma entidade que congregasse as instituições metodistas estava acontecendo, mas era preciso dar-lhe o formato de uma organização que tivesse condição de realizar os seus objetivos. Que natureza jurídica teria essa Associação? Em que país ela seria estabelecida? Questões como essas ocuparam a atenção dos pioneiros que se dedicaram à criação da IAMSCU. Para conhecer os aspectos legais da Associação a coordenação da pesquisa entrevistou o Dr. Kent M. Weeks, Attorney at Law da Weeks, Anderson & Baker, estabelecido em Nashville, TN (EUA), que tem assessorado e acompanhado a constituição da IAMSCU desde a sua criação. Destacamos os principais pontos relacionados à sua organização e institucionalização. Ela foi criada em 1991, mas somente em outubro de 1998 foi formalmente constituída como uma Associação. Nos seus primeiros seis a sete anos de funcionamento várias questões legais ligadas à Associação, como a elaboração do estatuto e o seu registro formal, foram tratadas pelo conselho por serem fundamentais para a sua organização. De forma sintética, é possível dizer que a IAMSCU é uma Associação de instituições vinculadas à educação metodista, sem fins lucrativos, de interesse público e finalidades beneficente, educacional e científica e não tem sócios. O modelo jurídico da IAMSCU guarda relação com a The National Association of Schools and Colleges of the United Methodist Church (NASCUMC), esta de dimensão local (EUA) e aquela de dimensão global. É uma Associação independente da Conferência Mundial Metodista e de seu comitê de educação, com os quais mantém laços fraternos. A Associação recebe suporte logístico da General Board of Higher Education and Ministry (GBHEM) da United Methodist Church (EUA). A forma de filiação das instituições metodistas, e aquelas vinculadas à educação metodista, à IAMSCU é voluntária e depende da decisão da instituição em fazê-lo. Está sediada nos EUA e, de acordo com a legislação daquele país, tem o seu registro no Estado do Tennessee. Tem um estatuto e uma carta de registro como instrumentos jurídicos e, de acordo com eles, os seguintes fins: aumentar a disponibilidade de oportunidades de educação em todo o mundo; melhorar a qualidade da educação; habilitar metodistas e as instituições vinculadas à educação e tradição metodistas, a cooperar com o desenvolvimento de propostas comuns e programas de educação compartilhada; continuar, executar e desenvolver qualquer outro ato ou elemento necessário, ou pertinente, para a realização dos objetivos precedentes.

72
A IAMSCU é administrada pelo conselho de diretores, cuja candidatura é feita por indicação do comitê de indicação. O número de membros desse conselho não deve ser inferior a três e não mais de vinte. O mandato de seus membros é de três anos, podendo haver recondução de forma consecutiva até três vezes, de acordo com as disposições estatutárias. A reunião anual do conselho de diretores é realizada no último dia útil do quarto mês, após o encerramento de cada exercício social. A diretoria da Associação é composta por um presidente, um vice-presidente e um secretário/tesoureiro, eleitos pelo voto favorável da maioria dos membros do conselho de diretores. Cada dirigente é eleito para mandato de três anos. A estrutura organizacional conta, ainda, com o comitê executivo, composto pelo presidente, vice-presidente, secretário/tesoureiro e dois membros eleitos pelo conselho de diretores. O comitê executivo tem atribuições delegadas pelo conselho de diretores, que pode indicar comissões permanentes e transitórias para tratar de temas a seu critério. A IAMSCU pode levantar recursos nos EUA e utilizá-los para atender os seus objetivos. É importante destacar que o modelo de organização da IAMSCU atende à sua expansão e desenvolvimento futuros. A carta de registro (Anexo 2) é um dos documentos formais da IAMSCU e resume bem os seus aspectos jurídicos.

73

8
CONCLUSÕES
Tendo em vista os resultados da pesquisa documental realizada, e seus objetivos, é possível levantar algumas conclusões, que são pontos de partida para novas reflexões e contribuições para a IAMSCU. As conclusões são ordenadas em cinco conjuntos, como seguem.

Criação da IAMSCU
A criação da IAMSCU é unanimemente considerada uma iniciativa relevante e marco na educação metodista em todo o mundo, aproximando as instituições e fortalecendo os laços de identidade metodista entre as escolas e seus dirigentes.

Análise retrospectiva
A atuação da IAMSCU mostrou-se circunscrita à realização de alguns eventos, como as conferências, realizadas a cada três anos, reuniões anuais do conselho de diretores, publicação do Diretório, iniciativas para intercâmbios, etc. As conferências são consideradas o principal evento promovido pela Associação, com expressiva participação da liderança educacional de vários países. Cerca de 800 educadores participaram nas cinco Conferências promovidas até 2008. Ao lado delas têm ocorrido encontros de estudantes, com reduzido número de participantes e países. Ao longo dos 20 anos houve crescente número de instituições se inscrevendo na Associação. Das 100 iniciais, em 1991, elas chegaram a 775, em 70 países, em 2010. Nesse período, três presidentes - Roger Ireson, Rukudzo Murapa e Ted Brown - dirigiram a entidade e lideres de vários países integraram o conselho de diretores.

Apoio da GBHEM
Nesses anos a IAMSCU recebeu apoio estrutural, financeiro e de pessoal da GBHEM (Nashville, TN) da Igreja Metodista Unida dos EUA.

Análise avaliativa
Segundo se pode depreender da análise avaliativa das lideranças que participaram dessa pesquisa, é possível identificar na IAMSCU duas dimensões ligadas ao seu funcionamento e conceitualmente identificadas como potencialidades e fragilidades, capazes de interferirem no cumprimento de seus objetivos.

74
Potencialidades: auxiliar as instituições a definirem melhor o que é ser uma instituição metodista; fortalecer a identidade e a prática da visão wesleyana em termos globais; proporcionar, através das Conferências, a reflexão e o debate de temas relevantes para a educação metodista, o encontro de dirigentes e educadores; expandir-se legalmente em virtude de possuir um marco legal apropriado que permite espaço para isto com os necessários ajustamentos. Fragilidades: carecer de sustentabilidade e autonomia financeira; carecer de infraestrutura própria e recursos humanos exclusivos, que lhe garantam condições para desenvolver os seus objetivos; ser pouco conhecida no meio educacional metodista e demais entidades da área; ainda não conseguir aproximar e promover devidamente a cooperação entre as instituições metodistas como era expectativa inicial; não dispor de um plano diretor ou plano de desenvolvimento estratégico para a orientação de seus programas, projetos e ações; carecer de metas factíveis, mesmo que pequenas.

Análise prospectiva
Os diferentes olhares das lideranças foram além da avaliação e levantaram sugestões e propostas relacionadas às necessidades da IAMSCU que devem ser consideradas nas discussões de seu planejamento futuro. A IAMSCU precisa: institucionalizar-se em termos de sustentabilidade, legitimidade, representatividade, visibilidade, capilaridade, e autonomia; dispor de quadro básico de pessoal qualificado para atender às demandas institucionais e um executivo de tempo integral para a gestão dos programas e projetos aprovados pelo conselho de diretores; desenvolver um plano de desenvolvimento estratégico de longo prazo (10 anos); fomentar a criação de associações regionais e atuar com apoio delas; relacionar-se com as igrejas e órgãos, como o comitê de educação do WMC, ligados à tradição metodista; proporcionar o debate de temáticas comuns às associadas e da agenda mundial liderada por organismos internacionais (preservação ambiental, fome, paz, tolerância religiosa e racial, direitos humanos, sustentabilidade, entre outras); refletir sobre uma visão renovada da missão e o significado de ser uma instituição metodista; incentivar o compromisso com uma educação diferenciada e não de mercado.

75

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1ª Conferência da IAMSCU. Agenda, 7 a 9-8-1996. 2ª Conferência da IAMSCU. Agenda, 17 a 23-7-1998. 3ª Conferencia da IAMSCU. Agenda. 16 a 20-7-2001. 4ª Conferencia da IAMSCU. Agenda. 11 a 14-7-2005. 5ª Conferência da IAMSCU. Agenda, 10 a 13-7-2008. Barrett, J. (2010) Resposta ao questionário. UK. Recebido em 20-9-2010. Bigham, W. (2011) Resposta ao questionário. Alexander City, AL. Recebido em 12-1-2011. Brown, T. (2010a) Entrevista com Almir Maia. Pulaski, TN. 19-10-2010. --- (2010b) Resposta ao questionário. Pulaski, TN. Recebido em 29-9-2010. Cardoso, L. (2010) Resposta ao questionário. São Paulo, SP. Recebido em 2-11-2010. César, E. (2010) Resposta ao questionário. Piracicaba, SP. Recebido em 19-10-2010. Charter. IAMSCU, 10-10-1998. Del Pino, J. (2010) Entrevista com Almir Maia. Franklin, TN. 20-10-2010. Fenner, B. (2010) Resposta ao questionário. Auckland. Recebido em 16-12- 2010. Green, L. (2008). “Methodist educators focus on shaping future leaders”. A UMNS Report. Disponível em http://www.umc.org/site/apps/nlnet/content2.aspx?c=lwL4KnN1LtH&b= 4441053&ct=5831819&notoc=1. Acesso: dezembro, 2010. Hels, S. (1997) “Education for World Citizenship - Report of the Education Seminar”. Proceedings of the Seventeenth World Methodist Conference. WMC, 20-2-205. Ashville, TN. 1997. IAMSCU (1992) Reunião do comitê gestor, 23-9-1992. --- (1993) Reunião do comitê gestor, 5 a 7-8-1993. --- (1994) Reunião do comitê gestor, 28-9-1994. --- (1996) Reunião do comitê gestor, 9-8-1996. --- (1997) Reunião do comitê gestor, 25-3-1997. --- (1998) Reunião do conselho de diretores, 22-7-1998. --- (1999) Reunião do conselho de diretores, 25-9-1999. --- (2002) Reunião do conselho de diretores, 22-9-2002. --- (2003) Reunião do conselho de diretores, 27 e 28-7-2003. --- (2004) Reunião do conselho de diretores, 21 e 22-6-2004.

76
--- (2005a) Reunião do conselho de diretores, 29-1-2005. --- (2005b) Reunião do conselho de diretores, 11-7-2005. --- (2006) Reunião do conselho de diretores, 21 e 22-7-2006. --- (2007) Reunião do conselho de diretores, 18 e 19-4-2000. --- (2008) Reunião do conselho de diretores, 12 e 13-2-2008. --- (2009) Reunião do conselho de diretores, 6 e 7-2-2009. --- (2010) Reunião do conselho de diretores, 5 e 6-2-2010. Ida, M. (2010) Resposta ao questionário. Tokyo. Recebido em 29-9-2010. Ireson, R. (1997) Carta circular. Nashville,TN. Recebido em 19-9-1997. --- (2001) Carta circular aos reitores. Nashville, TN. 18-1-2001. --- (2003) “John Wesley and education: celebrating a unique commitment to the future”. Revista de Educação, 12. Editada pelo COGEIME, 33-46. São Paulo, jun.2003. --- (2010a) “Reflections on questions of Dr. Almir Maia”. Resposta ao Questionário. Nashville, TN. Recebido em 18-10-2010. --- (2010b) Entrevista com Almir Maia. Nashville, TN. 18-10-2010. Josgrilberg, R. (2010) Resposta ao questionário. São Bernardo do Campo, SP. Recebido em 5-11-2010. Lombardo, C. (2010) Resposta ao questionário. Rosario. Recebido em 11-10-2010. Lord, G. (2010) Entrevista com Almir Maia. Nashville, TN. 20-10-2010. Maia, A. (2009) “Educação Metodista e Desenvolvimento de Lideranças na América Latina: de experiências passadas a futuras perspectivas.” Pesquisa. Piracicaba, 2009. --- (2010) Entrevista concedida a Beatriz Elias. Piracicaba, SP. 20-11-2010. Moraes, M. (2010) Resposta ao questionário. São Bernardo do Campo, SP. Recebido em 25-10-2010. Muneto, S. (1999) “Living under A-Bomb Cloud.” Testimony. In: Reunião do conselho de diretores, Hiroshima, 25-9-1999. Murapa, R. (2010) Resposta ao questionário. Johannesburg. Recebido em 8-11-2010. Nascimento, A. (2010) Resposta ao questionário. Tacoma, WA. Recebido em 27-11- 2010. Romero, J. (2010) Resposta ao questionário. Puebla. Recebido em 24-9-2010. Weeks, K. (2010) Entrevista com Almir Maia. Nashville, TN. 18-18-2010. XVI WMC Meeting (1991). Proceedings, 24-7 a 3-8-1991. Yamada, K. (2010) Entrevista com Almir Maia. Franklin, TN. 20-10-2010. --- (2010) Resposta ao questionário. Nashville, TN. Recebido em 23-8-2010.

77

SIGLAS

AL – Alabama ALAIME – Asociación Latinoamericana de Institutiones Metodistas de Educación BC – British Columbia CDP – Centro de Documentação e Pesquisa COGEIME – Instituto Metodista de Serviços Educacionais DC – District of Columbia EC-WMC – Education Committee of the World Methodist Council EUA – Estados Unidos da América do Norte GBGM – General Board of Global Ministry GBHEM – General Board of Higher Education and Ministry IAMSCU – International Association of Methodist Schools, Colleges and Universities IEP – Instituto Educacional Piracicabano MA – Massachusetts MGEFLD – Methodist Global Education Fund for Leadership Development NASCUMC – The National Association of Schools, Colleges and Universities of the United Methodist Church ONU – Organização das Nações Unidas PA – Pennsylvania RJ – Rio de Janeiro SP – São Paulo TN – Tennessee UCEL – Universidad del Centro Educativo Latino Americano UMC – United Methodist Church UK – United Kingdom UMC – United Methodist Church UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba VA – Virginia WA – Washington WMC – World Methodist Council

78

ANEXO 1

ANEXOS
INTERNATIONAL ASSOCIATION OF METHODIST SCHOOLS, COLLEGES, AND UNIVERSITIES BYLAWS ARTICLE I BOARD OF DIRECTORS

Section 1. General Powers. The business and affairs of the Corporation shall be managed by its Board of Directors, which shall exercise in the name of and on behalf of the Corporation all of the rights and privileges legally exercisable by the Corporation as a corporate entity, except as otherwise may be provided by law, the Charter of the Corporation and these Bylaws. Without limiting the foregoing, the Board of Directors shall have the power to solicit, receive and accept property, whether real, personal or mixed, by gift or bequest from any person or entity; to hold and administer such property in accordance with the terms set forth in the Charter and these Bylaws; and to distribute such property in furtherance of the purposes of the Corporation as stated in its Charter and these Bylaws. The Corporation is composed of Methodist, Methodist-related educational institutions and those with a Methodist tradition to cooperate through the development of common understandings and shared educational programs. Section 2. Number, Tenure, and Qualifications. The number of directors of the Corporation shall be not less than three (3) and not more than twenty (20). Provided, however, the number of directors may be increased or decreased from time to time by the Board of Directors by amendment of this Bylaw, but no decrease shall have the effect of shortening the term of an incumbent director or reducing the number of directors below three (3). As the initial terms of the directors respectively expire, succeeding directors shall be elected by a majority vote by the IAMSCU plenary conference for a term of three (3) years. Directors shall be natural persons who have attained the age of twenty-one (21) years, but need not be residents of the State of Tennessee. Each director shall hold office until his or her term shall have expired and his or her successor shall have been appointed and qualified, or until his or her earlier resignation, removal from office, or death. A retiring director may succeed himself or herself; provided no director shall serve more than three (3) consecutive three (3) year terms. For this purpose, service for a partial term of less than three (3) years shall not be counted as a full term. A board member who is no longer associated with a member institution may complete the term but is not eligible for reelection. Section 3. Nomination. Nominations for election to the Board of Directors shall be made by the Nominating Committee. All directors are encouraged to submit suggestions of suitable candidates to the Board Nominations Committee. These recommendations in writing, must be received by the Nominating Committee before the date set by the Committee to begin preparation of the slate. Section 4. Distinguished Directors. The Board of Directors may elect such distinguished directors as it may deem proper. Each such distinguished director shall be elected by the Board for a term of three (3) years subject to renewal. The Director shall have the right to participate in Board proceedings but not the right to vote. Section 5. Annual Meeting. The annual meeting of the Board of Directors shall be held on the last business day of the fourth month following the close of each fiscal year, or at such other time and date prior thereto and following the close of the fiscal year as shall be determined by the Board of Directors. The purpose of the annual meeting shall be to elect officers and transact such other business as may properly be

79
brought before the meeting. If the election of officers shall not be held on the day designated herein for any annual meeting of the Board of Directors, or at any adjournment thereof the Board of Directors shall cause the election to be held at a special meeting of the Board of Directors as soon thereafter as may be convenient. Section 6. Regular Meetings. he regular meetings of the Board of Directors shall be held periodically upon the call of the President for the purpose of the transaction of such business as may properly be brought before the meeting. Regular meetings shall be held at such time and place as the Board of Directors shall from time to time determine. Section 7. Special Meetings. Special meetings of the Board of Directors may be called by the President, or at the request of any director with the concurrence of three (3) additional directors. The President shall fix the place, either within or without the State of Tennessee, as the place for holding any special meeting. Section 8. Notice. Notice of any meeting shall be given at least five (5) days prior thereto by written notice delivered personally or mailed to each director at his or her business or residence address, by telegram, or by telephone. lf mailed, such notice shall be deemed to be delivered when deposited in the United States mail, so addressed, with postage prepaid. If notice is given by telegram, such notice shall be deemed to be delivered when the telegram is delivered to the telegraph company, The business to be transacted at, or the purpose of, any regular or special meeting of the Board of Directors need not be specified in the notice or waiver of notice of such meeting except as to matters affecting the Charter or Bylaws of the Corporation. Section 9. Waiver of Notice. A director may waive any notice required by statute, the charter or these Bylaws before or after the date and time stated in the notice. The waiver must be in writing, signed by the director entitled to the notice, and filed with the corporate records or minutes. Notwithstanding the foregoing, a director‘s attendance at or participation in a meeting waives any required notice of the meeting unless the director at the beginning of the meeting or promptly upon arrival objects to holding the meeting or transacting business at the meeting and does not thereafter vote for or assent to action taken at the meeting. Section 10. Quorum. A majority of the total number of directors in office shall constitute a quorum for the transaction of business at any meeting of the Board of Directors. If less than a quorum is present at a meeting, a majority of the directors present may adjourn the meeting from time to time without further notice, if the time and place to which the meeting is adjourned are fixed at the meeting at which the adjournment is taken, and if the period of adjournment does not exceed thirty (30) days in any one (1) adjournment. Section 11. Electronic Meetings. The members of the Board of Directors, or any committee designated by the Board, may participate in a meeting of the Board or of such committee by means of conference telephone or similar communications equipment by means of which all persons participating in the meeting can hear one another; and participation in a meeting pursuant to this provision shall constitute presence in person at such meeting. Members of the Board of Directors absent from any meeting of the Board shall not be permitted to vote at such meeting by written proxies. The directors shall be promptly furnished a copy of the minutes of the meetings of the Board of Directors. The Board of Directors shall determine the method of communicating with member institutions including seeking their ratification of actions of the Board and of the Executive Committee.

80
Section 12. Manner of Acting. Each director shall be entitled to one (l) vote upon any matter properly submitted to the Board of Directors for a vote. The act of a majority of the directors present at a meeting at which a quorum is present shall be the act of the Board of Directors, except as may otherwise be specifically provided by law, by the Charter of the Corporation or by these Bylaws. Section 13. Action Without a Meeting. Any action required or permitted to be taken at a meeting by the Board of Directors, or by any committee thereof may be taken without a meeting if all members of the Board or committee, as the case may be, consent thereto in writing, setting forth the action so taken, and the writing or writings are filed with the minutes of the proceedings of the Board of Directors or its committee. Such consent shall have the same force and effect as a unanimous vote of the Board or such committee. Section 14. Vacancies. Any vacancy occurring in the Board of Directors, including vacancies created by the resignation of a director or the removal of a director without cause or for cause, shall be filled by the affirmative vote of a majority of the remaining directors, although less than a quorum of the Board of Directors exists. A director designated to fill a vacancy shall serve for the unexpired term of his or her predecessor in office, or, if there is no predecessor, until the next election of directors. Any seat on the Board of Directors to be filled by reason of an increase in the number of directors may be filled by election by the Board of Directors for a term of office continuing only until the next election of directors. Section 15. Compensation. No director shall receive, directly or indirectly, any compensation for his or her services as a director. Section 16. Presumption of Assent. A director of the Corporation who is present at a meeting of the Board of Directors at which action is taken shall be presumed to have assented to the action taken, unless his or her dissent shall be entered in the minutes of the meeting, or unless he or she shall file a written dissent to such action with the person acting as the secretary of the meeting before the adjournment thereof, or shall forward such dissent by registered mail to the Secretary of the Corporation immediately after the adjournment of the meeting. Such right to dissent shall not apply to a director who voted in favor of such action. Section 17. Removal. Any or all of the directors may be removed for cause or without cause by a majority vote of the remaining directors. For purposes of this provision, “cause” shall mean final conviction of a felony, declaration of unsound mind by court order, adjudication of bankruptcy, non acceptance of office, failure to attend three (3) or more consecutive meetings of the Board, or conduct prejudicial to the interest of the Corporation. Removal of a director shall also constitute removal as an officer of the Corporation and as a member of all committees of the Board. Section 18. Resignation. A director may resign his or her membership at any time by tending his or her resignation in writing to the President of the Corporation. A resignation shall become effective upon the date specified in such notice or, if no date is specified, upon receipt of the resignation by the Corporation at its principal place of business. ARTICLE II OFFICERS Section 1. Number. The officers of the Corporation shall be a President, a Vice President, and a Secretary-Treasurer, each of whom shall be elected in accordance with this Article. The Board may also elect such other officers

81
and assistant officers as it may, from time to time, deem necessary or desirable. Except for the offices of President and Secretary-Treasurer, any two or more offices may be held by the same person. Section 2. Election and Term of Office. The officers of the Corporation shall be elected by the affirmative vote of a majority of the Board of Directors from among its membership. Each officer shall hold office for a term of three (3) years, or until his or her earlier resignation, removal from office, or death. No officer shall serve more than two consecutive three (3) year terms. Section 3. Removal from Office. Any officer may be removed from office, with or without cause, at any time by a majority vote of all of the directors. Section 4. Vacancies. A vacancy in any office because of death, resignation, removal, disqualification, or otherwise may be filled by the Board of Directors after a director vacancy has been filled for the unexpired portion of his or her term in accordance with these Bylaws. Section 5. Resignation. An officer may resign his or her office at any time tendering his or her resignation in writing to the President of the Board or, in the case of the resignation of the President, to the Board of Directors. A resignation shall become effective upon the date specified in such notice, or, if no date is specified, upon receipt of the resignation by the Corporation at its principal place of business. Section 6. President. The President shall be elected by the Board of Directors, and shall be the Chief Executive Officer of the Corporation. The President should normally be a president or chief executive officer of a member institution. The President shall, when present, preside at all meetings of the Board of Directors and the Executive Committee. He or she may sign, with the Secretary or any other proper officer of the Corporation authorized by the Board of Directors, deeds, mortgages, bonds, contracts, or other instruments which the Board of Directors has authorized to be executed; and in general shall perform such other duties as may be prescribed by the Board of Directors from time to time. Section 7. Vice-President. In the absence of the President or in the event of his or her death, inability, or refusal to act, the VicePresident shall perform the duties of the President (pending election, if necessary, of a successor pursuant to these Bylaws), and when so acting, shall have all the powers of and be subject to all the restrictions upon, the President. The Vice-President shall perform such other duties as may from time to time be assigned to him or her by the President or by the Board of Directors. Section 8. Secretary-Treasurer. The Secretary-Treasurer shall keep the minutes of the proceedings of the Board of Directors in one of more books provided for that purpose; see that all notices are duly given in accordance with the provisions of these Bylaws or as required by law; be custodian of the records of the Corporation; keep a register of the post office address of each member of the Board of Directors, which address shall be furnished to the Secretary-Treasurer by each director. The Secretary-Treasurer shall also have charge and custody of; and be responsible for, all funds and securities of the Corporation; receive and give receipts for monies due and payable to the Corporation from any source whatsoever, and deposit all such monies in the name of the Corporation in such banks; annually prepare a financial report and present the books of the Corporation at the annual meeting of the Board of Directors; and in general perform all of the duties incident to the office of Secretary-Treasurer and such other duties as may from time to time be assigned to him or her by the President or by the Board of Directors. The

82
Corporation shall pay the premiums on any corporate surety bonds furnished for the SecretaryTreasurer. Section 9. Voting Securities of Corporation. Unless otherwise ordered by the Board of Directors, the President shall have full power and authority on behalf of the Corporation to attend and to act and vote at any meetings of security holders, partnerships, or corporations in which the Corporation may hold securities, and at such meetings shall possess and may execute any and all rights and powers incident to the ownership of such securities which the Corporation might have possessed and exercised if it had been present. The Board of Directors may from time to time by resolution confer like powers upon any other person or persons. ARTICLE III EXECUTIVE COMMITTEE Section 1. Membership. The Executive Committee shall be composed of the President, Vice-President, Secretary-Treasurer, and two members elected by the Board of Directors as Well as any other officer or agent of the Corporation as the Board of Directors may from time to time deem necessary or appropriate for its proper functioning. The Executive Committee, and its delegation of authority, shall not operate to relieve the Board of Directors, or any member, of any responsibility imposed by law. Section 2. Authority. The Executive Committee, When the Board of Directors is not in session, shall have and may exercise all the authority granted to the Board of Directors except to the extent, if any, that such authority shall be limited by these Bylaws. All actions taken by the Executive Committee shall be reported to the Board of Directors, and all Executive Committee minutes are to be distributed to all members of the Board. However, the Executive Committee shall not have the authority of the Board of Directors With respect to amending or repealing any resolution of the Board of Directors Which by its express terms is not so amendable or repealable; mending or repealing the Chapter or the Bylaws of the Corporation; selling, leasing, or otherwise disposing of all or substantially all the property and assets of the Corporation, other than in the usual and regular course of its business; or voluntarily dissolving the Corporation or revoking a voluntary dissolution. Section 3. Meetings. Regular meetings of the Executive Committee may be held without notice at such times and places as the Executive Committee may fix from time to time by resolution. Special meetings of the Executive Committee may be called by the President, Or by any member with the concurrence of a majority of the members of the Executive Committee, upon not less than three (3) day's notice, stating the place, date, and hour of the meeting, Which notice may be Written or oral, and if mailed, shall be deemed to be delivered When deposited in the United States mail, postage prepaid, addressed to the member of the Executive Committee at his or her business or residence address. The notice of a meeting of the Executive Committee shall state the business proposed to be transacted at the meeting. Section 4. Quorum and Manner of Acting. A majority of the members of the Executive Committee shall constitute a quorum for the transaction of business at any meeting thereof; and action of the Executive Committee must be authorized by the affirmative vote of a majority of all members (whether present or not) at a meeting at which a quorum is present. Section 5. Action Without a Meeting. Any action required or permitted to be taken by the Executive Committee at a meeting may be taken without a meeting if a consent in Writing, setting forth the action so taken, shall be signed by all of the members of the Executive Committee.

83
Section 6. Procedure. The Executive Committee may fix its own rules of procedure, provided such I'l1l6S are not inconsistent with these Bylaws. The Executive Committee shall keep regular minutes of its proceedings and report its proceedings to the Board of Directors for its information at the next meeting of the Board held after such proceedings shall have been had. ARTICLE IV COMMITTEES Section 1. Committees of the Board. All Committees shall consist of two (2) or more members, shall be under the control and serve at the pleasure of the Board of Directors, shall have charge of such duties as may be assigned to them by the Board of Directors or these Bylaws, shall maintain a permanent record of their actions and proceedings, and shall regularly submit a report thereof to the Board of Directors, which shall ratify the actions of each committee. Section 2. Standing Committees. The Board of Directors shall maintain a Nominating Committee. Section 3. Nominating Committee. There shall be Nominating Committee consisting of at least seven (7) members, four (4) of whom are elected by the Board of Directors, two (2) elected by the IAMSCU plenary conference and one (1) elected by the Executive Committee. In the absence of a Nominating Committee, the Executive Committee shall make nominations as prescribed herein. a) Vacancies. Vacancies occurring among the members of the Nominating Committee shall be filled by the Executive Committee of the Board of Directors. b) Powers. The Nominating Committee shall nominate persons for membership on the Board, who shall be elected by the IAMSCU plenary conference. c) Procedure. The Nominating Committee shall meet prior to the Conference or at the direction of the Executive Committee. Elections may occur by mail or electronic ballot. The Nominating Committee shall fix its own rules of procedure, which rules shall not be inconsistent with the rules of procedure governing meetings, action without meetings, and notice and waiver of notice of the Board of Directors. Section 4. Other Committees. The Board of Directors, by resolution, may from time to time appoint such Committees for such particular purposes as may be deemed necessary or desirable to enhance or assist the Board of Directors in carrying out its duties, and furthering the purpose of the Corporation. Any Committee so appointed shall have powers and authority delegated by the Board of Directors, subject in all cases to the limitations set forth in the Tennessee Nonprofit Corporation Act, as amended and these Bylaws. Section 5. General Provisions for Standing Committees. a) Unless otherwise provided, the President shall appoint the chair of all standing committees. b) A member of a standing committee may resign at any time by giving written notice to the President and the chairperson of the committee from which the member is resigning. c) The Board of Directors may remove a member of a standing committee when, in its judgment, the best interests of the Corporation will be served by such removal. d) The President shall fill out vacancies in the chair of standing committees. e) Meetings of standing committees may be called by their respective chairperson or by the President. Each committee shall meet as often as is necessary to perform its functions. f) Each standing committee may adopt rules for its own governance, provided such rules are not inconsistent with the law, the Charter of the Corporation or these Bylaws. g) A majority of the members of a committee shall constitute a quorum for the transaction of business at any committee meeting. The act of a majority of the members of a standing

84
committee present at a meeting at which a quorum is present shall be the act of the committee. Unless otherwise provided, a chairperson of a standing committee shall be entitled to vote on any question before the committee. h) Each standing committee may invite additional individuals with expertise in a pertinent area to meet with and assist the committee. Such individuals shall not vote or be counted in determining the existence of a quorum and may be excluded from any executive session of the committee. Section 6. Ad Hoc Committees. The Board of Directors or Executive Committee may from time to time create such ad hoc committees as it believes necessary to investigate matters or advise the Board. Ad hoc committees shall limit their activities to the accomplishment of the tasks for which created and shall have no power to act except as specifically conferred by resolution of the Board. Such committees shall operate until they have accomplished their tasks or until discharged by the Board or the Executive Committee. ARTICLE V CONTRACTS, LOANS, CHECKS, AND DEPOSITS Section 1. Contracts. The Board of Directors may authorize any officer or officers, agent or agents, to enter into any contract or execute and deliver any instrument in the name of and on behalf of the Corporation; and such authority may be general or confined to specific instances. Section 2. Loans. No loans shall be contracted on behalf of the Corporation, and no evidence of indebtedness shall be issued in its name, unless authorized by a resolution of the Board of Directors. Such authority may be general or confined to specific instances. In no event, however, shall the endowment of the Corporation, if any, be pledged or used as security or collateral for any obligation of the corporation. Section 3. Checks, Drafts, etc. All checks, drafts, or other orders for the payment of money, notes or other evidences of indebtedness issued in the name of the Corporation shall be signed by such officer or officers, agent or agents, of the Corporation and in such manner as shall from time to time be determined by resolution of the Board of Directors. Section 4. Deposits. All funds of the Corporation not otherwise employed shall be deposited from time to time to the credit of the Corporation in such banks, trust companies, or other depositories as the Board of Directors may select. ARTICLE VI FISCAL YEAR The fiscal year of the Corporation shall begin on January 1 and end on December 31 of each year. ARTICLE VII SUPPORTING ORGANIZATION Such organizations as the General Board of Higher Education and Ministry of The United Methodist Church in the United States shall facilitate the operation of the Corporation and provide staff support for the Corporation.

85
ARTICLE VIII IAMSCU CONFERENCE The IAMSCU Conference is normally held every three years. The Conference date and site is not restricted to the date and site of the World Methodist Conference. ARTICLE IX WAIVER OF NOTICE Whenever any notice is required to be given to any officer, director or committee member of the Corporation under the provisions of these Bylaws, the Charter of the Corporation, or the Tennessee Nonprofit Corporation Act, a waiver thereof in writing signed by the person or persons entitled to such notice, whether before or after the time stated therein, shall be deemed equivalent to the giving of such notice. ARTICLE X INDEMNIFICATION OF DIRECTORS AND OFFICERS Section 1. Right of Indemnification and Standards of Conduct. The Directors of the Corporation shall be indemnified and advanced expenses by the Corporation to the maximum extent permitted by law and the Charter of the Corporation. No director shall be personally liable for monetary damages for breach of fiduciary duty to the maximum extent permitted by law and the Charter of the Corporation. The officers, employees and agents of the Corporation may, in the discretion of the Board of Directors, be indemnified and advanced expenses by the Corporation to the maximum extent permitted by law and the Charter of the Corporation. The right to such indemnification and payment is deemed contractual between the Corporation and the Board of Directors, officer, employee or agent being indemnified. Section 2. Determination of Right of Indemnification. Any person referred to in Section l who has been wholly successful, on the merits or otherwise, in the defense of any civil or criminal action, suit or proceeding of the character described in Section 1 shall be entitled to indemnification as of right without any further action or approval by the Board of Directors. Except as provided in the immediately preceding sentence, any indemnification under Section 1 shall be made at the discretion of the Corporation, but only if (1) the Board of Directors, acting by majority vote of a quorum consisting of Directors who were not parties to such action, suit or proceeding, present or voting, shall find that the director or officer has met the applicable standard of conduct set forth in Section l; or (2) if no such quorum of the Board of Directors is obtainable with due diligence, independent legal counsel shall deliver to the Corporation their written opinion that indemnification is proper in the circumstances because such director or officer has met such standard. Notwithstanding the foregoing, no person referred to in Section I who has been made a party to any action, suit or proceeding of the character described in Section 1 shall be entitled to indemnification with respect to any claim, issue or matter as to which such person shall have been adjudged to be liable for negligence or misconduct in the performance of his or her duty to this Corporation, or any other corporation or corporation which such person served in any capacity at the request of this Corporation, unless and except to the extent that the court in which such action, suit or proceeding was brought shall determine upon application that, despite the adjudication of liability, and in view of all the circumstances of the case, such person is fairly and reasonably entitled to indemnity for such expenses as the court shall deem proper. Section 3. Advance of Expenses. Expenses incurred in defending a civil or criminal action, suit or proceeding may be paid by the Corporation in advance of the final disposition of such action, suit or proceeding, only if authorized in the specific case (a) by the Board of Directors acting by majority vote of a quorum consisting of Directors who are not parties to such action, suit or proceeding upon a finding that the director or officer has met the applicable standard of conduct set forth in Section 1; or (b) if no such quorum of

86
the Board of Directors is obtainable with due diligence, upon the opinion in writing of independent legal counsel that indemnification is proper in the circumstances because such director or officer has met such standard, provided that the Corporation shall have received an undertaking by or on behalf of the person receiving such advancement to repay such amount if he or she is ultimately found not to be entitled to indemnification or, where indemnification is granted, such portion of the amount so advanced by the Corporation or allowed by the court is in excess of the indemnification to which he or she is entitled. Section 4. Rights of Indemnification Cumulative. The rights of indemnification provided in this Article shall be in addition to any rights to which any such director, officer or other person may otherwise be entitled under any bylaw, agreement, or otherwise, and shall be in addition to the power of this Corporation to purchase and maintain insurance on behalf of any person who is or was a director, officer, employee or agent of this Corporation, or served the same in any capacity at the request of this Corporation, against any liability asserted against him or her and incurred by him or her in any such capacity, or arising out of his or her status as such, regardless of whether the Corporation would have the power to indemnify him or her against such liability under this Article or otherwise. ARTICLE XI CONFLICTS OF INTEREST Section 1. Generally. Except as otherwise provided by law, no transaction in which a director or officer of the Corporation has a personal or adverse interest shall be void or voidable solely for this reason, or solely because he or she is present at or participates in the meeting or his or her vote is counted if: a) The material facts as to his or her interest and as to the transaction are disclosed or are known to the Board of Directors or committee and the fact of such interest is noted in the minutes, and the Board of Directors or committee authorizes, approves or ratifies the transaction by a vote sufficient for such purpose, without counting the vote of the interested Director or Directors; or b) The transaction is fair and equitable as to the Corporation at the time it is authorized or approved, and the party asserting the fairness of the transaction establishes fairness. Section 2. Quorum Requirements. Except as otherwise provided by law, common or interested directors may be counted in determining the presence of a quorum at a meeting of the Board of Directors or a committee thereof which authorizes, approves or ratifies a transaction. ARTICLE XII AMENDMENTS These Bylaws may be altered, amended, or repealed and new Bylaws adopted, by the affirmative vote of a majority of the entire Board of Directors of the Corporation at any regular or special meeting of the Board of Directors providing at least seven (7) days written notice of the purpose of the meeting has been provided. The Corporation shall provide notice of any meeting of Directors at which an amendment to the Bylaws is to be approved, stating that a purpose of the meeting is to consider the proposed amendment. Such notice shall be accompanied by a copy or summary of the amendment or state the general nature of the amendment.

87 ANEXO 2
State of Tennessee Charter of INTERNATIONAL ASSOCIATION OF METHODIST SCHOOLS, COLLEGES AND UNIVERSITIES The undersigned person under the Tennessee Nonprofit Corporation Act adopts the following Charter for the above named corporation. 1) The name of the corporation is INTERNATIONAL ASSOCIATION OF METHODIST SCHOOLS, COLLEGES, AND UNIVERSITIES. 2) The corporation is a public benefit corporation. 3) The name and address of the corporation's initial registered office and agent is Kent M. Weeks, 2021 Richard James Road, Suite 350, Nashville, Davidson County, Tennessee 37215. 4) The name and address of the incorporator of the corporation is Kent M. Weeks, 2021 Richard Jones Road, Suite 350, Nashville, Davidson County, Tennessee 37215. 5) The address of the principal office of the corporation is Board of Higher Education and Ministry, 1001 19th Ave. S. (P.O. Box 871), Nashville, Tennessee 37202. 6) The corporation is not for profit. 7) The corporation will not have members. 8) The corporation is organized exclusively for charitable, educational and scientific purposes within the meaning of Section 5ol(c) (3) of the Internal Revenue Code of 1986 (the diode's), including the receipt and acceptance of property, whether real, personal or mixed, by gift or bequest from any person or entity; the retention and administration of such property in accordance with the terms of the corporation's Charter and Bylaws and, specifically, for the following purposes: a) To increase the availability of education opportunities throughout the world. b) To improve the quality of education. c) To enable Methodist and Methodist-related educational institutions and those with a Methodist tradition to cooperate through the development of common understandings and shared educational programs. d) To carry on, perform and do any other act or thing necessary or germane to the carrying out of the foregoing purposes. In general, to engage in any activity and exercise any and all powers, rights and privileges afforded a not-for-profit corporation under the Tennessee Nonprofit Corporation Act, as amended or supplemented from time to time. 9) The affairs and activities of the corporation shall be managed by a Board of Directors. The Board of Directors shall be entitled and authorized to do any and all things and take any and all actions in the name of the corporation and on behalf of the corporation as are not inconsistent with the purposes of the corporation and as may be allowed under the laws of the State of Tennessee, as amended from time to time. The manner in which directors shall be chosen and removed from the office, the qualifications, mowers, duties, compensation, and tenure of office of directors, the number of directors, the manner of filling vacancies on the Board of Directors, and the manner calling and holding meetings of the Board of Directors shall be as set forth in the Bylaws. 10)The directors may at any time voluntarily dissolve the corporation. Upon the dissolution of the corporation, the Board of Directors shall, after paying or making provisions for the payment of all the liabilities of the corporation, dispose of all of the assets of the corporation exclusively for the purposes of the corporation in such manner, or to such organization or organizations organized and operated exclusively for charitable, educational, religious, literary or scientific purposes, as shall at such time qualify as an exempt organization or organizations under Section 501(c) (3) of the Code or the Corresponding provisions of any future federal law, as the Board of Directors shill determine. Any assets not so disposed of shall be disposed of by a court having equity jurisdiction in the county in which the principal office of the corporation is then located exclusively for such purposes, or to such organization or organizations, as said court shall determine, which are organized and operated exclusively for such purpose. 11)No part of the net earnings of the corporation shall inure to the benefit of, or be distributable to, Its directors, officers, or other private persons, except that the corporation shall be authorized and empowered to pay reasonable compensation for services rendered and to make payments and distributions in furtherance of the purposes set forth in Paragraph 8 hereof. No substantial part of the activities of the corporation shall be the carrying on of propaganda, or otherwise attempting to

88
influence legislation; and the corporation shall not participate in, or intervene in (including the publishing or distribution of statements), any political campaign on behalf of any candidate for public office. Notwithstanding any other provisions of these articles, the corporation shall not carry on any other activities not permitted to be carried en (a) by a corporation exempt from federal income tax under Section 50l(c)(3) of the Code (or the corresponding provision of any future United States Internal Revenue law), or (b) by a corporation, contributions to which are deductible under section 170(c) (2) of the Code or the corresponding provisions of any future federal tax law. 12)No director of this corporation shall be personally liable to the corporation or its members for monetary damages for breach of fiduciary duty as a director, except: (a) for any breach of a director's duty of loyalty to the corporation; (b) for ants or omissions by any director not in good faith or which involve intentional misconduct or a knowing violation of the law; or (c) for unlawful distributions pursuant to 548-58-304 of the Tennessee Nonprofit Corporation Act as amended from time to time. 13)To the extent permitted by the provisions of T.C.A. 48* 58-501, et seq. of the Tennessee Nonprofit Corporation Act as amended from time to time, this corporation shall indemnify and advance expenses to any person for the defense of any threatened, pending or completed action, suit or proceeding, whether civil, criminal, administrative or investigative and whether formal or informal, including counsel fees actually and necessarily incurred as a result of such proceeding or action or any appeal therein, and against all fines, judgments and amounts paid in settlement thereof, provided that such action or proceeding be instituted by reason of the fact that such person is or was g director of this corporation. This corporation may, to the extent permitted by the provisions of T.C.A. 48-58-501 et. sec. of the Tennessee Nonprofit Corporation Act, as amended from time to time, indemnify and advance expenses to an officer, employee, or agent of the corporation who is not a director to the same extent as a director and may also indemnify and advance expenses to an officer, employee or agent to the extent, consistent with public policy, determined by the Board of Directors. The rights to indemnify and advancement of expenses set forth in this section are contractual between the corporation and the director, officer, employee or agent being indemnified and are mandatory subject only to an unsecured obligation to repay the corporation in the event the Board of Directors sustains the burden of proving that such rights were not permitted by law. This Charter shall be effective upon the filing with the Secretary of State of the State of Tennessee. Dated: October 10, 1998 Kent M. Weeks, Incorporator

89 ANEXO 3 VANTAGENS E BENEFÍCIOS DA ADESÃO COMO MEMBRO DA IAMSCU INTERNATIONAL ASSOCIATION OF SCHOOLS, COLLEGES AND UNIVERSITIES OF THE METHODIST CHURCH
1. Os Diretores Gerais Executivos (CEOs) receberão o boletim informativo da IAMSCU,

transmitido eletronicamente, que informa sobre temas de interesse para aqueles que estão preparando líderes cristãos para uma sociedade global, assim como informações sobre futuras reuniões e encontros.

2. Oportunidades formais e informais para intercâmbios de pessoal docente, funcionários e alunos, por semestre ou ano letivo completo de estudo ou para cursos de curta duração e projetos de serviço. 3. As informações referentes a contatos para a sua instituição e ao seu Diretor Geral Executivo estarão disponíveis online. 4. As instituições metodistas de ensino podem conectar a sua página da Internet à lista existente acessando o website www.gbhem.org. 5. A Division of Higher Education da GBHEM servirá como um ponto de contato para o seu estabelecimento de ensino. Recebemos muitos pedidos de informação de contatos de pessoas que pretendem saber como contatar instituições metodistas de ensino em países localizados em todo o mundo. 6. O seu estabelecimento de ensino, instituição de ensino superior, universidade ou escola de teologia será incluído na lista ou diretório de membros online da IAMSCU que se localiza no website www.gbhem.org. (Esta vantagem está disponível para todas as instituições metodistas independentemente da sua qualidade de membro). 7. As instituições podem colocar gratuitamente anúncios de abertura de vagas para professores, capelães, pessoal e administradores no website www.umc.org. 8. Administradores, professores, pessoal, conselheiros e alunos serão convidados a participar em conferências e workshops especiais organizados pela IAMSCU. Os funcionários de instituições membros recebem redução nas taxas de inscrição em conferências da IAMSCU. 9. O pessoal administrativo será convideado a participar em diversas oportunidades de desenvolvimento profissional, incluindo conferências e lista de endereços de e-mails, através das quais podem compartilhar e receber informações dos seus colegas em qualquer parte do mundo. 10. A Divisão de Ensino Superior da GBHEM serve como organismo que defende e promove a educação e o ensino metodistas. 11. As bolsas de estudo estão disponíveis para instituições membros selecionadas, através do Global Leadership Fund, a fim de facilitar as oportunidades educacionais em todo o mundo. 12. A lista de e-mails será fornecida às instituições que são membros. (Disponível em: http://www.gbhem.org/site/c.lsKSL3POLvF/b.3463101/k.88E7/
International_ Association of_Methodist_Schools_Colleges__Universities.htm)

90 ANEXO 4 VALORES COMPARTILHADOS PELA EDUCAÇÃO METODISTA
Congregados em comunidades atuantes que capacitem as pessoas para viverem plenamente e contribuírem para melhorar a sociedade, para a glória de Deus As instituições metodistas possuem um método educacional distinto, incorporando valores éticos cristãos bem definidos pelas razões apresentadas a seguir: Desafiamos, inspiramos e apoiamos os alunos como indivíduos para que se desenvolvam do ponto de vista pessoal e espiritual e consigam alcançar o seu máximo potencial; Encorajamos uma abordagem baseada no questionamento, que procura obter a verdade autêntica através da razão, da investigação e do debate com base na liberdade de pensamento e de expressão; Promovemos altos padrões acadêmicos e o desenvolvimento de talentos através de uma variedade de atividades porque cremos que cada pessoa possui dons naturais que lhe foram dados por Deus para desenvolvê-los; Afirmamos que o ensino e a educação se referem tanto à obtenção de sabedoria e de humildade como à aquisição de qualificações acadêmicas e apresentamos Jesus Cristo como um exemplo daquilo que significa crescer para alcançarmos a nossa humanidade completa; Trabalhamos para promover a justiça social e para enfrentar e lutar contra os preconceitos e a intolerância através de todas as formas necessárias no sentido de incentivar o respeito mútuo e a compreensão; Encorajamos a apreciação pelo trabalho em conjunto e pela importância do perdão, da reconciliação e da renovação no estabelecimento de comunidades felizes; Incentivamos a consciencialização ambiental, o reconhecimento da responsabilidade dos seres humanos pela proteção e prosperidade do mundo que Deus criou; Incentivamos a criatividade como uma forma de alimentar o espírito humano e melhorar a qualidade de vida; Preparamos os nossos alunos para serem cidadãos e líderes responsáveis num mundo de mudanças rápidas e complexas, respeitando não só o valor da diversidade cultural, mas também a nossa humanidade comum; Estamos empenhados em servir as necessidades da comunidade local na qual a instituição educacional se localiza, promovendo ao mesmo tempo uma compreensão do conceito de serviço prestado a todas as comunidades, tanto a nível nacional como internacional; Incentivamos os nossos alunos a se recusar a aceitar que as coisas têm de continuar como estão e a acreditar que existem melhores possibilidades para melhorar, porque a educação deve constituir um instrumento para reformar e modificar a sociedade para melhor; Reconhecemos que a educação é um processo que dura toda a vida e que quanto mais nos é dado, mais se espera de nós. (Disponível em: http://www.gbhem.org/site/c.lsKSL3POLvF/b.3463101/k.88E7/ International_ Association of_Methodist_Schools_Colleges_Universities.htm)

91 ANEXO 5

Mapa-múndi com identificação dos países onde está presente a educação metodista

92 ANEXO 6

Folder IAMSCU

93

94

95 ANEXO 7 Folheto – 6ª Conferência Internacional da IAMSCU e Encontro da NASCUMC, Washington, DC, 2011

96