FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU

Trabalho de Manejo de Flora Fitossociologia, Florística e Serrapilheira

Discente: Eveline Rodrigues

R.A. 0993000013 Professora: Maria Cláudia M. Sorreano

BAURU 2010

. Vários pesquisadores defendem a aplicação de seus resultados no planejamento das ações de gestão ambiental. classificação. como no manejo florestal e na recuperação de áreas degradadas (ISERNHAGEN et al. Levantamentos florísticos e fitossociológicos têm fornecido informações importantes para a compreensão dos padrões biogeográficos e subsidiado a determinação de áreas prioritárias para a conservação (FELFILI. Retrata o complexo: vegetação. relações e distribuição entre espécies vegetais no seio de comunidades vegetais naturais.É a parte da ecologia dedicada ao estudo das associações e inter-relações entre as populações de diferentes espécies vegetais . A fitossociologia é o ramo da Ecologia Vegetal mais amplamente utilizado para diagnóstico quali-quantitativo das formações vegetacionais na maioria dos estados brasileiros. 2001). 2000). solo e clima .INTRODUÇÃO A FITOSSOCIOLOGIA Fitossociologia é o estudo das características.

A SERAPILHEIRA Serrapilheira. Esta camada é a principal fonte de nutrientes para ciclagem em ecossistemas florestais e agroflorestais tropicais. principalmente. que ocorrem na área e sua variação no decorrer do período. 2002). A Florística (derivado de "flora") é uma disciplina da botânica e biogeografia que estuda a distribuição de espécies de plantas e a sua relação. A serapilheira compreende. sarapilheira ou sarrapilheira consiste de restos de vegetação. GOLLEY (1983). o material de origem vegetal e. serapilheira. Atua como um sistema de entrada e saída. Este processo é particularmente importante na restauração da fertilidade do solo nas áreas em início de sucessão ecológica . por sua vez. em menor proporção. a dinâmica da composição florística é analisada através da distribuição dos indivíduos em espécies. o de origem animal.A FLORÍSTICA Segundo Sandel e Carvalho (2000). Os estudos de ciclagem de nutrientes permitem estimar os estoques de nutrientes presentes nos compartimentos dos ecossistemas e as transferências entre eles. gêneros e famílias botânicas. Além disso. em diversas áreas geográficas. ramos. que forma uma camada ou cobertura sobre o solo de uma floresta. podem retratar as estratégias das comunidades para enfrentar as adversidades ambientais. como folhas. caules e cascas de frutos em diferentes estágios de decomposição. bem como de animais. O conhecimento da dinâmica da composição florística é um elemento importante para a elaboração de um plano de manejo florestal (Costa et al. A deposição e a subsequente decomposição das folhas é .. depositado na superfície do solo de uma floresta. recebendo entradas via vegetação e. decompondo-se e suprindo o solo e as raízes com nutrientes e com matéria orgânica.

por isso a serrapilheira não decomposta se acumula. especialmente o nitrogênio (amônia e nitrato).o principal caminho para a transferência de carbono e nutrientes da planta para o solo. 1996). minimizando a lixiviação através do solo. e a decomposição permite o retorno ao solo dos nutrientes absorvidos pela planta (SHUMACHER et al. . A taxa de decomposição de matéria orgânica é fortemente dependente da composição bioquímica da planta e é influenciada pelos nutrientes minerais. 2004) As diferenças no acúmulo e nas características da serrapilheira modificam a velocidade de decomposição e a liberação de nutrientes para o solo (Begon at al. 1996). A deposição capacita à retenção de nutrientes. Quando o nitrogênio não está disponível todo o processo de decomposição torna-se lento. que são disponíveis no meio ambiente (Begon et al..

os dados foram reunidos. interior do Estado de São Paulo. A metodologia deste trabalho. foram utilizados.METODOLOGIA O trabalho foi realizado no Município de Bauru. florística e a definição e as características da serrapilheira. Após a realização da pesquisa bibliográfica. . para analisar a definição e o funcionamento dos métodos de fitossociologia. Para tal. organizados e apresentados no presente trabalho. portais eletrônicos disponíveis na internet e biblioteca da faculdade Anhanguera . foi feita como um levantamento bibliográfico. em setembro de 2010.Bauru.

RESULTADOS Foram analisadas as diferenças entre os dois métodos e quando e como cada um deles deve ser usado. Esse trabalho deve facilitar essa escolha. . Cada um tem suas particularidades e o biólogo deve saber quando usá-los.

CONCLUSÕES Os métodos de manejo de flora citados neste trabalho. colaboram muito para a manutenção. . poliniz ação e reciclagem dos nutrientes. cuidado. conhecimento e levantamento de dados da flora das florestas. jamais deixando de lado a importância da fauna que traz quase todos os métodos de dispersão.

São Paulo. 2001. 2000.H. LONGHI. C.gov. E. S.Acesso em 15/09/2010 SANDEl.1. Estrategias de conservacao da Floresta de Araucaria para o Estado do Parana .-73 SHUMACHER.P.N. S. 11. Bras. 2004. v.rc. v. www. n. p. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservacao. Dinâmica da composição florística após a colheita de madeira em uma área de terra firme na Floresta Nacional do Tapajós (PA). Carvalho. M.pdf acesso em 14/09/2010 www.arvoresbrasil. M. J.M.103-112. UNICAMP.com. KUPPER.ambientebrasil. M.. R. Composição florística e estrutura de uma área de cinco hectares de mata alta sem babaçu na Floresta Nacional do Tapajós. et al. 1983.. 1994. p. Santa Maria. DELITTI.15.html . 392p. Belém.R. 28. L. 2000. 2002. ISERNHAGEN.B. Tropical rain forest ecosystems: structure and function.O. v.br/publicacoes/iheringia-botanica/Ih60p49-62. Campo Grande. Aspectos fitossociologicos de fragmentos de floresta estacional decidual. Campinas.pdf acesso em 09/09/2010 GOLLEY. Recuperacao vegetal com especies nativas. J. Silvicultura. I. n. 29-37. Acta bot. Revista Árvore. D. J. F. 731 COSTA.Curitiba.rs.P.gov. CARVALHO. J. FELFILI. Anais.63. Ciência Florestal. C. G. SILVA. . RS.1.M. 38-41. F. Viçosa.br/?pg=reflorestamento_mata_ciliar_indicadores . 2. Composicao Floristica e Fitossociologica do Cerrado sentido restrito no municipio de Agua Boa ± MT. M. p.. vol.unesp. 16 n.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS www.Acesso em 10/09/2010 Ambientes.1991. 59-74. MARTINS. MARIMON.B. 38: 67±90.) Kuntze no município de Pinhal Grande-RS. Santa Maria.58. 10. A fitossociologia florestal no Parana: listagem bibliográfica comentada. W. A. P.br/publicacoes/iheringia-botanica/Ih60p49-62. Estrutura de uma floresta mesófila.com.rs. p.PDF .br/xivsbsp/Mesa05MWM. SILVA. n.. Revista de Ciências Agrárias. M. 2000. PIRES. A.O. B. 2000. TIEPOLO.fzb.fzb.V.Acesso em 10/09/2010 BRITEZ... p.. Embrapa Amazônia Oriental. 19p. CASTELLA.Diagnostico da vegetacao. J. Dissertação Mestrado em Botanica. 2002 www.br/educacao/glossario_ambiental/glossario_ambiental__f. Universidade Federal do Parana.P. J. NOGUEIRA. Documentos. Produção de serapilheira em uma floresta de Araucária angustifolia (Bertol. R. P. Amsterdam: Elsevier.

unicamp.ib.pdf .br/profs/fsantos/ecocampo/ne211/2006/R2-NE211-B.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful