You are on page 1of 3
Código: PC-FF-11 Revisão: 02 AVALIAÇÃO FARMACÊUTICA DA RECEITA Página: 1 de 3 Data: 01/08/2008 Origem:
Código: PC-FF-11 Revisão: 02 AVALIAÇÃO FARMACÊUTICA DA RECEITA Página: 1 de 3 Data: 01/08/2008 Origem:
Código:
PC-FF-11
Revisão:
02
AVALIAÇÃO FARMACÊUTICA DA RECEITA
Página:
1 de 3
Data:
01/08/2008
Origem:
Homologado por:
Rubrica:
Farma & Farma S.A
Equipe de Qualidade
1
– OBJETIVO
O procedimento visa descrever a tarefa de conferência do conteúdo de receita para garantir a
segurança e eficácia do tratamento prescrito (dispensação com qualidade).
2
- DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
Receita Médica, Odontológica e Veterinária
RDC 328/1999
Portaria SVS/MS n° 344/98
3
– RESPONSABILIDADE
Cabe ao farmacêutico responsável a avaliação da prescrição.
4
– DEFINIÇÕES
Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico;
Dispensação - ato de fornecimento de medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos,
acompanhado de orientação para o uso correto, a título remunerado ou não;
Denominação Comum Brasileira (DCB) – denominação do fármaco ou princípio
farmacologicamente ativo aprovada pelo órgão federal responsável pela vigilância sanitária.
Denominação Comum Internacional (DCI) – denominação do fármaco ou princípio
farmacologicamente ativo recomendada pela Organização Mundial de Saúde.
CID - Classificação Internacional de Doenças.
Avaliação Farmacêutica da Receita Médica | PC-FF-11 | Rev.02 | Página 2 de 3 5

Avaliação Farmacêutica da Receita Médica |

PC-FF-11 |

Rev.02

|

Página 2 de 3

5 – PROCEDIMENTO 5.1. Verificar os seguintes itens:

a) Legibilidade e ausência de rasuras;

forma farmacêutica, via de administração, quantidades e unidades;
forma farmacêutica, via de administração, quantidades e unidades;

b) Identificação do profissional prescritor com o número de registro no respectivo Conselho Profissional, endereço do seu consultório ou endereço da instituição a que pertence carimbo e assinatura;

c) Identificação do paciente e seu endereço residencial;

d) Identificação da substância ou medicamento prescrito; DCB/DCI, concentração/dosagem,

e) Modo de usar;

f) Local e data de emissão.

OBS.: A ausência de qualquer um dos itens acima pode acarretar o não atendimento da

prescrição.

5.2. Avaliar cada prescrição quanto à viabilidade e compatibilidade dos medicamentos entre si, suas concentrações e doses máximas, antes da sua dispensação. 5.3.Quando a dose ou posologia dos produtos prescritos ultrapassarem os limites farmacológicos ou a prescrição apresentar incompatibilidade ou interações potencialmente perigosas. Deve o farmacêutico testar entendimento com o prescritor. Na ausência ou negativa da confirmação, é

facultado ao farmacêutico a não dispensação do produto. 5.4.Anotar na receita as alterações realizadas na prescrição e confirmadas pelo prescritor. Datar, carimbar e assinar.

5.5. É vedado fazer alterações nas prescrições de medicamentos à base de substâncias incluídas

nas listas constantes da Portaria SVS/MS no. 344/98 - Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

5.6.

oportunizada exclusivamente pelo farmacêutico ao usuário no ato da dispensação. Caso a intercambialidade seja efetivada, o farmacêutico deve aplicar o carimbo “substituído por Genérico” e assinar.

A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser

por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
por Genérico ” e assinar. A intercambialidade do medicamento prescrito pelo Genérico correspondente deve ser
Avaliação Farmacêutica da Receita Médica | PC-FF-11 | Rev.02 | Página 3 de 3 5.7.

Avaliação Farmacêutica da Receita Médica |

PC-FF-11 |

Rev.02

|

Página 3 de 3

5.7.

A intercambialidade do medicamento prescrito jamais pode ser pelo similar sem a autorização do prescritor.

Jamais aviar uma receita prescrita em códigos, siglas ou números.

5.8.

5.9.

e/ou forma farmacêutica compatíveis com a prescrição, o farmacêutico pode fracionar adaptar a

ANEXO Carimbo “substituído por Genérico” Substituído por Genérico Lei 9787/99 e Res. CFF 349
ANEXO
Carimbo “substituído por Genérico”
Substituído por
Genérico
Lei 9787/99 e Res. CFF 349
Farmacêutico/CRF
Farmácia
Tel.:

Em caráter excepcional, na indisponibilidade do medicamento, na dose/concentração

dose/concentração e/ou quantidade, de forma a adequá-la à prescrição médica.

6.

medicamento, na dose/concentração dose/concentração e/ou quantidade, de forma a adequá-la à prescrição médica. 6.
medicamento, na dose/concentração dose/concentração e/ou quantidade, de forma a adequá-la à prescrição médica. 6.
medicamento, na dose/concentração dose/concentração e/ou quantidade, de forma a adequá-la à prescrição médica. 6.
medicamento, na dose/concentração dose/concentração e/ou quantidade, de forma a adequá-la à prescrição médica. 6.