Regras para o uso da bandeira nacional

As regras gerais para o uso da Bandeira Nacional (BN) encontram -se estabelecidas pelo Decreto-Lei 150/87. Este decreto-lei, no entanto apenas estabelece regras genéricas de utilização da BN e apenas para alguns casos. Sendo assim, além das regras especificamente definidas no Decreto-Lei 150/87, deverão ser seguidos os protocolos e as regras

tradicionalmente aplicadas nacional e internacionalmente, bem como as regras estabelecidas para o âmbito militar e marítimo.

LOCAIS ONDE A BANDEIRA NACIONAL DEVE SER HASTEADA Locais obrigatórios, por Lei:

y y y

Instalações de orgãos das administrações públicas central, regional e local ; Monumentos nacionais; Sedes dos institutos e empresas públicas ;

Locais opcionais:

y y

Delegações dos institutos e empresas públicas; Instalações de entidades privadas e de pessoas colectivas .

Nos locais onde a Bandeira Nacional pode ser hasteada opcionalmente, se o for, deverá sêlo cumprindo sempre as regras e protocolos definidos. QUANDO DEVERÁ SER HASTEADA A BANDEIRA NACIONAL Segundo a Lei, a Bandeira Nacional deverá ser hasteada todos os dias nos seguintes locais:

y

Presidência da República;

a d ás ast ada a s g s F ad s as as 5EB $ $ $ ! @ 9 B75 5 9 CBA 9 %$ # Ap sar da L i não o obrigar especificamente. P IÇÕ TIV Quando hasteada com outras bandeiras. Monumentos nacionais de grande afluxo tur stico. Governos civis dos distritos. Ministérios da Defesa Nacional e dos Negócios Estrangeiros. Sedes das áreas metropolitanas e de outras comunidades intermunicipais. Q P@4 3 @ S IS IS IS 43 Nos dias em que é hasteada. ¦     § ©¨ § ¦ 0 1   RPQ P S I A5 B BD5 IH  s G9 5 . que o arrear da BN seja realizado à hora do seu encerramento. em locais cujo funcionamento esteja já encerrado ao pôr do sol. Tribunal Cons itucional. portos e aeroportos internacionais. Fronteiras. área territorial abrangida. As bandeiras da União Europeia e das regiões autónomas apenas deverão ser hasteadas em conjunto com a Bandeira Nacional. a I 9 7 9 577 75 @ 7565 75 9 5 65 d - s às 09 00. a Bandeira Nacional ocupará sempre o lugar mais honroso. por exemplo: y y y y y y y y y y Sedes dos Representantes da Rep blica para as Regiões Autónomas. s . Considera-se aceitável. Representações diplomáticas de Portugal no estrangeiro. regional ou local da ás a ada a pô d D9 C5 9 5 7565 5 G 43 Nos restantes locais. Sedes dos orgãos legislativos e executivos das regiões autónomas. BN em outros locais de maior simbolismo ou com grande visibilidade. o Tribunal d Jus iça. s aa s á ast a t d s s d as. Quarteis generais das Forças Armadas e de comandos militares. a " ' & ( '& 2 "! )  8 75 ¦  ¤ £¢ ¥   ¤ ¤£ ¢ ¡  b d R p b c .y y y y Ass Pr s d Supr c d Cons o d Minis ros. 8 9 57D5 5F sp as q ta s ja d tad pelo orgão executivo nacional. Sedes das c maras municipais.

por ordem de preced ncia de cima para baixo: 2. Se existirem três mastros: a BN ocupará o mastro do centro e a seguinte bandeira na ordem de preced ncia. seguindo-se as restantes bandeiras. Se existir um mastro com erga com tope e com carangueja: a BN ocupará a ponta da carangueja. c t a` s g i p r q e d f h e UT 1. Se existirem dois mastros: a BN ocupará o mastro da direita (esquerda de quem os olha de frente). Este é o único caso em que a BN não ocupa a posição mais alta relativa às outras bandeiras. o mastro à direita (à esquerda de quem olha) do ponto central da linha de mastros. e a seguinte ponta esquerda bandeira na ordem de proced ncias. ocupará o tope e a 3ª bandeira ocupará a ponta direita da verga (ponta esquerda de quem olha). Se existir ma inha de q atro ou mais mastros assentes no solo: a BN ocupará o mastro mais à direita (mais à esquerda de quem olha). ocupará a ponta direita da verga ( de quem olha). Opcionalmente. 8. da direita para a esquerda ( esquerda para a da direita de quem olha). 5. a 2ª bandeira na ordem de proced ncias. Se f em asteadas á as a deiras m `b ` Y XU W V ico mastro: a BN ocupará a posição . seguindo-se as restantes bandeiras. as bandeiras deverão ocupar as seguintes posições: mais alta. 7. ocupará o mastro da direita (esquerda de quem olha). As restantes bandeiras. ou. Se existir um mastro com erga e sem tope: a BN ocupará a ponta direita da verga (ponta esquerda de quem olha). Se existirem quatro ou mais mastros colocados na fachada ou no topo de numa edifica ão: a BN ocupará o mastro central. 4. se forem pares. por ordem de preced ncia. neste caso poderá ser colocada uma segunda BN no mastro mais à esquerda (mais à direita de quem olha). serão colocadas alternativamente à esquerda e à direita (à direita e à esquerda de quem olha) da BN. 3. 6.Conforme o número e a disposição dos suportes. Se existir um mastro com erga e com tope: a BN ocupará o tope.

existindo um único mastro Disposição de duas bandeiras. existindo dois mastros Disposição de tr s bandeiras. se os mastros apresentarem alturas diferentes a y v u x x x w ocupará sempre o . por ordem de preced ncia. Disposição de duas ou mais bandeiras. por ordem de preced ncia. existindo tr s mastros Disposição de quatro ou mais bandeiras. As restantes bandeiras serão colocadas. Se existirem duas ou mais linhas de mastros: a BN ocupará o mastro mais à direita (à esquerda de quem olha) da linha frontal. Se existir um circulo fechado de de andeiras assentes no solo: a BN ocupará o mastro mais próximo do acesso ao local. existindo o mesmo número de mastros colocados num Disposição de duas bandeiras num mastro com verga sem tope x € ponto 8. Independentemente da disposição dos mastros das bandeiras. com excepção do indicado no mastro mais alto. 10. da direita para a esquerda ( squerda para a direita de quem olha) e da linha frontal para a mais recuada. seguindo-se as outras bandeiras. da direita para a esquerda (da esquerda para a direita de quem olha).9. do seguinte mastro mais alto para o mais baixo. As restantes bandeiras serão e colocadas por ordem de proced ncia. existindo o mesmo número de mastros assentes no solo Disposição de quatro ou mais bandeiras.

9. Bandeira da ‰ 1. Bandeiras de entidades privadas por ordem alfa ética.). Bandeiras de organismos p licos por ordem alfa ética. tope e carangueja A Bandeira Nacional tem proced ncia sobre todas as outras bandeiras portuguesas ou estrangeiras. Bandeiras de países estrangeiros por ordem alfa ética. Bandeiras de freguesias por ordem alfa ética. 6.edifício Disposição de tr s bandeiras. 5. nião uropeia. A ordem de preced ncias das várias bandeiras é a seguinte: 4. • e g – k ih d f “’ ‘  2. 10. ‚ ‚ ™ ‡ †… P C Ê CI S ‚ Disposição de várias bandeiras. num mastro com verga e com tope Dispoição de quatro bandeiras. Bandeiras de serviço (de sinalização. num mastro com verga. Bandeiras de municípios por ordem alfa ética. 7. l j 8. ˜ i — ” 3. etc. A excepção será o seu uso no âmbito de organizações internacionais de que Portugal faça parte. Bandeiras de organiza es internacionais por ordem alfa ética. Bandeira acional de Portugal. Bandeiras de regiões autónomas ou comunidades intermunicipais por ordem alfa ética. em que poderá ser seguido o protocolo interno das mesmas. de certificação. com mastros de diferentes alturas ˆ ƒ „ .

Quando estiverem presentes outras bandeiras. civis ou militares. as mesmas sê-lo-hão de acordo com a precedência que as respectivas autoridades têm no protocolo de Estado. Opcionalmente poderá ser hasteada a Bandeira da União Europeia e bandeiras de serviço do respectivo organismo público (bandeiras identificativas do organismo. as mesmas também deverão ser colocadas a meia-haste. Se a situação o justificar. em lugar da actual BN. se estiver presente o Presidente da ep ut r t m P p o m q n n n n T C S BANDEI AS andeiras: a Bandeira Nacional é lica e . Mais nenhuma bandeira deverá ser hasteada. desde que a mesma tenha uma relação especial com a história do local e desde que aí não sejam hasteadas outras bandeiras contemporâneas. deverá. Quando forem hasteadas bandeiras pessoais de autoridades oficiais. não indo ao topo do mastro. antes ir ao topo do mastro. 2. pode optar-se por dar precedência sobre a actual BN às Bandeiras Nacionais mais antigas. Em certos monumentos ou outros locais históricos poder-se-á hastear uma Antiga Bandeira Nacional. As Antigas Bandeiras Nacionais de Portugal deverão ser consideradas equivalentes à actual BN em termos de precedência. As regras estabelecidas na Lei. nico mastro: é aceitável substituir a BN pelo Estandarte 4.Quando forem hasteadas bandeiras de entidades estrangeiras. Quando hasteada a meia-haste por ocasião de luto nacional: a BN deverá ser levada ao topo do mastro e só depois descida até ao seu meio. existir apenas um Presidencial. as mesmas têm precedência imediatamente a seguir à das entidades portuguesas equivalentes. Ao ser arreada. para o protocolo referente às bandeiras são as seguintes: 1. Dentro do território nacional. Quando hasteada em conjunto com outras sempre a primeira a ser hasteada e a última a ser arreada. s 3. bandeiras de sinalização ou distintivos de entidades). inclusive bandeiras locais da área territorial onde o organismo esteja colocado. Nos edifícios da Administração Central só deverá ser obrigatoriamente hasteada a BN. ou mais comuns.

normalmente a Bandeira da União Europeia. deverá sê-lo de t modo a que. A dobragem deverá ser feita por. O erro referido no ponto 5. Bandeiras regionais ou municipais hasteadas em edi cios de organismos da Administração Central. 6. dobrando-se o lado da tralha (verde) para trás {z y w x v às de ou tras bandeiras hasteadas { | | . em virtude de contribuir para a diminuição da dignidade da BN. seguindo os seguintes passos: asso Descrição Exemplo In cio Coloca-se a bandeira na horizontal. Outra bandeira. desenhoou proporções. ocupando uma posição de maior procedência em relação à da BN . normalmente. relativamente ao uso da Bandeira Nacional são os seguintes: 1.3 e 4 são infracções explícitas ao Decreto-Lei 150/87. BN hasteadas em mau estado de conservação . no final resulte um rectângulo com a largura e comprimento do Escudo Nacional. 5. Modo de dobrar Quando for dobrada. BN não respeitando o padrão o icial de cores. 3. 4. BN de dimensões in eriores con untamente. Os erros referidos nos pontos 1. 2. deve ser evitado. segura pelas bordas da tralha e do batente. BN demasiado pequenas para o mastro ou local onde estão hasteadas . especialmente em cerimónias. 2. rimeiro Dobra-se o terço superior para trás Segundo Terceiro Quarto Dobra-se o terço inferior para trás Dobra-se o lado do batente (encarnado) para trás Finaliza-se. quatro pessoas. apesar de não infringir explicitamente a Lei.ERROS REQUENTES NO USO DA BANDEIRA NACIONAL Os erros mais frequentes em Portugal. a Bandeira de Porugal.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful