CETAD Curso de Educação Teológica a Distancia R General Sampaio,1572 - Centro - CEP 60020-034 Fone 226-3569

Fortaleza – Ceará INFORMACÕES NECESSÁRIAS O CETAD – Curso de Educação Teológica à Distancia, visa a preparação de crentes, homens e mulheres para ampliar seus conhecimentos bíblicos e assim servir de maneira mais eficaz a Crista nas Igrejas Evangélicas do Brasil. Muitas são as pessoas que têm o desejo de estudar a Bíblia para serem mais úteis no trabalho do Senhor, mas poucas tem a oportunidade de se deslocarem a outra cidade para fazer um curso na sala de um Instituto Bíblico. As 1icões do CETAD proporcionam a todos os cristão a oportunidade de se prepararem para toda boa obra em sua própria localidade. O CETAD utiliza o moderno método de ensino chamado auto didático ou instrução programada, em que a Lição é especialmente preparada e o professor leva o aluno passo a passo a compreender as verdades da palavra de Deus. O estudo pode ser feito sem o auxilio do professor, ou mesmo estudando em grupos com um orientador. Ao final de cada Lição você responderá a um questionário de que será corrigido e devolvido ao aluno logo após a correção. A nota mínima para a aprovação em cada lição é 6,0 (seis). O aluno que não atingir esta nota fará nova prova. Ao enviar o questionaria (prova) para correção. o aluno deverá enviar também o comprovante de pagamento da Lição seguinte, no valor de R$ 10,00 (dez reais), por VALE POSTAL em nome de FATECE – Faculdade de Teologia do Ceará, na rua General Sampaio, 572 - Centro - CEP 60020-034 Fortaleza-Ceará ou DEPÓSITO BANCÁRIO no nome da FATECE – Faculdade de Teologia do Ceará, seguindo as seguintes instruções: Agencia: Operação: Conta: Banco: Para que o aluno conclua o CETAD é necessário que estude 20 (vinte) lições diferentes. O Curso de Educação Teológica à Distância tem duração mínima de 2 (dois) anos. dependendo do interesse e da disponibilidade do a1uno. O Certificado de conclusão do CETAD será outorgado pela FATECE – Faculdade de Teologia do Ceará. Para obter maiores informações escreva para: Curso de Educação Teológica à Distância ou se preferir ligue: 226-3569 INTRODUÇAO GERAL O alcance dos assuntos abordados na presente Lição, obedece aos devidos limites de tempo e de espaço, conforme o método de ensino teológico

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura por correspondência adotado pelo CETAD. Esta lição é parte de um todo, obedecendo a um programa de conteúdo devidamente coordenado. Que cada aluno do CETAD tire o maior proveito possível desta Lição, que esta lição venha a contribuir para uma assimilação mais profunda no sentido de que cada aluno aplique á sua vida os princípios éticos e morais da palavra do Senhor. O anelo e as orações da Diretoria do CETAD é que a presente lição resulte em ricas bênçãos sobre todos os que dela se utilizarem, uma vez que a mesma está baseada na viva e poderosa palavra de Deus. Seja a graça do Senhor com cada um dos alunos do CETAD. COMO ESTUDAR ESTA LIÇÃO As vezes, estudamos muito e aprendemos pouco, ou nada. Isto em parte acontece pelo fato de estudarmos sem ordem, nem método. Embora em poucas palavras, a orientação que passamos a expor, ser-lhe-á muito útil: 1) Primeiro; busque a orientação da de Deus, ore a Deus suplicando direção e iluminação do alto, nunca execute qualquer tarefa de estudo ou trabalho, sem primeiro orar. 2) A seguir; seja organizado ao estudar, e ao primeiro contato com a lição, procure obter uma visão global da mesma, isto é, uma visão geral. Não sublinhe nada. Não escreva nada. Não procure referencias na Bíblia. Procure descobrir o que deseja a lição ensinar-lhe. Passe então o estudo da lição: 1) Agora a medida que for estudando, sublinhe palavras, frases e trechos-chaves, faça anotações, olhe as referencias bíblicas. 2) Ao final do estudo da lição, procure lembrar o que estudou. Caso tenha alguma dificuldade, volte à lição. O aprendizado é um processo metódico e gradual. Não é algo automático em que se aperta um botão e a máquina trabalha! Pergunte aos que sabem, como foi que aprenderam! 3) Quando estiver seguro do seu aprendizado, passe ao questionário. As respostas deveram ser dadas sem consultar a lição. Observando estes itens você terá chegado a um final feliz do seu estudo, tanto no aprendizado quanto no crescimento espiritual. 2ºTrn 2,15 FL 4.13.

FATECE – Curso de Educação à Distancia

2

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura O QUE É TEOLOGIA Definição A palavra teologia vem de duas palavras gregas: “theós” (Deus) e “logos” (palavra, assunto, tratado). Então, no sentido etimológico, teologia quer dizer palavra, assunto ou tratado sobre Deus. “A teologia é a ciência que trata de Deus e das relações entre Deus e o universo”. A teologia, consiste em fatos relacionados com Deus e sua relações com o universo, apresentados de maneira lógica, ordenada e consistente. O campo de estudo é bastante abrangente: Deus e suas relações com o universo. No enfoque teológico o homem está no centro desse universo. É ele que pode refletir sobre a revelação que Deus dá de Si mesmo, e elabora uma explicação racional desses fatos, de modo orgânico e consistente. Uma outra definição é dizer que teologia é o estudo e a declaração cuidadosa e sistemática da doutrina cristã. Por doutrinas cristã entende-se “a declaração das crenças mais fundamentais do cristão”. A teologia investiga criteriosamente e sistematiza os princípios, as verdade básicas da religião cristão. A teologia deve ser exprimida no idioma contemporânea, no contexto da cultura gral, relacionada com a maneira de viver do homem. Daí o seu caráter dinâmico na sua forma de expressão e na sua aplicação. A Distinção Entre Teologia e Outros Estudos Para melhor compreensão da natureza da Teologia, precisamos observa a distinção que há entre ela e algumas outras disciplinas semelhantes. Teologia e Religião A palavra religião, para alguns, deriva de “religare” (ligar de novo), e significa religar o homem a Deus. Outros, entendem que a palavra vem de “relegere” (considerar, rever, retomar o caminho). O termo religião tem sido usado para expressar idéias cristã e não cristã. Num sentido mais amplo do termo, podemos dizer que religião é a vida do homem nas suas relações com o poder soberano e sobrenatural do universo. Esse relacionamento baseias-se em conceito diferentes da realidade sobrenatural, assume formas diferentes e materializam a religião na vida prática de cada povo. A religião cristã está acima de qualquer outra religião do mundo, porque nela encontra-se a idéia mais esclarecida, desenvolvida e correta acerca de Deus e suas relações com o mundo e do meio de se cultivar uma relação efetiva com o sobrenatural, dada a revelação especial que temos nas Escrituras (At 17.24–28).
FATECE – Curso de Educação à Distancia 3

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura A Teologia se relaciona com Religião, mas dela se distingue, tal como a Botânica está relacionada com a vida das plantas mas é distinta dela. A Teologia estuda as verdades que na religião o homem procura vivenciar e expressar em atitude e ações. Assim como a religião é um fenômeno natural na vida do ser humano, por isso também um fenômeno universal, também a teologia, que surge da necessidade de se explicar o que se crê na religião, é inevitável e imprescindível para a vida humana. Teologia e Apologética Apologética significa “um discurso sistemático e argumentativo na defesa da origem e da autoridade da fé cristã”. A Apologética tem como propósito justificar a religião cristã diante das idéias contrária e provar sua veracidade. O propósito da Teologia é outro: conhecer e expor o conteúdo e o significado da fé cristã, para fins práticos. Teologia e Filosofia da Religião A Filosofia da Religião investiga a natureza e os fundamentos das crenças religiosas. Trata de problemas tais como a origem, a natureza e a função da religião na vida do homem. Investiga a verdade e o valor da interpretação religiosa no mundo. Quando à Teologia, a sua maior consideração é com os espectos prático da religião na vida, e busca interpretar o cristianismo mas em minúcias. Teologia e Ética Cristã A Ética Cristã investiga as obrigações morais do homem à luz da revelação bíblica. Ela expõe o significado do cristianismo para a vida moral do homem. Na Teologia muitas vezes observamos o efeito ético de uma doutrina, mas este não é o único objetivo, e nem sempre o principal interesse imediato ao considerar-se uma doutrina. A IMPORTÂNCIA DA TEOLOGIA Negação da Importância da Teologia Muitas vezes tem se negado a importância do estudo da doutrina cristã ou da teologia, alegando-se que o que importa é a vida com Deus, a experiência ou a fé. Esta é uma posição equivocada do cristianismo. Algumas possíveis razões para essa negação da importância da teologia são: 1 – Uma ênfase exagerada na doutrina em contraposição ao cuidado com o caráter cristão, evangelização e serviço social, que por vezes tem-se verificado na história da Igreja.
FATECE – Curso de Educação à Distancia 4

3. através da formação. Não podemos separar os aspectos da vida cristã dos aspectos teóricos. resultando daí atrito. desde os seus primórdios. inspiração e estrutura 2 – O dogmatismo sobre vários aspecto da religião. Jo 9. A vida humana requer esse lastro teórico em que repousa nossa atitude e ação. a doutrina cristã está sujeita a ataques e contaminação de superstições. A teologia é uma arma poderosa no ministério (Tt 1. rejeição. Razões da Importância da Teologia 1 – A Teologia Satisfaz a Mente Humana É da natureza da mente humana querer raciocinar e entender aquilo que se crê ou se faz. é o seu doutrinamento (Ef 4. Para se propagar o evangelho na sua inteireza é necessário Ter alguma compreensão inteligente do seu conteúdo e significado ser capaz de dar uma explicação inteligível da verdade a outrem. 2 –A Teologia Ajuda na Formação do Caráter As verdades incorporadas ao nosso conhecimento afetam o nosso caráter. Uma das grandes necessidades da igreja. O conhecimento de Deus e das relações entre Deus e todas as coisas é um fator de primeira grandeza na formação do caráter do crente. um lastro teológico bem fundado. científicos e religiosos. Se a Teologia é a sistematização dos princípios.9). a igreja perde sua capacidade militante. 5 – A Teologia Fundamenta a Prática Cristã FATECE – Curso de Educação à Distancia 5 . correntes de pensamentos filosóficos. Uma teologia bem fundamentada na Bíblia é necessária para combater esses ataque e preservar a pureza da vida cristã. 4 – A Teologia Ajuda na Propagação do Evangelho Onde não há uma base doutrinaria segura e firme. das verdades básicas da religião que professamos. seus objetivos e efeitos na vida do crente. O desenvolvimento da vida do cristão depende do conhecimento da verdade de Deus (2ªPe 1. 3 – A falta de conhecimento o que seja Teologia ou doutrina.3ss. 3 – A Teologia Serve para a Pureza e Defesa do Cristianismo Na sua caminhada histórica. imoralidades. Os líderes são responsáveis por essa firmeza doutrinária.2–8). é indispensável que tenhamos um estudo técnico teórico daquilo que aceitamos e reputamos como sendo de absoluto valor para a existência. das doutrinas.10).Conhecendo as Escrituras. confusão doutrinária e desinteresse pela doutrina e por questões especulativas.15.14). Hb 13. preferindo-se os aspectos práticos da vida cristã. Enfim. O ministro de Deus tem o dever denunciar o falso ensino e defender a verdade (1ªTm 1.9. “o estudo da doutrina é uma expressão de amor ao Senhor através de nossas mente”.

a Sistemática e a Teologia Prática. enfocando as origem. e os movimentos mais atuais. e mais comprometido com ela ficamos. através da formação. no aspecto mais abrangente e sistemático. A teologia cristã pode ajudar na resposta às indagações mais profundas do ser humano. e outras. uma explicação doutrinaria da verdade. como para o cristianismo em si e para o ministério cristão. de João. e serve-se da exegese bíblica. Há grande necessidade de se compreender a teologia cristã. de Pedro. e inclusiva da fé cristã. Quanto mais conhecemos a verdade. primeiro. antes de apelar para a prática da vida. a Ciência. na medida em que esses ramos do saber humano podem ajudar no esclarecimento de verdades tratadas na revelação. tomando-se por base principal o material fornecido pela Escritura. a teologia poder ser dividida em quatros ramos: A Teologia Bíblica. a Teologia da Prosperidade. Pode ser subdividida em Teologia Patrística. é imprescindível um bom conhecimento doutrinário. 3 – A Teologia Sistemática A Teologia Sistemática é o estudo de toda a verdade cristã. 1 – A Teologia Bíblica Teologia Bíblica é a parte da Teologia que se ocupa com a exposição do conteúdo ou conteúdo de ensinos dos assuntos bíblicos. A DIVISÃO EMÉTODOS DA TEOLOGIA A Divisão da Teologia Para fins de estudo. Teologia Medieval. 2 – A Teologia Histórica Teologia Histórica é o estudo do desenvolvimento doutrinário no curso da história da igreja.Conhecendo as Escrituras. mas servindo-se também de outros ramos do conhecimento. O material exclusivo da Teologia Bíblica é a Bíblia. Teologia dos Reformadores. a Psicologia. em suas epístolas. Poder ser subdividida em Teologia do Antigo Testamento. tanto mais entusiasmo vamos ter por ela. A Teologia Sistemática tenta dar uma exposição coerente. via de regra. Por isto ela é chamada FATECE – Curso de Educação à Distancia 6 . Para uma vida consagrada e santa. Teologia Contemporânea. inspiração e estrutura A doutrina é o conteúdo da fé e a base de toda a prática. Por isto alguns a denominam de Teologia Exegética. ordeira. a História. como a Teologia da Libertação. É nosso dever conhecer toda a verdade e ajudar os que estão na dúvida. ou ainda Teologia de Paulo. dos Evangelhos Sinóticos. O apóstolo Paulo. O mundo está em crise de verdade fundamental. a Teologia Histórica. etc. como a Filosofia. o progresso e as aberrações da doutrina. oferece. tanto para a vida pessoal do crente.

certamente os temas teológicos estudos serão substancialmente modificados. especialmente na Teologia Sistemática. é a Revelação Natural. isto é. Joseph Smith (mórmon). Por isto que a Teologia Sistemática não é completamente uniforme e homogênea. independente das Escrituras. Métodos do Estudo da Teologia Há vários métodos que são utilizados no estudo teológico. distinto da teologia Revelada. 2 – Método Místico Alguns têm afirmados ter recebido revelação especial de Deus. e com base mesas “revelações” têm elaborado suas teologias. com base na mesma fonte. A classificação acima é da Teologia Prática. Inclui disciplina como Evangelismo. o evulucionismo. orar. etc. trata da aplicação das doutrinas na vida dos cristãos e da Igreja. Isto é. Abulqasim Mohammad FATECE – Curso de Educação à Distancia 7 . Ela deve nos orientar como viver. o racionalismo como princípios filosóficos. pregar. Se o sistema doutrinário é baseado num credo ou credos adotados por alguns grupos cristãs. Ellen G. inspiração e estrutura sistemática.Conhecendo as Escrituras. se o teólogo aceita o deímo. 4 – A Teologia Prática A Teologia Prática cuida da aplicação prática das verdades tratadas noutros ramos da Teologia. diferindo em alguns aspectos das verdades revelados. Entretanto. 1 – Método Dedutivo Este método deduz o sistema de princípios filosóficos aceitos a priori. Cada método determina a natureza do sistema daquela teologia. Homilética. White (adventitas do sétimo dia). através da formação. Mas esta teologia baseada na natureza não serve para o cristão que já tem maior e melhor conhecimento de Deus atrav’4es das Escrituras. Daí a importância de se adotar um método que conduza a uma teologia válida do ponto de vista bíblico. o panteísmo. cuja fonte é a revelação de Deus dada na natureza. Por exemplo. e como evangelizar. objetivando uma vida espiritual mais profunda. teologias diversas que se afastaram da ortodoxia cristã. Ética. leva-se o sistema teológico a se acomodar a princípio filosóficos previamente aceitos. então essa Teologia é normalmente denominada Dogmática. portanto. em toda a qualquer Teologia Sistemática há um caráter dogmático que reflete o modo de crer do teólogo ou de sua denominação. Outro ramo da teologia. porque há pontos doutrinários que outros teólogos sustentam de modo diferente. Este é a razão de termas na história da Teologia. A Teologia Prática. Charles Taze Russel (testemunha de Jeová). a que baseia na revelação especial registrada na Bíblia.

nem o Filho. por exemplo. 3 – Método Indutivo Este é o método da ciência natural. a Bíblia. 5 – Quinto passo.36). onde as “revelações” de Deus são abundantes. defender esta conclusão diante da oposição das ideologias contrárias. relacionar as condições preliminares com a revelação geral e com as outras doutrinas já estabelecidas para concretizar esta resposta teológica. mas há muitas aplicações nos diferentes contextos e situações em que vive o ser humano. aplicar as conclusões teológicas às situações especificas da vida neste mundo. a sua classificação e o estudo das leis que os regem.” (Mt 24. mas deve sempre ser submetida à prova da Palavra de Deus. 3 – Terceiro passo. Este método contém seis passos: 1 – Primeiro passo. e 6 – Sexto passo. Marcar.Conhecendo as Escrituras. o dia e hora da volta de Jesus. é preciso lembra que a experiência tem seu valor. 4 – Quarto passo. 2 – Segundo passo. e não o contrario. definir e esclarecer o problema ou a questão teológica. 4 – Um Método Básico Gordon R. a coleção de fatos. como o é em toda a ciência. empregando o raciocínio e recebendo ajuda do Espirito Santo. Demarest apresentaram um método básico útil para o estudo da Teologia. porém. a saber. Há uma verdade divina. naturalmente. mediante o estudo natural e objetivo dos fatos narrados nos textos bíblicos. através da formação. identificar as várias soluções do problema que foram sugeridas na história cristã. É possível entender as verdades divinas através do estudo da Bíblia com critério de método cientifico. Este é o principal método da Teologia. Na Teologia. A indução vem. primeiro. tanto a indução como a dedução devem ser empregadas. As doutrinas devem ser fundamentadas na Bíblia. para determinar exatamente o que diz o texto. é contrariar a Palavra de Deus que diz que: “Daquele dia e hora. Lewis e Brruce A. O místico depende mais de impressões internas ou subjetivas do que de autoridade e instruções externas. senão só o Pai. ninguém sabe. inspiração e estrutura ibn Abdullah Abd al-Muttalib ibn Hashim “Maomé”(islamismo) e Hippolyte Léon Denizard Rivail “Allan Kardec” (espiritismo) são alguns exemplos do método místico. Um tipo mais moderno de misticismo teológico encontramos em alguns movimentos pentecostais e carismáticos. e chegar às conclusões preliminares. nem os anjos do céu. como já tem sido feito por alguns. FATECE – Curso de Educação à Distancia 8 . mas a dedução é um método válido se as deduções são tiradas logicamente de premissas corretas. Entretanto. estudar fontes da Teologia Cristã.

Mas o que se verifica é que Deus Se revelou tanto por meio da criação como também por meios. e ocorre por meio da criação. precisamos tentar esquecer nossas idéias prévias e vir à Escritura com uma mente aberta e disposta para ouvir e aprender. portanto. através da formação. FATECE – Curso de Educação à Distancia 9 . Onde não há revelação de Deus resta apenas o intelecto humano. dos atributos e dos propósitos de Deus. Revelação Geral Conceito e Meio da Revelação Geral Revelação geral é a automanifestação de Deus mais abrangente e para toda a humanidade. Portanto. Na teologia. advindo daí a experiência religiosa. Não fora a revelação de Deus. Precisamos estar seguros de que o material que estamos utilizados como fonte de verdade é fidedigno. Além disto. lutando com toda sorte de hipóteses. revelação é o ato de Deus manifestar a Si mesmo e a sua mensagem ao homem. da natureza humana. REVELAÇÃO E ESCRITURA A revelação bíblica é a fonte principal da Teologia. A solução para esta dificuldade no conhecimento de Deus é a revelação. Trataremos da Revelação e da Escritura. Deus não é parte da criação. A REVELAÇÃO Conceitos e Necessidade da Revelação O termo “revelação” significa a exposição daquilo que anteriormente era desconhecido. Podemos classificar a revelação em dois grupos: Revelação Geral e Revelação Especial. não consiste apenas em tornar o homem sabedor do poder. nossa base fundamental e autoridade final é a Bíblia. Para tanto. mas também em estabelecer o contato pessoal entre Deus e o homem. há uma distância muito grande entre o homem e Deus. Daí a necessidade de estudarmos na consideração dos temas referidos pela Escrituras. Não podemos evitar completamente nossos preceitos e os efeitos da cultura e da história. o homem não poderia ter conhecimento da divindade. e o produto dessa manifestação.Conhecendo as Escrituras. inspiração e estrutura É preciso cuidar do método que vamos adotar. A revelação. da providência e da história. porque ele vai determinar aonde que vamos chegar. incluindo seus aspectos de inspiração e inerrância. em duplo aspecto: o mental e o moral. logo Ele não pode ser descoberto na natureza pela pesquisa humana. mas podemos ter consciência deles e tentar não permitir que eles controlem nosso interpretações da Bíblia.

1. 4. tendo em vista um propósito.2.21. bondosa e sábia. Efeitos da Revelação Geral A revelação geral produz efeito em todo a humanidade. sua sabedoria insondável (Sl 8.1. a revelação geral não é suficiente para levar o homem à salvação. O curso das leis da natureza. com base na revelação geral. poderosa. toda a criação. Rm 1. 2.25. descobrindo cada vez mais este universo. Por isto.26. Dn 2. e as normas são elaboradas FATECE – Curso de Educação à Distancia 10 . o Criador (Gn 1. pois sabe que há uma divindade da qual é dependente e à qual terá de prestar contas. 3 – Na providencia divina. Rm 13. A filosofia. pode enriquecer nosso conhecimento da grandeza de Deus. que criou essas leis e as sustenta.20.30). assim como qualquer obra revela aspecto do seu autor. seu poder infinito. At 17. Enfim.26. Is 40. inspiração e estrutura 1 – A criação. É com base no conhecimento que vem da revelação geral que surge a teologia natural.26. isto é. a consciência humana. Mt 6. os fenômenos da natureza e os acontecimentos históricos manifestam Deus. porque são fundamentadas na “lei escrita em seus corações” (Rm 2. através da formação. 2 – O homem.28. a existência de Deus e algumas das Suas qualidades características.16). em sua natureza moral e religiosa. At 17. através dessa revelação. reflete.19.20). isto é. Refletindo e analisando.15). em certo casos. é possível entender. A história o mundo também manifesta a ação de Deus (Sl 75. 19.27).6. De modo geral. mas pelo poder de Deus operando por meio de Cristo (Rm 1. eternidade (Rm 1.32. Os principais efeitos são: Proporciona Conhecimento de Deus Pela revelação geral o homem pode ter conhecimento de Deus. até certo ponto. na constante atividade de Deus em manter e dirigir a Criação. Rm 1. mesmo porque a salvação não vem pelo saber acerca de Deus.26. mantendo a existência das coisas criadas. as normas morais são aceitas a priori. por causa da sua natureza pecaminosa. Há uma noção de justiça na consciência do homem. feito à imagem e semelhança de Deus.7.14.14.20). a existência do mundo físico revela Deus como Realidade Eterna. como soberania. mostra ao homem que há uma Providência infinita. embora seja um conhecimento limitado. Dá Base para a Estrutura da Vida Moral da Sociedade Na organização da sociedade. Entretanto. Ele também se revela a nós (At 14. tem palmilhado este caminho. A ciência moderna. com dificuldade e apenas parcialmente. o homem não vive sem a idéia da divindade e sem religião.15). poder.17. o homem só consegue perceber Deus.1.27.Conhecendo as Escrituras.3.

7. É assim “Porque nele vivemos. Dn 2.2–5.20. todos ser humano se torna indesculpável diante de Deus pela sua recusa em adorar ao Criador como o único e soberano Deus (Rm 1. Os principais agentes de Deus que recebemos e comunicaram a revelação especial foram os profetas e Jesus Cristo (Hb 1. Ajuda no Entendimento da Revelação Especial Pela revelação geral o homem está mais apto a entender e revelação especial. e cujas noções foram posteriormente transmitidas às suas descendências. e as visões do Apocalipse).18. Os profetas de Israel foram os grande portadores da revelação de Deus no passado (1ºSm 3. 1ºRs 18. Revelação Especial Conceitos e Meios da Revelação Especial A revelação especial é a manifestação que Deus faz de Si mesmo e da sua mensagem a um indivíduo ou a um grupo deles. Mt 2.8.13. Gn 28.30. Daí porque nas atividades evangelísticas e missionárias percebemos que as pessoas.24–32). 4. No estudo do Direito esta justiça inerente ao ser humano é chamado de Direito Natural.10–13. atos miraculosos.12. 9. Eles tinham visões de Deus. Na revelação especial Deus se serviu de palavras. inspiração e estrutura com base na natureza moral humana. Hb 1.3). Jo 5. visões. e outros tiveram revelações e experiências pessoais mercantes com Deus.28).3).24. 20.10. Gl 2. 14. O principal acontecimento histórico anunciado pelos profetas foi a vinda e o trabalho de Jesus Cristo.19–22.11. Hb 1.1).12. que enriqueceram o conhecimento religioso deles. notadamente a redenção. Antes dos profetas. tendo em vista um determinado fim. At 9.11–13. Noé. A negação do culto ao único Deus e a prática da idolatria e da injustiça não podem ser justificados diante de Deus.1. Hb 1.Conhecendo as Escrituras. por meio de palavras ou acontecimentos especiais históricos. pessoas como Enaque.9.9. e existimos” (At 17.6. Torna o Homem Indesculpável Diante de Deus Pelo conhecimento que a revelação geral pode proporcionar ao homem.9). 31. 10. e nos movemos. FATECE – Curso de Educação à Distancia 11 .12–15. mesmo que o indivíduo só tenha a revelação geral (Rm 1. particulares e históricos (Êx 4.1. Gl 1.2).1.1–3.3– 6.1ss.19–23).1. elas têm alguma noção de Deus e da responsabilidade diante dEle. a encarnação do filho (Jo 1.36.14.31. e por isto eram chamados videntes (1ºSm 3. Eles então predisseram acontecimentos que vieram a acorrer na história.9. sonhos (Nm 12. através da formação. Deus lhes falou acerca da Sua vontade e do Seu propósito para com o Seu povo. 16. por mais ignorante que sejam do cristianismo.

At 3. mas a apresentação das Pessoa de Deusa mesmo e o Seu comparecimento junto aos indivíduos para tratar de problemas visava antes de tudo a comunhão do homem com Deus. 14. Ele revelou mais profundamente o Pai e seus propósitos para com a humanidade (Jo 1.9. através da formação. como conceitos teóricos sobre os atributos da divindade. Características da Revelação Especial A revelação especial tem característica que a distinguem da revelação geral.22. de meio de revelação para as novas gerações.20).14. Por meio delas Deus fala a nós hoje como outrora falou através dos profetas. por sua vez. Essa revelação foi também atingindo níveis cada vez maior no plano especial.8. a revelação teve o seu clímax.Conhecendo as Escrituras. A Revelação Especial é Redentiva A finalidade da revelação especial é levar o homem de volta para Deus. Cl 2. A Revelação Especial é Escriturística O seu conteúdo foi suficientemente registrado na Bíblia para nós.2). inspiração e estrutura Os profetas duraram até João Batista. As escrituras.1–3.17).9. do Filho e dos apóstolo. mas ouvimo-los indiretamente através das Escrituras. como acontece até o dia de Hoje (Dt 29.27). Em Jesus.29. livre do pecado e de suas conseqüências. e é por meio dela que tomamos conhecimento dessa revelação ocorrida no passado e temos nossa compreensão de Deus e da Sua vontade hoje.19. à medida em que nelas foram sendo registradas os conhecimentos já adquiridos de Deus. A Revelação Especial Fora da Bíblia FATECE – Curso de Educação à Distancia 12 . Lc 24.18. Is 8. De Gênesis ao Apocalipse podemos notar uma gradação progressiva na revelação. Por meio de Jesus os apóstolos receberam os mais excelentes conhecimentos da verdade redentora de Deus e no-las transmitiram.16. A Revelação Especial é Gradativa e Progressiva Deus aos poucos foi Se revelando como Salvador e dando a conhecer os mistérios da redenção. A Revelação Especial é Cristã Jesus Cristo não somente é o principal meio dessa revelação como também é o tema que permeia toda a revelação (Dt 18. Depois dos profetas veio o filho de Deus. O meio mais extraordinário da revelação especial foi a encarnação do Verbo divino (Jo 1.15. serviram. Hb 10. A Revelação Especial é Revelação de Deus Mesmo Não se trata apenas de idéias a respeito de Deus. 2ªTm 3. Nós hoje não ouvimos os profetas nem o Filho de Deus diretamente.20.16–18. Hb 1. Cristo é a perspectiva pela qual a Bíblia deve ser lida e interpretada.

os cristão têm procurado fontes secundárias de autoridade para as questões de fé. cuja investidura divina foi reconhecida por Abraão.. seja uma prova de como Deus Se revelou também a outros indivíduos e a outros povos. FATECE – Curso de Educação à Distancia 13 .. As confissões históricas. Deus é a autoridade suprema. inspiração e estrutura A Bíblia não registra toda a revelação ocorrida na história da humanidade (Jo 21.12). Nenhuma outra revelação é necessária hoje para a humanidade acerca de Deus e dos Seus planos. a revelação bíblica é sem igual pelo seu conteúdo. A ESCRITURA A Bíblia.25). como também o é no Novo Testamento. mas que agora “. características e propósitos.vemos como por espelho. Na perspectiva cristã. todas as nações precisam ouvir sua mensagem de salvação por meio de Cristo (Mt 28. Nada mais a acrescentar ao registro bíblico. conhecê-Lo e a Sua vontade como se Deus.20).. Porém. também é chamada de Escritura ou Escrituras. através da formação. Apenas entender.Conhecendo as Escrituras. Mas o que ela registra é suficiente para os propósitos de Deus. Fontes Segundaria de Autoridade Durante a história.3). mediante o auxilio do Espirito Santo. Ablimeleque é um exemplo de homem ímpio que recebeu revelação específica de Deus. quando Cristo voltar ele trará mais luz acerca do que já foi falado. A Autoridade da Escritura Quando falamos em autoridade referimo-nos ao direito ou ao poder de um indivíduo realizar aquilo que determina ou exigir obediência. que é “resumos da verdades cristã que foram produzidos nos primeiro séculos para declarar a essência da fé em uma época de confusão teológica”. é o registro inspirado da revelação especial de Deus ao homem. Nela podemos ouvir a Deus. falasse diretamente conosco. em relação à Escritura autoridade indica exatidão estabelecida. Ela é fonte de revelação para nós. o que já está revelado. Também é provável que Israel não tinham sido os únicos a receber revelação de Deus. em cujas informações pode-se confiar. As principais são: Os credos. embora não fosse com propósito redentivo (Gn 20. e a Escritura é a fonte final onde encontramos a mente e a vontade de Deus. Temos nações fora de Israel cooperando para a vinda de Jesus ao mundo.. Entretanto. que pertencem ao período da Reforma e pósReforma. Entretanto. Melquesedeque. Por isto.19.” (1ªCo 13.

para Jesus a Escritura antiga era fonte final de autoridade. Aceitou os milagres. indicativo da mente de Deus. como tendência principal do entendimento cristão. fez uso dela para resistir Satanás no deserto e citou-as durante Seu momento Final de agonia na cruz. O mesmo se pode dizer acerca dos apóstolos. Argumentos a Favor da Autoridade Final das Escritura A bíblia é a forma material da revelação especial de Deus para nós hoje. 26.6). nas mesmas condições das pessoas do passado. especialmente os credos e as confissões históricas. o que Ele disse para eles outrora. Significa que Deus diria a nós hoje. Jesus aceitou as história do Antigo Testamento como sendo verdadeiras.. A palavra de Deus é eterna. e não foi uma simples acomodação à crença de Sua época. Deus Se revela a nós hoje como quando Ele falou pela primeira vez.4. em cujos fundamentos estamos alicerçados.edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas. entretanto. a atitude de Jesus e Seus apóstolos para com a Escritura serve de base para nós. Ele cria na autoridade de todo o Antigo Testamento (Lc 24. o raciocínio cristão e a consciência. Todas elas.20). Os apóstolos também reconheceram a autoridade final do Antigo Testamento. Mas que base temos para afirmarmos que a Bíblia é hoje fonte final de autoridade religiosa? O que se segue é uma base segura para os cristão “. Se nossa fé está em Jesus.29). sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra de esquina.54.53. Ele referiu-se à Escritura como Palavra de Deus (Mc 7. como a voz do Espirito Santo. pois permitiu que a Palavra escrita dirigisse Sua missão.4).27). Referiu-se a cada uma das suas principais divisões: a lei (Mt 4. Através das palavras da Bíblia.” (Ef 2. através da formação.Conhecendo as Escrituras. os livros poéticos (Mc 11. Desta forma. Portanto.36). Eles reconheceram a autoridade final do Antigo Testamento. Jesus citou as Escrituras do Antigo Testamento e se sujeitou a elas (Mt 4. O que Ele disse no passado vale para hoje e para sempre (Dt 29. O Reconhecimentos da Autoridade do Antigo Testamento Nossa fé está fundada em Jesus e nos ensinos dos Seus apóstolos. e acreditou serem uma revelação de Deus dada sob a inspiração do Espirito Santo (Mc 12. Eles citaram as letras e os pensamentos da Escritura antiga como apoio aos seus ensinos.25–27). inspiração e estrutura A opinião da Igreja.13). Com freqüências apresentaram a fé cristã como FATECE – Curso de Educação à Distancia 14 . então o que Ele creu e ensinou devemos também crer. as profecias e a ética..10s) e os profetas (Mc 7. pretendem apoiar-se na Bíblia. a experiência cristã. Mc 14. denunciando que são fontes secundárias de autoridade e apontando para a Bíblias como fonte final.

Os apóstolos também criam que estavam falando pelo Espirito Santo (1ªPd 1.21). o Antigo Testamento era a Palavra de Deus escrita (At 4. 2ªTm 3. Disse que elas não passarão (Mc 13.18 temos a combinação de um versículo do Antigo Testamento (Dt 25. toda a Escritura foi reconhecida por Jesus e seus apóstolos como sendo de autoridade final em matéria de fé e prática.16–35. 7. Entre eles.16). Is 15.31) e devem ser ouvidas e obedecidas (Mt 5. As palavras dos apóstolos também foram reconhecidas por Jesus e por ele mesmos.22.21. em nosso íntimo. Jesus concedeu aos apóstolos uma unção especial do Espirito Santo (Jo 20. enfim.9).23). Para os apóstolos.23). é o testemunho do Espirito Santo no coração da pessoa que dissipa toda e qualquer dúvida quanto à origem. At 1.16. Em última análise.11.18–20). 11. ao caráter e a autoridade divina da Escritura.8). 10. 16. Hb 4.16–18).12).13).25.13. de quem recebiam o conteúdo de sua mensagem (1ªCo 2. At 1.12).6. Gl 3. a consistência interna.7).3). assim como para o seu Mestre. Ela foi escrita durante um FATECE – Curso de Educação à Distancia 15 .2. 2ªTm 3.Conhecendo as Escrituras.35.26. prometeu que o Espirito Santo os guiaria em seus ensinos e testemunhamos (Jo 14. o Antigo Testamento e o conteúdo do Novo Testamento.26. A Bíblia tem muitas variedades.8. Deu-lhe autoridade para que ensinassem em seu nome (Mt 28. através da formação. 1ªPe 1.21ss. extraído dos ensinos de Jesus.17. mas uma mensagem uniforme.5).3. inspiração e estrutura cumprimento das Escrituras (At 2. Tinham segurança absoluta no que falavam (Gl 1. Outros Indícios da Autoridade da Bíblia Há outras fatores que testificam da autoridade final da Escrituras. O Reconhecimentos da Autoridade do Novo Testamento As palavra de Jesus foram reconhecidas de autoridade por Ele próprio e pelos Seus apóstolos. e deram ordens com autoridade (2ªTs 3. Desta forma.4) com outro do Novo Testamento (Lc 10. Jesus Cristo autenticou previamente os ensinos e os escritos dos apóstolos. sob a designação de “Escrituras”.15–17.10.24. 15. Os apóstolos também reconhecimento a autoridade divina do seu Senhor (At 20. Isto confere às palavras de Cristo autoridade igual a das Escrituras do Antigo Testamento. 3. Jo 20. Rm 1. Essa convencimento do Espirito se faz acompanhar pelo poder transformados da Palavra de Deus na vida do crente (1ªTs 2.63. Jo 8. 4. 2ªPd 1.31). o conteúdo e os efeito das escrituras.22–25. 1ªCo 7. Assim. Em 1ªTm 5. Jesus afirmou que Sua palavra tinham poder e autoridade sem igual (Jo 6. O Testemunho do Espirito Santo Acerca da Autoridade da Bíblia Muitos cristão afirmam que a maior evidência de que a Bíblia é a Palavra de Deus é o fato de que nela Deus fala conosco. Pedro classifica os escritos do apóstolo Paulo como “escritura” (2ªPe 3.13).

A Bíblia tem transformado países. Mas não se deve pensar que Deus ditou todas as palavras da Bíblia. Nada ficou sem a inspiração divina.38. de modo que as palavra expressavam adequadamente a revelação divina. a Bíblia tem uma surpreendente unidade e consistência na sua mensagem. segundo as características da época e da cultura de cada autor. inspiração e estrutura tempo de 1500 anos. é inspirada. Se uma ou mais palavras não são digna de confiança. Mas qual é a natureza e a extensão da inspiração bíblica? A Teoria da Inspiração Para explicar a natureza e a extensão da inspiração da Bíblia surgiram vários teorias. não obstante os diferente estilos e linguagem. Além disto. embora Ele tenhas resguardado os escritores de qualquer engano nos seus escritos. há casos em que Deus poderia Ter ditado algumas palavras.37. Lc 20.16).Conhecendo as Escrituras. A Teoria da Inspiração Plenária Esta teoria diz que a Bíblia toda. Esta teoria então afirma que cada palavra da Bíblia é inspirada. Como apoio a esta teoria estão os texto onde o argumento todo de Jesus ou do escritor bíblico se apoia numa só palavra (Jo 10. contudo. A Inspiração da Bíblia A autoridade da Bíblia encontra justificativa na sua inspiração. mas homens ativos que apresentaram sua colaborações. Uma objeção ao ditado verbal é que os escritores da Bíblia não eram apenas receptores passivos. por cerca de 40 autores.35. em três línguas. Não se pode pensar que uma passagem da Escrituras tenha sida inspirada e FATECE – Curso de Educação à Distancia 16 . através da formação. Deus guiou os escritos na escolha de cada palavra. ela contém muitas coisas que a mente humana nunca poderia ter imaginado. Assim toda a Bíblia é a Palavra de Deus. Segundo este modo de pensar. A Bíblia é a Palavra poderosa de Deus. cada palavra da Bíblia foi inspirada (soprada) por Deus. Gl 3. Seu conteúdo surpreende as mentes mais brilhantes. Outros argumentos em favor desta teoria é o fato de que a idéia é expressa em palavras e o conjunto destas contém a mensagem. Uma forma extremamente dessa teoria é conhecida por inspiração mecânica ou do ditado verbal. Deus teria ditado as palavras aos escritores. ou Deus mesmo teria escrito e entregue as tábuas a Moisés. Não obstante. falando muito assuntos. A Teoria da Inspiração Verbal Segundo este modo de entender. sociedades e milhões de vidas através da história. então a mensagem pode estar comprometida. em todas as suas partes. como no caso das duas tábuas da lei no Monte Sinai. seu estilo e sua cultura. imprimindo nos seus escritos sua linguagem.

e se estes fatos não são verídicos. é a Palavra de Deus atual (Pv 30. No fundo.6. As partes históricas. A Teoria da Inspiração Parcial Este modo de entender afirma que algumas partes das Escrituras receberam inspiração. e outras não. por isto. são humanas. Daí a razão da variação estilística e de erros lingüísticos. segundo o qual toda a Escritura é inspirada por Deus. contudo. mas ela contém a palavra de Deus. comprometer a veracidade daquilo que Deus quis que soubéssemos.4. Deus concedeu a eles os pensamentos e guiou-os no relato das mensagem divina. pois é possível pensar numa inspiração plenária sem necessariamente implicar na teoria da inspiração verbal. Também há a participação dos autores humanos nos escritos: eles FATECE – Curso de Educação à Distancia 17 . podem conter erros.7). além de ser contrário à posição de Jesus e de Seus discípulos. At 28. que converteu seus escritos em um registro preciso da revelação ou que faz com que seus escritos sejam realmente a Palavra de Deus. de tal modo que o que eles escreveram é exatamente aquilo que Deus disse na revelação original e diz para as gerações seguintes. Conceitos de Inspiração da Bíblia O que significa inspiração da Bíblia? Inspiração das Escrituras é a influências sobrenatural do Espirito Santo sobre os autores das Escrituras. através da formação. poéticas. pessoais e aquele que não são substancialmente doutrinárias. porque Deus mesmo estava na supervisão do registro. Neste caso a Bíblia não é a Palavra de Deus. Como se vê. a teoria da inspiração verbal leva necessariamente à teoria da inspiração plenária. a Bíblia é a Palavra de Deus e não há erro nos seus ensinos. Deus escolheu e capacitou determinados homens para a comunicação e registro da Sua vontade e do Seu plano para a humanidade. quer dizer. e. O conceito de inspiração implica numa direção efetiva do Espirito de Deus sobre os autores humanos. Hb 3. de modo geral. entretanto. A Teoria da Inspiração Dinâmica Segundo esta teoria. Uma objeção a este entendimento é que. e. Mas apesar disto. esta teoria apenas deixa os autores humanos mais livres para se expressarem em sua linguagem. esta teoria não corresponde com o pensamento da igreja cristã. o inverso pode não ser correto.25. as doutrinas cristãs se baseiam em fatos históricos. é uma decorrência natural da primeira teoria. inspiração e estrutura outra não. possibilitando relatos diferentes do mesmo fato. mas eles ficam livres para escolher e usar as suas próprias palavras. Mt 15.Conhecendo as Escrituras. sem.5. como que as doutrinas podem ser verdadeiras? Por estas razão. portanto.

Revelação é Deus dando a conhecer as verdades até então ocultas.”. reivindicam inspiração para as Escrituras do Antigo Testamento.. É possível haver uma coisa sem a outra...89.todas as profecias. embora esse processo seja também dirigido pelo Espirito Santo.. Aqui temos a idéia de uma inspiração plenária.” e a fonte “... de “Toda Escritura.. Afirmação da Inspiração do Novo Testamento FATECE – Curso de Educação à Distancia 18 .. A conclusão que tiramos é que o Espirito Santo de Deus impeliu e dirigiu os homens para que falassem palavras controladas também por Deus.. do objeto “.”...” da inspiração. a revelação tem sentido vertical “Deus se dirigindo ao homem”.palavras ensinadas pelo Espirito Santo de Deus.. tendo que buscar a verdade de Deus noutras fontes. sob a influência do Espirito Santo. através de homens que foram movidos pelo Espirito Santo.da parte de Deus.palavras.8.Conhecendo as Escrituras.13 afirma que a inspiração alcançou as “. Jesus e os apóstolos acreditaram que toda a Escritura era a verdadeira e infalível Palavra de Deus.26).25... Vejamos os seguintes aspectos: Alguns Textos que Tratam da Inspiração 2ªTm 3. e da fonte “.”...(Lc 1.1–4). Afirmação da Inspiração do Antigo Testamento Passagens como 2ºSm 23. A expressão tão costumeira “Assim diz o Senhor” indica a inspiração de Deus sobre os profetas..os homens.... compuseram e registraram as verdades de Deus..”.. sem nenhum engano na mensagem que Ele quis comunicar aos homens. Parece que este é o caso de Lucas (Lc 1. a extensão “. enquanto que inspiração diz respeito à comunicação ou registro dessas verdade reveladas...20. a fim de que tudo quanto escrevessem ou falassem trouxesse a garantia de Deus.por Deus.Escrituras. como também é possível alguém ter recebido inspiração sem ter tido revelação.. através da formação.”. Ela é produto da ação de Deus nos homens. Sl 119. Is 40. E como já observamos.2. 1ªCo 2..16 nos fala da extensão “... A Inspiração Bíblica Vista na Própria Bíblia A Bíblia testifica de sua própria inspiração. 1ªCo 7.1–4...” da inspiração. e a inspiração tem sentido horizontal “o homem se dirigido ao homem”. Os apóstolos falaram “.. É necessário também distinguir inspiração de revelação. inspiração e estrutura buscaram entendimento da revelação dada..Toda. Portanto..21 também nos dá o objeto “. Alguém pode ter recebido uma revelação de Deus e não ter a inspiração para comunicar ou registrar essa verdade.”. e não de Deus diretamente.. 2ªPe 1. A profecia foi produzida por Deus.

.” Ele lhes havia dito (Jo 14. a profundidade dos seus pensamentos.. O mesmo Espirito os guiaria “. Este poder inerente à mensagem da Bíblia mostra que ela é diferente dos demais livros. O Conteúdo do Ensino Bíblico..16).. que viria sobre os seus discípulos..18. justamente com o Antigo Testamento (1ªTm 5. tanto na sua formação. de circunstância históricas e culturas em que a Bíblia foi escrita. Além dos exemplos tirados da própria Escritura (1ªTs 2. especialmente as relativas à pessoa e obra de Cristo. divulgação e preservação. Todas elas testificam da inspiração da Bíblia. Ap 22. com detalhes e precisão consideráveis. 1ª`Pe 1. mais desejado e mais lido em todo o mundo. 1ªTs 4...26).. são muitas as profecias que se cumpriram. 2ªPe 3. Além disto.as coisas vindouras.37.23) podemos apontar exemplos das experiências de milhares de pessoas.” e os fariam lembra “.. o que os apóstolos escreveram (o Novo Testamento) está incluído na categoria de “Escritura”. A História Maravilhosa da Bíblia.. seus testemunhos. contudo. suas informações sobre a origem do mundo. há outras evidências que comprovam a inspiração da Escritura. Outras Evidências da Inspiração da Bíblia Além do testemunho explicito interno da própria Bíblia.” (Jo 16.Conhecendo as Escrituras. sua mensagem é uma só. Este fato testifica que ela foi produzida sob a inspiração divina.. Existe uma unidade na diversidade.” e lhes anunciaria “. tudo isto se FATECE – Curso de Educação à Distancia 19 . A unidade da Bíblias. a profundidade. as palavras da Bíblia têm se mostrado poderosas para mudar a vida das pessoas que as aceitam e crêem.13. a história da Bíblia.todas as coisas. tudo isto indica que a Bíblia é um livro de Deus para a humanidade. 2ªPe 3. inspiração e estrutura Jesus Cristo pré-autenticou os escritos do Novo Testamento ao afirmar que o Espirito Santo.2. os apóstolos deram testemunho de sua inspiração ao escreverem seus livros (1ªCo 14.. ensinos e princípios são harmônicos entre si.. não obstante a diversidade de escritores.de tudo quanto. de épocas. através da formação. a consistência e a revelação sempre atual do ensino da Bíblia é mais uma indicação de que seus autores escreveram debaixo da direção infalível do Espirito de Deus. O Poder Transformador das Escrituras.2. Destacamos aqui as principais: As Profecias Cumpridas. um livro inspirado por Deus.. a coerência dos seus ensinos.13). os ensinaria “.6–10). Por exemplo..a toda a verdade. sendo ela hoje o livro mais divulgado. enfrentando e vencendo as mais tremendas batalhas daqueles que queriam a sua destruição. Assim.. o padrão elevado de sua ética.

A inerrância plena. A idéia básica de inerrância é que não há FATECE – Curso de Educação à Distancia 20 . afirmando que ela é confiável em todos os seus ensinos. A Inerrância da Bíblia A autoridade e a inspiração da Bíblia nos levam à questão da inerrância. Não há nela falsidade. inspiração e estrutura constitui num forte indício de que Deus estava na direção de tudo para que a humanidade não ficasse sem o testemunho fidedigno de Sua revelação. e por isto não são verdadeiras. Há três maneira de se entender a inerrância da Bíblia: a inerrância absoluta. também considera a Escritura totalmente verdadeira. de acordo com o nível a que a cultura e os meio de comunicação haviam chagado na época em que foi escrita e de acordo com os propósitos a que foi destinada. 3 – A inerrância deve ser definida mais em termos de verdade e de falsidade do que em termos de erro. mas entende as referência cientificas e históricas como descrições fenomenais. a inerrância aplica-se às partes da Bíblia conforme foram originalmente escritas. considera a Bíblia verdadeira mas apenas no tocante às referências doutrinárias à salvação. Afinal. O defensor deste tipo de inerrância argumentam que o problema surge porque o conhecimento do homem ainda é muito limitado. As menções cientificas e históricas expressam o entendimento da época dos autores e não têm exatidão. o que é inerrância? A definição que mais se aproxima da inerrância plena afirma que a Bíblia. considera a Bíblia totalmente verdadeira até nas referência cientifica e histórica. mas em sentido secundário. Todas as declarações são exatas e as aparente discrepâncias podem ser explicadas. no fim não haverá conflito. 2 – No sentido estrito. Em conclusão podemos alinhar os seguintes pontos: 1 – A inerrância implica em afirmar que a Bíblia é totalmente verdadeira em todas as suas partes em tudo que ela ensina. A inerrância limitada. A inerrância absoluta. é plenamente fidedigna em tudo que afirma. isto é as coisas foram registradas como se apresentam aos olhos humanos. quando corretamente interpretada. a inerrância plena e a inerrância limitada. e não são necessariamente descrito exatas do ponto da vista da ciência. mas são corretas dentro da visão e do propósito do autor. ela também se aplica às cópias e às traduções na medida em que refletem os originais.Conhecendo as Escrituras. através da formação. Conceitos de Inerrância A inerrância diz respeito à veracidade da Bíblia.

e é uma questão básica para a fé cristã. antes de dizer que sua afirmação é falsa. É necessário interpretar corretamente um texto. a fidedignidade da Escrituras deve ser vista “de acordo com aquilo que as afirmações significavam no ambiente cultural em que foram expressos”. Seu propósitos é espiritual: levar o homem à reconciliação com Deus. Assim. sem erro de qualquer espécia”. Atualmente o tema da inerrância da Bíblia tem merecido grande atenção dos estudiosos da Bíblia. inspiração e estrutura engano ou falsidade nos ensinamentos das Escrituras.Conhecendo as Escrituras. da seguinte maneira. às vezes. 1 – A Bíblia ensina sua própria inspiração e isto implica num registro. Anselmo (1033–1109 d. e suas afirmações “são plenamente verdadeiras quando julgadas de acordo com o propósito para o qual foram escritos”. A Inerrância e a Própria Bíblia O argumentos de maior peso em favor de uma Bíblia inerrante e infalível vem da própria Escrituras.) e outros grande teólogos da Idade Media declararam sua crença na Bíblia como sendo verdadeira em tudo que afirma. estou disposto a confiar neles somente quando comprovam pelas Escrituras suas opiniões. sendo que as Escrituras nunca erraram”. Muitas aparente discrepância são resolvidas com uma boa interpretação. Calvino e outros reformadores também defenderam a total fidedignidade da Escritura. Na interpretação é preciso levar em conta o contexto cultural da época e o propósito do autor. As referência cientificas e história são feitas dentro da cultura da época. tendo em vista um propósito espiritual. FATECE – Curso de Educação à Distancia 21 . Agostinho (354–430 d. a inspiração requer inerrância. Lutero diz: “mas todos realmente sabem que. por conseqüência da inspiração divina. Lutero. portanto.) descreve: “Aprendi a dar este respeito e honra somente aso livros canônicos da Escrituras.C. Aquino assim se expressa: “As Sagradas Escrituras. A Inerrância na História No decurso da história. somente acerca destes é que creio com muita firmeza que os autores estavam completamente livres de erro”. eles (os pais) têm errado conforme os homens tendem a fazer. através da formação. porém. por isto.). Tomás de Aquino (1224–1274 d.C. sem nenhum engano.C. a igreja tem sido de opinião que a Bíblia é inerrante. devem manifestar a verdade de modo eficaz. resultando daí sua autoridade máxima em questões de fé. A inerrância é ensinada de maneira implícita na Bíblia. 4 – A inerrância está relacionada com uma boa hermenêutica. A finalidade da Bíblia não é ensinar verdades cientificas ou esclarecer detalhes de fatos históricos.

O homem é falível.Conhecendo as Escrituras. inspiração e estrutura 2 – As mensagem divinas eram distinguidas das falas dos falsos profetas em Israel pela sua veracidade total e absoluta (Dt 13. Jesus Cristo.35. 5 – A natureza de Deus. Esta objeção. Às vezes um argumento inteiro depende de uma única palavra (Jo 10. é umexemplo de que o homem não implica necessariamente em erro. “À luz da ciência do cristianismo textual. os quais não mais existem. Em resposta é preciso dizem que uma cópia perfeita tem o mesmo valor do original. A Bíblia mesma se utiliza de cópias anteriores (Dt 10. mas a inspiração os preservou de erros. logo sua marca de veracidade total e absoluta deve acompanhar a Escritura. FATECE – Curso de Educação à Distancia 22 . Tt 1. logo o que ele escreve é falível. E se a Bíblia vem da parte de Deus. como um ser humano sem pecado.35).29. mas até o próprio Senhor Jesus destacou a inerrância do códice do Antigo Testamento (Jo 10. como verdadeiro.6). Sl 82.34. forçosamente ela é inerrante e infalível. Jo 10. Os portas-vozer de Deus eram humanos. 4 – A Escrituras usa textos dela mesmo para apoiar sua inerrância. 17. Os principais argumento contrários são: 1 – A inerrância deixa de considerar suficientemente o elemento humano na produção da Bíblia. implica numa Palavra inerrante. 18. graças à ação divina naquele homens. Argumentos Contra a Inerrância Os argumentos em favor da inerrância não estão isento de objeções. Se o que temos na Bíblia é a mensagem escrita de Deus para a humanidade. ou do tempo de um verbo (Mt 22.17–20. A Bíblia é um livro divino-humano. A Escrituras terá de ser cumprida em cada detalhe. Os autores do Novo Testamento não tinham os origem do Antigo Testamento.32).18. Jr 36. 3 – A Bíblia ensina sua própria autoridade.16). 2 – A inerrância não faz sentido.2. para que os homens conheçam a verdade e vivam eternamente. Deus não pode mentir (Nm 23.19. visto que ela só se aplica aos escritos originais. Assim também as palavras de Deus exprimidas em linguagem humana são palavra sem erro. A Palavra de Deus permanece para sempre: “Para sempre. porém. ó Senhor. subestima o elemento divino na inspiração.4. Estes argumentos não se estendesse aos mínimos detalhas. podemos ter grande confiança de que a Bíblia que possuímos é extraordinariamente exata. através da formação.34. e isto demanda inerrância (Mt 5.89).20–22). 1ºSm 15. a tua palavra está firmada nos céus” (Sl 119.35). Atualmente.1–5.2. Hb 6.18).8). ou da diferença de um substantivo no singular e no plural (Gl 3.

Assim deve ser o crente em relação ao seu manual . através da formação. estando sempre preparados para responder aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1ªPe 3. nenhuma destas criaturas falhará.. de modo sistemático e constante. Porém.O estudo destes versículos nos conduz a dois pontos de suma importância. C – “Buscai o livro do Senhor. que são: 1) Porque devemos estudar a Bíblia.a Bíblia. D – “A revelação das tuas Palavras esclarece. 1 – A Necessidade do Estudo das Escrituras.” B – Ela alimenta nossas almas. inspiração e estrutura A RAZÃO DA NECESSIDADE DAS ESCRITURAS Deus tem se revelado através dos tempos por meio de suas obras. e lede. FATECE – Curso de Educação à Distancia 23 . temos a de Isaías 55. mas fará o que me apraz. vem pelo estudo e prática. e dá entendimento aos simples” (Sl 119. Estudar é mais que ler.1).1–6). B – “Procura apresentar-te a Deus.Conhecendo as Escrituras. porque a boca do Senhor o ordenou. 2 – Porque devemos estudar a Bíblia A – Ela é o único manual do crente na vida cristã e no trabalho do Senhor. Um bom profissional sabe empregar bem as ferramentas de seu ofício.15). Sendo a bíblia o livro-texto do cristão. na Palavra de Deus temos uma revelação especial e muito maior. e prosperará naquilo para que a designei.16). não voltará para mim vazia. é aplicar a mente ao assunto. aprovado. Esta dupla revelação é especial e tornou-se necessária devido a queda do homem. É dupla esta revelação. e 2) Como devemos estudar a Bíblia. assim será a palavra que sair da minha boca. nem uma nem outra faltará. que maneja bem a Palavra da verdade” (2ª Tm 2. (Este preparo vem pelo estudo das Escrituras).10). Essa eficiência não é automática.11: “.130). temo-la de duas maneiras: A – Na Bíblia – A PALAVRA ESCRITA.. é imperioso que este maneje-a bem para o eficiente desempenho de sua missão (2ª Tm 2. A necessidade do estudo das Escrituras está implícita nos seguintes textos: A – “. como Senhor. O crente foi salvo para servir ao Senhor (1ª Pe 2. Entre as promessas de Deus àquele que conhece devidamente a sua Palavra. e o seu Espírito mesmo as ajudará” (Is 34. a criação (Rm 1.15). e B – Em Cristo – A PALAVRA VIVA (Jo 1.9 Ef 2. santificai a Cristo. como obreiro de que não tem de que se envergonhar.15).. em vossos corações. isto é.20 Sl 19..

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura 1)“Jesus porém respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4.4). 2)“Achadas as tuas palavras, logo as comi: as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó Senhor, Deus dos Exércitos” (Jr 15.16). 3)“ Desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que por ele vos seja dado crescimento para salvação”. Não há dúvida que o estudo da Palavra de Deus traz nutrição e crescimento espiritual. Ela é tão indispensável à alma, como o pão ao corpo. Nas passagens citadas, ela é comparada ao alimento, porém, este só nutre o corpo quando é absorvido pelo organismo. O texto de 1ª Pe 2.2 fala do intenso apetite dos recém-nascidos; assim deve ser o nosso apetite pela Palavra divina. Bom apetite pela Bíblia é sinal de saúde espiritual. C – Ela é o instrumento que o Espírito Santo usa. (Ef 6.17). Se em nós houver abundância da Palavra de Deus, o Espírito Santo terá o instrumento com que operar. É preciso pois meditar nela (Sl 1.2 Js 1.8). É preciso deixar que ela domine todas as esferas da nossa vida, nossos pensamentos, nosso coração e assim molde todo nosso viver diário. Em suma: (precisamos ficar saturados da Palavra de Deus.) D – Um requisito primordial para Deus responder nossas orações, é estarmos possuídos da sua Palavra. Aqui está em parte, a razão de muitas orações não serem respondidas: desinteresse pela Palavra de Deus. Leia o texto de Jo 15.7 “Se permanecerdes em mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes e vos será feito.” Pelo menos três fatos estão explícitos aqui: 1) na oração precisamos apoiar nossa fé nas promessas de Deus, e essas promessas estão na Bíblia; 2) a Palavra de Deus produz fé em nós (Rm 10.17) e 3) devemos fazer nossas petições segundo a vontade de Deus (1ª Jo 5.14), e um meios de saber a vontade de Deus é através De sua Palavra. E – Na vida cristão e no trabalho do Senhor em geral, o Espírito Santo só nos lembra o texto bíblico preciso, se o conhecermos (Jo 14.26). É possível o aluno ser lembrado de algo que não sabe? é evidente que não. Portanto o Espírito Santo quer não somente encher o crente, mas também encontrar nele o instrumento com que operar a Palavra de Deus. Ter o Espírito e não conhecer a Palavra, conduz ao fanatismo. (pessoas assim querem usar o Espírito Santo, em vez de permitir que Ele as use). Conhecer a Palavra e não ter o Espírito, conduz ao formalismo. Estes dois extremos são igualmente perigosos.
FATECE – Curso de Educação à Distancia 24

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura F – Ela enriquece espiritualmente a vida do cristão. (Sl 119.72). Essas riquezas vem pela revelação do Espírito, primeiramente. “Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dEle” (Ef 1.17). A pessoa que procurar entender a Bíblia somente através da capacidade intelectual, muito cedo desistirá da leitura. Só o Espírito de Deus conhece as coisa de Deus (1ª Co 2.10). Um renomado expositor cristão informa que há 32.000 promessas na Bíblia toda! Pense que fonte de riqueza há ai! Entre as riquezas derivadas da Bíblia está a formação do caráter ideal, bem como a formação da vida cristã. É a Bíblia a melhor diretriz de conduta humana; a melhor formadora de caráter. Os princípios que modelam nossa vida devem proceder dela. A falta de correta e pronta orientação espiritual, dentro da Palavra de Deus, especialmente quanto a novo convertidos, tem resultado em inúmeras vidas desequilibradas e doentias pelo resto da existência, as quais só um milagre de Deus pode reajustar. Pessoas assim ferem-se a si mesmas e aos demais ao redor. A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Tudo que Deus tem o homem e requer do homem, e tudo que o homem precisa saber espiritualmente da parte de Deus, quanto a sua redenção, conduta cristã e felicidade eterna, está revelado na Bíblia. Tudo o que o homem tem que fazer é tomar o livro e apropriar-se dele PELA FÉ. O autor da Bíblia é Deus, seu real interprete é o Espírito Santo, e seu tema central é o Senhor Jesus Cristo. 3 – Como Devemos Estudar a Bíblia Já mostramos que a Bíblia é um livro para ser não apenas lido, mas estudado também. Como a divina e inspirada Palavra de Deus, a Bíblia é o livro singular, do qual tirará maior proveito aquele que melhor souber estudálo. E é exatamente com o propósito de ajudá-lo a tirar o máximo de proveito do estudo da Bíblia que lhe damos os cinco passos seguintes a serem seguidos: A – Leia a Bíblia conhecendo o seu autor. Isto é de suprema importância. É a melhor maneira de estudar a Bíblia. Ela é o único livro cujo Autor está presente quando se o lê. O autor de um livro pode explicá-lo como ninguém. A Bíblia é um livro fácil e ao mesmo tempo difícil; simples e ao mesmo tempo complexo. Não basta apenas ler suas palavras e analisar detidamente suas declarações. Tudo isso é indispensável, mas não basta. É preciso conhecer e amar o Autor do Livro. Conhecendo o Autor, a compreensão será mais fácil. Façamos como Maria, que aprendia aos pés do Mestre (Lc 10.39). Aos pés do Mestre ainda é o melhor lugar para aluno. Bendito e santo lugar! B – Leia a Bíblia diariamente. (Dt 17.19). Esta regra é excelente. É estimado que 90% dos crentes não lêem a Bíblia diariamente; portanto, não é
FATECE – Curso de Educação à Distancia 25

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura de admirar haver tantos deles frios e infrutíferos nas igrejas, Mais do que isto: são anãos, raquíticos, mundanos carnais e indiferentes, nervosos, iracundos. Sem crescimento espiritual da nossa parte, Deus não nos revelará suas verdades profundas (Jo 16.12 Hb 5.12 Mc 4.33). É de admirar pessoas que acham tempo para ler, ouvir e ver tudo, menos a Palavra de Deus. resultado: “comem” tanto outras coisas que perdem o apetite pelas coisas de Deus. É justo e próprio ler boas coisas, mas tomar mais tempo com as Escrituras. É também de estarrecer o fato que muitos líderes de igrejas não levem seu povo a ler a Bíblia. Não basta assistir aos cultos, ouvir sermões e testemunhos, assistir estudos bíblicos, e ler boas obras de literatura cristã. É preciso a leitura bíblica individual, pessoal. Há crentes que só comem espiritualmente, quando lhe dão comida na boca. É a colher do pastor, do professor da Escola Dominical, etc. Se ninguém lhe der comida, ele morrerá de inanição espiritual. C – Ler a Bíblia com a melhor atitude mental e espiritual. Isto é de capital importância para o êxito do estudo bíblico. A atitude correta é a seguinte: 1) Estudar a Bíblia como a Palavra de Deus, e não como a obra literária qualquer; 2) Estudar a Bíblia com o coração e atitude devocional, e não apenas com intelecto. as riquezas da Bíblia são para os humildes que temem ao Senhor (Tg 1.21). Quanto maior for a nossa comunhão com Deus, mais humilde seremos. Os galhos mais carregados de frutos são os que mais abaixam. é preciso ler a Bíblia crendo sem duvidar do seu ensino. A dúvida ou a descrença cega o leitor (Lc 24.25). D – Leia a Bíblia com oração, devagar, meditando. Assim têm feito os servos de Deus no passado a exemplo de Davi (Sl 119.12,18), Daniel (Dn 9.21–23). O caminho ainda é o mesmo. Na presença do Senhor em oração, as coisas incompreensíveis são esclarecidas (Sl 73.16,17). a meditação aprofunda o sentido. Muitos lêem a Bíblia para estabelecer recorde de leitura somente. Ao leres a Bíblia, aplica-a primeiro a ti próprio, senão não haverá virtude nenhuma. E – Leia a Bíblia toda. Há uma riqueza insondável nisso! É a única maneira de conhecermos a verdade completa dos assuntos tratados na Bíblia, visto que a revelação de Deus mediante ela é progressiva. Como o irmão pensa compreender um livro que nem sequer o leu todo ainda? Podemos ler a Bíblia toda, porém jamais a compreenderemos toda. Sendo a Palavra de Deus, ela é infinita. Mesmos as mentes mais férteis do mundo não podem abarcá-la completamente. Não há no mundo ninguém que esgote a Bíblia. Todos somos sempre alunos (Rm 11.33,34 1ª Co 13.12 Dt 29.29). portanto, há dificuldades
FATECE – Curso de Educação à Distancia 26

Conhecendo as Escrituras, através da formação, inspiração e estrutura na Bíblia, mas o problema é do lado humano. O Espírito Santo que conhece as profundezas de Deus pode ir revelando o conhecimento da verdade, à medida em que buscamos a Sua face e andarmos mais perto dEle. A BÍBLIA COMO LIVRO 1 – Os Livros Antigos A Bíblia é um livro antigo. os livros antigos tinham a forma de rolos (Jr 36.2). Eram feitos de papiro ou pergaminho. O papiro era uma planta aquática que crescia junto aos rios, lagos e banhados do oriente, cuja entrecasca servia para escrita. Essa planta existe ainda hoje no Sudão, Galiléia superior e Vale de Sarom. As tiras extraídas do papiro eram coladas umas as outras até formarem um rolo de qualquer extensão. Este material gráfico primitivo é mencionado muitas vezes na Bíblia, exemplos: Êx 2.3 Jó 8.11 e Is 18.2 Em certas versões da Bíblia o papiro é mencionado como junco; de fato é um tipo de junco de grandes proporções. De papiro deriva-se a nossa palavra papel. Seu uso nas escrituras vem do ano 3.000 antes de Cristo. Pergaminho é a pele de animais cortida e polida, utilizada na escrita. É melhor material que o papiro. Seu uso é mais recente do que o daquele; vem dos primórdios da era cristã, apesar de já ser conhecido antes. É também mencionado na Bíblia como em 2ª Tm 4.13. 1 – O formato primitivo da Bíblia. A Bíblia foi originalmente escrita em forma de rolo, sendo cada livro um rolo. Assim, vemos que a princípio, os livros sagrados não estavam reunidos uns aos outros como os temos agora em nossa Bíblia. O que tornou isso possível foi a invenção do papel no século II pelos chineses, bem como a do prelo de tipos móveis em 1450 a.D. por Guttenberg, tipógrafo alemão. Até então era tudo manuscrito pelos escribas, de modo laborioso, lento e oneroso. Quanto a este aspecto da difusão da sua Palavra, Deus tem abençoada maravilhosamente, de modo que hoje em dia milhões de exemplares das Escrituras são impressos com rapidez e facilidade em muitos pontos do globo. Também, graças ao progresso alcançado no campo das invenções e tecnologia, hoje podemos transportar com toda comodidade um exemplar da Bíblia, coisa impossível nos tempos primitivos. Ainda hoje, devido aos ritos tradicionais, os rolos sagrados das escrituras hebraicas continuam em uso nas sinagogas Judaicas. 2 – O vocábulo “Bíblia”. O vocábulo “Bíblia” não se acha no texto das Sagradas Escrituras. Consta apenas na capa mas não no texto do volume. Donde pois vem este vocábulo?
FATECE – Curso de Educação à Distancia 27

É consenso geral entre os doutos no assunto que o nome Bíblia foi primeiramente aplicado às Sagradas Escrituras por João Crisóstomo. tendo ao todo 66 livros.42). e lede. bibliografia. Estes 66 livros foram escritos num período de 16 séculos e tiveram cerca de 40 autores.. isto procede do Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?” (Mt 21. e a palavra biblos deu origem a “livro”.. A Bíblia divide-se em duas partes principais: Antigo e Novo Testamentos.. Um rolo de papiro pequeno era chamado “biblion” . significando O LIVRO. isto é: O livro dos livros: O Livro por Excelência.. etc. essa veio a ser a principal pedra. e vários destes era uma “bíblia”.” (Is 34. regiões e continentes diferentes. É derivado do nome que os gregos davam à folha do papiro preparada para a escrita . são: Escrituras: “Perguntou-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra que os construtores rejeitaram. e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes. Os Oráculos de Deus: “. isto é.2). A Palavra de Deus: “. Sagradas Escrituras: “. sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo.12).. A ESTRUTURA DA BÍBLIA 1 – Os dois testamentos.. bibliófilo.. através da formação.. Portanto. a definição canônica da Bíblia é “A revelação de Deus à humanidade. a língua original do Novo Testamento. Como o Livro Divino. Aqui está alguns milagres da Bíblia.“biblos”. viveram e escreveram em países. inspiração e estrutura Vem do grego. Com a invenção do papel desapareceram os rolos.2). Livro do Senhor: “Buscai no Livro do Senhor. “.” Os nomes mais comuns que a Bíblia da a si mesma . literalmente a palavra bíblia quer dizer “coleção de livros pequenos”. no século IV da nossa era.Conhecendo as Escrituras. a palavra Bíblia sendo um plural como acabamos de ver.. angular. como se vê em biblioteca. passou a ser singular. nenhuma destas criaturas falhará. aos judeus foram confiados os oráculos de Deus” (Rm 3.13). patriarca de Constantinopla.. nomes canônicos. “ (Hb 4. invalidando a Palavra de Deus pela vossa própria tradição” (Mc 7. Devido as Escrituras formarem uma unidade perfeita. distantes uns dos outros. Esses escritores pertenciam às mais variadas profissões e atividades. em épocas e FATECE – Curso de Educação à Distancia 28 . o qual foi por Deus outrora prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras” (Rm 1..16).. a Palavra de Deus é viva e eficaz.

Davi e Salomão. FATECE – Curso de Educação à Distancia 29 . vindo pela Lei. 2 – O Antigo Testamento Como já dissemos. Levítico. o Antigo Testamento contem 39 livros. poesia e Profecia. da lei.19. inspiração e estrutura condições diferentes. feito no Sinai. O grupo ou classe poesia também é conhecido por devocionais.20). Êxodo. História. B – História: São 12 livros: de Josué a Ester. Na primeira divisão principal da Bíblia temos o primeiro concerto (também chamado pacto. Isto prova que Um só os dirigia no registro da revelação divina.3–8 Hb 9. contendo o relato dos reinos de Judá e Israel. vindo pelo Senhor Jesus Cristo. É pois um concerto superior. O duplo sentido do termo grego mostra duas coisas: que a morte do testador (Cristo) ratificou ou selou a Nova Aliança. O título Antigo Testamentos foi primeiramente aplicado aos primeiros 39 livros da Bíblia por Tertuliano e Orígenes. como por exemplo em Lucas 22. 2) Monarquia.20. isto é. Números e Deuteronômio. Seus 39 livros estão classificados em 4 grupos. Esta é a última palavra empregada no Novo Testamento. através da formação. e foi escrito originalmente em hebraico com exceção dos pequenos trechos que estão em aramaico. sob Saul. este levado em cativeiro para a Assíria. e significa aliança ou concerto. Esdras e Neemias em conjunto com os profetas. Ocupam-se da história de Israel nos seus períodos: 1) Teocracia. d) Póscativeiro. Entretanto seus escritos formam uma harmonia perfeita. feito no calvário e selado com Seu próprio sangue (Lc22. conforme os assuntos a que pertencem: Lei. Na segunda divisão principal (o Novo Testamento) temos o novo concerto. e portanto nos garante toda a herança (Hb 9.Conhecendo as Escrituras.15–17). e aquele para Babilônia. após a morte. A palavra testamento vem do termo grego “diatheke”. Vejamos os livros por grupos: A – Lei: São 5 livros: Gênesis. Esse livros tratam da origem de todas as coisas. seus contemporâneos. aliança). e selado com sangue de animais (Êx 24. sob Zorobabel. 3) Divisão do reino e cativeiro. e b) testamento. um documento contendo a última vontade de alguém quanto a distribuição de seus bens. O aramaico foi a língua que Israel trouxe do exílio Babilônico. Há também algumas palavras persas. sob os Juizes. São comumente chamados O Pentateuco.11–15). e estabelecimento da nação israelita. No Antigo Testamento a palavra usada é “berith” que significa apenas concerto.20 Hb 9.

nas edições católicas de Matos Soares e Antônio Pereira de Figueiredo. através da formação. São também chamados devocionais. O de número 10 é o nosso de número 11. 1º e 2º Crônicas são chamados Paralipônemos. Na Bíblia hebraica (que é o nosso Antigo Testamento). São chamados poéticos. D – Profecia: São 17 livros. da lugar a não poucas confusões. como veremos mais tarde. mas devido ao gênero de seu conteúdo. isto vai assim até aos FATECE – Curso de Educação à Distancia 30 . Também. de Isaías a Malaquias. o Salmo 9 corresponde da versão de João Ferreira de Almeida aos Salmos 9 e 10. inspiração e estrutura C – Poesia: São 5 livros: de Jó a Cantares de Salomão. vem da versão Setuaginta. os livros 1º e 2º Samuel e 1º e 2º Crônicas são chamados 1º. 1 – Peculiaridades das Bíblias católicas. a divisão dos livros é bem diferente.Conhecendo as Escrituras. 3º e 4º Reis respectivamente. Os nomes maiores e menores não se refere ao mérito ou notoriedade do profeta. Esdras e Neemias são chamados 1º e 2º Esdras. 2) Profetas Menores: Oséias a Malaquias (12 livros). o que para o leitor menos avisado. através da Vulgata. mas ao tamanho dos livros e extensão do ministério profético. ANTIGO TESTAMENTO O PENTATEUCO LIVROS HISTÓRICOS LIVROS POÉTICOS LIVROS PROFÉTICOS Os 5 Livros de Moisés 12 Livros 5 Livros 17 Livros 5 Profetas maiores 12 profetas menores A ESTRUTURA DA BÍBLIA A classificação dos livros do Antigo Testamento. Estudaremos a cronologia bíblica mais adiante em lição separada. não porque sejam cheios de imaginação e fantasias. e não leva em conta a ordem cronológica dos mesmos. por assuntos. e são subdivididos: 1) Profetas Maiores: Isaías a Daniel (5 livros). 2º. Nas Bíblias de edição católico-romana. quando o mesmo procura agrupar a narrativa cronologicamente.

que nas nossas Bíblias é o de número 147. e vão de Romanos a Judas. Seus 27 livros também estão classificados em 4 grupos conforme o assunto a que pertencem: Biografia. uma a Tito e outra a Filemom). O Novo Testamento se compõe de 27 livros.8). apesar de duas delas (2ª e 3ª João) serem dirigidas a pessoas). e não poderia ser doutra forma. chamado Koiné. seu viver a propagação do Evangelho. não no grego clássico dos eruditos. O terceiro grupo é também chamado Doutrina. Foi escrito em grego. 1ª. 1 – Biografia: São os 4 Evangelhos. B – Livrar a Israel que estará no centro da Grande Tribulação.Conhecendo as Escrituras. mas no do povo comum. Elas contém a doutrina da Igreja: A – 9 São dirigidas a Igrejas ( de Romanos a 2ª Tessalonicenses). História. inspiração e estrutura Salmos 146 e 147. e os que lhes seguem são explicações da doutrina de Cristo. D – 7 É dirigida a todos indistintamente (Tiago. Os três primeiros Evangelhos são chamados sinópticos devido ao paralelismo que há entre eles. 2ª e 3ª João e Judas). sendo a Bíblia o livro do Senhor. Todos os livros que os precedem tratam da preparação para a manifestação de Jesus Cristo. C – Julgar as nações. 2 – História: É o livro de Atos dos apóstolos. Epístolas e Profecia. 3 – Epístolas: São 21 as epístolas ou cartas. através da formação. Nele vemos o Senhor Jesus vindo com Seus santos para. Descrevem a vida terrena do Senhor Jesus Cristo e seu glorioso ministério. Deste modo os três Salmos finais são idênticos em qualquer das versões acima mencionadas. Estas são também chamadas universais. ou gerais. B – 4 São dirigidas a indivíduos (duas a Timóteo. A – Destruir o poder gentílico mundial sob o reinado da Besta. O Novo testamento. C – 1 É dirigida aos hebreus cristãos. Tudo através do Espírito Santo conforme Jesus prometera (At 1. 4 – Profecia: É o livro do Apocalipse ou Revelação. 1ª e 2ª Pedro. Os Evangelhos são os livros mais importantes da Bíblia. e D – Estabelecer Seu reino milenial. Registra a história da Igreja primitiva. Essas diferenças de numeração em nada afetam o texto em si. Trata da volta pessoal do Senhor Jesus Cristo à terra e as coisas que precederão a esse glorioso evento. FATECE – Curso de Educação à Distancia 31 . católicas.

1 – Antigo Testamento Gênesis l (50 capítulos) hebraico bereshith. o significado no nome.Conhecendo as Escrituras. l Palavra-chave: partida. inspiração e estrutura NOVO TESTAMENTO OS EVANGELHOS ATOS DOS APÓSTOLOS 1 livro sobre a história da Igreja primitiva EPÍSTOLAS O APOCALIPSE 4 Livros sobre a vida de Jesus Cristo 21 Cartas 1 Livro Profético Epístolas Paulinas Epístolas gerais Os livros do Novo Testamento também estão situados em ordem cronológica. l Palavra-chave: começos. seu conteúdo e a sua mensagem. l Versículo-chave: 1. “ saída” (emigração de um povo). pelas mesmas razões expostas quanto tratamos do Antigo Testamento. l Autor: Moisés. FATECE – Curso de Educação à Distancia 32 . Êxodo l (40 capítulos) grego: êxodus. “no princípio”. Para cada livros temos o número de capítulos. através da formação. o versículo chave. o assunto principal e sua possível autoria. A leitura evangélica possui significantes obras nas quais faz estudos mais aprofundados sobre o livro da Bíblia. no intuito de deixar o leitor com uma visão geral do Livro de Deus. BREVE INTRODUÇÃO AOS LIVROS DA BÍBLIA Neste capítulo procuraremos dar rápidas informações acerca dos livros da Bíblia.1 “No princípio criou Deus os céus e a terra” l Assunto: a fundação da Nação Hebraica.

exceto o último capítulo. segundo o talmude. “livro do sacerdócio Levítico”. Hazerote e Di-Zaabe. l Autor: Moisés. repetição da Lei. l Versículo-chave: 33. l Palavra-chave: santidade. exceto os últimos cinco versículos. eu te enviarei a Faraó. l Versículo-chave: 1.6 “Sê forte e corajoso.2.” l Assunto: As Leis da Nação Hebraica l Autor: Moisés. l Autor: Moisés Deuteronômio l (34 capítulos) hebraico: “mishnah”. conforme ao mandado do Senhor. numeração. porque tu farás a este povo herdar a terra que. l Palavra-chave: anarquia (Juizes 21. “Escreveu Moisés as suas saídas. através da formação. prometi dar a seus pais.” l Assunto: a viagem para a Terra Prometida. inspiração e estrutura l Versículo-chave: 3. do Egito.” l Assunto: o concerto com a nação hebraica. dalém do Jordão no deserto. agora.10. Juizes l (21 capítulos). para que tires o meu povo.10. l Palavra-chave: Lei. “Para fazerdes diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo. Tôfel.Conhecendo as Escrituras. e são estas as sua caminhadas Segunda as suas saídas. l Autor: Moisés. l Palavra-chave: conquista. na Arabá. sob juramento. entre Parã .” l Assunto: as leis da Nação Hebraica. Números l (36 capítulos) grego: “aríthmoi”. FATECE – Curso de Educação à Distancia 33 . l Palavra-chave: peregrinação.1 “São estas as palavras que Moisés falou a todo Israel. defronte do mar de Sufe. os filhos de Israel.” l Assunto: a conquista de Canaã l Autor: Josué. Labã.25). “Vem. l Versículo-chave: 10. caminhada após caminhada. Josué l (24 capítulos) hebraico: “Jeová é Salvação”. Levítico l (27 capítulos) grego: “levitikon”. l Versículo-chave: 1.

e me obrigue a não seguir-te.2. inspiração e estrutura l Versículo-chave: 2. l Palavra-chave: reino. constitui-nos pois. FATECE – Curso de Educação à Distancia 34 . l Versículo-chave: 1º Reis 2. para andares nos teus caminhos.” l Assunto: a organização do reino – reinado de Davi. e sê homem! Guarda os preceitos do Senhor teus Deus.14).3. o teu Deus é meu Deus. e onde quer que pousares. Os reis tratam de Judá e Israel. eu irei.16. e os seus juízos. “Eu vou pelo caminho de todos os mortais. para que prosperes em tudo quanto fizeres. para guardares os seus estatutos e os seus mandamentos. “Naqueles dias não havia rei em Israel: cada um fazia o que achava mais reto. pois. 2º Crônicas 36 capítulos) hebraicos: diários.16. reis. Rute l (4 capítulos). 2º Reis 25 capítulos) hebraico: “melakim”. l Palavra-chave: realeza. e 1º Reis e 2º Reis chamavam-se 2º Reis. l Versículo-chave: 1º Samuel 8. l Autor: Jeremias (segundo a tradição rabínica). um rei sobre nós. e por onde quer que fores. já estás velho. “Disse porém Rute: Não me instes para que te deixe. l Versículo-chave: 1. o teu povo é meu povo. l Autor: segundo a tradição – Samuel.” l Assunto: os primórdios da família messiânica de Davi (4. as crônicas apenas de Judá. ali pousarei eu. como está escrito na lei de Moisés. Coragem. porque aonde quer que fores. l Autor: desconhecido (originalmente 1º e 2º Samuel chamavam-se 1º Reis. l Palavra-chave: redentor (Rute 4. teus filhos não andam pelos teus caminhos. através da formação.” l Assunto: a divisão do reino.Conhecendo as Escrituras.” l Assunto: os primeiros 300 anos na Terra Prometida. 1º e 2º Reis l (1º Reis 22 capítulos.22) l Autor: Samuel 1º e 2º Samuel l (31 capítulos – 24 capítulos). para que nos governe. 1º e 2º Crônicas l (1º Crônicas 29 capítulos. e os seus testemunhos. como o têm todas as nações. agora.5 “E lhe disseram Vê. os das crônicas são eclesiásticos e sacerdotais). l Palavra-chave: teocracia )enquanto os livros dos reis são políticos e régios.

” l Autor: Esdras Neemias l (13 capítulos) l Palavra-chave: restauração. l Autor: desconhecido. FATECE – Curso de Educação à Distancia 35 . mas tu e a casa de teu pai perecereis. enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?” l Assunto: a reconstrução de Jerusalém. l Palavra-chave: 4. temente a Deus. l Autor: Neemias Ester l (10 capítulos). de outra parte se levantará para os judeus socorro e livramento. inspiração e estrutura l Versículo-chave: 2º Crônicas 1.8.3. pois quem poderia julgar a este grande povo?” l Assunto: o reino de Judá l Autor: Esdras Esdras l (10 capítulos) l Palavra-chave: ensino. e que se desvia do mal. “Porque. “Perguntou ainda o Senhor a Satanás: observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele. agora sabedoria e conhecimento.10.14. por que cessaria a obra. l Versículo-chave: 7. se de todo te calares agora.Conhecendo as Escrituras. para que eu saiba conduzir-me à testa desde povo.10. e quem sabe se para tal conjuntura como esta é que foste elevada a rainha?” l Assunto: Israel escapa do extermínio. “Porque Esdras tinha disposto o coração para buscar a lei do Senhor e para cumprir e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. Salmos l (150 Salmos). pois. l Palavra-chave: tribulação. “Enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo grande obra. através da formação. homem íntegro e reto. “Dá-me. l autor: Esdras Jó l (42 capítulos)..” l Assunto: o problema do sofrimento. l Versículo-chave: 1.. l Versículo-chave: 6. de modo que não poderei descer.

l Versículo-chave: 1. Eclesiastes l (12 capítulos) l Palavra-chave: vaidade. inspiração e estrutura l Palavra-chave: louvor l Versículo-chave: 111. l Autor: Davi e outros. l Versículo-chave: 1. “Aleluia! De todo meu coração renderei graças ao Senhor.1. e moído pelas nossas iniqüidade. “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões.5. e o seu estandarte sobre mim é o amor. l Palavra-chave: aviso. l Autor: Isaías. “Leva-me à sala do banquete. através da formação. Cantares de Salomão l (8 capítulos).” l Assunto: a sabedoria de Salomão l Autor: Salomão e outros – três mil provérbios. na companhia dos justos e na assembléia. “Vaidade de vaidade! Diz o pregador.” l Assunto: a glorificação do amor conjugal. l Versículo-chave: 53. e pelas nossas pisaduras fomos sarados.” l Assunto: a vaidade da vida terrena. o castigo que nos traz a paz estava sobre ele. mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino. Isaías l (66 capítulos). l Assunto: o Hinário Nacional de Israel.2.7. l Autor: Salomão. l Palavra-chave: amor l Versículo-chave: 2. vaidade de vaidade! Tudo é vaidade.” l Assunto: o profeta messiânico – o Messias. Jeremias l (52 capítulos). l Autor: Salomão. Provérbios l (31 capítulos) l Palavra-chave: sabedoria. l Palavra-chave: salvação. FATECE – Curso de Educação à Distancia 36 .Conhecendo as Escrituras. “O temor do Senhor é o princípio do saber.4.

6.” FATECE – Curso de Educação à Distancia 37 . e ali esteve sobre ele a mão do Senhor. l Palavra-chave: revelação l Versículo-chave: 6. filho de Buzi. também eu me esquecerei de teus filhos. l Palavra-chave: adultério espiritual. três vezes no dia se punha de joelhos e orava. Ezequiel l (48 capítulos).1. junto ao rio Quebar. Lamentações l (5 capítulos).10. e. “Daniel.1. princesa entre as províncias. quando soube que a escritura estava assinada. “Oxalá a minha cabeça se tornassem em águas. onde havia janelas abertas da banda de Jerusalém. l Autor: Ezequiel. ficou sujeita a trabalhos forçados!” l Assunto: a desolação de Jerusalém l Autor: Jeremias – Judá. Daniel l (12 capítulos). o sacerdote. l Versículo-chave: 4. “Veio expressamente a palavra do Senhor a Ezequiel. como costumava fazer. também eu. no seu quarto. através da formação. pois. te rejeitarei. l Autor: Jeremias – Judá.3.” l Assunto: o último esforço para salvar Jerusalém. l Palavra-chave: tristeza. inspiração e estrutura l Versículo-chave: 9. l Versículo-chave: 1. em cima. “Como jaz solitária a cidade outrora populosa! Tornou-se como viúva.Conhecendo as Escrituras. para que não sejas sacerdote diante de mim. Oséias l (14 capítulos). rejeitaste o conhecimento.” l Assunto: saberão que Eu Sou Deus. visto que te esqueceste da Lei do teu Deus. entrou em sua casa. na terra dos caldeus.” l Assunto: o profeta na Babilônia l Autor: Daniel. porque lhe falta o conhecimento. e os meus olhos em fonte de lágrimas! Então choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo. Porque tu. “O meu povo está sendo destruído. e dava graças diante do seu Deus. l Palavra-chave: visões l Versículo-chave: 1. sacerdote. a que foi grande entre as nações.

Conhecendo as Escrituras. já está próximo. contemporâneo de Isaías em Judá.1. l Autor: Oséias.1. l Palavra-chave: castigo. “Dispõe-te. l Versículo-chave: 2. inspiração e estrutura l Assunto: a apostasia de Israel. “Ai dos que andam a vontade em Sião. Joel l (3 capítulos). Obadias l (1 capítulo). e proclama contra ela a mensagem que eu te digo. vai à grande cidade de Nínive.” l Assunto: a destruição de Edom. profeta de Israel. “Tocai a trombeta em Sião. l Palavra-chave: Edom l Versículo-chave: 1.2. aos quais vem a casa de Israel. l Palavra-chave: idolatria. e daí voz de rebate no meu santo monte. porque o dia do Senhor vem. e dos que vivem sem receio no monte de Samaria: homens notáveis da principal das nações. através da formação. l Autor: Obadias – Judá. FATECE – Curso de Educação à Distancia 38 . l Autor: Amós.” l Assunto: a predição da dispensação do Espírito.Israel Miquéias l (7 capítulos). perturbem-se toso os moradores da terra. final e universal. l Autor: Joel.” l Assunto: um recado de misericórdia para Nínive. Jonas l (4 capítulos). l Palavra-chave: destruição. Amós l (9 capítulos). “Visão de Obadias: Assim diz o Senhor Deus a respeito de Edom: Temos ouvido as novas do Senhor. l Palavra-chave: julgamento.” l Assunto: o governo de Davi. l Versículo-chave: 3. l Autor: Jonas . l Versículo-chave: 6. e às nações foi enviado um mensageiro que disse: Levantai-vos e levantemo-nos contra Edom para a guerra.1.

Ageu l (2 capítulos). diz o Senhor. l Versículo-chave: 1. e se elevará sobre os outeiros. inspiração e estrutura l Versículo-chave: 4. “O Senhor é tardio em irar-se. l Versículo-chave: 1. FATECE – Curso de Educação à Distancia 39 . porventura lograreis esconder-vos no dia da ira do Senhor?” l Assunto: juízo. vós todos os mansos da terra. trazei madeira e edificai a casa.Conhecendo as Escrituras. e a opressão não pode contemplar. que não podes ver o mal. que cumpris o seu juízo.3. o Senhor tem o seu caminho na tormenta e na tempestade e as nuvens são o pó dos seus pés.1. dela me agradarei e serei glorificado.8.3. l Palavra-chave: edificai. mas grande em poder. l Versículo-chave: 2.” l Assunto: a reconstrução do templo. l Palavra-chave: fé. e te calas quando o perverso devora aquele que é mais justo do que ele?” l Assunto: o justo viverá pela fé l Autor: Habacuque – Judá – Levita. l Autor: Ageu – Judá. buscai a justiça. pois. l Autor: Naum – Israel. l Palavra-chave: fim. buscai a mansidão.” l Assunto: a destruição de Nínive. l Autor: Miquéias – Judá. e para ele afluirão os povos. toleras os que procedem perfidamente. Habacuque l (3 capítulos). “Buscai ao Senhor. e jamais inocenta o culpado. por que. l Profetizou durante o reinado de Josias.” l Assunto: Belém será o berço do Messias. Naum l (3 capítulos).13. “Subi ao monte. Sofonias l (3 capítulos). através da formação. “Mas nos últimos dias acontecerá que o monte da casa do Senhor será estabelecido no cume dos montes. l Autor: Sofonias – Judá. l Versículo-chave: 1. arrependimento e restauração. l Palavra-chave: resto. “Tu é tão puro de olhos.

45. se eu não vos abrir as janelas do céu.2. mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. para que haja mantimento na minha casa.1.Conhecendo as Escrituras. FATECE – Curso de Educação à Distancia 40 . l Palavra-chave: humanidade. o Maravilhoso em poder. l Palavra-chave: novo templo. diz o Senhor dos Exércitos. 2 – Novo Testamento Mateus l (28 capítulos).” l Assunto: Jesus. “Pois o próprio filho do homem não veio para ser servido.10. “O reino dos céus é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho. o Messias prometido. “porque o filho do homem veio buscar e salvar o perdido. l Palavra-chave: serviço l Versículo-chave: 10.10. “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro.” l Assunto: Jesus. e provai-me nisto.” l Assunto: Jesus. l Versículo-chave: 13.” l Assunto: a última mensagem a um povo desobediente. Marcos l (16 capítulos). l Palavra-chave: roubo l Versículo-chave: 3. l Autor: Mateus. e não derramar sobre vós bênçãos sem medida.” l Assunto: a reconstrução do templo. o Filho do homem. inspiração e estrutura Zacarias l (14 capítulos). l Autor: Malaquias. para remover o pecado e a impureza. l Versículo-chave: 19. através da formação. “Naquele dia haverá uma fonte aberta para a casa de Davi e para os habitantes de Jerusalém. Malaquias l (4 capítulos). l Autor: Marcos (João Marcos) Lucas l (24 capítulos). l Palavra-chave: reino l Versículo-chave: 22. l Autor: Zacarias – Judá.

pouco também ceifará. l Versículo-chave: 8. l Palavra-chave: testemunha.30. como em toda a judéia e Samaria. para que todo o que nele crê não pereça. l Autor: Lucas. l Palavra-chave: justiça. a esses também glorificou.8. a esses também justificou. e até os confins da terra. mas tenha a vida eterna. l Versículo-chave: 9. l Palavra-chave: templo. l Palavra-chave: vida eterna.16. e aos que justificou. Romanos l (16 capítulos). através da formação. ao descer sobre vós o Espírito Santo. l Autor: João. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito. l Autor: Paulo. l Versículo-chave: 1. João l (21 capítulos). a esses também chamou. l Versículo-chave: 3. e aos que chamou. 2ª Coríntios l (13 capítulos). l Assunto: Jesus. Atos l (28 capítulos). l Autor: Paulo.” FATECE – Curso de Educação à Distancia 41 . “E aos que predestinou. e o que semeia com fartura.” l Assunto: a natureza da obra de Cristo. l Palavra-chave: conforto. “Mas recebereis poder.” l Assunto: a formação da igreja. “Não sabeis que sois santuário de Deus.Conhecendo as Escrituras. inspiração e estrutura l Autor: Lucas – o mais cronológico de todos. l Versículo-chave: 3. e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém.6. o Filho de Deus. “E isto afirmo: Aquele que semeia pouco. 1ª Coríntios l (16 capítulos).16. com abundância também ceifará. e que o Espírito de Deus habita em vós?” l Assunto: as várias desordens da igreja.

Efésios l (6 capítulos). l Versículo-chave: 3. l Palavra-chave: lugares celestiais.” l Assunto: pela graça. a multiforme sabedoria de Deus se tome conhecida agora dos principados e potestades nos lugares celestiais. “Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o dia do Senhor vem como ladrão de noite. inspiração e estrutura l Assunto: Paulo reivindica seu apostolado. Colossenses l (4 capítulos). “Para que. para compreenderem plenamente o mistério de Deus. “Mas o que para mim era lucro. l Versículo-chave: 5. Gálatas l (6 capítulos). porém: Andai no Espírito. pela igreja.10.16. “Digo. Cristo. Filipenses l (4 capítulos). 1ª Tessalonicenses l (5 capítulos). l Autor: Paulo. l Versículo-chave: 3.2. l Autor: Paulo. não pela lei.2. l Autor: Paulo. l Autor: Paulo.” l Assunto: uma epístola missionária. e tenham toda riqueza da forte convicção do entendimento. l Palavra-chave: andar. através da formação. l Palavra-chave: ganho. l Versículo-chave: 2. e jamais satisfareis a concupiscência da carne.” l Assunto: a Divindade de Jesus. isto considerei perda por causa de Cristo. vinculados juntamente em amor. l Palavra-chave: perfeito.” FATECE – Curso de Educação à Distancia 42 .Conhecendo as Escrituras.” l Assunto: a unidade da Igreja. l Autor: Paulo. l Versículo-chave: 5.7. l Palavra-chave: vinda. “Para que os seus corações sejam confortados.

l Palavra-chave: proveitoso l Versículo-chave: 3. “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. l Versículo-chave: 10. l Palavra-chave: doutrina l Versículo-chave: 4. Estas coisas são excelentes e proveitosas aos homens. l Palavra-chave: esperando.16. l Palavra-chave: resistir. Continua nestes deveres.” l Assunto: cuidado pela igreja. l Palavra-chave: recebe.” l Assunto: a Segunda vinda de Cristo. l Autor: Paulo 2ª Tessalonicenses l (3 capítulos). 1ªTimóteo l (6 capítulos).” FATECE – Curso de Educação à Distancia 43 . e quero que.” l Assunto: conselhos finais de Paulo. porque fazendo assim. “Participa dos meus sofrimentos. solicito-te em favor de meu filho Onésimo. “Fiel é a Palavra.3. o Senhor conduza os vossos corações ao amor de Deus e à constância de Cristo. “Ora. confiadamente. Filemom l (1 capítulo). l Autor: Paulo. salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes. como bom soldado de Cristo Jesus.8.5. “Sim. no tocante a esta cousa. l Autor: Paulo 2ª Timóteo l (4 capítulos). l Autor: Paulo. inspiração e estrutura l Assunto: a Segunda vinda de Cristo. Tito l (3 capítulos). para que os que têm crido em Deus sejam solícitos na prática das boas obras.Conhecendo as Escrituras.” l Assunto: as igrejas de Creta l Autor: Paulo. l Versículo-chave: 2. que gerei entre algemas. l Versículo-chave: 3. através da formação. faças afirmação.

portanto os que credes. “Por isso mesmo.” l Assunto: boas obras.18.3. para que vós igualmente mantenhais comunhão conosco. aquilo que se torna antiquada e envelhecido. mediador de um novo e melhor concerto. l Versículo-chave: 8. l Autor: Paulo. está prestes a desaparecer. 1ª João l (5 capítulos). l Palavra-chave: comunhão. l Versículo-chave:1. Ora. l Versículo-chave: 2. “Quando ele diz nova.7. “Para vós outros. associai com a vossa fé a virtude. vós. Ora. 1ª Pedro l (5 capítulos). com as obras te mostrarei a minha fé. “Mas alguém dirá: Tu tens fé e eu tenho obras.” l Assunto: a apostasia predita.” l Assunto: Cristo. 2ª Pedro l (3 capítulos). mostra-me essa tua fé sem as obras. Hebreus l (13 capítulos). com a virtude o conhecimento. l Versículo-chave: 1.” FATECE – Curso de Educação à Distancia 44 .5. inspiração e estrutura l Assunto: a conversão de um escravo fugitivo.. l Versículo-chave: 2.” l Assunto: carta a uma igreja perseguida. e eu. “O que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros. a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.. reunindo toda vossa diligência. l Autor: Pedro. l Palavra-chave: Precioso. l Autor: Tiago. através da formação. irmão de Jesus e pastor da Igreja em Jerusalém. é a preciosidade mas para os descrentes.Conhecendo as Escrituras.13. l Palavra-chave: sabedoria. l Autor: Apolo (?) Tiago l (5 capítulos). l Autor: Pedro. l Palavra-chave: obras. l Palavra-chave: melhor. torna antiquada a primeira.

l Versículo-chave: João 3. 3 – A Bíblia l (1. que vem com as nuvens e todo olhos o verá. l Palavra-chave: verdade. l Palavra-chave: Deus. inspiração e estrutura l Assunto: o amor de Deus. l Versículo-chave: 2. l Autor: João. através da formação.” l Assunto: o triunfo final de Cristo – o fim de todas as coisas.189 capítulos). devemos acolher esses irmãos.” l Assunto: um líder bom e um líder mau l Autor: João Judas l (1 capítulo). 3ª João l (1 capítulo). para nos tornarmos cooperadores da verdade. l Palavra-chave: guardado. aquele que é poderoso para vos guardar de tropeço e para vos apresentar com exultação. “Portanto. l Versículo-chave: 8. l Autor: João. l Autor: João. imaculados diante da sua glória. l Versículo-chave: 1. até quantos ao traspassaram.” l Assunto: precaução contra os falsos mestres. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele.“Por causa da verdade que permanece em nós. l Palavra-chave: cooperadores. Certamente. 2ª João l (1 capítulo). Apocalipse l (22 capítulos) grego – revelação.” l Assunto: FATECE – Curso de Educação à Distancia 45 . e conosco estará para sempre.Conhecendo as Escrituras. l Palavra-chave: revelação. “Eis. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito.” l Assunto: a apostasia iminente.16. para que todo aquele que nele crê não pereça. “Ora.7. mas tenha a vida eterna. l Versículo-chave: 24.

através da formação. Em Josué. Em Gênesis. nos Profetas e nos Salmos. Em Números. de Gênesis a Apocalipse. Ele é o Rei prometido. Em Rute. Em Provérbios. Em Levítico. estando ainda convosco. Ele é a Sabedoria de Deus. Se desejar leia também At 3. Nas Epístolas. isto. Nos Evangelhos. Ele é o nosso socorro e alegria. Em Cantares de Salomão. Em Êxodo.43 e Ap 22. Ele é o Profeta. veremos que em tipos.16. redenção – do homem. Ele é o Sacrifício Expiatório. Ele é o Nosso Redentor que vive. Ele é o Cordeiro Pascal. Ele é o Messias prometido. Em Eclesiastes. podemos resumir os 66 livros em 4 palavras referentes a Ele. Ele mesmo no-lo declara em Lc 24. Nos Profetas. Tomando o Senhor Jesus Cristo como o centro da Bíblia. l Autor: Deus. além da sua manifestação como está registrada em todo o novo testamento. Ele é o Capitão dos Exércitos do Senhor. Ele é o Nosso Amado. Ele é a Rocha Ferida. Ele é o Advogado. perdição. Em Jó.Conhecendo as Escrituras. Jesus ocupa o lugar central das Escrituras. Em Reis e Crônicas. Em Ester. porque julgais ter nelas a vida eterna. “A seguir Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei. Ele é o Alfa e o Ômega. Ele é A Cabeça da Igreja. No Apocalipse. degeneração. Ele é o Parente Divino. e são elas que testificam de mim. já mencionamos: FATECE – Curso de Educação à Distancia 46 . Ele é o Salvador do mundo. Ele é o Cristo ressurgido e poderoso. Nos Salmos. figuras.44 e Jo 5. restauração – da Terra.” “Examinai as Escrituras. que importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés.39.”.18. Nos Atos. o Cristo que volta para reinar. Ele é o Alvo Verdadeiro. inspiração e estrutura * Criação. Ele é o libertador. O TEMA CENTRAL DA BÍBLIA Jesus é o tema central da Bíblia. símbolos e profecias. Ele é o descendente da mulher (Gn 3. * Criação. Em Juizes. 1 – Cristo.15). 10. Se olharmos com cuidado. Em Deuteronômio.

a Bíblia toda ou em parte. aquele que melhor souber manuseá-la. através da formação. A memória falha com o tempo. Eles tratam da encarnação. as Escrituras sem Jesus seriam como a Física sem a matéria ou a Matemática sem os números. podem ter seu fiel cumprimento: “E disselhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura.173 versículos. Habitue-se a tomar notas de suas meditações na Palavra de Deus. Manifestação: Os Evangelhos. sendo esta a Vulgata Latina.” ALGUMAS OBSERVAÇÕES ÚTEIS E PRÁTICAS Este texto é de especial importância. pelo cardeal Hugo de Saint Chet. Restam ainda mais de 1. O Antigo Testamento tem 929 capítulos e 23.000 línguas em que ela precisa ser traduzida. o Novo Testamento em 1551 por Robert Stevens. A divisão em versículos foi feita em duas vezes. abade dominicano e estudioso das Escrituras. Assim toda a Bíblia tem 1.C. 1 – Apontamentos individuais. trataremos noutro lugar deste livro. Alemanha. A divisão em capítulos foi feita em 1250 d. as palavras de Jesus. isso deu-se em 1452 em Mainz. Ele trata da preparação para o advento de Jesus Cristo. Os pontos abordados a seguir. enquanto que o Novo Testamento tem 260 capítulos e 7. A Bíblia foi o primeiro livro impresso no mundo após a invenção do prelo. Stevens publicou a primeira Bíblia dividida em capítulos e versículos em 1555. através de Cristo. inspiração e estrutura Preparação: Todo o Antigo Testamento. Deste modo. Portanto. Use um livro de folhas FATECE – Curso de Educação à Distancia 47 . Quanto às imperfeições destas divisões. Distribua seus apontamentos por assuntos previamente escolhidos e destacados uns dos outros. manifestação e vida de Jesus Cristo. Portanto tenha sempre em mente o fato de que melhor proveito terá do estudo das Escrituras.Conhecendo as Escrituras. ajudar-lhe-ão a ter o aproveitamento que tanto deseja no estudo das Escrituras.189 capítulos e 31. Explanação: São as Epístolas.959 versículos.15.214 versículos. Elas explanam a doutrina de Cristo. um impressor de Paris. Consumação: O Livro de Apocalipse. em Mc 16. Até o ano de 1982. Os livros da Bíblia originalmente não eram divididos em capítulos e versículos. pois visa ajudar-lhe no manuseio e estudo da Bíblia. estava traduzida em 1763 línguas e dialetos. Ele trata da consumação de todas as coisas preditas. 2 – Alguns fatos e particularidades da Bíblia. A Antigo Testamento em 1445 pelo Rabi Nathan.

C – Referência. através da formação. A primeira é um paralelo de palavras. Vem da expressão latina “quod vide” = que veja. para cada livro da Bíblia. “cf” . Além de indicar o livro. As referência também podem ser “verbais” e “reais”. versículo 4). versículo 14). capítulo e versículo.significando “isto é”. Vem do latim “confere” “i. FATECE – Curso de Educação à Distancia 48 .17ss). um capítulo ou um livro inteiro.” . B – Contexto.16b).indicando a parte final do versículo: (Rm 11.” . 1ª Pe 5. para isso. contexto. 4 – Siglas das diferentes versões em vernáculo. Vem do latim “id. 3 – Diferença entre texto. É uma ilação ou dedução. inspiração e estrutura soltas (livro de argola) com projeções e índice. É a parte que fica antes e depois do texto que estamos lendo.4 (1ª João capítulo 2. versículo 5). “ss. No índice das Bíblias editadas pela Sociedade Bíblica do Brasil vê-se a lista dos livros assim abreviados.e. D – Inferência. “qv. O contexto pode ser imediato ou remoto. Recomendado para não deixar de ler o texto indicado. est”.4 (Jonas capítulo 2.”. Exemplos de referências por esse sistema: 1ª Jo 2. eles não prestarão serviço algum. versículo 4). Jó 2.29 (Filipenses capítulo 1. “b” . a referência pode levar outras indicações como: “a” . de assuntos ou idéias. É uma conexão direta entre assuntos. 2 – Aprenda a ler e a escrever referências bíblicas. 14 (Filemom.Conhecendo as Escrituras.significa “compare”. Jn 2. Fp 1. São as palavras contidas numa passagem. Fm v. referência e inferência. É a Bíblia de Almeida antiga. “confirme” e “confronte”. Pode ser um versículo. A – Texto.indicando os versículos que se seguem até o fim ou não do capítulo: (Rm 11. É a direção direta sobre determinado assunto. Se não houver organização nos seus apontamentos. impressa inicial pela Imprensa Bíblica Brasileira. O sistema mais simples e rápido para escrever referências bíblicas é adotado pela Sociedade Bíblica do Brasil: duas letras.4 (Jó capítulo 2.significa “que veja”. Entre o capítulo e o versículo põe-se apenas um ponto. sem ponto. A – ARC = Almeida Revista e Corrigida.17a).indicando a parte inicial do versículo: (Rm 11. versículo 29). a segunda. versículo 4).5 (1ª Pedro capítulo 5.

. Entretanto havia homens santos aos quais Deus falou. A – “a.. Davi era “o suave em salmos de Israel” (2º Sm 23. Não há evidência de que o homem tivesse a Palavra de Deus escrita antes do dia em que Jeová disse a Moisés: “Escreve isto para memorial num livro” (Êx 17. Obtenha completo domínio do manuseio da Bíblia . vindo da expressão latina “anno Domini”. ano do Senhor.1. E COMO CHEGOU ATÉ NÓS 1 – Sua origem. “Depois de Cristo”. Mas lemos que nenhum deles fora inspirado para escrever a palavra de Deus. isto é.17 diz que Ele “acho o lugar onde estava escrito. como “AD”. naquele tempo. e o apocalipse foi escrito pelo apóstolo João. “Revelação de Jesus Cristo. Em Lc 4. Às vezes. Versão popular dos católicos brasileiros. o qual testificou da Palavra de Deus. a fim de encontrar com rapidez qualquer referência bíblica. isso era muito mais difícil do que hoje com o progresso da industria gráfica.Conhecendo as Escrituras. a partir de 1958. completa. E – RHODEN = Hubert Rhoden. Lucas escreveu o Evangelho que tem o seu nome. Daquele tempo em diante os homens de Deus “falaram inspirados pelo Espírito Santo”. inspiração e estrutura B – ARA = Almeida Revista e Atualizada. Então começou a necessidade da Palavra escrita.14). F – CBSP = Centro Bíblico de São Paulo. = Tradução Brasileira. Isto é. Edição católica popular da Bíblia. em alusão ao nascimento de Cristo. através da formação. G – TRAD.C”. 5 – O Tempo antes e depois de Cristo. A BÍBLIA. O homem falhou à prova da consciência e entrou por uma nova época debaixo da Lei. Abraão e José.. Deus revelou a sua vontade oralmente. 6 – Manuseio do volume sagrado. Versão particular desse ex-padre brasileiro. BRAS. revisada e publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil. como Noé. 1917.C. Houve um tempo em que a Palavra inspirada de Deus ainda não era escrita. numa FATECE – Curso de Educação à Distancia 49 . Atualmente é impressa pela Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira Londres.” Ora. Também aparece em algumas obras. o tempo depois do nascimento de Cristo. “Antes de Cristo”. É a Bíblia de Almeida. Isto é antes do nascimento de Cristo. e do testemunho de Jesus Cristo. C – FIG = Antônio Pereira de Figueiredo. e de tudo o que tem visto” (Ap 1. B – “d.”. a João seu servo.2). Jesus fazia assim.1). D – SOARES = Matos Soares.

o homem possuía desde o princípio um conhecimento de Deus sem as leis escritas. Entretanto a consciência não serve como um veículo de revelação divina.4). Deus disse-lhe: “Não se chamará mais o teu nome Abrão. O estudo metódico da Bíblia ensina que Deus escolheu um povo particular para ser intermediário da revelação. porque Deus lho manifestou. foi chamado para deixa sua terra e parentela e ser condutor do próprio povo de Deus. a Jacó e a muitos outros. “A Palavras de Deus lhe foram confiadas” (Rm 3. Devemos lembrar-nos de que havia sempre duas testemunhas de Deus. Depois de matar seu irmão.2). Caim foi interrogado por Deus e. Adão trouxe a história da criação através de 930 anos e. a Noé. sem dúvida. a Lameque. porque pode ser cauterizada e fica quase inutilizada . replicou: “Não sei. conhecido como pai dos fiéis. Assim. da presença do Senhor Deus” (Gn 3.2) e o separou para que fizesse dele repositório da sua verdade e por ele entregasse a Bíblia ao Mundo. Para confirmar seu concerto com seu servo.. acusado pela consciência. a Isaque. Depois que a família de Abraão ficou provada Deus permitiu que o povo fosse ao Egito em escravidão no auge dos sofrimento do povo de Deus Ele preparou maravilhosamente Moisés. Porque coisas invisíveis. a saber: A – As sua obras: “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra de suas mãos” (Sl 19. (Gn 17.36). por mais de 90 anos. assim como a sua queda. “Escondeu-se Adão. testificando juntamente a sua consciência” (Rm 2. “O que de Deus se pode conhecer neles está manifesto. mas Abraão será teu nome. a Abraão.20). pai de Noé. Tal é a palavra escrita “que permanece para sempre” (1ª Pe 1. desde a criação do mundo. de quem foi contemporâneo de Sem. contou-a. “Deus fez de homens livros” antes de dar a palavra escrita. A natureza nos ensina somente que Deus é criador. “O qual recebeu as palavras de vida para no-las dar” (At 7. Porque a sua consciência condenou-o quando ouviu a voz do seu Criador. E lemos que Moisés “escreveu todas as palavras do Senhor” (Êx 24. sou eu guardador do meu irmão? (Gn 4.Conhecendo as Escrituras. porque por pai de muitas nações te hei posto”. Consequentemente havia necessidade de uma revelação que vivesse para sempre.18).1).19. tanto o seu eterno poder.23). filho de Noé.5). A Caim. Deus escolheu o povo judaico (Dt 14. Abrão. através da formação. e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas” (Rm 1.9). como a sua divindade. inspiração e estrutura maneira direta e pessoal como a Adão.15). Pelas palavras: “Noé era varão justo e reto em suas FATECE – Curso de Educação à Distancia 50 . a Abimeleque. se entendem. B – A consciência do homem: “Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações..

(ver 2ª Tm 3. da confusão de línguas. Sete é o número bíblico que significa perfeição. Jacó a Coate. e este por sua vez a Moisés.28) até o tempo em que ordenou a Moisés que a escrevesse num livro (Êx 17. mas os homens santos de Deus falaram pelo Espírito Santo” (2ª Pe 1. 1 – O que é inspiração Divina? FATECE – Curso de Educação à Distancia 51 . Abraão a Jacó. dos consertos de como Deus lhe mudou o nome e da ocasião de levar Isaque para a terra de Moriá. por sua vez. Não nos é difícil compreender como ele ouvisse dos seus antepassados das grandezas e longanimidade de Deus e. Jacó jamais poderia apagar de sua memória estas coisas e durante todos os anos de sua vida meditaria sobre as maravilhas divinas. Portanto. quando Deus o submeteu à maior prova e ele chegou a conhecê-Lo como “Jeová-Jiré” (Gn 22. Em narrar tudo ao seu Neto Coate. Jacó poderia acrescentar as suas própria experiências em Betel e no vale de Jaboque. Adão transmitiu-a a Lameque. Lameque a Noé. Noé foi contemporâneo de sete gerações antediluvianas e de doze pós diluvianas. das suas própria experiências. Coate a Anrão e Anrão a Moisés.21 Jó 32.21). através da formação. Abraão assim veio a saber de tudo e Ter a sua fé robustecida.14). e morreu 17 anos antes da saída dele para a terra da promessa. “porque a profecia não foi antigamente produzida por vontade de homem algum.8). Coate relatava a história a Anrão. do dilúvio. as narrasse a sua descendência. Deus deu a palavra.16 ). Assim.16 2ª Pe 1. podemos saber como Deus por meio de um só pregador garantiu a transmissão verbal de sua revelação. assim vivendo durante 58 anos da vida curta do patriarca Abrão.9). como a da saída de sua própria terra. podemos traçar a história da transmissão verbal da palavra de Deus desde o dia em que Ele falou a Adão (Gn 1. da trasladação de Enoque. Podemos imaginar Abraão historiando os fatos ao seu netinho Jacó.14). Sete homens trouxeram a revelação desde a criança até que a Bíblia começou a ser escrita. acrescentando as histórias do dilúvio e a confusão de línguas. Noé a Abraão. Quão interessante seria ao menino as histórias da criação. que tinha 14 anos quando o “pai dos fiéis” faleceu. inspiração e estrutura gerações” (Gn 6.Conhecendo as Escrituras. É devido a inspiração divina que ela é chamada A Palavra de Deus. o seu filho que assim teve todas as informações Necessárias para escrever o livro de Gênesis. quando Deus lho ordenou a fazer. A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA O que diferencia a Bíblia de todos os demais livros do mundo é a sua inspiração divina (2ª Tm 3.

Isto é errado. e inúmeros outros. 2) A inspiração comum pode ser permanente (1ª Jo 2. Isto nega o sobrenatural. Ez 11. ver Jo 16. indicando o momento em que Deus os tomava para transmitir Sua mensagem.20. etc. como Camões. Foi o Espírito de Deus quem falou através dos escritores da Bíblia. A palavra de Deus”. Centenas de vezes encontramos esta expressão dos profetas: “E veio a mim a Palavra do Senhor” .1 Ez 3. Ensina que as partes da Bíblia são inspiradas. A própria Bíblia reivindica a si a inspiração de Deus. capacitando-os a receber e transmitir a mensagem divina sem mistura de erro.16: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino. inspiração e estrutura Que vem a ser “inspiração divina?” Inspiração divina é a influência sobrenatural do Espírito Santo como um sopro. ao passo que a dos escritores a Bíblia eram temporária. Quanto ao Novo testamento.14.2 At 1. se consagra e se santifica e. C – A teoria da inspiração parcial. Ensina que a Bíblia não é a Palavra de Deus. para a educação na justiça. Se essa teoria fosse verdadeira estaríamos em grande confusão. à medida que este ora.25. porque a inspiração comum que o Espírito nos concede: 1) Admite gradação. Etc. O escritor era ou não inspirado. Rui Barbosa.9 Ed 1. isto é. andamos em comunhão com Deus. porque quem poderia dizer quais as partes inspiradas ou não? a própria Bíblia refuta isso em 2ª Timóteo 3.13 o Senhor Jesus aplicou o termo. É um erro fatal de conseqüências imprevisíveis para a fé. cantamos. 2 – Teorias falsas da inspiração da Bíblia Quanto a inspiração da Bíblia há várias teorias falsas. para a repreensão. “ Também em Mc 7. Essa teoria ensina que a Bíblia foi escrita por homens dotados de gênio e força intelectual e especiais.18. o Espírito Santo pode conceder maior conhecimento e percepção espiritual ao crente. pregamos.27). 2º Sm 23. 24. através da formação. FATECE – Curso de Educação à Distancia 52 .19. Dentre elas se destacam as seguintes: A – A teoria da inspiração natural humana. pois a expressão “Assim diz o Senhor”. ensinamos. Ensina que a inspiração dos escritores da Bíblia é a mesma que hoje vem quando oramos.600 vezes nos seus 66 livros.17 At 28. outras não. isso. qual carimbo de autenticidade divina ocorre mais de 2.5 2º Cr 20. para a correção.Conhecendo as Escrituras. as quais o estudante deve ignorar.16. Os escritores da Bíblia reivindicam que era Deus quem falava através deles.12 e Ap 22. ao passo que a inspiração dos escritores da Bíblia não admite graus. apenas contém a Palavra de Deus. B – A teoria da inspiração divina comum.16 Jr 1. além doutras expressões equivalentes. sobre os escritores da Bíblia. à todo o Antigo Testamento.

o que a palavra na definição mais sumária. Se aceitamos a Ele. através da formação. Ela ensina que todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas.21 Hb 1.10. mas não as sua palavras. porém sob uma influência tão poderosa do Espírito Santo. Deus não falou pelos escritores como quem fala através dum alto-falante.. não deixando lugar a atividade e estilo do escritor. a inspiração da Bíblia não foi somente “pensada” foi também “falada”. Afirma que homens santos escreveram a Bíblia com palavras do seu vocabulário.Conhecendo as Escrituras. Exemplo: Dn 12. Isto é as palavras foram também inspiradas (Ap 22. Ensina a inspiração da Bíblia só quanto as palavras. Depois disso. Esta falsa teoria faz dos escritores verdadeiras máquinas. Ninguém há que possa separar as palavra da idéia.1 1ª Co 2. Quanto a inspiração já demos a sua definição anterior. impossível! Uma idéia ou pensamento inspirado só pode ser expresso por palavras inspiradas. aceitamos também a Sua Palavra. A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA 1 – A teoria correta da inspiração da Bíblia A teoria correta da inspiração da Bíblia é chamada teoria da inspiração plenária ou verbal. 2 – Diferença entre “Revelação” e “Inspiração” Divinas Revelação é a ação de Deus pela qual Ele dá a conhecer ao escritor coisas desconhecidas e o que o homem por si só não podia jamais saber. Deus usou as faculdades mentais dos mesmos. Ora. E – A teoria da inspiração as idéias. A inspiração plenária cessou ao ser escrito o último livro do Novo Testamento. fez cuidadosa investigação de fatos conhecidos (Lc 1. Ensina que Deus inspirou as idéias da Bíblia. que ouve cooperação vital e contínua entre eles e o Espírito de Deus que os capacitava.8 1ª Pe 1. Lucas. aceitamos também a Palavra Escrita como revelação de Deus. nem os mesmos escritores.19). por exemplo.13. estas ficaram a cargo dos escritores. nem qualquer outro servo de Deus pode ser inspirado no mesmo sentido.11. que escrevem sem qualquer noção de mente ou raciocínio. que os escritores não funcionaram quais máquinas inconscientes. o entrosamento do espírito com o corpo é um mistério inexplicável para os mais sábios. Explicar como Deus agiu no homem. o que é patente em cada livro. isso é difícil! Se no ser humano. não é “a expressão do pensamento?” Tente o aluno agora mesmo elaborar uma idéia sem palavras. Ver a palavra “falar” em 2ª Pe 1. que o que eles escreveram foi a Palavra de Deus. A FATECE – Curso de Educação à Distancia 53 .4).. imagine o entrosamento do Espírito de Deus com o espírito do homem! o que sabemos é que quando aceitamos a Jesus como Salvador. inspiração e estrutura D – A teoria do ditado verbal.

Esta declaração “Não há Deus”. 41.C. São Lucas. 3 – Diferença entre declaração da Bíblia e registro de declaração A Bíblia não mente. porém em sua epístolas ele nos conduz às profundezas do ensino doutrinário sobre a Igreja. D – Os escritos do apóstolo São Paulo. sim seu registro pelo escritor. Paulo não andou com o Senhor Jesus. Nesses casos. dizendo que fora ele quem matara Saul (2º Sm 1. Como escreveria Moisés sobre o assunto anterior a si? Se não foi revelação. glorificação. por ele escrito. Ele creu por volta do ano 35 d. Ora. o que se deu ai foi apenas o registro da declaração do amalequita. mas não significa que a Bíblia minta. B – José interpretando os sonhos de faraó. não foi inspirada. não é a mentira do registro bíblico que foi inspirada. Gn 40. Há muitos desses casos que os inimigos da Bíblia aproveitam para desfazer dos santos escritos. foi inspirado a examinar trabalhos já conhecidos ao escrever o Evangelho que traz o seu nome. e sim o registro da mentira.2–7. onde ele diz: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei. Assuntos de primeira grandeza sobre a regeneração. 39.11.23–26. no entanto o amalequita que trouxe a notícia de sua morte mentiu. Outro caso marcante é o da morte do rei Saul. Paracletologia.1–4. ele deve ter lançado mão de escritos existentes. Este.15.4). que inspirado a escrever o que presenciara.28–30. Durante a leitura FATECE – Curso de Educação à Distancia 54 . O mesmo deu-se com Moisés. como em 1ª Co 11.12 e Ef 3. o capítulo 15 de 1ª Corintos. ressurreição.3–7. através da formação. inclusive no que tange à Escatologia. Como teve ele conhecimento de tudo isso? Ele mesmo no-lo diz em Gl 1. e sim o registro delas..19. Ela registra o que o insensato diz no seu coração “Não há Deus”. por revelação! Nos seus escritos ha passagens onde esta revelação é bem patente. Ora.” Por sua vez. apenas registra o fato (Jz 16). justificação.. C – Daniel declarando ao rei Nabucodonosor o sonho que este havia esclarecido.. Exemplos de partes da Bíblia que foram dadas por revelação.1). mas registra mentiras que outros proferiram. mas nem toda ela foi dada por revelação. Toda a Bíblia foi inspirada por Deus. ver Lc 1. inspiração e estrutura inspiração nem sempre implica em revelação.Conhecendo as Escrituras. morreu lançandose sobre sua própria espada (1º Sm 31.6–10). Sansão mentiu mais de uma vez a Dalila. 38. é a passagem mais profunda e mais completa da Bíblia sobre a ressurreição. e em seguida interpretando-o Dn 2. 16. A Bíblia registra inclusive declarações de Satanás. Sua declarações não foram inspiradas por Deus. a Bíblia não é mentirosa por isso. Há uma antiga tradição hebraica que declara isto. (Sl 14. como relata o Pentateuco. são: A – Os primeiros capítulos de Gênesis.8. por exemplo. são abordados por ele.

na ilha de Patmos. Jeremias. funcionário público. Tiago e João. Mateus. Isaías. Paulo escreveu muitas de suas epístolas nas prisões. mas UM só livro.Conhecendo as Escrituras. séculos depois um outro completava-o com tanta riqueza de detalhes. Muitas vezes um escritor iniciava um assunto e. através da formação. verificamos que os mesmos completam-se. Apesar e diferentes condições. e assim por diante. os autores nada sabiam sobre o que já havia sido escrito. Foram homens de todas as atividades da vida humana. poderoso e coerente. em muitos casos. nas trevas e sujidade duma masmorra. para quem está falando. quando examinamos os escritos desses homens. ao passo que Josué escreveu FATECE – Curso de Educação à Distancia 55 . além de grande general. Davi. escritos por cerca de 40 escritores. cobrindo um período de 16 séculos. no exílio. Moisés foi príncipe e legislador. João. Uma obra humana em tais circunstâncias seriam uma babel indecifrável! 1 – Alguns pormenores dessa harmonia A – Os escritores. escrevendo em duas línguas principais. O pensamento de Deus corre uniforme e progressivo através dela. Daniel. pescadores. cuidava do gado. Paulo teólogo e erudito. Moisés escreveu o Pentateuco nas solitárias paragens do deserto. Josué foi um grande comandante. para que tempo está falando e em que sentido está falando. Salmão. sacerdotes e profetas. B – As condições. sob tantos estilos diferentes. Amós era um homem de campo. na calma da paz. estadista e profeta. na maior parte dos casos não se conheceram. escreveu certas partes de seus trabalhos no calor das batalhas. HARMONIA E UNIDADE DA BÍBLIA A existência da Bíblia até aos nossos dias só pode ser explicada como um milagre. que somente um livro vindo de Deus podia ser assim. Também não ouve uniformidade de condições na composição dos livros da Bíblia. nas verdes colinas dos campos. reis e poetas. a mensagem da Bíblia é sempre uniforme. Há profetas que escreveu em profundas tristezas. Zacarias e Jeremias. por exemplo. A mensagem da Bíblia tem essa continuidade maravilhosa! C – Circunstâncias. inspiração e estrutura bíblica é preciso verificar quem está falando. como um rio. Davi. Devido as estas distâncias. Apesar de toda essa adversidade. Viveram em lugares distantes de três continentes. As circunstâncias em que os 66 livros da Bíblia foram escritos também foram as mais diversas. vai avolumando suas águas até tornar-se caudaloso. dai a diversidade de estilos encontrados na Bíblia. Esses homens. Davi e Salomão. tratando de um só assunto! O produto de suas penas são muitos livros. Há nela 66 livros. Pedro. que brotando de sua nascente. ministro de estado.

D – A razão dessa harmonia e unidade. fossem isolados uns dos outros. um só meio de salvação. Suponhamos que na cidade onde moramos. É o caso da Bíblia . má compreensão de quem estuda. como tradução mal feita. De Gênesis a Apocalipse há uma só revelação um só pensamento. Que diria o aluno se tal de fato acontecesse? . uma prova incontestável da origem divina da mesma. um edifício fosse ser construído com pedras a serem preparadas em várias partes do Brasil. Se a Bíblia fosse um livro puramente humano. PROVAS DA INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA Ainda que aceitemos a harmonia e unidade da Bíblia como uma das mais contundentes provas de que a Bíblia é divinamente inspirada. a Bíblia apresenta um só sistema de doutrinas. Imagine o que seria a Bíblia se não fosse a mão de Deus! Se alguma falha for encontrada na Bíblia. dando minuciosas instruções a cada um. interpretação forçada. Suponhamos que 40 dos melhores escritores atuais do Brasil. Seria a pior miscelânea! Pois bem. grafia inexata.sou eu mesmo que não consigo entender. quando encontrarmos na Bíblia um texto discrepante. falsa aplicação dos sentidos dos textos. porque por trás de cada elemento humano estava em operação a mente infinita de Deus. inspiração e estrutura durante a alegria da vitória. não pensemos logo que é erro. deve haver erro do copista.. é para a mente humilde e sincera. Se no final resumíssemos todas as obras.Conhecendo as Escrituras. combinaram-se perfeitamente. sua composição seria inexplicável. em situações diferentes. satisfazendo todos os detalhes e requisitos da planta. Portanto. enfim.. um só propósito. dificuldades de toda sorte. cada um com a missão de escrever uma obra sua. providos de todos os meios necessários. chegadas as pedras a serem colocadas. será sempre do lado humano. jamais teríamos um conjunto uniforme. mas ao serem postas juntas. meios materiais. etc. É uma prova que uma única Mente via tudo e guiava os escritores. através da formação. imagine isto acontecendo nos antigos tempos em que a velha Bíblia foi escrita! A confusão seria muito maior! Não havia meios de comunicação.Que apenas um arquiteto dirigira os operários nas diversas pedreiras. tradução mal feita do original. Apesar da pluralidade de condições. encaixavam-se perfeitamente na construção.O Templo da Verdade de Deus.” A perfeita harmonia da Bíblia. ou então . achamos FATECE – Curso de Educação à Distancia 56 . uma só mensagem de amor. Saibamos refletir como Agostinho que disse: “Num caso disse. As “pedras” foram preparadas em tempos e lugares os mais remotos.

3. Devem saber que Ele: 1) Leu-a (Lc 4. Em Jo 7. 16).”. É uma coisa automática.13) 4) Cumpriu-a (Lc 24.. Assim sendo. fêlo com a Palavra de Deus (Dt 8. mas a do Espírito Santo. C – Jesus Também afirmou que as Escrituras são a verdade (Jo 17. o Espírito Santo põe em sua alma a certeza quanto a autoria da Bíblia.16–20) 2) Ensinou-a (Lc 24. 2 – O Testemunho do Espírito Santo dentro do crente Em cada pessoa que aceita a Jesus como Salvador. Portanto.17)..13.27) 3) Chamou-a “A Palavra de Deus” (Mc 7.13. não é preciso ninguém ensinar isso. evidentemente. O Novo Testamento em grande parte também o é. Salmos e profetas” eram as três divisões da Bíblia nos dias em que o Novo Testamento ainda estava sendo formado. Ainda no Evangelho de João 16. 14. o Senhor antecipadamente pôs nele o selo de sua aprovação divina.. o que faremos no decorrer deste e dos dois Textos seguintes.16). dividido em duas classes conforme se acha FATECE – Curso de Educação à Distancia 57 . e vos fará lembrar de tudo quanto tenho dito. Jesus disse ainda que o Espírito Santo os guiaria em “toda a verdade”. Ele viveu e procedeu de acordo com elas (Lc 18. mas não crêem na Bíblia! Tais pessoas precisam saber a posição de Jesus quanto a Bíblia.44) B – A última referência (Lc 24. Declarou que o escritor Davi falou pelo Espírito Santo (Mc 12.” Assim como o Espírito Santo testifica no crente que este é filho de Deus (Rm 8.44) é muito maravilhosa. no Novo testamento temos a essências da revelação divina. 1 – A aprovação da Bíblia por Jesus A – Inúmeras pessoas sabem quem é Jesus..35. 3 – O cumprimento fiel das profecias da Bíblia O Antigo Testamento é o livro de profecias (Mt 11. 6. Referimo-nos aqui. D – Quanto ao Novo Testamento. em João 14. No deserto. através da formação.26. às profecias no sentido preditivo.Conhecendo as Escrituras. aceita também a Bíblia como a Palavra de Deus. o Senhor Jesus mostra como podemos ter dentro de nós o testemunho do Espírito Santo quanto a autoria divina da Bíblia: “Se alguém quiser fazer a vontade de Deus.17.31). Quem de fato aceita a Jesus. ao declarar: “O Espírito Santo. sem argumentar. porque ai Jesus põe sua aprovação em toda a Escritura do Antigo Testamento.. inspiração e estrutura necessário darmos outras provas dessa natureza. ao derrotar o inimigo. vos ensinará vos ensinará todas as coisas.13). crêem em sua ressurreição e ascensão. crêem que Ele fez milagres.36). e também que a Bíblia é a mensagem de Deus para este mesmo filho. pois “Lei. o que os apóstolos ensinaram não foi a recordação deles mesmos.

Platão. são admiravelmente escritos séculos antes dos mesmos existirem no horizonte do cenário mundial (Dn caps. etc.B.64 Is 66. O que Deus disse. As profecias sobre o Messias. inspiração e estrutura no Antigo Testamento: as literais e as expressas por tipos e símbolos. conduzindo-os a Deus.9 Sl 22. Seus filósofos e literatos foram os maiores de todos os tempos.3. A sabedoria deles e seus milhares de livros não os conduziu à salvação. Platão e Sócrates.” Vejamos um pouco da condição moral de alguns do povos sem a Bíblia: A – Os Gregos. proferidas séculos antes de seus nascimento. mas nações inteiras. por exemplo. cumpriram-se literalmente com toda precisão quanto ao tempo local e outros detalhes. Sócrates fazia da moral o assunto da sua filosofia. Em Corinto. (Gn 49. eram dois homossexuais ativos. Pérsia.Babilônia. Meyer.10 Is 7.).14. O cumprimento contínuo das profecias da Bíblia é uma prova da sua origem divina. inúmeras outras cumprem-se em nossas dias. tampouco os seguidores de suas filosofias. 37 Is 60. havia um templo de Vênus com mil mulheres devotas que traziam ao seu tesouro os lucros da sua impureza. 7). 36. F. impureza e idolatria que sempre prevaleceu no mundo grego.1). nunca detiveram a onda de licenciosidade. e muitas outras cumprir-se-ão daqui para a frente. Outro ponto saliente nas profecias é o caso da nação israelita.12. restauração e progresso material e espiritual.15. a grande cultura grega e seus livros sem conta. através da formação. grande discípulo de Sócrates.33 Dt 4.17.25–27. Disse o Dr. como há inúmeras no tabernáculo (Hb 10. sucederá. eles reconhecem seus efeito sadio na civilização. A Bíblia prediz sua dispersão. é o caráter que ela forma. famoso comentador devocional da Bíblia: “O melhor argumento em favor da Bíblia.14.9. assim relata o historiador romano Suetônio! FATECE – Curso de Educação à Distancia 58 . Inúmeras profecias da Bíblia se cumpriram no passado.3 Ez 11. Os últimos quatro impérios mundiais . 53 Dn 9.24–26 Mq 5. Graças a Deus por tão sublime e glorioso livro! 4 – A influência da Bíblia nas pessoas e nações O mundo hoje não está pior devido a influência da Bíblia.Conhecendo as Escrituras. Estes dois. No entanto.32. em sentido parcial ou total. Exemplos: Lv 26. e ainda recomendava a adivinhação e ele próprio era entregue a fornicação. por exemplo. 28. Grécia e Roma. os gregos foram os mais cultos e doutos nas letras.2 Zc 9. retorno.8 Jr 23. Jr 1. Nenhum outro livro tem poder de influenciar e transformar beneficamente não só os indivíduos. 61. 2. ensinava que mentir era coisa honrosa. Dentre os povos antigos. 30.6. Mesmo os próprios inimigos da Bíblia admitem que nenhum livro em toda a história da humanidade teve influência tão benéfica.

a formação. No entanto. sendo sempre a base e única para encontrar-mos o nosso Criador na eternidade. e o segundo chamado Doríphorus. foi réu da prostituição e embriaguez. guerreiro. Foram os mais famoso como legisladores. tido como o mais perfeito modelo de virtude. gravuras e descrições revelam fatos que o recato proíbe relatar e enumerar. foi extremamente depravada. Messalina. o primeiro chamado Sporus. a imperatriz. Se era assim entre os membros da classe alta. como bem registra a história. Viveu depo8is amasiado com dois eunucos. servirão de guia para a vida mais feliz e mais bem sucedida. Júlio César tinha encontros “amorosos” com o rei Nicomendes. o censor. desencaminham os jovens desde a mais tenra idade. nos tornaríamos semelhantes a eles. a personalidade ideal dos verdadeiros seguidores da Bíblia. isto não irá muito longe a menos que se reconheça que a base do verdadeiro caráter é a Bíblia. entretanto a onda de pecado e mal avassala a humanidade como um rolo compressor. não filosofia educacional segura se a mesma não for alicerçada sobre os ensinos fundamentais da Bíblia. e poetas. O imperador Calígula (37–41 d.) viveu amasiado com sua própria irmã Drusilla. A educação moderna reconhece que a formação do caráter é a suprema finalidade do seu trabalho. imperador de 41–54 d. oradores. Saiba-se. Catão.Conhecendo as Escrituras. e recomenda por fim a prática do suicídio. foi o dos mais baixos em Roma. A mocidade precisa saber disso. A tragédia é que. Cícero. como não foi nas classes baixas? 5 – A Bíblia nos faz diferentes Somente a Bíblia faz-nos diferentes desse povos. da Bitínia. O nosso mundo orgulha-se hoje de ter atingido os pícaros do saber e ter produzido os mais importantes e melhores livros. descobertas arqueológicas. através da formação. o Maior fornicado romano defende a fornicação. advogou e mais tarde cometeu suicídio. 6 – A Bíblia é sempre nova e inesgotável FATECE – Curso de Educação à Distancia 59 . Nero.C. De acordo com o historiador Juvenal. Quanto a educação. De acordo com registros históricos do historiador romano Suetônio. Fé na Bíblia é a maior força de qualquer moço ou moça na prossecução da vida e da carreira educacional.C. saturados e narcotizados por falsa dialética e filosofias vis. quanto ao padrão dos costumes e da moral. professores ao milhares em todo o mundo. Comparamos tudo isso com o caráter. esposa de Cláudio. Sem ela. Mesmo entre as famílias abastadas e regularmente constituídas. e que seus ensinos tão simples e ao mesmo tempo profundos. viveu maritalmente com sua própria mãe Agripina. portanto que a Bíblia é o Livro mais maravilhoso do mundo. inspiração e estrutura B – Os Romanos. mas.

Em mais de 20 séculos o homem não pôde melhorá-lo. Marco Aurélio e muitos outros autores pagãos. através da formação. Isto prova que ela procede de Deus . como acontece com os demais livros traduzidos. Buda. Nenhum crente tem a Bíblia como um livro alheio. Ajuntai se puderes.Conhecendo as Escrituras. Só dois pontos vamos destacar em toda essa superioridade. A – A Bíblia contém mais verdade que todos os demais livros juntos. Todas as raças consideram a Bíblia como possessão sua. É mais uma prova de sua origem divina. Depois de quase 2 000 anos de escrito o último livro da Bíblia. A mesma coisa dirão os irmãos dos demais países. Ela é tão atual como o dia de amanhã. os ensinos da Bíblia com os de Zoroastro. Nós a recebemos como “nossa”. ela de há muita estaria desatualizada. Sócrates. como o encanecido velho. Isso acontece em qualquer país onde ela chega. e ao mesmo tempo o mais moderno. Os ensinos da Bíblia superam os desses homens em todos os pontos imagináveis. a impressão que temos é que ele foi escrito diretamente para nós. Acontece isso com os demais livros? Quem já se cansou de ler Jo 3. Cafúcio. sem se poder sondar suas profundezas e sem que o leitor perca o interesse. Se ela fosse produto humano não se ajustaria às línguas de todas as nações. 7 – A Bíblia é familiar a povo ou indivíduo em qualquer lugar Através do mundo inteiro.16 Sl 23 Rm 12 e 1ª Co 12? É que cada vez que lemos tais passagens (para não falar das demais) descobrimos coisas que nunca tínhamos visto antes. 8 – A superioridade da Bíblia em relação aos demais livros É muito interessante comparar nalguns pontos. a impressão que se tem é que a tinta original estão ainda secando. Nenhum outro livro pode se igualar-se à Bíblia nesse particular. Uma vez que o homem moderno de jacta de tanto saber. por exemplo. qualquer crente ao ler a Bíblia. recebe a mensagem como se esta fora escrita diretamente para si. A Bíblia pode ser lida vezes sem conta. qual a pessoa que ao ler o Salmo 23. que vivemos no Brasil. era de se esperar que já tivesse produzido uma Bíblia melhor! Para o salvo isto é uma evidência da Bíblia como a Palavra imutável de Deus! A Bíblia nunca torna-se um livro antigo apesar de ser cheio de antigüidades. Sua mensagem milenar tanto satisfaz a criança. Sólon. A mensagem da Bíblia é a mesma em todas as línguas. é claro que em 20 séculos. inspiração e estrutura O tempo não afeta a Bíblia. É o livro mais antigo do mundo. Nisto vemos que a Bíblia é diferente dos demais livros do mundo. todos os melhores pensadores de toda a literatura antiga e FATECE – Curso de Educação à Distancia 60 . Se a Bíblia fosse de origem humana.o Pai de todos! (os que crêem no seu Filho Jesus). acha que o mesmo foi escrito para os judeus? Para nós. estrangeiro.

. são dela.C. desde a criação do mundo até a entrada na terra prometida. todavia há mais verdade neste pequeno livro do que em todos os outros que o homem já produziu em todos os séculos.19–25 Jó 17.5 1ª Co 1. mas. retirai o imprestável. A Bíblia tanto diz que Davi era um homem segundo o coração de Deus (At 13. Reconhecemos que há jóias preciosas nos livros dos homens. Se há mentiras na Bíblia. 14). Foi composta entre os anos 1000–930 a. 9 – A imparcialidade da Bíblia Se a Bíblia fosse originado pelo homem. B – A Bíblia só contém verdade. lingüísticas e estilísticas tem identificado pelo menos quatro fontes históricas de onde foram colhidas algumas narrativas bíblicas. e este jamais subsistirá a Bíblia. Ela pode ser conduzida num bolso de paletó.” Qualquer verdade encontrada em trabalhos humanos. Como se pode explicar isso? há somente uma resposta racional e judiciosa: Este Livro não veio do homem.1. e embora registrem narrativa da tradição oral FATECE – Curso de Educação à Distancia 61 . seja do ponto de vista moral ou espiritual. ela não poria a descoberto a faltas e falhas dele. que ocupa um papel central entre as tribos. Os homens jamais teriam um livro como a Bíblia. que só dá toda a glória a Deus enquanto mostra a fraqueza do homem (Jó 27 Sl 50. como também revela seus pecados como vemos nos livros de Reis. mas sua suas proximidades podem nos dar uma boa idéia da época em que essas narrativas foram recolhidas. Trata-se de uma narrativa dos começos de Israel. Ao passo que os demais livros contém verdade misturada com mentira ou erro. 1ª Fonte – Javista (J). É ela o único livro assim. mas para nossa admoestação e para provar a imparcialidade da Bíblia. Seus escritores dão preferência a tribo de Judá. Crônicas e Salmos. durante o reinado de Salomão. COMO SURGIU A BÍBLIA 1 – Teoria das fontes Investigações literárias.22). Os escritores desta fase são chamados de “Javistas”. É também o caso da embriaguez de Noé. veio de Deus. Nada disto está escrito para os imitarmos. O homem jamais escreveria um livro como a Bíblia. através da formação. acha-se em essência no Velho Livro.. porque usam de preferência o nome de Javé (Iahweh) para Deus. apenas foram registradas. ponde toda a verdade escolhido num volume.Conhecendo as Escrituras.22. o caso de Ló.21. é como disse certa vez Joseph Cook: “São jóias retiradas da lama!. a idolatria e luxúria de Salomão. inspiração e estrutura moderna. a dissimulação de Abraão. 51. que põe em relevo as fraquezas e defeitos humanos. As datas apresentadas pelos diversos autores não são muito precisas..

1. em círculos “” “sacerdotais” (de “Priester”.8. a acreditarem na existência de um fundo comum de tradições. E pode se aplicar a Eloin ou Efraim. 1ª e 2ª Reis. Exemplo Típico: Gênesis 12. mas tenta harmonizar as tradições conflitantes a respeito de uma conquista inicial de Canaã. e não parece muito preocupado com a questão governamental como o documento J. A grande diferença é que seus escritores viviam no norte. a chamada “Segunda Lei” ou “Deuteronômio”.C.9ss Êx 25–30 e 25–60 5ª Fonte – A Fonte Comum (G). que estava independente de Judá e mantinha o antigo nome de Israel. a FATECE – Curso de Educação à Distancia 62 . bem como algumas leis. Está relacionado com o movimento profético. sacerdote em alemão). O exemplo mais marcante é a reinterpretação da Lei em linguagem profética. inspiração e estrutura (Gênesis 2–3 por exemplo). 1ª e 2ª Samuel. 16. Juizes. Registra-se em P um relato bem ordenado da criação e leis relativas aos rituais da obediência do Sábado. O nome preferido de Deus por esses escritores é Eloim. o tratamento da enfermidades e instruções sobre o sacerdócio e os sacrifícios. e cobre praticamente o mesmo período de tempo da fonte Javista (da criação à conquista da Terra prometida-Canaã). Está ligada a atividade religiosa depois do cativeiro. Nesse tempo surgem a maior parte dos livros proféticos e também Josué. principalmente. as cláusulas dietéticas. e da mesma forma como J se aplica a Javé ou Judá. O reino do norte representava as doze tribos de Israel e tinha sua bases no território de Efraim e Manassés. por exemplo o poema cosmogónico de Gênesis 1. Foi escrita nos finais do século babilônico ou no início da restauração. Esdras e Neemias e ajuda na elaboração definitiva de todos os escritos já existentes. dotando de cerca de 750–500 a.C.Conhecendo as Escrituras. Exemplos Gn 17. por volta dos anos 550–450 a. veio à tona na reforma do reino de Judá iniciada pelo rei Josias.C. Prossegue coma a historiografia nacional dando origem a 1ª e 2ª Crônicas. salmos e provérbios. Sua ênfase está no pacto com Eloim. É exercida. bem como se restrutura a literatura existente. que poderia ser uma outra fonte. Deste tempo data também. através da formação. se preocupam mais com as narrativas históricas em relação à sucessão do trono. por um lado. 2ª Fonte – Eloísta (E). Pode-se afirmar que o documento é o mais comprometido com a religião judaica do que o documento J. 4ª Fonte – Sacerdotal (P). a circuncisão. seguida de reveses e de lutas prolongadas para reaver a terra sob os juizes. As semelhanças entre as fontes mais antigas J e E têm inspirado alguns críticos. Foi composta entre e os anos 900–750 a. unificada sob Josué. A maioria dos críticos acredita que a fonte Deuteronomista se utilizou de narrativas diferentes de J e E.7. foi escrita após a desagregação da monarquia (divisão do reino). Exemplo Típico: Gênesis 20–22 3ª Fonte – Deuteronomista (D).

principalmente por influência dos trabalhos de Graf e Wellhausen. Não sendo Paulo seu autor. críticos e estudiosos alemães. A teoria das fontes conseguiu se impor aos críticos. O Evangelho de João posterior aos três primeiros. além de se tornar ele mesmo. na realidade. judeu alexandrino elogiado por Lucas por sua eloquência. A primeira fonte seria o livro de Marcos. inspiração e estrutura G (do alemão Grudlage. uma interpretação mais intima das palavras de Jesus devido a convivência do autor com o Mestre. no final do século XIX. e que G seria apenas uma série de variantes orais/escritas às quais J e E. A Segunda fonte denominada Q (Quelle = fonte em alemão) seria uma coletânea de relatos usados por Mateus e Lucas para complementar os relatos muito utilizados em Marcos. apenas Hebreus é discutível. Outros aceitam que a J e E recorreram a versões diferentes das tradições que circulavam as regiões norte e sul de Israel. O estudo dessas tradições. Não são tratados de teologia ou meras cartas. FATECE – Curso de Educação à Distancia 63 . Sua idéia básica está na concepção de que para se entender a Bíblia. a crítica moderna formulou a teoria das Duas Fontes.Conhecendo as Escrituras. através da formação. mostra que dificilmente um só autor teria escrito uma obra como o Pentateuco ou outros livros que. e particularmente o Pentateuco (os cinco primeiros livros). zelo apostólico e conhecimentos das Escrituras (At 18. mas escritos inspirados nas doutrinas em uso visando orientar pessoas diferentes em ocasiões diferentes. teria utilizado de uma forma mais espiritualizada os relatos dessas duas fontes. considerado a base dos Evangelhos. sendo que Mateus e Lucas dependem dele para produzir seus relatos. pelas diferenças de estilo.24–28). seriam verdadeiras compilações de diversos documentos. Quanto às epístolas principalmente as de Paulo. respostas a situações concretas. tratam-se de escritos ocasionais. Do ponto de vista literário. respectivamente. repetições ou ordem diferentes do relatos. AS FONTES DO NOVO TESTAMENTO Partindo de diversas observações da tradição eclesiástica quanto à formação do NT. “fundamento”). orais ou escritas que vieram. sua forma e conteúdo estão de acordo com as características de seus autores e as situações que enfrentavam ao escrever. o que mais merece atenção é Apolo. há necessidade de se fazer um estudo das formas literárias e das tradições. dar origem aos atuais livros bíblicos. Quanto à autoria. O costume antigo por parte dos escribas de atribuir a autoria a um personagem marcante do livro também pode esclarecer afirmações sobre os autores do livros bíblicos. com o decorrer do tempo. tiveram acesso. Há quem rejeite completamente ou quem aceite com algumas modificações.

Por isso permaneceu tanto tempo como literatura oral. Para compreender o Apocalipse (Ezequiel. O LIVRO SAGRADO O primeiro rolo contendo uma coleção de livros já considerados canônicos é o Pentateuco (450 a. LIVRO DE DEUS. darlhe unidade. mas de um prolongamento deste. inspiração e estrutura O Apocalipse é um livro que apresenta gênero literário muito comum nos dois séculos anteriores ao nascimento de Cristo. LIVRO DO POVO É interessante e maravilhoso saber que a Bíblia é um livro que brota de Deus. quer dizer. Quando os “samaritanos” separaram-se dos FATECE – Curso de Educação à Distancia 64 . embora nem todas as pessoas tivessem acesso à escrita. A beleza. Zacarias e Daniel têm passagens apocalípticas também) é necessário aprender a retraduzir em idéias os símbolos que ele propõe. Suas histórias. Somente com o advento da monarquia. Não se trata de um escrito profético. no período pré-monárquico em Israel. até porque isso era necessário para validar a própria monarquia e para motivar o povo pelo estímulo da sua história.Conhecendo as Escrituras. Tratava-se dos cinco primeiros livros da Bíblia. mais ou menos). A literatura primitiva do povo louvava a Deus e relatava minuciosamente seus feitos ou os de Iahweh. costumes e tradições eram consideradas como literatura de classe inferior. A sabedoria de Deus em não deixar que a redação da Sua Palavra fosse determinada por algumas classes ou pessoas. Escrever.C. e sim no simbolismo que encerram. através da formação. um dos seus fundamentos. nesse aspecto. Era comum no sentido de prática de escrever por todo o Oriente próximo era orientada e controlada pelas autoridades governamentais e por sua escolar profissionais. O tempo em que a Bíblia demorou a ser escrita a livrou de ideologias temporais e de interesses peculiares. a simplicidade e a impressão de que tudo na Bíblia nos é familiar tem. era uma atividade comum. é a produção de uma obra magnífica. A Bíblia foi escrita partindo de uma literatura tida como “baixa”. na qual pode-se perceber que o próprio povo conta a sua história. os literários. é clara na historiografia bíblica. O resultado. A história era contada a partir da ótica das classes dominantes. a partir de uma visão histórica e devocional. no qual as visões não tem valor em si mesmas. As tribos unidas de Israel surgiram como perturbadoras dos interesses do Estado. Escreviam para registrar assuntos de interesse do Estado. do ponto de vista literário. se sentiram motivados a escrever. mas cresce com o povo.

Em cerca de 200 a. O CÂNON DA BÍBLIA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA Cânon ou Escrituras canônicas é a coleção completa dos livros divinamente inspirados. Com este sentido a palavra aparece no original em vários lugares do Novo Testamento. retratam-nos fielmente. FATECE – Curso de Educação à Distancia 65 . É interessante perceber que enquanto o A. cada um dos quais tinha um côvado e um palmo. surge a versão grega da Sagrada Escritura chamada “Septuaginta” (do latim “70”). Foi a Bíblia usada por Jesus e pelos apóstolos. o que mostra a sintonia e a inspiração do apóstolo com a revelação de Jesus Cristo.13). No antigo testamento o termo aparece no original em passagens como Ezequiel 40. paz e misericórdia sejam sobre eles e sobre Israel de Deus.T. cânon não significa aquilo que mede. em mais ou menos 300 a. Entre os anos 50 e 70 da nossa Era. inspiração e estrutura “judeus”. e a altura. constituindo a Bíblia. Cânon é palavra grega.5: “Vi um muro exterior que rodeava toda a casa e. já contendo o cânon atual do Antigo Testamento. levaram consigo o que passou a ser chamado de o ‘Pentateuco Samaritano”. se seis côvados. seguem-se as Epístolas de Tiago.C.C. foram reunidos em menos de 100 anos. bem como os de Josué até Reis (os judeus chamavam a todos de “os profetas”) foram também considerados canônicos.” (Gl 6. não nos gloriamos sem medida. os escritos de João (entre 90 e 100) e as de Timóteo e Tito (entre 95 e 100). uma cana de medir. Judas.Conhecendo as Escrituras.16). levou cerca de 1000 anos para ser escritos. As cartas de Paulo. surgem as cartas (Epístolas) paulinas. regra.” (2ª Co 10. mas aquilo que serve de norma. os livros proféticos. Mateus. ele mediu a largura do edifício. como por exemplo nos versículos mencionados a seguir: “E a todos quantos andarem de conformidade com esta regra. na mão do homem. mas respeitamos o limite de esfera de ação que Deus nos demarcou e que estende até vós. uma cana. escritas bem antes dos Evangelhos. Lucas. os primeiros escritos do N.T. “Nós. significando literalmente “vara reta de medir” assim como uma régua de carpinteiro.. até 100 a. feita por 72 sábios judeus em Alexandria. porém. Em seguida. Atos dos Apóstolos e hebreus aparecem entre os anos 65 a 85. através da formação. Marcos. os livros do N.T.C. uma cana.” No sentido religioso.

A Bíblia como cânon sagrado é a nossa norma ou regra de fé e prática.C. cada grupo dos seguintes: Os dois de Samuel 1 Os dois de Reis 1 Os dois de Crônicas 1 Os dois de Esdras e Neemias 1 Os doze Profetas Menores 1 Os demais livros 19 Total 24 A disposição ou ordem dos livros do cânon hebraico é também diferente da nossa. Crônicas. Provérbios.08 livros: Primeiros Profetas: Josué. seremos sobremaneira engrandecidos entre vós.05 livros: Gênesis. ficou completo desde o tempo de Esdras. e tendo esperança de que.” (2ª Co 10. os Doze. a arqueologia tem provado isto. C – Escritos . inspiração e estrutura “Não nos gloriando fora da medida nos trabalhos alheios. B – Profetas.. isto porque são considerados um só livro. Samuel e Reis. Livros Históricos: Daniel.Conhecendo as Escrituras. Números e Deuteronômio...Leis.” (Fp 3. Eclesiastes. Os Cinco Rolos: Cantares. após o ano 445 a. Ester. A – Lei .16).44 . Damos a seguir essa disposição dentro da tríplice divisão do cânon já mencionada (Lei. O cânon do Antigo Testamento como temos atualmente. Juizes. crescendo a vossa fé.). dentro da vossa esfera de ação. as quais Jesus citou em Lc 24. “Todavia andaremos de acordo com o que já alcançamos. Rute. Escritos)... através da formação.. Dá 24 livros em vez dos nossos 39.. A escrita já era conhecida na Palestina séculos antes de Moisés. Profetas.15).11 livros: Divididos em: Livros Poéticos: Salmos. A divisão dos livros do cânon hebraico é diferente da nossa. inclusive tem encontrado várias inscrições.. O CÂNON DO ANTIGO TESTAMENTO Na época patriarcal a revelação divina era transmitida escrita e oralmente. O emprego do termo cânon foi primeiramente aplicado aos livros da Bíblia por Orígenes (185–254 d. Levítico. FATECE – Curso de Educação à Distancia 66 . o Antigo Testamento tem três divisões. Profetas e Escritos.C. Esdras. sinetes e documentos antediluvianos. Neemias. Entre os judeus. placas. Jeremias. Últimos Profetas: Isaías.. Jó. Lamentações.. Êxodo. Diz-se dos livros da Bíblia que são canônicos para diferença dos apócrifos.

Também a ordem dos livros por assuntos nas nossas Bíblias.de Moisés a Esdras. A Setuaginta foi a primeira tradução das Escrituras. comemorando o livramento de Israel da mão do mau Hamã. C – Ester.44. na celebração da colheita. na Festa dos Tabernáculos e a festa de gratidão. de acordo com os escritos históricos judaicos. porém. lidos anualmente em festas distintas. os últimos foram Neemias e Malaquias. feita do hebraico para o grego.o caso de Abel estão em Gênesis e o filho de Baraquias está em Crônicas. D – Eclesiastes. Segundo a nossa divisão.C.35 . 1 – A formação do cânon foi gradual Daremos em seguida a seqüência da formação gradual do Antigo Testamento. Evidentemente Esdras não foi o último escritor na formação do cânon do Antigo Testamento. Os judeus não se preocupam com um sistema cronológico. em alusão ao Êxodo. B – Rute. na páscoa. o Antigo Testamento começa em Gênesis e termina em Malaquias. fixando também o cânon do Antigo Testamento. vem dessa famosa tradução. no mês de Abibe. A nosso divisão do Antigo Testamento em 39 livros vem da Setuaginta através da Vulgata Latina. A FORMAÇÃO DO CÂNON DO ANTIGO TESTAMENTO O cânon do Antigo Testamento foi formado num espaço de mais de mil anos (mais ou menos 1046 anos) . Isto é visto claramente nas palavras de Jesus em Mt 23. assim: A – Cantares. Ele chamou “Salmos” à última divisão do cânon hebraico. sobre a qual trataremos mais detalhadamente na próxima lição. No cânon hebraico os livros não estão em ordem cronológica. na festa do purim. Nas palavras de Jesus em Lc 24.Conhecendo as Escrituras. segundo a divisão do cânon hebraico o primeiro livro é Gênesis e o último é Crônicas. Já no Novo Testamento há mais precisão em muitos casos.C. Essa FATECE – Curso de Educação à Distancia 67 . relembrando a destruição de Jerusalém pelos babilônios. inspiração e estrutura Os Cinco rolos eram assim chamados porque eram rolos separados.C. cerca do ano 285 a. Também pode haver nisto um plano divino. certamente porque esse livro era o primeiro dessa divisão. Convém ter em mente aqui. encerrando em seu tempo. que toda a cronologia bíblica é apenas aproximada. Moisés escreveu as primeiras palavras do Pentateuco por volta de 1491 a. no Pentecostes. em seu início. porém. foi ele que na qualidade de escriba e sacerdote reuniu os rolos canônicos. Esdras entrou em cena em 445 a. E – Lamentações. através da formação.

mas há inferência. Há é certo.C. através da formação. todo o livro de Gênesis e parte de Êxodo.9 Nm 33. ele escreveu lançando mão de fontes existentes (ver 2.).1. C – Samuel (1095 a. achou o livro das genealogias dos judeus que já haviam regressado do exílio (7.C. N – Esdras.C.C.21 Hb 9.32). sucessor de Moisés (1445 a.30). I – Daniel (553 a.) refere-se aos “livros” (Dn 9. Deus ordenou que Jeremias preparasse novo rolo.1). cuja chamada deu-se em 626 a.). preceitos e estatutos” escritos.1.). isto é profeta literário.8–10). Não aqui referência direta a escritos. como o relato da criação.C. A – Moisés começo a escrever o Pentateuco cerca de 1491 concluindo-o por volta de 1451 a. pondo seus escritos perante o Senhor (1º Sm 10. e “palavras do livro” (Is 29. contemporâneo de Neemias.2 Jo 5. o último juiz e também profeta do Senhor. passagens do Pentateuco que foram acrescentadas posteriormente. que selecionou e FATECE – Curso de Educação à Distancia 68 . os salmos já eram cantados (2º Cr 29.47). D – Isaías (770 a.4).16).4.1). o livro estava sendo escrito (Et 9. Hilquias achou o “livro da Lei” (2º Rs 22. Zacarias foi o penúltimo profeta do Antigo Testamento. Esdras presidiu a chamada Grande Sinagoga. Tal livro foi queimado pelo mau rei Jeoaquim em 607 a. Certamente havia outros livros. H – No tempo do rei Josias (621 a.18). F – Jeremias.). fala do “livro do Senhor” (Is 34. de regresso do cativeiro babilônico (Ne 8. O fato ai registrado teve lugar nesse tempo.) escreveu uma obra que colocou perante o Senhor (Js 24.1–5). Certamente “perante o Senhor” significa que seus escritos eram depositados na arca do concerto com os demais escritos sagrados lá depositados (Êx 25. J – Zacarias (520 a. L – Neemias (445 a.) declara que os profetas que o precederam falaram da parte do Espírito Santo (7.C.25).12). inspiração e estrutura cronologia vai sendo atualizada à medida em que os estudos avançam e a arqueologia fornece informes oficiais.Conhecendo as Escrituras. (Dt 3.32. foi escriba da lei de Moisés. porém.26). 45.2). e leu o livro do Senhor para os judeus já estabelecidos na Palestina.C.5 dá a entender que nesse tempo já havia “mandamentos.C. As partes do Pentateuco anteriores a Moisés. registrou a revelação divina (Jr 30.5). 5. B – Josué. escreveu. o que foi feito mediante o seu amanuense Baruque (Jr 36. M – Nos dias de Ester.9.C..28. Gênesis 26. Eram os rolos sagrados das Escrituras de então.46.C.C.2).2. E – Em 726 a. ou por revelação divina. 24–26 Mc 12. Conforme 2º Macaréus e outros escritos judaicos.

começando por Moisés. Isto prova que o Pentateuco era escrito canônico. Presenciou a queda de Jerusalém. como já dissemos.13). à proporção que os livros iam sendo escritos.45 Mt 26. que os samaritanos foram expulsos da comunidade judaica (Ne 13) levando consigo o Pentateuco.27.54 Jo 5. note bem este título aplicado pelo próprio Senhor Jesus! Note ainda a citação de Mt 23.14). através da formação.35 Mc 7. que é até hoje a Bíblia dos samaritanos. a considerar estas escrituras como ensinos de Deus. livros aceitos como divinos. O – Encontramos profeta citando profeta. 50 d.C. sob a presidência de Esdras. tirar ou alterar uma única sílaba. escritor de Alexandria (30 a. Foi levado para Roma onde dedicouse a escritos literários. A Esdras é atribuída a tríplice divisão do cânon já estudado. Foi nesse tempo.C. ou segundo geralmente se diz.2–4. pois este é à amiúde citado naquele.C. após a volta do cativeiro reuniu os livro diversos e colocou-os em ordem como coleção completa. diz escrevendo aos judeus.C. que diz-se ter sido organizada por Neemias cerca de 410 a. Foi governador da Galiléia e comandante militar nas guerras contra Roma. Q – Josefo. R – Nos dias do Senhor Jesus esse livro chamava-se Escrituras (Lc 24. Foi essa entidade que reorganizou a vida religiosa dos repatriados. de Esdras. possuía todo o cânon do Antigo Testamento. Era também chamado “A Palavra de Deus” (Jo 10. Os escritores do Antigo Testamento referem-se ao cânon do Antigo Testamento como sendo oráculos divinos (compare Rm 3.” Josefo foi homem culto e judeu ortodoxo de linhagem sacerdotal.34.16).1–3 com Is 2. contando a história de todo o tempo. o que infere haver mensagem escrita.39) com as três já conhecidas divisões: Lei. o historiador judeu (37–100 d.10. Essa Grande Sinagoga era um conselho composto por 120 membros. inspiração e estrutura preservou os rolos sagrados. Salmos e Profetas (Lc 24. Esdras. Cremos que. S – Os escritores do Novo Testamento reconhecem como canônicos os livros do Antigo Testamento.12 2ª Tm 3. e mais tarde deu origem ao Sinédrio.2 Hb 5. eram posto no tabernáculo junto ao grupo de livros sagrados. compare Mq 4.44). Destes FATECE – Curso de Educação à Distancia 69 . Em seus escritos ele cita quase todo o Antigo Testamento. livros que nós cremos.35 na qual Jesus autentica todo o Antigo Testamento. P – Filo. isto é. Por exemplo.) contemporâneo do apóstolo Paulo. no livro “Contra Appion”: “Nós temos apenas 22 livros. Desde os dias de Artaxerxes ninguém se aventurou acrescentar. havendo cerca de 300 referências diretas e indiretas. determinando dessa maneira o cânon das Escrituras do Antigo Testamento (cf Ed 7.C. Faz parte de cada judeu desde que nasce. cerca de 275 a.Conhecendo as Escrituras.).

29. eles venham à luz.Conhecendo as Escrituras.C. citados no texto do A.18 1º Rs 11. tornou-se a sede do Sinédrio . São 13: de Romanos a Filemom. perto da moderna Jafa. O que demorou foi o conhecimento canônico dos mesmos.D.24. Houve muitos debates acerca da aprovação de certos livros.C.. reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testamento. O CÂNON DO NOVO TESTAMENTO Como no Antigo Testamento.13 com 2º Sm 1. pouco antes do martírio do apóstolo Paulo em Roma. isto. Mar Morto.o supremo tribunal dos judeus. 2 – Data reconhecidas e fixação do cânon do Antigo Testamento Em 90 a.C. A – As epístolas de São Paulo. Veja Nm 21. É digno de nota que a Bíblia faz referência a livros até agora desaparecidos. 2 Timóteo foi escrito em 67 d.29 2º Cr 9. Pela ordem cronológica.T.22. 26.41 1ª Cr 27. inspiração e estrutura originais eram feitas cópias para as sinagogas largamente disseminadas no Oriente Médio e regiões próximas. Trata-se dos livros apócrifos do Novo Testamento. Foram os primeiros escritos do Novo Testamento.29. e não leva em conta a seqüência cronológica. 1 – A formação do cânon do Novo Testamento A ordem dos 27 livros do Novo Testamento como temos atualmente em nossas Bíblias. querendo Deus.14 Js 10. 12. em 1947. 13. São casos que só Deus conhece o segredo. motivado pelo cuidado e escrúpulos das igrejas de então. Esses livros foram também os FATECE – Curso de Educação à Distancia 70 . Jâmia. na Palestina. Foram escritas entre 52 e 67 d. No ano 100 d. vem da Vulgata. que exigiam provas concludentes de sua inspiração divina. 33. como os dispomos a seguir. através da formação. Talvez um dia. homens inspirados por Deus escreveram aos poucos os livros que compõem o cânon do Novo Testamento. 3 – Livros desaparecidos. Outra coisa que demorou a demora da canonização dos livros do Novo Testamento foi o surgimento dos escritos heréticos e espúrios com pretensão de autoridade apostólica. Note-se apenas que o trabalho desse concílio foi apenas ratificar aquilo que já era aceito por todos os judeus através dos séculos.C. em Jâmia.C. o primeiro livro do Novo Testamento é Tessalonicenses escrito em 52 d. os rabinos num concílio sob a presidência de Johanan ben Zakai.15. todos os livros do Novo Testamento já estavam escritos.22. Sua formação levou apenas duas gerações: quase 100 anos.19. como os manuscritos achados nas grutas de Qúmram. fato idêntico ao acontecimento nos tempos do encerramento do cânon do Antigo Testamento. após a destruição de Jerusalém no ano 70 d.

Marcos. l Palavras de Jesus (não registradas em nenhum livro At 20. bem como o livro de Apocalipse.18.9). todos os livros estavam aceitos. foram duramente debatidos. l Carta de Paulo aos Laodicenses (Cl 4.Conhecendo as Escrituras. Houve muita relutância quanto às epístolas de Pedro. Como se vê. O Evangelho de João foi escrito em 85.18. Eis alguns exemplos: l Uma Carta de Paulo aos Coríntios (1ª Co 5.7. Muitos livros antes de serem finalmente reconhecidos como canônicos. C – Os Evangelhos. Em 1ª Tm 5. 2 – Livros desaparecidos. Foi escrito pelo apóstolo São João no ano 96 d. 4 – A necessidade da mensagem escrita do Novo Testamento FATECE – Curso de Educação à Distancia 71 . patriarca de Alexandria.título aplicado somente à Palavra de Deus! (2ª Pe 3. Todas as epístolas que vão de Hebreus até Judas foram escritas entre o ano de 68 e 90 d.15. cita Mt 10. publicou em lista os 27 livros canônicos idênticos a dos que hoje possuímos. E – As Epístolas de Hebreus e Judas. a princípio foram propagados oralmente. mas também a responsabilidade que envolvia a canonização. 3 – Reconhecimento e fixação do cânon do Novo Testamento O reconhecimento e fixação do cânon do Novo Testamento ocorreu no III Concílio de Cartago.26). Pedro chama os escritos de São Paulo de “Escrituras” . Também no Novo Testamento encontramos a menção de livros até agora desaparecidos. citados no Novo Testamento.C.C.C.16). Os Sinópticos foram escritos entre 60 e 65 d. Não havia perigo de engano e esquecimento porque era o Espírito Santo que lembrava tudo e Ele é infalível (Jo 14. ouve um amadurecimento de 400 anos. foram escritas quase todas as epístolas.16). Paulo escrevendo em 65 d.. Entre os escritos de Lucas e João. Quanto a autoria da epístola aos Hebreus. no ano 397 d. João e Judas. Note-se que Paulo chama os Evangelhos de Mateus e Lucas de “Escrituras” ao citá-los em 1ª Tm 5. só Deus sabe de fato. através da formação. essa lista foi aceita pelo concílio de Hipona (África) em 393.C. em 65. Antes do ano 400 d.30).C. inspiração e estrutura primeiro a serem aceitos como canônicos. F – Apocalipse. Tudo isso não somente revela o cuidado da Igreja.10.. Foi escrito por Lucas no ano de 63 d. B – Atos dos apóstolos.35).C. o original dessa citação está em Mt 10. Em 367 Atanásio.C. nessa ocasião os 27 livros quem compõem o Novo Testamento foram reconhecidos e aceitos como canônicos.10 e Lc 10. durante o reinado do imperador romano Domiciano. . ao fim dos dois anos da primeira prisão de Paulo em Roma (At 28. Estes.

isto é de Moisés à Esdras. por volta do ano 110. Tiago. dedicou a sua vida ao estudo das Escrituras. (185 .C.2). homem erudito.200 d. etc. cita diversas epístolas do apóstolo Paulo. Inácio.. inspirou aos escritores sacros. chamando-os “Escrituras. Irineu.). 7. cita grande número de livros do Novo Testamento em seus escritos. cita diversos livros do Novo Testamento. Surgiu a necessidade de reduzi-lo à forma escrita para ser transmitido às gerações futuras.C. 2ª e 3ª João. Ele mesmo disse: “Tenho muito o que vos dizer. na sua carta aos coríntios em 95 d. Os judeus cumpriram sua missão de transmitir ao mundo os oráculos divinos (Rm 3. DATAS E PERÍODOS SOBRE O CÂNON EM GERAL O Antigo Testamento foi escrito no espaço de mais u menos 1046 anos.1). A data 445 é apenas um ponto geral de referência cronológica quanto ao encerramento do cânon do Antigo Testamento. ele os citou embora com dúvidas sobre alguns (Hebreus.” Orígenes.. através da formação. piedoso e viajado. na sua carta aos Filipenses. Clemente de Roma.. cujas vidas coincidiram com a dos apóstolos ou com os discípulos destes... em seu tempo. cita vários livros do Novo Testamento. Após a ascensão do Senhor Jesus.C. Em seu tempo os 27 livros do Novo Testamento já estavam completados. escrevendo em 140 d>C. A igreja também cumpriu sua parte.. Suas Bíblias eram o Antigo Testamento. 2ª Pedro. Se entrarmos em detalhes quanto ao último livro do Antigo FATECE – Curso de Educação à Distancia 72 . cerca do ano 110 d. bem como as que Ele.12.. problemas internos. inspiração e estrutura A mensagem da Nova Aliança precisava ter forma escrita como a Antiga.1. pelo Espírito Santo.” (Jo 16. Policarpo. falsas doutrinas. nascido no ano da morte de João. transmitindo as palavras e ensinos do Senhor Jesus.C. o Mártir. Era o plano de Deus em marcha muitas igrejas e indivíduos pediam explicações acerca de casos difíceis surgido por perturbações. 5 – Testemunhos importantes Dão testemunho da existência de livros do Novo Testamento. Assim surgiu a necessidade de revelação divina escrita como recurso para solucionar esses e outros problemas.C. (130 . de 1491 à 445 a. dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará o que há de vir. Com o correr do tempo o grupo de apóstolos diminuiu.). (1ªCo 1. cita a maioria dos livros do Novo Testamento. Justino.13). 5. os seguintes cristãos primitivos. os apóstolos pregaram por toda a parte sem haver nada escrito.254 d. mas o Espírito de verdade..1. O evangelho espalhou-se.Conhecendo as Escrituras.

C. sendo assim um total de 11 escritos apócrifos. foi escrito após 445 no final do governo de Neemias e sacerdócio de Esdras. O Novo Testamento foi escrito em menos de 100 anos. porque foi ordenado. pois o seu último livro. desde sua aplicação por Jerônimo.6). Malaquias.Conhecendo as Escrituras. misteriosas. através da Antiga versão Latina de 170. profetas seus antecessores. o termo significa “não genuíno. Aparecem pela primeira vez na Setuaginta. A palavra “apócrifo” significa literalmente “escondido. foi escrito cerca do ano 96 d. são: FATECE – Curso de Educação à Distancia 73 . mas indicou que os mesmos não poderiam ser base de doutrinas. Como Jerônimo traduziu a Vulgata no início do século V (405 d. isto em referência a livros de então que tratavam de coisas secretas. a igreja Romana aceitava a todos. incluiu os apócrifos oriundos da Setuaginta. espúrio”. inspiração e estrutura Testamento em ordem cronológica . Atanásio e outros homens de valor dentre os primitivos cristãos.1). a tradução do Antigo Testamento do hebraico para o grego. inclui no cânon do Antigo Testamento 7 livros apócrifos. nunca foram reconhecidos pelos judeus como parte do cânon hebraico. oculto. talvez Neemias não estivesse mais na palestina. desde o início do concílio de trento em 1546. como fazem Ageu e Zacarias. Agostinho. os quais mencionam Zorobabel e Josué. Antes do concílio de Trento. sendo sete livros e 4 acréscimos já mencionados. quando Neemias regressou a Jerusalém procedente da Pérsia para onde tinha ido em 434 a fim de renovar sua licença (Ne 13.C. isto dá um total de 1142 anos para a formação de ambos os Testamentos (1046 + 96 ). A igreja Ortodoxa Grega mantém os 14 até hoje.Malaquias. Jamais foram citados por Jesus. se 10 livros e 4 acréscimos `a livros canônicos. Apocalipse. Jerônimo. através da formação. nem foram reconhecidos pela Igreja primitiva. se lhes opuseram como livros inspirados. ocultas”. No sentido religioso. respectivamente governador e sacerdote dos repatriados ( Zc 3–4 e Ag 1. leve-se em conta que a cronologia bíblica é sempre aproximada. mas depois passou a aceitar apenas 11. O Pentateuco.C. pelo que não o menciona em seu livro. Os 7 livros apócrifos constantes da Bíblia de edição católico-romana. Ora. isto foi a partir de 432. como já vimos. além de 4 acréscimos ou apêndices à livros canônicos. Quando Malaquias escreveu. foi iniciado cerca de 1491 a. São 14 os apócrifos. 1 – Os livros apócrifos Nas Bíblias de edição católico-romana. É a partir desse ano que Malaquias entra em cena.). teremos uma variação de tempo como veremos a seguir. o total de livros é 73 porque a igreja romana. o último livros do Antigo Testamento por ordem cronológica.

Acréscimo ao livro Canônico Ester 10.. BARUQUE . sua apresentação ao rei e a cópia do Edito de Assuero em favor dos judeus.Após o livro canônico de Cantares. É um romance totalmente destituído de valor histórico. Consiste na maior parte de paráfrases de Jeremias.4 a 16. que pretende ser a oração que os três jovens fizeram na fornalha e seu cântico triunfal de louvor pelo livramento. CÂNTICO DOS TRÊS SANTOS FILHOS . filho de Siraque”.C. 2 – Os Quatros Acréscimos ESTER . SABEDORIA . Tudo falso.Obra histórica de grande valor sobre o período Macabeu. inserta de 3. Apresenta regras de conduta para todos os particulares da vida civil. Afirma-se ser um resumo da obra escrita por um certo Jason de Cirene. escrito por um filosofo judeu muito viajado. Teria sido escrito na Babilônia. por um judeu palestino. de um jovem israelita rico. de quem nada se sabe.Após o livro de Tobias. Enaltece grande números de heróis do Antigo Testamento. rica. 2º MACABEUS . amanuense de Jeremias. cativo em Nínive. decepou-lhe a cabeça e desse modo salvou a sua cidade. FATECE – Curso de Educação à Distancia 74 .Semelhante a 1º Macaréus e também situado depois de Malaquias. e enviado a Jerusalém para ser lido nas Assembléias litúrgicas. o qual foi guiado por um anjo a desposar uma casta viúva que perdera sete esposos. Romance histórico de uma viúva israelita.Conhecendo as Escrituras.C. através da formação. a oração de Ester e a sua penitência.23 a 90. bela e devota.Após o livro canônico de Lamentações. 1ºMACABEUS . a oração de Mardoqueu. Escrito por um judeu alexandrino qual faz o papel de Salomão. Provérbios e Eclesiastes. qual nos dias da invasão babilônica de Judá. porém inferior a este.24. Apresenta-se como da autoria de Baruque. É suplemento de 1º Macaréus. Assemelha-se ao livro de Provérbios. inspiração e estrutura TOBIAS . Contém o sonho de Mardoqueu. Muito semelhante a partes de Jó. Uma espécie de continuação do livro.Adição inautêntica ao livro de Daniel. Escrito cerca de 100 a. jeitosamente penetrou na tenda do general babilônico.. Espécie de mistura do pensamento hebreu com a filosofia grega. Daniel e outros profetas. religiosa e doméstica. fingindo entregar-se a ele. ECLESIÁSTICO .Após livro canônico de Neemias (2º Esdras).Também chamado de “Saberia de Jesus. depois da deportação. JUDITE . Relata acontecimentos da luta heróica dos judeus pela liberdade 175135 a.

apelaram para eles.Acréscimo de Daniel. a uma nova era futura e à restauração de certas Escrituras que se haviam perdido.12. a garrados às barbas e batinas uns dos outros. acusada falsamente de adultério.Pretende conter visões dadas a Esdras referente ao governo do mundo por Deus.Duas histórias nas quais Daniel prova que os ídolos Bel e o Dragão não são deuses. aprovandoos como canônicos.. e provavelmente foi escrita em 90 a. Descrição da liberalidade de Ciro e Dário para os judeus. A primeira edição da Bíblia católico-romana com os apócrifos deu-se em 1592. Oração pelos mortos. Outra ampliação inautêntica ao livro de Daniel. de acordo com 2º Cr 33. em sua “História Eclesiástica” declara que em pleno concílio.Outra a dição inautêntica ao livro de Daniel. e.. 4ºESDRAS .Apresenta-se como sendo a oração de Manassés. Ouve prós e contras dentro dessa própria igreja. 4 – Aprovação dos apócrifos A Igreja Romana aprovou os apócrifos em 18 de abril de 1546 como meio de combater a reforma protestante. uma delas baseai-se na história da cova dos leões. daí essa denominação.C. O autor é desconhecido. 40 bispos dos 49 presentes travavam lutas corporal. Foi nesse ambiente “espiritual” que os apócrifos foram aprovados. Nesse tempo os jesuítas exerciam muita influência no clero. mas bons para leitura e de valor literário e histórico. A ORAÇÃO DE MANASSÉS . Isto continuou até 1629 a famosa versão inglesa King James (versão do Rei Tiago) de 1611 ainda os trouxe porém após 1629 os evangélicos o omitiram de vez nas Bíblias. como houve também depois. como modelo para os Ptolomeus. 3 – Os livros Rejeitados Pelo Conselho de Trento 3ºESDRAS . não como livros inspirados. Os reformadores protestantes publicaram a Bíblia com os apócrifos. a do Dragão. Nessa época os protestante combatiam violentamente as novas doutrinas romanistas do Púlgatório. quando esteve cativo na Babilônia. inspiração e estrutura HISTÓRIA DE SUZANA . Os romanistas viam nos apócrifos base para tais doutrinas. para evitar FATECE – Curso de Educação à Distancia 75 . rei de Judá. foi inocentada pela sabedoria de Daniel. Capítulo 13.13. É o Capítulo 14 . Salvação mediante obras. com autorização do Papa Clemente VIII. Relata como a esposa piedosa de um judeu rico da Babilônia. Os debates sobre os apócrifos motivaram ataques dos dominicanos contra os franciscanos.Conhecendo as Escrituras.O livro de Neemias na Bíblia Católica é chamado de 2º Esdras. através da formação. BEL E O DRAGÃO . colocando-os entre o Antigo e o Novo Testamento. etc. então recente. O cardeal Pallavacini.

através da formação. o fizeram. 3) Contém falsas doutrinas. 18 e 12. por exemplo. A oração pelos defuntos. Os principais do Antigo Testamento chegam a 26 e nunca foram reconhecidos por igreja nenhuma.20) e o suicídio em 2º Macabeus 14. 1º Macabeus 6. que nem sempre sabe discernir entre um livro canônico e um apócrifo. contradições. embora recomendassem a sua leitura. tendo um total de 24 como os principais. 4) A mentira e a dissimulação são louvadas no livro de Judite (13.42–45. inspiração e estrutura confusão entre o povo simples. por exemplo.Conhecendo as Escrituras.42. G – Porque foi simples e unicamente a tradição dos homens que inspirou esses livros. nunca foram reconhecidos por ninguém como tendo canonicidade.16 e 9. 6 – Razões porque os Livros Apócrifos não são Canônicos A – Porque depois do profeta Malaquias. mas sim por assuntos.6).28. teríamos a seguinte ordem (as datas também são aproximadas): FATECE – Curso de Educação à Distancia 76 . Veja por exemplo. C – Porque nunca foram citados por Jesus Cristo ou pelos seus apóstolos como inspirados ou fonte de doutrinas. Em nenhum lugar alegam autoridade ou inspiração divina. F – Porque não trazem a marca de Deus. nem nunca. até hoje. é muitos bem ensinada em 2º Macabeus 12. coisa que é própria da Escritura. E – Porque existem em tais livros idéias e doutrinas divergentes dos livros canônicos. o livro de Tobias 5.19.16 2º Macabeus 1. 5 – Outros livros apócrifos Há ainda outros escritos espúrios relacionados tanto com o Antigo como com o Novo Testamento. D – Porque a Igreja Primitiva e os Pais da Igreja do primeiro século nunca reconheceram canonicidade neles. falsidades. 2) Estão repletos de contradições. São chamados Pseudoepigráficos.15. CRONOLOGIA DOS LIVROS DA BÍBLIA Os livros da Bíblia não estão em ordem cronológica. onde o anjo Rafael prega dolorosas mentiras. Os referentes ao Novo Testamento. São cheios de histórias ridículas e indignas de Cristo e seus apóstolos. Recomenda-se ainda a vingança sobre os inimigos (Eclesiástico 30. B – Porque os judeus não os admitiam no cânon do Antigo Testamento. contos e lendas. cessou o espírito profético em Israel e houve silêncio da parte de Deus por quase quatro séculos. 1) Contém várias discrepância históricas. Arrumando-os cronologicamente.7. erros. A mesma tradição os incluiu na Bíblia.

Deuteronômio 1400–1300 a. Miquéias 740 a.C. Cantares 1013 a. Ester 509 a. Naum 630 a. 1º Samuel 1050 a. Amós 780 a. Rute 1050 a. Eclesiastes 975 a.C. Salmos 1050-975 a.C.C.C. Esdras 457 a.C. Juizes 1126 a.C. Sofonias 639 a.C.C. 1º e 2º Reis 1015 a.C. Provérbios 1000 a.C. Neemias 434 a. através da formação.C.C. Malaquias 432 a.Conhecendo as Escrituras.C. Obadias 586 a. Jonas 790 a.C.C. Levítico 1400–1300 a.C.C.C.C. (?) Gênesis 1400–1300 a. 1º e 2º Crônicas 1004 a.C.C. Josué 1424 a. Isaías 745 a. 2º Samuel 1018 a.C.C.C.C. Joel 840 a. 2 – Novo Testamento FATECE – Curso de Educação à Distancia 77 .C.C. Oséias 760 a. inspiração e estrutura 1 – Antigo Testamento Jó 1521 a. Habacuque 606 a.C. Ageu 520 a.C.C. Êxodo 1400–1300 a.C. Jeremias 626 a.C.C. Daniel 606 a. Zacarias 520 a.C. Ezequiel 592 a.C. Números 1400–1300 a.

1) (Páscoa) A multiplicação dos pães (Jo 6. Mateus 60 a.D.D. Efésios 61 a. Nascimento e Jesus Batismo de Jesus (Páscoa) Jesus em Jerusalém (Jo 2.D.D. 2ª Coríntios 57 a.D.D. Apocalipse 96 a.D.D. João 85 a.C. (?) 29 (?) a. Romanos 58 a.D.D.D. Hebreus 63 a. 3ª João 90 a.4) (Tabernáculos) Jesus em Jerusalém (Jo 7.D. Filemom 62 a. Tiago 61 a. Atos dos Apóstolos 63 a. CRONOLOGIA DA VIDA DE CRISTO E ERA APOSTÓLICA 4 a. 1ª Pedro 64 a.D.D. Marcos 65 a.D.D.D.D. 31 a. Lucas 63 a.D. Gálatas 57 a.Conhecendo as Escrituras.35) Festa dos Tabernáculos.D. 1ª Timóteo 64 a. 2ª Timóteo 67 a.D. Filipenses 62 a.D.D.D. 2ª João 90 a. 2ª Tessalonicenses 52 a. 1ª Coríntios 56 a. 2ª Pedro 65 a.D.D. Colossenses 62 a. 32 a.D. inspiração e estrutura 1ª Tessalonicenses 51 a. Tito 65 a.2) 78 FATECE – Curso de Educação à Distancia .D. Jesus em Jerusalém (Jo 5. 30/31 a.D. 1ª João 90 a.D.13) Dezembro/Janeiro) Jesus em Samaria (Jo 4. através da formação. 30 a. Judas 70 a.D.D.

e certas peculiaridades do texto bíblico. Primeira visita de Paulo a Jerusalém 45 ou 46 a. Como mostramos no primeiro texto. Socorro para os famintos de Jerusalém 46 – 47 a. idioma oficial da nação judaica. Primeira viagem missionária 48 a.D. Além do hebraico como língua original. Destruição por Tito 81 – 96 a.22) (Páscoa) crucificação e ressurreição 34 ou 35 a.D.11. inspiração e estrutura (Dedicação) Jesus em Jerusalém (Jo 10.D. Terceira viagem missionária 59 a.D.18) e “língua judaica” ou “Judaico” (2º Rs 18.13).4 à 7. 1 – As línguas originais da Bíblia.26.18. Há sinais vocálicos. comerciantes. a. Paulo volta para Jerusalém 59 – 61 a. Concílio apostólico em Jerusalém (At 15) 48 – 51 a.D..D. Queda de Jerusalém. denominado “koiné”. seus manuscritos mais importantes. mas o dialeto popular do homem da rua. estudantes que todos podiam entender. O hebraico. não o grego clássico dos filósofos. mas não podemos chamá-los de letras. primeiras e principais versões e traduções. através da formação. Preso em Cesaréia 61 . Preso em Roma ? Martírio de Tiago.8 à 6. 7.D.28 e Jr 10. O seu alfabeto compõe-se de 22 letras. o Antigo Testamento tem alguns texto os quais foram escritos originalmente em aramaico.Conhecendo as Escrituras.D.D. o hebraico lê-se da direita para esquerda. filho de Zebedeu 70 a. Como maior parte das línguas do ramo semítico. FATECE – Curso de Educação à Distancia 79 . constando somente de consoantes. é chamado no Antigo Testamento “Língua de Canaã” (Is 19.28 Is 36. Segunda viagem missionária 50 a. Perseguição sob Domiciano 100 a. Conversão de Paulo 37 ou 38 a. Apelo a César e partida para Roma 62 – 64 a.D.. a Bíblia foi escrita originalmente no hebraico (o Antigo Testamento) e em grego (o Novo Testamento).D. Enquanto isto o Novo testamento foi escrito originalmente em grego.D. Paulo chegou a Corinto 53 – 59 a.12–26 Dn 2. exemplos: Ed 4. sim.D. Morte de João PRESERVAÇÃO E TRADUÇÃO DA BÍBLIA Esta lição aborda os seguintes pontos: línguas originais da Bíblia.D.D.

uma vez que certas palavras tinham as mesmas consoantes. Quer dizer. Além do texto massorético. isto porque os massoretas por meio desse sistema fixaram a pronúncia tradicional do hebraico. começando no cativeiro do reino de Israel em 722 a. mas.C. Os sons vocálicos eram suprimidos pelo leitor durante a leitura. teve o início a chamada “escrita quadrada”. A maior destas é a Daniel de vai de 2. Após o exílio. Esta forma primitiva do hebraico passou por modificações com o correr do tempo. Todo o Antigo Testamento foi escrito em hebraico. passaram a colocar na escrita sinais vocálicos. Há sinais vocálicos. o hebraico e o aramaico para o Antigo Testamento e o grego para o Novo. Após o século VI. B – O Aramaico. O aramaico é um idioma semítico falado há 2. exceto algumas passagens de Esdras.12–26 Dn 2. Os mais famosos eruditos massoretas foram os judeus Moses ben Asher.28 e Jr 10.C. Esses sinais são pontos colocados em cima.uma forma quadrada modificada. na Galiléia. acepções diferentes. em Arã ou Síria. o idioma oficial da nação judaica. Os trechos do antigo testamento escritos em aramaico são: Ed.8 à 6. É por causa disso que perdeu-se a pronúncia de muitas palavras bíblicas. o que dava origem a constantes enganos.28 do seu livro. Era um idioma falado também em grande parte da Arábia Pétrea. que foram escritas em aramaico. o hebraico lê-se da direita para a esquerda. levando em conta contexto e a tradição. porque contém sinais vocálicos. A influência do aramaico foi profundo sobre o hebraico. há outro texto hebraico das Escrituras: o do Pentateuco Samaritano. e seus filhos Arão e Naftali. inspiração e estrutura As línguas originais da Bíblia são.4 a 7.11. 7. através da formação. Como maior parte das línguas do ramo semítico. mas não podemos chamá-los de letras. que por fim foi pelos massoretas convertida na atual forma do alfabeto hebraico . os eruditos judaicos residentes em Tiberíades.4 à 7. A escrita quadrada dos tempos antigos só empregava consoantes sem qualquer sinal de vocalização. A – O Hebraico. 4.Conhecendo as Escrituras. Os autores desse sistema de vocalização chamava-se Massoretas palavra derivada de “massorah” que quer dizer tradição.18. que viveram e trabalharam em Tiberíades. que é a mesma região. que emprega os antigos caracteres hebraicos. em baixo e dentro das consoantes. constando somente de consoantes. Qualquer texto bíblico posterior do século VI é chamado “massorético”. O alfabeto compõe-se de 22 letras. na Assíria e continuando através do FATECE – Curso de Educação à Distancia 80 . a pronúncia exata dependia da habilidade do leitor. Jeremias e Daniel. sim. perpetuando assim a pronúncia tradicional.000 a.

inicialmente em Jerusalém. As conquistas árabes e a propagação do islamismo em largas áreas da Ásia. O hebraico de fato absorvido pelo aramaico. sinagogas. rolos sagrados.8). em Tiberíades. Manuscritos são rolos ou livros da antiga literatura. e depois da queda desta. comerciante. Havia escolas de rabinos. O texto da Bíblia foi preservado e transmitido mediante os seus FATECE – Curso de Educação à Distancia 81 . e toda terra conhecida recebeu influência da língua grega. OS MANUSCRITOS DA BÍBLIA A história da Bíblia. ou oficial. falava o aramaico como língua vernácula. O grego foi uma língua em que originalmente escrito o novo Testamento. começou a ressurgir para que se cumprisse as profecias referentes a Israel era necessário que essa língua revivesse e assumisse a posição que hoje desfruta na família das nações modernas. Tão grande foi a influência dessa língua sobre os judeus cativos que em 536 a. mas o dialeto popular do homem da rua. mas continuou sendo língua oficial do culto divino no templo. através da formação. era preciso explicar o seu significado (Ne 8.C. Nesse ano Alexandre subiu ao trono e. Havia escolas semelhantes noutros centros judaicos.C. inspiração e estrutura cativeiro do reino de Judá em 587 em Babilônia. denominado “koiné”. O aramaico ainda sobrevive numa remota a pequena vila da Síria. se depreende de Lc 4. Deus preparou deste modo um veículo para disseminar as novas do evangelho até os confins do mundo no tempo oportuno.5.000 habitantes. como chegou até nós. e. estudantes que todos podiam entender. Por sua vez. escritos à mão. Nos primórdios do Cristianismo o Evangelho em grego podia ser compreendido no mundo todo. O grego do Novo Testamento não é o grego clássico dos filósofos. devido ser mais próxima da nossa. das línguas bíblicas é a que mais se conhece. quando Israel começou a regressar do exílio. reduziu e por fim destruiu a influência do aramaico. A única dúvida paira sobre o livro de São Mateus. chamada Malloula. O grego é de expressão muito precisa. C – O Grego. no curto espaço de 13 anos alterou o curso da história do mundo. seus discípulos e pela Igreja primitiva em Jerusalém. e dos rabinos e eruditos. Que Jesus falava o hebraico também. Por esta razão no tempo de Esdras as Escrituras ao serem lidas em hebraico em público. Este dialeto formou-se a partir das conquistas de Alexandre. de fato foi a língua usada pelo Senhor. No tempo de Cristo o aramaico já era mui popular. em 336 a. A Grécia tornou-se império mundial. que muito eruditos afirmam Ter sido escrito em aramaico.Conhecendo as Escrituras. África e Europa. é encontrada em seus manuscritos. com a população de 4.16–20 (os rolos sagrados eram escritos em hebraico). o hebraico sendo língua morta.

Palimpsesto é um manuscrito reescrito. Inutilizava-se assim uma escrita para se usar o mesmo material.00 manuscritos da Bíblia. as folhas tem normalmente 65 centímetros de altura por 55 de largura. pelos católicos romanos. e o caso de João querer adorar o mensageiro celestial (Ap 22. Há em nossos dias cerca de 4. O rolo tanto podia ser de papiro como de pergaminho.20-26). Cursivo é o de letras minúsculas. (veja o episódio de Jr 36. Tal diferença na forma gráfica deu-se no século X. os manuscritos (MSS) podem ser códices ou rolos. Veja por exemplo a adoração da serpente de metal pelos israelitas (2º Rs 18. Sua extensão dependia da escrita a ser feita. Nos tratados sobre a Bíblia. pois. Este tipo de manuscrito começou a ser usado a partir do século II. o que os divide em unciais e cursivos. Uncial é o manuscrito de letra maiúsculas e sem separação entra as palavras. Códice é um manuscrito em forma de livro. os homens o adorassem mais do que ao divino autor. da cruz de Cristo e da virgem Maria. isto para evitar mutilação ou interpolação espúria. É claro. Era preso a dois cabos de madeira para facilitar o manuseio durante a leitura. através da formação. isto é. a escrita primitiva foi rapada e o novo texto foi escrito por cima. 1 – O formato dos manuscritos Quanto ao formato. A falta de manuscritos originais provém do seguinte: A – O costume dos judeus de enterrar todos os manuscritos estragados pelo uso ou qualquer outra coisa. FATECE – Curso de Educação à Distancia 82 . Isso ocorria devido ao alto preço do pergaminho. Os manuscritos originais também não tinham sinais de pontuação estes foram introduzidos para arte de escrever em época recente. preparados entre os séculos II e XV d.Conhecendo as Escrituras. e Mss ou MSS no plural.9). 2 – A caligrafia dos manuscritos Há dois tipos de caligrafia ou forma gráfica nos manuscritos bíblicos.4). 3 – Manuscritos originais da Bíblia Manuscritos originais saídos das mãos dos escritores bíblicos não há nenhum conhecido. Era enrolado em direita para esquerda. a palavra manuscrito é sempre indicada pela abreviatura MS. no singular. que a pontuação moderna não é inspirada. antigamente não era fácil conduzir pessoalmente os 66 livros da Bíblia como fazemos hoje.8. e pode até dar sentido diferente ao original.C. inspiração e estrutura manuscritos. tendo espaço entre as palavras. Portanto. feito de pergaminho. B – Os reis idólatras e ímpios de Israel podem ter destruído muitos manuscritos ou ter contribuído para isso. É provável que se houvesse algum.

segundo a organização do cânon hebraico do Antigo Testamento: Josué. em preparo pela Universidade Hebraica. C – CÓDICE PETROPOLITANO. B – CÓDICE D PENTATEUCO. D – Nos dias de Diocleciano. sádico. de Jerusalém. profanou o templo e destruiu todas as cópias que achou das sagradas Escrituras. Jeremias. Durante dez anos de Diocleciano mandou vasculhar o império para destruir todos os escritos Sagrados.C. Escrito por Arão. Foi escrito em Tiberíades 895 d. (Caraítas são judeus que rejeitam a doutrina ortodoxa dos rabinos e reclamam liberdade da interpretação da Bíblia).C.C.C. D – CÓDICE ALEPPO. Seus sinais vocálicos foram colocados Moses bem Asher. um dos filhos de Moses bem Asher. Decidiu exterminar a religião judaica. Está na biblioteca de Leningrado (a antiga Petrogrado. Contém também os últimos profetas: Isaías. OS MANUSCRITOS DA BÍBLIA 1 – Manuscritos do Antigo Testamento em Hebraico Até a descoberta dos escritos do Mar Morto em 1947. Contém todo o texto do Antigo Testamento. cerca do ano 930 d. Está na biblioteca de Leningrado (Rússia). Veio d Criméia. pelo que mandou cunhar uma moeda comemorando tal vitória. E – CÓDICE 19A.C. 1º e 2º Reis. Escrito cerca de 900 d. Será utilizado como base da nova Bíblia Hebraica. feroz imperador romano (284–305 d.. Juizes. Copiado por Shelomo bem Bayaa. donde deriva o nome Petropolitano). Os Doze. 1º e 2º Samuel. no FATECE – Curso de Educação à Distancia 83 . Ele chegou a julgar que tivesse destruído tudo. Assolou Jerusalém em 168.) dominou sobre a Palestina durante seu reinado.C. Está escrito em 916 d. por Moses bem Asher. Foi extremamente cruel. O original foi escrito por Moses bem Asher cerca do ano 1000 d. inspiração e estrutura C – O monstro Antíoco Epífanes rei da Síria (175–164 a. Contém os primeiros profetas. Foi copiado no ano 1008 d. Foi contrabandeado em anos recentes da Síria para Israel.C.) os perseguidores dos cristãos destruíram quantas cópias acharam das Escrituras. os antigos manuscritos do Antigo Testamento em hebraico eram: A – CÓDICE DOS PRIMEIROS E ÚLTIMOS PROFETAS. Está na sinagoga Caraíta do Cairo. Está no museu britânico sob o número 4445. Ezequiel. erudito judeu de renome.Conhecendo as Escrituras. trina prazer de aplicar torturas. Contém apenas os Últimos Profetas.C. através da formação.

MAR MORTO 1947. contatou-se ser ambos os Testamentos incompletos. Data de 425 d. Quando a Rússia o adquiriu. através da formação. Data de 345 d. Ao ser restaurado a primeira escrita. no Monte Sinai.C.Conhecendo as Escrituras. É um manuscrito Uncial. isto é. o comunismo ainda não imperava lá.C.000 anos mais velho que os mais antigos manuscritos até então existentes! Uma vez que o texto de tal rolo concorda com os das nossas Bíblias atuais. (datado).. foi encontrado um manuscrito de Isaías. Em 1621 foi levado a Constantinopla por Cirilo Lúcar. Pertence ao museu britânico. O Dr. FATECE – Curso de Educação à Distancia 84 . são cópias. Os originais saídos das mãos do escritores. O Governo inglês comprou-o dos russos em 1933 por 100.000 libras esterlinas.000 dólares. Um dos livros mais caros do mundo. e no seu primeiro catálogo publicado em 1995 aparece esse manuscrito. Em 1624 Cirilo presenteou-o ao rei Tiago I da Inglaterra.C. Nos rolos descobertos próximos ao Mar Morto em 1947. Data de 340 d.C. 2 – Manuscritos do Antigo e Novo Testamento em Grego É digno de nota que os manuscritos mais antigos da Bíblia estão em grego. O Czar da Rússia adquiriu em 1889. em hebraico do ano 100 a. D – O CÓDICE EFRÁEMI OU “C”. inspiração e estrutura Cairo. considerando que esse rolo de Isaías tem agora mais de 2. B – O CÓDICE SINÁITICO OU “ÁLEFE”. Pela ordem cronológica vamos citar os mais antigos deles. O Antigo Testamento é um cópia da Setuaginta. Foi descoberto pelo erudito cristão Tischendorf. Pertence ao museu Britânico. Contém os apócrifos. Em 1757 o rei Jorge II doou a biblioteca real e assim o famoso manuscrito chegou ao museu britânico. Pertence à biblioteca do Vaticano. Tischendorf publicou-o em 1845. Esta biblioteca foi fundada em 1488. em 1844 no Mosteiro de Santa Catarina. É bilingüe: grego e latim. o mesmo que autorizou a famosa versão inglesa de 1661. É um manuscrito Uncial. perderam-se.000 anos de existência. patriarca de Alexandria. A história de sua aquisição é impressionante. 1.C. Pertence ao museu de Louvre. Tais manuscritos não são originais. A – CÓDICE VATICANO OU “B”. Este é o mais antigo manuscrito completo do Antigo Testamento. Data de 325 d. por Samuel bem Jacob. Tem este nome por que foi escrito em Alexandria e também pertenceu a sua biblioteca. no valor de 510. Paris. C – O CÓDICE ALEXANDRINO OU “A”. É um palimpcesto. F – O ROLO DE ISAÍAS. temos assim uma prova singular da autenticidade das Escrituras.

Preparada por Felix Pratensis e publicada por Daniel Bomberg. 2) O segundo texto mais antigo impresso em hebraico do Antigo Testamento é o constante da Bíblia chamada “Complutensiana Poliglota” preparada pelo Cardeal Ximenes de Cisneros. abrangendo seis volumes. através da formação. 3) A primeira Bíblia Rabínica. Atos e parte das Epístolas. Contém as epístolas paulinas. Pertence à biblioteca de Cambridge. Foi impresso em 1514–1517. Testamento foi publicado em 1488 em Soncino. Foi a Segunda Bíblia Rabínica impressa. Tornou-se um texto padrão para estudo. Inglaterra. em Veneza. B – O Novo Testamento Impresso em grego: FATECE – Curso de Educação à Distancia 85 . na Espanha. Este texto segue o de Van der Hooght. publicando o da manuscrito 19A citado no texto anterior. 6) O texto de Van der Hooght publicado em 1705. inspiração e estrutura E – O CÓDICE BEZAE OU “D”. É uma combinação dos texto de Chayim e o Ximenes. próximo a Madri. 5) O texto de Amsterdã. Pertence ao museu de Louvre. 9) O texto de Rudolph Kittel. publicado entre 1661–1667. F – O CÓDICE CLAROMONTANUS OU “D2”. OS MANUSCRITOS DA BÍBLIA 1 – As Bíblias impressas mais antigas A – O Antigo Testamento: 1) O primeiro texto impresso em hebraico do A. Com sinais vocálicos. É uma revisão do texto de Van der Hooght. em 1516–1517. editado em 1776–1780. mas somente distribuído em 1522. Estes três últimos são também manuscritos unciais. em 1937. Este é um texto padrão adotado em nosso dias pelas Sociedades Bíblicas em todo o mundo. o Novo Testamento em grego. na Universidade de Alcalá. de 1705. 4) O texto preparado por Jacob bem Chayim e impresso por Daniel Bomberg em Veneza. A poliglota traz além do Antigo Testamento em hebraico. ambas em latim. de 1906. É uma revisão do texto de Amsterdã. Contém os Evangelhos.Conhecendo as Escrituras. Data do século VI. abandonou o texto da Chayim. 7) O texto de Kennicott. A terceira edição de Kittel. originado do texto de Chayim. 1524–1525. 8) O texto de Letteris. publicado em 1852. Data do século VI. Paris. Setuaginta e a Vulgata.

através da formação. esconderam ali uma biblioteca! Nas 267 cavernas examinadas foram encontrados fragmento de 332 obras ao todo.Conhecendo as Escrituras. publicado de 1624–1678. Outras cavernas foram vasculhadas e novos manuscritos foram encontrados. É baseado no texto de Erasmo e na Poliglota. inclusive. Estava o pastor junto à encosta rochosa do wádi Qúnram. Ao atirar uma pedra numa das cavernas ouviu um barulho de cacos se quebrando. holandeses. ao verem aproximar-se as tropas romanas. e encontrou um inestimável tesouro bíblico. 6) O texto de Westcott e Hort. saiu a procura de uma cabra desgarrada nas ravinas rochosas da costa noroeste do referido mar. Teve como base os textos de Stephanus e Beza. Este foi o primeiro texto impresso distribuído do Novo Testamento.” 7) E por fim. Data de 1881–1882. Scrivener. Entrou na caverna e encontrou uma preciosa coleção de manuscritos bíblicos: 12 rolos de pergaminhos e centenas de fragmentos de outros. Pesquisas revelam que os Escritos do Mar Morto foram escondidos pelos essênios “seita ascética judaica” que ali vivia durante a Segunda revolução dos judeus contra os romanos em 132–135 d. publicado em 1565 e 1664. publicado em 1546 em Paris. 4) O texto de Teodoro Beza. mil anos mais antigo que os exemplares de livros até agora conhecidos. 3 – Os manuscritos do Mar Morto Num dia de verão de 1947. 5) O texto dos irmãos Elzevirs. Teve o texto de Stephanus como base. cartas do FATECE – Curso de Educação à Distancia 86 . Este é usado no preparado das versões modernas.C. o pastor beduino árabe Muhammad ad Did. isto é. ainda que tenha sido impressa em 1514–1517. 3) O texto de Robert Stephanus. A Poliglota do Cardeal Ximenes só veio a público em 1522. dois eminentes eruditos ingleses.. inspiração e estrutura 1) O primeiro texto impresso em grego do Novo Testamento é o da “Complutensiana Poliglota” de que já falamos quando nos ocupamos do texto impresso em hebraico. Os responsáveis por um grande mosteiro agora descoberto.C. os mais recentes textos impressos do Novo Testamento em grego é os de Herman von Soden. Encontraram. e Eberhard Nestle. da tribo dos Taa’miré que se acampa entre Belém e o mar Morto. É conhecido como o “Textus Receptus” devido uma expressão do prefácio. 2) O texto de Erasmo (teólogo holandês). Um dos rolos era um dos manuscritos de Isaías do ano 100 a. Os rolos estão escritos em papiro e em pergaminho e envolvidos em pano de linho. publicado e distribuído em 1516. Suplantou o “Textus Receptus.

se for medida a radioatividade da substancia orgânica morta.600 anos o C-14 perde metade de sua radioatividade primitiva. Rio de Janeiro. B – Pelo modo que estão escritas as palavras no texto. Isto também indica época. Eurico. através da formação. Isto é. Basta queimar uma pequena parte da substância a ser testada e medir a radioatividade do C-14. ao ser testado provou ser do ano 33 d. H. ao morrer. 4 – Cálculo da data de um manuscrito A – Pela forma das letras. C – Pelas letras iniciais de títulos. Introdução à Teologia Sistemática. exceto Ester. Se ligadas ou separadas. Tratase do seguinte: todo ser vivo absorve C-14. Um exemplo: O livro que envolvia os manuscritos da caverna 1 de Qúnram. CPAD. Se adornadas ou singelas. a planta deixara de existir naquele ano. por meio de fotografia e certas reações. Este é um método científico revolucionário. Este método tem uma precisão assombrosa. BIBLIOGRAFIA LIVROS Bancroft. Bergstén. 1989. Isto também indica o tempo. E. porque a natureza tem leis fixas estabelecidas pelo Criador. Assim sendo. tanto no grego como no hebraico. parágrafos etc. Este tipo de raio também ajuda a determinar a idade de objetos antigos..C. em perfeito estado. Cada forma representa uma época. 440 p. D – Pelo carbono-14. E – Pelo Raio-X. ver-se-á quando a mesma deixou de absorver C-14. estando sua assinatura bem nítida. Nos manuscritos encontrados há trechos de todo os livros do Antigo Testamento..P. Cada 5. Teologia Sistemática. 1999. inspiração e estrutura líder dessa revolta: Bar Kochba. São Paulo – S. 1ª Ed.Conhecendo as Escrituras. FATECE – Curso de Educação à Distancia 87 . Imprensa Batista Regular.. 6º Ed. 378 p.

. Vida Nova. São Paulo – S. Gutzke. 1 São Paulo – S. 2ª Ed. Ferreira. Editora Vida Nova 1962. e Cleave. São Paulo – S. J.P. 9ª ed. através da formação. Manford. Dougla. 399 p. 1985. vols. 253 p. Willam.. George. Editora Gráfica Universal Ltda. Pequena Enciclopédia Bíblica 8ª ed. 7ª Ed.. Esboço de Teologia Sistemática.. Walter Thomas. S. Editora Vida. Boyer. 1999.J. 1988.. Dicionário Bíblico Universal 3ª ed. Cabal. E. São Paulo – S. 1983. 1680 p. 540 p. Teologia Protestante ao Alcance de Todos.. Nathaniel M. Editora Vida. 2ª Ed. Rio de Janeiro – R.P. São Paulo – S. Teologia dos Reformadores. L. Rio de Janeiro – R.P..P. Cultura Cristã. Livraria Cristã Unida. A. 1991. 496 p. David S. Introdução Bíblia. Mcnair. Van. Erickson. Conheça Sua Bíblia.. São Paulo. 1981. Millard J. Teologia Sistemática. 808 p.. Langston. Compêndio de Teologia Sistemática. Rio de Janeiro – R. Rio de Janeiro. Teologia Sistemática. Timothy. Orlando S. CPAD..P. São Paulo. IBAD. Stanley M. D.. Ferreira. Geisler. Junta de Educação Religiosa e Publicação – JUERP. Guy. Introdução Bíblica. 1995 311 p. São Paulo – S. 12ª Ed. vol. inspiração e estrutura Berkhof. 1980. 1 e 2 Duffield. Editora Publicadora Quadragular. 391 p. 1990. 5ª Ed. FATECE – Curso de Educação à Distancia 88 . Buckland. Rio de Janeiro – R.J. 791 p. 1999. São Paulo – S.. Junta de Educação Religiosa e Publicação – JUERP..J. Campinas. Manual de Doutrina. Clark.Conhecendo as Escrituras. A. 1993. Luz para o Caminho.P. 4ª Ed.. 2ª Ed. São Paulo. 2ª Ed. 163 p. São Paulo. B.. Conner. 1979. 302 p. William. ed.. Fundamentos da Teologia Pentecostal. CPAD. 1990 263 p. 269 p. Hordern. 305 p.B. Revelação e Deus. J. Norman e Nix.. 806 p. Rio de Janeiro. Editora Luz Para o Caminho. 4ª ed. 453 p. Horton.P. 1985.. Júlio Andrade. Esboço de Teologia Bíblica. 316 p.. Novo Dicionário da Bíblia... 507 p. Introdução à Teologia Sistemática. 1997. Vida Nova.J. Junta de Educação Religiosa e Publicação – JUERP. Vida Nova. Wilson C. 1979. São Paulo. A Bíblia Explicada.

Conhecendo as Escrituras. Halley Um comentário Abreviado da Bíblia.P. 768 p. São Paulo. São Paulo – S. Thiessen.P. 375 p. Palestras em Teologia Sistemática. 9ª Ed. H. John Rw. Henry Clarence.P. Stott.1970. VERSÕES BÍBLICAS Almeida Revista e Corrigida Almeida Revista e Atualizada Almeida Versão Revisada Versão Contemporânea A Bíblia de Jerusalém A Bíblia na Linguagem de Hoje FATECE – Curso de Educação à Distancia 89 . Conhecendo as Doutrinas da Bíblia. Aliança Bíblica Universitária – ABU. São Paulo – S. Imprensa Batista Regular. COMENTÁRIOS Manual Bíblico H. através da formação. 1985 260 p. Editora Vida. 1987. inspiração e estrutura Pealman. 1993 102 P. Vida Nova. A Bíblia o Livro para Hoje. São Paulo – S.. Myer.