You are on page 1of 5

Análise Dimensional

Prof. Ubirajara Neves

Fórmulas dimensionais

As fórmulas dimensionais são formas usadas para expressar as diferentes grandezas físicas em função das grandezas fundamentais.

Para a Mecânica, são consideradas grandezas fundamentais:

o comprimento ( )

a massa (

o tempo (

)

)

Assim, na Mecânica, qualquer grandeza derivada

pode ser expressa em função dessas três grandezas, através da

forma

onde

é a fórmula dimensional da grandeza

, indicada por

, e

,

e

são as dimensões de

em relação a

,

e , respectivamente.

Para determinar a fórmula dimensional de uma grandeza derivada, pode-se seguir as seguintes etapas:

1)

Encontra-se uma equação que permita calcular a grandeza de interesse. Qualquer equação serve, desde que

2)

correta, é claro. Colocam-se colchetes em todos os termos da equação, indicando que se deve trabalhar com as respectivas

3)

fórmulas dimensionais. Manipula-se algebricamente a expressão obtida, até que a mesma fique irredutível.

Vejamos alguns exemplos.

Área (

)

Podemos usar a equação para o cálculo da área de um retângulo:

onde

colchetes em todos os termos:

é a área,

é a medida do comprimento de um lado, e

é a medida do comprimento do outro lado. Colocando

Portanto, a fórmula dimensional de área é comprimento.

Volume (

)

, que significa que a área é uma grandeza que tem duas dimensões de

Usemos a equação para determinar o volume de um paralelepípedo retângulo de base retangular, cujas arestas

têm comprimentos

,

e

.

Logo, o volume é uma grandeza que apresenta três dimensões de comprimento.

Densidade (

)

Pela definição de densidade (volumétrica):

Velocidade (

)

Usemos a equação da velocidade média:

o que nos leva a concluir que velocidade é uma grandeza que possui uma dimensão de comprimento, uma dimensão negativa de tempo, e que não tem dimensão de massa.

Note que a existência de uma dimensão negativa apenas significa que a grandeza em questão é inversamente proporcional àquela grandeza fundamental.

Aceleração (

)

Usando a equação da aceleração média:

Momento linear (

)

A partir da equação do momento linear, também conhecido como quantidade de movimento, obtemos:

Note que a grandeza momento linear tem uma dimensão de massa, uma dimensão de comprimento e uma dimensão negativa de tempo.

Força (

)

Podemos partir da equação da 2 ª lei de Newton:

Trabalho (

)

Pela definição de trabalho:

Pressão (

)

Sendo a pressão a razão entre força e área, temos:

Torque (

)

Para uma força

aplicada a uma distância

do ponto de apoio de um corpo extenso:

Energia cinética (

)

Partamos da equação para o cálculo da energia cinética de um corpo com massa

velocidade

:

que se desloca a uma

Note que neste caso apareceu a expressão

, ou seja, a fórmula dimensional de um número. Ora, números são

adimensionais, isto é, apresentam dimensões zero. Então,

Podemos generalizar e afirmar que a fórmula dimensional de um número, desde que não seja uma constante de proporcionalidade, é sempre 1. Então,

Observe como as grandezas trabalho, torque e energia cinética são dimensionalmente homogêneas, ou seja, têm a mesma fórmula dimensional. São, portanto, grandezas que apresentam as mesmas dimensões e devem se relacionar de alguma forma, como será estudado posteriormente.

Energia potencial gravitacional (

)

Sendo uma forma de energia, espera-se que tenha a mesma fórmula dimensional da energia cinética. Vejamos:

Não esqueça que

Constante elástica (

é a aceleração da gravidade.

)

A partir da equação para determinar a força elástica, obtemos:

onde

é a deformação do corpo uma mola, por exemplo.

Energia potencial elástica (

)

Pela definição da energia potencial elástica:

Potência (

)

Sendo a potência a razão entre a energia e o tempo,

Homogeneidade dimensional

Para que uma equação seja válida, é necessário que apresente uma homogeneidade dimensional. Em outras palavras, o primeiro e o segundo membros devem apresentar as mesmas fórmulas dimensionais. Observe que uma equação com essa característica pode estar certa. Por outro lado, uma equação não homogênea dimensionalmente certamente estará errada.

Tomemos como exemplo a seguinte situação: um estudante, ao resolver um problema de mecânica, chegou à

equação

onde

é força,

é massa,

é a aceleração da gravidade,

é velocidade e

Analisemos essa equação quanto a suas dimensões:

e Analisemos essa equação quanto a suas dimensões: Substituindo as fórmulas dimensionais, obtemos: é a

Substituindo as fórmulas dimensionais, obtemos:

é a distância em relação a um referencial.

quanto a suas dimensões: Substituindo as fórmulas dimensionais, obtemos: é a distância em relação a um
Portanto, a equação obtida pelo estudante é dimensionalmente homogênea, o que a torna uma equação
Portanto, a equação obtida pelo estudante é dimensionalmente homogênea, o que a torna uma equação

Portanto, a equação obtida pelo estudante é dimensionalmente homogênea, o que a torna uma equação possível. Não podemos garantir que esteja correta, mas certamente errada não está.

Determinação de equações

Podemos usar a análise dimensional para determinar equações desconhecidas. Vejamos dois exemplos interessantes.

Um pêndulo de comprimento

, sujeito a um campo gravitacional

, oscila num plano com período

.

Determinemos a equação que nos permite calcular o período de oscilação desse pêndulo, sabendo que isso depende do

comprimento e da aceleração da gravidade local. Seja Então, a equação procurada terá a forma

uma constante numérica qualquer (não de proporcionalidade).

Façamos, então, a análise dimensional da equação acima.

Note que o resultado acima só será verdadeiro se:

;

;

.

Com as duas últimas equações, podemos montar um sistema e resolvê-lo:

.

Resolvendo a segunda equação em relação a

, temos

Voltando para a equação inicial, podemos fazer:

Substituindo na primeira equação,

inicial, podemos fazer: Substituindo na primeira equação, Importante! A determinação da constante numérica outros
inicial, podemos fazer: Substituindo na primeira equação, Importante! A determinação da constante numérica outros

Importante! A determinação da constante numérica outros métodos para encontrá-la.

não pode ser feita por análise dimensional, mas existem

Vejamos outro exemplo. Sabendo que a velocidade

de queda de um corpo, desprezando-se a resistência do ar,

depende da aceleração da gravidade cálculo dessa velocidade.

, da altura

e, possivelmente da massa

, vamos determinar a equação para o

Então:

Assim,

Resolvendo a segunda equação em relação a obtemos: Então,
Resolvendo a segunda equação em relação a
obtemos:
Então,

Substituindo na primeira equação, chegamos a:

Note como a análise dimensional deixou claro que a velocidade de um corpo em queda livre não depende de sua

massa.