You are on page 1of 6

Correntes pedagógicas contemporâneas

do ensino da música I

EDWIN GORDON
a) Conceitos chave da pedagogia
O desígnio primeiro da pedagogia de Edwin Gordon, é
ensinar aos alunos como compreender a música que estão a
ouvir, que já ouviram e que irão ouvir. Deste modo, o
pensamento musical estará em vantagem sobre o pensamento
acerca da música. “Toda a aprendizagem, e a música não é
excepção, começa pelo ouvido e não pelo olho”1. Assim, para
Edwin Gordon, é fundamental começar por ouvir música, de
preferência de características diferentes, tendo como
preocupação que ela seja executada por músicos de qualidade.
Para o pedagogo americano, a música a ouvir não tem que ser
de nenhum género específico.
A teoria de aprendizagem musical de Edwin Gordon tem
implícita a distinção entre aptidão musical e aquisição de
conhecimentos musicais.
Segundo ele, a aprendizagem musical deve ser
adaptada aos diferentes níveis de aptidão musical de cada
aluno. Deste modo, sentiu a necessidade de desenvolver:
Testes de aptidão musical – destinados a avaliar o
potencial musical do aluno para aprendizagens futuras. Os
testes de aptidão musical têm como objectivo principal
diagnosticar para melhorar a instrução, adaptando-a às
necessidades individuais. “Todos podem fazer música, embora
nem todos atinjam igual nível”.2

1
Edwin Gordon. Learning Sequences in Music: Skill, Content and Patterns. Chicago: GIA Publications,
1993
2
Helena Rodrigues. Thank You, Doctor Gordon, in APEM Boletim n.º 88. Lisboa, 1996, pp. 8 - 14
1
Testes de realização musical – destinados a avaliar a
aquisição de conhecimentos do aluno com um
determinado nível de aptidão musical.

Gordon critica o ensino tradicional que se dirige á


mediania dos alunos, o que, em sua opinião, faz com que
os mais fracos fiquem frustrados e os mais aptos
desmotivados.
“A forma como normalmente a música é ensinada é
retrógrada; ensina-se como se foi ensinado, com muitos erros
metodológicos”.3

“Audiation”
Audiation é “a capacidade para ouvir e compreender
musicalmente quando o som não está, nem nunca esteve,
fisicamente presente.”4
O processo de audiation é análogo ao da linguagem:
quando se escuta alguém a falar, entende-se a mensagem a
partir do que se ouve e também a partir da capacidade de
prever o que o outro vai dizer. Do mesmo modo, consegue-se
ouvir música e ao mesmo tempo audiate música, pelo que, para
o autor “a audiation está para a música, assim como o
pensamento está para a linguagem.”5
Para Edwin Gordon a verdadeira apreciação musical
exige compreensão, no sentido de que aprender música é ser
guiado de forma a dar significado àquilo que se ouve. Perante o
mesmo excerto musical pode exercer-se a capacidade de
audiation em termos de compreensão tímbrica, harmónica,
melódica ou rítmica.
3
Citado por RODRIGUES, H. (1996) “Entrevista a Edwin Gordon”. Associação Portuguesa de
Educação Musical. Boletim 90, pp. 7-11
4
Edwin Gordon. Learning Sequences in Music: Skill, Content and Patterns. Chicago: GIA Publications,
1993
5
Edwin Gordon Apud Helena Rodrigues. Thank You, Doctor Gordon, in APEM Boletim n.º 88, Lisboa,
1996, pp. 8 - 14
2
Embora sem comunicação, a música não é uma
linguagem, uma vez que não é imediata a associação entre som
e símbolo. No entanto, o seu processo de aprendizagem deve
ser idêntico ao processo de aprendizagem de uma linguagem.
Neste contexto, ele dá especial relevância à imitação,
pois considera-a a base do desenvolvimento da aprendizagem
musical e compara este processo de aprendizagem ao da
aprendizagem de uma linguagem.
Uma criança deve compreender antes de repetir, não
reduzindo, desta forma, a imitação a um processo exclusivo de
desenvolvimento da memória.
Assim, o aluno deve ser capaz:
1.º ouvir fisicamente;
2.º ouvir interiormente;
3.º reproduzir os motivos que vai ouvindo.
Este processo vai-se tornando mais complexo à medida
que a aprendizagem vai avançando, o mesmo acontecendo com
a consciência musical daquilo que se ouve.
“Imitar é aprender através dos ouvidos dos outros.
Audiation é aprender através dos nossos próprios ouvidos.”6

b) Teoria da aprendizagem musical


“Toda a aprendizagem, e a música não é excepção,
começa pelo ouvido e não pelo olho.”7
O objectivo da teoria da aprendizagem musical de
Gordon é ensinar aos alunos como compreender, através da
audiation, a música que estão a ouvir, que já ouviram e que irão
ouvir. Deste modo, o pensamento musical estará em vantagem
sobre o pensamento acerca da música.

6
GORDON, E. (1993) “Learning Sequences in Music: Skill, Content and Patterns”, GIA Publications,
Inc, Chicago
7
GORDON, E. (1993) “Learning Sequences in Music: Skill, Content and Patterns”, GIA Publications,
Inc, Chicago
3
Para Gordon, a teoria da aprendizagem musical é
evolutiva. Combina conhecimentos sobre aprendizagem musical
sequencial, sobre aptidão musical e sobre audiation. Para que
isto aconteça, os professores devem se envolver no processo de
ensino e ensinar aos alunos aquilo que eles próprios necessitam
de aprender. Devem-se considerar “professores estudantes”.
As actividades de aprendizagem sequencial constituem,
pois, uma espécie de vocabulário musical que ajudam o aluno a
encontrar a sintaxe daquilo que ouve.

Sequências da aprendizagem musical


Na teoria da aprendizagem musical de Gordon há duas
sequências de aprendizagem musical:
1- Aprendizagem sequencial de conteúdos melódicos
(tonal content learning sequence), que inclui a
aprendizagem sequencial de padrões melódicos;
2- Aprendizagem sequencial de conteúdos rítmicos
(rhythm content learning sequence), que inclui a
aprendizagem sequencial de padrões rítmicos.
Estas duas sequências devem ser usadas em conjunto.
Segundo Gordon, a aprendizagem musical pode ser
dividida em: aprendizagem detalhada e aprendizagem
conceptual. Na primeira, o aluno está consciente do que está a
aprender, mas embora não o entenda totalmente, está a ser
ensinado, isto é está a ser “guiado” pelo professor. Na segunda,
o aluno não tem consciência do que está a aprender porque está
a aprender por ele próprio, ou seja, está a vivenciar a sua
própria experiência. Através da utilização da aprendizagem
sequencial, o professor ensina aos alunos na aprendizagem
detalhada como e o que aprender, enquanto que na
aprendizagem conceptual ensina como aprender.

4
Gordon reforça a ideia de que é importante que a
criança encontre a sua voz cantada, diferenciando-a da voz
falada. A utilização de canções sem letra é fundamental para
que haja também uma distinção clara entre voz falada e voz
cantada, pois só assim se consegue que a criança se concentre
no som e exercite a sua capacidade de audiation. Só
posteriormente faz sentido usar canções com letra. “Do mesmo
modo que pensar é ‘falar silenciosamente’, a audiation é ‘cantar
silenciosamente’ ”.8

KEITH SWANWICK
Keith Swanwick tem uma abordagem expressionista dos
objectivos principais da sua pedagogia. A música é abordada na
sua vertente emocional.
Para Swanwick a música é uma forma de cada um
manifestar os seus sentimentos. A sua preocupação centraliza-
se no desenvolvimento de uma educação estética que privilegie
o relacionamento humano e contribua para um crescimento
harmonioso de todos.
A improvisação está inserida num conjunto de cinco
postulados que se relacionam e completam entre si: C –
composition (composição), (L) – literature studies (literatura
sobre música ou literatura musical), A – audition (audição), (S) –
skill aquisition (aquisição de competências) e P – performance
(desempenho).
A composição, audição e desempenho (C, A e P)
pertencem à categoria de actividades de avaliação estética,
enquanto que a literatura musical e a aquisição de
competências são actividades cimentadoras das anteriores.
Para Swanwick todo e qualquer conceito a ensinar deve
passar pela realização de actividades de composição, audição e
8
Edwin Gordon Apud Helena Rodrigues. Thank You, Doctor Gordon, in APEM Boletim n.º 88. Lisboa,
1996, pp. 8 - 14
5
desempenho (performance), apoiadas pela informação literária
sobre o conceito e aptidões relacionadas com o conceito.
A improvisação deve, pois, estar sempre presente no
ensino da música, podendo e devendo ser utilizada como forma
de proporcionar aos alunos experiências ricas e criativas que
lhes desenvolvam o sentido estético e lhes permitam encarar o
mundo e a sociedade onde vivem de outra maneira.