0

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLA DE SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CARLOS EDUARDO BATISTA DOS SANTOS

PERCEPÇÃO DOS OFICIAIS SOBRE A ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVOS DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA

JOÃO PESSOA – PB 2010

1

CARLOS EDUARDO BATISTA DOS SANTOS

PERCEPÇÃO DOS OFICIAIS SOBRE A ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVOS DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA

Monografia apresentada ao Curso de MBA em Gestão Estratégica de Pessoas na Administração Pública da ESPEP em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba, em cumprimento às exigências para obtenção do título de Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas na Administração Pública.

Área de Pessoas

Concentração:

Gestão

de

Orientador (a) Profª Dra. Kátia Virgínia Ayres

JOÃO PESSOA - PB 2010

2

PERCEPÇÃO DOS OFICIAIS SOBRE A ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVOS DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA

Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas no Curso de MBA em Gestão de Pessoas na Administração Pública da ESPEP em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba, pela seguinte banca examinadora:

_____________________________________________ Profa. Dra. Kátia Virgínia Ayres (Orientadora) Universidade Federal da Paraíba Presidente

____________________________________________ Profa. Dra. Jacqueline Echeverria Barrancos Universidade Estadual da Paraíba 1o Examinador

_____________________________________________ Prof. Ms. Telma Sueli de Oliveira Porto Faculdade Paraibana (FAP) 2o Examinador

JOÃO PESSOA - PB 2010

. contribuíram para que eu pudesse manifestar. direta ou indiretamente. elaborado e livre. o fruto de um pensamento sincero.3 Dedico o presente trabalho a todos aqueles que. visando tão somente ao verdadeiro desejo de contribuir com o aperfeiçoamento da cultura organizacional da Polícia Militar da Paraíba. com esta pesquisa científica.

A minha esposa Rosa Carmen e meus filhos Juliana e Carlos Eduardo. com muito sacrifício. abrindo mão de seus momentos de descanso e lazer para ajudar na confecção deste trabalho. que me servem de base e inspiração para a busca de meus objetivos. com seu amor eterno. À Professora Ms. com compreensão e carinho. Aos Oficiais da PMPB que. dando-me força e ânimo para trilhar e concluir mais uma etapa de minha vida. colaboraram para o enriquecimento na feitura deste trabalho. educaram-me e orientaram-me nos ensinamentos terrenos. assim como aos que não colaboraram. . Iolanda Barbosa da Silva. Ao amigo e irmão Cap Daniel Limeira dos Santos pelo apoio. A Professora Dra. Kátia Virginia Ayres. muitas vezes. Aos companheiros (as) do MBA. de alguma forma. por haver me amparado. pela amizade e respeito que nos uniram. que orientou esta monografia. pois valorizaram mais a batalha da busca por melhorias para a instituição. responsável pelos ensinos metodológicos desta pesquisa. durante o período do curso e que permaneceram na memória ao longo das nossas vidas. profissionalismo e dedicação.4 AGRADECIMENTOS A Deus. que me deram a dádiva da vida e. ajudando-me com amor nos momentos difíceis. Aos meus pais.

De tanto ver crescer as injustiças. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus.5 De tanto ver triunfar as nulidades. o homem chega a desanimar-se da virtude. a rir-se da honra. (Rui Barbosa) . a ter vergonha de ser honesto.

se for o caso. e buscar subsídios nas políticas de incentivo profissional praticadas em outras polícias estaduais para propor sugestões de sua aplicação na PMPB. . Dos 592 Oficiais do quadro combatente da Polícia Militar. o que corresponde a uma amostra de 16%. Percepção dos Oficiais sobre a atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba. incentivos profissionais. criticar a atual legislação que trata da política de incentivos empregada pela Polícia Militar da Paraíba e propor os ajustes necessários.o que pôde ser justificado pelas discrepâncias entre o que os policiais militares desejam e o que lhes é oferecido pela Instituição. Esta pesquisa foi do tipo qualiquantitativa. motivação e satisfação e influência de sua profissão em sua vida privada. foram entrevistados apenas os que trabalham na atividade fim da Corporação. ao relacionamento interpessoal. papel e imagem. à remuneração. Monografia (MBA em Gestão Estratégica de Pessoas na Administração Pública) – ESPEP/Universidade Estadual da Paraíba. Palavras-chave: Polícia Militar da Paraíba. As respostas a essas perguntas permitiram verificar o nível de satisfação desses policiais militares com relação à política de incentivo presente em seu ambiente de trabalho e quais suas expectativas individuais em relação a esse aspecto de sua profissão. vida profissional. João Pessoa. 2010. Foi operacionalizado pelos seguintes objetivos específicos: descrever a atual política de incentivos aplicada aos policiais militares da Paraíba. 160 p. Os resultados revelaram um índice de insatisfação acima da média ideal . ambiente de trabalho. Política de incentivos. de caráter exploratório-descritivo. ao reconhecimento e ascensão profissional. Satisfação profissional. estrutura organizacional. Motivação. 2010.6 SANTOS. lotados nos três Batalhões situados na Região Metropolitana de João Pessoa. Os dados foram tabulados com o auxílio do programa de planilhas Microsoft Excel. Foi aplicado um questionário contendo 60 perguntas distribuídas em 8 categorias: perfil do policial militar. Verificou-se que os fatores mais valorizados pelos sujeitos da pesquisa estão relacionados ao desenvolvimento profissional. RESUMO O objetivo geral desta pesquisa foi analisar a percepção dos oficiais da polícia militar da Paraíba acerca da atual política de incentivos praticada por essa instituição. totalizando 94 oficiais. verificar a importância de se ter uma tropa motivada para a consecução dos serviços destinados à sociedade. Carlos Eduardo Batista dos.

It was a qualitative and quantitative research. to verify the importance of having a motivated troop in the performance of the service aimed to society. The answers to these questions permitted verify the level of satisfaction of these military policemen in regard to the incentive policy in their working environment and their individual expectations in relation to this aspect of their profession. and search for support in professional incentive policies applied in others State Militaries Police in order to propone suggestions of their application in the MPP. only the ones who work in the main activity was interviewed. João Pessoa. Monograph (MBA in Strategic Management in Public Administration) – ESPEP/State University of Paraíba.7 SANTOS. Officers' Perception about the current policy of encouraging military police of Paraíba. to interpersonal relationship. role and image. and propone the necessary adjustments. Data was tabulated with the help of Microsoft Excel 2007 spread sheet. Key-words: Military Police of Paraíba. and the influence of profession in his private life. ABSTRACT The general aim of this research was to analyze Paraiba‟s Law enforcement officers perceptions regard to the current incentives policy applied by this institution. that corresponds to a sample of 16%. 2010. It was applied a questionnaire with 60 questions distributed throughout 8 categories: police officer profile. it could be justified by the discrepancies between what policemen desire and what they are given by the institution. It was performed through the following specific objectives: to describe the current incentives policy applied to military policemen of Paraíba. Motivation. motivation and satisfaction. working environment. From the 592 Law enforcement officers. to acknowledgement and to professional rank ascension. 2010. Incentives policy. 160 f. professional life. to criticize the current legislation which deals with incentives policy applied by the Military Police of Paraíba (MPP). Professional satisfaction. to income. with an exploratory-descriptive aim. if it is the case. . Carlos Eduardo Batista dos. professional incentive. organizational framework. The results revealed a non-satisfaction level higher than the ideal average. totalizing 94 officers. It was verified that the most evaluated factors by the research‟s subjects are related to professional development.

.............................................. Gráfico 16 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB.......................................................8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 – Ranking dos Estados Brasileiros mais violentos .............. Figura 3 – Pirâmide das necessidades de Maslow e suas implicações......................................................................................................................................................... Gráfico 17 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB........................................................................................................................................................................................................ Gráfico 14 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB.............................................................................................................................. Gráfico 2 – Apresenta o gênero sexual a que pertence o entrevistado............... Gráfico 18 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB...................................... Gráfico 15 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB.......................... Gráfico 4 – Apresenta o nível de escolarização dos entrevistados...................................... Gráfico 3 – Apresenta a quanto tempo os entrevistados prestam serviço na PMPB.............. Gráfico 19 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB.......................... Gráfico 6 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com a PMPB................. Figura 2 – Componentes da Remuneração do Servidor Público........................................ Gráfico 9 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com o sucesso em sua carreira e em sua vida profissional............................................ Gráfico 12 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB.............................................................. Gráfico 10 – Demonstra se os entrevistados gostariam de ver seus filhos trabalhando na PMPB................................................................................................................................................................................... Gráfico 8 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com a PMPB....................................................................................... Gráfico 7 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com sua atividades profissionais na PMPB............................................................... Gráfico 5 – Demonstra se o nível cultural e intelectual dos entrevistados é condizente com suas atividades profissionais............................................................................................................................................ Gráfico 11 – Demonstra se os cursos e treinamentos promovidos pela PMPB proporcionam aos entrevistados condições de bem desempenhar suas atividades........................................................................ 46 47 57 61 71 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 ................................................................ Figura 1 – Mapa de Homicídios no Brasil ........ Gráfico 1 – Apresenta o círculo a que pertence o entrevistado....... Figura 4 – Modelo básico de motivação................. Gráfico 13 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB........

...................................... Gráfico 31 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho .. Gráfico 33 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ................................... Gráfico 22 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB............................................. Gráfico 23 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB..... Gráfico 35 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ............................................... Gráfico 24 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB.................. Gráfico 47 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB................................... Gráfico 42 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB............................................................................................................................... Gráfico 28 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho .................................................................................................. 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 135 .......................................................................................... Gráfico 41 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB.......... Gráfico 27 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB................................................................................. Gráfico 37 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ..................... Gráfico 34 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ........ Gráfico 43 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB....... Gráfico 48 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB................................................... Gráfico 30 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ...................................... Gráfico 49 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB................. Gráfico 44 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB..................................................... Gráfico 32 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ........................................................................................................................................... Gráfico 25 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB..............................................................9 Gráfico 20 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB............................................................. Gráfico 26 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB..................................... Gráfico 46 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB....... Gráfico 36 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho .................................................................................................... Gráfico 39 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ............... Gráfico 38 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ............................................. Gráfico 29 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ......................................................................... Gráfico 45 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB... Gráfico 40 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho ................................................................................................................................................................................................................. Gráfico 21 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB.....................................................................................

........................................ Gráfico 56 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados..................................................... Gráfico 58 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados................................ Gráfico 53 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.......................................................................................... Gráfico 51 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados..................................... Gráfico 52 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados............ 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 ......................... Gráfico 60 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.............................................................................................................................................................. Gráfico 59 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados..............................................................................................10 Gráfico 50 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.................................. Gráfico 57 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados............................................................................ Gráfico 54 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados............................................................................................................................. Gráfico 55 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados............................................................................

...... 91 Tabela 8 – Demonstra a preocupação dos entrevistados com a PMPB....................................................................................... ...............................................................................11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 – Apresenta o círculo a que pertence o entrevistado....... Tabela 17 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 100 organizacional da PMPB...................................................................... Tabela 11 – Demonstra se os cursos e treinamentos promovidos pela PMPB proporcionam aos entrevistados condições de bem desempenhar suas 94 atividades............................................. Tabela 23 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos 106 profissionais da PMPB Tabela 24 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos 107 profissionais da PMPB....... Tabela 6 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com a PMPB..................... Tabela 4 – Apresenta o nível de escolarização dos entrevistados.................. Tabela 15 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 98 organizacional da PMPB...................................................................... 89 Tabela 7 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com sua atividades 90 profissionais na PMPB.................................................................................................................... Tabela 3 – Apresenta a quanto tempo os entrevistados prestam Serviço na PMPB.............................................. Tabela 19 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 102 organizacional da PMPB............ Tabela 13 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 96 organizacional da PMPB............................................................ Tabela 18 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 101 organizacional da PMPB...................................................................................... Tabela 21 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos 104 profissionais da PMPB..................................................................................................................................................................... 85 86 87 Tabela 5 – Demonstra se o nível cultural e intelectual dos entrevistados 88 é condizente com suas atividades profissionais...................................... Tabela 13 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 97 organizacional da PMPB......................... Tabela 12 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 95 organizacional da PMPB............................... Tabela 16 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 99 organizacional da PMPB............................................................................................................................................................................................................................................................. Tabela 10 – Demonstra se os entrevistados gostariam de ver seus filhos 93 trabalhando na PMPB................................................................................................. Tabela 22 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos 105 profissionais da PMPB.............. Tabela 20 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura 103 organizacional da PMPB.......... Tabela 9 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com o 92 sucesso em sua carreira e em sua vida profissional............................... 84 Tabela 2 – Apresenta o gênero sexual a que pertence o entrevistado....................................................................................................................................................................................................................................................................

......................................... Tabela 48 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB.........................................................................................................................................................................................................................................12 Tabela 25 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB... Tabela 54 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.................................. Tabela 49 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB............................................................... 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 132 133 134 135 136 137 138 139 ................................................................................................................................................. Tabela 44 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB........................... Tabela 55 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados........................................................... Tabela 47 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB......... Tabela 51 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.............................................................. Tabela 52 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados......................................................................................... Tabela 27 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 28 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 29 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 30 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 31 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 32 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 33 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 34 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 35 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 36 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 37 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 38 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 39 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 40 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Tabela 41 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB........................................................................................................................................................... Tabela 26 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB.................................................................................................................................................................................................. Tabela 53 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados........................................................................................................ Tabela 45 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB..................................................... Tabela 46 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB................ Tabela 50 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados........ Tabela 42 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB...................................................................................................... Tabela 43 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB.......

..............13 Tabela 56 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.............................. Tabela 57 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados............................................ Tabela 60 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados................................... Tabela 58 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados.......................................... Tabela 59 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados................................... 140 141 142 143 144 .......................................................................................................................................................................................

14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT BOPE BPAmb BPM BPTran COA CPR I CPR II CPRM DOE EB EUA PM/3 PMPB QOC RDE RDPM RPMont Associação Brasileira de Norma Técnicas Batalhão de Operações Especiais Batalhão de Polícia Ambiental Batalhão de Polícia Militar Batalhão de Polícia de Trânsito Urbano e Rodoviário Comando de Operações Aéreas Comando de Policiamento Regional I Comando de Policiamento Regional II Comando de Policiamento da Região Metropolitana Diário Oficial do Estado Exército Brasileiro Estados Unidos da América 3ª Seção do Estado Maior Geral Polícia Militar da Paraíba Quadro de Oficiais Combatentes Regulamento Disciplinar do Exército Regulamento Disciplinar da Polícia Militar Regimento de Polícia Montada .

67 2.............................8........8......................................................8 Teoria do reforço de Skinner..........................................8...........................7 SATISFAÇÃO PROFISSIONAL..............................................................................7 Teoria da expectância de Vroom...........................8................................... 18 2 REFERENCIAL TEÓRICO.... 62 2.........4 POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA........1 Origem Histórica.................1 SEGURANÇA PÚBLICA: necessidade.............3 Hierarquia dos dois fatores de Herzberg....... 63 2..... 66 2.............. 36 2.................... 69 ....4.............. 50 2...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...............................................5 O QUE É INCENTIVO E PARA QUE ELE SERVE?............................4................................2 Teoria ERC de Alderfer. 59 2.. 25 2........ 33 2........................8.........5 Teoria da eqüidade de Stacy Adams............................................................6 ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVO PROFISSIONAL DA PMPB....8..8.6 Teoria da definição de objetivos de Locke.............8 TEORIAS SOBRE MOTIVAÇÃO...................................................................... 44 2......................3 A Demanda Operacional da PMPB ... organização e gestão....................................................................................................................2 A Polícia Militar da Paraíba na Constituição........................................................................................ 25 2................................. 64 2.....3 HISTÓRICO CONSTITUCIONAL DAS POL.................................... 65 2............... MILITARES BRASILEIRAS........................................................... 43 2......... 60 2.....................................8...... 43 2... 58 2......................................... 53 2..1 Hierarquia das necessidades de Maslow..........4...............4 Teoria das necessidades adquiridas de McClelland.2 POLÍCIAS MILITARES: Origem e evolução.......... 48 2..

..................................................................................................................................... 124 4........... 147 ................................................................... 104 4... 76 3......................3 AMBIENTE E SUJEITO DE PESQUISA....8 influência de sua profissão em sua vida privada....................78 3...................2 Amostra...................... 79 3...........2......................... 4...........4 INSTRUMENTOS....................7 Motivação e satisfação............ 3................................. 4.......1 Perfil do policial militar................................2.............................79 80 3.............2............................. 80 82 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS...........................2...5 PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS.................................. 134 4.......2 FONTES.2 Resultados Obtidos a partir da Aplicação do Questionário............................................1.....78 3............ 77 3...............2........ 110 4..............................70 2.....9 MOTIVAÇÃO NO TRABALHO..............1.2...........................................................................................................................6 Papel e imagem.......................................................9............................ 76 3..................3......................5 Ambiente de trabalho.................................................................................................................................. 126 4.........................................................1.........................................................3 Estrutural organizacional.......................................16 2........................1 ANÁLISE DOS DADOS......... 73 3 REFERENCIAL METODOLÓGICO E PROCEDIMENTOS....................1 Universo...1....1.............1................6 PROCEDIMENTO DE ANÁLISE DE DADOS....1...........................................................2 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS.....................1 Condições restritivas ao ato motivacional.................... 82 4...................1 TIPO DE PESQUISA............... 89 95 4..........................................3............ 83 4.............................2........................................... 83 4...........................1...............1.................................1............ 145 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES..4 Incentivos profissionais.....................2 Vida profissional.............1 Pesquisa de campo.............................2........... 84 4........................................................................

........................................................................................................... APÊNDICE A – Termo de consentimento livre esclarecido................17 5....................................................................................................................................2 RECOMENDAÇÕES.............. 152 157 158 160 .................... 147 5....................................................................................................1 CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................. 150 REFERÊNCIAS........... APÊNDICE B – Questionário de pesquisa........ APÊNDICES..........

incentivo. Isso é possível encorajando a colaboração espontânea e estimulando seus componentes. A causa é maior. ocupando uma função capaz de explorar e estimular suas potencialidades. ideal e confiança do que pela meta ou imposição. momento em que força as empresas a fazerem melhorias notáveis não apenas com vistas a aumentar sua competitividade. metas e objetivos claros contribuem significativamente para o desenvolvimento do indivíduo e otimização dos resultados. Funcionário motivado e produtivo é aquele que está no lugar certo. oportunidades de crescimento. É muito mais fácil a motivação pela crença. alcançar os objetivos da Organização. Nos dias atuais os desafios enfrentados pelas empresas. bem como lhe fornecer reconhecimento – através de um salário compatível.18 1 INTRODUÇÃO Atualmente. Incentivar pessoas é a capacidade de fazê-las agir por causas muito mais do que por projetos. e tenta satisfazer. elogio. pois numa economia globalizada existem mais riscos e oportunidades. ou acredita que possui. pois contribuir para a motivação do outro é uma questão de liderança e isso se traduz em reconhecimento. mas pelos motivos que o próprio indivíduo possui. com isso. É necessário que haja uma razão para haver motivação. visando-se. pois todo comportamento humano tem uma causa e∕ou um motivo que levam o indivíduo a agir na busca da satisfação de suas necessidades individuais. A busca incessante dos gestores na atualidade é de criar condições sob as quais as pessoas trabalhem de bom grado. o tema percepção dos Oficiais sobre a atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba tem adquirido importância. filosofia. mas simplesmente sobreviver. satisfeitas e de forma voluntária. O comportamento individual é a resultante da sua própria motivação. sejam elas públicas ou privadas. feedback de cada ação em que se avalia que o outro fez um mínimo de esforço para superar expectativas. . é uma missão em que todos se envolvem e pela qual todos se comprometem. benefícios e um reconhecimento genuíno por parte da organização que ressalte o seu valor. Ninguém é motivado pelo que os outros julgam que deveria ser. Portanto. agora são diferentes.

como e quais são as ações para atingi-lo. pois a expectativa que a sociedade tem de sua polícia é a satisfação da necessidade de segurança. criando nele uma consciência crítica e reflexiva de sua atuação como profissional de segurança do cidadão. na aceitação do controle social por parte da sociedade e na prestação de contas da sua atuação. com via de constituição de nacionalidades. Para isso. no respeito à legalidade. é preciso que todos. sem exceção. Além da importância mundial que vem sendo atribuída a este assunto. tendo bem claro o foco numa política de incentivos para estes profissionais. Para isso. em termos nacionais. visão e experiência de vida. Portanto. a exemplo de países como Japão e China. Hoje no Brasil vive-se uma democracia e o estado democrático de direito exige que as instituições policiais tenham as suas ações baseadas na imparcialidade. A motivação humana é um tema que instiga e fascina vários gestores e que freqüentemente tem estado presentes nas discussões sobre a gestão de empresas brasileiras nos últimos tempos. conhecimento. através de seu trabalho. ele deve ser bem preparado e se encontrar motivado para desempenhar com presteza suas funções. pois é com elas que se trabalha e para elas. através de uma política efetiva de incentivos aos militares estaduais paraibanos.19 Além disso. É inegável o papel do policial militar na sociedade paraibana. cabendo então à instituição Polícia Militar a adoção de uma política de incentivo de seus profissionais. os futuros gestores devem estar atentos ao cultivo de um clima organizacional propício para o desenvolvimento de boas relações que promovam comunicação. faz-se necessário que as polícias sejam reformuladas para cumprir essas exigências democráticas e seus profissionais exerçam um papel imprescindível e insubstituível no processo de mudança social. Sem as pessoas de nada adiantaria. é fazer com que cada um à sua volta se sinta partícipe dos resultados da organização. Somente as pessoas podem agregar valor. E isso só se consegue através de uma gestão participativa e democrática. Para tanto. saibam do objetivo. Incentivar é dar crédito. e de consolidação de ideários político-econômicos. além de elogiar. no . este profissional precisa ter uma boa formação não só de conteúdos. qualidade e produtividade. sintam uma direção firme e sólida e a segurança do acompanhamento em cada ação.

Sendo assim. política de ensino voltada para a capacitação dos policiais militares. recompensas e motivação para . atentar para a efetiva aplicabilidade desta nova política. uma polícia eficaz na prestação dos serviços. esta pesquisa é relevante porque através dos seus resultados foi possível. Do ponto de vista institucional. mas também boas condições de trabalho. esta pesquisa buscou diagnosticar e analisar a atual política de incentivos patrocinada pela Polícia Militar da Paraíba. quando da execução dos serviços e atividades policiais. tais como: viaturas novas e com manutenção regular. pois a população tem uma expectativa quanto à resolução do problema da Segurança Pública. Deste modo. é isso que o público espera. Portanto. à presença e à ação da força policial. Pois. munição suficiente para o serviço diário. atuando tanto na formação. é importante analisar e refletir incansavelmente a busca de soluções efetivas referentes à situação da atual política de incentivos. com o conseqüente questionamento de sua capacidade profissional. dessa crise que assola o estado brasileiro. apenas. verificando a sua importância para o desenvolvimento do processo gestão da corporação. fardamento e equipamento novos. e cobra a ação adequada da polícia. o qual certamente desaguará nos questionamentos quanto a sua política de gestão. aumenta a responsabilidade dos gestores da instituição envolvidos na administração dos caminhos da corporação. a devida sensação de segurança. armamento novo e com calibre compatível aos embates atuais. pois o insucesso de uma ação policial na sua prática cotidiana pode ter sérias implicações legais e atingir a imagem da organização policial. oferecendo-o de maneira eqüitativa e justa para a comunidade e a um custo mínimo para a sociedade. Nota-se que a Polícia tem se mantido muito distante desse conflito. atender os anseios da Corporação e da sociedade. na capacitação. etc. Assim. os resultados são relevantes do ponto de vista social porque contribuirão para que o cidadão sinta. visto que a tropa terá uma efetiva política de incentivos para os atuais e futuros operadores da Segurança Pública do Estado. Daí decorre a importância de uma organização policial estar pronta para promover aos seus integrantes não só bons salários. em meio a inúmeras reflexões.20 entanto a segurança do cidadão não pode ser associada. enquanto solução para o quadro caótico do sistema de segurança pública paraibano.. visando com isso. como na busca por uma boa qualidade de vida e desenvolvimento profissional dos policiais.

fica evidenciada a importância de tratarem-se os fatores determinantes da satisfação da vida profissional do policial militar. Entendo que a sobrecarrega de serviços e a grande cobrança por parte da sociedade que clama por mais segurança fazem com . bem como todos os aspectos que envolvem essa problemática. por conseguinte. deve empenhar-se na compreensão e melhoria da capacidade de seus integrantes. ganha hoje uma importância diante da complexidade da crise da segurança pública no Brasil e. no Estado da Paraíba. da coordenação e da avaliação de suas atividades. pois a Polícia Militar não busca o convívio mais aproximado dos seus componentes. aperfeiçoar os fatores de uma cultura organizacional de construção da identidade profissional da corporação. a necessidade do planejamento. em relação à política de incentivos. Basicamente neste ponto inicia-se o problema. A partir deste ponto. pois a complexa questão de empregar pessoas no serviço operacional. com isso. Na Concepção Weberiana de estruturas hierarquizadas de poder. onde atividades diárias poderão determinar a qualidade desse serviço. A Corporação não tem se dedicado à pesquisa dos fatores que influenciam a vida profissional dos policiais militares. provocando. Entende-se que esta falta de integração pode ocasionar a formação de grupos informais dentro da instituição que. mais especificamente. uma vez que a Corporação será identificada através da postura destes. o afastamento destes. A pesquisa vem ajudar os gestores da Polícia Militar da Paraíba (PMPB) a ampliar suas análises. enquadra-se muito bem a estrutura das Corporações Militares. assim como da pesquisa. podem arruinar os esforços da Corporação na busca de seus objetivos finais. E. recompensas e motivação profissional dos policiais militares paraibanos. por caracterizar-se como uma prestadora de serviço. surgidos em tempos passados para tão somente servirem de vitrine para alguns comandantes. reconhecendo com isso. reflexões e. O estudo ora proposto se impõe como prioridade.21 os profissionais já empregados no policiamento existente. suas ações. Necessário se faz esclarecer que a Polícia Militar é uma organização cujo produto final é a prestação de serviços à sociedade. nas quais predomina a impessoalidade das ações. ao invés de promoverem sua unificação. e pô-los em prática. postura determinada por fatores positivos e negativos de influência. principalmente. A Polícia Militar.

e) Efetividade: “eficácia com eficiência”. dentro do ambiente de trabalho” provocado por . Em todas as empresas ou órgãos prestadores de serviços. p. através dos seus objetivos e metas de performance. É importante levantar quais fatores influenciam a insatisfação e desmotivação do policial militar. nos prazos estabelecidos” (SANCHES. este que é o alicerce no qual se apóia toda a estrutura organizacional para a consecução de seus objetivos básicos.22 que a instituição esqueça por vezes de seu público. p. 1995. f) Motivação: “É o estado de ânimo expresso em atitudes e comportamentos de um indivíduo ou grupo. Faz-se necessário definir alguns conceitos que se entende como fundamentais para o desenvolvimento do assunto: a) Segurança Pública: “É o conjunto de processos políticos e jurídicos destinados a garantir a ordem pública na convivência de homens em sociedade” (MOREIRA NETO apud LAZZARINI. que em geral se dá nos seguintes aspectos: a origem do policial militar e sua respectiva situação atual. isto é. 6). 7). b) Polícia Militar: “Atua como polícia preventiva. d) Eficácia: “grau com que uma organização ou programa é capaz de produzir os resultados previamente definidos. “grau de satisfação das necessidades e desejos do cliente pelos produtos e/ou serviços da organização” (PRAZERES. ou ainda. p. isto se torna ainda mais importante. 94). independentemente do produto ou de qualquer sua questionamento relevância quanto desejabilidade social” (TURBAN. Neste sentido. 94). a Corporação não difere das demais. Pode-se afirmar que existem fatores diferenciados com relação a este problema na Corporação. 1997. 79). pondo em prática medidas asseguradoras da ordem pública. p. uma vez que o produto final é obtido com qualidade quando se tem colaboradores motivados no desempenho de suas atividades laborais. se a relação „input/output‟ que está propiciando é adequada quanto à ou não. p. mediante ações dissuasivas pela presença do policial fardado” (MOREIRA NETO apud LAZZARINI. 1995. MEREDIT apud SANCHES. 1997. 1997. c) Eficiência: “grau de adequação com que os recursos estão sendo utilizados por uma organização. momento em que ambas podem ser abordadas nos campos sócio-econômico e profissional. O problema ora abordado exerce papel preponderante nas organizações.

Rico e Salas (1992).23 “recompensas extrínsecas. verificar a importância de se ter uma tropa motivada para a consecução dos serviços destinados à sociedade. 662). Lima (2000). Alecian e Foucher (2007). avaliar a atual legislação que trata da política de incentivos empregada pela Polícia Militar da Paraíba e propor os ajustes necessários e buscar as melhores políticas de incentivo profissional das polícias co-irmãs subsídios para efetivar sugestões para a PMPB. a metodologia . prêmios. a saber: a revisão da literatura relativa ao tema investigado. esta pesquisa pretendeu investigar o seguinte problema: qual a percepção dos oficiais em relação a política de incentivos destinada aos policiais militares paraibanos? Além desta introdução. benefícios e outros” (TOLEDO. Chiavenato (2001. 54). Kotter (1997). p. 2004. devidamente guardadas as diferenças regionais. g) Satisfação: “Ato ou efeito de satisfazer(-se). 54). O objetivo geral desta pesquisa foi analisar a percepção dos militares estaduais paraibanos acerca da atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba. que são muito significativas no que tange à conclusão de uma forma correta de implantação de uma política de incentivo para PMPB. Brodeur (2002). Prazer. Cruz (1994). Partindo dessas constatações. tal como: aumentos salariais. 1986. 2008). este trabalho foi dividido em quatro partes adicionais. operacionalizado pelos seguintes objetivos específicos: descrever a atual política de incentivos aplicada aos policiais militares paraibanos. É conveniente mencionar como fonte de estudo e fundamentação teórica bibliografias de diversos estudiososs renomados que possuem obras relacionadas ao tema em estudo. promoções. tais como: o Estatuto da Polícia Militar da Paraíba e legislações equivalentes utilizadas pelas forças armadas e demais Polícias brasileiras. Barros e Prates (1996).. tais como: Althusser (1983). 1986. p. 54). alegria” (FERREIRA. p. patrocinadas por terceiros. p. 2001. Também foram analisadas legislações militares. Também entendida como motivação extrínseca (Ibid. o que consistiu na consulta aos manuais e aos documentos que doutrinam a política de incentivos nas Polícias co-irmãs. Sandes (2001). Santos (1997) e Trosa (2001). Tipo de motivação intrínseca (TOLEDO. ou seja. recompensas exteriores. Albuquerque (1996).

fazendo um paralelo do tema abordado com a prática institucional da PMPB. Para a elaboração deste capítulo utilizamos como fontes principais: Samara e Barros (2002). abordando os métodos e procedimentos utilizados. Goldstein. estudos sobre o incentivo profissional e considerações sobre satisfação e motivação. o quinto capítulo apresenta as conclusões relativas à política de incentivos. assim como. sob a ótica dos seguintes autores: Albrecht (1997). a apresentação e discussão dos resultados obtidos. Appolinario (2004). Lazzarini (1995). Chiavenato (2004. procura-se descrever a forma de realização do estudo. Silva (2003) e Souza (1986). Sandes (2001). O primeiro capítulo inicia tratando do contexto do problema e fazendo sua apresentação. pressupostos e organização do estudo. Cerqueira (1988). Brodeur. Costa (2002). por fim. da Polícia Militar da Paraíba e os valores e deveres do Policial Militar. Rico e Salas. por fio condutor. Silva. Já o quarto capítulo resume os achados da revisão da literatura. informa os resultados da pesquisa de campo e discute-os tendo. apresenta recomendações para estudos adicionais. Cervo e Bervian (2005) e Lakatos e Marconi (2005). (1992). Lima (1997). Apresenta. fazendo uma síntese histórica sobre a origem e a evolução constitucional das Polícias Militares brasileiras. No terceiro capítulo. (2002). as questões a serem respondidas pela investigação realizada visando atingir o objetivo almejado. Sandes (2001). Introduz.24 empregada na elaboração da monografia. As principais fontes utilizadas foram: Brasil (1988). Meireles (1994). Filho (2002). 2008). aborda as limitações. destinada aos policiais militares paraibanos e propõe os aperfeiçoamentos cabíveis na atual forma de procedimento. O segundo capítulo traz considerações sobre segurança pública. (2002). o objetivo do estudo e as questões a serem respondidas por ele. Vergara (2007) e Vitiello (2002). (2001). . ainda. como também. para ao final expor as conclusões da pesquisa desenvolvida e sugerir recomendações se necessário. em seguida. Alecian e Foucher (2007). e. A partir dos resultados obtidos e devidamente tratados. Define termos importantes para a investigação. Bergamini (2008). a relevância. Lima (2000).

123) “O poder de Polícia é a faculdade de que dispõe a Administração Pública para condicionar e restringir o uso e gozo de bens. No entanto. salvo nos limites de gozo e reivindicação de seus próprios direitos e defesa de seus legítimos interesses. p. É um conjunto de propósitos do poder político do Estado. Assim.25 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2. 756). trabalhar. . p. em benefício da coletividade ou do próprio Estado”. retrata Meireles (1994. Tratando-se de sentimento coletivo. a análise concreta do trabalho policial mostra claramente a grande diferença entre o discurso teórico e a realidade. direcionadas às suas instituições. Portanto. orientando-as quanto ao caminho a seguir. produzir e usufruir o lazer. atividades e direitos individuais. A segurança pública consiste numa situação de preservação ou restabelecimento dessa convivência social que permite que todos gozem de seus direitos e exerçam suas atividades sem perturbação de outrem. 96). assegurando a proteção coletiva e. conforme mostra Rico e Salas (1992. traduzido em diretrizes e ações. p. segurança pública é uma atividade desenvolvida pelo Estado. Nessa mesma linha de pensamento mostra Silva (2001. onde os cidadãos possam: conviver. organização e gestão As instituições responsáveis por essa atividade atuam no sentido de inibir. por extensão. dos bens e serviços públicos. neutralizar ou reprimir a prática de atos anti-sociais.1 SEGURANÇA PÚBLICA: necessidade. Entre tais funções costumam ser destacadas aquelas orientadas à prevenção e repressão do delito. pode-se inferir que política de segurança pública é um instrumento de mudança utilizado pela administração para alcançar a paz social e a segurança de seus cidadãos. que se destina a manter um clima de paz social. ações concatenadas de segmentos diversos (públicos e privados) podem induzir sensações positivas ou afetar sua intensidade. Conseqüentemente. segurança pública é susceptível de influências de fatores controláveis. A partir das definições acima.

somente. sem coordenação. Polícia é uma atividade substantiva e una. Estadual e Municipal) conduzir as ações de segurança pública e que estas não se exaurem na atuação do aparelho policial. p. policiais civis. Rodoviária. Há. são. Por mais eficiente que uma instituição possa ser. tal como . Militar. 76): “A polícia deve estar a serviço da comunidade. etc. a subordinação sistêmica das instituições de segurança pública a um só comando é imprescindível. 11). Não está claro. que as duas polícias tenham uma única coordenação ou comando e atuem harmonicamente. polícia rodoviária federal. A utilização da palavra sistema pressupõe que exista organização definida. a eficácia de suas ações estará comprometida se não ajustadas ou integradas às ações das demais. Aí entra a participação da Secretaria de Segurança e Defesa Social. “a polícia é apenas parte de todo um conjunto de órgãos que de forma sistêmica atuam no ciclo da persecução criminal”. p. polícia ferroviária federal. de tal sorte que o princípio que rege é o de que o problema da segurança pública é de competência e peculiaridades regionais e o fortalecimento do princípio federativo como. Judiciária. Portanto. a Constituição Federal. Ostensiva. também. Os adjetivos que a qualificam têm o condão de identificar instituições que se responsabilizam pela execução parcial de uma determinada seqüência de ações. Silva (2001. Preventiva. o que vem a ser sistema de segurança pública. É importante que se saiba que esta alternativa pressupõe. é de tradição do sistema brasileiro.26 Para Lazzarini (1995. Federal. aliás. Assim. Vejamos ainda o que dizem Rico e Salas (1992. Não são sinônimos. deixa claro que cabe ao Poder Executivo (Federal. é impraticável concatenar ações e estímulos positivos capazes de oferecer segurança à população. Daí. polícias militares e corpos de bombeiros militares. evidentemente. ao dispor que além de dever do Estado é responsabilidade de todos. Civil. Assim. segurança pública é gênero da qual a polícia é espécie. p. contudo. 757) aponta nesse sentido que: A segurança pública é exercida pelos seguintes órgãos: polícia federal. como órgão técnico. notamos que. uma repartição de competências nessa matéria entre a União e os Estados. e não meramente político. parte de um todo cujo nome comum é polícia. como tende na atualidade. sendo a sua razão de existir garantir ao cidadão o exercício livre e pacífico dos direitos que a lei lhe reconhece”. porém.

englobando a atividade policial na prevenção e repressão à criminalidade. A estas se somam as políticas públicas que influenciam a redução de riscos no ambiente social. 76). A falta disto impede a existência. encontramos milhares de processos criminais pendentes de julgamento. Por fim. e. mas freqüentemente se misturam e até conflitam. mas é tida como primordial para a existência de uma sociedade fortalecida”. por exemplo. para o enfrentamento dos problemas gerados pelo processo de globalização. no máximo. nas suas estruturas básicas em seu funcionamento. quando afirma que por parte do Estado “A preocupação com a segurança individual e social não é uma realidade atual. milhares de mandados de prisão aguardam cumprimento. exige das instituições sociais a obrigação de se ajustarem ao regime do Estado democrático de direito estatuído naquele documento legal. O processo de democratização da sociedade brasileira. com todas as deficiências do aparelho policial. 43). Vemos segurança pública como o dever do Estado de proteger a sociedade dos riscos diretos a que o cidadão está exposto. de um esforço para que se consiga a realização deste sistema. existe. é oportuno citar Costa (2002. perpassando as atividades do Ministério Público e da Justiça. Hoje. “A polícia deve ser. p. Para a segurança pública. até alcançar o sistema penal. Segurança pública não se restringe à atividade policial. consoantes aos princípios e fundamentos inscritos na nossa Constituição. todas essas atividades do Estado devem se encontrar num mesmo patamar de desenvolvimento. como se consagrou nesse país. com essa morosidade do sistema judiciário brasileiro. . Há necessidade. Assim mostra Rico e Salas (1992. fortalecem a cidadania e conduzem à paz social.27 acontece no sistema judiciário. entrando também a responsabilidade do Estado. um serviço democrático”. A importância da perfeita compreensão dessa dimensão da segurança pública pode ser mensurada. equacionam situações conflitivas. sobretudo. em que os papéis dos diversos órgãos e organizações civis não estão definidos. retomado formalmente com a atual Constituição Federal. pois se fosse dado cumprimento a todos os mandados. passando pelos quasecrimes. Isto põe a necessidade da construção de políticas criminais. em que as competências e responsabilidades estão constituídas com clareza. p. uma rede nacional. de padrões nacionais para a formulação de indicadores. haveria ainda menos espaço nos presídios. Assim. pois. Por sua interdependência.

a reorganização da estrutura do Executivo. Ambos os grupos têm uma tendência a dramatizar o papel desempenhado por essa instituição em relação à repressão do delito e à captura dos delinqüentes. minorias. “A polícia deve ser um serviço profissional”. necessariamente. de acordo com a sua competência legislativa nos vários níveis de organização. No entanto. cabe ao Estado. como é. p. A adoção do conceito de defesa social (defesa do Estado e das instituições democráticas) envolve. cumpre destacar as manifestações de Rico e Salas (1992. quer de Estado – deve ser objetivo constitucional de política interna. equidade social e sustentabilidade). A paz social é mencionada na Constituição apenas quanto a emergências provocadas por desastres. quer privada. p. já. ao mesmo tempo. Dentro do contexto de defesa. pois é sabido que a impunidade é o tempo que medeia à ação criminosa e a sanção punitiva. a construção da paz – situação que permita a solução de conflitos e pendências sem violência. vinculada estritamente à repressão. condição indispensável para a manutenção da paz social. dado que este resulta de um pacto nacional. da política externa.a convalidação das garantias constitucionais com as necessidades públicas . E a posição do cidadão com os diferentes poderes dos grupos . Move-se a sociedade em gerações. dentro das diretrizes governamentais para a modernização da gestão (eficiência produtiva. 115) ainda relaciona que: O trabalho policial é muito mais complexo do que dele possa pensar o público ou até mesmo a própria polícia. do Estado e do cidadão . é especificada a segurança pública "para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio" por meio do aparelho policial (BRASIL. a garantia dos direitos individuais e coletivos previstos na Constituição.. 2004. 88). p. Dessa forma. ressentindo-se o capítulo da segurança pública de uma postura reativa. O equilíbrio entre os interesses da sociedade.é sempre muito difícil. discriminando a Constituição a competência do Judiciário e do Ministério Público. particularmente em sociedades complexas. grupos de pressão e exercícios diversos de poderes dos quais o Estado é o maior de todos. Neste sentido. esses motivos são os maiores aliados dos que contestam o sistema legal através do delito. 27). (Ibid. maiorias.28 Sendo esta uma das causas do processo de sensação de insegurança da população. deixando ao Executivo a formulação e/ou execução dos mecanismos restantes.

que a identificação dos interesses . ou seja. Essa tarefa envolve. Como bem argumenta Lima (1997. . necessariamente. 32). o Legislativo e o Judiciário – o que se pode chamar de “negociação”. dentro desta. de “inteligência policial”. e. 78). identificação. Chama-se a esta atividade. que significa o cumprimento ao ordenamento legal. em que ora o interesse individual deve ser protegido a qualquer custo. A esta atividade chamaremos de proteção. também. não podemos deixar de citar a tarefa de manutenção da ordem pública. vinculada diretamente à manutenção da paz social. atenção permanente ao entorno social. forçando o ajuste das finalidades dos órgãos à predominância de um ou outro dos mecanismos operacionais sobre os demais. Assim. há necessidade de atendermos que os organismos de segurança pública devem garantir os direitos individuais de todos os cidadãos. através de mecanismos específicos (controle de veículos. então. que ofereça serviços de maneira eqüitativa e justa para a comunidade. p. assim destaca Brodeur (2002. p. Isso significa dizer que o setor de Defesa Social tem que administrar contradições. a complexidade da sociedade moderna. hoje. acabou por exigir especializações. para atingirmos a paz social por todos almejada. Mas. Por outro lado.29 sociais e com o poder do Estado. etc). Temos. Significa dizer. a proteção e a repressão. muitas vezes. Embora esses mecanismos devam permear toda a estrutura.e dos grupos representativos desses interesses . à repressão aos atos ilícitos da sociedade. e ambos terão que ceder às razões de Estado em casos extremos. ora o interesse social prevalece. são eles: a inteligência. O público espera que a polícia seja eficaz nos serviços que ela fornece. E. exige ela o diálogo permanente com a sociedade e com os demais Poderes de Estado – demais níveis do Executivo. é de franco confronto. articulação. quatro mecanismos operacionais fundamentais do setor de Defesa Social.é tarefa permanente do setor. acompanhamento da natureza. a manutenção da ordem pública envolve a prevenção e a resolução de conflitos no âmbito da segurança pública. a negociação. e que faça todo esforço para conseguir que estes serviços eficazes e justos sejam fornecidos a um custo mínimo para a sociedade. finalmente. com sua cultura de massa.

A função policial é essencial no Estado democrático de Direito e tem como missão a preservação dos direitos que foram assegurados pela Constituição Federal a todos os brasileiros e estrangeiros residentes no país. que devem estar voltados para o interesse público e o bem comum. p. aliada a uma cultura institucional voltada para o destaque da coragem pessoal e. quanto do profissional que detém a responsabilidade pela atuação daquele.30 Os conflitos surgidos a partir das disputas pela utilização deste espaço devem ser administrados. A tranqüilidade e a paz social são essenciais para a realização dos objetivos do país. e a inteligência só era compreendida enquanto mecanismo para o exercício do poder de Estado. O policial é a presença viva do Estado e deve ser o pacificador das lides sociais. Incidindo sobre uma estrutura antiga. portanto. inicialmente. Na concepção atual. advertindo-se os incautos ou distraídos de sua existência e. . as prioridades têm sido rearranjadas para dar uma atenção maior para algumas funções e menor para outras. a Polícia possui um papel relevante junto à sociedade. 33). somente deve ser empregada quando necessária para a manutenção ou restabelecimento da ordem pública. tanto do agressor. coação administrativa. As funções tradicionais da polícia. Somente uma força policial integrada e preparada é capaz de combater a criminalidade. até conflitante – e um pastiche. A força. No Estado de Direito. eventualmente. da ausência de um sistema eficiente de fiscalização e de responsabilidade. em que a coerção e a repressão prevaleciam sobre a negociação e a proteção. de maneira confusa e. ao contrário. (2002. sob o modelo de policiamento comunitário não foram interrompidas. dessa maneira argumenta Brodeur. às vezes. os dispositivos constitucionais acabaram por gerar a hipertrofia das polícias – que passaram a exercer as quatro operações sem transição e. pelas técnicas de sua prevenção: avisando-se a todos das suas regras que presidem sua utilização. a área genericamente denominada de "assuntos jurídicos". reprimindo comportamentos que contrariem ou violem tais regras. conclui-se que a violência praticada pelos Policiais Militares decorre da falta de conhecimento da técnica adequada. também.

Todas as polícias norte-americanas fazem o chamado "ciclo completo de polícia". um paralelo entre as atividades de segurança pública brasileira e norte-americana. pois. Esse modelo federativo refletido na segurança pública é replicado nacionalmente pelos sistemas locais de manutenção da lei e da ordem. algumas de competência da unidade federativa estadual e milhares do âmbito local. de pessoal e de relações públicas. sem esquecer questões relativas à vinculação da segurança pública local com o funcionamento do Poder Judiciário. extremamente solidários e efetivos na relação judiciário. A eleição das autoridades judiciárias e policiais locais pelo voto popular serve para revigorar ainda mais a legitimidade desse sistema. Apresenta que também lá não se vê o permanente contencioso interinstitucional que ocorre no Brasil (em detrimento da Nação) entre as polícias ostensivas de manutenção da ordem pública (polícias militares) e as polícias judiciárias (polícias civis estaduais). Sua produção é crucial para a gestão orçamentária. incluindo o econômico. não existe nos Estados Unidos da América (EUA) a dicotomia do sistema de segurança pública. geográfico. pelos baixos salários. política e legislativa. interpreta-se que a problemática da ineficácia do sistema de Segurança Pública brasileira. O corolário disso é a existência de bem poucas áreas de jurisdição criminal da União. Portanto. polícia e comunidade. como também pelo emprego incorreto do efetivo existente. e mais especificamente o paraibano. vemos que esta é fundamentada em postulados jurídico-constitucionais que fazem com que a federação de fato funcione plenamente em sua expressão minimalista – a comunidade local. passa pela má formação.31 Fazendo-se um paralelo com a política de segurança pública norteamericana. a do executivo local e dos conselhos comunitários e grupos da sociedade organizada. Silva (2003) nos mostra. habilitação e capacitação dos operadores desse sistema. com a finalidade de instrumentar a gestão policial. . A gestão da Segurança Pública deve estar focada nas atividades de produção de vários tipos de conhecimento. social e organizacional policial. promotoria pública. em sua obra Segurança Pública e Polícia. pois vários policiais que deveriam estar empregados no serviço de segurança pública encontram-se em desvio de função. Tal gestão envolve projetos de longo alcance nas áreas financeiras.

de não ser saqueado. é dever da polícia. 317). padrões de seleção. portanto. A polícia é. De acordo com Goldstein (2002. pela segurança pública. por exemplo.32 Em nível pessoal. Isso só é alcançável a partir de um patamar de sentido existencial. um compromisso com o rol mais básico dos direitos humanos que devem ser garantidos à imensa maioria de cidadãos honestos e trabalhadores. procedimentos de promoção. uma espécie de superego social indispensável em culturas urbanas. treinamento e. mesmo não explicitando. Um dos princípios básicos dos reformadores policiais é que elevar a qualidade do pessoal é a chave para melhorar o funcionamento da polícia. Se a função policial for esvaziada desse sentido. Como resultado. Zelar. de ter respeitada sua integridade física e moral. pois. mais recentemente. é fundamental que o cidadão policial sinta-se motivado e orgulhoso de sua profissão. possivelmente. e a nossa concepção é de que a polícia deva ser empregada como parte da política geral de direitos dos cidadãos. p. transformando o homem e a mulher que a exercem em meros cumpridores de ordens sem um significado pessoalmente assumido como ideário. contendedora do óbvio caos a que estaríamos expostos na absurda hipótese de sua inexistência. complexas e de interesses conflitantes. p. entre outros. educação. de não ser molestado. . é óbvio que os parâmetros de nossa avaliação serão divergentes em relação aos parâmetros dos que. quando necessário. pelo direito do cidadão de ir e vir. diligentemente. 76) utiliza-se da seguinte argumentação: Se a polícia é empregada como instrumento de política de segurança do Estado. Para isso é que a polícia recebe desses mesmos cidadãos a unção para o uso da força. no poder da polícia. por isso não se conhece nenhuma sociedade contemporânea que não tenha assentamento. o resultado será uma autoimagem denegrida e uma baixa auto-estima. defendem o primeiro modelo. Lima (1997. muitos dos esforços para modernizar as agências de polícia concentram-se em problemas de pessoal: recrutamento.

era a Capital do Império. Portanto. é importante que se faça uma referência ao policiamento. os Presidentes das Províncias não dispunham de um organismo capaz de auxiliar o império nas atividades atinentes à manutenção da ordem pública. ou seja. as atividades de polícia. como também. D. que. também na França e na Itália. iniciando-se pelo Rio de Janeiro. o Padre Antônio Diogo Feijó. propôs no dia 10 de outubro de 1831. Em 1830. em Portugal (Polícia de Segurança Nacional e a Guarda Nacional Republicana) e na Espanha (Guarda Civil. Ministro da Justiça à época. o que ocasionou revolta em parte da população. a integridade territorial da nação. fato este advindo da abdicação do trono por parte de D. em favor de seu filho menor. Deve-se acrescentar que. entre outros. a Sabinada (Bahia). Desta feita. à época. deflagrados vários movimentos revolucionários. Pedro I. o Brasil passou a ser governado por Regentes. assim como a ordem pública.33 2. o que ocorria com mais intensidade no Rio do Janeiro. Pedro I. através de Decreto Regencial. militarizado. A história das milícias brasileiras remonta à criação dos Estados Federativos. com finalidade de guardar o civil. pois. sendo assim. anteriormente executado pelo Exército Português. durante o Governo de D. À época eram utilizadas tropas militares do Império. foi substituído pelo Exército Brasileiro. Com a finalidade de estabelecer paralelo entre a origem militar das polícias brasileiras. a tradição se materializa em 1542. subordinadas diretamente ao Ministro da Guerra. as polícias são militarizadas. Estas revoltas comprometia seriamente a manutenção do Império. O Policiamento Ostensivo no Brasil. e a Polícia Nacional. Pedro II. instituição .2 POLÍCIAS MILITARES: Origem e evolução Para Souza (1986) a Polícia Militar surge da tradição das polícias militarizadas da Península Ibérica. onde o policiamento era exercido pelo Exército. No Brasil. que apesar do nome é militarizada. a criação dos Corpos de Guardas Municipais Permanentes. como a Balaiada (Maranhão). que é semi-militarizada). pois na concepção popular. e a Guerra dos Farrapos (Rio Grande do Sul). podemos afirmar que o modelo policial brasileiro é ibérico. os regentes não gozavam de legitimidade para governar o País. hoje.

ainda. Esses itens demonstram o processo lento da substituição do Exército português por polícias brasileiras. João VI no Brasil. permanecendo as mesmas. mesmo assim. a Polícia Militar é. Segundo ainda o que diz Souza (1986).34 esta que seria destinada a manter a ordem pública naquela Província. também trazido por D. até os nossos dias. chamadas “quadrilheiros” ou “lanterneiros”. o Intendente Geral só tinha atuação na Província do Rio de Janeiro. armadas unicamente com porretes. Na época da Independência. condicionada à formação rígida. João VI. em 1822. e que seria o chefe de Polícia ou o atual Secretário de Segurança Pública. os respectivos Presidentes das demais Províncias foram autorizados a também criarem suas Guardas. Também no mesmo documento. e que veio a dar origem às atuais Polícias Militares do Rio de Janeiro e do Distrito Federal. fiéis à Lei e à Justiça. sendo esta a segunda polícia militarizada sistemática do Brasil. apenas em algumas vilas. não havia polícia organizada. em 1808. originaram-se naquele diploma legal da Regência Trina. É certo que há um paralelismo nos demais Estados da Federação. d) no Intendente Geral de Polícia. quando foram instituídos o Auto de Inquisição (originário ao Inquérito Policial) e o Auto de Devassa. deixada pelas . pois todas as Polícias Militares. gloriosas sob todos os títulos. com a chegada de D. ao sentimento do dever e à bravura dos seus soldados. trazida de Portugal por D. O primeiro Intendente Geral foi o Intendente Viana. ou quase todas. que passaram a ser usados de forma sistemática tornando-se elementos de controle social. que patrulhavam as ruas à noite com tochas acesas. participantes de patrióticas e sangrentas lutas graças à disciplina. por tradição. em Minas Gerais.João VI. onde serviu Tiradentes como Alferes. b) em Polícias Municipais. somente polícias municipais e. A polícia no Brasil Colônia teve origem: a) no Regimento Regular de Cavalaria. uma organização militar e está. c) na Divisão Militar da Guarda Real de Polícia. Deve-se ressaltar que.

resistentes a mudanças que a modernizem. descompromissados com os anseios da pátria. voraz em apresentar manchetes que lhe rendam audiência ou leitores. ainda que mercê das incompreensões da sociedade em geral. preservando-a por meio do policiamento ostensivo. principalmente envolvendo atos relativos ao poder da polícia.35 lutas do passado e pela missão francesa. É bem verdade que a crescente onda de violência que assola o país. nas escolas. nas estradas. nos estimulam a modernizar as ações e emprego operacional. procedem em razão de constantes desvios de conduta apresentados por integrantes da Instituição. atingem de cheio a corporação. etc. corporativistas. nas matas. resistindo às pressões e respeitada perante a população. exige dos órgãos responsáveis pela segurança pública uma pronta intervenção. orquestrada por políticos reacionários. A Polícia Militar é baseada na hierarquia e na disciplina o que a faz permanente através dos tempos. Ressaltandose que a mídia. Fiel na luta cotidiana. fatores que. não poupa esforços. A profissionalização e destinação constitucional é exercer a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública. desgastados a imagem das legendárias Instituições. intranquilizando a sociedade. sobremaneira. Tais acusações. fazendo-o com propósitos evidentes de atacar o governo ou os poderes constituídos. têm. grupos minoritários é bem verdade. indubitavelmente. atividade que exerce através dos policiais militares integrados à comunidade. etc. como é o caso de São Paulo. explorando fatos do cotidiano. industriais. elegendo as polícias militares como as vilãs de um contexto sabiamente enfraquecido por falta de uma política social séria e honesta. incapazes. violadoras dos direitos humanos. ela se caracteriza como um sustentáculo para a preservação da ordem pública. nas ruas. embora atinjam frontalmente. nas suas mais variadas formas. rotulando-as como violentas. de certa forma. Episódios atuais ocorridos não só na Paraíba. a fim de propiciar ao cidadão em geral a paz e segurança social por todos almejada. mas que. nas festas. mas principalmente nos grandes centros do país. nos estabelecimentos comerciais. Rio de Janeiro e Minas Gerais. nos divertimentos. promovendo diuturna e ininterruptamente a tranqüilidade pública nos Estados. nos rios. onde a criminalidade alcança dados alarmantes. resposta imediata . a par de uma gama imensa de missões que lhe são conferidas.

não deve estar apenas nos quartéis. ao autorizar “os governos locais. hoje. no seu Decreto número um traduz a primeira determinação constitucional. advinda com a Proclamação da república em 15 de novembro de 1889. É necessário assegurar a manutenção das funções essenciais do governo. 2. adotando o Federalismo e transformando as Províncias em Estados.36 sem rodeios ou demagogia. o conceito moderno de segurança reclama do país uma série de medidas de proteção à população e aos recursos vitais. Pedro I e instalada em 25 de março de 1824. Assim. a questão da Polícia Militar desde os primórdios é fator de grande importância para os juristas. pelos . inúmeros foram os acontecimentos que envolveram esta categoria desde então. entendidas por muitos como referência à Polícia Civil. que é a primeira Constituição brasileira. A Constituição de 1891. e das fontes de recursos básicos e também os elementos necessários a uma resposta árdua. desde a promulgação da atual Constituição que lhe consagrou a missão de polícia ostensiva (sentido lato) e a preservação da Ordem Pública (prevenir/restabelecer). ou seja. pois a população que paga seus impostos tem direito a viver em paz. com ênfase na constância da prevenção ostensiva à eventualidade da ação repressiva. As Polícias Militares vêm passando por mutações e se transformando em uma nova Polícia. pois a comunidade é a mais importante fonte de informação sobre crimes que foram ou estão para ser cometidos. no art.3 HISTÓRICO CONSTITUCIONAL DAS POLÍCIAS MILITARES BRASILEIRAS Segundo Souza (1986). 8º. não faz qualquer referência sobre as Polícias Militares. as Polícias Militares possuem um histórico constitucional. Porém a Polícia Militar. deve sim estar em contato constante com a população. seguindo uma determinada trajetória. na polícia. conforme segue: A Constituição de 1824. Este decreto. buscando seu apoio. outorgada por D. confiando no poder público e conseqüentemente. o que implica um novo Policial Militar a serviço do cidadão. Muitos são os questionamentos sobre a eficácia dos Policiais Militares. ficando esta instituição sem referência somente na primeira Carta Magna. faz uma implícita referência à atividade policial.

legislar sobre: a organização. 167 declarava a Constituição que: As Polícias Militares são consideradas reservas do Exército e gozarão das mesmas vantagens a esse atribuídas. decretar a organização de uma guarda civil destinada ao policiamento de cada um dos novos Estados” (BRASIL. também não fez qualquer referência às Polícias Militares. o que não impediu que as Corporações se tornassem pródigas no campo militar. em 24 de fevereiro de 1891. privativamente à União. Em seu art. a Constituição de 1937 foi a que instituiu o Estado-Novo no Brasil. 1891 apud SOUZA. 2º que compete às Polícias Militares: a) exercer funções de vigilância e garantia da Ordem Pública. votada pela Assembléia Constituinte em 16 de julho de 1934. considerando-se suas participações em vários movimentos sediciosos nas décadas de 1920 e 1930. 1986). foi promulgada a primeira Constituição da República. a qual. Decorrido pouco mais de um ano. a efêmera Carta Magna atribuiu. segundo a lei de mobilização. c) atender à convocação do Governo Federal em caso de guerras externas e grave comoção intestina. pela primeira vez. A Constituição de 1934. atribuiu competência às Polícias Militares. foi sancionada a Lei nº 192. considerando a linhagem antiga do Decreto-Lei nº 667. No seu art.37 meios ao seu alcance. que. elas foram constitucionalmente citadas. Autorizada em 10 de novembro de 1937. Em 17 de janeiro de 1936. a segunda Constituição da República e a terceira da história do Brasil. b) garantir o cumprimento da lei. pela primeira vez. todavia. ao estabelecer em seu art. de acordo com as leis vigentes. quando mobilizadas ou a serviço da União. a tranqüilidade e a Segurança Pública. 5º. quando exigir a . não fez referência à competência das Polícias Militares. pois. apenas à União na legislação sobre o bem-estar. justiça e garantias das Forças Policiais dos estados e considerações gerais de utilização em caso de mobilização ou de guerra. foi um marco histórico para as Polícias Militares brasileiras. Ainda dentro dos ensinamentos de Souza (1986). instrução. a segurança das instituições e o exercício dos poderes constituídos.

instituídas para a manutenção da Ordem e Segurança interna nos Estados. que as décadas de 50 / 60 foram testemunhas. justiça e garantia das forças policiais dos Estados e sua utilização como reserva do Exército. esta Constituição foi modificada pela Emenda nº 1. instrução. naquela época. além de alterar o nome forças policiais para polícias militares. o seu pessoal gozará das mesmas vantagens do pessoal do Exército.As Polícias Militares. Em 17 de outubro de 1969. pela primeira vez. diz essa Carta Magna. Para esse mesmo autor. reservas do Exército”. Esta Constituição foi promulgada em 18 de setembro de 1946 e. promulgada em 24 de janeiro de 1967. Assim. ao excluir de sua competência a segurança interna e adjetivando como “pública” a ordem da qual seria mantenedora. reserva do Exército. conforme: . a missão constitucional das Polícias Militares surgiu numa vocação amadurecida no tempo e. deu-lhes competência para atuar na segurança interna e manutenção da ordem. referindo-se ainda. nos territórios e no Distrito Federal e os Corpos de Bombeiros Militares são considerados forças auxiliares. ao sobrepor a manutenção da ordem à segurança interna. Manteve a competência da União para legislar sobre pontos estabelecidos pela Constituição de 1937. a serviço da União de tempo de guerra externa ou civil. a redemocratização do Brasil. instituídas para a segurança interna e a manutenção da ordem nos Estados. que deu às Polícias Militares maiores características policiais. conforme vê-se no parágrafo 4º de seu artigo 13. e neste rastro. a Constituição de 1946 representou.Quando mobilizado. 183 . Organização. Enquanto que a Constituição de 1967. robustecida pela implantação paulatina de atividades de policiamento ostensivo. estruturada para fazer frente às pressões anti-revolucionárias. Já a Constituição de 1946 é considerada a Carta adiantada e liberal.38 necessidade de uma regulamentação uniforme. emergente de uma ditadura. aos poucos. “As Polícias Militares. veio inverter a prioridade das destinações das Polícias Militares. Parágrafo Único . nos territórios e no Distrito Federal são consideradas força auxiliar. ao se referir às Polícias Militares: Art. aos corpos de bombeiros militares.

Polícia Rodoviária Federal. que estabelece: Art. juntamente com as Polícias Civis. com a exclusividade de polícia ostensiva (sentido lato). realizado em Belo Horizonte. 144 .Polícias civis. tem a missão de preservação da ordem.Polícia Ferroviária Federal. do Distrito Federal e dos Territórios. aos governos dos Estados. Essa Carta Magna veio consagrar o modelo dicotômico de polícia nos Estados da Federação: a) Polícias Militares. respeitados. . b) Polícias Civis.As Polícias Militares. Instituiu o sistema de segurança pública e ampliou o papel constitucional das Polícias Militares. II . os seguintes: Parágrafo 4º . forças auxiliares e reserva do Exército.A Segurança Pública. subordinam-se. de 8 a 14 de fevereiro de 1987. promulgada em 5 de outubro de 1988.Polícia Federal. incumbem a execução das atividades de Defesa Civil.Às Polícias Militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública. esta materializou as aspirações do povo e. exceto as militares.Os Estados organizar-se-ão e reger-se-ão pelas Constituições e leis que editarem. nos Territórios e Distrito Federal. através dos seguintes órgãos: I . além das atribuições definidas em lei. No tocante à Constituição de 1988. dever do Estado e direito e responsabilidade de todos.Polícias Militares e Corpo de Bombeiros Militares. V . que foi explicitada nas conclusões do terceiro congresso brasileiro das Polícias Militares. ao atribuirlhes a polícia ostensiva para preservação da ordem pública. § 6º . § 5º . 13º . por influência de uma moderna doutrina administrativa. dentre outros princípios estabelecidos nesta Constituição. a Constituição cidadã dedicou um capítulo à Segurança Pública. com as funções de polícia judiciária e a apuração das infrações penais. é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. IV . III . A Polícia Militar como Órgão de Segurança encontra seu fundamento constitucional no art. 144 da Constituição da República. aos Corpos de Bombeiros Militares.As Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.39 Art. instituídas para a manutenção da Ordem Pública nos Estados.

e a criação de Corpos de Bombeiros autônomos. 73). por ingerência ou falta de recursos. O fundamento supremo sobre as Polícias Militares é encontrado na Constituição Federal. Visando então à melhoria na prestação de serviço estatal. 144. Diante deste contexto. vê-se que pouca coisa mudou a não ser o afastamento das Polícias Militares do patrulhamento de rodovias federais e policiamento de trânsito das cidades (em alguns Estados). p. demonstrando serem organismos que sustentam idéias harmonizadas pela coerência e identificadas no firme propósito de bem servir as comunidades às quais pertencem. foram completadas por outras instituições ou órgãos. atuam no combate diurno. no qual sempre demonstraram a excelência de seu preparo profissional e grandeza moral dos homens que a compõem. ostensivo e permanente às infrações penais. as PM. sobre o qual tivemos a oportunidade de nos reportar. dentro de uma nova concepção de ordem pública. em que se analisa uma reformulação geral para a Segurança Pública. promovendo o ajustamento comportamental da organização.40 Constitucionalmente instituídas para a manutenção da ordem pública. no campo da segurança pública. . o que implica em um novo Policial-Militar e uma nova Polícia Militar. forças auxiliares e reserva do Exército. ou na preservação da ordem pública. Passados vinte e um anos da promulgação desta Constituição. por desmembramento de Polícias Militares. criou-se uma expectativa para reformas constitucionais. nas quais foram deixadas lacunas pelas Polícias Militares que. art. para Cerqueira (1988. Fatos que demonstraram os anseios da população por melhor qualidade de segurança. a reforma constitucional deverá ser voltada para que o cidadão obtenha essa segurança que o Estado ofereceu-lhe como seu direito e que se materializa por meio de uma Polícia democrática e vocacionada para este cidadão. atuam no campo de Segurança Interna. na maioria das vezes. inciso V e § 5º e 6º. na qual a colaboração e a integração comunitária sejam referências importantes. Da mesma forma. Adaptar a estrutura Policial-Militar às exigências da segurança pública. a ampliação do número das guardas municipais e da área de sua atuação.

Portanto. . obstaculizando. surgiu a Polícia Interativa. igualmente.41 Santos (2005) ressalta que a Polícia Militar nasce da comunidade. seus preconceitos e crenças e seus sistemas de representação específicos da sociedade. tornando-se bizarra qualquer reflexão fundada sobre suposta dualidade ou antagonismo entre uma sociedade civil e outra sociedade policial. concebida como um aparelho do Estado onde se reproduzem formas de representação da sociedade gestadas dentro e fora desse aparelho. no Brasil. seqüelas ideológicas persistem indevidamente. Além disso. o Policial Militar é um agente de Segurança Pública. não há. assim. Irmana-se. porta a singular permissão para o uso da força e das armas. Para Silva (2003). mas deve ser um cidadão qualificado. uma sociedade civil e outra sociedade militar. Utilizando-se dessas premissas. é que se encarregou de solidificar esses equívocos. portanto. condição primeira. aliada aos anos de chumbo. Essa afirmação é plenamente válida. tem. em algumas áreas. A Polícia Militar é. Esse mesmo autor afirma que o policial é. Sua condição de cidadania é. antes de tudo. portanto. sempre um impacto extremado e simbolicamente referencial para o bem ou para o mal-estar da sociedade. tentando transformar a polícia de um serviço à cidadania em ferramenta para enfrentamento do inimigo interno. a todos os membros da comunidade em direitos e deveres. pois. assim. no âmbito da lei. O impacto sobre a vida de indivíduos e comunidades exercido por esse cidadão qualificado é. portanto. Sendo a autoridade mais comumente encontrada. deve nutrir sua razão de ser. que é o cliente exclusivo de suas funções policiais. pois emblematiza o Estado em seu contato mais imediato com a população. e. Mesmo após o encerramento desses anos de paranóia. um cidadão. que é um serviço público realizado na perspectiva de uma sociedade única. A lógica da Guerra Fria. A instituição. como absorve as representações presentes em um dado momento histórico. na cidadania. a missão de ser uma espécie de porta-voz popular do conjunto de autoridades das diversas áreas do poder. o que lhe confere natural e destacada autoridade para a construção social ou para sua devastação. integra a comunidade e sobrevive para essa comunidade. não apenas produz algumas representações engendradas no seio dessa sociedade consumindo seus valores. mesmo quando se trata da Polícia Militar. a elucidações da real função policial. da qual todos os segmentos estatais são derivados.

o velho paradigma antagonista da Segurança Pública e dos Direitos Humanos precisa ser substituído por um novo. Esse caminho passa pela superação das seqüelas deixadas pelo período ditatorial. ainda que atenuada. crença de que a competência se alcança pela truculência e não pela técnica. por conseguinte. assim como a ocorrência de maus-tratos internos a policiais de escalões inferiores. contaminação anacrônica pela ideologia militar da Guerra Fria. pela natural autoridade moral que porta. a isso. As organizações policiais são classificadas a partir de modelos de atuação produzidos pelo estilo de gerência adotado.tem tudo para ser altamente respeitada e valorizada. revertendo o quadro de descrédito social e qualificando-se como um personagem central da democracia. A Polícia Militar é uma burocracia militar típica. perderem o concurso da ação impactante desse ator social. como instituição de serviço à cidadania em uma de suas demandas mais básicas . pois as próprias pessoas selecionadas para integrá-la têm traços de conformidade. Ainda afirma Santos (2005) que o policial Militar. As organizações não-governamentais que ainda não descobriram a força e a importância do policial como agente de transformação devem abrir-se. Para tanto.42 A Polícia Militar. facilitando seu enquadramento nas regras estabelecidas. corporativismo no acobertamento de práticas incompatíveis com a nobreza da missão policial. sob pena de aferradas a velhos paradigmas. A principal característica diferenciada do modelo militar é a coercitividade permanente. a auto-estima. velhos ranços psicopáticos. . precisa resgatar a consciência da importância de seu papel social e. modelo de gestão muito semelhante ao da maioria das grandes organizações atuais. tem o potencial de ser o mais marcante promotor dos Direitos Humanos. que exige desacomodação tanto da Segurança Pública quanto dos Direitos Humanos. às vezes ainda abancados no poder. O processo de modernização democrática já está instaurado e conta com a parceria de organizações como a Anistia Internacional. Dessa forma.Segurança Pública . urgentemente.

no ano de 1834. . logo na primeira reunião da Assembléia Legislativa da Província da Paraíba. Além da criação. ele nos mostra que a Paraíba inicialmente não teve condições ou interesse de criar sua Guarda de imediato. através de uma emenda à Constituição do Império. na Praça Dom Adauto. Sob o Comando de Francisco Xavier de Albuquerque.4.43 2. interiorizando o serviço policial para duas cidades no interior da Província. a mesma lei ampliou o efetivo da Corporação e destinou uma fração dessa tropa para compor os primeiros Destacamentos. no centro da capital paraibana. Dessa forma. no dia 2 de junho de 1835. onde passaram as Províncias a ter sua autonomia política. o Corpo de Guardas Municipais Permanentes da Paraíba foi criado no dia 3 de fevereiro de 1832. por não terem Assembléia Legislativa. a nova organização foi efetivamente posta em funcionamento no dia 23 de outubro de 1832. que foi nomeado Capitão pelo Presidente da Província. Nesta obra. foi então criado o Corpo de Guardas Municipais Permanentes. de imediato tratou de criar um órgão com esse fim. O primeiro Quartel ocupado foi o prédio onde antes funcionava um convento e hoje está instalado o Palácio do Arcebispado. tem como fonte Lima (2000). sendo 15 a Cavalo e 35 a pé. que tinha suas decisões formalizadas através da Consignação de Resoluções nos livros de atas. a criação da Guarda Municipal foi discutida no Conselho Provincial. através da Lei nº 09. sentindo a premente necessidade de manutenção da ordem pública. Como nessa época as Províncias não tinham autonomia.1 Origem Histórica A evolução histórica da Polícia Militar da Paraíba. que. Com a criação do poder Legislativo Provincial.4 POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA 2. mostrada a seguir. em que recebeu primeiramente a denominação de Força Policial. e com um efetivo de 50 homens. assumiu a Presidência da Paraíba o Padre Galdino da Costa Vilar. No ano seguinte. que foram Areia e Pombal. Suas primeiras missões foram a Guarda da Cadeia e a execução de Rondas no centro da cidade.

2 A Polícia Militar da Paraíba na Constituição A Constituição Estadual no capítulo que trata sobre a segurança pública diz o seguinte: Art. 1989. a Polícia Militar e outros definidos em lei. Batalhão de Segurança. assim como o Cangaceirismo. Regimento Policial. (PARAÍBA. 40). quando passou a denominar-se de Corpo Policial.as ações de prevenção e combate a incêndio. fenômeno que aterrorizou o sertão nordestino de 1878 a 1938. é exercida para a preservação e asseguramento da liberdade e garantias individuais. o combate a um movimento armado ocorrido em um Quartel do Exército no Recife. desde 1835. e a vigilância do litoral paraibano. que contará para isso com a colaboração de órgãos de execução autônomos e harmônicos. 2. (PARAÍBA. A Polícia Militar da Paraíba participou de importantes acontecimentos da história do país. Força Policial. buscas e salvamento. ela preconiza que: Art. como a revolução de 1930. em 1931. as de assessorias militares e de assistência às presidências dos Poderes Legislativo e Judiciário e à Prefeitura da Capital do Estado. . No campo de ordem pública. p. durante a 2ª guerra mundial. Destacamentos Policiais em todo território paraibano. 38). III . e Força Pública duas vezes. organizada com base na hierarquia e na disciplina. por força de dispositivo Constitucional.a polícia ostensiva em todas as suas formas. cabendo-lhe executar: I . dever do Estado.as ações de preservação da ordem pública. foi firmemente combatido pela Polícia Militar da Paraíba. a Corporação foi denominada ainda de Corpo de Segurança. 42. Batalhão Policial. 48. tais como a Polícia Civil.4. II . No capítulo que trata da Polícia Militar. auxiliar e reserva do Exército.44 Assim denominada.as atividades do Gabinete Militar do Governador do Estado. por três vezes. A Polícia Militar da Paraíba é instituição permanente. direito e responsabilidade de todos. a Corporação permaneceu até 1892. A denominação atual de Polícia Militar da Paraíba se deu em 1947. IV . p. V . 1989. a Corporação mantém. através de órgãos de assessoramento ao Governador do Estado. através das famosas patrulhas Volantes.as atividades de defesa civil. Ao longo da sua história. A segurança pública. do ViceGovernador.

No entanto. posicionando-se ainda como um dos entes mais tranqüilos da federação. a Polícia Militar da Paraíba. a violência e a criminalidade se encontram em um nível ainda aceitável. é notório que os índices cresceram na Paraíba. Na atual conjuntura. Fato é que as críticas contra a PM estão aí diariamente estampadas na mídia. isto não estaria ocorrendo. ela estará prestando um serviço de qualidade discutível. materializados por uma formação humanista e profissional contextualizada com a ordem social vigente. Na Paraíba.45 A Polícia Militar da Paraíba é a única instituição pública estadual a se fazer presente em todo o território paraibano. mesmo com toda a dificuldade de recursos financeiros e humanos. com as carências da população paraibana. notadamente para se ter uma Instituição forte e eficiente. o que não é diferente da realidade paraibana. na permanente busca de bem servir à sociedade. mesmo assim. Esses esforços são permanentemente renovados pela adoção de uma política de renovação dos recursos materiais. pois um profissional desmotivado afeta a maneira de se comportar e fatalmente afetará gravemente o serviço prestado pela Corporação. através das diversas modalidades de policiamento que executa. continuar sua gloriosa marcha histórica. Porém. ou seja. ou seja. modernização de métodos de atuação e de valorização dos recursos humanos. a preocupação maior deve estar centrada na motivação e incentivo de seu público interno e não apenas com a instituição. O quadro abaixo nos demonstra que a Paraíba não figura nem entre os dez Estados mais violentos do Brasil. o que demonstra que se PMPB estivesse trabalhando em sintonia com as necessidades da realidade atual. procura. conseqüentemente. . está presente nos 223 municípios do nosso estado. e por meio de várias outras formas de prestação de serviço de alcance social.

3 7° Distrito Federal 28 8° Paraná 27.1 9° Sergipe 26.9 10° Mato Grosso do Sul 25. é preciso refletir quais são as dificuldades do serviço em si.46 ORDEM ESTADO HOMICÍDIOS POR 100 MIL HABITANTES 1° Alagoas 66. Pensam e fazem algo.2 2° Espírito Santo 56.2 Quadro 1 – Ranking dos Estados Brasileiros mais violentos Fonte: Folha de São Paulo (2008) É exatamente por existir um grande hiato entre o que a PMPB acredita que seja bom para a população paraibana e o que de fato a população quer. . se estão sendo ofertadas as condições motivacionais necessárias para o bom desempenho de tão árdua profissão. que acabam perdendo seus referenciais. antes de se discutir as conseqüências do trabalho policial militar.6 4° Rio de Janeiro 45. Essa situação provoca um sentimento de inadequação nos policiais militares paraibanos.1 5° Bahia 32. Portanto.8 6° Rondônia 30.6 3° Pernambuco 51. são criticados ferozmente pelo que fizeram. depois de feito.

fato este que pode ser analisado por duas matizes. . a primeira por ser o Estado paraibano composto por pessoas ordeiras e tranqüilas e a segunda pelo efetivo trabalho preventivo realizado pela Polícia Militar do Estado.47 Figura 1 – Mapa de Homicídios no Brasil Fonte: Folha Online (2008) O mapa acima mostra a Paraíba em quarto lugar nos Estados mais tranqüilos do Brasil.

que dispõe sobre a Organização Estrutural e Funcional da Polícia Militar do Estado da Paraíba. um desencontro entre a Polícia e o desejo de segurança da sociedade. No capítulo que trata da Polícia Militar. publicada no Diário Oficial do Estado n° 13. do último posto.4. a Polícia Militar da Paraíba. portanto. quando da aprovação da Lei Complementar n° 87. pedindo segurança e tornando descoberto o despreparo e desaparelhamento de toda a Polícia. reestruturou seus quadros. Foi pensando em assumir a parte que lhe cabe nessa problemática que a PMPB. por evidência. Assim sendo. trabalhar.970 de 03 de dezembro de 2008. com título e posicionamento de Secretário de Estado. As organizações policiais não tem sido capazes de proporcionar aquela sensação de segurança que as pessoas gostariam de sentir.48 2. uma vez que. não é somente os órgãos Policiais que devem tutelar este direito. de 02 de dezembro de 2008. além do que prescreve a Constituição Federal. ela está preconizada no seu artigo 48. Há. O cidadão deveria cobrar esta responsabilidade dos poderes Judiciário e Legislativo. obedecido o disposto na Legislação em vigor. em relação ao grau de insegurança individual. Polícia e Judiciário. no capítulo que trata da Segurança Pública em seu artigo 42. entretanto deve ser compreendido como um fenômeno psicológico. não constituindo. função biunívoca direta em relação aos altos índices de criminalidade ou até antes. também tem como fundamento legal a Constituição Estadual. de quem depende todo o arcabouço legal que constitui a ferramenta institucional com que hão ambos. .3 A Demanda Operacional da PMPB Entendo que o clamor popular que se manifesta em todo o País. Contudo. (grifo nosso). seus direitos são ou pelo menos deveriam ser tutelados pelo Estado. incisos de I a V e § único. A PMPB está ligada operacionalmente à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social e é comandada por oficial da ativa da corporação. é explicável em parte.

no que concerne à eficiência nas missões de policiamento ostensivo.000 policiais militares. o Batalhão de Polícia de Trânsito Urbano e Rodoviário (BPTran). Art. . coordenar. Os Comandos Regionais têm por finalidade planejar. II – Comando do Policiamento Regional I – CPR I. com sede em Itaporanga e o 14º Batalhão de Polícia Militar. o 12º Batalhão de Polícia Militar. o Batalhão de Operações Especiais (BOPE). A Polícia Militar da Paraíba possui três grandes comandos ou comandos regionais que são responsáveis pela coordenação das atividades operacionais da PMPB. O sertão é dividido para cinco Batalhões o 3º BPM. todos também com sede em João Pessoa. p. sediado na cidade de Patos e o 6º BPM. vê-se na Região Metropolitana. 02). Parágrafo único. controlar e supervisionar. distribuídos nos 223 Municípios do Estado. que são o Comando de Policiamento da Região Metropolitana (CPRM). III – Comando do Policiamento Regional II – CPR II. as atividades realizadas pelos Órgãos de Execução. aproximadamente 9. sediado na cidade de Guarabira. No interior do Estado temos o 2º BPM e o 10° BPM. sediados em Campina Grande e o 11° BPM com sede em Monteiro. No tocante as Unidades Operacionais da PMPB. dividem a responsabilidade pelo policiamento de todo o Planalto da Borborema.935. responsável pelo policiamento da área sul da Região Metropolitana e o 7° BPM. o Comando de Policiamento Regional I (CPR I) e o Comando de Policiamento Regional II (CPR II).49 Segundo Paraíba (2008) a Corporação possui hoje um efetivo previsto de 17. Os Comandos Regionais são: I – Comando do Policiamento da Região Metropolitana da Capital – CPRM. responsável pelo policiamento da área norte da Região Metropolitana. enquanto que o brejo paraibano é policiado pelo 4º BPM. três Batalhões de Área que são: o 1º BPM. o Regimento de Polícia Montada (RPMont) e o Comando de Operações Aéreas (COA). 20. o 13º Batalhão de Polícia Militar. Ainda citamos o Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb). com sede em Catolé do Rocha. sediado na cidade de Cajazeiras. responsável pelo policiamento da malha central da cidade e o 5º BPM. de acordo com as necessidades de preservação da ordem pública. porém só existem nos seus quadros atualmente. na Região Metropolitana de João Pessoa e do Interior. com sede em Sousa. conforme prescreve Paraíba (2008.

entendemos que a boa remuneração é apenas uma das muitas ferramentas de incentivo profissional. religiosos e atletas. elogios em ficha de assentamentos. nem sequer existia uma nomenclatura ou empresas especializadas nisto. a PMPB não fica de fora desse panorama. com um laço vermelho ou mesmo aumentos de comissão. o clima organizacional favorável. vêm de uma noção clássica de incentivo moderno que. cujo objetivo é motivar pessoas à ação”. tais como: concessão de medalhas. Vejamos então o que nos diz Vitiello (2002. e o prêmio era entregue ao profissional que se destacava. principalmente impostos aos militares. porém existem outras formas de incentivo profissional que poderiam estar sendo utilizadas pela corporação. não dispondo a empresa pública de meios legais para gratificar seus funcionários à revelia da Lei.50 2. etc. o reconhecimento profissional. Nos dias atuais. pois a remuneração do funcionalismo público está diretamente ligada a um plano de cargo e carreira. armamento e viaturas ergometricamente adequadas. As opiniões tão divergentes que temos hoje.5 O QUE É INCENTIVO E PARA QUE ELE SERVE? Para Vitiello (2002. que buscavam naquele momento não recompensa financeira. No entanto. p. onde se viam expostos na sala do chefe troféus ou a famosa televisão em cores (ou outra novidade eletrônica do momento). não havia a grande variedade de bares. essa ferramenta motivacional é pouco utilizada. dispensa de expedientes e serviços. provavelmente. Nesta época. chopperias e casas noturnas que existe hoje . que eram usados como "cenoura" para que a equipe aumentasse as vendas. “incentivo nada mais é do que uma estratégia de motivação. havendo também: as boas condições de trabalho. mais sim o fortalecimento de caráter. da fé e do exemplo de virtude. a história nos mostra que o incentivo surgiu com a procura pela superação de limites.estamos falando da década de 60. A comunicação era feita através de CI ou reuniões de vendas. geralmente numa pizzaria ou cantina. onde os salários são pré-determinados em Leis específicas. Nesse aspecto. quando começou. No serviço público. Nas empresas que lançavam mão do concurso de vendas como ferramenta motivacional e passaram a adotar o incentivo financeiro como estratégia . A produção era caseira. entre outros. p. equipamentos. 1). com direito a abraços do chefe e aplausos dos colegas. algumas pessoas associam o incentivo apenas à gratificação monetária. 1). Segundo ainda essa autora.

contribui cada vez mais para desestimulá-los Portanto. o que trazia confiabilidade e imparcialidade ao processo. com a introdução de um tema para as campanhas. o mesmo deve ocorrer com as empresas e seus colaboradores. flexíveis. as formas de remuneração ainda seguiam os tradicionais prêmios em eletroeletrônicos. verificar se possui conhecimentos para a atividade que exerce ou até mesmo atitude. período de duração definido. trabalhar em empresas que dêem satisfação. [. informativos personalizados e brindes motivacionais. momento em que tais organizações podem dividir os lucros com seus funcionários. já que a gestão passou a ser de uma agência especializada. índices de satisfação e recall dos profissionais a respeito das regras e prêmios oferecidos. contratada pela empresa. 1). através da atualização de sua política de incentivos profissionais. devemos estar sempre atentos. como a sociedade encontra-se em constante mutação.]. vontade de ultrapassar sua meta. No entanto. visando tornar o empreendimento mais competitivo. Estes instrumentos aumentaram o grau de importância das campanhas. o que se vê são servidores desmotivados e prestando um desserviço público. trabalhar. Nas empresas públicas. houve novidades em opções de premiação. .51 empresarial. realizar tarefas que vão além de seu limite para poder se orgulhar e mostrar que tem condições de fazer o melhor. adaptáveis às mudanças. devido ao melhor desempenho de seus funcionários. Vitiello (2002) argumenta que caso a insatisfação esteja rondando seu dia a dia. Devido ao surgimento de outras demandas e com o aparecimento da concorrência. ou seja. Assim sendo.. em sua maioria por incompetência dos gestores que ao invés de tentar resgatar aquele funcionário. forçando as organizações a modificarem suas técnicas e estratégias motivacionais. por mais que nos sintamos satisfeitos. troféus e viagens de curta duração. pois para a empresa privada tal ferramenta é perfeita e facilmente adotada. em alguns casos. incentivando e instigando a competição entre eles. é preciso fazer uma auto-análise para verificar o que não esta agradando nas responsabilidades diárias e começar a realizar atividades que dão prazer. Conforme ainda Vitiello (2002. constatou-se um aumento nas vendas e consequentemente nos lucros. p. pois devido à rapidez que as informações hoje circulam devendo tentar aproximar-se ao máximo das inovações advindas dessa velocidade..

O serviço de segurança pública. quanto a Corporação. na Polícia Militar. formados nos anos de chumbo. por força da hierarquia. ou seja. afastando a instituição que deveria dar proteção à sociedade e transformando-a em mais um braço armado à disposição da repressão. encontramos subordinados com conhecimento técnico-científico para serem chefes. ou quaisquer que sejam as Organizações militares. Essa mudança hoje já é notada. a realização de tarefas está diretamente atrelada à rígida cultura organizacional militar. devido ao fato de que a Polícia Militar não dispor de mecanismos para premiar seus integrantes com prêmios em dinheiro. demandando assim. Sendo assim. pois a função precípua da Corporação é a de prevenção. e aí como mudar toda uma cultura que foi herdada do período em que as Polícias Militares brasileiras se encontravam sob o julgo do Exército. já que as estratégias são traçadas junto ao seu público interno e externo. O mais interessante é que estamos cada vez menos pagando a iniciativa e cada vez mais reconhecendo os bons profissionais. oferecendo oportunidades de crescimento profissional (promoção). no tocante ao treinamento e fiscalização. Sem sombra de dúvidas.52 No entanto. proporcionando-lhes um ambiente de trabalho favorável para o bom desempenho de sua função. passando com isso a conhecer e utilizar com muita propriedade as técnicas de incentivo. passando assim a ser sentido pela população (grifo nosso). reconhecimento pelos relevantes serviços (medalhas e láureas) e principalmente. no entanto. são colocados numa posição de subalterno àquele que detém o poder hierárquico. uma . mais especificamente o de responsabilidade da Polícia Militar. é um ofício árduo e de difícil mensuração. principalmente aquele que se encontra na atividade fim da Instituição. Em suma. fazendo com que o policial. já que cada empresa tem sua peculiaridade. pois se esse profissional encontrar-se desmotivado. nessa situação a motivação profissional afeta tanto o policial militar. porém enfrentamos ainda a resistência dos mais antigos. com análises da sua realidade e negócio. Hoje a Corporação busca uma situação muito mais técnica e embasada em dados. onde. por vezes. seja respeitado pelos colegas e pelos gestores. deve então buscar ferramentas para que esses profissionais se sintam valorizados. o rendimento e qualidade no serviço prestado à comunidade tende a ser considerado ineficiente. o fato que não existe uma receita mágica de incentivo de sucesso.

mas é certo que a longo prazo isso ocorrerá. A presente Lei apresenta em seu quinto capítulo o que se pode designar como sendo a política de incentivos praticada na Corporação policial militar paraibana. quando tratado como ser humano. e regula a situação. deveres. tendo seu valor reconhecido e respeitado. É aí que as técnicas de incentivo estão à disposição para identificar. obrigações. 3. com oportunidade de crescimento. datado de 20 de julho de 1977. pois passará a existir objetivos qualitativos que envolvem a melhoria na prestação dos serviços e até mesmo do clima interno da Corporação.53 estratégia distinta. publicado no Diário Oficial do Estado (DOE). mas sempre que se lança mão desta ferramenta o intuito é motivar seus profissionais. será um bom cidadão em casa e no trabalho. . A referida Legislação dispõe sobre o “Estatuto dos Policiais Militares do Estado da Paraíba”. pois este capítulo se apresenta como “das recompensas e das dispensas de serviço”. com vistas a fazer com que esses assumam posturas proativas e passem a agir. A conclusão que podemos tirar disto é que o Policial Militar.909 de 14 de julho de 1977. de imediato a efetividade na prestação dos serviços será alcançada. planejar e criar os meios para que a Corporação e profissionais cumpram seus objetivos e se sintam plenamente recompensados. 2.6 ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVO PROFISSIONAL DA PMPB A atual política de incentivos da PMPB está regida pela Lei Nº. Isso não significa dizer que. na Polícia Militar. direitos e prerrogativas dos policiais militares do Estado da Paraíba.

As condecorações citadas nas alíneas “a” e “b” desta Lei por vezes não foram utilizadas como incentivo. em caráter temporário: I .54 Art.As recompensas constituem reconhecimentos dos bons serviços prestados pelos policiais militares. esquecendo o público interno. 1977. mas sim como fator desmotivante da tropa. A referida Lei foi regulamentada pelo Decreto n° 8. p. (PARAÍBA. Parágrafo 1º .962. 130 . 279). denominada Regulamento Disciplinar da Polícia Militar (RDPM). As recompensas oferecidas pela organização influenciam a satisfação dos seus parceiros.em decorrência de prescrição médica. e dispensa do serviço.São recompensas policiais militares: a) b) c) d) prêmio de honra ao mérito.As recompensas serão concedidas de acordo com as normas estabelecidas nas leis e nos regulamentos da Polícia Militar. louvores e referências elogiosas. condecorações por serviços prestados. Parágrafo 2º .As dispensas do serviço são autorizações concedidas aos policiais militares para afastamento total do serviço. Art. o que causava revolta nos policiais militares que se sentiam preteridos de um direito. torna-se possível um retorno maior às contribuições efetuadas. e manifestar-se a continuidade do negócio. e III .As dispensas do serviço serão concedidas com a remuneração integral e computadas como tempo de serviço efetivo. Parágrafo Único . 42).para desconto em férias.como recompensa. pois o que se via era a prática política de alguns comandantes que condecoravam personalidades e autoridades civis. Como se pode notar. 131 . Em função de suas características sistêmicas. as recompensas inseridas na referida Lei constituem a política de incentivos que são aplicados aos policiais militares paraibanos. a organização consegue reunir todos os recursos oferecidos pelos diversos parceiros e alavancar sues resultados. de 11 de março de 1981. e por ser a referida legislação muito antiga. II . o que . Sobre esse assunto ensina Chiavenato (2008. elogios. p. Cada parceiro está disposto a investir com os seus recursos individuais na medida em que obtém retornos e resultados dos seus investimentos. vê-se o quando é deficitária a política de incentivos da PMPB.

§ 3º . trata das recompensas patrocinadas aos policiais militares paraibanos. enquanto que a dispensa parcial do serviço o premia apenas com a isenção de alguns trabalhos. . às culturas profissional e geral. às condutas civis e policiais-militares.O elogio coletivo visa a reconhecer e a ressaltar um grupo de policiais-militares ou fração de tropa ao cumprir destacadamente determinada missão. o RDPM caracteriza-o de duas formas: individual e coletivo. denominando como tal o elogio. [. em seu capítulo XIII. 14).]. Sendo o primeiro para colocar em evidência o policial militar que se destacou em relação aos demais componentes da Corporação. as dispensas do serviço. que premia o policial militar isentando-o de todos os trabalhos da Corporação. No tocante ao elogio. inclusive o de instrução. a capacidade como comandante e como administrador e à capacidade física. somente poderá ser formulado a policiais-militares que se hajam destacado do resto da coletividade no desempenho de ato de serviço ou ação meritória.55 demonstra a inabilidade do legislador. Art. à coragem. para alunos dos cursos de formação. onde informa que estas constituem reconhecimentos aos bons serviços prestados pelos integrantes da Corporação. a dispensa da revista do recolher e do pernoite nos centros de formação. Os aspectos principais que devem ser abordados são os referentes ao caráter. à inteligência. pois mistura em um só documento os deveres e punições com os incentivos e recompensas. 1981.O elogio pode ser individual ou coletivo. devidamente especificados no momento da concessão. (PARAÌBA.. p. § 1º . 68 .O elogio individual. definido como dispensa total do serviço. que coloca em relevo as qualidades morais e profissionais.Só serão registrados nos assentamentos dos policiais-militares os elogios individuais no desempenho de funções próprias à Polícia Militar e concedidos por autoridades com atribuições para fazê-lo. § 2º . O RDPM. enquanto que o elogio coletivo destaca a ação meritória de um grupo de policiais militares.. Outra forma de recompensa que preconiza o RDPM da PMPB é a dispensa do serviço.

esbarramos sempre no problema da remuneração. § 3º . 2) dispensa parcial do serviço. Porém na administração pública esse tipo de recompensa se torna um problema de difícil solução. podem ser: 1) dispensa total do serviço. Art. deve-se adotar formas de recompensas que além de incentivar as pessoas promova contribuições para a organização. § 2º .56 Art. cada funcionário está interessado em investir com trabalho. (PARAÍBA.. Não justifica a ausência do serviço para o qual o aluno está ou for escalado e nem da instrução a que deva comparecer. § 1º . 14) No entanto. . Essa dispensa não invalida o direito de férias. no mínimo. e principalmente de vontade política.A dispensa total do serviço é concedida pelo prazo máximo de 8 dias e não deve ultrapassar o total de 16 dias. Como parceiro da organização. contados de boletim a boletim. com os seus conhecimentos e habilidades desde que receba retribuição adequada. pois depende além de uma boa Lei que regulamente o assunto. p. 70 . é nesse sentido que afirma ainda Chiavenato (2008. no decorrer de um ano civil. salvo motivo de força maior. 69 .A dispensa da revista do recolher e de pernoite no quartel. é sabido que para se ter uma equipe satisfeita e motivada para o trabalho.A dispensa total do serviço para ser gozada fora da sede.].As dispensas do serviço. da arrecadação do Estado. podem ser incluídas em uma mesma concessão. p. fica subordinada às mesmas regras de concessão de férias. pois todos acham que são mau remunerados.A dispensa total de serviço é regulada por períodos de 24 horas.. 1981. A sua publicação de ser feita. Quando tratamos de empresas públicas como é o caso da Polícia Militar da Paraíba. 24 horas antes do seu início. quando isenta de alguns trabalhos. 279). [. dedicação e esforço pessoal. ficando a estrutura salarial conforme demonstra esse mesmo autor na figura adiante. como recompensa. que isenta de todos os trabalhos da OPM. que devem ser especificados na concessão. Ninguém trabalha de graça. inclusive o de instrução.

fazendo com que ele não perca a visão sistêmica da Polícia Militar da Paraíba. Conforme Souza (2006). por outro lado. pois para o serviço público essa possibilidade torna-se quase que inviável. No caso da Polícia Militar. uma vez que cada policial militar conhece qual o seu grau de responsabilidade para o alcance dos resultados de sua organização. . além de tudo anteriormente citado. da necessidade de um bom resultado global. FONTE: Adaptado de Chiavenato (2008. Ajudas de custo. Seguro de vida. fardamento. deve-se atender uma série de requisitos que proporcionem ao servidor uma satisfação visando um bom desempenho de suas funções. p. Refeições subsidiadas. deve-se proporcionar aos policiais militares viaturas confortáveis e adequadas a cada tipo de terreno. a política de incentivos deve estar vinculada diretamente à prestação de serviços da Instituição. não desvinculando. não se condicionando apenas a prêmios financeiros. Sendo assim é certo que se tornará possível um maior comprometimento individual. Tais incentivos perpassam por uma política de salários justos.57 Remuneração Remuneração Básica Incentivos salariais Benefícios Salário mensal Gratificações. equipamentos de proteção individual. FIGURA 2 – Componentes da Remuneração do Servidor Público. etc. 279). equipamentos ergonomicamente adequados. Diárias. No entanto. armamento e munição apropriados. ambiente sadio e confortável. Plano de saúde.

o segundo componente da satisfação segundo o autor. Muitos profissionais que focam somente no salário. portanto. o terceiro componente citado pelo autor é a percepção. Outra ainda pode estar mais interessada num trabalho que seja divertido ou que ajude os outros. a segurança e a liberdade de criação.7 SATISFAÇÃO PROFISSIONAL Para Wagner III e Hollenbeck (2000) a satisfação no trabalho se dá de três formas: em primeiro lugar ele afirma que a satisfação é uma função de valores. assim mostra Wagner III e Hollenbeck (2000. Mas a experiência comprova: quando se trabalha com o que não se gosta ou não se aprende a gostar do que se faz. 121). o que dificulta o surgimento do novo. pois partir para o novo exige abandonar o conhecido. ignorar a apatia e a incredulidade. Uma pessoa pode valorizar mais a segurança no trabalho do que todo o resto.58 Ainda para Souza (2006). Para esse mesmo autor as inovações institucionais exigem. ou seja. Mesmo assim. Quando falta prazer no que se está fazendo ou não . é a importância que o indivíduo atribui aos valores por ele elencado. escolhas entre o previsível e o imprevisível. desejo e coragem de inovar. não por reflexão. 2. o medo e o desejo de mudar. pois toda mudança inicialmente envolve riscos e. não há remuneração suficientemente boa que compense o esforço desprendido. p. se mostram insatisfeitos com suas atividades laborais e costumam enxergar problemas no ambiente de trabalho. o serviço público encontra-se com suas estruturas acomodadas e políticas viciadas. Outra pode preferir um trabalho que permita viajar bastante. as outras duas podem encontrar pouca satisfação numa relação de emprego permanente. no relacionamento interpessoal com os colegas e chefes e muitas vezes com sua própria remuneração. se tornam uma difícil escolha para o gestor público. antes de tudo. ainda é comum encontrar profissionais direcionando sua vida profissional exclusivamente na busca de ótimos salários. Embora a primeira pessoa possa estar satisfeita com emprego a longo prazo. de questionar e de transgredir o que foi estabelecido muitas vezes por hábito e. é tudo o que uma pessoa deseja obter consciente ou inconscientemente.

atitudes.8 TEORIAS SOBRE MOTIVAÇÃO O cenário empresarial nos dias atuais tem permitido uma maior atenção a tema motivação humana. Sabe-se que a motivação é um fator relevante no desempenho das pessoas nas organizações. A motivação é um constructo hipotético utilizado para ajudar a compreender o comportamento humano. com vistas a descobrir e aproveitar o máximo de rendimento profissional de seus colaboradores. os gestores da Corporação policial paraibana devem procurar desempenhar como fator motivacional a valorização de seu público interno. despertando neles o querer fazer e o espírito de equipe. é comum ocorrer irritação e desgaste emocional. sendo assim o ideal mesmo seria conciliar carreira profissional com satisfação pessoal.59 existe identificação com a profissão escolhida. com vistas a causar-lhe mais satisfação no desempenho de suas atividades profissionais. personalidade e aprendizagem. Assim. p. Ela interage e atua em conjunto com outros processos mediadores e o ambiente. 2. é essencial uma investigação sistemática para examinar o nível de satisfação das policiais militares em relação ao seu contexto de trabalho. nota-se que tanto os profissionais quanto as empresas se mostram cada vez mais exigentes. 230). A motivação é um processo psicológico básico. a motivação não pode ser visualizada. momento em que os trabalhadores desejam maiores benefícios enquanto que as empresas procuram sempre obterem maiores rendimentos. entende-se que a Satisfação profissional é um fenômeno complexo e multivariado. a cada um de seus subordinados a chance de crescimento pessoal e profissional e oportunidades para assumirem novas responsabilidades. pois é certo que passamos boa parte de nossas vidas no ambiente de trabalho. Portanto o superior imediato deve dar. a motivação sobressai como um importante processo na compreensão do comportamento humano. Da mesma forma como ocorre com os processos cognitivos. Considerando a Polícia Militar da Paraíba como fonte geradora de estímulos externos . assim de acordo com Chiavenato (2004. Juntamente com percepção.positivos e negativos. Em suma. onde nas relações de trabalho hoje. fazendo com que se sintam aceitos e reconhecidos. vivenciado pelas pessoas como um estado comportamental derivado de fontes internas e externas. .

60

Sendo assim, para que melhor entenda-se o que vem a ser o termo motivação necessário se faz apresentar algumas teorias, visando com isso, dimensionar os vários conceitos advindos de renomados teóricos sobre o assunto, visto que para Chiavenato (2004), não existe um consenso sobre tal assunto, o que dificulta a aplicabilidade de tal conceito no cotidiano das organizações.

2.8.1 Hierarquia das necessidades de Maslow

Segundo o autor uma teoria sobre motivação bastante difundida na administração de empresas é a de Maslow. Teoria essa que se baseia na chamada hierarquia das necessidades tendo por base uma pirâmide onde são citadas as seqüências de necessidades do ser humano. Ele destaca que a teoria de Maslow se divide em duas classes que são as necessidades de baixo nível ou primária e as necessidades de alto nível ou secundária, onde a primeira corresponde as necessidades fisiológicas e de segurança, necessidades essas que são satisfeitas com estímulos externos, tais como: remuneração, permanência no emprego, condições de trabalho, e a segunda corresponde as necessidades sociais, de estima e de auto-realização que são intrínsecas. Para um melhor entendimento, o autor aponta as necessidades descritas por Maslow como sendo:

a) as necessidades fisiológicas ou biológicas exigem uma satisfação cíclica buscando garantir a sobrevivência do indivíduo, (alimento, repouso, abrigo, sexo, etc); b) necessidades de segurança também se encontram intimamente relacionadas a sobrevivência do indivíduo, (proteção, emprego, etc); c) necessidades sociais estão ligadas a vida associativa do indivíduo, (relacionamento, aceitação, amizade, compreensão, consideração, etc);

61

d) necessidades de estima são as relacionadas com a forma com que a pessoa se vê e se auto-avalia, (orgulho, auto respeito, progresso, confiança, status, admiração, etc); e) necessidades de auto-realização são as mais elevadas do ser humano, levando-o a se realizar e maximizando suas aptidões e capacidades, (autodesenvolvimento, auto-satisfação, independência financeira, etc). Como toda teoria, a de Maslow deve ser bem interpretada e considerada em todos os seus aspectos, uma vez que pode ser considerada relativa. Um indivíduo, por exemplo, que não tenha satisfeito ao menos razoavelmente suas necessidades primárias, pode dedicar-se quase que exclusivamente à auto-realização, como no caso de um artista visando sua obra prima. Em suma, esta teoria pode ser usada para explicar e até predizer o comportamento não só individual, como também o grupal, notadamente quando há um inter-relacionamento forte entre os integrantes do grupo, a nível do próprio grupo ou organização, seria mais interessante que os seus componentes estivessem motivados por necessidades de crescimento, o que implicaria obrigatoriamente no impulsionamento da organização a níveis de atualização e, conseqüentemente, de eficiência cada vez mais elevados.

Satisfação fora do trabalho
    Educação Crescimento Pessoal Passatempos Religião

Satisfação no trabalho Necessidades de Autorealização Necessidades de Estima
         Trabalho Desafiante Diversidade Autonomia Crescimento pessoal Participação nas Decisões Reconhecimento Responsabilidade Orgulho Promoções

 Aprovação de Família  Aprovação dos Amigos  Reconhecimento da Comunidade     Família Amigos Grupos Sociais Comunidade

Necessidades Sociais Necessidades de Segurança Necessidades Fisiológicas

   

Amizade dos Colegas Interação com os Clientes Chefia Amigável Camaradagem

       

Autonomia Liberdade Proteção contra Violência Abrigo Comida Água Sexo Sono e Repouso

 Trabalho Seguro  Permanência no Emprego  Proteção

   

Remuneração e Benefícios Horário de Trabalho Intervalos de Descanso Conforto Físico

FIGURA 03 – Pirâmide das necessidades de Maslow e suas implicações FONTE: Chiavenato (2004)

62

2.8.2 Teoria ERC de Alderfer

Ainda em Chiavenato (2004) vê-se a teoria de Alderfer, conhecida como teoria ERC. Esse teórico substituiu as cinco necessidades apresentadas por Maslow por apenas três, que correspondem a sigla de sua teoria, “Existência, Relacionamento e Crescimento”. As necessidades de existências segundo o teórico apresentado pelo autor estão relacionadas ao bem-estar físico, onde inclui as necessidades fisiológicas e de segurança ditas por Maslow. As necessidades de relacionamento são as que dizem respeito as relações interpessoais, ao nível de sociabilidade do indivíduo, correspondendo as necessidades sociais e aos componentes extrínsecos das necessidades de estima de Maslow. As necessidades de crescimento equivalem a imprescindível vontade que o ser humano tem de se desenvolver profissional e pessoalmente, engloba além dos componentes intrínsecos da necessidade de estima de Maslow, também a necessidade de auto-realização. Confrontando-se então as duas abordagens vê-se que Alderfer resumiu a teria de Maslow a três necessidades, onde elas podem estar atuando simultaneamente, aumentando o desejo de satisfação da necessidade de nível mais baixo quando a de nível mais alto for reprimida, sua teoria não apresenta tanta rigidez hierárquica quanto a de Maslow quando afirma que a necessidade seguinte será alcançada se a anterior for atingida. Nota-se então, que na abordagem de Alderfer, as pessoas são movidas a elas e as necessidades mais elevadas tendem a ficar em segundo plano, sobre essa comparação Chiavenato (2004, p. 229) diz que:

elevam a satisfação e quando precário não provocam nenhuma satisfação. são eles: a) os motivacionais são fatores intrínsecos. Este quando ótimo. quando apresenta a teoria dos dois fatores de Herzberg. 2. A hierarquia de Maslow segue uma progressão rígida em etapas consecutivas. 4. enquanto a ERC não assume a existência de uma hierarquia rígida. p. Uma pessoa pode estar orientada para o crescimento. e todas essas necessidades podem estar atuando simultaneamente. Alderfer substituiu as cinco necessidades básicas de Maslow por apenas três. o desejo de satisfazer outra de nível mais baixo deverá aumentar. Quando uma necessidade de nível mais alto é frustrada. salário.8. São fatores satisfacientes. . Muitas pessoas comem demais quando estão ansiosas ou frustradas em suas necessidades mais elevadas. em que uma necessidade de nível mais baixo tem de ser satisfeita antes de se seguir adiante. relação com supervisor. a responsabilidade. b) os higiênicos são fatores extrínsecos e diretamente relacionados as condições de trabalho (físicas e ambientais). Herzberg em sua teoria mostra que são dois os fatores que influenciam a motivação. 240). Não elevam a satisfação. A incapacidade de satisfazer a uma necessidade de interação social pode aumentar o desejo de ganhar mais dinheiro ou de ter melhores condições de trabalho. administração da empresa. 5.63 Existem algumas diferenças entre a abordagem de Maslow e a Alderfer. 3. 1. ao progresso profissional. cresce o desejo de atender a uma necessidade de nível baixo. apenas evita a insatisfação. por isso são denominados fatores insatisfacientes. estão relacionados ao trabalho em si. pois quando são ótimos. A frustração pode levar a regressão e ativar uma necessidade de nível mais baixo. a existência e o relacionamento ao mesmo tempo e em qualquer seqüência. 2. a realização pessoal. Se uma necessidade de nível mais alto for reprimida. Assim demonstra Chiavenato (2004.3 Hierarquia dos dois fatores de Herzberg Como destaca Chiavenato (2004). A teoria ERC tem uma dimensão de frustração-regressão. Mais de uma necessidade pode ser ativada ao mesmo tempo. benefícios sociais. ao reconhecimento.

pode-se notar que teorias de Maslow e Herzberg. McClelland destaca aquilo a que denominou de necessidades adquiridas. decidir e de influenciar ou ser responsável pelo desempenho dos outros. estima e auto-realização. que são aquelas em que as pessoas desenvolvem com a sua experiência ao longo da sua vida. (fisiológicas. identifica-se uma correlação entre as constatações de Herzberg e o conceito da hierarquia de necessidades de Maslow. nesta sua teoria. os fatores motivadores estão diretamente relacionados aos dois níveis mais altos.8. Para ele. momento onde o autor mostra que os fatores higiênicos apresentados por Herzberg referem-se a necessidades básicas do indivíduo mostrada por Maslow. em particular às necessidades de segurança. o desejo de controlar. o oposto de satisfação não é a insatisfação. mas nenhuma satisfação.]. de segurança e parte das sociais). . Da mesma maneira. Enquanto que os fatores de manutenção se equivalem às necessidades dos níveis mais baixos. o oposto de insatisfação não é a satisfação. Para o autor. 2. De pronto.. auto-estima e auto realização). colocando em destaque três motivos ou necessidades básicas na dinâmica do comportamento humano.64 Herzber chegou a conclusão de que os fatores responsáveis pela satisfação profissional são totalmente desligados e distintos dos fatores responsáveis pela insatisfação.4 Teoria das necessidades adquiridas de McClelland Como mostra Chiavenato (2004) a Teoria das Necessidades de McClelland é uma das muitas teorias que procuram explicar as motivações dos trabalhadores através da satisfação das suas necessidades. apresentam alguns pontos de concordância. enquanto que os fatores motivacionais de Herzberg referem-se a necessidades secundárias ditas por Maslow. Cada um dos fatores tem uma dimensão própria. Sendo assim. isto é. [. Segundo McClelland as necessidades humanas são as seguintes: a) a necessidade de realização.. (parte das sociais. mas nenhuma satisfação. que traduz o desejo da pessoa em atingir objetivos que representem desafios em fazer melhor e mais eficientemente. b) a necessidade de poder. à medida que interagem com os outros e com o seu ambiente.

de um desafio. Ainda para o autor. na visão de Chiavenato (2004. p.8. segundo o que demonstra McClelland. no entanto. tendem a estabelecer metas de realização moderadas e assumem riscos calculados. as pessoas desenvolvem padrões únicos de necessidades que afetam seu comportamento e desempenho. sua forma de atuação. prevalecendo apenas uma delas definindo assim. ou seja. Como as necessidades são aprendidas. Têm. todas as pessoas possuem três tipos de necessidade.65 c) a necessidade de afiliação. Essas três necessidades são aprendidas e adquiridas ao longo da vida como resultado das experiências de cada pessoa. o comportamento recompensado tende a repetir-se com mais freqüência. 242). querem responsabilidade pessoal pelas conseqüências. a teoria da Eqüidade de Stacy Adams destaca a percepção do indivíduo sobre a razoabilidade e a justiça relativa numa situação de trabalho. Como resultado desse processo de aprendizagem. momento em que compara seu desempenho e benefícios adquiridos como o de outra pessoa em situação análoga. esta teoria se manifesta e se baseia no critério que as pessoas têm sobre a recompensa que recebem em comparação com as recompensas que as outras pessoas recebem pelo mesmo serviço ou pelos mesmos resultados. Diz Chiavenato (2004.5 Teoria da eqüidade de Stacy Adams Para esse mesmo autor. em geral tem as características de assumir riscos moderados. 243) a Teoria da Eqüidade. que representa o desejo de manter relações pessoais estreitas e de amizade. . forte necessidade de retroinformação sobre o quão bem estão se desempenhando e possuem perícia em planejamento de longo prazo e capacidade organizacional 2. mesmo que em diferentes graus. p. Em suma os autor mostra que as pessoas orientadas para realização. também.

experiência.. decorrem três estados possíveis: equidade. tais comparações podem ser vistas sobre diversos aspectos como o salário ou outros. o desafio e a retroação sobre o desempenho das pessoas”. tal teoria segundo Chiavenato (2004.. pois tenta explicar a motivação humana. 2. Elas percebem o que recebem do trabalho – como resultados – em relação ao que dão a ele – como entradas – e comparam essa relação resultadosentradas com a relação resultado-entradas de outras pessoas relevantes. passando pelas maneiras e os métodos utilizados na análise comparativa. [. Essa teoria ainda segundo o autor. Quando ocorre a percepção de que essas relações são desiguais. iniqüidade negativa e iniqüidade positiva. as pessoas experimentam uma tensão negativa que conduz à necessidade de uma ação corretiva no sentido de eliminar quaisquer injustiças. . Deve-se então entender que tudo deve ser analisado. p. reconhecimento – e o das outras pessoas. haverá uma melhora no desempenho da pessoa em relação aos objetivos mais fáceis. Quando mais difícil for o objetivo a ser alcançado e havendo a aceitação do mesmo. aumenta-se a tensão.6 Teoria da definição de objetivos de Locke Já quando o autor descreve a teoria da Definição de Objetivos de Edwin Locke. como remuneração.8. tendo como forma de resolução desse problema a mudança de comportamento. quando uma pessoa se sente injustiçada. competência. aumentos. 246) surgir “para avaliar o impacto da especificação do objetivo. e os resultados obtidos. não renega a teoria das necessidades. educação. acrescentando uma perspectiva própria quando realiza a comparação entre desempenhos e benefícios. Quando essa comparação produz uma percepção de que essas relações são iguais. como esforço. desde as diferenças existentes entre os indivíduos. Em suma.]. Assim.66 É a primeira das teorias de motivação relacionadas com o processo motivacional. Foi desenvolvida por Adams e se baseia na comparação que geralmente as pessoas fazem a respeito de suas contribuições e de suas recompensas em relação às contribuições e recompensas dos outros. esse afirma que a maior fonte de motivação humana é o momento em que o indivíduo luta pelo alcance de um objetivo. dizemos que existe um estado de eqüidade. o que se entende é que segundo esta teoria. As pessoas fazem comparações entre seu trabalho – as entradas.

. pois conforme demonstra Chiavenato (2004) quando descreve esta teoria. O dinheiro não deve ser o único motivador. Assim. mas deve ser aplicado juntamente com os outros três métodos a seguir. [. Esse mesmo autor afirma que de acordo com a teoria de Vroom. p. [..]. mostra que os indivíduos possuem determinadas expectativas e esperam ser recompensadas por sua ações. Redesenho de cargos e de tarefas para proporcionar maior desafio e responsabilidade às pessoas. Participação na tomada de decisões e na definição de objetivos. Definição de objetivos. como salário. 2.. 246-247). É também denominada teoria da expectativa e parte do pressuposto de que as necessidades humanas podem ser satisfeitas por meio do seu engajamento em certos comportamentos.]. são eles: 1. existem quatro métodos básicos para motivas as pessoas descritas na teoria da definição de objetivos de Locke. denominada Teoria da Expectância. reconhecimento.8.. Dinheiro. momento em que concedem seu esforço profissional visando ser recompensado. Para esse mesmo autor a teoria de Vroom é baseada em uma visão econômica do indivíduo. cit. fazendo com . para Chiavenato (2004. as pessoas são motivadas no momento em que acreditam poder dar cumprimento a determinada tarefa que lhe é atribuída. Ela se baseia na proposição aparentemente simples de que as pessoas optam por aqueles comportamentos que julgam que as levarão a resultados (recompensas. loc. sucesso) que lhes são atrativos (que entendem às suas necessidades específicas). 3. 4. momento em que vê as pessoas como seres individuais com vontades e desejos diferentes relativos ao seu lado profissional. tendo como resultado final as recompensas que neste caso são maiores do que o esforço realizado pelo indivíduo.7 Teoria da expectância de Vroom No entanto. para esta pesquisa a teoria que mais se adéqua foi a desenvolvida por Vroom. o que o leva a se motivar para desempenhar com zelo o seu mister.67 Para Chiavenato. A explicação sobre como as pessoas escolhem entre um conjunto de comportamentos alternativos é chamada teoria da expectativa. 2. entendido como resultado intermediário..

os indivíduos fazem escolhas baseados em seus ideais de recompensa não obtidos ainda. são eles: a) Comportamento é motivado por uma combinação de fatores do indivíduo e do ambiente. caso contrário. No entanto. e por fim. c) instrumentalidade: é a relação entre o desempenho e a recompensa. os trabalhadores acreditam que seus esforços irão levá-los aos resultados desejados. b) expectativa: o conjunto de esforços para o primeiro nível de resultados. será negativa. o que dificulta a sua validade. o indivíduo sabe o que se espera dele e passa a se comportar de maneira esperada. várias as críticas foram formuladas em relação a teoria da expectância. d) Os indivíduos decidem entre alternativas de comportamentos baseados em suas expectativas de quando um determinado comportamento levará a um resultado desejado. uma vez que suas ações são previamente . Em Chiavenato (2004) é mostrado que o idealizador desta teoria definiu pressupostos sobre os comportamentos dos indivíduos nas organizações. é o valor subjetivo relacionado a um incentivo ou recompensa.68 que tomem decisões selecionando o que a seu ver é a melhor escolha para aquele momento. em outras palavras. c) Os indivíduos têm necessidades. Dentro dessa visão teórica. onde essa devem estar inseridas em um período de tempo médio para que haja uma relação desempenho-recompensa e esta deve ser justa. porém todos entendem que tal teoria é considerada racional. Caso seus esforços forem devidamente recompensados teremos uma relação positiva. b) Os indivíduos tomam decisões sobre seu comportamento na organização. desejos e objetivos diferentes. O autor ainda mostra que os componentes principais desta teoria são: a) valência: a força do desejo de um indivíduo para um resultado particular. por entender alguns estudiosos que essa teoria não foi exaustivamente testada de maneira empírica.

Para o autor as conseqüências tornam-se positivas sempre que o indivíduo sentir prazer com a sua própria performance. Sobre isso afirma Chiavenato (2004.69 calculadas e pesadas. enquanto o comportamento que é punido tende a ser eliminado. aumentam a probabilidade de que aquele comportamento se repita. enquanto o comportamento que proporciona um resultado desagradável tende a não se repetir. Para ela. O comportamento é uma função de suas conseqüências. o que controla o comportamento são os reforços – tomados como qualquer conseqüência que. quando seguem imediatamente uma resposta. Se a conseqüência é positiva e favorável. a teoria do reforço. 2. 251). 251). . pois segundo Chiavenato (2004.8 Teoria do reforço de Skinner No tocante a teoria do reforço desenvolvida inicialmente por Skinner.8. Skinner defende mesmo que o comportamento das pessoas pode ser controlado e informado por longos períodos de tempo sem que estas se apercebam disso. inclusivamente sentindo-se livres. p. pois nem todos os fatores que influenciam na motivação pessoal tiveram relevância no processo. ele é reforçado. Chiavenato (2004) retrata que as ações com conseqüências positivas sobre o indivíduo que as pratica tendem a ser repetidas no futuro. p. Ainda segundo Chiavenato (2004). As premissas básicas dessa teoria estão baseadas na lei de Thorndyke: o comportamento que proporciona um resultado agradável tende a se repetir. A teoria do reforço visualiza o comportamento como causa do ambiente sem se preocupar com os eventos cognitivos internos. o comportamento das pessoas pode ser influenciado e controlado através do reforço (recompensa) dos comportamentos desejados e ignorando as ações não desejadas (o castigo do comportamento não desejado deve ser evitado na medida em que tal contribuiria para o desenvolvimento de sentimentos de constrangimento ou mesmo de revolta).

buscar um equilíbrio entre as vidas pessoais e profissionais. um motivo. ou motivos. Fica a questão de cada um analisar-se internamente e alcançar resultados intermediários com vistas a conduzi-lo ao resultado final e a conseqüente satisfação que o levará a motivar-se. Em outras palavras. pois cada pessoa tem um jeito de lidar com as frustrações e conquistas. levando-o a agir no sentido de satisfazer suas necessidades como as vê. . ninguém é motivado pelo que os outros julgam que deveria ser. o comportamento pode ser influenciado e determinado pela gestão das recompensas a ele associadas. 2. as teorias aqui apresentadas ajudam a perceber e entender melhor sobre o conceito de motivação. as pessoas atuam da forma que acham mais gratificante e recompensadora. ou seja. ou seja. É o resultado direto de estar motivado. Em sendo o comportamento controlado por suas conseqüências. é fortalecido ou enfraquecido pelos eventos que se seguem ao comportamento. pois este aborda a motivação profissional. tido como operante. ao conceito de condicionamento operante desenvolvido por Skinner. Muitos pensamentos são validos nesta questão de definir qual sua motivação. devendo com isso. o comportamento. agem sobre o indivíduo. Ela esta ligada com a satisfação. Há de merecer especial atenção. segundo.9 MOTIVAÇÃO NO TRABALHO A idéia de motivação no trabalho parte do fato de que todo comportamento humano tem uma causa.70 Ainda segundo esse mesmo autor alguns autores defendem a modificação do comportamento organizacional que consiste na aplicação da Teoria do Reforço aos esforços para a mudança nas organizações e assenta em dois princípios basilares: utilizar o princípio do reforço como forma de encorajar o comportamento desejável e desencorajar o indesejável. É certo que é necessário que se entenda e aceite-se as diferenças dos indivíduos. Estas causas. o condicionamento depende do que acontece depois que o comportamento termina. pelo entendimento de que sua utilização pode influenciar e mudar o comportamento de trabalho. por suas conseqüências. Em suma. De acordo com o autor.

Em função disso. Analisando a reflexão do autor. esta dentro de nós. entende-se que quando a Corporação oferece mecanismos que estimule os verdadeiros desejos do indivíduo.71 mas pelos motivos que o próprio indivíduo possui. Assim mostra Vergara (2007. Se você ainda acrescentou que ela nós é. Mas o que é motivação? Se sua definição foi no sentido de explicar que motivação é uma força. encorajando a colaboração espontânea e estimulando a motivação interior. O incentivo que impulsionará essa ação pode ser provocado por estímulos externos (ambiente) ou internos (necessidades. isto é. desejos do indivíduo). Policial Militar Necessidade (desejo) Tensão Desconforto Estimulo (causa) Objetivo Comportamento FIGURA 4 – Modelo básico de motivação FONTE: Adaptado de Chiavenato (2008. absolutamente. uma energia que nos impulsiona na direção de alguma coisa. . incentivando-o. e tenta satisfazer. 42). é possível que o colaborador se transforme em um profissional motivado. O sistema procura criar condições sob as quais as pessoas trabalhem de bom grado e voluntariamente para alcançar os objetivos da Organização. O comportamento individual é a resultante da motivação individual. intrínseca. Sobre esse assunto afirma Vergara (2007. p. entende-se que motivação nada mais é do que tudo aquilo que impulsiona o individuo a agir de uma determinada forma. 42). ou acredita que possui. estamos de acordo. nasce de nossas necessidades interiores. 65). p. sua formulação foi mais completa. p.

58-59). mas que mesmo assim a sua fonte é mesma para todos. todas as vezes que o profissional se vê diante da ameaça de não ser atendido em . e) Aqueles com os quais se interage e dos quais se depende assumem suas responsabilidades. d) É possível sentir que os problemas humanos são tratados com a devida consideração. militar ou civil. Tudo o que os de fora pode fazer é estimular. havendo a preocupação em se fazer pelos demais aquilo que se acredita ser o melhor para eles. isto é. incentivar. o que corresponde a valores pessoais diferentes. seja qual for a natureza da empresa. pp. Ninguém motiva ninguém. Em termos práticos. Dito de outra maneira. entende-se que cada indivíduo tem desejos e necessidades diferentes. Desta forma. fora.72 Não podemos dizer que motivamos os outros a isso ou aquilo. Para Bergamini (2008. b) Os talentos pessoais e os pontos positivos dos serviços individuais são considerados como fontes indispensáveis para resolução das dificuldades existentes e alívio dos problemas alheios. a diferença entre motivação e estimulo é que a primeira esta dentro de nós e segunda. uma história diferente que condiciona suas motivações. havendo seriedade de intenções em solucionar as queixas legítimas. c) A convivência das pessoas se desenrola num clima de sincera honestidade. as pessoas que buscam participação segundo o seu estilo de comportamento motivacional sentir-se-ão mais facilmente levadas a agir quando o meio ambiente oferece as características relacionadas a seguir: a) Existe oportunidade de se adotar uma orientação que leve em conta as pessoas. enfim. esteja fortalecido o grupo de trabalho no qual cada participante sinta a importância da sua contribuição para o desenvolvimento dos demais. formação profissional diferente. ou não. Nós é que nos motivamos. procurando dar o melhor de si para fazerem por merecer a confiança que lhes é atribuída. provocar nossa motivação.

portanto visivelmente desencorajadas a agir. suas necessidades. que interfere no estado psicológico do indivíduo ocasionando várias reações no seu comportamento e se essa necessidade não saciada o resultado será de stress. Em Chiavenato. 2. Da mesma forma. depara-se inevitavelmente com uma situação de ameaça e de destruição da sua própria individualidade.73 suas expectativas motivacionais. nervosismo. desistirão de procurar fórmulas mágicas ou medidas impessoais no afã de conseguirem motivar seus colaboradores. podemos dizer que a motivação surge através de uma necessidade. o processo do qual eles resultam é. pois quando o indivíduo tem seus anseios atendidos ou não. e assim por diante. etc. basicamente.9. (2008. dentro de si seus potenciais motivacionais. o processo que dinamiza o comportamento é mais ou menos semelhante para todas as pessoas. suas pulsões e seus desejos. vamos encontrar o seguinte esclarecimento. quando o meio em . Em outras palavras. embora os padrões de comportamento variem. Apesar de todas essas diferenças. Portanto. As pessoas são diferentes no que tange a motivação: as necessidades variam de individuo para individuo. as necessidades. As pessoas trazem. Se as organizações estiverem devidamente atentas para esse aspecto. p. Para complicar mais ainda. 64). mas ser capaz de desmotivar os outros pelo desrespeito à sua diferença individual de estilo motivacional. desmotivação. Os valores sociais também são diferentes. as capacidades para atingir os objetivos são diferentes. Parece um paradoxo o fato de não se conseguir motivar quem quer que seja. os valores sociais e as capacidades variam no mesmo individuo conforme o tempo. insatisfação.1 Condições restritivas ao ato motivacional As pessoas que se orientam pelo norteador da participação sentir-se-ão desconfortáveis. produzindo diferentes padrões de comportamento. poderão evitar muitas medidas de caráter geral que tomam e que podem ser consideradas como altamente desmotivantes. então. o mesmo para todas as pessoas. coloca em xeque os maiores ou menores níveis de satisfações motivacionais.

o carburador sairá perfeito e o consumidor nunca saberá quem o montou. o trabalho é valorizado pelo seu resultado. aplicar uma injeção num paciente em um hospital é um tipo de trabalho profundamente diferente de montar um carburador numa fábrica. não podendo confiar naquilo que é dito. p. que não são levados devidamente a sério: pelo contrário. e as considerações humanitárias da qualidade de vida no trabalho. Fazendo um contraste bastante simples. quando se lida com a qualidade do serviço como uma questão organizacional. detestar o emprego com grande intensidade e pode sentir-se muito ressentido em relação à administração e à empresa. e tudo o que se pode obter como retorno de esforço pessoal são bens tangíveis. os indivíduos sentem-se com freqüência colocados em ridículo por causa das dificuldades que enfrentam. contribuindo para que somente os mais espertos sejam reconhecidos e apreciados por sua astúcia em levar a melhor (grifo do autor). como demonstra Albrecht (1997. d) há alguém levando vantagem sobre outras pessoas. o problema de motivação está se tornando particularmente sério neste momento. No entanto. como pagamento ou prêmios materiais pelo que foi feito. Ignorando os efeitos colaterais em termos de produtividade e relações de trabalho. isto é. e) a irresponsabilidade e a falta de princípios imperam. e precisa estar sempre alerta contra o outro. e ninguém parece estar interessado em contribuir para o desenvolvimento de cada um em particular ou do grupo como um todo. b) não são conhecidas nem valorizadas as boas intenções. a pessoa se vê obrigada a interagir com os demais de forma insincera. e as “famosas panelinhas” desvirtuam os reais problemas pessoais. Para esse mesmo autor. c) para poder sobreviver. 97): a) a impessoalidade impera no relacionamento entre as pessoas. O empregado que monta o carburador pode não gostar de carburadores. se ele simplesmente seguir as instruções da tarefa ao pé da letra.74 que estão apresenta as seguintes características. os sentimentos e .

Simplesmente não seria normal. Imaginemos agora um policial militar irritado. desmotivada com o trabalho. os sentimentos negativos acabariam vindo à tona. exasperada com a administração do hospital. Se a enfermeira estiver irritada. O paciente está muito atento para a interação pessoal. podem-se comparar os procedimentos comportamentais de um policial militar no exercício de suas funções institucionais com o exemplo da enfermeira. frustrado. explodindo na comunidade que paga impostos e tem o direito de não ter medo. esgotada. otimismo e bom humor ao lidar com os pacientes. conforme assegura a Constituição da República Federativa do Brasil. a garantia dos direitos sociais e individuais pela preservação da Ordem Pública e a segurança dos cidadãos. e isso constitui um evento tanto psicológico quanto físico. mais cedo ou mais tarde. frustrada. esgotado. ou assistente. que enfia uma agulha no braço de alguém está numa situação muito diversa. mas sim. Mas a enfermeira.75 as motivações do trabalhador não exercem impacto significativo sobre as percepções do consumidor do produto. . ou se sentindo prejudicada em termos de qualidade de vida no trabalho. desmotivado com o trabalho. Com essas considerações. Ela está interagindo diretamente com o cliente. será praticamente impossível para ela manter um alto nível de energia.

p. 3. . tendo como objetivo principal o aprimoramento de idéias ou a descoberta de intuições. a quanti-qualitativa. objetivando com isso se obter a melhor compreensão do tema a ser estudado. Será utilizado para fins de doutrina de uma política de incentivo profissional para os policiais paraibanos. [. tem o intuito de tornar o problema a ser pesquisado mais explícito. Em suma. Recomenda-se o estudo exploratório quando há poucos conhecimentos sobre o problema a ser estudado. ou seja.]. A pesquisa exploratória realiza descrições precisas da situação e quer descobrir as relações existentes entre os elementos componentes da mesma. por se entender que a mesma proporciona maior familiaridade com o problema. Para tanto. segundo Appolinário (2004) pode-se definir tal pesquisa como sendo o processo pelo qual a realidade é investigada. O estudo foi centrado nas Unidades operacionais da Região Metropolitana de João Pessoa.76 3 REFERENCIAL METODOLÓGICO E PROCEDIMENTOS Buscou-se. analisar a percepção que os oficiais da PMPB possuem sobre a política de incentivos que é adotada pela Corporação policial paraibana.. Tais estudos têm por objetivo familiarizar-se com o fenômeno ou obter nova percepção do mesmo e descobrir novas idéias. 69). facilitar a interpretação dos dados colhidos. assim como.. ao longo da realização desta pesquisa quanti-qualitativa.. Com esse instrumento técnico foi então possível. [.. ela é do tipo exploratória. analisa e discutir a atual legislação que trata de tal política. foi utilizado o como método o dedutivo e o tipo de pesquisa.].1 TIPO DE PESQUISA De acordo com os objetivos gerais da pesquisa. Para Cervo e Bervian (2005. através de levantamento bibliográfico. as manipulações analíticas através das quais o investigador procura assegurar para si condições vantajosas de observação dos fenômenos. ou ainda. por se entender que esta melhor associa as análises estatísticas com as investigações dos significados das relações humanas.

livros e os documentos que doutrinam a política de incentivos nas Polícias co-irmãs. Essa Pesquisa certamente oferece elementos para a compreensão da problemática da atual política de incentivos aplicada aos profissionais envolvidos diretamente com a atividade fim na PMPB. ou seja. Brodeur (2002). quando o problema é pouco conhecido. estudo prospectivo. consequentemente. podendo com isso nos subsidiar com os fundamentos necessários para uma reflexão do seu significado e dos problemas que vem acarretando para o desempenho dos profissionais envolvidos e. É conveniente mencionar como fonte de estudo e fundamentação teórica bibliografias de diversos doutrinadores renomados que possuem obras relacionadas ao tema em estudo. Assim Appolinário (2004. Alecian e Foucher (2007). tais como: Althusser (1983). Chiavenato (2001). p. II. devidamente guardadas as diferenças regionais. que contemple uma forma doutrinária a ser empregada em todo o Estado como um condicionante desta formulação. Albuquerque (1996). Barros e Prates (1996). 87) diz: I. ou de um problema de pesquisa ainda não perfeitamente delineado. a formulação de uma política de correto emprego para esta atividade. Estudo preliminar. 3. Estudo que tem por objetivo aumentar a compreensão de um fenômeno ainda pouco conhecido. quando as hipóteses ainda não foram claramente definidas. que são muito significativas no que tange à conclusão de uma forma correta de implantação de uma política de incentivo para PMPB. os estudos exploratórios são normalmente o passo inicial do processo de pesquisa. Cruz .77 Ainda para esse autor.2 FONTES As fontes utilizadas para a pesquisa consistem na consulta aos manuais. Tais estudos não elaboram hipóteses a serem testadas no trabalho. estamos diante de uma pesquisa exploratória. Sendo uma das formas de pesquisa descritiva. restringindo-se a definir objetivos e buscar maiores informações sobre determinado assunto.

3. que nem sempre podem ser denominadas como tal. segundo informações prestadas pela 3ª Seção do Estado Maior Geral (PM/3).3 AMBIENTE E SUJEITO DE PESQUISA A pesquisa foi realizada nas Unidades Operacionais da PMPB em João Pessoa – PB.3. com uma gama enorme de situações. . Sandes (2001). 3. o Estatuto da Polícia Militar da Paraíba e legislações equivalentes utilizadas pelas forças armadas e pelas Polícias co-irmãs. bem como pelo questionário de pesquisa. Rico e Salas (1992). Lima (2000). ou seja. Trosa (2001). em sua rotina de trabalho. Santos (1997). existem 592 Oficiais na ativa e prestando serviço nas diversas Diretorias. assim como.1 Universo Na Polícia Militar da Paraíba. Kotter (1997). Portanto.78 (1994). com todos os tipos de ocorrências policiais. a escolha de policiais militares que ao longo de sua carreira estão lotados nos Batalhões Operacionais da Polícia Militar constituiu-se num critério fundamental para o trabalho de campo. o policial que ali trabalha e tem a possibilidade de lidar. onde foram entrevistados Oficiais da Polícia Militar de ambos os sexos. mas afluem cotidianamente no policiamento e na segurança pública como um todo. e que estejam diretamente ligados à atividade fim na Polícia Militar da Paraíba. Unidades e Subunidades da Corporação.

assim como. enquanto que do 7° BPM foram entrevistados 17 Oficiais ali lotados. devido a amostra ter ficado muito próxima da população. do 5º BPM foram os 22 Oficiais lotados naquela Unidade. os 94 Oficiais pertencentes ao Quadro de Oficiais Combatentes (QOC) pertencentes ao efetivo dos Batalhões Operacionais da Região Metropolitana da Capital. No que diz respeito ao efetivo atual de Oficiais da PMPB.3. seu lugar na hierarquia da organização. das informações colhidas nos questionários. assim como.4 INSTRUMENTOS Sendo a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo as principais fontes. os Oficiais que não pertençam ao Quadro de Oficiais Combatentes. tiveram contato sistemático com a atividade fim e que possuam mais de dez anos de efetivos serviços. os instrumentos de coletas de dados foram o fichamento de informações retiradas das referências e dos documentos oriundos das co-irmãs. ao longo de sua carreira profissional. Não foram envolvidos na pesquisa os Oficiais do Comando Geral e dos Batalhões Operacionais do interior do Estado. 55 Oficiais foram submetidos ao questionário.79 3. realizado cálculo para amostragem. optou-se por entrevistar parte do universo baseado em João Pessoa. a ocupação e o setor em que trabalha na Corporação. 3. objetivando a otimização do estudo realizado. foram excluídos de imediato os policiais que se encontram em curso e os que tenham menos de dez anos de efetivos serviços na Corporação. Optou-se por entrevistar apenas policiais militares que.2 Amostra Para efeito dos objetivos propostos neste trabalho. Assim sendo. ou seja. sendo: do 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM). através das fichas contendo registros de dados documentais . levando-se em conta a geração à qual pertence. Não sendo então. achou-se por bem entrevistar todo o efetivo de Oficiais combatentes pertencentes ao efetivo das Unidades Operacionais da Região Metropolitana. Dessa forma.

3. Ambiente de Trabalho. os quesitos de 6 a 11. dividido em 8 blocos. Incentivos Profissionais. que corresponde aos quesitos de 1 a 5.5 PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS No trabalho de campo. Foi também aplicado um questionário com componentes dos Batalhões Operacionais da PMPB. que se encontram hoje sendo empregados na atividade fim da PMPB. Papel e Imagem. de 27 a 40. foram selecionados aleatoriamente policiais dentre os Oficiais. os que vão de 12 a 20. Vida Profissional.6 PROCEDIMENTO DE ANÁLISE DE DADOS Os dados secundários coletados estão dispostos em fichas bibliográficas. correspondendo aos quesitos que vão do 50 ao 60. foram realizadas anotações das considerações e comentários pertinentes expostos por cada autor. Para este estudo. tem-se uma noção de como separar os assuntos que compuseram o desenvolvimento do estudo. foram realizadas observações in loco da rotina diária desses profissionais no desempenho de suas atividades. tem-se uma visão mais dinâmica do tema proposto de acordo com a óptica de diversos doutrinadores. os quesitos 41 e 42. foi utilizada a aplicação de um questionário. de 21 a 26. são ele: Perfil do Policial Militar.80 necessários ao desenvolvimento e fundamentação do estudo. de 43 a 49 e por fim a Influência de Sua Profissão em sua Vida Privada. Assim sendo. foram observados os critérios utilizados por cada autor no que se refere à disposição dos assuntos. 3. onde foram aprofundadas questões relativas à política de incentivos do profissional de segurança pública do Estado. Motivação e Satisfação. como também. objetivando . Esse instrumento contém 60 quesitos de múltipla escolha. Estrutura Organizacional. Após a coleta dos dados e leitura crítica e interpretativa das fontes. Após a organização das fichas.

enquanto que e as informações colhidas na pesquisa de campo proporcionaram uma visão atualizada da percepção do tema investigado através da tabulação e análise dos dados obtidos pelos questionários aplicados. tornou-se possível a observação dos fatos e/ou fenômenos cujas causas se desejem conhecer. O método utilizado para a análise de ambos os dados consistiu no método indutivo. a leitura dos documentos selecionados para a pesquisa objetivou uma primeira aproximação do pesquisador com a literatura que aborda o assunto investigado. ou seja. Sendo assim. A presente pesquisa. utilizou-se da técnica de análise de conteúdo como forma de efetuar inferências sobre as mensagens inventariadas e sistematizadas.81 relacioná-las entre si. o indivíduo é ligado ao social. considerando os objetivos propostos. confrontando-a com os documentos que tratam da política de incentivos da PMPB e das co-irmãs. Dessa forma. Dessa forma. . pois através dele. foi possível desenvolver uma análise fundamentada e expor considerações pessoais. a outros autores e à legislação pesquisada. procurando sempre articular o discurso por não ser considerado apenas como um produto ligado a uma situação interativa específica. partindo de princípios particulares e chegando à generalização como um produto posterior do trabalho de coleta dos dados particulares.

82 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 4. se for o caso e buscar nas melhores políticas de incentivo profissional das polícias co-irmãs subsídios para efetivar sugestões para a PMPB. visando responder a questão problema a ela vinculada. Resultados estes são gerados a partir do tratamento das informações e dados colhidos e da sua discussão. os resultados obtidos.1 ANÁLISE DOS DADOS O objetivo deste estudo foi analisar a percepção dos militares estaduais paraibanos acerca da atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba. objetivando uma melhor compreensão dos resultados. a partir do conjunto de dados levantados durante todo o processo de pesquisa. serão apresentados. A partir da revisão de literatura. a ser respondida neste estudo. onde serão apresentados em sub-tópicos. neste tópico. estando todos em harmonia com o objetivo do trabalho. verificar a importância de se ter uma tropa motivada para a consecução dos serviços destinados à sociedade. com a finalidade de apresentar e discutir os resultados obtidos. operacionalizado pelos seguintes objetivos específicos: descrever a atual política de incentivos aplicada aos policiais militares paraibanos. é saber qual a percepção dos oficiais em relação a política de incentivos destinada aos policiais militares paraibanos? O presente capítulo foi desenvolvido de acordo com a metodologia apresentada. . A principal questão. em consonância com a mesma. criticar a atual legislação que trata da política de incentivos empregada pela Polícia Militar da Paraíba e propor os ajustes necessários.

A análise dos resultados foi procedida após tabulação e apresentação dos resultados sobre a forma de tabelas e gráficos com o auxílio do software Microsoft Excel 2007.1. d) os resultados de cada pergunta feita aos sujeitos de pesquisa serão dispostos em um único bloco. 220). Ao elaborar um .2 Resultados Obtidos a partir da Aplicação do Questionário Para Santos (2002. oficiais intermediários e Oficiais subalternos. c) dentro de cada sub-bloco estão dispostos os resultados de cada pergunta nele contida. não controlado (laboratório). Para uma melhor compreensão. p. pesquisa de campo é “qualquer pesquisa realizada em ambiente natural (campo). os resultados estão agrupados da seguinte forma: a) separados em três blocos: oficiais superiores. “o questionário se caracteriza por conter um conjunto de itens bem ordenados e bem apresentados.83 4. por meio dos questionários. os resultados analisados de cada sub-bloco de cada bloco foram comparados interblocos. Envolve a observação direta do fenômeno estudado. serão apresentados os resultados obtidos a partir dos dados colhidos na pesquisa de campo. em seu próprio ambiente”. vida profissional.1 Pesquisa de campo Para Appolinário (2004. Outra particularidade é a exigência de resposta por escrito e a limitação nas respostas. incentivos profissionais. papel e imagem e motivação e satisfação. Esta análise é. ou seja. 152). estrutura organizacional.1. Neste tópico. b) dentro de cada bloco os resultados foram distribuídos por sete sub-blocos: perfil do policial militar. realizada por meio da discussão dos resultados de cada questão dentro de cada sub-bloco de cada bloco. 4. ambiente de trabalho. p. Depois. inicialmente.

5% são de oficiais Superiores. para efeitos deste trabalho. 4.84 questionário.1 Perfil do policial militar O primeiro resultado importante que se pôde encontrar foi que 24. Tabela 1 – Apresenta o círculo a que pertence o entrevistado Quem sou? Oficial Subalterno Oficial Intermediário Oficial Superior Freqüência absoluta 23 63 08 Freqüência relativa 24.2. enquanto que 8. 67% são de Oficiais Intermediários. tamanho. a maioria ou um consenso é entendido por um percentual de 60% ou mais. de maneira que o informante possa ser motivado a respondê-lo”. Os resultados obtidos a partir dos dados colhidos.1. chegou-se aos resultados que se seguem. não há.5% dos sujeitos de pesquisa são Oficiais Subalternos. deve ser observada a clareza das perguntas. conforme demonstra a tabela abaixo. conteúdo e organização. a partir dos questionários visam a responder o seguinte: a) Como se apresenta a atual política de incentivos aplicada aos policiais militares paraibanos? b) Qual a importância de se ter uma tropa motivada para a consecução dos serviços destinados à sociedade? Ressalte-se que. portanto consenso nas respostas.5% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo (2010) 94 100% .5% 67% 8. Na busca por uma resposta ao problema que norteou a pesquisa.

2% 12.85 Gráfico 1 – Apresenta o círculo a que pertence o entrevistado Fonte: Pesquisa de campo A pesquisa também mostrou que 87. existe sim consenso nas respostas.8% restantes são de indivíduos do gênero sexual feminino. enquanto que os 12.2% dos entrevistados são do gênero masculino.8% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . como está demonstrado na tabela a seguir. Tabela 2 – Apresenta o gênero sexual a que pertence o entrevistado Gênero sexual Masculino Feminino Freqüência absoluta 82 12 Freqüência relativa 87.

6% possui até 5 anos de serviço na PMPB.6% possui mais de 5 e até 10 anos. a pesquisa revelou que: 26. Tabela 3 – Apresenta a quanto tempo os entrevistados prestam serviço na PMPB Tempo de serviço Até 5 anos Mais de 5 até 10 anos Mais de 10 até 15 anos Mais de 15 até 20 anos Freqüência absoluta 25 41 19 09 Freqüência relativa 26. não havendo consenso nas respostas.6% 20.2% 9. Ver na tabela a seguir.6% 43.6% mais de 10 até 20 anos.6% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 43. 20.2% mais de 10 até 15 anos e 9.86 Gráfico 2 – Apresenta o gênero sexual a que pertence o entrevistado Fonte: Pesquisa de campo Quando se tratou sobre o tempo de serviço dos sujeitos.

4% 9.6% 1% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . como demonstra a tabela a seguir.4% possuem o nível superior completo.87 Gráfico 3 – Apresenta a quanto tempo os entrevistados prestam serviço na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se procurar saber o nível de letramento dos entrevistados. os resultados foram o seguinte: 89. há então consenso nas respostas. 9.6% são pósgraduados em nível de especialização e 1% afirmou possuir mestrado. Tabela 4 – Apresenta o nível de escolarização dos entrevistados Grau de escolarização Superior completo Pós-graduado (Especialização) Pós-graduado (Mestrado) Pós-graduado (Doutorado) Freqüência absoluta 84 09 01 00 Freqüência relativa 89.

logo existe consenso nas respostas. as respostas foram as seguintes: 1. 84% disse que sim e 14. segundo demonstra a tabela adiante.1% 84% 14.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . Tabela 5 – Demonstra se o nível cultural e intelectual dos entrevistados é condizente com suas atividades profissionais Nível cultural e intelectual suficiente para o desempenho profissional Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 01 79 14 1.9% respondeu que mais ou menos.1% afirmou que não.88 Gráfico 4 – Apresenta o nível de escolarização dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Quando se procurou saber se o nível cultural e intelectual dos entrevistados é suficiente para que ele bem desempenhe suas atividades na PMPB.

5% 21. Tabela 6 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com a PMPB Orgulho em trabalhar na PMPB Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 03 71 20 Freqüência relativa 3.2. enquanto que 75. havendo.2 Vida profissional Para os sujeitos desta pesquisa 3.2% 75. conforme mostra a tabela a seguir.3% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . portanto consenso nas respostas.3% responderam que mais ou menos.5% deles afirmam que estão orgulhosos por trabalharem na Corporação e 21.89 Gráfico 5 – Demonstra se o nível cultural e intelectual dos entrevistados é condizente com suas atividades profissionais Fonte: Pesquisa de campo 4.2% afirmam não sentirem orgulho em trabalhar na PMPB.1.

segundo a tabela adiante. 3.2% 75.5% 21.3% dos sujeitos da pesquisa afirmam que mais ou menos se sentem orgulhosos.2% dos pesquisados afirmam que não sentem orgulho com a atividade que desempenha.90 Gráfico 6 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com a PMPB Fonte: Pesquisa de campo Com relação a dizer se estão orgulhosos com a atividade que desempenha na PMPB.3% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . havendo consenso nas respostas. Tabela 7 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com sua atividades profissionais na PMPB Orgulho da atividade que desempenha Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 03 71 20 Freqüência relativa 3. 75.5% que sentem orgulho e 21.

8% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .91 Gráfico 7 – Demonstra a satisfação dos entrevistados com sua atividades profissionais na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito. onde as respostas foram as seguintes: 3. Tabela 8 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com a PMPB Preocupa-se com o futuro da PMPB Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 03 91 00 Freqüência relativa 3. existindo então consenso nas respostas.2% 96. e 96. os entrevistados demonstram que têm preocupação com a Instituição que trabalham. conforme tabela a seguir.2% responderam não.8% afirmaram que sim.

havendo então consenso nas respostas. as respostas foram a seguinte: 4.3% responderam que não estão preocupados.3% 88.4% afirmaram que o nível de preocupação está no meio termo. 88.3% 7.3% apresentam preocupação com a carreira e 7.92 Gráfico 8 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com a PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando se procurou saber sobre a preocupação dos entrevistados com relação ao sucesso deles em sua carreira profissional. Tabela 9 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com o sucesso em sua carreira e em sua vida profissional Sucesso na vida profissional Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 83 07 Freqüência relativa 4.4% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .

Tabela 10 – Demonstra se os entrevistados gostariam de ver seus filhos trabalhando na PMPB Gostaria que seu filho trabalhasse na PMPB Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 13 70 11 Freqüência relativa 13.8% não querem seus filhos trabalhando na PMPB. querem ver seus filhos na PMPB e 11.93 Gráfico 9 – Demonstra o nível de preocupação dos entrevistados com o sucesso em sua carreira e em sua vida profissional Fonte: Pesquisa de campo Ao se perguntar se gostariam de ver seus filhos também trabalhando na PMPB. Havendo consenso nas respostas.5% 11.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .7% se mostram indecisos.5% que sim. 74. os entrevistados responderam da seguinte maneira: 13.8% 74.

78. se procurou saber se os entrevistados entendem como suficientes para que eles desempenhem bem suas funções.7% disseram que sim.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .6% afirmaram que os cursos não proporcionam condições para o desempenho de suas atividades. Tabela 11 – Demonstra se os cursos e treinamentos promovidos pela PMPB proporcionam aos entrevistados condições de bem desempenhar suas atividades Cursos e treinamento realizados proporcionam o bom desempenho Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 09 74 11 9.6% 78. os sujeitos responderam da seguinte forma: 9.7% se mostraram indecisos.7% 11. havendo então consenso nas respostas.94 Gráfico 10 – Demonstra se os entrevistados gostariam de ver seus filhos trabalhando na PMPB Fonte: Pesquisa de campo No tocante aos cursos promovidos pela PMPB. que os cursos proporcionam condições para desempenharem suas atividades e 11.

3 Estrutural organizacional Os sujeitos neste quesito expressam a opinião sobre a estrutura hierárquica da PMPB.2.5% que é adequada e 21.5% 21.2% 75.95 Gráfico 11 – Demonstra se os cursos e treinamentos promovidos pela PMPB proporcionam aos entrevistados condições de bem desempenhar suas atividades Fonte: Pesquisa de campo 4. existindo consenso nas respostas. ficando as respostas estratificadas da seguinte forma: 3.3% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 75.1. Tabela 12 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Estrutura Hierárquica Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 03 71 20 Freqüência relativa 3.2% consideram que a estrutura não é adequada.3% responderam com indecisão. ver quadro demonstrativo a seguir.

2% 75. 3. portanto consenso nas respostas.5% dizem que é suficiente e 21.5% 21.96 Gráfico 12 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Na opinião dos entrevistados com relação ao quantitativo do efetivo da PMPB. havendo.2% deles afirmam que o quantitativo de efetivo não é suficiente para o bom desempenho das atividades de Corporação.3% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .3% se mostram indecisos. conforme tabela adiante. 75. Tabela 13 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Quantitativo de Pessoal Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 03 71 20 Freqüência relativa 3.

8% que está sendo bem empregado. havendo consenso nas respostas. onde as respostas foram: 3. conforme se vê na tabela adiante.8% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .2% 96. Tabela 14 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Emprego do Efetivo (local adequado) Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 03 91 00 3.2% dos sujeitos afirmam que o efetivo está sendo mal empregado e 96.97 Gráfico 13 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito os entrevistados expressam suas opiniões sobre o emprego do efetivo da PMPB.

98

Gráfico 14 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Aqui 4,3% dos entrevistados entendem que o efetivo da PBPB não está sendo empregado nas situações adequadas, enquanto que 88,3% acham que o efetivo está sendo bem empregado e 7,4% se mostram indecisos, existindo consenso nas respostas, conforme tabela a frente.

Tabela 15 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Emprego do Efetivo (situação adequada)
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta
04 83 07

Freqüência relativa
4,3% 88,3% 7,4%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

99

Gráfico 15 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Conforme se vê na tabela adiante, 13,8% dos entrevistados responderam que os equipamentos, armamento e viaturas da PMPB não são adequados; 74,5% entendem que tais itens avaliados estão adequados e 11,7% mostram indecisão em suas respostas.

Tabela 16 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB

Equipamentos, armamento e viaturas adequadas
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta

Freqüência relativa

13 70 11

13,8% 74,5% 11,7%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

100

Gráfico 16 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Neste quesito, os entrevistados expressam a opinião sobre as condições dos aquartelamentos da PMPB, onde 9,6% deles dizem que os quartéis da PM não possuem condições adequadas; 78,7% afirmam que a estrutura dos quartéis é boa e 11,7% se mostram indecisos conforme se vê na tabela a seguir.

Tabela 17 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Quartéis adequados
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta
09 74 11

Freqüência relativa
9,6% 78,7% 11,7%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

3% dizem que seus Comandantes não são eficientes.3% 88.101 Gráfico 17 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando se perguntou sobra a eficiência do gestor.3% que seus Comandantes são eficientes e 7. Diretor ou Chefe Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 04 83 07 4. Tabela 18 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Eficiência do Comandante. 88. os entrevistados responderam da seguinte forma: 4. havendo consenso nas respostas.4% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .3% 7. conforme quadro adiante.4% mostraram indecisão.

existindo consenso nas respostas. ver então a tabela a seguir. as respostas foram as seguintes: 13.102 Gráfico 18 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se procurar saber se os entrevistados confiam nos seus comandantes.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .8% 74. Tabela 19 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Confiança no Comandante. 74.8% dizem que não confiam. Diretor ou Chefe Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 13 70 11 13.5% 11.5% que confiam e 11.7% fiaram indecisos.

6% 78. Tabela 20 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Cultura organizacional da PMPB favorece suas atividades Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta Freqüência relativa 09 74 11 9. consenso nas respostas conforme se vê na tabela adiante.7% que sim e 11. práticas e costumes existentes na PMPB favorecem o desenvolvimento das atividades profissionais dos entrevistados.103 Gráfico 19 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando se perguntou se as tradições. suas respostas foram as seguintes: 9.7% 11. havendo assim.7% que mais ou menos.6% que não.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 78.

4.3% 45. Tabela 21 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Reconhecimento profissional Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 47 04 43 Freqüência relativa 50% 4.4 Incentivos profissionais Neste quesito os entrevistados demonstram opiniões de como vêem se seu trabalho é reconhecido e valorizado pela PMPB. conforme se vê na tabela adiante.3% sim e 45.1.7% se mostram indecisos. onde as respostas foram as seguintes: 50% não.104 Gráfico 20 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre a estrutura organizacional da PMPB Fonte: Pesquisa de campo 4.2. não havendo consenso nas respostas.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .

9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . conforme a tabela adiante.105 Gráfico 21 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Com relação a saber se seu trabalho é reconhecido e valorizado pela sua família.3% 63. havendo consenso nas respostas.8% 31. amigos e parentes. as respostas foram as seguintes: 4. Tabela 22 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Reconhecimento Profissional Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 60 30 Freqüência relativa 4.8% que sim e 31.3% responderam que não.9% se mostram indecisos. 63.

Tabela 23 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Reconhecimento Profissional Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 49 11 34 Freqüência relativa 52. 11.2% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .106 Gráfico 22 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando se perguntou se seu trabalho é reconhecido e valorizado pela sociedade.1% 11. as respostas foram as seguintes: 52.7% 36. (ver tabela adiante).7% que se sentem valorizados e 36.2% se mostram indecisos. não há consenso nas respostas.1% que não se sentem valorizado.

107

Gráfico 23 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Ao se perguntar se os entrevistados acham que recebem um salário justo, as respostas foram: 47,9% que se salário não é justo; 11,7% acham que recebem um salário justo e 40,4% afirmaram que nem acham justo nem injusto, não existindo consenso nas respostas, conforme estratificado na tabela a seguir.

Tabela 24 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Remuneração
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta
45 11 38

Freqüência relativa
47,9% 11,7% 40,4%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

108

Gráfico 24 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Quando se procurou saber se na opinião dos entrevistados o seu patrimônio é condizente com os esforços que tem feito pela Corporação, obteve-se as seguintes respostas: 12,7% que não; 44,7% que sim e 42,6% se mostraram indecisos, não havendo consenso nas respostas como se vê na tabela a seguir.

Tabela 25 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Patrimônio Pessoal
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta
12 42 40

Freqüência relativa
12,7% 44,7% 42,6%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

109

Gráfico 25 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo

Ao se procurar saber se os entrevistados complementam a sua renda com outro tipo de atividade profissional as respostas foram as seguintes: 85,1% só têm a PM como fonte de renda; 11,7% complementam a rendo com outra atividade e 3,2% responderam com indecisão, havendo assim, consenso nas respostas, (ver tabela adiante).

Tabela 26 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Complementação Salarial
Não Sim Mais ou menos

Freqüência absoluta
80 11 03

Freqüência relativa
85,1% 11,7% 3,2%

TOTAL
Fonte: Pesquisa de campo

94

100%

4.110 Gráfico 26 – Demonstra a opinião dos entrevistados sobre os incentivos profissionais da PMPB Fonte: Pesquisa de campo 4. Tabela 27 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Condições de trabalho Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 47 04 43 Freqüência relativa 50% 4.3% 45. não havendo consenso nas respostas.7% responderam com indecisão. como pode-se notar na tabela adiante. entre outros.1.3% que favorecem e 45. ruídos. tais como: iluminação.5 Ambiente de trabalho Quando perguntado aos entrevistados se as condições ambientais de trabalho favorecem a execução de suas atividades na Corporação. temperatura.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .2. as respostas foram as seguintes: 50% que não favorecem.

as respostas foram: 4.111 Gráfico 27 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se perguntar aos entrevistados se está satisfeito com a alimentação oferecida no Quartel em que servem. 63. Tabela 28 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Satisfação com a alimentação Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 60 30 Freqüência relativa 4. havendo consenso nas respostas. conforme estratificados na tabela a seguir.2% se mostram insatisfeito.2% 63.8% 32% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .8% estão satisfeitos e 32% se mostram indecisos.

11.1% que não estão satisfeitos. conforme tabela a seguir.2% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .7% 36.112 Gráfico 28 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito se buscou saber se os entrevistados estão satisfeitos com o seu horário que trabalho. obteve-se as seguintes respostas: 52. Tabela 29 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Satisfação com horário de trabalho Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 49 11 34 Freqüência relativa 52.1% 11.2% responderam com indecisão. não havendo consenso nas respostas.7% que estão satisfeitos e 36.

9% dos entrevistados não se encontram satisfeitos com sua jornada de trabalho.7% se mostram satisfeitos e 40.4% estão indecisos. não havendo consenso nas respostas.9% 11.7% 40. (ver a tabela adiante). 11.4% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . Tabela 30 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Satisfação com a jornada de trabalho Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 45 11 38 Freqüência relativa 47.113 Gráfico 29 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito 47.

7% 44.6% se mostram indecisos. 44.6% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . conforme a tabela a seguir. os sujeitos de pesquisa responderam da forma seguinte: 12. não havendo consenso nas respostas.114 Gráfico 30 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se procurar saber da satisfação dos entrevistados com relação a assistência de médica.7% 42. odontológica.7% que não se sentem satisfeitos. Tabela 31 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Assistência à saúde Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 12 42 40 Freqüência relativa 12. psicológica e a assistência social adotadas na Corporação favorecem a execução de suas atividades na PMPB.7% que estão satisfeitos e 42.

2% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .7% 55. Tabela 32 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Relação com os superiores hierárquicos Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 03 26 52 10 03 00 00 00 Freqüência relativa 3.6 regular e 3.6% 3. 10.7 muito bom. conforme se vê na tabela a seguir.3% 10.115 Gráfico 31 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando perguntado se na opinião dos entrevistados o tratamento dispensado pelos superiores hierárquicos é o ideal. 27. 55. as respostas foram as seguintes: 3.3% bom.2% 27.2 que é ruim.2% acham excelente.

9% 31. conforme mostra a tabela adiante.9% muito bom.2% bom e 16% regular.9% 36.116 Gráfico 32 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se procurar saber como anda o tratamento dispensado pelos colegas do mesmo grau hierárquico (pares) as respostas foram as seguintes: 15. Tabela 33 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Relação com os seus pares Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 15 30 34 15 00 00 00 00 Freqüência relativa 15. 31.9% excelente. 36.2% 16% 00% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .

7% muito bom.7% 29.117 Gráfico 33 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito procurou-se saber como os entrevistados auto-avaliam a forma com tratamento os seus subordinados.9% 44. 29. as resposta foram as seguintes: 15.6% 00% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 44. conforme tabela a seguir.6% regular.8% bom e 9.9% acham excelente. Tabela 34 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Relação com seus subordinados Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 15 42 28 09 00 00 00 00 Freqüência relativa 15.8% 9.

5% 23. onde foram obtidas as seguintes respostas: 8. 29. conforme se vê na tabela adiante.5% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .5% ruim. 29.8% bom.8% regular e 8.8% 29.4% 29.4% que se encontra muito bom.8% 8.118 Gráfico 34 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito procurou-se saber como anda o ambiente entre os membros da PMPB (clima organizacional). Tabela 35 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Clima organizacional Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 08 22 28 28 08 00 00 00 Freqüência relativa 8. 23.5% acham excelente.

3% como uma questão de educação. conforme se encontra na tabela adiante.2% 27. 55. Tabela 36 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Considera o cumprimento Como cortesia Como questão regulamentar Como questão de educação Como respeito mútuo Somatório de tudo Freqüência absoluta 03 26 52 10 03 Freqüência relativa 3.2% entendem que isso é o somatório de todas as outras atitudes aqui descritas.6% 3.3% 10.2% como uma cortesia. como considera essa atitude.119 Gráfico 35 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Ao se perguntar aos entrevistados se ao cumprimentar ou ao responder ao cumprimento de um subordinado ou de um superior hierárquico.6% como uma questão de respeito mútuo e 3. 27.7% como forma de cumprir o que prescreve o regulamento. 10.7% 55.2% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . momento em que eles responderam da seguinte forma: 3.

40.4% 3.2% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 20.2% por ser rotina da Unidade.2% 00% 20.2% 16% 40.120 Gráfico 36 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Na opinião dos entrevistados o motivo de se realizar a alimentação no quartel em refeitório diverso das praças. 16% por estar previsto no regulamento.4% para preservar a hierarquia e 3. Conforme estratificação da tabela adiante.2% dizem que é para evitar a promiscuidade. Tabela 37 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Local que faz sua refeição Evitar promiscuidade Disposição das instalações Praxe da Unidade Motivo regulamentar Preservar a hierarquia Evitar constrangimento Freqüência absoluta 19 00 19 15 38 03 Freqüência relativa 20.2% para evitar constrangimento para si e para os subordinados. é segundo as respostas: 20.

121 Gráfico 37 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Na opinião dos entrevistados as refeições no quartel deveriam ser realizadas em ambiente comum. Tabela 38 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Refeitório Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 57 13 24 Freqüência relativa 60.6% que não deve ter um ambiente comum para a alimentação de Oficiais e Praças.6% se mostram indecisos em responder tal pergunta. para uma maior interação e descontração entre Oficiais e Praças. conforme mostra a tabela adiante.6% 13. onde as respostas foram as seguintes: 60.8% 25.8% responderam que deveria ter um ambiente único e 25.6% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . 13.

9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . onde as respostas foram as seguintes: 14. 36.2% afirmam que elas estão adequadas e 48. não havendo portanto consenso nas respostas.122 Gráfico 38 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito os entrevistados demonstraram suas opiniões sobre as escalas de serviços e sua adequação para o bom desempenho profissional.9% responderam que as escalas não são adequadas. conforme a tabela a seguir.2% 48.9% se mostraram indecisos.9% 36. Tabela 39 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Adequação das escalas de serviço Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 14 34 46 Freqüência relativa 14.

9% 37. Tabela 40 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Divulgação das escalas de serviço Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 14 35 45 Freqüência relativa 14.9% dizem que não. as respostas foram: 14.9% se mostram indecisos.2% que sim e 47.2% 47. não existindo consenso nas respostas.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . os entrevistados demonstram suas opiniões sobre a elaboração e divulgação em tempo hábil. conforme mostra a tabela a seguir.123 Gráfico 39 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já neste quesito. 37.

5% que vem proporcionando em parte a segurança. Havendo.1.5% 00 00 TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . conforme mostra a tabela a seguir.2.5% que sim e 75. Tabela 41 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB A PMPB vem cumprindo seu papel Sim Não Em parte Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 23 00 71 00 00 Freqüência relativa 24.6 Papel e imagem Neste quesito foi perguntado aos entrevistados na visão deles a Polícia Militar vem cumprindo seu papel proporcionando segurança à comunidade. onde as respostas foram as seguintes: 24.124 Gráfico 40 – Demonstra considerações sobre o ambiente de trabalho na PMPB Fonte: Pesquisa de campo 4.5% 00% 75. portanto consenso nas respostas.

41.2% 27.4% péssimo. 27.4% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .6% bom. conforme tabela a seguir.3% ruim e 6. Tabela 42 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB Percepção sobre a imagem da Corporação Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 00 03 26 39 20 06 00 00 Freqüência relativa 00% 3.2% muito bom.5% 21.3% 6.6% 41. não havendo consenso nas respostas fornecidas. onde as respostas foram: 3.125 Gráfico 41 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já neste quesito se procurou sentir qual a percepção dos entrevistados com relação a imagem que tem a população tem do serviço prestado pela Polícia Militar. 21.5% regular.

3% 13. 13.6% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .7 Motivação e satisfação Quando se procurou saber em que nível de motivação – grau de estímulo – se encontram os entrevistados em relação as suas atividades desempenhadas na PMPB.1. 38.6% 7. não havendo consenso nas respostas. conforme demonstrado na tabela adiante. obteve-se as seguintes respostas: 4.2.4% 9.3% bom.8% muito bom.126 Gráfico 42 – Demonstra na visão dos entrevistados sobre o papel e a imagem da PMPB Fonte: Pesquisa de campo 4.3% 26.4% ruim e 9. Tabela 43 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Grau de estímulo em relação a atividade que desempenha Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta 04 13 36 25 07 09 00 00 Freqüência relativa 4.8% 38.6% que é péssimo. 26.3% diz ser excelente. 7.6% regular.

41.2% muito bom.127 Gráfico 43 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já quando se procurou saber em que nível de satisfação – grau de contentamento – eles se encontram em relação as suas atividades profissionais desempenhadas na PMPB.2% 27.3% 6.4% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . Tabela 44 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Grau de contentamento em relação a atividade que desempenha Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta Freqüência relativa 00 03 26 39 20 06 00 00 00% 3. não existindo assim consenso nas respostas. as respostas foram: 3. 27. 21.5% regular.3% ruim e 6. conforme estratificado na tabela a seguir.6% 41.6% bom.5% 21.4% péssimo.

4% dizem ser excelente. Tabela 45 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Grau de estímulo em fazer parte do efetivo da PMPB Freqüência absoluta Freqüência relativa Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta 06 41 45 00 02 00 00 00 6. 43. conforme a tabela adiante. não havendo consenso nas respostas.1% ruim.6% 47.128 Gráfico 44 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando a pergunta foi em que nível de motivação – grau de estímulo – os sujeitos da pesquisa se encontram em fazer parte do efetivo da PMPB.4% 43. as respostas foram: 6.9% 00% 2.1% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .6% muito bom.9% bom e 2. 47.

8% bom.6% muito bom.6% 29. 7. conforme se vê na tabela adiante.129 Gráfico 45 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já com relação a em que nível de satisfação – grau de contentamento – os entrevistados se encontram em fazer parte do efetivo da PMPB. não havendo consenso nas respostas. 42. 29.8% 7.1% dizem ser excelente.4% 1% 00% 00% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .4% regular e 1% ruim. as respostas foram: 19.1% 42. Tabela 46 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Grau de contentamento em fazer parte do efetivo da PMPB Excelente Muito bom Bom Regular Ruim Péssimo Não sei Sem resposta Freqüência absoluta Freqüência relativa 18 40 28 07 01 00 00 00 19.

Tabela 47 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Percepção sobre o regulamento disciplinar Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 58 06 30 Freqüência relativa 61. conforme mostra a tabela adiante.9% se mostram indecisos. havendo consenso nas suas respostas.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .7% 6.130 Gráfico 46 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já quando se perguntou se o regulamento da PMPB tem equilíbrio entre punições-sanções e recompensas. 6. as respostas foram as seguintes: 61.4% que o regulamento está perfeitamente equilibrado e 31.7% dizem que o regulamento não possui tal equilíbrio.4% 31.

2. 6% entendem que o atendimento aos pedidos de transferência.6% instituir o marketing de incentivos. 4.7% entendem que se deve melhorar os critérios de promoção privilegiando os policiais que atuam na atividade fim da Corporação.3% melhorar os critérios para a indicação de cursos. 2. são para eles: 15.131 Gráfico 47 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Já para os entrevistados outras modalidades de recompensas.7% revisão dos critérios na contagem de pontos para a promoção.3% que a gratificação destinada aos policiais que atuam na atividade fim seja melhor do que a destinada aos da atividade meio e assessorias. .3% o reconhecimento pessoal. 8.7% que as recompensas sejam concedidas mais rápido. 15. 15. desejáveis na corporação.7% a concessão de medalhas e láureas para premiar os policiais que se destacam na atividade. Conforme mostra a tabela a seguir. 18.

7% 15.3% ser reconhecido pelo seu . visando a busca de sua motivação para o trabalho.7% 10. 5.9% ter o PM uma boa estrutura familiar. 8.3% 8.1% salários compatíveis com a periculosidade da profissão.7% 15.3% 6% 2.7% 4. as respostas foram: 19.7% 18.132 Tabela 48 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Recompensas desejáveis Reconhecimento profissional Concessão de láureas Indicação para cursos Transferências a pedido Rapidez na concessão das recompensas Divulgação dos relevantes serviços Gratificação para atividade fim Ação policial pontuando para promoção Revisão nos critérios de promoção Marketing de incentivos Fonte: Pesquisa de campo Freqüência absoluta 23 04 23 09 04 16 23 13 28 07 Freqüência relativa 15.3% 2.6% Gráfico 48 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo Quando se procurou saber na opinião dos entrevistados o que é preciso para incentivar o policial militar.

9% melhorar as escalas de serviço tornando-as mais humana e racional.9% melhorar a remuneração dos policiais que desempenham a atividade fim da Corporação em detrimento aos que se encontram na atividade meio e assessorias.9% colocar o homem certo no lugar certo (gestão por competências). 5. promovendo um tratamento igualitário e justo. Tabela 49 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Incentivos necessários para motivar os PPMM Salarios compatíveis Boa estrutura familiar Reconhecimento profissional Capacitação profissional Ascensão profissional Gestão por competências Melhoria do ambiente de trabalho Apoio do Comandante. 3.9% 1.4% melhorar a capacitação profissional.3% 16.4% 12.5% 7.5% escolha de critérios justos para a promoção. 9. 1. 2% melhorar o ambiente físico de trabalho dos policiais militares.133 desempenho profissional. 12.1% 8.3% 2% 4. instrução.3% melhorar o diálogo com os Comandantes.3% ser reconhecido pela sociedade a que serve.3% 00% 1. 1.6% eliminar as exceções no tratamento com os policiais.9% 2% 9.9% 5. bom relacionamento.2% 3.6% 5.6% .2% receber mais apoio de seus comandantes. recompensas e material técnico adequado Escala de serviço racional Remuneração melhor para o PM da atividade fim Melhoria no diálogo com os superiores Residir mais próximo do local de trabalho Reconhecimento da sociedade Estímulo a concursos internos Desmobilizar as “panelinhas” Fonte: Pesquisa de campo Freqüência absoluta 29 13 08 25 19 12 03 14 06 09 02 00 02 03 07 Freqüência relativa 19. 16. 2% estimular os policiais a prestarem os concursos internos e 4. 7.

Tabela 50 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Futuro da família Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 00 94 00 Freqüência relativa 00% 100% 00% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . as respostas foram unânimes com relação a que todos se preocupam com o futuro de suas famílias. conforme a tabela a seguir.2.1.8 influência de sua profissão em sua vida privada Ao se procurar saber se os entrevistados se preocupam com o futuro de sua família.134 Gráfico 49 – Demonstra percepção dos entrevistados sobre a motivação e a satisfação em trabalhar na PMPB Fonte: Pesquisa de campo 4.

Tabela 51 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Alimentação que proporciona a família Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 76 14 Freqüência relativa 4. conforme a tabela adiante.9% que sim e 14.9% de indecisos. 80.2% que não.9% 14. as respostas foram: 4.2% 80.135 Gráfico 50 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com a alimentação que proporciona a sua família. havendo. portanto consenso nas respostas.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .

8% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . portanto consenso nas respostas.136 Gráfico 51 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Já quando se procurou saber dos entrevistados se estão satisfeitos com a educação que proporciona a seus filhos. as respostas foram: 4. conforme a tabela a seguir. havendo.2% que não.8% de indecisos. 83% que sim e 12. Tabela 52 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Educação que proporciona aos filhos Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 78 12 Freqüência relativa 4.2% 83% 12.

137 Gráfico 52 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Neste outro quesito se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com a residência onde mora com sua família.6% 74. 74.5% que sim e 14.6% que não. as respostas foram: 10.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . Tabela 53 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Satisfeito com sua residência Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 10 70 14 Freqüência relativa 10. conforme a tabela adiante. portanto consenso nas respostas.5% 14. havendo.9% de indecisos.

138 Gráfico 53 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Já neste quesito se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com a sua situação financeira. Tabela 54 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Situação financeira Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 22 30 42 Freqüência relativa 23.4% 31.9% 44.7% de indecisos. as respostas foram: 23.4% que não. conforme a tabela a seguir. 31.9% que sim e 44.7% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . não havendo consenso nas respostas.

4% 42. não havendo. Tabela 55 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Satisfação com seu nível social Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 16 38 40 Freqüência relativa 17% 40. 40.6% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% . portanto consenso nas respostas.4% que sim e 42. conforme a tabela adiante.139 Gráfico 54 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Quando se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com seu nível social as respostas foram: 17% que não.6% de indecisos.

140 Gráfico 55 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito se procurou saber dos entrevistados se estão satisfeitos com o seu convívio social.3% que não. 63. havendo.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .9% de indecisos.8% que sim e 31.3% 63. conforme a tabela a seguir. suas respostas foram: 4.8% 31. portanto consenso nas respostas. Tabela 56 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Situação com seu convívio social Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 04 60 30 Freqüência relativa 4.

9% 42. 48.6% de indecisos. conforme a tabela a seguir. não havendo consenso nas respostas.5% que não. onde suas respostas foram: 8. Tabela 57 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Satisfação com seu nível cultural Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 08 46 40 Freqüência relativa 8.5% 48.6% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .9% que sim e 42.141 Gráfico 56 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Já neste quesito se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com seu nível cultural.

6% 41. as respostas foram: 26.6% que não. Tabela 58 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Satisfeito com suas práticas esportivas Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 25 39 30 Freqüência relativa 26. 41. conforme a tabela adiante. não existindo consenso nas respostas.5% que sim e 31.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .5% 31.142 Gráfico 57 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Aqui se procurou saber se os entrevistados estão satisfeitos com suas práticas esportivas.9% de indecisos.

não existindo consenso nas respostas.3% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .9% 21. Tabela 59 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Satisfeito com seu estado físico Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 28 46 20 Freqüência relativa 29. 48.143 Gráfico 58 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Ao se procurar saber se os entrevistados estão satisfeitos com seus estados físicos.9% que sim e 21.8% que não.3% de indecisos.8% 48. foram obtidas as seguintes respostas: 29. conforme a tabela a seguir.

7% que sim e 31.9% TOTAL Fonte: Pesquisa de campo 94 100% .4% que não.4% 44. não existindo consenso nas respostas.144 Gráfico 59 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo Neste quesito se procurou saber se os entrevistados se eles estão conseguindo gozar férias no tempo certo.9% de indecisos. conforme a tabela adiante. onde as respostas foram as seguintes: 23. Tabela 60 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Férias regulamentares Não Sim Mais ou menos Freqüência absoluta 22 42 30 Freqüência relativa 23.7% 31. 44.

que são as gratificações pagas a eles sempre menores as que são pagas aos policiais que são empregados na atividade meio e assessorias. Diante dos resultados encontrados.2 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Quanto ao foco do problema de pesquisa que foi o de analisar a percepção dos oficiais da PMPB quanto à política de incentivos da corporação. a necessidade de se ter maior apoio por parte de seus comandantes. . A resposta ao problema formulado foi plenamente respondida. equipamentos e viaturas adequadas para o combate ao crime. Pode-se então. Dentre elas.145 Gráfico 60 – Demonstra o nível de influência da profissão policial militar na vida privada dos entrevistados Fonte: Pesquisa de campo 4. a necessidade de se ter armamentos. a preocupação em se implementar uma política de gestão por competência e por fim uma situação que causa um grande desconforto entre os policiais militares que são empregados na atividade fim da PMPB. a busca por um bom relacionamento interpessoal. pode-se fazer algumas inferências. fazer algumas análises explicativas sobre o que foi encontrado. destacam-se a busca por salários compatíveis. momento em que os sujeitos de pesquisa esboçaram suas opiniões quando do preenchimento do questionário. a questão relacionada a ascensão profissional (promoção). a melhoria na capacitação profissional.

o resultado que mais chamou a atenção foi um outro fator importante que a pesquisa revela. o que revela uma especificidade do ambiente militar. o que causa um desgaste da Instituição perante o seu público interno. Ainda com relação à teoria existente. pode-se então afirmar que na PMPB se confunde o regulamento disciplinar com a política de incentivos e recompensas. Pode-se então concluir. com os atuais. o processo de motivação deve ser explicado em função dos objetivos e das escolhas de cada pessoa e das suas expectativas em atingir esses mesmos objetivos. nota-se que o resultado da pesquisa aponta para que se confirme a teoria de Vroom como sendo a mais adequada para subsidiar este trabalho científico. que tal situação deve ser mudada urgentemente. os critérios utilizados pela instituição para promoção que são totalmente subjetivos valorizando sobretudo a indicação de padrinhos políticos. Major e Tenente-coronel (Oficiais superiores). pois segundo o teórico.146 Entretanto. buscando-se separar as duas situações. Sendo assim. é o que normatiza também os incentivos e recompensas. . principalmente os que se encontram nos postos de Capitão (Oficial intermediário). assim. a insatisfação aparente dos policiais militares. pois o mesmo documento que normatiza as sanções impostas aos integrantes da Corporação que infringem a disciplina.

estrutura dificulta a comunicação e o relacionamento interpessoal entre subordinados e superiores.147 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES 5. Notadamente. o que dificulta a busca pelo incentivo a seus componentes. De um lado. necessidades que nem sempre são do conhecimento organizacional. de outro. para tanto desenvolvê-lo. não relacionadas com a Corporação. cabe à Instituição o papel de orientá-la no sentido de que o Policial Militar tende naturalmente a seguir. devido ao afastamento existente entre os dois subsistemas.1 CONSIDERAÇÕES FINAIS O bem de maior valor para qualquer organização. com sua rígida. o policial militar tenta encontrar em outras atividades. luta pela satisfação de suas necessidades individuais. o Policial. a Corporação procura cumprir a sua destinação Constitucional de Preservação de Ordem Pública. através da profissão. que resultarão em satisfação ou não. a Polícia Militar. Todavia. se materializando na qualidade dos serviços oferecidos à comunidade. fato que impede a instituição de conhecer as necessidades do Policial Militar. um derivativo para o seu entusiasmo e algo em que investir seus maiores esforços. Oferecer um serviço com qualidade é meta da Polícia Militar da Paraíba e o . Comumente. o mais visível deles se dá em decorrência da pesada estrutura organizacional e da natureza de seu serviço. na realidade. Então. O desempenho do policial militar depende de uma série de fatores. o não atendimento ou compensação dessas necessidades poderá interferir na procura de novas alternativas profissionais que possam preenchê-las. seja ela pública ou privada são os seus recursos humanos. ao constatar que suas atividades profissionais proporcionam relativamente poucas ocasiões de satisfazer suas necessidades mais íntimas. mantendo-o motivado e satisfeito é um fator importante para manter o desenvolvimento organizacional de qualquer instituição. observa-se o desencontro dos subsistemas formal e informal nos quais os objetivos não se compatibilizam. Sabe-se que a motivação não é produzida exclusivamente pelo meio.

haja vista a natureza de sua missão. deve-se reconhecer que a motivação é proveniente de fatores intrínsecos que atuam sobre ele. a fim de focalizar a Corporação como um organismo democrático. Em suma. dos fatos explanados. a organização informal e a organização formal. consolidado inteiramente em códigos sociais. convenções e tradições. Dois subsistemas interligados e interdependentes. urge que os problemas sejam vistos como obstáculos a serem ultrapassados. percebe-se a Polícia Militar como um sistema social com dupla finalidade essencial a criar serviços e distribuir satisfação entre seus integrantes. Um fenômeno estritamente social é a colaboração. tendo o propósito de gerar profissionais bem informados e moldados aos novos processos políticos e culturais. necessário se faz. sendo manifestados pela sede. mas de psicologia e caracteriza a organização informal. pois o produto final é a Segurança Pública e a defesa da sociedade. Não lógico. o estado de espírito anterior volta a ser demonstrado. curiosidade e sexo. O estado psicológico afeta a satisfação e o desempenho do policial e. no entanto. função social que busca o equilíbrio interno da Instituição. Na prática. muitos administradores mostram a existência de alguns fatores que geram estímulos temporários no trabalho. as teorias de satisfação defendem o pressuposto de que um . origina-se da relação da organização com seus membros quais sejam. sono. As necessidades físicas e psicológicas motivam o homem além de uma multiplicidade de experiências anteriores. tão logo cessem. por isto. Assim. Na Polícia Militar da Paraíba. o que contribuirá para a consecução dos objetivos da Corporação. Por conseguinte. capaz de desenvolver uma atividade que exija uma condição moral elevada.148 policial militar satisfeito com suas funções. fome. a Polícia Militar não pode deixar de lado o estudo do comportamento humano no trabalho. Os motivos psicológicos são os mais simples e originam-se dentro do organismo. o que é comumente visto nos Quartéis da Polícia Militar da Paraíba. certamente desempenhará melhor as tarefas que lhe competem. faz-se mister manter o profissional absolutamente informado bem remunerado. também. necessidade de oxigênio. No entanto. modificar alguns conceitos provenientes do longo período de influência das forças armadas. não é questão de lógica.

ou seja. Outro importante fator. Logo. causando uma insatisfação generalizada na tropa. ficando ao bel prazer do gestor indicar quem ele queira. verifica-se que os resultados obtidos sustentam o ponto de vista de que o salário não é o fator mais importante de um trabalho. Comparando-se estes estudos. as pessoas trabalharão mais se receberem recompensas ou encorajamentos específicos pelo bom desempenho. E o principal resultado é o aumento da qualidade na prestação de serviço à comunidade. Porém o que se assiste. Várias pesquisas sobre remuneração têm demonstrado que o valor dos salários é relativo e não absoluto. É inquestionável que o policial militar precise de dinheiro para fazer face à satisfação de suas necessidades primárias. assim como também as recompensas. momento em que se assiste também. embora tenham utilizado diferentes métodos e amostras distintas. A Polícia Militar da Paraíba busca motivar seus homens através de premiações. que causa segundo o que foi detectado pela . Os policiais militares paraibanos identificam-se com os objetivos da organização e vêem recompensados seus esforços pelo interesse e reconhecimento dos gestores da Corporação. dentre outros. assim sendo. entre outros. nem se constitui num incentivo tão poderoso. previstas em lei estadual. tendem a gerar um clima de baixa motivação e de grande permissividade.149 trabalhador satisfeito é produtivo. mas é verdade também que há especulação. as teorias de incentivo defendem o emprego do reforço baseando-se a maioria dos estudos nesta área. fator que ocorre tanto nas empresas públicas quanto nas privadas. o que deveria alcançar apenas aqueles que mais se destacassem profissionalmente. no salário como fator motivador. são indicações sem qualquer critério. conclui-se que na PMPB a falta de igualdade no tratamento dos seu público interno. que dispõe no Estatuto dos Policiais Militares do Estado da Paraíba. aliados à ausência de premiação aos policiais militares que se mostram eficientes. com a finalidade de suprir tais dificuldades. a concessão de medalhas a políticos que nada fazem pela Instituição em detrimento a policiais que diuturnamente arriscam suas vidas no combate a criminalidade. Diversos estudiosos pesquisam os efeitos dos incentivos sobre o trabalhador. realizações de cursos que possibilitem a ascensão a postos e graduações superiores.

Como vimos.2 RECOMENDAÇÕES Com base nos dados oferecidos por este trabalho. Deve-se. pois todos contribuem para dar forma ao estilo burocrático weberiano adotado pelas Instituições militares brasileiras. Podemos depreender também que dificilmente destacaremos um traço em relação a outro. dentro de processos e normas da administração moderna. Muitas vezes. com a correta utilização e emprego do policial militar. as regras não são claras e formalmente definidas. influenciando-os positivamente no desempenho e execução de suas atividades. onde a dependência do apadrinhamento pode ser claramente observada. 5. tendo como um dos focos principais o Ser Humano. visando à melhoria do desempenho profissional. uma grande insatisfação na tropa. todos os traços são intrinsecamente envolvidos nos vários processos do sistema de gestão da Corporação policial militar paraibana. voltado para o objetivo final da Corporação. c) implementação de uma Seção de Recursos Humanos. depreende-se que há necessidade de a Corporação adotar algumas medidas que minimizem a problemática que envolve as questões inerentes à satisfação do policial militar quando do exercício de sua função.150 pesquisa. a saber: a) adaptar a Polícia Militar da Paraíba a uma mentalidade empresarial. passando a considerá-lo como um dos mais importantes no processo da consecução dos objetivos da Corporação. dotada de profissionais nas áreas psicologia e administração ligada à Diretoria de Gestão de Pessoal. trabalhar uma política de incentivos e motivação dos policiais. são as regras de promoção e os planos de carreira revelam aspectos culturais interessantes. . dando margem ao exercício do poder e da decisão pessoal. ainda. b) implantar modernas técnicas de administração de Recursos Humanos. assim como os processos também estão organicamente imbricados.

jornada de trabalho. entre outros. alimentação. armamento e equipamento. observa-se que alguns itens investigados apresentam um percentual de satisfação abaixo de 60%. única. com diferenças individuais. sentimentos. tempo de lazer. não apenas um participante a mais na organização. sonhos. alguns deles com índices gritantes como salário.151 d) é de bom alvitre que o aspecto da satisfação das necessidades básicas seja tratado de forma sutil e construtiva. constituindo-se numa preocupação que deve ser encarada pelo comando da Corporação como objeto de estudo. uniforme. necessidades. de se ver o profissional como ser humano. momentos de acertos e de erros. cada dia mais crescente. Todos estes itens que apresentam um índice de insatisfação preocupante apontam para a necessidade. No entanto. aspirações. . instalações. mas uma pessoa. pois são importantes para o desempenho funções do profissional.

5. 2008. FOUCHER.152 REFERÊNCIAS ALBRECHT. BRODEUR. (Série Polícia e Sociedade. Constituição da República Federativa do Brasil. 2005. 2007. Motivação nas organizações. DF: Senado Federal. DF: ENAP. ALBRECHT. Brasília.. ed. 306 p.I/96) – Centro de Aperfeiçoamento e Estudo Superiores. São Paulo: Atlas. 4). 4. BRASIL. São Paulo: Pioneira. LAWRENCE. Bradford. Betânia Tanure de. 2004. Cecília Whitaker. Serge. 1992. ______. 392 p. São Paulo. Avaliação de desempenho humano na empresa.). 53 p. São Paulo: Makron Books. Tradução Marcia Cavalcanti. Amado L. Tradução Ana Luiza Amêndola Pinheiro. n. Serviços com qualidade. PRATES. BARROS. Guia de gerenciamento no setor público. Karl. São Paulo: Atlas. 1996. 2002. São Paulo: Atlas. APPOLINARIO. 1992. . Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. BERGAMINI. Pedro A. ALECIAN. Metodologia científica. Washington Luiz de. Marco Aurélio Spyer. ed. ALBUQUERQUE. Rio de Janeiro: Revan. Fundamentos doutrinários para orientação de uma consciência profissional na Polícia Militar de Alagoas. Revolução nos serviços. Brasília. BERVIAN. Dominique. 1996. 5. 5. Jean–Paul (Org. Karl. ed. 2004. J. 290 p. São Paulo: Tearson Prentice Hall. Constituição (1988). Como reconhecer um bom policiamento: problemas e temas. 1998. 1996. ed. O estilo brasileiro de administrar. CERVO. São Paulo: Editora Atlas. Fabio. Monografia (Curso Superior de Polícia . São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

3. Revista A Força Policial. São Paulo: Pioneira. 20. Liderando mudança. LAZZARINI. Hermes Bittencourt. e ampliada. ed. 2003. (Série Polícia e Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Campus. ed. jan. ______. Keith. 5. Rio de Janeiro. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 2002. ______. 1992. Tradução Cecilia Whitaker Bergamini e Roberto Coda. GARCIA . 9).Angelina. 1997. NEWSTROM. São Paulo: Edusp. COSTA. 1995. Tradução Marcello Rollemberg. 136 p. 2008. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Rio de Janeiro: Elsevier. 1 v. Aurélio Buarque de Holanda. São Paulo: Gocil News. A segurança pública e o aperfeiçoamento da polícia no Brasil. John P. 2001. Tropa de choque . Comportamento humano no trabalho: uma abordagem psicológica. CRUZ. 2001.uol. São Paulo: Livraria Científica Ernesto Reichmann.com.htm>. Comportamento organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. e atualizada. 2008. . dez. Teoria geral da administração. 2009. Herman. FERREIRA. Miniaurélio século XXI: o minidicionário da língua portuguesa. ed./mar. 5. ver. rev. Acesso em: 10 set. Álvaro. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. N. 463 p. John W. São Paulo. GOLDSTEIN. Polícia militar & comunidade.153 CHIAVENATO. Alexandre Henriques da. São Paulo: Atlas. 1994. n. 4. 8. 6.br/vyaestelar/insatisfacao_trabalho. ed. n. Insatisfação no trabalho. 2004.elite operacional das polícias militares: aspectos legais e operacionais. RJ: Elsevier. Recursos Humanos: o capital humano nas organizações. Disponível em: <http://www2. Policiando uma sociedade livre. Idalberto. _______. KOTTER. DAVIS.

1992.administradores.909. Legislação Estadual. produção. de 02 de dezembro de 2008. A briosa: história da Polícia Militar da Paraíba. 92 p. Insatisfação no trabalho. Dispõe sobre a Organização Estrutural e Funcional da PMPB e determina outras providências. Roberto Kant de. Legislação Estadual. Minidicionário de termos da qualidade – termos de administração. João Pessoa. metrologia. LIMA. estatística. BARROS. 160 p. João Pessoa: 2000. José Carlos de. 1989. SANCHES. 26. 2002. Paulo Mundin. 1997.br/artigos/insatisfacao_no_trabalho/25538/>. Delito. normalização. MEIRELES. José Maria. Pesquisa de marketing: conceitos e metodologia. Rio de Janeiro. Constituição (1989). João Batista de. produtividade. . insegurança do cidadão: novas perspectivas. Nellis. 3. planejamento e áreas afins. Direitos civis. São Paulo: Prentice Hall. ______. projeto de experimentos. SALAS Luis. PARAÍBA.154 OLIVEIRA. de 17 de julho de 1977. Lei n° 3. Direito administrativo brasileiro. Hely Lopes. 2001. Estado de Direito e Cultura Policial: A formação policial em questão. PRAZERES. 1997. jurídicos. São Paulo: Atlas. Dispõe sobre o Estatuto dos Policiais Militares do Estado da Paraíba e dá outras providências. probabilidade. Acesso em: 27 set. 2008. 2009. LIMA. Dicionário de orçamento. Lei Complementar n° 87. Disponível em: <http://www. RICO. 1977. confiabilidade. Rio de Janeiro: Polícia Militar. Brasília: Prisma.com. Constituição do Estado da Paraíba. psicologia e tecnologia. 1997. Osvaldo Maldonado. ______. ed. 782 p. João Pessoa: Grafset. 308 p. João Pessoa. Beatriz Santos. ed. São Paulo: Malheiros. SAMARA.

639 p. 3.I/97) – Centro de Aperfeiçoamento e Estudo Superiores. 18.htm>. 876 p. São Paulo: Livraria e Editora de Direito Ltda. Cavalaria. Motivação profissional: princípios a serem seguidos na implantação de um programa na PM. 1999.psc. Tradução Sara Rivka Gedanke.. John R. 28 f. Edinaldo Cirino dos. 296 p. Satisfação no trabalho. Rio de Janeiro: Impetus. 2009.. João Pessoa.155 SANDES. Izequias Estevam dos. Richard N. 2006. SOUZA. MILIONI B. Cuiabá. SOUZA. SANTOS . Monografia (Curso de Especialização Lato Sensu em Gestão Empresarial Contemporânea) – Faculdade de Administração.. 1997. Gestão de desempenho: julgamento ou diálogo? 4. A polícia militar na constituição. tropa especializada da PMPB: situação atual e perspectivas futuras. Monografia (Curso de Especialização em Segurança Pública) – Academia de Polícia Militar do Cabo Branco. SILVA. Benedito Celso de.br/satisfacaonotrabalho. Jorge da. rev. 437 f. Flavio de. 2002. Curso de direito constitucional positivo. Segurança pública e polícia: criminologia crítica aplicada. Economia e Ciências Contábeis (FAECC) do Departamento de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso. Fundamentos de comportamento organizacional. OSBORN. 2005. Wilquerson Felizardo. 2005. Porto Alegre: Bookman. Rio de Janeiro: Forense. Dicionário de recursos humanos. ed. SILVA. ampl. James G. 2001. 1986. 1986. SANTOS. Monografia (Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais . Vera Lúcia. Textos selecionados de métodos e técnicas de pesquisa científica. SANTOS. 84 f. 2003. TOLEDO. São Paulo. Maier Augusto. . ed. 2. São Paulo: Malheiros. SANTOS. 2001. HUNT. ed.vivercomqualidade. 3. São Paulo: Atlas. SCHERMERHORN. Disponível em: <http://www. 1997. Diagnóstico do clima organizacional da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso. José Afonso da. Acesso em: 22 ago. 2001. 2 v. JR. Rio de Janeiro: FGV. ed. ed. Carlos Eduardo Batista dos.

catho. 2000. Disponível em: <http://www.com. Eunice. São Paulo: Saraiva.phtml?id=3813>. Sylvia Constant. Gestão de pessoas. Jornal Carreira e Sucesso Newsletter. ed. HOLLENBECK.156 TROSA. Comportamento organizacional. VITIELLO. 6. ed. São Paulo. Edição quinzenal. DF: ENAP. Tradução Maria Luíza de Carvalho. WAGNER III. São Paulo: Atlas. 120. 2007. .. Sylvie. John A. 320 p. 2009. Rio de Janeiro: Revan. Gestão pública por resultados: quando o Estado se compromete. John R. Tradução Cid Knipel Moreira. Brasília. Acesso em: 02 nov. 11 de março de 2002. 2001. VERGARA.br/jcs/inputer_view. Incentivo: uma benção ou uma maldição?.

157 APÊNDICES .

A finalidade deste trabalho é propor os ajustes necessários se for o caso e buscar nas melhores políticas de incentivo profissional das polícias co-irmãs subsídios para efetivar sugestões para a PMPB. o(a) senhor(a) não é obrigado(a) a fornecer as informações e/ou colaborar com as atividades solicitadas pelos Pesquisadores. ______________________________________ Assinatura do(a) Participante da Pesquisa . João Pessoa-PB. declaro que fui devidamente esclarecido(a) e dou o meu consentimento para participar da pesquisa e para publicação dos resultados. sob a orientação da Professora Doutora Kátia Virgínia Ayres. O objetivo do estudo é o de analisar a percepção dos militares estaduais paraibanos acerca da atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba. Estou ciente de que receberei uma cópia desse documento. Diante do exposto. portanto. _____ de ______________ de 2009. O pesquisador estará à sua disposição para qualquer esclarecimento que considere necessário em qualquer etapa da pesquisa. solicito a sua colaboração para responder ao questionário em apenso. não sofrerá dano algum. Porquanto. Esclareço que sua participação no estudo é voluntária e. e está sendo desenvolvida pelo Major QOC Carlos Eduardo Batista dos Santos. ou resolver a qualquer momento desistir do mesmo.APÊNDICE A – Termo de Consentimento Livre Esclarecido 158 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezado(a) Senhor(a). Esta pesquisa tem como tema “PERCEPÇÃO DOS OFICIAIS SOBRE A ATUAL POLÍTICA DE INCENTIVOS DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA”. como também sua autorização para apresentar os resultados deste estudo no trabalho monográfico a ser elaborado pelo especializando. Caso decida não participar do estudo. na Escola do Servidor Público da Paraíba em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba. aluno do MBA em Gestão Estratégica de Pessoas na Administração Pública.

favor ligar para o pesquisador: 1) MAJ QOC Carlos Eduardo Batista dos Santos: Tel: (0xx83) 8860 4414 ou Funcional: (0xx83) 3213 9214 Local de Trabalho: Centro de Educação da PMPB.159 Contato com o Pesquisador Responsável: Caso necessite de maiores informações sobre o presente estudo. Atenciosamente. ___________________________________________ Assinatura do Pesquisador Responsável .

APÊNDICE B – Questionário de Pesquisa

160

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA ESCOLA DE SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

QUESTIONÁRIO

Caro Oficial.

Gostaria de solicitar a sua participação na pesquisa Percepção dos Oficiais sobre a atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba. Esta pesquisa tem como objetivo analisar a percepção dos militares estaduais paraibanos acerca da atual política de incentivos da Polícia Militar da Paraíba, com vistas apresentar sugestão para melhoria da gestão de pessoas na PMPB. Para participar você deve estar ciente de que: a) Sua participação é voluntária e uma recusa não implicará em qualquer tipo de prejuízo; b) As informações que você fornecer serão utilizadas em trabalhos científicos, mas sua identidade não será conhecida, pois os questionários são anônimos, você não precisa se identificar; c) A resposta ao questionário demandará cerca de quinze minutos de seu tempo; d) Não existe nenhum risco previsível ao participar deste estudo. e) O responsável pela pesquisa pode ser contatado a qualquer momento através do telefone abaixo, para a solução de alguma dúvida ou problema a ela relacionado. Caso concorde em participar da pesquisa responda, por favor, a todas as questões a seguir, marcando um “X” na opção que melhor represente sua opinião ou resposta, ou informando o que se pede no espaço correspondente. Muito obrigado!

APÊNDICE B – Questionário de Pesquisa

161

PERFIL DO POLICIAL MILITAR 1) Quem sou ? ( )Oficial Subalterno 2) Gênero Sexual ( ) Masculino

(

)Oficial Intermediário

(

)Oficial Superior

(

) Feminino

3) Trabalho na PMPB há: ( ) até 5 anos ( ) mais de 5 até 10 anos 4) Seu grau de escolarização é: ( ) Superior Completo ( ) Pós-graduado (Especialização)

( (

) mais de 10 até 15 anos ) mais de 15 anos até 20 anos

( (

) Pós-graduado (Mestrado) ) Pós-graduado (Doutorado)

5) O seu nível cultural e intelectual é suficiente para o exercício das suas atividades na Corporação? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos VIDA PROFISSIONAL 6) Sente-se orgulhoso em trabalhar na PMPB? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 7) Sente orgulho da atividade que desempenha na PMPB? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 8) Preocupa-se com o futuro da Corporação? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 9) Considera que está obtendo sucesso em sua carreira e em sua vida profissional? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 10) Gostaria que seus filhos trabalhassem na PMPB? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 11) Os cursos e treinamentos realizados por você são suficientes para o exercício e o bom desempenho de suas atividades? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 12) Em sua opinião a PMPB conta com a estrutura hierárquica adequada? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 13) Em sua opinião a PMPB dispõe do quantitativo de pessoal (efetivo) necessário para a realização dos serviços de forma eficaz, eficiente e efetiva? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 14) Em sua opinião, o material humano da PMPB está sendo empregado de forma correta, ou seja, os locais onde está sendo lançado o policiamento são realmente os que mais necessitam? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 15) Em sua opinião, o material humano da PMPB está sendo empregado de forma correta, ou seja, as situações nas quais está sendo lançado o policiamento são realmente aquelas que necessitam de policiamento? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 16) Em sua opinião a PMPB dispõe de equipamentos, armamentos e viaturas suficientes e adequados para a realização do serviço de forma eficaz, eficiente e efetiva? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 17) Em sua opinião a PMPB dispõe de infra-estrutura física (quartéis) adequada para o serviço administrativo a ela pertinente? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 18) O seu Comandante, Diretor ou Chefe atual é a pessoa mais indicada para ocupar esta função? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 19) Você confia plenamente no seu Comandante, Diretor ou Chefe atual? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 20) A cultura organizacional (tradições, práticas e costumes adotados na PMPB que estão previstos em qualquer regra) adotada na Corporação favorece a execução das suas atividades laborais? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos

APÊNDICE B – Questionário de Pesquisa
INCENTIVOS PROFISSIONAIS 21) Considera que o seu trabalho é reconhecido e valorizado pela PMPB? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 22) Considera que o seu trabalho é reconhecido e valorizado pela sua família, amigos e parentes? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 23) Considera que o seu trabalho é reconhecido e valorizado pela sociedade? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 24) Acha justo o seu salário? ( ) Não ( ) sim

162

(

) Mais ou menos

25) O seu patrimônio é condizente com os esforços que tem feito pela Corporação. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 26) Complementa sua renda com outro tipo de atividade profissional? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos AMBIENTE DE TRABALHO 27) As condições ambientais de trabalho favorecem a execução de suas atividades na Corporação.(iluminação, ruídos,temperatura, entre outros)? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 28) Está satisfeito com a alimentação oferecida no Quartel em que serve? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 29) Está satisfeito com o seu horário que trabalho? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 30) Está satisfeito com sua jornada de trabalho? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 31.A assistência de médica, odontológica, psicológica e a assistência social adotadas na empresa favorecem a execução de suas atividades na PMPB? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 32) O tratamento dispensado pelos superiores hierárquicos é: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta

) Ruim

33) O tratamento dispensado pelos colegas do mesmo grau hierárquico (pares) é: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 34) O tratamento dispensado aos seus subordinados por você é: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 35) O ambiente entre os membros da PMPB (clima organizacional) é: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 36) Ao cumprimentar ou ao responder ao cumprimento de um subordinado ou de um superior hierárquico, considera isso: ( ) como cortesia ( ) como questão regulamentar ( ) como questão de educação ( ) como respeito mútuo; e ( ) a somatória de regulamento, cortesia, educação e respeito. 37) Quando se alimenta no quartel o faz em refeitório diverso das praças, por motivo de: ( ) considera que é necessidade de se evitar a promiscuidade; ( ) considera que é por simples disposição das instalações; ( ) considera que é por praxe da unidade; ( ) por motivo de regulamento; ( ) preservação dos círculos hierárquicos; ( ) para evitar constrangimentos mútuos; 38) Em sua opinião as refeições no quartel deveriam ser realizadas em ambiente comum, para uma maior interação e descontração entre Oficiais e Praças? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 39) Em sua opinião as escalas de serviços são adequadas para o bom desempenho profissional dos policiais militares paraibanos? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos

( ) ascensão profissional (promoção). visando a busca de sua motivação para o trabalho. ( ) láurea do mérito profissional. desmobilizando as “panelas”.APÊNDICE B – Questionário de Pesquisa 163 40) As escalas de serviços são feitas e divulgadas em tempo hábil para o bom desempenho profissional dos policiais militares paraibanos? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos PAPEL E IMAGEM 41) Em sua opinião. ( ) mais rapidez na concessão de láureas e de medalhas de valor militar. ( ) a cada ação policial. de atividades operacionais. ( ) divulgação do trabalho do PM ao público interno e externo (comunidade). ( ) obter o reconhecimento profissional. ( ) submetê-lo à capacitação técnico-profissional. ( ) ter o PM boa estrutura familiar. ( ) cuidar das instalações onde trabalha para melhorar o ambiente físico. ( ) eliminar as exceções no tratamento dos homens. ( ) movimentação de unidade. ( ) residir mais perto do trabalho. ( ) o PM da atividade fim deve ganhar mais do que os que servem nas assessorias militares. ( ) promover o reconhecimento pela sociedade (comunidade) do seu trabalho. ( ) que o oficial dialogue sempre com os PM. ( ) estimular o PM a concursos internos e facilitar-lhe os externos. (assinale as cinco que considera mais importantes) ( ) pagar salários compatíveis. acrescentar pontos para promoção. ( ) marketing de incentivos. . ( ) escala de serviço racional. ( ) gratificação. criando critérios justos para avaliação. pois são de concessão muito demoradas. com valor superior a gratificação paga aos policiais a disposição das assessorias e outras gratificações como estímulo. ( ) rever os critérios para promoção por merecimento. qual a percepção da imagem que tem a população em relação ao serviço prestado pela Polícia Militar? ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO 43) Em que nível de motivação – grau de estímulo – você se encontra hoje em relação as suas atividades desempenhadas na PMPB: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 44) Em que nível de satisfação – grau de contentamento – você se encontra hoje em relação as suas atividades desempenhadas na PMPB: ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 45) Em que nível de motivação – grau de estímulo – você se encontra hoje em fazer parte do efetivo da PMPB? ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 46) Em que nível de satisfação – grau de contentamento – você se encontra hoje em fazer parte do efetivo da PMPB? ( ) Excelente ( ) Muito bom ( ) Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssimo ( ) Não sei ( ) Sem resposta 47) Em sua opinião o nosso regulamento disciplinar tem equilíbrio entre punições-sanções e recompensas? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 48) Assinale outras modalidades de recompensas. ( ) indicação para cursos de interesse. instrução e relacionamentos adequados. 49) Em sua opinião o que é preciso para incentivar o policial militar. ( ) que ele tenha apoio dos comandantes. ( ) que o trabalho seja de acordo com o seu perfil profissional. quando for de seu interesse. a Polícia Militar vem cumprindo seu papel proporcionando segurança à comunidade ? ( ) Sim ( ) Não ( ) Em parte ( ) Não sei ( ) Sem resposta 42) Em sua opinião. e não só da corporação. desejáveis na corporação: (assinale as cinco que considera mais importantes) ( ) o reconhecimento do trabalho do PM pelos Comandantes. atendendo-o nas movimentações que solicitar. recompensas e material técnico adequado.

( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 54) Está com sua situação financeira em ordem. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 53) Está satisfeito com sua residência. . ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 58) Está satisfeito com as suas práticas esportivas.APÊNDICE B – Questionário de Pesquisa 164 INFLUÊNCIA DE SUA PROFISSÃO EM SUA VIDA PRIVADA 50) Você se preocupa com o futuro de sua família? ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 51) Está satisfeito com a alimentação que proporciona a sua família. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 60) Vem conseguindo gozar suas férias regulamentares normalmente ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos Obrigado por sua colaboração. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 59) Está satisfeito com seu estado físico. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 55) Está satisfeito com o seu nível social. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 52) Está satisfeito com a educação que proporciona aos seus filhos. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 57) Está satisfeito com o seu nível cultural. ( ) Não ( ) sim ( ) Mais ou menos 56) Está satisfeito com o seu convívio social.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful